EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015"

Transcrição

1 EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015 ESCLARECIMENTOS PARA DIRETORES DE TURMA E ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO (11º e 12º anos dos cursos científico-humanísticos e 12º ano dos cursos profissionais) A Informações gerais 1. Devem inscrever-se para a realização de exames finais nacionais ou de provas de equivalência à frequência do ensino secundário os alunos: Que tenham de realizar exames para aprovação em disciplinas dos seus cursos de ensino secundário; Que pretendam realizar melhoria de nota de disciplinas do ensino secundário em que já obtiveram aprovação; Que pretendam realizar provas para aprovação em disciplinas de cursos que não frequentaram. Que pretendam realizar provas de ingresso; 2. Não podem inscrever-se para a realização de exames finais nacionais ou de provas de equivalência à frequência do ensino secundário os alunos: Que tenha anulado a matrícula a qualquer disciplina após o 5.º dia útil do 3.º período (após 13 de abril). 3. Exames nacionais finais a realizar por um aluno de um curso científico-humanísticos: Os alunos do 11º ano de escolaridade que iniciaram o 10º ano em 2013/2014, ao abrigo do Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 91/2013, 10 de julho, inscrevem-se obrigatoriamente nas duas disciplinas bienais da componente de formação específica, ou numa das disciplinas bienais da componente de formação específica e na disciplina de Filosofia da componente de formação geral, de acordo com a opção do aluno, quer se encontre na situação de interno ou autoproposto. No ato de inscrição para admissão dos exames finais nacionais do ensino secundário o aluno fica vinculado, até ao final do ano letivo, nas duas disciplinas bienais que optou. O aluno que se encontre a repetir o 11º ano pode igualmente beneficiar da situação referida no ponto anterior desde que não tenha concluído a disciplina de Filosofia nem a disciplina bienal da formação específica na qual não pretende realizar exame final nacional. Os alunos só poderão alterar a opção tomada no ano ou anos letivos seguintes, desde que não tenham concluído nenhuma das disciplinas relativamente às quais pretendem alterar a decisão de realização de exame final nacional. Os alunos do 12º ano, quer sejam internos ou autopropostos, realizam obrigatoriamente, para conclusão do curso, exame final nacional na disciplina de Português da componente de formação geral e na disciplina trienal. Inscrevem-se ainda em todas as disciplinas que tenham em atraso quer através de exames finais nacionais quer através de provas de equivalência à frequência. 4. Exames nacionais finais a realizar por um aluno de um curso profissional concluído no ano letivo 2012/2013 e seguintes que pretenda prosseguir estudos no ensino superior: De acordo com a sua opção e na qualidade de autoproposto os alunos realizam exames finais nacionais da disciplina de Português, da componente de formação geral dos cursos científico-humanísticos e um outro exame final nacional, escolhido de entre os que são oferecidos para os vários cursos científicohumanísticos. 5. Provas de ingresso em exames para concorrer à matrícula e inscrição no ensino superior As provas de ingresso para acesso a um curso num determinado estabelecimento de ensino superior são as provas definidas por este para, com base nas classificações obtidas em exame final nacional e em combinação com outros fatores, selecionar e seriar os candidatos ao ingresso nesse curso Os alunos que pretendam concorrer à matrícula e inscrição no ensino superior público ou particular e cooperativo devem realizar obrigatoriamente em 2015: nos cursos científico-humanísticos Os exames das disciplinas indispensáveis à conclusão do seu curso de ensino secundário. Caso tenham de realizar exame de uma disciplina cumulativamente para aprovação e como prova de ingresso devem inscrever-se e realizar o exame correspondente ao seu plano de estudos, desde que esse exame se constitua como prova de ingresso. Só serão aceites como provas de ingresso exames em que o aluno obtenha classificação mínima de 9,5 valores (mesmo que, com classificação inferior no exame, consiga ou não obter aprovação na disciplina). 1

2 nos cursos profissionais Os exames das disciplinas indispensáveis ao prosseguimento de estudos no ensino superior, de acordo com a opção definida no ponto 4. Estes exames também se podem constituir como provas de ingresso. Os exames que se constituam exclusivamente como provas de ingresso. Só serão aceites como provas de ingresso exames em que o aluno obtenha classificação mínima de 9,5 valores Os alunos que pretendam concorrer à matrícula e inscrição no ensino superior público ou particular e cooperativo podem utilizar os exames finais realizados em 2013 e/ou 2014 (os exames finais nacionais podem ser utilizados como provas de ingresso no ano da sua realização, bem como nos dois anos subsequentes) Caso o aluno pretenda candidatar-se ao ensino superior com exames finais nacionais realizados em anos anteriores e que se encontrem válidos, sem realizar exames no presente ano letivo, deve assinalar o facto no campo 4 do boletim de inscrição, para efeitos de registo e posterior emissão da ficha ENES, não havendo lugar ao pagamento de quaisquer encargos. Este pedido pode ser efectuado a partir do início do prazo normal de inscrições da 1.ª fase, até ao início do período de inscrições do ano 2015/2016. As provas de ingresso exigidas para cada curso de ensino superior em cada estabelecimento de ensino são as fixadas pelas instituições, divulgadas na página da Internet 6. Prazos de inscrição para os exames finais nacionais e provas de equivalência à frequência: Prazo normal de inscrição para a 1ª fase - de 09 a 20 de março, (calendário definido pela escola); realização de exames na 1.ª Fase de 15 a 25 de junho de 2015 Prazo normal de inscrição para a 2ª fase de 13 a 15 de julho. realização de exames na 2.ª Fase de 17 a 21 de julho de Os prazos de inscrição para admissão às provas de equivalência à frequência e aos exames finais nacionais das disciplinas terminais a eles sujeitos, são os estabelecidos no número anterior, exceto para: os alunos que não se encontrem inscritos nos exames finais nacionais e/ou provas de equivalência à frequência e anularem a matrícula até ao 5.º dia útil do 3.º período (limite máximo, 13 de abril), os quais devem efetuar a sua inscrição, na 1ª fase, nos dois dias úteis seguintes ao da anulação da matrícula ou atualizarem a sua inscrição caso se trate de disciplina sujeita a exame nacional. os alunos que não se encontrem inscritos nos exames finais nacionais e/ou provas de equivalência à frequência e pretendam obter aprovação em disciplina cujo ano terminal frequentaram sem aprovação. Estes alunos devem proceder à sua inscrição, na 1.ª fase, nos dois dias úteis após a afixação das pautas de avaliação sumativa interna do 3.º período. 8. As pautas referentes às classificações dos exames finais nacionais e às provas de equivalência à frequência são afixadas nas seguintes datas: 1.ª Fase 09 de julho de 2015; 2.ª Fase 4 de agosto de Documentos a apresentar no ato da inscrição Boletim de inscrição, modelo n.º 0133 (1ª fase) e modelo n.º 0134 (2.ª fase) da Editorial do Ministério da Educação e Ciência; Fotocópia do bilhete de identidade/cartão de cidadão, com a apresentação do original para verificação (os alunos estrangeiros sem documentos portugueses devem apresentar o documento de identificação utilizado no seu país); Recibo do pedido de atribuição de senha para acesso ao sistema de candidatura on-line, disponível na página da Internet caso pretenda concorrer ao ensino superior público. 10. Pré-requisitos: condições de natureza física, funcional ou vocacional exigidas para acesso a determinados cursos de ensino superior. A inscrição para a realização da 1ª chamada da avaliação dos pré-requisitos decorre nos estabelecimentos de ensino superior de 23 de fevereiro a 13 de março de (consultar 2

3 11. Códigos de exame e de curso: Cursos Exames Nacionais 11º Ano 12º Ano Provas de Equivalência à Frequência Línguas e Humanidades Ciências e Tecnologias Profissionais Geografia A 719 Francês 517 MACS 835 Filosofia 714 Biologia e Geologia 702 Física e Química A 715 Filosofia 714 Código do Curso C62 Código do Curso C60 Português 639 História A 623 Português 639 Matemática A 635 Português e um outro exame final nacional, escolhido de entre os que são oferecidos para os vários cursos científico-humanísticos. Exames de todas as disciplinas que se constituam como provas de ingresso. Código dos Cursos P01 (AS); P56 (GI) Inglês 367 (...) Outras provas de disciplinas não sujeitas a exame nacional. B Condições de inscrição para os exames na 1.ª e / ou na 2.ª fase 1. Considera-se aluno interno (cursos científico-humanísticos) aquele que frequenta até final do ano letivo a disciplina a que se propõe a exame. (Mantém-se a situação de interno, na 1.ª e na 2.ª fase, sempre que o aluno é admitido a exame final nacional em resultado da avaliação final do 3.º período classificação interna final igual ou superior a 10). Nota: o aluno que reprova numa disciplina terminal em resultado da avaliação final do 3º período passa à situação de aluno autoproposto para os exames da 1ª fase (tem, obrigatoriamente de entregar novo boletim de inscrição, alterando a sua situação para aluno autoproposto). 2. Considera-se aluno autoproposto o aluno que reprovou na avaliação final da disciplina (classificação interna final inferior a 10), que anulou a matrícula até ao 5.º dia útil do 3.º período, excluiu por faltas a uma disciplina, já concluiu a disciplina no ano letivo anterior e pretende melhorar a classificação, pretende substituir uma disciplina do currículo, pretende a realização de exame exclusivamente como prova de ingresso, entre outras situações). 3. A 1.ª fase dos exames finais nacionais e das provas de equivalência à frequência dos 11º e 12º anos de escolaridade têm caráter obrigatório para todos os alunos internos e autopropostos, quer para aprovação, melhoria de classificação ou exclusivamente para ingresso. 4. Só podem ser admitidos à 2.ª fase dos exames finais nacionais os alunos que realizaram provas na 1.ª fase e desde que: a) Não tenham obtido aprovação nas disciplinas em que realizaram exames finais nacionais na 1.ª fase inscrição automática na 2.ª fase para os alunos internos e inscrição obrigatória para os alunos autopropostos; b) Pretendam realizar melhoria de classificação em qualquer disciplina realizada na 1.ª fase, no mesmo ano letivo inscrição obrigatória na 2.ª fase. c) Pretendam repetir o exame final nacional de qualquer disciplina realizada na 1.ª fase e que se constitua exclusivamente como prova de ingresso inscrição obrigatória na 2.ª fase. 5. Só podem ser admitidos à 2.ª fase das provas de equivalência à frequência os alunos que realizaram provas na 1.ª fase e desde que: a) Não tenham obtido aprovação nas disciplinas em que realizaram estas provas na 1.ª fase, ou seja, que não obtiveram 10 valores na classificação final da disciplina (CFD) inscrição obrigatória na 2.ª fase; 3

4 b) Pretendam realizar melhoria de classificação em qualquer disciplina realizada na 1.ª fase, no mesmo ano letivo inscrição obrigatória na 2.ª fase. 6. Realizam exames exclusivamente na 2.ª fase os alunos que: a) pretendam realizar melhoria de classificação em qualquer disciplina concluída por frequência no mesmo ano letivo e não sujeita a exame final nacional inscrição obrigatória na 2.ª fase. b) pretendam a realização de exames finais nacionais de disciplinas que não pertençam ao seu plano de estudos, desde que tenha realizado na 1.ª fase outro exame calendarizado para o mesmo dia e hora inscrição obrigatória na 2.ª fase. c) pretendam obter aprovação numa disciplina terminal em que excluíram por faltas inscrição obrigatória na 2.ª fase. 7. Os alunos (internos ou autoproposto) que não comparecerem à 1.ª fase dos exames finais nacionais e das provas de equivalência à frequência do 11º e 12º anos, não são admitidos à 2.ª fase. Podem excecionalmente realizar os exames finais nacionais e as provas de equivalência à frequência na 2.ª fase, desde que autorizados pelo presidente do JNE, após análise caso a caso de processo remetido pelo diretor da escola. Este processo deve ser instruído com documentos oficiais que comprovem a situação que impediu o aluno de efetuar as provas na 1.ª fase. 8. Nos cursos científico-humanísticos, a classificação interna de qualquer disciplina (obtida por frequência) mantém-se sempre válida na 2.ª fase de exames do mesmo ano letivo em que foi atribuída, mas não no(s) ano(s) letivo(s) seguinte(s). Ou seja: a) Se o aluno é admitido a exame com uma classificação interna igual ou superior a 10 valores mas reprova em consequência do resultado obtido na 1.ª fase de exames, pode tentar obter aprovação nessa disciplina através da realização do exame de 2.ª fase, sendo ainda considerada, para o efeito, a classificação interna já obtida. Caso torne a reprovar, para obter aprovação nessa mesma disciplina em ano letivo subsequente, deverá optar por uma de duas hipóteses: Frequentar de novo a disciplina e apresentar-se a exame como aluno interno, sendo considerada para efeitos de aprovação a classificação interna então obtida e a classificação de exame; Propor-se a exame como aluno externo, contando para efeitos de aprovação apenas a classificação do exame. b) Se o aluno obtém aprovação após a realização de exames na 1.ª fase, pode tentar melhoria de nota nessa disciplina através dos seguintes meios: através da realização do exame de 2.ª fase nesse mesmo ano letivo, sendo ainda considerada, para o efeito, a classificação interna já obtida; propor-se a exame como aluno externo, na 1.ª e 2.ª fases do ano lectivo seguinte, contando para efeitos de melhoria apenas a classificação obtida no exame. 9. O aluno pode realizar exames para melhoria de classificação: Na 2.ª fase do ano escolar em que concluiu a disciplina através de exame de 1ª fase (o aluno é considerado interno); Em ambas as fases do ano escolar seguinte (o aluno é considerado autoproposto); Após os prazos acima definidos, sem limitações, exclusivamente para efeitos de acesso ao ensino superior (a classificação obtida na disciplina, para efeitos de média do ensino secundário, não sofre alterações). 10. O aluno que frequenta o 11º ou 12.º ano e se encontra simultaneamente matriculado em disciplina plurianual de ano curricular anterior em que não tenha progredido (10º ou 11º) pode propor-se a exame final dessa disciplina (como aluno autoproposto), não necessitando, para o efeito, de anular a respetiva matrícula no 10º ou 11º anos. Em caso de reprovação em exame, manter-se-á válida a classificação obtida na frequência do ano curricular anterior em que se encontra matriculado. 11. Os alunos do 11º e/ou 12º anos realizam prova de equivalência à frequência em todas as disciplinas não sujeitas a exame final nacional em que não tenham obtido aprovação ou em que pretendam obter melhoria de 4

5 nota. Estas provas só podem ser realizadas no ano terminal da disciplina (Inglês no 11º ano e as restantes no 12º ano). 12. Aos alunos do 11.º ano dos cursos científico-humanísticos é autorizada a realização de quaisquer provas de equivalência à frequência de disciplinas terminais não sujeitas a exame final nacional do seu plano de estudos. Aos alunos do 12.º ano dos cursos científico-humanísticos para efeitos de conclusão de curso, é facultada a apresentação a provas de equivalência à frequência em qualquer disciplina, independentemente do ano do plano de estudo a que pertençam. 13. Sempre que o aluno peça reapreciação de prova, esta é reapreciada na totalidade, independentemente do número de questões alegadas. Daqui decorre que pode ser alterada a classificação de qualquer questão, mesmo que não invocada pelo aluno. Deve recomendar-se aos alunos que, caso venham a pretender pedir reapreciação de provas, é conveniente consultarem os seus professores antecipadamente quanto à possibilidade de aqueles estarem disponíveis para os ajudarem a preparar a fundamentação do pedido de reapreciação, uma vez que, aquando da saída dos resultados da 2.ª fase, a maioria dos professores se encontra de férias. 14. Utilização das classificações dos exames (provas de ingresso) nas candidaturas ao ensino superior: As provas de exame realizadas na 1.ª fase podem ser utilizadas na 1ª e na 2.ª fases de candidatura ao ensino superior e as realizadas na 2.ª fase são elegíveis apenas para a candidatura à 2.ª fase; As provas de exames realizadas em anos anteriores mantêm as condições já adquiridas enquanto se considerarem válidas. As elegíveis para a 1.ª fase do concurso mantêm essa condição o mesmo acontecendo às elegíveis apenas para a 2.ª fase. NOTAS: O diretor de turma deverá recomendar aos alunos a leitura atenta do Guia Geral de Exames 2015 (consultar É de todo recomendável que os alunos assinalem como prova de ingresso todos os exames nacionais finais em que se inscrevem, mesmo que não os venham a utilizar para esse efeito; As informações constantes deste documento deverão ser bem esclarecidas junto dos alunos e não meramente fotocopiadas e distribuídas. Prazos e custos Calendário interno de inscrições (1ª fase) 16 e 17 março 11º LH e 12º LH 18 e 19 março 11º C e 11º C 20 março 12º AS e 12º GI Boletim de inscrição 1,35 modelo n.º 0133(1ª fase) e modelo nº 0134( 2ª fase) da Editorial do Ministério Educação (à venda na papelaria) Propina de inscrição para exame Alunos autopropostos 3,00 por disciplina Melhoria de classificação 10,00 por disciplina Multa (inscrições fora do prazo normal) 25,00 E.G.V., março de

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO 2012 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (11º E 12º ANOS) EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO 2012 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (11º E 12º ANOS) EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO 2012 Escola Básica e Secundária de Velas CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (11º E 12º ANOS) EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Planos curriculares do

Leia mais

E X A M E S N A C I O N A I S D O E N S I N O S E C U N D Á R I O

E X A M E S N A C I O N A I S D O E N S I N O S E C U N D Á R I O 2012 DECRETO-LEI N.º 50/2011 [PLANO DE ESTUDOS] PORTARIA N.º 244/2011 [AVALIAÇÃO] DESPACHO N.º 1942/2012 [CALENDÁRIO DE EXAMES] NORMA 01/JNE/2012 [INSTRUÇÕES PARA A INSCRIÇÃO] E X A M E S N A C I O N A

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/ 2015 Exames Nacionais do Ensino Secundário http://agrcanelas.edu.pt/ PARA EFEITOS DE ADMISSÃO A EXAME, OS CANDIDATOS CONSIDERAM-SE: ALUNOS INTERNOS ALUNOS AUTOPROPOSTOS EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

Agrupamento de Escolas Raul Proença 12 de março de 2013 Informações

Agrupamento de Escolas Raul Proença 12 de março de 2013 Informações Os alunos devem ser alertados para a necessidade de confirmar o seu nome nas pautas de chamada, se possível dias antes dos exames, para a necessidade de trazerem identificação pessoal, de verificarem o

Leia mais

Exames Finais Nacionais e Exames de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário

Exames Finais Nacionais e Exames de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Exames Finais Nacionais e Exames de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário EXAMES NA 1ª FASE - OS ALUNOS INTERNOS (alunos da Via Científica) e AUTOPROPOSTOS que faltarem à 1ª fase dos exames finais

Leia mais

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO O boletim de inscrição deve ser preenchido com esferográfica, azul ou preta, não conter rasuras e devem ser tidas em consideração as seguintes indicações: 1.1. Nome

Leia mais

[ Para alunos de outros cursos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior]

[ Para alunos de outros cursos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior] CONDIÇÕES e CALENDÁRIO de INSCRIÇÃO/ REALIZAÇÃO de EXAMES - 2014 ENSINO SECUNDÁRIO ( Decreto -Lei n.º 139/2012, de 05 de julho, estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos,

Leia mais

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Resumo de: Guia Geral de Exames 2014 13 de março de 2014 Rua Professor Veiga Simão 3700-355 Fajões Telefone: 256 850 450 Fax: 256 850 452 www.agrupamento-fajoes.pt

Leia mais

INSCRIÇÕES - Ensino Secundário

INSCRIÇÕES - Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.ª LAURA AYRES INSCRIÇÕES - Ensino Secundário EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2015 1. INFORMAÇÕES Os exames finais nacionais têm lugar em duas fases a ocorrerem

Leia mais

Exames 2012 - Ensino Secundário. Informações

Exames 2012 - Ensino Secundário. Informações Exames 2012 - Ensino Secundário Informações A. Exames nacionais a. Os exames nacionais são um elemento de avaliação externa com um peso de para a classificação final da disciplina (CFD), nas disciplinas

Leia mais

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX Ensino Superior EXAMES 2013 fevereiro de 2013 GAPEX 5 de fevereiro Despacho nº 2162-A/2013 de 5 de Fevereirode INSCRIÇÕES EXAMES 34.Os prazos de inscrição para admissão aos exames finais nacionais do ensino

Leia mais

Candidatura ao Ensino Superior

Candidatura ao Ensino Superior Candidatura ao Ensino Superior Para concluir o ensino secundário, os alunos têm que obter aprovação a todas as disciplinas do plano de estudos do respetivo curso. Nas disciplinas não sujeitas à realização

Leia mais

Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Psicóloga Maria João Caria

Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Psicóloga Maria João Caria Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Psicóloga Maria João Caria Alunos 12º anos; Fevereiro de 2011 Para concluir um curso do ensino secundário os alunos, têm de obter aprovação em todas as disciplinas!

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAGERALDE EXAMES2013 FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2013 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino Superior e Direção-Geral

Leia mais

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2014 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral

Leia mais

Antes de começar a preencher o seu boletim de inscrição, leia atentamente as seguintes instruções:

Antes de começar a preencher o seu boletim de inscrição, leia atentamente as seguintes instruções: Antes de começar a preencher o seu boletim de inscrição, leia atentamente as seguintes instruções: O boletim de inscrição deve ser preenchido com esferográfica, azul ou preta e não deve conter quaisquer

Leia mais

Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014

Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014 Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014 Documentos reguladores Decretos-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho; (Princípios orientadores da organização, da gestão e do desenvolvimento dos currículos dos

Leia mais

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Afixação dos resultados da avaliação Afixação das pautas de avaliação final do 3.º período: 9 de junho Entrega de avaliações pelos diretores de turma: 9

Leia mais

Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2014

Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2014 COLÉGIO DA RAINHA SANTA ISABEL Serviço de Psicologia e Orientação AA/2013-2014 Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2014 Despacho n.o 3597- A/2014 de 6 de março e Despacho n.o 8248/2013 de 25 de

Leia mais

Candidatura ao Ensino Superior

Candidatura ao Ensino Superior Candidatura ao Ensino Superior Para concluir o ensino secundário, os alunos têm que obter aprovação a todas as disciplinas do plano de estudos do respectivo curso. Nas disciplinas não sujeitas à realização

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (3º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do 9º ano

Leia mais

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 2 FICHA TÉCNICA

Leia mais

copyright DGES/DGE-JNE2012. Todos os direitos reservados.

copyright DGES/DGE-JNE2012. Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2012 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino Superior e Direção-Geral de Educação Júri Nacional

Leia mais

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIA GERAL DE EXAMES - 2010 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular -Júri Nacional de Exames Direcção-Geral do Ensino

Leia mais

deexames DIREÇÃO-GERAL DAEDUCAÇÃO

deexames DIREÇÃO-GERAL DAEDUCAÇÃO guiageral 2012 deexames DIREÇÃO-GERAL DAEDUCAÇÃO FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2012 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino

Leia mais

AVALIAÇÃO SUMATIVA NO FINAL DO 9º ANO / 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO RESUMO. I AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA: classificação de frequência

AVALIAÇÃO SUMATIVA NO FINAL DO 9º ANO / 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO RESUMO. I AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA: classificação de frequência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRAFLORES ESCOLA SECUNDÁRIA DE MIRAFLORES ANO LETIVO DE 2014-2015 AVALIAÇÃO SUMATIVA NO FINAL DO 9º ANO / 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO RESUMO I AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA: classificação

Leia mais

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2015 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral

Leia mais

REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015

REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015 REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015 PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO Abril de 2015 Júri Nacional de Exames Ordem de Trabalhos 2 Provas Finais de Ciclo e de

Leia mais

Candidatura 2011/12 SPO - ESMAIA

Candidatura 2011/12 SPO - ESMAIA Candidatura 2011/12 IMPORTANTE: ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI A CONSULTA DOS DOCUMENTOS OFICIAIS RELATIVAMENTE AOS ASPECTOS RELATIVOS AO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR, E POR ISSO, NÃO DISPENSA A CONSULTA PERIÓDICA

Leia mais

Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES. Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE

Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES. Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE 2011 Exames nacionais do ensino secundário GUIA GERAL DE EXAMES Acesso ao ensino superior DGES/DGIDC-JNE FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames Ano 2011 Exames Nacionais do Ensino Secundário e Acesso

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso

Regulamento de Acesso e Ingresso Página 1 de 7 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do ISVOUGA e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 1. Concurso Nacional de Acesso 1.1. Quem pode candidatar-se ao ensino superior? Podem candidatar-se ao ensino superior, os estudantes que satisfaçam cumulativamente, as seguintes

Leia mais

REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO_2015 Secretariado de Provas Finais e Exames 2015

REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO_2015 Secretariado de Provas Finais e Exames 2015 2015 REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO_2015 Secretariado de Provas Finais e Exames 2015 Quais são as disciplinas que obrigam à realização de Provas Finais? Português e Matemática Quem é admitido a Prova

Leia mais

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIA GERAL DE EXAMES - 2009 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular -Júri Nacional de Exames Direcção-Geral do Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA Página 1 de 6 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL. Ano letivo de 2015/2016

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL. Ano letivo de 2015/2016 EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL Ano letivo de 2015/2016 João Baptista da Costa Carvalho, Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), torna público a

Leia mais

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 2 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2013

Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2013 COLÉGIO DA RAINHA SANTA ISABEL Serviço de Psicologia e Orientação AA/2012-2013 Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2013 Despacho nº 2162A/2013 de 05 de Fevereiro Quem deve inscrever- se? Quem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração de 3 anos letivos correspondentes

Leia mais

Escolas João de Araújo Correia

Escolas João de Araújo Correia EXAMES-DÚVIDAS MAIS FREQUENTES E RESUMO DA NORMA 2/JNE/2014 INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO REAPRECIAÇÃO RECLAMAÇÃO PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA E EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA A Portaria n.º 401/2007, de 5 de abril, aprovou o Regulamento

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Artigo 1º Âmbito e Disposições Gerais 1. O presente Regulamento é aplicável às candidaturas aos cursos de Licenciatura da Faculdade

Leia mais

Mais de 40 anos de Progresso! Calendário de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior 2010/2011

Mais de 40 anos de Progresso! Calendário de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior 2010/2011 Mais de 40 anos de Progresso! Calendário de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior 2010/2011 1. Calendário Geral de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior (2011)*

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 11476 Diário da República, 2.ª série N.º 68 8 de abril de 2013 3- As patologias e domínios da intervenção clinica visados poderão abarcar cuidados desenvolvidos nos níveis ambulatório, domiciliário e hospitalar.

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n.

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n. UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Resolução n.º 94/2006 Por resolução do conselho directivo da Faculdade de Ciências

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário - Informação Geral

Exames Nacionais do Ensino Secundário - Informação Geral Exames Nacionais do Ensino Secundário - Informação Geral 1. Quem deve inscrever-se para a realização de exames nacionais do ensino secundário? Devem inscrever-se para a realização de exames nacionais do

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 Reunião com Encarregados de Educação 28/05/2015 18,00 Horas Auditório Joaquim de Carvalho ENSINO SECUNDÁRIO Quais as disciplinas em que

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 ÍNDICE 1. Quem pode candidatar-se 3 2. Como candidatar-se 3 3. Opções de candidatura 5 4. Exames/Provas de ingresso 6 5. Pré-requisitos 7 6. Contingentes especiais 8 7. Preferências regionais 13 8. Preferências

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores.

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores. Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores Preâmbulo De acordo com a portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril,

Leia mais

OUTROS REGIMES 2015/2016 MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

OUTROS REGIMES 2015/2016 MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO Ato pelo qual um estudante se matricula e ou inscreve em par instituição/ curso diferente daquele(s) em que, em anos letivos anteriores, realizou uma inscrição. A mudança

Leia mais

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho.

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho. Perguntas Frequentes: CANDIDATURAS E PRAZOS 1. Quais os prazos para apresentar candidatura ao Programa Retomar? O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Departamento de Psicopedagogia e Orientação Vocacional ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Serviços de Psicologia e Orientação Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo A psicóloga: Paula Jerónimo (paula.jeronimo@colegio-j-barros.com)

Leia mais

Inscrições nos Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior. SPO AEVagos

Inscrições nos Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior. SPO AEVagos Inscrições nos Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior 2015 SPO AEVagos Condições de Candidatura Ter aprovação num curso do Ensino Secundário Ter realizado, em 2013 e/ou 2014 e/ou 2015, as Provas

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO INFORMAÇÕES PARA ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO I - FIM DAS ATIVIDADES ESCOLARES As atividades escolares dos alunos do 11º e 12º

Leia mais

Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10

Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10 Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS LÍNGUAS E HUMANIDADES CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS A

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento destina-se a regular o acesso e ingresso nos cursos da Escola Superior Artística do Porto Guimarães, adiante designada por Escola.

Leia mais

DESPACHO SP/61/2015 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

DESPACHO SP/61/2015 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA DESPACHO SP/61/2015 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Face à necessidade de ajustar o regime do Estudante Internacional do Instituto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO PSICÓLOGA ÁUREA SANTOS OBJECTIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de carácter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração

Leia mais

Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado

Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DR. JOSÉ TIMÓTEO MONTALVÃO MACHADO Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e conceitos

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PREÂMBULO Nos termos do artigo 11.º do Decreto -Lei n.º 43/2014 de 18 de março, é aprovado o Regulamento das Condições de Ingresso nos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) do Instituto Politécnico

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 30 de junho de 2014 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM E DAS PROVAS

Leia mais

ESAI ESCOLA SUPERIOR DE ACTIVIDADES IMOBILIÁRIAS. Diário da República, 2.ª série N.º 200 17 de Outubro de 2006. Regulamento n.

ESAI ESCOLA SUPERIOR DE ACTIVIDADES IMOBILIÁRIAS. Diário da República, 2.ª série N.º 200 17 de Outubro de 2006. Regulamento n. ESAI ESCOLA SUPERIOR DE ACTIVIDADES IMOBILIÁRIAS Diário da República, 2.ª série N.º 200 17 de Outubro de 2006 Regulamento n.º 199/2006 O presente Regulamento é o regulamento interno da Escola Superior

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

REGULAMENTO ESTUDANTE INTERNACIONAL

REGULAMENTO ESTUDANTE INTERNACIONAL REGULAMENTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL REGULAMENTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL Considerando o Estatuto do Estudante Internacional, aprovado pelo Decreto -Lei n.º 36/2014, de 10 de março, é aprovado o presente

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 33/2013-CONSUNIV Altera a Resolução nº. 019/2011, que institui o Sistema de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 33/2013-CONSUNIV Altera a Resolução nº. 019/2011, que institui o Sistema de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 33/2013-CONSUNIV Altera a Resolução nº. 019/2011, que institui o Sistema de Ingresso Seriado para acesso aos Cursos de Graduação de

Leia mais

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte Regulamento do concurso de acesso aos cursos ministrados pelos estabelecimentos de ensino da Cooperativa de Ensino Superior, Politécnico e Universitário, CRL. C.E.S.P.U. Instituto Superior de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão (Aprovado por Deliberação de Mesa nº466/14, de 22 de Abril, com as alterações

Leia mais

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016 EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 205/206 (Portaria n.e 40/2007, de 5 de abril, alterada pela portaria n.s 232-A/203, de 22 de julho, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE CAPÍTULO I - REGIMES DE AVALIAÇÃO Artigo 1º - Modalidades de avaliação CAPÍTULO II - AVALIAÇÃO CONTÍNUA Artigo 2.º - Regime de avaliação contínua

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa SECÇÃO A Disposição geral Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 O presente regulamento disciplina, no cumprimento da Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril, os concursos

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

Regulamento das provas de ingresso nos cursos de Licenciatura em Educação Básica e em Gerontologia Social por alunos que realizaram o CET

Regulamento das provas de ingresso nos cursos de Licenciatura em Educação Básica e em Gerontologia Social por alunos que realizaram o CET Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento das provas de ingresso nos cursos de Licenciatura em Educação Básica e em Gerontologia Social por alunos que Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

Anexo 7 CTC 25/1/2012

Anexo 7 CTC 25/1/2012 Anexo7 CTC25/1/2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE LISBOA Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Educação de Lisboa

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO

Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO INTERNO Anexo III ENSINO RECORRENTE REGULAMENTO REGULAMENTO DO ENSINO RECORRENTE Artigo 1º OBJETO E ÂMBITO 1. O presente regulamento estabelece as regras da organização e desenvolvimento dos

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Instituto Politécnico de Beja Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Serviços Académicos (Sector I) Introdução O presente documento constitui um breve guia que visa ajudar

Leia mais

DESPACHO SP/3/2015 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

DESPACHO SP/3/2015 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA DESPACHO SP/3/2015 CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS, DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Nos termos dos artigos 2.º e 3.º do Regulamento do Estatuto do Estudante Internacional

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES I Regime de Ingresso 1. Podem concorrer à primeira matrícula nos CURSOS SUPERIORES DO ISTEC os indivíduos habilitados com: 1.1 Curso do ensino secundário, ou legalmente equivalente, com prova de ingresso

Leia mais

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 7 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 8 MODALIDADES DE AVALIAÇÃO 8 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 10 SUPORTE LEGISLATIVO 10 AVALIAÇÃO NO ENSINO BÁSICO 11 EFEITOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

Regulamento da Candidatura através dos Concursos Especiais. Ano Letivo 2013/2014

Regulamento da Candidatura através dos Concursos Especiais. Ano Letivo 2013/2014 Regulamento da Candidatura através dos Concursos Especiais (Decreto-Lei nº393-b/99, de 2 de outubro, alterado pelo Decreto-lei nº64/2006, de 21 de março, pelo Decreto-Lei nº88/2006, de 23 de maio, e pela

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GOVERNO DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA Informar, Apoiar e Orientar DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Informar, Apoiar e Orientar DIREÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior nos Cursos Ministrados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior nos Cursos Ministrados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior nos Cursos Ministrados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro TÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito O presente

Leia mais

Cod. Vagas 2014 Estudantes 3123 IP Portalegre - ES Agrária

Cod. Vagas 2014 Estudantes 3123 IP Portalegre - ES Agrária EDITAL CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO PARA ESTUDANTES INTERNACIONAIS Nos termos do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 de março e do Regulamento do Estudante Internacional do Instituto Politécnico de

Leia mais

ANO LETIVO 2014 / 2015 I NÚMERO DE VAGAS

ANO LETIVO 2014 / 2015 I NÚMERO DE VAGAS Código IMP.EM.EI.8_ ANO LETIVO 2 / 25 I NÚMERO DE VAGAS. O número total de vagas para o º ano de cada curso, é: VAGAS Medicina Dentária (MD) 2 Ciências Farmacêuticas (CF) 2* Engenharia Biomédica (EB) 8

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8 EDITAL 1º Ciclo de Estudos - Ano Letivo 2015/2016 Concurso para os regimes de Reingresso, Mudança de Curso, Transferência, e Concursos Especiais de Ingresso (titulares de curso médio ou superior e maiores

Leia mais