BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014"

Transcrição

1 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

2 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais de saúde, financiado pelo Programa Operacional Potencial Humano (POPH) do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN). Com o desenvolvimento deste projeto formativo que abrangeu profissionais das regiões Norte, Centro e Lisboa, a SPQS pretendeu promover a adoção e integração nos serviços de saúde de metodologias e ferramentas de gestão da Qualidade, de novas práticas de melhoria contínua, bem como da renovação das competências dos profissionais. Para a operacionalização do Plano de Formação nas três regiões, a SPQS contou com a colaboração da Sinase, como entidade formadora, e da USF Terras de Santa Maria Santa Maria da feira; USF Nova Salus Vila Nova de Gaia; Hospital Dr. Francisco Zagalo de Ovar, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e ACES Oeste Norte na disponibilização de salas de formação. O presente relatório visa apresentar o Balanço Final da Atividade Formativa da SPQS, referente ao ano 2014, através da análise dos resultados dos indicadores de acompanhamento do projeto, a nível regional e nacional. Pretende-se ainda identificar os pontos fortes e eventuais oportunidades de melhoria na atividade formativa desenvolvida para eventuais ajustamentos a futuros projetos. 2

3 O PROJETO FORMATIVO O Plano de Formação da SPQS para 2014 integrava inicialmente 8 cursos e 19 ações, na área da qualidade em Saúde. No entanto, apenas se realizaram 6 cursos e 14 ações. Os cursos inicialmente previstos de Programa Nacional de Acreditação em Saúde: Standards e Metodologias e de Programa Nacional de Acreditação em Saúde: standards e metodologias nos cuidados primários não tiveram adesão, pelo que se optou pela sua anulação em substituição de mais ações do curso de Auditoria Clínica, que registaram uma elevada procura, nas três regiões. Designação do Curso Horas Local de Realização da Formação Lisboa Coimbra Porto Nº de Ações Auditoria Clínica 14h Papel dos indicadores para a melhoria da qualidade em saúde Kaizen Lean - redução do desperdício e melhoria continua na saúde Aplicação das Normas de Qualidade Clínica e Organizacional Elaboração e gestão de projetos para a melhoria da qualidade em saúde Aplicação do Balanced Scorecard (BSC) no planeamento estratégico de uma unidade de saúde 14h h h h h Quadro 1 Cursos por Região 3

4 EXECUÇÃO FÍSICA Região N.º de Ações N.º de formandos Volume de Formação Grau de Satisfação Global Norte % Centro % Lisboa % Totais % Quadro 2 Execução Física por Região O Quadro 2 apresenta os dados da execução física global e por cada uma das regiões onde decorreu a formação. O projeto formativo abrangeu 245 profissionais de saúde, num total de 14 ações de formação, resultando num volume de horas assistidas de 4086 horas. Em termos globais verificou-se uma quebra de 22% no volume de formação face ao previsto inicialmente. Esta quebra foi significativamente mais acentuada na região Centro. Em termos de satisfação global, a região que evidenciou um maior nível de satisfação foi a Região do Centro e a que apresentou um menor nível de satisfação foi a de Lisboa. Em termos globais a satisfação média foi de 92%. 4

5 FORMANDOS Em termos de Categorias Profissionais, as mais comuns são a Enfermagem e Médicos. As registadas em menor n.º nas ações de formação realizadas pela SPQS são os Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica (TDT) e o Pessoal Técnico e Administrativo. Gráfico 1 Categorias Profissionais De acordo com o Gráfico 2, verifica-se que a maioria dos formandos são do sexo Feminino. Em termos quantitativos, 8 em cada 10 pessoas são do sexo Feminino. Gráfico 2 Sexo 5

6 FORMANDOS Norte As categorias profissionais mais representadas na região norte foram, por ordem decrescente a dos médicos (42%), a dos enfermeiros (37%) e a do pessoal técnico e Administrativo (16%). Gráfico 3 Categorias Profissionais - Norte Na região Norte, registou-se a participação de um maior número de mulheres do que de homens. Gráfico 4 Sexo dos formandos na região Norte 6

7 FORMANDOS Centro Na região Centro do país, verificou-se que a maioria dos formandos eram da Carreira de Enfermagem (53%). O segundo grupo mais representado foi o dos Técnicos Superiores (23%). Gráfico 5 Categorias Profissionais - Centro O Gráfico 6 permite-nos constatar que, na Região Centro, houve uma elevada adesão de participantes do sexo feminino (74%). Gráfico 6 - Sexo dos formandos na região Centro 7

8 FORMANDOS Lisboa À semelhança do que se verificou na Região Norte, os formandos da região de Lisboa são maioritariamente médicos (39%) e Enfermeiros (35%). Gráfico 7 Categorias Profissionais - Lisboa Em Lisboa, 82% dos participantes eram do sexo Feminino, ou seja, em termos quantitativos, 9 em cada 11 formandos eram mulheres. Gráfico 8 Sexo dos formandos na Região Lisboa 8

9 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Instrumentos de avaliação No final de cada ação, procedeu-se à avaliação da satisfação dos formandos relativamente à sessão de formação e ao desempenho dos formadores, e à avaliação da satisfação do formador relativamente ao grupo de participantes e ao funcionamento da ação. Avaliação da Satisfação com a Formação: Os participantes avaliam o projeto formativo face aos progressos na aprendizagem dos formandos; à sua motivação e participação; ao conteúdo do curso; ao relacionamento entre participantes; às instalações e espaço de formação; aos equipamentos de apoio; à documentação recebida; ao apoio técnico-administrativo e por último, ao desempenho global dos formadores. Avaliação da Satisfação com o Formador: A intervenção do formador em termos de preparação científica e pedagógica, o grau de exigência, o domínio dos temas e conteúdos abordados, a linguagem utilizada, o relacionamento e sensibilidade interpessoal com os formandos, a dinamização dos formandos e o incentivo à participação, o apoio para superar dificuldades na compreensão dos conteúdos, a disponibilização de material de apoio e à pontualidade. Relatório de Avaliação do Formador (participantes e ação): Avaliação dos participantes pelo formador relativamente ao interesse evidenciado, capacidade de aprendizagem, participação ativa nas sessões, vontade expressa de aprofundar conhecimentos, homogeneidade, experiência profissional e relacionamento com o grupo. Organização e preparação da ação a nível do apoio técnico-administrativo, apoio da coordenação, meios audiovisuais e equipamentos e instalações. Para cada parâmetro, os participantes e formadores deram a sua opinião através de respostas fechadas, segundo uma escala de 1 (opinião mais negativa) a 4 (opinião mais positiva). No final do questionário, dispunham de um espaço destinado a eventuais sugestões/críticas, aspetos positivos e negativos. 9

10 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO GLOBAL Gráfico 9 - Interesse da Ação O interesse que cada ação representou para os formandos foi avaliado com base em três critérios: Relevância dos temas, autoperceção da sua Motivação e Participação e Conteúdo do curso. O Gráfico 1 mostra-nos que os resultados globais do projeto foram bastante satisfatórios, de onde se destaca, sobretudo, a relevância dos temas com uma média de satisfação de 3,79. Gráfico 10 - Funcionamento da Ação Para avaliação do funcionamento das ações consideraram-se os critérios Instalações, Equipamentos, Documentação Recebida e Apoio Técnico-Administrativo. Os resultados globais do projeto revelam a satisfação dos formandos, registando-se um valor mais baixo no critério Instalações. 10

11 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO POR REGIÃO - Norte O Gráfico 11 evidencia que o grau de satisfação global relativamente ao Interesse da ação, na Região Norte, é de 95%. De entre 3 critérios, aquele cuja avaliação é superior é o da Relevância dos Temas, tendo o Conteúdo do Curso uma pontuação muito similar. O item Motivação e Participação apresenta uma avaliação inferior, ainda assim, bastante satisfatório. Gráfico 11 - Interesse da Ação - Norte Relativamente ao Funcionamento da Ação, o grau de satisfação dos formandos foi de 90%. Destaca-se o critério da Documentação Recebida com uma média de avaliações de 3,72. Gráfico 12 - Funcionamento da Ação - Norte 11

12 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO POR REGIÃO Em relação ao interesse da ação, na Região Centro, os formandos classificaram de forma bastante positiva todos critérios propostos para avaliação. Gráfico 13 - Interesse da Ação - Centro No que respeita ao Funcionamento da Ação registou-se também um nível de satisfação global bastante positivo, 4,00 3,50 3,00 3,48 3,67 3,84 3,85 com destaque para os critérios Documentação Distribuída 2,50 e Apoio Técnico-Administrativo. 2,00 1,50 1,00 Instalações Equipamentos Documentação Recebida Apoio Técnico- Administrativo Gráfico 14 - Funcionamento da Ação - Centro 12

13 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO POR REGIÃO - Lisboa 4,00 3,50 3,74 3,73 3,56 Os formandos da Região de Lisboa evidenciam um grau de satisfação global, relativamente ao Interesse da 3,00 Ação, de 92%. A Relevância dos Temas e a Motivação e 2,50 Participação, com valores muito semelhantes, foram os 2,00 critérios com melhor classificação. 1,50 1,00 Relevância dos Temas Motivação e Participação Conteúdo do Curso Gráfico 15 - Interesse da Ação - Lisboa 4,00 3,50 3,43 3,59 3,53 3,73 No que respeita ao Funcionamento da Ação, a satisfação global dos formandos é positiva, com destaque para o Apoio Técnico-Administrativo. As instalações são critério com a média mais baixa ainda que acima do ponto médio da escala. 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 Instalações Equipamentos Documentação Recebida Apoio Técnico- Administrativo Gráfico 16 - Funcionamento da Ação - Lisboa 13

14 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS FORMADORES Gráfico 17 Desempenho dos Formadores avaliado pelos formandos O desempenho dos formadores foi avaliado pelos formandos com base em oito critérios principais, conforme Gráfico 17. Destacam-se, para além da pontualidade dos formadores, o relacionamento com os participantes, a linguagem utilizada e a sua preparação técnica. O material de apoio disponibilizado é o critério que apresenta um valor mais baixo embora bastante acima do ponto médio da escala. Em termos globais a satisfação dos formandos relativamente aos formadores envolvidos foi de 96%. 14

15 AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO PELOS FORMADORES 4,00 3,50 3,00 3,75 3,88 3,88 3,88 2,88 3,63 3,50 Os formadores envolvidos no projeto formativo apreciaram o empenho dos formandos, evidenciando a sua Capacidade de Aprendizagem, a Participação Ativa 2,50 nas Sessões e a Vontade de aprofundar conhecimentos. 2,00 1,50 Por outro lado, o critério que apresentou uma classificação mais baixa foi o de Homogeneidade. 1,00 Interesse Evidenciado Capacidade de Aprendizagem Participação Activa nas Sessões Vontade de aprofundar conhecimentos Homogeneidade Experiência Profissional Gráfico 18 Opinião dos Formadores quanto aos Grupos de Formandos Relacionamento com o Grupo 4,00 3,50 3,78 3,89 3,78 3,56 Sobre os Aspetos Organizativos da formação, as suas avaliações evidenciaram que o critério que apresentou uma classificação superior foi o Apoio da Coordenação. Por outro lado, o critério que apresentou uma classificação inferior foi o das Instalações. 3,00 2,50 2,00 1,50 A satisfação média dos formadores foi de 94%. 1,00 Apoio Técnico- Administrativo Apoio da Coordenação Meios Audiovisuais e Equipamentos Instalações Gráfico 19 Opinião dos Formadores quanto aos aspetos organizativos da formação 15

16 AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO EXTRAÍDA DOS COMENTÁRIOS DOS FORMANDOS Qualidade das Formações Pontos Fortes Equipa de Apoio Técnico-Administrativo Formandos interessados e motivados Qualidade dos Formadores (experientes; competentes; boas metodologias) Partilha de conhecimentos relevantes e construtivos Credibilidade Pontos a Melhorar Limitações relativamente ao elevado número de formandos por ação (Curso Auditoria Clínica) Aumento da carga horária do Curso de Elaboração e Gestão de Projetos para a melhoria da Qualidade em Saúde com inclusão do módulo Avaliação de Projetos Documentação disponibilizada aos Formandos Aplicação Prática do Curso do Papel dos Indicadores para a melhoria da qualidade na saúde Aplicação Prática do Curso de Auditoria Clínica Condições das Instalações Quadro 3 Síntese Pontos Fortes e a Melhorar baseada na informação dos questionários e nos Comentários realizados pelos Formandos 16

17 CONCLUSÃO A informação analisada ao longo do presente relatório permite concluir que o Plano de Formação da SPQS para 2014 foi bem implementado e os resultados obtidos poderão constituir uma mais-valia para os participantes enquanto agentes da mudança e para a melhoria que se pretende incutir nas instituições onde desenvolvem a sua atividade. As 14 ações de formação, que abrangeram 245 formandos, provenientes de 90 instituições de saúde das regiões Norte, Centro e Lisboa, resultaram num volume de 4086 horas de formação assistidas. A formação envolveu formandos de diferentes categorias profissionais com predominância significativa de Médicos e Enfermeiros. Os resultados analisados evidenciaram a elevada adesão às ações de formação e a satisfação de formandos para com todos os aspetos relacionados com o seu funcionamento, destacando-se, por um lado, o desempenho dos formadores, nomeadamente a pontualidade, o relacionamento com os participantes e a linguagem utilizada, e por outro, a relevância dos temas desenvolvidos e o conteúdo da ação. No respeitante à avaliação realizada pelos formadores, realça-se o testemunho da capacidade de aprendizagem, participação ativa nas sessões e a vontade de aprofundar conhecimentos revelados pelos formandos, assim como a forma como percecionaram o apoio prestado pela coordenação. Os resultados analisados, incluindo os comentários/sugestões deixados pelos formandos e formadores nos questionários, sugerem ainda as seguintes oportunidades de melhoria: Rever a estratégia de divulgação dos cursos e promover novas parcerias para angariação de formandos de forma a garantir a execução total das ações de formação programadas; Garantir que todos os formadores disponibilizam atempadamente a documentação e estabelecer a informação base por curso a disponibilizar em formato papel no primeiro dia da do curso (Conceitos, bibliografia, etc.) Aumentar a componente prática de algumas ações de formação, em particular do curso Auditoria Clínica, nomeadamente com a integração da simulação integral de uma Auditoria. 17

RELATÓRIO e CONTAS EXERCÍCIO DE 2014 Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde

RELATÓRIO e CONTAS EXERCÍCIO DE 2014 Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2014 Submissão em Assembleia Geral de 31/ 03 /2015 RELATÓRIO e CONTAS EXERCÍCIO DE 2014 Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde A SPQS foi criada no dia 6 de Janeiro

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

GUIA DO FORMANDO DIAGNOSTICAR, AVALIAR E INTERVIR EDIÇÃO DAIB1P ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE

GUIA DO FORMANDO DIAGNOSTICAR, AVALIAR E INTERVIR EDIÇÃO DAIB1P ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE GUIA DO FORMANDO DIAGNOSTICAR, AVALIAR E INTERVIR EDIÇÃO DAIB1P ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE Índice ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTOR METODOLOGIA PEDAGÓGICA

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS

www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS 1 3 4 recursos humanos contabilidade e gestão DINAMIZAÇÃO DO NEGÓCIO 1 2 área comercial área HST Enquadramento

Leia mais

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica

Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013. Caparica Qualidade e boas práticas formação-ação PME uma aposta ganha 16.01.2013 Caparica Antecedentes da Formação-Ação: Projeto piloto lançado em 1998 com IEFP Programa REDE AIP AEP Medida 2.2. Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

EFA Escolar Nível Secundário

EFA Escolar Nível Secundário Inquérito EFA Escolar Nível Secundário O presente inquérito enquadra-se num estudo de natureza pessoal que está a ser desenvolvido sobre os cursos de Educação e Formação de Adultos Escolar - de Nível Secundário.

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Training Manager Certificação PwC 7, 14 e 21 de março Academia da PwC As empresas líderes analisam quais as competências necessárias para o desempenho dos seus colaboradores, implementam

Leia mais

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders Relatório Final Análise Comparativa AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES E EXPETATIVAS, POR MEIO DA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO - 2014

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Relatório. Formação Profissional 2012

Relatório. Formação Profissional 2012 Relatório Formação Profissional 2012 Ficha técnica Relatório Formação Profissional 2012 Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Data de publicação: Setembro de 2013 Tipo de Publicação:

Leia mais

curso de especialização em gestão

curso de especialização em gestão F OR M A Ç Ã O A V A N Ç A D A curso de especialização em gestão FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS Enquadramento O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição AVALIAÇÃO Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição 2 3 AVALIAÇÃO Impacto do Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição Avaliação do Impacto - Metodologia RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO DE AUTODIAGNÓSTICO -Visou

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

Regulamento para adesão ao Projeto Lipor Geração+

Regulamento para adesão ao Projeto Lipor Geração+ Regulamento para adesão ao Projeto Lipor Geração+ Entidade Promotora A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, desenvolve periodicamente Planos de Educação e Comunicação

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA TESTEMUNHOS A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área.

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA.

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A BlueWorks Medical Expert Diagnosis, Lda. é uma start-up de Coimbra que se dedica ao desenvolvimento

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS Projeto INQUIRE: Formação em biodiversidade e sustentabilidade Objectivos do projeto Inquire O programa pan-europeu INQUIRE é uma

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

Relatório. Formação Profissional 2011

Relatório. Formação Profissional 2011 Relatório Formação Profissional 2011 Ficha técnica Relatório Formação Profissional 2011 Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Data de publicação: Agosto de 2012 Tipo de Publicação: Relatório

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA E DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA (SBV - DAE)

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA E DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA (SBV - DAE) Instituto Nacional de Emergência Médica DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM SUPORTE BÁSICO DE VIDA E DESFIBRILHAÇÃO AUTOMÁTICA EXTERNA () Julho 2014 Departamento de Formação em Emergência Médica Gabinete

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

Implementação do Balanced Scorecard

Implementação do Balanced Scorecard Implementação do Balanced Scorecard Lisboa 18.setembro.2014 Rui Mendes (Vice-Presidente da CCDR Alentejo) Razões prévias da implementação BSC Hoje a administração pública p tem uma gestão orientada por

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S Carlos Nunes Missão para os Cuidados de Saúde Primários VILAMOURA 23 Março 2007 C A N D I D A T U R A S A U S F

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE AÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJETO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS

APRESENTAÇÃO DE AÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJETO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE AÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJETO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT www.b-training.pt Workshop Certificação de Entidades pela DGERT 27 de Maio de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 10h00 11h15 11h30 12h30 13h Início dos Trabalhos Coffee-Break Reinício dos Trabalhos Perguntas & Respotas

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local

Qualificação dos Profissionais da. Administração Pública Local Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local Amarante - 2009 A sessão de hoje 3 Novembro2009 Objectivos gerais: 1. a) Enquadramento Teórico b) Actividade n.º 1: Descobrindo as Etapas de

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir 14 de junho de 2013 Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2013- Dados preliminares Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir No 1º trimestre de 2013 foram licenciados 4,3

Leia mais

Workshop em Balanced Scorecard Programa de formação

Workshop em Balanced Scorecard Programa de formação Workshop em Balanced Scorecard Programa de formação Índice Apresentação... 3 Designação do curso... 3 Enquadramento do curso de formação... 3 Duração do curso... 3 Público-alvo do curso... 3 Objectivos

Leia mais

CURSO COMO FAZER UM BUSINESS PLAN?

CURSO COMO FAZER UM BUSINESS PLAN? CURSO COMO FAZER UM BUSINESS PLAN? ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO ANO LECTIVO 2009/2010 PROGRAMAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR EDUCAÇÃO PARA

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009 1 INSTITUTO PIAGET Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET/VISEU (Decreto n.º 33/2002, de 3 de Outubro) ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II (SERVIÇOS HOSPITALARES) 4.º

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014. Departamento da Qualidade na Saúde

CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014. Departamento da Qualidade na Saúde CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014 Departamento da Qualidade na Saúde Índice Introdução... 3 Implementação do Cartão da Pessoa com Doença Rara... 4 Atividades Desenvolvidas...

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

Avaliação da qualidade dos serviços e da satisfação dos clientes, parceiros e outras partes interessadas

Avaliação da qualidade dos serviços e da satisfação dos clientes, parceiros e outras partes interessadas Avaliação da qualidade dos serviços e da satisfação dos clientes, parceiros e outras partes interessadas 2014 Índice 1. Sumário executivo... 3 2. Avaliação da qualidade dos serviços prestados... 4 3. Avaliação

Leia mais

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Componente Técnica, Tecnológica e Prática Componente Científica Componente Sociocultural Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950 361 Madalena do Pico. Telefones: 292 623661/3. Fax: 292 623666. Contribuinte:

Leia mais

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba 1 A dignidade do ser humano é inviolável. Deve ser respeitada e protegida Artigo 1º da

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA 1. Área de formação Saúde (729) 2. Itinerário de Qualificação Naturopata - Naturologista 3. Modalidade da formação Qualificação Inicial e Profissional 4. Saída profissional Naturopata - Naturologista 5.

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente

Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental. Sistema de Avaliação de Formandos. Pessoal Docente Centro de Formação de Escolas Porto Ocidental Sistema de Avaliação de Formandos Pessoal Docente Página 1 de 12 Introdução Este sistema de avaliação dos formandos docentes insere-se no âmbito da formação

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional

Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional Modalidade a Distância Santo André-SP, junho de 2011 A quem se destina Qualificação de funcionários públicos federais, estaduais e municipais. Objetivos

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área. Constitui uma mais-valia para os profissionais de saúde,

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais