aula Organização do espaço: do universo conceitual ao ensino da Geografia Organização do Espaço Autoras Eugênia Maria Dantas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "aula Organização do espaço: do universo conceitual ao ensino da Geografia Organização do Espaço Autoras Eugênia Maria Dantas"

Transcrição

1 D I S C I P L I N A Organização do Espaço Organização do espaço: do universo conceitual ao ensino da Geografia Autoras Eugênia Maria Dantas Ione Rodrigues Diniz Morais aula 12 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome:

2 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância SEED Carlos Eduardo Bielschowsky Universidade Federal do Rio Grande do Norte Reitor José Ivonildo do Rêgo Vice-Reitora Ângela Maria Paiva Cruz Secretária de Educação a Distância Vera Lúcia do Amaral Universidade Estadual da Paraíba Reitora Marlene Alves Sousa Luna Vice-Reitor Aldo Bezerra Maciel Coordenadora Institucional de Programas Especiais - CIPE Eliane de Moura Silva Coordenadora da Produção dos Materiais Marta Maria Castanho Almeida Pernambuco Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Projeto Gráfico Ivana Lima (UFRN) Revisores de Estrutura e Linguagem Eugenio Tavares Borges (UFRN) Janio Gustavo Barbosa (UFRN) Thalyta Mabel Nobre Barbosa (UFRN) Revisora das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva (UFRN) Revisoras de Língua Portuguesa Janaina Tomaz Capistrano (UFRN) Sandra Cristinne Xavier da Câmara (UFRN) Revisor Técnico Leonardo Chagas da Silva (UFRN) Revisora Tipográfica Nouraide Queiroz (UFRN) Ilustradora Carolina Costa (UFRN) Editoração de Imagens Adauto Harley (UFRN) Carolina Costa (UFRN) Diagramadores Bruno de Souza Melo (UFRN) Mariana Araújo (UFRN) Ivana Lima (UFRN) Johann Jean Evangelista de Melo (UFRN) Divisão de Serviços Técnicos Catalogação da publicação na Fonte. UFRN/Biblioteca Central Zila Mamede Copyright 2008 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da UEPB - Universidade Estadual da Paraíba.

3 1 2 3 Apresentação Esta aula aborda a relação entre a base conceitual da Geografi a e o ensino, a partir de questões que estão presentes na organização espacial. Trata-se de vincular as noções abordadas em aulas passadas, como espaço, paisagem, lugar, território e região ao campo experimental da prática docente. Dessa perspectiva, apresentam-se alguns temas/ conteúdos que são explorados à luz de procedimentos metodológicos, visando à refl exão sobre a construção do conhecimento e regendo a relação teoria e prática do exercício docente. Nesta aula, vamos inserir um conjunto de desafi os para você pensar sobre o espaço geográfi co. Objetivos Entender a relação entre a base conceitual da Geografi a e o ensino. Compreender os limites e possibilidades de leitura do espaço geográfi co, tendo como parâmetro o universo abstrato dos conceitos e a realidade empírica. Analisar relação teoria-prática a partir da proposição 3 de problemas. VERSÃO DO PROFESSOR Aula 12 Organização do Espaço 1

4 Geografia e ensino: diálogos e desafios Estamos E chegando ao fi nal desta disciplina. Esta é a nossa última aula. Foi um caminho longo e prazeroso em que conectamos idéias a partir de discussões, refl exões, análises e sistematizações a respeito dos fundamentos teóricos e metodológicos que regem a Ciência Geográfi ca. Para isso, defi nimos o seu objeto de estudo, os conceitos e categorias que a estruturam. Nessa trajetória, você estudou que o espaço geográfi co emerge da relação homem/ natureza mediado pelo trabalho, em sua interface com o tempo e outras disciplinas, compreendendo a perspectiva inter e transdisciplinar. O estudo sobre os múltiplos contextos que interferem na produção do espaço foi abordado a partir das noções de natureza, tempo, sociedade, economia, política, cultura e globalização. Tais referências foram o suporte para a abordagem da paisagem, do lugar, da região e do território, levando você a entender a dinâmica conceitual tramada na dialética do particular e do geral, perpassando essa ciência. Nesta aula, não abordaremos mais conceitos ou defi nições novas. A trajetória é outra: articular a concepção conceitual ao ensino de Geografi a. Essa pretensão é vista como uma estratégia para aprofundar as noções tratadas, vinculando-as ao campo experimental que é a prática docente. Dessa perspectiva, selecionamos alguns temas/conteúdos e vamos explorálos a luz dos conceitos já trabalhados nesta disciplina. 2 Aula 12 Organização do Espaço

5 Muitas vezes, pensamos que nas séries do ensino fundamental e médio ensinar é um exercício destituído de fundamentação teórica, pois o principal instrumento metodológico desse processo é o livro didático, e neste, os conteúdos já vêm organizados, selecionados e distribuídos em uma seqüência lógica que o professor só precisa assumi-los como caminho. Outro pensamento recorrente, que está associado ao primeiro, é que o ensino na universidade está desvinculado do que é necessário para ser professor de Geografi a, pois há muita teoria e pouca prática. Os alunos reclamam da abordagem conceitual, não reconhecendo nela uma dimensão importante no processo formativo. Acreditam que é no fazer que a aprendizagem ocorre, esquecendo que ligar a ação à refl exão é o caminho para uma compreensão signifi cativa dos fenômenos e/ou problemas. Outro ponto de estrangulamento é o esquecimento de que ele está sendo formado para ser professor, e que, nesse processo, saber discernir nos conteúdos a carga conceitual, procedimental e atitudinal é um exercício a ser feito no cotidiano da sala de aula. Assim, o professor em formação deve adquirir conceitos fundamentais à construção de habilidades e competências necessárias à prática profi ssional. Pois bem, o nosso desafi o nesta aula é encontrar alguns pontos que ligam o conhecimento científi co à prática docente, levando-o a refl etir sobre a recursividade que alimenta a ação e a refl exão no ofício de ser professor. Desafio 1 A relação espaço - tempo - natureza: como isso pode ser abordado no ensino fundamental e médio? Você pode iniciar a exploração desses conceitos a partir de espaços concretos como a casa, a rua, o bairro, a cidade ou o campo. Observe que uma das condições básicas da nossa existência está atrelada ao uso do espaço geográfi co. Esse uso é variável e heterogêneo, estando vinculado ao desenvolvimento da ação humana, que por sua vez está mediada pela capacidade de inventar e se apropriar de tecnologias e informações, transformando a natureza primeira em uma segunda natureza. A partir dessas condições, a ação humana reinventa-se no tempo, marcando o espaço com feições distintas, porém articuladas. Na organização espacial, o ritmo da natureza é marcado por tempos distintos, o do homem e o da geomorfologia, criando um amálgama em que quase não enxergamos mais a dinâmica do segundo, e só vemos as formas criadas pelo homem. VERSÃO DO PROFESSOR Aula 12 Organização do Espaço 3

6 Assim, vamos tomar a cidade como exemplo a ser problematizado. Esta revela, de forma contundente, o homem como último agente geomorfológico. Por meio dela, também, podemos interpretar a noção de espaço, abordada por Milton Santos (1996), como sendo um sistema indissociável, solidário e também contraditório de sistemas de objetos e sistemas de ações, que resulta em um quadro único na qual a história acontece. Essas noções não estão presas aos livros, mas o que está neles baseia-se em uma teorização que se apoiou em uma empiricização do real. Ou melhor, as defi nições têm um pé na realidade, servem, portanto, para auxiliar na explicação da realidade, na mesma medida que têm uma autonomia para, libertadas dos fenômenos, poder se reciclar e se renovar, colocar outras questões que não podem ser vista a partir de uma perspectiva objetiva e prática. Assim, vamos tomar o conceito de espaço geográfi co para interpretar a organização da cidade. Atividade 1 Observe as fi guras a seguir: 4 Aula 12 Organização do Espaço

7 RE VI SÃ O VERSÃO DO PROFESSOR Fonte: Atlas... (1995, p. 21). Agora responda: a) O que há de semelhante e diferente entre as figuras? b) Comparando as duas figuras, em sua opinião, o que foi responsável pelas alterações? Aula 12 Organização do Espaço Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome: 5

8 A resposta para as questões está no nível da comparação para identifi cação de elementos, agentes ou formas existentes na imagem. A resposta ainda não está no âmbito da explicação ou análise. Nesse sentido, o professor deve partir do nível da identifi cação, mas precisa adentrar por caminhos mais tortuosos que se desenham quando se pergunta Por que isso ocorre? Para construir uma explicação é necessário procurar saber o porquê das coisas; procurar rastrear os processos que se fi zeram presentes, os agentes envolvidos, os interesses implicados, o padrão técnico utilizado... O conjunto de informações coletadas precisam ser conectadas em uma rede de nós que interligam aspectos distintos da realidade, possibilitando a compreensão analítica do espaço como uma das dimensões que estrutura a sociedade. Tomada sob essa perspectiva, a análise espacial é uma construção conceitual que precisa ser assumida pelo professor para que o ensino de Geografi a seja signifi cativo e pertinente. Sem abordagem conceitual, mesmo você conseguindo levantar todos os dados a respeito do fenômeno, não conseguirá explicá-lo, pois lhe faltou a compreensão mais geral de como o espaço se organiza. Assim, para saber analisar por que uma imagem é diferente ou semelhante a outra, você tem que fazer uso dos conceitos de tempo, natureza e espaço. A partir das imagens, o que seria o sistema de objetos e o sistema de ações que Milton Santos trata? Como o tempo pode ser visto a partir do ritmo da natureza e do homem? Como se apresenta o meio técnico-científi co-informacional no contexto das duas imagens? Essas são algumas questões que podem ser feitas e que auxiliam no encontro do conceito com a realidade ou da realidade com o conceito. Na organização do espaço, é necessário perceber e explicar a relação homem/natureza como uma construção dialógica e dialética. Leia o texto de Jucicléa Medeiros de Azevedo, professora graduada em Geografi a, a respeito da natureza na cidade. Cidade e beija-flor: artificial e/ou natural? Morar na cidade signifi ca dividir espaço, multiplicar formas e funções, somar diferenças e diminuir igualdades. Em meio às quatros operações, os sujeitos habitam esse espaço e tecem suas relações econômicas, sociais, políticas e culturais, impulsionando, assim, uma dinâmica que faz movimentar o lugar. Viver no espaço citadino signifi ca se distanciar do natural e conviver com o artifi cial, ou seja, com uma segunda natureza, aquela transformada pelo homem. Afi nal, o que seria um espaço natural? O solo, as rochas, o rio, as plantas, os animais, o ar... Mas, a cidade não contém todos esses elementos? Então, o espaço urbano seria um espaço natural ou artifi cial? 6 Aula 12 Organização do Espaço

9 Habitar é muito mais simples e natural do que entender a complexidade que envolve a urbe. Pensá-la a fi m de compreendê-la é um exercício e artifi cial, de forma que requer métodos e conceitos para ultrapassar a mediocridade da realidade posta como verdadeira. Já os acontecimentos provocados pelo período técnico-científi co-informacional são velozes e cada vez mais suas relações e dos lugares são intensifi cadas devido ao grande fl uxo de informações, mercadorias, pessoas e capital circulando em uma rede. Segundo Milton Santos, quanto mais intensa for essas relações, mais os lugares tendem a se artifi cializar. Diante deste contexto, as relações cotidianas também passam a ser vividas de acordo com essa dinâmica e os sujeitos passam a enredar sua história aportados nessa dinâmica. Conseqüência: o artifi cial transforma-se em natural e esses dois elementos caminham entrelaçados em um só meio. O ninho de um simples beija-fl or construído sobre a rede elétrica evidencia isso. Mas, o que estaria fazendo um pássaro em um local artifi cializado pelo homem? Não seria ele, um elemento do natural? Observar o movimento desse pássaro, cuidando do seu ninho e voando sob os fi os, provoca questionamentos em relação a essa dicotomia, natural e artifi cial. O beija-fl or, mesmo do seu jeito, também tece relações, alimentando-se, procriando, comunicando-se com outros e construindo um lugar para proteger seus descendentes. Essas ações são equiparadas às realizações dos seres humanos para sobreviver e transformar o espaço habitado. O ninho do beija-fl or é uma construção considerada natural e uma casa também não seria? Diante de tal problemática, surge outra: estaria o beija-fl or artifi cializando o natural ou naturalizando o artifi cial? Não se admire se um dia Um beija fl or invadir A porta da sua casa Te der um beijo e partir... (Vital Farias) Aula 12 Organização do Espaço 7

10 Dialogando com texto D De e maneira livre, a autora brinca com os conceitos de natureza natural e artifi cial. Viaja no pouso do pássaro procurando encontrar a tênue linha que separa a natureza do homem. Parece não encontrar, pois no ambiente urbano as diferenças entre o natural e o artifi cial se desfazem colocando a cena como uma totalidade para ser analisada. Nesta você deve encontrar a imbricação de tempos e ações produzindo a natureza urbana. Podemos imaginar que a autora foi a campo munida das noções de natureza natural e de natureza artifi cial. No seu trajeto, encontrou diversas cenas, das quais destacou o pouso do beija-fl or. A partir daí, ela interpretou, problematizou os conceitos, colocando, a partir de seu texto, a necessidade de discutir o que está na fronteira do conceito e da realidade. A partir do texto, podemos pensar sobre o ensino. Refl etir sobre como ensinamos os conceitos para os nossos alunos: estamos levando-os a pensar a realidade a partir dos conceitos, ressignifi cando a realidade e o conceito? Ou tomamos a realidade como distinta do conceito, de maneira que o aluno descreve a realidade e repete a defi nição sem estabelecer conexões entre ambos? Ensinar articulando conceito e realidade, eis um desafi o no processo de formação de professores. 8 Aula 12 Organização do Espaço

11 Desafio 2 Agora partimos para um outro desafi o. Vamos estudar um fenômeno que está presente na realidade de parte do Nordeste brasileiro. Estamos falando da desertifi cação. Você já ouviu falar desse fenômeno? O que você sabe a respeito dele? O que é? Qual é a sua área de abrangência? Ele ocorre em outras partes do mundo? Será que ele pode ser analisado de acordo com o conceito de paisagem? Dê sua opinião a esse respeito. A Desertifi cação ocorre revelando contextos socioeconômicos e ambientais que tecem as relações entre os homens e entre estes e a natureza. Tais relações têm sido presididas por uma racionalidade economicista que se manifesta na exploração social (dos homens entre si) e ambiental (homem x meio ambiente). Em conseqüência, expande-se a degradação social-ambiental que atinge a vida das pessoas e altera a dinâmica do meio físico, que pode ser visto no desgaste dos solos, dos recursos hídricos, da vegetação, da biodiversidade, da qualidade de vida das pessoas. Manifesta-se, sobretudo, nas regiões áridas e semi-áridas da Terra. Sobrepondo-se os indicadores sociais a esses recortes, constata-se que neles há uma expressiva concentração de pobreza e miséria. Nos últimos decênios, a expansão e os impactos da desertifi cação despertaram a comunidade científi ca para a necessidade de se aprofundar os estudos sobre o tema e de formular políticas que tenham como objetivo atuar sobre os agentes desencadeadores e/ou minimizar seus efeitos. A Desertifi cação pode ser defi nida como a degradação do solo em áreas áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas, resultante de diversos fatores, inclusive de variações climáticas e de atividades humanas, conforme defi nição da Agenda 21 (1997). Aula 12 Organização do Espaço 9

12 Tecida no âmbito da combinação de fatores naturais e ações antrópicas, a desertifi cação pode ser vista, explicada, analisada e ensinada a partir do conceito de paisagem. Considerando a definição de desertificação, anteriormente exposta, e a noção de paisagem, abordada na aula 5 Paisagem como categoria da análise geográfica, este fenômeno pode constituir uma emergência didática que mobiliza o professor e o aluno para compreender e intervir na realidade estudada. Assim, para compreender e discutir sobre esse fenômeno, é necessário aproximá-lo de um conceito. No nosso caso, selecionamos paisagem. Mas, vimos que a paisagem assume feições diferentes a partir da maneira como o sujeito a percebe. Assim, é necessário problematizar a idéia vinculando-a à particularidade do tema estudado. Na discussão teórica, é fundamental associá- la a procedimentos mais práticos de modo que possa ser estabelecida a relação teoria e realidade. Assim, é necessário ampliar os passos da compreensão e: pesquisar a área de ocorrência da desertifi cação no Brasil; de acordo com a área identifi cada, elaborar uma caracterização física em termos de clima, solo e vegetação; estabelecer um roteiro com questões relativas às condições físicas e humanas presentes na desertifi cação; procurar responder as questões a partir de pesquisa bibliográfi ca e empírica, se for possível; construir um texto analítico sobre a desertifi cação como um fenômeno relacionado à paisagem. O cumprimento desses passos exige de você colocar em prática a sua aprendizagem sobre um conceito. Agora, você pode refl etir em que medida ocorre a correspondência entre a realidade empírica e a realidade conceitual. Deverá perceber os limites e desafi os que se apresentam entre a Geografi a que se aprende e aquela que deve ser ensinada. 10 Aula 12 Organização do Espaço

13 Desafio 3 Apresentamos duas formas em que utilizamos o conceito como suporte para explicar a realidade. Agora, vamos proceder de forma diferente. Neste desafi o, você é o regente do processo. Daremos duas indicações para que você possa estruturar um modelo de análise o qual articule conceito e realidade. Indicação 1 Imagens (a) Rio de Janeiro (c) Acampamento do MST (b) Planta de uma casa (d) Bandeira do Brasil (e) Sua casa SUA CASA SUA CASA SUA CASA SUA CASA SUA CASA SUA CASA (f) Música Aula 12 Organização do Espaço 11

14 VERSÃO DO PROFESSOR (h) Música (i) Vale do Silício (j) Planeta Terra SÃ O (g) Nova ordem multipolar RE VI (l) Rio de Janeiro Fonte: (f) Autoria própria (a) <http://www.masterfile.com>. (g) Sene e Moreira (2007). (b) <http://egeo.ineti.pt/divulgacao/ciencia_viva/geologia_verao/projectos/ cartografia>. (h) <http://www.pitoresco.com.br/espelho/2005_01/vinicius/vilaro.htm>. (c) <http://galizacig.org/imxact/2005/01/mst_minas_gerais_acampamento>. (j) e (l) <http://www.masterfile.com>. (i) Sene e Moreira (2007). (d) <http://www.masterfile.com>. (e) Autoria própria Indicação 2 - Questões a serem levadas em consideração na construção de um modelo analítico Você tem como ponto de partida um conjunto de imagens. Observe-as e faça um agrupamento que possa ser explorado tematicamente; identifique o tema que motivou a aproximação das imagens; a partir do tema e das imagens, utilize um dos conceitos lugar, território ou região como ferramenta de análise. Para construir a análise, observe a estrutura dos desafios anteriores e proceda construindo um modelo próprio. 12 Aula 12 Organização do Espaço Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome:

15 Atividade 2 VERSÃO DO PROFESSOR 1 Descreva o modelo estruturado. 2 Aplique o modelo, fazendo uma análise a respeito do tema escolhido por você Refl ita mais um pouco: será que o mesmo agrupamento de imagens/ textos feito por você pode ser interpretado a partir de outro conceito? Comente. sua resposta 3. Aula 12 Organização do Espaço 13

16 Com essa atividade, fi nalizamos as nossas aulas. Esperamos que você possa utilizar o que aprendeu na sua vivência cotidiana de ser um aluno-professor, engajado e comprometido com a qualidade do ensino de Geografi a, o qual passa, necessariamente, pela transposição do universo conceitual à prática de ensino dessa ciência. Resumo Nesta aula, você fez um percurso pela base conceitual da Geografi a e o ensino, a partir de questões presentes na organização espacial. Procurou-se estabelecer elos entre as noções abordadas em aulas passadas (espaço, paisagem, lugar, território e região) e o campo experimental da prática docente. Dessa perspectiva, você foi convidado a participar de desafi os que possibilitaram um conjunto de refl exões, sistematizações, indicações e caminhos que fi zeram você trilhar as veias do processo ensino-aprendizagem, pautado nas estratégias de compreensão, análise e explicação de fenômenos no âmbito do ensino de Geografi a. Priorizou-se uma perspectiva metodológica e prática de maneira a estimular a refl exão-ação-refl exão-ação como um contínuo que rege a construção do conhecimento e sua transposição para o cenário regido pela dialógica que alimenta a teoria e a prática docentes. Auto-avaliação De acordo com o que foi trabalhado nesta aula, como você vê a relação entre o mundo dos conceitos e a prática docente? Descreva a sua percepção. O ensino de Geografi a se pauta por explicar os fenômenos espaciais que ocorrem e se distribuem na superfície da Terra. Este é o ponto a partir do qual o professor deve atuar em sala aula. A partir dele, descortina-se a realidade empírica a ser explicada. Como você vê, a relação entre realidade empírica e realidade conceitual no âmbito do processo de ensino-aprendizagem? Refl ita sobre limites e possibilidades existentes entre a o conceito, a realidade e a prática docente. Descreva as suas refl exões. 14 Aula 12 Organização do Espaço

17 Referências VERSÃO DO PROFESSOR AGENDA 21. Conferência das Nações Unidas sobre meio ambiente e desenvolvimento. Brasília: Senado Federal, ATLAS escolar Santillana. Madrid: Santillana, SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: HUCITEC, SENE, Eustáquio; MOREIRA, João Carlos. Geografi a para o ensino médio. São Paulo: Scipione, Anotações Aula 12 Organização do Espaço 15

18 Anotações 16 Aula 12 Organização do Espaço

19 Organização do Espaço GEOGRAFIA EMENTA Objeto de estudo da geografia; as correntes filosóficas que embasam o pensamento geográfico; espaço, território,lugar, região e paisagem nas diversas abordagens geográficas; a importância das redes no estudo geográfico do mundo globalizado; a ciência geográfica na sociedade pós-moderna:paradigmas, perspectivas e dificuldades; as formas de abordagens dos temas geográficos no Ensino de geografia; atividades práticas voltadas para a resolução de problemas referentes ao espaço geográfico em situações de ensino AUTORAS Eugênia Maria Dantas Ione Rodrigues Diniz Morais AULAS 01 Despertando para a leitura do espaço 02 Aprofundando o conceito de espaço 03 A Organização do Espaço: um desafio inter-trans-disciplinar? 04 A dinâmica entre o global e o local na globalização 05 Paisagem como categoria da análise geográfica 06 Lugar e (des) identidade 07 Território e territorialidade: abordagens conceituais 08 Território e territorialidade: abordagens conceituais (parte II) 09 Por entre territórios e redes: múltiplas leituras 10 Região e a Geografia tradicional 11 Região no contexto da renovação da geografia 12 Organização do espaço: do universo conceitual ao ensino da Geografia 1º Semestre de 2008 Impresso por:

20

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Um pouco mais sobre a Água Autora Sandra Kelly de Araújo aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Bacia hidrográfica. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Bacia hidrográfica. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Bacia hidrográfica Autora Sandra Kelly de Araújo aula 09 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando

Leia mais

aula Localização: coordenadas planas UTM Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho

aula Localização: coordenadas planas UTM Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Localização: coordenadas planas UTM Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 09 Governo Federal Presidente

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Ensinando vegetação através de estudo do meio. Autora. Sandra Kelly de Araújo.

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Ensinando vegetação através de estudo do meio. Autora. Sandra Kelly de Araújo. DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Ensinando vegetação através de estudo do meio Autora Sandra Kelly de Araújo aula 04 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva

Leia mais

aula Aprofundando o conceito de espaço Organização do Espaço Autoras Eugênia Maria Dantas Ione Rodrigues Diniz Morais D I S C I P L I N A Nome:

aula Aprofundando o conceito de espaço Organização do Espaço Autoras Eugênia Maria Dantas Ione Rodrigues Diniz Morais D I S C I P L I N A Nome: VERSÃO DO PROFESSOR D I S C I P L I N A Organização do Espaço Aprofundando o conceito de espaço Autoras Eugênia Maria Dantas Ione Rodrigues Diniz Morais aula 02 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A família Autora Vera Lúcia do Amaral aula 11 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário

Leia mais

Didática e o Ensino de Geografia DISCIPLINA. Temas em Geografia no ensino médio. Autoras. Sônia de Almeida Pimenta. Ana Beatriz Gomes Carvalho.

Didática e o Ensino de Geografia DISCIPLINA. Temas em Geografia no ensino médio. Autoras. Sônia de Almeida Pimenta. Ana Beatriz Gomes Carvalho. DISCIPLINA Didática e o Ensino de Geografia Temas em Geografia no ensino médio Autoras Sônia de Almeida Pimenta Ana Beatriz Gomes Carvalho aula 12 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 02 CONTABILIDADE Conceito e Formação do Patrimônio Inicial Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

aula Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A

aula Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A D I S C I P L I N A Educação e Tecnologia Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe aula 05 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome:

Leia mais

Pontos fundamentais de um projeto de pesquisa

Pontos fundamentais de um projeto de pesquisa DISCIPLINA Pesquisa e Ensino em Geografia Pontos fundamentais de um projeto de pesquisa Autoras Ângela Maria Cavalcanti Ramalho Francisca Luseni Machado Marques Aula 04 )Data: / / Nome: Governo Federal

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. Ensino de Química e os temas transversais. Instrumentação para o Ensino de Química II. Autores

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. Ensino de Química e os temas transversais. Instrumentação para o Ensino de Química II. Autores D I S C I P L I N A Instrumentação para o Ensino de Química II Ensino de Química e os temas transversais Autores Márcia Gorette Lima da Silva Isauro Beltrán Núñez CONTROLE DA EDIÇÃO DE MATERIAIS - SEDIS/UFRN

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

aula Projeções cartográficas Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo

aula Projeções cartográficas Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Projeções cartográficas Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 11 Governo Federal Presidente da República

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia e sua importância para a Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia e sua importância para a Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A A Psicologia e sua importância para a Educação Autora Vera Lúcia do Amaral aula 01 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad

Leia mais

Como desenvolver projetos

Como desenvolver projetos 1 Coletânea de Projetos Educação de Jovens e Adultos Como desenvolver projetos No 1º semestre de 2007, os calendários da Educação de Jovens e Adultos - Ensino Fundamental e Ensino Médio passaram a contemplar

Leia mais

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 12 CONTABILIDADE Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA : GEOGRAFIA - PROFESSOR: GERSON HUCHAK SÉRIE: 7ª

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I D I S C I P L I N A. Escala. Autores. Edilson Alves de Carvalho. Paulo César de Araújo.

Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I D I S C I P L I N A. Escala. Autores. Edilson Alves de Carvalho. Paulo César de Araújo. D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Escala Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 05 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS (SP) Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA Série

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 6º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2.0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 14 CONTABILIDADE Operações com mercadorias / Preço de vendas Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 08 INFORMÁTICA I BrOffi ce Impress terceira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

aula Nova escola, novos professores Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A Nome:

aula Nova escola, novos professores Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A Nome: D I S C I P L I N A Educação e Tecnologia Nova escola, novos professores Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe aula 02 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome: Governo Federal

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia I DISCIPLINA. Com o Mundo nas Mãos. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia I DISCIPLINA. Com o Mundo nas Mãos. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia I Com o Mundo nas Mãos Autora Sandra Kelly de Araújo aula 01 Ins_En_Geo_I_A01_BZMWDL_150710.indd Capa1 15/07/10 17:27 Governo Federal Presidente da

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

aula A institucionalização da Geografia no Brasil Introdução à Ciência Geográfica Autores Aldo Dantas Tásia Hortêncio de Lima Medeiros

aula A institucionalização da Geografia no Brasil Introdução à Ciência Geográfica Autores Aldo Dantas Tásia Hortêncio de Lima Medeiros D I S C I P L I N A Introdução à Ciência Geográfica A institucionalização da Geografia no Brasil Autores Aldo Dantas Tásia Hortêncio de Lima Medeiros aula 13 Governo Federal Presidente da República Luiz

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A escola como espaço de socialização. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A escola como espaço de socialização. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A escola como espaço de socialização Autora Vera Lúcia do Amaral aula 12 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

aula Os dados estatísticos e a representação gráfica Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho

aula Os dados estatísticos e a representação gráfica Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Os dados estatísticos e a representação gráfica Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 13 Governo Federal

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia I DISCIPLINA. Promovendo o ensino do clima II. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia I DISCIPLINA. Promovendo o ensino do clima II. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia I Promovendo o ensino do clima II Autora Sandra Kelly de Araújo aula 05 Ins_En_Geo_I_A05_RF_MZMWD_080710.indd Capa1 08/07/10 10:26 Governo Federal Presidente

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. O ensino de química no ensino fundamental à luz dos PCN. Instrumentação para o Ensino de Química II.

REVISÃO. aula Diagramador: Bruno. O ensino de química no ensino fundamental à luz dos PCN. Instrumentação para o Ensino de Química II. D I S C I P L I N A Instrumentação para o Ensino de Química II O ensino de química no ensino fundamental à luz dos PCN Autores Márcia Gorette Lima da Silva Isauro Beltrán Núñez CONTROLE DA EDIÇÃO DE MATERIAIS

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Proposta Edital nº. 61/2013 Número da proposta 128395 ID Projeto - UFU Instituição de Ensino Superior Nome UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU Código INEP 17 CNPJ 25.648.387/0001-18 Categoria administrativa

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Geografia Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Ementa: O

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

aula Orientação: rumo, azimute, declinação magnética Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho

aula Orientação: rumo, azimute, declinação magnética Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Orientação: rumo, azimute, declinação magnética Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 07 Governo Federal

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 03 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD O que é Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Elisa Pinheiro de Freitas. Mestre e Doutoranda em Geografia Humana USP E mail: elisafreitas@usp.br

Elisa Pinheiro de Freitas. Mestre e Doutoranda em Geografia Humana USP E mail: elisafreitas@usp.br Elisa Pinheiro de Freitas Mestre e Doutoranda em Geografia Humana USP E mail: elisafreitas@usp.br Participação no IX Curso de Uso Escolar de Sensoriamento Remoto (INPE) 2006 Participação do I curso de

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais