Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no 1T13

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no 1T13"

Transcrição

1 Sumário do Resultado Resultado Lucro Líquido Ajustado do BB atinge R$ 2,7 bilhões no O Banco do Brasil apresentou lucro líquido ajustado, sem itens extraordinários, de R$ 2,7 bilhões no trimestre, desempenho correspondente a RSPL ajustado de 17,4%. O lucro líquido atingiu R$ 2,6 bilhões no 1º trimestre de em 2013, equivalente a RSPL de 16,5%. O resultado no trimestre foi impulsionado principalmente pela expansão dos negócios, ampliação do relacionamento com clientes e contenção das despesas. O indicador de inadimplência do BB acima de 90 dias apresentou queda e permaneceu abaixo do apresentado pelo SFN. O Lucro líquido do BB, sem Previ, foi de R$ 2,4 bilhões no, apresentado acréscimo de 7,8% sobre o 1T12. No, o lucro líquido ajustado sem Previ foi de R$ 2,6 bilhões, com acréscimo de 4,2% em relação ao 1T12. Guidance 2013 O Guidance para 2013 é apresentado na tabela a seguir. Cabe notar que a projeção é elaborada para o ano, enquanto que o acompanhamento ao longo dos trimestres pode ser prejudicado por sazonalidades ou eventos específicos do período em questão. Os itens patrimoniais foram calculados a partir dos valores registrados em mar/13 ante mar/12. As linhas de resultado são calculadas pela comparação entre os montantes acumulados em 2013 sobre o mesmo trimestre do ano anterior. Tabela 1. Guidance 2013 Indicadores Realizado % Estimativas % RSPL Ajustado¹ 17, Margem Financeira Bruta 1, Captações Comerciais ² 11, Carteira de Crédito Ampliada - País³ 25, PF 18, PJ 32, Agronegócio 19, PCLD⁴ 3,0 3,0-3,4 Rendas de Tarifas 6, Despesas Administrativas 6, O cálculo do RSPL Ajustado projetado para 2013 utiliza estimativa de Patrimônio Líquido, conforme a legislação vigente em 31/12/ Captações Comerciais incluindo Depósitos Totais, LCA, LCI e Operações Compromissadas com Títulos Privados. 3 - Carteira de Crédito Ampliada no País inclui TVM Privados e Garantias. 4 - Despesas de PCLD dos últimos doze meses / carteira de crédito classificada média do mesmo período. Para o cálculo de RSPL Ajustado, não foram considerados no Patrimônio Líquido do BB os efeitos da atualização de ativos e passivos atuariais, decorrentes da deliberação CVM/695. Dessa forma, o RSPL Ajustado, constante do Guidance 2013, é calculado a partir do PL Ajustado indicado na tabela a seguir: 1 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

2 Tabela 2. Patrimônio Líquido Ajustado R$ milhões Dez/12 Mar/13 Patrimônio Líquido Contábil Planos de Benefícios (4.571) (4.571) Participações Minoritárias nas Controladas Patrimônio Líquido Ajustado Patrimônio Líquido Ajustado - médio No, os seguintes indicadores apresentaram desvio em relação ao esperado para o ano como todo: a) RSPL Ajustado: retorno acima do esperado em função de redução nas despesas de PCLD, resultado de uma melhora no risco da carteira de crédito, e nas despesas administrativas; b) Margem Financeira Bruta: desempenho impactado, principalmente, pela redução da TMS - Taxa Média Selic do período (/1T12) e crescimento da carteira de crédito em linhas de menor spread/risco; c) Captações Comerciais: resultado decorrente da estratégia de gestão de liquidez da Instituição; d) Crédito PJ: crescimento da demanda por parte das médias/grandes empresas, notadamente no último trimestre do ano de 2012; e) Crédito Agronegócio: elevada demanda, principalmente por médios/grandes produtores e cooperativas agrícolas, e contratação da safra 2012/2013; f) Rendas de Tarifas: reflexo da estratégia de alinhamento dos preços de serviços prioritários aos praticados pelo mercado; g) Despesas Administrativas: reflexo da estratégia de melhoria da Eficiência Operacional, principalmente pelo controle das despesas administrativas e pela racionalização dos processos negociais. As premissas utilizadas na elaboração do Guidance de 2013 foram apresentadas no sumário do resultado do 4T12. Retorno ao Acionista Remuneração aos acionistas alcança R$ 1,03 bilhão no O lucro líquido por ação do Banco do Brasil alcançou R$ 0,91 no. O BB manteve a prática de distribuir 40% do lucro líquido a seus acionistas (payout) e destinou R$ 1,03 bilhão em remuneração, sendo R$ 279 milhões em dividendos e R$ 754 milhões em JCP. 2 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

3 Figura 1. Lucro Líquido por Ação, Dividendos e Juros sobre Capital Próprio 1,38 0,89 0,91 1,58 1,02 0,84 0,18 0,85 0,73 1,03 0,75 0,28 1T12 4T12 Dividendos (R$ bilhões) Juros sobre Capital Próprio (R$ bilhões) Lucro Líquido por Ação (R$) DRE com Realocações Resultado impulsionado pelo crescimento dos negócios A tabela a seguir, extraída do demonstrativo de resultados com realocações, apresenta os principais destaques do período. A Margem Financeira Bruta, diferença entre as receitas e as despesas de intermediação financeira do Banco, encerrou o em R$ 11,0 bilhões, com elevação de 1,7% sobre igual período do ano anterior. O detalhamento das receitas de tarifas pode ser encontrado no capítulo Resultado Comercial do relatório Análise do Desempenho. O crescimento das despesas administrativas de 6,6% na comparação /1T12 foi influenciado pela constante busca por maior eficiência operacional. O detalhamento das realocações efetuadas na DRE pode ser encontrado no capítulo do relatório Análise do Desempenho. 3 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

4 Tabela 3. DRE com Realocações Principais Linhas Fluxo Trimestral Var. % R$ milhões 1T12 4T12 s/1t12 s/4t12 Receitas da Intermediação Financeira (7,2) (3,2) Operações de Crédito + Leasing (0,6) (1,1) Resultado de Operações com TVM (15,2) (5,1) Despesas da Intermediação Financeira (15.100) (12.835) (13.053) (13,6) 1,7 Margem Financeira Bruta ,7 (8,4) Provisão p /Créd. de Liquidação Duvidosa (3.576) (3.636) (3.278) (8,3) (9,8) Margem Financeira Líquida ,6 (7,8) Rendas de Tarifas ,7 (1,8) Res.de Op. c/ Seguros, Previdencia e Cap ,9 14,0 Margem de Contribuição ,3 (4,7) Despesas Administrativas (6.626) (7.499) (7.061) 6,6 (5,8) Despesas de Pessoal (3.694) (4.211) (4.069) 10,1 (3,4) Outras Despesas Administrativas (2.932) (3.288) (2.992) 2,0 (9,0) Resultado Comercial ,2 (3,6) Demandas Cíveis (250) (23) (163) (34,7) 595,8 Demandas Trabalhistas (238) (196) (252) 5,8 28,8 Outros Componentes do Resultado (516) (590) (990) 91,9 67,7 Resultado Antes da Tributação s/ o Lucro ,7 (15,7) Imposto de Renda e Contribuição Social (967) (1.324) (1.138) 17,7 (14,1) Participações Estatutárias no Lucro (433) (500) (390) (9,9) (22,0) Lucro Líquido Ajustado (0,7) (15,6) O resultado dos itens extraordinários foi negativo em R$ 128 milhões no, valor líquido de imposto e participações estatutárias no lucro. Os itens tratados como extraordinários no ano foram: (i) despesas com ações judiciais referentes aos planos econômicos; (ii) Provisão para Comissão de Conciliação Voluntária (CCV) e (iii) Reconciliação de Demandas Legais. Tabela 4. Itens Extraordinários R$ milhões 1T12 4T12 Lucro Líquido Ajustado (+) Itens Extraordinários do Período (201) 787 (128) Planos Econômicos (362) (167) (348) Reversão de PCLD Adicional Alienação de Imóveis Provisão para CCV - - (186) Reconciliação de Demandas Legais Efeitos Fiscais e PLR sobre Itens Extraordinários 160 (625) 102 Lucro Líquido Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

5 Na tabela a seguir, os principais indicadores do resultado são apresentados. Tabela 5. Principais Indicadores do Resultado Indicadores - % 1T12 4T12 Spread Global ¹ 5,3 5,0 4,5 Despesas de PCLD sobre Carteira ² 3,21 3,19 2,96 Índice de Eficiência Ajustado 42,8 43,4 44,3 Índice de Eficiência Ajustado- em 12 meses % 43,2 43,2 43,6 RSPL Ajustado ¹ 19,7 21,2 17,4 Taxa Efetiva de Imposto 26,1 29,2 29,5 1 - Indicadores anualizados. 2 - Despesa de PCLD acumulada em 12 meses dividida pela carteira de crédito classificada média do mesmo período. Margem Financeira Bruta A composição da MFB é apresentada na tabela a seguir. Nessa abertura, as linhas de receita financeira com operações de crédito e despesas financeiras de captação não consideram o efeito da variação cambial. As despesas financeiras decorrem, principalmente, de depósitos a prazo e poupança. A partir do 4T12, as despesas de captação realizadas com investidores institucionais compreendendo os instrumentos de divida sênior, dívida subordinada e IHCD foram apartadas em linha específica. A linha de tesouraria compreende: (i) o resultado com juros; (ii) as receitas de compulsórios rentáveis; (iii) hedge fiscal, derivativos e outros instrumentos financeiros que compensam os efeitos da variação cambial no resultado. A partir do, os recursos aprovisionados no BB de aplicação obrigatória em operações de crédito vinculadas a programas oficiais de financiamento, como Finame, BNDES e FCO que anteriormente eram apresentados na linha Demais foram realocados para as linhas de Despesas de Captação e/ou Captações Institucionais dependendo da fonte de financiamento, para manter a comparabilidade os dados do ano de 2012 foram reprocessados. Informações adicionais podem ser consultadas no capítulo 5 do relatório Análise do Desempenho. Tabela 6. Composição da MFB¹ Fluxo Trimestral Var. % R$ milhões 1T12 4T12 s/1t12 s/4t12 Margem Financeira Bruta ,7 (8,4) Receita Financeira c/ Operações de Crédito ,7 0,8 Despesa Financeira de Captação (8.167) (6.934) (7.093) (13,2) 2,3 Despesa Financeira de Captação Institucional (1.260) (1.258) (1.275) 1,2 1,4 Recuperação de Crédito (7,4) (35,5) Resultado de Tesouraria (29,8) (18,9) Demais (23,1) (48,2) 1 A série histórica da MFB foi revisada desde o 1T12. Spread por Carteira A tabela seguinte apresenta o spread gerencial segmentado por tipo de operações. O spread é o resultado da margem financeira gerencial dividida pelos respectivos saldos médios. 5 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

6 Na apuração da margem financeira gerencial são auferidas inicialmente as receitas financeiras, classificadas por tipo de carteira. Em seguida são deduzidos os custos de oportunidade definidos para cada uma das linhas que compõem as carteiras. Em relação ao crédito destinado para PF e PJ, com recursos livres, o custo de oportunidade é a taxa média Selic (TMS). No caso da carteira agrícola e outros recursos direcionados, o custo de oportunidade é calculado de acordo com a origem do funding e com a necessidade ou não de aplicação obrigatória de parte dessa fonte de recurso. O Spread Global, por sua vez, é a aplicação do conceito de spread específico do segmento bancário, calculado pela relação entre a MFB e os ativos rentáveis médios. O Spread Global Ajustado pelo Risco é apurado com base na relação entre a margem financeira líquida e os ativos rentáveis médios, ou seja, considera as despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa. A tabela seguinte apresenta o desempenho dos índices de spread do BB. Tabela 7. Spread Anualizado % 1T12 4T12 Operações de Crédito 8,9 8,1 7,6 Pessoa Física 15,3 14,8 13,9 Pessoa Jurídica 6,2 4,8 5,2 Agronegócios 5,5 5,8 4,6 Spread Global 5,3 5,0 4,5 Spread Ajustado pelo risco 3,5 3,5 3,1 Ativos e Principais Itens Patrimoniais Ativos totais superam R$ 1,18 trilhão Os ativos totais do Banco do Brasil superaram R$ 1,18 trilhão em mar/13, o que representou expansão de 16,8% sobre mar/12. As principais linhas do ativo são operações de crédito e leasing, TVM e aplicações interfinanceiras de liquidez, que responderam por 76,3% do total de ativos do BB em mar/13. Em relação aos passivos, destacam-se as captações comerciais que representaram 43,8% do passivo total, incluindo o expressivo incremento da participação das Letras de Crédito Agronegócio (LCA) e Letras de Crédito Imobiliárias (LCI). A tabela a seguir apresenta os principais itens do Balanço Patrimonial. 6 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

7 Tabela 8. Principais Itens Patrimoniais Var. % R$ milhões Mar/12 Dez/12 Mar/13 s/mar/12 s/dez/12 Ativos Totais ,8 2,6 Carteira de Crédito Ampliada¹ ,6 2,1 Carteira de Crédito Ampliada - País¹ ,7 2,5 Títulos e Valores Mobiliários ,0 (1,0) Aplicações Interfinanceiras de Liquidez ,2 7,8 Captações Comerciais² ,4 0,2 Depósitos Totais ,8 (0,8) à Vista ,2 (8,1) de Poupança ,4 4,1 Interfinanceiros ,3 7,9 a Prazo (4,1) (1,5) Depósitos Judiciais ,8 4,2 LCA+LCI ,5 15,5 Oper. Compromissadas c/tit. Privados ,7 (4,0) Captações no Mercado Aberto ,5 6,6 Patrimônio Líquido ,5 1,0 1 - Inclui TVM privados e garantias prestadas. 2 Inclui depósitos totais, LCA, LCI e operações compromissadas com títulos privados. Sólida estrutura de fontes de recursos garante expansão dos negócios A estrutura de fontes de recursos do Banco do Brasil apresenta maior diversificação, com redução da participação de depósitos e incremento de LCA e LCI, como mostra a tabela a seguir. Cabe destacar ainda as captações no exterior. A carteira de crédito líquida continua como principal destino dos recursos captados, representando 88% do total de fontes em mar/13, conforme mostra a tabela a seguir. Tabela 9. Fontes e Usos Saldos Var. % R$ milhões Mar/12 Part. % Dez/12 Part. % Mar/13 Part. % s/mar/12 s/dez/12 Fontes , , ,0 25,1 2,8 Captações Comerciais , , ,4 11,4 0,2 Depósitos Totais , , ,6 4,8 (0,8) LCA + LCI , , ,3 323,5 15,5 Oper. Compromissadas c/ Tit. Privados , , ,5 19,7 (4,0) Obrigações por Repasses no País , , ,5 27,6 3,6 Fundos Financ / Desenvolvimento , , ,9 32,9 7,2 Dívida Subordinada , , ,2 50,6 19,3 Demais Letras Bancárias¹ , , ,5 2,6 (3,1) IHCD no País , ,3 - - Obrigações no Exterior² , , ,5 46,3 8,1 Compulsórios (94.146) (18,8) (80.098) (13,1) (77.273) (12,3) (17,9) (3,5) Usos , , ,0 25,1 2,8 Recursos Disponíveis , , ,0 13,5 6,5 Carteira de Crédito Líquida (a) + (b) - (c) , , ,0 26,9 2,3 Carteira de Crédito Classificada (a) , , ,6 24,6 2,1 TVM Privados (b) , , ,8 53,4 4,1 Provisão para Risco de Crédito (c) (19.573) (3,9) (21.210) (3,5) (21.414) (3,4) 9,4 1,0 Indicadores - % Carteira de Crédito Líquida / Depósitos Totais 97,3 114,3 117,9 Carteira de Crédito Líquida / Captações Comerciais 93,8 104,6 106,8 Carteira de Crédito Líquida / Fontes 86,7 88,4 88,0 1 - Inclui Letras Financeiras e Debêntures (NE 19). 2 - Inclui Empréstimos no Exterior, Obrigações por TVM no Exterior, Obrigações por Repasses no Exterior, Dívida Subordinada no Exterior e IHCD. 7 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

8 O saldo das captações externas atingiu a marca de US$ 47,5 bilhões em mar/13, montante 27,1% superior ao observado em mar/12. Figura 2. Captações Externas (US$ bilhões) Compromissadas 37,3 3,0 3,1 45,0 1,7 3,2 11,6 47,5 1,0 3,1 11,4 Pessoa Física 7,7 Pessoa Jurídica Emissões 13,8 17,5 20,3 Interbancário 9,7 10,9 11,7 Mar/12 Dez/12 Mar/13 Basileia Índice de Basileia superior ao mínimo exigido O BB registrou índice de Basileia de 16,29% em mar/13, superior ao mínimo de 11% exigido pelo Bacen, indicando um excesso de Patrimônio de Referência (PR) de R$ 36,5 bilhões. A melhora de 1,46 pontos base observada entre 4T12 e pode ser explicada pelo crescimento do PR nível 2 (Divida Subordinada e IHCD) e pela mudança no índice de ponderação promovidos pela Circular Bacen nº 3.644, de 04/03/2013, principalmente em relação a exposições relacionadas a créditos consignados e créditos a grandes empresas. Figura 3. Índice de Basileia 14,26 14,83 16,29 3,32 4,28 5,72 10,94 10,55 10,58 Mar/12 Dez/12 Mar/13 Nível I Nível II 8 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

9 Carteira de Crédito Carteira de Crédito cresce com qualidade A carteira de crédito ampliada atingiu R$ 592,7 bilhões em mar/13, com expansão de 25,6% em doze meses e 2,1% em relação ao observado em dez/12, como mostra a tabela a seguir. A participação da carteira de crédito classificada do Banco do Brasil no mercado doméstico de crédito atingiu 20,4% em mar/13, indicando incremento em relação ao verificado em mar/12 (19,1%) e dez/12 (20,3%). Tabela 10. Carteira de Crédito Classificada e Ampliada Saldos Var. % R$ milhões Mar/12 Part. % Dez/12 Part. % Mar/13 Part. % s/mar/12 s/dez/12 Carteira de Crédito Classificada (a) , , ,0 24,6 2,1 País , , ,0 24,4 2,8 Pessoa Física , , ,1 18,6 2,8 CDC Consignação , , ,3 16,9 3,4 CDC Salário , , ,3 10,4 4,0 Empréstimo Pessoal , , ,1 5,4 0,1 Financiamento a Veículos , , ,7 19,6 0,6 Financiamento Imobiliário , , ,1 66,4 11,4 Cartão de Crédito , , ,9 19,2 (2,2) Cheque Especial , , ,5 (10,1) 12,7 Demais , , ,1 22,3 3,4 Pessoa Jurídica , , ,5 31,2 2,9 MPE , , ,6 27,1 0,4 Governo , , ,0 220,3 20,1 Médias e Grandes , , ,9 27,8 3,4 Agronegócio , , ,4 19,7 2,6 Pessoa Física , , ,3 29,0 3,6 Pessoa Jurídica , , ,1 2,6 0,2 Exterior , , ,0 27,4 (5,1) TVM Priv. e Garantias (b) ,4 1,4 Carteira de Crédito Ampliada (a + b) , , ,0 25,6 2,1 País , , ,3 25,7 2,5 Pessoa Física , , ,4 18,7 2,8 Pessoa Jurídica , , ,3 32,7 2,4 Agronegócio , , ,6 19,5 2,3 Exterior , , ,7 25,2 (3,1) Carteira de Crédito PF amparada em linhas de menor risco A carteira de crédito pessoa física ampliada encerrou mar/13 em R$ 156,3 bilhões, aumento de 18,7% em doze meses e de 2,8% sobre o dez/12, respondendo por 26,4% da carteira de crédito ampliada do Banco. Considerando-se apenas a carteira de crédito orgânica, ou seja, excluindo-se as carteiras adquiridas e 50% das operações do Banco Votorantim, a carteira PF registrou crescimento de 26,3% em doze meses e 3,4% sobre o trimestre anterior. Esse desempenho foi favorecido pela estratégia BOMPRATODOS. No segmento de financiamento de veículos, a carteira orgânica atingiu R$ 11,7 bilhões em mar/13, com expansão de 153,2% sobre mar/12 e 6,1% ante dez/12, sendo que o perfil dessas operações segue dentro dos rígidos critérios de análise de crédito adotados pelo Banco. 9 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

10 Os empréstimos consignados somaram R$ 60,6 bilhões em mar/13, com expansão de 16,9% sobre igual período de 2012 e 3,4% sobre o trimestre anterior. O market share do BB nesse segmento foi de 30,4% em mar/13. Em mar/13, o saldo da carteira de crédito imobiliário (Pessoa Física e Pessoa Jurídica) atingiu R$ 14,3 bilhões, com expansão de 66,3% em 12 meses e de 11,6% ante dez/12. No segmento PF, o saldo da carteira imobiliária atingiu R$ 11,4 bilhões em mar/13 (+66,4% sobre mar/12 e 11,4% ante dez/12). A participação de mercado do BB no crédito imobiliário para PF atingiu 4,1% em mar/13, ante 3,3% em mar/12. O volume contratado de financiamento imobiliário atingiu R$ 3,6 bilhões no, com acréscimo de 167,9% sobre o observado no 1T12, sendo R$ 1,9 bilhão com pessoas físicas e R$ 1,7 bilhão com pessoas jurídicas. Carteira de Crédito PJ impulsionada pela demanda por crédito das empresas A carteira de crédito ampliada de pessoas jurídicas alcançou R$ 280,5 bilhões, com crescimento de 32,7% e 2,4% em relação ao registrado em mar/12 e dez/12, respectivamente. Esse segmento responde por 47,3% da carteira de crédito total. Em mar/13, as linhas de crédito para investimentos produtivos atingiram R$ 46,2 bilhões no segmento PJ e R$ 45,5 bilhões para o agronegócio, com expansão em doze meses de 20,9% e 33,6% ante mar/12, respectivamente. O desembolso de crédito para investimento atingiu o montante de R$ 10,3 bilhões em (+3,7% em relação à 1T12), com destaque para as linhas de repasse de recursos do BNDES, Pronaf, Investimento Agropecuário, FCO e PROGER. Nas linhas de repasse do BNDES, desde 2008, o BB é o agente financeiro líder no repasse global de recursos, com market share de 25,1% em. As operações de crédito com MPE atingiram R$ 89,3 bilhões em mar/13, com expansão de 27,1% em doze meses. Esse desempenho foi favorecido pelo programa BOMPRATODOS. Além disso, a utilização de instrumentos como o Fundo de Garantia de Operações (FGO) e o Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe) permitem maior acesso ao crédito por parte dessas empresas e redução de custo para o tomador final. Com isso, as linhas de capital de giro para MPE atingiram R$ 60,1 bilhões em mar/13, com elevação de 24,8% em doze meses. As linhas de investimento para MPE encerraram mar/13 em R$ 27,0 bilhões, com crescimento de 33,9% em doze meses. A carteira de crédito no exterior ampliada do Banco atingiu R$ 45,4 bilhões em mar/13, saldo 25,2% superior ao observado em mar/12. O saldo das operações de ACC/ACE alcançou R$ 11,2 bilhões em mar/13, o que garantiu ao BB participação de mercado de 29,3% no período. Carteira de Crédito Ampliada de Agronegócios supera R$ 110 bilhões O Banco do Brasil é líder absoluto no crédito ao agronegócio, com 63,3% de market share. A carteira de agronegócios no conceito ampliado, incluindo operações de crédito rural e agroindustrial, representou 18,6% da carteira de crédito total em mar/13, alcançando R$ 110,5 bilhões, com expansão de 19,5% em doze meses. A carteira de agronegócio PF atingiu R$ 76,7 bilhões em mar/13, crescendo 29,0% ante mar/12. Já a carteira de agronegócio PJ alcançou saldo de R$ 33,0 bilhões (+6,1%). O percentual das operações de custeio da safra 2012/2013 contratadas com mitigadores de risco atingiu 51,1% em mar/13. O índice de inadimplência da carteira de agronegócio segue baixo, com indicador de operações em atraso acima de 90 dias de 0,65%, ante 0,62% em mar/ Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

11 Indicadores de inadimplência recuam e seguem abaixo do SFN O indicador que mede o atraso das operações acima de 90 dias na visão BB consolidado encerrou mar/13 em 2,00% (1,74%, excluindo-se as operações do BV), patamar bem inferior ao verificado no Sistema Financeiro Nacional (SFN), que atingiu 3,6% no mesmo período. O BB também apresenta uma estrutura de crédito melhor do que a do SFN. As operações classificadas nos níveis de risco de AA-C encerraram mar/13 em 94,3% do total da carteira, contra 92,3% observado no SFN. Figura 4. Índices de Atraso em % da Carteira de Crédito Classificada 5,7 5,7 5,7 5,5 5,3 4,5 4,4 4,4 4,1 4,1 4,1 4,0 4,0 3,8 3,8 Mar/12 Jun/12 Set/12 Dez/12 Mar/13 Risco Médio - SFN Risco Médio - BB Provisão Total A tabela a seguir apresenta os indicadores de qualidade da carteira de crédito. Tabela 11. Indicadores de Qualidade da Carteira de Crédito Classificada % Mar/12 Dez/12 Mar/13 Operações Vencidas + 15 dias/total da Carteira 3,94 3,29 3,50 Operações Vencidas dias/total da Carteira 1,29 0,91 1,06 Operações Vencidas + 60 dias/total da Carteira 2,65 2,38 2,44 Operações Vencidas dias/total da Carteira 1,72 1,24 1,50 Operações Vencidas + 90 dias/total da Carteira 2,22 2,05 2,00 Operações de Risco AA - C / Total da Carteira 93,9 94,5 94,3 Provisão/Carteira de Crédito 4,54 4,03 3,99 Provisão PF/Carteira de Crédito 6,78 5,95 5,49 Provisão PJ/Carteira de Crédito 3,16 3,27 3,37 Provisão/Operações Vencidas + 60dias 171,61 169,81 163,68 Provisão/Operações Vencidas + 90dias 204,43 196,46 199,74 Risco Médio BB 4,15 3,81 3,77 Risco Médio SFN 5,68 5,50 5,26 Operações Vencidas + 90 dias/total da Carteira SFN 3,80 3,70 3,60 As despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) reduziram 9,8% em relação ao 4T12, variação compatível com a redução do risco médio da carteira Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

12 Tabela 12. Despesas de PCLD sobre Carteira de Crédito Classificada Var. % R$ milhões 1T12 4T12 s/1t12 s/4t12 (A) Despesas de PCLD - Trimestral (3.576) (3.636) (3.278) (8,3) (9,8) (B) Despesas de PCLD - 12 Meses (12.773) (14.651) (14.354) 12,4 (2,0) (C) Carteira de Crédito Classificada ,6 2,1 (D) Média da Carteira Classificada - 3 Meses ,4 4,0 (E) Média da Carteira Classificada - 12 Meses ,6 5,3 Despesas sobre Carteira (A/D) - % 0,8 0,7 0,6 Despesas sobre Carteira (B/E) - % 3,2 3,2 3,0 O saldo das provisões encerrou o trimestre em R$ 21,4 bilhões, o que proporciona cobertura de 199,7% das operações vencidas há mais de 90 dias, percentual superior ao do SFN (146,2%). Rendas de Tarifas Expansão dos negócios diversifica Receitas de Tarifas A expansão da oferta de crédito, a forte atuação do Banco no segmento de varejo, impulsionada pela reformulação da estrutura de atendimento, a fidelização e ampliação do relacionamento com clientes, e o programa BOMPRATODOS vêm favorecendo o aumento da base de clientes e a expansão do volume de negócios, contribuindo para a diversificação das rendas de tarifas. Essas receitas cresceram 6,7% em doze meses e reduziram 1,8% na comparação /4T12. Tabela 13. Rendas de Tarifas Fluxo Trimestral Var. % - R$ milhões 1T12 4T12 s/1t12 s/4t12 Rendas de Tarifas ,7 (1,8) Cartão de Crédito/Débito ,1 (0,8) Conta Corrente (8,1) (5,6) Administração de Fundos ,4 6,4 Operações de Crédito ,1 (18,1) Cobrança ,9 (1,9) Seguros, Previdência e Capitalização ,4 7,3 Arrecadações ,3 (2,2) Interbancária ,2 (4,9) Rendas de Mercado de Capitais ,2 11,8 Outros ,9 3,2 O faturamento com cartões de crédito alcançou R$ 26,8 bilhões no, crescimento de 22,8% sobre o mesmo período do ano anterior, impulsionado pela maior utilização de cartões como meio de pagamento, o aumento do gasto médio e a oferta de soluções inovadoras como o acesso a linhas de crédito do Banco. Destaca-se a intensa utilização dos cartões no segmento empresarial com crescimento de 54,5% sobre faturamento em igual período do ano anterior. O Banco do Brasil, por meio da BB Gestão de Recursos BB DTVM, é líder na indústria nacional de fundos de investimento desde Ao final do 1º trimestre de 2013 atingiu o total de R$ 477,3 bilhões em recursos administrados e uma participação de mercado de 20,8%. Cabe ressaltar que a participação de mercado do Banco do Brasil chegaria a 21,4% se considerado 50,0% do saldo de 12 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

13 recursos administrados pelo Banco Votorantim por meio da Votorantim Asset Management - VAM (R$ 28,0 bilhões ao final do ). Em abril/2013, o Banco do Brasil realizou oferta pública da BB Seguridade, empresa do Conglomerado responsável por consolidar todas as suas atividades nos segmentos de seguros, previdência complementar aberta, capitalização e atividades afins. Após o encerramento da oferta será definido o novo percentual de participação do BB no capital da BB Seguridade. Todavia, ao final do, a participação do BB era de 100%. Informações adicionais sobre rendas de tarifas, cartões, resultado de seguridade, administração de recursos de terceiros e atuação no mercado de capitais podem ser consultadas no capítulo 7 do relatório Análise do Desempenho. Despesas Administrativas As despesas Administrativas cresceram 6,6% na comparação /1T12, a linha de Despesas de Pessoal apresentou crescimento de 10,1%, influenciada principalmente por (i) assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho 2012/2013 (reajuste de 7,5% sobre proventos, provisão administrativa de pessoal e 8,5% para benefícios) e (ii) crescimento da estrutura de funcionários comissionados. Esta elevação foi parcialmente compensada pelo baixo crescimento em Outras Despesas Administrativas que apresentou variação de 2% no período. Tabela 14. Despesas Administrativas Ajustadas Fluxo Trimestral Var. % - R$ milhões 1T12 4T12 s/1t12 s/4t12 Despesas Administrativas (6.626) (7.499) (7.061) 6,6 (5,8) Despesas de Pessoal (3.694) (4.211) (4.069) 10,1 (3,4) Outras Despesas Administrativas (2.932) (3.288) (2.992) 2,0 (9,0) Eficiência As variações relevantes em outras receitas e outras despesas operacionais são apresentas no item 6.3 do relatório Análise do Desempenho. Na comparação doze meses, o desempenho favorável das rendas de tarifas e o controle das despesas administrativas determinaram a melhoria no índice que mede a cobertura das despesas administrativas. Em relação ao trimestre anterior o índice sofreu interferência no 4T12 em função do aumento da despesa de pessoal e dos reajustes contratuais característicos daquele trimestre. O índice de eficiência, razão entre as despesas administrativas e as receitas operacionais, em doze meses, encerrou o em 43,6%. Esse desempenho é explicado pela redução do montante contabilizado referente ao reconhecimento dos ganhos e perdas atuariais do Plano de Benefícios I da Previ, assim como os fatores que impactaram as despesas administrativas, mencionados no item anterior Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

14 Figura 5. Índices de Eficiência Ajustados - % 43,2 42,8 43,2 43,4 43,6 44,3 1T12 4T12 Índice de Eficiência (acumulado 12 meses) - % Índice de Eficiência - % 14 - Banco do Brasil Sumário do Resultado 1º Trimestre/2013

Nos 9M13, os seguintes indicadores apresentaram desvio em relação ao esperado para o Exercício 2013:

Nos 9M13, os seguintes indicadores apresentaram desvio em relação ao esperado para o Exercício 2013: Sumário do Resultado Resultado Banco do Brasil apresenta Lucro Líquido recorde de R$ 12,7 bilhões nos 9M13 O Banco do Brasil apresentou Lucro Líquido recorde de R$ 12,7 bilhões nos 9M13, desempenho correspondente

Leia mais

Análise do Desempenho 3T13

Análise do Desempenho 3T13 Análise do Desempenho 3T13 Banco do Brasil Análise do Desempenho 3º Trimestre/2013 Este Relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções

Leia mais

Sumário do Resultado 2T09

Sumário do Resultado 2T09 Sumário do Resultado 1 BB lucra R$ 4,0 bilhões no 1º semestre de 2009 O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 4.014 milhões no 1S09, resultado que corresponde a retorno sobre Patrimônio Líquido

Leia mais

Análise do Desempenho 1T14

Análise do Desempenho 1T14 Análise do Desempenho 1T14 Banco do Brasil Análise do Desempenho 1º Trimestre/2014 Este Relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções

Leia mais

BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012

BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012 Informativo para a Imprensa São Paulo (SP), 21 de fevereiro de 2013. BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012 Crédito cresce 25% no ano e atinge participação de mercado histórica

Leia mais

Banco do Brasil S.A. - Análise do Desempenho 2º Trimestre/2015

Banco do Brasil S.A. - Análise do Desempenho 2º Trimestre/2015 Análise do Desempenho 2T15 Banco do Brasil S.A. - Análise do Desempenho 2º Trimestre/2015 Este Relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento,

Leia mais

Este Relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultado e

Este Relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultado e Análise do Desempenho 4T14 Este Relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultado e estratégias futuras sobre o Conglomerado

Leia mais

Análise do Desempenho 4T11

Análise do Desempenho 4T11 Análise do Desempenho 4T11 Banco do Brasil Análise do Desempenho 4ºTrimestre /2011 Este relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções

Leia mais

Banco do Brasil S.A. - Análise do Desempenho 1º Trimestre/2015

Banco do Brasil S.A. - Análise do Desempenho 1º Trimestre/2015 Análise do Desempenho 1T15 Banco do Brasil S.A. - Análise do Desempenho 1º Trimestre/2015 Este Relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento,

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Apresentação Bradesco

Apresentação Bradesco Apresentação Bradesco 1 Perspectivas Econômicas 2013 Bradesco 2014 * Consenso do Mercado ** 2015 * 2014 2015 PIB 2,50% 0,50% 1,50% 0,29% 1,01% Juros(SelicFinal) 10,00% 11,00% 11,00% 11,00% 11,38% Inflação(IPCA)

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Junho 2015 1 SUMÁRIO ANÁLISE DE DESEMPENHO... 4 SUMÁRIO EXECUTIVO 1S15... 6 MERCADO COMPETITIVO... 8 MARGEM ANALÍTICA... 9 Desempenho da Intermediação Financeira... 9 Variações

Leia mais

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação sumário executivo 3º trimestre de 2013 (Esta página foi deixada em branco intencionalmente) 4 Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco). Destaques (exceto onde indicado)

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO 4T10

ANÁLISE DO DESEMPENHO 4T10 ANÁLISE DO DESEMPENHO 4T10 ANÁLISE DO DESEMPENHO 4T10 Este relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A.

3º trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2011 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. Índice Análise Gerencial da Operação 1 Sumário Executivo 3 Análise do Resultado 11 Margem

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação de Resultados 4º Trimestre, Aviso Importante: esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

3T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas

3T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas resultados 3T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Índice Análise Gerencial da Operação 3 Sumário Executivo 5 Análise do Resultado 15 Margem Financeira Gerencial 16 Receitas

Leia mais

Este relatório foi impresso em papel nacional, produzido dentro dos mais rigorosos padrões mundiais de qualidade ambiental: totalmente sem cloro, com

Este relatório foi impresso em papel nacional, produzido dentro dos mais rigorosos padrões mundiais de qualidade ambiental: totalmente sem cloro, com Banco do Brasil Análise do Desempenho Exercício 2003 Este relatório foi impresso em papel nacional, produzido dentro dos mais rigorosos padrões mundiais de qualidade ambiental: totalmente sem cloro, com

Leia mais

Sumário. Destaques 3. Análise Econômico-Financeira 6. Grandes Números 6 Desempenho 7. - Principais Itens do Resultado 7

Sumário. Destaques 3. Análise Econômico-Financeira 6. Grandes Números 6 Desempenho 7. - Principais Itens do Resultado 7 3º Trimestre 2009 P R E S S R E L E A S E 2009 Sumário Destaques 3 Análise Econômico-Financeira 6 Grandes Números 6 Desempenho 7 - Principais Itens do Resultado 7 - Resultado da Intermediação Financeira

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

1T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas

1T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas resultados 1T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Índice Análise Gerencial da Operação 3 Sumário Executivo 5 Análise do Resultado 15 Margem Financeira Gerencial 16 Receitas

Leia mais

Luiz Carlos Angelotti. Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores

Luiz Carlos Angelotti. Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores 59 Luiz Carlos Angelotti Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores Estratégia de Atuação 60 60 Balanço Patrimonial Tecnologia vs Eficiência operacional Basileia Desempenho Financeiro

Leia mais

Relatório de estabilidade financeira Comentários. Fonte: Banco Central do Brasil, março/2014

Relatório de estabilidade financeira Comentários. Fonte: Banco Central do Brasil, março/2014 Relatório de estabilidade financeira Comentários Fonte: Banco Central do Brasil, março/214 Sumário Base: até 2º sem./13 Com base nos números relativos ao ano de 213, o último Relatório de Estabilidade

Leia mais

L5.3 h, carta. Análise do Desempenho 4T08

L5.3 h, carta. Análise do Desempenho 4T08 L5.3 h, carta Análise do Desempenho 4T08 Este relatório faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012

BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012 BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (valores expressos em milhares

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Sexta-feira 14.05.2010 Divulgação do Resultado do Primeiro Trimestre de 2010

Sexta-feira 14.05.2010 Divulgação do Resultado do Primeiro Trimestre de 2010 Press Release 9 Bovespa: BRSR3, BRSR5, BRSR6 Este Press Release pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas

Leia mais

4T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas

4T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas resultados 4T14 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Índice Análise Gerencial da Operação 3 Sumário Executivo 5 Análise do Resultado 15 Margem Financeira Gerencial 16 Receitas

Leia mais

2º Trimestre 2005. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas

2º Trimestre 2005. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas 2º Trimestre 2005 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Índice Sumário Executivo 03 Análise do Resultado Consolidado 13 - Margem Financeira 14 - Resultado com Créditos de Liquidação

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

QUALIDADE DOS ATIVOS 97,4% das operações de crédito cobertas por garantias Créditos de D a H : 1,9% da carteira Provisões totais: 1,8% da carteira

QUALIDADE DOS ATIVOS 97,4% das operações de crédito cobertas por garantias Créditos de D a H : 1,9% da carteira Provisões totais: 1,8% da carteira São Paulo, 30 de Outubro de 2008 O Banco Sofisa S.A. (Bovespa: SFSA4) anuncia hoje seu resultado do terceiro trimestre de 2008. Todas as informações operacionais e financeiras a seguir, exceto quando indicado

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 ÍNDICE GERAL Página Demonstrativos Contábeis 02 Notas Explicativas da Administração 09 Resumo do Relatório do Comitê de Auditoria 112 Relatório dos Auditores

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

Os valores indicados como totais em algumas tabelas podem não ser a soma aritmética dos números que os precedem devido a ajustes de arredondamento.

Os valores indicados como totais em algumas tabelas podem não ser a soma aritmética dos números que os precedem devido a ajustes de arredondamento. Este relatório se baseia nas Demonstrações Financeiras Consolidadas da CAIXA em 30 de junho de 2013. Entretanto, os valores e suas formas de apresentação são frutos de ajustes gerenciais, podendo haver

Leia mais

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Rio de Janeiro, 09 de Agosto 2011 1 Informação importante Esta apresentação foi preparada pelo Banco Santander (Brasil) S.A., eventuais declarações

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Informações Financeiras Consolidadas

Informações Financeiras Consolidadas Informações Financeiras Consolidadas 3º trimestre 2007 Dados Cadastrais Denominação Comercial: Banrisul S/A Natureza Jurídica: Banco Múltiplo Público Estadual. Sociedade de Economia Mista, sob forma de

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA RESULTADOS 1T16

COLETIVA DE IMPRENSA RESULTADOS 1T16 COLETIVA DE IMPRENSA RESULTADOS 1T16 Aviso importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS MARÇO/2015

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS MARÇO/2015 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS MARÇO/2015 1 SUMÁRIO PRESS RELEASE... 6 FATO RELEVANTE... 8 DESTAQUES FINANCEIROS... 8 DESTAQUES OPERACIONAIS... 10 GUIDANCE... 12 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO... 13 CENÁRIO ECONÔMICO...

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C A DD. DIRETORIA DO SOLIDÁRIA - CRESOL BASER Rua Nossa Senhora da Glória, 52ª - Cango Francisco Beltão - PR CNPJ: 01.401.771/0001-53 Balanço Patrimonial e Demonstração de Sobras ou Perdas consolidadas do

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

4T15. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A.

4T15. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. 4T15 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. ÍNDICE 03 Análise Gerencial da Operação 05 Sumário Executivo 15 Análise do Resultado e Balanço 16 18 22

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 14 de maio de 2012 - A Unidas S.A. anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário.

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 2º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 2º Trimestre de 2013 . São Paulo, 06 de agosto de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga seus

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

CONTATO RI. Alexandre Pedro Ponzi. Gerente de RI. Tel: +55 (51) 3215-3232. Email: ri@banrisul-ri.com.br. Website de RI: www.banrisul.com.

CONTATO RI. Alexandre Pedro Ponzi. Gerente de RI. Tel: +55 (51) 3215-3232. Email: ri@banrisul-ri.com.br. Website de RI: www.banrisul.com. 1 ÍNDICE DESTAQUES FINANCEIROS - EXERCÍCIO DE 2007 E 4T07... 4 DESTAQUES OPERACIONAIS - EXERCÍCIO DE 2007 E 4T07... 6 PERSPECTIVAS DE MERCADO... 7 EVENTOS RELEVANTES... 8 INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS...

Leia mais

ANEXO A. Informe Mensal

ANEXO A. Informe Mensal ANEXO A Informe Mensal Competência: MM/AAAA Administrador: Tipo de Condomínio: Fundo Exclusivo: Todos os Cotistas Vinculados por Interesse Único e Indissociável? Aberto/Fechado Sim/Não Sim/Não ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Setembro de 2007

Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Setembro de 2007 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Setembro de 2007 Índice Sumário Executivo 03 Análise do Resultado Consolidado 12 - Margem Financeira Gerencial 13 - Resultado de Créditos

Leia mais

Principais Destaques - 1T15

Principais Destaques - 1T15 Belo Horizonte, 28 de abril de 2015 O Banco INTERMEDIUM S.A., banco múltiplo, focado em Crédito Imobiliário e com atividades também nos segmentos de Consignado e Middle Market, divulga hoje seus resultados

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A. Informe de Resultados em IFRS - (Release) Terceiro Trimestre de 2010 28 de outubro de 2010 DESTAQUES DO PERÍODO

Banco Santander (Brasil) S.A. Informe de Resultados em IFRS - (Release) Terceiro Trimestre de 2010 28 de outubro de 2010 DESTAQUES DO PERÍODO DESTAQUES DO PERÍODO Banco Santander (Brasil) S.A. Informe de Resultados em IFRS - (Release) Terceiro Trimestre de 2010 28 de outubro de 2010 Disclaimer: eventuais declarações que possam estar escritas

Leia mais

Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo. 13 de Maio de 2014

Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo. 13 de Maio de 2014 Apresentação 1T14 APIMEC São Paulo 13 de Maio de 2014 1 Visão geral do mercado brasileiro de crédito Crédito Total / PIB e crescimento anual do crédito Crédito / PIB - por tipo de instituição financeira

Leia mais

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2014 (em IFRS)

Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2014 (em IFRS) São Paulo, 30 de outubro de 2014 Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3) (em IFRS) Lucro líquido cresce 66% no 3T14 e totaliza R$42 milhões Vendas líquidas crescem 18% no trimestre EBITDA cresce 44%,

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente BCO06116 São Paulo, 7 de maio de 2014. O Banco Votorantim S.A. ( Banco ) anuncia seus resultados do primeiro trimestre () do exercício de 2014. Todas as informações financeiras a seguir, exceto se indicado

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 Resultados 1T15 www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float,

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2013

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 3º Trimestre de 2013 . São Paulo, 31 de outubro de 2013 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis e com grande presença nas classes populares do Brasil, divulga

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação de Resultados 1º Trimestre, 2014 Aviso Importante: esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais