ALINHAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA ESCOLA DE IDIOMAS: PROPOSTAS DE AÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALINHAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA ESCOLA DE IDIOMAS: PROPOSTAS DE AÇÕES"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de ALINHAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA ESCOLA DE IDIOMAS: PROPOSTAS DE AÇÕES Douglas Ferreira Vidal (Universo) Rogerio Carlos Mota De Oliveira (Petrobras) Sebastião Décio Coimbra de Souza (Uenf / Ucam) Na dinâmica competitiva atual, onde a mudança é uma constante e o futuro cada vez mais incerto, a gestão estratégica dos negócios se torna fundamental para conduzir o processo de tomada de decisão empresarial. Nesse sentido, obter um melhorr alinhamento estratégico entre o que a empresa oferece e o que o mercado quer, pode ser a chave para um melhor posicionamento competitivo da empresa perante os concorrentes. Entretanto, o alinhamento estratégico requer uma abordagem global do negócio e a aplicação conjugada de métodos e técnicas em estudos de casos reais. Buscando contribuir para o conhecimento e a difusão de métodos de gestão estratégica aplicados de forma conjugada, o objetivo deste trabalho é apresentar um estudo de caso de alinhamento estratégico em uma escola idiomas. Os procedimentos de campo envolveram coleta de informações junto à empresa objeto de estudo, aplicação de questionários semiestruturados, compilação e análise das informações. A metodologia adotada seguiu um viés qualitativo, como é habitual para esse tipo de trabalho, porém buscou-se uma abordagem mais objetiva com a ponderação dos fatores estratégicos. Os resultados mostram os pontos críticos para o alinhamento estratégico do negócio, para os quais, ao final são propostas estratégias e ações de melhoria. As conclusões permitem confirmar a importância da aplicação conjugada de métodos de alinhamento estratégico na análise dos negócios e, que esta abordagem é promissora para novos estudos e aplicações para direcionamento de novos investimentos e maior eficácia da análise estratégica. Palavras-chaves: Alinhamento estratégico, postura estratégica, cinco forças, análise produto x mercado, escola de idiomas

2 1. Introdução No mercado mutável e de competição acirrada dos tempos atuais, com clientes cada vez mais exigentes em relação a preços e qualidade, e menos fiéis às marcas, cresce a importância do planejamento estratégico e das estratégias de mercado para a competitividade dos negócios. O Planejamento Estratégico é uma técnica utilizada para nortear as empresas quanto ao desempenho de sua missão, atuando através da interação entre a organização, o ambiente e seus clientes, que possibilita o desenvolvimento de produtos e serviços que atendam às necessidades dos clientes, contribuindo assim para a prosperidade da organização. Para elaboração do Planejamento Estratégico, faz-se necessário o uso de ferramentas de análise do ambiente interno e externo da empresa, além do entendimento a respeito das preferências dos clientes, bem como conhecimento sobre as influências das variáveis que podem afetar positiva ou negativamente a organização (BETHLEM, 2009; NETO & SANTOS, 2009; HIT et al., 2005). O planejamento estratégico consiste num importante instrumento gerencial capaz de auxiliar as empresas a se guiarem no ambiente e na identificação de quais investimentos priorizar. A gestão estratégica refere-se ao processo pelo qual a empresa, no marco de uma definição de propósitos, de princípios e de um diagnóstico de capacidades e condições colocadas no ambiente em que se encontra, analisa alternativas possíveis para decidir que tipo de estratégia de longo prazo adotará na busca do alcance de seus objetivos. Dessa forma, através das ferramentas e métodos disponíveis para o planejamento e o controle dos investimentos, os estrategistas dos negócios podem usar a imaginação e a capacidade de raciocínio lógico para acelerar os efeitos da competição e a velocidade das mudanças e, obter vantagens competitivas perante seus concorrentes (HENDERSON, 1998; PORTER, 1999). Nesse sentido, o alinhamento estratégico entre planejamento, estratégias e ações é fundamental para manter o sincronismo necessário para que a empresa não perca o foco do negócio e possa obter importantes margens de vantagem competitiva, evitando perda de tempo e movimentos que não contribuam efetivamente para o sucesso empresarial (SOUZA et al., 2006; CHIAVENATO & SAPIRO, 2003). A formulação de um plano para um determinado período de tempo deve estar submetido à periódica análise estratégica, que deve estar atrelada às mudanças nas variáveis econômicas, ambientais, tecnológicas, políticas e sociais, e às novas tendências dos consumidores e dos concorrentes, fundamentais para o negócio da empresa. De modo a contribuir para ampliar o conhecimento sobre o alinhamento estratégico dos negócios e a aplicação real de métodos de gestão estratégica, neste artigo apresenta-se um estudo de caso em uma pequena empresa de serviços. Para identificação das capacidades e condições ambientais que tangem o negócio da empresa, foram utilizados de forma conjugada, o método SWOT ponderado, a definição de postura estratégica, a método das cinco forças de Porter, a análise do ciclo de vida do produto e a matriz produto x mercado. A seguir, a estrutura deste artigo contém a revisão bibliográfica dos métodos adotados, a metodologia e os procedimentos para na realização do estudo de caso, os resultados obtidos e as conclusões. 2. Revisão bibliográfica 2.1. Método SWOT 2

3 O método SWOT é uma ferramenta de reconhecimento do ambiente dos negócios que foi desenvolvida por escolas norte-americanas de administração (BETHLEM, 2009). Azevedo & Costa (2001) afirmam que seu objetivo é definir estratégias para manter pontos fortes, reduzir a intensidade de pontos fracos, aproveitando as oportunidades e proteger-se das ameaças. Sua aplicação dá-se através de levantamentos de pontos fracos e fortes (análise interna), e ameaças e oportunidades (análise externa) da empresa que podem afetar negativa ou positivamente a estrutura do negócio. As ameaças e oportunidades podem gerar impactos fortes na empresa. Chiavenato & Sapiro (2003) defendem a aplicação do método SWOT de forma equilibrada entre a visão interna da empresa e a visão externa do ambiente, para ajustar a empresa às oportunidades que aparecem no mercado, bem como escapar ou isolar-se das ameaças ambientais. Segundo Oliveira (2008) uma oportunidade devidamente usufruída pode proporcionar aumento dos lucros da empresa, enquanto uma ameaça não administrada pode acarretar diminuição nos lucros previstos, ou mesmo prejuízos para a empresa. Já os pontos fortes e fracos podem provocar alterações nas expectativas da empresa ao longo do tempo. Em uma abordagem mais quantitativa, SOUZA et al (2006) propuseram adotar o método SWOT para se atribuir valores aos fatores estratégicos levantados, de modo a priorizar os fatores e definir de forma mais objetiva, qual a postura estratégica indicada para o negócio. Nesse caso, para o diagnóstico deve-se fazer uso de técnicas de estudo dos ambientes e coleta de informações junto aos executivos e especialistas do mercado por meio de questionário estruturado, estabelecendo-se uma pontuação para os itens apontados de acordo com o grau de importância para o negócio, com base em uma escala de cinco pontos de Likert. Em seguida é feita a contagem dos pontos e verificado o enquadramento em uma Matriz 2X2, que possibilita o estabelecimento da Postura Estratégica adotada pela empresa de acordo a predominância dos fatores avaliados. E x t e r n a Análise Fonte: SOUZA (2006) 2.2. Postura estratégica I n t e r n a Pontos Fracos Pontos Fortes Ameaça Sobrevivência Manutenção Oportunidade Crescimento Desenvolvimento Quadro 1 - Modelo SWOT/Postura estratégica Segundo Souza et al. (2006), a definição da postura estratégica consiste na avaliação da predominância entre os fatores estratégicos com a adoção de uma ponderação numérica com base em uma escala de Likert e posterior somatório e seu enquadramento na Matriz SWOT. Nesse caso, a predominância entre pontos fracos e fortes e entre ameaças e oportunidades define em qual quadrante a empresa deve se colocar. Conforme verificado na Matriz SWOT (Quadro 1), dependendo da predominância entre os fatores estratégicos, para cada caso, será indicada uma das quatro posturas: sobrevivência, manutenção, crescimento ou desenvolvimento (OLIVEIRA, 2008). O processo se dá da seguinte forma: Predominância de pontos fracos + ameaças Sobrevivência 3

4 Predominância de pontos fracos + oportunidades Crescimento Predominância de pontos fortes + ameaças Manutenção Predominância de pontos fortes + oportunidades Desenvolvimento A seguir, são apresentadas as características de cada uma das posturas estratégicas: Sobrevivência: Caracteriza-se pela predominância de pontos fracos e ameaças, sendo a pior situação desta análise para empresa. Este caso, sugere baixos investimentos associados ao corte de custos, visando garantir a sobrevivência da empresa no mercado. Consiste em fazer apenas o necessário, para obtenção de proteção contra as ameaças e um controle sobre pontos fracos, com o objetivo de evitar novas perdas e danos ao negócio. Manutenção: Resultado da predominância de pontos fortes e ameaças. Neste caso, a empresa visa potencializar seus pontos fortes de modo a utilizá-los como diferencial de mercado, de modo a se resguardar quanto à ocorrência de ameaças externas que podem vir a prejudicar o negócio. O objetivo é, no mínimo, manter a configuração atual na qual a empresa se encontra. Crescimento: Resultante da predominância de pontos fracos e oportunidades. Com essa postura, a empresa visa sobrepor seus pontos fracos investindo em novas oportunidades de negócio que o mercado oferece, com o objetivo de conquista e consolidação de novos clientes e mercados. Desenvolvimento: Resultante da predominância de pontos fortes e oportunidades. Esta é a melhor situação para uma empresa, visto que neste caso, internamente destacam-se os pontos fortes e o ambiente encontra-se favorável ao desenvolvimento de novos produtos, exploração de novos mercados e captação de novos clientes, o que a possibilita auferir lucros acima da média, através de vantagens competitivas sustentáveis. Conforme descrito por Oliveira (2008), existem determinados tipos de estratégias mais adequados cada postura estratégica, que deverá ser considerada para possível implementação. Entretanto, cabe ressaltar que serve apenas como um indicativo genérico de como a organização deve se comportar diante do ambiente, com base nas informações e dados da análise SWOT Cinco forças de Porter O método das cinco forças estabelece uma relação entre a empresa e seu ambiente operacional. A análise estrutural pelas cinco forças revela as regras da concorrência, assim como sinaliza as estratégias necessárias para que a empresa tenha um desempenho acima da média do mercado. As Cinco Forças foram descritas por Michel E. Porter como Ameaça de novos entrantes, Poder de negociação dos fornecedores, Poder de negociação com compradores, Ameaças de produtos substitutos e Rivalidade entre concorrentes existentes (CAVALCANTI, 2008). Além de lançar bases para a competição, a atratividade da empresa é determinada pela rentabilidade do setor, a qual é resultante das cinco forças competitivas básicas que compõem a estrutura do mercado (PORTER, 1999). Segundo o autor os clientes, os fornecedores, os novos entrantes em potencial e os produtos substitutos são todos competidores que podem ser mais ou menos proeminentes ou ativos, dependendo do setor industrial, e que o estado de competição em um segmento industrial depende das cinco forças básicas. 4

5 Segundo Piedade et al (2009) Mesmo que as empresas não se preocupem consideravelmente com a sua relação com os concorrentes, ainda assim é possível analisar como a estratégia da empresa pode ser classificada de acordo com a abordagem do posicionamento estratégico. No presente trabalho, as Cinco Forças foram consideradas no estudo de caso com o objetivo de verificar se a postura estratégica indicada por meio da análise SWOT estaria indicada para o negócio em questão, de acordo com a configuração atual de mercado. As Cinco Forças são descritas de seguinte forma: Ameaça de Novos Entrantes: consiste no grau de dificuldade que o negócio analisado admite a entrada de novos competidores, e em que condição de competição os mesmos são admitidos. Porter (1999) afirma que a severidade da ameaça de novos entrantes depende das barreiras atuais e da reação dos concorrentes existentes e do que entrantes podem esperar encontrar. Barreiras elevadas consistirão em duras retaliações aos entrantes, e provavelmente baixas ameaças às empresas estabelecidas. Porém, se as barreiras forem fortes, e mesmo assim superadas, os novos entrantes conseguem penetrar o mercado, munidos de recursos consideráveis, podendo configurar uma fortíssima ameaça. Ainda segundo Porter (1999), os novos entrantes em um setor industrial trazem novas capacidades, desejo de ganhar participação de mercado e, frequentemente, concorrem com recursos substanciais. São exemplos como barreiras aos novos entrantes a economia em escala, a dificuldade ao acesso à matéria-prima, aos canais de distribuição, a identificação com as marcas existentes, a elevada importância da tecnologia ao setor, experiência acumulada no ramo de negócio, necessidade de capital, políticas governamentais, entre outros. Poder de Negociação dos Fornecedores: consiste em verificar o grau de influência dos fornecedores de insumos ao negócio analisado. Hitt et al (2005) citam que o aumento de preços e a redução da qualidade de produtos vendidos são meios em potencial através dos quais o fornecedor pode exercer o seu poder sobre as empresas. Caso a empresa se mostre incapaz de superar os aumentos de custos através de sua estrutura de preços, seu lucro será reduzido pela ação do fornecedor. Tal situação pode minar a rentabilidade de um negócio se a empresa for, por exemplo, obrigada a repassar aumento dos custos de insumos ao produto final, ou ainda demonstrar perda da qualidade aparente em situações nas quais o cliente exige alto padrão de serviço. Como exemplos do poder de negociação dos fornecedores, citam-se grupos mais concentrados do que a empresa, integração para frente, importância do insumo para o produto, dificuldade logística de substituição de fornecedores, baixa importância da empresa para o fornecedor, entre outros. Poder de Negociação dos Compradores: O poder de negociação dos compradores aumenta de acordo com a importância de suas compras para a empresa. Os compradores competem com a empresa na busca de redução dos preços, barganhando por melhor qualidade, fazendo com que as empresas se digladiem em busca de atendimento dos pré-requisitos estabelecidos pelo poder de negociação dos compradores. O resultado disso para a empresa é a redução dos lucros e a necessidade de investimentos em pontos percebidos e valorizados pelo comprador. Podem ser citados como exemplos do poder de negociação dos compradores, a integração para trás, facilidade de aquisição, margem estreita de lucro e elevado nível de conhecimento sobre o produto. Ameaças de Produtos Substitutos: Consiste no poder de influência de produtos que executam a mesma função do produto analisado. Cavalcanti (2008, p. 70) afirma que 5

6 ao imporem um teto aos preços, os produtos ou serviços substitutos limitam o potencial do setor. A não ser que se consiga melhorar a qualidade ou produto, ou, de alguma forma, estabelecer uma diferenciação, o setor sofrerá as consequências nos lucros e, possivelmente, no crescimento. Como ameaça de produtos substitutos, a elevada absorção pelo mercado, elevada relação desempenho/preço e a alta rentabilidade do setor são exemplos. Rivalidade entre os Concorrentes Existentes: consiste na disputa por posição entre concorrentes, e se dá através de táticas de concorrência de preços, batalha de publicidade, introdução de novos produtos, aumento do nível de serviço Ciclo de vida do produto Os produtos lançados em um mercado percorrem um ciclo que vai desde seu nascimento, coma sua introdução no mercado, até sua extinção, quando é retirado (Figura 1). Este ciclo é composto por quatro estágios ou fases: introdução, crescimento, maturidade e declínio. O tempo e o volume de vendas definem em qual estágio o produto se encontra. Chiavenato et al (p. 260) afirmam que também é válido acompanhar a curva do volume de vendas com a curva do lucro correspondente para a categoria do produto, até porque uma organização está interessada em lucro, e não somente em vendas. Estudos comprovam que um produto pode se autoextinguir já na primeira fase (introdução), caso não tenha condições de superar as barreiras introdutórias do mercado. Passando por esse estágio, o produto entra na fase de crescimento, na qual começa a recuperar o investimento feito em seu desenvolvimento e na fase de introdução. Após esta fase, vem a maturidade, considerada a de maior lucratividade, pois, ao atingir esta fase, o produto já não exige grande investimento em divulgação e distribuição, graças a sua consolidação no mercado. Além disso, há ainda considerável redução dos custos de produção devido à curva de aprendizagem. A etapa seguinte, o declínio, consiste na extinção do produto ou sua retirada do mercado. Tal etapa deve ser retardada sempre que possível, através de inovações que satisfaçam novas necessidades de clientes incorporadas ao produto na fase de maturidade, tendo em vista o prolongamento de sua vida útil Matriz produto x mercado Fonte: AZEVEDO & COSTA (2001) Figura 1 Ciclo de vida do produto Esta metodologia consiste em determinar a adequação dos novos produtos ao mercado atual ou a novos mercados, visando ao crescimento empresarial e ao aumento do lucro. Para Chiavenato & Sapiro ao procurar o lucro, uma organização dever considerar seus mercados e seus produtos, além de conhecer as necessidades dos clientes. Essa consideração possibilita decidir se a empresa deve continuar em sua missão atual (explorando o mercado na qual se 6

7 encontra), de melhor maneira, ou se deve estabelecer uma nova missão (busca por novos mercados), atuando com seus produtos atuais e novos (ver Quadro 2). 3. Caso estudado Mercado Atual Mercado Novo Produto Atual Penetração de Mercado Desenvolvimento de Mercado Fonte: CHIAVENATO & SAPIRO (2008) Quadro 2 Matriz Produto versus Mercado Produto Novo Desenvolvimento do produto Diversificação O FLY HIGH LANGUAGE INSTITUTE é uma escola de idiomas situada na cidade de Campos dos Goytacazes, no Norte do estado do Rio de Janeiro. Fundado no ano de 2008 com a missão de promover o ensino de línguas e a disseminação de culturas estrangeiras no Brasil, especialmente no Rio de Janeiro, através de cursos voltados ao público universitário da cidade de Campos dos Goytacazes. O instituto é administrado por 2 sócios que se dividem entre as funções operacionais e administrativas. Atualmente conta com um quadro de funcionários composto por quatro professores e um número de 70 alunos. Em 2008, iniciou suas operações ofertando o curso de língua inglesa, posteriormente ampliando o leque com a oferta de cursos de língua francesa e alemã. Desde então a empresa tem apresentado indicadores de crescimento sustentável, entretanto, os proprietários notaram a necessidade de planejamento estratégico e estudos para o direcionamento dos novos investimentos. 4. Metodologia A metodologia seguiu um viés qualitativo, como é habitual para o tipo de trabalho, porém buscou-se uma abordagem mais objetiva na consideração da priorização dos fatores estratégicos. Os procedimentos adotados para realização deste trabalho foram divididos em duas etapas, uma de análise global do negócio/empresa versus ambiente e, em seguida, uma análise produtos/serviços versus mercado/cliente. Na primeira etapa, inicialmente foi realizado o diagnóstico do negócio, através do método SWOT, através de entrevistas e aplicação de questionários semi-estruturados. Em seguida, através da predominância entre os fatores estratégicos, foi indicada a postura estratégica para a empresa. O método das cinco forças de Porter foi então aplicado, de modo a se verificar a consistência dos fatores estratégicos, a priorização entre eles, e sua adequação ao posicionamento estratégico da empresa em relação ao ambiente competitivo específico. Na etapa seguinte, foram aplicados os métodos de análise do ciclo de vida do produto, conjugada com a análise da matriz produto x mercado. Para os principais problemas identificados e inconsistências verificadas, ao final, foram propostas ações corretivas de modo a alinhar as estratégias da empresa com o cenário competitivo levantado. A aplicação dos métodos para o caso estudado, e a forma de avaliação específica, estão descritas nas subseções seguir. 5. Resultados 5.1 SWOT/Postura estratégica A aplicação do método SWOT ao caso deu-se por meio de coleta de informações através de entrevista junto aos sócios da empresa, onde foram abordadas as funções organizacionais consideradas pelos proprietários as mais relevantes, que foram, no caso da análise interna, 7

8 Marketing, Finanças, Produção e Recursos Humanos. Na análise externa forma avaliados os aspectos Informações Gerais, Consumidores/Clientes, Mercado, Setor de atuação e Concorrentes. Conforme sugerido em SOUZA et al. (2006), para priorização dos fatores levantados foram atribuídos valores de 1 a 5, de acordo com seu grau de criticidade e importância ao negócio, definido também pelos administradores. Os resultados foram avaliados e discutidos em conjunto com os sócios da empresa, visando maior consistência e fidelidade a real situação do negócio, conforme pode ser verificado nos Quadros 3, 4, 5, 6 e 7. - Análise interna Função Pontos fortes Valor Total Efeito da propaganda boca- a- boca 4 Foco na divulgação entre o público alvo (universitários) 4 Marketing Sintonia de planejamento x divulgação 5 16 Objetividade dos informativos e valorização das cores como diferencial para identificação da empresa. 3 Confiabilidade e controle dos dados 4 Finanças Boa administração do fluxo de caixa 3 Eficácia nas decisões sobre os recursos 5 16 Conformidade entre a contabilidade e o planejamento orçamentário 4 Objetivos gerais definidos aliados à metodologia 4 Flexibilidade no atendimento ao cliente 5 Produção Qualidade do material utilizado 4 22 Metodologia de ensino baseada na fluência do idioma 4 Localização da empresa próximo a pólos universitários 5 Eficiência profissional 4 Recursos Valorização do corpo docente 4 Humanos Realização de reuniões organizacionais 3 16 Processo de seleção estabelecido (avaliações de desempenho e didática). 5 Total de pontos fortes 70 Quadro 3 Levantamento de pontos fortes Função Pontos fracos Valor Total Ausência de propaganda em alta escala 5 Marketing Deficiência de marketing nas dependências da instituição 4 Ausência de um departamento de marketing 3 16 Deficiência quanto à cobertura do marketing 4 Ausência de ferramentas avançadas de gerenciamento financeiro 3 Finanças Deficiência de análise de dados 4 12 Ausência de relatórios demonstrativos 5 Necessidade de ampliação de estrutura física 5 Produção Indisponibilidade de horários para novas turmas 4 12 Limitado número de equipamentos audiovisuais 3 Recursos Ausência de um programa de treinamento 5 Humanos Necessidade do aumento do efetivo 3 8 Total de pontos fracos 48 - Análise externa Quadro 4 - Levantamento de pontos fracos Função Oportunidades Valor Total Informações Gerais Crescimento do mercado 4 4 Clientes Aumento da procura de cursos por parte de clientes de nível técnico / universitário

9 Mercado Setor de atuação da empresa Concorrentes Aumento da busca por melhor qualidade de ensino a preço acessível 4 Independência financeira dos clientes foco 3 Aumento na busca por cursos planejados e sem imediatismo de resultados. 3 Expectativa de crescimento de mercado devido aos investimentos na região. 4 Baixa oscilação na procura de cursos de línguas durante o ano (procura constante) 5 Aumento da procura por outros idiomas além do inglês 4 4 Imediatismo ineficaz dos cursos oferecidos pela concorrência 5 Frieza no relacionamento com os alunos (relacionamento formal) 4 13 Inflexibilidade da concorrência quanto ao atendimento aos alunos. 4 Total de pontos de oportunidades 45 Quadro 5 - Levantamento de oportunidades 9 Função Ameaças Valor Total Informações Gerais Facilidade de penetração de novos entrantes 5 5 Clientes Exigência de infraestrutura de qualidade por parte dos alunos (laboratórios, bibliotecas) 4 4 Mercado Expectativa da entrada grandes concorrentes (franquias) devido ao desenvolvimento regional. 5 5 Melhor estrutura física oferecida pela concorrência 5 Investimento em propaganda em massa 5 Qualidade do ensino oferecido 4 Instalação de nova unidade de concorrente franqueado próximo às 4 Concorrentes dependências da empresa. 27 Captação e retenção de alunos em idade inferior ao público alvo da empresa. 3 Variedade de cursos oferecidos 3 Parcerias com outras instituições para descontos em cursos de outros segmentos 3 Total de pontos de ameaças 41 Quadro 6 - Levantamento de ameaças Considerando o somatório dos pontos atribuídos para cada fator estratégico e a distribuição dos pontos, a definição da postura estratégica é mostrada no Quadro 7. Análise interna Análise externa Σ Pontos fortes = 70 Σ Oportunidades = 45 Σ Pontos fracos = 48 Σ Ameaças = 41 Análise: Σ Pontos fortes > Σ Pontos fracos + Σ Oportunidades > Σ Ameaças postura estratégica de desenvolvimento (conforme Quadro 1) Quadro 7 Alinhamento estratégico: predominância dos fatores estratégicos Devido à predominância entre os fatores estratégicos, ou seja, de pontos fortes e oportunidades, sobre pontos fracos e ameaças, a postura estratégica indicada para a empresa é a de desenvolvimento. As informações levantadas nesta etapa são cruciais para o desenvolvimento do trabalho, pois formam a base para o alinhamento estratégico da empresa. Em seguida, foram abordados os itens prioritários, para os quais foram sugeridas ações de potencialização de pontos fortes, aproveitamento das oportunidades, bem como minimização dos pontos fracos e proteção contra as ameaças. 9

10 5.2 Método das Cinco forças de Porter No presente estudo de caso, o método das 5 forças foi aplicado para confirmação da postura de Desenvolvimento adotada mediante a análise SWOT, visando corrigir possíveis desvios, no que tange aos aspectos ligados às cinco forças do mercado e ao seu grau de influência ao negócio da empresa analisada Novos entrantes O mercado no qual a empresa atua oferece muitas facilidades para a entrada de novos competidores. Fatores como o baixo nível de exigências legais a serem cumpridas, baixo investimento inicial necessário, aliado à perspectiva de altos investimentos na região com a exploração de petróleo na camada pré-sal da bacia de campos, a construção de portos e atração de empresas multinacionais, além da configuração da cidade como um dos importantes pólos universitários do estado e do país, criam um ambiente favorável à instalação de novas escolas de idiomas. A ameaça de novos entrantes consiste em potencial de risco elevado à empresa, visto que inclusive foi reconhecida como forte ameaça na análise SWOT Fornecedores O poder de negociação dos fornecedores é de baixo impacto ao negócio da empresa, especificamente no que tange ao material didático utilizado, devido à grande facilidade de sua substituição por outros produtos similares em qualidade e aceitação por parte dos alunos. Já no que diz respeito aos recursos humanos empregados no processo (Corpo Docente), o poder de negociação dos fornecedores gera um impacto considerável ao negócio, visto que apesar de farta de mão-de-obra, existe a dificuldade de selecionar profissionais que se dediquem exclusivamente à atividade de lecionar línguas, o que eleva os custos do processo de seleção, além de elevar o custo das horas-aula dos profissionais selecionados, para que seja mantido o padrão de serviços oferecidos pela empresa Clientes O poder de negociação do consumidor ou cliente exerce grande força ao negócio de ensino, especialmente no de línguas, dado à variedade de opções de escolas de línguas disponíveis na cidade e a alta procura pelos cursos. Tal poder faz com que a empresa se veja pressionada em relação á qualidade e bom nível de serviço, e, ao mesmo tempo, oferecer esses serviços por um baixo preço, em busca da fidelização dos clientes, como condição para crescimento e conquista de novos clientes Produtos/Serviços substitutos O poder de ameaça de produtos substitutos é pequeno, pois os existentes, como os intercâmbios por exemplo, dependem de conhecimento prévio da língua a ser estudada e exigem alto investimento financeiro para serem concretizados, o que inviabilizaria sua a substituição, devido à questões financeiras e ao perfil do público-alvo, em sua maioria, estudantes universitários e trabalhadores, que se mostram impossibilitados de estudar no exterior. Portanto, os produtos substitutos, neste caso, não se configuram como uma força negativa ao negócio da empresa em estudo, havendo inclusive, a oportunidade de parceria com empresas ligados ao segmento de ensino de idiomas, o que poderia ser uma estratégia futura Rivalidade entre os concorrentes 10

11 A rivalidade entre os concorrentes configura-se na maior ameaça ao negócio da empresa em estudo, visto que a disputa por mercado é intensa e os investimentos em infraestrutura, marketing e qualidade no setor são imensos, e uma condição para conquista de novos alunos. A facilidade de acesso ao mercado de idiomas por novos entrantes, atrelado ao alto poder de negociação dos consumidores, são fatores que potencializam a rivalidade entre os concorrentes, principalmente no caso das empresas de renome nacional, o que impacta na fortemente na redução das margens de lucro do setor. 5.3 Método do ciclo de vida do produto Como foi dito anteriormente, atualmente a empresa, oferece cursos de língua inglesa, francesa e alemã. O método do ciclo de vida do produto foi aplicado para definir em qual estágio de vida cada um dos cursos oferecidos se encontra, e qual seu grau de importância do ponto de vista de lucratividade para a sobrevivência da empresa. Os resultados são apresentados abaixo: Curso de língua inglesa O curso de língua inglesa é o carro-chefe dos produtos oferecidos pela empresa. É o responsável por grande parte da procura por novos clientes, pois é visto como essencial para o ingresso e manutenção no mercado de trabalho, e consequentemente é quem alavanca a lucratividade da empresa. O curso é oferecido a mais de um ano e sua qualidade é garantida por alunos, que inclusive fazem divulgação do mesmo sem custo, o que viabiliza uma redução de investimentos em marketing. Podemos afirmar que o curso de língua inglesa oferecido pela empresa está consolidado no mercado e portanto ocupa a área de Maturidade na curva do ciclo de vida do produto, conforme verificado na Figura 4 (Curva do ciclo de vida do produto) Curso de língua francesa e língua alemã Os cursos de língua francesa e alemã são os novos produtos lançados pela empresa. Estão disponíveis há 6 meses e demandam investimento em divulgação focado ao atendimento do público que deseja ou necessita ter fluência em um terceiro idioma, com o objetivo de aumentar o leque de opções de mercado e/ou conhecer novas culturas. A necessidade de alto investimento em promoção, aliado ao pouco tempo de mercado exige uma postura de desenvolvimento do produto, o que os enquadra na área de Introdução na curva do ciclo de vida do produto, conforme pode ser visto na figura 4(Curva de distribuição do ciclo de vida do produto). 5.4 Método matriz produto x mercado De posse dos dados referentes ao estudo do ciclo de vida dos produtos ofertados pelo instituto avaliado, foi feito o enquadramento dos produtos na matriz produto x mercado, visando orientar sobre qual a melhor tática a ser utilizada pela empresa para potencializar os produtos oferecidos, de modo a obter maior lucratividade e crescimento no mercado Curso de língua inglesa Conforme citado anteriormente, o mercado de atuação da empresa avaliada, inicialmente, é a cidade de Campos dos Goytacazes com foco no público universitário. Essa informação associada à característica de produto atual do curso de língua inglesa, devido ao seu estágio de maturidade no ciclo de vida do produto, caracteriza enquadramento no 1º quadrante da matriz produto x mercado (conforme visto no Quadro 2), o que indica uma estratégia de penetração no mercado, visando à conquista de novos clientes através do oferecimento de um 11

12 produto já consolidado. Ou seja, para a combinação produto atual x mercado atual = penetração de mercado Cursos de língua francesa e língua alemã Para os cursos de língua francesa e alemã, que de acordo com a curva do ciclo de vida do produto se configuram em uma fase de introdução, quando associados ao mercado atualmente explorado pela empresa, entretanto, verificou-se seu enquadramento no 2º quadrante, (conforme Quadro 2) resultando na indicação de estratégia de desenvolvimento do produto. Tal estratégia visa dar maior visibilidade ao produto junto ao mercado, por meio de ações de marketing, que atraiam o consumidor buscando aumento dos lucros pelo aumento da base de clientes, visando, dentro de um espaço de tempo determinado elevar os produtos à classe de Desenvolvimento e posteriormente Maturidade, dentro da curva do ciclo de vida do produto. Ou seja, produto novo x mercado atual = desenvolvimento do produto. 6. Conclusões A aplicação dos métodos de análise estratégica à empresa durante o estudo de caso, possibilitou a identificação de pontos que devem ser explorados e outros que devem ser resguardados, tendo em vista o controle e proteção de ameaças e pontos fracos e a exploração dos pontos fortes e das oportunidades. Identificou-se, por meio da análise SWOT, a predominância dos pontos fortes e oportunidades em relação a pontos fracos e ameaças, respectivamente, o que configura uma postura estratégica de desenvolvimento. Por meio da análise das 5 forças de Porter, verificou-se a necessidade de estabelecimento de meios de proteção quanto à entrada de novos competidores, alto poder de negociação dos clientes e grande nível de rivalidade entre empresas do ramo. Em contrapartida, observou-se também que é possível fazer uso dos espaços cedidos pelo baixo nível de ameaça de fornecedores, principalmente no que diz respeito ao uso de material didático. Quanto à ameaça de produtos substitutos, verificou-se que os mesmos são escassos e de alto custo, o que inviabiliza a substituição pelo público-alvo da empresa. Através do estudo do ciclo de vida do produto, aliado a análise da matriz produto x mercado, percebeu-se que o curso de língua inglesa encontra-se consolidado no mercado, sendo responsável pela maior parcela do lucro da empresa, configurando-se em um estágio de maturidade, o que indica necessidade de uma estratégia de penetração no mercado. Neste caso, foram sugeridas ações que incrementem o produto, elevando seu nível de atendimento às necessidades dos clientes, de modo a prolongar o estágio de maturidade, afastando a ameaça que representa o próximo estágio, que é o declínio. Ao mesmo tempo, confirmou-se a necessidade de implantação de ações de marketing mais focadas e melhor divulgação, de forma a reforçar sua venda. Já quanto aos cursos de língua francesa e alemã, verificou-se que os mesmos se encontram em estado introdutório, e que necessitam de investimento em ações de marketing para divulgação e venda do mesmo, para superar as barreiras iniciais do estágio de introdução, visando atingir mais rapidamente uma fase de crescimento. A análise por meio da matriz produto x mercado permitiu constatar o enquadramento da postura estratégica nesse caso como de desenvolvimento, o que reafirma a necessidade de utilização de estratégias de marketing mais agressivas, para maior exposição do produto no mercado atual, visando despertar no público alvo o interesse pelo estudo de um terceiro idioma. 12

13 No Quadro 8, é apresentado um resumo final proposto para o alinhamento estratégico do negócio, de acordo com os fatores estratégicos principais da análise de maior impacto no negócio. Foram indicadas ao proprietário da empresa analisar a possibilidade de implementar tais ações, visando a potencialização dos pontos fortes e aproveitamento das oportunidades, bem como o estabelecimento de defesa contra ameaças e a eliminação ou, pelo menos, a atenuação dos pontos fracos. Ponto Forte Ponto Fraco Oportunidade Ameaça Referências Função / Item Produção / Localização da empresa próximo a pólos universitários. Recursos Humanos / Processo de seleção estabelecido (avaliações de desempenho, e didática). Ausência de propaganda em alta escala Necessidade de ampliação de estrutura física Aumento da procura de cursos por parte de clientes de nível técnico / universitário Imediatismo ineficaz dos cursos oferecidos pela concorrência Expectativa da entrada de grandes concorrentes (franquias), devido ao crescimento econômico local. Melhor estrutura física oferecida pela concorrência Ações propostas - Instalação de placa que chame a atenção de clientes na entrada da empresa; - Disponibilizar horários compatíveis com o término das aulas dos pólos estudantis, visando reduzir o tempo e o custo com deslocamento dos alunos, oferecendo maior comodidade. - Política de preços diferenciados para estudantes; - Manter metodologia do processo seletivo, priorizando a contratação de professores que se dediquem exclusivamente ao ensino de idiomas; - Uso da internet, sites de relacionamento, website para divulgação dos produtos oferecidos; - Instalação de outdoors em locais próximos aos pólos estudantis, visando divulgação entre público-alvo; - Presença em feiras, seminários e congressos universitários; - Aquisição do imóvel e construção de novas salas em pavimento superior, ou mudança para imóvel de maiores dimensões, situado próximo aos pólos universitários; - Fechamento de convênios com instituições de ensino técnico e superior, visando captação de alunos através de preços promocionais; - Flexibilidade de horário através de planos de aulas VIP; - Oferecer desconto para alunos que tenham concluído um dos cursos e deseje ingressar em um novo curso; - Divulgação comparativa da metodologia utilizada x metodologia de concorrentes em website; - Utilizar ex-alunos de instituições concorrentes como captadores de novos alunos, através de planos diferenciados de descontos e bolsas; - Manter elevado nível de flexibilidade de horários e baixo custo dos produtos; - Manter foco em público-alvo; - Realizar obras para ampliação das dependências, ou mudança de sede que comporte maior número de alunos; - Disponibilizar bibliotecas e laboratórios; - Aumentar o leque de opções de publicações, artigos, e revistas; - Disponibilização de salas de aula mais amplas e confortáveis Quadro 8 Alinhamento estratégico: pontos críticos e ações propostas AZEVEDO, M.C & COSTA, H.G. Métodos para Avaliação da Postura Estratégica. Caderno de Pesquisa em Administração, Vol. 8 nº2, junho, BETHLEM, A. Estratégia Empresarial. 6ª. Ed. S. Paulo: Atlas,

14 CAVALCANTI, F.A. Planejamento Estratégico Participativo. São Paulo: Senac, CHIAVENATO, I. & SAPIRO, A. Planejamento Estratégico, Rio de Janeiro: Campus, HITT, M.A., IRELAND, R.D., & HOSKISSON, R.E., Administração Estratégica. 1ª edição, São Paulo: Pioneira/Thomson Learning, NETO, A.P.P.C, & SANTOS, T.L., Indústria Emergente e Competição: O Dilema das Estratégias em Uma Empresa de Lavagem a Seco, no Município de Belém. XXIX Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), Salvador-BA, Brasil, 06 09, Outubro, OLIVEIRA, D.P.R. Planejamento Estratégico: Conceitos, Metodologia e Práticas. 22º Edição, São Paulo: Atlas, PIEDADE, D.D.C & SILVA, S.E Analise da estratégia de uma empresa do ramo metalúrgico a partir de suas competências essenciais e do posicionamento de mercado. XXIX Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), Salvador-BA, 06-09, Outubro, PORTER, M.E,. On Competition - Competição: Estratégias competitivas essenciais. Ed. Campus/Elsevier, 4ª. Ed., SOUZA, S.D.C, VIANA, A.U., PESSANHA, C.A., CHIAPINI, F. & MARINS, J.L. Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa Através dos Métodos Balanced Scorecard (BSC) e Cinco Forças de Porter. XIII Simpósio de Engenharia de Produção (SIMPEP), Bauru-SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 04 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Estratégia empresarial Professor: Salomão David Vergne Cardoso E-mail: vergne07@gmail.com Código: Carga Horária:

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB PLANO DE DISCIPLINA ANO LETIVO: 2011 2º SEMESTRE DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO DISC

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5 Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial Aula - 5 Modelo de Porter do Ambiente Competitivo 1- Ameaças de novos concorrentes que ingressam no setor Ameaças de

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA Natália Igreja da Silva Ferreira 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 4

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO

GESTÃO INTEGRADA SUMÁRIO SUMÁRIO 1. MISSÃO... 3 2. VISÃO... 3 3. PRINCÍPIOS... 3 4. CENÁRIOS... 3 4.1. ARUJÁ... 3 5. POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO... 5 6. ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS... 6 6.1 DIRETRIZES ESTRATÉGICAS... 6 6.2 ESTRATÉGIAS

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Modelo das 5 Forças NOVOS ENTRANTES EMERSON BARROS DE MENESES

Modelo das 5 Forças NOVOS ENTRANTES EMERSON BARROS DE MENESES Modelo das 5 Forças NOVOS ENTRANTES EMERSON BARROS DE MENESES 1 Porter apresenta uma metodologia analítica para que se compreendam as indústrias e a concorrência para a formulação de uma estratégia competitiva

Leia mais

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital.

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital. MBA em Marketing Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 09 --> A globalização e os avanços tecnológicos estão abrindo oportunidades de negócios, novas formas de comercialização e despertando

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Curso de Capacitação de Agentes Gestores em APLs ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Prof. Gustavo Martins Porto Alegre, abril 2012 Estudo Dirigido Estratégia Competitiva A partir dos conceitos e

Leia mais

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS ESTRATÉGIA DE EMPRESAS Professor: Alexander Baer Fundação Getúlio Vargas MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. 26/02/2014 1) O que é ESTRATÉGIA?

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br Aula 3 Modelos de Estratégias de Crescimento MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br PRINCIPAIS MATRIZES DE ANÁLISE EM PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni Aula 6 Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter Profa. Daniela Cartoni Planejamento estratégico É um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto:

Projeto Cartão de Fidelidade. 1- Do Projeto: 1- Do Projeto: O projeto visa dar acesso aos associados de associações comunitárias de Rio Pardo de Minas/MG à compra de produtos em uma rede credenciada local através de um cartão de compras que garanta

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 DO MARKETING DO PRODUTO À ENGENHARIA DO PRODUTO - A MUDANÇA DE FOCO NECESSÁRIA PARA ATUAÇÃO NOS SEGMENTOS ECONÔMICOS DO MERCADO

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Análise Estratégica. BA Brazil - palestra

Análise Estratégica. BA Brazil - palestra Análise Estratégica 12 novembro 2015 Fundação Vanzolini Ruy Aguiar da Silva Leme (1925-1997) Engenheiro civil pela Poli-USP - Professor-assistente (1949-1953) e interino (1953) - Primeiro chefe do Departamento

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado)

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 14 (Nova) -->Início Confirmado:05/07/2013 Mercados dinâmicos têm imposto desafios crescentes para as empresas:

Leia mais

PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR

PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR Gabriela de Oliveira May Professora do Departamento de Administração e Ciências Contábeis da UNISUL Av. Rubens A. Ramos, 1612/301 Fpolis/SC

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas Painel Organizações e Inteligência competitiva: a ampliação de oportunidades no cenário global Tema "Inteligência competitiva: sua contribuição para a prospecção

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Questão 1 A figura ao lado apresenta uma proposta de classificação de sistemas de informação, organizada tanto no que se refere ao nível hierárquico, no qual atuam os sistemas

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

ESTRATÉGIA DE MARKETING O BOTICÁRIO RESUMO

ESTRATÉGIA DE MARKETING O BOTICÁRIO RESUMO 1 ESTRATÉGIA DE MARKETING O BOTICÁRIO Adriana Fussiger Silveira 1 Aline Florisbal 2 Camila Pinzon 3 Dilson Borges 4 João Antonio Jardim Silveira 5 RESUMO O presente trabalho busca traçar um plano estratégico

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais