Geração com Máquinas de Indução: uma contribuição ao estudo de Geradores de Indução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geração com Máquinas de Indução: uma contribuição ao estudo de Geradores de Indução"

Transcrição

1 Gerção com Máquins e Inução: um contriuição o estuo e Gerores e Inução M. O. Oliveir, IEEE Memer, D. A. C. Lim, UFGS University, L. A. Wlntus, UFGS University, O. E. Perrone, UNM University, A. S. Brets, IEEE Senior Memer,. W. Orelln Pucr, Osinergmin Astrct Over the lst yers the cost increse, limite reserves, n verse environmentl impct of fossil fuels, n the governmentl incentives hve me tht the win energy to e one of the fstest growing renewle energy sources. In this context, this pper presents rief explntion theoreticl out moeling n opertion chrcteristics of the min Inuction Genertors (IG use in win genertors. It is presenting theoreticl stuy of Squirrel-Cge IG, Self-Excite IG n Douly Fe IG. Keywors Inuction genertor, electric moeling, mechnicl moel. O I. INTODUÇÃO crescimento grul no consumo e energi elétric, os ltos custos ssocios o umento cpcie s linhs e trnsmissão e ificule e otenção e licençs mientis pr grnes empreenimentos têm motivo governos e empress privs à usc e novs fontes e gerção e energi elétric como lterntiv às grnes unies e gerção tricionis []. Nesse contexto, visuliz-se o crescente interesse n utilizção e fontes renováveis oriuns o vento, águ e o sol, tornno-se hoje um setor e grnes investimentos e pesquiss. Por outro lo, o ixo custo e quisição e simplicie e utilizção como geror, levrm às mquins e inução um lto nível e populrie quno utilizo como Geror e Inução (GI. Est preferênci eve-se principlmente às vntgens os GI em relção os Gerores Síncronos (GS, entre s quis temos: reuzio custo unitário, usênci e um fonte extern e excitção em corrente iret, mior roustez e fcilie e mnutenção []. No entnto, o elevo consumo e energi retiv e frc regulção e tensão e frequênci em conições e velocie vriável tornm-se os principis prolems este tipo e máquins [3]. M. O. Oliveir, O. E. Perrone e L. A. Wlntus trlhm no CEED - UNM, Argentin A. S. Brets e D. A. C. Lim são com Universie Feerl o io Grne o Sul (UFGS, Porto Alegre, Brsil (e-mils: W. Orelln Pucr é com o Orgnismo Supervisor e l Inversión en Energí y Minerí (Osinergmin, Lim, Perú (e-mil: Este trlho vis contemplr e mneir simplific e sucint o estuo relciono às crcterístics e operção e moelgem os GI qunto o tipo e excitção. Dest form, será presento um estuo teórico máquin e inução quno utilizo como GI com rotor Giol e Esquilo (GIGE, GI com Auto Excitção (GIAE e o GI Duplmente Excito (GIDE. II. MÁQUINA DE INDUÇÃO As crcterístics e reversiilie n conversão e energi, que presentm s máquins e inução, tornm um s máquins elétrics mis utilizs hoje em i n inústri. Por presentr um om esempenho e um ixo custo e quisição, máquin e inução é mis utiliz como motor, seno conheci como motor ssíncrono. Primeirmente poemos clssificr os GI em função s crcterístics construtivs o rotor iviino-se ssim em: geror e inução rotor oino e geror e inução rotor giol e esquilo. Logo, consierno s crcterístics rottivs máquin primri o GI poe ser e velocie constnte e/ou e velocie vriável. Por fim, se consierrmos locção o GI temos sicmente us configurções, pr operção interlig e/ou pr operção isol. Além isso, em [3] se fz um clssificção os GI em função s crcterístics e velocie e frequênci est máquin, qul é present seguir. A. Velocie-Constnte e Frequênci-Constnte Neste esquem, velocie máquin primri é mnti constnte. Um GI nest configurção poe operr sore um rrmento infinito com um eslizmento e % 5% cim velocie e sincronismo. Estes gerores presentm mior simplicie que os gerores síncronos e são mis econômicos. Além isso, são mis fáceis e operr e controlr, requereno menor mnutenção [3]. B. Velocie-Vriável e Frequênci-Constnte A operção em velocie-vriável os sistems e gerção eólicos presentm ltos renimentos pr ixs e lts velocies o vento. Isso result em um mior renimento energético nul por cpcie instl. Os esquems mis comumente utilizos pr oter um frequênci e sí constnte são:

2 Conversores AC-DC-AC: pós o vento e poerosos tiristores, sí e corrente ltern (AC o geror e inução trifásico é converti em corrente contínu (DC trvés e um ponte retificor e logo converti novmente em AC utilizno comutores lineres. Do que frequênci é utomticmente fix pel linh e energi, eles tmém são conhecios como conversores síncronos [3]. Geror e Inução e Dupl Sí (GIDS: o GIDS constitui-se e um máquin e inução trifásic e rotor oino, mecnicmente coplo um turin hirelétric ou eólic e cujo terminl o esttor é conecto um fonte e tensão e frequênci constnte. A sí e frequênci vriável é introuzi n ree AC trvés e um conversor AC-DC-AC constituío e um ponte retificor e ioos e on complet em cominção com tiristores inversores. Um s vntgens penentes os GIDS em sistems e conversão e energi eólic é que represent o único esquem no qul energi ger é mior o que o ínice máquin. A mnutenção emn pel máquin é lt, o ftor e potênci é ixo, e confiilie é pore evio o contto e eslizmento mecânico no rotor. Este esquem não é recomenável pr sistems e gerção e energi isolos pelo fto e necessitr um fonte extern e excitção [3]. C. Velocie-Vriável e Frequênci-Vriável O esempenho os gerores síncronos é feto quno velocie máquin primri é vriável. Pr frequêncis vriáveis, erivs munç e velocie, os GIAE poem ser convenientemente utilizos pr crgs resistivs, s quis são insensíveis à frequênci [3]. Quno compr com gerores e DC, o GI present vntgem e ser rousto, ter custos e mnutenção reuzios e possuir lt ensie e potênci (W/kg, o que se reflete em máquins e tmnho reuzio [4]. Porém, present um regulção e tensão e frequênci instisftóris, mesmo quno cion so velocie constnte no rotor e limentno crgs com potênci totlmente tiv [5], [6]. III. FUNCIONAMENTO DA MÁQUINA DE INDUÇÃO A inução mgnétic foi escoert pelo físico Michel Fry em 93 e escreve o surgimento e um tensão em um conutor que é trvesso por um cmpo mgnético [7]. Por outro lo, o engenheiro crot Nicol Tesl, teve iei e crir um cmpo mgnético girnte com três oins fixs, seprs e 0 liments por um corrente ltern trifásic e tl form que se no meio ests oins for coloco um rotor metálico, este se orientrá e coro com este cmpo girnte [7]. No entnto, iferenç e velocie ngulr entre o cmpo girnte (velocie síncron e o rotor, estelece qul o comportmento máquin e inução seguno se etlh seguir [8]: comport-se como motor, forneceno potênci mecânic o eixo quno velocie o rotor for menor e no mesmo sentio que velocie o cmpo girnte. comport-se como geror, forneceno energi elétric nos terminis o esttor, quno velocie o rotor for mior velocie síncron e quno são conects um fonte extern e energi retiv. já quno o cmpo girnte rmur e o rotor presentm sentios e rotção opostos, máquin e inução encontr-se funcionno como freio. A Figur present um visão espcil os elementos ásicos que constituem um máquin e inução: esttor, rotor e eixo. O esttor (ou rmur é envolvio por três enrolmentos (oins, efsos espcilmente em 0 grus. Estes enrolmentos, quno limentos por tensões trifásics, são percorrios por correntes trifásics, que ão origem cmpos mgnéticos lternos no entreferro que somos, constituem um único cmpo girnte [9]. Figur. Elementos ásicos e um motor e inução trifásico. A velocie e sincronismo é epenente o número e pólos máquin e frequênci s tensões plics sore o esttor, e fic efini como seno: 0 f N ( S = P one N s é velocie e sincronismo (rpm, f frequênci (Hz e P o número e pólos máquin. A iferenç entre velocie e cmpo girnte e velocie o rotor é conheci como escorregmento ou eslizmento s rotções e efine-se como: NS N s = ( NS one s é o escorregmento pr um etermin velocie N o rotor quno velocie o cmpo girnte é N S. IV. GEADO DE INDUÇÃO OTO GAIOLA DE ESQUILO Construtivmente máquin e inução e máquin síncron têm o mesmo esttor. O esttor poe ser frico e ço lmino ou ferro funio e compõe-se e um núcleo e chps mgnétics, que são ots e certo número e rnhurs pr receer o enrolmento trifásico [4]. O geror e inução com rotor giol e

3 3 esquilo é sicmente um motor ssíncrono com s oins o rotor em curto-circuito, como presento n Figur. A giol é frequentemente fric pel injeção e lumínio puro ns rnhurs, one os néis e curto circuito e s rrs formm um únic peç intimmente ligs com o pcote mgnético o rotor e poe ter iferentes forms geométrics, como mostro n Figur. Pr melhorr s conições e prti, o eixo s rnhurs não é prlelo o eixo o rotor, ms sim esloco e um rnhur em relção este [4]. As equções e tensão que escrevem o comportmento elétrico máquin e inução trifásic e simétric poem ser expresss por: v = r i + (3 t λ v cs s cs cs = r i + t λ cr r cr cr (4 one v cs e v cr são os vetores s tensões e fse o esttor e o rotor ns coorens c em Volts (V, respectivmente, i cs e i cr são os vetores s correntes e fse o esttor e o rotor ns coorens c em Ampére (A, respectivmente, r s e r r são s mtrizes igonis com s resistêncis própris os circuitos o esttor e o rotor em Ohm (Ω, respectivmente, λ cs e λ cr são os vetores os enlces e fluxo os enrolmentos o esttor e o rotor em Weer (W, respectivmente [0]. Figur : Giol e esquilo em curto-circuito. A. Moelgem elétric A moelgem máquin e inução trifásic em regime permnente poe ser feit consierno o equivlente monofásico. No entnto, em regime trnsitório o equivlente monofásico não é equo, o que existem conições e mnutenção e enlce e fluxo que origm o precimento e correntes ssimétrics ns três fses, inviilizno o equivlente monofásico [0]. A moelgem poe ser feit ns vriáveis c, utilizno inutâncis própris e mútus entre enrolmentos e esttor e rotor. A Figur 3 mostr o rrnjo espcil e um máquin simétric e inução, e ois pólos, trifásic lig em estrel []. Figur 3: Disposição espcil s oins no esttor e no rotor e um máquin e inução trifásic. A Figur 4 mostr o circuito equivlente one c enrolmento o esttor possui Ns número e espirs e um resistênci equivlente igul à r s []. O circuito o rotor é consiero como teno enrolmentos iênticos, senoilmente istriuíos, com Nr número e espirs e um resistênci equivlente igul à r r. Figur 4: Circuito equivlente máquin e inução, ois pólos, trifásic conect em estrel. As inutâncis mútus são vriáveis com posição o rotor em relção o esttor e, portnto vriáveis no tempo. Porém, se for plic ns equções s tensões e enlces e fluxo um trnsformção e vriáveis c pr q0 (com os eixos e q girno n velocie síncron o cmpo girnte, s correntes e tensões se tornrão constntes em regime permnente e terão frequênci reuzi urnte períoos trnsitórios, propicino precisão numéric com psso e integrção reltivmente grne [0]. As equções (3 e (4 sumetis á trnsformção c pr q0, terão expressões mis simples com coeficientes constntes s por: vq 0s = rs iq 0s + ωλqs + λq 0s (5 t vq 0r = r iq 0r + ( ω ωr λ + λq 0r (6 t one, T qs s qs ( λ = [ λ λ 0] T r ( λ = [ λ λ 0] (7 (8

4 4 Agor temos que os ínices e q representm s grnezs elétrics o esttor e o rotor no novo sistem e coorens e o símolo ( inic que s vriáveis o rotor estão referis o circuito o esttor. A velocie ngulr o sistem e coorens q0 é por ω e velocie ngulr elétric o rotor é por ωr seno que ms s velocies são s em (r/s. eescreveno s equções em su form expni, têmse: vqs = rs iqs + ωλs + λqs (9 t vs = rs is ωλqs + λs (0 t v0s = rs i0 s + 0s ( t λ v = r i + ( ω ωr λr + λ ( t vr = r ir ( ω ωr λ + λr (3 t v0 r = r i0 r + 0r (4 t λ one os enlces e fluxo são os por: λ = L i + M ( i + i qs ls qs qs λ = L i + M ( i + i s ls s s r λ = L i 0s ls 0s λ = L i + M ( i + i lr qs λ = L i + M( i + i r lr r s r λ = L i 0r lr 0r (5 (6 (7 (8 (9 (0 A Figur 5 mostr os circuitos elétricos equivlentes, ns coorens q0, otios prtir s equções (7 e (8 pr máquin e inução [], []. Figur 5: Circuitos elétricos equivlentes máquin e inução trifásic pr um sistem e coorens ritrário: ( eixo q; ( eixo ; (c eixo 0. A potênci tiv P que consume máquin e inução é s por: 3 P = ( v ( s is + vqs iqs + vr ir + v i 3 P = [ rs ( is + iqs + r ( ir + i ωmisi ( + ωmiqs ir ωmmiqs ir + ωmmis i ] r s ( is + iqs one é potênci tiv issip n r ( i r + i resistênci o esttor, represent potênci tiv issip n resistênci refleti o rotor e o termo ωmi qsi r ωmisi + ωmmisi ωmmiqsi r é prcel e potênci tiv converti n máquin e inução. Já potênci retiv Q n máquin e inução fic express como: 3 Q = ( vqs is vs iqs + v ir vr i (3 3 Q = [( ωlls + ωm ( is + iqs + ( ωm + ω M ( i i + i i (4 ωl ls ( is + iqs ωml lr ( i r + i one, e são s potêncis retivs n inutânci e ispersão o esttor e rotor ωm ( i respectivmente, s + i qs ωmm ( i' r + i' e são s potêncis retivs n inutânci e mgnetizção evio à circulção s correntes e esttor e rotor ( ωm + ωmm ( isi' r + iqsi' respectivmente, e é potênci retiv n inutânci e mgnetizção evio à interção entre s correntes que circulm no esttor e rotor [0]. B. Moelgem Mecânic m s r qs mllr ωmm ir i + ( ω + ( + ] Est moelgem escreve os fenômenos mecânicos que ocorrem n inâmic máquin e inução. Dess form, temos que: 3 P Te = ( ψs iqs + ψqs is (5 ω ω m = ( Te Tm (6 t J one, T e é o conjugo eletromgnético esenvolvio pel máquin em (N.m, T m é o conjugo mecânico plico no eixo o rotor em (N.m; P é o número e pólos máquin e inução; ω m=(ω - ωr é velocie mecânic o eixo o rotor em (r/s e J é inérci o rotor em (kg.m. Frequentemente é conveniente trlhr com os prâmetros e vriáveis em p.u. (por unie pelo qul escolheno potênci se e tensão se equmente, tos s vriáveis e toos os prâmetros

5 5 máquin poem ser normlizos. Se máquin e inução oper isolmente, su potênci nominl em [VA] é selecion como potênci se. Porém, se est máquin fz prte e um SEP, potênci se será igul à escolhi pr too o sistem [0]. Consierno que máquin e inução está funcionno isol o SEP, o conjugo se T B poe ser expresso pel seguinte relção: PB TB = (7 ( / P ω one ω correspone à frequênci se ou nominl e P B é potênci nominl, ms máquin e inução. Normlizr equção (4 signific ivii-l por T B e normlizr ω m com velocie se ω. Assim, temos que: J ( / P w ωm ( Te Tm = (8 T t ω Além isso, por efinição, constnte e inérci em segunos é: Jω Jω H = (9 = P TB P PB Dess form equção (4 normliz se torn: ωm ( Te Tm = H (30 t ω V. GEADOES DE INDUÇÃO AUTOEXCITADOS (GIAE Quno um máquin e inução é conuzi externmente um velocie mior à velocie e sincronismo (eslizmento negtivo ireção o conjugo inuzio no rotor é reverti e máquin e inução começ funcionr como geror. Ness conição, o fluxo mgnético resiul presente no rotor inuz um pequen forç eletromotriz (f.e.m. nos enrolmentos o esttor. Est pequen f.e.m. inuzi ger um fluxo e corrente no nco e cpcitores os quis fornecem energi retiv emn pelo geror e inução incrementno f.e.m. inuzi inicilmente. No entnto, est f.e.m. inuzi não poe ser increment infinitmente evio à sturção mgnétic máquin e inução. É importnte slientr que nte usênci e um vlor e mgnetismo resiul no rotor tensão inuzi no geror não poerá ser increment [3]. A tensão nos terminis o GIAE é pel interseção curv e mgnetizção o geror com linh e crg o nco e cpcitores []. N Figur 6 mostrm-se curv e mgnetizção e um GIAE escrrego (sem crg e crcterístic tensão-corrente e um nco e cpcitores, mos os representos sore o mesmo eixo e coorens. A intersecção e ms s curvs (ponto é o ponto no qul o nco e cpcitores fornece extmente potênci retiv emn pelo geror []. Quno o GIAE é conecto um crg, tnto mgnitue qunto frequênci f.e.m. inuzi no B esttor é fet pel velocie primri o geror, pel cpcie o nco e cpcitores e pel impeânci crg []. Figur 6: Curv e mgnetizção e linh e crg os cpcitores e um GIAE A. Moelgem Clássic os GIAE Seguno [] operção em regime permnente os GIAE poe ser nlis utilizno o circuito equivlente convencionl represento n Figur 7. Nest figur, é frequênci [p.u.], velocie [p.u.], é resistênci crg por fse [Ω], e X são resistênci e retânci o esttor por fse [Ω], e X são resistênci e retânci o rotor por fse referi o esttor [Ω], X C é retânci cpcitivo evio os cpcitores C e relciono à frequênci [Ω], X m é retânci e mgnetizção por fse e relcion à frequênci [Ω], e V é tensão nos terminis o geror por fse [V]. jx jx Figur 7. epresentção o circuito equivlente por fse pr o GIAE. Nest orgem consier-se que toos os prâmetros o circuito equivlente são inepenentes sturção exceção retânci e mgnetizção X m. Aqui retânci e mgnetizção será stur pr operção máquin como geror, o qul não contece pr operção como motor. Nesse contexto, nálise o circuito equivlente mostro n Figur 7 result n eterminção s seguintes equções pr operção em regime permnente o geror: L + + = 0 (3 ( X + X L + X L + + X ( X X L = 0 X (3 m X + ( X X L + L + one temos que, I I E I m jx m jx C I L V

6 L X C + X C = ( ( (33 X C X L = (34 ( + X C Operno gor com o escorregmento, (3 poe ser moifico como seno: ( L + s = (35 ( X X + ( + L L one frequênci ger é efini como seno: = (36 s A utilizção e um circuito equivlente pr nálise o GIAE lev esprezr tnto impeânci o esttor qunto retânci o rotor o que result em um equção e escorregmento por: s = (37 Sustituino (37 em (36 temos equção pr clculr o vlor inicil frequênci 0 e inicir o processo e iterção: 0 = + (38 Um vez que o vlor frequênci ger é conhecio, o processo e iterção poe ser inicio seguino os seguintes pssos:. clculr o vlor frequênci inicil 0 trvés e (38;. estimr o vlor o escorregmento s com (35 pós sustituir o vlor e por 0; 3. chr o novo vlor frequênci ger utilizno o vlor clculo e escorregmento, otio no psso, trvés e (36; 4. comprr o novo vlor e frequênci com frequênci utiliz no psso, por exemplo 0. Nest comprção: ' ε se 0 (one ε = , então poe ser consier como frequênci ger. Agor, esse novo vlor e frequênci ger poe ser utilizo pr clculr retânci e mgnetizção X m, utilizno (3 como: X m = X ( X X L + (39 X + ( X X L + L + VI. GEADOES DE INDUÇÃO DE DUPLA EXCITAÇÃO (GIDE Um geror e inução e upl excitção é sicmente um máquin e inução e rotor oino, cujo enrolmento o esttor est ligo iretmente à ree elétric e cujo enrolmento o rotor encontr-se ligo à ree elétric trvés o um conversor. N Figur 8 mostr-se o fluxo e potênci em um sistem e gerção eólic com GIDE. O conversor poe ser iviio em us prtes, ser: o conversor o lo o rotor (C rotor e o conversor o lo ree (C ree. Um cpcitor ligo no lo e corrente contínu (DC tu como fonte e tensão DC. Um inutor trifásico e coplmento (L é utilizo pr conectr o conversor com ree elétric [3]. Figur 8. Fluxo e potênci em um GIDE. Gerlmente o vlor soluto o escorregmento, s, é muito menor que um e, consequentemente, potênci elétric e sí o rotor (P r é somente um frção potênci elétric e sí o esttor (P s. Visto que o conjugo eletromgnético T m é positivo pr gerção e energi, e o que ωs é positivo e constnte pr um tensão e frequênci constnte ree, o signo e P r será um função o signo o escorregmento. Assim, teremos um P r positivo quno o escorregmento sej negtivo (velocie o rotor mior à velocie síncron, e será negtivo quno o escorregmento sej positivo (velocie o rotor inferior à velocie síncron. Pr velocie e operção supersíncron, potênci o rotor (P r será trnsmiti o cpcitor rr DC quem tenerá elevr tensão DC. Já pr um velocie e operção susíncron, P r será retir o cpcitor rr DC e tensão tenerá iminuir. O conversor o lo ree é uso pr gerr ou sorver potênci elétric P gc fim e mnter tensão DC constnte. A. Moelgem o GIDE em egime Permnente Pr um correto esenvolvimento os controlores e tensão e frequênci o GIDE, é necessário oter um moelo mtemático que escrev o comportmento inâmico este geror. Dentre os vários tipos e moelgem possíveis, escritos em [3], moelgem no referencil síncrono q0 é o mis utilizo tulmente. A máquin e inução tmém poe ser represent trvés o circuito equivlente monofásico o trnsformor, como mostro n Figur 9. Nest figur, r e X representm resistênci e retânci o rotor referis o lo o esttor respectivmente. No circuito primário (esttor é inuzi um tensão E que ger um fluxo mgnético vriável concteno pelo circuito secunário (rotor. Ness conição e como se fosse um trnsformor iel, ger-se no circuito o rotor um tensão Er [3]. 6

7 7 I V I V jx jx E m Figur 9. Circuito equivlente convencionl máquin e inução. No entnto, o circuito equivlente máquin e inução mostro n Figur 9, ifere o circuito equivlente o trnsformor iel. Est iferenç eve-se o fto e que frequênci o rotor é vriável em relção à tensão Er inuzi nele. No cso o geror e inução e upl excitção, precerá um tensão inuzi no enrolmento o rotor e form tl que o circuito equivlente Figur 9 não represent corretmente o comportmento o GIDE. Dinte isso, este circuito eve sofrer um pequen moificção trvés qul se icion um fonte e tensão V /s no circuito o rotor, como mostr n Figur 0 [3]. I V jx C jx C Figur 0: Circuito equivlente o GIDE. C Consierno então o circuito equivlente presento n Figur 0, potênci tiv e retiv o esttor (P sw e P sq, o rotor (P rw e P sq e o conjugo eletromgnético T m poem ser representos como segue: (40 (4 (4 (43 (44 one V, I e V, I são os vlores efetivos (MS tensão e corrente o esttor e o rotor respectivmente. Gerlmente o vlor soluto o escorregmento, s, é muito menor que um e, consequentemente, potênci elétric e sí o rotor (Pr é somente um frção potênci elétric e sí o esttor (Ps. Visto que o I jx E m I jx E m P = 3 V I cos( Φ Φ sw V I I P = 3 V I sen( Φ Φ sq V I P = 3 V I cos( Φ Φ rw V I P = 3 V I sen( Φ Φ rw V I T = E I r Φ E Φ I Ir 3 cos( E r jx jxr jx V s r conjugo eletromgnético Tm é positivo pr gerção e energi, e o que ωs é positivo e constnte pr um tensão e frequênci constnte ree, o signo e Pr será um função o signo o escorregmento. Assim, teremos um Pr positivo quno o escorregmento sej negtivo (velocie o rotor mior à velocie síncron, e será negtivo quno o escorregmento sej positivo (velocie o rotor inferior à velocie síncron. Pr velocie e operção supersíncron, potênci o rotor (Pr será trnsmiti o cpcitor rr DC quem tenerá elevr tensão DC. Já pr um velocie e operção susíncron, Pr será retir o cpcitor rr DC e tensão tenerá iminuir. O conversor o lo ree é uso pr gerr ou sorver potênci elétric Pgc fim e mnter tensão DC constnte [3]. VII. CONCLUSÕES Buscou se trvés este trlho contriuir com o estuo os gerores e inução. Nesse contexto, um reve escrição sore moelgem e funcionmento o Geror e Inução com otor Giol e Esquilo, GIAE e GIDE. As pesquiss iliográfics relizs confirmm que estilie trnsitóri os erogerores com rotor giol é pore, no entnto os sistems eólicos e velocie vriável, seos nos gerores uplmente excitos, contriuem pr o umento mrgem e estilie trnsitóri e pr controlilie o sistem elétrico. O geror e inução utoexcito mostr-se como o mis equo geror pr conversão e energi eólic em áres remots e ventoss. A nálise est máquin em regime permnente é essencil pr estimção o comportmento ixo s conições e operção tuis. Em operção com velocie vriável, um geror e inução necessit um interfce (conversor pr trnsformr frequênci vriável e sí em um frequênci fix forneci à crg. Est interfce pr GIAE trt-se e um ponte e ioos. Por fim, concluiu-se que frequênci, o eslizmento, tensão inuzi no entreferro, e fix e operção os GIAE são fets pels crcterístics própris os gerores e inução e pelo tmnho os cpcitores selecionos pr o chvemento. As crcterístics elétrics o GIDE são fortemente fets pel tensão rotóric injet. Muno mplitue e o ângulo tensão rotóric injet, s crcterístics e velocie e conjugo o GIDE erivm-se fix e velocie supersíncron e susíncron pr gerção e energi e tmém se increment o conjugo esenvolvio pelo GIDE, melhorno ssim estilie e operção. Um s vntgens est máquin é e que, como se tem upl excitção, seno um els frequênci ree, poe se grntir que se est inserino e volt n ree elétric um frequênci sincroniz com mesm. O moelo o GIDE no referencil o fluxo esttórico present potênci tiv epenente corrente rotóric e eixo, e potênci retiv epenente corrente e eixo q. Este

8 8 fto permite controlr potênci tiv e retiv o sistem inepenentemente. Por fim, sugere-se se como trlho e pesquis futuro vlir o esempenho o geror e inução, em tos sus vriees (rotor giol e esquilo, rotor oino, operno em pequens centris hirelétrics operno isolmente. VIII. EFEENCIAS [] J. P. A. Vieir,. G. Brros, M. V. Alves Nunes, U. H. Bezerr, T. M. Brnco, Avlição estilie trnsitóri e erogerores ssíncronos interligos à ree elétric, In: Seminário Brsileiro Sore Qulie Energi Elétric, Belém Prá -Brsil, 005. [] Y. N. Angreh, I. M. Al-efe e, Teching the self-excite inuction genertor using Mtl, Interntionl Journl of Electricl Engineering Euction, vol. 40. no., pp , 00. [3]. C. Bnsl, Three-phse self-excite excite inuction genertors: n overview, IEEE Trnsctions on Energy Conversion, vol. 0, no., June 005. [4] J. och Pinto, Conversão Eletromecânic e Energi, Fcule e Engenhri e Soroc, 003, Soroc, pp [5] E. D. Bsset, F. M. Potter, Cpcitive excittion of inuction genertor, Trnsctions AIEE, 005, vol. 54, pp [6] C. F. Wgner, Self-excittion excittion of inuction motors, AIEE Trnsction on Electricl Engineering, 939, vol. 58, pp [7] F. T. Uly, Eletromgnetismo Pr Engenheiros, Bookmn Eitoril, Porto Alegre, 007, pp [8] S.. Dos Sntos, Propost pr implntção e microcentris hirelétrics utomtizs com o emprego e gerores ssíncronos, Dissertção e Mestro present o PPGEE UFGS, 003, Porto Alegre, Brsil, pp [9] A. E. Fitzgerl, C. Kingsley, S. D. Umns, Electric Mchinery, 5th e., New York, McGrwHill, 990. [0] P. C. Kruse, O. Wsynczuk, S. D. Suhoff, Anlysis of Electric Mchinery, IEEE Press, New York, 995, pp [] P. M. Sntillán, M. M. Villen, Electromgnet comptiility stuy in renewle energy inuctor genertor, In: IEEE Power Tech Conference, Porto, Portugl, 00 [] D. Joshi, K. Snhu, n M. K. Soni, Performnce nlysis of selfexcite inuction genertor using rtificil neurl network, Irnin Journl of Electricl n Computer Engineering, vol. 5, no., Winter- Spring 006. [3] B. Bypriy,. Anit, Moelling, simultion n nlysis of ouly fe inuction genertor for win turines, Journl of electricl engineering, vol. 60, no., pp , 009. Lucs Alejnro Wlntus nsceu em Eloro, Mnes, Argentin em Mrço e 986. Oteve o título e Engenheiro Eletromecânico pel Universie Ncionl e Misiones (UNM Argentin em 0. Atulmente é luno e Mestro n Universie Feerl o io Grne o Sul - UFGS e pesquisor o Centro e Estuios e Energí pr el Desrrollo (CEED, Argentin. Arturo Sumn Brets (M 998 nsceu em Burú, SP, Brsil, em Julho e 97. Oteve o título e Engenheiro Eletricist e Mestro em Engenhri Elétric pel Universie e São Plo, Brsil em 995 e 998 respectivmente. eceeu o título e Ph.D em Engenhri Elétric pel Virgini Polytechnic Institute n Stte University, Blcksurg, VA, em 00. Atulmente é professor ssocio n Universie Feerl o io Grne o Sul, Porto Alegre, Brsil. Oscr Euro Perrone nsceu em Veno Tuerto, Snt Fé, Argentin em Dezemro e 954. Oteve o título e Engenheiro Eletromecânico pel Universie Ncionl e Córo (UNC Argentin em 98. Atulmente é pesquisor o Centro e Estuios e Energí pr el Desrrollo (CEED, iretor o eprtmento e Engenhri Electromecânic e professor titulr n Universie Ncionl e Misiones. As áres e interesse são meições e instlções elétrics. onl Wilfreo Orelln Pucr nsceu em Ic, Perú em Myo e 98. Oteve o título e Engenheiro Mecânico-Eletricist pel Universie Ncionl Sn Luis Gonzg, Perú em 006 e relizou estuos e pósgrução n Universie Feerl o io Grne o Sul, Porto Alegre, Brsil. Atulmente está trlhno n Gerenci e Fisclizção Elétric o Orgnismo Supervisor e l Inversión en Energí y Mins (Osinergmin, Perú. As áres e interesse são proteção e confiilie e sistems elétricos e potenci. Mrio Orlno Oliveir (M 008 nsceu em Cpioví, Mnes, Argentin em Mio e 979. Oteve o título e Engenheiro Eletromecânico pel Universie Ncionl e Misiones (UNM, Argentin em 005 e Mestro em Sistems Elétricos e Potênci pel Universie Feerl o io Grne o Sul (UFGS, Brsil em 009. Atulmente é pesquisor o Centro e Estuios e Energí pr el Desrrollo (CEED e professor n UNM. Diomr Aonis Copetti Lim nsceu em Ijuí, io Grne o Sul, Brsil em Jneiro e 983. Oteve título e Engenheiro Eletricist pel Universie egionl o Noroeste o Esto o io Grne UNIJUI em 00. Atulmente é estunte o progrm e pós-grução Universie Feerl o io Grne o Sul UFGS. Sus áres e interesse incluem energis renováveis, proteção e loclizção e flts no sistems elétricos.

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Ensaios e Extração de Parâmetros Utilizados em Modelagem de Máquina Síncrona de Ímas Permanentes

Ensaios e Extração de Parâmetros Utilizados em Modelagem de Máquina Síncrona de Ímas Permanentes 1 Ensios e Extrção e Prâmetros Utilizos em Moelgem e Máuin Síncron e Íms Permnentes Sebstião E. M. e Oliveir, Sebstião F. Q. e. Roch Resumo: Este trblho present um proceimento pr obtenção s retâncis síncrons

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE ALINE KOCHOLIK 1,, MÁRCIA C. M. INCOTE 1,, ANDRÉA L. COSTA 1, JOSEMAR

Leia mais

PLANO DE CURSO. Fornecer conhecimentos sobre máquinas elétricas nos diversos segmentos desta ciência.

PLANO DE CURSO. Fornecer conhecimentos sobre máquinas elétricas nos diversos segmentos desta ciência. Instituto Federl do Piuí IFPI Cmpus Teresin Centrl Deprtmento de Indústri, Segurnç e Produção Culturl Coordenção do Curso de Eletrônic Prç d Liberdde, 197- Centro, CEP 64.000-040 Teresin, PI Fone: (86)3131-9430

Leia mais

Exame Nacional de 2006 1. a chamada

Exame Nacional de 2006 1. a chamada 1. Muitos os estuntes que usm mochils trnsportm irimente peso mis pr su ie. 1.1. Pr evitr lesões n colun verterl, o peso e um mochil e o o mteril que se trnsport entro el não evem ultrpssr 10% o peso o

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE EDERAL DE UBERLÂNDIA ACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA O MOTOR DE INDUÇÃO BIÁSICO COM ENROLAMENTOS CONECTADOS EM V. LINDOLO MARRA DE CASTRO NETO ABRIL UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) « IFPB» Concurso Público Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico» Editl Nº 136/2011 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «21. Um dos principis equipmentos

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Deprtmento de ngenhri létric Aul 5.3 Gerdores de Corrente Contínu Prof. Clodomiro Unsihuy Vil Bibliogrfi FITZGRALD, A.., KINGSLY Jr. C. UMANS, S. D. Máquins létrics: com Introdução à letrônic De Potênci.

Leia mais

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos Cinemátic e Dinâmic e Engrengens. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos Pulo Flores José Gomes Universie o Minho Escol e Engenhri Guimrães 04 ÍNDICE. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos..... Introução.....

Leia mais

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

4. APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO DIFERENCIAL À PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA lever Pereir 4. PLÇÃO D PROTEÇÃO DFEREL À PROTEÇÃO DE TRSFORMDORES DE POTÊ 4.. Prinípio ásio s orrentes primáris e seundáris de um trfo de potêni gurdm entre si um relção onheid em ondições de operção

Leia mais

Modelação de motores de corrente contínua

Modelação de motores de corrente contínua Controlo de Moviento Modelção de otores de corrente contínu Modelção de áquins CC Introdução Historicente, o otor CC foi utilizdo de odo universl no controlo de velocidde, té o desenvolviento, sustentdo,

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Débor Mr Coelho Sntigo Rodolfo Cbrl d Cunh Ferrment Computcionl pr Cálculos de Impedâncis Crcterístics, Funções de Propgção e Impedâncis de Seqüêncis

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Controlo de Motores de Corrente Contínua

Controlo de Motores de Corrente Contínua Sistems de Accionmento e Movimentção Controlo de Motores de Corrente Contínu FEUPLEEC. SAM 1 Motores de corrente contínu. Introdução (históric) Historicmente, o motor CC, foi utilizdo de modo universl

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS.

CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. CONSTRUÇÃO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO COM ROTOR GAIOLA DE ESQUILO MONTADO PARA FINS DIDÁTICOS. Arnaldo Lopes Leite¹, José Vinicius Wunderlich¹, Luiz Roberto Nogueira². UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA

Leia mais

26/08/2012 1 Agosto/2012

26/08/2012 1 Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/08/2012 2 MOTORES ELÉTRICOS Corrente Pulsante Corrente Alternada Corrente Contínua MOTOR DE PASSO (Step Motor ) RELUT. VARIÁVEL IMÃ PERMANENTE HÍBRIDO MOTOR

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA OWAlifetime OWAconsult Resistênci o fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA 2 As norms europeis As Norms Europeis Hrmonizs sobre o Fogo são um conjunto e norms que form ceits por toos os píses Comunie Econômic

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC 1 Acionmentos Eletrônicos de Motores Aul 3 - Controle de Velocidde Motor CC Prof. Márcio Kimpr Prof. João Onofre. P. Pinto Universidde Federl de Mto Grosso do Sul/FAENG BATLAB Cmpo Grnde MS Prof. Mrcio

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Manuel Vaz Guedes CORRENTE ALTERNADA. sistemas polifásicos assimétricos. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto

Manuel Vaz Guedes CORRENTE ALTERNADA. sistemas polifásicos assimétricos. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Mnuel Vz Guedes CORRENTE ALTERNADA sistems polifásicos ssimétricos Fculdde de Engenhri Universidde do Porto 005 i CORRENTE ALTERNADA sistems polifásicos ssimétricos Mnuel Vz Guedes FACULDADE de ENGENHARIA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. João Daniel de Oliveira Klein

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. João Daniel de Oliveira Klein UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA João Dniel de Oliveir lein BANCADA DE TESTES E LEVANTAMENTO DE PARÂMETROS DE MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA Cnos,

Leia mais

5(6,67Ç1&,$(&$3$&,7Æ1&,$

5(6,67Ç1&,$(&$3$&,7Æ1&,$ 59 5(6,67Ç&,$(&$3$&,7Æ&,$ ÃÃ5(6,67Ç&,$Ã(Ã/(,Ã'(Ã+0 No pítulo 6 efinimos ução J σ omo seno um ensie e oente e onução. Multiplino mos os los po um áe S, el fiá: J.S σs (A (8. σs (A (8. Se o mpo elétio fo

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Energia Energias Renováveis e Produção Descentralizada EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS 1ª Parte Princípio de funcionamento

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2012/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO: 2012/1 DISCIPLINA: Créditos: 6 Caráter: Obrigatório Professor regente: Ály Ferreira Flores Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal esolução s tivies complementres Físic F Grvitção universl p. 7 err possui pens um stélite nturl, Lu. Pesquise pr responer. ) Quis os períoos e rotção e e trnslção Lu em torno err? b) Por que err é possível

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil eminário Técnico de Proteção e Controle 1 o 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Mins Geris Brsil dptção do Método de Wiszniewski pr gregr Mior Extidão à oclizção de lts com Ddos de Um Terminl Wnderson Mendes

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

TÉCNICO(A) DE MANUTENÇÃO JÚNIOR ELÉTRICA

TÉCNICO(A) DE MANUTENÇÃO JÚNIOR ELÉTRICA 36 TARDE MARÇO / 2010 TÉCNCO(A) DE MANUTENÇÃO JÚNOR ELÉTRCA CONHECMENTOS OS ESPECÍFCOS LEA ATENTAMENTE AS NSTRUÇÕES ABAXO. 01 - Você recebeu do fiscl o seguinte mteril: ) este cderno, com os enuncidos

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais