SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE"

Transcrição

1 SIMULADOR FASORIAL DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE POLOS SALIENTES LIGADO A BARRA INFINITA E OPERANDO EM REGIME PERMANENTE ALINE KOCHOLIK 1,, MÁRCIA C. M. INCOTE 1,, ANDRÉA L. COSTA 1, JOSEMAR CARSTENS 1 (IN MEMORIAM) 1 Deprtmento Acêmico e Eletrotécnic, Universie Tecnológic Feerl o Prná-UTFPR Av. Sete e Setembro, 3165, CEP Curitib, PR, Brsil COPEL Compnhi Prnense e Energi, Mossunguê, CEP Curitib,PR, Brsil E-mils: Abstrct This pper escribes the evelopment of computtionl progrm for simultion of slient pole genertor behvior connecte to n Infinite Bus operting t stey-stte conition. The genertor opertion cn be seen n nlyze through voltge phsor igrm nlysis n grphics tht trnslte its behvior by chnging the following input controls: exciter fiel current n mechnicl power. This computtionl progrm ws evelope in Jv lnguge, with mn-mchine grphic interfce to the user. The Runge-Kutt metho ws use to the genertor swing eution solution. The sttor resistnce is consiere non-zero n other prmeters cn be moifie by the user. Besies, the computtionl progrm presents grphics nimtion n simple n intuitive interfce, in orer to help the unerstning of involve concepts. Keywors Slient pole genertor. Phsor igrm. Simultion. Swing eution. Resumo Este trblho escreve o esenvolvimento e um progrm computcionl pr simulção o comportmento e um geror síncrono e polos slientes, conecto o brrmento infinito e operno em regime permnente. O funcionmento o geror poe ser visulizo e nliso utilizno o igrm fsoril s tensões e gráficos s potêncis e sí e ângulo e crg, ue truzem seu esempenho em relção às mnipulções os controles e entr: corrente e excitção e potênci mecânic. O progrm foi implemento em lingugem Jv, com um interfce gráfic migável o usuário. O métoo e Runge-Kutt foi utilizo pr resolução eução e oscilção eletromecânic o geror. A resistênci e rmur é consier e os emis prâmetros o geror síncrono e polos slientes tmbém poem ser moificos pelo usuário. Além isso, o simulor proporcion nimções gráfics e um interfce simples e intuitiv, e moo fcilitr compreensão os conceitos envolvios. Plvrs-chve Geror e polos slientes, igrm fsoril, simulção, oscilção eletromecânic 1 Introução Em se trtno e máuins elétrics, consttse ue lunos os cursos e engenhri elétric gerlmente têm ificule em compreener o funcionmento s máuins síncrons (Pimentel, 003). Ess ificule é centu no estuo o comportmento os gerores uno esses operm em prlelo com o sistem elétrico e potênci. Assim, observ-se necessie e ferrments computcionis pr uxilir n explorção e conceitos relcionos os gerores síncronos, em conjunto com métoos tricionis e ensino, teno em vist ue operção esss máuins é um processo inâmico, ue poe ser mis fcilmente visulizo com o uxílio computção gráfic. Além isso, seguno Vlente (1993), um mbiente e prenizgem computcionl poe fornecer opção e simulr etermino fenômeno em estuo, n mei em ue o luno insere os vlores s vriáveis e o simulor retorn sus respectivs sís. A simulção in possibilit o luno esenvolver hipóteses, testá-ls, nlisr os resultos e refinr os conceitos. Seno ssim, gerção e iferentes cenários simulos poe promover o perfeiçomento o conhecimento. A inspirção pr o esenvolvimento o progrm computcionl presento neste trblho veio prtir e outro progrm gráfico ue tmbém é utilizo pr estur o comportmento máuin síncron. Este progrm computcionl, enomino Máuin Síncron em Brrmento Infinito (Golemberg e Pellini, 1999; Pellini, 1999), possibilit visulizção o igrm fsoril s tensões e e curvs os comportmentos s vriáveis e sí pós lterções nos controles e entr o geror, seno restrito o estuo e gerores e polos lisos. Dest form, este trblho present um novo progrm computcionl, proposto pr simulção e gerores e polos slientes, enomino SimGPS (Simulor o Geror e Polos Slientes). O SimGPS simul o comportmento e um geror síncrono e polos slientes, conecto o brrmento infinito, possibilitno nálise o igrm fsoril s tensões o geror e e gráficos s vrições ns potêncis tiv, retiv e ângulo e crg, ue truzem o comportmento máuin em relção às mnipulções s vriáveis e entr: torue mecânico e corrente e excitção. Além isso, o SimGPS isponibiliz o usuário visulizção os vlores o ângulo e crg, ftor e potênci, corrente no esttor, potênci turbin e tensão inuzi, ue são clculos utomticmente em respost às moificções nos controles e entr o geror. Neste rtigo são escrits s etps e esenvolvimento o progrm SimGPS, ese 7

2 escolh lingugem e progrmção e o geror oto como referênci pr simulção, com seus respectivos os, té presentção os gráficos n tel o simulor. É mostro in o esenvolvimento e expressões e potênci tiv e retiv máuin e polos slientes, em função os prâmetros máuin, incluino resistênci e rmur. Geror Síncrono conecto o Brrmento Infinito Os sistems e fornecimento e energi elétric os píses inustrilizos são constituíos por vários gerores operno em prlelo, interligos em um sistem e grne porte, e moo proporcionr confibilie n operção e economi e investimentos. Nestes sistems, tensão e freuênci são fixs e moo substncil pel operção o sistem, seno ue, como um geror iniviul represent um peuen frção gerção totl, não poe fetr e form significtiv tensão e ou freuênci o sistem. Assim, o estur o comportmento e um geror, é comum representr o sistem elétrico, o ul o geror está conecto, como seno um fonte e tensão constnte, com freuênci tmbém constnte, comumente referi como brr infinit (Monticelli e Grci, 003). Quno um geror síncrono está interligo um sistem e grne porte, consiero como um brr infinit, tensão e freuênci em seus terminis e rmur são fixs por esse sistem. Como o sistem possui um elevo momento e inérci se compro com o momento e inérci o geror, e ree represent um impeânci proximmente nul pr o geror, freuênci e tensão nos seus terminis são mntis prticmente constntes (Kunur, 1994). Elger (1977) representou o geror síncrono como um bloco com us entrs e utro sís, como mostro n Figur 1. As vriáveis e entr são corrente e excitção no cmpo o rotor, I F, e o torue mecânico T m no eixo turbin. As vriáveis e sís são freuênci tensão ger f, tensão V T nos terminis e rmur e cpcie e gerção e potênci tiv P e potênci retiv Q. Figur 1. Vriáveis e entr e sí o geror síncrono principlmente potênci retiv Q e uluer munç n potênci mecânic plic fetrá principlmente potênci tiv P. Por fetr potênci tiv e moo muito frco, conclui-se ue o coplmento entre I F e P é reltivmente frco. D mesm form, é possível concluir ue o coplmento entre T m e Q tmbém é frco (Elger, 1977). 3 Moelmento o Geror Síncrono e polos slientes Nos cursos e Engenhri Elétric são estus s máuins elétrics, entre esss, os gerores, ou lternores, possuem funmentl importânci n proução e energi elétric. Os gerores síncronos são miori, seno iviios, conforme sus crcterístics construtivs, em gerores e polos lisos e gerores e polos slientes. Os e polos lisos são crcterizos por operrem lts velocies, plicos pr gerção termelétric com turbins vpor ou gás. Já os e polos slientes, são prticulrmente empregos n gerção hirelétric, pois s turbins hiráulics gerlmente operm velocies mis bixs (Gross, 1986). Sbe-se ue o enrolmento e cmpo o geror síncrono e polos slientes prouz um fluxo (φ F ) ue está oriento seguno o eixo ireto o rotor. Seno tensão intern ger E F proporcionl à eriv esse fluxo em relção o tempo, E F se encontr int e 90 grus em relção à φ F. Como o eixo em urtur está into em relção o eixo ireto e 90 grus, conseuentemente E F está locliz o longo o eixo em urtur (Fitzgerl, et l., 006). Ess nálise compõe bse formulção em termos e eixo ireto e eixo em urtur, ue é utiliz pr nálise os gerores síncronos e polos slientes, em ue tos s tensões e correntes poem ser ecomposts em sus componentes seguno os eixos ireto e em urtur. Dest form, s grnezs e eixo ireto estão linhs com o eixo polr e s e eixo em urtur estão centrs no espço interpolr. Pr construção o igrm fsoril, normlmente é feit nálise o circuito euivlente, como mostro n Figur. O circuito euivlente o geror síncrono e polos slientes consiste em um resistênci e rmur R, retânci e eixo ireto e e eixo em urtur. Neste circuito tmbém estão represents tensão intern E F e tensão terminl V T. Teno em vist ue freuênci e tensão brr são prticmente constntes e estão, portnto, for influênci os controles iniviuis, s utro sís poem ser reuzis pens us. A mnipulção corrente e excitção I F fetrá 8

3 E & F R e Figur. Circuito euivlente o geror síncrono e polos slientes. V & T É importnte ressltr ue, embor estejm represents no mesmo circuito, s retâncis e eixo ireto e e eixo em urtur não estão em série. As ues e tensão em c um ests retâncis estão efss entre si e 90 grus, como poe ser visto no igrm fsoril mostro n Figur 3 (Lisit, 1990). I & I & I & R V & I & ji& T E & F ji& Figur 3. Digrm fsoril o geror síncrono e polos slientes. Anlisno o igrm fsoril mostro n Figur 3, é possível verificr ue tensão intern o geror E F é som fsoril tensão em seus terminis, V T, e s ues e tensão n resistênci e rmur (R I ) e ns retâncis e eixo ireto (ji ) e eixo em urtur (ji ), conforme escrito em (1): E& = V& + R I& + j I& + j I& (1) F T seno R resistênci o enrolmento e rmur, I é corrente e rmur, I e I são respectivmente s correntes e eixo ireto e e eixo em urtur. No igrm Figur 3 é possível visulizr o ângulo o ftor e potênci ϕ e o ângulo e crg δ, ue correspone à efsgem entre s tensões E F e V T. Expressões ue efinem s potêncis tiv e retiv fornecis pelo geror síncrono e polos slientes, em função os prâmetros máuin, incluino resistênci e rmur, tmbém form esenvolvis urnte este trblho. O esenvolvimento esss expressões eu-se por meio nálise vetoril o igrm fsoril presento n Figur 3, resultno ns euções () e (3): E = V cosδ + R I + I () F T I = V senδ + R I (3) T Atrvés e operções mtemátics, cheg-se à conclusão e ue os vlores corrente e eixo ireto I e corrente e eixo em urtur I poem ser representos por (4) e (5), conforme segue: I E V cosδ V R senδ F T T = - R ² + R ( EF VT cos δ ) VTsenδ I = + R ² + (4) (5) A potênci tiv e potênci retiv poem ser clculs pels euções (6) e (7), respectivmente: P = I V senδ + I V δ (6) T T cos Q = I V cosδ I V senδ (7) T T Substituino (4) em (6), obtém-se expressão potênci tiv P máuin síncron e polos slientes, consierno resistênci e rmur R, como mostro em (8). E substituino (5) em (7), obtém-se expressão potênci retiv Q máuin síncron e polos slientes, consierno resistênci e rmur R, como mostro em (9): As expressões (8) e (9) são vális, pois prouzem os mesmos resultos ue s expressões presents em Anerson e Fou (1994), seno ess únic referênci bibliográfic encontr urnte o esenvolvimento o progrm SimGPS ue fornece s euções potênci tiv e potênci retiv o geror e polos slientes com inclusão resistênci e rmur R. 4 Desenvolvimento o Simulor SimGPS O progrm computcionl esenvolvio neste trblho foi enomino Simulor o Geror e Polos Slientes (SimGPS). A lingugem e progrmção utiliz foi o Jv, por ser um lingugem orient objetos, e form possibilitr crição e clsses istints pr se trblhr no esenvolvimento o lgoritmo. Como mbiente e esenvolvimento, foi utilizo o NetBens 6.7, pois lém e estr isponível grtuitmente n internet, esse mbiente present fcilie pr crição e tels. O simulor SimGPS permite lterr os prâmetros o geror em um fix e vlores pr resistênci e rmur e s retâncis entro e limites previmente efinios, como mostr Tbel 1. 9

4 P = R + E FVT senδ + V T ( δ ) sen RVT EF cosδ RVT + (8) Q = ( δ ) E + FVT cos δ VT cos + VT R E FVT senδ (9) R + Tbel 1. Limites os vlores e entr o Simulor SimGPS. Grnez Mín Máx Degru (pu) 0,1 1,19 (pu) > 0,71 R (pu) 0 0,05 I F (A) P m (MW) , Se lgum esses limites for extrpolo, os vlores nominis serão utomticmente tribuíos às vriáveis. Os os e bse o geror form otos prtir e um geror rel em operção tulmente, como escritos seguir. 4.1 Definição os os o geror Pr o esenvolvimento o simulor SimGPS, form utilizos os os e plc e um os gerores Usin Hirelétric Governor Bento Munhoz Roch Neto (GBM), ue está em operção tulmente. Os vlores e entr o simulor, corrente e excitção I F e potênci mecânic P m, são inserios pelo usuário com unies o SI (Sistem Interncionl). Entretnto, os vlores e sí o simulor são fornecios em pu. Portnto, foi necessário efinir os vlores s bses e potênci, tensão, corrente e impeânci pr os cálculos urnte operção o progrm. Como vlores e bse, form utilizs potênci prente e tensão e operção nominl o geror e GBM. A Tbel present os os nominis esse geror. Tbel. Dos nominis o geror e GBM, n bse e 465MVA e 16,5kV. Grnez Vlores (pu) 0,99 (pu) 0,71 R (pu) 0,00 Potênci (MVA) 465 cos φ 0,9 in. Tensão (kv) 16,5 I F (A) 715 Tensão e excitção (V) O simulor SimGPS A simulção consiste bsicmente em us etps. A primeir etp envolve efinição os vlores e retâncis e resistênci o geror e inicilizção simulção consierno o geror conecto o brrmento infinito. A segun etp inici pós tução e um os controles, corrente e excitção ou potênci mecânic, té o encerrmento simulção. Como grnezs e sí, o simulor fornece os vlores e operção o geror, ue tmbém são representos em gráficos os fluxos e potênci, vrição o ângulo e crg no tempo, e no igrm fsoril s tensões. A Figur 4 mostr um visão gerl tel pr situção inicil simulção, corresponente à primeir etp, e Figur 5 mostr um tel e simulção corresponente à segun etp. Além os gráficos presentos n tel e simulção, o usuário tem isponíveis os vlores e potêncis tiv, retiv e prente, os ângulos e ftor e potênci e e crg, o ftor e potênci, corrente e rmur, tensão intern o geror, tensão no brrmento infinito, s ues e tensão ns retâncis e eixo ireto e eixo em urtur e ue e tensão n resistênci e rmur, como mostro n Figur 6. O gráfico s potêncis e sí poe presentr três situções e operção o geror, como mostr Figur 7: entro os limites opercionis; for os limites opercionis, porém sem per o sincronismo; com per e sincronismo. As cores o gráfico e potêncis mum pr ientificr s iferentes situções e operção, tornno o gráfico mis iático. O igrm fsoril, ue represent s tensões o sistem geror-brr infinit, tem como referênci tensão terminl V T e poe mostrr s situções e operção pr crg resistiv, inutiv e cpcitiv. 30

5 Figur 4. Tel simulção n primeir etp. C tensão vetoril o igrm fsoril é represent por um cor, conforme escrito n Tbel 3. Tbel 3. Cores os vetores o igrm fsoril. Figur 5. Tel simulção n segun etp. Grnez V T R * I * I * I E F Cor Vermelho Azul Ros Vere Amrelo Figur 6. Cmpos com os vlores s grnezs e sí. A Figur 8 mostr o igrm fsoril pr situção em ue o geror liment um crg inutiv. Observ-se ue o igrm fsoril está e coro com o funcionmento os gerores síncronos, pois s máuins ness situção operm sobreexcits. Seguno Elger (1977), o prouto o móulo tensão intern E F pelo cosseno o ângulo δ ever ser mior o ue o móulo tensão V T nos terminis o geror, ou sej: E cosδ > F V T 31

6 Figur 7. Gráfico s potêncis e sí, pr o geror operno entro os limites opercionis, for os limites opercionis sem per e sincronismo e com per e sincronismo. Figur 9. Oscilção o ângulo e crg o geror pós lterção e um os seus controles. 5 Conclusão Figur 8. Digrm fsoril pr crg inutiv. Os igrms fsoriis pr s situções em ue o geror oper subexcito (limentno um crg cpcitiv), ou uno o geror liment um crg purmente resistiv, tmbém estão e coro com teori e máuins síncrons, os uis poem ser comprovos visulmente e/ou por meio e cálculos com os vlores presentos n tel o simulor. Vle ressltr ue estes igrms fsoriis, bem como os emis gráficos, são lteros imeitmente pós c moificção nos controles e entr, possibilitno o usuário um visulizção rápi os efeitos e munçs no torue e entr máuin, ou os efeitos e umento/reução corrente e excitção o geror. O gráfico com vrição o ângulo e crg no tempo mostr s oscilções eletromecânics ue ocorrem no geror o lterr-se os controles e entr. A Figur 9 mostr um exemplo e oscilção e estbilizção o ângulo e crg o geror pós lterção e um os seus controles e entr. Nesse cso lterção foi um reução corrente e excitção o geror. O métoo e Runge-Kutt foi uso pr clculr os novos vlores o ângulo e crg, seno ue o mortecimento foi consiero n solução eução e oscilção. Este trblho presentou o esenvolvimento e um progrm computcionl pr simulr o funcionmento e um geror síncrono e polos slientes, conecto à brr infinit, operno em regime permnente. O simulor SimGPS possibilit visulizção o igrm fsoril s tensões máuin e o comportmento inâmico o ângulo e crg e s potêncis e sí tiv e retiv, fornecis pelo geror, inte s lterções nos controles e entr. Durnte o esenvolvimento o progrm computcionl, percebeu-se ue o simulor poeri ser mis interessnte se os vlores e retâncis puessem ser moificos pelo usuário. Além isso, optou-se por consierr tmbém resistênci e rmur nos cálculos e nos resultos simulção, embor este prâmetro sej gerlmente esprezo ns referêncis bibliográfics. O vlor resistênci e rmur tmbém poe ser ltero entro e certos limites, ssim como os vlores s retâncis e eixo ireto e eixo em urtur, e form ue estes prâmetros se tornrm cmpos e entr. Com isso, o simulor ficou mis iático, possibilitno os professores e lunos simulrem iferentes situções e gerores com mior brngênci. Com inclusão resistênci e rmur, eciiu-se eucionr s expressões e potênci tiv e retiv, em função os prâmetros, e R máuin e polos slientes, consierno tmbém este prâmetro. Ao finlizr o esenvolvimento o simulor, foi encontr um referênci bibliográfic ue present s euções máuin síncron e polos slientes em função os prâmetros máuin e com inclusão resistênci e rmur, possibilitno um comprção e vlição s euções esenvolvis. 3

7 O resulto obtio com o progrm foi consiero stisftório, pois é possível contemplr tos s informções espers trvés simulção. O usuário, o utilizor o SimGPS, poerá visulizr interção entre vrição os controles e entr, e s potêncis tiv e retiv e sí, os cálculos e correntes e ues e tensão e os gráficos e fluxo e potênci, o igrm fsoril e vrição o ângulo e crg no tempo, em iferentes conições e operção: entro os limites o geror, for os limites e n situção e per e sincronismo. Dest form, o progrm SimGPS proporcion os usuários nimções gráfics e um interfce simples e intuitiv. São oferecios subsíios pr ue hj fácil compreensão os conceitos envolvios. O simulor poe ser uso como um ferrment pr uxilir os professores ministrrem o conteúo sobre gerores síncronos e polos slientes e form mis eficiente, perfeiçono os métoos e ensino. Referêncis Bibliográfics Anerson, P. M.; Fou, A. A. (1994) Power System Control n Stbility.. e. John Wiley & Sons, New York, EUA. Elger, Olle Ingemr (1977). Introução à Teori e Sistems e Energi elétric. McGrw-Hill o Brsil, São Pulo, SP. Fitzgerl, A. E.; Kingsley, Chrles; Umns, Stephen D. (006) Máuins Elétrics. 6. e. Bookmn, Porto Alegre, RS. Golemberg, C.; Pellini, E.L. (1999) Máuin Síncron em Brrmento Infinito. Versão 8.0. Escol Politécnic USP, São Pulo. CD-Rom. Gross, Chrles A.(1986) Power System Anlysis. John Wiley & Sons, EUA. Kunur, Prbh. (1994) Power System Stbility n Control. McGrw-Hill, New York, EUA. Lisit, L. R. (1990) Conversão eletromecânic e energi. Apostil. Escol e Engenhri Elétric Universie Feerl e Goiás, Goiâni, GO. Monticelli, A.; Grci, A. (003) Introução Sistems e Energi elétric. Eitor Unicmp, Cmpins, SP. Pellini, E. L. (1999) Estuo visul e máuins elétrics rottivs. Trblho e Conclusão e Curso. Deprtmento e Engenhri e Energi e Automção Elétrics, Escol Politécnic USP, São Pulo, SP. Pimentel, J. L. (003) Orgnizor prévio em hipermíi pr o estuo e máuins elétrics. Dissertção (Mestro Integro Profissionliznte em Computção) Universie Estul o Cerá e CEFET-CE, Fortlez, CE. Vlente, J. A. (1993) Computores e Conhecimento: Repensno Eucção. NIED, Cmpins, SP. 33

Ensaios e Extração de Parâmetros Utilizados em Modelagem de Máquina Síncrona de Ímas Permanentes

Ensaios e Extração de Parâmetros Utilizados em Modelagem de Máquina Síncrona de Ímas Permanentes 1 Ensios e Extrção e Prâmetros Utilizos em Moelgem e Máuin Síncron e Íms Permnentes Sebstião E. M. e Oliveir, Sebstião F. Q. e. Roch Resumo: Este trblho present um proceimento pr obtenção s retâncis síncrons

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Geração com Máquinas de Indução: uma contribuição ao estudo de Geradores de Indução

Geração com Máquinas de Indução: uma contribuição ao estudo de Geradores de Indução Gerção com Máquins e Inução: um contriuição o estuo e Gerores e Inução M. O. Oliveir, IEEE Memer, D. A. C. Lim, UFGS University, L. A. Wlntus, UFGS University, O. E. Perrone, UNM University, A. S. Brets,

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal

Física. Resolução das atividades complementares. F1 Gravitação universal esolução s tivies complementres Físic F Grvitção universl p. 7 err possui pens um stélite nturl, Lu. Pesquise pr responer. ) Quis os períoos e rotção e e trnslção Lu em torno err? b) Por que err é possível

Leia mais

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA OWAlifetime OWAconsult Resistênci o fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA 2 As norms europeis As Norms Europeis Hrmonizs sobre o Fogo são um conjunto e norms que form ceits por toos os píses Comunie Econômic

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) « IFPB» Concurso Público Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico» Editl Nº 136/2011 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «21. Um dos principis equipmentos

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos Cinemátic e Dinâmic e Engrengens. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos Pulo Flores José Gomes Universie o Minho Escol e Engenhri Guimrães 04 ÍNDICE. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos..... Introução.....

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Deprtmento de ngenhri létric Aul 5.3 Gerdores de Corrente Contínu Prof. Clodomiro Unsihuy Vil Bibliogrfi FITZGRALD, A.., KINGSLY Jr. C. UMANS, S. D. Máquins létrics: com Introdução à letrônic De Potênci.

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

Exame Nacional de 2006 1. a chamada

Exame Nacional de 2006 1. a chamada 1. Muitos os estuntes que usm mochils trnsportm irimente peso mis pr su ie. 1.1. Pr evitr lesões n colun verterl, o peso e um mochil e o o mteril que se trnsport entro el não evem ultrpssr 10% o peso o

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Figura 1: Máquina síncrona elementar.

Figura 1: Máquina síncrona elementar. MÁQUNA ÍNCRONA 31/01/2007 van Camargo 1) ntroução A máuina síncrona elementar é composta por três enrolamentos no estator, efasaos e 120 graus e um enrolamento no rotor alimentao em corrente contínua.

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E ENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SILVA, P S, NEPOMUCENO, L Lbortório de Estudos Econômicos em Sistems de Potênci - LEESP UNESP / FE / DEE

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Débora Mara Coelho Santiago Rodolfo Cabral da Cunha CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Débor Mr Coelho Sntigo Rodolfo Cbrl d Cunh Ferrment Computcionl pr Cálculos de Impedâncis Crcterístics, Funções de Propgção e Impedâncis de Seqüêncis

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

PLANO DE CURSO. Fornecer conhecimentos sobre máquinas elétricas nos diversos segmentos desta ciência.

PLANO DE CURSO. Fornecer conhecimentos sobre máquinas elétricas nos diversos segmentos desta ciência. Instituto Federl do Piuí IFPI Cmpus Teresin Centrl Deprtmento de Indústri, Segurnç e Produção Culturl Coordenção do Curso de Eletrônic Prç d Liberdde, 197- Centro, CEP 64.000-040 Teresin, PI Fone: (86)3131-9430

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC

Aula 3 - Controle de Velocidade Motor CC 1 Acionmentos Eletrônicos de Motores Aul 3 - Controle de Velocidde Motor CC Prof. Márcio Kimpr Prof. João Onofre. P. Pinto Universidde Federl de Mto Grosso do Sul/FAENG BATLAB Cmpo Grnde MS Prof. Mrcio

Leia mais

9 Implementação de Relógio Digital (State Charts)

9 Implementação de Relógio Digital (State Charts) StteFlow toolox 9 Implementção e Digitl (Stte Chrts) Desrever o funionmento e um relógio igitl, om um áre e isply prinipl, e 4 áres mis pequens. O relógio ispõe e: Poe mostrr o tempo num formto e 24 hors

Leia mais

Plugues e Tomadas Industriais

Plugues e Tomadas Industriais Plugues e Toms Inustriis Linh Inustril Instlções mis onfiáveis e segurs. CARACTERÍSTICAS GERAIS A Linh e Plugs e Toms Inustriis Soprno é ini pr onexão e iversos equipmentos, em mientes sujeitos pó, águ,

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Carga e Matéria / Lei de Coulomb. Carga elétrica. Conservação da carga. Unidades de carga elétrica. Quantização da carga elétrica. Ensino.

Carga e Matéria / Lei de Coulomb. Carga elétrica. Conservação da carga. Unidades de carga elétrica. Quantização da carga elétrica. Ensino. Série Rumo o ITA Ensino Pré-Universitário Professor() Mrcos Hrolo See Aluno() Nº TC Turm Turno Dt / / Físic Crg e Mtéri / Lei e Coulomb Crg elétric A prtir o início este século, váris experiêncis nos possibilitrm

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil eminário Técnico de Proteção e Controle 1 o 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Mins Geris Brsil dptção do Método de Wiszniewski pr gregr Mior Extidão à oclizção de lts com Ddos de Um Terminl Wnderson Mendes

Leia mais

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005

Zelio Logic 2 Interface de comunicação SR2COM01 Ajuda para a utilização da pasta de exploração 11/2005 Zelio Logi 2 Interfe e omunição SR2COM01 Aju pr utilizção pst e explorção 11/2005 1606327 Aju pr utilizção pst e explorção Desrição gerl Introução A pst e explorção é um fiheiro e texto rio pelo softwre

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica Resumo d últim ul Compildores Verificção de tipos (/2) Análise semântic Implementção: Esquems -tribuídos: Mecnismo bottom-up direto Esquems -tribuídos: Mecnismo top-down: Necessit grmátic não recursiv

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA MÓDULO

APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA MÓDULO POSTIL ELÉTRI PR ELETRÔNI MÓULO - 1 UL 7 Na figura 1, temos um circuito alimentado por uma tensão de 12 volts, tendo como carga 3 resistores: R1 com 1k; R2 com 1k e R3 também com 1k. Fica fácil concluir

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALINE KOCHOLIK MÁRCIA CLÁUDIA MASUR INCOTE SIMULADOR FASORIAL PARA

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A SELEÇÃO DE MANCAIS DE FILME DE FLUIDO AEROSTÁTICOS APLICADA A DISCIPLINA CONSTRUÇÃO DE MÁQUINAS

DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A SELEÇÃO DE MANCAIS DE FILME DE FLUIDO AEROSTÁTICOS APLICADA A DISCIPLINA CONSTRUÇÃO DE MÁQUINAS DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A SELEÇÃO DE MANCAIS DE ILME DE LUIDO AEROSTÁTICOS APLICADA A DISCIPLINA CONSTRUÇÃO DE MÁQUINAS Prof Dr Luiz Antonio Pinheiro Blestrero - Blestrero @ mckenziecombr

Leia mais

Controlo de Motores de Corrente Contínua

Controlo de Motores de Corrente Contínua Sistems de Accionmento e Movimentção Controlo de Motores de Corrente Contínu FEUPLEEC. SAM 1 Motores de corrente contínu. Introdução (históric) Historicmente, o motor CC, foi utilizdo de modo universl

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

PESQUISA OPERACIO AL

PESQUISA OPERACIO AL Prof. Mrcelo Sucen UNESA - Pesquis Opercionl / Sinopse Históric PESQUISA OPERACIO AL "Existem dus mneirs de umentr eficiênci de um loj, empres, ou indústri. Um dels requer melhori tecnológic, isto é, tulizção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA - DEM DISCIPLINA: Elementos de Máquins e Motores (ENG169) TURMA: T01P01 (08:00 às 10:00) PROFESSOR: Pedro Ornels DATA: 06/07/2000 ALUNOS: Alberto Oliveir

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Manual de operação

COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Manual de operação COMPONENTES PARA PROJETO DE SIMULAÇÃO DE PROGRAMAS SUPERVISÓRIOS (VISUAL BASIC) Mnul de operção Mnul de operção pr utilizção de componentes ActiveX pr Visul Bsic e lingugens Visuis que ceitem este recurso.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

= = 4πε0 V b a -12 2 1 2 8

= = 4πε0 V b a -12 2 1 2 8 4. Cálculo de cpcitâncis Com os métodos ue cominm lei de Guss com simetri, podemos clculr vlores de cpcitâncis pr três geometris de cpcitores. Pr um, este cálculo é exto e pr s demis geometris, é um proximção

Leia mais

Comércio Eletrônico Locaweb

Comércio Eletrônico Locaweb Comércio Eletrônico Locweb Autores: Equipe Comércio Eletrônico Procedimentos Técnicos Gui de instlção e configurção http://www.locweb.com.br comercio@locweb.com.br Atendimento: http://site.locweb.com.br/suporte/tendimento.sp

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Gerenciamento de Energia. Answers for industry.

Gerenciamento de Energia. Answers for industry. Gerencimento de Energi Answers for industry. Gerencimento de Energi Reduzindo os custos opercionis... Identifique dispositivos com elevdo consumo de energi pr implementr medids energétics eficzes. Ofereç

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Análise linear elástica por elementos finitos 3D de um corpo com fenda

Análise linear elástica por elementos finitos 3D de um corpo com fenda Vol. 17, 3, 317 333 (2001) Revist Interncionl de Métodos Numéricos pr Cálculo y Diseño en Ingenierí Análise liner elástic por elementos finitos 3D de um corpo com fend Fernndo V. Antunes, Nuno Rilo e José

Leia mais

Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Estudo da Transmissão da Dengue entre os TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), 323-332. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais