Modelos de Escoragem de Crédito Aplicados a Empréstimo Pessoal com Cheque

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelos de Escoragem de Crédito Aplicados a Empréstimo Pessoal com Cheque"

Transcrição

1 Fundação Getúlio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Modelos de Escoragem de Crédito Aplicados a Empréstimo Pessoal com Cheque Dissertação de Mestrado Aluno: Rafael Soares Vasconcellos Orientador: Marcelo Fernandes Rio de Janeiro, 16 de Agosto de 2004

2 Rafael Soares Vasconcellos Modelos de Escoragem de Crédito Aplicados a Empréstimo Pessoal com Cheque O presente trabalho tem como objetivos principais propor uma metodologia de construção de modelos de escoragem de crédito e mostrar uma aplicação prática em operações de empréstimo pessoal com pagamento em cheques. A parte empírica utiliza dados reais de instituição financeira e duas metodologias estatísticas, análise de regressão linear múltipla e análise de regressão probit. São comparados os resultados obtidos a partir da aplicação de modelos de escoragem de crédito desenvolvidos com cada metodologia com os resultados obtidos sem a utilização de modelos. Assim, demonstra-se o incremento de resultado da utilização de modelos de escoragem e conclui-se se há ou não diferenças significativas entre a utilização de cada metodologia. Rio de Janeiro 16 de Agosto de 2004

3 Dedicatória Dedico ao Ser, a essência Divina que habita em cada Coração, não só este trabalho, mas a realização deste ciclo e dos demais que estão por vir. Agradecimentos Os agradecimentos vão para Carlos e Cândida ( Tiu e Mãe), modelos de liderança pelo exemplo, para a Bia, minha mais nova inspiração, para o Grupo BBM (principalmente os amigos da Creditec), pelo aprendizado e desenvolvimento, para Franklin Gonçalves e Sergio Braga, pela orientação e confiança e a todos os colegas de turma do Mestrado em Finanças e Economia Empresarial.

4 Sumário 1. Introdução 2. Mercado de Crédito Brasileiro 2.1. Principais Modalidades de Financiamento Pessoa Física Pessoa Jurídica 3. O Modelo de Escoragem de Crédito 3.1. Histórico 3.2. Creditworthiness O Objetivo Final da Análise de Crédito 3.3. O Modelo de Escoragem de Crédito Levantamento da Base de Dados Histórica Análises Preliminares Estimação dos Coeficientes da Equação Determinação dos Pontos de Corte Implantação 4. Aplicação Prática: Regressão Linear versus Regressão Probit 4.1. Contexto Empréstimo Pessoal com Cheque 4.2. A Base de Dados e Análises Preliminares 4.3. Descrição das Metodologias Análise de Regressão Linear Múltipla Análise de Regressão Probit 4.4. Estimação das Equações 4.5. Determinação dos Pontos de Corte 4.6. Comparação dos Resultados 5. Conclusão 6. Bibliografia

5 Introdução 1. Empresas privadas vêm recorrendo cada vez mais a ferramentas quantitativas de base matemática e estatística com o objetivo de maximizar os retornos em seus respectivos mercados e se diferenciar em relação à concorrência. Com a evolução da capacidade de processamento de dados e a possibilidade de automatização e uso de modelos matemáticos em processos cotidianos, estas ferramentas vêm sendo difundidas e implementadas em sistemas de suporte a decisão. O presente trabalho tem como objetivo principal mostrar a aplicação prática de ferramentas estatísticas no problema de previsão de risco de crédito no mercado de crédito ao consumo, denominado Credit Scoring ou Escoragem de Crédito na indústria de serviços bancários. Em primeiro lugar, será feita análise do mercado de crédito ao consumo no Brasil, seus produtos, preços e canais de venda, bem como volumes em termos de operações e valores financeiros e as respectivas evoluções no tempo. Em seguida, serão descritas as principais etapas da construção de um modelo de escoragem de crédito e então aplicaremos este método na prática. A primeira parte desta aplicação tratará do contexto, empréstimo pessoal com cheque. Além disso, tratará ainda da obtenção dos dados, seus tipos, dados do cliente e de operações passadas, suas fontes, que podem ser internas ou externas, e os cuidados a serem tomados no processo de extração. A segunda parte apresenta metodologias estatísticas aplicáveis ao problema em questão, descreve brevemente cada uma delas. Em seguida, serão comparadas as metodologias. Estas serão aplicadas ao problema e os resultados estatísticos e financeiros dos diferentes modelos serão contrastados com o objetivo de indicar qual das metodologias melhor se adequa ou é mais eficiente no problema em questão. Por fim, apresentam-se conclusões e considerações finais.

6 Capítulo 2 Mercado de Crédito Brasileiro 2. A partir de 1994, com a adoção do Plano Real, o mercado de crédito brasileiro ganhou fôlego e cresceu a altas taxas. Com o fim da hiperinflação que assolava o país, criou-se a possibilidade de vislumbrar e projetar cenários para o futuro com razoável certeza. Neste novo cenário, empresas e indivíduos passaram a se planejar financeiramente com maior clareza e houve um grande aumento da demanda por crédito na economia brasileira. Porém, o Plano Real também teve alguns efeitos colaterais, como o aumento da dívida pública, o que tornou o Governo Federal o maior consumidor de crédito do sistema financeiro nacional. O gráfico abaixo mostra a evolução dos volumes de concessões de crédito ao longo do tempo desde o início do Plano Real (dados do Banco Central do Brasil). Figura 1: Evolução do Estoque de Crédito Podemos observar que houve forte crescimento do mercado de crédito como um todo, resultado da combinação de um novo cenário macroeconômico e uma demanda por crédito reprimida. Por sua vez, este forte crescimento combinado com a falta de experiência de credores e devedores em administrar crédito, resultou em

7 aumento da inadimplência. Os bancos brasileiros não tinham experiência em conceder crédito no novo cenário e cresceram suas carteiras indiscriminadamente. As empresas brasileiras e a população em geral não possuíam experiência em administrar contratos de crédito e apesar do aumento de poder aquisitivo obtido na época, não conseguiram em muitos casos evitar a inadimplência. Após as lições aprendidas no início do Plano Real e a reestruturação do sistema financeiro realizada a partir do projeto PROER do Banco Central, o mercado de crédito no Brasil vem se consolidando e crescendo nos últimos anos. Hoje, o maior empecilho à expansão do crédito é o seu preço, as taxas de juros cobradas pelas instituições financeiras. Porém, estas taxas são definidas dados os níveis de inadimplência e risco de crédito, a qualidade das garantias apresentadas, da cunha fiscal e dos custos operacionais das instituições. O gráfico a seguir mostra a evolução de taxas para algumas modalidades de financiamento. Apesar da queda das taxas ocorrida nos últimos anos, os preços ainda se mantêm em níveis muito altos. Evolução de Taxas Pessoa Física 350% 300% 250% Cheque especial Crédito pessoal Aquisição de veículos PF Aquisição de outros bens PF Aquisição de bens PF Total PF Total geral % ao ano 200% 150% 100% 50% 0% jan/93 jun/94 out/95 mar/97 jul/98 dez/99 abr/01 set/02 jan/04 mai/05 Figura 2: Evolução das Taxas Pessoa Física 2.1. Principais Modalidades de Financiamento Dentre as principais modalidades de financiamento, podemos destacar algumas oferecidas a empresas e outras relacionadas a pessoas físicas. Será dada maior ênfase às modalidades de financiamento a pessoas físicas, já que este é o objetivo principal do trabalho.

8 Pessoa Física Dentre as operações de financiamento a pessoas físicas se destacam as seguintes: Empréstimo para compra de veículos: operações com prazo entre 12 e 60 meses vinculadas à compra de veículo. O objeto da compra fica alienado como garantia do pagamento da dívida. Atualmente, são basicamente operações pré-fixadas e com parcelas fixas, mas que possuem em seu histórico muitas operações pós-fixadas, principalmente atreladas ao dólar. Empréstimo para compra de bens (CDC Crédito Direto ao Consumidor): operações com prazos que variam entre 2 e 24 meses tradicionalmente. Nestes casos, o crédito é direcionado ao consumo e o bem é mantido vinculado ao crédito. Funcionam como uma ferramenta de fomento ao comércio. São operações essencialmente pré-fixadas e com parcelas fixas. Os meios de pagamento podem ser cheque pré-datado, carnê de pagamento ou mesmo os cartões chamados Private Label, que são vinculados a estabelecimentos comerciais e que possibilitam que o CDC seja feito de forma eletrônica. Com este instrumento, o cliente possui um limite pré-aprovado, compra no estabelecimento e paga via faturas mensais. Empréstimo Pessoal: financiamento sem fim específico com prazos entre 1 e 24 meses. Nesta modalidade, não há um bem como garantia e o risco de inadimplência é maior, o que torna as taxas praticadas mais altas que as taxas do CDC. Existem dois tipos de empréstimo pessoal, definidos de acordo com a origem do crédito. Há o empréstimo pessoal oferecido pelos bancos aos seus correntistas, cujas taxas giram em torno de 4% ao mês e o empréstimo pessoal oferecido por financeiras, que cobram entre 12% e 15% ao mês. A diferença básica é a relação existente entre a instituição financeira e seus clientes de conta corrente no caso do empréstimo pessoal oferecido por bancos. Financiamento Imobiliário: financiamento para compra de bens imóveis oferecido pelas instituições financeiras. Trata-se de um mercado com

9 regras específicas cujos recursos são direcionados no caso do Sistema Financeiro da Habitação. Neste contexto, as taxas praticadas são de 12% ao ano mais TR. Os prazos variam de 1 a 15 anos. Cartão de Crédito: linha de financiamento pré-aprovada para compras e saques embutido em cartão magnético. Há duas modalidades de crédito em uma plataforma de cartão de crédito. Há a possibilidade de sacar espécie ou fazer compras em parcelas fixas, obtidas aplicando-se taxa de juros de aproximadamente 12% ao mês atualmente. Porém, o principal é o crédito rotativo. A cada mês envia-se para cada cliente uma fatura composta de todas as transações efetuadas, um extrato da conta do cartão. O financiamento rotativo é contratado e concedido no momento do pagamento da fatura ou no momento da escolha do cliente entre pagar toda a fatura, ou apenas parte dela e financiar o restante. Os limites de crédito podem chegar a até algumas vezes a renda do cliente. Cada uma das principais características de operações de financiamento a pessoas físicas possui evolução particular. No que diz respeito aos prazos, observa-se estabilidade desde o ano Ver figura 3. Prazo das Operações de Crédito a Pessoas Físicas Prazo (meses) Cheque especial Crédito pessoal Aquisição de veículos PF Aquisição de outros bens PF Cartão de crédito PF ago/99 mar/00 out/00 abr/01 nov/01 mai/02 dez/02 jun/03 jan/04 ago/04 Figura 3: Evolução do Prazo das Operações a Pessoas Físicas

10 No que tange a inadimplência, percebe-se aumento nos índices relativos a pessoas físicas e queda nos índices de pessoal jurídica. Ao abrir nos diversos produtos de financiamento para pessoa física, conclui-se que houve aumento de inadimplência principalmente nos produtos cartão de crédito, cheque especial e empréstimo pessoal. Os índices indicam incremento significativo a partir do ano 2001 e manutenção em novo patamar. Ver figuras 4 e 5. Inadimplencia - Atraso maior que 90 dias 9 8 Percentual da Carteira Total geral Total PJ Total PF mar/00 out/00 abr/01 nov/01 mai/02 dez/02 jun/03 jan/04 ago/04 Figura 4: Evolução do Nível de Inadimplência I Inadimplência Pessoa Fisica Cheque especial Crédito pessoal Aquisição de bens veículos PF Aquisição de outros bens PF Cartão de crédito PF 14 Percentual da Carteira mar/00 out/00 abr/01 nov/01 mai/02 dez/02 jun/03 jan/04 ago/04 Figura 5: Evolução do Nível de Inadimplência II

11 Pessoa Jurídica Dentre os principais produtos de crédito para pessoa jurídica, destacam-se os seguintes: Hot money Capital de giro Vendor Descontos de duplicatas e promissórias Conta garantida Aquisição de bens ACC Estes são operações padronizadas, os ditos produtos de prateleira das instituições financeiras e bancos. Além destes, há operações estruturadas, desenvolvidas especialmente para a situação e as necessidades do cliente em questão. Por fim, podemos citar os títulos de prazos mais longos, os chamados Bonds, principal instrumento de captação de longo prazo e altos valores de grandes empresas e governos.

12 3. Capítulo 3 O Modelo de Escoragem de Crédito A escoragem de crédito envolve modelos preditivos cujo objetivo é estimar o risco de um cliente ou operação de crédito com base em dados cadastrais do cliente e dados da operação em questão. Neste tipo de ferramenta, utiliza-se um sistema de pontuação em que a presença de características correlacionadas positivamente ao risco de inadimplência implica em ganho ou perda de pontos dependendo do caso, mas que significam aumento do risco. Por outro lado, a ausência destas variáveis ou a presença de outras correlacionadas negativamente com a probabilidade de inadimplência, implica em redução do risco segundo a métrica adotada. Este sistema de pontos consiste de uma equação que relaciona variáveis da operação e o risco de inadimplência e cujos coeficientes foram determinados ou estimados por um processo de regressão. Esquematicamente: S = Xβ em que S é a métrica de risco ou escore, X é o vetor de variáveis explicativas e beta é o vetor de coeficientes obtidos através de um processo de regressão. O processo de desenvolvimento de um modelo possui 5 fases principais: Levantamento da base de dados histórica Análises preliminares e identificação das variáveis candidatas a explicativas do modelo Estimação dos coeficientes da equação de score Determinação do ponto de corte Implantação Nas próximas seções, estas etapas serão descritas. O terceiro e quarto itens serão tratados com maior ênfase, pois constituem o cerne deste trabalho. Inicialmente discorreremos brevemente a respeito do histórico dos modelos estatísticos de escoragem de crédito. Em seguida, serão tratados conceitos relacionados ao objetivo final da análise de crédito e então entraremos nos modelos e suas etapas. Por fim, serão realizadas aplicações práticas em uma base histórica de empréstimo pessoal com cheque cedida por uma instituição financeira de primeira linha que opera neste mercado há anos. Em outras palavras, serão construídos modelos de escoragem de crédito para operações de empréstimo pessoal com cheque utilizando duas

13 metodologias estatísticas diferentes, regressão linear e regressão logística, e comparados os resultados específicos de cada uma Histórico O primeiro modelo de escoragem de crédito surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, quando um executivo americano sentiu a necessidade de ferramentas que pudessem ser usadas por analistas mais jovens e inexperientes, já que a maioria de seus analistas estava servindo na guerra. Alguns outros modelos foram desenvolvidos nos anos 50, mas este tipo de ferramenta passou a ser largamente usada quando Fair, Isaac & Company entrou no mercado fornecendo consultoria e desenvolvendo modelos para as instituições financeiras daquela época. A Fair, Isaac and Company continua desenvolvendo modelos para grandes instituições financeiras ao redor do mundo. Nos primeiros anos, o desafio era ganhar a confiança e aceitação do mercado de crédito, o que não foi fácil, mas foi atingido após provas práticas de que a metodologia desenvolvida funcionava e agregava valor. As primeiras experiências aconteceram em empresas financeiras e em seguida passaram a ser utilizadas por varejistas e grandes bancos. Administradoras de cartão de crédito foram os próximos usuários. Porém, à medida que os computadores foram sendo desenvolvidos e sistemas de suporte a decisão se tornaram mais freqüentes, os modelos de escoragem de crédito passaram a ser imprescindíveis nos processos de análise de crédito. Hoje em dia, ferramentas de previsão, inicialmente introduzidas nas empresas com os modelos de previsão de risco, são utilizadas em larga escala para otimização de processos, aumento de eficiência de campanhas de marketing ou mesmo controle e gestão de carteiras de clientes Creditworthiness O Objetivo Final da Análise de Crédito Qual a missão de um processo de avaliação de risco de crédito? Esta pergunta pode ser respondida utilizando o conceito de Creditworthiness, como apresentado por Edward M. Lewis em seu livro An Introduction to Credit Scoring (1992). O conceito de Creditworthiness indica a viabilidade de um cliente ou operação. Dizer que um cliente ou operação é digno de crédito significa que os

14 mesmos são financeiramente interessantes e devem ser aprovados em um processo de concessão de crédito. É importante compreender que o termo não se refere a uma característica observável e absoluta do cliente. O conceito é relativo a uma determinada situação. Um cliente pode ser viável em determinados momentos de sua vida e inviável em outros. O mesmo cliente em um determinado momento pode ser viável se solicita uma operação ou inviável se solicita uma operação com outras características. Portanto, a missão de um processo de avaliação de crédito é identificar as operações financeiramente viáveis ou que possuem valor esperado positivo levando em consideração o cliente, a sua atual situação e as características da operação O Modelo de Escoragem de Crédito Neste capítulo, trataremos do processo de construção de um modelo de escoragem de crédito. Em primeiro lugar, em termos teóricos descrevendo as etapas deste processo e depois através de aplicação prática Levantamento da Base de Dados Histórica A primeira etapa consiste do levantamento da base de dados histórica constituída de dados cadastrais do cliente e dados da própria operação, inclusive a informação a respeito da performance do cliente, do resultado do crédito, se houve inadimplência ou se o crédito foi integralmente quitado. Trata-se de uma fase crítica, pois se a amostra não for representativa da população, se houver algum tipo de viés, todo o projeto estará comprometido. Em geral, são coletados dados de operações já encerradas de sucesso ou insucesso e cujos resultados já são conhecidos. Por corresponderem a créditos aprovados em algum momento do tempo e pelo fato de que neste momento havia naturalmente restrições ao crédito concedido, a amostra coletada não corresponde ao universo de solicitações de empréstimo. Surge então o grande problema dos modelos de escoragem de crédito: bases de dados ou amostras filtradas. Este problema não inviabiliza o desenvolvimento dos modelos, pois as relações entre risco e as variáveis cadastrais do cliente ou da operação continuam se manifestando. Porém, como veremos mais adiante, alguns cuidados são requeridos. O tamanho da amostra na maioria dos casos não é um problema, pois quando se trata de instituições financeiras de médio ou grande porte, há abundância de dados históricos.

15 Análises Preliminares As primeiras análises a serem feitas com a amostra de operações têm por objetivo a busca por variáveis candidatas ao modelo. Análises básicas de freqüência que cruzam a variável candidata e o resultado do crédito, dicotômico em sucesso ou insucesso ou bom e mau, são bastante eficiente. A seguir segue exemplo ilustrativo deste tipo de análise. Figura 6: Análise Preliminar A métrica utilizada para identificar variáveis candidatas é a relação de boas e más operações comparada à relação da amostra. No exemplo acima, podemos observar que a relação da amostra de operações é 1, ou seja, uma operação boa para cada operação má ou de insucesso. Além disso, observa-se que os atributos 1 e 2 indicam menor risco quando presentes e os atributos 4 e 5 indicam maior risco, enquanto o atributo 3 se mostra neutro. Um insumo importante desta análise é a definição de um bom e um mau crédito. Em geral, um mau crédito é aquele em que o cliente se torna inadimplente. Porém, esta não é uma discussão simples e a definição deve contemplar as peculiaridades do produto financeiro em questão Estimação dos Coeficientes da Equação Identificadas as variáveis candidatas, a próxima etapa é a estimação dos coeficientes da equação de risco. Em primeiro lugar, deve-se optar por uma metodologia estatística de regressão e aplicá-la aos dados de forma a obter os coeficiente e a equação. Ao contrário de modelos econométricos formais, por trás dos modelos de escoragem de crédito não há teoria formal que sustente as relações encontradas, apesar de fazerem sentido econômica e intuitivamente. Faz sentido, por exemplo, que quanto maior a renda do cliente menor seja o risco do cliente se tornar inadimplente,

16 ou ainda, o fato do cliente ser aposentado e ter um fluxo de caixa estável deve estar correlacionado com o risco de crédito Determinação dos Pontos de Corte A definição do ponto de corte é a etapa em que aplica-se o conceito de Creditworthiness na prática. Quais as operações que faz sentido aprovar? Aquelas que possuem valor esperado ou resultado esperado positivo! Portanto, o ponto de corte é definido como o ponto de lucro máximo ou ponto de lucro marginal zero. A partir da equação de risco, é possível ordenar as operações ou clientes por nível de risco e calcular a partir dos dados, o resultado esperado de cada um dos níveis. É esperado que quanto maior o risco previsto pelo escore, maior a inadimplência observada e menor o resultado ou lucro esperado. Portanto, o processo de definição do corte tem por objetivo buscar o ponto em que o risco é tão alto que a inadimplência se torna não sustentável e o resultado é negativo. As figuras 7 e 8 ilustram este processo. Inadimplência por Nível de Risco 60,0% 50,0% 40,0% Inadimplência 30,0% 20,0% Inad. Suportada 18% 10,0% Corte 0,0% Nível de Risco Figura 7: Definição do Ponto de Corte I Na figura 7, vemos que o corte corresponde ao ponto de inadimplência suportada da operação em questão, ou o nível de inadimplência de break-even, lucro zero. Alternativa e equivalentemente, pode-se pensar em termos de lucro, como na figura 8.

17 Lucro Acumulado por Nível de Risco R$ R$ Inadimplência R$ R$ R$ Lucro Máximo R$ Corte R$ Nível de Risco Figura 8: Definição do Ponto de Corte II O importante é perceber e ressaltar que ambos os critérios se equivalem e o ponto de corte obtido com cada um dos critérios é o mesmo. Ponto de Corte = ponto de lucro máximo Ou Ponto de Corte = Ponto de lucro marginal zero Porém, para que todo este cálculo seja feito, é necessário definir o conceito de lucro. Em linhas gerais, propõe-se que lucro seja o valor presente das receitas menos o valor presente dos custos envolvidos nas operações na data do contrato. Lucro = Valor Presente(Receitas) Valor Presente(Custos) Implantação A implantação do modelo na prática não corresponde aos objetivos principais deste trabalho e por isso será tratado de forma breve. As principais etapas da implantação são: Preparação de plataforma tecnológica adequada Desenvolvimento dos procedimentos matemáticos Validação e testes Desenvolvimento de relatórios de acompanhamento Uma das questões mais importantes na implantação do modelo é garantir que as operações ou propostas de crédito sejam avaliadas nas mesmas condições em foram

18 avaliadas as operações que constituíram a amostra utilizada no desenvolvimento. Deve-se garantir que a variável coletada no passado seja obtida em condições semelhantes no momento da análise de novas propostas.

19 4. Capítulo 4 Aplicação Prática: Regressão Linear versus Regressão Probit Neste capítulo, trataremos da construção de um modelo de escoragem de crédito em todas as suas principais etapas e da avaliação e comparação de duas metodologias estatísticas aplicadas ao problema. Em primeiro lugar, será descrito o contexto e o produto financeiro em questão, empréstimo pessoal cujo instrumento de liquidação é o cheque do cliente. Em seguida, serão apresentadas a base de dados obtida de uma instituição financeira brasileira de médio porte, suas variáveis e características gerais. A construção do modelo propriamente dita, a definição da equação e a determinação dos pontos de corte serão objetos de estudo das seções subseqüentes e realizadas para cada metodologia proposta. Por fim, serão comparados os resultados obtidos com cada uma das metodologias e esta comparação se dará segundo indicadores estatísticos e financeiros Contexto Empréstimo Pessoal com Cheque A aplicação prática a ser apresentada neste trabalho consistirá da construção de modelos de escoragem de crédito para operações de empréstimo pessoal. Mais especificamente, trataremos da modalidade de empréstimo pessoal com cheque. Empréstimo pessoal é uma operação cujo crédito concedido não está vinculado a um bem ou um fim específico e que não envolve garantia. O valor financiado gira em torno de alguns milhares de reais, com mínimo de 200 reais e máximo de aproximadamente reais dependendo da instituição financeira. Os prazos são de 1 a 12 ou até 18 meses e também dependem da instituição. A combinação entre valor, prazo e taxa resulta em parcelas fixas mensais a serem liquidadas pelo cliente. Há diversas modalidades de empréstimo pessoal que se diferenciam segundo a origem e o tipo de instrumento utilizado para saque e liquidação. A distinção segundo a origem se dá entre bancos e financeiras. Enquanto os bancos oferecem o crédito pessoal como uma extensão do relacionamento de conta corrente a clientes de longo prazo e cujo comportamento é conhecido, as financeiras concedem a clientes desconhecidos e por isso as operações tornam-se mais arriscadas. O empréstimo pessoal dos bancos é geralmente concedido na própria conta corrente do cliente e liquidado via débitos nesta mesma conta. Os instrumentos

20 utilizados para saque ou obtenção do dinheiro em empréstimos pessoais de financeiras são depósitos em conta corrente ou cartões magnéticos utilizados em terminais do tipo ATM. O instrumento de liquidação pode ser carnê, fatura no caso de cartão magnético ou cheques pré-datados, sendo o último o objeto de estudo deste trabalho. O preço atual, julho de 2004, do empréstimo com cheque gira em torno de 12% 1 ao mês e a partir da solicitação do cliente de valor e prazo, calculam-se as parcelas formando o seguinte fluxo esquemático: Taxa de 12% ao mês Valor Financiado Número de parcelas solicitado Figura 9: Fluxo de Operação de Empréstimo Pessoal No caso de uma operação de reais em 6 parcelas teríamos: Taxa de 12% ao mês R$ Parcelas de R$ 243 Figura 10: Fluxo de Operação de Empréstimo Pessoal II 1 No mercado de empréstimo pessoal há muitos competidores de portes diversos. A taxa do empréstimo ou o preço do dinheiro foi considerada fixa no curto prazo, já que o impacto das estratégias dos competidores sobre o preço pode ser considerado nulo. Além disso, não há segmentação de preço, todos os clientes recebem a mesma oferta. Esta prática é fruto de interpretação legal da prática de segmentação. Segundo esta leitura, clientes não devem ser discriminados segundo suas próprias características e, portanto, devem ser ofertados os mesmos preços.

21 O processo de concessão e análise de crédito desta operação tem as seguintes fases principais: Atendimento e preenchimento de proposta de crédito captura das informações cadastrais do cliente e sua solicitação de crédito. Verificação de políticas básicas enquadramento da operação em políticas de crédito básicas como valor financiado mínimo e máximo. Análise por modelo de escoragem aplicação do modelo de previsão do risco de crédito e decisão sobre aprovação. Consulta a bureaus de crédito (SPC e Serasa) verificação da situação do proponente no mercado de crédito e busca por informações negativas do cliente. Cabe ressaltar aqui que não há no Brasil um bureau de crédito positivo em que as empresas e instituições financeiras poderiam informações de bons clientes. Verificação de documentação comprovação das informações obtidas do cliente através de documentos ou contatos com referências. Resposta comunicação ao cliente do resultado da análise da proposta de crédito (aprovado ou negado). A cada etapa da análise, se o proponente é negado, encaminha-se a proposta para a fase de resposta e comunica-se o resultado negativo da análise. Resultado da operação de empréstimo pessoal com cheque. O lucro obtido com uma operação deste tipo é obtido de forma simplificada e direta trazendo as parcelas pagas a valor presente pelo custo de oportunidade da instituição financeira para a data do contrato e descontando o valor financiado e o custo de contrato. Esquematicamente temos: Lucro Operacional = VP(parcelas pagas) Valor Financiado Custo Contrato em que VP(parcelas pagas) é o valor presente das parcelas pagas na data do contrato trazida pelo custo de oportunidade da

22 instituição, que no caso de grandes bancos é próxima da taxa básica de juros da economia, a Selic. Valor Financiado é o valor concedido ao cliente na operação. Custo Contrato é o custo marginal de conceder um novo contrato. Lucro Operacional é o resultado gerencial obtido em uma operação. Voltando ao exemplo anterior, qual o resultado do contrato se o cliente paga todas as parcelas do contrato? O resultado de um contrato de reais em 6 parcelas mensais a uma taxa de 12% ao mês pago integralmente seria 360 reais como vemos na figura a seguir: Figura 11: Resultado Gerencial Portanto, o spread ou retorno da operação é 360/1000 ou 36% no prazo médio da operação, aproximadamente 3,5 meses. Porém, este não é o único tipo de contrato em uma carteira de clientes de uma instituição financeira. Há contratos em parcelas não são pagas e cujo resultado é inferior ao do caso estudado.

23 O resultado do exemplo anterior no caso de inadimplência pode ser visto na figura a seguir: Figura 12: Resultado Gerencial II A partir de 4 parcelas pagas, o resultado gerencial da operação se torna negativo e pode ser negativo em reais no caso do não pagamento de todas as parcelas. Neste caso podemos dizer que houve 100% de inadimplência em termos dos valores previstos para receber. Definiremos inadimplência como o percentual não pago dos valores das parcelas contratadas. Inadimplência = Total não Pago/Valor das Parcelas No caso em que uma parcela não é paga, a inadimplência é de 1/6 ou 17%, mas ainda assim, o resultado é positivo em 137 reais, retorno de 14%. No caso de um contrato, a inadimplência assume valores discretos, como 1/6, 2/6, etc., no caso de 6 parcelas e 1/12, 2/12, etc., no caso de 12 parcelas. Porém, quando tratamos de um conjunto de contratos de valores diversos e parcelas de valor distinto, o índice de inadimplência pode assumir qualquer valor e torna-se uma variável contínua. Este índice será muito utilizado ao longo do trabalho e daqui por diante quando o termo inadimplência for mencionado, estaremos tratando do conceito acima descrito. Outro conceito importante é o Percentual de Sinistro, definido como o percentual de contratos não pagos integralmente. Sinistro = número de contratos não pagos/total de contratos Definidos os conceitos específicos e o contexto, passaremos ao desenvolvimento dos modelos.

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS

QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS O percentual de famílias endividadas em Santa Catarina caiu de 93% em julho para 90% em agosto.

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 1 RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 Pesquisa realizada pelo Uni-FACEF em parceria com a Fe-Comércio mede o ICC (Índice de confiança do consumidor) e PEIC (Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor)

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família Núcleo de Pesquisas Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina Os dados levantados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP AGENDA NOSSA PROPOSTA DE VALOR CICLO DE CRÉDITO CONCESSÃO GESTÃO DE CARTEIRA FRAUDE COBRANÇA Grupo Experian Experiência global, inteligência e dedicação locais No

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Projeto Supervisionado

Projeto Supervisionado Projeto Supervisionado Caio Almasan de Moura ra: 095620 Indice 1. Introdução 2. Principal Projeto: Modelo de Score 2.1. Objetivo... pg 3 2.2. Agentes Envolvidos... pg 3 2.3. Contextualização... pg 3 2.4.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Famílias endividadas e com contas em atraso (%)

Famílias endividadas e com contas em atraso (%) Núcleo de Pesquisas Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de Chapecó A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor é um importante indicador da saúde financeira das famílias,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99)

Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99) Projeções econômicas para o setor de seguros Ano 2000 (Trabalho concluído em 21/10/99) Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), Professor do MBA - Gestão Atuarial e Financeira (USP) e-mail: galiza@gbl.com.br

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro

Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro Na comparação mensal entre outubro e novembro, o percentual

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

Pontuação: 125 probabilidade média de inadimplência na faixa de 101 a 150: 22,50%

Pontuação: 125 probabilidade média de inadimplência na faixa de 101 a 150: 22,50% Confidencial Para: J&R 28/03/2014 11:05 Versão 2.12.1 RELATO RELATÓRIO DE COMPORTAMENTO EM NEGÓCIOS DISPLAY COMERCIO E DISTRIBUIO EIRELI EPP CNPJ: 19.728.709/0001-36 VALORES EM REAIS 28/03/2014 11:05:22

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

1 Introdução 1.1. Contextualização

1 Introdução 1.1. Contextualização 1 Introdução 1.1. Contextualização O mercado de cartões no Brasil ainda está em fase de amadurecimento. A maior estabilização da economia brasileira com o plano real após 1994 permitiu uma explosão da

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Projeto: O Crédito & o Endividamento do Consumidor de Baixa Renda. (Oportunidades & Riscos)

Projeto: O Crédito & o Endividamento do Consumidor de Baixa Renda. (Oportunidades & Riscos) Projeto: O Crédito & o Endividamento do Consumidor de Baixa Renda (Oportunidades & Riscos) 1 Histórico A TNS Interscience desenvolve regularmente Estudos Institucionais cujo objetivo é o de identificar

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo SONDAGEM DE OPINIÃO Outubro de 2006 1 Características da Pesquisa Objetivos: Identificar as principais formas utilizadas pelas empresas

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4.1 Preparação de Dados Foi utilizada uma base de dados de 156 clientes que tiveram o vencimento de seus títulos compreendidos no período de abril

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito

Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito Os dados coletados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo Agenda 1 Cadastro Positivo: como estamos 2 O que muda no novo cenário 3 Benefícios do Cadastro Positivo

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF GOIÂNIA - GO JULHO/2014 SUMÁRIO Série histórica do ICF... 3 Resultado do ICF... 4 Situação do emprego... 5 Perspectiva profissional... 6 Situação de renda... 7 Acesso

Leia mais

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Mais de um terço dos brasileiros desconhecem o valor das contas que vencem no próximo mês. Falta

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 1.800,00 - ANEXO 1

TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 1.800,00 - ANEXO 1 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PME Premium 4 TABELA DE PREÇOS - CONSUMO MÍNIMO DE R$ 1.800,00 - ANEXO 1 Este anexo é parte integrante do contrato assinado entre a CONTRATADA e a CONTRATANTE, referente

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais