AUDITORIA DE PROCESSO: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITORIA DE PROCESSO: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA"

Transcrição

1 AUDITORIA DE PROCESSO: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Emilio Elias Santana (UFG) Lie Yamanaka (UFG) Uma exigência cada vez maior pode ser encontrada em termos necessidade de resposta ao mercado na promoção de melhorias de desempenho em qualidade, flexibilidade, custos. Na indústria automobilística, existe um mercado altamente competitivoo em que tal realidade é ainda mais presente. Assim, conhecer e aplicar novas metodologias e ferramentas nesse setor ocorre de maneira constante. Este trabalho tem como objetivo apresentar a Auditoria de Processos, baseada na norma alemã VDA 6.3, como ferramenta para melhoria de desempenho, em uma indústria automobilística do interior do estado de Goiás. Para tanto foi realizado um estudo de caso que demonstrou a realidade dos processos, bem como identificou os pontos a serem melhorados para a implementação definitiva da ferramenta. Palavras-chaves: auditoria de processo, qualidade, VDA 6.3

2 1.0Introdução A disputa acirrada por um lugar de destaque no mercado atual faz com que as empresas busquem constantemente o aperfeiçoamento dos seus sistemas de gestão da qualidade. Para conseguir este objetivo, toda a cadeia produtiva precisa estar interligada através de um ciclo de melhoria contínua, sob a visão de processos. Atendendo a tal tendência a auditoria de processo se apresenta como um instrumento particular, com mecanismos e objetivos específicos, representando uma ferramenta efetiva para a prevenção e correção de falhas em processos produtivos (REBELATO, FERREIRA e RODRIGUES, 2006; WYNNE e MANNERS, 2001). Em se tratando de auditorias de processos, o VDA é um guia para o gerenciamento da qualidade que objetiva estabelecer diretrizes comuns para o desenvolvimento de Sistemas da Qualidade para a indústria automobilística. A auditoria de processos faz parte da estratégia VDA, volume 3, e tem como finalidade avaliar a eficácia da qualidade, tendo como resultado processos mais eficientes e controlados. Apesar das auditorias de processos se mostrarem eficazes na detecção, prevenção e eliminação de não conformidades no processo produtivo, elas são pouco empregadas no segmento automotivo (FERREIRA et al, 2008), verificando-se por isso a necessidade de entender melhor essa ferramenta. De acordo com esta proposta, o presente artigo tem por objetivo apresentar os resultados de implementação da auditoria de processos, com referência na norma VDA 6.3, na linha de montagem de chassi em uma montadora de automóveis situada no interior do estado de Goiás. Para isso, este trabalho está dividido em 6 tópicos.. No próximo tópico é apresentado o Sistema de Gestão da Qualidade de acordo com as normas certificadoras. O tópico 3 comenta a respeito das auditorias e suas subdivisões. Complementando o tema anterior, o tópico 4 detalha a auditoria de processos de acordo com a norma VDA 6.3. Por fim, os tópicos 5 e 6 detalham o processo de implementação da auditoria de processos e as considerações finais para a implementação definitiva. 2.0Sistemas de Gestão da Qualidade Com a competição acirrada dos mercados globais, as empresas perceberam a necessidade de reavaliar seus sistemas de gestão. Para alcançar os benefícios da qualidade, as organizações implementam um sistema de gestão da qualidade, que apresenta elementos inter-relacionados para gestão da qualidade e da organização. Até a primeira metade do século passado a prática da gestão da qualidade era limitada ao processo de fabricação, voltada para a inspeção. Entretanto, nas últimas décadas a gestão da qualidade ganhou nova dimensão, envolvendo toda a organização e não somente a área produtiva (TOLEDO e CARPINETTI, 2000). A partir da década de 80, a gestão da qualidade ficou bastante associada aos sistemas ISO 9000, que propõem a padronização, a abordagem sistêmica para a gestão e o foco no cliente (ISO, 2008). A ISO é uma organização não-governamental (ONG) sediada em Genebra, na Suíça e atua em 148 países. Foi criada oficialmente no dia 23 de fevereiro de 1947 com o objetivo de facilitar a coordenação internacional e a unificação de padrões técnicos. Possui alta representatividade na emissão de normas internacionais de âmbito global, atualmente atingindo148 países (VALLS, 2004). 2

3 A série ISO 9000 foi publicada inicialmente em 1987 e sofreu revisões em 1994, 2000 e Uma mudança significativa em relação a norma aconteceu no ano de 2000, que com foco anterior em assegurar a qualidade do produto, passou a incluir a necessidade de demonstrar sua capacidade de atingir a satisfação do cliente, com a aplicação da melhoria contínua de seus processos e da prevenção de não conformidades. Em vez de um sistema de garantia da qualidade, a norma passa a ser caracterizada como um sistema de gestão da qualidade (CARPINETTI, MIGUEL E GEROLAMO, 2010). As normas ISO são classificadas por famílias, que são especificadas de acordo com a área de aplicação, conforme tabela 1. Norma ISO 9000 Sistema de gestão da qualidade - Fundamentos e Vocabulário ISO 9001 Sistema de gestão da qualidade Requisitos Descrição Estabelece termos e definições fundamentais usados nas normas da família ISO 9000, necessários para evitar interpretações errôneas durante seu uso Avalia a capacidade da organização em atender os requisitos do cliente e os regulamentos aplicáveis para, assim, satisfazer esses clientes Fornece orientação para atingir sucesso sustentado ISO 9004 para qualquer organização em um ambiente Sistema de gestão da qualidade - complexo, exigente e de constante mudança, Diretrizes para melhoria de provendo um foco mais amplo sobre a gestão da desempenho qualidade do que a norma ISO 9001 TABELA 1: Classificação das normas ISO Fonte: Carpinetti, Miguel e Gerólamo (2010) A ISO 9001 é a norma que traz os requisitos para implantação do sistema da qualidade e que é utilizada para implementação e, se for o caso, certificação da empresa, sendo divida em cinco principais requisitos: requisitos gerais e de documentação, responsabilidade da direção, gestão de recursos, realização do produto e por fim medição, análise e melhoria. Esses 5 requisitos são representados de uma maneira sistêmica, e por uma visão de processo, conforme demonstrado na figura 1. 3

4 FIGURA 1 Requisitos da ISO Fonte: ABNT ISO (2008) A família ISO 9000 está embasada em oito princípios que refletem uma visão atual sobre a gestão da qualidade vista de maneira estratégica. Entre estes princípios está a visão de processos. No entanto, pelo fato da norma ISO 9000 ser genérica, uma vez que pode ser aplicada a diferentes setores e diferentes tipos de empresa, muitas vezes se faz necessário complementá-la. Assim, somente a ISO 9000 é considerada pelas montadoras de automóveis insuficiente como padrão normativo para a qualidade e referenciais normativos próprios foram desenvolvidos, dentre eles a norma desenvolvida para o sistema da qualidade automotiva ISO TS e a norma alemã Verband der Automobiliindustrie (VDA 6.3), que apresenta instruções específicas para a realização de auditorias em processos. A norma ISO TS é uma especificação técnica ISO que busca equalizar e substituir as normas existentes do sistema da qualidade automotivo americano, alemão, francês e italiano, QS-9000 (Quality System Requirements), VDA 6.1 (Verband der Automobiliindustrie - Associação de Fabricantes para a Indústria Automobilística da Alemanha), EAQF (Evaluation Aptitude Qualité Fournisseur - Avaliação do Sistema da Qualidade do Fornecedor) e AVSQ (ANFIA Valutazione Sistemi Qualità - Avaliação de Sistema da Qualidade da ANFIA), respectivamente. Possui requisitos baseados na norma ISO 9001, complementados com elementos específicos da indústria automobilística. Os sistemas de gestão da qualidade baseados na norma ISO/TS têm como características marcantes o aperfeiçoamento do processo de melhoria contínua, prevenção de falhas, redução da variação e do desperdício, combinado com o aumento da confiabilidade e da capabilidade dos processos. 3. Auditorias De acordo com O Hanlon (2005) a auditoria é um exame formal de contas por meio de referências às testemunhas e aos comprovantes e que de acordo com a ABNT ISO 9000 (2005) é um processo sistemático, documentado e independente para obter a evidência de auditoria e avaliá-la objetivamente para determinar a extensão em que os critérios de auditoria são atendidos. 4

5 As auditorias de qualidade têm por objetivo verificar a conformidade de um sistema em relação ao que foi determinado, sejam em normas, procedimentos, legislações, entre outros (FERREIRA et al, 2008). A auditoria pode ser classificada em três tipos. Uma delas é a auditoria interna, ou de primeira parte, quando conduzidas pelos próprios membros da organização. A auditoria de segunda parte é quando o cliente audita um fornecedor em algum ponto na cadeia de suprimento. E por último a auditoria externa ou de terceira parte, é feita geralmente com a finalidade de certificação por representantes de organizações independentes (O HANLON, 2005). Em VDA (1998), as auditorias de qualidade são divididas em três tipos: a) Auditoria de Produto: avaliação das características da qualidade; b) Auditoria do Sistema da Qualidade: esta auditoria é realizada baseando-se em uma norma de gestão, como a ISO 9001:2000 ou a QS 9000, por exemplo. Esta auditoria consiste em verificar a aplicação das recomendações da norma e a conformidade da execução do trabalho com relação ao seu procedimento, visando a certificação no atendimento aos requisitos de uma norma de Gestão da Qualidade. c) Auditoria de Processo: esse tipo de auditoria procura identificar as falhas no processo, através da análise de parâmetros operacionais e do conhecimento técnico dos auditores. Cada uma destas auditorias da qualidade diferencia-se por suas características, abrangência e efeitos. As auditorias de produto têm como objetivo avaliar a conformidade do produto comparado aos requisitos estabelecidos. As falhas detectadas requerem ações corretivas, e posteriormente ações preventivas abrangentes que impeçam a reincidência da mesma nãoconformidade; possuem um caráter corretivo em relação à qualidade. Já as auditorias de sistemas são tipicamente auditorias de conformidades, buscam avaliar a aplicação dos requisitos da norma de referência aos processos definidos no escopo da organização. As auditorias de processo por sua vez verificam o cumprimento de instruções e procedimentos operacionais e especificações do processo, entre outros aspectos, como organização e limpeza, treinamento, logística. Este tipo de auditoria possui caráter preventivo, pois tem como principal objetivo a prevenção das falhas no produto, através da avaliação de falhas no processo (VDA, 1998; FERREIRA et al, 2008). 4. Auditoria de Processo Segundo a Norma VDA 6.3 A Verband der Automobilindustrie (VDA) ou Associação da Indústria Automobilística Alemã foi criada em 1901, na cidade de Eisenach, Alemanha. Tem como filosofia que grande parte dos problemas de qualidade está ligada à administração, organização e estruturas das organizações, não representam exclusivamente problemas de natureza técnica. Uma das ferramentas para avaliar a eficácia da qualidade é a auditoria de processos. A norma VDA (1998) afirma que as auditorias de processos servem para avaliar a eficácia da qualidade. Estas devem conduzir a processos mais eficientes e controlados, robustos a ponto de não estarem sujeitos a interferências. A VDA é dividida em 19 manuais que abrangem todas as questões relacionadas à qualidade na indústria automobilística. Os principais volumes publicados e seus respectivos assuntos são: VDA 1: Evidências de Conformidade. VDA 2 : Asseguramento da Qualidade de Fornecimentos. VDA 3: Confiabilidade do Automóvel - Fabricantes e Fornecedores. 5

6 VDA 4.1 / 4.2 / 4.3: Asseguramento da Qualidade antes do inicio da Série. VDA 6: Princípios para Auditorias da Qualidade / Auditoria e Certificação VDA 6.1: Auditoria de Sistemas de Qualidade / Indústria VDA 6.2: Auditoria de Sistemas de Qualidade / Serviços VDA 6.3: Auditoria do Processo VDA 6.4: Auditoria de Meios de Produção / Ferramentas VDA 6.5: Auditoria de Produto VDA 6.6: Auditoria de Serviços. VDA 7: Princípios para troca de informações de Qualidade VDA 8: Guia de Asseguramento da Qualidade para Fabricantes de Trailers, Containers ou Estruturas Similares. VDA 9 : Asseguramento da Qualidade de Emissões, Sistemas de Exaustão e Consumo de Combustível. A VDA 6 Parte 3 é o guia que informa sobre o significado e a área de aplicação da auditoria de processos de manufatura ou serviços e esclarece a relação entre auditorias de sistemas, processos e produtos. É utilizada para avaliar e monitorar a implementação dos processos e assegurar a sua confiabilidade, e em caso de discrepâncias tomar as medidas apropriadas para as correções necessárias. A VDA 6.3 é dividida em duas partes principais: a parte A, que aborda questões específicas relacionadas ao processo de criação do produto e a parte B, que aborda questões relacionadas à aplicação em série. Cada uma das partes é subdividida em elementos do processo, conforme se verifica: Parte A: Processo de Desenvolvimento de Produtos 1: Planejamento do desenvolvimento dos produtos 2: Concretização do desenvolvimento dos produtos 3: Planejamento do desenvolvimento do processo 4: Realização do desenvolvimento do processo Parte B: Produção em Série 5: Fornecedores / Matéria Prima6: Produção 6.1: Pessoal / Qualificação 6.2: Meios de produção / Instalações 6.3: Transporte / Manuseio de peças / Armazenamento / Embalagem 6.4: Análise das falhas / Ações corretivas / Melhoria contínua 7: Assistência ao cliente / Satisfação do cliente Cada elemento do processo é avaliado através de questões específicas, onde uma nota é atribuída de acordo com o grau de atendimento comprovado ao estabelecido pela norma VDA 6.3, conforme ilustrado pela tabela 2. Nº PONTOS AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE EXIGÊNCIAS ISOLADAS 10 Exigências cumpridas completamente 8 Exigências cumpridas em sua maioria; poucas divergências 6

7 6 Exigências cumpridas em parte; deficiências maiores 4 Exigências cumpridas insatisfatoriamente; deficiências graves 0 Exigências não foram cumpridas TABELA 2 Avaliação dos elementos do processo. Fonte: VDA(1998) Caso a exigência seja totalmente cumprida, o processo auditado recebe 10 pontos para a questão avaliada. Tem-se como base que o cumprimento comprovado da exigência é a medida base para a pontuação, ou seja, caso o processo obtenha uma pontuação inferior a 10, faz-se necessária a elaboração de medidas de melhoria com prazos determinados. A taxa total de conformidade Ep para a auditoria de processo é calculada utilizando a equação 1: E p E E E E E de pe z pg k % % Número de etapas do processoavaliadas (1) onde os elementos relacionados na equação acima são avaliados separadamente e correspondem aos seguintes assuntos para a fabricação de produtos: E de : Desenvolvimento de Produtos (Elementos 1 e 2) E pe : Desenvolvimento de Processo (Elementos 3 e 4) E z: Matéria-prima / Peças Adquiridas (Elemento 5) E pg : Valor médio das Etapas do processo (Elemento 6) E k : Assistência ao cliente / Satisfação do cliente (Elemento7) Devido às diferentes etapas do processo produtivo dos respectivos grupos de produtos, no elemento Produção é necessária a elaboração de um resumo das etapas do processo (E pg ), que é calculado com uso da equação 2: E pg E E... E 1 2 n % % Número de etapas do processoavaliadas (2) onde E 1, E 2,..., E n são etapas avaliadas do processo. O grau de cumprimento E E de um processo é calculado de acordo com a equação 3: E E Soma de todos os pontosatingidos para as questões corretas 100% Soma de todos os pontospossíveis para as questões corretas Através da análise da taxa total de conformidade Ep, o processo pode ser classificado. Os critérios e faixas de classificação são padronizados de acordo com a tabela 3. (3) GRAU TOTAL DE AVALIAÇÃO DOS DENOMINAÇÃO DA 7

8 CONFORMIDADE (E P ) PROCESSOS CLASIFICAÇÃO 90 até 100 Atendido A 80 até abaixo de 90 Atendido na maioria AB 60 até abaixo de 80 Atendido com limitações B Abaixo de 60 Não atendido C TABELA 3 Critérios de Classificação. Fonte: VDA (1998) Quando o valor do grau de conformidade calculado está localizado entre 90 a 100%, os processos são considerados atendidos e recebem uma classificação A. Se este valor está entre 80 a 89%, os processos são considerados atendidos em sua maioria e recebem uma classificação AB. Para valores de E p de 60 a 79%, os processos avaliados são considerados atendidos, porém com limitações e são classificados como B. Caso o valor total de conformidade se encontre abaixo de 60%, os processos são considerados não atendidos e classificados como C. VDA (1998) destaca as seguintes observações: 1. Processos que ultrapassem um grau de conformidade de 90% ou 80%, mas que em um ou vários elementos atinjam um grau de conformidade abaixo de 75%, são classificadas de A para AB ou de AB para B. 2. Se algumas questões forem avaliadas com a pontuação zero, cujo não cumprimento possa ser decisivo na qualidade do produto ou processo, o processo pode ser reclassificação de A para AB, ou de AB para B. Em casos especiais é possível uma reclassificação para C. 5.0Processo de implementação da auditoria de processo Esta pesquisa envolveu o acompanhamento de um processo de implementação da auditoria de processos, segundo a norma VDA 6.3 em uma indústria automobilística do interior do estado de Goiás. A escolha da empresa se deu pelo fato da mesma estar iniciando a implantação da auditoria de processos referenciados na norma supracitada que até então realizava a auditoria segundo critérios próprios da empresa. A pesquisa pode ser classificada como uma pesquisa aplicada de ordem qualitativa, pois tem como objetivo principal interpretar o fenômeno a ser observado. No que diz respeito aos procedimentos técnicos se trata de um estudo de caso. De acordo com Yin (2005), o estudo de caso é um estudo empírico que investiga o fenômeno atual dentro do seu contexto de realidade, quando as fronteiras entre o fenômeno e o contexto não são claramente definidas e no qual são utilizadas várias fontes de evidência. O estudo de caso único foi escolhido devido à necessidade de priorização na aplicação dos conceitos no processo mais crítico da impresa e também por trazer como vantagens: a possibilidade de estudar o caso em profundidade; enfatizar o contexto em que ocorrem os fenômenos e permitir a compreensão do fenômeno sob a perspectiva dos membros do grupo ou organização (GIL, 2009). Os dados utilizados neste estudo de caso são obtidos por meio de observação participante, entrevistas e análise de documentos em uma auditoria piloto realizada em uma das linhas de montagem da empresa, na qual é feita a montagem dos itens agregados ao chassi do veículo, neste trabalho denominada como Linha A. A escolha foi feita para análise por ser uma área crítica da empresa, pois depende de fornecedores internacionais e assim exige uma maior necessidade de que os processos internos sejam controlados e se consiga identificar se o problema parte de um processo interno ou do fornecedor. 8

9 A sistemática da auditoria de processo foi determinada de acordo com o fluxo especificado na figura 2. O início do processo de preparação da auditoria é marcado pela formação da equipe de auditoria, da qual fazem parte representantes da área de produção, com experiência de mais de dois anos coordenação dos processos, bem como representantes das áreas suporte (Recursos Humanos, Saúde e Segurança, Manutenção e Gestão Ambiental). Esta equipe é responsável por todas as etapas da auditoria de processos, desde a preparação até a verificação da eficácia das ações. Tipo de auditoria Auditoria regular Auditoria extraordinária orientada para um fato Início Preparação e documentação Elaborar / Alterar plano de auditoria Realização SIM Avaliação Fim NÃO Necessidade de outras auditorias Reunião final Relatório da auditoria e documentação NÃO Deficiência SIM Plano de ações Executar ações Inspeção de eficácia / Acompanhamento SIM Eficácia comprovada? NÃO FIGURA 2 Diagrama de Fluxo do Plano de Auditoria. Fonte VDA (1998) Após a formação da equipe de auditoria, ainda na fase de preparação, acontece a definição do processo a ser avaliado (Linha A). Em seguida, é feita a estruturação dos processos (subdivisão do processo em etapas) e a determinação das interações e dos parâmetros que 9

10 exercem influência sobre eles, baseado dos 6Ms (Método, Meio-ambiente, Medição, Mão de obra, Máquina, Material). A partir disso, é feito levantamento das entradas (inputs) e saídas (outputs), de acordo com modelo definido na figura 3. Após a conclusão da estruturação dos processos, a equipe de auditoria inicia a elaboração do questionário (check list), que tem como referência o Manual da Qualidade da empresa, os procedimentos, instruções de trabalho específicas e indicadores de qualidade. Além das questões sugeridas pela norma VDA 6.3, o questionário também contém questões específicas aplicáveis a determinadas etapas do processo. FIGURA 3 Modelo para Estruturação de Processos. Finalizada toda a fase de preparação, a próxima etapa é a de realização da auditoria, que foi denominada auditoria piloto, pois a partir dela serão levantadas todas as necessidades de melhoria. O início desta etapa é marcado pela reunião inicial, na qual são apresentados o objetivo da auditoria de processo, o plano de auditoria e a equipe auditora, e esclarecidas questões pendentes. Conforme definido anteriormente, a auditoria é realizada com base no check list, porém outras questões podem surgir durante a auditoria. Estas questões serão inseridas como observações e serão avaliadas posteriormente quanto à necessidade de serem acrescentadas a uma nova revisão do check list. Concluída a realização da auditoria de processos, é feita a avaliação parcial atribuindo a nota de avaliação para cada uma das questões, obedecendo ao critério definido pela norma VDA (tabela 2). Várias deficiências foram levantadas, sendo que as mais representativas estão listadas na tabela 4: Todos os apontamentos da auditoria piloto de processos fazem parte do relatório, que contém a avaliação final (Figura 4), definida com base nos critérios de classificação anteriormente citados. As médias E 1, E 2 e E 3 se referem à nota média obtida na avaliação das questões que compõem cada elemento (Pessoal/Qualificação, Meios de Produção e Instalação, Transporte / Manuseio / Armazenamento / Embalagem de Peças, Análise das falhas / Correções / Melhoria Contínua) 10

11 em cada uma das 3 etapas do processo da linha A. Os percentuais E U1, E U2, E U3 e E U4 representam o percentual de atendimento do respectivo elemento, e o grau de conformidade do processo E (%) é determinado pela média aritmética entre os percentuais de atendimento dos elementos E U1 a E U4, obtendo a classificação A. QUESTÃO ASSUNTO DEFICIÊNCIAS AVALIAÇÃO Meios de Produção / Instalações e Equipamentos Meios de Produção / Instalações e Equipamentos Meios de Produção / Instalações e Equipamentos Meios de Produção / Instalações e Equipamentos Transporte / Manuseio / Armazenamento / Embalagem Transporte / Manuseio / Armazenamento / Embalagem Transporte / Manuseio / Armazenamento / Embalagem Análise das falhas / Correções / Melhoria Contínua Instrução de Inspeção encontrase desatualizada, conforme os exemplos: * Falta informar a checagem do número de identificação do cardã traseiro * Não cita a verificação do tipo de porca fixada * Não consta a verificação do tipo de barra de torção O Plano de Controle de Manutenção Preventiva de Equipamentos da área está desatualizado O dispositivo da Altura do Limitador do Ângulo de Giro da Roda está com calibração vencida Etiquetas de identificação dos dispositivos com visualização ruim. Eixo da caixa de direção - divergência na identificação entre dispositivo de armazenamento e folha de processo Deficiência no armazenamento do item "Tubulações de Freio de Combustível" Excesso de pré-montagem do item "Bomba de Vácuo do Diferencial Traseiro", podendo ocasionar quedas e gerar danos nas mesmas. Não há operações planejadas na Carta de Versatilidade para operadores que vieram de outras áreas e que ainda não possuem treinamento em 04 operações

12 diferentes TABELA 4 Avaliação parcial da auditoria de processos (Piloto) A avaliação final e as constatações são apresentadas na reunião final da auditoria. Todos os apontamentos são definidos após o consenso entre auditor e auditado. Para todas as deficiências verificadas foi solicitado plano de ação para a implementação das ações corretivas, que serão elaborados pelos responsáveis de cada etapa do processo, visto que o objetivo é a melhoria continua para alcançar graus de conformidades mais próximos a 100%. AUDITORIA INTERNA DE PROCESSO Empresa auditada: XXX Área: Linha A Relatório nº: 01/2010 PRODUÇÃO 6.1 Pessoal/ Qualificação 6.2 Meios de Produção e Instalação 6.3 Transporte/ manuseio/ armazenamento/ embalagem de peças 6.4 Análises das falhas/ ações corretivas/ melhoria contínua MÉDIA Processo 1: E1 88 Processo 2: E2 97 Processo 3: E3 98 Montagem dos sub-elementos (Processo Médio): E U1 (%) 100 E U2 (%) 90 E U3 (%) 91 E U4 (%) 97 Média do grau de conformidade E (%) = E1 + E E20 = 94 % No. de elementos avaliados CLASSIFICAÇÃO DO GRAU DE CONFORMIDADE: A FIGU FIGURA 4 Avaliação final da auditoria de processo A eficácia das ações estabelecidas será acompanhada através de auditorias de verificação no processo. Caso a eficácia das ações não possa ser comprovada satisfatoriamente, o plano de ação deve ser revisado e apresentado posteriormente para nova verificação, até que a eficácia seja plenamente comprovada. 6.0Considerações Finais A auditoria de processos tem como objetivo a prevenção de falhas no produto, através da identificação das falhas no processo, por meio da análise de parâmetros operacionais, tais como procedimentos operacionais, especificações de processo, entre outros. Em se tratando de padrões normativos, a utilização da norma VDA 6.3 como referência para a realização da auditoria mostra-se como sendo de grande relevância, tendo em vista que a norma ISO 9001:2008 possui requisitos abrangentes e aplicáveis a diversos tipos de empresa e tem como característica a certificação. A norma VDA 6.3 apresenta instruções específicas para a indústria automobilística, o que representa uma ferramenta de apoio para implementação de sistemas de gestão da qualidade baseados na norma ISO TS 16949, tendo em vista seu caráter preventivo, através do acompanhamento de cada fase do processo. 12

13 A partir da realização da auditoria piloto, é possível levantar alguns pontos importantes a serem considerados para a implementação da Auditoria de Processos, conforme a norma VDA 6.3, em outros setores da empresa. O processo de implementação também pode ser analisado e comparado a outros processos de implementação que outras empresas possam a vir a utilizar. Entre os pontos positivos identificados durante o processo de implementação na empresa, merece destaque o comprometimento de toda a equipe auditada (supervisor, operadores, técnicos e engenheiros) com a realização da auditoria de processo. Outro aspecto importante se refere à verificação da necessidade de melhoria de diversos pontos do questionário (check list) utilizado na auditoria. Entre as principais oportunidades de melhoria, enfatiza o redimensionamento do tempo para a realização da auditoria, necessidade de formação de mais auditores de processo, nomeação de um responsável por receber a auditoria em cada processo. Com base nestes resultados pode-se perceber a importância da realização da Auditoria de Processo na busca da melhoria da qualidade dos processos e do produto final, pois através dela é possível obter os seguintes benefícios: Reduzir a ocorrência de produtos não-conformes; Corrigir de forma eficiente e eficaz as deficiências encontradas; Reduzir perdas; Reduzir a variação do processo e do produto; Proporcionar condições favoráveis para a melhoria contínua. Embora a empresa não tenha utilizado os requisitos da VDA como referência para as auditorias anteriores à realização da auditoria de processo, verifica-se que ela se adéqua a norma visto o grau de conformidade apresentado na auditoria. No entanto, se faz necessário realizar a auditoria em outras partes da empresa para verificar comprovação desse fato. Estas auditorias serão realizadas após a revisão e melhoria do questionário utilizado. A partir disso as Auditorias de Processo serão realizadas de maneira sistemática e farão parte do cronograma de auditorias da empresa, cujos resultados são esperados a médio e longo prazo. 7. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9000: Sistemas de gestão da qualidade fundamentos e vocabulário. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9001: Sistemas de gestão da qualidade - requisitos. Rio de Janeiro, CARPINETTI, L. C. R.; MIGUEL, P.A.C.; GEROLAMO, M.C. Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 Princípios e Requisitos. 3ª Edição FERREIRA, D.C.; RODRIGUES, A.M.; REBELATO, M.G.; CLETO, M.G. A auditoria de processo como suporte à melhoria contínua: estudo de caso em uma montadora de automóveis. Revista Produto&Produção, vol. 9, n. 1, p , fev GIL, A. C. Estudo de caso: fundamentação científica, subsídios para coleta e análise de dados e como redigir o relatório. São Paulo: Atlas, VDA. Gerenciamento do Sistema da Qualidade na Indústria Automobilística. 1ª Edição, O HANLON, T. Auditoria da Qualidade: com base na ISO conformidade agregando valor. São Paulo: Saraiva, REBELATO, M.G.; FERREIRA, D.C.; RODRIGUES, A.M. Estudo dos resultados da aplicação da auditoria de processo em uma montadora automobilística. In: XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção ENEGEP, 2006, Fortaleza, CE. Anais do XXVI ENEGEP. Fortaleza: ABEPRO, TOLEDO, J.C.; CARPINETTI, L.C.R. Gestão da Qualidade na Fábrica do Futuro. In: ROZENFELD, H. A Fábrica do Futuro. São Paulo: Banas,

14 VALLS, V.M. O enfoque por processos da NBR ISO 9001 e sua aplicação nos serviços de informação. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 2, p , maio/ago WYNNE, D.; MANNERS, P. Process audit: for project improvement, not punishment. Quality Audit Conference Transactions, Atlanta, v.10, n.0, p , feb, YIN, R. K. Estudo de Caso Planejamento e Métodos. 3 ed. São Paulo: Bookman,

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Sistemas Premissas Básicas

Sistemas Premissas Básicas Sistemas Premissas Básicas Todo o sistema tem um OBJETIVO Geralmente, o objetivo de um sistema é transformar os insumos em produtos Todo o sistema é formado por um ou mais elementos, ou componentes, das

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado AUDITORIAS INTERNAS

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado AUDITORIAS INTERNAS 1 de 8 1 OBJETIVOS Definir uma metodologia para planejamento e realização das Auditorias Internas que visam medir grau de implementação e operacionalidade do Sistema de Gestão da Qualidade SGQ, e se o

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1 Certificação NBR Requisitos A partir da versão 1994, a série ISO 9000 passou a ser conhecida como família ISO 9000 ; leva em conta duas situações, a contratual e não contratual; Para a situação não contratual

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S

C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S C A T Á L O G O D E T R E I N A M E N T O S 200 D I F E R E N C I A D O S Sistema de Gestão Unificado - Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacional.. Baseado no padrão C&Z4003 que reúne os

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM COTEC - Coordenação de Tecnologia

Leia mais