PSICOPATOLOGIA DA TRANSICIONALIDADE: EM BUSCA DE UMA RAIZ COMUM ÀS DIVERSAS FORMAS DE ADICÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PSICOPATOLOGIA DA TRANSICIONALIDADE: EM BUSCA DE UMA RAIZ COMUM ÀS DIVERSAS FORMAS DE ADICÇÃO"

Transcrição

1 PSICOPATOLOGIA DA TRANSICIONALIDADE: EM BUSCA DE UMA RAIZ COMUM ÀS DIVERSAS FORMAS DE ADICÇÃO Garzon, Francisco Tosta, Rosa Maria Na saúde, contudo, dá-se uma ampliação gradual do âmbito de interesses e, por fim, esse âmbito ampliado é mantido, mesmo quando a ansiedade depressiva se aproxima. A necessidade de um objeto específico ou de um padrão de comportamento que começou em data muito primitiva pode reaparecer numa idade posterior, quando a privação ameaça. (Winnicott, 1975, p. 17) Como vimos, no caso do menino dos cordões, que motivou a presente pesquisa, Winnicott (1975) observou o uso fetichizado dos cordões, que passaram a servir como mecanismo de negação da separação. Diante da constante ausência de sua mãe, seja por hospitalizações, ou por depressão, o menino viu-se privado do contato com a mãe, ainda muito cedo em sua vida. Na adolescência, o menino desenvolveu adicção a drogas. Examinando esta história, Winnicott identifica que uma patologia na área dos fenômenos transicionais que consideramos ser uma patologia da transicionalidade - poderia ensejar a adicção a determinado objeto ou conduta, descrita então por ele em termos do uso fetichizado de um objeto. Além da possibilidade mencionada por Winnicott (1975), em que ocorreria o uso fetichizado de um objeto, que neste caso passa a ser utilizado para negar a separação em relação à mãe, pensamos o surgimento das adicções como um modo falho de relação do sujeito com a realidade, de modo mais amplo, como sugeriu Winnicott, levando em consideração uma patologia da transicionalidade. O caso oferecido por Winnicott é apenas uma provocação, uma possibilidade entre muitas de constituição de uma adicção. Propomos pensarmos para além deste caso de uso fetichizado de um objeto, buscando aquilo que determinaria tal padrão de uso do objeto. O uso fetichizado de um objeto caracteriza-se pela atribuição, ao objeto em questão, de características que ele originalmente não possui. No caso do menino dos cordões, o objeto que originalmente desempenha a função de atar, amarrar, conectar,

2 ligar, passa a ter a função de negar a separação - função esta, que representa uma forma peculiar de subversão de seu escopo essencial. O que existe por trás do uso fetichizado de um objeto é a manutenção da possibilidade de manipulação onipotente do ambiente, como ocorria imaginariamente, do ponto de vista do bebê, na fase de dependência absoluta. Permanece, em certa medida, a possibilidade de atribuição mágica de valores ao objeto. No entanto, se todos passam por situações que suscitam sofrimento psíquico, ansiedade, angústia, por que alguns partem para o uso fetichizado de um objeto enquanto outros encontram maneiras diversas de lidar com estas situações? Aí se insere a questão da transicionalidade, o ponto a partir do qual Winnicott nos parece ter inserido a cogitação acerca da patologia dos fenômenos transicionais. O uso fetichizado de um objeto se torna economicamente viável e passa a ser a solução única, a escravizar o sujeito, quando não existe, pela via da transicionalidade, possibilidade diversa. O objeto fetichizado surge para mediar, de forma mágica, onipotente, a relação do sujeito com a realidade, de modo que o sujeito possa manipular, imaginariamente, através do objeto, os aspectos da realidade que representam para ele fonte de desprazer, ameaça, sofrimento. Na saúde, como diria Winnicott, o sujeito valer-se-ia da transicionalidade e de todo universo de possibilidades que ela introduz, para mediar sua relação com o mundo. O viver criativo, que consideramos ser a expressão máxima da transicionalidade, seria possível e o sujeito habitaria o espaço da localização cultural, vivendo em um mundo que ele cria e encontra ao mesmo tempo, que tem para ele o sentido do familiar e dá a ele a sensação de que a vida merece ser vivida (Winnicott, 1975) Neste sentido, o objeto de adicção representa algo que não pode ser obtido através da via transicional, segundo Winnicott (1975), por uma falha /patologia na área dos fenômenos transicionais. Na saúde, a transicionalidade deve ser capaz de fornecer alternativas ao objeto de adicção. Assim, a relação existente entre uma adicção e a transicionalidade resta no fato de que a adicção, enquanto solução que faz do adicto seu escravo, aparece como sintoma da falha transicional do sujeito. Mas o que significa dizer que alguém sofre de uma patologia da transicionalidade? A nosso ver, significa ter comprometida sua capacidade de viver criativamente. Segundo Winnicott (1975), a capacidade para o viver criativo é fruto do exercício amplo da transicionalidade, talvez em sua expressão máxima. A patologia em questão pode

3 incidir sobre vários aspectos da transicionalidade, podendo se dar, por exemplo, no nível dos fenômenos transicionais, como no caso do menino dos cordões. No entanto, como não trataremos de especificidades desta natureza, ao considerarmos este tipo patológico uma patologia da transicionalidade, reconhecemos seus efeitos mais exuberantes sobre o viver criativo. A economia psíquica que determina a escolha de um só objeto, uma só solução para mediar a relação do sujeito com a realidade, baseia-se em uma incapacidade de encontrar em si mesmo ou no mundo soluções constantemente criadas para lidar com o desprazer ou com a ausência do outro. Automaticamente, o adicto volta-se para a solução que pode há muito ter encontrado, ignorando outras formas de expressão ou alívio que estão em si e no mundo para ser encontradas e combinadas. Não estamos sugerindo que o adicto seja simplesmente uma pessoa pouco dotada de criatividade, no sentido usual da palavra. Pelo contrário, é muito comum que grandes criativos do campo das artes, por exemplo, sejam adictos. Sugerimos, sim, que exista uma limitação em sua capacidade para o viver criativo, segundo o concebeu Winnicott. 1 No mesmo sentido, não sugerimos que qualquer tipo de uso de objeto para mediação da realidade (mesmo o uso de drogas) configure uma adicção. Nosso critério é claro: entendemos o adicto como aquele que se torna escravo de uma só solução. (McDougall, 2001) A solução adictiva seria, assim, uma tentativa de auto-cura, de proteção diante de uma realidade que surge como insuportável, opressiva, a atingir um sujeito que possui recursos transicionais limitados para estabelecer as negociações que abrandariam o caráter contundente desta experiência. Mas qual seria, então, a dinâmica desta patologia da transicionalidade que limita o viver criativo e que poderia levar à escolha econômica adictiva? A resposta está na incapacidade de sustentar o processo dialético entre os registros do mundo subjetivo e do mundo objetivamente compartilhado de que a transicionalidade depende para ser uma via possível de relação entre o sujeito e o 1 Lembramos aqui que segundo Winnicott, a criatividade que estamos estudando relaciona-se com a abordagem do indivíduo à realidade externa. (WINNICOTT, 1975, p. 98) Esta abordagem do indivíduo em relação á realidade externa tem sua expressão consagrada naquilo que Winnicott (1975) denominou viver criativo, pensado por ele como: By creative living I mean not getting killed or annihilated all the time by compliance or by reacting to the world that impinges; I mean seeing everything afresh all the time (WINNICOTT, 1990, p.41)

4 mundo. Segundo Thomas Ogden (1995), esta incapacidade em sustentar o processo dialético levaria o sujeito a viver sua relação com o mundo a partir de uma posição mais próxima de um dos pólos da relação dialética em questão. O sujeito, assim, estaria mais próximo da loucura ou isolamento impostos pela polarização na subjetividade, que teria conexão limitada com a realidade compartilhada ou, por outro lado, estaria mais próximo da objetividade que, segundo Winnicott também seria uma forma patológica: (...) pode-se afirmar que existem pessoas tão firmemente ancoradas na realidade objetivamente percebida que estão doentes no sentido oposto, dada a sua perda do contato com o mundo subjetivo e com a abordagem criativa dos fatos. (WINNICOTT, 1975, p. 97) A incapacidade de sustentação do processo dialético poderia, como vimos anteriormente, ocorrer de forma a ensejar a dissociação entre realidade e fantasia de modo a evitar um conjunto específico de significados, como ocorreu no caso do menino dos cordões (negar a separação) ou, ainda, de forma extrema, ensejar a cessação da atribuição de significado à percepção do mundo. (Ogden, 1995) No entanto, nossa hipótese é de que a adicção apareceria como sintoma de uma patologia da transicionalidade em casos menos extremos do que aqueles relativos a uma aproximação quase absoluta em relação a um dos pólos do eixo subjetividade realidade compartilhada. Em casos em que a polarização comprometesse o processo dialético, prejudicando a capacidade do viver criativo pleno, mas nos quais ainda haveria contato com a subjetividade e com a realidade compartilhada. Em casos extremos (e hipotéticos) como na cessação de atribuição de sentido à realidade, o uso adictivo de um objeto pertencente ao mundo seria inviável, pois não haveria atribuição de sentido a este objeto enquanto solução para o sofrimento psíquico trazido pelo fechamento na realidade subjetiva. No outro extremo, pensando em caso hipotético de total assujeitamento à realidade objetiva, sequer existiria um self verdadeiro a sofrer imposições vindas de fora; não haveria, aí, o conflito psíquico, o desprazer trazido pelo contato com a realidade objetiva. Não haveria o uso de um objeto simplesmente porque o contato com a realidade externa não causaria mal-estar.

5 Nossa hipótese incide, portanto, sobre os casos em que a capacidade para a transicionalidade seja limitada, de modo a favorecer a adoção de um objeto único a mediar a relação dialética entre os dois pólos da experiência. Resumo: Após acompanhar por muitos anos o caso de um menino que aparentemente apresentava uma patologia na área dos fenômenos transicionais e que na adolescência desenvolveu um quadro de dependência de drogas, Winnicott questiona se um investigador que efetuasse um estudo daquele caso de vício em drogas daria a devida consideração à psicopatologia manifestada na área dos fenômenos transicionais. A provocação sugere que o fenômeno da adicção a drogas poderia estar ligado a falhas ambientais que comprometeriam o processo maturacional, de forma a deixar o indivíduo incapaz (ou menos capaz) de criar e manter objetos internos ou objetos / fenômenos transicionais responsáveis por oferecer a segurança representacional necessária para enfrentar o ambiente e a ele se adaptar. Assim, esta pesquisa investiga de que forma uma psicopatologia na área dos fenômenos transicionais poderia estar relacionada ao surgimento, na vida adulta, de fenômenos adictivos de modo geral, como a dependência de drogas, álcool, comida, trabalho, esportes, do outro (seja de sua presença ou de seu sexo) e tantas outras formas de adicção existentes. Ainda, procura estabelecer, sem a pretensão de esgotar o assunto, um diálogo com a teoria clássica freudiana, inserindo o modelo das relações de objeto, em que se baseia a lógica winnicottiana, na tradição psicanalítica. Uma falha na capacidade de utilizar os objetos representacionais internos diante das ameaças provenientes do contato com o mundo externo, assim como de utilizar a experiência cultural como recurso diante de objetos internos ameaçadores, poderia ensejar uma saída psiquicamente econômica: a adicção a algo ou alguém que ocupe a lacuna existente na capacidade de mediação (viver criativo) entre mundo interno e mundo externo, ilusão e fato, assumindo a função de um elemento único a mediar a relação do sujeito com a realidade, que não encontra equivalente no repertório de fenômenos transicionais difusos do sujeito. - ABRAM, Jan. A Linguagem de Winnicott: Dicionário das palavras e expressões utilizadas por Donald W. Winnicott. Trad. de Marcelo Del Grande da Silva. Rio de Janeiro, Revinter, BARONE, Karina Codeço. Realidade e luto: um estudo da transicionalidade. São Paulo, Casa do Psicólogo, DIAS, Elsa Oliveira. A teoria do amadurecimento de D.W.Winnicott. Rio de Janeiro, Imago, FORLENZA NETO, Orestes. Constituição do si-mesmo e transicionalidade. Viver mente e cérebro, Coleção memória da Psicanálise Winnicott: Os sentidos da realidade. São Paulo, v. 5, p , 2006.

6 - MCDOUGALL, Joyce. L économie psychique de l addiction, in: Anorexie, addictions e fragilités narcissiques / Vladimir Marinov (org.). Paris, Presses Universitaires de France, OGDEN, Thomas H. Sobre o espaço potencial, in: GIOVACCHINI, Peter L..Táticas e técnicas psicanalíticas. Trad. de José Octávio de Aguiar Abreu. Porto Alegre, Artes Médicas, WINNICOTT, D.W. A localização da experiência cultural, in: O brincar e a realidade. Trad. de José Octávio de Aguiar Abreu e Vanede Nobre. Rio de Janeiro, Imago, WINNICOTT, D.W. O uso de um objeto e relacionamento através de identificações, in: O brincar e a realidade. Trad. de José Octávio de Aguiar Abreu e Vanede Nobre. Rio de Janeiro, Imago, WINNICOTT, D.W. Objetos transicionais e fenômenos transicionais, in: O brincar e a realidade. Trad. de José Octávio de Aguiar Abreu e Vanede Nobre. Rio de Janeiro, Imago, WINNICOTT, D.W. A Criatividade e suas origens, in: O brincar e a realidade. Trad. de José Octávio de Aguiar Abreu e Vanede Nobre. Rio de Janeiro, Imago, 1975.

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE

INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** RESUMO Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT Carla Maria Lima Braga Inicio a minha fala agradecendo o convite e me sentindo honrada de poder estar aqui nesta mesa com o Prof. Rezende

Leia mais

6 Referências Bibliográficas

6 Referências Bibliográficas 6 Referências Bibliográficas ABADI, SONIA. Transições: O modelo terapêutico de D. W. Winnicott. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.,Explorações: perder-se e achar-se no espaço potencial. In: Revista Brasileira

Leia mais

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES

INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES SUMÁRIO PREFÁCIO - 11 INTRODUÇÃO - GENERALIDADES SOBRE AS ADICÇÕES DEFINIÇÃO E HISTÓRICO...14 OBSERVAÇÕES SOBRE O CONTEXTO SOCIAL E PSÍQUICO...19 A AMPLIDÃO DO FENÔMENO ADICTIVO...24 A ADICÇÃO VISTA PELOS

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Disciplina: Psicanálise II Professor(es) e DRTs Carmen Silvia de Souza Nogueira DRT: 112426-1 Fernando Genaro Junior

Leia mais

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend A CLÍNICA DA PSICOSE Profª Ms Sandra Diamante Dezembro - 2013 1 O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu

Leia mais

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA AULA 4 Prof.ª Suzane Maranduba Freire e mandella 1 A MINHA PRÁTICA PESSOAL REFLETE A MINHA PRÁTICA PROFISSIONAL Suzane Maranduba sumário SUMÁRIO 1. Anamnese 2. Desenvolvimento

Leia mais

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a prática clínica. No interior de sua teoria geral, Winnicott redescreve o complexo de Édipo como uma fase tardia do processo

Leia mais

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA 1 PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA FRANCHIN, Daniely Santos; SILVA, Flávia Souza Morais Sala da; SILVA, Katulle Oliveira Freitas; TEIXEIRA, Veridiana Vicentini. (Estagiárias

Leia mais

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat A Importância dos Cuidados com o Cuidador Lívia Kondrat ABRALE 22 de Julho de 2011 CÂNCER é uma doença crônica; possui tratamentos com possibilidade de cura; traz consigo estigmas; está cercada por mitos,

Leia mais

OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS

OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS 1 OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS Autora: Issa Damous Doutora em Psicologia Clínica PUC-Rio; Psicóloga Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ);

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

Os fenômenos curativos e as situações traumáticas. Winnicott Trauma -em Porto Alegre - RS / 2010)

Os fenômenos curativos e as situações traumáticas. Winnicott Trauma -em Porto Alegre - RS / 2010) Os fenômenos curativos e as situações traumáticas Michele Melo Reghelin 1 (trabalho 2 apresentado no V Encontro Brasileiro sobre o pensamento de D. W. Winnicott Trauma -em Porto Alegre - RS / 2010) Resumo

Leia mais

O TRABALHO DE LUTO À LUZ DOS FENÔMENOS TRANSICIONAIS 61. Introdução

O TRABALHO DE LUTO À LUZ DOS FENÔMENOS TRANSICIONAIS 61. Introdução O TRABALHO DE LUTO À LUZ DOS FENÔMENOS TRANSICIONAIS 61 Karina Codeço Barone 62 Introdução O presente texto tem como objetivo examinar a contribuição da teoria de Winnicott sobre a transicionalidade para

Leia mais

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador

Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Encontro Nacional Unimed de Assistentes Sociais Cuidados paliativos com foco no cuidador: criança x cuidador Elaine de Freitas Assistente Social Instituto da Criança - HCFMUSP Família A família, desde

Leia mais

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina Psicopatologia Psicodinâmica Professor(es) e DRTs Fernando Genaro Junior 114071-3 Sandra Fernandes de Amorim

Leia mais

Carlos Aguiar de Medeiros *

Carlos Aguiar de Medeiros * A recente queda da desigualdade Carlos Aguiar de Medeiros 41 de renda no Brasil: análise de dados da PNAD, do Censo Demográfico e das Contas Nacionais por Rodolfo Hoffman e Marlon Gomes Ney Carlos Aguiar

Leia mais

PSICOLOGIA HOSPITALAR

PSICOLOGIA HOSPITALAR PSICOLOGIA HOSPITALAR 2012 Diogo Batista Pereira da Silva Psicólogo formado pela UNISUL em 2012. Atualmente atuando como palestrante e desenvolvedor estratégico (Brasil) Email: diogobatista.p@gmail.com

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X ANÁLISE WINNICOTTIANA DO AMBIENTE DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS EM SITUAÇÃO DE RISCO Laíssa Muniz da Silva O presente trabalho refere-se à pesquisa de mestrado intitulada O ambiente de abrigamento

Leia mais

COMO MANTER O LAR LIVRE DA DROGA

COMO MANTER O LAR LIVRE DA DROGA COMO MANTER O LAR LIVRE DA DROGA A PREVENÇÃO AO USO DO CRACK COMEÇA DENTRO DE CASA: Estudos apontam que pais ausentes ou superprotetores podem favorecer a queda dos filhos na dependência química. A PREVENÇÃO

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: UM TRABALHO PARA FAVORECER O ACONTECER DO VÍNCULO

INTERVENÇÃO PRECOCE NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: UM TRABALHO PARA FAVORECER O ACONTECER DO VÍNCULO INTERVENÇÃO PRECOCE NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: UM TRABALHO PARA FAVORECER O ACONTECER DO VÍNCULO Marcela G. A. Alves Psicóloga e candidata a psicanalista do Centro de Estudos Antônio Franco Ribeiro da Silva

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica

FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO. Programa de Orientação. Psicopedagógica 1 FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO Programa de Orientação Psicopedagógica 2 Regulamento do Programa de Orientação Psicopedagógica da Faculdade Sudoeste Paulistano INTRODUÇÃO A necessidade de atenção às dificuldades

Leia mais

DANÇA E PSICOMOTRICIDADE

DANÇA E PSICOMOTRICIDADE DANÇA E PSICOMOTRICIDADE Sabrina Toledo Instituto de Medicina Social (IMS/UERJ) sabrinaptoledo@gmail.com Resumo O curso livre Dança e Psicomotricidade para adultos desenvolvido na Escola Angel Vianna desde

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes?

Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar e lidar com estes pacientes? Sávia M. Emrich Pinto Psicóloga Serviço de Radioterapia Sinais visíveis de transtornos psicológicos: como identificar

Leia mais

A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO

A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO Profa. Ms. Joanna Heim PSICOLOGIA Contribuições Histórica Filosóficas Fisiológicas FILOSÓFICA(psyché = alma e logos=razão)

Leia mais

TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA

TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA TÉCNICA DE PESQUISA EM ECONOMIA Professores Helder Queiroz Pinto Jr Marcelo Matos INSTITUTO DE ECONOMIA UFRJ 2016 Problema de Pesquisa e Hipótese Bibliografia: ANTONIO CARLOS GIL - Como Elaborar Projetos

Leia mais

Escola Secundária de Carregal do Sal

Escola Secundária de Carregal do Sal Escola Secundária de Carregal do Sal Área de Projecto 2006\2007 Sigmund Freud 1 2 Sigmund Freud 1856-----------------Nasceu em Freiberg 1881-----------------Licenciatura em Medicina 1885-----------------Estuda

Leia mais

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA Detalhamento da Matriz Curricular Eixo Temático Módulo Carga Horária Código subjetividade: o sujeito o seu meio e a cultura O Homem como ser Social 70 PSI01-01

Leia mais

Violência psíquica e passividade pulsional na adicção

Violência psíquica e passividade pulsional na adicção Violência psíquica e passividade pulsional na adicção Vanuza Monteiro Campos Postigo Introdução Na atualidade, está havendo aumento da freqüência de quadros clínicos onde nos deparamos com um sujeito que

Leia mais

Atendimento:

Atendimento: Atendimento: +55 15 3326-6784 MENU E-mail atendimentoctes@gmail.com TERAPIA SISTÊMICA O desenvolvimento da reabilitação do paciente no tratamento contra o uso de drogas e álcool com abordagem terapêutica

Leia mais

Atendimento:

Atendimento: Atendimento: +55 15 3326-6784 MENU E-mail atendimentoctes@gmail.com TERAPIA SISTÊMICA O desenvolvimento da reabilitação do paciente no tratamento contra o uso de drogas e álcool com abordagem terapêutica

Leia mais

Análise do Artigo para leitura

Análise do Artigo para leitura Conflitos e gerações Análise do artigo solicitado para leitura; Conflitos geracionais no ambiente de trabalho; Stress e conflitos organizacionais; Stress, conflitos e doenças do trabalho. Prof. Dr. Alexandre

Leia mais

Da toxicomania à adicção: uma abordagem relacional From Toxicomania to Addiction: a relational approach

Da toxicomania à adicção: uma abordagem relacional From Toxicomania to Addiction: a relational approach Da toxicomania à adicção: uma abordagem relacional From Toxicomania to Addiction: a relational approach Ricardo de Lima Sedeu Resumo Dada a importância do problema da toxicomania no mundo atual, bem como

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!!

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!! EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... Profa. MsC. Célia Regina Beiro da Silveira celiabeiro@expresso.com.br EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? É aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

Como aprende a criança de 0 a 6 anos?

Como aprende a criança de 0 a 6 anos? Como aprende a criança de 0 a 6 anos? Uma teoria para pensar a prática com autonomia Suely Amaral Mello Retomando a discussão anterior: para que educamos? Ou, qual o papel da escola da infância na formação

Leia mais

O Complexo de Édipo e de Electra

O Complexo de Édipo e de Electra O Complexo de Édipo e de Electra 12ºC BÁRBARA Nº4 MARTA Nº16 RAQUEL Nº20 O complexo de Édipo e de Electra, foi o tema escolhido por nós, porque foi aquele com o qual mais nos identificámos, uma vez que

Leia mais

A Solidão como arma Política

A Solidão como arma Política O medo à solidão é um grande impedimento na construção da autonomia, porque desde muito pequenas e toda a vida nos formaram no sentimento de orfandade; porque nos fizeram profundamente dependentes dos

Leia mais

Depressão: Os Caminhos da Alma... (LÚCIA MARIA)

Depressão: Os Caminhos da Alma... (LÚCIA MARIA) (LÚCIA MARIA) 1 Dedicatória: A todos os que sofrem de depressão, uma doença cruel e invisível, mas que pode ser vencida. 2 Sinopse: Muito embora, o título comece com uma expressão diferente, a intenção

Leia mais

Contribuições de Paul Federn para a clínica contemporânea. O objetivo deste trabalho é apresentar e discutir alguns conceitos do psicanalista Paul

Contribuições de Paul Federn para a clínica contemporânea. O objetivo deste trabalho é apresentar e discutir alguns conceitos do psicanalista Paul Contribuições de Paul Federn para a clínica contemporânea. O objetivo deste trabalho é apresentar e discutir alguns conceitos do psicanalista Paul Federn,, que parecem contribuir para uma maior compreensão

Leia mais

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte)

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) Sejam bem vindos no Apresentação do Serviço de Psicologia Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) CRI Norte C.R.I. - Centro de Referencia

Leia mais

Exame Unificado de Acesso (Línguas e Matemática) às Quatro Instituições do Ensino Superior de Macau. Modelo. Português A

Exame Unificado de Acesso (Línguas e Matemática) às Quatro Instituições do Ensino Superior de Macau. Modelo. Português A Exame Unificado de Acesso (Línguas e Matemática) às Quatro Instituições do Ensino Superior de Macau Modelo Português A 1 Exame unificado de acesso (Línguas e Matemática) às 4 Instituições do Ensino Superior

Leia mais

VICTOR ROBERTO CIACCO DA SILVA DIAS VIRGÍNIA DE ARAÚJO SILVA PSICOPATOLOGIA E PSICODINÂMICA NA ANÁLISE PSICODRAMÁTICA VOLUME V

VICTOR ROBERTO CIACCO DA SILVA DIAS VIRGÍNIA DE ARAÚJO SILVA PSICOPATOLOGIA E PSICODINÂMICA NA ANÁLISE PSICODRAMÁTICA VOLUME V VICTOR ROBERTO CIACCO DA SILVA DIAS VIRGÍNIA DE ARAÚJO SILVA PSICOPATOLOGIA E PSICODINÂMICA NA ANÁLISE PSICODRAMÁTICA VOLUME V PSICOPATOLOGIA E PSICODINÂMICA NA ANÁLISE PSICODRAMÁTICA Volume V Copyright

Leia mais

Maria Pia Banchieri Publicitária, Docente, Redatora e Consultora na área de Comunicação e Marketing

Maria Pia Banchieri Publicitária, Docente, Redatora e Consultora na área de Comunicação e Marketing CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA AULA 1 Maria Pia Banchieri Publicitária, Docente, Redatora e Consultora na área de Comunicação e Marketing Aula 1 - Conteúdo Apresentação do Docente e do Conteúdo Programático Conceitos

Leia mais

PSICOPATOLOGIA E NOVOS PARADIGMAS

PSICOPATOLOGIA E NOVOS PARADIGMAS AULA INAGURAL: MESTRADO / DOUTORADO EM PSICÁNALISE, FAMÍLIA E COMUNIDADE PSICOPATOLOGIA E NOVOS PARADIGMAS Dra.Blanca de Souza V.Morales blancmorales@yahoo.com.br PSICOPATOLOGIA O termo é de origem grega

Leia mais

Consultas terapêuticas:

Consultas terapêuticas: LINS, Maria Ivone Accioly. Consultas terapêuticas: uma prática clínica de D. W. Winnicott. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006. ISBN 85-73965-14-2. Carla Maria Lima Braga * Leopoldo Fulgencio ** O livro

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM PACIENTES PSICOSSOMÁTICOS Marina Gregório Menita* Este trabalho tem como objetivo propiciar alguma reflexão frente algumas experiências experimentadas

Leia mais

Reflexões sobre o acompanhamento terapêutico como dispositivo na inclusão escolar

Reflexões sobre o acompanhamento terapêutico como dispositivo na inclusão escolar Reflexões sobre o acompanhamento terapêutico como dispositivo na inclusão escolar Claudia Magela Adelino Fernada Aidar Rosa Paula Buainain Albano Roberta Sá Prado de Alencar Taísa Nerath Martinelli O Acompanhamento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS CHF 907 PSICOLOGIA APLICADA À SAÚDE --

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS CHF 907 PSICOLOGIA APLICADA À SAÚDE -- UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S DEPARTAMENTO DE SAÚDE PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS CHF 907 PSICOLOGIA APLICADA À SAÚDE -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A) T

Leia mais

OS CICLOS DOS 7 ANOS

OS CICLOS DOS 7 ANOS OS CICLOS DOS 7 ANOS Os mistérios que envolvem a nossa vida, desde o nascimento, como as experiências, os fatos, os acontecimentos, bons e ruins, as pessoas que surgem ou desaparecem, de nossas vidas,

Leia mais

Freud e a Estrutura da Mente Humana

Freud e a Estrutura da Mente Humana Freud e a Estrutura da Mente Humana Obje'vos: Discu'r as teorias e contribuições de Freud para o desenvolvimento da Psicanálise Discu'r a influência do trabalho e das ideias de Freud na cultura popular

Leia mais

PSICOLOGIA DA SAÚDE. Conceitos, Personalidade, Comportamento e Transtornos Mentais no Trabalho

PSICOLOGIA DA SAÚDE. Conceitos, Personalidade, Comportamento e Transtornos Mentais no Trabalho PSICOLOGIA DA SAÚDE Conceitos, Personalidade, Comportamento e Transtornos Mentais no Trabalho Boas vindas e Objetivo Contribuir com os Participantes no Desenvolvimento de Mudanças e Repertorio técnico

Leia mais

O USUÁRIO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS E A RECAÍDA. Eixo Temático Temas Transversais

O USUÁRIO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS E A RECAÍDA. Eixo Temático Temas Transversais O USUÁRIO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS E A RECAÍDA ISSN 2359-1277 Denise Ellen Tarifa Lima, ellen_tarifa@hotmail.com; Keila Pinna Valensuela (Orientadora), keilapinna@hotmail.com; Universidade Estadual do

Leia mais

O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação?

O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação? . O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação? . Quando falamos de identificação entre pessoas, entre pais e filhos, o que queremos dizer com isso? Resultado de projeções e de introjeções

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO DA CLÍNICA DO SELF AO ESTUDO DOS TESTES PROJETIVOS

UMA CONTRIBUIÇÃO DA CLÍNICA DO SELF AO ESTUDO DOS TESTES PROJETIVOS UMA CONTRIBUIÇÃO DA CLÍNICA DO SELF AO ESTUDO DOS TESTES PROJETIVOS Gilberto Safra Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo Resumo O autor aborda os testes projetivos pela perspectiva da psicanálise

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

Património do Xisto. Promotor PINUS VERDE Parceiro RØROS MUSEUM em colaboração com a cidade de Røros Patrimonio da Humanidade, Norway

Património do Xisto. Promotor PINUS VERDE Parceiro RØROS MUSEUM em colaboração com a cidade de Røros Patrimonio da Humanidade, Norway Património do Xisto um projecto EEAgrants Promotor PINUS VERDE Parceiro RØROS MUSEUM em colaboração com a cidade de Røros Patrimonio da Humanidade, Norway Património cultural memórias culturais Que memórias?

Leia mais

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

SAUDE MENTAL E TRANSTORNO MENTAL. Profa. Keila Ribeiro

SAUDE MENTAL E TRANSTORNO MENTAL. Profa. Keila Ribeiro SAUDE MENTAL E TRANSTORNO MENTAL Profa. Keila Ribeiro Conceitos Saúde Mental Transtorno Mental Descrições de Transtornos Mentais mais frequentes O que é o exame mental? Saúde Mental o sujeito deve... Compreender

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

Prefácio. Itinerário para uma leitura de Freud

Prefácio. Itinerário para uma leitura de Freud Itinerário para uma leitura de Freud Prefácio Esta pequena obra pretende reunir as teses da psicanálise sob a forma mais concisa e na redação mais categórica, de uma maneira por assim dizer dogmática.

Leia mais

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO

PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO PSICOLOGIA MATUTINO / NOTURNO 1º Ano / 1º Semestre / 1º Período Epistemologia e História da Psicologia I Estatística Instrumentos e Projetos de Pesquisa em Psicologia I Metodologia de Pesquisa @ Neurofisiologia

Leia mais

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO ANDRADE, Josemberg Moura de, Universidade Federal da Paraíba, Professor orientador, josemberg.andrade@gmail.com;

Leia mais

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Inteligência Emocional. Nome Sample Candidate. Data 23 outubro

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Inteligência Emocional. Nome Sample Candidate. Data 23 outubro OPQ Perfil OPQ Relatório de Inteligência Emocional Nome Sample Candidate Data www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório descreve as competências-chave para o da Inteligência Emocional (IE), que se pode

Leia mais

Psicologia do Adulto e do Idoso 2

Psicologia do Adulto e do Idoso 2 Psicologia do Adulto e do Idoso EDUCAÇÃO SOCIAL 1º Ano, 2º Semestre 2014/2015 SUMÁRIO: Morte e Luto ASPECTOS GERAIS O DESENVOLVIMENTO PRÉ-MORTE; José Farinha, ESEC, 2015 MORTE E LUTO ASPECTOS GERAIS Psicologia

Leia mais

Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC),

Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC), Prof. Dra. SUELI HISADA Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC), Especialização em psicoterapia psicanalítica(sedes), psicoterapeuta de crianças e adultos, Docente no SEDES

Leia mais

Requisitos de sistemas

Requisitos de sistemas Requisitos de sistemas Unidade III - Casos de Uso Identificação de casos de uso Conceitos de orientação a objetos Modelagem do diagrama de classes e casos de uso 1 Casos de uso CONCEITO Especifica o comportamento

Leia mais

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

O VIVER CRIATIVO: SEGUNDO A TEORIA WINNICOTTIANA 1

O VIVER CRIATIVO: SEGUNDO A TEORIA WINNICOTTIANA 1 O VIVER CRIATIVO: SEGUNDO A TEORIA WINNICOTTIANA 1 Maria Edna de Melo Silva2 Elpidio Estanislau da Silva Junior3 A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso cante, ria e viva intensamente

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

PSICOLOGIA E PSIQUIATRIA: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR

PSICOLOGIA E PSIQUIATRIA: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR PSICOLOGIA E PSIQUIATRIA: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR Trabalho de curso 2013 Maria Luiza da Cruz Cortizo Thayane Silva Aguiar Henrique Graduandas do Curso de Psicologia na União de Ensino Superior de Viçosa

Leia mais

Psicologia e Senso Comum. "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS

Psicologia e Senso Comum. ... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história. EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum "... a Psicologia tem um longo passado, porém uma curta história." EBBINGHAUS Psicologia e Senso Comum O que é Psicologia? Como usamos o termo Psicologia? A Psicologia é recente

Leia mais

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis A oportunidade Na medida em que a computação em nuvem dá origem a novas e poderosas capacidades, ela oferece o potencial de aumentar a produtividade,

Leia mais

Desapego. Os prazeres da alma. Escola de Evangelização de Pacientes. Grupo Espírita Guillon Ribeiro

Desapego. Os prazeres da alma. Escola de Evangelização de Pacientes. Grupo Espírita Guillon Ribeiro Desapego Os prazeres da alma Escola de Evangelização de Pacientes Grupo Espírita Guillon Ribeiro Faremos um estudo dos potenciais humanos, os quais denominamos de prazeres da alma sabedoria, alegria, afetividade,

Leia mais

Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí

Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí DEBATE Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí A Clínica surge do próprio projeto do curso de Psicologia. Este curso tem como base teórica fundamental as teorias psicanalítica e psicológica.

Leia mais

PROJETO CINEMAPSI: ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM PSICOLOGIA

PROJETO CINEMAPSI: ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM PSICOLOGIA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 RESUMO PROJETO CINEMAPSI: ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM PSICOLOGIA Monique Santos Ysmael Rocha Fátima

Leia mais

ABORDAGEM NEUROPSICOLÓGICA

ABORDAGEM NEUROPSICOLÓGICA Atendimento: +55 15 3326-6784 MENU E-mail atendimentoctes@gmail.com ABORDAGEM NEUROPSICOLÓGICA O comprometimento neurológico com o uso de drogas requer atenção de profissionais especializados com abordagens

Leia mais

Tratamento do amor com a oração dos namorados

Tratamento do amor com a oração dos namorados Tratamento do amor com a oração dos namorados Tratamento com oração para acabar com a solidão Para quem está só ou com problemas no relacionamento. Para quem cansou da solidão e quer encontrar aquela pessoa

Leia mais

A relação transferencial com crianças autistas: uma contribuição a partir do referencial de Winnicott

A relação transferencial com crianças autistas: uma contribuição a partir do referencial de Winnicott issn 0103-5665 57 A relação transferencial com crianças autistas: uma contribuição a partir do referencial de Winnicott Lívia Milhomem Januário* Maria Izabel Tafuri** Resumo O artigo reflete a relação

Leia mais

Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS. Compreender a Enxaqueca. e outras Cefaleias. Anne MacGregor.

Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS. Compreender a Enxaqueca. e outras Cefaleias. Anne MacGregor. Com o apoio científico da Secção Regional do Norte da ORDEM DOS MÉDICOS Compreender a Enxaqueca e outras Cefaleias Anne MacGregor Oo Guia de Saúde Introdução às cefaleias comuns Apercentagem da população

Leia mais

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência.

A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. A nossa sexualidade é uma construção que se inicia na vida intra-uterina e nos acompanha por toda nossa existência. Viver na idade adulta uma sexualidade satisfatória depende do desenvolvimento psicossexual

Leia mais

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS Sumário Apresentação... 11 A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS 1. Razões de nosso interesse por este assunto. Por que usamos a imagem do vale de lágrimas... 21 2. A geologia do vale de lágrimas e

Leia mais

SER DIGITAL: A TECNOLOGIA NA VIDA EXECUTIVA COMÉRCIO ELETRÔNICO: DA EVOLUÇÃO PARA AS NOVAS OPORTUNIDADES

SER DIGITAL: A TECNOLOGIA NA VIDA EXECUTIVA COMÉRCIO ELETRÔNICO: DA EVOLUÇÃO PARA AS NOVAS OPORTUNIDADES 66 GVEXECUTIVO V 11 N 2 JUL/DEZ 2012 COMÉRCIO ELETRÔNICO: DA EVOLUÇÃO PARA AS NOVAS OPORTUNIDADES POR ALBERTO LUIZ ALBERTIN ILUSTRAÇÃO: TOVOVAN/SHUTTERSTOCK.COM - EDIÇÃO DE IMAGEM: RAFAEL TADEU SARTO AS

Leia mais

HANS KELSEN ( )

HANS KELSEN ( ) HANS KELSEN (1881-1973) TEORIA PURA DO DIREITO Contextualização: O Movimento para o Direito Livre estava em plena ascensão na Alemanha e parecia que o formalismo jurídico havia sido superado. A diversidade

Leia mais

Vivências de perda em uma empresa familiar: um estudo psicossociológico

Vivências de perda em uma empresa familiar: um estudo psicossociológico Vivências de perda em uma empresa familiar: um estudo psicossociológico HASHIMOTO, Francisco. Esta pesquisa consistiu em estudar os processos psíquicos envolvidos em situações de perda em uma empresa familiar

Leia mais

Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280 (19) 3433-2568 associacaolivre@yahoo.com.

Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280 (19) 3433-2568 associacaolivre@yahoo.com. ALTERIDADE E ÉTICA EM PSICANÁLISE Realização Associação Livre Instituto de Cultura e Psicanálise Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280

Leia mais

Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional

Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional 24 Capítulo III Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional Sabemos que o mundo estava lá antes do bebê, mas o bebê não sabe disso, e no início tem a ilusão de que o que ele encontra foi por ele

Leia mais

Relacionamento Abusivo

Relacionamento Abusivo CARLA EGÍDIO LEMOS PSICÓLOGA Relacionamento Abusivo Relacionamento Abusivo Quando ouvimos falar de Relacionamento Abusivo geralmente nos lembramos da relação amorosa em que a mulher é sempre a vítima,

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais A reflexão que segue se baseia na fala dos jovens entrevistados e no pressuposto básico das políticas públicas de juventudes na atualidade que pensam os jovens como sujeitos de direitos.

Leia mais

O AMBIENTE NA OBRA DE WINNICOTT: TEORIA E PRÁTICA CLÍNICA

O AMBIENTE NA OBRA DE WINNICOTT: TEORIA E PRÁTICA CLÍNICA O AMBIENTE NA OBRA DE WINNICOTT: TEORIA E PRÁTICA CLÍNICA Conceição A. Serralha de Araújo Resumo Este texto, com base na obra de Winnicott, discute a importância para a clínica psicanalítica de se buscar

Leia mais

LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA

LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA LÓGICA JURÍDICA E A NOVA RETÓRICA RENÉ DESCATES (1596-1650) HANS KELSEN (1881-1973) Kelsen pregava uma objetividade ao ordenamento jurídico, a tal ponto que o juiz, ao prolatar uma sentença, por exemplo,

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA Flávia Angelo Verceze (Discente do Curso de Pós Graduação em Clínica Psicanalítica da UEL, Londrina PR, Brasil; Silvia Nogueira

Leia mais

OBRA SOCIAL PAULO VI. Vou ter um irmão. - Orientações para os pais

OBRA SOCIAL PAULO VI. Vou ter um irmão. - Orientações para os pais OBRA SOCIAL PAULO VI Vou ter um irmão - Orientações para os pais Introdução O nascimento de um irmão é um acontecimento de vida muito stressante para a criança pequena e as suas reacções a este acontecimento

Leia mais

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta Apresentação No livro anterior, Filhos sadios, pais felizes, descrevemos os fatos característicos da evolução psicossocial da grande maioria das crianças desde o nascimento até os dez anos de idade e sua

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Sociedade Psicanalítica de Angra dos Reis Rio de Janeiro

Sociedade Psicanalítica de Angra dos Reis Rio de Janeiro Uma Abordagem Psicanalítica da CID-10 da Organização Mundial de Saúde, de F00 a F99. CID - Classificação Internacional de Doenças TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS I. Objetivos do curso: Conhecer a

Leia mais