INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE"

Transcrição

1 INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** RESUMO Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo de diferença marcante na sociedade. A psicanálise extra-muros mais precisamente a teoria winnicottiana nos permite pensar em possibilidades ou entraves sobre esse assunto. Entendemos que a inclusão não se faz apenas de forma objetiva, via uma determinação legal. Antes, haveria necessidade de uma prontidão interna, subjetiva, para que o processo possa ocorrer. Assim, ela aconteceria de três maneiras: objetiva, subjetiva e transicional. Utilizamos contos de fadas e mitos para apresentar nosso tema por entender que estes expressam representam, descrevem nossa humanidade, nossos processos de humanização e, sobretudo os processos transicionais de inclusão desde a família até à sociedade. Além disso, citamos a experiência transicional vivida no Carnaval por meio de um personagem, como exemplo máximo de inclusão subjetiva, real, individual e principalmente social onde e quando toda e qualquer pessoa e possibilidade de inclusão se realizam. Palavras chave Inclusão, Transicionalidade, Contos de Fadas, Carnaval. * Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo; Docente da graduação e Pós graduação do Dpto de Psicologia Clínica do IPUSP ** Doutora em Saúde Mental de Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas; Membro do Espaço Potencial Winnicott do Dpto de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientiae

2 INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo de diferença marcante na sociedade. A psicanálise extra-muros mais precisamente a teoria winnicottiana nos permite pensar em possibilidades ou entraves sobre esse assunto. Não seria apenas de forma objetiva via uma determinação legal que uma pessoa poderia ser inclusa. Entendemos que a inclusão pode e deve ser feita pelo menos de três maneiras: objetiva, subjetiva e transicional. Antes do processo de inclusão objetiva propriamente dita haveria necessidade de uma prontidão interna para que esse processo possa ocorrer. Usamos a metáfora dos contos de fadas presente no mito das princesas, para entender este processo uma vez que estes expressam, representam dão significados e sentidos a certos aspectos humanos desde os pessoais, internos e subjetivos até mesmo os externos, sociais e universais. Deste modo, representam e descrevem nossa humanidade, nossos processos de humanização e, sobretudo de inclusão da família à sociedade. * Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo; Docente da graduação e Pós graduação do Dpto de Psicologia Clínica do IPUSP ** Doutora em Saúde Mental de Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas; Membro do Espaço Potencial Winnicott do Dpto de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientiae

3 Utilizando os contos de fadas e mitos e a Psicanálise, podemos compreender aspectos conscientes, inconscientes, desejos e realidades presentes nas pessoas e em seus processos psíquicos. Segundo Bettelheim (2009) existem algumas semelhanças e diferenças entre mitos e contos de fadas. Em ambos o herói cumpre uma trajetória triste e sofrida, contado de forma metafórica, semelhante às dificuldades experimentadas no decorrer do desenvolvimento e dos processos humanos entre eles, o de inclusão. A diferença básica é que os mitos geralmente têm finais trágicos e inevitáveis, ao passo que os contos de fadas podem ser mutáveis e apresentam esperança, possibilidade de transformação, de felicidade e até mesmo de final feliz. Escolhemos usar contos de fadas sobre princesas pela possibilidade de reparação nele contida. O que significa ser princesa? Podemos entender pelo começo, ou seja, pela origem, pela inclusão na família. Nos contos de fadas de princesa a criança é sempre de origem nobre, especial, diferenciada e vantajosa se comprada às demais pessoas. Uma princesa quando nasce não sabe de sua origem como qualquer bebê humano. Deste modo, por princípio, todos os humanos podem ser majestade. Para uma mãe que deseja ser mãe de seu filho, aquela criança é uma majestade para ela e continua sendo pelos seus olhos e pela representação que ela faz da criança em sua vida. O que faz um ser humano se sentir humano seria mais do que a realização de desejos mas, principalmente ter suprida a necessidade de ser e de se sentir incluído na fantasia e no desejo dos pais. Quando a criança se identifica com a representação que os pais fazem dela ela não se sente, mas ela é uma majestade, princesa, ou seja, ela tem origem nobre. Este é um início de inclusão. O bebê é sua majestade no imaginário dos pais, na identificação primária e na sua inclusão familiar.

4 O que faz com que uma princesa seja vista e possa usufruir da magia de uma origem especial, de sua nobreza? Os contos de fadas têm sua base na ilusão como nos apresenta Winnicott (1975) quando afirma que a criatividade tem suas origens no processo que inclui a crença de que se criou o mundo e que o mundo criado nos inclui, nos cria e nos deseja. Sob esta perspectiva a vida vale a pena ser vivida e a esperança de criar e ser criado se realiza. Passamos a fazer parte do mundo dos humanos sob uma inclusão originária que não começa com uma atitude ou atividade social, mas com uma realização imaginativa. Em seguida haveria um outro tipo de inclusão que podemos tomar por base pela afirmação de Bettelheim (2009, pg 284). Toda criança deseja em algum momento ser um príncipe ou uma princesa e, por vezes, inconscientemente acredita sê-lo, tendo apenas sofrido um rebaixamento temporário devido às circunstâncias Nos mitos a ilusão pode servir ao propósito de aliviar a dor inevitável do final trágico e irreparável. Nos contos de fadas, a ilusão serve ao propósito do final feliz cindido, onde o bom e somente este prevalece de forma cindida e onipotente. No desenvolvimento humano, a ilusão mantém o desejo de viver e a esperança de reparação com a possibilidade de algum tipo de inclusão. Os contos de fadas proporcionam a possibilidade de nos identificarmos com a personagem de tal forma que possamos mais do que nos colocar no lugar, mas sermos, de verdade, o próprio personagem. Este seria um brincar situado no espaço de transição entre a fantasia e a realidade, mundo subjetivo e mundo objetivo que Winnicott (1975) denominou Espaço Intermediário ou Transicional que significa uma área intermediária de experiência, incontestada quanto à pertencer à realidade interna ou externa (compartilhada), que diz respeito ás artes, à religião ao viver imaginativo e ao trabalho científico criador.

5 Ouvir uma história de contos de fadas, assistir ou viver um personagem de príncipe ou princesa quer seja por identificação subjetiva e/ou por experiência objetiva pode significar uma experiência transicional de inclusão. A experiência vivida por meio de um personagem, na avenida no Carnaval pode ser citada como exemplo máximo de inclusão subjetiva, real, individual e social via transicionalidade. Naquela situação não existe classe social, doença mental, saúde, limitação, ilusão ou realidade. Todas as pessoas e todas as possibilidades de inclusão se realizam. Apesar da origem da inclusão estar situada em uma situação interna, subjetiva, ideal e na ilusão como nos finais felizes do casamento do príncipe com a princesa, a possibilidade ou até mesmo a realização de obtenção de um espaço social significa sem dúvida o final feliz igualmente sonhado e desejado dos contos de fadas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BETTELHEIM, B. A Psicanálise dos contos de fadas, trad. Arlene Caetano, 21ª edição, São Paulo, Ed. Paz e Terra, 2009 WINNICOTT,D.W. A Criatividade e suas origens In: O Brincar e a realidade, trad. Jose O. A. Abreu e Vanede Nobre, Rio de Janeiro, Imago, 1975 WINNICOTT,D.W. Objetos transicionais e fenômenos transicionais In: O Brincar e a realidade, trad. Jose O. A. Abreu e Vanede Nobre, Rio de Janeiro, Imago, 1975

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT Carla Maria Lima Braga Inicio a minha fala agradecendo o convite e me sentindo honrada de poder estar aqui nesta mesa com o Prof. Rezende

Leia mais

PARABÉNS POR ESTE BEBÉ COM T21? SIM, MUITOS PARABÉNS!

PARABÉNS POR ESTE BEBÉ COM T21? SIM, MUITOS PARABÉNS! PARABÉNS PARABÉNS POR ESTE BEBÉ COM T21? SIM, MUITOS PARABÉNS! É natural que esta situação nova e inesperada o deixe confuso, triste e até revoltado. Afinal, foi mãe ou pai, mas não do bebé com que sonhou

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Disciplina: Psicanálise II Professor(es) e DRTs Carmen Silvia de Souza Nogueira DRT: 112426-1 Fernando Genaro Junior

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA 1 PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA FRANCHIN, Daniely Santos; SILVA, Flávia Souza Morais Sala da; SILVA, Katulle Oliveira Freitas; TEIXEIRA, Veridiana Vicentini. (Estagiárias

Leia mais

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA AULA 4 Prof.ª Suzane Maranduba Freire e mandella 1 A MINHA PRÁTICA PESSOAL REFLETE A MINHA PRÁTICA PROFISSIONAL Suzane Maranduba sumário SUMÁRIO 1. Anamnese 2. Desenvolvimento

Leia mais

Vitiligo e psicossomática

Vitiligo e psicossomática Vitiligo e psicossomática Roberto Azambuja Hospital Universitário de Brasília Vitiligo é o paradigma de dermatose psicossomática. Psicossomática É uma ciência interdisciplinar que integra diversas especialidades

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 6 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL Tatiana Moraes Tayla Mascarenhas Giovanna Fernandes Franciele Sousa RESUMO Faz-se uma abordagem acerca da importância da contação de história dentro do espaço escolar, visando

Leia mais

ABORDAGEM JUNGUIANA PSICOLOGIA CURSO DE

ABORDAGEM JUNGUIANA PSICOLOGIA CURSO DE CURSO DE PSICOLOGIA ABORDAGEM Torne se uma Analista Junguiano, empreendendo na jornada mais importante da sua vida, a sua jornada pessoal, a busca da compreensão de si mesmo, uma vivencia profunda, um

Leia mais

Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC),

Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC), Prof. Dra. SUELI HISADA Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC), Especialização em psicoterapia psicanalítica(sedes), psicoterapeuta de crianças e adultos, Docente no SEDES

Leia mais

Eros: mistério revelado. Uma viagem! Na bagagem a psicologia de Jung * Marisa Santana Penna **

Eros: mistério revelado. Uma viagem! Na bagagem a psicologia de Jung * Marisa Santana Penna ** resenhas Eros: mistério revelado. Uma viagem! Na bagagem a psicologia de Jung * Marisa Santana Penna ** Um livro que vale pela atualidade e leveza, pela relevância e simplicidade, escrito por duas autoras

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE

COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE Briefing COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE Briefing 05. Etapas de um Projeto Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia total ou

Leia mais

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO.

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. Relato de Experiências de atividades desenvolvidas pelo Programa de Intercâmbio entre Governos Locais Japão-Brasil, 2013. Por ETHNA THAISE UNBEHAUN. Psicóloga Este

Leia mais

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS.

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. Nome dos autores: Leane da Silva Ferreira, Dieysa Kanyela Fossile.

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

1ª Roda de Conversa. Docência Universitária: nossos desafios

1ª Roda de Conversa. Docência Universitária: nossos desafios 1ª Roda de Conversa Docência Universitária: nossos desafios Paulo Freire A prática de pensar a prática é a melhor maneira de aprender a pensar certo. Eixos Espaço aberto de diálogo; Reflexão e estudo sobre

Leia mais

GRUPO DE ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (GAEPE) 2012 (2º semestre)

GRUPO DE ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (GAEPE) 2012 (2º semestre) GRUPO DE ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (GAEPE) 2012 (2º semestre) GAEPE: Psicologia Clínica Infantil e do Adolescente: Diagnóstico, Prevenção e Intervenção. COORDENADOR(ES): Izabella Paiva

Leia mais

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a prática clínica. No interior de sua teoria geral, Winnicott redescreve o complexo de Édipo como uma fase tardia do processo

Leia mais

O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação?

O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação? . O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação? . Quando falamos de identificação entre pessoas, entre pais e filhos, o que queremos dizer com isso? Resultado de projeções e de introjeções

Leia mais

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL Arthur Henrique Teixeira Faustino 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Arthurtfaustino@gmail.com Auricélia Lopes Pereira

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 102 7. Referências Bibliográficas ANSERMET, François. Clínica da Origem: a criança entre a medicina e a psicanálise. [Opção Lacaniana n 02] Rio de Janeiro: Contra capa livraria, 2003. ARAÚJO, Marlenbe

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO ESTUDAR PARA A PROVA TRIMESTRAL DO SEGUNDO TRIMESTRE PROFESSORA: TATIANA SILVEIRA 1 - Seguiu-se ao período pré-socrático

Leia mais

Como aprende a criança de 0 a 6 anos?

Como aprende a criança de 0 a 6 anos? Como aprende a criança de 0 a 6 anos? Uma teoria para pensar a prática com autonomia Suely Amaral Mello Retomando a discussão anterior: para que educamos? Ou, qual o papel da escola da infância na formação

Leia mais

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia Olhar de Amor - COLECTÂNEA DE POESIA - VÁRIOS AUTORES Título Olhar de Amor Colectânea de Poesia - Edição Tecto de Nuvens, Edições e Artes Gráficas, LDA. Rua Camilo Pessanha, 152, 4435-638 Baguim do Monte

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice Índice Parte I: Introdução................. 9 Parte II: Escolhas difíceis, decisões diárias: como receber a orientação intuitiva da alma.......................... 14 Parte III: Como usar a orientação interior

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA

ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA Ana Paula Martins de Sousa 1 Adrielle Alves Pereira Vilela 2 Jorge Luiz Tolentino de Almeida 3 Yasmin de Jesus Araújo 4 Irondina de

Leia mais

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Teorias e Perspectivas Sociológicas Funcionalismo: enfatiza que o comportamento humano é governado por estruturas

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE GRUPO DE ESTUDOS PARA INÍCIO EM 01 DE ABRIL DO ANO VIGENTE

PROPOSTA DE PROJETO DE GRUPO DE ESTUDOS PARA INÍCIO EM 01 DE ABRIL DO ANO VIGENTE IDENTIFICAÇÃO DO DISCENTE NOME: Breno Cunha Leite CURSO: Filosofia ANO: 2010 LINHA DE ESTUDO: Psicanálise e Filosofia Nº MATR: 2g08020035 GRUPO DE ESTUDO: Psicanálise e Filosofia LÍDER DO GRUPO DE ESTUDO:

Leia mais

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

HISTÓRIA, ORALIDADE E MEMÓRIA - NOVAS ABORDAGENS PARA O ENSINO DA LEITURA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO POPULAR ATRAVÉS DE CONTOS, MITOS E LENDAS

HISTÓRIA, ORALIDADE E MEMÓRIA - NOVAS ABORDAGENS PARA O ENSINO DA LEITURA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO POPULAR ATRAVÉS DE CONTOS, MITOS E LENDAS HISTÓRIA, ORALIDADE E MEMÓRIA - NOVAS ABORDAGENS PARA O ENSINO DA LEITURA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO POPULAR ATRAVÉS DE CONTOS, MITOS E LENDAS Roselene Moura de Sá Professora de Formação de Professores da Rede

Leia mais

Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1

Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1 Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1 Juliana Souza TEIXEIRA 2 Dayane Bifon de BARROS 3 Rodrigo Daniel Levoti PORTARI 4 Universidade do Estado de Minas Gerais, Frutal, MG RESUMO

Leia mais

A passagem do tempo na cultura digital

A passagem do tempo na cultura digital A passagem do tempo na cultura digital "Tempus fugit", o tempo voa, é uma inscrição em latim encontrada em muitos relógios. Para mim, voa. E para você? Voa para todos, parece. Essa sensação de estar perdendo

Leia mais

MASTERCLASS WORKB O O K

MASTERCLASS WORKB O O K MASTERCLASS WORKB O O K 01 COMO USUFRUIR DESTA MASTERCLASS Antes de começares, temos algumas recomendações para que tires o melhor partido desta experiência. ALGUMAS DICAS Para receberes o maior valor

Leia mais

Crendo em Deus, em oração. Aula 01/03/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Crendo em Deus, em oração. Aula 01/03/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Crendo em Deus, em oração Aula 01/03/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira O Que é Oração? É pedir? É reclamar? É repetir as mesmas palavras em ocasiões específicas, todos os dias ou às vezes? É estar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Profa. MS. Luciana Teofilo Santana

ORGANIZAÇÃO E METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Profa. MS. Luciana Teofilo Santana ORGANIZAÇÃO E METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. MS. Luciana Teofilo Santana O BRINCAR NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Profª Luciana Teofilo Santana AULA O BRINCAR NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL PRÉ-AULA

Leia mais

Percepção e Projeção. Prof.a Tatiana Tung Gerencer UNIBAN - disciplina Técnicas Projetivas

Percepção e Projeção. Prof.a Tatiana Tung Gerencer UNIBAN - disciplina Técnicas Projetivas Percepção e Projeção Prof.a Tatiana Tung Gerencer UNIBAN - disciplina Técnicas Projetivas material para uso pelos alunos durante o curso de psicologia Percepção Ato ou efeito de perceber; recepção pelos

Leia mais

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend A CLÍNICA DA PSICOSE Profª Ms Sandra Diamante Dezembro - 2013 1 O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu

Leia mais

O BRINCAR E A BRINCADEIRA NO ATENDIMENTO INFANTIL

O BRINCAR E A BRINCADEIRA NO ATENDIMENTO INFANTIL O BRINCAR E A BRINCADEIRA NO ATENDIMENTO INFANTIL VIEIRA, Rosângela M 1. Resumo O tema em questão surgiu da experiência do atendimento em grupo, com crianças de três a cinco anos, no ambiente escolar.

Leia mais

A ARTE DE CONTAR E OUVIR HISTÓRIAS

A ARTE DE CONTAR E OUVIR HISTÓRIAS A ARTE DE CONTAR E OUVIR HISTÓRIAS 1 ALVES, Patrícia Cristina 2 GUIRADO, Alana Cristina Scartezini 3 SILVA, Betânia Rodrigues 4 SILVA, Jéssica Gama Peixoto 5 SOUZA, Andressa de Mattos 6 ANTONIO, Fernanda

Leia mais

10 Passos para alcançar uma Carreira com Propósito

10 Passos para alcançar uma Carreira com Propósito 10 Passos para alcançar uma Carreira com Propósito Sou Psicóloga, Coach e Consultora de Carreira e, durante 16 anos atuei em Recursos Humanos de empresas de segmentos e tamanhos diversos, acompanhando

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS Em primeiro lugar, chamaria a atenção para um fenômeno muito importante e que começa a ser mais conhecido: a persistência até o fim do século XVII do infanticídio tolerado.

Leia mais

Sociedade Psicanalítica de Angra dos Reis Rio de Janeiro

Sociedade Psicanalítica de Angra dos Reis Rio de Janeiro CURSO DE PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO I. Objetivos do Curso Estudar a estrutura da realidade psíquica do ser humano, suas leis, seus limites e sua importância na educação das crianças e adolescentes. Mostrar

Leia mais

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR RESUMO Mariza de Andrade Brum brum.mariza@yahoo.com.br O presente texto representa uma busca da compreensão do imaginário do ser professor no século XXI. Essa

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 9 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Revisão Antropologia II Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Evolucionismo Tylor, Fraser, Morgan Unidade humana, compreensão das diferenças através de uma linha evolutiva da humanidade,

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

OS CICLOS DOS 7 ANOS

OS CICLOS DOS 7 ANOS OS CICLOS DOS 7 ANOS Os mistérios que envolvem a nossa vida, desde o nascimento, como as experiências, os fatos, os acontecimentos, bons e ruins, as pessoas que surgem ou desaparecem, de nossas vidas,

Leia mais

O Complexo de Édipo e de Electra

O Complexo de Édipo e de Electra O Complexo de Édipo e de Electra 12ºC BÁRBARA Nº4 MARTA Nº16 RAQUEL Nº20 O complexo de Édipo e de Electra, foi o tema escolhido por nós, porque foi aquele com o qual mais nos identificámos, uma vez que

Leia mais

Ecologia do desenvolvimento humano

Ecologia do desenvolvimento humano Ecologia do desenvolvimento humano U. Bronfenbrenner 1 A abordagem sistêmica de Bronfenbrenner: modelo bioecológico Ecologia do Desenvolvimento Humano Estudo científico da acomodação progressiva, mútua,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos Imbé 2008 2 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES:

Leia mais

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus?

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? A ESSÊNCIA DE TUDO, O Que Significa Ser Feito à Imagem de Deus? Nº3 Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? Em Gênesis 1:26 27 (ESV), a Bíblia diz: E disse Deus: Façamos

Leia mais

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!!

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! OBJETIVO Compreender que para definir objetivos é preciso planejamento e disciplina e como fazer para realiza-los Compreender que para definir objetivos

Leia mais

coleção Conversas #24 Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #24 Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #24 Eu Posso sou me G ay. curar? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA INSTITUTO AFRO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR Faculdade Zumbi dos Palmares Faculdade de Pedagogia RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA JOYCE MOURÃO RODRIGUES

Leia mais

UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA. ÉTICA A NICÔMACO Livro 1

UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA. ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 1 UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 Rodolfo Asturiano Vaz PETRÓPOLIS 2010 1 2 UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 Trabalho

Leia mais

A família constituída por um homem, uma mulher e eventuais filhos, fundada sobre o um vínculo indissolúvel do

A família constituída por um homem, uma mulher e eventuais filhos, fundada sobre o um vínculo indissolúvel do DESAFIOS E POSSIBILIDADES DA FAMÍLIA NO LIMIAR DO NOVO MILÊNIO Dom João Carlos Petrini, Bispo de Camaçari e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral Vida e Família Introdução A família constituída por

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 4º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

CLÍNICA DE PSICOTERAPIA PÓS-CLÁSSICA

CLÍNICA DE PSICOTERAPIA PÓS-CLÁSSICA PROTOCOLO Entre: 1º. CLÍNICA DE PSICOTERAPIA PÓS-CLÁSSICA, com sede na Avenida Sá da Bandeira, nº 114, 2º andar, 3000-350 Coimbra, neste acto representada pelo Sr. Dr. Pedro Alves, na qualidade de Director

Leia mais

Cinema e empreendedorismo

Cinema e empreendedorismo Cinema e empreendedorismo Sobre o livro A ideia principal deste livro é oferecer uma seleção básica de filmes e séries de TV essenciais para instigar e estimular o seu espírito empreendedor. Se você está

Leia mais

É verso único. Sem segundo. Não tem frente nem verso; nem face nem dorso. Nem manifesta nem imanifesta, está por trás de todo o manifesto.

É verso único. Sem segundo. Não tem frente nem verso; nem face nem dorso. Nem manifesta nem imanifesta, está por trás de todo o manifesto. O universo não tem começo. Nunca terá fim. É verso único. Sem segundo. Não tem frente nem verso; nem face nem dorso. É um sem dois. O universo é a Vida manifesta. A Vida é. Nem manifesta nem imanifesta,

Leia mais

Silvia Maria Bonassi Psicóloga. Área: Psicologia e Saúde - Psicodiagnóstico Tema: Psicoterapias de orientação analítica

Silvia Maria Bonassi Psicóloga. Área: Psicologia e Saúde - Psicodiagnóstico Tema: Psicoterapias de orientação analítica UFMS/CPAR Curso: Psicologia Algumas considerações aplicadas a prática clínica Silvia Maria Bonassi Psicóloga E-mail: silvia.bonassi@ufms.br Área: Psicologia e Saúde - Psicodiagnóstico Tema: Psicoterapias

Leia mais

Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em

Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em Lição 5 para 29 de outubro de 2016 Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em lamentos e perguntas. «Pereça

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues QUAL A FINALIDADE DA IDENTIFICAÇÃO? É assegurar que o cuidado seja prestado à pessoa, prevenindo

Leia mais

CRIANÇAS E VIOLÊNCIA TELEVISIVA um contributo

CRIANÇAS E VIOLÊNCIA TELEVISIVA um contributo CRIANÇAS E VIOLÊNCIA TELEVISIVA um contributo CRIANÇAS E VIOLÊNCIA TELEVISIVA um contributo José Carlos Costa Ribeiro Orientação: Prof.Drª Mª Conceição Lopes Mestrado em Comunicação Multimédia Audiovisual

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I)

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I) RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I) TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental Avaliação Psicológica: Fundamentos da medida psicológica; Instrumentos de avaliação:

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Psicologia da Educação I Código da Disciplina: EDU 305 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 2º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X ANÁLISE WINNICOTTIANA DO AMBIENTE DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DE CRIANÇAS EM SITUAÇÃO DE RISCO Laíssa Muniz da Silva O presente trabalho refere-se à pesquisa de mestrado intitulada O ambiente de abrigamento

Leia mais

Cartografia temática com o QGIS

Cartografia temática com o QGIS Cartografia temática com o QGIS 02 Semiologia gráfica Instrutor: Delton Campanhã de Moraes Geógrafo, tecnólogo em banco de dados e especialista em geoprocessamento SEMIOLOGIA GRÁFICA Semiology of Graphics

Leia mais

Pensamento e Sentimento

Pensamento e Sentimento Pensamento e Sentimento Pensar - Sentir - Fazer Espiritualidade e Evolução Amor-sabedoria Verdade -- Justiça A Conexão com a Consciência Superior Instr. Eliseu Mocitaíba da Costa Pensamento e Sentimento

Leia mais

O corpo físico é mau e inferior à alma?

O corpo físico é mau e inferior à alma? O corpo físico é mau e inferior à alma? Compreendendo a natureza humana por Paulo Sérgio de Araújo INTRODUÇÃO Conforme a teoria das idéias (ou teoria das formas ) do filósofo grego Platão (428-347 a.c.),

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 2 ALGORITMO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Noções de lógica para construção de algoritmos Construção de algoritmos sobre problemas do cotidiano O QUE É LÓGICA? Em termos usuais falamos de lógica no nosso

Leia mais

Relatório de participação no PIBID

Relatório de participação no PIBID Relatório de participação no PIBID Pedro Henrique Silva São João Del Rei Janeiro 2013 Introdução O PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência), da CAPES, foi iniciado em 2008. É um

Leia mais

DANÇA E PSICOMOTRICIDADE

DANÇA E PSICOMOTRICIDADE DANÇA E PSICOMOTRICIDADE Sabrina Toledo Instituto de Medicina Social (IMS/UERJ) sabrinaptoledo@gmail.com Resumo O curso livre Dança e Psicomotricidade para adultos desenvolvido na Escola Angel Vianna desde

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL Amanda Gonçalves Figueiredo Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ leona_shyla@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV I A pluralidade dos ordenamentos: - Um outro problema pertinente ao ordenamento jurídico é o das relações entre ordenamentos. Assim, para que possamos falar

Leia mais

O QUE COMUNICAÇÃO INTEGRAL Da Essência ao Plano de Ação. QUEM

O QUE COMUNICAÇÃO INTEGRAL Da Essência ao Plano de Ação. QUEM PARA QUEM Para profissionais liberais em fase de redesenho ou transição de carreira; Para empreendedores e gestores de empresas que ainda não possuem área de Comunicação e MKT e têm que fazer esse papel;

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia Organizacional A relacão da

Leia mais

OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS

OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS 1 OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS Autora: Issa Damous Doutora em Psicologia Clínica PUC-Rio; Psicóloga Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ);

Leia mais

10 Dicas Para Perder O Medo E Empreender Usando A Internet

10 Dicas Para Perder O Medo E Empreender Usando A Internet Índice Sumário 10 Dicas Para Perder O Medo E Empreender Usando A Internet... 2 1. Escolher o seu nicho... 3 2. Identificar o seu público... 3 3. Investigar o seu mercado... 3 4. Checar a sua base de clientes...

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

ABORDAGEM PSICOTERÁPICA ENFERMARIA

ABORDAGEM PSICOTERÁPICA ENFERMARIA I- Pressupostos básicos: 1- Definição: aplicação de técnicas psicológicas com a finalidade de restabelecer o equilíbrio emocional da pessoa pp. fatores envolvidos no desequilibrio emocional conflitos psicológicos

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais