INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE"

Transcrição

1 INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** RESUMO Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo de diferença marcante na sociedade. A psicanálise extra-muros mais precisamente a teoria winnicottiana nos permite pensar em possibilidades ou entraves sobre esse assunto. Entendemos que a inclusão não se faz apenas de forma objetiva, via uma determinação legal. Antes, haveria necessidade de uma prontidão interna, subjetiva, para que o processo possa ocorrer. Assim, ela aconteceria de três maneiras: objetiva, subjetiva e transicional. Utilizamos contos de fadas e mitos para apresentar nosso tema por entender que estes expressam representam, descrevem nossa humanidade, nossos processos de humanização e, sobretudo os processos transicionais de inclusão desde a família até à sociedade. Além disso, citamos a experiência transicional vivida no Carnaval por meio de um personagem, como exemplo máximo de inclusão subjetiva, real, individual e principalmente social onde e quando toda e qualquer pessoa e possibilidade de inclusão se realizam. Palavras chave Inclusão, Transicionalidade, Contos de Fadas, Carnaval. * Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo; Docente da graduação e Pós graduação do Dpto de Psicologia Clínica do IPUSP ** Doutora em Saúde Mental de Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas; Membro do Espaço Potencial Winnicott do Dpto de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientiae

2 INCLUSÃO EM TRANSICIONALIDADE Profa Dra IVONISE FERNANDES DA MOTTA * Profa Dra SANDRA CONFORTO TSCHIRNER ** Um tema bastante abordado na contemporaneidade é a inclusão de pessoas com algum tipo de diferença marcante na sociedade. A psicanálise extra-muros mais precisamente a teoria winnicottiana nos permite pensar em possibilidades ou entraves sobre esse assunto. Não seria apenas de forma objetiva via uma determinação legal que uma pessoa poderia ser inclusa. Entendemos que a inclusão pode e deve ser feita pelo menos de três maneiras: objetiva, subjetiva e transicional. Antes do processo de inclusão objetiva propriamente dita haveria necessidade de uma prontidão interna para que esse processo possa ocorrer. Usamos a metáfora dos contos de fadas presente no mito das princesas, para entender este processo uma vez que estes expressam, representam dão significados e sentidos a certos aspectos humanos desde os pessoais, internos e subjetivos até mesmo os externos, sociais e universais. Deste modo, representam e descrevem nossa humanidade, nossos processos de humanização e, sobretudo de inclusão da família à sociedade. * Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo; Docente da graduação e Pós graduação do Dpto de Psicologia Clínica do IPUSP ** Doutora em Saúde Mental de Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas; Membro do Espaço Potencial Winnicott do Dpto de Psicanálise da Criança do Instituto Sedes Sapientiae

3 Utilizando os contos de fadas e mitos e a Psicanálise, podemos compreender aspectos conscientes, inconscientes, desejos e realidades presentes nas pessoas e em seus processos psíquicos. Segundo Bettelheim (2009) existem algumas semelhanças e diferenças entre mitos e contos de fadas. Em ambos o herói cumpre uma trajetória triste e sofrida, contado de forma metafórica, semelhante às dificuldades experimentadas no decorrer do desenvolvimento e dos processos humanos entre eles, o de inclusão. A diferença básica é que os mitos geralmente têm finais trágicos e inevitáveis, ao passo que os contos de fadas podem ser mutáveis e apresentam esperança, possibilidade de transformação, de felicidade e até mesmo de final feliz. Escolhemos usar contos de fadas sobre princesas pela possibilidade de reparação nele contida. O que significa ser princesa? Podemos entender pelo começo, ou seja, pela origem, pela inclusão na família. Nos contos de fadas de princesa a criança é sempre de origem nobre, especial, diferenciada e vantajosa se comprada às demais pessoas. Uma princesa quando nasce não sabe de sua origem como qualquer bebê humano. Deste modo, por princípio, todos os humanos podem ser majestade. Para uma mãe que deseja ser mãe de seu filho, aquela criança é uma majestade para ela e continua sendo pelos seus olhos e pela representação que ela faz da criança em sua vida. O que faz um ser humano se sentir humano seria mais do que a realização de desejos mas, principalmente ter suprida a necessidade de ser e de se sentir incluído na fantasia e no desejo dos pais. Quando a criança se identifica com a representação que os pais fazem dela ela não se sente, mas ela é uma majestade, princesa, ou seja, ela tem origem nobre. Este é um início de inclusão. O bebê é sua majestade no imaginário dos pais, na identificação primária e na sua inclusão familiar.

4 O que faz com que uma princesa seja vista e possa usufruir da magia de uma origem especial, de sua nobreza? Os contos de fadas têm sua base na ilusão como nos apresenta Winnicott (1975) quando afirma que a criatividade tem suas origens no processo que inclui a crença de que se criou o mundo e que o mundo criado nos inclui, nos cria e nos deseja. Sob esta perspectiva a vida vale a pena ser vivida e a esperança de criar e ser criado se realiza. Passamos a fazer parte do mundo dos humanos sob uma inclusão originária que não começa com uma atitude ou atividade social, mas com uma realização imaginativa. Em seguida haveria um outro tipo de inclusão que podemos tomar por base pela afirmação de Bettelheim (2009, pg 284). Toda criança deseja em algum momento ser um príncipe ou uma princesa e, por vezes, inconscientemente acredita sê-lo, tendo apenas sofrido um rebaixamento temporário devido às circunstâncias Nos mitos a ilusão pode servir ao propósito de aliviar a dor inevitável do final trágico e irreparável. Nos contos de fadas, a ilusão serve ao propósito do final feliz cindido, onde o bom e somente este prevalece de forma cindida e onipotente. No desenvolvimento humano, a ilusão mantém o desejo de viver e a esperança de reparação com a possibilidade de algum tipo de inclusão. Os contos de fadas proporcionam a possibilidade de nos identificarmos com a personagem de tal forma que possamos mais do que nos colocar no lugar, mas sermos, de verdade, o próprio personagem. Este seria um brincar situado no espaço de transição entre a fantasia e a realidade, mundo subjetivo e mundo objetivo que Winnicott (1975) denominou Espaço Intermediário ou Transicional que significa uma área intermediária de experiência, incontestada quanto à pertencer à realidade interna ou externa (compartilhada), que diz respeito ás artes, à religião ao viver imaginativo e ao trabalho científico criador.

5 Ouvir uma história de contos de fadas, assistir ou viver um personagem de príncipe ou princesa quer seja por identificação subjetiva e/ou por experiência objetiva pode significar uma experiência transicional de inclusão. A experiência vivida por meio de um personagem, na avenida no Carnaval pode ser citada como exemplo máximo de inclusão subjetiva, real, individual e social via transicionalidade. Naquela situação não existe classe social, doença mental, saúde, limitação, ilusão ou realidade. Todas as pessoas e todas as possibilidades de inclusão se realizam. Apesar da origem da inclusão estar situada em uma situação interna, subjetiva, ideal e na ilusão como nos finais felizes do casamento do príncipe com a princesa, a possibilidade ou até mesmo a realização de obtenção de um espaço social significa sem dúvida o final feliz igualmente sonhado e desejado dos contos de fadas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BETTELHEIM, B. A Psicanálise dos contos de fadas, trad. Arlene Caetano, 21ª edição, São Paulo, Ed. Paz e Terra, 2009 WINNICOTT,D.W. A Criatividade e suas origens In: O Brincar e a realidade, trad. Jose O. A. Abreu e Vanede Nobre, Rio de Janeiro, Imago, 1975 WINNICOTT,D.W. Objetos transicionais e fenômenos transicionais In: O Brincar e a realidade, trad. Jose O. A. Abreu e Vanede Nobre, Rio de Janeiro, Imago, 1975

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT

O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT O DESENVOLVIMENTO HUMANO SOB A PERSPECTIVA DE BION E WINNICOTT Carla Maria Lima Braga Inicio a minha fala agradecendo o convite e me sentindo honrada de poder estar aqui nesta mesa com o Prof. Rezende

Leia mais

Ementa: A disciplina estuda fundamentos psicanalíticos do desenvolvimento da personalidade

Ementa: A disciplina estuda fundamentos psicanalíticos do desenvolvimento da personalidade Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina: Psicanálise II Código da Disciplina Professor(es) e DRTs Carmen Silvia de Souza Nogueira DRT: 112426-1

Leia mais

PSICOPATOLOGIA DA TRANSICIONALIDADE: EM BUSCA DE UMA RAIZ COMUM ÀS DIVERSAS FORMAS DE ADICÇÃO

PSICOPATOLOGIA DA TRANSICIONALIDADE: EM BUSCA DE UMA RAIZ COMUM ÀS DIVERSAS FORMAS DE ADICÇÃO PSICOPATOLOGIA DA TRANSICIONALIDADE: EM BUSCA DE UMA RAIZ COMUM ÀS DIVERSAS FORMAS DE ADICÇÃO Garzon, Francisco Tosta, Rosa Maria Na saúde, contudo, dá-se uma ampliação gradual do âmbito de interesses

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Disciplina: Psicanálise II Professor(es) e DRTs Carmen Silvia de Souza Nogueira DRT: 112426-1 Fernando Genaro Junior

Leia mais

PARABÉNS POR ESTE BEBÉ COM T21? SIM, MUITOS PARABÉNS!

PARABÉNS POR ESTE BEBÉ COM T21? SIM, MUITOS PARABÉNS! PARABÉNS PARABÉNS POR ESTE BEBÉ COM T21? SIM, MUITOS PARABÉNS! É natural que esta situação nova e inesperada o deixe confuso, triste e até revoltado. Afinal, foi mãe ou pai, mas não do bebé com que sonhou

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

CHEGOU A HORA DE VOCÊ CRIAR UM TRABALHO QUE AME!

CHEGOU A HORA DE VOCÊ CRIAR UM TRABALHO QUE AME! CHEGOU A HORA DE VOCÊ CRIAR UM TRABALHO QUE AME! Seja bem-vinda à 4ª edição da Jornada gratuita Empreenda Com Propósito! Esse que é um evento totalmente online com foco em carreira, empreendedorismo e,

Leia mais

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA

PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA 1 PRÁTICA NA ENFERMARIA PEDIÁTRICA: UM COLORIDO NA CLÍNICA WINNICOTTIANA FRANCHIN, Daniely Santos; SILVA, Flávia Souza Morais Sala da; SILVA, Katulle Oliveira Freitas; TEIXEIRA, Veridiana Vicentini. (Estagiárias

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

APRESENTAÇÃO... ARTETERAPIA E PSICANÁLISE COM FAMÍLIAS NA UNIVERSIDADE...

APRESENTAÇÃO... ARTETERAPIA E PSICANÁLISE COM FAMÍLIAS NA UNIVERSIDADE... APRESENTAÇÃO... Claudia Maria de Sousa Palma ARTETERAPIA E PSICANÁLISE COM FAMÍLIAS NA UNIVERSIDADE... Maria Ângela Fávero-Nunes Sandra Aparecida Serra Zanetti O SABER CLÍNICO E A INTERVENÇÃO PRECOCE NA

Leia mais

Eros: mistério revelado. Uma viagem! Na bagagem a psicologia de Jung * Marisa Santana Penna **

Eros: mistério revelado. Uma viagem! Na bagagem a psicologia de Jung * Marisa Santana Penna ** resenhas Eros: mistério revelado. Uma viagem! Na bagagem a psicologia de Jung * Marisa Santana Penna ** Um livro que vale pela atualidade e leveza, pela relevância e simplicidade, escrito por duas autoras

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

CEP - Centro de Estudos Psicanalíticos. A psicanálise como berço ou por que tratamos apenas crianças em nossos consultórios

CEP - Centro de Estudos Psicanalíticos. A psicanálise como berço ou por que tratamos apenas crianças em nossos consultórios CEP - Centro de Estudos Psicanalíticos Luis Fernando de Souza Santos Trabalho semestral - ciclo II (terças 19h30) A psicanálise como berço ou por que tratamos apenas crianças em nossos consultórios Se

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina TEORIAS E TÉCNICAS EM PSICOTERAPIA INFANTIL Professor(es) e DRTs Lourdes Santina Tomazella DRT 110007-1

Leia mais

Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais

Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais Apresentação em pôster Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais Bruno Quintino de Oliveira¹; Issa Damous²; 1.Discente-pesquisador do Deptº

Leia mais

Os contos de fadas. Contos de fadas, pra quê/por quê? Necessidade de significados na vida : importância dos pais nesta tarefa;

Os contos de fadas. Contos de fadas, pra quê/por quê? Necessidade de significados na vida : importância dos pais nesta tarefa; Os contos de fadas Contos de fadas, pra quê/por quê? Necessidade de significados na vida : importância dos pais nesta tarefa; - Maturidade psicológica grande conquista; - Literatura infantil : apenas manifestação

Leia mais

Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC),

Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC), Prof. Dra. SUELI HISADA Doutora em Psicologia clínica(usp), Mestre em Psicologia clínica (PUC), Especialização em psicoterapia psicanalítica(sedes), psicoterapeuta de crianças e adultos, Docente no SEDES

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO?

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? AULAS 9 À 12 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? A narração é um tipo de texto que conta uma sequência de fatos, sejam eles reais ou imaginários, nos quais as personagens atuam em

Leia mais

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Centro de Estudos Psicanalíticos - CEP Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Laura Maria do Val Lanari Ciclo II, terça-feira à noite O presente trabalho tem por objetivo relatar as primeiras

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O TRABALHO DOCENTE COM CONTOS DE FADAS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A ELEVAÇÃO DA AUTOESTIMA E AUTOCONCEITO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Jaciara Barbosa Carvalho Faculdade Anhanguera, Bauru\SP e-mail:

Leia mais

A ARTE DE CONTAR E OUVIR HISTÓRIAS

A ARTE DE CONTAR E OUVIR HISTÓRIAS A ARTE DE CONTAR E OUVIR HISTÓRIAS 1 ALVES, Patrícia Cristina 2 GUIRADO, Alana Cristina Scartezini 3 SILVA, Betânia Rodrigues 4 SILVA, Jéssica Gama Peixoto 5 SOUZA, Andressa de Mattos 6 ANTONIO, Fernanda

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 6 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação?

O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação? . O que vem a ser identidade? O que vem a ser uma identificação? . Quando falamos de identificação entre pessoas, entre pais e filhos, o que queremos dizer com isso? Resultado de projeções e de introjeções

Leia mais

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2017

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2017 Atividade Física na Terceira Idade Prof. Dra. Bruna Oneda 2017 Expectativa de vida no Brasil Em 2015, as mulheres ganharam uma esperança de vida de 3 meses e 4 dias, passando de 78,8 anos, em 2014, para

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 102 7. Referências Bibliográficas ANSERMET, François. Clínica da Origem: a criança entre a medicina e a psicanálise. [Opção Lacaniana n 02] Rio de Janeiro: Contra capa livraria, 2003. ARAÚJO, Marlenbe

Leia mais

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS Em primeiro lugar, chamaria a atenção para um fenômeno muito importante e que começa a ser mais conhecido: a persistência até o fim do século XVII do infanticídio tolerado.

Leia mais

Vitiligo e psicossomática

Vitiligo e psicossomática Vitiligo e psicossomática Roberto Azambuja Hospital Universitário de Brasília Vitiligo é o paradigma de dermatose psicossomática. Psicossomática É uma ciência interdisciplinar que integra diversas especialidades

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 78 6 Referências bibliográficas ALMEIDA PRADO, M. C. Uma Introdução aos Qüiproquós Conjugais. In: FÉRES CARNEIRO T. (org.). Relação Amorosa, Casamento, Separação e Terapia de Casal. Rio de Janeiro: Associação

Leia mais

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR.

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. LEWIS CARROL Elaborado pelas assessoras Patrícia Ribeiro e Rosinara Nascimento, em 2011, nas oficinas pedagógicas para as educadoras, ocorridas nas Livrarias

Leia mais

COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE

COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE Briefing COMO ELABORAR O BRIEFING DO CLIENTE Briefing 05. Etapas de um Projeto Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia total ou

Leia mais

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA AULA 4 Prof.ª Suzane Maranduba Freire e mandella 1 A MINHA PRÁTICA PESSOAL REFLETE A MINHA PRÁTICA PROFISSIONAL Suzane Maranduba sumário SUMÁRIO 1. Anamnese 2. Desenvolvimento

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

De Adão a Jesus O perfil de 50 personagens que mudaram a História

De Adão a Jesus O perfil de 50 personagens que mudaram a História De Adão a Jesus O perfil de 50 personagens que mudaram a História 1 ADÃo O primeiro homem E tomou o SENHOR Deus o homem e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar. gênesis 2.15 Característica

Leia mais

O BRINCAR E A BRINCADEIRA NO ATENDIMENTO INFANTIL

O BRINCAR E A BRINCADEIRA NO ATENDIMENTO INFANTIL O BRINCAR E A BRINCADEIRA NO ATENDIMENTO INFANTIL VIEIRA, Rosângela M 1. Resumo O tema em questão surgiu da experiência do atendimento em grupo, com crianças de três a cinco anos, no ambiente escolar.

Leia mais

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a prática clínica. No interior de sua teoria geral, Winnicott redescreve o complexo de Édipo como uma fase tardia do processo

Leia mais

Brincar é importante para as crianças? Por que? Brincadeira/ satisfação/ prazer : são termos de uma mesma equação? Sempre que a criança brinca, ela

Brincar é importante para as crianças? Por que? Brincadeira/ satisfação/ prazer : são termos de uma mesma equação? Sempre que a criança brinca, ela BRINCADEIRA Brincar é importante para as crianças? Por que? Brincadeira/ satisfação/ prazer : são termos de uma mesma equação? Sempre que a criança brinca, ela está satisfeita e feliz? Brincadeira como

Leia mais

Capítulo 1: Alguém com os outros

Capítulo 1: Alguém com os outros BAUMAN, Z.; MAY, T., APRENDENDO A PENSAR COM A SOCIOLOGIA, RJ: ZAHAR, 2010. Capítulo 1: Alguém com os outros Introdução à Sociologia Profa. Dra. Valquiria Padilha FEARP/USP Somos livres? Viver em sociedade

Leia mais

A JORNADA ASTROLÓGICA E A MÍDIA

A JORNADA ASTROLÓGICA E A MÍDIA A JORNADA ASTROLÓGICA E A MÍDIA A presença da Astrologia na mídia Ana Cristina Vidal de Castro Ortiz O MITO HOJE O mundo nos coloca em contato com os assuntos cotidianos e nos afasta da leitura do espírito

Leia mais

MASTERCLASS WORKB O O K

MASTERCLASS WORKB O O K MASTERCLASS WORKB O O K 01 COMO USUFRUIR DESTA MASTERCLASS Antes de começares, temos algumas recomendações para que tires o melhor partido desta experiência. ALGUMAS DICAS Para receberes o maior valor

Leia mais

Sociedade Psicanalítica de Angra dos Reis Rio de Janeiro

Sociedade Psicanalítica de Angra dos Reis Rio de Janeiro CURSO DE PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO I. Objetivos do Curso Estudar a estrutura da realidade psíquica do ser humano, suas leis, seus limites e sua importância na educação das crianças e adolescentes. Mostrar

Leia mais

É verso único. Sem segundo. Não tem frente nem verso; nem face nem dorso. Nem manifesta nem imanifesta, está por trás de todo o manifesto.

É verso único. Sem segundo. Não tem frente nem verso; nem face nem dorso. Nem manifesta nem imanifesta, está por trás de todo o manifesto. O universo não tem começo. Nunca terá fim. É verso único. Sem segundo. Não tem frente nem verso; nem face nem dorso. É um sem dois. O universo é a Vida manifesta. A Vida é. Nem manifesta nem imanifesta,

Leia mais

ABORDAGEM JUNGUIANA PSICOLOGIA CURSO DE

ABORDAGEM JUNGUIANA PSICOLOGIA CURSO DE CURSO DE PSICOLOGIA ABORDAGEM Torne se uma Analista Junguiano, empreendendo na jornada mais importante da sua vida, a sua jornada pessoal, a busca da compreensão de si mesmo, uma vivencia profunda, um

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INFANTIL Tatiana Moraes Tayla Mascarenhas Giovanna Fernandes Franciele Sousa RESUMO Faz-se uma abordagem acerca da importância da contação de história dentro do espaço escolar, visando

Leia mais

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR RESUMO Mariza de Andrade Brum brum.mariza@yahoo.com.br O presente texto representa uma busca da compreensão do imaginário do ser professor no século XXI. Essa

Leia mais

10 Passos para alcançar uma Carreira com Propósito

10 Passos para alcançar uma Carreira com Propósito 10 Passos para alcançar uma Carreira com Propósito Sou Psicóloga, Coach e Consultora de Carreira e, durante 16 anos atuei em Recursos Humanos de empresas de segmentos e tamanhos diversos, acompanhando

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL I. Psicologia Geral e Psicologia Social. De que trata a Psicologia Social? 21/08/2016

PSICOLOGIA SOCIAL I. Psicologia Geral e Psicologia Social. De que trata a Psicologia Social? 21/08/2016 PSICOLOGIA SOCIAL I A psicologia social e seu objeto de estudo: QUESTÕES PRELIMINARES Profa. Dra. Rosana Carneiro Tavares A HISTÓRIA DA PSICOLOGIA SOCIAL ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO De que trata a Psicologia

Leia mais

GRUPO DE ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (GAEPE) 2012 (2º semestre)

GRUPO DE ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (GAEPE) 2012 (2º semestre) GRUPO DE ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (GAEPE) 2012 (2º semestre) GAEPE: Psicologia Clínica Infantil e do Adolescente: Diagnóstico, Prevenção e Intervenção. COORDENADOR(ES): Izabella Paiva

Leia mais

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia Olhar de Amor - COLECTÂNEA DE POESIA - VÁRIOS AUTORES Título Olhar de Amor Colectânea de Poesia - Edição Tecto de Nuvens, Edições e Artes Gráficas, LDA. Rua Camilo Pessanha, 152, 4435-638 Baguim do Monte

Leia mais

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO.

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. Relato de Experiências de atividades desenvolvidas pelo Programa de Intercâmbio entre Governos Locais Japão-Brasil, 2013. Por ETHNA THAISE UNBEHAUN. Psicóloga Este

Leia mais

DHARMA5 ACADEMY M ASTERCL ASS WO R K B O O K

DHARMA5 ACADEMY M ASTERCL ASS WO R K B O O K M ASTERCL ASS WO R K B O O K 01 COMO USUFRUIR DESTA MASTERCLASS Antes de começares, temos algumas recomendações para que tires o melhor partido desta experiência. ALGUMAS DICAS Para receberes o maior valor

Leia mais

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell

CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell CIENCIA CONCIENCIA Y LUZ Peter Russell por: Marouva Fallgatter Faqueti Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedade em redes 1/2016 Professor: Aires José Roverr Peter Russell (1946 - ) Escritor e

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 2 ALGORITMO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Noções de lógica para construção de algoritmos Construção de algoritmos sobre problemas do cotidiano O QUE É LÓGICA? Em termos usuais falamos de lógica no nosso

Leia mais

Dinâmica de Grupo. As contribuições da Psicanálise

Dinâmica de Grupo. As contribuições da Psicanálise As contribuições da Psicanálise Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br Freud não se ocupou diretamente da teoria de grupos centro-se nos estudos das massas ou multidões; Suas conclusões

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

Ecologia do desenvolvimento humano

Ecologia do desenvolvimento humano Ecologia do desenvolvimento humano U. Bronfenbrenner 1 A abordagem sistêmica de Bronfenbrenner: modelo bioecológico Ecologia do Desenvolvimento Humano Estudo científico da acomodação progressiva, mútua,

Leia mais

Psicanálise em Psicóticos

Psicanálise em Psicóticos Psicanálise em Psicóticos XIX Congresso Brasileiro de Psicanálise Recife, 2003 Dr. Decio Tenenbaum Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro, Rio 2 End: decio@tenenbaum.com.br Processos Psicanalíticos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO PROCESSO TERAPÊUTICO COM CRIANÇAS, UM DIÁLOGO ENTRE A PSICANÁLISE WINNICOTTIANA E A ANÁLISE BIOENERGETICA

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO PROCESSO TERAPÊUTICO COM CRIANÇAS, UM DIÁLOGO ENTRE A PSICANÁLISE WINNICOTTIANA E A ANÁLISE BIOENERGETICA A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO PROCESSO TERAPÊUTICO COM CRIANÇAS, UM DIÁLOGO ENTRE A PSICANÁLISE WINNICOTTIANA E A ANÁLISE BIOENERGETICA Nadja Nunes de Lima Perisson Dantas do Nascimento RESUMO Esse trabalho

Leia mais

HISTÓRIA, ORALIDADE E MEMÓRIA - NOVAS ABORDAGENS PARA O ENSINO DA LEITURA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO POPULAR ATRAVÉS DE CONTOS, MITOS E LENDAS

HISTÓRIA, ORALIDADE E MEMÓRIA - NOVAS ABORDAGENS PARA O ENSINO DA LEITURA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO POPULAR ATRAVÉS DE CONTOS, MITOS E LENDAS HISTÓRIA, ORALIDADE E MEMÓRIA - NOVAS ABORDAGENS PARA O ENSINO DA LEITURA NO CAMPO DA EDUCAÇÃO POPULAR ATRAVÉS DE CONTOS, MITOS E LENDAS Roselene Moura de Sá Professora de Formação de Professores da Rede

Leia mais

Há uma Nova Mensagem de Deus no Mundo

Há uma Nova Mensagem de Deus no Mundo Há uma Nova Mensagem de Deus no Mundo Os povos e as nações do mundo estão entrando num período de grandes dificuldades e muitas mudanças. Os recursos do mundo estão diminuindo. As populações estão crescendo.

Leia mais

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia

Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Revisão Antropologia II Escola Principais autores Abordagens teóricas Metodologia Evolucionismo Tylor, Fraser, Morgan Unidade humana, compreensão das diferenças através de uma linha evolutiva da humanidade,

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

PLANEJAMENTO 2º ANO ENSINO FUNDAMENTAL I

PLANEJAMENTO 2º ANO ENSINO FUNDAMENTAL I PLANEJAMENTO 2º ANO ENSINO FUNDAMENTAL I MÓDULO TEMAS CONTEÚDO CONCEITUAL QUANTIDADE DE AULAS DESCOBRINDO A SI MESMO A importância dos nomes Estou mudando Em prosa e verso Descobrir a si mesmo e compreender

Leia mais

OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS

OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS 1 OS TRANSTORNOS ALIMENTARES À LUZ DOS LIMITES PSÍQUICOS Autora: Issa Damous Doutora em Psicologia Clínica PUC-Rio; Psicóloga Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ);

Leia mais

pra nós, arquiteto de sucesso é aquele feliz com a própria profissão, que recebe um valor justo pelo seu trabalho, é valorizado e respeitado pela

pra nós, arquiteto de sucesso é aquele feliz com a própria profissão, que recebe um valor justo pelo seu trabalho, é valorizado e respeitado pela pra nós, arquiteto de sucesso é aquele feliz com a própria profissão, que recebe um valor justo pelo seu trabalho, é valorizado e respeitado pela sociedade e tem tempo pra si mesmo e pra sua família +

Leia mais

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS.

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. Nome dos autores: Leane da Silva Ferreira, Dieysa Kanyela Fossile.

Leia mais

A passagem do tempo na cultura digital

A passagem do tempo na cultura digital A passagem do tempo na cultura digital "Tempus fugit", o tempo voa, é uma inscrição em latim encontrada em muitos relógios. Para mim, voa. E para você? Voa para todos, parece. Essa sensação de estar perdendo

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 4º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO:

PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: PLANO DE CURSO Curso: Bacharelado em Psicologia Disciplina: Processos de Desenvolvimento I Professora: Idenise Naiara Lima Soares Código: PSI17 Carga Horária: 60h Créditos: 03

Leia mais

Percepção e Projeção. Prof.a Tatiana Tung Gerencer UNIBAN - disciplina Técnicas Projetivas

Percepção e Projeção. Prof.a Tatiana Tung Gerencer UNIBAN - disciplina Técnicas Projetivas Percepção e Projeção Prof.a Tatiana Tung Gerencer UNIBAN - disciplina Técnicas Projetivas material para uso pelos alunos durante o curso de psicologia Percepção Ato ou efeito de perceber; recepção pelos

Leia mais

Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1

Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1 Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1 Juliana Souza TEIXEIRA 2 Dayane Bifon de BARROS 3 Rodrigo Daniel Levoti PORTARI 4 Universidade do Estado de Minas Gerais, Frutal, MG RESUMO

Leia mais

O PAPEL DAS CRENÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO PENSAMENTO HUMANO

O PAPEL DAS CRENÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO PENSAMENTO HUMANO O PAPEL DAS CRENÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO PENSAMENTO HUMANO Cristina Satiê de Oliveira Pátaro Resumo: O presente trabalho é fruto de Dissertação de Mestrado desenvolvida junto à Faculdade de Educação da Unicamp,

Leia mais

A família constituída por um homem, uma mulher e eventuais filhos, fundada sobre o um vínculo indissolúvel do

A família constituída por um homem, uma mulher e eventuais filhos, fundada sobre o um vínculo indissolúvel do DESAFIOS E POSSIBILIDADES DA FAMÍLIA NO LIMIAR DO NOVO MILÊNIO Dom João Carlos Petrini, Bispo de Camaçari e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral Vida e Família Introdução A família constituída por

Leia mais

Vídeo-aulas de resoluções de questões PETROBRAS (Unidade I)

Vídeo-aulas de resoluções de questões PETROBRAS (Unidade I) Vídeo-aulas de resoluções de questões PETROBRAS (Unidade I) TAUANE PAULA GEHM Psicóloga, mestre e doutoranda Colaboradora do Educa Psico TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação

Leia mais

A doença crónica e a deficiência relações com os recursos internos

A doença crónica e a deficiência relações com os recursos internos A doença crónica e a deficiência relações com os recursos internos 9º CONGRESSO NACIONAL DE PSICOLOGIA DA SAÚDE Aventura Social Faculdade de Motricidade Humana Aveiro, 10 Fevereiro de 2012 Lúcia Canha

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ENSINO DA HISTÓRIA E DA GEOGRAFIA. A Geografia Levada a Sério

INTRODUÇÃO AO ENSINO DA HISTÓRIA E DA GEOGRAFIA.  A Geografia Levada a Sério INTRODUÇÃO AO ENSINO DA HISTÓRIA E DA GEOGRAFIA 1 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou sua construção. Paulo Freire 2 O Último Pau de arara

Leia mais

Tentativas de Suicídio: abordagens na Atenção Primária. Prof. Dr. Maurício Eugênio Maliska

Tentativas de Suicídio: abordagens na Atenção Primária. Prof. Dr. Maurício Eugênio Maliska Tentativas de Suicídio: abordagens na Atenção Primária Prof. Dr. Maurício Eugênio Maliska Aspectos Históricos e Culturais O suicídio já foi motivo de admiração, tolerância, discriminação e condenação ao

Leia mais

INÚTIL PRAZER DE SER VOCÊ. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

INÚTIL PRAZER DE SER VOCÊ. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r INÚTIL PRAZER DE SER VOCÊ Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r INÚTIL PRAZER DE SER VOCÊ Qual é a utilidade que você tem para você? Leia este livro

Leia mais

Eva Maria Migliavacca

Eva Maria Migliavacca N Eva Maria Migliavacca este trabalho serão abordados alguns aspectos que podem ser observados no decorrer do processo terapêutico psicanalítico e desenvolvidas algumas reflexões a respeito. O trabalho

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO ESTUDAR PARA A PROVA TRIMESTRAL DO SEGUNDO TRIMESTRE PROFESSORA: TATIANA SILVEIRA 1 - Seguiu-se ao período pré-socrático

Leia mais

"A preocupação é como a cadeira de balanço: mantém você ocupado, porém, não o leva a lugar algum".

A preocupação é como a cadeira de balanço: mantém você ocupado, porém, não o leva a lugar algum. As páginas da vida, são cheias de surpresas Há capítulos de alegrias, mas também de tristezas, Há mistérios e fantasias, sofrimentos e decepções Por isso, não rasgues páginas, Não saltes capítulos, Não

Leia mais

1ª Roda de Conversa. Docência Universitária: nossos desafios

1ª Roda de Conversa. Docência Universitária: nossos desafios 1ª Roda de Conversa Docência Universitária: nossos desafios Paulo Freire A prática de pensar a prática é a melhor maneira de aprender a pensar certo. Eixos Espaço aberto de diálogo; Reflexão e estudo sobre

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

Apontamentos Psicanalíticos. Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada

Apontamentos Psicanalíticos. Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada Apontamentos Psicanalíticos Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada Apontamentos Psicanalíticos Textos Teórico-Clínicos e de Psicanálise Aplicada Vera Marieta Fischer z Zagodoni Editora Copyright

Leia mais

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Caroline Martins de Sousa Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em

Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em Lição 5 para 29 de outubro de 2016 Nos primeiros discursos de Jó contidos nos capítulos 3, 6 e 7 podemos observar a angustia que afligia o patriarca. Neles, derrama sua alma em lamentos e perguntas. «Pereça

Leia mais

A IMPORTANCIA DA REFLEXÃO NO DIREITO ELEITORAL

A IMPORTANCIA DA REFLEXÃO NO DIREITO ELEITORAL A IMPORTANCIA DA REFLEXÃO NO DIREITO ELEITORAL Michael Dionisio de SOUZA 1 Daiele dos Santos KAIZER 2 RESUMO A ideia de reflexão encontra-se ligada com o surgimento da filosofia, podendo ser considerada

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Teorias e Perspectivas Sociológicas Funcionalismo: enfatiza que o comportamento humano é governado por estruturas

Leia mais

NÃO TEMAS! ESTOU CONTIGO! 2ª FEIRA 23 DE OUTUBRO PALAVRA DE DEUS

NÃO TEMAS! ESTOU CONTIGO! 2ª FEIRA 23 DE OUTUBRO PALAVRA DE DEUS 2ª FEIRA 23 DE OUTUBRO PALAVRA DE DEUS É já esta semana que celebramos a Festa da Santidade Juvenil Salesiana. Já muito foi falado sobre como poderemos atingir a Santidade e, de facto, sabemos que é algo

Leia mais

Limpeza psíquica LIMPEZA PSÍQUICA

Limpeza psíquica LIMPEZA PSÍQUICA Limpeza psíquica O Racionalismo Cristão recomenda às pessoas que façam a limpeza psíquica diariamente em seus lares às 7 da manhã e às 8 da noite horas locais ou participem desse movimento espiritual em

Leia mais

Para ler. Consumismo e felicidade

Para ler. Consumismo e felicidade Para ler Consumismo e felicidade 08 14 Consumo não é consumismo O dinheiro possui o significado universal que é ser um meio de trocas, socialmente, estabelece alguns contornos e confere um estilo de vida

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Dados de identificação: Curso: Ensino Fundamental II Série: 9 Ano Professora: Denise dos Santos Silva Rocha Disciplina: Ensino Religioso Ano: 2016. Plano de curso 1-Objetivo

Leia mais

ALGUMAS PALAVRAS EM HOMENAGEM AO PAI

ALGUMAS PALAVRAS EM HOMENAGEM AO PAI ALGUMAS PALAVRAS EM HOMENAGEM AO PAI Ivonise Fernandes da Motta Instituto de Psicologia USP A importância da figura paterna na constituição e desenvolvimento psíquicos tem despertado constantes teorizações,

Leia mais

5 º ANO Unidade Letiva 1 - Viver juntos METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história.

5 º ANO Unidade Letiva 1 - Viver juntos METAS OBJETIVOS CONTEÚDOS B. Construir uma chave de leitura religiosa da pessoa, da vida e da história. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA Escola Básica Fernando Caldeira Departamento de Ciências Humanas e Sociais Educação Moral e Religiosa Católica - 5º ano Ano letivo 2016/2017 5 º ANO Unidade Letiva 1 -

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais