A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos"

Transcrição

1 A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Design de Comunicação, 3º Ano, 1º Semestre Copyright, 2010 José Farinha, ESEC A relação interpessoal Características básicas 2 1

2 As relações são criadas Uma relação não é algo que simplesmente acontece, mas resulta dos comportamentos concretos que a criam; Uma relação funciona como um sistema vivo no sentido em que se desenvolve ao longo do tempo. 3 As relações são actuadas As relações são actuadas no sentido em que são criadas e mantidas por acções; As acções de cada participante na relação são combinadas de forma a formarem padrões significativos de interacção. 4 2

3 As relações estão num estado de permanente devir Uma relação está num processo contínuo de evolução e transformação em algo de diferente; Uma relação tem que ser mantida e alimentada através do investimento pessoal dos parceiros nessa relação. 5 As relações são consequentes As relações implicam o envolvimento com outras pessoas e afectam a vida dos parceiros envolvidos. 6 3

4 As relações são qualitativas Cada relação tem um conjunto de qualidades que as tornam diferentes umas das outras; A qualidade de uma relação é definida por comportamentos comunicativos. 7 A definição de uma relação interpessoal é feita através de um processo de interacção que constitui uma forma de negociação organizada no sentido de se chegar a um acordo, ou contrato, que cria, a partir de várias realidades individuais, uma realidade relacional múltipla. 8 4

5 Definição da relação interpessoal A qualidade da relação 9 Características primárias: Descrevem a interacção em termos de eventos - aquilo que acontece. Descontinuidade: Em qualquer relação existem períodos em que não existe interacção; A relação existe mesmo na ausência de interacção; A relação é reactivada pela comunicação. Sincronia: A interacção organiza-se de forma a criar um padrão sincronizado de acções uma dança; A sincronia implica diferentes ritmos da interacção; Relações de tipo diferente implicam processos de sincronia diferentes. 10 5

6 Recorrência: Os padrões de interacção repetem-se de forma circular; O nosso conhecimento desses padrões resulta da experiência repetida desses padrões nas interacções ao longo a nossa vida; Relações de conhecimento:-padrões culturais; Relações chegadas: -história da relação. Reciprocidade: cada participante oferece uma definição recíproca que confirma a definição da relação proposta pelo outro. 11 Características secundárias: Incluem aquelas qualidades tipicamente atribuídas aos sentimentos internalizados de um ou mais indivíduos. Intensidade: medida em que a relação influencia o comportamento dos participantes; Intimidade: grau de proximidade emocional na relação. Confiança: Disponibilidade para correr riscos. Empenhamento: Nível do envolvimento emocional na relação. 12 6

7 Definição da relação interpessoal Negociação da relações interpessoais 13 A comunicação como uma relação negociada Ao criarem uma relação os participantes actuam um processo de negociação das suas diferenças individuais no sentido de atingir um objectivo comum a definição da sua relação. A comunicação interpessoal é uma mistura de cooperação e competição, de unidade e diversidade; Competição porque: temos um conceito de selfa manter e a proteger. Cooperação porque: são procuradas áreas de partilha comum (semelhança) a partir das diferenças individuais; É construída uma unidade social nova diferente de cada um dos participantes. 14 7

8 A Comunicação Interpessoal Assume um Acordo Futuro acerca de Um Contrato Potencial Qualquer interacção assume, desde o início, a existência de um futuro potencial, uma resultado; O resultado concreto de uma interacção pode não ser aparente no início; O processo de chegar a um resultado depende do tipo de relação. 15 Cada participante traz para a comunicação interpessoal um selfque é oferecido como a mercadoria básica a ser negociada O selfé oferecido através das acções com que cada participante contribui para a relação; Cada participante só contribui com parte do seu self. A comunicação interpessoal envolve um acordo interaccional que pode ou não incorporar todas as ofertas do self de cada participante A participação numa interacção implica certas obrigações; Essas obrigações podem não envolver partes significativas do self. 16 8

9 Definição da relação interpessoal Questões de base 17 Aspectos básicos Questões de base são questões que têm ser resolvidas e que, até isso acontecer, constituem um tópico de negociação; Algumas questões são comuns a todos os actos de comunicação interpessoal, enquanto que outras são específicas de determinados indivíduos ou relações. 18 9

10 Questões informacionais Estão relacionadas com a informação utilizada para reduzir a incerteza acerca de Quem sou eu? Quem é a outra pessoa? Temos alguma coisa em comum? etc.; Mais importantes nas fases iniciais da relação; Normalmente fáceis de resolver porque nascem de uma simples falta de informação. 19 Questões relacionais A nível intrapessoal: Envolvem questões como: Quem sou eu em relação a ti? Quem és tu em relação a mim? A nível interpessoal (relacional): 3 categorias de questões: O selfcomo objecto: o selfé definido em relação a um tópico concreto comum; O selfcomo o outro : centradas na exposição que um dos participantes faz das suas experiências e nos comentários que o parceiro faz a essas mesma experiências; O selfrelacional: centradas na experiência comum, na relação

11 Definição da relação interpessoal Estratégias 21 As estratégias: São a unidade fundamental da comunicação interpessoal; Derivam do facto de a comunicação ser consequente; São as acções com que contribuímos para o padrão de interacção; São utilizadas com diferentes níveis de consciência: 22 11

12 Estratégias orientadas para o self Servem para informar a outra pessoa das razões subjacentes ao nosso comportamento. Prestar contas : É a estratégia mais comum; Serve para explicitar as razões do comportamento, normalmente no sentido de se desculpar ou se justificar quando o comportamento é julgado erróneo ou ofensivo -Ex. Não foi isso que eu disse, Acho que compreendeste mal, Não tive outra opção, Desculpa, isso foi estúpido da minha parte ; revelar a conexão existente entre o comportamento observável e outros elementos não observáveis intenções, desejos, motivos, atitudes, tec. Ex. Só estou a tentar ajudar-te, 23 Sinalização : Serve para clarificar as funções de um comportamento num determinado padrão interaccional; Normalmente é usada como forma de introduzir uma contribuição para a interacção Ex. Isto é só uma ideia na minha cabeça ; Tentativa de evitar os problemas ligados aos desentendimentos

13 Estratégias orientadas para o outro Obter cedência: envolvem uma tentativa de persuadir ou manipular a outra pessoa no sentido de a levar a aceitar algo; Confirmação/desconfirmação: envolvem as tentativas para dizer à outra pessoa que ela ou a sua auto-imagem são úteis/inúteis ou aceitável/inaceitável. 25 Estratégias orientadas para a relação Sinais de ligação: referem-se a objectos, acções, acontecimentos e expressões que evidenciam a existência de uma ligação emocional entre duas ou mais pessoas. rituais, marcadores e sinais de mudança. Modalidades de controle: definem implicitamente a relação em termos de quem está ao leme da relação

14 Estratégias orientadas para a situação Estratégias que permitem lidar com a situação de forma a recuperar o controle perdido; Redefinir; Confrontar; Atribuir controle; Ignorar; Ser fatalista; Fazer humor; Contra-atacar; Abandonar. 27 Estratégias centradas em objectivos Envolvem tentativas para modificar a relação no sentido da consecução de um determinado objectivo particular; Normalmente implicam igualmente uma tentativa para elevar o nível de intensidade ou intimidade na relação

15 Estratégias centradas em temas Estratégias centradas no controle da informação que circula no processo de comunicação: Assumir posição; Desafiar o tema; Pedir/dar informação; Evitar o tema; Buscar/fornecer solução ou compromisso; Combinação de dois ou mais temas

Competência comunicativa e comunicação interpessoal

Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência Definição de competência comunicativa O comunicador competente A relação competente Melhorar a competência comunicativa COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal (2)

Liderança a e desempenho grupal (2) Liderança a e desempenho grupal (2) Tomada de decisão grupal Factores de eficácia cia do desempenho grupal Copyright, 2006 José Farinha Tomada de decisão grupal A tomada de decisão é uma das tarefas realizadas

Leia mais

Teorias do Ciclo de Vida (TCV)

Teorias do Ciclo de Vida (TCV) Psicologia do Adulto e do Idoso EDUCAÇÃO SOCIAL 1º Ano, 2º Semestre 2014/2015 SUMÁRIO: Aspectos teóricos de base Teorias do Ciclo de Vida (TCV) Objectivos e âmbito das TCV ; Teoria de Charlotte Bühler;

Leia mais

A Família como sistema de interacções

A Família como sistema de interacções A Família como sistema de interacções Aspectos gerais Caracterização do sistema Níveis de abordagem do sistema Interaccional/funcional Estrutural Contextual Critérios de eficácia do funcionamento Copyright,

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

Helping vulnerable families: the professionals between and/or collaborative pratices

Helping vulnerable families: the professionals between and/or collaborative pratices Helping vulnerable families: the professionals between and/or collaborative pratices Sofia Rodrigues, Álvaro Mendes, Sara Guerra and Liliana Sousa Universidade de Aveiro Os sistemas formais de apoio atravessam

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

Gestão de conflitos. António Rosado

Gestão de conflitos. António Rosado Gestão de conflitos António Rosado Emergência de uma nova perspectiva sobre o conflito GESTÃO de CONFLITOS O conflito é o processo que começa quando uma parte percepciona que frustrou a outra ou está prestes

Leia mais

Integridade familiar na velhice

Integridade familiar na velhice Integridade familiar na velhice Liliana Sousa, Filipa Marques, Ana Raquel Silva, Liliana Santos Secção Autónoma de Ciências da Saúde - Universidade de Aveiro Pertinência do estudo Os estudos sobre o envelhecimento

Leia mais

EMPOWERMENT e SERVIÇO SOCIAL

EMPOWERMENT e SERVIÇO SOCIAL UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA VISEU DEGCS LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL 3º ano OFICINA DO SERVIÇO SOCIAL V EMPOWERMENT e SERVIÇO SOCIAL Payne, Malcolm (2002) Teoria do Trabalho Social Moderno Capítulo

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06

Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06 Psicologia Social II Atitudes (2) Formação das atitudes Funções das atitudes Copyright, 2006 José Farinha Formação das atitudes 2 linhas teóricas fundamentais na pesquisa sobre formação de atitudes LINHA

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal

Liderança a e desempenho grupal Liderança a e desempenho grupal Definição de liderança Comportamento de liderança Teorias de liderança Copyright, 2006 José Farinha Definição de liderança O que é um líder? l A liderança é o exercício

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre o ambiente natural. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2499-1

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre o ambiente natural. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2499-1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 2 Propostas de investigação sobre o ambiente natural ISBN 978-111-11-2499-1 9 781111 124991 Introdução Num mundo caracterizado por uma exploração descontrolada

Leia mais

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOSÉ AFONSO Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova 340 2014 12º Ano de Escolaridade Objeto de avaliação A prova a que esta informação se refere incide nos conhecimentos e nas competências

Leia mais

Globalização A sociedade em rede

Globalização A sociedade em rede Globalização A sociedade em rede Quatro grandes transformações estão a ocorrer como resultado das interacções entre a sociedade e a corrente revolução tecnológica em redes electrónicas. Essas transformações

Leia mais

EXAME DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA COMUNICAÇÃO

EXAME DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA COMUNICAÇÃO PROVA DE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA COMUNICAÇÃO Sala 21 09h00 11h00 PROVA DE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA COMUNICAÇÃO O examinando deve escrever no mínimo 3 páginas e no máximo 6 páginas. Questionário Grupo I

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

O Indivíduo e a Comunicação Interpessoal

O Indivíduo e a Comunicação Interpessoal O Indivíduo e a Comunicação Interpessoal Definição pessoal no processo de comunicação O Self O Outro COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Design de Comunicação, 3º Ano, 1º Semestre Copyright, 2010 José Farinha, ESEC

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Ecologia do Desenvolvimento Humano O Microsistema O Mesosistema O Exosistema O Macrosistema Copyright, 2005 José Farinha, Prof.

Leia mais

REDES e CIDADANIA: TRILHOS de FUTURO no ENSINO SUPERIOR. IPAM - 13 de Novembro

REDES e CIDADANIA: TRILHOS de FUTURO no ENSINO SUPERIOR. IPAM - 13 de Novembro REDES e CIDADANIA: TRILHOS de FUTURO no ENSINO SUPERIOR IPAM - 13 de Novembro Índice 1- REDE Versatilidades e paradoxos da palavra 2- A EMERGENCIA de REDES como PADRÃO ORGANIZATIVO HUMANO: contextos e

Leia mais

Balanço de Competências

Balanço de Competências Balanço de Competências Modelo em Árvore de desenvolvimento de competências empreendedoras José Soares Ferreira Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste documento, ou de qualquer uma

Leia mais

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Filipa Marques e Liliana Sousa Secção Autónoma de Ciências da Saúde - Universidade de Aveiro II Congresso Internacional A voz dos avós:

Leia mais

Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3

Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3 Estratégias de comunicação dos riscos Módulo B3 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português.

Leia mais

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano)

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano) ANO : 12º PSICOLOGIA B Curso Científico-Humanístico p.1/4 COMPETÊNCIAS A UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a humano) TEMA 1: ANTES DE MIM A genética, o cérebro e a cultura (12 aulas de 90`) ADN, genes e cromossomas.

Leia mais

Gestão nas organizações

Gestão nas organizações Gestão nas organizações Gestão e organização Significados da gestão Níveis e áreas da gestão Funções (Tarefas) do processo de gestão O contexto da gestão Perspectivas Críticas 1 Gestão da organização e

Leia mais

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu

MÓDULO VI. A União Europeia. e os Desafios do Século XXI. União Europeia. Fundo Social Europeu MÓDULO VI A e os Desafios do Século XXI O papel da no Mundo Ajuda ao Desenvolvimento PESC Processo de integração Manutenção da Paz Democracia uro Direitos Humanos Globalização Criminalidade Justiça Mercado

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Motivação na Sala de Aula MOTIVAÇÃO E LEI DO EFEITO O MOTIVO E AS SUAS COMPONENTES TIPOS DE MOTIVOS MOTIVAÇÃO E CONFLITO MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO O PAPEL DO PROFESSOR Copyright,

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Será Culpa ou Vergonha?

Será Culpa ou Vergonha? Será Culpa ou Vergonha? Aprenda a distinguir e a lidar com estas emoções! O que são? A vergonha e culpa são emoções auto-conscientes que fazem parte do sistema moral e motivacional de cada indivíduo. Estas

Leia mais

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012 JORNADAS DE REFLEXÃO 6 e 7 de Setembro 2012 Formação Científica Sólida BOM POFESSOR Competências Pedagógicas Envolvimento e Sucesso dos Alunos CONCEITO DE ANDRAGOGIA PEDAGOGIA ANDRAGOGIA Educação de Adultos

Leia mais

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Ecologia do Desenvolvimento Humano O Microsistema O Mesosistema O Exosistema O Macrosistema Copyright, 2008 José Farinha, Prof.

Leia mais

Análise das Interacções verbais Abordagens antropológica, linguística e sociológica

Análise das Interacções verbais Abordagens antropológica, linguística e sociológica Análise das Interacções verbais Abordagens antropológica, linguística e sociológica Sessão 7 Condicionamentos, regras e normas das interacções verbais FCSH 2º semestre 2011-2012 FIGURAÇÃO ( FACEWORK )

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

Processos de influência social

Processos de influência social Processos de influência social Defição de influência social Modalidades/processos de IS Alguns estudos clássicos Sherif (1935, 1936) Asch (1955, 1956) Copyright, 2006 José Farinha Definição de influência

Leia mais

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO F2 FORMAÇÃO APRENDES MELHOR ATRAVÉS DA OBSERVAÇÃO, OUVINDO OU PRATICANDO A INFORMAÇÃO QUE RECEBES? Todos somos diferentes quando se trata de aprendizagem e retenção de informação. Existem vários estilos

Leia mais

Seminário Internacional Assédio Sexual e Moral no Local de Trabalho

Seminário Internacional Assédio Sexual e Moral no Local de Trabalho Seminário Internacional Assédio Sexual e Moral no Local de Trabalho 3 de Junho, ISCSP-ULisboa Auditório Piso 1 No Seminário serão apresentados resultados preliminares do projecto de pesquisa Assédio Sexual

Leia mais

OBRA SOCIAL PAULO VI. Vou ter um irmão. - Orientações para os pais

OBRA SOCIAL PAULO VI. Vou ter um irmão. - Orientações para os pais OBRA SOCIAL PAULO VI Vou ter um irmão - Orientações para os pais Introdução O nascimento de um irmão é um acontecimento de vida muito stressante para a criança pequena e as suas reacções a este acontecimento

Leia mais

Automotivação. Resistência a Mudança

Automotivação. Resistência a Mudança Automotivação Resistência a Mudança Introdução A automotivação (AM) é uma abordagem para lidar com comportamentos aditivos, que são hábitos que levam a pessoa a estabelecer um vínculo estreito com algum

Leia mais

O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa

O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa Prevenção das lesões músculo-esqueléticas (LME) O problema de saúde relacionado com o trabalho mais comum na Europa Os objectivos comunitários no âmbito da Estratégia de Lisboa prevêem a criação de empregos

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação 2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação Objectivos de Aprendizagem Identificar várias estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar Tecnologias da Informação para confrontar

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2014-2015 1ºSemestre 2000 1999 sentimento de si nuclear - consciência de si aqui e agora imagem corporal condição necessária sentimento de si sim não reconhecimento

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. A CAMADA DE ENLACE DE DADOS (Parte 1) Relembrando as aulas do semestre passado quando estudamos os modelos de referência, lembramos que a Camada de Enlace de Dados é a camada responsável pela

Leia mais

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde 95 96 Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Princípio 1 Foco no cliente: dado que as organizações dependem

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ASSERTIVA

A COMUNICAÇÃO ASSERTIVA PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação COMUNICAÇÃO EM ACÇÃO A COMUNICAÇÃO ASSERTIVA Definição de assertividade Comportamentos comunicacionais Para uma comunicação assertiva Copyright, 2014 José

Leia mais

Gestão nas organizações

Gestão nas organizações Gestão nas organizações Gestão e organização Significados da gestão Níveis e áreas da gestão Funções (Tarefas) do processo de gestão O contexto da gestão Perspectivas Críticas Caso Ryanair (próxima aula

Leia mais

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Faculdade de Motricidade Humana Escola Secundária Fernando Namora Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Orientadores: Professores Estagiários:

Leia mais

Serão as emoções importantes? Sim

Serão as emoções importantes? Sim As emoções Emoções Uma reação complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reações fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afetivas, sentimentais

Leia mais

Finanças em Projetos de TI. Profa. Liliam Sakamoto Aula 9

Finanças em Projetos de TI. Profa. Liliam Sakamoto Aula 9 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 9 Assuntos da aula de hoje: Resumo das metodologias de análise de projetos de investimentos Aquisições Payback É o período de tempo necessário para

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Aspectos gerais Comunicação interpessoal e comunicação grupal Comunicação interpessoal e relações interpessoais

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

PSICOLOGIA B - 12º ano

PSICOLOGIA B - 12º ano PSICOLOGIA B - 12º ano Tema 2: EU Processos emocionais A professora: Antónia Couto Ano letivo: 2011-2012 Índice Introdução Distinção entre afeto, sentimento e emoção (D5) Definição de emoção (D6 e D7)

Leia mais

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008)

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) O ALINHAMENTO ENTRE A ESTRATÉGIA E OS SISTEMAS DE RH: QUESTÕES - CHAVE A CONSIDERAR (Adaptado de Gratton, 1999) O CICLO DE CURTO PRAZO Estabelecimento

Leia mais

O Comportamento do Consumidor engloba o estudo dos que compram, por que compram e onde compram.

O Comportamento do Consumidor engloba o estudo dos que compram, por que compram e onde compram. Refere-se ao aspecto de como os indivíduos tomam decisões de gastar seus recursos disponíveis (tempo, dinheiro, esforço etc.) em itens relacionados ao consumo. O Comportamento do Consumidor engloba o estudo

Leia mais

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho

1 Desenho da investigação. 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho 1 Desenho da investigação 1.1 Definição e objectivos 1.2 Elementos do desenho Definição: Plano e estrutura do trabalho de investigação; Conjunto de directivas associadas ao tipo de estudo escolhido Objectivos:

Leia mais

À VANGLÓRIA PERDIDA: Complexo de Inferioridade GILDEMAR DOS SANTOS

À VANGLÓRIA PERDIDA: Complexo de Inferioridade GILDEMAR DOS SANTOS À VANGLÓRIA PERDIDA: Complexo de Inferioridade GILDEMAR DOS SANTOS VITORIA DA CONQUISTA - BA AGO / 2016 1 Gildemar dos Santos Pr. Presidente: Assembleia de Deus Ministerio Pentecostal Chamas do Espirito

Leia mais

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS

O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS na Contemporaneidade: desafios e possibilidades O USO DE JOGOS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: TRABALHANDO COM AS OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS E INTEIROS José Márcio da Silva Ramos Diniz Universidade Estadual

Leia mais

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento O líder como administrador de conflitos A dinâmica dos grupos organizacionais é marcada por diferentes conflitos, principalmente do tipo interpessoal,

Leia mais

Gestão por Competência

Gestão por Competência Gestão por Competência Vera Gobetti 04/05/2017 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS É UMA EVOLUÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS A Competência é sustentada em 3 pilares: 1- Conhecimento 2- Habilidades 3- Atitudes Aspectos Fundamentais

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

A Dimensão Interna da Saúde Mental dos Cuidadores

A Dimensão Interna da Saúde Mental dos Cuidadores João Albuquerque Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro 26-Abr-2013 - Assumar A Saúde Profissional Área de estudo com desenvolvimento exponencial ao longo do século XX: -Trabalho

Leia mais

Concretizar ideias e Criar Modelos de Negócios (Osterwalder & Pigneur, 2010)

Concretizar ideias e Criar Modelos de Negócios (Osterwalder & Pigneur, 2010) Concretizar ideias e Criar Modelos de Negócios (Osterwalder & Pigneur, 2010) Luís Mira da Silva Segmentos de Clientes Uma organização serve um ou vários Segmentos de Clientes Mercado de Massas Nicho de

Leia mais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais Assertividade Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Data: 07 Nov. 2016 a 08 Nov. 2016 Preço: 625 Horário: Laboral - 09h00-17h00 Nível: Intermédio Duração: 14 horas No final desta ação, os participantes

Leia mais

Processos de inferência social

Processos de inferência social Processos de inferência social Aspectos gerais Tipos de inferência social O processo de inferência Heurísticas Rigor na inferência social Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Definição Cada indivíduo

Leia mais

CAPÍTULO 8 OUTROS MODOS CONTRATUAIS

CAPÍTULO 8 OUTROS MODOS CONTRATUAIS CAPÍTULO 8 OUTROS MODOS CONTRATUAIS CONTRATOS DE GESTÃO CONTRATO DE GESTÃO Acordo pelo qual uma Empresa assume, contra remuneração, a gestão de um negócios do qual não detém a propriedade CONTRATO DE

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A.º ou 2.º Anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 Dados, informação e conhecimento Os dados podem ser considerados os fatos brutos, o fluxo

Leia mais

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL. Consulta Jurídica

PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL. Consulta Jurídica PRÁCTICA PROCESSUAL CIVIL Consulta Jurídica 1ª Sessão Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 Sumário I - A consulta jurídica 1.1 A Consulta ao Cliente 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA

CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa Workshop: As Competências Transversais do MEEC no Modelo de Bolonha CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA Gabinete de Estudos

Leia mais

Introdução à Economia. - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio

Introdução à Economia. - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio Introdução à Economia - Modelos Econômicos - Ganhos de Comércio O que é Economia? Definição: Economia é uma ciência social que estuda como a sociedade administra seus recursos escassos. Por que é uma ciência

Leia mais

A Diretriz FIDI CONTRA CORRUPÇÃO E CONTRA SUBORNO

A Diretriz FIDI CONTRA CORRUPÇÃO E CONTRA SUBORNO A Diretriz FIDI CONTRA CORRUPÇÃO E CONTRA SUBORNO (ANTI-BRIBERY & ANTI-CORRUPTION CHARTER) v. 1.2 JULHO DE 2015 Conduzindo a luta contra a corrupção A FIDI está determinada a liderar o setor de transferências

Leia mais

P-54: Processos Circulares na resolução de conflitos nas organizações. Simone Lucca Kabariti

P-54: Processos Circulares na resolução de conflitos nas organizações. Simone Lucca Kabariti P-54: Processos Circulares na resolução de conflitos nas organizações Simone Lucca Kabariti A vida é arte do encontro (Vinícius de Moraes) NOSSA INS-PIRAÇÕES Célia Passos Formação em Mediação, Facilitação

Leia mais

Criar condições de Segurança e de uma Paz Durável para Todos

Criar condições de Segurança e de uma Paz Durável para Todos Memorando do Workshop 5 http://jaga.afrique-gouvernance.net Criar condições de Segurança e de uma Paz Durável para Todos Contexto e Problemática De acordo com os termos de referência, o Workshop 5 referente

Leia mais

O Paradigma da Habitação Social

O Paradigma da Habitação Social O Paradigma da Habitação Social A HABISOLVIS E.M., criada em 2004 tem como objecto social principal: A gestão social, patrimonial e financeira da habitação social património do município de Viseu; A gestão

Leia mais

As Alianças Estratégicas como Opção de Crescimento das Empresas: Implicações ao nível do Corporate Governance

As Alianças Estratégicas como Opção de Crescimento das Empresas: Implicações ao nível do Corporate Governance As Alianças Estratégicas como Opção de Crescimento das Empresas: Implicações ao nível do Corporate Governance Por:LuísTodoBom (e-mail: Angopartners@gmail.com) Professor Associado Convidado do ISCTE Membro

Leia mais

A Empresa Criadora do Conhecimento

A Empresa Criadora do Conhecimento A Empresa Criadora do Conhecimento A Empresa Criadora do Conhecimento 7 DIMENSÕES DA GESTÃO DO CONHECIMENTO (TERRA, 2000) 1.Alta administração: definição dos campos de conhecimento que deverão ter prioridade

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica.

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Equipe Trabalho em Equipe São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Objetivo comum. Objetivos do grupo acima dos interesses

Leia mais

Liderança Lean nas Operadoras de Saúde. Jose Roberto Ferro Lean Institute Brasil

Liderança Lean nas Operadoras de Saúde. Jose Roberto Ferro Lean Institute Brasil Liderança Lean nas Operadoras de Saúde Jose Roberto Ferro Lean Institute Brasil O Lean Institute Brasil é uma instituição de educação e pesquisa, sem fins lucrativos, dedicada à disseminação do Lean Thinking.

Leia mais

Envolvimento comunitário

Envolvimento comunitário Envolvimento comunitário Módulo B5 A tradução deste documento foi feita por Translators Without Borders, único responsável pela qualidade e fidelidade ao original desta versão em português. 1 Objetivo

Leia mais

IESUR / FAAR. Instituto de Ensino Superior de Ariquemes. Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO. entre. xxxx

IESUR / FAAR. Instituto de Ensino Superior de Ariquemes. Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO. entre. xxxx IESUR / FAAR Instituto de Ensino Superior de Ariquemes Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO entre xxxx e IESUR, Rondônia, Brasil CLÁUSULA PRIMEIRA - Preâmbulo Em busca de interesses

Leia mais

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio ANITA PIRES EMAIL: anitap@matrix.com.br FONE/FAX: (48) 223 5152 Características Históricas Ontem: Relações autoritárias; Trabalho escravo; Patrimônio: tangível

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

Facebook.com/concursovirtual Gestão de pessoas Trabalho em equipe O que é um grupo? Grupo primário x Grupo Secundário Os grupos podem ser formais ou informais. Formais - designados pela organização. Criados

Leia mais

Veja o alô de John Chambers. O futuro é aqui agora com a Cisco TelePresence.

Veja o alô de John Chambers. O futuro é aqui agora com a Cisco TelePresence. Prospecto da empresa Veja o alô de John Chambers. O futuro é aqui agora com a Cisco TelePresence. 2010 Cisco e/ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados. Este é um documento de informações públicas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA SANTIAGO DO CACÉM Módulo A1: Empregabilidade I: Comunicação e Relações Interpessoais 1º Período Estratégias de autoconhecimento e de promoção da auto-estima. A Comunicação nas relações interpessoais. Tipos de comunicação

Leia mais

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo O modelo de organização dominante nas sociedades modernas resultou da aplicação da tecnologia nos processos

Leia mais

Auditoria DISC. Juan Prueba

Auditoria DISC. Juan Prueba Auditoria DISC Juan Prueba 26/03/2016 1 Introdução à metodologia D.I.S.C. Este relatório baseia-se na metodologia D.I.S.C. e o seu objectivo é o de ajudar aos processos de progressão e selecção. D.I.S.C.

Leia mais

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal Processos de Grupo Aspectos básicos b do grupo coesão, socialização e normas grupais Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal Efeitos do grupo facilitação social Copyright, 2006

Leia mais

Acção performativa: Guia para um andar afirmativo 4.Março.2011

Acção performativa: Guia para um andar afirmativo 4.Março.2011 1 A ROTA DOS FEMINISMOS EM BEJA Acção performativa: Guia para um andar afirmativo 4.Março.2011 Por: Maria José Magalhães e Tatiana Mendes Concepção da Acção performativa: Deidré Mathee e Pedro Ferreira

Leia mais

Viseu Aconchega. Objetivos do projeto:

Viseu Aconchega. Objetivos do projeto: Normas de Admissão Viseu Aconchega O Projeto Viseu Aconchega tem como finalidade o combate à solidão, a ajuda aos estudantes com dificuldades em alojamento e a revitalização do centro histórico, através

Leia mais

Para: Psicologia B. Escolas João de Araújo Correia. Objeto da Avaliação. Caracterização da Prova. Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Para: Psicologia B. Escolas João de Araújo Correia. Objeto da Avaliação. Caracterização da Prova. Informação - Prova de Equivalência à Frequência Psicologia B Prova 340 2016 Tipo de Prova Escrita Secundário Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Para: Reprografias Portal do Agrupamento Diretores de Turma Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais