Adoção das Tecnologias e dos Sistemas de Informação em Entidades Hospitalares Estudo de caso em Portugal Região do Grande Porto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adoção das Tecnologias e dos Sistemas de Informação em Entidades Hospitalares Estudo de caso em Portugal Região do Grande Porto"

Transcrição

1 Adoção das Tecnologias e dos Sistemas de Informação em Entidades Hospitalares Estudo de caso em Portugal Região do Grande Porto Rui Bertuzi da Silva 1, Paulino Leite da Silva 1, José Luzia, António José Balloni 2 1 Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto Instituto Politécnico do Porto -ISCAP/IPP-, Portugal 2 Centro de Tecnologia da Informação CTI Brasil Resumo Este relatório de pesquisa retrata os resultados do estudo conduzido em cinco hospitais da região do grande Porto Portugal, integrado no Projeto GESITI Hospitalar, coordenado pelo Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI. O estudo incidiu sobre as tecnologias e sistemas de informação e teve por base um questionário, elaborado pelo CTI/GESITI, com cerca de 200 questões, distibuídas por cinco grandes áreas, gestão estratégica do hospital, pesquisa e desenvolvimento, inovação tecnológica, equipamento e tecnologia da informação e comércio eletrónico. Assim, com este estudo efetuou-se um levantamento do nível de implementação das tecnologias e sistemas de informação nos hospitais alvo do estudo e com as conclusões esperamos contrbuir para o enriquecimento do Projeto CTI/GESITI. Palavras-chave: Tecnologias da Informação, Sistemas de Informação, Hospitais. 1

2 I. Introdução As necessidades de informação em resultado da alteração das condições de mercado, da crescente concorrência e das alterações na estrutura da organização e na estratégia de negócio provocaram o desenvolvimento de novas práticas de Controlo de Gestão (Scapens, Burns, Baldvinsdottir, & Ezzamel, 2003). Segundo Vicente et al. (2011) a introdução de novos meios informáticos é uma das formas que as empresas encontraram para disponibilizar atempadamente informação e para responder rápida e de forma eficiente às pressões do seu meio envolvente. Foi notória a perceção de que as empresas estão atentas aos progressos tecnológicos como forma de introduzir técnicas de Controlo de Gestão mais avançadas que lhes permitam obter informação de apoio à gestão, quer de natureza financeira, quer não financeira, para apoiar / suportar as suas decisões. Balloni (2006) refere que no mundo globalizado a importância dos Sistemas de Informação (SI) e das Tecnologias de Informação (TI) torna-se cada vez mais relevante face às necessidades impostas pela concorrência. Tanto o conhecimento do negócio da empresa como o rápido fluxo de informação são fundamentais para a tomada de decisão, tornando implícito que o conhecimento dos SI é essencial para criar empresas competitivas, gerir corporações globais e fornecer os clientes com produtos e serviços de valor. Referem, também, Laudon & Laudon (2006) que a Gestão dos SI e TI pode ser considerada como uma importante área funcional para as operações das empresas, um campo de estudo essencial para a administração e gestão das empresas, tornando os SI e TI componentes vitais para o sucesso das organizações e empresas. 2

3 Desta forma, torna-se premente enunciar as definições básicas de Tecnologias de Informação e de Sistemas de Informação. Assim: TI = hardware + software, isto é, ferramentas que se utilizam para criar, armazenar e difundir dados e informação na criação do conhecimento SI = TI + pessoas + procedimentos que registam, transformam e distribuem a informação para apoiar a tomada de decisão, coordenação, controlo, análise e visualização na organização. Os SI desempenham três papéis vitais em qualquer organização (Balloni, 2006): 1. Suporte dos seus processos de negócios e operações; 2. Suporte na tomada de decisões dos seus funcionários e gestores; 3. Suporte nas suas estratégias em busca de uma vantagem competitiva. Também no setor da saúde estas questões se levantam, dada a crescente exigência, quer nos serviços públicos quer privados, que obriga a que os hospitais se organizem de modo a responder às necessidades das pessoas e ofereçam um cuidado efetivo e humanizado, fornecendo todas as informações que os utentes necessitam. Cruz-Cunha et al. (2009) referem a existência de vários estudos que examinam os benefícios da utilização das TI no setor da saúde. O setor da saúde, com o desenvolvimento da internet, foi levado a explorar as TI/SI tendo como escopo a melhoria do atendimento aos utentes dos hospitais, a melhoria da eficácia das próprias instituições em termos de negócio e, também, uma melhoria na comunicação entre os vários agentes do setor (Cruz-Cunha et al., 2009). 3

4 Como refere Sun (2010), um hospital é considerado um modelo de organização dos mais complexos que existem, pois necessita de uma multiplicidade de informações para o seu funcionamento interno além dos relacionados à sociedade de saúde onde está inserido. São vários os motivos desta complexidade, passando pelo arsenal técnico necessário para o diagnóstico, cura e prevenção de doenças com múltiplos atores participantes deste ambiente, incluindo pacientes, profissionais de saúde, fornecedores, empresas de saúde suplementar, órgãos governamentais, órgãos não-governamentais, organizações internacionais entre tantos outros que interagem neste contexto. Entretanto, um hospital não deixa de possuir pontos comuns de qualquer organização como a gestão de pessoas, de finanças, da segurança, da manutenção e gestão predial, de faturação, do relacionamento com fornecedores e o envolvimento com a comunidade onde está inserido. Diante deste contexto complexo a TIC Tecnologia da Informação é uma importante ferramenta para auxiliar a recolha, armazenamento, processamento e gestão de informações, enfim, para apoio aos processos envolvendo a área da saúde. E para isto é necessário, além dos recursos tecnológicos, pessoas com competências para desenvolver e gerir estratégias adequadas que atendam esta área do conhecimento. A utilização das TIC é defendida também no Relatório da OECD (2010), Improving Health Sector Efficiency: The Role of Information and Communication Technologies segundo o qual a utilização generalizada das TIC em saúde pode contribuir para a redução de custos operacionais dos serviços clínicos através do melhoramento das tarefas e da forma como são realizadas, poupando tempo com o processamento de dados e reduzindo a necessidade de lidar com papel e outros documentos. O que também pode aumentar a produtividade. Esta evidência na área da saúde depende, contudo, do contexto e da tecnologia utilizada (OECD, 2010). 4

5 No contexto atual, intensifica-se a utilização de indicadores e informações para comparar as organizações de saúde, visando levá-las a níveis de superioridade e vantagem competitiva, por meio de referências (benchmarks) de processos, práticas ou medidas de desempenho (Escrivão Junior, 2007). MacGregor, Hyland, & Harvie (2009) referem a existência de vários estudos que examinam os benefícios da utilização das TI no setor da saúde. O setor da saúde, com o desenvolvimento da internet, foi levado a explorar as TI/SI tendo como escopo a melhoria do atendimento aos utentes dos hospitais, a melhoria da eficácia das próprias instituições em termos de negócio e, também, uma melhoria na comunicação entre os vários agentes do setor. Como exemplos desses estudos antes referidos (Åkesson, Saveman, & Nilsson, 2007) referem a melhoria da qualidade de atendimento e da disponibilidade da informação. De acordo com Mechling & Sweeney (1997), as TI/SI acrescentam valor às organizações. Em primeira instância, porque adicionam valor por meio das possibilidades de pesquisa de informações e interatividade e pela possibilidade de partilha destas informações. Estas capacidades de pesquisa, interatividade e partilha, se usadas convenientemente, podem ajudar a redesenhar e melhorar processos de trabalho. Com as TI/SI, as organizações podem reestruturar o seu trabalho, alcançar maiores economias e melhorar os seus processos de controlo e feedback. No entanto, ainda segundo estes autores, no setor público, e ao contrário do setor privado, quando se questiona porque deixa o Governo de ganhar maior valor pela utilização das TI/SI, as duas principais respostas são a falta de liderança a longo prazo e falta de fundos. A tendência atual dificulta o financiamento de projetos de maior valor, inevitavelmente arriscados. Quando um gasto nestes projetos de TI depende de significativo estudo organizacional, 5

6 e o seu valor não pode ser comprovado pela experiência, tornam os riscos incertos. O Governo por tendência evita o risco e opta por baixos gastos em projetos cujo risco é elevado, preferindo a manutenção de sistemas já existentes apesar de já não atenderam às necessidades ou não estarem atualizados com os seus objetivos, excetuando-se aqui os projetos da órbita da cobrança tributária. Haux (2010) refere que os cuidados de saúde estão em constante mudança devido, também, às contínuas transformações nas práticas de saúde motivadas pelos avanços tecnológicos. As TI na saúde têm a responsabilidade de contribuir para as melhorias nos cuidados prestados às populações, através das suas contribuições para cuidados de saúde de alta qualidade e eficiência e para a investigação inovadora em biomedicina e ciências da saúde relacionadas. Este autor aponta, ainda, algumas possíveis transformações nesta área, entre outras, a crescente interatividade entre a recolha automática e armazenamento de informação via diagnóstico e terapêuticas informáticas. Não obstante toda a evolução na utilização das TI/SI no setor da saúde, Ammenwerth, Gräber, Herrmann, Bürkle, & König (2003) referem que é de extrema importância para os decisores e utilizadores proceder-se a uma rigorosa avaliação da tecnologia implementada. Nesta avaliação, não só a TI, mas também a interação entre a TI e os utilizadores no processamento da informação deve ser tomada em consideração. A avaliação deve levar em conta o ambiente em que a TI é utilizada (Ammenwerth et al., 2003). 6

7 II. Metodologia No presente capítulo descrevemos a metodologia utilizada. O alvo da investigação foram cinco hospitais, nos quais foram realizadas entrevistas e respondido o questionário constituído por cerca de 200 questões. As entrevistas podem ser classificadas em estruturadas, semi-estruturadas e não estruturadas (Marginson, 2008). Na presente investigação as perguntas constantes no questionário foram maioritariamente fechadas, combinadas com algumas questões abertas. Assim, temos como base de trabalho cinco estudos de caso. Os estudos de caso mais comuns são classificados por Yin (2009) em exploratórios, descritivos e explicativos. A presente investigação enquadra-se no estudo de caso descritivo. Na interpretação dos dados foi utilizada a técnica denominada de investigação interpretativa. A investigação interpretativa, ao contrário da abordagem positivista, tem em consideração a relação entre as ações do dia e as dimensões da estrutura social. Esta situação implica encontrar as estruturas sociais e compreender como estas evoluem ao longo do tempo (Ryan, Scapens, & Theobald, 1998). De acordo com Silva & Silva (2013) este tipo de investigação recorre a um processo interativo, que inclui um estudo de campo, que o interpreta no seu contexto sob a perspetiva de vários intervenientes. Não é objetivo deste tipo de interpretação obter verdades últimas, apenas relatos que espelham as diversas interpretações, uma vez que se considera que a realidade é uma construção dos seus vários intervenientes. 7

8 III. Resultados Obtidos e Análise Este estudo tem como base cinco hospitais portugueses de grande dimensão, pertencentes à região do grande Porto e ao setor público. O questionário que serviu de base para a investigação aborda cinco grandes áreas: a gestao estratégica, pesquisa e desenvolvimento, inovação tecnológica, equipamentos e tecnologia da informação e comércio eletrónico. A Tabela 1 apresenta um resumo geral dos hospitais pesquisados: Caraterização dos Hospitais A B C D E Fundação Setor Público Público Público Público Público Composição do Capital 100% Nacional 100% Nacional 100% Nacional 100% Nacional 100% Nacional Quantidade de Funcionários Quantidade de Leitos USM IPO Sto.Ant. Póvoa S.João Tabela 1 Caracterização dos Hospitais alvo do estudo Todos os hospitais alvo desta investigação pertencem à segunda região mais densamente povoada de Portugal, o Grande Porto. Sendo assim, podemos onsiderar que esta investigação representa a realidade dos hospitais portugueses. No respeitante a uma das primeiras questões colocadas aos entrevistados, acerca do atendimento das manifestações e preocupações dos clientes, por parte dos hospitais, a resposta foi semelhante em todos eles. Essa resposta foi que essas mesmas manifestações e preocupações dos clientes estão intimamente ligadas à missão de cada hospital. Essas missões são: 8

9 Hospital A: Satisfazer todas as necessidades em saúde à população do Concelho, assumindo a integração dos diferentes níveis, desde a educação para a saúde e dos auto-cuidados, aos tratamentos continuados e paliativos e à referenciação para outros níveis da rede hospitalar. Hospital B: O Hospital tem como missão a prestação de cuidados de saúde, em tempo útil, centrados no doente, não descurando a prevenção, a investigação, a formação e o ensino no domínio da oncologia com o objetivo de garantir elevados níveis de qualidade, humanismo e eficiência. Hospital C: O Hospital é um Hospital Central e Escolar que visa a excelência em todas as suas actividades, numa perspectiva global e integrada da saúde. Centra-se na prestação de cuidados que melhorem a saúde dos doentes e da população, em actividades de elevada diferenciação e no apoio e articulação com as restantes instituições de saúde. Privilegia e valoriza o ensino pré e pós graduado e incentiva a investigação com o objectivo de contribuir para o desenvolvimento da ciência e tecnologia da saúde. Hospital D: O Hospital assume como missão prestar cuidados de saúde de qualidade à população da sua área de influência, assegurando, em simultâneo, o desenvolvimento profissional dos seus colaboradores, num quadro de eficiência e eficácia. Hospital E: O Hospital tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência, execelência e rigor, fomentando a formação pré e pós graduada e a investigação, respeitando sempre o princípio da humanização e promovendo o orgulho e sentido de pertença de todos os profissionais. 9

10 A seguir apresentamos várias tabelas gerais: A tabela 2 apresenta os recursos humanos efetivos de todos os hospitais pesquisados. A tabela 3 apresenta o perfil administrativo dos hospitais pesquisados. A tabela 4 apresenta o nível de formação dos efetivos. A tabela 5 apresenta a formação profissional. Recursos Humanos Total de Efetivos A B* C** D E*** Dirigente Médico Téc. Sup. Saúde Téc. Superior Informática Docente 1 Enfermagem Téc. Diag. Terapêutica Religioso 1 1 Assistente técnico Assistente operacional Outro Pessoal * Tabela 2 Distribuição dos Recursos Humanos por função desempenhada em cada Hospital * Hospital B - inclui Pessoal Dirigente, Conselho de Administração, Pessoal Docente, Investigadores, Pessoal Informática ** Hospital C - inclui Pessoal Docente e Religioso *** Hospital E - não especificado 10

11 Perfil da Administração A B C D E Presidente Diretor Clínico Enfermeiro-Diretor Vogal * Vogal * Tabela 3 Número de membros do Conselho de Administração de cada Hospital * Vogal - Embora não especificada em todos os casos, normalmente as funções destes Administradores são relativas à Direção Financeira e Direção de Recursos Humanos Nível Formação dos Efetivos A B C D E Ensino básico (1º grau) ND 420 ND Ensino secundário (2.º grau) ND 259 ND Ensino Superior ND ND Tabela 4 Distribuição da formação académica dos Recursos Humanos de cada Hospital Formação Profissional A B C D E N.º total de ações de formação 128 ND ND N.º total de participantes ND ND N.º total de participações ND ND N.º total de horas de formação ND ND Tabela 5 Dados relativos à Formação Profissional de cada Hospital 11

12 III.1 Descrição completa de todos os resultados obtidos Gestão Estratégica Relativamente a esta componente da avaliação efetuada dos cinco hospitais investigados, não foi possível obter qualquer dado no que respeita ao Hospital B. À exceção do Hospital B os restantes quatro hospitais possuem Plano Estratégico. Assim, nos hospitais que têm Plano Estratégico a administração tem conhecimento do mesmo. Já no que respeita às chefias intermédias dos Hospitais C, D e E têm conhecimento mas no que respeita ao Hospital A, essa situação não foi validada. No que respeita à comunicação do Plano Estratégico aos operacionais, obtivemos respostas positivas nos hospitais D e E. No capítulo da periodicidade da revisão do Plano Estratégico, esta situa-se entre 6 e 12 meses para os hospitais C, D e E. No hospital A não foi possível obter dados sobre a revisão do mesmo. Passando para a análise do grau de envolvimento por parte dos recursos humanos, nos hospitais A, D e E, o envolvimento é apenas da liderança executiva e dos líderes de processos. No hospital C existe a participação de todos. De salientar que no hospital E existe também a abertura para a discussão e participação de outros funcionarios. As estratégias são criadas recorrendo a diferentes elementos. O Hospital A recorre à análise da concorrência, ao grau de satisfação dos clientes, à procura atual e pontencial e o recurso à missão e competências reconhecidas. O Hospital B recorre à análise de cenários, análise da concorrência, ao grau de satisfação dos clientes, à procura atual e potencial e recorrem à missão e competências reconhecidas. O Hospital C recorre à análise de cenários e ao benchmarking. Por último o Hospital E recorre à análise de cenários, à análise da concorrência, ao grau de satisfação de clientes, ao benchmarking e recorrem à missão e competências reconhecidas. Tanto o cliente como os recursos humanos têm um grau de importância alto para os hospitais A e E, 12

13 médio para o hospital C e baixo para o hospital D. No que concerne ao acompanhamento os hospitais C, D e E fazem-no, por outro lado o hospital A não efetua esse acompanhamento. Os quatro hospitais que responderam a esta temática da estratégia usam ferramentas tipo o Balanced Scorecard, no entanto não obtivemos informações concretas quanto aos indicadores usados, à exceção do grau de satisfação dos clientes. Analisando de seguida as respostas sobre o conhecimento das novas tecnologias, todos os hospitais têm esse conhecimento mas por diferentes vias. O Hospital A tem conhecimento através de feiras e congressos. O hospital C obtém esse conhecimento por diversas formas entre elas, revistas, feiras e congressos, consultorias e pela internet. O hospital D o conhecimento surge através dos seus consultores e pela internet. Por úlimo o hospital E tem conhecimento através dos seus fornecedores. Passando à análise do último ponto sobre a influência da inovação tecnológica nos hospitais, existiu uma opinião que foi unânime que foi a do aumento da produtividade do hospital. De seguida foram destacados dois aspetos, a melhoria da qualidade e a melhoria da imagem, que foi partilhada pelos hospitais A, C e E. No que respeita à previsão de investimento nesta área o hospital A não sabe se o plano de negócio prevê investimentos para a inovação tecnológica. Os hospitais C e D não têm previsto qualquer montante para investimentos e finalmente o hospital E prevê no seu plano de negócios montantes para investimento em inovação tecnológica. Investigação e desenvolvimento No que respeita à inovação e desenvolvimento não obtivemos qualquer informação para os hospitais B e C. Dos restantes três hospitais a informação recolhida sobre a atividade de investigação e desenvolvimento realizada no período em análise ( ), a atividade é contínua no Hospital E e 13

14 ocasional nos Hospitais A e D. No que toca à importância dada à investigação e desenvolvimento o Hospital A dá uma importância média, os Hospital D e E dão uma importância baixa. Ao nível da importância da aquisição de outros conhecimentos externos os Hospitais A e E dão uma importância alta e por sua vez o Hospital D dá uma importância média. Inovação tecnológica No que respeita à inovação tecnológica, todos os hospitais alvo deste estudo têm opiniões muito semelhantes. Sendo assim, obtivemos evidência de que a inovação tecnológica é vista como uma forma da melhoria do desempenho dos hospitais. Salientamos que todos os hospitais se deparam com dificuldades financeiras e as razões apontadas são as restrições orçamentais e executivas. Outro aspeto relevante é o relativo ao acompanhamento do ambiente externo, que é efetuado por todos os hospitais, no sentido de se informarem das novas tecnologias e da tecnologia que é adquirida pelos hospitais concorrentes. Esse acompanhamento é efetuado de formas distintas em cada hospital. Assim, o Hospital A faz esse acompanhamento via participação em Feiras/Congressos, participação em redes de inovação, reuniões com representantes do setor. No Hospital B esse acompanhamento é feito a título individual pela Direção de Sistemas de Informação. O Hospital C faz esse acompanhamento via participação em Feiras/Congressos, participação em redes de inovação, reuniões com representantes do setor e participação em Comitês Setoriais. O Hospital D faz esse acompanhamento via participação em Feiras/Congressos, o acompanhamento pelo pessoal de TI e reuniões com representantes do setor. Por último o HospitalE faz esse acompanhamento via acompanhamento pelo pessoal de TI, reuniões com representantes do setor e participação em Comitês Setoriais. Os elementos do ambiente externo acompanhados usando as TI são: para todos os hospitais o interesse prende-se com o nível de 14

15 satisfação dos clientes. Para os Hospitais B, D e E acompanham ainda as tecnologias de interesse que surgem no ambiente externo. O Hospital D é o único que mencionou que também acompanham a concorrência. Investimento em Inovação Tecnológica Ao nível do investimento todos os hospitais investiram menos de 1% da sua faturação em inovação tecnológica (exceto o Hospital D que não obtivemos uma resposta para este ponto) e no futuro têm intenções de investir menos de 1% da sua faturação. Os investimentos previstos variam nos diferentes hospitais. Para o Hospital A o investimento previsto será na área da telemedicina. O Hospital B prevê investimentos na administração, ERP, CRM e telemedicina. O Hospital C o investimento previsto é para a área das operações. Já o Hospital D prevê investimentos para a administração. Por fim o Hospital E prevê investimentos na área da administração, operações, CRM e telemedicina. Os principais fornecedores são as grandes empresas nacionais privadas e estrangeiras e pequenas/médias empresas nacionais. Os Hospitais B e E fazem algum desenvolvimento próprio. O Hospital C tem recebido alguns produtos desenvolvidos por professores universitários. Os principais entraves indicados foram dois. Para os Hospitais A, C e D foi apontada a falta de verbas. Os Hospitais B e E apontaram outros motivos sem especificarem concretamente nenhum. Ao nível das linhas de crédito apenas o Hospital A menciou desconhecimento da exitência de fontes de financiamento. Os restantes hospitais tinham conhecimento da existência de fontes de financiamento e indicaram algumas das existentes tais como: QREN, SAMA (FEDER) e Saúde 21. No que respeita ao sistema de qualidade apenas o Hospital D não possui qualquer sistema de qualidade, todos os outros estão certificados. O Hospital A está certificado desde 2005, o B desde 2006, o C desde 2004 e o E desde Ao nível da metodologia de estão, todos 15

16 afirmaram que usam tendo o Hospital C mencionado a metodologia Kanban. Os restantes não especificaram nenhuma metodologia em particular. Cooperação para Inovação No tocante à cooperação para a inovação no período em análise, a importância da introdução das inovações tecnológicas para os hospitais obtivemos uma resposta unânime de alta importância. Ao nível da envolvênvia dos hospitais em arrnajos cooperativos apenas os Hospitais A, C e E responderam afirmativamente. Competitividade Hospitalar & Colaboração para Vantagem Estratégica Neste ponto do questionário foram efetuadas quatro perguntas, que por sua vez tinham várias possibilidades de escolha. A primeira nota de relevo é que do Hospital C não foi possível obter qualquer resposta. A questão número um questionava sobre a importância de determinados itens para a existência de colaboração nos hospitais. O Hospital A não escolheu nenhuma opção preferindo indicar como item mais importante convencer os utilizadores para a colaboração nos hospitais. Tal como aconteceu no Hospital anterior, também o Hospital B indicou um item diferente dos propostos e esse item foi, a partilha de informação e a inter-operabilidade. O Hospital D considera como item mais importante a necessidade de se reduzir custos. O Hospital E considerou como itens mais importantes as TIC s, a necessidade de reduzir custos, o aumento da competividade e a existência para uma tendência para a colaboração. A segunda questão abordava o principal desafio que hospitais vão enfrentar no século XXI. O Hospital A indicou a governação como principal desafio. Os restantes três Hospitais, B, D e E indicaram a eficiência dos processos e procedimentos hospitalares. O Hospital E indicou ainda a concorrência. Na 16

17 terceira questão que abordava a questão do alinhamento dos projetos com a estratégia, obtvemos três respostas diferentes. No Hospital A a resposta obtida foi que os projetos nem sempre estão alinhados com a estratégia. Nos Hospitais B e E a resposta obtida foi a de que os projetos estão sempre alinhados com a estratégia. Finalmente o Hospital D escolheu a opção não sei. A última questão sobre a competitividade que questionava sobre o que seria necessário para aumentar a competividade do hospital as respostas foram as seguintes: no Hospital A reduzir os prazos de lançamento de novos produtos e serviços, aumentar a agilidade e flexibilidade para gerir mudanças, utilizar o benchmarking e aumentar a disponibilidade de recursos financeiros para o core business; no Hospital B reduzir os custos com os servidores; no Hospital D reduzir os custos com os aplicativos, os custos com contratos de TI, utilizar o benchmarking e administrar os recursos de TI de forma centralizada; no Hospital E reduzir os custos com servidores, reduzir os custos com aplicativos, os custos com contratos de TI, reduzir os custos com armazenamento de dados, reduzir as perdas por ociosidade, aumentar a agilidade e flexibilidade para gerir mudanças, utilizar benchmarking, aumentar a disponibilidade de recursos financeiros, administrar os recursos de TI de forma centralizada, reduzir o risco de investimentos em novos negócios e aumentar a rapidez de retorno dos investimentos. Equipamentos de Tecnologia da Informação nos Hospitais No capitulo dos investimentos no período em análise os Hospitais C, D e E deram uma importância alta à aquisição de novas máquinas. Já o Hospital A deu uma importância média a aquisição de novas máquinas. Por último o Hospital B deu uma importância baixa a aquisição de novas máquinas. Todos os computadores são PC s e têm ligação à rede LAN e acesso à internet, excepto o Hospital C que tem parte dos PC s limitados no que respeita 17

18 ao acesso à internet. Ao nível das impressoras são maioritariamente a laser e matriciais. A suite office existe em todos os hospitais. No entanto apenas um hospital possui a totalidade dos aplicativos, que é o Hospital B. Os restantes hospitais possuem o Word, Excel e PowerPoint. Destacamos ainda o Hospital E que possui ainda o Open Office nas suas máquinas. No que respeita a outros aplicativos apenas o Hospital C possui Corel Draw e Adobe Photoshop em algumas máquinas especificas. Apresentamos na tabela 6 um quadro resumo: Equipamentos A B C D E Computadores PC X X X X X Quantidade Quantos computadores tem acesso à Internet Quantos computadores tem acesso à rede LAN Impressoras Laser X X X X X Quantidade Jato de Tinta X X Quantidade Matricial X X X X X Quantidade Impacto(linha) X X Quantidade Quantos computadores estão equipados com multimédia 80% N/A N/A 200 N/A Tabela 6 Número e tipo de equipamentos informáticos disponíveis em cada Hospital Ao nível dos aplicativos usados nos diferentes setores, uma vez que se tratam de hospitais públicos usam muito programas propostos pelo Ministério da Saúde, e outros criados em específico para cada hospital. 18

19 A última questão sobre o uso de programas para a composição de custos e determinação de preços, os Hospitais A e B não forneceram qualquer informação sobre a sua existência. Já os Hospitais D e E utilizam e o Hospital C não utiliza. Base de Dados No que concerne às Base de Dados, em todos os hospitais existe uma Data Warehouse, centralizada para os Hospitais A, B, C e E e departamental para o Hospital D. Ao nível do software de gestão de base de dados utilizado todos os hospitais usam soluções fornecidas pela Oracle. Ao nível dos departamentos que utilizam a Base de Dados iremos apresentálos na tabela 7: Departamentos que utilizam a Base de Dados A B C D E Administrativo X X X X X Comunicação/Marketing X X X Financeiro X X X X X Comercial X X Fiscal X X X X X Controlo de Stocks X X X X X Recursos Humanos X X X X X Registo Médico (software integrado) X X X X X Hotelaria Leitos/admissão/alta X X X X X Ambulatórios X X X X X Urgência / pronto socorro X X X X X Apoio ancilar (lavandaria, esterilização) X X X X X Centro cirúrgico X X X X Centro diagnóstico X X X X X Laboratório clínico X X X X Outros X X X Formação X Tabela 7 Departamentos que utilizam a Base de Dados em cada Hospital 19

20 Os sistemas operativos mais usados nos cinco hospitais são o Windows, HP/UX e Linux. O uso de Sun OS/Solaris é muito residual em algumas máquinas. O uso do windows está massificado nestes cinco hospitiais. Nenhum hospital usa o MAC OS. Ao nível dos serviços e outsourcing as respostas foram variadas, não existindo nenhum padrão nas respostas. Sendo assim ao nível do serviço de consultoria é usado nos Hospitais D e E. O serviço de telecomunicações é usado nos Hospitais A, C, D e E. O serviço de impressão é usado nos Hospitais A, C e E. Integração de sistemas é usado nos Hospitais A, C e D. Serviços de segurança são usados nos Hospitais A, C, D e E. O data center é usado no Hospital E. O serviço de aplicações é usado nos Hospitais A, B, D e E. Os serviços de redes e dados são usados pelos Hospitais A e E. Por último, o serviço de Helpdesk é usado pelo Hospital E. A previsão de investimento nesta área para os Hospitais A, C, D e E situa-se no período até 3 meses e o Hospital B não sabe qual o período do próximo investimento. No que respeita aos dispositivos de armazenamento, o hospital B usa todos os listados (RAID, Sistemas Jukebox, Disaster recovery, SAN, DWH). Os hospitais C e D usam todos, exceto os Sistemas Jukebox. O Hospital A usa o sistema RAID, SAN e DWH. Por último, o hospital E usa o sistema RAID, Disaster Jukebox e SAN. Ao nível do investimento nesta área os Hospitais A e E prevém investir num período até 3 meses, o hospital B num período de 6 a 12 meses, o Hospital D num período superior a 12 meses e o Hospital C não sabe qual o período até o próximo investimento. 20

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório: Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE JAÚ E GARÇA, REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Fernando R. de Almeida Prof. Ms.

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: PROJETO GESITI/SAÚDE Uma avaliação da gestão em sistemas e tecnologia da

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes pagadoras e a exigência dos pacientes por serviços

Leia mais

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR Cleide Maria Fernandes Bezerra1; Jaci Lima da Silva 1 ; Sandra Huzek 1 ; Fábia Micheline Duarte Alves 1 ; Ednalva Castelo 1 ;

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR

GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR 1 GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR Marcia Regina Camara Gabardo 1, Saulo Fabiano Amâncio Vieira 1, Renato Fabiano Cintra e Antonio José

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR.

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR. Diagnóstico acerca da Gestão de Tecnologias da Informação em hospitais de Uberlândia, MG Mirna Tonus 1 Adriana Cristina Omena dos Santos Marlon Wender Pinheiro Costa Tatiana Oliveira Lima Antonio José

Leia mais

Perfil de investimentos em TI de 550 empresas e organizações em 2010 (Ferramenta de Geração de Leads)

Perfil de investimentos em TI de 550 empresas e organizações em 2010 (Ferramenta de Geração de Leads) Perfil de investimentos em TI de 550 empresas e organizações em 2010 (Ferramenta de Geração de Leads) O ISF entrevistou 1.140 empresas entre os meses de dezembro de 2009 e fevereiro de 2010, com o objetivo

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas CEO Briefing Portugal 2015 The Economist A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas 92% dos executivos portugueses acreditam que as suas empresas dispõem de capacidades

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do

Leia mais

Estudo Empresas Darwin em Portugal

Estudo Empresas Darwin em Portugal Estudo Empresas Darwin em Portugal Introdução Num mercado muito competitivo em que os mais pequenos pormenores fazem a diferença, as empresas procuram diariamente ferramentas que lhes permitam manter-se

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) Página 1 de 16

Leia mais

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens Página2 Índice Empresa Valores Mercado Serviços Marcas Protocolo Vantagens a. Alunos / Docentes / Funcionários Contrapartidas Pág. 3 Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 7 Pág. 8 Pág. 8 4440-650 Valongo

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA ORGANIZAÇÃO EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES DE GOVERNO

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA ORGANIZAÇÃO EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES DE GOVERNO CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA ORGANIZAÇÃO EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES DE GOVERNO O DESAFIO NECESSIDADES CONFLITIVAS. TECNOLOGIAS CAMBIANTES. SOLUÇÕES COMPLEXAS.

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

1. Disposições Gerais

1. Disposições Gerais Instituto Politécnico de Santarém CiIPS Centro de Informática ANEXO REGULAMENTO INTERNO Junho de 2007 1. Disposições Gerais 1.1. Organização Interna 1.1.1. O CiIPS adopta uma forma de organização interna

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo Desafios da convergência em um mundo totalmente IP Sidney Longo 13 de abril de 2011 Agenda O CPqD Cenário Roadmap Tecnológico Tendências Tecnológicas Computação em Nuvem Mobilidade e Redes Sociais Multiplos

Leia mais

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 2011 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES COM O PATROCÍNIO DE: ÍNDICE A NOSSA PROPOSTA DE VALOR 3 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 4 Estrutura e Coordenação 5 Conteúdos e Corpo Docente 6 Introdução: Health Servuction

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

!"#$% #!$%&'()(*!#'+,&'(-.%'(.*!/'0.',1!,)2-(34%5! 6,-'%0%7.(!,!#'%8(34%! &#'(%)*%+,-.%

!#$% #!$%&'()(*!#'+,&'(-.%'(.*!/'0.',1!,)2-(34%5! 6,-'%0%7.(!,!#'%8(34%! &#'(%)*%+,-.% !"#$% #!$%&'()(*!#'+,&'(-.%'(.*!/'0.',1!,)2-(34%5! 6,-'%0%7.(!,!#'%8(34%! &#'(%)*%+,-.%! https://sites.google.com/site/grupouabpeti/ ISBN: 978-972-674-744-4! "! DIRETORES DE CURSO: PERSPETIVAS E CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão 01 02 03 Indra A Nossa Visão do Sector Público A Administração ao serviço do Cidadão Página 2 Quem Quiénes somos somos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico.

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. Índice Temático A empresa C3im Soluções para a área da

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Me. Elvis Pontes Conceitos e Componentes de Software Software (SW) são: os programas de computador; é a parte intangível do computador, representada pelos programas,

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications 09 de março de 2011 Mainstay Partners LLC 901 Mariners Island Blvd Suite

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Do Arquivo Clínico à Gestão da Informação

Do Arquivo Clínico à Gestão da Informação Do Arquivo Clínico à Gestão da Informação 1 A EXPERIÊNCIA DO CENTRO HOSPITALAR SÃO JOÃO, E.P.E. Fernanda Gonçalves (Responsável pelo Setor de Arquivo e Acesso à Informação) mfernanda.goncalves@hsjoao.min-saude.pt

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Estudo do grau de conhecimento e das necessidades de protecção de dados pessoais entre os alunos do ensino secundário e do ensino superior de Macau 2014 Sumário Para saber qual o grau de conhecimento e

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Fórum 2014 Porto Casa da Música. www.it4legal.org

Fórum 2014 Porto Casa da Música. www.it4legal.org Porto Casa da Música www.it4legal.org Porto Casa da Música IT4Legal Quem Somos IT4Legal é um grupo informal dedicado à partilha e divulgação de informação acerca de sistemas de informação nas sociedades

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais