Adoção das Tecnologias e dos Sistemas de Informação em Entidades Hospitalares Estudo de caso em Portugal Região do Grande Porto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adoção das Tecnologias e dos Sistemas de Informação em Entidades Hospitalares Estudo de caso em Portugal Região do Grande Porto"

Transcrição

1 Adoção das Tecnologias e dos Sistemas de Informação em Entidades Hospitalares Estudo de caso em Portugal Região do Grande Porto Rui Bertuzi da Silva 1, Paulino Leite da Silva 1, José Luzia, António José Balloni 2 1 Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto Instituto Politécnico do Porto -ISCAP/IPP-, Portugal 2 Centro de Tecnologia da Informação CTI Brasil Resumo Este relatório de pesquisa retrata os resultados do estudo conduzido em cinco hospitais da região do grande Porto Portugal, integrado no Projeto GESITI Hospitalar, coordenado pelo Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI. O estudo incidiu sobre as tecnologias e sistemas de informação e teve por base um questionário, elaborado pelo CTI/GESITI, com cerca de 200 questões, distibuídas por cinco grandes áreas, gestão estratégica do hospital, pesquisa e desenvolvimento, inovação tecnológica, equipamento e tecnologia da informação e comércio eletrónico. Assim, com este estudo efetuou-se um levantamento do nível de implementação das tecnologias e sistemas de informação nos hospitais alvo do estudo e com as conclusões esperamos contrbuir para o enriquecimento do Projeto CTI/GESITI. Palavras-chave: Tecnologias da Informação, Sistemas de Informação, Hospitais. 1

2 I. Introdução As necessidades de informação em resultado da alteração das condições de mercado, da crescente concorrência e das alterações na estrutura da organização e na estratégia de negócio provocaram o desenvolvimento de novas práticas de Controlo de Gestão (Scapens, Burns, Baldvinsdottir, & Ezzamel, 2003). Segundo Vicente et al. (2011) a introdução de novos meios informáticos é uma das formas que as empresas encontraram para disponibilizar atempadamente informação e para responder rápida e de forma eficiente às pressões do seu meio envolvente. Foi notória a perceção de que as empresas estão atentas aos progressos tecnológicos como forma de introduzir técnicas de Controlo de Gestão mais avançadas que lhes permitam obter informação de apoio à gestão, quer de natureza financeira, quer não financeira, para apoiar / suportar as suas decisões. Balloni (2006) refere que no mundo globalizado a importância dos Sistemas de Informação (SI) e das Tecnologias de Informação (TI) torna-se cada vez mais relevante face às necessidades impostas pela concorrência. Tanto o conhecimento do negócio da empresa como o rápido fluxo de informação são fundamentais para a tomada de decisão, tornando implícito que o conhecimento dos SI é essencial para criar empresas competitivas, gerir corporações globais e fornecer os clientes com produtos e serviços de valor. Referem, também, Laudon & Laudon (2006) que a Gestão dos SI e TI pode ser considerada como uma importante área funcional para as operações das empresas, um campo de estudo essencial para a administração e gestão das empresas, tornando os SI e TI componentes vitais para o sucesso das organizações e empresas. 2

3 Desta forma, torna-se premente enunciar as definições básicas de Tecnologias de Informação e de Sistemas de Informação. Assim: TI = hardware + software, isto é, ferramentas que se utilizam para criar, armazenar e difundir dados e informação na criação do conhecimento SI = TI + pessoas + procedimentos que registam, transformam e distribuem a informação para apoiar a tomada de decisão, coordenação, controlo, análise e visualização na organização. Os SI desempenham três papéis vitais em qualquer organização (Balloni, 2006): 1. Suporte dos seus processos de negócios e operações; 2. Suporte na tomada de decisões dos seus funcionários e gestores; 3. Suporte nas suas estratégias em busca de uma vantagem competitiva. Também no setor da saúde estas questões se levantam, dada a crescente exigência, quer nos serviços públicos quer privados, que obriga a que os hospitais se organizem de modo a responder às necessidades das pessoas e ofereçam um cuidado efetivo e humanizado, fornecendo todas as informações que os utentes necessitam. Cruz-Cunha et al. (2009) referem a existência de vários estudos que examinam os benefícios da utilização das TI no setor da saúde. O setor da saúde, com o desenvolvimento da internet, foi levado a explorar as TI/SI tendo como escopo a melhoria do atendimento aos utentes dos hospitais, a melhoria da eficácia das próprias instituições em termos de negócio e, também, uma melhoria na comunicação entre os vários agentes do setor (Cruz-Cunha et al., 2009). 3

4 Como refere Sun (2010), um hospital é considerado um modelo de organização dos mais complexos que existem, pois necessita de uma multiplicidade de informações para o seu funcionamento interno além dos relacionados à sociedade de saúde onde está inserido. São vários os motivos desta complexidade, passando pelo arsenal técnico necessário para o diagnóstico, cura e prevenção de doenças com múltiplos atores participantes deste ambiente, incluindo pacientes, profissionais de saúde, fornecedores, empresas de saúde suplementar, órgãos governamentais, órgãos não-governamentais, organizações internacionais entre tantos outros que interagem neste contexto. Entretanto, um hospital não deixa de possuir pontos comuns de qualquer organização como a gestão de pessoas, de finanças, da segurança, da manutenção e gestão predial, de faturação, do relacionamento com fornecedores e o envolvimento com a comunidade onde está inserido. Diante deste contexto complexo a TIC Tecnologia da Informação é uma importante ferramenta para auxiliar a recolha, armazenamento, processamento e gestão de informações, enfim, para apoio aos processos envolvendo a área da saúde. E para isto é necessário, além dos recursos tecnológicos, pessoas com competências para desenvolver e gerir estratégias adequadas que atendam esta área do conhecimento. A utilização das TIC é defendida também no Relatório da OECD (2010), Improving Health Sector Efficiency: The Role of Information and Communication Technologies segundo o qual a utilização generalizada das TIC em saúde pode contribuir para a redução de custos operacionais dos serviços clínicos através do melhoramento das tarefas e da forma como são realizadas, poupando tempo com o processamento de dados e reduzindo a necessidade de lidar com papel e outros documentos. O que também pode aumentar a produtividade. Esta evidência na área da saúde depende, contudo, do contexto e da tecnologia utilizada (OECD, 2010). 4

5 No contexto atual, intensifica-se a utilização de indicadores e informações para comparar as organizações de saúde, visando levá-las a níveis de superioridade e vantagem competitiva, por meio de referências (benchmarks) de processos, práticas ou medidas de desempenho (Escrivão Junior, 2007). MacGregor, Hyland, & Harvie (2009) referem a existência de vários estudos que examinam os benefícios da utilização das TI no setor da saúde. O setor da saúde, com o desenvolvimento da internet, foi levado a explorar as TI/SI tendo como escopo a melhoria do atendimento aos utentes dos hospitais, a melhoria da eficácia das próprias instituições em termos de negócio e, também, uma melhoria na comunicação entre os vários agentes do setor. Como exemplos desses estudos antes referidos (Åkesson, Saveman, & Nilsson, 2007) referem a melhoria da qualidade de atendimento e da disponibilidade da informação. De acordo com Mechling & Sweeney (1997), as TI/SI acrescentam valor às organizações. Em primeira instância, porque adicionam valor por meio das possibilidades de pesquisa de informações e interatividade e pela possibilidade de partilha destas informações. Estas capacidades de pesquisa, interatividade e partilha, se usadas convenientemente, podem ajudar a redesenhar e melhorar processos de trabalho. Com as TI/SI, as organizações podem reestruturar o seu trabalho, alcançar maiores economias e melhorar os seus processos de controlo e feedback. No entanto, ainda segundo estes autores, no setor público, e ao contrário do setor privado, quando se questiona porque deixa o Governo de ganhar maior valor pela utilização das TI/SI, as duas principais respostas são a falta de liderança a longo prazo e falta de fundos. A tendência atual dificulta o financiamento de projetos de maior valor, inevitavelmente arriscados. Quando um gasto nestes projetos de TI depende de significativo estudo organizacional, 5

6 e o seu valor não pode ser comprovado pela experiência, tornam os riscos incertos. O Governo por tendência evita o risco e opta por baixos gastos em projetos cujo risco é elevado, preferindo a manutenção de sistemas já existentes apesar de já não atenderam às necessidades ou não estarem atualizados com os seus objetivos, excetuando-se aqui os projetos da órbita da cobrança tributária. Haux (2010) refere que os cuidados de saúde estão em constante mudança devido, também, às contínuas transformações nas práticas de saúde motivadas pelos avanços tecnológicos. As TI na saúde têm a responsabilidade de contribuir para as melhorias nos cuidados prestados às populações, através das suas contribuições para cuidados de saúde de alta qualidade e eficiência e para a investigação inovadora em biomedicina e ciências da saúde relacionadas. Este autor aponta, ainda, algumas possíveis transformações nesta área, entre outras, a crescente interatividade entre a recolha automática e armazenamento de informação via diagnóstico e terapêuticas informáticas. Não obstante toda a evolução na utilização das TI/SI no setor da saúde, Ammenwerth, Gräber, Herrmann, Bürkle, & König (2003) referem que é de extrema importância para os decisores e utilizadores proceder-se a uma rigorosa avaliação da tecnologia implementada. Nesta avaliação, não só a TI, mas também a interação entre a TI e os utilizadores no processamento da informação deve ser tomada em consideração. A avaliação deve levar em conta o ambiente em que a TI é utilizada (Ammenwerth et al., 2003). 6

7 II. Metodologia No presente capítulo descrevemos a metodologia utilizada. O alvo da investigação foram cinco hospitais, nos quais foram realizadas entrevistas e respondido o questionário constituído por cerca de 200 questões. As entrevistas podem ser classificadas em estruturadas, semi-estruturadas e não estruturadas (Marginson, 2008). Na presente investigação as perguntas constantes no questionário foram maioritariamente fechadas, combinadas com algumas questões abertas. Assim, temos como base de trabalho cinco estudos de caso. Os estudos de caso mais comuns são classificados por Yin (2009) em exploratórios, descritivos e explicativos. A presente investigação enquadra-se no estudo de caso descritivo. Na interpretação dos dados foi utilizada a técnica denominada de investigação interpretativa. A investigação interpretativa, ao contrário da abordagem positivista, tem em consideração a relação entre as ações do dia e as dimensões da estrutura social. Esta situação implica encontrar as estruturas sociais e compreender como estas evoluem ao longo do tempo (Ryan, Scapens, & Theobald, 1998). De acordo com Silva & Silva (2013) este tipo de investigação recorre a um processo interativo, que inclui um estudo de campo, que o interpreta no seu contexto sob a perspetiva de vários intervenientes. Não é objetivo deste tipo de interpretação obter verdades últimas, apenas relatos que espelham as diversas interpretações, uma vez que se considera que a realidade é uma construção dos seus vários intervenientes. 7

8 III. Resultados Obtidos e Análise Este estudo tem como base cinco hospitais portugueses de grande dimensão, pertencentes à região do grande Porto e ao setor público. O questionário que serviu de base para a investigação aborda cinco grandes áreas: a gestao estratégica, pesquisa e desenvolvimento, inovação tecnológica, equipamentos e tecnologia da informação e comércio eletrónico. A Tabela 1 apresenta um resumo geral dos hospitais pesquisados: Caraterização dos Hospitais A B C D E Fundação Setor Público Público Público Público Público Composição do Capital 100% Nacional 100% Nacional 100% Nacional 100% Nacional 100% Nacional Quantidade de Funcionários Quantidade de Leitos USM IPO Sto.Ant. Póvoa S.João Tabela 1 Caracterização dos Hospitais alvo do estudo Todos os hospitais alvo desta investigação pertencem à segunda região mais densamente povoada de Portugal, o Grande Porto. Sendo assim, podemos onsiderar que esta investigação representa a realidade dos hospitais portugueses. No respeitante a uma das primeiras questões colocadas aos entrevistados, acerca do atendimento das manifestações e preocupações dos clientes, por parte dos hospitais, a resposta foi semelhante em todos eles. Essa resposta foi que essas mesmas manifestações e preocupações dos clientes estão intimamente ligadas à missão de cada hospital. Essas missões são: 8

9 Hospital A: Satisfazer todas as necessidades em saúde à população do Concelho, assumindo a integração dos diferentes níveis, desde a educação para a saúde e dos auto-cuidados, aos tratamentos continuados e paliativos e à referenciação para outros níveis da rede hospitalar. Hospital B: O Hospital tem como missão a prestação de cuidados de saúde, em tempo útil, centrados no doente, não descurando a prevenção, a investigação, a formação e o ensino no domínio da oncologia com o objetivo de garantir elevados níveis de qualidade, humanismo e eficiência. Hospital C: O Hospital é um Hospital Central e Escolar que visa a excelência em todas as suas actividades, numa perspectiva global e integrada da saúde. Centra-se na prestação de cuidados que melhorem a saúde dos doentes e da população, em actividades de elevada diferenciação e no apoio e articulação com as restantes instituições de saúde. Privilegia e valoriza o ensino pré e pós graduado e incentiva a investigação com o objectivo de contribuir para o desenvolvimento da ciência e tecnologia da saúde. Hospital D: O Hospital assume como missão prestar cuidados de saúde de qualidade à população da sua área de influência, assegurando, em simultâneo, o desenvolvimento profissional dos seus colaboradores, num quadro de eficiência e eficácia. Hospital E: O Hospital tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência, execelência e rigor, fomentando a formação pré e pós graduada e a investigação, respeitando sempre o princípio da humanização e promovendo o orgulho e sentido de pertença de todos os profissionais. 9

10 A seguir apresentamos várias tabelas gerais: A tabela 2 apresenta os recursos humanos efetivos de todos os hospitais pesquisados. A tabela 3 apresenta o perfil administrativo dos hospitais pesquisados. A tabela 4 apresenta o nível de formação dos efetivos. A tabela 5 apresenta a formação profissional. Recursos Humanos Total de Efetivos A B* C** D E*** Dirigente Médico Téc. Sup. Saúde Téc. Superior Informática Docente 1 Enfermagem Téc. Diag. Terapêutica Religioso 1 1 Assistente técnico Assistente operacional Outro Pessoal * Tabela 2 Distribuição dos Recursos Humanos por função desempenhada em cada Hospital * Hospital B - inclui Pessoal Dirigente, Conselho de Administração, Pessoal Docente, Investigadores, Pessoal Informática ** Hospital C - inclui Pessoal Docente e Religioso *** Hospital E - não especificado 10

11 Perfil da Administração A B C D E Presidente Diretor Clínico Enfermeiro-Diretor Vogal * Vogal * Tabela 3 Número de membros do Conselho de Administração de cada Hospital * Vogal - Embora não especificada em todos os casos, normalmente as funções destes Administradores são relativas à Direção Financeira e Direção de Recursos Humanos Nível Formação dos Efetivos A B C D E Ensino básico (1º grau) ND 420 ND Ensino secundário (2.º grau) ND 259 ND Ensino Superior ND ND Tabela 4 Distribuição da formação académica dos Recursos Humanos de cada Hospital Formação Profissional A B C D E N.º total de ações de formação 128 ND ND N.º total de participantes ND ND N.º total de participações ND ND N.º total de horas de formação ND ND Tabela 5 Dados relativos à Formação Profissional de cada Hospital 11

12 III.1 Descrição completa de todos os resultados obtidos Gestão Estratégica Relativamente a esta componente da avaliação efetuada dos cinco hospitais investigados, não foi possível obter qualquer dado no que respeita ao Hospital B. À exceção do Hospital B os restantes quatro hospitais possuem Plano Estratégico. Assim, nos hospitais que têm Plano Estratégico a administração tem conhecimento do mesmo. Já no que respeita às chefias intermédias dos Hospitais C, D e E têm conhecimento mas no que respeita ao Hospital A, essa situação não foi validada. No que respeita à comunicação do Plano Estratégico aos operacionais, obtivemos respostas positivas nos hospitais D e E. No capítulo da periodicidade da revisão do Plano Estratégico, esta situa-se entre 6 e 12 meses para os hospitais C, D e E. No hospital A não foi possível obter dados sobre a revisão do mesmo. Passando para a análise do grau de envolvimento por parte dos recursos humanos, nos hospitais A, D e E, o envolvimento é apenas da liderança executiva e dos líderes de processos. No hospital C existe a participação de todos. De salientar que no hospital E existe também a abertura para a discussão e participação de outros funcionarios. As estratégias são criadas recorrendo a diferentes elementos. O Hospital A recorre à análise da concorrência, ao grau de satisfação dos clientes, à procura atual e pontencial e o recurso à missão e competências reconhecidas. O Hospital B recorre à análise de cenários, análise da concorrência, ao grau de satisfação dos clientes, à procura atual e potencial e recorrem à missão e competências reconhecidas. O Hospital C recorre à análise de cenários e ao benchmarking. Por último o Hospital E recorre à análise de cenários, à análise da concorrência, ao grau de satisfação de clientes, ao benchmarking e recorrem à missão e competências reconhecidas. Tanto o cliente como os recursos humanos têm um grau de importância alto para os hospitais A e E, 12

13 médio para o hospital C e baixo para o hospital D. No que concerne ao acompanhamento os hospitais C, D e E fazem-no, por outro lado o hospital A não efetua esse acompanhamento. Os quatro hospitais que responderam a esta temática da estratégia usam ferramentas tipo o Balanced Scorecard, no entanto não obtivemos informações concretas quanto aos indicadores usados, à exceção do grau de satisfação dos clientes. Analisando de seguida as respostas sobre o conhecimento das novas tecnologias, todos os hospitais têm esse conhecimento mas por diferentes vias. O Hospital A tem conhecimento através de feiras e congressos. O hospital C obtém esse conhecimento por diversas formas entre elas, revistas, feiras e congressos, consultorias e pela internet. O hospital D o conhecimento surge através dos seus consultores e pela internet. Por úlimo o hospital E tem conhecimento através dos seus fornecedores. Passando à análise do último ponto sobre a influência da inovação tecnológica nos hospitais, existiu uma opinião que foi unânime que foi a do aumento da produtividade do hospital. De seguida foram destacados dois aspetos, a melhoria da qualidade e a melhoria da imagem, que foi partilhada pelos hospitais A, C e E. No que respeita à previsão de investimento nesta área o hospital A não sabe se o plano de negócio prevê investimentos para a inovação tecnológica. Os hospitais C e D não têm previsto qualquer montante para investimentos e finalmente o hospital E prevê no seu plano de negócios montantes para investimento em inovação tecnológica. Investigação e desenvolvimento No que respeita à inovação e desenvolvimento não obtivemos qualquer informação para os hospitais B e C. Dos restantes três hospitais a informação recolhida sobre a atividade de investigação e desenvolvimento realizada no período em análise ( ), a atividade é contínua no Hospital E e 13

14 ocasional nos Hospitais A e D. No que toca à importância dada à investigação e desenvolvimento o Hospital A dá uma importância média, os Hospital D e E dão uma importância baixa. Ao nível da importância da aquisição de outros conhecimentos externos os Hospitais A e E dão uma importância alta e por sua vez o Hospital D dá uma importância média. Inovação tecnológica No que respeita à inovação tecnológica, todos os hospitais alvo deste estudo têm opiniões muito semelhantes. Sendo assim, obtivemos evidência de que a inovação tecnológica é vista como uma forma da melhoria do desempenho dos hospitais. Salientamos que todos os hospitais se deparam com dificuldades financeiras e as razões apontadas são as restrições orçamentais e executivas. Outro aspeto relevante é o relativo ao acompanhamento do ambiente externo, que é efetuado por todos os hospitais, no sentido de se informarem das novas tecnologias e da tecnologia que é adquirida pelos hospitais concorrentes. Esse acompanhamento é efetuado de formas distintas em cada hospital. Assim, o Hospital A faz esse acompanhamento via participação em Feiras/Congressos, participação em redes de inovação, reuniões com representantes do setor. No Hospital B esse acompanhamento é feito a título individual pela Direção de Sistemas de Informação. O Hospital C faz esse acompanhamento via participação em Feiras/Congressos, participação em redes de inovação, reuniões com representantes do setor e participação em Comitês Setoriais. O Hospital D faz esse acompanhamento via participação em Feiras/Congressos, o acompanhamento pelo pessoal de TI e reuniões com representantes do setor. Por último o HospitalE faz esse acompanhamento via acompanhamento pelo pessoal de TI, reuniões com representantes do setor e participação em Comitês Setoriais. Os elementos do ambiente externo acompanhados usando as TI são: para todos os hospitais o interesse prende-se com o nível de 14

15 satisfação dos clientes. Para os Hospitais B, D e E acompanham ainda as tecnologias de interesse que surgem no ambiente externo. O Hospital D é o único que mencionou que também acompanham a concorrência. Investimento em Inovação Tecnológica Ao nível do investimento todos os hospitais investiram menos de 1% da sua faturação em inovação tecnológica (exceto o Hospital D que não obtivemos uma resposta para este ponto) e no futuro têm intenções de investir menos de 1% da sua faturação. Os investimentos previstos variam nos diferentes hospitais. Para o Hospital A o investimento previsto será na área da telemedicina. O Hospital B prevê investimentos na administração, ERP, CRM e telemedicina. O Hospital C o investimento previsto é para a área das operações. Já o Hospital D prevê investimentos para a administração. Por fim o Hospital E prevê investimentos na área da administração, operações, CRM e telemedicina. Os principais fornecedores são as grandes empresas nacionais privadas e estrangeiras e pequenas/médias empresas nacionais. Os Hospitais B e E fazem algum desenvolvimento próprio. O Hospital C tem recebido alguns produtos desenvolvidos por professores universitários. Os principais entraves indicados foram dois. Para os Hospitais A, C e D foi apontada a falta de verbas. Os Hospitais B e E apontaram outros motivos sem especificarem concretamente nenhum. Ao nível das linhas de crédito apenas o Hospital A menciou desconhecimento da exitência de fontes de financiamento. Os restantes hospitais tinham conhecimento da existência de fontes de financiamento e indicaram algumas das existentes tais como: QREN, SAMA (FEDER) e Saúde 21. No que respeita ao sistema de qualidade apenas o Hospital D não possui qualquer sistema de qualidade, todos os outros estão certificados. O Hospital A está certificado desde 2005, o B desde 2006, o C desde 2004 e o E desde Ao nível da metodologia de estão, todos 15

16 afirmaram que usam tendo o Hospital C mencionado a metodologia Kanban. Os restantes não especificaram nenhuma metodologia em particular. Cooperação para Inovação No tocante à cooperação para a inovação no período em análise, a importância da introdução das inovações tecnológicas para os hospitais obtivemos uma resposta unânime de alta importância. Ao nível da envolvênvia dos hospitais em arrnajos cooperativos apenas os Hospitais A, C e E responderam afirmativamente. Competitividade Hospitalar & Colaboração para Vantagem Estratégica Neste ponto do questionário foram efetuadas quatro perguntas, que por sua vez tinham várias possibilidades de escolha. A primeira nota de relevo é que do Hospital C não foi possível obter qualquer resposta. A questão número um questionava sobre a importância de determinados itens para a existência de colaboração nos hospitais. O Hospital A não escolheu nenhuma opção preferindo indicar como item mais importante convencer os utilizadores para a colaboração nos hospitais. Tal como aconteceu no Hospital anterior, também o Hospital B indicou um item diferente dos propostos e esse item foi, a partilha de informação e a inter-operabilidade. O Hospital D considera como item mais importante a necessidade de se reduzir custos. O Hospital E considerou como itens mais importantes as TIC s, a necessidade de reduzir custos, o aumento da competividade e a existência para uma tendência para a colaboração. A segunda questão abordava o principal desafio que hospitais vão enfrentar no século XXI. O Hospital A indicou a governação como principal desafio. Os restantes três Hospitais, B, D e E indicaram a eficiência dos processos e procedimentos hospitalares. O Hospital E indicou ainda a concorrência. Na 16

17 terceira questão que abordava a questão do alinhamento dos projetos com a estratégia, obtvemos três respostas diferentes. No Hospital A a resposta obtida foi que os projetos nem sempre estão alinhados com a estratégia. Nos Hospitais B e E a resposta obtida foi a de que os projetos estão sempre alinhados com a estratégia. Finalmente o Hospital D escolheu a opção não sei. A última questão sobre a competitividade que questionava sobre o que seria necessário para aumentar a competividade do hospital as respostas foram as seguintes: no Hospital A reduzir os prazos de lançamento de novos produtos e serviços, aumentar a agilidade e flexibilidade para gerir mudanças, utilizar o benchmarking e aumentar a disponibilidade de recursos financeiros para o core business; no Hospital B reduzir os custos com os servidores; no Hospital D reduzir os custos com os aplicativos, os custos com contratos de TI, utilizar o benchmarking e administrar os recursos de TI de forma centralizada; no Hospital E reduzir os custos com servidores, reduzir os custos com aplicativos, os custos com contratos de TI, reduzir os custos com armazenamento de dados, reduzir as perdas por ociosidade, aumentar a agilidade e flexibilidade para gerir mudanças, utilizar benchmarking, aumentar a disponibilidade de recursos financeiros, administrar os recursos de TI de forma centralizada, reduzir o risco de investimentos em novos negócios e aumentar a rapidez de retorno dos investimentos. Equipamentos de Tecnologia da Informação nos Hospitais No capitulo dos investimentos no período em análise os Hospitais C, D e E deram uma importância alta à aquisição de novas máquinas. Já o Hospital A deu uma importância média a aquisição de novas máquinas. Por último o Hospital B deu uma importância baixa a aquisição de novas máquinas. Todos os computadores são PC s e têm ligação à rede LAN e acesso à internet, excepto o Hospital C que tem parte dos PC s limitados no que respeita 17

18 ao acesso à internet. Ao nível das impressoras são maioritariamente a laser e matriciais. A suite office existe em todos os hospitais. No entanto apenas um hospital possui a totalidade dos aplicativos, que é o Hospital B. Os restantes hospitais possuem o Word, Excel e PowerPoint. Destacamos ainda o Hospital E que possui ainda o Open Office nas suas máquinas. No que respeita a outros aplicativos apenas o Hospital C possui Corel Draw e Adobe Photoshop em algumas máquinas especificas. Apresentamos na tabela 6 um quadro resumo: Equipamentos A B C D E Computadores PC X X X X X Quantidade Quantos computadores tem acesso à Internet Quantos computadores tem acesso à rede LAN Impressoras Laser X X X X X Quantidade Jato de Tinta X X Quantidade Matricial X X X X X Quantidade Impacto(linha) X X Quantidade Quantos computadores estão equipados com multimédia 80% N/A N/A 200 N/A Tabela 6 Número e tipo de equipamentos informáticos disponíveis em cada Hospital Ao nível dos aplicativos usados nos diferentes setores, uma vez que se tratam de hospitais públicos usam muito programas propostos pelo Ministério da Saúde, e outros criados em específico para cada hospital. 18

19 A última questão sobre o uso de programas para a composição de custos e determinação de preços, os Hospitais A e B não forneceram qualquer informação sobre a sua existência. Já os Hospitais D e E utilizam e o Hospital C não utiliza. Base de Dados No que concerne às Base de Dados, em todos os hospitais existe uma Data Warehouse, centralizada para os Hospitais A, B, C e E e departamental para o Hospital D. Ao nível do software de gestão de base de dados utilizado todos os hospitais usam soluções fornecidas pela Oracle. Ao nível dos departamentos que utilizam a Base de Dados iremos apresentálos na tabela 7: Departamentos que utilizam a Base de Dados A B C D E Administrativo X X X X X Comunicação/Marketing X X X Financeiro X X X X X Comercial X X Fiscal X X X X X Controlo de Stocks X X X X X Recursos Humanos X X X X X Registo Médico (software integrado) X X X X X Hotelaria Leitos/admissão/alta X X X X X Ambulatórios X X X X X Urgência / pronto socorro X X X X X Apoio ancilar (lavandaria, esterilização) X X X X X Centro cirúrgico X X X X Centro diagnóstico X X X X X Laboratório clínico X X X X Outros X X X Formação X Tabela 7 Departamentos que utilizam a Base de Dados em cada Hospital 19

20 Os sistemas operativos mais usados nos cinco hospitais são o Windows, HP/UX e Linux. O uso de Sun OS/Solaris é muito residual em algumas máquinas. O uso do windows está massificado nestes cinco hospitiais. Nenhum hospital usa o MAC OS. Ao nível dos serviços e outsourcing as respostas foram variadas, não existindo nenhum padrão nas respostas. Sendo assim ao nível do serviço de consultoria é usado nos Hospitais D e E. O serviço de telecomunicações é usado nos Hospitais A, C, D e E. O serviço de impressão é usado nos Hospitais A, C e E. Integração de sistemas é usado nos Hospitais A, C e D. Serviços de segurança são usados nos Hospitais A, C, D e E. O data center é usado no Hospital E. O serviço de aplicações é usado nos Hospitais A, B, D e E. Os serviços de redes e dados são usados pelos Hospitais A e E. Por último, o serviço de Helpdesk é usado pelo Hospital E. A previsão de investimento nesta área para os Hospitais A, C, D e E situa-se no período até 3 meses e o Hospital B não sabe qual o período do próximo investimento. No que respeita aos dispositivos de armazenamento, o hospital B usa todos os listados (RAID, Sistemas Jukebox, Disaster recovery, SAN, DWH). Os hospitais C e D usam todos, exceto os Sistemas Jukebox. O Hospital A usa o sistema RAID, SAN e DWH. Por último, o hospital E usa o sistema RAID, Disaster Jukebox e SAN. Ao nível do investimento nesta área os Hospitais A e E prevém investir num período até 3 meses, o hospital B num período de 6 a 12 meses, o Hospital D num período superior a 12 meses e o Hospital C não sabe qual o período até o próximo investimento. 20

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: PROJETO GESITI/SAÚDE Uma avaliação da gestão em sistemas e tecnologia da

Leia mais

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR Cleide Maria Fernandes Bezerra1; Jaci Lima da Silva 1 ; Sandra Huzek 1 ; Fábia Micheline Duarte Alves 1 ; Ednalva Castelo 1 ;

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR.

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR. Diagnóstico acerca da Gestão de Tecnologias da Informação em hospitais de Uberlândia, MG Mirna Tonus 1 Adriana Cristina Omena dos Santos Marlon Wender Pinheiro Costa Tatiana Oliveira Lima Antonio José

Leia mais

GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR

GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR 1 GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR Marcia Regina Camara Gabardo 1, Saulo Fabiano Amâncio Vieira 1, Renato Fabiano Cintra e Antonio José

Leia mais

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes pagadoras e a exigência dos pacientes por serviços

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR. Relatório:

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR. Relatório: Relatório: PESQUISA HOSPITALAR GESITI / SETREM DOS HOSPITAIS DA REGIÃO FRONTEIRA NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL Ms. Fauzi de Moraes Shubeita, Dr. Antonio Balloni, Ms. Gilberto Souto Caramão, Ms. Estela

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório: Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE JAÚ E GARÇA, REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Fernando R. de Almeida Prof. Ms.

Leia mais

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE MARINGÁ-PR

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE MARINGÁ-PR GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE MARINGÁ-PR Heloise Manica Paris Teieira 1 ; Renato Balancieri 1 ; Maria Madalena Dias 1 ; Antonio José Balloni 2 1 Universidade Estadual de

Leia mais

Perfil de investimentos em TI de 550 empresas e organizações em 2010 (Ferramenta de Geração de Leads)

Perfil de investimentos em TI de 550 empresas e organizações em 2010 (Ferramenta de Geração de Leads) Perfil de investimentos em TI de 550 empresas e organizações em 2010 (Ferramenta de Geração de Leads) O ISF entrevistou 1.140 empresas entre os meses de dezembro de 2009 e fevereiro de 2010, com o objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Competitividade, Planeamento e Controlo nos Serviços de Saúde MESTRADO

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação em entidades. hospitalares Dois casos de hospitais portugueses

Tecnologias e Sistemas de Informação em entidades. hospitalares Dois casos de hospitais portugueses Martinho, R.; Varajão, J.; Cunha, M.; Balloni, A. (2014) Tecnologias e Sistemas de Informação em entidades hospitalares Dois casos de hospitais portugueses. In Por Que GESITI? GEstão de SIstemas e Tecnologias

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, REGIÃO METROPOLITANA

UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, REGIÃO METROPOLITANA Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, REGIÃO METROPOLITANA Oliveira, S.B; Balloni, A.J.; G. P. Nogueira, G.P.;Villardi,

Leia mais

Soluções de Tecnologia para Área de Saúde

Soluções de Tecnologia para Área de Saúde Soluções de Tecnologia para Área de Saúde Sobre a IT Care: A IT Care Technologies é uma empresa de capital nacional atendendo a todos os segmentos de mercado (financeiro, industrial, corporativo, educacional),

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Relatório: AVALIAÇÃO DA GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS BRASILEIROS: O CASO DA MICRORREGIÃO RONDONÓPOLIS-MT.

Relatório: AVALIAÇÃO DA GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS BRASILEIROS: O CASO DA MICRORREGIÃO RONDONÓPOLIS-MT. Relatório: AVALIAÇÃO DA GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS BRASILEIROS: O CASO DA MICRORREGIÃO RONDONÓPOLIS-MT Ruy Ferreira (1); Antonio José Balloni (3); Débora Aparecida da

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA:

RELATÓRIO DA PESQUISA: Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 7/8 Juno de. ISSN: 87-95 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Ciências Contábeis Praça Treze de Maio, 6 Piedade 7- Salvador

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

GESTÃO DOSSISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS PÚBLICOS

GESTÃO DOSSISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS PÚBLICOS GESTÃO DOSSISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS PÚBLICOS José Manuel Silva Luzia (jm.luzia@gmail.com) ISCAP/IPP Rui Filipe Bertuzi da Silva (ruisilva@iscap.ipp.pt) CICE ISCAP/IPP Paulino Manuel

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico.

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. Índice Temático A empresa C3im Soluções para a área da

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Boas práticas em gestão da saúde Eficiência Qualidade Segurança Ética Humanização Sustentabilidade

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Relatório: Uma avaliação da Gestão dos Sistemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais do Estado de Sergipe

Relatório: Uma avaliação da Gestão dos Sistemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais do Estado de Sergipe Relatório: Uma avaliação da Gestão dos Sistemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais do Estado de Sergipe Adicinéia Aparecida de Oliveira 1, Antônio José Balloni 2, Rogério Patrício Chagas do Nascimento

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Business Intelligence Framework

Business Intelligence Framework Business Intelligence Framework José Peixoto and Júlio Lopes Departamento de Informática Universidade do Minho Abstract. Este artigo apresenta os elementos que constituem a Framework desenvolvida, bem

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Pauta Visão do Negócio Oportunidades de Melhoria Resultados Alcançados Como nos estruturamos para alcançar os resultados? Organograma Institucional Controladoria

Leia mais

João P. de Albuquerque, Marcelo Nerling, Edmir Parada Vasques Prado, Antonio José Balloni, Homero Fonseca Filho

João P. de Albuquerque, Marcelo Nerling, Edmir Parada Vasques Prado, Antonio José Balloni, Homero Fonseca Filho Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS/SP João P. de Albuquerque, Marcelo Nerling, Edmir Parada Vasques Prado, Antonio José

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

Tendências de Investimentos em TI em 2013

Tendências de Investimentos em TI em 2013 Tendências de Investimentos em TI em 2013 Ivair Rodrigues Diretor de Estudos de Mercado Tatiane Ramos Coordenadora de Pesquisas Índice Direitos Autorais Objetivos deste estudo Metodologia Definição dos

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS.

MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS. MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

Programas das cadeiras

Programas das cadeiras Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto das unidades de saúde. Desenvolverse-á

Leia mais

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Me. Elvis Pontes Conceitos e Componentes de Software Software (SW) são: os programas de computador; é a parte intangível do computador, representada pelos programas,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06. Prof. Amadeu Campos

Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06. Prof. Amadeu Campos Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06 Prof. Amadeu Campos FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DA INFORMATIZAÇÃO EMPRESARIAL Competências a serem trabalhadas

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Escola Superior de Saúde Os sistemas de informação e os meios complementares de diagnóstico

Escola Superior de Saúde Os sistemas de informação e os meios complementares de diagnóstico Escola Superior de Saúde Os sistemas de informação e os meios complementares de diagnóstico Divisão de Informática - António Cardoso Martins (informatica@hal.min-saude.pt) 1 O Hospital Amato Lusitano Castelo

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE MESTRADO EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

A EMPRESA. www.ngrnetwork.com.br

A EMPRESA. www.ngrnetwork.com.br A EMPRESA Desde a sua função, em 2003, a NGR Network vem desenvolvendo e implantando projeto de automação de escritórios em ambientes Multi plataforma integrando servidores, e soluções abertas nos ambientes

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

PT PRIME - APRESENTAÇÃO

PT PRIME - APRESENTAÇÃO PT PRIME - APRESENTAÇÃO A PT Prime Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, é uma empresa do Grupo PT que presta serviços e soluções de comunicação e informação para o mercado empresarial.

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004 Inquérito Estatístico registado sob o n.º 2027, válido até 31 de Dezembro de 2004 AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

01 Analista de TI sênior. Local de trabalho: Campinas (disponibilidade para viagens)

01 Analista de TI sênior. Local de trabalho: Campinas (disponibilidade para viagens) Oportunidades de trabalho na CCM7 01 Analista de TI sênior (disponibilidade para viagens) Responsável pela manutenção e controle dos hardwares e softwares da organização; Projetar e prestar manutenção

Leia mais

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão 01 02 03 Indra A Nossa Visão do Sector Público A Administração ao serviço do Cidadão Página 2 Quem Quiénes somos somos

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

ORDEM CAMILIANA: Idealizada em 1582, no Brasil desde 1922

ORDEM CAMILIANA: Idealizada em 1582, no Brasil desde 1922 ORDEM CAMILIANA: Idealizada em 1582, no Brasil desde 1922 Fundada por Camillo de Lellis, é uma fundação humanitária com objetivo de dedicar-se à cura dos enfermos Presente nos cinco continentes, em aproximadamente

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

O acesso à plataforma FAMS, para inventariação e/ou atualização dos registos patrimoniais pode fazer-se:

O acesso à plataforma FAMS, para inventariação e/ou atualização dos registos patrimoniais pode fazer-se: Plataforma online com acesso permanente via Internet, sem necessidade de recurso a VPN e totalmente integrável no ERP da empresa. Permite, por introdução do nº de inventário (manual, leitura do código

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

O acesso à plataforma FAMS, para inventariação e/ou atualização dos registos patrimoniais pode fazer-se:

O acesso à plataforma FAMS, para inventariação e/ou atualização dos registos patrimoniais pode fazer-se: A plataforma FAMS substitui ou complementa e amplia as funcionalidades dos ERP mais implementados no mercado, integrando-se facilmente com eles através de processos automatizados. Sistema WebBased na modalidade

Leia mais

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo Desafios da convergência em um mundo totalmente IP Sidney Longo 13 de abril de 2011 Agenda O CPqD Cenário Roadmap Tecnológico Tendências Tecnológicas Computação em Nuvem Mobilidade e Redes Sociais Multiplos

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais