澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais"

Transcrição

1 Estudo do grau de conhecimento e das necessidades de protecção de dados pessoais entre os alunos do ensino secundário e do ensino superior de Macau 2014 Sumário Para saber qual o grau de conhecimento e as necessidades de protecção de dados pessoais entre os jovens locais, o (GPDP) solicitou ao Centro de Estudos de Ciências de Educação da Faculdade de Ciências da Educação da Universidade de Macau a realização, no 4.º trimestre do ano de 2014, do Estudo do grau de conhecimento e das necessidades de protecção de dados pessoais entre os alunos do ensino secundário e do ensino superior de Macau O presente estudo foi principalmente realizado através de inquérito por questionário, complementado por entrevistas aprofundadas e por análise de materiais didácticos. Em relação aos sujeitos da investigação, o estudo em causa abrange os alunos do ensino secundário e do ensino superior e o pessoal docente. No que se refere ao inquérito por questionário, foram recebidos questionários válidos, provenientes de estudantes de 12 escolas secundárias (seleccionadas aleatoriamente entre 46 escolas secundárias locais) e de 5 estabelecimentos do ensino superior. Quanto às entrevistas aprofundadas, a equipa de investigação realizou entrevistas com 15 professores, cujas áreas de especialização ou disciplinas leccionadas têm relação com a protecção de dados pessoais, por exemplo, os docentes das disciplinas de educação moral, de conhecimentos gerais, de Direito, de Comunicações, de Ciência e Tecnologia e de Educação. Cada entrevista aprofundada teve a duração de 60 a 90 minutos. I. Inquérito destinado aos alunos Em relação a este inquérito destinado aos alunos o estudo incluiu principalmente os seguintes aspectos: a atitude sobre a recolha e a utilização de dados pessoais, as situações de transferência de dados pessoais, os conhecimentos e a atitude sobre a protecção de dados pessoais na utilização da Internet e de telemóvel inteligente, bem como as situações de subtracção e falsidade de dados pessoais. 1

2 1. Estatísticas sobre a recolha e a utilização de dados pessoais Na opinião dos alunos inquiridos, as situações com maior risco para a privacidade são: furto de documento de identificação (64,7%), sistema de vigilância em circuito fechado (64,5%), serviços da Internet/websites das redes sociais (58,8%), fuga de informações (56,6%), telemóvel inteligente/aplicação de telemóvel (56,3%), fotocópia/digitalização de documento de identificação (34,3%) e a transferência tranfronteiriça de dados (21,2%). Os dados que os alunos não querem oferecer às empresas, associações ou governo são: informações sobre os membros da família (64,5%), estado financeiro (56,7%), endereço (53%) e dados genéticos (52,8%). As razões para não quererem oferecer as informações acima referidas são: serem dados pessoais sem nenhuma relação com as empresas ou instituições (29,7%), não haver necessidade de lhas oferecer (13,5%), não quererem que terceiros tomem conhecimento do endereço e meios de contacto (12,2%) e considerarem que tal é importante para a prevenção de crimes/ segurança (10,9%). Confiança dos alunos inquiridos nos responsáveis pelo tratamento de dados pessoais Responsável pelo tratamento de dados Confiança dos alunos pessoais inquiridos (%) Prestadores de serviços de saúde 66,00 Serviços públicos 64,10 Instituições financeiras 58,80 Companhias de Seguros 40,00 Instituições de beneficência 40,00 Instituições de investigação 28,60 Empresas de fomento predial 23,30 Empresas de tecnologia 19,40 Sector das redes sociais 14,70 Empresas de venda a retalho 14,30 Sector do comércio electrónico 12,90 Instituições de crédito 11,60 2

3 Formas mais utilizadas pelos alunos para a protecção de dados pessoais Forma Utilização dos alunos (%) Controlar as definições de privacidade de websites de redes 52,20 sociais Limpar o histórico de pesquisas e de navegação 44,90 Rasgar papéis contendo dados pessoais 36,50 Verificar a segurança de websites antes de fornecer os dados 35,00 pessoais Perguntar às entidades públicas ou privadas a razão de 29,20 necessidade de dados pessoais Fornecer dados pessoais falsos 24,90 Ler políticas e avisos sobre a privacidade 23,20 Recusar fornecer os dados pessoais 22,30 Não utilizar nenhuma aplicação em dispositivo móvel 8,80 51,8% dos alunos manifestam preocupação sobre a transferência dos dados pessoais para o exterior, praticada por entidades locais. 71,3% dos alunos consideram que os responsáveis pelo tratamento devem, por sua iniciativa, informar o titular dos dados das formas de protecção dos seus dados. 81,8% dos alunos consideram que, aquando da perda dos dados pessoais, os responsáveis pelo tratamento devem informar o interessado. Devido à preocupação da protecção e utilização dos dados pessoais, 17,2% dos alunos recusaram fornecer os seus dados pessoais a serviços ou instituições públicas e 52,4% dos alunos recusaram fornecer os dados pessoais a entidades privadas. 13,7% dos alunos prestam atenção à Lei da Protecção de Dados Pessoais. Em caso de utilização abusiva de dados pessoais, 38,8% dos alunos queixar-se-ão ao. 3

4 2. Estatísticas sobre a privacidade no uso da Internet e de telemóvel inteligente 79,5% dos alunos consideram que os websites recolhem os dados pessoais dos visitantes. 76,7% dos alunos consideram que as aplicações de telemóvel (app) recolhem os dados pessoais de utilizadores. 47,4% dos alunos mostram-se arrependidos de ter divulgado informações nas redes sociais. 51,1% dos alunos consideram que as redes sociais servem principalmente como um local de actividades privadas, onde os utilizadores partilham informações com os seus amigos enquanto 37,3% dos alunos consideram que são, principalmente, área pública onde o utilizador divulga informações aos outros. 67% dos alunos referem que não lêem políticas de privacidade de websites. Situação de leitura dos alunos sobre políticas de privacidade de websites Não sabem, 16,50% Lêem, 16,50% Lêem Não lêem Não lêem, 67% Não sabem 4

5 Os alunos não lêem as respectivas políticas pela razão principal de serem muito longas e tão complexas (77,1%) Razões que levam aos alunos de não lerem as politicas de privacidade As instituições não cumprem as respectivas políticas, 3% Outras razões, 2,80% Muito longas Não há necessidade de ler, 8,20% Não são fáceis de encontrar, 8,90% Muito complexas Não são fáceis de encontrar Muito complexas, 21,30% Muito longas, 55,80% Não há necessidade de ler As instituições não cumprem as respectivas políticas Outras razões 43,4% dos alunos consideram que as políticas de privacidade, oferecidas por websites, lhes permitem sentir-se seguros e garantidos Opiniões dos alunos sobre os websites que disponibilizam políticas de privacidade Opiniões Percentagem dos alunos (%) Sinto-me seguro e garantido 43,40 É um website com respeito pela privacidade 42,20 Acho que este tipo de website se torna mais 42,00 responsável/legal Isso pode-me ajudar a decidir se utilizo ou não o 34,60 respectivo website Fico mais atento na utilização do website 33,00 É difícil ler as respectivas políticas 21,60 Ainda não tenho a confiança no website 19,40 Não sabem 13,00 Outras opiniões 1,00 5

6 II. Entrevistas aprofundadas com o pessoal docente As entrevistas aprofundadas com professores abrangeram a discussão de várias matérias, nomeadamente o conhecimento e as experiências individuais dos próprios professores sobre a protecção de dados pessoais, a protecção de dados pessoais no âmbito do seu trabalho e nas actividades pedagógicas, bem como as dificuldades encontradas e os apoios necessários para ensinar aos alunos o tema da protecção de dados pessoais. Resumo dos resultados das entrevistas aprofundadas: A maioria dos professores entrevistados tem um conhecimento relativamente abrangente sobre as noções de dados pessoais. Em relação ao tratamento de dados pessoais, têm uma atitude cautelosa. No entanto, têm um nível de conhecimento relativamente baixo em relação aos seus direitos e ao seu exercício, por exemplo, direito de informação, direito de oposição ou até o direito de direito de indemnização. Os professores entrevistados reconhecem a importância da protecção de dados pessoais, mas desvalorizam as consequências da fuga de dados pessoais. A maioria de professores concorda que o tema da protecção de dados pessoais se deve inserir no programa da disciplina de educação cívica. Apenas 28,6% dos professores entrevistados referem terem recebido formação sobre a protecção de dados pessoais. A maioria de professores considera que existem as seguintes três dificuldades principais no ensino da matéria da protecção de dados pessoais: 1. O pessoal docente não tem conhecimentos suficientes sobre a matéria em causa; 2. Não há materiais didácticos específicos; 3. É muito difícil estabelecer uma disciplina própria para ensinar a protecção de dados pessoais. 6

7 III. Sugestões do estudo Com os resultados obtidos, o presente estudo sugere que: 1. Se deve desenvolver nas escolas a educação sobre a protecção de dados pessoais. A par disso, na realização dessa educação, deve incutir-se nos estudantes a consciência da protecção de dados pessoais segundo os níveis de desenvolvimento dos estudantes dos diferentes escalões etários. 2. Se deve elevar os conhecimentos do pessoal docente sobre a protecção de dados pessoais. A respectiva matéria pode inserir-se no curso de formação de professores. 3. As escolas devem proporcionar aos professores instruções de trabalho sobre o tratamento de dados pessoais. 4. As acções de promoção destinadas a toda a sociedade, devem ser realizadas conforme as necessidades dos diferentes estratos sociais. Para reforçar o efeito da sensibilização da Lei da Protecção de Dados Pessoais, devem utilizar-se casos reais na explicação. 7

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4.

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4. Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014 1. Breve apresentação do inquérito De acordo com a disposição relativa a Recolha de opiniões dos destinatários

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

Relatório Questionário on-line

Relatório Questionário on-line Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Seminário: Novos Caminhos, Novos Desafios da Formação Certificada Relatório Questionário on-line Relatório 1. Introdução e Objectivos

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

A nossa Política de Privacidade

A nossa Política de Privacidade A nossa Política de Privacidade Última modificação: 12 de dezembro de 2014. O resumo de alterações pode ser consultado na parte final desta Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade tem por

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 05 DEE NOVVEEMBBRRO DEE 2010 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2010 Metade dos agregados domésticos em Portugal

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro

Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro Ano Lectivo 2007/2008 BIBLIOTECA CENTRO DE RECURSOS Literacia da Informação COMO FAZER UM TRABALHO 1ª Etapa Identificar o tema 2ª Etapa Procurar fontes de informação 3ª Etapa Seleccionar os documentos

Leia mais

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas.

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas. 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 高 等 教 育 輔 助 辦 公 室 Governo da Região Administrativa Especial de Macau Gabinete de Apoio ao Ensino Superior Financiamento para as instituições do ensino superior de Macau Instruções para

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Pormenorização e Quantificação das Fraudes dos Clientes

Pormenorização e Quantificação das Fraudes dos Clientes Pormenorização e Quantificação das Fraudes dos Clientes 1. Na sequência da reunião havida ficámos com a incumbência de saber quanto poderia custar a operação de recolha de opiniões dos utilizadores de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Outubro de 2015 2 Índice 1 Objetivos e Metodologia

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

1. Programa de Fidelização Altis Blue&Green através do qual são concedidos benefícios aos clientes das suas unidades hoteleiras.

1. Programa de Fidelização Altis Blue&Green através do qual são concedidos benefícios aos clientes das suas unidades hoteleiras. REGULAMENTO T E R M O S E C O N D I Ç Õ E S 1. Programa de Fidelização Altis Blue&Green através do qual são concedidos benefícios aos clientes das suas unidades hoteleiras. 2. Podem ingressar no clube

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Sociedade da Informação e do Conhecimento 04 de Novembro 2008 Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2008 Banda larga presente em 86% dos agregados domésticos

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

Regulamento Interno. Objectivo

Regulamento Interno. Objectivo Regulamento Interno Objectivo É objectivo dos campos de férias proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 08 e os 18 anos, com a finalidade

Leia mais

Plano de admissão de membros na Associação para a Leitura das bibliotecas. do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais 2009

Plano de admissão de membros na Associação para a Leitura das bibliotecas. do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais 2009 P222/09 1 Plano de admissão de membros na Associação para a Leitura das bibliotecas do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais 2009 Data de admissão: A partir de 2 de Janeiro de 2009. Objectivo:

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003

Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 Instrumento de Notação Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º 6/89, de 15 de Abril), de resposta

Leia mais

2010 Edelman Trust Barometer Março 2010. Resultados para Portugal

2010 Edelman Trust Barometer Março 2010. Resultados para Portugal 2010 Edelman Trust Barometer Março 2010 Resultados para Portugal Edelmen Trust Barometer em Portugal A Ficha Técnica O Universo Indivíduos com telefone fixo e/ou telemóvel, residentes em Portugal, com

Leia mais

Famílias. Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2004. Principais Resultados

Famílias. Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2004. Principais Resultados Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2004 Principais Resultados NOTA METODOLÓGICA (SÍNTESE) O Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Sobre a Utilização de Equipamento de Controlo de Assiduidades por Impressão Digital/Palma O Gabinete tem recebido várias consultas sobre a possibilidade de empregar o equipamento de controlo de assiduidades

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA

barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA barómetro BARÓMETRO APAV/INTERCAMPUS #2 CRIMINALIDADE E INSEGURANÇA Índice 2 11 Enquadramento 3 2 Amostra 7 3 Resultados 9 3 1 Enquadramento Objetivos 4 No âmbito da parceria entre a APAV e a INTERCAMPUS,

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/

POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Site http://www.areastore.com/ a POLÍTICA DE PRIVACIDADE Site http://www.areastore.com/ A AREA Infinitas - Design de Interiores, S.A. ( AREA ) garante aos visitantes deste site ( Utilizador ou Utilizadores ) o respeito pela sua privacidade.

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Aviso de privacidade de dados

Aviso de privacidade de dados Aviso de privacidade de dados 1. Introdução Nós somos a Supplies Distributors SA, a nossa sede está localizada na Rue Louis Blériot 5, 4460 Grâce-Hollogne, está inscrita no Registo do Comércio Liége com

Leia mais

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão Seminário: As TIC para um Mundo Mais Seguro Segurança na Era Digital 25 de Novembro de 2010 Instituto de Estudos Superiores Militares Estudo As TIC para um mundo mais seguro Mário do Carmo Durão Patrocinadores

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge

Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge Regulamento 1. Objectivo do Programa: Com o apoio financeiro

Leia mais

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE A GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE B ESTATÍSTICAS C PRINCIPAIS MEDIDAS ADOPTADAS GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE Com o objectivo de proteger os nossos Clientes

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

RPM INTERNATIONAL INC. E SUAS SUBSIDIÁRIAS E EMPRESAS OPERADORAS AVISO DE PRIVACIDADE EM PORTO SEGURO. EM VIGOR A PARTIR DE: 12 de Agosto de 2015

RPM INTERNATIONAL INC. E SUAS SUBSIDIÁRIAS E EMPRESAS OPERADORAS AVISO DE PRIVACIDADE EM PORTO SEGURO. EM VIGOR A PARTIR DE: 12 de Agosto de 2015 RPM INTERNATIONAL INC. E SUAS SUBSIDIÁRIAS E EMPRESAS OPERADORAS AVISO DE PRIVACIDADE EM PORTO SEGURO EM VIGOR A PARTIR DE: 12 de Agosto de 2015 Este Aviso estabelece os princípios seguidos pela RPM International

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO DEGEI Mestrado em Gestão de Informação AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DE ESTUDO NA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA PLANO DE APRESENTAÇÃO TEMA CONTETO PROBLEMA HIPÓTESES CONTETO TEÓRICO

Leia mais

Comunicado. Angariação contínua de pessoas para o grupo Amigos da Prevenção Criminal na Área da Habitação

Comunicado. Angariação contínua de pessoas para o grupo Amigos da Prevenção Criminal na Área da Habitação Comunicado Intercâmbio entre a Polícia Judiciária e o grupo Amigos da Prevenção Criminal na Área da Habitação para uma abordagem do desenvolvimento e aprofundamento do trabalho de prevenção criminal na

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE Porto Bay Hotels & Resorts

POLÍTICA DE PRIVACIDADE Porto Bay Hotels & Resorts POLÍTICA DE PRIVACIDADE Porto Bay Hotels & Resorts A confidencialidade na informação pessoal dos nossos clientes é fundamental e um compromisso do Grupo Porto Bay Hotels & Resorts. Desenvolvemos esta Declaração

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Introdução A Chevron, e as demais subsidiárias do grupo, comprometem-se em proteger a sua privacidade. Esta política explica em detalhe as medidas tomadas para proteger os seus

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família. Introdução

Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família. Introdução Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família Introdução O programa Janela Aberta à Família (website em www.janela-aberta-familia.org) teve início no Algarve

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS

REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento tem como objetivo a definição dos tipos de apoio e res- petivas condições de acesso

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Novos Média Projeto de Grupo

Novos Média Projeto de Grupo Novos Média Projeto de Grupo A acessibilidade dos invisuais no Facebook Bianca Dias Isabel Regal Marlene Babo Nisa Oliveira 1 Abstract O surgimento das redes sociais, com especial destaque para o Facebook,

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 03 de Dezembro de 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação 1. Objectivo Estar em coordenação com o desenvolvimento dos trabalhos do Governo da RAEM para os jovens,

Leia mais

PROGRAMA VOCAÇÃO 2012

PROGRAMA VOCAÇÃO 2012 PROGRAMA VOCAÇÃO 2012 Preâmbulo A ocupação dos tempos livres dos jovens em tempo de aulas, através de actividades que contribuam significativamente para o enriquecimento da sua formação pessoal, funcionando

Leia mais

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, JUNHO 05 RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 Cáritas Portuguesa Conselho Geral Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 PRIORIDADE ÀS CRIANÇAS A Cáritas em acção (Anteprojecto) Fundamentos «As crianças pobres, as desprovidas de enquadramento familiar adequado,

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol 1 I Disposições gerais Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo Artigo 1º Âmbito 1 O presente documento estabelece

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

4. CONCLUSÕES. 4.1 - Principais conclusões.

4. CONCLUSÕES. 4.1 - Principais conclusões. 4. CONCLUSÕES Neste último Capítulo da nossa investigação iremos apresentar as principais conclusões deste estudo, como também as suas limitações e sugestões para futuras investigações. 4.1 - Principais

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA Se pesquisares sobre os temas das aulas, serás um aluno de sucesso que saberá aprender e continuará a aprender pela vida

Leia mais