EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo"

Transcrição

1 1. Referência legal do assunto Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo EMPRÉSTIMO Negócio jurídico pelo qual uma pessoa entrega uma coisa a outra, de forma gratuita, obrigando-se esta a devolver a coisa emprestada ou outra de mesma espécie e quantidade. 3. Espécies de empréstimo: o comodato 3.1. Conceito: Empréstimo de bem infungível e inconsumível, em que a coisa emprestada deverá ser restituída findo o contrato (empréstimo de uso). Não se opera a transmissão da propriedade, apenas a posse 3.2. Classificação: a) Contrato unilateral Apenas o comodatário assume obrigações. Importante observar que, na vigência do contrato podem surgir, eventualmente, obrigações para o comodante, como a de ressarcir o comodatário por despesas extraordinárias e urgentes ou por prejuízos sofridos em razão de defeitos da coisa, daí alguns autores entenderem que o contrato é bilateral imperfeito. b) Contrato real É necessário a entrega da coisa (579 do CC).

2 c) Contrato gratuito - Não há qualquer contraprestação do comodatário para o comodante. Entretanto, no empréstimo de uma unidade em condomínio edilício, pode ser convencionada que o comodatário pagará as despesas do condomínio. d) Contrato informal ou não solene O CC não impõe aos contratantes uma forma especial Partes: A parte que empresta a coisa é denominada comodante, o qual é o proprietário da mesma, via de regra, muito embora possa ser titular de outro direito real (ex. usufrutuário). Já a pessoa que recebe a coisa é o comodatário. O contrato é intuito personae, baseado na fidúcia, na confiança do comodante em relação ao comodatário. A capacidade exigida das partes contratantes é a civil em geral e a validade do contrato requer a observância do disposto no art. 104 do CC. Tendo em vista a gratuidade do contrato, os administradores em geral estão impedidos de dar em comodato os bens que lhes foram confiados, salvo autorização especial, segundo prescreve o art. 580 do CC, que faz menção especial aos tutores e curadores.

3 3.4. Objeto: O comodato tem como objeto coisa móvel ou imóvel, infungível, uma vez que o comodatário assume a obrigação de restituir a porção física recebida. Entretanto, a doutrina aponta a possibilidade de o contrato ter como objeto bens fungíveis utilizados para enfeite ou ornamentação, sendo denominado comodato ad pompan vel ostentationem Deveres das partes: No comodato apenas o comodatário assume obrigações. A primeira parte do art. 582 do CC traz a regra pela qual comodatário dever conservar a coisa emprestada como se sua fosse. O comodatário não pode, ainda, usá-la em desacordo do que prevê o contrato ou à própria natureza da coisa, sob pena de responder, de forma integral, pela perdas e danos que o caso concreto indicar. O art. 583 do CC também traz uma conseqüência importante para o comodatário. Se caindo em risco a coisa emprestada e se o comodatário deixar de salvar esta para salvar coisa própria, responderá pelo dano ocorrido, ainda que em decorrência de caso fortuito e força maior. Importante observar, finalmente, que se a coisa é entregue, ao mesmo tempo, a dois ou mais comodatários, todos se responsabilizam solidariamente perante o comodante (art. 585 do CC).

4 3.6. Prazo: O contrato de comodato é apontado como um negócio temporário, fixado com prazo determinado ou indeterminado. Não havendo prazo determinado, finda a utilização da coisa, o comodante deverá notificar o comodatário para devolve-la, constituindo-o em mora, nos termos do art. 397, parágrafo único do CC. A parte final do art. 582 do CC é que traz as conseqüências o comodatário constituído em mora, além de por ela responder, pagará, até restituí-la, o aluguel da coisa que for arbitrado pelo comodante. O CC não sinaliza qualquer parâmetro para o aluguel, mas este deverá corresponder ao valor da época e do lugar, não se justificando uma cifra elevada, embora haja autores que entendam diferente. 4. Espécies de empréstimo: o mútuo 4.1. Conceito: O mútuo é o empréstimo de coisas fungíveis (art. 586) 4.2. Classificação: a) Gratuito ou oneroso É bom observar que a forma mais comum é a onerosa (empréstimo de dinheiro). A modalidade onerosa é conhecida pela doutrina como mútuo feneratício (art. 591 do CC). b) Unilateral Apenas o mutuário assume obrigações. c) Real Permite a transferência da coisa emprestada

5 4.3. Partes: São partes no contrato o mutuante (aquele que cede a coisa) e o mutuário (aquele que a recebe). Em razão do caráter translativo de domínio, destacado no art. 587 do CC, somente o proprietário pode ser mutuante. O CC cuida especialmente do mútuo feito a menor de 18 anos. Em regra, o mútuo feito a menor sem a autorização de seu representante ou daquele sob cuja guarda estiver, não poderá ser reavido nem do mutuário, nem de seus fiadores. Trata-se, portanto, de caso de ineficácia do negócio, pois a obrigação é natural. Contudo, a regra comporta exceções conforme hipóteses descritas no art. 589 do CC Objeto: Tem como objeto as coisa fungíveis apenas Deveres das partes: Cabe ao mutuante realizar a transferência do domínio da coisa. Já a principal obrigação do mutuário é a restituição do que recebeu, mediante coisa do mesmo gênero, qualidade e quantidade. Caso não seja faticamente possível a restituição, o mutuante terá direito a receber o equivalente em dinheiro, mas, em caso de culpa do mutuário, haverá também o direito a perdas e danos.

6 4.6. Cobrança de juros: O chamado mútuo feneratício, que é empréstimo a juros, está previsto no art. 591 do CC. As partes têm liberdade para estipular a onerosidade do mútuo, mas, caso não haja cláusula a respeito, premusir-se-á a incidência de juros tratando-se de mútuo com fins econômicos; logo, se outra for a destinação, a presunção será de gratuidade. A cobrança de juros, desde que observados certos parâmetros, enquadra-se na esfera do justo, pois, além de conter um coeficiente maior ou menor de risco, implica a renúncia temporária da fruição de um capital. A cobrança de juros, se abusiva, atenta contra os princípios morais. A usura, que é a cobrança de juros em percentual superior ao permitido em lei, além de ilícito civil é prática delituosa. Quanto à capitalização de juros, a sua prática atual está autorizada pelo art. 591 do CC, que não é, todavia, de aplicação automática, mas pressupõe convenção entre as partes. Anteriormente, a capitalização fora vedada pela Súmula 121 do STF. Dá-se a capitalização, in casu, quando os juros não pagos são agregados ao montante da dívida. Esta integralização provoca a condenável prática do anatocismo, que significa juros dos juros Prazo: O vínculo é necessariamente temporário, podendo o contrato ser realizado por prazo determinado ou indeterminado (art. 592 do CC).

7 4.8. Forma: Quanto à forma, trata-se de contrato não formal, pois na regulamentação do instituto não há qualquer exigência a respeito. Na prática, as partes utilizamse de instrumento particular para documentar o ato negocial e, dependendo do vulto do empréstimo, de escritura pública. Quando se trata de mútuo hipotecário, esta última é a forma adotada.

Direito Civil. Empréstimo. Professora Tatiana Marcello.

Direito Civil. Empréstimo. Professora Tatiana Marcello. Direito Civil Empréstimo Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Civil LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002. Institui o Código Civil. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber

Leia mais

Flávio Tartuce elabora o seguinte resumo quanto à entrega de coisas a terceiros por meio de contratos

Flávio Tartuce elabora o seguinte resumo quanto à entrega de coisas a terceiros por meio de contratos Empréstimo Conceito negócio jurídico pelo qual uma pessoa entrega uma coisa a outra, de forma gratuita, obrigando-se a última a devolver a coisa emprestada ou outra da mesma espécie e quantidade. Abrange

Leia mais

Contratos em espécie

Contratos em espécie Contratos em espécie Comodato (art. 579 a 585 do CC/02) 1. Conceito: é o empréstimo gratuito de bem infungível, móvel ou imóvel, no qual o comodante transfere a posse direta ao comodatário por prazo determinado.

Leia mais

Direito Civil IV Aula 22. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Civil IV Aula 22. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Civil IV Aula 22 Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Aula 22 07/10/2015 Início 2º Bimestre. Atributos do Contrato: Existência, Validade e Eficácia complexidade nem todo

Leia mais

PONTO 1: Contratos em Espécie 1. CONTRATO DE MÚTUO 1.1 CONCEITO:... a. Real é necessário não apenas o consenso, mas a tradição da coisa.

PONTO 1: Contratos em Espécie 1. CONTRATO DE MÚTUO 1.1 CONCEITO:... a. Real é necessário não apenas o consenso, mas a tradição da coisa. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Contratos em Espécie 1. CONTRATO DE MÚTUO 1.1 CONCEITO:... 1.2 NATUREZA JURÍDICA: a. Real é necessário não apenas o consenso, mas a tradição da coisa. b. Gratuito

Leia mais

Prof. MARCELO JESUS PARTE GERAL DOS CONTRATOS CONTRATOS EM ESPÉCIE

Prof. MARCELO JESUS PARTE GERAL DOS CONTRATOS CONTRATOS EM ESPÉCIE Prof. MARCELO JESUS PARTE GERAL DOS CONTRATOS CONTRATOS EM ESPÉCIE PARTE GERAL DOS CONTRATOS CONCEITO: acordo de duas ou mais vontades, na conformidade da ordem jurídica, com o escopo de adquirir, modificar

Leia mais

Direito Civil. Dos Direitos Reais Sobre Coisas Alheias. Prof. Marcio Pereira

Direito Civil. Dos Direitos Reais Sobre Coisas Alheias. Prof. Marcio Pereira Direito Civil Dos Direitos Reais Sobre Coisas Alheias Prof. Marcio Pereira DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS (art. 1225 CC) São classificados em: Direitos reais de gozo e fruição :superfície, servidão,

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA CONTRATO DE FIANÇA

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA CONTRATO DE FIANÇA CONTRATO DE FIANÇA Disposições gerais: artigos 818 a 826 do CC Efeitos da fiança: artigos 827 a 836 do CC Extinção da fiança: artigos 837 a 839 do CC 1. Conceito Fiança ou caução fidejussória é a promessa

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Cargo de confiança 1) A determinação do empregador para que

Leia mais

Prof. Anderson Nogueira

Prof. Anderson Nogueira OUTRAS FORMAS DE PAGAMENTO PREVISTAS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 REGRAS SOBRE ESPÉCIE PREVISÃO OBSERVAÇÕES AS PARTES Unilateral Pagamento em Consignação LEGAL Art. 334, 335 do C.C., e 890 do C.P.C. Depósito

Leia mais

Contrato de Arrendamento Urbano para fins habitacionais com prazo certo (e com fiança opcional)

Contrato de Arrendamento Urbano para fins habitacionais com prazo certo (e com fiança opcional) Contrato de Arrendamento Urbano para fins habitacionais com prazo certo (e com fiança opcional) Entre: I -... (nome completo, estado civil, contribuinte fiscal e morada) na qualidade de senhorio e adiante

Leia mais

CONTRATO DE MANDATO CONCEITO:

CONTRATO DE MANDATO CONCEITO: CONCEITO: CONTRATO DE MANDATO Art. 653 Opera-se o mandato quando alguém recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar interesses. A procuração é o instrumento do mandato. Assim,

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 17. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 17. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 17 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (II) Posse (6) Classificação

Leia mais

Direito e legislação. Tópico III Direito das obrigações Contratos

Direito e legislação. Tópico III Direito das obrigações Contratos Direito e legislação Tópico III Direito das obrigações Contratos Direito das Obrigações Credor Devedor Espécies das Obrigações Obrigação de dar (certa e incerta) Coisa Certa é aquela em que o devedor se

Leia mais

DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS

DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS CLASSIFICAÇÃO DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS: (a) unilaterais bilaterais e plurilaterais; (b) gratuitos e onerosos neutros e bifrontes; (c) inter vivos e mortis causa ; (d) principais e

Leia mais

QUESTÕES CAPÍTULO I... 41

QUESTÕES CAPÍTULO I... 41 S CAPÍTULO I OBJETO E FINALIDADE DA TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL... 25 1. Conceito e Divisão do Direito... 25 1.1. Conceito de direito... 25 1.2. Fontes jurídicas... 26 1.3. Direito positivo e direito

Leia mais

Direito Civil. Direito das Obrigações. Prof. Marcio Pereira

Direito Civil. Direito das Obrigações. Prof. Marcio Pereira Direito Civil Direito das Obrigações Prof. Marcio Pereira Conceito de Obrigação Obrigação é o vínculo jurídico que confere ao credor o direito de exigir do devedor o cumprimento de uma determinada prestação

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA DIRETORIA DE GRADUAÇÃO Área de Ciências Humanas, Sociais e Aplicadas DISCIPLINA: Dos Contratos CÓDIGO CRÉDITOS CARGA HORÁRIA H119749 04 80 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM EMENTA

Leia mais

Aula 10 CLASSIFICANDO O CONTRATO DE DOAÇÃO SIMPLES UNILATERAL

Aula 10 CLASSIFICANDO O CONTRATO DE DOAÇÃO SIMPLES UNILATERAL Turma e Ano: CAM MASTER B 2015 Matéria / Aula: Direito Civil Obrigações e Contratos Aula 10 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Mário Alexandre de Oliveira Ferreira Aula 10 CLASSIFICANDO O CONTRATO

Leia mais

Enquadramento jurídico-tributário dos contratos de comodato

Enquadramento jurídico-tributário dos contratos de comodato Enquadramento jurídico-tributário dos contratos de comodato Têm-nos sido colocadas diversas questões sobre o enquadramento fiscal dos contratos de comodato quer em sede de imposto do selo, quer quanto

Leia mais

Direito Civil. Direito das Sucessões. Prof. Marcio Pereira

Direito Civil. Direito das Sucessões. Prof. Marcio Pereira Direito Civil Direito das Sucessões Prof. Marcio Pereira Sucessões (art. 1.784 do CC) É a transmissão de bens, direitos e obrigações de uma pessoa para outra que se dá em razão de sua morte. Aberta a successão,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

IDENTIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS IDENTIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS Caderneta Predial É um documento emitido pelo Serviço de Finanças, onde consta a identificação, localização e descrição do prédio, os dados de

Leia mais

29/03/2017. Tradição: 1) Obrigações de dar (entregar e restituir): 1) Obrigações de dar (entregar e restituir):

29/03/2017. Tradição: 1) Obrigações de dar (entregar e restituir): 1) Obrigações de dar (entregar e restituir): 1) Obrigações de dar (entregar e restituir): Conceito: obrigações positivas cujo objeto mediato consiste em uma coisa corpórea certa ou incerta. Espécies: 1.1. Obrigações de dar propriamente ditas (ad

Leia mais

Direito Civil. Dos Contratos II. Prof. Marcio Pereira

Direito Civil. Dos Contratos II. Prof. Marcio Pereira Direito Civil Dos Contratos II Prof. Marcio Pereira Efeitos O contrato como típico instituto de direito pessoal gera efeitos interpartes, em regra, o que é consagração da máxima res interalios (coisa entre

Leia mais

Gratuito Só poderá ser chamado de gratuito quando uma pessoa entrega para outra e aquele que recebeu não terá ônus. Ex.

Gratuito Só poderá ser chamado de gratuito quando uma pessoa entrega para outra e aquele que recebeu não terá ônus. Ex. O que são negócios jurídicos unilaterais? Quais as modalidades de negócios jurídicos unilaterais? Unilateral - Quando as clausulas contratuais forem estabelecidas por apenas uma das partes. Ex. promessa

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES DE 2016 1. PRAZOS ELEITORAIS PARA OS PARTIDOS: 1.1 ESCOLHA DOS CANDIDATOS: 20.07.2016 a 05.08.2016 (Lei nº 9.504/1997, art. 8º, caput); 1.2 REGISTRO DE CANDIDATURA:

Leia mais

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO Prof. Me. Edson Guedes Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO 5. Direito Civil Unidade II 5.1 Da validade dos negócios jurídicos; 5.2 Responsabilidade civil e ato ilícito; 5. Direito Civil 5.1 Da validade

Leia mais

Direito Civil. Disposições Gerais do Penhor, Hipoteca e Anticrese. Professora Tatiana Marcello.

Direito Civil. Disposições Gerais do Penhor, Hipoteca e Anticrese. Professora Tatiana Marcello. Direito Civil Disposições Gerais do Penhor, Hipoteca e Anticrese Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Civil LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Institui o Código Civil.

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 45/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II Notas de preenchimento I. Notas gerais para o preenchimento do modelo de ficha de informação

Leia mais

I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC)

I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC) SUMÁRIO Agradecimentos... 19 Nota do autor... 21 Prefácio... 23 Capítulo I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC) 1. Introdução ao estudo do Direito... 25 2. Características, conteúdo e funções da

Leia mais

Direito Civil. Da Transmissão e Extinção das Obrigações I. Prof. Marcio Pereira

Direito Civil. Da Transmissão e Extinção das Obrigações I. Prof. Marcio Pereira Direito Civil Da Transmissão e Extinção das Obrigações I Prof. Marcio Pereira Da Transmissão das Obrigações A transmissão das obrigações é o género que comporta duas espécies: cessão de crédito e assunção

Leia mais

Sumário. Capítulo I A Lei de Introdução

Sumário. Capítulo I A Lei de Introdução Sumário Nota do autor à segunda edição... 21 Nota do autor à primeira edição... 23 Prefácio à segunda edição... 25 Prefácio à primeira edição... 31 Capítulo I A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro

Leia mais

DISTRATOS. Panorama Jurídico RICARDO CAMPELO. Curitiba, 17 de novembro de 2015

DISTRATOS. Panorama Jurídico RICARDO CAMPELO. Curitiba, 17 de novembro de 2015 DISTRATOS Panorama Jurídico Curitiba, 17 de novembro de 2015 RICARDO CAMPELO - DISTRATO - RESCISÃO UNILATERAL - RESILIÇÃO CDC - Art. 53. Nos contratos de compra e venda de móveis ou imóveis mediante pagamento

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

Ana Flávia Penido 2. Penido, Ana Flávia. Contrato de troca ou permuta / Ana Flávia Penido. Varginha, f.

Ana Flávia Penido 2. Penido, Ana Flávia. Contrato de troca ou permuta / Ana Flávia Penido. Varginha, f. 1 Penido, Ana Flávia. P411c Contrato de troca ou permuta / Ana Flávia Penido. Varginha, 2015. 22 f. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Contratos. 2. Troca. I. Título.

Leia mais

(B) não poderá continuar a fazê-lo, pois, embora a empresa Z tenha direito adquirido, a lei de ordem pública tem efeito retroativo.

(B) não poderá continuar a fazê-lo, pois, embora a empresa Z tenha direito adquirido, a lei de ordem pública tem efeito retroativo. Olá, Concurseiros! Tudo bem? Vou comentar as questões de Direito Civil do Concurso do TRT 20ª Região, para o cargo de Analista Judiciário Área Judiciária - Especialidade Oficial de Justiça Avaliador Federal,

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO.

CURSO DE EXTENSÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO. CURSO DE EXTENSÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO. Aula Ministrada pelo Prof. Durval Salge Junior 1-) Proposta e Aceitação: a) Proposta: Previsão está no art. 427 do C.C. Art. 427. A proposta de contrato obriga

Leia mais

I - por alienação; II - pela renúncia; III - por abandono; IV - por perecimento da coisa; V - por desapropriação.

I - por alienação; II - pela renúncia; III - por abandono; IV - por perecimento da coisa; V - por desapropriação. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 21 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

Sumário. Lei do Inquilinato Anotada

Sumário. Lei do Inquilinato Anotada Sumário I II Lei do Inquilinato Anotada Questões Teóricas e Práticas do Direito Locatício 1 Quais são os princípios fundamentais do direito contratual que também se aplicam ao contrato de locação? 2 Resumidamente,

Leia mais

AULA 23. Em que momento se tem a realização da compra e venda?

AULA 23. Em que momento se tem a realização da compra e venda? Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professora: Carolina Lima Monitor: André Manso AULA 23 Da compra e venda empresarial Elementos da compra e venda: Consentimento; Objeto; Preço.

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 20. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 20. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 20 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Direito Civil Prof. Conrado Paulino Rosa

Direito Civil Prof. Conrado Paulino Rosa DIREITO DE REPRESENTAÇÃO 1. Direito de representação: Por direito próprio: o Herdeiros descendentes recebem de forma direta, sucedendo por cabeça ou por direito próprio, sem nenhuma representação entre

Leia mais

Direitos Reais. CHAVES, Cristiano. Direitos Reais. Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald. 6ª ed. Rio de Janeiro: Lumen júris, 2010.

Direitos Reais. CHAVES, Cristiano. Direitos Reais. Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald. 6ª ed. Rio de Janeiro: Lumen júris, 2010. AULA 8: POSSE EMENTÁRIO DE TEMAS: Posse: aquisição e perda. LEITURA OBRIGATÓRIA CHAVES, Cristiano. Direitos Reais. Cristiano Chaves e Nelson Rosenvald. 6ª ed. Rio de Janeiro: Lumen júris, 2010. LEITURA

Leia mais

1. INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE. Art. 5ª da CF é considerado cláusula pétrea, assim, propriedade é cláusula pétrea.

1. INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE. Art. 5ª da CF é considerado cláusula pétrea, assim, propriedade é cláusula pétrea. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Intervenção do Estado na Propriedade PONTO 2: Servidão Administrativa PONTO 3: Requisição Administrativa PONTO 4: Ocupação Temporária PONTO 5: Limitações Administrativas

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: DIREITO Período: 5º DEPARTAMENTO: DIREITO PRIVADO Ano: 2016 DISCIPLINA: DIREITO CIVIL (CONTRATOS I) CARGA HORÁRIA: 80 horas PRÉ-REQUISITO:

Leia mais

Direito Civil Direitos Reais Professor: Stanley Costa

Direito Civil Direitos Reais Professor: Stanley Costa AULA 06: Efeitos Materiais da Posse UNIDADE II DA POSSE 1. Direito aos Frutos; 2. Benfeitorias e Direito de Retenção; 3. Responsabilidade pela Perda ou Deterioração; 4. Posse que conduz à Usucapião; 1.

Leia mais

DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA WOS ASSESSORIA CONTÁBIL E RH LTDA

DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA WOS ASSESSORIA CONTÁBIL E RH LTDA DECLARAÇÃO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2017 Declaração - Obrigatoriedade de Apresentação Critérios Condições Renda - recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma anual

Leia mais

FICHA DE TRABALHO Nº2

FICHA DE TRABALHO Nº2 FICHA DE TRABALHO Nº2 NÚCLEO GERADOR 4- Contexto Privado Validação: Nome: turma: 2- Alteração de hábitos Caso após a análise do seu orçamento sinta a necessidade de começar a poupar, e não conseguindo

Leia mais

Natureza: incorpora-se ao solo naturalmente. Ex: árvore. Acessão Física: incorpora-se ao solo de forma artificial. Ex.: construções.

Natureza: incorpora-se ao solo naturalmente. Ex: árvore. Acessão Física: incorpora-se ao solo de forma artificial. Ex.: construções. Bens Jurídicos: são coisas dotadas de valor econômico. Classificação: a. Bem imóvel (art. 79) Bem de Raiz: é o solo e tudo que nele se incorporar, natural ou artificialmente. Subdivide-se em várias espécies

Leia mais

Teoria Geral das Coisas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Teoria Geral das Coisas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Teoria Geral das Coisas Objetivos O objetivo desta aula será apresentar a teoria geral das coisas iniciando-se com um breve relato sobre o Direito das Coisas, seguindo-se para a diferença entre o direito

Leia mais

Direito das Obrigações

Direito das Obrigações Direito das Obrigações Kauísa Carneiro ZANFOLIN RESUMO: Trata-se de obrigações das quais acarretam consequências jurídicas, são tratadas pela parte especial do Código Civil. Corresponde a uma relação de

Leia mais

Vistos. Regularmente citada, a ré deixou de contestar a ação no prazo legal. R E L A T A D O S. D E C I D O

Vistos. Regularmente citada, a ré deixou de contestar a ação no prazo legal. R E L A T A D O S. D E C I D O fls. 74 SENTENÇA Processo Digital nº: 1007365-29.2016.8.26.0002 Classe - Assunto Procedimento Comum - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Elcio Felix Cardoso e outro Requerido: Jetirana

Leia mais

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS

OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS OS DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS SÓCIOS O contrato social é o regulador das relações obrigacionais entre os sócios, alicerçada na Constituição Federal, nas leis e nos princípios gerais do Direito, sendo os

Leia mais

MONITORIA 2017 DIREITO CIVIL

MONITORIA 2017 DIREITO CIVIL MONITORIA 2017 DIREITO CIVIL DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO I 1. Introdução ao direito internacional privado: objeto, denominação e método; 2. Fontes do DIPRI; 3. História do DIPRI; 4. Regras de conexão;

Leia mais

IUS RESUMOS. Contrato de Trabalho. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Contrato de Trabalho. Organizado por: Samille Lima Alves de Trabalho Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. CONTRATO DE TRABALHO... 3 1. Caracterizando o contrato de trabalho... 3 1.1 Conceito e características... 3 1.2 Elementos essenciais do contrato

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED. Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED. Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com - Capacidade jurídica é uma medida limitadora ou delineadora da possibilidade de adquirir direitos e

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

Vejamos agora os artigos e 1.394, ambos do CC.

Vejamos agora os artigos e 1.394, ambos do CC. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 24 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (IV) Direitos Reais

Leia mais

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aula 29 17/11/2015.

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aula 29 17/11/2015. DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aula 29 17/11/2015. Espécies: Doação Pura: é aquela simples, de plena liberalidade / generosidade, sem nenhuma exigência,

Leia mais

O testamento vital no Brasil Realidade e prática notarial

O testamento vital no Brasil Realidade e prática notarial O testamento vital no Brasil Realidade e prática notarial Paulo Roberto Gaiger Ferreira I Simposio Notarial Mineiro Belo Horizonte, 2012 Morte Demência Ausência Ferramentas jurídicas Testamento Ausência

Leia mais

PÓS RESPONSABILIDADE CIVIL PROF. SÉRGIO CAVALIERI FILHO

PÓS RESPONSABILIDADE CIVIL PROF. SÉRGIO CAVALIERI FILHO PÓS RESPONSABILIDADE CIVIL PROF. SÉRGIO CAVALIERI FILHO 1 O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR E A RESPONSABILIDADE CIVIL NOS CONTRATOS IMOBILIÁRIOS Relevância e Gravidade da Questão a) Caso Palace II (22

Leia mais

Objetivo da aula: Negócios jurídicos. ELEMENTOS ESSENCIAS NATURAIS DO NEGÓCIO JURÍDICO

Objetivo da aula: Negócios jurídicos. ELEMENTOS ESSENCIAS NATURAIS DO NEGÓCIO JURÍDICO AULA 04 PONTO: 04 Objetivo da aula: Negócios jurídicos. Tópico do plano de Ensino: Elementos dos negócios jurídicos. Classificação. Elementos essenciais naturais: Vícios redibitórios e evicção. Roteiro

Leia mais

DIREITO CIVIL I. Dos Bens 3/3/2010

DIREITO CIVIL I. Dos Bens 3/3/2010 DIREITO CIVIL I Dos Bens Prof. Vilmar A Silva Bens: são valores materiais e imateriais que podem ser objeto de uma relação de direito. é tudo o que satisfaz uma necessidade humana. (Gonçalves) Corpóreos,

Leia mais

Direito Administrativo. Serviços Públicos. Professor Leandro Velloso

Direito Administrativo. Serviços Públicos. Professor Leandro Velloso Direito Administrativo Professor Leandro Velloso www.leandrovelloso.com.br www.colecaooab.com.br leovelloso@hotmail.com Conceituação Serviços Públicos Prestação estatal direta ou indireta dirigida à coletividade

Leia mais

DL 911/69 Lei 9.514/97 arts a do CC

DL 911/69 Lei 9.514/97 arts a do CC Negócio Fiduciário DL 911/69 Lei 9.514/97 arts.. 1.361 a 1.368 do CC Fontes das Obrigações: Contratos Especiais, Atos Unilaterais, Responsabilidade Civil e outras Fontes (DCV0311) Faculdade de Direito

Leia mais

Contrato de Comissão. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Comissão. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Comissão A comissão mercantil é o contrato do mandato relativo a negócios mercantis, quando, pelo menos, o comissário é comerciante, sem que nesta gestão seja necessário declarar ou mencionar

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES DO PROUNI

DOCUMENTAÇÃO PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES DO PROUNI DOCUMENTAÇÃO PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES DO PROUNI 1. DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de dúvida,

Leia mais

1. Vícios redibitórios art , CC: São defeitos ocultos por duas razões: por que tornam impróprio ao uso ou diminuem consideravelmente o valor.

1. Vícios redibitórios art , CC: São defeitos ocultos por duas razões: por que tornam impróprio ao uso ou diminuem consideravelmente o valor. 1 PONTO 1: Vícios Redibitórios PONTO 2: Evicção PONTO 3: Quadro comparativos entre ilícito contratual e extracontratual. 1. Vícios redibitórios art. 441 1, CC: São defeitos ocultos por duas razões: por

Leia mais

FAURGS TJ - RS Edital 001/2015 CECPODNR PROVIMENTO E REMOÇÃO Pág. 1

FAURGS TJ - RS Edital 001/2015 CECPODNR PROVIMENTO E REMOÇÃO Pág. 1 Pág. 1 FAURGS TJ - RS Edital 001/2015 CECPODNR Pág. 2 Instrução: Responda às questões no CADERNO DE RESPOSTAS, atendo-se ao solicitado. 01. Conceitue a conversão do negócio jurídico e explique os seus

Leia mais

Responsabilidade Civil. Prof. Antonio Carlos Morato

Responsabilidade Civil. Prof. Antonio Carlos Morato Responsabilidade Civil Prof. Antonio Carlos Morato Dano Estético Dano à imagem / Dano Estético (art. 5o, V e X da CF) Imagem-retrato e Imagem-Atributo V - é assegurado o direito de resposta, proporcional

Leia mais

Responsabilidade Civil. Prof. Antonio Carlos Morato

Responsabilidade Civil. Prof. Antonio Carlos Morato Responsabilidade Civil Prof. Antonio Carlos Morato Dano Estético Dano à imagem / Dano Estético (art. 5o, V e X da CF) Imagem-retrato e Imagem-Atributo V - é assegurado o direito de resposta, proporcional

Leia mais

Contratos Administrativos

Contratos Administrativos Contratos Administrativos Principais Características do Contrato Administrativo Cláusulas Exorbitantes Duração dos Contratos Extinção do Contrato Rescisão e Anulação RAD 2601 Direito Administrativo Professora

Leia mais

19/04/17. 1) Obrigações de fazer:

19/04/17. 1) Obrigações de fazer: 1) Obrigações Classificação: obrigação positiva Conceito: cujo objeto mediato consiste em uma atividade humana lícita, possível e determinada. Distinção entre obrigação de fazer e obrigação de dar (ad

Leia mais

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES: DAR COISA CERTA Entregar e Restituir

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES: DAR COISA CERTA Entregar e Restituir DIREITO DAS OBRIGAÇÕES: DAR COISA CERTA Entregar e Restituir Lírian Correia de BARROS 1 RESUMO: Existem diversas obrigações, porém nem todas tem relevância jurídica. Podemos dizer que a obrigação que tem

Leia mais

Ricardo Abreu & Advogados Associados

Ricardo Abreu & Advogados Associados I. DA TRANSFERÊNCIA 1. A transferência se caracteriza pelo deslocamento do empregado, de um estabelecimento ou empresa, para outro (a) do mesmo grupo, com mudança de seu domicílio (art. 469, da Consolidação

Leia mais

Organização e Técnica Comercial

Organização e Técnica Comercial Organização e Técnica Comercial Têisi Colares teisi@intoconsultoria.com.br 51-82058935 Escola de Educação Profissional Inteligência Educacional Locação Imobiliária Não é obrigatório contrato. O CONTRATO

Leia mais

Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades.

Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 12 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Negócio Jurídico: Elementos; Planos; Teoria das Nulidades. 3. NEGÓCIO JURÍDICO: 3.4

Leia mais

Aula 16. Bens Públicos I. Prof. Wander Garcia

Aula 16. Bens Públicos I. Prof. Wander Garcia Aula 16 Bens Públicos I Prof. Wander Garcia 1. Conceito: são os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público (art. 98 do CC) - Bens pertencentes aos entes políticos (União, Estados, DF e Municípios),

Leia mais

Direito Civil. Da Extinção do Contrato. Professora Tatiana Marcello.

Direito Civil. Da Extinção do Contrato. Professora Tatiana Marcello. Direito Civil Da Extinção do Contrato Professora Tatiana Marcello www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Aula Civil XX LEI Nº 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Institui o Código Civil. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública ,,, e (pretendem alterar o ) Artigo 7.º-A Imputação do cumprimento 1 O devedor pode designar a prestação correspondente ao crédito à aquisição de habitação própria permanente, para efeitos do disposto

Leia mais

As fontes obrigacionais do direito Brasileiro. Karen Karoline Lucas MUNHOZ 1

As fontes obrigacionais do direito Brasileiro. Karen Karoline Lucas MUNHOZ 1 As fontes obrigacionais do direito Brasileiro. Karen Karoline Lucas MUNHOZ 1 RESUMO: Declarações unilaterais de vontade derivadas da lei, que resultam em obrigações de dar e fazer. Palavras-chave: Fonte

Leia mais

1º Workshop Avaliação de Desempenho na Prática

1º Workshop Avaliação de Desempenho na Prática 1º Workshop Avaliação de Desempenho na Prática Módulo 02 Avaliação de Desempenho em Projetos Palestrante Dr. Luiz Antonio Scavone Junior Código Civil: Art. 618. Nos contratos de empreitada de edifícios

Leia mais

PONTO 1: FORMAÇÃO DE CONTRATOS. PONTO 3: b)vício REDIBITÓRIO. Ambos institutos acima tem responsabilidade civil aquiliana.

PONTO 1: FORMAÇÃO DE CONTRATOS. PONTO 3: b)vício REDIBITÓRIO. Ambos institutos acima tem responsabilidade civil aquiliana. 1 CONTRATOS PONTO 1: FORMAÇÃO DE CONTRATOS PONTO 2: a) FORMAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO PONTO 3: b)vício REDIBITÓRIO FORMAÇÃO TRATATIVAS -Proposta individual: Art. 427 CC 1 obriga o proponente. O descumprimento

Leia mais

Aula 15. Na denunciação à lide, o evicto pode exigir do alienante todas as hipóteses do art. 450, CC. In verbis:

Aula 15. Na denunciação à lide, o evicto pode exigir do alienante todas as hipóteses do art. 450, CC. In verbis: Turma e Ano: CAM MASTER B 2015 Matéria / Aula: Direito Civil Obrigações e Contratos Aula 15 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Mário Alexandre de Oliveira Ferreira Aula 15 Exemplo: A e B celebram

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre os abaixo assinados: PRIMEIRO(S) OUTORGANTE(S) - e marido/mulher casados no regime de, ele natural da freguesia de, concelho de, ela natural da freguesia de concelho de residentes

Leia mais

Direito Civil. Dos Contratos I. Prof. Marcio Pereira

Direito Civil. Dos Contratos I. Prof. Marcio Pereira Direito Civil Dos Contratos I Prof. Marcio Pereira Conceito É o acordo de duas ou mais vontades, na conformidade da ordem jurídica, destinado a estabelecer uma regulamentação de interesses entre as partes,

Leia mais

DIREITO CIVIL A função social da propriedade e limitações ao exercício do direito de propriedade

DIREITO CIVIL A função social da propriedade e limitações ao exercício do direito de propriedade A função social da propriedade e limitações ao exercício do direito de propriedade Art. 1.228. O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem

Leia mais

1. DIREITO REAL DE SUPERFÍCIE

1. DIREITO REAL DE SUPERFÍCIE 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Direito Real de Superfície PONTO 2: Direito Real de Servidão PONTO 3: Direito Real de Usufruto PONTO 4: Direito Real de Uso PONTO 5: Direito Real de Habitação PONTO

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE MÚTUO PARA CONCESSÃO FAAI - FUNDO DE APOIO AO ACADÊMICO INGRESSANTE

CONTRATO PARTICULAR DE MÚTUO PARA CONCESSÃO FAAI - FUNDO DE APOIO AO ACADÊMICO INGRESSANTE MUTUANTE: CONTRATO PARTICULAR DE MÚTUO PARA CONCESSÃO FAAI - FUNDO DE APOIO AO ACADÊMICO INGRESSANTE CONTRATO (2015/1) FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE, inscrita no CNPJ sob o nº 01.330.273/0002-48, com

Leia mais

Arras. arras probatórias ou confirmatórias. 2 espécies. arras penitenciais

Arras. arras probatórias ou confirmatórias. 2 espécies. arras penitenciais Arras 2 espécies arras probatórias ou confirmatórias arras penitenciais Arras Probatórias 3 funções confirmar o contrato antecipar pagamento Fixar, previamente, perdas e danos são o sinal dado para provar

Leia mais