TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte"

Transcrição

1 1. Referência legal do assunto Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte TRANSPORTE O CC define o contrato de transporte no art. 730: Pelo contrato de transporte alguém se obriga, mediante retribuição, a transportar, de um lugar para outro, pessoas ou coisas. Em relação ao regime jurídico aplicável, o legislador ressalvou que ao transporte exercido em virtude de autorização, permissão ou concessão são aplicadas as regras dos regulamentos específicos, sem prejuízo, todavia, das normas do CC (art. 731) e dos tratados e convenções internacionais (art. 732). Como legislação específica relacionada com o contrato de transporte, podemse citar: a) O Código Brasileiro de Aeronáutica (Lei n /86, art. 10); b) A Lei n /98, regulamentada pelo Decreto n /2000, que trata do transporte multimodal; c) A Lei n /91, art. 8º, 2º, que dispõe sobre o seguro de cargas; É bom ressaltar, que o CDC, também é aplicável aos contratos de transporte

2 diante da ocorrência de uma relação de consumo. 2. Partes As partes do contrato de transporte são: de um lado, o transportador (ou condutor) e, de outro, o passageiro ou usuário (no transporte de pessoas) ou o expedidor ou remetente (no transporte de coisas). Não é parte o destinatário das coisas. 3. Terminologia No transporte de pessoas, a remuneração chama-se passagem; no de coisas, chama-se frete. O documento, no transporte de passageiros, chama-se bilhete; no de coisas, conhecimento. O bilhete nem sempre é utilizado. 4. Natureza O contrato é bilateral, consensual, oneroso e, quase sempre, de adesão. 5. Espécies Pode haver transporte de pessoas e transporte de coisas, tendo o CC disciplinado estas duas espécies de forma diversa, respectivamente, em seus arts. 734 a 742 e 743 a 756. Quanto ao meio, o transporte pode ser terrestre (rodoviário ou ferroviário), aquático (marítimo, fluvial e lacustre) e aéreo, ou misto, abrangendo sucessivamente as várias modalidades.

3 6. Direitos e deveres (a) Transporte de pessoas No transporte de pessoas, mediante o pagamento do valor da passagem pelo usuário, o transportador obriga-se a cumprir o contrato, deslocando a pessoa e a sua bagagem, com segurança, sem danos, até o lugar previsto, obedecendo aos horários e aos itinerários. Se ocorrer evento alheio à vontade do transportador que interrompa a viagem, o transporte deverá ser concluído em outro veículo da mesma categoria ou em modalidade diferente, desde que haja a anuência do usuário, correndo todas as despesas por conta do transportador, nos termos do art. 741 do CC. O transportador não pode recusar passageiros, salvo se existir justificativa em regulamentos ou o motivo decorrer das condições de saúde ou de higiene do interessado (art. 739 do CC). O passageiro tem a obrigação de observar as normas estabelecidas pelo transportador, especificadas nos bilhetes ou que de outra forma lhe tenha sido dado conhecimento, bem como de se comportar de maneira a não incomodar ou prejudicar os demais passageiros, a não danificar o veículo, dificultar ou impedir a prestação do serviço (art. 738 do CC). O passageiro pode rescindir o contrato antes de iniciada a viagem e, se comunicado ao transportador em tempo hábil para a revenda do bilhete, terá direito à restituição do valor pago. Mesmo que a viagem já tenha começado, o passageiro pode rescindir o contrato de transporte, mas somente receberá a restituição do trecho não utilizado se demonstrar que outra pessoa foi transportada em seu lugar na continuação da viagem. Da mesma forma, o passageiro que não embarcar somente terá direito à restituição do valor do

4 bilhete se comprovar que outra pessoa ocupou o seu lugar, sendo lícito ao transportador cobrar uma multa compensatória de 5% da importância a ser devolvida. Todas essas regras sobre rescisão do contrato e direito de restituição da quantia estão especificadas no art. 740 e seus parágrafos do novo Código Civil. Na hipótese de o passageiro ainda não ter pago o valor do bilhete ao final da viagem, é permitido que o transportador retenha a sua bagagem e outros objetos pessoais para garantir o adimplemento da obrigação (art. 742). (b) Transporte de coisas No transporte de coisas, o transportador tem a obrigação de levar o bem que lhe foi entregue ao destino solicitado, dentro do prazo contratado ou previsto, devendo tomar todas as providências e os cuidados para manter o seu bom estado. A conferência das condições da mercadoria deve ser feita no ato de entrega pelo destinatário ou por pessoa que apresentar o conhecimento de transporte endossado. As eventuais reclamações deverão ser feitas, neste momento, sob pena de decadência de tal direito, salvo se a avaria não for perceptível desde logo, hipótese na qual há o prazo de dez dias para reclamar (art. 754 do CC). Ao remetente cabe pagar o preço ajustado e informar a natureza da coisa, o seu valor, peso, quantidade e outros dados importantes para a sua identificação e diferenciação de outras mercadorias, bem como indicar o nome e endereço do destinatário. Entretanto, a obrigação do transportador de avisar ao destinatário a chegada da mercadoria ou de entregar em domicílio depende de convenção entre as partes, que constará do conhecimento de embarque (art. 752 do CC). Quando houver dúvida de quem seja o destinatário, o transportador deverá buscar informações e instruções com o

5 remetente e, se tal tarefa não tiver êxito, deverá depositar a mercadoria em juízo ou vendê-la quando houver risco de perecimento, depositando o valor judicialmente (art. 755 do CC). O transportador é obrigado a emitir documento especificando as características que identifiquem a coisa a ser transportada, podendo, inclusive, exigir do expedidor uma relação dos bens devidamente assinada, em duas vias, ficando uma parte integrante do conhecimento (art. 744 e seu parágrafo único do CC). A falsidade das informações ou a sua inexatidão implica o dever de o remetente indenizar o transportador pelos danos causados por tal ato. O legislador, todavia, estipulou um curto prazo decadencial de 120 dias para o exercício desse direito, no art. 745 do CC. Ademais, o remetente deve atender às exigências do transportador com relação à natureza da coisa e à embalagem utilizada, podendo ser recusada quando o empacotamento configurar-se como inadequado ou se a mercadoria colocar em risco a saúde de pessoas ou o bom estado do veículo ou de outros bens. Essa faculdade de recusa do transportador transforma-se em obrigação legal quando o transporte ou a comercialização da coisa a ser enviada for vedada pela legislação ou quando não vier acompanhada dos documentos exigidos pela lei ou regulamento específico. É permitido ao remetente desistir do contrato de transporte e requerer a devolução da coisa ou, ainda, mudar o destino da entrega, ficando obrigado, no entanto, a pagar as despesas decorrentes de tais alterações e eventuais perdas e danos, se houver (art. 748 do CC). Ao manter a coisa a ser transportada em seus armazéns, o transportador submete-se à disciplina legal do depósito, em virtude do art. 751 do CC. Por outro lado, se o transporte não se realizar ou for longamente interrompido, o

6 transportador deverá informar a situação ao remetente e pedir-lhe instruções de como proceder, tendo a obrigação de atuar com cautela, sendo responsável pelo eventual perecimento do bem, salvo por motivo de força maior (art. 753 do CC). Caso o expedidor não se pronuncie e o impedimento perdure, sem culpa do transportador, este poderá depositar a coisa em juízo ou vendê-la, sempre observando as regras legais e regulamentares aplicáveis ao caso. Se o impedimento for imputável ao transportador, este deverá depositar a coisa e ficará responsável pelo seu bom estado, podendo vendê-la apenas se for de natureza perecível. Na hipótese de depósito da mercadoria nos armazéns do transportador, este poderá exigir uma remuneração pela custódia, a ser estipulada contratualmente ou determinada conforme os usos do sistema de transporte. Todas essas regras estão estipuladas pelo novo Código Civil, nos parágrafos do art Transporte gratuito e transporte benévolo Alguns distinguem o transporte gratuito, feito por empresas transportadoras, como os de bens de passageiros (malas e bagagens), que seria um acessório do contrato de transporte do passageiro, do chamado transporte benévolo (vulgarmente chamado carona), feito por cortesia, gratuitamente ou por amizade. A este último não se aplicam as regras próprias do contrato de transporte. No entanto, se o condutor aufere vantagem indireta, não se considera gratuito o transporte, mesmo sem remuneração (art. 736, parágrafo único, do novo Código Civil). 8. Responsabilidade civil Inicialmente, o antigo Código Comercial passou a regular o transporte marítimo e a responsabilidade dele decorrente. Depois, tivemos o Decreto n.

7 2.681, de (decreto com força de lei), que regulou a responsabilidade civil das estradas de ferro e, como lei especial, continuou vigendo mesmo após o Código Civil de 1916, que não cuidou do transporte. As regras estabelecidas foram aplicadas, por analogia, aos demais transportes coletivos, como os das empresas de carris urbanos (bondes) e ônibus. O CC atual estabeleceu algumas regras referentes à responsabilidade do transportador. Com relação ao transporte de pessoas, o art. 734 do CC determina que os danos causados aos usuários e às suas bagagens são de responsabilidade do transportador, podendo este, para resguardar o limite da sua responsabilidade, exigir que o cliente preste declaração do valor da bagagem. Para tornar inequívoca essa regra, o legislador enfatizou que qualquer convenção em contrário é nula. Por outro lado, tal responsabilidade é excluída por motivo de força maior, mas não é afastada quando o dano for causado por culpa de terceiro. Neste caso, o transportador permanece responsável perante o passageiro, tendo, todavia, ação regressiva perante o terceiro (art. 735 do CC). Neste ponto, o Código acolheu a jurisprudência sumulada do Supremo Tribunal Federal: Súmula 187. A responsabilidade contratual do transportador, pelo acidente com o passageiro, não é elidida por culpa de terceiro, contra o qual tem ação regressiva. Exemplo desta hipótese encontra-se em decisão do STJ no seguinte sentido: A empresa responde pelo dano sofrido por passageira que sofre queda no interior do coletivo, provocada por freada brusca do veículo, em decorrência de estilhaçamento do vidro do ônibus provocado por terceiro. O motorista que age em estado de necessidade e causa dano em terceiro que não provocou o perigo, deve a

8 este indenizar, com direito regressivo contra o que criou o perigo. Tratando-se de transporte de coisas, a própria lei (art. 750 do CC) estabelece que a responsabilidade do transportador começa ao receber o bem e cessa no ato de entrega da coisa ao destinatário ou com o seu depósito em juízo, nos casos previstos na lei. Com relação ao valor devido, a responsabilidade restringe-se ao montante constante do conhecimento de transporte. Está prevista ainda regra específica de responsabilidade por transporte cumulativo. Cada transportador é responsável pelo cumprimento das suas obrigações e eventuais danos causados ao passageiro ou à coisa transportada no respectivo percurso. Para proteger os interesses do remetente, o legislador previu a responsabilidade solidária de todos os transportadores pelos danos causados ao remetente da coisa, existindo, todavia, o direito de regresso, considerando o trecho em que ocorram os prejuízos (art. 756 do CC).

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE 24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE Contrato de transporte, segundo estabelece o artigo 730 do Código Civil, pode ser conceituado como aquele em que alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

Responsabilidade Civil nos Transportes

Responsabilidade Civil nos Transportes Responsabilidade Civil nos Transportes 1. Introdução A humanidade e as sempre se deslocaram ao longo dos milênios através: do auxílio dos animais dos barcos a vela dos motores a vapor das estradas de

Leia mais

Contrato de Transporte de Pessoas e de Coisas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Transporte de Pessoas e de Coisas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Transporte de Pessoas e de Coisas Contrato de Transporte Contrato de transporte é aquele em que uma pessoa ou empresa se obriga a transportar pessoa ou coisa, de um local para outro, mediante

Leia mais

LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998

LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 Dispõe sobre o transporte multimodal de cargas e dá outras providências. CAPÍTULO IV DA RESPONSABILIDADE Art 11. Com a emissão do Conhecimento, o Operador de Transporte

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS. 1 TEU transitário. Artigo 1º Definições. Artigo 2º Âmbito

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS. 1 TEU transitário. Artigo 1º Definições. Artigo 2º Âmbito Artigo 1º Definições Artigo 2º Âmbito Artigo 3º Aplicabilidade Artigo 4º Apresentação dos preços Artigo 5º Alteração dos preços Artigo 6º Revisão de preços e condições Artigo 7º Validade das propostas

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONTRATOS EM ESPÉCIE COMPRA E VENDA Arts. 481 a 532 NECESSIDADE

Leia mais

AULA 05 SFN: GARANTIAS REAIS

AULA 05 SFN: GARANTIAS REAIS 1 2 1. Compreender Alienação Fiduciária, Penhor, Hipoteca e Anticrese 2. Conceituar e classificar as Garantias Reais 3. Entender a Alienação Fiduciária; 4. Entender o Penhor; 5. Entender a Hipoteca; 6.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 Acrescenta o art. 799-A à Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para dispor sobre a realização de exame de saúde previamente à contratação de

Leia mais

Síntese das disposições respeitantes aos direitos dos passageiros no transporte marítimo e fluvial 1

Síntese das disposições respeitantes aos direitos dos passageiros no transporte marítimo e fluvial 1 Síntese das disposições respeitantes aos direitos dos passageiros no transporte marítimo e fluvial 1 O Regulamento (UE) n.º 1177/2010, relativo aos direitos dos passageiros do transporte marítimo e por

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

Condições Gerais Norwegian Cruise Line

Condições Gerais Norwegian Cruise Line Condições Gerais Norwegian Cruise Line 1. CONFIRMAÇÃO DA VIAGEM A confirmação da viagem da NCL (Bahamas) Ltd., negociando como Norwegian Cruise Line (a seguir Norwegian), é a aceitação do seu pedido de

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004 Condições gerais 1060267-03.2004 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo, nº 6 1069-001 Lisboa Fax 21 355 33 00 Pessoa Colectiva n.º 500 068 658 Cons. Reg.

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

Município do Funchal

Município do Funchal Concurso público para a aquisição de 1485 sinais de trânsito retroreflectorizados e 40 cones como dispositivos complementares para o Município do Funchal. CADERNO DE ENCARGOS - 1 - CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM

CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM 1 1. RESPONSABILIDADE A Bon Voyage Operadora, registrada na Embratur nr 07921-00-41-5,

Leia mais

O que é o Contrato de Seguro?

O que é o Contrato de Seguro? O que é o Contrato de Seguro? O contrato de seguro é um acordo através do qual o segurador assume a cobertura de determinados riscos, comprometendo-se a satisfazer as indemnizações ou a pagar o capital

Leia mais

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES.

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. O que é a ANTT? A Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT regula e fiscaliza a prestação de serviços de transportes terrestres de passageiros em todo

Leia mais

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 O Regulamento (UE) n.º 181/2011 (a seguir designado por «Regulamento») é aplicável a partir de 1 de março de 2013. Estabelece um conjunto

Leia mais

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro.

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912 Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. O Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil: Faço saber que o Congresso Nacional decretou e eu

Leia mais

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA CADERNO DE ENCARGOS Página 1 de 9 ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE Governo Decreto lei n.º 18/2003 de 08 de Outubro. Contrato de Transporte Rodoviário

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE Governo Decreto lei n.º 18/2003 de 08 de Outubro. Contrato de Transporte Rodoviário REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE Governo Decreto lei n.º 18/2003 de 08 de Outubro Contrato de Transporte Rodoviário O I Governo de Timor Leste estabeleceu, com a aprovação do Programa Legislativo do

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

go to http://www.speculumscriptum.com

go to http://www.speculumscriptum.com go to http://www.speculumscriptum.com CONTRATO DE EMPREITADA - Conceito: Empreitada é o contrato em que uma das partes (empreiteiro) se obriga, sem subordinação ou dependência, a realizar certo trabalho

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece procedimentos para o transporte de bagagens e encomendas nos ônibus utilizados nos serviços de transporte interestadual e internacional de passageiros e para a identificação de seus proprietários

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO EM PORTUGAL PARA O ENSINO SUPERIOR DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CAPÍTULO I

REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO EM PORTUGAL PARA O ENSINO SUPERIOR DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CAPÍTULO I REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO EM PORTUGAL PARA O ENSINO SUPERIOR DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. A Fundação Calouste Gulbenkian, através

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

1. DAS PARTES 1.1. A pessoa jurídica identificada na frente deste Contrato de Aluguel de Veículo, doravante designada LOCADORA e a pessoa física ou

1. DAS PARTES 1.1. A pessoa jurídica identificada na frente deste Contrato de Aluguel de Veículo, doravante designada LOCADORA e a pessoa física ou 1. DAS PARTES 1.1. A pessoa jurídica identificada na frente deste Contrato de Aluguel de Veículo, doravante designada LOCADORA e a pessoa física ou jurídica identificada no quadro 1 deste mesmo contrato,

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

Assunto: Condições de contrato de transporte aéreo

Assunto: Condições de contrato de transporte aéreo CIRCULAR Nº 062 / 2009 (SF) RF/MS/RC Lisboa, 14 de Agosto de 2009 Assunto: Condições de contrato de transporte aéreo Caro Associado, Tendo em consideração os deveres legais de informação para a venda de

Leia mais

decorrentes de descumprimento total ou parcial de contrato fica regulamentado por

decorrentes de descumprimento total ou parcial de contrato fica regulamentado por c Poder Judiciário ctóáça INSTRUÇÃO NORMATIVA N5 24, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o procedimento de apuração e aplicação de penalidades às empresas contratadas pelo Conselho Nacional de Justiça.

Leia mais

ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS EM SHOPPING CENTERS: APLICABILIDADE DO CDC. Maria Bernadete Miranda

ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS EM SHOPPING CENTERS: APLICABILIDADE DO CDC. Maria Bernadete Miranda ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS EM SHOPPING CENTERS: APLICABILIDADE DO CDC Maria Bernadete Miranda ESTACIONAMENTO EM SHOPPING CENTERS Roteiro da apresentação Evolução doutrinária e jurisprudencial no sentido

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR

RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR Flávio Tartuce Doutor em Direito Civil e graduado pela Faculdade de Direito da USP. Mestre em Direito Civil Comparado pela PUC/SP. Professor do programa de mestrado

Leia mais

LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015)

LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015) LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015) Seguem comentários sobre as principais matérias tratadas na Lei dos Caminhoneiros, com dispositivos aplicáveis aos Transportadores Autônomos, às Transportadoras

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 4ª Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 1. Os serviços prestados pela LeasePlan em conformidade

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

QUESTÕES ATUAIS DA REGULAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA. NDSR FD/UnB 13 de novembro de 2015

QUESTÕES ATUAIS DA REGULAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA. NDSR FD/UnB 13 de novembro de 2015 QUESTÕES ATUAIS DA REGULAÇÃO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA NDSR FD/UnB 13 de novembro de 2015 História e panorama regulatório Serviços aéreos Situação jurídica dos usuários LIÇÕES DA CRISE (1) crises graves

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento

3 Direito de revogação do utilizador final no que diz respeito a contratos de venda à distância - Política de cancelamento I. Termos e Condições Gerais de Venda da MAGIX Software GmbH Estado: junho 2014 1 Âmbito de aplicação 1. Todas as entregas, serviços e ofertas da MAGIX Software GmbH (de ora avante denominada MAGIX ) são

Leia mais

Na sequência dos compromissos

Na sequência dos compromissos Regime especial de exigibilidade do IVA dos serviços de transporte rodoviário nacional de mercadorias P o r R u i R i b e i r o G r i l o Foi publicada no «Diário da República», em 1 de último, a Lei 15/2009,

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VENDA DE PASSAGENS AÉREAS, DOCUMENTAÇÃO E VISTOS CONSULARES

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VENDA DE PASSAGENS AÉREAS, DOCUMENTAÇÃO E VISTOS CONSULARES INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VENDA DE PASSAGENS AÉREAS, DOCUMENTAÇÃO E VISTOS CONSULARES Pelo presente instrumento, nesta e na melhor forma de direito, os abaixo assinados,

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO 1 LEI Nº 1485/2014 DISPÕE SOBRE AS PERMISSÕES DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS, ATRAVÉS DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO DE INHAÚMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Aplicação das Normas NOTA TÉCNICA Nº 57/2014/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP

Leia mais

Ao comprar em nosso site o cliente declara ter lido e estar ciente de todas informações citadas abaixo.

Ao comprar em nosso site o cliente declara ter lido e estar ciente de todas informações citadas abaixo. NORMAS E REGRAS Ao comprar em nosso site o cliente declara ter lido e estar ciente de todas informações citadas abaixo. COMO EFETUAR O PAGAMENTO DA EXCURSÃO: 1- Leia as regras e as normas da excursão antes

Leia mais

Baixa instruções sobre o decreto n. 20.931, de 11 de janeiro de 1932, na parte relativa de vendas de lentes de graus.

Baixa instruções sobre o decreto n. 20.931, de 11 de janeiro de 1932, na parte relativa de vendas de lentes de graus. Decreto nº 24.492, de 28 de junho de 1934 Instruções sobre o decreto n. 20.931, de 11 de janeiro de 1932, na parte relativa de vendas de lentes de graus. Decreto nº 24.492 Baixa instruções sobre o decreto

Leia mais

O que é conta corrente? O que é o depósito? Direito Bancário Quais os elementos do mútuo civil? Real O que isso quer dizer? Unilateral O que isso quer dizer? Coisa fungível Temporariedade Direito Bancário

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ

MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ AJUSTE DIRETO AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTRATAÇÃO DE ARTISTAS PARA OS EVENTOS A REALIZAR NO ÂMBITO DA CIDADE EUROPEIA DO VINHO CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE DISPOSIÇÕES

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Compras

Termos e Condições Gerais de Compras Termos e Condições Gerais de Compras 1º Escopo da aplicação (1) Independentemente de qualquer acordo por escrito ao contrário, essas condições são aplicáveis a todos os pedidos e contratos, nos quais a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de concluir uma convenção sobre cumprimento de medidas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta na criação de medidas de incentivo

Leia mais

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br Ana Cândida Piccino Sgavioli acsgavioli@almeidalaw.com.br I INTRODUÇÃO Desde a década de

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos)

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) INTERPRETAÇÃO Boa-fé e usos do lugar CC113 Os negócios jurídicos devem

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: 54 520 7000 99700-000 Erechim RS

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: 54 520 7000 99700-000 Erechim RS MINUTA 175/2014 CONTRATO ADMINISTRATIVO N.º /2014 PROCESSO N.º 8287/2014 - PREGÃO PRESENCIAL N.º 153/2014 AQUISIÇÃO DE PEÇAS PARA CONSERTO DA MÁQUINA M-65 - SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO

Leia mais

Guia do ICMS - São Paulo: Circulação de bens, materiais ou mercadorias por não contribuinte

Guia do ICMS - São Paulo: Circulação de bens, materiais ou mercadorias por não contribuinte Guia do ICMS - São Paulo: Circulação de bens, materiais ou mercadorias por não contribuinte Resumo: Estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras que envolvem a circulação de bens, materiais

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

I PRAZO PARA REMOÇÃO DE CONTEÚDO OFENSIVO POSTADO EM REDES SOCIAIS 24 HORAS - RESPONSABILIDADE DOS PROVEDORES DE CONTEÚDO

I PRAZO PARA REMOÇÃO DE CONTEÚDO OFENSIVO POSTADO EM REDES SOCIAIS 24 HORAS - RESPONSABILIDADE DOS PROVEDORES DE CONTEÚDO Ano VI nº 25 I PRAZO PARA REMOÇÃO DE CONTEÚDO OFENSIVO POSTADO EM REDES SOCIAIS 24 HORAS - RESPONSABILIDADE DOS PROVEDORES DE CONTEÚDO Barbara Brentani Roncolatto 01. No dia 19 de junho deste ano, o STJ

Leia mais

MANUAL SOLICITAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE DIÁRIAS CERES

MANUAL SOLICITAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE DIÁRIAS CERES MANUAL SOLICITAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE DIÁRIAS CERES O servidor (efetivo, admitido em caráter temporário, convocado, cedido) que se deslocar temporariamente do município de Laguna a serviço ou para

Leia mais

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). A União, por intermédio do Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003 1 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Regulamento Administrativo nº 24/2003 Condições da Apólice Uniforme do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil das Embarcações de Recreio O Chefe do Executivo,

Leia mais

I. ESTATUTO DO VENDEDOR DIRETO. 1. Venda Direta

I. ESTATUTO DO VENDEDOR DIRETO. 1. Venda Direta I. ESTATUTO DO VENDEDOR DIRETO 1. Venda Direta A venda direta deve ser entendida como aquela em que produtos e serviços são apresentados diretamente ao consumidor, por intermédio de explicações pessoais

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

Passagem. sem volta. Comprar passagem de avião com

Passagem. sem volta. Comprar passagem de avião com Shutterstock Passagem sem volta Pesquisa do Idec constata que companhias aéreas cobram valores muito acima do permitido para cancelamento de viagem e demoram meses para reembolsar o consumidor, embora

Leia mais

DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004

DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 Regulamenta o art. 40 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 14 PARA CARVÃO (EMBARQUES AQUAVIÁRIOS E TERRESTRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-002/SGP Revisão 00 Assunto: Aprovada por: AJUDA DE CUSTO Portaria nº 2525, de 19 de novembro de 2012, publicada no Boletim de Pessoal e Serviço BPS, v.7, nº 47, de 23 de

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TOMADA DE PREÇOS N 003/2013 PROCESSO Nº 013/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I DO OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de reserva, emissão, marcação, remarcação, endosso

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES. Rubrica: Seven Seas Explorer Viagem Inaugural 20 de julho de 2016

TERMOS E CONDIÇÕES. Rubrica: Seven Seas Explorer Viagem Inaugural 20 de julho de 2016 TERMOS E CONDIÇÕES PEDIMOS QUE LEIA COM ATENÇÃO ESTAS IMPORTANTES INFORMAÇÕES, POIS, ESTES SÃO OS TERMOS E CONDIÇÕES DO CONTRATO LEGAL ENTRE VOCÊ, NA CONDIÇÃO DE NOSSO HÓSPEDE, E A SEVEN SEAS CRUISES S.

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA. Regulamento de cedência e utilização.

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA. Regulamento de cedência e utilização. DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA Regulamento de cedência e utilização Secção Iª Disposições Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

Empregado Doméstico Normatização da Profissão

Empregado Doméstico Normatização da Profissão Empregado Doméstico Normatização da Profissão 3 DE JUNHO DE 2015 CONTSUL A Lei complementar nº150, publicada no DOU de 02.06.2015, dispôs sobre o trabalho doméstico no que tange ao contrato de trabalho,

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre concessão de diária, ou custeio, e transporte em viagem a serviço ao funcionário da Associação Multissetorial de Usuários de Recursos Hídricos

Leia mais

O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL

O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL SUMÁRIO 1. O TRANSPORTE DE COISAS E A RESPONSABILIDADE CIVIL 1.1. REMETENTE 1.2. TRANSPORTADOR 1.3. DESTINATÁRIO 2. REFERÊNCIAS

Leia mais

Rua Dr. Cesário Motta Junior 61 CEP 01221-020 São Paulo SP Telefone: (55 11) 3367-7700 www.fcmscsp.edu.br

Rua Dr. Cesário Motta Junior 61 CEP 01221-020 São Paulo SP Telefone: (55 11) 3367-7700 www.fcmscsp.edu.br CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS Pelo presente instrumento particular de Contrato para Prestação de Serviços Educacionais, de um lado, na qualidade de CONTRATADA e assim doravante simplesmente

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS.

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS. As relações estabelecidas entre a SABÓ INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AUTOPEÇAS LTDA., com sede na cidade de São Paulo-SP, na Rua Matteo Forte nº 216, inscrita no CNPJ/MF sob nº 60.860.681/0004-32, daqui por

Leia mais

Procedimento nº 17/2014

Procedimento nº 17/2014 / REGIME GERAL AJUSTE DIRETO CADERNO DE ENCARGOS (ALÍNEA A) DO Nº 1 DO ARTIGO 20º DO DECRETO-LEI Nº18/2008 DE 29 DE JANEIRO, ALTERADO E REPUBLICADO PELO DECRETO-LEI Nº278/2009 DE 02 DE OUTUBRO) Procedimento

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015

RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 RESUMO DA CONVENÇÃO COLETIVA 2014 / 2015 Pelo presente instrumento particular, de um lado, o SINDICATO DOS PUBLICITÁRIOS, DOS AGENCIADORES DE PROPAGANDA E DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE PROPAGANDA DO

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

Despedimento de trabalhadores

Despedimento de trabalhadores Despedimento de trabalhadores A lei não permite que a empresa despeça um trabalhador sem que exista justa causa para o fazer. Assim, esta forma de terminar o contrato de trabalho não pode ser utilizada

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ ASSUNTO: INSTRUMENTO NORMATIVO HISTÓRICO DELIBERAÇÃO VIGÊNCIA PROTOCOLO Nº DESCRIÇÃO Nº DATA A PARTIR

Leia mais

TERMOS DE USO DO PORTAL BEMDEMAIS

TERMOS DE USO DO PORTAL BEMDEMAIS TERMOS DE USO DO PORTAL BEMDEMAIS 1. ACEITAÇÃO DO TERMO DE USO 1.1 O PORTAL BEMDEMAIS (BEMDEMAIS QUALIDADE DE VIDA, SERVIÇOS DE NUTRIÇÃO E REPRESENTAÇÃO LTDA., CNPJ 15.667.989/0001-69) fornece a você (doravante

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CONTRATO DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS Pelo presente instrumento particular, de um lado denominada simplesmente locadora, Silene Maria Cunha 548.747.936-49 (Impacto Air Gun), pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada Condições de Venda em Hasta Pública Unificada ORIENTAÇÕES DO PREGÃO JUDICIAL Última atualização em Terça, 26 Agosto 2014 01. Para todas as Varas do Trabalho deste Regional, a Hasta Pública Unificada realizada,

Leia mais

REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614.

REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614. REGULAMENTO DO 1 PROGRAMA DE INCENTIVO ATRELADO A AÇÕES DA DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. CNPJ 16.614.075/0001-00 NIRE 31.300.025.837 15 de maio de 2015 TEXT_SP 9567220v1 / O presente

Leia mais

Parágrafo Primeiro. O fornecimento do material para veiculação do informativo será de responsabilidade da contratante.

Parágrafo Primeiro. O fornecimento do material para veiculação do informativo será de responsabilidade da contratante. CONTRATO Nº 004/2015 REFERENTE À PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM A CÂMARA MUNICIPAL DE QUERÊNCIA E A EMPRESA RÁDIO LÍDER SERVIÇOS E PUBLICIDADE LTDA ME. A Estado de Mato Grosso, Pessoa Jurídica

Leia mais

Fornecimento e montagem de janelas, portas e vãos para o Centro Interpretativo da Olaria e do Barro em São Pedro do Corval

Fornecimento e montagem de janelas, portas e vãos para o Centro Interpretativo da Olaria e do Barro em São Pedro do Corval CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Fornecimento e montagem de janelas, portas e vãos para o Centro Interpretativo da Olaria e do Barro em São Pedro do Corval ÍNDICE OBJETO 1 CONTRATO 1 PRAZO E VIGÊNCIA

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais