DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito"

Transcrição

1 1. Referência legal do assunto Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito DEPÓSITO O contrato de depósito importa na guarda temporária de um bem móvel pelo depositário até o momento em que o depositante o reclame (art. 627 do CC). 3. Características gerais do contrato de depósito É um contrato intuitu personae, que decorre normalmente da confiança que o depositário merece do depositante, necessitando, para a sua perfeição, da entrega da coisa, salvo se esta já estiver na posse do depositário por qualquer outro título. A finalidade precípua do contrato é a custódia ou guarda da coisa, até o fim do prazo contratual ou até que seja reclamada pelo depositante, havendo assim sempre temporariedade do depósito, podendo ser por prazo determinado ou indeterminado. No direito brasileiro, só se admite o depósito de bens móveis, atendendo-se à tradição romanista, embora outras legislações latino-americanas permitam o depósito de imóveis e o próprio direito brasileiro conceba o depósito judicial ou seqüestro dos imóveis (arts. 666 e 822 a 825 do CPC).

2 Após tais considerações, podemos afirmar que o contrato de depósito implica a guarda temporária de móvel (infungível) pelo depositário, obrigando-se este à devolução de tal móvel quando exigido pelo depositante. O contrato de depósito é gratuito, salvo se a) as partes estipularem ao contrário; b) decorrer de atividade negocial ou c) o depositário o praticar por profissão. O depósito de bens fungíveis é considerado depósito irregular, pois, em virtude da natureza dos bens depositados, o depositante não pode exigir a devolução dos mesmos bens que entregou, mas sim de igual quantidade de unidades da mesma qualidade, ocorrendo, na realidade, uma transferência da propriedade dos bens fungíveis depositados ao depositário, e, por esse motivo, aplicam-se ao depósito irregular as disposições referentes ao mútuo (art. 645 do CC). Não obstante essa remissão legislativa, a doutrina e a jurisprudência assinalaram algumas distinções entre o mútuo propriamente dito e o depósito irregular, pois o primeiro visa atender ao interesse do mutuário, autorizando-o a utilizar as coisas mutuadas, enquanto no depósito a obrigação básica de custódia, que incumbe ao depositário, existe em favor e no interesse do depositante, ressalvadas as exceções que estudaremos oportunamente, podendo, inclusive, o depósito ser no interesse comum das partes. O depósito, pela sua finalidade básica de custódia da coisa, distingue-se do comodato, em que o comodatário recebe a coisa para a sua utilização, e da locação de coisa, que têm a mesma razão de ser, embora sendo onerosa. Normalmente, o depositário não pode utilizar a coisa depositada, salvo convenção em contrário das partes ou em decorrência da própria natureza do negócio (depósitos bancários). A utilização indevida da coisa depositada ou a sua entrega em depósito a terceiro, sem a autorização expressa do

3 depositante, implica responder o depositário por perdas e danos (art. 640 do CC). O legislador (art. 640, parágrafo único, do CC) especificou ainda a responsabilidade do depositário, mesmo quando devidamente autorizado pelo depositante, se agir com culpa na escolha do terceiro para quem o bem será dado em depósito. Também se diferencia o depósito do mandato, por haver no primeiro uma função relativamente passiva de vigilância, enquanto, no segundo, o mandatário tem deveres ativos para defender os interesses do mandante. O depósito, sendo ato de administração, pode ser contratado não apenas pelo proprietário do objeto, mas por qualquer pessoa que tenha a posse dele (locatário, comodatário, mandatário). O depósito voluntário exige forma escrita (art. 646 do CC), mas só se torna realizado o contrato com a entrega real ou simbólica (chaves do automóvel) da coisa depositada. Com relação ao depósito obrigatório, pode ser provado por todos os meios admitidos em direito, inclusive por prova testemunhal (art. 648, parágrafo único, do CC). Para valer contra terceiros, o depósito voluntário deve constar de instrumento registrado no ofício competente (art. 129, 2º, da LRP Lei n /73). 4. Espécies de depósito Depósito voluntário é o decorrente da vontade das partes; depósito obrigatório é o realizado em desempenho de obrigação legal (depósito legal) ou em virtude de calamidade pública (depósito miserável).

4 O depósito ainda pode ser de coisa litigiosa a fim de evitar que o desvio dos bens litigiosos venha prejudicar as partes em conflito, denominando-se então seqüestro, sendo admissível tanto em relação a móveis como a imóveis e funcionando como medida preparatória ou conservatória regulada pela lei processual civil (arts. 822 e s. do Código de Processo Civil). O depósito é regular quando de coisas infungíveis e irregular quando de coisas fungíveis. 5. Obrigações das partes contratantes Sendo o contrato de depósito normalmente unilateral, só cria obrigações para o depositário, pois o contrato, sendo real, considera-se celebrado no ato da entrega do bem pelo depositante ao depositário. As obrigações básicas do depositário consistem em guardar a coisa e restituíla quando exigida e pagar o valor estipulado, quando o depósito for oneroso. A diligência do depositário na guarda da coisa é a que costuma ter com as suas próprias coisas, aplicando-se um critério concreto (art. 629 do CC), não devendo, salvo convenção em sentido diferente, o depositário abrir o bem depositado se foi entregue fechado ou lacrado, nem utilizá-lo ou dar em depósito a outrem, sob pena de ter de indenizar os prejuízos decorrentes (arts. 630 e 640 do CC). A devolução da coisa abrange os seus frutos, produtos e acessórios. Mesmo sendo o contrato por tempo determinado, entende-se que o prazo existente é em favor do depositante, de tal modo que em qualquer tempo o depositário pode ser intimado a devolver a coisa depositada. Em determinados casos, o

5 prazo é em favor do depositário (depósito de dinheiro a prazo fixo em estabelecimento bancário), não se admitindo, nesta hipótese, a antecipação da exigência do depósito, sem pagamento de perdas e danos ou perda de parte ou de toda a remuneração convencionada entre as partes. A coisa deve ser restituída no local em que tiver de ser guardada, salvo estipulação em contrário, correndo as despesas para efeito de restituição por conta do depositante (art. 631 do CC). Admite-se que o depositário deixe de devolver o objeto quando: a) tiver direito de retenção do bem em decorrência da retribuição devida, das despesas realizadas com a coisa ou dos prejuízos provenientes do depósito; b) a coisa depositada for objeto de embargo ou execução por terceiros, tendo o depositário sido notificado para não abrir mão do bem, ou c) existir suspeita razoavelmente fundada de que o objeto foi dolosamente obtido (art. 633 do CC). Nesta última hipótese, deverá o depositário providenciar o depósito judicial da coisa, apresentando as razões da sua suspeita (art. 634 do CC). A perda ou destruição da coisa por força maior exonera de qualquer responsabilidade o depositário, devendo este, todavia, prová-los (art. 642 do CC). O depositário não poderá negar a restituição do objeto depositado alegando não pertencer este ao depositante, nem lhe cabe opor compensação, salvo se esta se fundar em outro depósito (art. 638 do CC). Se, em virtude de força maior ou de ato do Poder Público, a coisa depositada tiver sido perdida, mas o depositário tenha recebido outra em seu lugar (indenização pela desapropriação ou indenização paga pelo seguro), o

6 depositário deve entregar ao depositante a coisa recebida em substituição à outra, ou ceder-lhe as ações que tiver contra o terceiro responsável pelos prejuízos causados. 6. Depósito necessário Além do depósito convencional ou voluntário, a lei regulamenta o depósito necessário ou obrigatório, realizado em virtude de disposições legais (depósito legal) ou de circunstâncias especiais, como as calamidades públicas (depósito miserável), ou decorrente de uma outra relação jurídica existente entre as partes, como a hospedagem (depósito assimilado ou legal). O depósito necessário se distingue do voluntário por não necessitar, para a sua prova, de documento escrito, provando-se por todos os meios admitidos em direito, inclusive por testemunhas, mesmo sendo o valor do objeto superior a dez salários mínimos (art. 401 do CPC; art. 648, parágrafo único, do CC). Por estipulação legal (art. 651 do CC), o depósito necessário é presumidamente oneroso, entendendo-se, quanto às bagagens, que a remuneração pela sua guarda está incluída no pagamento estipulado no contrato de hospedagem. O depósito legal se distingue do seqüestro, previsto pela lei processual para os casos de bens litigiosos. Ocorre depósito legal propriamente dito nas hipóteses previstas pelo Código Civil, como as referentes à coisa achada (art do CC), ao depósito da coisa recebida quando o depositário se torna incapaz, recusando o depositante a recebê-la (art. 641 do CC) etc. O depósito miserável é o feito em caso de calamidade pública, como guerra, incêndio, inundação e revolução.

7 O depósito obrigatório se regula pela lei civil em geral e pelas disposições especiais, aplicando-se supletivamente as normas sobre depósito voluntário, na parte em que não tenham sido afastadas por regras especiais. O depósito de bagagens não é depósito legal propriamente dito, mas equipara-se a ele. A regulamentação legal estabelece, no caso, uma presunção de responsabilidade dos hospedeiros ou estalajadeiros, estendida pela jurisprudência aos donos de colégios e hospitais, por todos os danos ocorridos nas hospedarias, estalagens ou casas de pensão, respondendo os donos dos referidos estabelecimentos como depositários e respondendo também pelos atos ilícitos (furtos ou roubos) praticados pelos seus empregados ou por pessoas admitidas em seus estabelecimentos, somente podendo exonerar-se de qualquer responsabilidade provando a inevitabilidade do evento (arts. 649 e 650 do CC). 7. Extinção do contrato de depósito e prisão do depositário infiel O contrato de depósito se extingue pelo decurso do prazo, pelo distrato, pelo depósito judicial da coisa por parte do depositário, quando não puder continuar a guardá-la, ou quando suspeitar que se trata de coisa furtada ou roubada, pelo perecimento da coisa e pela morte do depositário, tendo o contrato sido realizado intuitu personae.

DO DEPÓSITO. O depósito, no direito brasileiro, tem por objeto coisa móvel, não se admitindo o depósito de imóveis. VOLUNTÁRIO NECESSÁRIO

DO DEPÓSITO. O depósito, no direito brasileiro, tem por objeto coisa móvel, não se admitindo o depósito de imóveis. VOLUNTÁRIO NECESSÁRIO DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO DO DEPÓSITO O depósito é o contrato pelo qual uma pessoa - depositário - recebe, para guardar, um objeto móvel alheio, com a obrigação de restituí-lo quando o depositante

Leia mais

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo 1. Referência legal do assunto Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo EMPRÉSTIMO Negócio jurídico pelo qual uma pessoa entrega uma coisa a outra, de forma gratuita, obrigando-se esta a devolver

Leia mais

AULA CONTRATO DE DEPÓSITO (Art. 625 a 652)

AULA CONTRATO DE DEPÓSITO (Art. 625 a 652) AULA CONTRATO DE DEPÓSITO (Art. 625 a 652) Histórico: O contrato de depósito remonta origem na Grécia antiga que considerava como algo especialmente protegido pelos deuses, tendo características próprias

Leia mais

O CONTRATO DE DEPÓSITO SOB A ÓTICA DO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE DEPÓSITO SOB A ÓTICA DO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE DEPÓSITO SOB A ÓTICA DO CÓDIGO CIVIL Sérgio Saliba MURAD 1 RESUMO: Este artigo é concernente ao relevante instituto jurídico do contrato de depósito, bem como sua incidência na órbita social

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. RUY CARNEIRO) Dispõe sobre diretrizes gerais e normas para a promoção, desenvolvimento e exploração da atividade de computação em nuvem no País. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Art. 593. A prestação de serviço, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial, reger-se-á pelas disposições deste Capítulo.

Art. 593. A prestação de serviço, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial, reger-se-á pelas disposições deste Capítulo. Código Civil Parte Especial - Arts. 593 a 709 CAPÍTULO VII Da Prestação de Serviço Art. 593. A prestação de serviço, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial, reger-se-á pelas disposições

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO: MÚTUO E COMODATO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO: MÚTUO E COMODATO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO: MÚTUO E COMODATO Autor: Graciel Marques Tarão 1. Conceito Contrato de empréstimo é o contrato pelo qual uma das partes entrega um bem à outra, para ser devolvido em espécie ou gênero.

Leia mais

Contratos de Empréstimos

Contratos de Empréstimos Contratos de Empréstimos Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil III Publicação no semestre 2014.1 Autor: José Carlos Ferreira da Luz 2 Dados de acordo com:

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES Índice 1. Inadimplemento das Obrigações...4 1.1. Mora... 4 1.2. Das Perdas e Danos... 4 1.3. Juros moratórios ou juros

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONTRATOS EM ESPÉCIE COMPRA E VENDA Arts. 481 a 532 NECESSIDADE

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d GILBERTO KERBER Professor e advogado. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Curso de Graduação e de Pós-Graduação de Direito da Universidade Regional Integrada do

Leia mais

Abril/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes

Abril/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes Contrato de Locação de Coisas Abril/2011 Prof a. Mestre Helisia Góes Definição:Éonegóciojurídicopormeiodoqualumadas partes(locador) se obriga a ceder à outra(locatário), por tempo determinado ou não, o

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13 TEMAS TRATADOS EM SALA Contrato de Compra e Venda - bilateral; - oneroso; - comutativo; - consensual; Elementos - preço, não pode ser fixado a livre arbítrio de uma das partes. - mercadoria. Restrições

Leia mais

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico.

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico. 7. OBRIGAÇÕES A palavra obrigação pode assumir vários significados dependendo do contexto que estiver se referindo. Dessa forma, em sentido amplo, a obrigação é um dever, que pode estar ligado a uma acepção

Leia mais

CONSENTIMENTO (LIVRE E ESPONTÂNEO) PREÇO (DINHEIRO OU SUA EXPRESSÃO) COISA (INDIVIDUALIZADA E DISPONÍVEL) NO MOMENTO DA TRADIÇÃO (MÓVEL) TRANSMITE-SE

CONSENTIMENTO (LIVRE E ESPONTÂNEO) PREÇO (DINHEIRO OU SUA EXPRESSÃO) COISA (INDIVIDUALIZADA E DISPONÍVEL) NO MOMENTO DA TRADIÇÃO (MÓVEL) TRANSMITE-SE Direito Civil Professor Grevi Bôa Morte Júnior Contratos em Espécie COMPRA E VENDACOMPRA E VENDA E ELEMENTOS TRANSMITE-SE CONSENTIMENTO (LIVRE E ESPONTÂNEO) PREÇO (DINHEIRO OU SUA EXPRESSÃO) COISA (INDIVIDUALIZADA

Leia mais

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Empreitada Contrato de Empreitada Empreiteiro é a designação dada a um indivíduo ou empresa que contrata com outro indivíduo ou organização (o dono da obra) a realização de obras de construção,

Leia mais

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes.

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 13 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: 3- Classificação; 4 - Princípios. 3. Classificação: 3.1

Leia mais

1) RESPONSABILIDADE CIVIL NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

1) RESPONSABILIDADE CIVIL NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1) RESPONSABILIDADE CIVIL NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Lei nº 8.078, de 11.09.90 O conceito de consumidor vem estampado no art. 2º e o de fornecedor no art. 3º, ambos do CDC. Consumidor é a pessoa

Leia mais

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares TÍTULO V Dos Contratos em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Seção I Preliminares Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Art. 422. Os contratantes

Leia mais

DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan

DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan COMPRA E VENDA 481 a 532 Transferência de domínio, preço. TROCA OU PERMUTA 533 Contrato CONSENSUAL, BILATERAL, ONEROSO e COMUTATIVO. Não dinheiro e de valores

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE TRÁFICO INTERNACIONAL DE MENORES

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE TRÁFICO INTERNACIONAL DE MENORES CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE TRÁFICO INTERNACIONAL DE MENORES Os Estados Partes nesta Convenção, CONSIDERANDO a importância de assegurar proteção integral e efetiva ao menor, mediante a implementação

Leia mais

Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10. Aula 09

Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10. Aula 09 CURSO DE DIREITO - 2º SEMESTRE/2010 1 Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10 Aula 09 DIREITO DOS CONTRATOS II - TEORIA GERAL DO DIREITO DOS

Leia mais

Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4. Divisível. 5 - Indivisível

Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4. Divisível. 5 - Indivisível Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil - Obrigações / Aula 09 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4.

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

EMPRÉSTIMO: COMODATO

EMPRÉSTIMO: COMODATO Empréstimo: Comodato 19 EMPRÉSTIMO: COMODATO Sumário: 19.1 Introdução. 19.2- Conceito de comodato. 19.3 Classificação. 19.4 Quem pode dar em comodato. 19.5 Obrigações e direitos do comodatário. 19.6 Extinção

Leia mais

O Contrato de locação é bilateral e sinalagmático, oneroso, consensual, solene ou não solene, não possui caráter personalíssimo.

O Contrato de locação é bilateral e sinalagmático, oneroso, consensual, solene ou não solene, não possui caráter personalíssimo. Aula 07 Contrato de Locação - Continuação A definição esta prevista no art. 565 do CC. Elementos essenciais: objeto, consentimento e remunera se existir o uso e o gozo de determinado bem sem a remuneração

Leia mais

CONTRATOS QUESTÕES ABERTAS

CONTRATOS QUESTÕES ABERTAS DIREITO CIVIL CONTRATOS QUESTÕES ABERTAS 01 - CARLOS celebrou contrato de seguro com a seguradora OK. Foi posto sob seguro um equipamento importado, necessário à indústria de CARLOS. Na apólice se ajustou,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS. HDI Seguros S/A.

SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS. HDI Seguros S/A. SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS HDI Seguros S/A. CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROPIETÁRIO E/OU CONDUTOR DE VEÍCULOS TERRESTRES (AUTOMÓVEL DE PASSEIO PARTICULAR OU DE

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE

HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE Processo SUSEP Principal nº 15414.000861/2006-05 Sumário CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROPRIETÁRIO E/OU CONDUTOR DE

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL CONTRATO DE LOCAÇÂO RESIDENCIAL LOCADOR(A): NOME PROPRIETÁRIO, brasileira(o), desquitada(o), comerciante, portador(a) da cédula de identidade nº SSP/SP., e do CIC nº 000.000.000-00, residente e domiciliado

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

Obs. Havendo recusa, deverá o devedor indenizar o credor (247) - tornando-se impossível o adimplemento da obrigação: - SEM - COM

Obs. Havendo recusa, deverá o devedor indenizar o credor (247) - tornando-se impossível o adimplemento da obrigação: - SEM - COM Obrigações Constituem elementos que regem as relações patrimoniais existentes entre pessoas, figurando de um lado o credor (sujeito ativo), que detém o direito de exigir o cumprimento da obrigação e de

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE 24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE Contrato de transporte, segundo estabelece o artigo 730 do Código Civil, pode ser conceituado como aquele em que alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Direitos Reais De Garantia - introdução

Direitos Reais De Garantia - introdução Direitos Reais De Garantia - introdução Desde a Lei das XII Tábuas, o devedor respondia por suas dívidas com o próprio corpo ao credor (submetendo-se à escravidão, etc.) Com a evolução do direito, e, na

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

Código Civil. Parte Especial - Arts. 304 a 420. TÍTULO III Do Adimplemento e Extinção das Obrigações. CAPÍTULO I Do Pagamento

Código Civil. Parte Especial - Arts. 304 a 420. TÍTULO III Do Adimplemento e Extinção das Obrigações. CAPÍTULO I Do Pagamento Código Civil Parte Especial - Arts. 304 a 420 TÍTULO III Do Adimplemento e Extinção das Obrigações CAPÍTULO I Do Pagamento Seção I De Quem Deve Pagar Art. 304. Qualquer interessado na extinção da dívida

Leia mais

E) R$ 40.000,00 de André e R$ 40.000,00 de Carlos.

E) R$ 40.000,00 de André e R$ 40.000,00 de Carlos. 01. André, Bolívar, Carlos e Dario tornaram-se devedores solidários (cláusula de solidariedade expressa no instrumento contratual) de Zenóbio pela quantia de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais). Antes

Leia mais

LOCAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 565 a 578 do CC. Lei 8.245/1991. 2. Noções gerais sobre locação

LOCAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 565 a 578 do CC. Lei 8.245/1991. 2. Noções gerais sobre locação 1. Referência legal do assunto Arts. 565 a 578 do CC Lei 8.245/1991 2. Noções gerais sobre locação LOCAÇÃO Num só conceito, o de locatio conductio, os romanos disciplinaram três espécies de contrato: a)

Leia mais

Contratos Civis. 6º Semestre - 2012. Professor: Antônio Carlos Morato

Contratos Civis. 6º Semestre - 2012. Professor: Antônio Carlos Morato Contratos Civis 6º Semestre - 2012 Professor: Antônio Carlos Morato 07/08/2012 Fichamentos 18/09 Fichamento: Transação. 16/10 Fichamento: Gestão de Negócios, que é um tópico do item Declarações Unilaterais

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

DOAÇÃO. Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra.

DOAÇÃO. Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. DOAÇÃO Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Art. 539. O doador pode fixar prazo ao donatário, para

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

COMPENSAÇÃO. A compensação pode ser total ou parcial: Compensação X Novação: Compensação X Confusão:

COMPENSAÇÃO. A compensação pode ser total ou parcial: Compensação X Novação: Compensação X Confusão: 4.5 COMPENSAÇÃO A compensação consiste em forma especial de extinção da obrigação, a qual ocorre quando as partes de uma relação obrigacional são ao mesmo tempo credoras e devedoras uma da outra. Dois

Leia mais

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil 6. Tópicos Especiais em Obrigações Tópicos Especiais em Direito Civil Obrigações O professor Álvaro Villaça define a obrigação como a relação jurídica de caráter transitório que vai ser garantida pelo

Leia mais

CONTRATO DE COMODATO DE BEM MÓVEL E OUTRAS AVENÇAS

CONTRATO DE COMODATO DE BEM MÓVEL E OUTRAS AVENÇAS 1/6 CONTRATO DE COMODATO DE BEM MÓVEL E OUTRAS AVENÇAS Pelo presente instrumento particular de contrato, que tem de um lado FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA, pessoa jurídica de direito privado, de fins não

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

go to http://www.speculumscriptum.com

go to http://www.speculumscriptum.com go to http://www.speculumscriptum.com CONTRATO DE EMPREITADA - Conceito: Empreitada é o contrato em que uma das partes (empreiteiro) se obriga, sem subordinação ou dependência, a realizar certo trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo)

PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) Dispõe sobre as atividades de locação de bens móveis. DESPACHO: À COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA (MÉRITO

Leia mais

O que é conta corrente? O que é o depósito? Direito Bancário Quais os elementos do mútuo civil? Real O que isso quer dizer? Unilateral O que isso quer dizer? Coisa fungível Temporariedade Direito Bancário

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482)

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482) TURMA EXTENSIVA SEMANAL Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 15.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE COMPRA E VENDA

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Leia mais

COMPRA E VENDA Cláusulas especiais

COMPRA E VENDA Cláusulas especiais COMPRA E VENDA Cláusulas especiais 1) retrovenda; 2) venda a contento; 3) preempção; 4) reserva de domínio; e 5) venda sobre documentos. COMPRA E VENDA Cláusulas especiais Retrovenda é o direito que tem

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares Seguro Moto Condições Gerais, Especiais e Particulares ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS PARTE I TUDO SOBRE A COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OBRIGATÓRIA E, NOS CASOS EXPRESSAMENTE ASSINALADOS, ALGO SOBRE AS

Leia mais

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

CONTRATOS (COMPRA E VENDA)

CONTRATOS (COMPRA E VENDA) CONTRATOS (COMPRA E VENDA) Professor Dicler COMPRA E VENDA Contrato de compra e venda é aquele pelo qual um dos contratantes t t se obriga bi a transferir o domínio de certa coisa, e, o outro, a pagar-lhe

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

MATERIAL DE APOIO CLÁUSULAS ESPECIAIS À COMPRA E VENDA. Da Retrovenda

MATERIAL DE APOIO CLÁUSULAS ESPECIAIS À COMPRA E VENDA. Da Retrovenda MATERIAL DE APOIO 1 CURSO INTENSIVO IELF PROF.: PABLO STOLZE GAGLIANO 1. Pacto de Retrovenda Base legal: CLÁUSULAS ESPECIAIS À COMPRA E VENDA Da Retrovenda Art. 505. O vendedor de coisa imóvel pode reservar-se

Leia mais

CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL

CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL 1/5 CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL Pelo presente instrumento particular de contrato, que tem de um lado FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA, pessoa jurídica de direito privado, de fins não lucrativos, reconhecida

Leia mais

Contratos mercantis. Tipos de contratos mercantis: Compra e venda

Contratos mercantis. Tipos de contratos mercantis: Compra e venda Contratos mercantis Quando duas ou mais pessoas acordam em constituir, regular ou extinguir uma relação jurídica de índole patrimonial, estão celebrando um contrato. O contrato é o consenso, aperfeiçoando

Leia mais

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 - A identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1.1 Introdução 1.2 - Como adquirir 1.3 - O modelo 1.4 - A emissão 1.5 - A obrigatoriedade

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3

1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 2 Compra e venda, 5 2.1 Conceito. Efeitos obrigacionais

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc)

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc) Artigo 186, do Código Civil: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. CONTRATUAL

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial

Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial Maratona Fiscal ISS Direito civil e comercial 1. O menor com dezesseis anos, titular de estabelecimento empresarial mantido com economia própria, (A) poderá ser empresário se for emancipado. (B) poderá

Leia mais

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA 1 Artigos correlatos Extorsão mediante seqüestro e tortura: dois crimes?

Leia mais

1.2.2 Os honorários dos advogados serão integralmente pagos pelas partes, Segurador e Segurado, quando cada qual designar seu próprio advogado.

1.2.2 Os honorários dos advogados serão integralmente pagos pelas partes, Segurador e Segurado, quando cada qual designar seu próprio advogado. CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL (DANOS CAUSADOS A PESSOAS OU COISAS TRANSPORTADAS OU NÃO, À EXCEÇÃO DA CARGA TRANSPORTADA) 1.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL AULA 06 Prof. Ms Luane Lemos RESPONSABILIDADE POR FATO DA COISA E POR FATO DE OUTREM I. RESPONSABILIDADE POR FATO DE OUTREM

RESPONSABILIDADE CIVIL AULA 06 Prof. Ms Luane Lemos RESPONSABILIDADE POR FATO DA COISA E POR FATO DE OUTREM I. RESPONSABILIDADE POR FATO DE OUTREM RESPONSABILIDADE CIVIL AULA 06 Prof. Ms Luane Lemos RESPONSABILIDADE POR FATO DA COISA E POR FATO DE OUTREM 1. ASPECTOS GERAIS I. RESPONSABILIDADE POR FATO DE OUTREM (CC) ART. 932. SÃO TAMBÉM RESPONSÁVEIS

Leia mais

Legislação Instrumental. Aula 1. Legislação Aplicada à Logística. Legislação Aplicada à Logística Aula 1. Contextualização. Prof.

Legislação Instrumental. Aula 1. Legislação Aplicada à Logística. Legislação Aplicada à Logística Aula 1. Contextualização. Prof. Legislação Instrumental Aula 1 Prof. Guilherme Amintas Legislação Aplicada à Logística Tópicos desta disciplina por aula Aula 1 noções de Direito Aula 2 Direito Constitucional Aula 3 Direito Empresarial

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto.

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto. RESUMO I - Obrigações Alternativas São aquelas que têm objeto múltiplo, de maneira que o devedor se exonera cumprindo apenas uma delas. Nasce com objeto múltiplo. Ex.: A se obriga a pagar a B objeto X

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Execuções para entrega de coisa, das obrigações de fazer e insolvência civil Sumário Execução para entrega de coisa, características, modalidades e fundamentação legal Execução para entrega de coisa certa:

Leia mais

OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil

OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com 1. Marlon, famoso jogador de futebol, é contratado para ser o garoto propaganda da Guaraluz, fabricante de guaraná natural.

Leia mais

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL CONCEITO DE CONTRATO REQUISITOS DO CONTRATO CONTRATO CIVIS E NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS a. Autonomia da vontade b. Relatividade das convenções c. Força vinculante d. Boa-fé FORMAÇÃO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jorge, professor de ensino fundamental, depois de longos 20 anos de magistério, poupou quantia suficiente para comprar um pequeno imóvel à vista. Para tanto, procurou

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Thiara Zen E-MAIL: thiara@uniarp.edu.br Período/ Fase: 5ª Semestre: 2º Ano: 2012

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010

Apresentação: Leandro Ibagy. Vitória, mar/2010 Apresentação: Leandro Ibagy Vitória, mar/2010 Ao proteger excessivamente o locatário, restringindo a reprise, ninguém mais se interessava adquirir imóveis para destiná-los a locação. Nível de aquisição

Leia mais

Responsabilidade Civil nos Transportes

Responsabilidade Civil nos Transportes Responsabilidade Civil nos Transportes 1. Introdução A humanidade e as sempre se deslocaram ao longo dos milênios através: do auxílio dos animais dos barcos a vela dos motores a vapor das estradas de

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais