DOENÇAS CAUSADAS POR CESTODAS E TREMATODAS TENÍASE X CISTICERCOSE EQUINOCOCOSE X HIDATIDOSE FASCIOLOSE PLATINOSOMIASE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇAS CAUSADAS POR CESTODAS E TREMATODAS TENÍASE X CISTICERCOSE EQUINOCOCOSE X HIDATIDOSE FASCIOLOSE PLATINOSOMIASE"

Transcrição

1 DOENÇAS CAUSADAS POR CESTODAS E TREMATODAS TENÍASE X CISTICERCOSE EQUINOCOCOSE X HIDATIDOSE FASCIOLOSE PLATINOSOMIASE

2 COMPLEXO TENÍASE - CISTICERCOSE

3 ESPÉCIE HD HI TIPO LARVAR NOME DA LARVA LOCAL T. solium homem suíno Cisticercus Cysticercus cellulosae T. saginata homem bovino Cisticercus Cysticercus bovis musc. Card e esquel. musc. Card e esquel.. hydatigena cão Rumin. e suino cisticercus Cysticercus tenuicullis serosas. taeniformis felinos roedores estrobilocerc us Cysticercus fasciolaris fígado e cavid. Abd. T. multiceps carnívoros Ovinos e capr. cenuro Coenurus cerebralis cérebro T. serialis carnívoros coelhos cenuro Coenurus serialis Tecido SC e musc.

4 Morfologia Taenia solium Taenia saginata Proglote grávida cisticerco

5 Biologia

6 Formas de contaminação TENÍASE ingestão de carne cru ou mal cozida com cisticerco CISTICERCOSE ingestão do ovo em alimentos ou água contaminados Homem: heteroinfecção autoinfecção externa autoinfecção interna

7 coprofagia Cisticercose suina

8 Patogenia da teníase Fixação na mucosa intestinal: perturbações digestivas, dores abdominais, diarréia e/ou constipação COMPETIÇÃO ALIMENTAR!!

9 Patogenia da cisticercose Nos animais: geralmente apatogênico reação do organismo Lesões cerebrais: sintomas específicos Importância econômica: descarte da carcaça quando infecção maciça

10 Patogenia da cisticercose No homem: OCULAR perda da visão SISTEMA NERVOSO epilepsia, convulsões, paralisias...

11 Cysticercus tenuicollis, C. fasciolaris e Coenurus cerebralis Hepatite cisticercosa Cenurose: torneio, vertigem Estrobilocerco

12 TENÍASE-CISTICERCOSE EPIDEMIOLOGIA P.I. Teníase: 3 meses Cisticercose humana: 15 dias a anos *Prevalência de neurocisticercose: 0,12 a 19% no Brasil * 70% carne consumida: clandestina cisticercose humana América Latina 100 casos e cada habitantes Uma importante fonte de contaminação são os manipuladores de alimento, que contaminam os alimentos através de maus hábitos higiênicos. Fonte: dtr2001.saude.gov.br

13 DIAGNÓSTICO TENÍASE CLÍNICO: Procura de proglotes PARASITOLÓGICO SOROLÓGICO Exame de fezes: Hoffman ou centrífugo-flutuação

14 Diagnóstico de cisticercose Nos animais: visualização das vesículas ao abate, sorologia

15 Diagnóstico diferencial de C bovis

16 Diagnóstico de cisticercose No homem: RX crânio, tomografia, ressonância, exame de líquor, Imunoblotting, Elisa, necropsia

17 Tratamento Teníase: praziquantel 10mg/kg ou niclosamida 2g Cisticercose: animais: praziquantel 50mg/kg ou sulfóxido de albendazole 7,5mg/kg homem: praziquantel mg/kg/d em 3doses 30 d ou albendazole 400mg/kg BID (1 a 6 meses) + tratamento dos sintomas

18 CONTROLE TENÍASE Inspeção veterinária nos abatedouros e rejeição das carcaças parasitadas por cisticercos. Tratamento das carnes, pela cocção ou congelamento para destruir os cisticercos. Higiene das mãos. CISTICERCOSE Higiene de verduras e legumes crus.

19 CONTROLE REALIZADO PELOS ORGÃOS PÚBLICOS TENÍASE E CISTICERCOSE TRATAMENTO EM MASSA DA POPULACAO DE RISCO COM VERMÍFUGOS. ATÉ QUE PONTO ISSO RESOLVE?

20 JULGAMENTO NA INSPEÇÃO T. hydatigena(c. tenuicollis) ORGÃO JULGAMENTO DESTINO vísceras Rejeição total graxaria carcaça Não apreensão liberação

21 JULGAMENTO NA INSPEÇÃO T. saginata e T.solium Cistos infecção discreta ou moderada Generalizada (1 ou + cistos/palmo) ORGÃO JULGAMENT O Orgão afetado carcaça Orgão afetado e carcaça Rejeição total Aproveitament o condicional Rejeição total DESTINO graxaria Salmoura 21 dias ou esterilização por calor graxaria Art. 176 RIISPOA

22 Equinococose - hidatidose Echinococcus granulosus Cisto hidático

23 Biologia

24 Patogenia Equinococose enterite catarral nos cães Hidatidose depende local e tamanho Compressão do órgão com disfunção Formação de novos cistos choque anafilático

25 Cisto no cérebro Cisto no pulmão

26 Diagnóstico Equinococose exame de fezes Hidatidose animais: necropsia Homem: sorologia, RX

27 Tratamento Equinococose: praziquantel, niclosamida, nitroscanato Hidatidose: animais: mebendazole 25mg/kg 10 dias homem: praziquantel mg/kg/d em 3doses 30 d ou albendazole 400mg/kg BID (1 a 6 meses) CIRURGIA injeção de formol 2,5 a 10%

28 CONTROLE Substituição do cão de pastoreio por processos mais modernos de manejo dos rebanhos. Tratamento regular dos cães parasitados. Não alimentar cães com vísceras cruas Fiscalização ao abate Impedir o contato íntimo dos cães de pastoreio com crianças. Educação sanitária, principalmente, da população rural das zonas de criação de ovinos.

29 JULGAMENTO NA INSPEÇÃO ORGÃO JULGAMENTO DESTINO Fígado ou pulmão Rejeição total graxaria carcaça Não apreensão liberação

30 DOENÇAS CAUSADAS POR TREMATÓDEOS

31 FASCIOLOSE AGENTE ETIOLÓGICO: Fasciola hepatica HOSP. DEFINITIVOS: + bovinos e ovinos HOSP. INTERMEDIÁRIOS: Lymnaea columella L. viatrix L. cubensis

32 metacercária 4 a 6 sem 8 semanas OVOS 10 a 12 dias cercária 8 semanas Larva

33 PATOGENIA AGUDA: 1. ação traumática das larvas 2. ação mecânica com carreamento de bactérias 3. morte súbita CRÔNICA: 1. ação das larvas no parênquima hepatomegalia 2. ação dos adultos nos ductos- fibrose e calcificação hiperplasia obstrução 3. cirrose hepática condenação do fígado

34 PRINCIPAIS PERDAS ECONOMICAS Inflamação e Calcificação dos ductos Fibrose hepatica

35 SINTOMATOLOGIA Anemia, perda de apetite, diarréia e/ou constipação, queda produtividade

36 Caso clínico em caprinos

37 Epidemiologia da fasciolose distribuição: RS, Vale Paraíba disseminação: 1 ovo = 4 mil metacercárias longevidade microclima animais portadores presença dos moluscos desencadeia clostridioses

38 ASPECTOS IMPORTANTES presença dos moluscos Biomphalaria Lymnaea Physa

39 Diagnóstico de fasciolose Exame de fezes: Vester ou 4 tamises Foreyt (2005) Elisa / Imunoblotting Post mortem

40 Fasciolose no Brasil e no ES Rebanho do ES FREQUÊNCIA DE PARASITISMO BOVINOS 19,01% OVINOS 13,68% CAPRINOS 21,78% BUBALINOS 23,81%

41 CONTROLE Uso de Fasciolicidas: - Jovens: 1 tratamento no fim do inverno e outro no início do verão - Adultos: só no fim do inverno Controle dos moluscos Drenagem de áreas alagadas e limpeza de canais (restrição do acesso) controle dos transporte de animais

42 TRATAMENTO QUÍMICO ELEIÇÃO: triclabendazole 10mg/kg oral OUTROS: albendazole 10mg/kg oral ou sulf. de albendazol SC closantel 10mg/kg oral ou 3mg/kg SC nitroxinil 10mg/kg SC Clorsulon 2mg/kg oral e 7 mg/kg SC

43 Paranfistomose Agente etiológico: Paramphistomum cervi HI: Biomphalaria ou Physa Local: rumem Patogenia: jovens no intestino delgado enterite com edema e hemorragia Diagnóstico e tratamento = Fasciolose

44 Euritrematose Agente etiológico: Eurytrema pancreaticum HIs: molusco terrestre - Bradybaena gafanhoto - Conocephalus Local: ductos pancreáticos

45 Euritrematose Patogenia: fibrose e atrofia dos ductos pancreáticos diminuição da eficiência digestiva queda produção Diagnóstico: exame de fezes Tratamento: não eficaz

46 Platinosomíase Agente etiológico: Platynosomum fastosum HIs: molusco terrestre - Subulina crustáceo copépode ou lacertídeo Local: ductos biliares Patogenia: inapetência associada a disfunção hepática / hipertrofia ductos, hepatomegalia

47 Platinosomíase Diagnóstico: ex. fezes centrífugo-flutuação Tratamento: praziquantel 20mg/kg 3 a 5 dias

FASCIOLOSE NO BRASIL

FASCIOLOSE NO BRASIL MEC UFRRJ DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS. MATERIAL DIDÁTICO. REPRODUÇÃO DE TRANSPARÊNCIAS UTILIZADAS FASCIOLOSE NO BRASIL Trematódeo Digenético. HOSPEDEIROS DEFINITIVOS: Resistência inerente Resistência

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO Taenia sp Profª Cyntia Cajado Taxonomia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família: Taenidae Hermafroditas Corpo achatado dorsoventralmente Gênero:

Leia mais

Complexo Teníase - Cisticercose

Complexo Teníase - Cisticercose Complexo Teníase - Cisticercose Nomes populares Teníase: Tênia, Solitária Cisticercose: Canjiquinha, Lombriga na Cabeça Agente causador Taenia solium - Suínos Taenia saginata - Bovinos Espécies acometidas

Leia mais

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago Parasitoses - Verminoses Prof. Tiago INTRODUÇÃO PLATELMINTOS E NEMATÓDEOS: RESPONSÁVEIS POR ALGUMAS PARASITOSES CONHECIDAS COMO VERMINOSES. TENÍASE E ESQUISTOSSOMOSE SÃO CAUSADAS POR PLATELMINTOS; ASCARIDÍASE

Leia mais

PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato

PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato GIARDIA O protozoário Giardia lamblia é responsável por uma

Leia mais

Cestódeos intestinais: Taenia sp. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Cestódeos intestinais: Taenia sp. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Cestódeos intestinais: Taenia sp. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Taenia sp. Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família:Taeniidae Gênero:Taenia

Leia mais

Principais parasitas em cães e gatos:

Principais parasitas em cães e gatos: Principais parasitas em cães e gatos: Nematódeos: Ancylostoma caninum Ancylostoma caninum nenhum Comum em zonas tropicais e subtropicais Maior patogenicidade em filhotes Filhotes: anemia, perda de peso,

Leia mais

HELMINTOLOGIA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CLASSE CESTODA FILO NEMATHELMINTHES CLASSE NEMATODA

HELMINTOLOGIA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CLASSE CESTODA FILO NEMATHELMINTHES CLASSE NEMATODA HELMINTOLOGIA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CLASSE CESTODA FILO NEMATHELMINTHES CLASSE NEMATODA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CICLO GERAL: ovo - miracídio - esporocistos - rédia - cercária

Leia mais

25/03/2014. Vermes achatados dorsoventralmente; Vida livre e parasitas; Triblásticos; Acelomados; Protostômios; Simetria bilateral;

25/03/2014. Vermes achatados dorsoventralmente; Vida livre e parasitas; Triblásticos; Acelomados; Protostômios; Simetria bilateral; FILO PLATYHELMINTES FILO NEMATODA(NEMATELMINTOS) Vermes achatados dorsoventralmente; Vida livre e parasitas; Triblásticos; Acelomados; Protostômios; Simetria bilateral; Revestimento Vida livre : muco e

Leia mais

Echinococcus granulosus. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br

Echinococcus granulosus. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br Echinococcus granulosus Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br Echinococcus granulosus Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família:Taeniidae Gênero: Echinococcus

Leia mais

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria Filo Platyhelminthes Características: Do grego, platy = plano + helmins = verme Animais de corpo alongado e achatado dorsoventralmente; Maioria aquática (marinhos e dulcícolas). Os terrestres vivem em

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose Aula 4 1. Leia a notícia a seguir. Atividades IV. o mapeamento genético do verme pode auxiliar no controle dos problemas ambientais, como a falta de saneamento básico. V. resolverá definitivamente os problemas

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais São vermes achatados; Ausência de sistema respiratório/circulatório Outros sistemas muito simples; Apresentam simetria bilateral; São parasitas; Características Gerais Platelminto

Leia mais

DEFINIÇÕES AGENTE ETIOLÓGICO: HÁBITAT: INFECÇÃO: INFESTAÇÃO:

DEFINIÇÕES AGENTE ETIOLÓGICO: HÁBITAT: INFECÇÃO: INFESTAÇÃO: AGENTE ETIOLÓGICO: o responsável por causar uma certa doença (agente infeccioso). HÁBITAT: local em que o parasita vive e pode ser encontrado. INFECÇÃO: instalação e reprodução de um parasita dentro de

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral FASCIOLOSE HEPÁTICA

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral FASCIOLOSE HEPÁTICA FASCIOLOSE HEPÁTICA SILVA, Evandro Roberto Vaz da. CAPOANI, Raoni Queiroz RITZ, Renato SURIAN, Cesar Rodrigo de Souza Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça NEVES, Maria Francisca

Leia mais

Profissional da Saúde

Profissional da Saúde Profissional da Saúde Qual a sua responsabilidade frente a essa prática? Figura 1: abate de ovino na propriedade Se você ficou em dúvida sobre a resposta, então leia as informações a seguir sobre HIDATIDOSE.

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Adivaldo Henrique da Fonseca

Leia mais

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

PARASITAse alimenta dos tecidos ou fluídos de outro, no caso, o HOSPEDEIRO. Ectoparasitas superfície externa do hospedeiro. Endoparasitas dentro do

PARASITAse alimenta dos tecidos ou fluídos de outro, no caso, o HOSPEDEIRO. Ectoparasitas superfície externa do hospedeiro. Endoparasitas dentro do BA. 07 -Parasitismo: aspectos gerais e protozooses Apostila 1 Página 39 Generalidades PARASITAse alimenta dos tecidos ou fluídos de outro, no caso, o HOSPEDEIRO. Ectoparasitas superfície externa do hospedeiro.

Leia mais

Filo PLATYHELMINTHES. (Platelmintos) Do grego: Platy achatado Helminthes - vermes

Filo PLATYHELMINTHES. (Platelmintos) Do grego: Platy achatado Helminthes - vermes Filo PLATYHELMINTHES (Platelmintos) Do grego: Platy achatado Helminthes - vermes Platelmintos Acelomados bilatérias, triblásticos Radiados, diblásticos CARACTERÍSTICAS corpo achatado dorsi-ventralmente

Leia mais

Giuliana Cristina Agnello. Cisticercose Suína

Giuliana Cristina Agnello. Cisticercose Suína Giuliana Cristina Agnello Cisticercose Suína São Paulo 2009 Faculdades Metropolitana Unidas Giuliana Cristina Agnello Cisticercose suína Trabalho de conclusão de curso apresentado à banca examinadora,

Leia mais

Difilobotríase: alerta e recomendações

Difilobotríase: alerta e recomendações MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Difilobotríase: alerta e recomendações Desde março de 2005, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS) tem sido notificada da

Leia mais

Características Gerais Classe Turbellaria Classe Trematoda Classe Cestoda. Platelmintos. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail.

Características Gerais Classe Turbellaria Classe Trematoda Classe Cestoda. Platelmintos. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail. Platelmintos Prof. Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com 2014 1 / 33 Sumário Características Gerais 1 Características Gerais 2 Características garais Sistema Digestório 3 Risco à saúde: esquistossomose

Leia mais

Disciplina de Parasitologia

Disciplina de Parasitologia Disciplina de Parasitologia Curso de Medicina 2016 Aula 09/06/16: Revisão Trematódeos e Cestódeos Profa. Dra. Juliana Quero Reimão Esquistossomose mansônica Características epidemiológicas Nordeste sudeste

Leia mais

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor.

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Sistemas: Digestório Incompleto Respiratório Difusão Nervoso Ganglionar Circulatório

Leia mais

CAPÍTULO 14 SISTEMA POLIEDRO DE ENSINO PROFESSORA GISELLE CHERUTTI

CAPÍTULO 14 SISTEMA POLIEDRO DE ENSINO PROFESSORA GISELLE CHERUTTI CAPÍTULO 14 SISTEMA POLIEDRO DE ENSINO PROFESSORA GISELLE CHERUTTI Origem grega helmin: verme platy: achatado Variam de milímetros a metros de comprimento Surgiram na Terra há cerca de 600 milhões de anos.

Leia mais

HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul

HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul Informativo Técnico N 01 /Ano 02 Janeiro de 2011 HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul Ivo Kohek Jr. * Fig. 1 Fig. 2 Cisto hidático em olho humano Cirurgia de retirada de cistos hidáticos em abdomen humano.

Leia mais

Teníase e Cisticercose

Teníase e Cisticercose Teníase e Cisticercose Introdução A classe cestoda compreende um grupo de parasitos hermafroditas, que apresentam o corpo achatado dorsoventralmente, órgão de adesão sem cavidade geral e sem sistema digestório.

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

Cestódeos intestinais:

Cestódeos intestinais: Cestódeos intestinais: k Hymenolepis nana Hymenolepis diminuta Diphyllobothrium latum Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hymenolepis nana Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes

Leia mais

TEMA: VERMINOSES HUMANAS

TEMA: VERMINOSES HUMANAS TEMA: VERMINOSES HUMANAS COLEGIO ESTADUAL MARIO AUGUSTO TEIXIRA DE FREITAS NOME: DEISIANE FELZEMBOURGH N 10 2 ANO TURMA: F VESPERTINO PROFESSORA: CAROLINA INTRODUÇÃO Verminoses é um grupo de doenças causadas

Leia mais

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas,

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, O que é? O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, com sintomatologia e epidemiologia totalmente diferentes: as cisticercoses correspondem, no estádio adulto, aos cestódios

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 3 PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS 1 Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico de fezes, Jequinha leu Positivo para ovos de Ascaris

Leia mais

NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (3) PROF. C. FREDERICO

NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (3) PROF. C. FREDERICO NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (3) PROF. C. FREDERICO VERMINOSES TENÍASE AGENTES ETIOLÓGICOS GICOS: Taenia solium saginata,, platelmintos da classe Cestoda. e Taenia CONTÁGIO GIO: Direto,, através s do consumo

Leia mais

MITOS E VERDADES DA CARNE SUÍNA

MITOS E VERDADES DA CARNE SUÍNA Informativo Técnico N 03/Ano 02 março de 2011 MITOS E VERDADES DA CARNE SUÍNA Gustavo Nogueira Diehl * Pesquisas realizadas na década de 90 mostraram que a população brasileira considerava como principal

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Questão 2 PARASITAS NÃO HABITUAIS Vera Lucia Pagliusi Castilho. Médica Patologista Clinica, Doutora em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Exercícios de Ciências

Exercícios de Ciências nome: n o : 7 o urma Ivana Fundamental a no: t : e nsino: data: p rofessor(a): b imestre: nota: Exercícios de Ciências 1) (1,0) Começamos nosso estudo do reino animal pelo grupo dos Poríferos, os invertebrados

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

BIOLOGIA - AULA 09: VERMES I (platelmintos e nematelmintos)

BIOLOGIA - AULA 09: VERMES I (platelmintos e nematelmintos) BIOLOGIA - AULA 09: VERMES I (platelmintos e nematelmintos) I. PLATELMINTOS São também conhecidos como vermes achatados. Dentre eles, os mais representativos são as planárias, tênias e o esquistossomo.

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) As infecções mais importantes (do adulto) em nosso meio são: neurocisticercose, abscessos, meningites e a AIDS. Nas crianças, as

Leia mais

Rosi Elaine Gallo Lunardi. Teníase e o Complexo Teníase-Cisticercose: Uma Zoonose Esquecida

Rosi Elaine Gallo Lunardi. Teníase e o Complexo Teníase-Cisticercose: Uma Zoonose Esquecida Rosi Elaine Gallo Lunardi Teníase e o Complexo Teníase-Cisticercose: Uma Zoonose Esquecida São Carlos (SP) 2008 1 Rosi Elaine Gallo Lunardi Teníase e o Complexo Teníase-Cisticercose: Uma Zoonose Esquecida

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

Platelmintos e nematódeos

Platelmintos e nematódeos PARTE II Unidade D Capítulo 11 Platelmintos e Seções: 111 Filo Platyhelminthes (platelmintos ou vermes achatados) 112 Filo Nematoda ( ou vermes cilíndricos) Antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela

Leia mais

Parasitologia - 2/10 2010-08-02. Relatório de Avaliação

Parasitologia - 2/10 2010-08-02. Relatório de Avaliação 2010-08-02 Parasitologia - 2/10 Agradecemos a participação no 2º ensaio do Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Parasitologia de 2010. Foram distribuídas amostras a 104 participantes para a serologia

Leia mais

PREVALÊNCIA DA CISTICERCOSE BOVINA EM FRIGORÍFICO SOB INSPEÇÃO FEDERAL NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL. Paraná (danieladib@unipar.br); Paraná.

PREVALÊNCIA DA CISTICERCOSE BOVINA EM FRIGORÍFICO SOB INSPEÇÃO FEDERAL NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL. Paraná (danieladib@unipar.br); Paraná. PREVALÊNCIA DA CISTICERCOSE BOVINA EM FRIGORÍFICO SOB INSPEÇÃO FEDERAL NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL Leila Alves de Oliveira 1 ; Patrícia Alves de Oliveira 1 ; Graziela Vendrame Rodrigues 2 ; Luiz

Leia mais

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição Ascaris lumbricoides Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva Nutrição Introdução O A.lumbricoides é encontrado em quase todos os países do globo, estimando-se que 30% da população mundial estejam por ele

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO GESTÃO DA QUALIDADE E VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO GESTÃO DA QUALIDADE E VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO GESTÃO DA QUALIDADE E VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM ALIMENTOS JERUSKA BEZERRA DANTAS PREVALÊNCIA DA CISTICERCOSE EM BOVINOS ABATIDOS NO MATADOURO DO MUNICÍPIO DE CARUARU-PE.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EMBRIONÁRIAS. Simetria bilateral Triblásticos Protostômios Acelomados Ametaméricos

CARACTERÍSTICAS EMBRIONÁRIAS. Simetria bilateral Triblásticos Protostômios Acelomados Ametaméricos FILO PLATELMINTOS Reúne animais com corpo alongado e achatado dorsoventralmente. Inclui animais de vida livre (planárias) encontrados no mar, em água doce e ambientes terrestres úmidos, além de formas

Leia mais

MEC UFRRJ IV DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS MATERIAL DIDÁTICO adivaldo@ufrrj.br PRINCIPAIS COCCIDEOS DOS ANIMAIS DOMESTICOS

MEC UFRRJ IV DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS MATERIAL DIDÁTICO adivaldo@ufrrj.br PRINCIPAIS COCCIDEOS DOS ANIMAIS DOMESTICOS MEC UFRRJ IV DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS MATERIAL DIDÁTICO adivaldo@ufrrj.br PRINCIPAIS COCCIDEOS DOS ANIMAIS DOMESTICOS PARASITOS DE CÃES HOSPEDEIROS INTERMEDIÁRIOS Cystoisospora canis rato (facultativo)

Leia mais

Hidatidose. Programa Estadual de Vigilância da Hidatidose. setembro de 2013. versão 1

Hidatidose. Programa Estadual de Vigilância da Hidatidose. setembro de 2013. versão 1 Lucia Mardini DVAS Hidatidose Programa Estadual de Vigilância da Hidatidose setembro de 2013 versão 1 Hidatidose Conceitos de Biologia Ciclo Biológico ou Ciclo de Vida: conjunto de transformações pelo

Leia mais

e) Doença do Sono ou Tripanossomíase Africana:

e) Doença do Sono ou Tripanossomíase Africana: a) Disenteria ou Amebíase: Doenças causadas por Protozoários Parasita Entamoeba histolytica Sintomas Dores abdominais, diarréia, náuseas, etc. Transmissão Água e alimentos contaminados b) Tricomoníase:

Leia mais

Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocara canis. Toxocara. Toxocaríase- sinais clínicos (animal)

Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocara canis. Toxocara. Toxocaríase- sinais clínicos (animal) O nematódeo vive no intestino delgado do cão (Toxocara canis) ou do gato (Toxocara catis e leonina) Alimentam-se de produtos prédigeridos (aminoácidos, vitaminas e oligoelementos) Toxocara O ciclo de vida

Leia mais

Os Invertebrados. Prof. Luis Bruno

Os Invertebrados. Prof. Luis Bruno Os Invertebrados Prof. Luis Bruno Os Poríferos Animais simples que habitam o planeta; Não apresentam órgãos; Sésseis; Maioria de ambiente marinho, mas existem poucas espécies de água doce; São animais

Leia mais

INSTITUTO QUALITTAS DE POS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE

INSTITUTO QUALITTAS DE POS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE INSTITUTO QUALITTAS DE POS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE Palmas-TO 2008 WESLLEN MOURA PIRES COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE

Leia mais

REQUISITOS: BEG5101 - Fundamentos da Biologia Celular. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA: Disciplina é oferecida somente para o curso de Nutrição

REQUISITOS: BEG5101 - Fundamentos da Biologia Celular. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA: Disciplina é oferecida somente para o curso de Nutrição UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE - CAIXA POSTAL 476 CEP 88.040-970 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA Telefone - (48) 37219353 Departamento de Microbiologia, Imunologia

Leia mais

3. RECONHECIMENTO, INTERPRETAÇÃO E DESTINO DE LESÕES DE BOVINOS EM ABATEDOUROS

3. RECONHECIMENTO, INTERPRETAÇÃO E DESTINO DE LESÕES DE BOVINOS EM ABATEDOUROS 3. RECONHECIMENTO, INTERPRETAÇÃO E DESTINO DE LESÕES DE BOVINOS EM ABATEDOUROS Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2 1 Universidade Federal de Santa Maria & 2 The University of Georgia CORAÇÃO

Leia mais

Construção de conhecimentos sobre a Teníase entre crianças do município de Santo Ângelo RS

Construção de conhecimentos sobre a Teníase entre crianças do município de Santo Ângelo RS Construção de conhecimentos sobre a Teníase entre crianças do município de Santo Ângelo RS Fernando Oliveria 1 Gustavo Kaiser 1 Guilherme Mendes 1 Kellen Rocha 1 Débora Pedroso 2 Clarice Stadtlober 3 Resumo:

Leia mais

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires Nematódeos parasitas do ser humano Prof.: Chico Pires Ascaris lumbricoides Ascaris lumbricoides (lombriga) Doença: Ascaridíase Modo de transmissão: Ingestão de alimentos e de água contaminados por ovos

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS PARASITOLOGIA HUMANA O que é parasitologia? É a ciência que estuda os parasitas, os seus hospedeiros e relações entre eles. Parasitas são seres vivos que retiram

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Introdução à Parasitologia

Introdução à Parasitologia Parasitologia Médica CBS06625 Carlos Eugênio Silva Aulas teóricas e práticas* Verificações Nota, conceito e aprovação Referências bibliográficas Representação Discente Todas as informações relativas à

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UCB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UCB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UCB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE NO CONTEXTO BRASILEIRO CAROLINA VIEIRA

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA GERAL DE HELMINTOS

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA GERAL DE HELMINTOS CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA GERAL DE HELMINTOS CLASSES: NEMATODA TREMATODA CESTODA TENÍASE E CISTICERCOSE CLASSIFICAÇÃO FILO Platyelminthes CLASSE Cestoda FAMÍLIA Taeniidae GÊNERO Taenia ESPÉCIE Taenia

Leia mais

REINO ANIMAL OS INVERTEBRADOS PROFESSORA PRISCILA

REINO ANIMAL OS INVERTEBRADOS PROFESSORA PRISCILA REINO ANIMAL OS INVERTEBRADOS PROFESSORA PRISCILA PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS VERMINOSES - DOENÇAS CAUSADAS POR VERMES: PLATELMINTOS: NEMATELMINTOS: TENÍASE (Taenia solium ou Taenia saginata) NEUROCISTICERCOSE

Leia mais

O controle da cisticercose em áreas rurais e urbanas

O controle da cisticercose em áreas rurais e urbanas O controle da cisticercose em áreas rurais e urbanas Katrien van't Hooft. vanthooft@etcnl.nl Fotografia: Katrien van't Hoogt - controle tradicional da cisticercose na feira semanal de Punatra, Bolívia

Leia mais

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira)

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira) Apoio: Escrito por: Faculdade de Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo Maio/2013 Sumário Resumo... 3 Introdução... 3 Etiologia... 3 Epidemiologia... 5 Sinais clínicos... 5 Diagnóstico...

Leia mais

NA MEDICINA VETERÍNÁRIA

NA MEDICINA VETERÍNÁRIA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto t de Veterinária i Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública CESTÓDEOS DE IMPORTÂNCIA NA MEDICINA VETERÍNÁRIA Adivaldo Henrique da Fonseca Prof.

Leia mais

Platelmintos e Nematelmintos

Platelmintos e Nematelmintos Simuladão 2º ano Platelmintos e Nematelmintos 01 - No início do século, o Jeca Tatu, personagem criado por Monteiro Lobato, representava o brasileiro de zona rural, descalço, mal vestido e espoliado por

Leia mais

8/8/2012. Larva cenuro semelhante a um cisticerco, mas com numerosos escólices invaginados. Ex. Taenia multiceps

8/8/2012. Larva cenuro semelhante a um cisticerco, mas com numerosos escólices invaginados. Ex. Taenia multiceps Platyhelminthes Filo Cestoda Classe Cestodaria Eucestoda Sub-classe Cyclophyllidea Ordem Taeniidae Taenia spp. Gênero Echinococcus Ciclo indireto - digenéticos Parte anterior escólex com 4 ventosas com

Leia mais

ARNALDO JOSÉ GANC1, TAMARA LEITE CORTEZ2, PAULO POTIARA DE ALCANTARA VELOSO3

ARNALDO JOSÉ GANC1, TAMARA LEITE CORTEZ2, PAULO POTIARA DE ALCANTARA VELOSO3 A CARNE SUÍNA E SUAS IMPLICAÇÕES NO COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE ARNALDO JOSÉ GANC 1, TAMARA LEITE CORTEZ 2, PAULO POTIARA DE ALCANTARA VELOSO 3 1- Prof. Adjunto e Livre Docente em Gastrenterologia -

Leia mais

Taxonomia. Taeniidae ase, Cisticercose e Hidatiose Hospedeiros. Morfologia - Adulto. Morfologia Adulto

Taxonomia. Taeniidae ase, Cisticercose e Hidatiose Hospedeiros. Morfologia - Adulto. Morfologia Adulto Taxonomia Família Taeniidae ase, Cisticercose e Hidatiose Hospedeiros Filo Plathyhelminthes Classe Cestoda Família Taeniidae Gênero Taenia Taenia saginata Taenia solium Gênero Echinococcus Echinococcus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Introdução a Helmintologia Zootécnica (Nematóides bursados) Profº. Evaldo Martins Pires SINOP - MT Aula de hoje:

Leia mais

INTERACÇÕES AMBIENTE, ANIMAIS DOMÉSTICOS, PARASITAS NA ILHA DE SANTIAGO (CABO VERDE)*

INTERACÇÕES AMBIENTE, ANIMAIS DOMÉSTICOS, PARASITAS NA ILHA DE SANTIAGO (CABO VERDE)* INTERACÇÕES AMBIENTE, ANIMAIS DOMÉSTICOS, PARASITAS NA ILHA DE SANTIAGO (CABO VERDE)* CRESPO, M. V*. E ROSA, F.** *Escola superior Agrária do Instituto Politécnico de Santarém, Apartado 310-2001 904 Santarém

Leia mais

Teníase e Cisticercose. Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini

Teníase e Cisticercose. Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Teníase e Cisticercose Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Teníase e Cisticercose Taenia saginata Taenia solium Teníase x Cisticercose

Leia mais

Parasita dissimulado. A neurocisticercose, doença escamoteada pelo descaso e a dificuldade de diagnóstico, começa a mostrar sua real dimensão MEDICINA

Parasita dissimulado. A neurocisticercose, doença escamoteada pelo descaso e a dificuldade de diagnóstico, começa a mostrar sua real dimensão MEDICINA I CAPA MEDICINA Parasita dissimulado A neurocisticercose, doença escamoteada pelo descaso e a dificuldade de diagnóstico, começa a mostrar sua real dimensão FABRíCIO MARQUES diagnóstico da neurocisticercose,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FARMÁCIA E BIOQUÍMICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PREVALÊNCIA DAS PARASITOSES INTESTINAIS E ESQUISTOSSOMOSE NO MUNICÍPIO DE PIAU - MINAS GERAIS Juliane

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ocorrência e localização de cisticercos em bovinos abatidos e submetidos à Inspeção Federal no Estado de Goiás, Brasil Osvaldo José da Silveira

Leia mais

PROMOÇÃO COMISSÃO ORGANIZADORA. Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul. Presidente: Méd. Vet. Air Fagundes dos Santos

PROMOÇÃO COMISSÃO ORGANIZADORA. Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul. Presidente: Méd. Vet. Air Fagundes dos Santos 2 1 2 PROMOÇÃO Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul Presidente: Méd. Vet. Air Fagundes dos Santos Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina Presidente: Méd.

Leia mais

Os Platelmintos. Caracteristicas exclusivas

Os Platelmintos. Caracteristicas exclusivas Os Platelmintos Caracteristicas exclusivas 1) Apresentam o corpo achatado. 2) Apresentam uma cabeça com um par de ocelos, que são órgãos sensíveis a luz. A função do ocelo é detectar quando o ambiente

Leia mais

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa Biologia Setor 1423 Móds. 03 a 06 Prof. Rafa PROTISTAS PROTISTAS ALGAS FOTOSSINTETIZANTES PROTOZOÁRIOS PARASITAS Protozoários (Reino Protista) Características: Estrutura Formas de vida Eucariontes Unicelulares

Leia mais

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA PARASITISMO E SAÚDE HUMANA Antes de começar O que é um parasita? O que é um hospedeiro? Qual a diferença entre um ciclo monoxeno e um heteroxeno? Qual a diferença entre endemia, epidemia e pandemia? Endemia

Leia mais

ACHADOS DE CISTICERCOSE BOVINA EM ESTABELECIMENTO OFICIAL NO ESTADO DE SANTA CATARINA

ACHADOS DE CISTICERCOSE BOVINA EM ESTABELECIMENTO OFICIAL NO ESTADO DE SANTA CATARINA 0 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO QUALITTAS ACHADOS DE CISTICERCOSE BOVINA EM ESTABELECIMENTO OFICIAL NO ESTADO DE SANTA CATARINA ROBERTO TADEU NUNES CURITIBA - PR 2008 1 ACHADOS

Leia mais

INSTITUO BRASILEIRO DE PÓS GRADUAÇÃO QUALITTAS-LTDA PANORAMA DA CISTICERCOSE NO BRASIL

INSTITUO BRASILEIRO DE PÓS GRADUAÇÃO QUALITTAS-LTDA PANORAMA DA CISTICERCOSE NO BRASIL INSTITUO BRASILEIRO DE PÓS GRADUAÇÃO QUALITTAS-LTDA PANORAMA DA CISTICERCOSE NO BRASIL CAMPO GRANDE,2008 QUALITTAS-LTDA INSTITUO BRASILEIRO DE PÓS GRADUAÇÃO PANORAMA DA CISTICERCOSE NO BRASIL MONOGRAFIA

Leia mais