Parasitologia - 2/ Relatório de Avaliação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parasitologia - 2/10 2010-08-02. Relatório de Avaliação"

Transcrição

1 Parasitologia - 2/10 Agradecemos a participação no 2º ensaio do Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Parasitologia de Foram distribuídas amostras a 104 participantes para a serologia da Toxoplasmose e morfologia parasitária. As percentagens de respostas recebidas neste ensaio foram 88% e 83% respectivamente. Para a pesquisa de anticorpos para Echinococcus foram distribuídas amostras a 17 participantes, dos quais 65% responderam ao ensaio. Amostras O ensaio incluía uma amostra para a pesquisa de anticorpos para Toxoplasma gondii amostra nº 2110 Soro obtido no âmbito da vigilância da infecção toxoplásmica prevenção da infecção congénita ; uma amostra para a pesquisa de anticorpos para Echinococcus amostra nº Soro de doente hidático após cirurgia; amostra de fezes nº Fezes de uma criança de idade escolar com diarreia e espasmos intestinais; amostra de sangue nº 2710 Missionário recentemente chegado de Timor Leste com síndrome febril. Resultados Amostra nº 2110 Pesquisa de anticorpos para Toxoplasma gondii O resultado da pesquisa de anticorpos IgG para Toxoplasma gondii foi positivo e a pesquisa de anticorpos IgM foi negativa, tratando-se provavelmente de anticorpos residuais. O índice de Avidez das IgG neste caso não deve ser efectuado, uma vez que não se trata de uma seroconversão. Amostra nº 2510 Pesquisa de anticorpos para Echinococcus sp. O resultado da pesquisa da serologia para hidatidose foi negativo, confirmando a ausência de anticorpos na amostra. Relatório de Avaliação Parasitologia, 2/10 O relatório de avaliação contém: - Avaliação individual para cada parâmetro. - Relatório geral de performance (Relatório de desempenho global). Pedidos de correcção Dados recebidos nos formulários de resposta com erros, são da responsabilidade do laboratório. O PNAEQ só se responsabiliza por erros de transcrição para o sistema informático e de processamento de resultados Os pedidos deverão ser efectuados por escrito até 17 de Setembro de Equinococose/ Hidatidose A Equinococose/ Hidatidose é uma doença parasitária que afecta o Homem e outros animais. O cão é o hospedeiro definitivo do Echinococcus granulosus, única espécie deste género existente em Portugal e Espanha. Em Portugal, esta doença parece apresentar maior prevalência no Alentejo, constituindo os concelhos de Elvas, Alandroal e Campo Maior, os que apresentam uma das maiores prevalências de hidatidose humana em termos europeus. Em Portugal e Espanha, ainda que a situação tenha melhorado nas últimas décadas em termos de saúde animal, são significativos os casos humanos quer em adultos quer em crianças, este último grupo verdadeiro indicador da incidência desta doença de desenvolvimento lento e cujo diagnóstico frequentemente apenas ocorre várias décadas após o início do parasitismo. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Avenida Padre Cruz Lisboa Telefones: / FAX A fronteira entre o Alentejo e a Estremadura espanhola nunca foram barreira ao trânsito de animais, quer silvestres quer domésticos, hospedeiros definitivos (cães com dono e/ou abandonados) ou hospedeiros intermediários (ovinos, suínos, bovinos, equídeos, são PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 1/14

2 algumas das mais de 70 espécies identificadas como possíveis hospedeiras da fase larvar desta parasitose que atinge com gravidade o Homem). Dada a natureza epidemiológica desta morbilidade, são principais populações de risco, os habitantes de povoações rurais, sócio-culturalmente marginalizadas, onde a silvo-pastorícia continua a ser factor importante da manutenção. Neste sentido, é fundamental a coordenação e sincronismo conjuntos nos planos de luta e erradicação nas duas regiões fronteiriças para que, qualquer possível medida de controlo a implementar nas duas regiões, possa ter algum significado. O diagnóstico desta infecção baseia-se na clínica, na epidemiologia e nas técnicas imagiológicas, sendo suportado por testes serológicos para pesquisa de anticorpos para Echinococcus sp., tais como: aglutinação em látex, imunodifusão em gelose com líquido hidático (LH) e areia hidática (AH), imunoelectrodifusão (LH e AH), ELISA, hemaglutinação, imunofluorescência, ELIEDA (Enzyme Linked Imuno Electrocineresis Difusion Assay) e Imunoblot esta última permite a distinção entre as duas espécies E. granulosus e E. multilocularis. O tratamento mais comum é o cirúrgico, sendo importante o diagnóstico definitivo da doença antes da cirurgia, para se prevenir a disseminação dos quistos que pode ocorrer durante a mesma. Figura 1 - Ciclo de Vida de Echinococcus granulosus. PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 2/14

3 Amostra nº 2610 Fezes formolizadas - Ovos de Taenia saginata Não é possível efectuar a diferenciação das duas espécies que parasitam o Homem, Taenia solium e Taenia saginata exclusivamente pela observação microscópica dos ovos uma vez que esta estrutura é igual para ambas as espécies. Assim, só é possível fazer a sua diferenciação pela observação das ramificações uterinas dos proglótis grávidos ou por técnicas de biologia molecular. Figura 2 Ovos de Taenia sp. e verme adulto. (http://www.microbelibrary.org/asmonly/details.asp?id=1260) A B Figura 3 Proglótis grávido de Taenia saginata com ramificações uterinas muito numerosas (>12), A - corado por carmim; B corado por tinta da china. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/echinococcosis_il.htm) A B Figura 4 Proglótis grávido de Taenia solium com ramificações uterinas pouco numerosas (<13), A - corado por carmim; B - corado por tinta da china. PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 3/14

4 (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/echinococcosis_il.htm) Figura 5 Ciclo de vida de Taenia saginata/taenia solium. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/taeniasis_il.htm) Amostra nº 2710 Esfregaço de sangue Todos os estadios de Plasmodium malariae Características morfológicas - Hemáceas não deformadas e dimensões normais ou dimensões menores - Hemáceas sem granulações de Schüffner. Trofozoíto hemáceas do sangue periférico Pequenas dimensões; Citoplasma por vezes em banda, atravessando a hemácea; Núcleo refringente vermelho; Pigmento grosseiro. Esquizontes hemáceas do sangue periférico Rosácea com 6 a 12 merozoítos; Pigmento grosseiro; Esquizogonia às 72 horas. Gametócitos hemáceas do sangue periférico Semelhantes aos do P. vivax, mas de dimensões menores; Os glóbulos não apresentam granulações de Schüffner. PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 4/14

5 Figura 6 - Esquema de estadios de Plasmodium malariae. (Parasitologie Médicale: techniques de base pour le laboratoire, OMS, 1993) PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 5/14

6 Figura 7 - Esfregaço de sangue com trofozoitos (forma anelar) de Plasmodium malariae corado por Giemsa com ampliação de 1000x, (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). Figura 8 - Esfregaço de sangue com trofozoitos (forma em banda) de Plasmodium malariae corado por Giemsa com ampliação de 1000x, (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 6/14

7 Figura 9 - Esfregaço de sangue com trofozoitos (forma de cesto ) de Plasmodium malariae corado por Giemsa com ampliação de 1000x, (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). Figura 10 - Esfregaço de sangue com esquizontes de Plasmodium malariae corado por Giemsa com ampliação de 1000x, (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 7/14

8 Figura 11 - Esfregaço de sangue com esquizontes de Plasmodium malariae corado por Giemsa com ampliação de 1000x, (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). Figura 12 - Esfregaço de sangue com gametócitos de Plasmodium malariae corado por Giemsa com ampliação de 1000x, (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 8/14

9 Figura 13 - Esfregaço de sangue com gametócitos de Plasmodium malariae corado por Giemsa com ampliação de 1000x, (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). Figura 14 - Distribuição mundial da transmissão da malária (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm). PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 9/14

10 Malária Determinação da parasitémia Gota espessa O número de parasitas/µl de sangue é determinado em relação ao número standard de glóbulos brancos/µl (8000). Nº de parasitas X (8000 / nº de glóbulos brancos) = Nº parasitas por µl de sangue Esfregaço A percentagem de glóbulos vermelhos infectados é determinada relativamente ao número de glóbulos vermelhos infectados versus o número de não infectados. Deve ser contado um número mínimo de 500 glóbulos vermelhos. (nº glóbulos vermelhos infectados / nº total de glóbulos vermelhos contados) X 100 = % glóbulos vermelhos infectados Nota: Glóbulos vermelhos contendo mais do que um parasita são contabilizados como 1; Os gametócitos não são contabilizados na contagem. NOTA IMPORTANTE: Aproveitamos a oportunidade para enviar informação sobre a nova espécie Plasmodium knowlesi, recentemente descoberta e que também parasita o Homem. Esta espécie apresenta algumas semelhanças com a espécie Plasmodium malariae presente neste ensaio. PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 10/14

11 Figura 15 - Esquema de estadios de Plasmodium knowlesi; 1: glóbulo vermelho normal; 2-10: trofozoitos em fase de anel; 11-15: trofozoitos maduros; 16-23: esquizontes; 24: macrogametócito; 25: microgametócito. PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 11/14

12 Figura 16 - Esfregaço de sangue com trofozoítos (forma anelar) de Plasmodium knowlesi de um indivíduo que viajou das Filipinas, corado por Giemsa com ampliação de 1000x. Imagens de: Wadsworth Center, New York State Department of Health. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm) Figura 17 - Esfregaço de sangue com trofozoítos (forma anelar) de Plasmodium knowlesi de um indivíduo que viajou das Filipinas, corado por Giemsa com ampliação de 1000x. De realçar a infecção múltipla de algumas hemáceas. Imagens de: Wadsworth Center, New York State Department of Health. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm) PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 12/14

13 Figura 18 - Esfregaço de sangue com trofozoítos (forma em banda) de Plasmodium knowlesi de um indivíduo que viajou das Filipinas, corado por Giemsa com ampliação de 1000x. Imagens de: Wadsworth Center, New York State Department of Health. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm) Figura 19 - Esfregaço de sangue com esquizontes maduros de Plasmodium knowlesi de um indivíduo que viajou das Filipinas, corado por Giemsa com ampliação de 1000x. Imagens de: Wadsworth Center, New York State Department of Health. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm) PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 13/14

14 Figura 20 - Esfregaço de sangue com esquizontes maduros de Plasmodium knowlesi de um indivíduo que viajou das Filipinas, corado por Giemsa com ampliação de 1000x. Imagens de: Wadsworth Center, New York State Department of Health. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm) Figura 21 - Esfregaço de sangue com gametócitos de Plasmodium knowlesi de um indivíduo que viajou das Filipinas, corado por Giemsa com ampliação de 1000x. Imagens de: Wadsworth Center, New York State Department of Health. (http://www.dpd.cdc.gov/dpdx/html/imagelibrary/malaria_il.htm) Cláudia Júlio Laboratório Nacional de Referência de Infecções Gastrointestinais para Giardia sp., Cryptosporidium sp. e E. histolytica Departamento de Doenças Infecciosas, INSA Os nossos melhores cumprimentos, PNAEQ PNAEQ.2010.CR.Parasitologia.02 14/14

Parasitologia - 1/12 2012-03-22. Relatório de Avaliação

Parasitologia - 1/12 2012-03-22. Relatório de Avaliação 2012-03-22 Parasitologia - 1/12 Agradecemos a participação no 1º ensaio do Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Parasitologia de 2012. Foram distribuídas amostras a 56 participantes. Foram recebidos

Leia mais

Projeto de Monitoria: Estudo microscópico de protozoários, helmintos e artrópodes. Aula Prática III: Protozoários Filo Apicomplexa.

Projeto de Monitoria: Estudo microscópico de protozoários, helmintos e artrópodes. Aula Prática III: Protozoários Filo Apicomplexa. UFF Universidade Federal Fluminense. PUNF - Polo Universitário de Nova Friburgo. Curso de Biomedicina. Disciplina: Parasitologia Humana. Professora: Aline CasecaVolotão. Monitora: LorraineHerdyHeggendornn.

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

BIOLOGIA. c) Triatoma infestans. d) Taenia solium.

BIOLOGIA. c) Triatoma infestans. d) Taenia solium. BIOLOGIA Prof. Fred & Marchezi 1. (Unesp 2013) Em determinada região do nosso país, o sistema de saúde verificou um crescente número de mortes por problemas cardíacos, sobretudo em pessoas na faixa etária

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato

PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato GIARDIA O protozoário Giardia lamblia é responsável por uma

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE

INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE INTERFERÊNCIA DE REAÇÕES CRUZADAS NO DIAGNÓSTICO DA TOXOPLASMOSE Clarissa Zanoni Kera Arantes RESUMO: O grande número de casos positivos para pesquisa de anticorpos da classe IGM para e mononucleose num

Leia mais

NECESSIDADES NÃO ATENDIDAS. Dengue, malária, HIV, tuberculose, Hepatite C, verminoses...

NECESSIDADES NÃO ATENDIDAS. Dengue, malária, HIV, tuberculose, Hepatite C, verminoses... NECESSIDADES NÃO ATENDIDAS Dengue, malária, HIV, tuberculose, Hepatite C, verminoses... Renato Kfouri Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) Dengue dengue tem origem espanhola e quer

Leia mais

Profissional da Saúde

Profissional da Saúde Profissional da Saúde Qual a sua responsabilidade frente a essa prática? Figura 1: abate de ovino na propriedade Se você ficou em dúvida sobre a resposta, então leia as informações a seguir sobre HIDATIDOSE.

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais São vermes achatados; Ausência de sistema respiratório/circulatório Outros sistemas muito simples; Apresentam simetria bilateral; São parasitas; Características Gerais Platelminto

Leia mais

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Muito se tem falado sobre a Toxoplasmose e seus perigos,

Leia mais

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários

PROTOZOOSES. Doenças causadas por protozoários PROTOZOOSES Doenças causadas por protozoários DOENÇA DE CHAGAS Agente etiológico: Trypanossoma cruzi Vetor: Triatoma infestans (barbeiro ou chupança). Complicações: Insuficiência e arritimia cardíaca (crônica)

Leia mais

Biologia 1ª série Reino Protista

Biologia 1ª série Reino Protista Biologia 1ª série Reino Protista Profª Reisila Mendes Reino Protista Características gerais: Eucariontes; Unicelulares e pluricelulares; Autótrofos e Heterótrofos. Algas Protozoários Protozoário primeiro

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Questão 2 PARASITAS NÃO HABITUAIS Vera Lucia Pagliusi Castilho. Médica Patologista Clinica, Doutora em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

REQUISITOS: BEG5101 - Fundamentos da Biologia Celular. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA: Disciplina é oferecida somente para o curso de Nutrição

REQUISITOS: BEG5101 - Fundamentos da Biologia Celular. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA: Disciplina é oferecida somente para o curso de Nutrição UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE - CAIXA POSTAL 476 CEP 88.040-970 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA Telefone - (48) 37219353 Departamento de Microbiologia, Imunologia

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

e) Doença do Sono ou Tripanossomíase Africana:

e) Doença do Sono ou Tripanossomíase Africana: a) Disenteria ou Amebíase: Doenças causadas por Protozoários Parasita Entamoeba histolytica Sintomas Dores abdominais, diarréia, náuseas, etc. Transmissão Água e alimentos contaminados b) Tricomoníase:

Leia mais

MEC UFRRJ IV DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS MATERIAL DIDÁTICO adivaldo@ufrrj.br PRINCIPAIS COCCIDEOS DOS ANIMAIS DOMESTICOS

MEC UFRRJ IV DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS MATERIAL DIDÁTICO adivaldo@ufrrj.br PRINCIPAIS COCCIDEOS DOS ANIMAIS DOMESTICOS MEC UFRRJ IV DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS MATERIAL DIDÁTICO adivaldo@ufrrj.br PRINCIPAIS COCCIDEOS DOS ANIMAIS DOMESTICOS PARASITOS DE CÃES HOSPEDEIROS INTERMEDIÁRIOS Cystoisospora canis rato (facultativo)

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO 1 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina Parasitologia Básica Departamento DECBI Bloco I -Apresentação da disciplina Unidade ICEB Código 714 Carga Horária Semanal Teórica Prática 2

Leia mais

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22 Animais de companhia: O verme do coração do cão Quando se fala em vermes, as primeiras imagens que vêm à mente das pessoas são: "lombrigas"

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO. PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Protozoários do Filo Apicomplexa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO. PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Protozoários do Filo Apicomplexa UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Protozoários do Filo Apicomplexa Profº. Evaldo Martins Pires SINOP - MT Aula de hoje: Aula 09 Introdução ao estudo

Leia mais

Malária. esporozoita

Malária. esporozoita Malária esporozoita Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário e-mails: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura.live.com Definição Doença infecciosa febril aguda, cujos agentes etiológicos

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO Taenia sp Profª Cyntia Cajado Taxonomia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família: Taenidae Hermafroditas Corpo achatado dorsoventralmente Gênero:

Leia mais

1. Definição de Caso1: Sarampo

1. Definição de Caso1: Sarampo Digitally signed by Francisco Henrique Moura George Francisco DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Henrique Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Moura George Date: 2011.06.08 12:41:12

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Farmácia Disciplina: Parasitologia Básica Integral Professor(es):Ligia Beatriz Lopes Persoli Carga horária: Ementa: DRT: 1086619 Código

Leia mais

Difilobotríase: alerta e recomendações

Difilobotríase: alerta e recomendações MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Difilobotríase: alerta e recomendações Desde março de 2005, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS) tem sido notificada da

Leia mais

Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária

Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica e Diretoria Técnica de Gestão Manual de Diagnóstico Laboratorial da Malária Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 3 PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS 1 Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico de fezes, Jequinha leu Positivo para ovos de Ascaris

Leia mais

NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (2) PROF. C. FREDERICO

NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (2) PROF. C. FREDERICO NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (2) PROF. C. FREDERICO PROTOZOOSES AMEBÍASE ASE AGENTE ETIOLÓGICO GICO: Entamoeba histolytica. CONTÁGIO GIO: Direto (consumo de água e/ou alimentos contaminados com cistos). SINTOMAS:

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Protozooses. Profº Alan Frederico

Protozooses. Profº Alan Frederico Protozooses Profº Alan Frederico Filo Protozoa Unicelulares, eucariontes, heterótrofos, isolados ou coloniais. Podem ser apresentar um ou mais núcleos por célula. Podem ser anaeróbios ou aeróbios. Podem

Leia mais

TOXOPLASMOSE: Toxoplasma gondii. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

TOXOPLASMOSE: Toxoplasma gondii. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br TOXOPLASMOSE: Toxoplasma gondii Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Taxonomia Reino: Protozoa Filo: Apicomplexa Ordem: Eucoccidiida Família: Sarcocystidae Gêneros: Toxoplasma

Leia mais

Introdução à Parasitologia

Introdução à Parasitologia Parasitologia Médica CBS06625 Carlos Eugênio Silva Aulas teóricas e práticas* Verificações Nota, conceito e aprovação Referências bibliográficas Representação Discente Todas as informações relativas à

Leia mais

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana ou Tripanossomíase Americana Distribuição geográfica: América latina, afetando 12-14 milhões de pessoas. Agente Etiológico: Trypanosoma cruzi Ordem: Kinetoplastida Família: Trypanosomatidae Gênero: Trypanosoma

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

O ENSINO DE PARASITOLOGIA E A PRODUÇÃO DE CARTILHAS COMO MEIO DE PREVENÇÃO DE ZOONOSES

O ENSINO DE PARASITOLOGIA E A PRODUÇÃO DE CARTILHAS COMO MEIO DE PREVENÇÃO DE ZOONOSES O ENSINO DE PARASITOLOGIA E A PRODUÇÃO DE CARTILHAS Resumo COMO MEIO DE PREVENÇÃO DE ZOONOSES Thayná de Sena Siqueira, Fabrício André de Lima Cavalcante, Márcia Adelino da Silva Dias Universidade Estadual

Leia mais

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG

TORC: importância do estudo da Avidez das IgG TORC: importância do estudo da Avidez das IgG Carla Almeida 1, Teresa Tente 2 RESUMO TORC é um grupo de doenças infecciosas que é necessário despistar durante a gravidez, o qual corresponde às iniciais

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia 2006/2007 MALÁRIA E BABESIOSE

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia 2006/2007 MALÁRIA E BABESIOSE Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Microbiologia 2006/2007 MALÁRIA E BABESIOSE 9 de Março de 2007 Leccionada pelo Doutor Acácio Gonçalves Rodrigues A MALÁRIA é uma doença tão antiga como a

Leia mais

PROTISTAS. Algas e protozoários

PROTISTAS. Algas e protozoários PROTISTAS Algas e protozoários Protozoários Organismos eucariontes, unicelulares, heterótrofos e com capacidade de locomoção. Célula procarionte Célula eucarionte 4 grupos principais: protozoários amebóides

Leia mais

Echinococcus granulosus. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br

Echinococcus granulosus. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br Echinococcus granulosus Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br Echinococcus granulosus Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família:Taeniidae Gênero: Echinococcus

Leia mais

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa Biologia Setor 1423 Móds. 03 a 06 Prof. Rafa PROTISTAS PROTISTAS ALGAS FOTOSSINTETIZANTES PROTOZOÁRIOS PARASITAS Protozoários (Reino Protista) Características: Estrutura Formas de vida Eucariontes Unicelulares

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Ariane Guerra Fernandes 1 Layanne Kelly Lima de Carvalho Rego 1 Liessia Thays de Araújo 1 Selonia Patrícia Oliveira

Leia mais

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX.

LARGO DA ACADEMIA NACIONAL DE BELAS ARTES, 2 1249-105 LISBOA TELEF. 21 323 95 00 FAX. Plano de Vigilância da Febre do Nilo Ocidental Direcção Geral de Veterinária Direcção de Serviços de Saúde e Protecção Animal PORTUGAL Página 1 de 6 Plano de Vigilância Febre do Nilo Ocidental I - Introdução

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Guia de estudo de ciclo de vida de parasitas e seus danos ao hospedeiro, através da simulação de exame parasitológico de fezes Gabriel Gerber Hornink (Aluno) Urara Kawazoe

Leia mais

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA PARASITISMO E SAÚDE HUMANA Antes de começar O que é um parasita? O que é um hospedeiro? Qual a diferença entre um ciclo monoxeno e um heteroxeno? Qual a diferença entre endemia, epidemia e pandemia? Endemia

Leia mais

HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul

HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul Informativo Técnico N 01 /Ano 02 Janeiro de 2011 HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul Ivo Kohek Jr. * Fig. 1 Fig. 2 Cisto hidático em olho humano Cirurgia de retirada de cistos hidáticos em abdomen humano.

Leia mais

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando Sarampo Estados Unidos, 2000 Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando um registro baixo e um

Leia mais

Malária e Plasmodium sp. Me. Carolina Miguel Fraga Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG

Malária e Plasmodium sp. Me. Carolina Miguel Fraga Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG Malária e Plasmodium sp Me. Carolina Miguel Fraga Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública - UFG Características Gerais Também conhecida por impaludismo, febre palustre, maleita, sezão; Doença infecciosa

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009

PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 SVS/MS - Portaria nº 151/2009 16/10/2009 PORTARIA SVS/MS Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 16.10.2009 A SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSTITUTA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 45,

Leia mais

Complexo Teníase - Cisticercose

Complexo Teníase - Cisticercose Complexo Teníase - Cisticercose Nomes populares Teníase: Tênia, Solitária Cisticercose: Canjiquinha, Lombriga na Cabeça Agente causador Taenia solium - Suínos Taenia saginata - Bovinos Espécies acometidas

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 30 PRINCIPAIS PROTOZOOSES

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 30 PRINCIPAIS PROTOZOOSES BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 30 PRINCIPAIS PROTOZOOSES Como pode cair no enem? F 1 (ENEM) Em 2009, o município maranhense de Bacabal foi fortemente atingido por enchentes, c submetendo a população local

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Microbiologia 09-03-07

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Microbiologia 09-03-07 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Microbiologia 09-03-07 Protozoários do sangue e tecidos: Plasmodium. Babesia A aula tem como objectivo chamar a atenção para os aspectos

Leia mais

Protozoários. Paramecium. Plasmódio. Trichomonas vaginalis. Tripanossomo

Protozoários. Paramecium. Plasmódio. Trichomonas vaginalis. Tripanossomo Protozoários Paramecium Plasmódio Trichomonas vaginalis Tripanossomo Características gerais Eucariontes Unicelulares Heterótrofos Locomoção: cílios, flagelos, pseudópodes ou não possuem nenhuma estrutura

Leia mais

PROTOZOOSES. Prof.: Eduardo Borges

PROTOZOOSES. Prof.: Eduardo Borges PROTOZOOSES PROTOZOOSES Prof.: Eduardo Borges Protozooses 1. Amebíase 2. Giardíase 3. Doença de Chagas 4. Leishmaniose 5. Malária 6. Toxoplasmose 7. Tricomoníase 8. Doença do sono 9. Balantidiose 1. Amebíase

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

O MÉDICO VETERINÁRIO NO CONTROLE DE ZOONOSES

O MÉDICO VETERINÁRIO NO CONTROLE DE ZOONOSES SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MÓD. AVANÇADO EM SAÚDE PÚBLICA O MÉDICO VETERINÁRIO NO CONTROLE DE ZOONOSES Bagé, 11/10/2013 Celso Pianta celsopianta@hotmail.com Idade Média (800-1200 anos DC): Aglomeração

Leia mais

A doença é causada por protozoários do gênero Plasmodium que são transmitidos por mosquitos fêmeas do gênero Anopheles.

A doença é causada por protozoários do gênero Plasmodium que são transmitidos por mosquitos fêmeas do gênero Anopheles. Aurenice Arruda Dutra das Merces Biomedicina Seminário: Malária INTRODUÇÃO A malária é uma das doenças mais antigas conhecida pelo homem, também é conhecida como paludismo, febre palustre, tremedeira entre

Leia mais

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula IV Protozoários Zoopatogênicos Professora: Luciana Alves de Sousa Doenças causadas por Protozoários Doença de Chagas Leishmaniose Malária Giardíase Amebíase Toxoplasmose Doença

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO DE PARASITOSES: UM ENFOQUE LÚDICO 1

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO DE PARASITOSES: UM ENFOQUE LÚDICO 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO DE PARASITOSES: UM ENFOQUE LÚDICO 1 COLINA, Aline 2 ; SCARIOT, Soraya 2 ; ZANON, Jenifer 2 ; SANTOS, Bernardo 3 ; QUADROS, Felipe 3 ; BLATTES, Minéia 2. 1 Projeto

Leia mais

Os microsporídeos como a Nosema spp., que eram até há pouco tidos como protozoários, são agora classificados como fungos.

Os microsporídeos como a Nosema spp., que eram até há pouco tidos como protozoários, são agora classificados como fungos. Nosemose A Nosemose é causada pelo desenvolvimento de um de dois microsporídeos Nosema apis ou Nosema ceranae nas células da mucosa do intestino médio de abelhas adultas: obreiras, zângãos e rainhas. Os

Leia mais

CONHEÇA A MALÁRIA. Permitida a reprodução desde que citada a fonte

CONHEÇA A MALÁRIA. Permitida a reprodução desde que citada a fonte CONHEÇA A MALÁRIA Permitida a reprodução desde que citada a fonte Formas de Transmissão A malária humana é uma doença parasitária que pode ter evolução rápida e ser grave. Ela pode ser provocada por quatro

Leia mais

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose Aula 4 1. Leia a notícia a seguir. Atividades IV. o mapeamento genético do verme pode auxiliar no controle dos problemas ambientais, como a falta de saneamento básico. V. resolverá definitivamente os problemas

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

EXAME DE RECUPERAÇÃO MÓDULO 1. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

EXAME DE RECUPERAÇÃO MÓDULO 1. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil EXAME DE RECUPERAÇÃO MÓDULO 1 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º ano de escolaridade Momento

Leia mais

Informática e a Saúde. Mestre Carmen Bernardes Prof Doutor Pedro Catarino

Informática e a Saúde. Mestre Carmen Bernardes Prof Doutor Pedro Catarino Informática e a Saúde Mestre Carmen Bernardes Prof Doutor Pedro Catarino Cursos no ISPB q Engenharias: Informá5ca; Electrónica; Telecomunicações; q Ciências e Tecnologias da Saúde: Enfermagem Fisioterapia;

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM 2. Obrigatoriedade de notificação 2.1. Dengue Ao abrigo da lei nº 81/2009 de 21 de Agosto, o Diretor Geral da saúde definiu a dengue como doença de declaração obrigatória conforme despacho nº 5681-A/2014,

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS PARASITOSES INTESTINAIS NOS MUNICÍPIOS DE MARINGÁ E SARANDI-PR.

LEVANTAMENTO DAS PARASITOSES INTESTINAIS NOS MUNICÍPIOS DE MARINGÁ E SARANDI-PR. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 LEVANTAMENTO DAS PARASITOSES INTESTINAIS NOS MUNICÍPIOS DE MARINGÁ E SARANDI-PR. Stella Lopes de Faria 1 ; Elvira

Leia mais

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola?

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola? 1 EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA O que é a febre hemorrágica - Ebola? Febre hemorrágica Ebola (Ebola HF) é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos e primatas não-humanos (macacos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Acompanhamento das gestantes vacinadas inadvertidamente (GVI) com a vacina dupla viral (sarampo e rubéola)

Leia mais

http:// www.insa.pt _ consumo de água de nascentes naturais Um problema de saúde pública. _DSA Departamento de Saúde Ambiental 2010 _Nascentes Naturais 01 _Introdução A convicção, ainda hoje frequente

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz

Fundação Oswaldo Cruz Fundação Oswaldo Cruz Concurso Público 2010 Tecnologista em Saúde Pública Prova Objetiva Código da prova C3101 Diagnóstico Laboratorial e Suporte à Pesquisa em Doenças Parasitárias e Infecciosas Instruções:

Leia mais

Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde MALARIA JOSE RIBAMAR ROCHA E SILVA

Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde MALARIA JOSE RIBAMAR ROCHA E SILVA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde MALARIA JOSE RIBAMAR ROCHA E SILVA Brasília 2000 1 Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Licenciatura em Ciências

Leia mais

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Guedes, PP 1 ; Pinto, PLS 1 e Oliveira, KC 1. 1 Núcleo de Enteroparasitas, Centro de Parasitologia

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC A pesquisa foi realizada pelo Laboratório Freitag & Weingärtner durante o período de 01/06/2005 a 31/08/2005 na cidade de Rio dos Cedros-SC em

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS. a DiSTRIBUIÇÃO DESIGUAL DA SAÚDE PELAS POPULAÇÕES: PARASITOSES

QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS. a DiSTRIBUIÇÃO DESIGUAL DA SAÚDE PELAS POPULAÇÕES: PARASITOSES QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS a DiSTRIBUIÇÃO DESIGUAL DA SAÚDE PELAS POPULAÇÕES: GUIA DO PROFESSOR (Áudio) SAÚDE SEM MISTÉRIO: Parasitoses (Softwares) CICLO DE VIDA DE PARASITAS: Schistosoma

Leia mais

FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2

FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2 FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2 1 SEMESTRE DISCIPLINA TEORICA PRÁTICA C/H CR 1. Ecologia e Manejo Ambiental 60-60 04 2. Informática Básica 30-30 02 3. Sociologia Rural

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal TOXOPLASMOSE

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal TOXOPLASMOSE A toxoplasmose congénita é uma infecção evitável JACK REMINGTON Introdução O seguimento de um recém-nascido filho de mãe com toxoplasmose, nas circunstâncias em que habitualmente o fazemos, é um trabalho

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

PARASITOLOGIA 1. PROTOZOOLOGIA 2. HELMINTOLOGIA 3. ENTOMOLOGIA. RIOS Sub-reino ASES TRIPANOSSOMÍASES ASES

PARASITOLOGIA 1. PROTOZOOLOGIA 2. HELMINTOLOGIA 3. ENTOMOLOGIA. RIOS Sub-reino ASES TRIPANOSSOMÍASES ASES PARASITOLOGIA 1. PROTOZOOLOGIA 2. HELMINTOLOGIA 3. ENTOMOLOGIA Prof.: MSc. Ricardo Carvalho 1 PROTOZOÁRIOS RIOS Sub-reino Protozoa 60.000 espécies conhecidas 50% fósseisf Vivos 10.000 espécies são parasitos

Leia mais