8/8/2012. Larva cenuro semelhante a um cisticerco, mas com numerosos escólices invaginados. Ex. Taenia multiceps

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8/8/2012. Larva cenuro semelhante a um cisticerco, mas com numerosos escólices invaginados. Ex. Taenia multiceps"

Transcrição

1 Platyhelminthes Filo Cestoda Classe Cestodaria Eucestoda Sub-classe Cyclophyllidea Ordem Taeniidae Taenia spp. Gênero Echinococcus Ciclo indireto - digenéticos Parte anterior escólex com 4 ventosas com ou sem ganchos (rostro ou rostelo) Colo ou pescoço origina as proglotes Estróbilo cadeia de segmentos (proglotes) imaturos e maduros (gravídicas) Larva cisticerco vesícula cheia de líquido contendo um único escólex invaginado fixado, às vezes denominado proto-escólex. É a forma larvar encontrada no gênero Taenia e ocorre apenas em hospedeiros vertebrados. 1

2 Larva cenuro semelhante a um cisticerco, mas com numerosos escólices invaginados. Ex. Taenia multiceps Cisto hidático grande cisto cheio de líquido, revestido por epitélio germinativo, a partir do qual são produzidos escólices invaginados que ficam livres ou em cachos, cercados de vesículas prolígeras, o que é denominado areia hidática. O cisto é coberto por uma cápsula fibrosa. Ocorre em hospedeiros vertebrados, é a larva característica do Echinococcus granulosus. Cisticercóide vesícula quase sem líquido com um único escólex invaginado. Ocorre em hospedeiros invertebrados, é a forma larval de Moniezia e Anoplocephala. 2

3 Taenia spp Taenia solium morfologia Família Taeniidae Gênero Taenia Espécie Taenia solium Adultos medem 2 a 3 metros em média, podendo chegar a 8 metros. Apresentam um escólex globoso, medindo 1 mm de diâmetro, com rostelo e 4 ventosas arredondadas. O escólex possui um rostelo com duas fileiras concêntricas de ganchos. Hospedeiros definitivos Hospedeiro intermediário Localização Rostelo com ganchos Ventosas Taenia solium morfologia O colo é curto e delgado, o estróbilo possui 700 a proglotes, as papilas genitais dispõem-se de forma alternada, o útero do segmento grávido possui 7 a 12 ramos laterais e cada proglote tem cerca de a ovos. 3

4 Taenia solium morfologia Taenia solium ciclo evolutivo Após 3m Cisticercose Oral ou retroperistaltismo Cysticercus cellulosae Após 3m teníase Taenia solium ciclo evolutivo 4

5 Taenia saginata morfologia Família Taeniidae Gênero Taenia Espécie Taenia saginata Hospedeiros definitivos Hospedeiro intermediário Localização Morfologia adulto: 5 a 15 m,sem ganchos e rostelo, 15 a 30 ramos laterais Morfologia cisticerco bovis: 1 cm, escólex visível, contém liquido. Taenia saginata morfologia Útero da proglote grávida tem 15 a 30 ramos laterais de cada lado. Cada proglote grávida contém a ovos, que podem resistir por vários meses nas pastagens. Taenia saginata morfologia Forma larvar, o Cysticercus bovis, é branco-acinzentado de aproximadamente 1 cm de diâmetro, cheio de líquido, no qual pode-se encontrar o escólex. Não há cisticercose no homem Geralmente observado no coração, língua e músculos masseter e intercostais. Em infecções maciças pode acometer demais músculos esqueléticos. 5

6 Taenia saginata ciclo evolutivo Ciclo evolutivo 12 semanas c/ 1 cm Taenia hydatigena introdução Hospedeiros definitivos: cães e canídeos silvestres Hospedeiros intermediário: ruminantes e suínos Localização: fígado, cavidade peritoneal, pleura e pericárdio Cysticercus tenuicollis Taenia hydatigena ciclo evolutivo Típico de cestóides, com as seguintes particularidades: Oncosferas migram pelo fígado por aproximadamente 4 semanas antes de emergirem e se fixarem no peritôneo. Após a fixação, cada oncosfera se desenvolve em um cisticerco. 6

7 Taenia hydatigena ciclo evolutivo Migração das oncosferas pode causar hepatite cisticercosa, que pode ser fatal. A resposta imune do hospedeiro é capaz de destruir os cisticercos em desenvolvimento com a formação de nódulos esverdeados de aproximadamente 1 cm de diâmetro na superfície do órgão. Tênias de importância médica veterinária Espécie Taenia solium Taenia saginata Taenia hydatigena Taenia taeniformis Taenia multiceps Hospedeiro definitivo Homem homem cão Felinos carnívoros (cão) Hospedeiro intermediário Local forma larvar Forma larvar Importância Suíno bovino Ruminante, suíno musculatura musculatura serosas esquelética e esquelética e cardíaca cardíaca Cysticercus celullosae suínos infectados com cysticercus: sinais clínicos inaparentes. Humano se ingerir o ovo pode se tornar HI. Cysticercus bovis Cysticercus tenuicollis A presença da forma larvar na musculatura do animal leva a liberação parcial da carcaça ou até seu descarte total Nos HIs leva a descarte de vísceras com as formas infectantes roedores fígado e cavidades abdominais Cysticercus fasciolaris A forma larvar determina achados clínicos e patológicos no fígado de roedores. Herbívoros cérebro Coenurus cerebralis Echinococcus granulosus 7

8 Echinococcus granulosus introdução Echinococcus granulosus Duas linhagens: E. granulosus granulosus HD cães e canídeos silvestres e HI ruminantes, homem, suínos e ruminantes silvestres E. granulosus equinus HD cães e raposas vermelhas e HI equinos e asininos Localização adultos e cistos hidáticos Distribuição Echinococcus granulosus morfologia Morfologia - 6mm - Escólex - 3 a 4 segmentos - Cada segmento com um orifício genital - Ovário em forma de ferradura -Útero com aproximadamente 400 a 800 ovos. Echinococcus granulosus morfologia Cisto hidático ou hidátide: tem até 20 cm de diâmetro, presentes no fígado e pulmões ou cavidade abdominal. Cápsula fibrosa (origem do hospedeiro) Cápsula fibrosa (origem do parasita) Formado por membrana externa e epitélio germinativo interno, do qual se originam vesículas-filhas. Vesículas-filhas ou cistos secundários podem se formar por brotamento externo podendo atingir outras partes do organismo do hospedeiro. Cistos filhos Cisto hidático Camada germinativa Proto-escólex 8

9 Echinococcus granulosus ciclo evolutivo Ciclo evolutivo Ppp 40 a 50 d Oncoferas viáveis por até 2 anos Fígado e pulmões Cisto hidático 6 a 12 meses e até 20 cm Echinococcus granulosus ciclo evolutivo Echinococcus multilocularis HD: cães domésticos, silvestes e gatos HI: roedores, alguns mamíferos, homem Localização: adultos e hidátides Identificação: 4 a 5 segmentos 9

10 Ciclo evolutivo Cisto multilocular ou alveolar Dipylidium caninum Pertence à família Dipylidiidae Hospedeiro definitivo: Hospedeiro intermediário: Forma larval - cisticercóide (vesícula rígida com escólex invaginado) Localização: Forma adulta: Forma larval: Dipylidium caninum morfologia Adulto com 50 cm de comprimento Escólex com rostelo retrátil contendo 4 ou 5 fileiras de ganchos; Proglote em formato de grão de arroz com aparelho genital duplo, com um poro se abrindo em cada borda. As proglotes podem sair ativamente pelo ânus. 10

11 Dipylidium caninum - escólex Dipylidium caninum - morfologia Dipylidium caninum - morfologia Ovos - cápsula ovígera contendo grupos de cerca de 20 oncosferas 11

12 Dipylidium caninum ciclo biológico Ciclo biológico: Adultos no intestino delgado do cão. Proglotes e cápsulas ovígeras no ambiente Desenvolvimento da larva cisticercóide no HI Ingestão do HI pelo HD Período pré-patente 14 a 21 dias Anoplocephala e Paranoplocephala Família Anoplocephalidae Anoplocephala (A. magna e A perfoliata) Paranoplocephala (P. mamillana). Hospedeiro definitivo: Hospedeiro intermediário: família Oribatidae. Forma larval: cisticercóide Ácaros do solo Anoplocephala e Paranoplocephala Localização: Forma adulta no intestino A. perfoliata: intestino delgado e grosso (íleo e ceco). A. magna e Paranoplocephala mamillana: intestino delgado e eventualmente estômago. Larva: hemocele do ácaros 12

13 8/8/2012 Anoplocephala perfoliata Adultos: Medem 3 a 8 cm de comprimento (podendo chegar até 20 cm) por 1 a 2 cm de largura. Colo é muito curto, o estróbilo se alarga rapidamente, as proglotes são espessas, mais largas que longas em toda a extensão do estróbilo. Anoplocephala perfoliata Escólex musculoso, desprovido de rostelo e acúleos, de forma quase cúbica, apresenta 4 apêndices (ventrais e dorsais) abaixo de cada uma das 4 ventosas. Anoplocephala e Paranoplocephala A. perfoliata em ceco de equino 13

14 Anoplocephala magna Identificação: Semelhante a A. perfoliata, mas muito mais longo, podendo atingir 80 cm, não possui apêndices no escólex. A. magna A. perfoliata Paranoplocephala mamillana Medem de 1 a 5 cm de comprimento por cerca de 5 mm de largura, escólex com as 4 ventosas com aberturas em fenda longitudinal Proglotes se tornam mais largas que o escólex gradativamente, conservando-se largas até o final do estróbilo. Anoplocephala Ovos: irregularmente esféricos ou triangulares, com diâmetro entre 50 e 80 µm, contém embrião hexacanto cercado por um aparato quitinoso piriforme (semelhante a uma pêra). Anoplocephala perfoliata 14

15 Anoplocephala e Paranoplocephala Ciclo biológico Adultos presentes no intestino delgado Liberação de proglotes grávidas nas fezes Ácaros (HI) ingerem os ovos Equino se alimenta de forragem e acaba ingerindo ácaros infestados Estágio cisticercóide: 2 a 4 meses Período pré-patente nos eqüinos geralmente é de 1 a 2 meses. Moniezia Família Anoplocephalidae Cestóide mais comum de ruminantes Moniezia expansa e Moniezia benedeni Hospedeiro definitivo: M expansa: ovinos, caprinos e, ocasionalmente bovinos. M benedeni: bovinos (bastante freqüentes), eventualmente ovinos Hospedeiro intermediário: oribatídeos Local: forma adulta no intestino delgado Forma larval: cisticercóide Moniezia expansa Adultos: medem de 1 a 5 metros ou mais por 1,5 cm de largura, escólex não possui rostelo e nem acúleos, mas possui ventosas. 15

16 Moniezia expansa Escólex não possui rostelo e nem acúleos, mas possui ventosas. ventosas escolex Moniezia expansa Estróbilo possui proglotes mais largas do que longas e contêm dois conjuntos de órgãos genitais visíveis ao longo da borda lateral de cada segmento. Apresenta uma fileira de glândulas interproglotidianas na borda posterior de cada segmento que se estendem ao longo de toda a largura da proglote. Moniezia expansa Genitália Glândulas 16

17 8/8/2012 Moniezia benedeni Muito semelhante à M. expansa, com as seguintes particularidades: possui até 2,5 cm de largura (mais largo que M.expansa), glândulas interproglotidianas se limitam a uma fileira curta próxima à parte central de segmento. Moniezia expansa Ovos: medem 55 a 75 µm de diâmetro, forma irregularmente triangular, contendo o embrião, há aparelho piriforme definido Moniezia benedeni Ovos: formato quadrangular, contém o embrião no interior do aparelho piriforme. 17

18 Moniezia Ciclo biológico Hospedeiros definitivos contém vermes adultos no intestino (1) Eliminação de proglotes grávidas pelas fezes (2) Ingestão dos ovos (3) pelo HI (4) Larvas cisticercóides (5) se desenvolvem no HI em 2 a 6 meses, dependendo das condições climáticas. HI é ingerido pelo HD (6) HD: cestóides vivem de 2 a 6 semanas quando são eliminados pelas fezes. 18

Cestóides: Taenia e Echinococcus. Felipe Seixas

Cestóides: Taenia e Echinococcus. Felipe Seixas Cestóides: Taenia e Echinococcus Felipe Seixas Cestóides Características: Classe Cestoda; Corpo geralmente em forma de fita; São segmentados, providos anteriormente de um órgão de fixação (escólex) que

Leia mais

Projeto de Monitoria: Estudo Microscópico de Protozoários, Helmintos e Artrópodes.

Projeto de Monitoria: Estudo Microscópico de Protozoários, Helmintos e Artrópodes. UFF Universidade Federal Fluminense. PUNF - Polo Universitário de Nova Friburgo. Curso de Biomedicina. Disciplina: Parasitologia Humana. Professora: Aline CasecaVolotão. Monitora: LorraineHerdyHeggendornn.

Leia mais

NA MEDICINA VETERÍNÁRIA

NA MEDICINA VETERÍNÁRIA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto t de Veterinária i Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública CESTÓDEOS DE IMPORTÂNCIA NA MEDICINA VETERÍNÁRIA Adivaldo Henrique da Fonseca Prof.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA DE PLATELMINTOS EM MEDICINA VETERINÁRIA: CESTÓIDES

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA DE PLATELMINTOS EM MEDICINA VETERINÁRIA: CESTÓIDES UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE VETERINÁRIA CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA DE PLATELMINTOS EM MEDICINA VETERINÁRIA: CESTÓIDES SEROPÉDICA 2016 PREFÁCIO Este material didático foi produzido

Leia mais

Aula 06. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a. Taenia. TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução

Aula 06. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a. Taenia. TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução Aula 06 Teníase e Cisticercose Taenia sp. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução Teníases e Cisticercose são duas

Leia mais

Disciplina de Parasitologia

Disciplina de Parasitologia Disciplina de Parasitologia Curso de Medicina 2016 Aula 09/06/16: Revisão Trematódeos e Cestódeos Profa. Dra. Juliana Quero Reimão Esquistossomose mansônica Características epidemiológicas Nordeste sudeste

Leia mais

CESTÓIDES. Taenia solium Taenia saginata Hymenolepis nana Diphyllobothrium latum Dipylidium caninum

CESTÓIDES. Taenia solium Taenia saginata Hymenolepis nana Diphyllobothrium latum Dipylidium caninum CESTÓIDES Taenia solium Taenia saginata Hymenolepis nana Diphyllobothrium latum Dipylidium caninum 1 VERTEBRADOS Aspecto geral de um cestóide adulto 2 Sistemas Excretor e Nervoso em Cestóides Hospedeiro

Leia mais

TENÍASES-CISTICERCOSES Humana e Animal

TENÍASES-CISTICERCOSES Humana e Animal Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Departamento de Veterinária Preventiva Disciplina de Doenças Parasitárias TENÍASES-CISTICERCOSES Humana e Animal 2013 Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA GERAL DE HELMINTOS

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA GERAL DE HELMINTOS CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA GERAL DE HELMINTOS CLASSES: NEMATODA TREMATODA CESTODA TENÍASE E CISTICERCOSE CLASSIFICAÇÃO FILO Platyelminthes CLASSE Cestoda FAMÍLIA Taeniidae GÊNERO Taenia ESPÉCIE Taenia

Leia mais

Teníase e Cisticercose. Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini

Teníase e Cisticercose. Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Teníase e Cisticercose Disciplina: Parasitologia Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Teníase e Cisticercose Taenia saginata Taenia solium Teníase x Cisticercose

Leia mais

Apresentam simetria bilateral o corpo pode ser dividido longitudinalmente em duas partes iguais.

Apresentam simetria bilateral o corpo pode ser dividido longitudinalmente em duas partes iguais. OS PLATELMINTOS Prof. André Maia III. Os Platelmintos Características São vermes dotados de corpo geralmente achado dorsoventramente. São destituídos de sistemas respiratório e circulatório. São animais

Leia mais

CISTICERCOSE EM SUÍNOS

CISTICERCOSE EM SUÍNOS CISTICERCOSE EM SUÍNOS CAVALINI, Antonio Carlos Discente da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça / SP FAMED/ ACEG NEVES, Maria Francisca ZAPPA, Vanessa Docentes da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

Taxonomia. Taeniidae ase, Cisticercose e Hidatiose Hospedeiros. Morfologia - Adulto. Morfologia Adulto

Taxonomia. Taeniidae ase, Cisticercose e Hidatiose Hospedeiros. Morfologia - Adulto. Morfologia Adulto Taxonomia Família Taeniidae ase, Cisticercose e Hidatiose Hospedeiros Filo Plathyhelminthes Classe Cestoda Família Taeniidae Gênero Taenia Taenia saginata Taenia solium Gênero Echinococcus Echinococcus

Leia mais

CESTÓDEOS DE IMPORTÂNCIA NA MEDICINA VETERÍNÁRIA

CESTÓDEOS DE IMPORTÂNCIA NA MEDICINA VETERÍNÁRIA Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública CESTÓDEOS DE IMPORTÂNCIA NA MEDICINA VETERÍNÁRIA Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular

Leia mais

Helmintos. 3 - Classe cestoda. Alessandro Francisco Talamini do Amarante. Alessandra M. A. Ragozo Bruna Fernanda da Silva (collab.

Helmintos. 3 - Classe cestoda. Alessandro Francisco Talamini do Amarante. Alessandra M. A. Ragozo Bruna Fernanda da Silva (collab. Helmintos 3 - Classe cestoda Alessandro Francisco Talamini do Amarante Alessandra M. A. Ragozo Bruna Fernanda da Silva (collab.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros AMARANTE, AFT. Classe cestoda.

Leia mais

Aula de Parasitologia Clínica Michel Parente Gomes

Aula de Parasitologia Clínica Michel Parente Gomes Aula de Parasitologia Clínica Michel Parente Gomes Teníase e Cisticercose Classe: Cestoda Gênero: Taenia Agente etiológico: Taenia solium e Taenia saginata Nome popular: solitárias Teníase e cisticercose:

Leia mais

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor.

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Sistemas: Digestório Incompleto Respiratório Difusão Nervoso Ganglionar Circulatório

Leia mais

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Disciplina de Parasitologia CISTICERCOSE. Carlos E. Cavasini Ricardo L. D. Machado

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Disciplina de Parasitologia CISTICERCOSE. Carlos E. Cavasini Ricardo L. D. Machado Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Disciplina de Parasitologia TENÍASE E CISTICERCOSE Carlos E. Cavasini Ricardo L. D. Machado 2009 INTRODUÇÃO TENÍASE E CISTICERCOSE são duas entidades mórbidas

Leia mais

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas,

O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, O que é? O complexo teníase-cisticercose engloba, na realidade, duas doenças distintas, com sintomatologia e epidemiologia totalmente diferentes: as cisticercoses correspondem, no estádio adulto, aos cestódios

Leia mais

Coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência do medo. Mark Twain. Prof. Dr. Marcello Sampaio - UNIRIO

Coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência do medo. Mark Twain. Prof. Dr. Marcello Sampaio - UNIRIO Coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência do medo Mark Twain Material de Estudo Reino Animalia Filo Platyhelminthes Classe Cestoda Sub-Classe Eucestoda Ordem Cyclophyllidea Família

Leia mais

Platelmintos. platys = achatado + helmintos = vermes. Vermes achatados dorso-ventralmente. Exemplos:

Platelmintos. platys = achatado + helmintos = vermes. Vermes achatados dorso-ventralmente. Exemplos: PLATELMINTOS Platelmintos platys = achatado + helmintos = vermes. Vermes achatados dorso-ventralmente. Exemplos: - Schistosoma mansoni - Dugesia tigrina (planária) - Taenia sollium - Taenia saginata Platelmintos

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral TENIOSE BOVINA. FRANCO, Débora Fernandes PARRA, Handerson Vassoler REMUSKA, Rosa Dias

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral TENIOSE BOVINA. FRANCO, Débora Fernandes PARRA, Handerson Vassoler REMUSKA, Rosa Dias TENIOSE BOVINA FRANCO, Débora Fernandes PARRA, Handerson Vassoler REMUSKA, Rosa Dias Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça/SP - FAMED/FAEF NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade

Leia mais

Revisão para Prova Prática Parasitologia II. Prof. Archangelo P. Fernandes

Revisão para Prova Prática Parasitologia II.  Prof. Archangelo P. Fernandes Revisão para Prova Prática Parasitologia II www.profbio.com.br Prof. Archangelo P. Fernandes Formados por células flageladas (célula-flama) ligadas a túbulos e poros excretores que se distribuem longitudinalmente

Leia mais

3º FILO - PLATELMINTOS

3º FILO - PLATELMINTOS PLATELMINTOS 3º FILO - PLATELMINTOS Platelmintos platys = achatado + helmintos = vermes Vermes achatados dorso-ventralmente Exemplos: - Schistosoma mansoni - Dugesia tigrina (planária) - Taenia sollium

Leia mais

CARACTERÍSTICAS EMBRIONÁRIAS. Simetria bilateral Triblásticos Protostômios Acelomados Ametaméricos

CARACTERÍSTICAS EMBRIONÁRIAS. Simetria bilateral Triblásticos Protostômios Acelomados Ametaméricos FILO PLATELMINTOS Reúne animais com corpo alongado e achatado dorsoventralmente. Inclui animais de vida livre (planárias) encontrados no mar, em água doce e ambientes terrestres úmidos, além de formas

Leia mais

Classe TURBELLARIA Reprodução Aula 08 Platelmintos Final

Classe TURBELLARIA Reprodução Aula 08 Platelmintos Final Filo PLATYHELMINTHES * Classe TURBELLARIA Planárias, policládidos * Classe TREMATODA Parasitas internos * Classe MONOGENEA Ectoparasitas * Classe CESTOIDEA Tênias Classe TURBELLARIA Reprodução Aula 08

Leia mais

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino Esplancnologia Estudo das vísceras: órgãos internos ( splanchnon) Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino + Sentido lato Vascular endócrino Arquitetura funcional

Leia mais

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 44 Zoologia

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 44 Zoologia Prof. Marcelo Langer Curso de Biologia Aula 44 Zoologia FILO PLATELMINTES São vermes de corpo achatado. Possuem características evolutivas, inclusive o terceiro folheto embrionário (mesoderme), substituindo

Leia mais

03/12/2015. Definição. Hidatidose é a infecção pela larva (metacestodo) de cestódeos do gênero. Echinococcus

03/12/2015. Definição. Hidatidose é a infecção pela larva (metacestodo) de cestódeos do gênero. Echinococcus Definição Hidatidose é a infecção pela larva (metacestodo) de cestódeos do gênero Echinococcus Equinococose é a infecção pelo verme adulto Cestóides da família Taeniidae de importância médica veterinária

Leia mais

O parasita é aquele que tem como profissão viver às custas de seu vizinho, e cujo trabalho consiste em explorá-lo com economia, sem colocar a sua

O parasita é aquele que tem como profissão viver às custas de seu vizinho, e cujo trabalho consiste em explorá-lo com economia, sem colocar a sua HELMINTOS CESTÓIDES O parasita é aquele que tem como profissão viver às custas de seu vizinho, e cujo trabalho consiste em explorá-lo com economia, sem colocar a sua vida em risco. É um pobre que tem necessidade

Leia mais

O parasita é aquele que tem como profissão viver às custas de seu vizinho, e cujo trabalho consiste em explorá-lo com economia, sem colocar a sua

O parasita é aquele que tem como profissão viver às custas de seu vizinho, e cujo trabalho consiste em explorá-lo com economia, sem colocar a sua HELMINTOS CESTÓIDES O parasita é aquele que tem como profissão viver às custas de seu vizinho, e cujo trabalho consiste em explorá-lo com economia, sem colocar a sua vida em risco. É um pobre que tem necessidade

Leia mais

Platelminthes. Características. Teníase Taenia soliun. Platelminthes. Parasitologia Aplicada à Farmácia 4/10/2010. Klisiowicz, D.R.

Platelminthes. Características. Teníase Taenia soliun. Platelminthes. Parasitologia Aplicada à Farmácia 4/10/2010. Klisiowicz, D.R. Platelminthes Platelminthes Características Classe Cestoda Família Taeniidae Gênero Taenia Espécies Taenia solium Taenia saginata (Taeniarhynchus saginatus) Gênero Echinococcus Espécie Echinococcus granulosus

Leia mais

Echinococcus granulosus. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br

Echinococcus granulosus. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br Echinococcus granulosus Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www. profbio.com.br Echinococcus granulosus Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família:Taeniidae Gênero: Echinococcus

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES

DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES DOENÇAS INFECCIOSAS DE CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DOENÇAS INFECCIOSAS MUITO COMUNS DE CÃES NO RS VERMINOSE

Leia mais

Platelmintos Capítulo 7 - Aulas 25 e 26. Page 1

Platelmintos Capítulo 7 - Aulas 25 e 26. Page 1 Platelmintos Capítulo 7 - Aulas 25 e 26 Page 1 Características Gerais Platy = achatado ; helminthes = verme Simetria bilateral (ocorre pela 1ª vez); Apresenta uma cabeça com gânglios nervosos organizados;

Leia mais

Filo Platyhelminthes. O que veremos comumente nos filos a seguir? Desenvolvimento evolucionário. Animais intersticiais (meiofauna) marinhos

Filo Platyhelminthes. O que veremos comumente nos filos a seguir? Desenvolvimento evolucionário. Animais intersticiais (meiofauna) marinhos Filo Platyhelminthes O que veremos comumente nos filos a seguir? Animais intersticiais (meiofauna) marinhos Adaptações reprodutivas para vida em água doce (Hermafroditismo, brotamento, fissão e partenogênese)

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO Taenia sp Profª Cyntia Cajado Taxonomia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família: Taenidae Hermafroditas Corpo achatado dorsoventralmente Gênero:

Leia mais

ECHINOCOCCUS GRANULOSUS

ECHINOCOCCUS GRANULOSUS ECHINOCOCCUS GRANULOSUS ALMEIDA, Fabiana SPIGOLON, Zenilda NEGRÃO, Arthur José Discentes do Curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça NEVES, Maria Francisca

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais São vermes achatados; Ausência de sistema respiratório/circulatório Outros sistemas muito simples; Apresentam simetria bilateral; São parasitas; Características Gerais Platelminto

Leia mais

são animais que possuem o corpo alongado e achatado, com aspectos de fita. São conhecidos por'' vermes chatos'', ( plati = chato, helmintos

são animais que possuem o corpo alongado e achatado, com aspectos de fita. São conhecidos por'' vermes chatos'', ( plati = chato, helmintos PLATELMINTOS CARACTERÍSTICAS GERAIS são animais que possuem o corpo alongado e achatado, com aspectos de fita. São conhecidos por'' vermes chatos'', (plati= chato, helmintos =vermes). *trata-se de animais

Leia mais

Questões Parasitologia- 1ª Prova

Questões Parasitologia- 1ª Prova Universidade Federal do Pampa Curso de Nutrição Disciplina Parasitologia Questões Parasitologia- 1ª Prova - Ascaridíase 1- A patogenia da Ascaridíase é complexa, pois envolve vários tipos de formas pela

Leia mais

Cerca de 6000 espécies conhecidas - ~10000 são parasitas. Eucariotos unicelulares

Cerca de 6000 espécies conhecidas - ~10000 são parasitas. Eucariotos unicelulares Cerca de 6000 espécies conhecidas - ~10000 são parasitas. Eucariotos unicelulares Apresentam variadas formas, processo de alimentação, reprodução e locomoção De acordo com a estrutura de locomoção Sarcodina

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA DE PLATELMINTOS EM MEDICINA VETERINÁRIA: CESTÓIDES

CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA DE PLATELMINTOS EM MEDICINA VETERINÁRIA: CESTÓIDES ADEVAIR HENRIQUE DA FONSECA MARIA JULIA SALIM PEREIRA CLASSIFICAÇÃO E MORFOLOGIA DE PLATELMINTOS EM MEDICINA VETERINÁRIA: CESTÓIDES COLEÇÃO PARASITOLOGIA VETERINÁRIA SEROPÉDICA 2002 ADEVAIR HENRIQUE DA

Leia mais

Platelmintos: Existem três classes distintas: os turbelários, trematódios e cestódios.

Platelmintos: Existem três classes distintas: os turbelários, trematódios e cestódios. Platelmintos: Vermes Achatados Apresentam simetria bilateral; Acelomados Tubo digestivo incompleto; Ocorre o processo de cefalização (acúmulo de órgãos sensoriais na direção do movimento). Existem três

Leia mais

Classe Nematoda. Ascaridíase

Classe Nematoda. Ascaridíase Classe Nematoda - Os parasitos pertencentes a essa classe possuem características em comum, como: - São pseudocelomados; - Possuem sistema digestório completo; - Alguns são geo-helmintos (verdadeiros),

Leia mais

COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE

COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE MEDEIROS, Fabrícia TOZZETTI, Danilo GIMENES, Roberta email: fabriciamedvet@hotmail.com Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de Garça - FAMED NEVES, Maria Francisca

Leia mais

Espécies parasitárias Schistosoma mansoni (que causa a esquistossomose / barriga-d água) e a Taenia solium (que causa a teníase e a cisticercose).

Espécies parasitárias Schistosoma mansoni (que causa a esquistossomose / barriga-d água) e a Taenia solium (que causa a teníase e a cisticercose). Animais Platelmintos O Filo Platyhelminthes (platy = chato; helmintos = verme), ou simplesmente filo dos platelmintos, reúne os animais invertebrados com corpo achatado dorsoventralmente, triblásticos,

Leia mais

Cestódeos intestinais: Taenia sp. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Cestódeos intestinais: Taenia sp. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Cestódeos intestinais: Taenia sp. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Taenia sp. Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família:Taeniidae Gênero:Taenia

Leia mais

II.3 - Exemplos de Epitélios de Revestimento:

II.3 - Exemplos de Epitélios de Revestimento: Capítulo 1: Parte 2 1 II.3 - Exemplos de Epitélios de Revestimento: 1 - Epitélio Simples: são definidos como epitélios superficiais constituídos de uma única camada de células. São quase sempre encontrados

Leia mais

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA HELMINTOLOGIA Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA Filos: Platyhelminthes, Aschelminthes, Acanthocephala Platyhelminthes: - Classe TREMATODA (Schistosoma mansoni e Fasciola hepática) - Classe CESTODA

Leia mais

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria Filo Platyhelminthes Características: Do grego, platy = plano + helmins = verme Animais de corpo alongado e achatado dorsoventralmente; Maioria aquática (marinhos e dulcícolas). Os terrestres vivem em

Leia mais

Características gerais: animal de corpo fino e tubular simetria bilateral protostômios

Características gerais: animal de corpo fino e tubular simetria bilateral protostômios NEMATELMINTOS Características gerais: animal de corpo fino e tubular simetria bilateral protostômios triblástico pseudocelomado Habitat: vida livre: terrestres ou aquáticos (doce ou salgada) muitas espécies

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 5 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Zipyran 50 mg Comprimidos para cães e gatos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido contém:

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 3 PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS 1 Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico de fezes, Jequinha leu Positivo para ovos de Ascaris

Leia mais

Nematódeos. cutânea. - infecção muco-cutânea. Classificação

Nematódeos. cutânea. - infecção muco-cutânea. Classificação Nematódeos - infecção muco-cutânea cutânea Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Rhabditorida Família: Strongyloididae Espécie: Strongyloides stercoralis Nematódeos

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com Problematização inicial Por quê o nome platelmintos? Conhece algum representante?

Leia mais

Teniase e Cisticercose. Taeniasis and cysticercosis. Teniasis y cisticercosis. Daniela Ferreira & Fernanda Lúcia Alves Ferreira

Teniase e Cisticercose. Taeniasis and cysticercosis. Teniasis y cisticercosis. Daniela Ferreira & Fernanda Lúcia Alves Ferreira Teniase e Cisticercose H T T P : / / D X. D O I. O R G / 1 0. 2 2 2 5 6 / P U B V E T. V 1 1 N 2. 1 54-158 Daniela Ferreira & Fernanda Lúcia Alves Ferreira Universidade Anhanguera de São Paulo Campus Abc,

Leia mais

C ap í t u l o 10 CESTODA

C ap í t u l o 10 CESTODA C ap í t u l o 10 CESTODA Cestodeos são animais exclusivamente parasites, hermafroditas, sem aparelho digestivo, de celoma obliterado, geralmente constituído por um segmento anterior com órgão de fixação,

Leia mais

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia:

TENÍASE Homem: Boi ou porco: Contaminação: Sintomas: Tratamento: Profilaxia: TENÍASE Homem: hospedeiro definitivo. Boi ou porco: hospedeiro intermediário. Contaminação: ingestão de carne mal passada contaminada com cisticercos; autoinfecção. Sintomas: distúrbios intestinais, dores

Leia mais

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO Catierine Hirsch Werle RESUMO A Giardia está distribuída mundialmente. No Brasil sua prevalência varia de 4 a 30%, dependendo das

Leia mais

Livro de Zoologia Cap.05 Item 2 pág. 48 a 53

Livro de Zoologia Cap.05 Item 2 pág. 48 a 53 Livro de Zoologia Cap.05 Item 2 pág. 48 a 53 3ª Série Abril/2013 Filo Platyhelminthes (Platelmintos) Características: O filo é dividido em 3 classes: Turbelários (vida livre), Trematódeos (parasitas) e

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO O AGENTE ETIOLÓGICO CICLO BIOLÓGICO EPIDEMIOLOGIA SINAIS CLÍNICOS... 8

Sumário 1. INTRODUÇÃO O AGENTE ETIOLÓGICO CICLO BIOLÓGICO EPIDEMIOLOGIA SINAIS CLÍNICOS... 8 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. O AGENTE ETIOLÓGICO... 3 3. CICLO BIOLÓGICO... 4 4. EPIDEMIOLOGIA... 7 5. SINAIS CLÍNICOS... 8 5.1. SINTOMAS DECORRENTES DE CISTOS NO HOMEM... 8 5.2. SINAIS CLÍNICOS NOS CÃES...

Leia mais

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório de Ruminantes Definição Vegetais Fibrosos Volumosos Estômago Aglandular Estômago Glandular

Leia mais

DOENÇAS CAUSADAS POR CESTODAS E TREMATODAS TENÍASE X CISTICERCOSE EQUINOCOCOSE X HIDATIDOSE FASCIOLOSE PLATINOSOMIASE

DOENÇAS CAUSADAS POR CESTODAS E TREMATODAS TENÍASE X CISTICERCOSE EQUINOCOCOSE X HIDATIDOSE FASCIOLOSE PLATINOSOMIASE DOENÇAS CAUSADAS POR CESTODAS E TREMATODAS TENÍASE X CISTICERCOSE EQUINOCOCOSE X HIDATIDOSE FASCIOLOSE PLATINOSOMIASE COMPLEXO TENÍASE - CISTICERCOSE ESPÉCIE HD HI TIPO LARVAR NOME DA LARVA LOCAL T. solium

Leia mais

A profilaxia consiste na educação sanitária, em cozinhar bem as carnes e na fiscalização da carne e seus derivados (lingüiça, salame, chouriço,etc.

A profilaxia consiste na educação sanitária, em cozinhar bem as carnes e na fiscalização da carne e seus derivados (lingüiça, salame, chouriço,etc. CICLO DA TENÍASE 1. Ao se alimentar de carnes cruas ou mal passadas, o homem pode ingerir cisticercos (lasvas de tênia). 2. No intestino, a larva se liberta, fixa o escólex, cresce e origina a tênia adulta.

Leia mais

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA TECIDO EPITELIAL Mamíferos: Tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Origem ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA 1 Tecido epitelial Ectoderma: epitélios sensoriais dos olhos; aparelho auditivo e

Leia mais

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Família BALANTIDIIDAE Balantidium coli Habitat: Intestino grosso PROTOZOOLOGIA Morfologia: organismo revestido por cílios, bastante móvel, mede 300µm, na parte anterior

Leia mais

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt ESQUISTOSSOMOSE Profa Carolina G. P. Beyrodt AGENTE ETIOLÓGICO Agente etiológico da esquistossomose mansônica: Schistosoma mansoni Schisto = fenda + soma = corpo (corpo em forma de fenda) Ocorre na África,

Leia mais

INSPEÇÃO DE OVINOS. AFFA Miguel Potis Bartolome Linardakis CRMV RS 4317

INSPEÇÃO DE OVINOS. AFFA Miguel Potis Bartolome Linardakis CRMV RS 4317 I Simpósio Brasileiro de Inspeção e Tecnologia de Produtos de Origem Animal SIBINTEC-POA INSPEÇÃO DE OVINOS AFFA Miguel Potis Bartolome Linardakis CRMV RS 4317 Curitibanos SC, dezembro de 2016 Exame de

Leia mais

Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis

Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis Angiostrongylus sp., Ancilostomídeos e Strongyloides stercoralis Barbeiro, Cabellereiro, Sangrador, Dentista e Deitão-se Bixas JB Debret, 1821 1 Angiostrongylus sp. Clado V Angiostrongylus cantonensis

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO. Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 2. CONSTITUINTES 2.1. Testículos 2.2. Ductos Genitais 2.3. Glândulas Genitais Acessórias 2.4. Uretra 2.5. Pênis Testículos Envoltórios testiculares

Leia mais

FILOS DOS ANIMAIS. Poríferos - ok Cnidários - ok Platelmintos - ok Nematelmintos Em estudo Moluscos Anelídeos Artrópodes Equinodermos Cordados

FILOS DOS ANIMAIS. Poríferos - ok Cnidários - ok Platelmintos - ok Nematelmintos Em estudo Moluscos Anelídeos Artrópodes Equinodermos Cordados FILOS DOS ANIMAIS Poríferos - ok Cnidários - ok Platelmintos - ok Nematelmintos Em estudo Moluscos Anelídeos Artrópodes Equinodermos Cordados FILO NEMATODA (Nomes populares: nematelmintos, nemátodos ou

Leia mais

Sistema Esquelético: Ossos. Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça

Sistema Esquelético: Ossos. Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça Sistema Esquelético: Ossos Prof a. Deise Maria Furtado de Mendonça Conceito de Esqueleto Conjunto de ossos e cartilagens que se interligam para formar o arcabouço do corpo do animal e desempenhar várias

Leia mais

Filo PLATYHELMINTHES. (Platelmintos) Do grego: Platy achatado Helminthes - vermes

Filo PLATYHELMINTHES. (Platelmintos) Do grego: Platy achatado Helminthes - vermes Filo PLATYHELMINTHES (Platelmintos) Do grego: Platy achatado Helminthes - vermes Platelmintos Acelomados bilatérias, triblásticos Radiados, diblásticos CARACTERÍSTICAS corpo achatado dorsi-ventralmente

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Nos EUA,

Leia mais

Cestódeos intestinais:

Cestódeos intestinais: Cestódeos intestinais: k Hymenolepis nana Hymenolepis diminuta Diphyllobothrium latum Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hymenolepis nana Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais São vermes achatados; Ausência de sistema respiratório/circulatório; Outros sistemas muito primitivos; Apresentam simetria bilateral; Podem ser parasitas ou de vida livre; Características

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial Toxoplasmose Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii Único agente causal da toxoplasmose Distribuição geográfica: Mundial Hospedeiros: a) Hospedeiros finais ou definitivos: - felideos (gato doméstico

Leia mais

CYSTICERCUS BOVIS E CYSTICERCUS CELLU- LOSAE: ENDOPARASITAS DE IMPORTÂNCIA NO COMÉRCIO DA CARNE

CYSTICERCUS BOVIS E CYSTICERCUS CELLU- LOSAE: ENDOPARASITAS DE IMPORTÂNCIA NO COMÉRCIO DA CARNE CYSTICERCUS BOVIS E CYSTICERCUS CELLU LOSAE: ENDOPARASITAS DE IMPORTÂNCIA NO COMÉRCIO DA CARNE José Maurício Gonçalves dos Santos* Mário César Romio Brandão Barros** RESUMO: A cisticercose é uma zoonose

Leia mais

Equinodermas e Protocordados 2ª parte

Equinodermas e Protocordados 2ª parte COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Equinodermas e Protocordados 2ª parte Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com O que significa o termo Cordados?

Leia mais

ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA

ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA ORGANOGÊNESE FASE EMBRIONÁRIA ORGANOGÊNESE (organo: organismo e gênese: origem) Importância: embrião. A maior parte do desenvolvimento dos órgãos: (varia com a espécie) Ao final deste período: Principais

Leia mais

CISTICERCOSE SUÍNA REVISÃO DE LITERATURA

CISTICERCOSE SUÍNA REVISÃO DE LITERATURA CISTICERCOSE SUÍNA REVISÃO DE LITERATURA Amanda Sampietro Nogueira 1,Claudia Regina Chemin Borsoi 1, Jaqueline Hortência da Silva Barros 1, Orlando Cândido de Lara Neto 1, Glenda Maris de Barros Tartaglia

Leia mais

Características Gerais Classe Turbellaria Classe Trematoda Classe Cestoda. Platelmintos. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail.

Características Gerais Classe Turbellaria Classe Trematoda Classe Cestoda. Platelmintos. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail. Platelmintos Prof. Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com 2014 1 / 33 Sumário Características Gerais 1 Características Gerais 2 Características garais Sistema Digestório 3 Risco à saúde: esquistossomose

Leia mais

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos

Toxoplasma gondii. Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos Toxoplasma gondii Ciclo de vida e patogênese com foco para imunodeprimidos INTRODUÇÃO O Toxoplasma gondii é um protozoário intracelular obrigatório, para que seu ciclo de vida esteja completo, precisa

Leia mais

CONTRIBUTO DO LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA ANIMAL, NO DIAGNÓSTICO DE ALGUMAS PARASITOSES, NA ÁREA GEOGRÁFICA DA ESAS

CONTRIBUTO DO LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA ANIMAL, NO DIAGNÓSTICO DE ALGUMAS PARASITOSES, NA ÁREA GEOGRÁFICA DA ESAS CONTRIBUTO DO LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA ANIMAL, NO DIAGNÓSTICO DE ALGUMAS PARASITOSES, NA ÁREA GEOGRÁFICA DA ESAS Crespo, M. V. M. & Jorge, A. T. Escola Superior Agrária - Instituto Politécnico de Santarém

Leia mais

6 ª série Ensino Fundamental Ciências Escola Santa Angélica

6 ª série Ensino Fundamental Ciências Escola Santa Angélica 6 ª série Ensino Fundamental Ciências Escola Santa Angélica Unidade I Descobrindo os seres vivos Níveis de organização biológica Unidade I Descobrindo os seres vivos Hereditariedade: passagem dos genes

Leia mais

ATIVIDADE DE BIOLOGIA 2016

ATIVIDADE DE BIOLOGIA 2016 7/9/2016 ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA-IFMA CAMPUS COELHO NETO ASSUNTOS DO 2ºANO: PLATELMINTOS E NEMATÓDEOS ALUNO: ALCIDES WENNER F. BASTOS 1WWWWWDEF PLATELMINTOS

Leia mais

Taenia spp Hymenolepis nana Diphyllobothrium latum

Taenia spp Hymenolepis nana Diphyllobothrium latum Taenia spp Hymenolepis nana Diphyllobothrium latum Taenia spp Reino: Animalia Filo: Plathyhelminthes Classe: Cestoda Família:Taeniidae Gênero:Taenia Espécie: T.solium e T.saginata Taenia sp Doença: teniose

Leia mais

DTA. Profª. Natália Pessoa 24/03/2014

DTA. Profª. Natália Pessoa 24/03/2014 Colaboração: Profª. Fernanda de Alvarenga Martins DTA Profª. Natália Pessoa 1) Assinale a alternativa que corresponde ao microrganismo responsável por uma doença, veiculada por alimentos, causada por uma

Leia mais