UMA PROPOSTA DE REMUNERACAO EFICIENTE PARA O TRANSPORTE DE ENERGIA ELÉTRICA NO MERCADO COMPETITIVO DE GERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PROPOSTA DE REMUNERACAO EFICIENTE PARA O TRANSPORTE DE ENERGIA ELÉTRICA NO MERCADO COMPETITIVO DE GERAÇÃO"

Transcrição

1 UMA PROPOSTA DE REMUNERACAO EFICIENTE PARA O TRANSPORTE DE ENERGIA ELÉTRICA NO MERCADO COMPETITIVO DE GERAÇÃO CARLOS EDUARDO VAREJÃO MARINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ 2007

2 ii UMA PROPOSTA DE REMUNERACAO EFICIENTE PARA O TRANSPORTE DE ENERGIA ELÉTRICA NO MERCADO COMPETITIVO DE GERAÇÃO CARLOS EDUARDO VAREJÃO MARINHO Dissertação apresentada ao Centro de Ciência e Tecnologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Doutor em Ciências: área de Engenharia de Produção. ORIENTADOR: PROF. RENATO DE CAMPOS CO-ORIENTADOR: PROF. GERALDO GALDINO DE PAULA JÚNIOR CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ 2007

3 FICHA CATALOGRÁFICA Preparada pela Biblioteca do CCT / UENF 07/2007 Marinho, Carlos Eduardo Varejão Uma proposta de remuneração eficiente para o transporte de energia elétrica no mercado competitivo de geração. / Carlos Eduardo Varejão Marinho. Campos dos Goytacazes, xix, 154f. : il. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) --Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Centro de Ciência e Tecnologia. Laboratório de Engenharia de Produção. Campos dos Goytacazes, Orientador: Renato de Campos. Co-orientador: Geraldo Galdino de Paula Júnior. Área de concentração: Gerência de Produção. Bibliografia: f Energia elétrica 2. Mercados disputáveis 3. Operador do sistema - teses l. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Centro de Ciência e Tecnologia. Laboratório de Engenharia de Produção II. Título CDD

4 iii UMA PROPOSTA DE REMUNERACAO EFICIENTE PARA O TRANSPORTE DE ENERGIA ELÉTRICA NO MERCADO COMPETITIVO DE GERAÇÃO CARLOS EDUARDO VAREJÃO MARINHO Dissertação apresentada ao Centro de Ciência e Tecnologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Doutor em Ciências: área de Engenharia de Produção. Aprovada em 15 de Fevereiro de 2007 Comissão Examinadora: Prof. Renato de Campos, Doutor, UNESP Prof. Geraldo Galdino de Paula Junior, Doutor, UENF Prof. Rogério Atém de Carvalho, Doutor, CEFET Prof. Carlos Leonardo Ramos Povoa, Doutor, UNESA

5 Deus envie dos céus um raio de luz. Dê-nos Senhor, o dom da Ciência. iv

6 v AGRADECIMENTOS Este trabalho é a conclusão da pesquisa iniciada com a elaboração da dissertação de mestrado. Os meus agradecimentos expressos naquele trabalho complementam os agradecimentos feitos aqui. Não quero ser repetitivo. A Deus. O Seu senso de equilíbrio é a perfeição. Aos meus pais, Juraci e José, irmãos Alexandre e Dulce, avós (Aniceto e Josefa, Vicente e Mirandolina) e todos os entes queridos que não estão mais entre nós. O mundo não acaba com a nossa sublimação e chegada no céu. Aí desfrutamos a verdadeira vida eterna. A minha família, aos meus irmãos e irmãs, sobrinhos e sobrinhas, cunhados e cunhadas, tios e tias, pelo carinho, apoio e consideração. Vocês são ótimos. Bem vinda Amanda Cristina, filha de Andréa e Alexandre. Você já engrandece esse nosso Brasil. Ao meu orientador. Você é objetivo, amigo, sincero, inteligente, íntegro, humilde e com alto senso de justiça e bondade. Você tem muito a oferecer ao Brasil, formando homens dignos desse país. Muito obrigado. Ao meu co-orientador. Eu costumo dizer que o bom gestor é aquele que tem consciência da necessidade do grupo e a atende; porque nisso resulta em contribuição e coesão em torno de um objetivo. Você é esse bom gestor. Muito obrigado. A Banca Examinadora (Professores Rogério Atém de Carvalho, Carlos Leonardo Ramos Póvoa, Geraldo Galdino de Paula Júnior e Renato de Campos). As vossas contribuições e sugestões ajudaram, e muito, para o

7 vi aperfeiçoamento do nosso trabalho. Fico grato por tê-los como membros da banca e pela tranqüilidade e firmeza com que expuseram as suas opiniões. Muito obrigado. Aos funcionários Kátia Rosane Athayde, do LEPROD, Rogério de Castro, da Secretaria Acadêmica de Pós-Graduação, e José Higino, da Biblioteca do CCT. Vocês são éticos, profissionais, colaboradores, inteligentes e amigos e são, acima de tudo, seres humanos dignos. Muito obrigado. Ao Professor, Engenheiro Francisco José Varejão Marinho, da Universidade Federal Fluminense (UFF). Você sabe muita ciência, e como utilizá-la nas engenharias. Sugiro que você faça um melhor aproveitamento desse seu potencial. Fico te devendo pela sua grande contribuição para a realização deste trabalho. Muito obrigado!!!!! A empresa Design Eis Criações Gráficas (Downtown/Barra, Rio de Janeiro). Sem o vosso apoio este trabalho não teria sido concluído. Muito obrigado. Ao Geofísico Frederico Augusto Varejão Marinho: conceito é conceito, e ponto final. O preconceito não é científico. Essa é sua, e fica aqui registrada. Muito obrigado pelo seu apoio. Ao Professor Luis Guillermo, do Laboratório de Matemática da UENF. Você sabe muita matemática. Agradeço pelas suas dicas de como usar essa poderosa ciência nos meus conhecimentos práticos. Ao M. Sc. Antonio José dos Santos Neto. Não era preciso repetir, mas, o seu conhecimento de programação é fantástico. Sucesso na sua nova casa.

8 vii SIMBOLOS E ABREVIATRAS DEM {v} : Conjunto de demandas espacialmente dispersa (distribuidores ou grandes consumidores); DEM : Demanda atendida pelo gerador u. u DEM inc u : Demanda incremental a ser atendida pelo próximo gerador. EPRI : Electric Power Research Institute. f uv : Fluxo de energia elétrica circulante na linha (sentido dominante). max f uv : Capacidade máxima de fluxo de energia elétrica (Wh) permitida na linha. GER {u} : Conjunto de geradores espacialmente dispersos com possibilidades de acoplamento na rede. max g u : Capacidade máxima de produção de potência elétrica (W) do gerador u. KKT: Condições para Optimalidade e Teoria da Dualidade de Karush-Kuhn- Tucker. η: Coeficiente de rendimento da linha (0 < η< 1). MSPOT: variável de acumulação do ganho do operador do sistema. MSPOT / OSIST : Gestão integrada entre as atividades do mercado de energia (spot) e do operador do sistema. OSIST: alocação da energia elétrica nos vértices de demanda (função objetivo) de melhor rendimento, até o gerador em questão. P : Matriz de peso ( P ), e p uv P. π u ; Preço nodal ($) de uma unidade de potência (W), disponibilizada pelo gerador, nos vértices ou nós (pontos de injeção da potência elétrica). π v : Pagamento nodal ($) por uma unidade de fluxo elétrico (Wh) no vértice ou nó (ponto de retirada), pelo consumidor. o π : Rendimento para o fluxo elétrico de um gerador (u), em um vértice de v demanda (v). VER { u, v} : Conjunto de vértices (pontos de injeção e de retirada eletricidade).

9 viii GLOSSÁRIO Agentes: Denominação genérica aplicável a todos os entes participantes do processo de produção, transmissão, distribuição e consumo de energia elétrica. Barra de referência: Barra do sistema onde são compensadas as injeções incrementais de potência no cálculo das tarifas nodais de uso do sistema elétrico. Capacidade térmica: É a grandeza física que determina a variação térmica de um corpo ao receber determinada quantidade de calor. Capital intensiva: custos do capital investidos na transmissão, consideravelmente maiores que os custos operacionais. Contrato bilateral: Documento comercial resultante de acordo entre agentes com o objetivo de estabelecer preços e volumes para comercialização de energia elétrica em períodos de tempo determinados. Corrente alternada: É uma corrente elétrica cuja magnitude e direção da corrente variam ciclicamente Corrente contínua: Corrente cuja polaridade e intensidade são constantes. Despacho de carga: A função de repartição de geração e cargas (demandas). Energia Assegurada: Valor de energia obtido a partir da energia firme e da energia garantida da usina. Irreversibilidade de investimentos: os investimentos em sistemas de transmissão uma vez realizados tornam-se sunk (afundados).

10 ix Qualidade de serviço de uma rede elétrica: Grau de conformidade com cláusulas contratuais entre distribuidores e consumidores, de uma entrega de energia elétrica em período de tempo determinado, ou mais, geralmente, grau de perturbação de uma alimentação de eletricidade. Os elementos para tomar em conta para determinar a qualidade de serviço referem-se: a) ao tempo de não fornecimento programado ou ocasional, e, b) ao respeito de condições de alimentação admissíveis relativas à queda de uma tensão máxima aceitável, ao vazio de tensão e ao nível das harmônicas de uma rede de corrente alternada. As cláusulas contratuais de um fornecimento de eletricidade, e, conseqüentemente, a qualidade de um serviço requerido pode variar consoante a natureza dos aparelhos elétricos alimentados. Malha Elétrica: a malha é qualquer percurso de um circuito que permite, partindo de um nó escolhido arbitrariamente, voltar ao nó de partida sem passar mais de uma vez pelo mesmo nó. Mercado Spot (MSPOT): Constitui-se de transações comerciais, de curto prazo, de compra e venda de energia. Perdas de uma rede: Perda de energia elétrica que ocorrem no transporte e/ou distribuição de energia elétrica. Rede ancilar, residual ou incremental: Constituem-se da capacidade de transmissão destinada a contingências, confiabilidade e segurança. Sentido do fluxo dominante: Sentido do fluxo de potência ativa em um equipamento de transmissão ou de distribuição. Serviço quasi público: a transmissão é quase um serviço público perfeito no sentido econômico, caracterizado pela não exclusividade e não rivalidade. Sistema de distribuição: Sistema destinado à distribuição de energia elétrica no interior de uma região delimitada.

11 x Sistema interligado: Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de propriedade das diversas empresas, regiões ou países, com o uso compartilhado por onde transitam a eletricidade proveniente das diversas fontes e para os diversos destinos, e, sujeitos aos procedimentos de um operador do sistema. Com esse operador assumindo o papel relativo a função logística na alocação da energia gerada, nos diversos pontos de consumo. Sistema de transmissão: Conjunto de linhas e subestações, de um ou mais proprietários, pertencentes a rede básica (linhas com tensão 230 KV). Com o conjunto de linhas representado por condutores, isoladores e acessórios, usados para o transporte ou distribuição da eletricidade. Subestação ou estação: Instalação elétrica na qual por meio de transformadores se realiza a transferência de energia elétrica entre redes a tensões diferentes.

12 xi LISTA DE FIGURAS Figura Reestruturação do Sistema Elétrico 14 Figura Monopólio Verticalmente Integrado 28 Figura Modelo Monopsônio 29 Figura Competição no Atacado 30 Figura Competição plena 31 Figura Esquema da Cadeia de Suprimento de Energia Elétrica 35 Figura Disposição Espacial entre Áreas de Produção e Consumidores de Gás Natural 52 Figure Representação Gráfica do Custo Marginal 74 Figura Correlação Entre os Planejamentos de Expansão e Operação com Custos Marginais 77 Figura Forma Clássica da Curva de Oferta-Demanda 78 Figura Análise Qualitativa da Curva de Oferta-Demanda para o Serviço de Transmissão 80 Figura Exemplo Clássico do Modelo dos Três Nós 86 Figura Fluxo de Energia Elétrica em Caso de Contingências-Critério de Segurança (n 1) 90 Figura Exemplificação de Uma Rede Elétrica Básica 101 Figura Representação de uma Rede Integrada na Forma de Grafo G(Φ, π, P). 128 Figura Demandas Atendidas pelo Fluxo Elétrico Produzido por G Figura Rede Incremental G(f o ). 131 Figura Demandas Atendidas pelo Fluxo Elétrico do Gerador G Figura Configuração da rede elétrica no steady-state 132 Figura Circuito Elétrico Equivalente 133

13 xii LISTA DE TABELAS Tabela Barreiras de Entrada nas Atividades Produtivas Energéticas (Adaptada de CHEVALIER, 1996; apud PISTONESI, 2001) 53 Tabela Despesa Operacional Nodal na compra de energia 129 Tabela Receita de Revenda Ideal da Energia Disponibilizada pelo Gerador G1 129 Tabela Receita Ideal da Energia Disponibilizada pelo Gerador G Tabela Ganho Ideal Líquido do Operador do Sistema 130 Tabela Contribuição de G1 para a Receita Ótima 130 Tabela Contribuição de G2 para a Receita Ótima 132

14 xiii SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT xvii xviii CAPÍTULO 1 1 INTRODUÇÃO Contextualização Conceitos Fundamentais do Sistema Elétrico Conceito de Energia As Fases de Produção de Energia Elétrica Conceito de Transporte O Escopo da Atividade do Operador do Sistema A Organização do Setor de Transporte de Energia Elétrica A Remuneração do Serviço do Transporte de Energia Elétrica e sua Eficiência Econômica A Eficiência Econômica do Monopólio Regulado A Ineficiência da Tarifa no Longo Prazo A Função Social da Energia Elétrica A Harmonização da Produção Elétrica O Operador do Sistema Metodologia para Planejamento do Operador do Sistema Os Princípios que Norteiam o Trabalho Objetivo da Tese Estrutura da Dissertação de Tese 17 CAPÍTULO 2 19 UM PANORAMA DA REESTRUTURAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO Das Transformações Econômicas Dos Fatores Financeiros Da Reestruturação Setorial A Viabilidade da Competição para o Setor Elétrico Dos Princípios Constitucionais sobre Setores Econômicos A Desverticalizacao do Setor Elétrico Dos Modelos Operacionais Para o Setor Elétrico O Modelo Verticalmente Integrado O Modelo Monopsônio Competição no Atacado Modelo de Competição Plena (Pool Models) Das Funções Básicas do Sistema Elétrico A Função Transmissão A Função Distribuição 34

15 xiv A Função Suprimento A Função Comercialização Contratos no Mercado de Energia Elétrica Evolução da Gestão no Setor Elétrico Considerações Finais sobre a Reestruturação do Setor Elétrico 38 CAPÍTULO 3 40 BARREIRAS E TEORIA DOS MERCADOS DISPUTÁVEIS NO MERCADO ENERGÉTICO A Competição Perfeita e o Monopólio A Ação Regulatória A Mudança de Paradigma Econômico A Teoria dos Mercados Disputáveis (TMD) A Disputabilidade no Mercado Energético Nos Mercados de Petróleo, Serviços e Derivados No Mercado Elétrico Etapa de geração A transmissão e a distribuição A Disputabilidade na Cadeia Produtiva do Gás Natural Barreiras à Entrada nas Indústrias Energéticas As Novas Tecnológicas em Desenvolvimento para o Setor Elétrico Considerações Sobre o Capítulo 58 CAPÍTULO 4 60 CARACTERÍSTICAS DOS SERVICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução: Custos de Produção A Cadeia Produtiva Elétrica A Atividade de Transporte de Energia Elétrica Conceitos Preliminares A Função Transmissão Livre Acesso ao Serviço de Transmissão O serviço de transmissão O produto energia elétrica O conceito de livre acesso Os Serviços Associados ao Transporte de Energia Elétrica Funções de Custos Economias de Escala, de Alcance e o Monopólio Natural Custos e Termos Econômicos Associados aos Serviços do Transporte de Energia Elétrica Custos Fixos e Variáveis Custo Unitário e Custo Médio Custos Marginais de Curto e Longo Termo Planejamento do Setor Elétrico Planejamento do Sistema Elétrico 75

16 xv O planejamento Operacional Considerações sobre o uso da Curva Oferta-Demanda no Sistema de Transmissão No Mercado Livre Dentro do Ambiente Regulado Considerações sobre o capítulo 82 CAPÍTULO 5 84 ANÁLISE DA EFICIÊNCIA MICROECONÔMICA DOS AGENTES DO SETOR ELÉTRICO DESVERTICALIZADO Contextualização da Segmentação do Sistema Elétrico Uma Análise Operacional Básica do Sistema Elétrico A Indústria Verticalmente Integrada, A Eficiência de Curto Prazo e o Paradigma de Otimização Representação matemática do modelo primal do Problema do Fluxo Ótimo (PFO) Análise econômica do PFO As Proposições que Ensejaram a Desverticalização do Setor Elétrico Proposição Proposição Proposição Proposição Proposição Considerações Sobre o Capítulo 98 CAPÍTULO OTIMIZAÇÃO DA REMUNERAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO NO MERCADO COMPETITIVO DE GERAÇÃO A Proposta: A Eficiência Técnica Atribuições do Operador do Sistema O Sistema Elétrico Ideal A Rede Elétrica com Restrições A Ineficácia Operacional do Mercado Spot de Energia Elétrica A Gestão do Operador do Sistema Atividades Básicas de um Operador do Sistema Elétrico Metodologia Operacional para a Função do Operador do Sistema Modelo de Gestão do Operador do Sistema Análise Operacional e Econômica do Modelo de Gestão do Operador do Sistema O Despacho Ideal ou de Barra Única O Surplus O Redespacho O Despacho Ótimo 109

17 xvi 6.6. Aspectos Metodológicos de Planejamento das Atividades do Operador do Sistema Uma Metodologia para Tratar a Otimização do Setor Elétrico Condições Físicas para a Eficiência do Sistema Representação Clássica do Problema do Transporte Elétrico Relacionando a Rede Elétrica à Teoria de Redes Considerações sobre a Teoria de Redes Transformando Linhas não Direcionadas em Linhas Direcionadas Restrições de Capacidade Térmica Redes ancilares ou incrementais Transformando fluxos com limites térmicos em fluxos não negativos O Ganho Monetário do Operador do Sistema A Proposição de Um Novo Modelo para o Fluxo Elétrico A Proposição de Fluxo de Energia Elétrica A Gestão do Operador do Sistema Modelagem da Gestão Integrada das Atividades do Operador do Sistema e do Mercado Spot de Energia Elétrica O Método Heurístico A Implementação Computacional Uma Aplicação do Método Circuito Elétrico Equivalente Considerações Finais 133 CAPÍTULO CONCLUSÃO 136 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 141 ANEXO A 150 A LINEARIZAÇÃO DA POTÊNCIA ELÉTRICA 150 ANEXO B 153 AS LEIS DE KIRCHHOFF 153

18 xvii RESUMO MARINHO, CARLOS EDUARDO VAREJÃO. Uma proposta de remuneração eficiente para o transporte de energia elétrica no mercado competitivo de geração Dissertação (Doutorado em Ciências: área de Engenharia de Produção) Programas de pós-graduação em Engenharia de Produção. UENF, Campos dos Goytacazes. A reestruturação do setor elétrico teve, entre outros fatores, no fator tecnológico o grande facilitador para a introdução da competitividade na indústria de geração elétrica, com a transmissão e a distribuição constituídas na forma de monopólios (regulados). Duas atividades foram criadas para operacionalizar o novo mercado de energia elétrica, o mercado spot com a missão de internalizar o preço da energia elétrica colocada no mercado e o operador do sistema com a finalidade de gerenciar os fluxos elétricos. No entanto, a incompatibilidade tecnológica entre o mercado competitivo de geração elétrica e o monopólio da transmissão torna ineficiente a dinâmica operacional entre essas atividades. Em decorrência da tecnologia da transmissão concentrar no congestionamento o despacho ótimo, não levando em consideração a topologia da rede. Com o modelo bloqueando a energia elétrica, por ventura, mais barata, e, dando poder de mercado aos geradores mais caros, por estarem mais próximos dos consumidores. Diante dessa incompatibilidade, este trabalho propõe a substituição do modelo do fluxo elétrico atual, por um modelo que permita o seu gerenciamento; torne eficaz a dinâmica do mercado spot, e, possibilite ao operador do sistema delinear o fluxo elétrico do gerador escolhido pelo caminho de melhor rendimento.

19 xviii ABSTRACT MARINHO, CARLOS EDUARDO VAREJAO. A proposal to efficient gain for the transmission electricity service in the generation competitive market Dissertation (Doctor s degree in Production Engineering) Graduate program in Industrial Engineering. UENF, Campos dos Goytacazes. The reorganization of the electric sector had in the technological factor great aid for the introduction of the competitiveness in the industry of electric generation, with the transmission and the distribution constituted in the form of monopolies (regulated). Two activities had been created to operate the new market of electric energy; the spot market with the mission itself the price of the electric energy and the system operator with the purpose to manage the electric flows. However, the technological inconvenience between the competitive electric market and the monopoly of transmission, becomes inefficient these activities. The optimal dispatch concentrated in the congestion, not considering the topology of the net, makes that the usual flow model blocking the electric energy for happiness cheaper and to be able of market to the generators most expensive. Ahead of this inconvenience this work to present a substitute of the usual flow model for another model that allows its management and becomes efficient the dynamics of the spot market and makes possible the operator system to map the electric flow of the chosen generator, for the way of the better income.

20 É preciso saber aceitar nossos limites para podermos ir longe. Barte CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1. Contextualização A reestruturação do setor elétrico, iniciada em meados da década de 1980, decorreu de fatores políticos, econômicos e tecnológicos e a questão regulatória, no aspecto político, tornou-se o assunto principal naquelas regiões onde o monopólio esteve explorado diretamente pelo Estado. No aspecto econômico a tônica foi a eficiência privada na gestão dos recursos de produção, enquanto, no tecnológico foi a descentralização operacional propiciadas pelas novas tecnologias. Um outro aspecto não sujeito a defesa, ou a contestação, tem o intuito de citar o contraditório da reestruturação do setor elétrico, na corrente do pensamento da energia elétrica, considerada a sua essencialidade, tratar determinadas fases da sua configuração como atividades privadas, portanto, desintegradas da finalidade coletiva. Essa corrente de pensamento, segundo Maria J. C. P. Rolim (ROLIM, 2002; apud SAUER, 2004), entende que a noção de segmentação da atividade ainda que provável e desejável em alguns aspectos sob o ponto de vista societário e estrutural do mercado, por si só, não a descaracteriza, de acordo com o conceito de energia elétrica por ela sustentado, de fenômeno físico com repercussão econômica realizado através da função elétrica em um organismo elétrico. A título de exemplo, Rolim (op. cit.) focaliza a impossibilidade de que se cumpra o fornecimento ao consumidor cativo, a distribuição, serviço público essencial, sem a correspondente geração. Portanto, para Rolim, as etapas essenciais da produção, aqui visto em sentido amplo, envolve o ciclo econômico da atividade de geração, transmissão,

21 2 distribuição e comercialização, não podendo ser vistas de formas isoladas. A obrigação do Estado, conforme competência Constitucional, se dá sobre a atividade globalmente concedida. No ponto de vista de Caldas (2006), a energia é entendida como coisa móvel, produzida nas usinas e consumidas pelos usuários. Esta é basicamente a idéia que está na desverticalização do setor elétrico, segundo a qual a energia elétrica é vista como uma commodity oferecida num mercado competitivo, com a transmissão e a distribuição oferecidas na forma de serviços públicos com características de monopólio natural. Entretanto, Caldas (op. cit.) afirma sobre a necessidade de se ter cautela, pois, em essência, a energia não pode ser separada, ou melhor, não existiria sem esses meios físicos que lhe dão sustentação e que constituem um sistema integrado. A onda de reestruturação de setores econômicos foi iniciada na Inglaterra nos anos 80. O sucesso do modelo britânico incentivou governos do mundo inteiro a promover a liberalização dos mercados que, até então, eram organizados sob a forma de monopólios estatais ou regulados. A desverticalização do setor elétrico, como ficou conhecida na literatura especializada o projeto de reestruturação, implicou numa nova organização para o setor com o objetivo de garantir a eficiência na alocação dos recursos de produção e na eficácia das ações com repercussão de ganhos sociais. A eficiência econômica foi facilitada pela introdução da competitividade na indústria de geração de energia elétrica, propiciada pela geração a gás, com ciclo combinado, e o surgimento do mercado spot. Com o sistema de transmissão e a distribuição da energia constituindo-se na forma de monopólios naturais (regulados). O estado da arte do setor elétrico apresenta o recondicionamento e as vantagens da geração distribuída (ou a desconcentração da produção elétrica), como uma forma de mitigar os impactos ambientais causados pela transmissão

22 3 (GOMES et al., 1999). Sendo o recondicionamento entendido, aqui, como uma reanálise dos projetos existentes implementados nas décadas passadas sob condições rudimentares de cálculos e altos coeficientes de segurança. Uma inovação desponta como paradigma de comercialização da energia elétrica. Na visão de Blum (1999), a separação do serviço de transporte da energia, da energia propriamente dita, transformará essa energia em uma mercadoria que só é consumida na sua entrega, e pelo qual se paga um determinado preço por essa entrega. Para Blum (op. cit.) esse será o primeiro passo para o consumidor, no futuro, ter a opção de escolher o fornecedor da energia que quer consumir. Mas como esse mesmo autor reconhece, chegar a esse estágio exigirá grandes avanços tecnológicos. Contudo, duas atividades operacionais surgiram com funções complementares: o operador do sistema (OS), com a missão realizar o transporte intra-regional da energia comercializada no mercado elétrico, e o mercado spot com a missão de consolidar a competitividade entre geradores. Uma inconveniência entre essas duas funções foi apresentada por Kristiansen (2003) e já, anteriormente, relatada pelo Comitê de Revitalização do Modelo do Setor Elétrico no Relatório de Progresso no. 2, Documento M. Congestionamento de Transmissão, emitido no mês de janeiro de 2002, como decorrência das Leis de Kirchhoff. De acordo com esses trabalhos, essas leis bloqueiam a energia mais barata e dão poder de mercado aos geradores mais caros, por estarem próximos ao consumidor. Portanto, percebe-se nessa complementariedade de funções entre o mercado spot e o operador do sistema uma necessidade de aperfeiçoamento tecnológico capaz de permitir a integração das informações geridas nesse mercado com as ações do operador do sistema. E, que essa integração venha consolidar a competição entre geradores e a eficiência econômica para esse operador. O aperfeiçoamento operacional entre estas duas atividades básicas, para o setor elétrico, é o que se busca neste trabalho.

23 4 A motivação para a realização deste trabalho está atrelada ao tema ser atual. E, embora exista uma diversidade de modelos de gestão propostos para o sistema elétrico reestruturado, ainda não se tem uma preferência por um modelo operacional especifico, para o setor, como afirmam Boucher e Smeers (2001), em decorrência do pouco espaço de tempo operacional dos modelos propostos para o setor. Para que se possa ter uma opinião sobre aquele modelo operacional que melhor se enquadre no paradigma do setor elétrico segmentado. Os modelos em questão foram os apresentados por Hunt e Shunteworth (HUNT e SHUNTEWORTH, 1996; apud SAUER, 2003) e organizam os diversos mercados de energia elétrica, no mundo. Nos itens seguintes é apresentado um panorama dos assuntos abordados na tese, onde se busca fornecer uma visão geral do projeto; até a apresentação da proposta do modelo de gerenciamento para o fluxo elétrico que permite o aperfeiçoamento das relações entre o mercado spot de energia elétrica e o operador do sistema, com esse aperfeiçoamento repercutindo em ganho econômico para o operador do sistema Conceitos Fundamentais do Sistema Elétrico Conceito de Energia A energia, dentro da física, é reconhecida pelas suas diversas formas: calorífica, cinética, elétrica, eletromagnética, mecânica, potencial, química. São transformáveis umas nas outras, e cada uma capaz de provocar fenômenos bem determinados e característicos (CENCIG, 2001). Em todas as transformações de energia há uma completa conservação dela, isto é, a energia não pode ser criada, mas, apenas, transformada (primeiro princípio da termodinâmica). Ela é propriedade de um sistema que lhe permite realizar trabalho, ou seja, pode-se obter alguma utilidade dela. Para Cencig (op. cit.), o importante é compreender que se trata de formas de energia, em suas diversas manifestações, e que se transformam umas nas outras, isto é, o que há são

24 5 fluxos de energia. Desse modo, no fenômeno de geração de eletricidade a partir de um rio, a turbina colocada no caminho da água realiza a transformação do seu movimento, a energia cinética, em energia elétrica. Em uma central termoelétrica a gás é realizada a transformação da energia química das moléculas que constituem o gás natural primeiro, em energia mecânica, e, depois, em energia elétrica. Nos exemplos citados acima são identificadas as diversas partes do processo. Por um lado, as fontes de energia: a água do rio, o gás natural, a gasolina, o álcool, o carvão vegetal, a lenha; e, por outro lado, a máquina na qual se processa a transformação de uma forma de energia em outra: a turbina, a caldeira, e outros. Finalmente, a utilização que se faz (consumo de energia) para ter o produto que se deseja. Ao se analisar as fontes, são observadas que algumas fontes são primárias, no sentido que são providas pela natureza na sua forma direta; e, são utilizadas diretamente ou dão lugar a uma outra forma, que é a que será utilizada. Assim, são fontes primárias de energia, o petróleo, o gás natural, o carvão mineral, a lenha (biomassa em geral), o urânio, a água (energia hidráulica), o sol, o vento, etc. São secundárias: a eletricidade, a gasolina, o carvão vegetal, o álcool, etc As Fases de Produção de Energia Elétrica Na produção de energia elétrica são identificadas as seguintes fases: i) A fase de produção ou geração; ii) A fase de transporte, e iii) A fase de distribuição ou utilização final. Afirma Cencig (2001) que essas fases devem estar em sintonia para que

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

ESD 126 ESD 126 Mercados Econômicos de Energia

ESD 126 ESD 126 Mercados Econômicos de Energia Mercados Econômicos de Energia Características da Demanda Elétrica Demanda de Eletricidade em Hokkaido 5 de março de 2001 Cortesia da Hokkaido Electric Power Co., Inc.: Utilização permitida Dois Dias em

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

O transporte ferroviário de carga no Brasil: Estudo de caso do transporte de combustíveis na Região Sul

O transporte ferroviário de carga no Brasil: Estudo de caso do transporte de combustíveis na Região Sul Claudia Dumit O transporte ferroviário de carga no Brasil: Estudo de caso do transporte de combustíveis na Região Sul Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado No sistema elétrico brasileiro, assim como em outros países, como Chile, Argentina e Bolívia, a produção de energia de cada usina (termelétrica,

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre Luiz Barroso luiz@psr-inc.com 7º Encontro Anual do Mercado Livre, Novembro de 2015 1 Temário Contexto e propostas Solucionando o passado: Passivos

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

SP COGEN Master Plan 2020

SP COGEN Master Plan 2020 SP COGEN Master Plan 2020 São Paulo 01de Agosto de 2013 1 Introdução Motivação Expansão imobiliária Restrições pontuais nas redes de distribuição em áreas de grande mutação urbana Interesse crescente na

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA LATINA Norberto Medeiros dxcb-cme,brasil Agosto / 2002 Para discutir os recursos energéticos e a integração

Leia mais

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL Publicação da Área de Negócios de Gás & Energia da Petrobras ÍNDICE Capítulo 01 Panorama da indústria gasífera

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS

TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS TECNOLOGIA APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS Maria de Fátima de Lima Graduada em Química Industrial e pós-graduada em Engenharia Sanitária e Ambiental - CESAN A questão ambiental tem sido muito discutida,

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis ERSE, 4/3/11 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Simona Marcu Sumário Comportamento dos preços spot com o aumento da participação

Leia mais

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 O desenvolvimento do setor elétrico é essencial para promover crescimento do Brasil. Entretanto, a conjuntura atual do setor

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

A Nova Estrutura da Indústria de Energia Elétrica Brasileira: Considerações sobre Competição e Contestabilidade

A Nova Estrutura da Indústria de Energia Elétrica Brasileira: Considerações sobre Competição e Contestabilidade 1 A Nova Estrutura da Indústria de Energia Elétrica Brasileira: Considerações sobre Competição e Contestabilidade Artigo Publicado na Revista Atualidade Econômica nº 34, ano 11. Departamento de Economia

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Política de Eficiência Energética

Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética março 2010 Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética 5 I. O público-alvo O Público-alvo ao qual se destina esta Política de Eficiência Energética

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Eduardo Tinoco Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural Agência Nacional do Petróleo Constituição Federal Art. 177, Inciso III: a importação

Leia mais

Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos. Fábio Zaffalon

Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos. Fábio Zaffalon Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos Fábio Zaffalon 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 Sumário Executivo Para muitos dos nossos clientes, grandes projetos de

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais