Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)"

Transcrição

1 Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas na década de 1990, tiveram como objetivo central a construção de um modelo com a participação e hegemonia de agentes econômicos privados. Este modelo de privatização pretendia colocar sob a responsabilidade de empresas e grupos privados as decisões de planejamento e investimento. A crise de oferta de 2001 mostrou que os pressupostos básicos deste novo modelo eram incapazes de garantir a expansão do Sistema Interligado Nacional (SIN) de forma consistente e equilibrada. Estudos indicaram que a falha central foi a diminuição drástica da participação dos agentes públicos setoriais, restringindo a atuação do Estado a uma função reguladora. No entanto, a utilização de leilões como instrumento de política setorial para ampliar a capacidade instalada mostrou-se extremante eficiente e passou a ser um dos pilares do processo de reestruturação do SEB, definido como modelo de parceria estratégica pública privada (PEPP), iniciado em O objetivo deste artigo é analisar as características, especificidades e resultados dos leilões realizados no segmento produtivo das instalações de transmissão e o seu papel no modelo PEPP. O modelo de privatização concebido a partir dos anos 90 como forma de superar a crise econômico-financeira das empresas públicas tinha como um de seus objetivos a criação de um mercado de energia elétrica competitivo, no qual o equilíbrio entre oferta e demanda de toda a cadeia produtiva geração, transmissão e distribuição seria obtida através de leilões. Como o pressuposto fundamental do novo modelo era a privatização dos ativos públicos, foram definidas estratégias de curto e médio prazo. No curto prazo foram privatizados os ativos do segmento mais rentável as empresas de distribuição garantindo ao governo federal a obtenção de ágios elevados que ajudaram a redução das contas públicas e a obtenção de divisas para minimizar o déficit crônico no Balanço de Pagamentos. A privatização dos ativos de geração e sistemas de transmissão, compostos por linhas e subestações, dependia da liberalização do segmento de distribuição, na qual prevalece uma estrutura de mercado monopolista. Além disto, destacam-se dois fatores limitadores. O primeiro era que a privatização das empresas geradoras envolvia valores monetários significativamente maiores, correndo-se o risco de faltarem interessados, em especial frente às instabilidades conjunturais no mercado financeiro internacional. O segundo fator era a necessidade de desverticalizar as empresas nos seus segmentos de geração e transmissão. O processo de desverticalização envolvia variáveis de amplo espectro - jurídico, econômico-financeiro, interesses políticos regionais, pressão do corpo técnico, etc. todos indicando que o processo não se resolveria no curto prazo, como se pode observar até hoje. Como resultado destas limitações, o governo optou pela privatização marginal, e não pela privatização total. Desta forma, o governo colocou em leilão unidades de operação, ou seja, usinas e, principalmente, lotes de subestações e linhas de transmissão. A análise, a ser desenvolvida a seguir, será centrada nos leilões de empreendimentos de transmissão, pois foi neste segmento que o 1

2 instrumento do leilão mostrou-se mais eficiente na ampliação da capacidade instalada em concomitância com a formação de um mercado mais competitivo. O modelo brasileiro de licitação para a contratação das concessões para a prestação do serviço público de transmissão de energia elétrica, incluindo a construção, a operação e a manutenção de novas linhas de transmissão e subestações ou ampliações das existentes, através de leilão de linhas de transmissão (LLT), foi iniciado em O objetivo era ampliar a Rede Básica do SIN, dentro da premissa de privatização. Pretendia-se assim evitar possíveis gargalos na transmissão de energia das unidades geradoras para os centros de consumo e nas interligações de subsistemas. A mecânica do leilão é a seguinte. A ANEEL com base em estudos formulados pelo ONS - Operador Nacional do Sistema define o novo empreendimento de transmissão necessário para a ampliação da Rede Básica e o um valor anual - Receita Anual Permitida (RAP) - a ser pago para o vencedor do leilão, durante o prazo de concessão de trinta anos, incidindo sobre este valor um índice anual de correção monetária. Assim, para cada novo trecho é realizado um leilão. As empresas interessadas em participar do leilão qualificam-se previamente na ANEEL, determinando se pretendem participar de forma isolada ou através de consórcio. No caso de consórcio será formada necessariamente uma SPE Sociedade de Propósito Específico-, uma das formas legais de constituição de uma sociedade comercial. (SPC - Special Purpose Company) estabelecendo qual a participação de cada agente na sociedade. Como o novo modelo tinha por premissa básica a privatização total do SEB, foram impostos critérios para evitar a predominância de empresas públicas nas novas instalações de transmissão. O acesso às linhas de financiamento ofertadas pelo BNDES, só é dado às empresas privadas atuando isoladamente ou em consórcios com controle superior a 51%. Como a economia brasileira apresenta deficiência estrutural no mercado de capitais para financiamento de longo prazo, o custo do capital é muito alto. Assim, o acesso ao BNDES determina uma vantagem relativa expressiva na definição dos custos do investimento. Desta forma, as empresas privadas nacionais ou estrangeiras participam dos LLT com uma vantagem comparativa frente às empresas públicas, construtoras e detentoras das linhas e subestações construídas no país até Estas regras valiam também para os leilões de usinas geradoras novas. A única e crucial diferença era que ganhava o leilão de energia nova quem pagasse mais pela concessão, enquanto no LLT vence quem oferta maior desconto (deságio) sobre o valor definido para a RAP. A explicação desta diferença é que o governo utilizou os leilões de geração (e distribuição) para obter recursos para aumentar o superávit primário e ingresso de divisas. O problema é que este objetivo mais macroeconômico do que setorial, derivava uma tendência à aceleração do crescimento futuro das tarifas, provocando impactos macroeconômicos no médio e longo prazo. Entre 1999 e 2005 foram realizados 11 LLT, conforme dados apresentados na Tabela n.º 1. Foram ofertado 101 trechos resultando na construção de 16,5 mil km de LT, num total de R$ milhões de Receita Anual Permitida, envolvendo 168 participações de 9 empresas estatais, 28 privadas nacionais e 9 estrangeiras (sendo 6 da Espanha). 2

3 Tabela n.º 1 Brasil - Empresas Participantes dos Leilões de Empreendimentos de Transmissão por Tipo de Propriedade: (em número absoluto) Ano do Leilão Empresas Estrangeiras Nacionais Públicas Total Total Fonte: Elaboração do GESEL - IE UFRJ com base em dados da ANEEL Os resultados indicam que esses leilões conseguiram ampliar a capacidade instalada e atrair novas empresas e grupos nacionais e estrangeiros para o SEB. Os resultados do leilão de 2002, ano que ainda sofria os impactos da crise de oferta, dão uma clara dimensão da consolidação dos leilões como instrumento de ampliação da capacidade instalada. E principalmente como elemento determinante para a reestruturação do SEB, pós 2003, que irá ter como premissa as parcerias estratégicas entre agentes públicos e privados. Com a crescente participação das empresas estrangeiras e o conseqüente aumento na competitividade nos leilões, tornou-se fundamental para as empresas nacionais privadas a formação de consórcios via SPE - para a disputa de lotes nos LLT. Neste sentido, foi importante o papel das empresas estatais Chesf, Eletronorte, Eletrosul e Furnas. Essas empresas públicas, por possuírem experiência técnica e operacional com ativos de Transmissão, garantem maior credibilidade e menor risco aos consórcios, possibilitando redução dos custos do financiamento, alavancagem de recursos de terceiros e aplicação de recursos próprios. Por exemplo, empresas de engenharia, como a Schahin e Alusa, formaram inúmeros consórcios com as empresas estatais, estabelecendo-se uma divisão de trabalho elas ficaram responsáveis pela construção das linhas e a partir da entrada em operação comercial, as empresas estatais ficam com a operação e manutenção das instalações. Neste sentido, os LLT, têm demonstrado sua eficiência e tem se mostrado instrumento estratégico das PEPP. Na Tabela n.º 2, observa-se que dos 27 consórcios que venceram os LLT, 10 foram formadas por parceria entre empresas nacionais privadas e empresas públicas, envolvendo 14 associações de empresas públicas e 24 de empresas nacionais privadas. 3

4 Tabela n.º 2 Brasil - Leilão de Empreendimentos de Transmissão: Composição dos Consórcios Vencedores por Tipo de Propriedade (em número absoluto) Composição do Consórcio por tipo de Empresa Consórcios N. º de N. º de Empresas Consórcios Estatais Nacionais Estrangeiras Estatal + Nacional + Estrangeira Estatal + Nacional Estatal + Estrangeira Só Estatal Nacional + Estrangeira Só Nacional Só Estrangeira Sub-Total Empresas Isoladas Estrangeira Nacional Estatal Total Fonte: Aneel, elaboração do GESEL - IE - UFRJ Obs: O número de empresas é cumulativo para mostrar quantas vezes uma empresa participou de um consórcio Em termos de extensão das LT por propriedade do capital, levando-se em conta a atuação das empresas isoladas e a participação percentual nos consórcios, as empresas estrangeiras e nacionais privadas praticamente empatam, com km e km de LT, respectivamente. Para as empresas nacionais 6,3 mil km foram arrematados por consórcio, enquanto somente 2,1 mil km por consórcio de empresas estrangeiras. As empresas públicas ficaram com km (1,7 mil km por consórcio). No entanto, a participação das empresas públicas tem importância estratégica na medida em que, via os LLT, elas viabilizam uma maior participação das empresas nacionais na reestruturação do SEB. Desta forma, os LLT vêm possibilitando a expansão da Rede Básica de Transmissão, ampliando o grau de segurança e confiabilidade do SIN. Este instrumento permitiu também a consolidação de um padrão de financiamento que canaliza recursos de diferentes fontes, tendo como base as linhas de financiamento ofertadas pelo BNDES. A contratação de longo prazo, via RAP, dá mais segurança e menor risco para os investimentos em Transmissão e também na ampliação da capacidade geradora, já que foram os LLT que, em função dos resultados positivos obtidos, serviram de modelo para todo o SEB. Desta forma, o uso dos leilões, está possibilitando que a reestruturação do SEB avance minimizando os riscos e tendendo à auto-sustentação. 4

5 (*) Artigo publicado na Revista GTD, nº 15, agosto de (**) Professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do GESEL Grupo de Estudos do Setor Elétrico < > (***) Pesquisador do GESEL Grupo de Estudos do Setor Elétrico Instituto de Economia da UFRJ 5

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL UFRJ Lisboa 4 de Março de 2011 Sumário Cenário macroeconômico da América

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

O Estado de S. Paulo Online 14/02/2016 Transmissão de energia vive crise de investimento

O Estado de S. Paulo Online 14/02/2016 Transmissão de energia vive crise de investimento O Estado de S. Paulo Online 14/02/2016 Transmissão de energia vive crise de investimento http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,transmissao-de-energia-vive-crise-de-investimento,10000016214 Exemplo

Leia mais

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Interligação Tucuruí Macapá Manaus: integração da Amazônia ao SIN A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Objetivos do modelo do Setor Elétrico Segurança no Modicidade

Leia mais

Números e curiosidades

Números e curiosidades Números e curiosidades - O leilão 004/2008 é o maior leilão realizado pela Aneel desde 98, com uma extensão total de quase 3 mil quilômetros de novas linhas. É o equivalente a metade da extensão do Rio

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

Planejamento Integrado no Setor elétrico

Planejamento Integrado no Setor elétrico 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DEINFRA ENERGIA FIESP Planejamento Integrado no Setor elétrico Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL 12 de março de 2012 Sumário I. Planejamento no setor elétrico. II. Fontes

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 1 Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Aula 1: Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Prof. Fabiano F. Andrade 2011 Tópicos da Aula Histórico do Ambiente Regulatório

Leia mais

3 Privatização dos Aeroportos

3 Privatização dos Aeroportos 27 3 Privatização dos Aeroportos Este capítulo discorre sobre a experiência internacional com a privatização dos aeroportos, a eficiência entre as diversas formas de capital e a estrutura escolhida pelo

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar

Leia mais

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Outubro de 2013 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições

Leia mais

UMA ANÁLISE DE INVESTIMENTO NA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

UMA ANÁLISE DE INVESTIMENTO NA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL UMA ANÁLISE DE INVESTIMENTO NA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paulo Roberto Volpato (UNESP) paulorv@feb.unesp.br Renato de Campos (UNESP) rcampos@feb.unesp.br O segmento de transmissão sofreu

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DE EMPRESAS PRIVADAS, ESTATAIS, EMPREENDEDORES E INVESTIDORES PARA FORMAÇÃO DE PARCERIAS 1. OBJETO Constitui

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Artigo LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Gabriel Nasser Doyle de Doile Rodrigo Limp Nascimento 58 RESUMO Para integrar o sistema elétrico das regiões de Manaus, Macapá e municípios situados

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

Capítulo: 1 Modelo Institucional do Setor Elétrico Brasileiro

Capítulo: 1 Modelo Institucional do Setor Elétrico Brasileiro Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Capítulo: 1 Modelo Institucional do Setor Elétrico Brasileiro Prof.: Clodomiro Unsihuay-Vila PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO

Leia mais

Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008

Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008 Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008 Empresas do Brasil e da Espanha estão aptas a participarem do leilão de concessões de instalações de transmissão

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Energia Solar. Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015

Energia Solar. Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015 Energia Solar Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015 A Apine Perfil dos sócios geradores privados e concessionárias de geração PCHs e UHEs de médio e grande porte UTEs a biomassa, gás, carvão mineral

Leia mais

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira Professor Adilson de Oliveira Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro/Brasil Por que Reformar? Depois de um longo período de expansão (1945-1985),

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Eletrosul Centrais Elétricas S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Minuta de Edital do Leilão de

Leia mais

Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos

Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos 30/8/2005 Brasília - DF JANDIR AMORIM NASCIMENTO Superintendente de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição

Leia mais

Vilson D. Christofari pág. 1 out//2011

Vilson D. Christofari pág. 1 out//2011 Vilson D. Christofari pág. 1 CURRICULUM VITAE. VILSON DANIEL CHRISTOFARI I. FORMAÇÃO ACADÊMICA GRADUAÇÃO: Engenheiro Eletricista, formado pela Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

DA INSERÇÃO REGIONAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL UM CASE DE SUCESSO

DA INSERÇÃO REGIONAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL UM CASE DE SUCESSO DA INSERÇÃO REGIONAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL UM CASE DE SUCESSO A GENESE DA INSERÇÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS A GENESE DA INSERÇÃO REGIONAL DE EMPRENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS DÉCADA DE

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO RELATÓRIO DE CONJUNTURA: FINANCIAMENTO Março de 2008 Nivalde J. de Castro Felipe Botelho Tavares PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES ECONÔMICAS FINANCEIRAS DO SETOR ELÉTRICO Índice 1 FINANCIAMENTO DE EMPRESAS

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos SEPEF 2015

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos SEPEF 2015 Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos SEPEF 2015 1 O que foi a MP579 11 de setembro de 2012 O dia que fez o setor parar Para entender a razão da MP 579 ter sido

Leia mais

Auditoria Interna. no processo SPE

Auditoria Interna. no processo SPE no processo SPE 11.08.2015 Objetivo da no processo SPE O Trabalho da tem o objetivo de agregar valor aos negócios da Companhia, buscando fortalecer os seus controles e suas atividades. Devido a importância

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média

O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média O volume de água nos reservatórios do sistema Sudeste/Centro-Oeste terá de dobrar até abril para livrar o Brasil de um novo racionamento

Leia mais

Os Investidores Privados em Energia Elétrica e a Financiabilidade do Setor

Os Investidores Privados em Energia Elétrica e a Financiabilidade do Setor X Simpósio Jurídico-Tributário ABCE Painel Reflexos nos contratos de financiamento Os Investidores Privados em Energia Elétrica e a Financiabilidade do Setor Claudio J. D. Sales 23 de Setembro de 2004

Leia mais

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011 Audiência Pública no Senado Federal Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de Usinas Hidrelétricas Brasília, 06 de julho de 2011 A ABRAGE Associação civil sem fins lucrativos; Instituída

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS EIXO TECNOLÓGICO GOIÂNIA -ANÁPOLIS CONCEITO Projeto de Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Tecnológico Indução de Estruturação do Espaço Regional Conceito CONCEITUAÇÃO DA PROPOSTA CONCEITO 1 -PROJETO

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO 4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Graves problemas apresentam-se no novo modelo setorial de energia elétrica brasileiro, ainda inconcluso. Diversas questões extremamente complexas adiadas

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Maurício de Abreu Soares Diretor Executivo da ABRAGE Porto Alegre

Leia mais

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS. Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL. Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS. Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL. Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72 Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72 Assunto: Critérios e procedimentos para cálculo do custo de capital a ser utilizado na definição da receita teto

Leia mais

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP Outubro 2015 QUEM SOMOS E NOSSA EXPERIÊNCIA 9º maior escritório do Brasil Estamos entre os três melhores escritórios brasileiros na área de direito público,

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013

Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Ciclo de debates sobre Energia e Desenvolvimento Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal 01/04/2013 Agenda I - COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA - CI Agenda CI 2013/2014 - Investimento

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Chaves

Prof. Dr. Francisco Chaves GESTÃO DE PROJETOS - 1 Escola de Engenharia de Lorena (Depto. Engenharia Química) Prof. Dr. Francisco Chaves chaves@dequi.eel.usp.br Características do Mundo Empresarial Velocidade das mudanças: Impacto

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/96 N 1 O Risco de Déficit de Energia Elétrica no Brasil O setor elétrico brasileiro, que se constituiu no passado em importante vetor

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Demanda 2015: 476 mil passageiros/dia

Demanda 2015: 476 mil passageiros/dia 21/06/2012 Demanda 2015: 476 mil passageiros/dia Campo da Pólvora Lapa Brotas Acesso Norte Pituaçu Detran PernambuésImbuíCAB Bonocô Rodoviária Juá Retiro Pirajá Flamboyant Lauro de Freitas Bairro da Paz

Leia mais

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 -

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 - Parceria P ú blico-privada PPP Novembro/2003 - Definição de Contrato de PPP Execução Clique de para obras, editar serviços os estilos e do atividades texto de mestre interesse Segundo público, cuja nível

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DIRETÓRIO ACADÊMICO CLORINDO BURNIER. XXXI Semana da Engenharia. Brasil: O País do futuro

FACULDADE DE ENGENHARIA DIRETÓRIO ACADÊMICO CLORINDO BURNIER. XXXI Semana da Engenharia. Brasil: O País do futuro FACULDADE DE ENGENHARIA DIRETÓRIO ACADÊMICO CLORINDO BURNIER XXXI Semana da Engenharia Brasil: O País do futuro O Papel da Engenharia no Desenvolvimento do País Por: Engº Francinett Vidigal Junior I Apresentação

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração. Nivalde J. de Castro Guilherme de A.

Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração. Nivalde J. de Castro Guilherme de A. Fusões e Aquisições no Setor Sucroenergético e a Importância da Escala de Geração Nivalde J. de Castro Guilherme de A. Dantas TDSE Textos de Discussão do Setor Elétrico Nº14 Novembro de 2009 Rio de Janeiro

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS UMA IMPORTANTE ALTERNATIVA PARA O AVANÇO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA Daniel R. Figueiredo Especialista em Estruturação de Projetos de PPP e Concessões 26/08/2015

Leia mais

4 O mercado brasileiro de energia elétrica

4 O mercado brasileiro de energia elétrica 4 O mercado brasileiro de energia elétrica A matriz energética brasileira é altamente diversificada em função de sua vasta extensão. Nos últimos dez anos, é crescente a participação de fontes não renováveis,

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1

Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 Uma Agenda Para o Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro. Joisa Dutra 1 O desenvolvimento do setor elétrico é essencial para promover crescimento do Brasil. Entretanto, a conjuntura atual do setor

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP 1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP Painel III Investimentos em infraestrutura de saneamento básico O papel do setor privado Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito?

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? SESSÃO TEMÁTICA Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? Brasília, 17 de novembro de 2009 Perspectivas de Investimentos O Brasil está diante de uma oportunidade inédita para aumentar de

Leia mais