Manual de Elaboração de Memória de Cálculo para Termos de Parceria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Elaboração de Memória de Cálculo para Termos de Parceria"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL NÚCLEO CENTRAL DE PARCERIAS COM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO Manual de Elaboração de Memória de Cálculo para Termos de Parceria Versão Julho de

2 FICHA TÉCNICA Antônio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Alberto Pinto Coelho Vice Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento e Gestão Adriane Ricieri Brito Subsecretária de Gestão da Estratégia Governamental Otávio Martins Maia Gestor do Núcleo Central de Parcerias com OSCIPs Equipe Técnica André Luiz Veloso Ferreira Eduardo Campos Prosdocimi Felipe Wang Gerlainne Cristine Diniz Romero Gustavo Henrique Ribeiro Santos Íria Pereira de Melo Marcus Vinícius Teodoro Raphael Sardinha Moreira de Castro 2

3 SUMÁRIO Introdução... 4 Objetivo do manual Planilha Memória de Cálculo Aba Capa Aba Sintético Aba Analítico Aba Encargos e Benefícios Encargos Benefícios Coluna Total (Rem. Bruta + Encargos + Benefícios) Aba Despesas de Pessoal Pesquisa de Mercado Aba Bens Permanentes Aba Folha de Assinatura Anexo I

4 Introdução A memória de cálculo, em linhas gerais, é a previsão feita pela Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP dos recursos públicos que irá receber e dos gastos que irá executar durante a vigência do termo de parceria. A Lei de 16 de dezembro de 2003, conhecida como a lei das OSCIPs mineiras, traz em seu bojo menções à memória de cálculo dos termos de parceria. Logo no artigo 12 a lei estabelece os requisitos para celebração do termo de parceria. No inciso VII do mesmo artigo tem-se a referência do que foi convencionado pela Secretaria de Planejamento e Gestão de memória de cálculo do termo de parceria MCTP. In verbis: Art A celebração do termo de parceria entre o poder público e a entidade qualificada como OSCIP, nos termos do art. 2º desta Lei, será precedida de: [...] VII - apresentação da previsão das receitas e despesas em nível analítico, estipulando, item por item, as categorias contábeis usadas pela entidade e o detalhamento das remunerações e dos benefícios de pessoal a serem pagos a seus dirigentes e empregados com recursos oriundos do termo de parceria ou a ele vinculados; (Inciso acrescentado pelo art. 1º da Lei nº 17349, de 17/1/2008.). O Decreto de 09 de agosto de 2012, que regulamenta a Lei /03, ao tratar dos requisitos para celebração do termo de parceria, traz as seguintes determinações: Art. 27. Para atender às exigências do art. 12 da Lei nº , de 2003, previamente à celebração do Termo de Parceria, o OEP deverá instruir o processo com os seguintes documentos: [...] V a memória de cálculo, que é a previsão das receitas e despesas em nível analítico, estipulando, item por item, as categorias contábeis usadas, a previsão de receitas e despesas em nível sintético e o detalhamento das remunerações e dos benefícios de pessoal a serem pagos a seus dirigentes e trabalhadores, com recursos oriundos do Termo de Parceria, ou a ele vinculados, comprovando a compatibilidade dos valores propostos com os valores de mercado, na região correspondente à sua área de atuação, conforme modelos de planilhas disponibilizadas no sítio eletrônico da SEPLAG; e [...] 1º A previsão das receitas e despesas em nível analítico é o instrumento que permitirá ao OEP e à OSCIP definirem o valor total a ser gasto no Termo de Parceria, até o montante previsto no edital do concurso de projetos, e os montantes dos desembolsos a serem repassados. Atendendo aos dispositivos legais, no modelo da MCTP elaborando pela SEPLAG, a apresentação da previsão das receitas e despesas em nível analítico corresponde à Tabela 2 - Previsão Analítica de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência. Por sua vez, o detalhamento das remunerações e dos benefícios de pessoal a serem pagos a seus dirigentes e empregados com recursos oriundos do termo de parceria ou a ele vinculados é representado pela Tabela 3 - Previsão dos Encargos e Benefícios de Pessoal em conjunto com a Tabela 4 - Previsão de Gastos com Pessoal. A Tabela 4 também contempla a Pesquisa de Mercado dos salários a serem pagos pela OSCIP a seus dirigentes, administradores e gerentes, de forma a comprovar a compatibilidade dos valores propostos com os valores praticados no mercado em consonância com o inciso VII do art. 5º da citada Lei.

5 Dando seqüência aos dispositivos legais, no artigo 13 da Lei , é estabelecido o conteúdo mínimo do documento que formaliza o Termo de Parceria. Remetendo novamente à lei: Art O termo de parceria firmado entre o poder público e a OSCIP discriminará os direitos, as responsabilidades e as obrigações das partes signatárias e disporá ainda sobre: [...] V - a previsão de receitas e despesas, em nível sintético, a serem realizadas em seu cumprimento; (Inciso com redação dada pelo art. 1º da Lei nº 17349, de 17/1/2008) O Decreto de 09 de agosto de 2012, ao regulamentar este assunto traz as seguintes determinações: Art. 33. O Programa de Trabalho é anexo integrante do Termo de Parceria, em que são especificados os resultados a serem alcançados, e deve conter, no mínimo: [...] IV - quadro de receitas e despesas, contendo previsão de receitas e despesas em nível sintético, e incluindo as remunerações e benefícios de pessoal, compostas minimamente nas categorias de salários, encargos e benefícios, a serem pagos com recursos do Termo de Parceria; Essa previsão de receitas e despesas em nível sintético é representada pela Tabela 1 - Previsão Sintética de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência da MCTP. É importante destacar que essa é a tabela que deverá constar no programa de trabalho do Termo de Parceria. Objetivo do manual O objetivo desse manual é orientar os Órgãos Estatais Parceiros - OEPs e as Oscips parceiras na construção da memória de cálculo do Termo de Parceria ou de Termos Aditivos, bem como facilitar a análise pelo OEP da programação financeira. Como resultados indiretos são esperados: Um planejamento mais eficaz, aproximando o programado do realmente executado, Ampliação da transparência na utilização dos recursos públicos repassados, Propiciar um entendimento fácil e simplificado da programação financeira, principalmente para a sociedade e para os órgãos de controle, Facilitação da elaboração posterior da planilha gerencial financeira, bem como seu acompanhamento pelo OEP, Melhoria substancial nas prestações de contas anuais e de encerramento.

6 1 Planilha Memória de Cálculo Os objetivos da planilha da memória de cálculo são: padronizar a memória de cálculo, de forma a facilitar a análise pela Controladoria Geral do Estado - CGE quando da celebração do TP ou do TA; facilitar o acompanhamento da execução financeira pelo OEP e pela comissão de avaliação; bem como facilitar as prestações de contas, seja anual ou final. Salienta-se, desde já, que a padronização não é completa, sendo observadas, nas devidas proporções, as peculiaridades de cada termo de parceria. A planilha para elaboração da MCTP foi construída utilizando-se o Microsoft Office. Para utilizá-la não são necessários conhecimentos avançados deste software. A planilha Memória de Cálculo contém 07 abas a seguir enumeradas: 1. Aba Capa; 2. Aba Sintético; 3. Aba Analítico; 4. Aba Encargos e Benefícios; 5. Aba Despesas de Pessoal; 6. Aba Bens Permanentes; 7. Aba Folha de Assinatura. ABAS Cada uma dessas abas, excetuando-se a Aba Capa e a Aba Folha de Assinatura, contém uma tabela com informações específicas acerca das previsões de receitas e despesas da OSCIP, conforme quadro:

7 ABA CONTEÚDO Aba Capa Aba Sintético Aba Analítico Aba Encargos e Benefícios Aba Despesas de Pessoal Aba Bens Permanentes Aba Folha de Assinatura Capa Tabela 1 - Previsão Sintética de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência Tabela 2 - Previsão Analítica de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência Tabela 3 - Previsão dos Encargos e Benefícios de Pessoal Tabela 4 - Previsão de Gastos com Pessoal Tabela 5 - Previsão de Aquisição de Bens Permanentes Folha de Assinatura A MCTP foi elaborada por meio de uma lógica de categorias e subcategorias. Todas as entradas e saídas de recursos financeiros devem ser classificadas em uma subcategoria específica. Estas subcategorias são previamente estabelecidas e não podem ser alteradas ou suprimidas, apenas incluídas novas. Logo, caso a OSCIP ou o órgão estatal parceiro vislumbre a necessidade de inclusão de uma nova subcategoria para agrupar uma entrada ou saída que não se encaixe de forma satisfatória em nenhuma das existentes, poderá solicitar ao Núcleo Central de Parcerias com OSCIPs NCPO a inclusão da mesma. Sobre o Plano de Contas As subcategorias formam uma espécie de plano de contas da MCTP. Esse plano de contas encontra-se no Anexo I. Ademais, todas as subcategorias podem ser visualizadas na Aba Analítico - que contém a Tabela 2 - Previsão Analítica de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência. O maior nível de agregação desse plano de contas corresponde a dois itens: 1- Entrada de Recursos 2- Saída de Recursos O próximo nível de agregação são as categorias. Exemplos: 1.1 Receitas 2.1 Despesas 2.4 Aquisição de bens permanentes Por fim o menor nível de agregação são as subcategorias. Exemplos: Repasses do Termo de Parceria Salários Veículos

8 2 Aba Capa Memória de Cálculo Termo de Parceria celebrado entre o Órgão Estatal Parceiro - OEP e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - Oscip LOGOMARCA DA OSCIP (SE HOUVER) Período Proposto (dia) de (mês) de (ano) a (dia) de (mês) de (ano) LOGOMARCA DO PROJETO (SE HOUVER) Memória de Cálculo Belo Horizonte Versão 3.1 Julho Alterar o TÍTULO. Basta substituir na célula da planilha Órgão Estatal Parceiro OEP e Organização da Sociedade Civil de Interesse Público Oscip, pelos respectivos nomes e siglas. Caso o instrumento em questão não seja um Termo de Parceria e sim um Termo Aditivo, substituir Termo de Parceria por Termo Aditivo, precedido da numeração do mesmo. Ex: 2º Termo Aditivo celebrado entre a Secretaria de Planejamento e Gestão Seplag e o Centro Mineiro de Alianças Intersetoriais - Cemais. - Substituir (dia) de (mês) de (ano) a (dia) de (mês) de (ano) pelo período previsto de vigência do Termo de Parceria ou Termo de Parceria a ser celebrado. Ex: 01 de janeiro de 2011 a 31 de março de Incluir (se houver) as Logomarcas da Oscip e do Projeto em execução, retirando o texto que indica o local que elas devem ser coladas. Caso não houver basta apagar o texto. A última informação da aba Capa indica qual é a versão do modelo de Memória de Cálculo. Ela é utilizada para o controle das versões do documento. Permite saber, consultando o sítio eletrônico da SEPLAG, se a versão que se está utilizando é a mais atual. Orientações práticas e dicas Todos os campos que devem ser alterados estão com o texto em Vermelho. Depois de completar não se esquecer de mudar a cor do texto para preto. Todos os demais campos (em todas as demais abas da planilha da Memória de Cálculo) que requeiram informações solicitadas na capa serão preenchidos automaticamente.

9 3 Aba Sintético Tabela 1 - Previsão Sintética de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência SR Saldo Remanescente Memória de Cálculo Termo de Parceria celebrado entre o Órgão Estatal Parceiro - OEP e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - Oscip Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 Mês 7 Mês 8 Mês 9 Mês 10 Mês 11 Mês 12 Total - Tabela 1 - Previsão Sintética de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência % do Total - 0,00% Entrada de 1 Recursos 1.1 Receitas Repasses do Termo ,00% de Parceria Receita Arrecadada ,00% em Função do TP Rendimentos de ,00% Aplicações Fin Outras Receitas ,00% (E) Total de Entradas: ,00% S. Rem. (SR) + Ent. (E) , 0 0 % 2 Saída de Recursos 2.1 Gastos com Pessoal Salários ,00% Estagiários ,00% Encargos ,00% Benefícios ,00% Subtotal (Pessoal): , 0 0 % 2.2 Gastos Gerais ,00% 2.3 Aquisição de Bens ,00% Permanentes (S) Total de Saídas: , 0 0 % 0 PP Prov. Pessoal - C T Recursos Comprom etidos Transporte de Saldo (SR+PP+C) - - Esta tabela informa, de maneira consolidada ou sintética, os valores em reais (R$) de Entrada e Saída de Recursos financeiros previstos para a execução do Termo de Parceria. Ela compõe o Programa de Trabalho do Termo de Parceria, dando transparência aos recursos a serem movimentados, vez que o Termo de Parceria está disposto nos sítios eletrônicos dos parceiros e da SEPLAG. É importante ressaltar que todas as previsões de entradas e saídas de recursos financeiros devem ser classificadas em Categorias e Subcategorias conforme Plano de Contas 1 previamente estabelecido. As subcategorias da categoria receitas compõem esta tabela para dar maior transparência aos recursos que serão recebidos pelo Termo de Parceria e estão explicadas a seguir Repasses do Termo de Parceria: São os recursos públicos oriundos do Órgão Estatal Parceiro ou Órgão Interveniente que serão repassados à entidade para a execução do termo de parceria Receita Arrecada em Função do TP: Nesta categoria devem ser previstos todos os recursos que a entidade pretende captar ou obter valendo-se de todo o aparato estrutural, financeiro ou humano propiciado pela execução do termo de parceria. Cumpre ressaltar que o Decreto /2012, em seu art. 55, 4º, esclarece o que são receitas arrecadadas em função da existência do TP. 1 Anexo I.

10 1.1.3 Rendimentos de Aplicações Fin.: Na memória de cálculo esta subcategoria poderá ser preenchida, mas é preciso ter cuidado, tendo em vista que caso o rendimento seja menor do que o planejado, alguns gastos podem ficar prejudicados Outras receitas: Nessa subcategoria devem ser colocadas todas as outras receitas que não se enquadram em nenhuma das subcategorias anteriores. As categorias de saída são: 2.1 Gastos com Pessoal: Essa categoria agrupa todas as despesas decorrentes da contratação de trabalhadores, estagiários ou autônomos, tais como remuneração, encargos e benefícios. 2.2 Gastos Gerais: Essa categoria agrupa todas as despesas a serem efetuadas pela Oscip que não se enquadram nas demais categorias, tais como as despesas de custeio e aquelas ligadas diretamente à execução do termo de parceria. Exemplos: Aluguel, Material de Escritório, Eventos, Diárias de Viagens. 2.3 Aquisição de Bens Permanentes: Fazem parte dessa categoria todas as despesas com aquisições de bens que serão patrimoniados pela Oscip. Além dessas categorias e subcategorias, foram incluídos na Tabela 1 o Saldo Remanescente, o Provisionamento Trabalhista, os Recursos Comprometidos e o Transporte de Saldo, utilizados na pactuação de termos aditivos para permitir maior transparência do transporte de recursos entre os instrumentos de contratualização. Os mesmos estão explicados a seguir. SR: Saldo Remanescente: São os recursos advindos de períodos anteriores ao que está sendo programado e que serão somados às entradas para custear os gastos do termo aditivo que está sendo firmado. É a previsão da quantidade total de recursos que estarão na posse da OSCIP quando do fim de um termo e início do outro, subtraído todos os compromissos assumidos até o momento (provisionamentos de pessoal, cheques a compensar e recursos comprometidos com fornecedores de produtos ou serviços). PP: Provisionamentos de Pessoal: Diz respeito à previsão do valor dos recursos provisionados para pagamento de pessoal no fim de um instrumento de pactuação e início de outro. R: Recursos Comprometidos: A previsão de recursos comprometidos deve ser composta por todas as provisões e compromissos assumidos pela OSCIP que não serão honrados até o início do termo que está sendo pactuado. Diz respeito aos compromissos com fornecedores e os cheques emitidos e que ainda não foram compensados.

11 T: Transporte de Saldo (SR + R): O Transporte de Saldo é a soma do Saldo Remanescente, dos Provisionamentos de Pessoal e dos Recursos Comprometidos. É a previsão da quantidade total de recursos que estará na posse da OSCIP quando do início do período a ser coberto pela Memória de Cálculo. Por obvio, na elaboração de um termo de parceria novo estes recursos não existirão. Orientações práticas e dicas A aba Sintético é totalmente vinculada por meio de fórmulas à aba Analítico, portanto NÃO será necessário fazer nenhuma inserção de dados na aba sintético. Obs: nesta tabela, assim como as demais, o campo % do Total é o valor daquele item dividido pelo somatório dos valores daquele tipo de item, demonstrando assim a representatividade daquele item em relação ao todo. Este campo será sempre preenchido de forma automática. A aba Sintético possui espaço para planejamento de 24 meses de trabalho, sendo que as colunas do mês 13 ao mês 24 estão ocultas. Caso o termo de parceria tenha previsão de vigência superior a 12 meses, será necessário reexibir essas colunas. Se a previsão de vigência for superior a 24 meses, um novo modelo de Memória de Cálculo deverá ser solicitado ao NCPO. Caso haja colunas não utilizadas, deve-se ocultá-las. 4 Aba Analítico Tabela 2 - Previsão Analítica de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência Grupo 1 Grupo 2 Categorias Subcategorias

12 A aba analítico contém a Tabela 2 - Previsão Analítica de Receitas e Gastos Mensais em Regime de Competência. Nessa tabela deverá ser evidenciada toda a previsão detalhada da movimentação financeira por subcategoria a ser realizada pela Oscip durante a execução do Termo de Parceria em regime de competência. Lembrando que estas subcategorias são previamente estabelecidas e não podem ser alteradas nem suprimidas. Caso a OSCIP ou o Órgão Estatal Parceiro vislumbre a necessidade de inclusão de uma nova subcategoria que não se encaixe de forma satisfatória em nenhuma das pré-existentes, deverá solicitar ao Núcleo Central de Parcerias com OSCIPs a alteração. Orientações práticas e dicas As linhas onde se encontram as categorias não precisam ser preenchidas. As linhas dos subtotais contêm fórmulas, portanto não precisam ser alteradas. Da mesma forma, as colunas referentes ao Total e ao % do Total são automáticas e também não precisam ser preenchidas. O Saldo Remanescente, os Provisionamentos de Pessoal e os Recursos Comprometidos precisam ser preenchidos quando se tratar de um termo aditivo. O Transporte de Saldo é feito por meio da soma dos três e já foi inserida a respectiva fórmula. Como a MCTP é feita antes do início da vigência do novo termo aditivo, a OSCIP deverá realizar uma previsão desses valores da forma mais adequada possível, porque o Saldo Remanescente é acrescido às receitas para se contrapor à previsão de despesas. No primeiro Relatório Gerencial Financeiro, elaborado após o início do Termo Aditivo, deverão ser demonstrados os valores reais deste Transporte de Saldo. O Mês 1 e os demais são a numeração dos meses de acordo com o Termo de Parceria e os seus aditivos. No caso de Termo de Parceria, deverá começar sempre com Mês 1, independente do mês do ano em que se iniciar a vigência. Caso a Memória de Cálculo não seja referente ao início do Termo de Parceria, mas a um Termo Aditivo, a numeração dos meses deve continuar de acordo com a quantidade dos meses que já foram executados. Ex: se o TP primitivo foi de 12 meses, e a intenção é se pactuar um aditivo cuja vigência se inicia após esse período, o Mês 1 deve ser alterado para Mês 13 e assim por diante. Mas se o aditivo for para alterar um termo pactuado, do Mês 7 em diante, o Mês 1 deve ser alterado para Mês 7 e conseqüentemente os demais. As colunas referentes aos meses desta tabela estão organizadas da mesma forma que as da Tabela 2, assim, deve se proceder como foi explicado no item anterior.

13 5 Aba Encargos e Benefícios Tabela 3 Previsão dos Encargos e Benefícios de Pessoal Memória de Cálculo Termo de Parceria celebrado entre o Órgão Estatal Parceiro - OEP e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - Oscip Tabela 4 - Previsão dos Encargos e Benefícios de Pessoal Nº Cargo Rem. Bruta Qnt. Rem. Bruta x Trab. Qnt. Trab. INSS Patronal PIS FGTS FGTS Multa Rescisória Encargos (R$) 13º Salário Férias 1/3 de Férias Benefícios Outros Total Benefício 1 Benefício 2 Benefício 3 Benefício 4 Outros Total Total (Rem. Bruta + Encargos + Benefícios) A aba Encargos e Benefícios contem a Tabela 3 - Previsão dos Encargos e Benefícios de Pessoal. A Tabela 3 está dividida em três grandes partes: a primeira, com os cargos, a quantidade de trabalhadores, a remuneração bruta e esta última multiplicada pela quantidade de trabalhadores no cargo; a segunda, com os encargos específicos para cada cargo, e uma terceira com benefícios específicos de cada cargo. Os encargos e os benefícios devem ser sempre multiplicados pela quantidade de trabalhadores no cargo. Orientações e dicas a) Coluna Nº Essa coluna é apenas para controle. É uma numeração crescente para fins de organização. Não é necessário preencher ou executar qualquer outra ação. b) Coluna Cargo Informar a denominação de cada cargo que a entidade necessitará para a execução do termo de parceria. Exemplos: Coordenador de projeto, auxiliar administrativo, gerente financeiro. c) Coluna Qnt. Trab. Informar a quantidade de trabalhadores que irão ocupar cada cargo na entidade durante a execução do Termo de Parceria. d) Coluna Rem. Bruta Informar a Remuneração Bruta (em R$) de cada cargo previsto para a execução do Termo de Parceria.

14 e) Rem. Bruta x Qnt. Trab. É o valor da Remuneração Bruta (em R$) de cada cargo previsto para a execução do termo de parceria multiplicado, de forma automática, pela quantidade de trabalhadores no cargo. 5.1 Encargos Encargos (R$) INSS Patronal PIS FGTS FGTS Multa Rescisória 13º Salário Férias 1/3 de Férias Outros Total Nas colunas referentes aos Encargos, de INSS até 1/3 Férias, deverão ser informado os valores absolutos (em R$) dos encargos de cada cargo multiplicado pela quantidade de trabalhadores no cargo. a) Coluna INSS Patronal A alíquota do INSS Instituto Nacional do Seguro Social varia de acordo com a atividade exercida pela empresa. Verificar junto ao INSS a alíquota correta para a atividade da Oscip, inclusive a alíquota do FAP Fator Previdenciário. Desta forma, têm-se a base correta do percentual a ser utilizado para cálculo do INSS. Caso tenham dúvidas com relação aos percentuais, os mesmos podem ser verificados nos seguintes sítios eletrônicos: b) Coluna PIS A alíquota atual do PIS Programa de Integração Social para cálculo do valor é de 1% sobre a remuneração bruta da folha de pagamento. c) Coluna FGTS A alíquota atual do FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço é de 8% mensais sobre a remuneração bruta da folha de pagamento. A alíquota do FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço Rescisório é de 50% sobre o valor depositado para o trabalhador, sendo que 10% é do Governo e os 40% são de direitos do trabalhador. Somando-se 8% pagos mensalmente (+) (50% dos 8% = 4%), chega-se a uma provisão mensal de 12% ao mês para cálculo dos valores deste encargo.

15 d) Coluna FGTS Multa Rescisória A alíquota do FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço Rescisório é de 50% sobre o valor depositado para o trabalhador, sendo que 10% é do Governo e os 40% são de direitos do trabalhador. Calculando-se 50% dos 8%, chega-se aos 4% ao mês para cálculo dos valores deste encargo. e) Coluna 13º Salário Informar o valor (em R$) dos direitos do trabalhador em receber o 13º Salário. Cálculo do valor: 100% do salário bruto, dividido em 12 meses (=) 8,33% da remuneração bruta ao mês. f) Coluna Férias Informar o valor em R$ dos direitos do trabalhador em perceber e gozar as férias. Cálculo do valor: 100% da remuneração bruta, dividida em 12 meses (=) 8,33% ao mês da remuneração bruta. g) Coluna 1/3 de Férias Cálculo do valor: Acrescenta-se 1/3 sobre os 100% do salário bruto, dividido em 12 meses (=).8,33% ao mês, e assim, totaliza-se 2,78%. Resumindo (8,33% x 1/3). h) Coluna Outros Em outros deverão ser colocados o somatório dos valores de todos os demais encargos que não foram previamente estabelecidos. Não esquecer que este valor deverá levar em conta a quantidade de trabalhadores no cargo. Ao final da tabela 3, há um espaço destinado para discriminar esses outros encargos (ver figura abaixo). Para tanto, deve-se informar a denominação do encargo, o percentual (%) da alíquota a ser aplicada e seu embasamento legal. i) Coluna Total É o somatório dos valores incluídos pela Oscip. Está automático, não sendo necessário o seu preenchimento.

16 5.2 - Benefícios Benefícios Benefício 1 Benefício 2 Benefício 3 Benefício 4 Outros Total Informar o valor em reais (R$) para cada benefício destinado ao cargo que a OSCIP pretende oferecer por mês, multiplicado pela quantidade de trabalhadores que exercitam o mesmo tipo de trabalho. Além disso, os títulos dos Campos (Benefício 1, Benefício 2, etc) deverão ser alterados para uma das subcategorias do grupo Benefícios, presente no plano de contas. Caso a OSCIP pretenda estipular Outros benefícios não contemplados no rol acima, preencher também a coluna outros e, ao final da tabela, a denominação do benefício, o valor e a justificativa para este novo benefício (ver figura abaixo) Coluna Total (Rem. Bruta + Encargos + Benefícios) A última coluna desta tabela é calculada automaticamente, resultando na soma da Remuneração Bruta, do Total dos Encargos e o Total dos Benefícios. Assim, demonstra o valor total a ser gasto com os cargos. Obs: Importante observar que os valores encontrados na linha do Total desta tabela devem ser iguais aos valores mensais inseridos nas subcategorias de salários, encargos e benefícios equivalentes da Tabela 2, aba Analítico. Caso a OSCIP não proceda dessa forma, deve haver alguma motivação condizente, a qual poderá ser requisitada posteriormente. Orientações práticas e dicas Nesta tabela foram inseridas 200 linhas para utilização da Oscip. Entretanto, caso seja necessária a inclusão de novas linhas, a Oscip deverá requisitar à SEPLAG que as insira no modelo. Por outro lado, caso existam linhas não utilizadas, deve-se ocultá-las.

17 6 Aba Despesas de Pessoal Tabela 4 Previsão de Gastos com Pessoal Memória de Cálculo Termo de Parceria celebrado entre o Órgão Estatal Parceiro - OEP e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - Oscip Tabela 5 - Previsão de Gastos com Pessoal Nº Cargo Forma de contratação Carga- Horária (Semanal) Qnt. Trabalhado res Remuneração Bruta do Cargo (A) Encargos (B) Benefícios (C) PESQUISA DE MERCADO¹ Salário Médio Menor Salário Maior Salário A aba Despesas com Pessoal contém a Tabela 4 Previsão de Gastos com Pessoal. O objetivo dessa tabela é propiciar um entendimento consolidado da previsão de alocação dos recursos com pessoal e a comparação das remunerações propostas pela OSCIP com a praticada no mercado. A Tabela 4 mantém estreito vínculo com a Tabela 3 Previsão de Encargos e Benefícios de Pessoal, e por isso é importante conhecer os campos a serem preenchidos. São eles: Forma de contratação; Carga horária semanal; Pesquisa de Mercado [maior salário, menor salário e salário médio somente para Administradores, Gerentes ou Diretores]. Os demais campos serão preenchidos automaticamente. Orientações práticas e dicas Nesta tabela foram inseridas 200 linhas para utilização da Oscip. Entretanto, caso seja necessária a inclusão de novas linhas, a Oscip deverá requisitar à SEPLAG que as insira no modelo. Por outro lado, caso existam linhas não utilizadas, deve-se ocultá-las. Passemos ao detalhamento de todos os campos da tabela: a) Coluna Nº Numeração apenas para controle. Não é necessário preencher. b) Coluna Cargo Preenchimento automático vinculado à Tabela 3 Previsão de Encargos e Benefícios de Pessoal.

18 c) Coluna Forma de Contratação A Forma de Contratação deverá ser selecionada entre as disponibilizadas na caixa de seleção. Basta clicar na barra de rolagem e selecionar a forma de contratação específica para o cargo em questão. As formas de contratação que podem ser selecionadas são as seguintes: Celetista (Empregado): Para enquadramento nessa subcategoria deve-se observar a definição de Trabalhador Empregado expressa nos artigos 2º e 3º da Consolidação da Lei Trabalhistas (CLT). Em linhas gerais ele é uma pessoa física, que presta serviços de forma subordinada a um empregador, mediante recebimento de salário, com pessoalidade e habitualidade; Estagiário: Observar o disposto na Lei Nº , de 25 de Setembro de 2008; d) Coluna Carga-horária Representa a quantidade de horas que o trabalhador terá que se dedicar à execução das tarefas relacionadas ao termo de parceria firmadas em contrato. Ex. 44h/semana; 40h/semana e) Coluna Quantidade de Trabalhadores Preenchimento automático vinculado à Tabela 3 Previsão de Encargos e Benefícios de Pessoal. f) Coluna Remuneração Bruta Preenchimento automático vinculado à Tabela 3 Previsão de Encargos e Benefícios de Pessoal. g) Coluna Encargos A coluna Encargos (B): Representa o somatório dos valores a serem gastos com encargos por cargo, já informados na Tabela anterior. Preenchimento automático da aba anterior. h) Coluna Benefícios A coluna Benefícios (C): Representa o somatório dos benefícios concedidos sobre cada cargo. Preenchimento automático vinculado à Tabela 3 Previsão de Encargos e Benefícios de Pessoal.

19 6.1 Pesquisa de Mercado PESQUISA DE MERCADO¹ Salário Médio Menor Salário Maior Salário A Pesquisa de Mercado (somente para administradores, gerentes ou diretores, conforme inciso VII do art. 5º da lei de 2003) deverá ser feita pela OSCIP e deverá se embasar em institutos de pesquisa amplamente reconhecidos, sejam gratuitos ou não. Ressalta-se a importância da pesquisa, haja vista que de acordo com a Lei /2003 os salários dos diretores, gerentes ou administradores das OSCIPs devem se limitar aos salários praticados pelo mercado, na região correspondente à área de atuação da OSCIP. Ademais, a pesquisa concede legitimidade às decisões gerenciais da OSCIP acerca dos salários praticados. Preencher os campos Salário Médio, Menor Salário e Maior Salário com os valores apresentados pela pesquisa para cada cargo previsto para executar o termo de parceria. 1) Descrição da Pesquisa de Mercado Descrever a pesquisa conforme o Manual de Elaboração da Memória de Cálculo de Termo de Parceria (somente para administradores, gerentes ou diretores, conforme inciso VII do art. 5º da lei de 2003) A descrição da pesquisa acima se encontra no final da Aba Despesas com Pessoal. Neste espaço, conforme figura acima, deverão ser descritos os seguintes dados mínimos acerca da pesquisa de mercado: Denominação do Instituto de Pesquisa; Área de abrangência da pesquisa; Período no qual a pesquisa foi realizada; Data em que a OSCIP realizou a pesquisa.

20 7 Aba Bens Permanentes Tabela 5 Previsão de Aquisição de Bens Permanentes Memória de Cálculo Termo de Parceria celebrado entre o Órgão Estatal Parceiro - OEP e a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - Oscip Tabela 7 - Previsão de Aquisição de Bens Permanentes Item Subcategoria Descrição Mês Valor Unitário Quantidade Total Justificativa para Aquisição A aba Bens Permanentes contém a Tabela 5 Previsão de Aquisição de Bens Permanentes. Por meio desta tabela deverá ser informada a previsão para aquisição de Bens Permanentes necessários para a execução do Termo de Parceria Esta tabela é formada por 7 colunas abaixo explicadas. a) Coluna Subcategoria As subcategorias para bens permanentes foram definidas no plano de contas e são idênticas às utilizadas pelo Estado, portanto não podem ser alteradas, excluídas ou inseridas novas. Dessa forma, espera-se facilitar a devolução dos bens pela OSCIP ao Estado quando da incorporação dos mesmos. Para selecionar as subcategorias, basta clicar na Barra de Rolagem e incluí-la para cada bem a ser adquirido durante o Termo de Parceria. b) Coluna Descrição Informar a Descrição de cada bem a ser adquirido. Essa descrição não precisa e nem deve ser muito detalhada, entretanto deverá dar subsídios suficientes para a correta identificação do que se pretende comprar. Ex. Computador com 250 GB de HD, 4 GB de memória, etc. c) Coluna Mês Deve ser preenchido neste campo o mês em que o bem permanente deverá ser adquirido. O mês deverá ser preenchido utilizando a mesma lógica da Tabela 2, ou seja, com 1 ou 2, ao invés de janeiro ou fevereiro, por exemplo. d) Coluna Valor unitário Informar o valor unitário em R$ de cada bem a ser adquirido. e) Coluna Quantidade Informar a quantidade de cada bem a ser adquirido. f) Coluna Total É a multiplicação do valor unitário e a quantidade a ser adquirida de cada bem. O cálculo é automático.

Nota Explicativa para preenchimento do Anexo IV - Memória de Cálculo. Concurso de Projetos SEDS/CPEC 002/2015

Nota Explicativa para preenchimento do Anexo IV - Memória de Cálculo. Concurso de Projetos SEDS/CPEC 002/2015 Nota Explicativa para preenchimento do Anexo IV - Memória de Cálculo Concurso de Projetos SEDS/CPEC 002/2015 1. A Memória de Cálculo - MC O Anexo IV - Memória de Cálculo é a previsão feita pela entidade

Leia mais

Manual da Comissão de Avaliação

Manual da Comissão de Avaliação SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL NÚCLEO CENTRAL DE PARCERIAS COM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO Manual da Comissão

Leia mais

4. VALORES LIMITE DE PARTICIPAÇÃO DO SEBRAE-PE (IN-28, item 13 e subitens):

4. VALORES LIMITE DE PARTICIPAÇÃO DO SEBRAE-PE (IN-28, item 13 e subitens): O presente material foi elaborado para auxiliar as entidades parceiras na elaboração das prestações de contas de convênios. O material aqui apresentado foi extraído da Instrução Normativa 28 do SEBRAE/PE,

Leia mais

Folha: CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: Emissão: Hora: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2010

Folha: CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: Emissão: Hora: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2010 Empresa: ASAS DE SOCORRO Folha: CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: CONSOLIDADO Emissão: Hora: 0001 0041 01/11/2012 11:40:01 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2010 Descrição Receita Operacional

Leia mais

RELATÓRIO FINANCEIRO - FETEMS ABRIL / 2009

RELATÓRIO FINANCEIRO - FETEMS ABRIL / 2009 RELATÓRIO FINANCEIRO - FETEMS ABRIL / 2009 SALDO ANTERIOR 395.226,36 Caixa 4.231,89 Banco do Brasil c/c 1722-1 198.896,83 Banco HSBC c/c 2150-16 1.106,61 Banco do Brasil c/c 6730-x 71.962,99 Banco HSBC

Leia mais

CARIOCA CHRISTIANI NIELSEN ENGENHARIA S.A.

CARIOCA CHRISTIANI NIELSEN ENGENHARIA S.A. Gestão Financeira 23/08/02 1 / 10 5.1. Abertura de Conta Corrente 5.1.1. Escolha da Agência Bancária O processo deve começar por definir qual o banco com que a obra vai trabalhar. Os bancos que a empresa

Leia mais

Comparativo da Despesa Liquidada. Material de Limpeza e Produtos de Higiene. Material de Áudio, Vídeo e Foto. Materiais Elétricos e de Telefonia

Comparativo da Despesa Liquidada. Material de Limpeza e Produtos de Higiene. Material de Áudio, Vídeo e Foto. Materiais Elétricos e de Telefonia Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado de Sergipe CNPJ: 14.817.219/0001-92 Comparativo da Liquidada CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.148.289,97 885.632,24 DESPESA CORRENTE 948.289,97 685.632,24 PESSOAL

Leia mais

ESTIMATIVA DE CUSTOS - APOIO SEDE AABG E SEDE COMITÊ

ESTIMATIVA DE CUSTOS - APOIO SEDE AABG E SEDE COMITÊ ESTIMATIVA DE CUSTOS - APOIO SEDE AABG E SEDE COMITÊ Item ESPECIFICAÇÃO REMUNERAÇÃO CUSTOS (R$) MENSAL R$ R$ A partir do 2º ano 1 RECURSOS HUMANOS SEDE AABG ARGA HORÁRIA MENSA HORAS 349.232,99 364.948,47

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Programa de Alimentação ao Trabalhador - Pat

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação por Tempo de Serviço. Programa de Alimentação ao Trabalhador - Pat Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Pará CNPJ: 14.974.293/0001-12 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 922.380,03 665.569,81 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE 541.961,33 188.309,60

Leia mais

4416 ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDÚSTRIAL DE FLORIANÓPOLIS 27/04/2012 18:33 Pág:0001 CNPJ: 83.594.788/0001-39 Período: 01/01/2011 a 31/12/2011

4416 ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDÚSTRIAL DE FLORIANÓPOLIS 27/04/2012 18:33 Pág:0001 CNPJ: 83.594.788/0001-39 Período: 01/01/2011 a 31/12/2011 4416 ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDÚSTRIAL DE FLORIANÓPOLIS 27/04/2012 18:33 Pág:0001 RECEITA OPERACIONAL 22.561.107,38 RECEITA DE MENSALIDADE DE ASSOCIADOS 1.353.124,41 Mensalidades 1.343.952,41 Anuidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CRA/RJ

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO RIO DE JANEIRO CRA/RJ RECEITAS 1 - O Orçamento do Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro para o exercício financeiro de 2013, estima a receita em R$ 16.122.900,00 e fixa sua despesa em igual importância. 2 - A

Leia mais

Proposta Orçamentária Exercício 2015

Proposta Orçamentária Exercício 2015 Página : 1 1.0.00.00 - RECEITAS CORRENTES 1.954.000,00 1.1.00.00 - RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 1.540.663,00 1.1.01.00 - ANUIDADE 1.540.663,00 1.1.01.01 - ANUIDADE DO EXERCICIO 1.035.137,00 1.1.01.01.01 -

Leia mais

MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS

MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ 2010 O Manual a seguir orienta o preenchimento do Formulário de Projetos Sociais dos Conselhos. Assim, para o encaminhamento de Projetos Sociais aos

Leia mais

Comparativo de Despesas Abril/2015

Comparativo de Despesas Abril/2015 Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level» Fifth level Comparativo de s Abril/2015 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil CNPJ: 14.702.767/0001-77 Comparativo da Liquidada

Leia mais

Comparativo da Despesa Autorizada/Realizada

Comparativo da Despesa Autorizada/Realizada CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMOVEIS - 4ª REGIÃO RUA CARIJOS 244 10º ANDAR EDIFICIO WALMAP BELO HORIZONTE-MG Telefone: (31) 3271-6044 Comparativo da Despesa Autorizada/Realizada Ano do : 2014 : 01/01/2014

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

Diário :18 Folha: 222 Descrição Classificação Conta Exercício Atual

Diário :18 Folha: 222 Descrição Classificação Conta Exercício Atual Diário :18 Folha: 222 R E C E I T A S OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS OUTRAS RECEITAS RECEITAS DE ALUGUEIS RECEITA DE LOCAÇÃO 3-2-09-01-03 9 500,00C =RECEITAS DE ALUGUEIS ********500,00C =OUTRAS RECEITAS

Leia mais

Comparativo da Despesa Empenhada

Comparativo da Despesa Empenhada Conselho Federal de Psicologia CNPJ: 00.393.272/0001-07 Comparativo da Empenhada Período: 01/01/2013 a 31/12/2013 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 23.529.630,47 354.627,97 6.2.2.1.1.01 - CRÉDITO

Leia mais

Comparativo da Despesa Empenhada

Comparativo da Despesa Empenhada Conselho Federal de Psicologia CNPJ: 00.393.272/0001-07 Comparativo da Empenhada Período: 01/01/2014 a 31/12/2014 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 22.971.460,84 6.546.770,91 6.2.2.1.1.01 - CRÉDITO

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA PROJETOS REFERENTES AO PROGRAMA LIVRO ABERTO NA AÇÃO FOMENTO A PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação de Natal - 13º Salário. Material de Limpeza e Produtos de Higiene. Material de Áudio, Vídeo e Foto

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação de Natal - 13º Salário. Material de Limpeza e Produtos de Higiene. Material de Áudio, Vídeo e Foto Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Rio Grande do Norte CNPJ: 14.829.126/0001-88 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.819.026,06 1.569.128,55 DESPESA CORRENTE 1.082.835,00 832.937,49

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação de Natal - 13º Salário. Material de Limpeza e Produtos de Higiene. Material de Áudio, Vídeo e Foto

Comparativo da Despesa Paga. Gratificação de Natal - 13º Salário. Material de Limpeza e Produtos de Higiene. Material de Áudio, Vídeo e Foto Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Rio Grande do Norte CNPJ: 14.829.126/0001-88 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.819.026,06 102.069,64 491.340,38 1.327.685,68 DESPESA CORRENTE

Leia mais

INICIAÇÃO DE PROJETO

INICIAÇÃO DE PROJETO INICIAÇÃO DE PROJETO SUMÁRIO 1) Encaminhamento de projeto à Fiotec... 1.1) Instruções para Encaminhamento do Projeto Básico... 3 3 2) Orientações para elaboração do Projeto Básico... 3 3) Estruturação

Leia mais

DEMONSTRATIVO FINANCEIRO - JANEIRO 2013

DEMONSTRATIVO FINANCEIRO - JANEIRO 2013 DEMONSTRATIVO FINANCEIRO - JANEIRO 2013 SALDO INICIAL TOTAL EM 31/12/2012 268.063,35 DESPESAS 290.766,92 SALDO INICIAL EM BANCO 263.178,39 DESPESAS ASSEJUS 290.766,92 DESPESAS COM PESSOAL 59.853,97 BANCO

Leia mais

- 1 - CARTILHA PARA COMPREENDIMENTO CONTABIL SINDICATO DOS ESTIVADORES DE PARANAGUÁ E PONTAL DO PR-2009

- 1 - CARTILHA PARA COMPREENDIMENTO CONTABIL SINDICATO DOS ESTIVADORES DE PARANAGUÁ E PONTAL DO PR-2009 - 1 - ATIVO = Nossos bens e Direitos No Ativo do Sindicato temos as seguintes contas: - Caixa: É o que está disponível na Tesouraria para pagamento de pequenas despesas. - Banco Conta Movimento: O Sindicato

Leia mais

PROPOSTA FINANCEIRA DE SERVIÇOS

PROPOSTA FINANCEIRA DE SERVIÇOS PROPOSTA FINANCEIRA DE SERVIÇOS PFS PERÍMETRO(S): OBJETO: EDITAL: SERVIÇOS PAGOS A PREÇO GLOBAL CUSTOS DIRETOS MÃO-DE-OBRA A - TOTAL DE SALÁRIO DA EQUIPE A1 - TOTAL SALÁRIOS DA EQUIPE COM VÍNCULO (PFS-I)

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro

MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro 2015 MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro É com grande satisfação que apresentamos a Previsão Orçamentária para o exercício de 2015 do Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo

Leia mais

Terceirização no Tribunal de Justiça de Minas Gerais SS JUSTIÇA MG

Terceirização no Tribunal de Justiça de Minas Gerais SS JUSTIÇA MG Terceirização no Tribunal de Justiça de Minas Gerais SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Setembro de 2013 1 Introdução A terceirização é um problema enfrentado em todos os setores produtivos do país e está em

Leia mais

SECRETARIA DE EESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG

SECRETARIA DE EESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG SECRETARIA DE EESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETÁRIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Renata Maria Paes de Vilhena SECRETÁRIO ADJUNTO

Leia mais

CREFITO/RS. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 5ª Região CNPJ: 90.601.147/0001-20.

CREFITO/RS. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 5ª Região CNPJ: 90.601.147/0001-20. Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 5ª Região CNPJ: 90.601.147/0001-20 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 6.425.208,00 2.742.999,95 2.742.999,95 3.682.208,05 CRÉDITO

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 17/2014 Serviços de Vigilância da Federação: PR Data de início

Leia mais

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014

Fundo de Apoio à Cultura. Manual da Prestação de Contas 2014 Fundo de Apoio à Cultura Manual da Prestação de Contas 2014 Secretaria de Cultura do DF Subsecretaria de Fomento Fundo de Apoio à Cultura Introdução Visando atender ao novo Decreto do FAC (34.785/2013),

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DO PARANÁ RUA EMILIANO PERNETA Nº 174 - CENTRO - CURITIBA-PARANA C N P J - 76.654.607 / 0001-57

INSTITUTO DE ENGENHARIA DO PARANÁ RUA EMILIANO PERNETA Nº 174 - CENTRO - CURITIBA-PARANA C N P J - 76.654.607 / 0001-57 Pagina 01 R E C E I T A S ASSOCIADOS Efetivos 5.607,30 10.869,20 363.128,89 Institucionais 1.616,65 2.190,28 46.692,18 Ausentes 642,48 224,92 21.175,97 Universitários 81,67 84,59 6.644,66 7.948,10 13.368,99

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO FINANCEIRA/PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS TRANSFERIDOS PELO MINISTÉRIO/ORGANISMOS INTERNACIONAL REFERENTE AOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO DE ATIVIDADES FORMATO RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015

BALANCETE ANALÍTICO - JUNHO/2015 : 1 1 ATIVO 6.696.323,89D 1.488.250,06 1.434.586,10 6.749.987,85D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 4.489.543,31D 1.482.146,36 1.418.329,94 4.553.359,73D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 4.192.202,67D 1.192.026,76 1.128.756,69

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) ATIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais) PASSIVO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARAIBA Sistema de Contabilidade COMPARATIVO DA RECEITA ORÇADA COM A REALIZADA RECEITA - Março - 2012

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE - PARAIBA Sistema de Contabilidade COMPARATIVO DA RECEITA ORÇADA COM A REALIZADA RECEITA - Março - 2012 COMPARATIVO DA RECEITA ORÇADA COM A REALIZADA RECEITA - Março - 2012 Pág. : 1 6.2.1 RECEITAS CORRENTES 2.600.000,00 238.142,92 1.067.781,32 41,07 1.532.218,68 6.2.1.1 CONTRIBUIÇÕES 2.172.925,79 205.317,79

Leia mais

ANEXO I ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS

ANEXO I ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS ANEXO I ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Os projetos participantes da 2ª Chamada Pública do Projeto Clínicas do Testemunho da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça devem seguir, além das

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

ORÇAMENTO FUTEBOL PROFISSIONAL 2014

ORÇAMENTO FUTEBOL PROFISSIONAL 2014 FUTEBOL PROFISSIONAL 2014 DESPESAS 3.016.450 2.911.119 105.331 26.607.133 32,48 DESPESAS COM PESSOAL 2.499.900 2.286.546 213.354 22.793.184 31,36 REMUNERAÇÃO 1.754.775 2.142.002-387.227 11.382.982 46,77

Leia mais

Prestação de Contas Novembro a Fevereiro 2013-2014

Prestação de Contas Novembro a Fevereiro 2013-2014 Prestação de Contas Novembro a Fevereiro 2013-2014 RECEITAS RECEITAS NOVEMBRO DEZEMBRO JANEIRO FEVEREIRO TRANSF. MUNICIPIOS 192.899,80 437.833,00 912.447,20 1.168.551,70 VENDA EDITAIS - - - 180,00 RENDIMENTOS

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 16-04/04/09 1 Negociação Comercial ETAPAS E MODELO DE UMA PROPOSTA COMERCIAL Parte 1/2 2 OBJETO...(preencher)........., conforme descritos na Proposta Técnica. 2 ETAPAS DO PROJETO

Leia mais

Balancete Contábil Julho de 2014

Balancete Contábil Julho de 2014 Balancete Contábil Julho de 2014 CNPJ 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de Julho de 2014 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 78 EXIGÍVEL OPERACIONAL 701 Caixa - Gestão Previdencial 442 Bancos c/movimento

Leia mais

ABPI-TV - DEMONSTRATIVO DE CAIXA - APURAÇÃO. Outubro 2012 CONSOLIDADO ABPI-TV R$ % R$ % SUPORTE ENTRADAS

ABPI-TV - DEMONSTRATIVO DE CAIXA - APURAÇÃO. Outubro 2012 CONSOLIDADO ABPI-TV R$ % R$ % SUPORTE ENTRADAS ABPI-TV - DEMONSTRATIVO DE CAIXA - APURAÇÃO Outubro CONSOLIDADO ABPI-TV R$ % R$ % SUPORTE RealScreen Summit RealScreen Summit KidScreen Summit KidScreen Summit MipTv MipTv MIPDOC ENTRADAS Receitas Operacional

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: Emissão: Hora: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2011

CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: Emissão: Hora: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2011 Empresa: ASAS DE SOCORRO Folha: CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: CONSOLIDADO Emissão: Hora: 0001 0042 01/11/2012 11:36:58 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2011 Descrição Receita Operacional

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Desoneração da Folha AC Pessoal

Desoneração da Folha AC Pessoal Desoneração da Folha AC Pessoal É uma medida governamental voltada para o crescimento da produção: o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária sobre a folha e adotando uma nova contribuição

Leia mais

Conta Descrição Fixada + Alterações...Realizada... 6.2.1 RECEITAS CORRENTES 5.300.000,00 364.180,63 2.350.309,73 44,35 2.949.

Conta Descrição Fixada + Alterações...Realizada... 6.2.1 RECEITAS CORRENTES 5.300.000,00 364.180,63 2.350.309,73 44,35 2.949. COMPARATIVO DA RECEITA ORÇADA COM A REALIZADA RECEITA - Março - 2013 Pág. : 1 6.2.1 RECEITAS CORRENTES 5.300.000,00 364.180,63 2.350.309,73 44,35 2.949.690,27 6.2.1.1 CONTRIBUIÇÕES 4.370.000,00 324.736,22

Leia mais

B A L A N C E T E D E V E R I F I C A Ç Ã O

B A L A N C E T E D E V E R I F I C A Ç Ã O CNPJ : 14669089/0001-98 01/06/2012 até 30/06/2012 MOEDA : REAL REFERENTE AO PERÍODO DE FOLHA: 0001 DESCRIÇÃO DA CONTA GR SD ANTERIOR DÉBITO CRÉDITO SD PERÍODO SD ATUAL D/C 00001-8 ATIVO 1 1695545,62 304814,77

Leia mais

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...).

Infor-Pag. Importa lançamentos de outros Sistemas (Ponto Eletrônico, Convênios,...). Cálculos Infor-Pag CLT, Estagiários, Autônomos e Pró-Labore. Geral ou por Centro de Custos. Recálculo. Com o mesmo código de evento pode-se ter 3 tipos de movimento; Normal, diferença ou estorno. Permite

Leia mais

Comparativo da Despesa Liquidada. Gratificação por Tempo de Serviço JUROS E ENCARGOS DE EMPRESTIMOS POR ANTECIPACAO DE RECEITA ORCAMENTARIA

Comparativo da Despesa Liquidada. Gratificação por Tempo de Serviço JUROS E ENCARGOS DE EMPRESTIMOS POR ANTECIPACAO DE RECEITA ORCAMENTARIA Conselho Regional de Psicologia / ES CNPJ: 06.964.242/0001-81 Comparativo da Liquidada CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.687.048,66 1.151.487,32 1.151.487,32 535.561,34 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESA CORRENTE

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

Supremo Tribunal Federal Secretaria de Controle Interno Coordenadoria de Auditoria e Fiscalização

Supremo Tribunal Federal Secretaria de Controle Interno Coordenadoria de Auditoria e Fiscalização NOTA TÉCNICA Nº 1/2007 SCI Brasília, 13 de dezembro de 2007. Assunto: Definição de limites para BDI nas contratações de serviço com locação de mão-de-obra: 26,44% para o regime de incidência cumulativa

Leia mais

CONTER. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia CNPJ: 03.635.323/0001-40. Página:1/5

CONTER. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia CNPJ: 03.635.323/0001-40. Página:1/5 Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia CNPJ: 03.635.323/0001-40 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 6.780.80 2.392.725,12 2.392.725,12 4.388.074,88 VENCIMENTOS E VANTAGENS

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ESTADO DE ALAGOAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEP MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1 APRESENTAÇÃO As presentes instruções têm por finalidade estabelecer critérios

Leia mais

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC 1. Introdução Serão considerados projetos com recursos da UDESC para fins destas orientações aqueles que integram: 1.1 Programa de Apoio à Pesquisa

Leia mais

Balancete mar12 ÚÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄ ³

Balancete mar12 ÚÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄÄ ³ ³ Folha: 001 ³ ³ ATIVO 231.607,73 D 69.260,86 64.563,63 236.304,96 D³ ³ CIRCULANTE 122.510,63 D 69.260,86 62.695,96 129.075,53 D³ ³ DISPONIVEL 115.775,17 D 63.460,86 58.288,93 120.947,10 D³ ³ CAIXA GERAL

Leia mais

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE PLANO DE CONTAS Associações, Sindicatos e Outras Entidades. 1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. Disponibilidades 1.1.1.1. Caixa 1.1.1.2. Bancos c/ Movimento 1.1.1.3. Aplicações Financeiras 1.1.2. Créditos

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00001 00001 10000000000 ATIVO 1.092.836,73 D 228.985,22 271.357,14 1.050.464,81 D 00011 10100000000 CIRCULANTE 368.698,99 D 228.334,36 265.541,52 331.491,83 D 00111 10101000000 DISPONIVEL 76.060,22 D 204.964,49

Leia mais

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 4 PLANILHA ELETRÔNICA 4.1 CONTEXTO O Capítulo 3 tratou do método de pesquisa utilizado, as etapas e as estratégias adotadas neste trabalho. Neste capítulo, discorre-se sobre a planilha eletrônica desenvolvida

Leia mais

manual Sistema de Gestão Financeira

manual Sistema de Gestão Financeira manual Sistema de Gestão Financeira Conteúdo 1. Menu 5 2. Cadastro 6 2.1. Projetos 6 2.2. Código Contábil 7 2.2.1. Gerenciar Cód. Contábil 9 2.3. Centro de Custo 10 2.4. Cliente / Fornecedor 11 2.5. Contas

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES No fascículo anterior tratamos da importância de desenvolver e treinar os profissionais que trabalham no consultório médico e o quanto são importantes para que a empresa seja

Leia mais

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 Mar/14 Abr/14 Mai/14 Jun/14 Jul/14 Ago/14 Set/14 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Totais %Reajuste

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 Mar/14 Abr/14 Mai/14 Jun/14 Jul/14 Ago/14 Set/14 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Totais %Reajuste 1 Despesas 1.01 - Contratos e Manutenção PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ % R$ 1.01.01 Elevadores 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00

Leia mais

COREN/BA. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Enfermagem da Bahia CNPJ: 15.679.277/0001-60. Página:1/5

COREN/BA. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Enfermagem da Bahia CNPJ: 15.679.277/0001-60. Página:1/5 Conselho Regional de Enfermagem da Bahia CNPJ: 15.679.277/0001-60 Comparativo da Paga 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 15.929.386,19 14.609.228,50 14.609.228,50 1.320.157,69 6.2.2.1.1.31

Leia mais

CRF/PE. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Farmácia de Pernambuco CNPJ: 09.822.982/0001-71. Página:1/6

CRF/PE. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Farmácia de Pernambuco CNPJ: 09.822.982/0001-71. Página:1/6 Conselho Regional de Farmácia de Pernambuco CNPJ: 09.822.982/0001-71 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 6.366.25 1.102.995,57 2.609.238,49 3.757.011,51 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESAS CORRENTES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. IDENTIFICAÇÃO (máximo 01 folha) Título da Proposta: Instituição Proponente: CNPJ: Endereço: CEP: Telefone: Fax:

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. IDENTIFICAÇÃO (máximo 01 folha) Título da Proposta: Instituição Proponente: CNPJ: Endereço: CEP: Telefone: Fax: Usar papel timbrado da instituição! TERMO DE REFERÊNCIA. IDENTIFICAÇÃO (máximo 0 folha) Título da Proposta: Instituição Proponente: CNPJ: Endereço: CEP: Telefone: Fax: Responsável pela Instituição Proponente:

Leia mais

SALÁRIOS R$ 29.818,04 FÉRIAS R$ 3.493,40 INSS R$ 13.197,15 FGTS R$ 3.066,20

SALÁRIOS R$ 29.818,04 FÉRIAS R$ 3.493,40 INSS R$ 13.197,15 FGTS R$ 3.066,20 AGEPOL - ASSOCIAÇÃO GERAL DOS SERVIDORES DA POLICIA CIVIL DO DF CNPJ: 00.542.621/0001-05 DEMONSTRATIVO FINANCEIRO ABRIL/2015 SALDO INICIAL R$ 148.304,69 RECEITAS MENSALIDADES R$ 144.789,19 EMPRÉSTIMOS

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO COM A SME

PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO COM A SME PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO COM A SME Entidades beneficiadas: As unidades educacionais das entidades conveniadas ao Sistema Municipal de Ensino de Campinas. Órgão responsável: Coordenadoria Setorial de

Leia mais

Balancete Contábil Outubro de 2013

Balancete Contábil Outubro de 2013 Balancete Contábil Outubro de 2013 CNPJ 06.025.140/0001-09 Balancete Consolidado de 31 de outubro de 2013 ATIVO PASSIVO DISPONÍVEL 54 EXIGÍVEL OPERACIONAL 423 Caixa - Gestão Previdencial 185 Bancos c/movimento

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA

SINDICATO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DEMONSTRATIVO DO FLUXO DE CAIXA - RECEBIMENTOS - PAGAMENTOS 1/5 F L U X O D E C A I X A 240.985,07 DISPONIVEL (+) 278.196,04 Fundo Fixo 1.905,22 C/C Bco. Itaú - TJ 203,48 C/C Banco do Brasil (26,80) Aplicação

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA

SINDICATO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DEMONSTRATIVO DO FLUXO DE CAIXA - RECEBIMENTOS - PAGAMENTOS F L U X O D E C A I X A 243.634,39 DISPONIVEL (+) 324.900,86 Fundo Fixo 1.534,37 C/C Bco. Itaú - TJ 223,05 C/C Banco do Brasil 49.457,16 C/C

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

CRM/PE. Comparativo da Despesa Liquidada. Conselho Regional de Medicina / PE CNPJ: 09.790.999/0001-94. Página:1/5

CRM/PE. Comparativo da Despesa Liquidada. Conselho Regional de Medicina / PE CNPJ: 09.790.999/0001-94. Página:1/5 Conselho Regional de Medicina / PE CNPJ: 09.790.999/0001-94 Comparativo da Liquidada CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 10.058.608,00 743.489,20 2.545.612,52 7.512.995,48 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL. Ano 2011 LABUTO CONTABILIDADE

BALANÇO PATRIMONIAL. Ano 2011 LABUTO CONTABILIDADE BALANÇO PATRIMONIAL Ano 2011 LABUTO CONTABILIDADE Balanço Patrimonial 'eríodo : 14/01/2011 a 31/12/2011 MTVO ATJl'0 CIRCULANTE DISPONIBILIDADES BANCOS CONTA MOVIMENTO Banco HSBC S/A - Ag. 0352-00668-09

Leia mais

Relatorio de Despesas e Receitas Periodicidade: Mensal Período inicial: 02/2008 Núm. Períodos: 1 02/2008 Rubrica

Relatorio de Despesas e Receitas Periodicidade: Mensal Período inicial: 02/2008 Núm. Períodos: 1 02/2008 Rubrica Página 1 Periodicidade: Mensal Período inicial: Núm. Períodos: 1 CONTAS DE RESULTADO CREDORAS RECEITAS OPERACIONAIS 174,987.60 RENDAS ADTO A DEPOSITANTES ( PF ) 1,557.55 0.89 RENDAS ADTO A DEPOSITANTES

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO EXERCÍCIO 2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO EXERCÍCIO 2013 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ PRESTAÇÃO DE CONTAS DO EXERCÍCIO 2013 Prestação de Contas do Exercício de 2013 CRM-PR Saldo do exercício de 2012 R$ 5.487.745,60 Arrecadação no exercício de 2013

Leia mais

BALANCETE SET/2013 Maricá, 04 de junho de 2014

BALANCETE SET/2013 Maricá, 04 de junho de 2014 BALANCETE SET/2013 RECEITAS set-2013 CONCESSIONÁRIAS Avaliação Física 258,00 Ampla 18.182,67 Cota Condominial 186.563,73 Telefonia móvel NEXTEL 584,35 Fundo de Reserva 19.289,36 Telefonia móvel OI 389,97

Leia mais

CRM/SC. Comparativo da Despesa Liquidada CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 79.831.566/0001-15. Página:1/5 OU FUNÇÃO

CRM/SC. Comparativo da Despesa Liquidada CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 79.831.566/0001-15. Página:1/5 OU FUNÇÃO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 79.831.566/0001-15 Comparativo da Liquidada CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 15.170.00 1.795.345,62 3.134.978,61 12.035.021,39 PESSOAL

Leia mais

SOFTWARE PROFIT 2011.

SOFTWARE PROFIT 2011. apresenta o SOFTWARE PROFIT 2011. GESTÃO DE TRANSPORTES O software PROFIT já está implantado há mais de 3 anos na REQUIN TRANSPORTES, em Belo Horizonte, e mais recentemente na ASUS. É um programa direcionado

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 12/08/2014 Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014 No dia 31 de julho de 2014, foi sancionado, com

Leia mais

Balancete Contábil Dezembro de 2012

Balancete Contábil Dezembro de 2012 Balancete Contábil Dezembro de 2012 CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DISPONIVEL 7.619 EXIGIVEL OPERACIONAL 315.366 Caixa 97 Gestão Previdencial 116.641 Banco c/movimento 7.523 Gestão

Leia mais

CFQ. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO FEDERAL DE QUÍMICA CNPJ: 33.839.275/0001-72. Página:1/6. Evite imprimir. Colabore com o meio ambiente.

CFQ. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO FEDERAL DE QUÍMICA CNPJ: 33.839.275/0001-72. Página:1/6. Evite imprimir. Colabore com o meio ambiente. CONSELHO FEDERAL DE QUÍMICA CNPJ: 33.839.275/0001-72 Comparativo da Paga 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 18.718.78 3.991.255,30 3.991.255,30 14.727.524,70 6.2.2.1.1.31 - PESSOAL E ENCARGOS

Leia mais

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP

Relatório da Comissão de Avaliação do Termo de Parceria celebrado entre FEAM e FIP 8º Relatório da Comissão de Avaliação (CA) do Termo de Parceria celebrado entre a Fundação Estadual do Meio Ambiente e a OSCIP Fundação Israel Pinheiro. Período Avaliatório: 07 de maio de 2010 a 31 de

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE.

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS FINANCEIROS REPASSADOS PELO CREA-RS ÀS ENTIDADES DE CLASSE. Gerência de Contabilidade Março/2014 APRESENTAÇÃO A finalidade deste guia é orientar

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

19 dez 2013 a abril 2014. Página 1

19 dez 2013 a abril 2014. Página 1 2.2. DETALHAMENTO DAS DESPESAS (19 dezembro 2013 A abril 2014) CONTRATO DE GESTÃO N 02/2012 1 MÓDULO 1 MOBILIÁRIO Unidade Vr Unitário Vr Total 1.1 MOBILIÁRIOS TOTAL DO MÓDULO 1 MOBILIÁRIO R$ 0,00 2 EQUIPAMENTOS

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Ano Base: 2012 Demonstrativo da Proposta da Despesa

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Ano Base: 2012 Demonstrativo da Proposta da Despesa 0100 - ATIVIDADE DE APOIO ADMINISTRATIVO 20780 - Preservação do Patrimônio Público 0001 - Rio Grande do Norte Assegurar os recursos orçamentários necessários à cobertura de despesas com a conservação do

Leia mais

Prezado (a) Responsável pelos programas de Bolsas,

Prezado (a) Responsável pelos programas de Bolsas, CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERÊNCIA DE ORÇAMENTO E FINANÇAS DCPC DIVISÃO DE CONTROLE E PRESTAÇÃO DE CONTAS Brasília,

Leia mais

CRM/PE. Comparativo da Despesa Liquidada. Conselho Regional de Medicina / PE CNPJ: 09.790.999/0001-94. Página:1/5

CRM/PE. Comparativo da Despesa Liquidada. Conselho Regional de Medicina / PE CNPJ: 09.790.999/0001-94. Página:1/5 Conselho Regional de Medicina / PE CNPJ: 09.790.999/0001-94 Comparativo da Liquidada CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 10.058.608,00 1.802.123,32 1.802.123,32 8.256.484,68 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS

Leia mais