INTERGERACIONALIDADE, REDES DE APOIO E PRESTAÇÃO DE CUIDADOS AO IDOSO DO SÉC. XXI MANUAL DO FORMANDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERGERACIONALIDADE, REDES DE APOIO E PRESTAÇÃO DE CUIDADOS AO IDOSO DO SÉC. XXI MANUAL DO FORMANDO"

Transcrição

1 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 1 INTERGERACIONALIDADE, REDES DE APOIO E PRESTAÇÃO DE CUIDADOS AO IDOSO DO SÉC. XXI A ALIMENTAÇÃO DO IDOSO MANUAL DO FORMANDO

2 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 2 FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA INTERGERACIONALIDADE, REDES DE APOIO E PRESTAÇÃO DE CUIDADOS AO IDOSO DO SÉC. XXI ENTIDADE PROMOTORA Santa Casa da Misericórdia de Mértola EQUIPA TÉCNICA Santa Casa da Misericórdia de Mértola IFH - Instituto de Formação para o Desenvolvimento Humano APOIO TÉCNICO DOCUMENTAL Associação Indiveri Colucci / Clínica Médica da Linha / / Casa de Repouso de Paço d Arcos Paradoxo Humano AUTORIA Cristina Coelho GESTÃO E COORDENAÇÃO Emília Colaço (Santa Casa da Misericórdia de Mértola) José Silva e Sousa e Cláudia Miguel (IFH) CONSULTORES Cristina Coelho Marta Simões Ana Assunção DESIGN, PRODUÇÃO GRÁFICA, PAGINAÇÃO E REVISÃO IFH / PSSdesigners PRODUÇÃO VÍDEO IFH - Instituto de Formação para o Desenvolvimento Humano EDIÇÃO IFH - Instituto de Formação para o Desenvolvimento Humano MANUAIS TÉCNICOS A ALIMENTAÇÃO DO IDOSO CONCEPÇÃO Marta Simões REVISÃO E SUPERVISÃO DE CONTEÚDOS Cristina Coelho Santa Casa da Misericórdia de Mértola IFH - Instituto de Formação para o Desenvolvimento Humano DESIGN, PRODUÇÃO GRÁFICA, PAGINAÇÃO E REVISÃO IFH / PSSdesigners Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS) Medida: 4.2. Desenvolvimento e Modernização das Estruturas e Serviços de Apoio ao Emprego. Tipologia do Projecto: Desenvolvimento de Estudos e Recursos Didácticos. Acção Tipo: Recursos Didácticos. Co-financiado pelo Estado Português e pela União Europeia através do Fundo Social Europeu 2

3 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 3 PREFÁCIO Nos países tidos como mais desenvolvidos assistimos, presentemente, a um fenómeno curioso: o envelhecimento da população idosa. Como consequência, o sector da prestação de cuidados a idosos sofreu um incremento de actividade, multiplicando-se os serviços disponibilizados e diversificando-se o tipo de oferta dos mesmos. A nível nacional é importante apostar no desenvolvimento de redes sociais de apoio, eficazes e eficientes, em contexto institucional e a nível familiar. Para que tal se verifique, é através da formação qualificada que se poderão dotar os seus intervenientes, profissionais ou cuidadores, das competências necessárias para lidar com as problemáticas inerentes ao aumento da esperança média de vida e à crescente dependência dos nossos idosos, potenciando e facilitando o envolvimento dos familiares na tarefa. Neste sentido, e tendo já uma vasta experiência neste ramo de actividade, não só em termos formativos como também na intervenção diária em estruturas de prestação de cuidados, a Santa Casa da Misericórdia de Mértola propôs-se desenvolver o projecto INTERGERACIONALIDADE, REDES DE APOIO E PRESTAÇÃO DE CUIDADOS AO IDOSO DO SÉC. XXI, constituído por manuais técnicos do formador e do formando e vídeos sobre a mesma temática a utilizar de forma integrada. Temas: A alimentação do idoso Cuidar do idoso com demência Animação intergeracional Construção de uma rede de cuidados: Intervenção com a família e o meio social do idoso Pretende-se, como tal, colmatar, as dificuldades que os cuidadores, profissionais de saúde ou familiares, sentem diariamente, potenciando, em última consequência, o atraso da institucionalização dos idosos e contribuindo para o aumento da sua qualidade de vida. 3

4 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 4 ÍNDICE ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Objectivos gerais Grupos alimentares e seus constituintes Alimentação e nutrição Necessidades alimentares do idoso Necessidade de hidratação do idoso Síntese Actividades propostas Actividades de avaliação 2. MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO Objectivos gerais Factores que afectam o consumo de nutrientes nos idosos Má nutrição A Má nutrição: sintomas e sinais de alerta Consequências da má nutrição Avaliação do estado nutricional Síntese Actividades propostas Actividades de avaliação 3. ALIMENTAÇÃO ENTÉRICA Objectivos gerais Alimentação entérica: definição, vantagens e vias de administração Procedimento de colocação da sonda nasogástrica e administração da alimentação entérica Tipos de alimentos utilizados na alimentação entérica Síntese Actividades propostas Actividades de avaliação 4. A NUTRIÇÃO DO IDOSO: ASPECTOS PSICOSSOCIAIS E DIETAS ADEQUADAS Objectivos gerais Aspectos psicossociais da alimentação do idoso As dietas adequadas: elaboração de ementas Síntese Actividades propostas Actividades de avaliação PÁG. 5 PÁG. 7 PÁG. 17 PÁG. 29 PÁG A PREPARAÇÃO DE REFEIÇÕES Objectivos gerais Cuidados na aquisição de alimentos, no seu armazenamento e conservação Técnicas de confecção Receitas Culinárias Higiene e segurança alimentar Síntese Actividades propostas Actividades de avaliação 7. PREPARAR A FAMÍLIA E AS INSTITUIÇÕES PARA PRESTAR APOIO NA ALIMENTAÇÃO DO IDOSO Objectivos gerais Cuidados específicos na alimentação Procedimentos para alimentação de idosos dependentes ou semi-dependentes Cuidados específicos com a hidratação Síntese Actividades propostas Actividades de avaliação SOLUÇÕES DAS ACTIVIDADES BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ANEXO 1. TEXTOS DE APROFUNDAMENTO TEMÁTICO ANEXO 2. DIAPOSITIVOS ANEXO 3. OUTRA INFORMAÇÃO ÚTIL Índice de figuras, quadros, receitas e fichas de procedimento Bibliografia aconselhada Outros auxiliares didácticos complementares Contactos úteis Agradecimentos PÁG. 55 PÁG. 79 PÁG. 93 PÁG. 99 PÁG. 101 PÁG. 109 PÁG ASPECTOS PARTICULARES DA NUTRIÇÃO DO IDOSO Objectivos gerais Cuidados nutricionais em função da doença Distúrbios alimentares mais frequentes nos idosos Síntese Actividades propostas Actividades de avaliação PÁG. 47 4

5 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 5 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A qualidade de vida dos idosos depende em grandes parte daquilo que bebem e comem. (Berger, L., Mailloux-Poirier, D., 1995) Os hábitos e necessidades alimentares acompanham o desenvolvimento humano, não sendo iguais aos 5 e aos 50 anos. Um dos papéis do cuidador é orientar os idosos de maneira a que a alimentação seja ajustada à sua idade e estado de saúde. A má nutrição, decorrente de um desequilíbrio entre aquilo que o organismo pede e aquilo que é ingerido, é um quadro extremamente frequente nos idosos. Torna-se portanto essencial que quem cuida esteja atento e identifique esta situação, de forma a actuar atempadamente. Com este manual pretende-se que os formandos, cuidadores ou potenciais cuidadores, contactem com as questões relacionadas com uma alimentação equilibrada e que reconheçam factores de risco, sinais e sintomas de má nutrição, bem como estratégias de actuar nestas situações. O manual apontará também no sentido de apresentar algumas especificidades de grupos especiais dentro da terceira idade, como o caso de algumas doenças e distúrbios em particular. Serão também abordadas formas de lidar com estes casos de maneira geral, dando pistas aos formandos para agir. Aspectos práticos como a preparação de refeições apropriadas com uma divisão de tarefas com os idosos, cuidados na aquisição, conservação e armazenamento, embora questões triviais que fazem parte do dia-a-dia, permitem estimular a autonomia e o contributo desta faixa da população, e muitas vezes não lhes é dada a atenção merecida. Por fim, pretende-se ainda que este manual seja um ponto de referência em situações como a alimentação de idosos dependentes, actuação em caso de vómito ou engasgamento, e ainda na alimentação entérica, muito utilizada no universo geriátrico. É expectativa deste projecto conferir uma ampla gama de ferramentas aos formandos para poderem actuar em diversos momentos, contextos e situações no que se refere à alimentação do idoso. 5

6 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 6 6

7 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 7 NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO 1 A ALIMENTAÇÃO DO IDOSO MANUAL DO FORMANDO 1

8 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 8 1. NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO OBJECTIVOS GERAIS Indicar os grupos alimentares e definir a sua constituição; Identificar e caracterizar as necessidades alimentares dos idosos; Explicar a necessidade de hidratação na alimentação do idoso. GRUPOS ALIMENTARES E SEUS CONSTITUINTES A alimentação dos idosos, bem como a de todas as faixas etárias, pode ser optimizada através de dois tipos de controlo quantitativo e qualitativo: quantitativo poderá ser feito pela vigilância do peso e qualitativo recorrendo à ideia de grupos alimentares (Ferry & Alix 2004). Os grupos alimentares não são mais que uma organização dos alimentos em categorias, pelas semelhanças das suas propriedades nutricionais. Para facilitar a assimilação destes grupos e a interiorização das proporções que devem ser respeitadas na alimentação, foram criadas representações gráficas como a Roda dos Alimentos e mais recentemente a Pirâmide dos Alimentos. RODA DOS ALIMENTOS Foi criada em Portugal na década de 70, segundo a realidade dessa época e revelou-se um instrumento de trabalho eficiente, o que levou outros países a adoptarem-no. O seu formato em círculo, dividido em 5 fatias, assemelha-se a um prato, com as porções de alimentos que devem ser ingeridas. Figura 1 - Pirâmide dos Alimentos Figura 2 - Nova Roda dos Alimentos A Pirâmide dos Alimentos (Figura 1) assenta numa lógica de frequência de consumo, apresentando no topo os alimentos que devem ser consumidos mais esporadicamente. Em Portugal apesar da disseminação da Pirâmide dos Alimentos, a Nova Roda dos Alimentos é divulgada pela Direcção Geral de Saúde uma vez que, ao apresentar a forma de prato permite a fácil percepção das proporções adequadas e não hierarquiza os alimentos como acontece com a Pirâmide. O grupo do pão, cereais, arroz e massas, que são alimentos que fornecem energia, devem ser consumidos diariamente, pelo que constituem a base. No topo está o grupo das gorduras e óleos, que, segundo a pirâmide, devem ser consumidas apenas esporadicamente. A Nova Roda dos Alimentos, que está representada na Figura 2, divide-se em sete grupos alimentares: cereais, seus derivados e tubérculos; hortícolas; fruta; lacticínios; carne, pescado e ovos; leguminosas; gorduras e óleos. No Quadro 1.1 são apresentados exemplos de cada grupo alimentar, indicadas as doses diárias recomendadas (ddr), e a percentagem que cada grupo deverá ocupar na alimentação diária. 8

9 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 9 1. NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo QUADRO PORÇÕES DIÁRIAS DOS VÁRIOS GRUPOS ALIMENTARES Grupos de Alimentos Porções diárias Percentagem na Alimentação Cereais, seus derivados e tubérculos 1 pão (50g) 1 fatia fina de broa (70g) 1 e 1/2 batata - tamanho médios (125g) 5 colheres de sopa de cereais de pequeno-almoço (35g) 6 bolachas - tipo Maria / água e sal (35g) 2 colheres de sopa de arroz/massa crus (35g) 4 colheres de sopa/massa cozinhados (110g) 4 a 11 28% Hortícolas 2 chávenas almoçadeiras de hortícolas crus (180g) 1 chávena almoçadeira de hortícolas cozinhados (140g) 3 a 5 23% Fruta 1 peça de fruta - tamanho médio (160g) 3 a 5 20% Lacticínios 1 chávena almoçadeira de leite (250ml) 1 iogurte líquido ou 1 e 1/2 sólido (200g) 2 fatias finas de queijo (40g) 1/2 queijo fresco - tamanho médio (50g) 1/2 requeijão - tamanho médio (100g) 2 a 3 18% Carne, pescado e ovos Carnes/pescado crus (30g) Carnes /pescado cozinhados (25g) 1 ovo - tamanho médio (100g) 1,5 a 4,5 5% Leguminosas 1 colher de sopa de leguminosas secas cruas (ex: grão de bico, feijão, lentilhas) (25g) 3 colheres de sopa de leguminosas frescas cruas (ex: favas, ervilhas) (80g) 3 colheres de sopa de leguminosas secas/frescas cozinhadas (80g) 1 a 2 4% Gorduras e Óleos 1 colher de sopa de azeite/óleo (10g) 1 colher de chá de banha (10g) 4 colheres de sopa de nata (30ml) 1 colher de sobremesa de manteiga/margarina 1 a 3 2% Folheto da Nova Roda dos Alimentos 9

10 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO CEREAIS, SEUS DERIVADOS E TUBÉRCULOS Este grupo inclui os alimentos essencialmente responsáveis por fornecer energia ao organismo alguns exemplos são: cereais (arroz, milho, centeio) e derivados (farinha, pão, cereais de pequeno almoço ), tubérculos (batata) e castanha. São principalmente ricos em açúcares ou hidratos de carbono complexos. Para além destes nutrientes, são também constituídos por vitaminas do complexo B, sais minerais e fibras alimentares. HIDRATOS DE CARBONO Também conhecidos por glícidos, são a principal fonte de energia motora do organismo. Consoante a sua composição e estrutura, os hidratos de carbono podem ser simples ou complexos. Os hidratos de carbono simples são absorvidos mais rapidamente e estão presentes nas frutas (frutose), no leite (lactose) e no açúcar comum. Os hidratos de carbono complexos são absorvidos mais lentamente e são a fonte mais saudável de energia, encontram- -se principalmente nos cereais, tubérculos e leguminosas. HORTÍCOLAS O grupo dos hortícolas é composto por hortaliças (ramas, folhas, flores) e legumes que compreendem as raízes (cenouras, rabanetes, beterraba), bolbos (cebolas e alhos) e frutos (abóbora, pepino, tomate). Estes alimentos, são ricos em fibras, vitaminas e minerais, o que faz com que a sua presença diária seja essencial para uma alimentação adequada. Neste grupo também se incluem os cogumelos que são ricos em proteínas e minerais. Os hortícolas podem ser consumidos crus ou cozinhados, em concentrados, sumos ou sopa, sendo que a cozedura prolongada, e o reaquecimento fazem perder o teor de vitaminas presentes nesses alimentos. Devem ser cozinhados em pouca água e a temperaturas baixas e moderadas. No entanto, é importante referir que o valor nutritivo dos legumes ultracongelados é comparável aos legumes frescos. VITAMINAS São essenciais para o organismo, porque regulam grande parte dos processos que nele ocorrem, mantêm o seu equilíbrio e são indispensáveis para o crescimento. Estão presentes num grande número de alimentos. (Nos Textos de aprofundamento temático, é apresentado um quadro com as características das vitaminas e exemplos dos alimentos onde elas podem ser encontradas). FRUTAS Incluem-se neste grupo as frutas frescas e os secos (figos secos, passas), sendo excluídos os frutos gordos (azeitonas, pinhões, nozes, amendoins, coco) dado o seu teor energético. São ricas em sais minerais, fibra e vitaminas e algumas fornecem também uma quantidade apreciável de água, como é o caso da melancia, melão, morango, laranja e limão Preferencialmente, deve ser consumida crua ou em sumos, sendo descascada pouco antes da ingestão. Também pode ser cozinhada mas, neste caso, os nutrientes não serão tão preservados. LACTICÍNIOS O leite e os seus derivados, excluindo a manteiga e as natas, compõem este grupo. Para além da principal fonte de cálcio, são também ricos em proteínas, lípidos e vitamina A, B2 e D, devendo, por isso, ser consumidos diariamente, em todas as refeições. Nos lacticínios incluem-se os iogurtes, o queijo fresco ou seco e o requeijão, que, para além de ingeridos assim, podem também ser utilizados na confecção de outros pratos como o molho bechámel, os gratinados, pudins, bolos, entre muitos outros. 10

11 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo CÁLCIO É um nutriente essencial na formação e no crescimento dos ossos. Pertence ao grupo dos minerais que, tal como os oligoelementos, são nutrientes imprescindíveis para a renovação e conservação de tecidos e bom funcionamento das células nervosas, intervindo em muitas outras reacções do organismo. (Nos Textos de aprofundamento temático, é apresentado um quadro com as características dos minerais e oligoelementos, bem como dos alimentos onde elas podem ser encontradas). CARNE, PESCADO E OVOS São fonte de proteínas de excelente qualidade e o seu consumo é recomendado, numa idade mais avançada, pelo menos uma vez por dia, podendo nas outras refeições ser substituído por lacticínios. É também rica em vitaminas, em especial B12. Pode ser consumida fresca, congelada, seca ou fumada, deve haver a preocupação de alternar o consumo de carnes vermelhas (vaca, porco, cabra) com o das carnes brancas (aves, coelho): as primeiras contêm a gordura na sua própria constituição, enquanto nas segundas esta se concentra em locais fáceis de remover como a pele. O pescado apresenta a vantagem de possuir uma gordura mais saudável (ácidos gordos ómega-3), principalmente os peixes gordos como o salmão, a truta salmonada, a cavala, o atum e a sardinha, entre outros. É também rico em minerais e vitaminas do complexo B. O marisco é considerado pescado e contém menor teor proteico, sendo uma importante fonte de minerais. LEGUMINOSAS São alimentos essencialmente ricos em hidratos de carbono, capazes de fornecer energia mas com um nível proteico superior aos cereais e tubérculos. Lentilhas, feijão, grão, ervilhas, favas e soja, são exemplos de leguminosas. Fornecem também fibras alimentares, à semelhança dos hortícolas, fruta e os cereais pouco processados. O seu consumo deve ser feito combinando diferentes tipos de leguminosas de forma a enriquecer o seu valor proteico. FIBRAS ALIMENTARES São muito importantes para a regulação do organismo. Não fornecem energia, mas actuam ao nível do intestino, prevenindo a obstipação. As fibras provocam a sensação de saciedade, o que faz com que não seja necessário um consumo exagerado de alimentos, evitando assim a obesidade. Também contribuem para a regulação dos níveis de glicose no sangue, prevenindo a diabetes. GORDURAS E ÓLEOS Os ovos são ricos em proteínas, lípidos e vitaminas, cálcio e ferro, sendo a gema, mais rica que a clara. PROTEÍNAS São as principais responsáveis pelo crescimento, conservação e reparação dos órgãos, tecidos, e células. São compostas por aminoácidos que podem ser de dois tipos: essenciais (fornecidos pelos alimentos) e não essenciais (podem ser produzidos pelo próprio organismo). Este grupo contém alimentos ricos essencialmente em lípidos, algumas vitaminas (A, D e E) e ácidos gordos essenciais (ómega-6 e ómega-3). São exemplos o azeite, banha de porco, óleos vegetais, margarina e manteiga. Não é necessária a ingestão de grande quantidade mas é importante o seu consumo. 11

12 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO LÍPIDOS Os lípidos são constituídos por ácidos gordos. Essenciais para o desenvolvimento da visão e do cérebro, protegem o organismo contra as agressões externas (principalmente contra o frio) e também são importantes na manutenção e crescimento de tecido. Os ácidos gordos podem ser divididos em saturados, monoinsaturados e polinsaturados. Os primeiros estão presentes na gordura de carnes vermelhas, pele de aves, leite gordo e derivados, salsichas, chouriço e gema de ovo, sendo responsáveis pelo aumento do mau colesterol no sangue. Os ácidos gordos monoinsaturados, estão presentes no azeite e óleo de amendoim, produzindo menos colesterol. Quanto aos ácidos gordos polinsaturados, dividem-se em ómega-3 (encontram-se nos óleos de peixe) e ómega-6 (encontram-se nos óleos vegetais) e têm um poder protector em relação às doenças cardiovasculares. ÁGUA E OUTRAS BEBIDAS A Nova Roda dos Alimentos inclui, no centro, a água. Apesar de não estar representado num grupo próprio, este nutriente entra na constituição de grande parte dos alimentos. É, portanto, aquele que deve ser consumido em maior quantidade. A água, entre outras funções, serve de meio de transporte de todos os outros nutrientes, ajuda na regulação da temperatura e proporciona o meio onde ocorrem as reacções ao nível do organismo. Para além da água, podem ser consumidas outras bebidas que não contenham adição de açúcar, álcool ou cafeína, como chás e sumos de fruta naturais. Devem ser ingeridas a todas as refeições e no intervalo destas, oscilando a dose recomendada de água entre o 1,5 e 3 litros. OUTROS ALIMENTOS De fora da Roda dos Alimentos ficam as bebidas alcoólicas, os doces, o vinagre, o sal, e as ervas aromáticas. No que diz respeito às bebidas alcoólicas, aconselha-se o consumo moderado, às refeições e de acordo com a compleição física e o facto de ser homem ou mulher. Estas bebidas têm um elevado poder calórico e a sua eliminação envolve vários órgãos, nomeadamente o fígado. Os alimentos ricos em açúcar, como os bolos e outras guloseimas, são, na sua maioria, pobres ao nível de outros nutrientes, aconselhando-se o seu consumo esporádico, dado o alto teor calórico responsável pelo aparecimento de doenças como a diabetes e obesidade. O consumo de sal não deve ultrapassar os 5g por dia, uma vez que em excesso pode provocar doenças cardiovasculares (hipertensão), problemas ósseos e renais. Acontece muitas vezes um excesso de consumo de sal, principalmente nos idosos, devido à diminuição do paladar, o que se aconselha é a confecção dos alimentos recorrendo a ervas aromáticas, especiarias. Estes condimentos são geralmente de origem vegetal e não têm valor calórico. Em anexo, nos textos de aprofundamento temático, apresentam-se alguns exemplos de ervas aromáticas e especiarias e sugestões de utilização. NUTRIÇÃO É o conjunto de processos de assimilação e desassimilação que mantêm o organismo em boas condições e que lhe fornecem energia vital. Os elementos nutritivos (nutrientes) que o organismo necessita, provêm dos alimentos e são sintetizados pelo organismo. NECESSIDADES ALIMENTARES DO IDOSO (Berger, L., Mailloux-Poirier, D., 1995) As necessidades alimentares do idoso, de uma maneira geral, não diferem muito das dos adultos, embora existam algumas especificidades ao nível dos nutrientes que é importante salientar. No Quadro 1.2 são apresentados valores dos principais nutrientes e energia, recomendados para os idosos. Por exemplo para um idoso com cerca de 70 kg, a necessidade energética é de 2400kcal. Dessa energia cerca de 1200kcal deve ser proveniente de hidratos de carbono, e 840kcal dos lípidos, vindo a restante dos outros nutrientes ingeridos. PROTEÍNAS As necessidades proteicas dos idosos tendem a ser ligeiramente superiores do que nos adultos mais jovens, principalmente se houver qualquer tipo de agressão grave para o organismo como uma infecção ou uma intervenção cirúrgica. Nestes casos a dose diária recomendada pode passar a 1,5 ou 2g /Kg/d, no caso de não haver complicações ao nível dos rins (Ferry & Alix, 2004). 12

13 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo Os alimentos proteicos que devem ser consumidos são de origem animal. Os ovos, em especial a clara, a carne e o peixe, são os alimentos mais completos e capazes de fornecer a quantidade de aminoácidos essenciais adequada às necessidades dos idosos (Saldanha, 2001). LÍPIDOS Nos idosos o consumo de lípidos não deve ser negligenciado. Embora quanto à quantidade total não difira muito dos adultos, estima-se que deva constituir cerca de 30 a 35% do total de calorias ingeridas, distribuídas da seguinte forma: 15% de gorduras moninsaturadas (óleos vegetais); 7.5% de saturadas (gorduras animais) e 7.5% de polinsaturadas (gorduras de vegetais e do peixe). A ingestão de ácidos gordos ómega-3 e ómega-6 protege o idoso a nível cardiovascular, ajudando a controlar a tensão arterial, reduzindo o colesterol, e actuando favoravelmente sobre a trombogénese (diminuindo o risco de trombose) (Saldanha, 2001). total energético. Nos idosos, que muitas vezes se tornam mais gulosos, o consumo de açucares (hidratos de carbono de absorção rápida), poderá ser permitido caso não exista diabetes, a quantidade deverá rondar 20 a 30g/d (chá, leite ou biscoitos). Os hidratos de carbono complexos deverão ser consumidos numa quantidade de 100 a 150g/d, em alimentos como massa, arroz, batata e pão branco. No caso de doença, situações de stress, ou estilos de vida mais activos, deve haver um aporte de energia suplementar (Saldanha, 2001). FIBRAS O consumo diário deve rondar os 25 a 30 g/d, através dos cereais integrais, vegetais e frutos. As fibras são muito importantes na alimentação do idoso, pois ajudam na prevenção da obstipação, hemorróidas, diabetes e outros problemas de saúde frequentes no idoso (Vieira, 2001). HIDRATOS DE CARBONO As necessidades de energia de um idoso são idênticas às de um adulto com gastos semelhantes. A porção diária deverá fornecer cerca de 50 a 55% do QUADRO VALORES NUTRICIONAIS RECOMENDADOS PARA IDOSOS Nutrientes e Energia Valores diários aconselhados Energia Proteínas Glícidos Lípidos Ómega-6 Ómega-3 Fibras Cálcio Líquidos 35Kcal/kg/d 1g/kg/d (mais em caso de doença ou stress) 50% da energia total 35% da energia total 7,5g 1,5g 20 a 25 g /d 1200 mg/d 1,5 l/d +500 ml em caso de muito calor +500ml /grau de temperatura corporal a partir de 38º Adaptado de Ferry & Alix,

14 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO VITAMINAS De uma maneira geral na população idosa encontram-se frequentemente em défice as vitaminas B1, B2, B6, C e D. Os motivos desta carência prendem- -se muitas vezes com o facto de os idosos utilizarem técnicas de cozedura inadequadas ou por escolherem alimentos pobres neste nutriente. As principais consequências são a anorexia (falta de apetite), perturbação da memória, depressividade, insuficiência imunitária e osteoporose. Muitas vezes são fornecidos suplementos no caso de uma necessidade específica de vitamina, sendo também aconselhado um reforço em termos de ingestão de determinados alimentos. MINERAIS E OLIGOELEMENTOS Na população idosa, o mineral que mais frequentemente se encontra em falta é o cálcio, o que leva, em conjunto com outros factores, à perda de massa óssea e, consequentemente, à osteoporose. Por este motivo recomendável a ingestão de 1g/d, o que equivale a cerca de 1 litro de leite por dia (Vieira, 2001). A necessidade de uma administração suplementar de magnésio no idoso deve-se à diminuição da absorção intestinal. O recurso ao suplemento é recomendado principalmente em situações de stress, a indivíduos submetidos a medicação específica e que consumam grandes quantidades de álcool (Ferry & Alix, 2004). O zinco é um oligoelemento que surge em défice na população idosa, principalmente em idosos internados em lares, pelo que é recomendada a ingestão de cereais pouco polidos e pelo menos uma refeição semanal que inclua bivalves. Também pode ser ponderado um suplemento de zinco, nomeadamente em doentes que apresentem escaras (úlceras de decúbito), ou outras perturbações da cicatrização bem como para casos de alimentação artificial (Saldanha, 2001). Escaras ou úlceras de decúbito são lesões produzidas na pele em partes moles, quando se mantêm comprimidas durante tempo prolongado, entre uma proeminência óssea e uma superfície dura. NECESSIDADE DE HIDRATAÇÃO DO IDOSO Existe, nos idosos, um risco importante de desidratação, que pode constituir um quadro grave e frequente nesta população. As necessidades de hidratação são superiores nesta faixa etária, porque o organismo sofre uma redução acentuada da massa hídrica (quantidade de água no organismo). Por exemplo, enquanto que num adulto de 30 anos, com 70kg, a massa hídrica é de 41 litros, num adulto com 70 anos e o mesmo peso é reduzida para 35 litros. Outro factor que aumenta a necessidade hidratação planeada é a atenuação da sensação de sede, o que faz com que, mesmo necessitando de água, o organismo perca a capacidade para se auto-regular com eficácia. Situações demenciais ou limitações físicas podem fazer com que o acesso aos líquidos seja dificultado, impossibilitando o idoso de se deslocar ou de os pedir. O envelhecimento dos rins diminui a capacidade de concentração da urina, o que faz com que, mesmo em privação o organismo continue a eliminar líquidos da mesma forma, não acautelando uma situação de desidratação. O fornecimento de água é feito, para além da contida nos alimentos ingeridos (1l/dia), e da oxidação destes (300ml/dia), através da bebida. Logo uma alimentação insuficiente e pobre compromete também o nível de hidratação do indivíduo (Ferry & Alix, 2004). A desidratação ocorre quando a perda se torna superiores à entrada de líquidos. As principais perdas são feitas através: - da sudação, cerca de 500ml em situações normais (aumenta substancialmente no caso de haver febre); - da respiração, cerca de 500ml num dia, (aumenta no caso de haver por exemplo dispneia ou ventilação mecânica); - da urina, o volume deve rondar os 500ml, embora difira consoante os líquidos consumidos e da medicação; - do aparelho digestivo, pela boca no caso de haver vómito ou pelo ânus através das fezes. (Ruipérez & Llorente, 1998). É necessário estar atento a todos estes mecanismos, para poder prevenir. No capitulo 7 Preparar a família e as instituições para prestar apoio na alimentação do idoso, são indicados sintomas da desidratação bem como quais as formas de a prevenir 14

15 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 15 SÍNTESE 1. NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo DISPNEIA Dificuldade respiratória provocada pelo esforço do organismo em aumentar a quantidade do oxigénio disponível nos pulmões para a oxigenação do sangue. É caracterizada por respiração curta e laboriosa. (Berger & Mailloux-Poirier, 1995) Os principais grupos alimentares podem ter várias representações gráficas, sendo exemplo disso a Nova Roda dos Alimentos. Nesta estão representados sete grupos alimentares: cereais, seus derivados e tubérculos; hortícolas; fruta; lacticínios; carne, pescado e ovos; leguminosas; gorduras e óleos. Cada é composto por alimentos ricos em diferentes nutrientes: hidratos de carbono; vitaminas; fibras alimentares; minerais e oligoelementos; proteínas; lípidos e água. Na pessoa idosa, as necessidades alimentares são idênticas às dos adultos. No entanto, existem especificidades ao nível de alguns nutrientes que requerem um cuidado acrescido. Conhecendo-as é possível adequar a escolha e a forma de prepararação para que a alimentação seja equilibrada e adaptada ao idoso. As necessidades de hidratação surgem como uma das preocupações centrais neste tema. Tendo em conta os aspectos fisiológicos, a diminuição da massa hídrica, a perda progressiva da sensação de sede e a fraca capacidade de concentração da urina, é importante estar atento a todos os sintomas e possíveis factores que levem à desidratação. 15

16 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page NOÇÕES BÁSICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃo ACTIVIDADES ACTIVIDADES PROPOSTAS 1. Utilizando como base de trabalho a última refeição completa que tomou (jantar ou almoço), descreva os alimentos que dela constaram e identifique qual o grupo alimentar a que cada um pertence. Verifique se os grupos se encontram na proporção aconselhada na Roda dos Alimentos. ACTIVIDADES DE AVALIAÇÃO 1. Compare a nova Roda dos Alimentos e a Pirâmide dos Alimentos. 2. O que é a Nova Roda dos Alimentos? 2.1. Em quantos grupos está dividida a Nova Roda dos Alimentos? 2.2. Diga quais os grupos e que tipo de alimentos os compõem, exemplificando. 3. Quais os nutrientes que conhece? 4. O que são hidratos de carbono complexos? 5. Classifique como verdadeiras ou falsas as seguintes afirmações e justifique cada uma delas: 5.1. Um idoso com febre necessita da mesma quantidade de água que um idoso saudável Se não forem diabéticos, os idosos podem comer doces Um idoso com uma ferida que dificilmente cicatriza pode beneficiar comendo iscas, e amêijoas. 16

17 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page 17 MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO 2 A ALIMENTAÇÃO DO IDOSO MANUAL DO FORMANDO 2

18 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO OBJECTIVOS GERAIS Identificar os factores que afectam o consumo de nutriente nos idosos; Definir má nutrição; Reconhecer factores de risco para a má nutrição no idoso e sinais a ela associados; Indicar as consequências da má nutrição no idoso; Conhecer as formas de avaliação da má nutrição. FACTORES QUE AFECTAM O CONSUMO DE NUTRIENTES NOS IDOSOS A alimentação do idoso é influenciada por diversos factores que interferem no consumo de nutrientes e consequentemente afectam o estado nutricional. Aspectos socioeconómicos, culturais, psicológicos, fisiológicos digestivos e não digestivos, intervêm directamente na forma como os indivíduos deste grupo etário se alimentam. ESTADO NUTRICIONAL É o resultado de um equilíbrio entre valores de energia e nutrientes, por um lado, e os dispêndios energéticos por outro. Este equilíbrio traduz-se pela manutenção dos processos metabólicos e pela composição corporal normal e estável (Ferry & Alix, 2004). FACTORES SOCIOECONÓMICOS, CULTURAIS E PSICOLÓGICOS O apoio familiar (ou a falta dele), bem como o facto de o idoso viver só e isolado, pode condicionar o tipo de alimentação. Em muitos casos por falta de condições e apoio social para fazer compras de qualidade, em quantidade suficiente, acabam por se alimentar de forma monótona e inadequada, recorrendo a alimentos fáceis de preparar (chá e torradas, pão com manteiga) ou muito calóricos, mas de baixo valor energético (bolos e bolachas). A solidão leva a um desinvestimento em si e ao desleixo na preparação de comida, argumentando, muitas vezes, que cozinhar só para si não vale a pena. Por outro lado, as refeições são também momentos de partilha social e comer sozinho é mais inibidor e potencia um desinteresse em relação à alimentação. Nas instituições, esse deve ser um momento privilegiado onde a componente social é estimulada, evidenciando aos idosos aspectos mais prazerosos. O factor económico, nomeadamente a escassez de recursos, conduz a um consumo insuficiente ao nível qualitativo e quantitativo de alimentos. Constrangimentos devido a pensões, reformas baixas e despesas elevadas com a medicação levam a um fraco poder económico (Campos, Monteiro & Ornelas, 2000). 18

19 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO No caso dos idosos viverem sozinhos é necessário ter também em conta o sexo e o estado civil. Culturalmente, as mulheres dominam a culinária e muitos homens nunca tiveram contacto com a preparação da refeição, logo, no caso de impossibilidade da companheira ou do seu falecimento, a alimentação vai ficar comprometida, caso a rede de apoio não intervenha. As tradições culturais como certas restrições alimentares (jejum, interdição de alguns alimentos), os usos, costumes e hábitos adquiridos ao longo da vida, interferem com a manutenção de um equilíbrio nutricional. É importante referir ainda que existe um profundo desconhecimento e falta de informação, por parte dos idosos, em relação à alimentação. Predominam as ideias preconcebidas e crenças falsas que impedem o ajuste à idade. O mesmo acontece por parte dos cuidadores, quer a família, quer as instituições, pois estão muito pouco sensibilizados para as necessidades específicas desta faixa etária (Berger & Mailloux-Poirier, 1995). Ao nível psicológico, as situações de depressão, motivadas pela perda progressiva de autonomia, pela solidão, desaparecimento de entes queridos e sentimento de inutilidade, dão origem a falta de apetite. Acontece, frequentemente, em contexto institucional, haver uma recusa e até repulsa pelos alimentos, o que pode estar associado a uma chamada de atenção e/ou um desinteresse pela vida. A ansiedade gera, por vezes, o efeito contrário, aumentando a vontade de comer e o peso. O tipo de sentimentos associados à alimentação difere consoante o indivíduo. Por exemplo, pode ser relacionada com a punição, ou, pelo contrário, com gratificação, sendo importante que quem cuida do idoso, ou faz parte da sua rede de apoio, esteja atento a este aspecto. Nos casos de demência, sobretudo numa fase inicial, ou em doentes que se apresentam ansiosos, a dificuldade em se alimentar surge, principalmente, pela instabilidade e falta de consciência da necessidade de comida e bebida. (Berger&Mailloux-Poirier, 1995) FACTORES FISIOLÓGICOS (DIGESTIVOS) Alterações do Gosto e do Olfacto Com a idade vão surgindo alterações ao nível orgânico. A redução do número de papilas gustativas e da sua eficácia contribui para que o sabor dos alimentos não seja sentido tão facilmente como em outras idades. Assim, muitas vezes, os idosos tendem a escolher alimentos muito doces ou muito salgados para que possam ter a percepção do que estão a comer. Outros factores que afectam o gosto são: alguns medicamentos, menor secreção salivar e uma higiene oral inadequada. Diminuição da Capacidade Mastigatória A alteração da dentadura é o principal motivo para a perda progressiva da capacidade de mastigar e ensalivar. O aparecimento de cáries, a osteoporose das gengivas, as próteses mal ajustadas ou a inexistência de dentes faz com que os idosos recorram amiúde a alimentos moles, fáceis de mastigar e ingerir. Assim, ficam de fora a fruta e os legumes mais duros, as carnes e as fibras, empobrecendo a dieta e conduzindo a um estado de desequilíbrio nutricional. Problemas na Deglutição Aparecem sobretudo em doenças que se associam à idade: acidentes vasculares cerebrais, fases terminais de doenças como o Parkinson e outras demências. É comum ver alguns idosos com 19

20 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO grande facilidade em engasgar-se, o que acontece devido à perda de acuidade neuromuscular. A alimentação fica comprometida, pois, para não se sujeitarem a esta situação, evitam determinados alimentos. Alterações ao nível do Estômago e Intestino Com o avanço da idade, devido à redução das contracções do estômago o esvaziamento gástrico é atrasado e a sensação de fome diminui. Também, o envelhecimento da mucosa gástrica atenua o nível de ácido clorídrico (essencial para efectuar a digestão), afectando assim a absorção de minerais e a digestão de proteínas. A quantidade de enzimas (catalizadores do processo digestivo) diminui e a capacidade de absorção intestinal é afectada. FACTORES FISIOLÓGICOS (NÃO DIGESTIVOS) O decréscimo de massa corporal e hídrica conduz a que a necessidade de comer e beber aumente, de modo a prevenir a escassez de reservas no caso de doença, exposição a situações de stress, entre outros. A insuficiente capacidade de concentração de urina por parte dos rins leva à perda de água e torna o idoso mais vulnerável a uma situação de desidratação. As alterações motoras correspondem a outro factor fisiológico que dificulta os movimentos e a possibilidade de se alimentar facilmente. DOENÇAS QUE AFECTAM O CONSUMO DE ALIMENTOS A diabetes, por desconhecimento dos idosos e de alguns cuidadores, leva a dietas desadequadas, suprimindo alimentos que são essenciais. O álcool (situações de alcoolismo), que numa faixa etária mais avançada tem um efeito devastador ao nível nutricional, impede a degradação de alguns nutrientes, impossibilitando a sua assimilação. Doenças do foro gástrico como esofagite de refluxo (azia crónica) e úlceras gástricas têm grande prevalência entre os idosos e são também condicionantes. Outras patologias, como a osteoporose, a artrite e a arteriosclerose, que são frequentes nesta faixa etária, interferem indirectamente na alimentação ao conduzirem a quadros em que a mobilidade é muito limitada e as hospitalizações prolongadas. OUTROS FACTORES - A adopção de dietas, quer as prescritas para situações específicas, quer as impostas pelo próprio, trazem sempre um risco associado, já que tendem a prolongar-se e impedir o fornecimento adequado de todos os nutrientes. - A hospitalização, bem como a institucionalização, pela fraca qualidade e atractividade das refeições, não favorecem o apetite e o suprimento das necessidades nutricionais. - A toma de medicação, antes da refeição, com ingestão de água, provoca anorexia (falta de apetite), bem como perda da sensibilidade, alteração do gosto e da humidade da boca. MÁ NUTRIÇÃO A má nutrição pode ser de dois tipos: exógena, devido a factores que afectam a ingestão de nutrientes que foram anteriormente enunciados, e endógena, que é motivada por um aumento das necessidades nutricionais desencadeado perante qualquer doença (infecção, enfarte do miocárdio, fracturas, escaras, entre outros). Neste último caso a necessidade de consumo de energia é superior e requer uma actuação rápida. 20 MÁ NUTRIÇÃO Desajuste entre as necessidades do indivíduo e os nutrientes ingeridos (quantitativamente e qualitativamente), o que traz diversas consequências, tornando-o mais vulnerável.

21 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO A MÁ NUTRIÇÃO: FACTORES DE RISCO E SINAIS DE ALERTA Quando existe má nutrição surgem sinais e factores de risco que evidenciam as carências nutritivas, quer qualitativamente, quer em termos de quantidade. Antes do aparecimento de qualquer sintoma ou sinal físico é importante olhar para o indivíduo e para o contexto onde se insere, para analisar o risco ao qual está sujeito. No Quadro 2.2 estão presentes alguns sinais que podem ser observados e que ao serem detectados pelo cuidado, estes pode encaminhar para o médico assistente, afim de avaliar a situação. O despiste da má nutrição pode evitar complicações de saúde graves se a intervenção for atempada. No Quadro 2.1 estão indicados alguns exemplos de factores aos quais é necessário estar atento para investigar mais profundamente se há ou não má nutrição. A abordagem do idoso terá que ser feita não só através de uma observação directa, mas também investigando o seu dia a dia, de forma a recolher dados que permitam fazer um diagnóstico. QUADRO FACTORES DE ALERTA - RISCO DE MÁ NUTRIÇÃO É de notar que nenhum destes sinais, isoladamente, significa que exista má nutrição 1. Rendimentos insuficientes 2. Perda de autonomia, física e psíquica 3. Viuvez, solidão, estado depressivo 4. Problemas ao nível da boca e dos dentes 5. Dietas 6. Problemas com a deglutição 7. Duas refeições por dia 8. Obstipação 9. Mais de 3 medicamentos por dia 10. Perda de 2kg no último mês ou de 4 kg nos últimos 6 meses 11. Qualquer doença Adaptado de Ferry & Alix, 2004 QUADRO SINAIS CLÍNICOS DE RISCO DE MÁ NUTRIÇÃO Olhos Cabelos Órgão Secura dos olhos Baços, com queda frequente Sinais Clínicos Boca Língua Pele Osso Sistema nervoso Extremidades Fissura dos lábios, hemorragias nas gengivas Vermelha, violácea, lisa e sem papilas Áspera seca, dermatose seborreica, dermatite, pequenas nódoas negras subcutâneas Pernas arqueadas, deformações do tórax Funções diminuídas Edema (Inchaço) Adaptado de Berger & Mailloux-Poirier,

22 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO CONSEQUÊNCIAS DA MÁ NUTRIÇÃO A má nutrição aparece frequentemente, tanto nos idosos que estão em instituições como nos que estão no domicílio e é muitas vezes subestimada. A nível individual tem como principais consequências o aumento da mortalidade e morbilidade, bem como a perda progressiva de autonomia; a nível social representa um aumento dos custos com a saúde (hospitalização, cuidados médicos, enfermagem) e com a dependência. CONSEQUÊNCIAS GERAIS O estado geral do idoso altera-se e é comprometido quando há um deficit ao nível da quantidade e qualidade de nutrientes. Esta alteração tem sinais e sintomas visíveis, como o emagrecimento progressivo e prolongado, com perda de massa muscular. O gasto de proteínas contidas no músculo, por carência proteica da alimentação, provoca um enfraquecimento do organismo e uma debilitação física que, para além de comprometer a saúde, afecta a vida diária. No Quadro 2.3 estão representadas algumas das consequências que a má nutrição pode acarretar a nível das actividades de vida diária (AVD) e das necessidades vitais A anorexia (falta de apetite) e a astenia (caracteriza- -se pela falta de energia, fraqueza) aparecem como causa e consequência da má nutrição, piorando o quadro do idoso e contribuindo para um agravamento do enfraquecimento. No caso de existir uma patologia aguda, o consumo de calorias e proteínas aumenta substancialmente, sendo que, se o aporte destes nutrientes não for rápido e eficiente, surge o risco de novos episódios. As reservas existentes são já limitadas e no caso de patologia aguda estas são abaladas, tornando difícil a sua reposição total. Assim, um idoso que perde peso, é pouco provável que venha a atingir o que tinha anteriormente, ao contrário do que acontece em idades mais jovens. CONSEQUÊNCIAS ESPECÍFICAS A má nutrição piora a deficiência fisiológica provocada pela idade que ao nível imunitário pode traduzir- -se num decréscimo das defesas do organismo. O idoso torna-se ainda mais vulnerável a infecções, quando estas surgem diminuem o apetite, levando a um agravamento do quadro nutricional e, consequentemente, à complicação e/ou ao aparecimento de novas infecções. (Ferry & Alix, 2004). A obstipação (prisão de ventre), muito usual nos idosos pode ter várias causas, mas umas das mais encontradas deve-se à ingestão insuficiente de líquidos e fibras alimentares. Este factor associa-se também à falta de mobilidade. Para além do desconforto, a obstipação pode trazer outras complicações. (Ferry & Alix, 2004). Ao nível da pele, a má nutrição e a desidratação podem favorecer o aparecimento de escaras e é por isso muito importante estar atento aos sinais de desidratação, para que se possa prevenir o aparecimento e tornar o tratamento mais eficaz (Ruipérez & Llorente, 1998). O aparecimento de osteoporose tem como principal motivo é a carência de vitamina D, proteínas e cálcio. Esta é uma doença que aparece maioritariamente nas mulheres, embora os homens também sejam muito afectados. Nos idosos a osteoporose é responsável por fracturas, sendo muito vulgar a do colo do fémur, grande factor de perda de autonomia e imobilização, causa de muitas hospitalizações e entrada em instituições (lares). Mesmo sendo a cura difícil, uma correcção dos hábitos alimentares de maneira a providenciar os nutrientes em falta pode atrasar o processo desta patologia. (Berger & Mailloux-Poirier, 1995; Ferry & Alix, 2004). A anemia é outra patologia que aparece com frequência no idoso, devido à insuficiência de hemoglobina no sangue. A má nutrição contribui para a sua existência, principalmente a carência de ferro, de vitamina B12 e de ácido fólico. A ingestão de alimentos ricos nestes nutrientes previne o aparecimento desta doença. A carência de vitaminas pode levar a uma série de distúrbios cognitivos e psíquicos, por vezes negligenciado. No Quadro 2.4 apresentamos alguns exemplos dos distúrbios clínicos que podem ocorrer. OSTEOPOROSE Associação patológica de uma diminuição da densidade mineral óssea com uma desorganização da arquitectura óssea. 22

23 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO QUADRO CONSEQUÊNCIAS DA MÁ NUTRIÇÃO AO NÍVEL DE OUTRAS NECESSIDADES VITAIS E ACTIVIDADES DA VIDA DIÁRIA (AVD) Necessidades Vitais e AVD Eliminar Consequência Obstipação resultante do consumo inadequado de fibras alimentares. Alteração da eliminação urinária associada a uma insuficiente ingestão de líquidos. Mover-se e manter boa postura Pouca capacidade para se movimentar, devido à fraqueza provocada por hábitos alimentares incorrectos. Dormir e repousar Perturbações dos hábitos de sono, associados à dor, secundária a hábitos alimentares incorrectos (como por exemplo a osteoporose). Vestir e despir Manter a temperatura do corpo Incapacidade de se vestir devido a obesidade ou emagrecimento. Hipertermia (aumento da temperatura) devido a um consumo insuficiente de líquidos dentro dos limites normais Estar limpo e cuidado Potencial compromisso da integridade da pele devido à sua secura. Compromisso da mucosa oral devido a higiene deficiente e estomatite. Evitar os perigos Risco de acidente associado a deficit sensorial e a uma fraqueza provocada pela falta de apetite e pela má nutrição. Comunicar com os outros Alteração das percepções sensoriais e em alguns deficits cognitivos e mnésicos que dificultam a comunicação. Ocupar-se tendo em vista Dificuldades de concentração e intolerância à actividade. a auto-realização Divertir-se Ausência de ocupação de tempos livre associada a debilitação física. Recusa de actividades que se relacionem com alimentação. Adaptado de Berger & Mailloux-Poirier, 1995 QUADRO PRINCIPAIS DISTÚRBIOS CLÍNICOS PROVOCADOS PELA CARÊNCIA DE VITAMINAS B1 B3 B6 B9/B12 C Vitaminas Distúrbios Clínicos Distúrbios de humor e outras síndromes neurológicas Astenia, anorexia, confusão, demência Astenia, depressão, distúrbios mnésicos Astenia, depressão, distúrbios mnésicos, demência Astenia, depressão, demência Adaptado de Ferry & Alix,

24 formando_alimentacao.qxp 7/23/07 2:20 PM Page MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO MÁ NUTRIÇÃO: CAUSAS, SINTOMAS, CONSEQUÊNCIAS E AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL A avaliação do estado nutricional é tarefa dos clínicos, nutricionistas, médicos, ou em alguns casos enfermeiros, pelo que abordaremos apenas de forma geral. A sua elaboração tem por base três dimensões fundamentais: história dietética, medidas antropométricas e parâmetros bioquímicos. HISTÓRIA DIETÉTICA Conhecer e compreender a forma como o idoso se alimenta é essencial para avaliar o estado nutricional e despistar casos de má nutrição. Uma das formas de conhecer os hábitos alimentares é através de questionários, como o MNA (Mini Nutricional Assessment), cuja versão portuguesa adaptada se apresenta no Quadro 2.5 (nos Textos de aprofundamento temático encontra-se uma série de orientações em relação ao tipo de conduta a adoptar consoante a pontuação obtida). Outro instrumento de avaliação é o registo feito pelos próprios idosos ou pelos cuidadores, onde se assenta todos os alimentos ingeridos, a quantidade (pesagem se for necessário) e a frequência. Podem ainda ser recolhidos dados através de entrevista, onde são colocadas questões como o orçamento destinado à alimentação, a capacidade do idoso para fazer compras e armazená-las em casa, como são preparados e confeccionados os alimentos, o número de refeições diárias, se o idoso está ou não a fazer alguma dieta específica, quais as preferências alimentares, entre outros. O cuidador poderá utilizar os questionários ou os registos para fazer o despiste de uma situação de má nutrição. No entanto, deverá sempre contactar um nutricionista ou um médico, para obter uma avaliação clínica completa. MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS E PARÂMETROS BIOQUÍMICOS São efectuadas medições clínicas do corpo do idoso: o peso, a altura, o perímetro da barriga da perna e pregas cutâneas. Os parâmetros bioquímicos são retirados através de análises ao sangue e apesar de não serem muito específicos, reportam o estado nutricional do organismo (Ferry & Alix, 2004). 24

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS... um guia para a escolha alimentar diária! 1-3 3-5 2-3 1,5-4,5 1-2 3-5 4-11 COMA BEM, VIVA MELHOR! O QUE É UMA PORÇÃO?* POR DIA quantas são necessárias? ** Cereais e derivados, tubérculos

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável ANO LECTIVO 2010/2011 Alimentação Saudável Turma: 8º A Elaborado por: Adriana nº1, Carolina Pereira nº8 e Cátia nº10 Disciplina: Área de Projecto e Formação Cívica Professores: Eurico Caetano e Helena

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos?

1. Introdução. 2. O que é a Roda dos Alimentos? 1. Introdução Educar para uma alimentação saudável é essencial na tentativa de ajudar os jovens a tornar as escolhas saudáveis escolhas mais fáceis. Educar para comer bem e de uma forma saudável, constitui

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam. Dieta durante o tratamento O que comer e o que evitar de comer Após a cirurgia A maioria das pessoas sente-se apta para comer outra vez após a cirurgia, aumentando o seu apetite à medida que os dias passam.

Leia mais

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Página1 OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Importância dos alimentos Todos os animais, incluindo o homem, precisam de se alimentar para sobreviver. Porque são tão importantes os alimentos? Os alimentos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35

Conheça 30 superalimentos para mulheres Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:28 - Última atualização Dom, 02 de Dezembro de 2012 11:35 Manter a saúde, deixar a barriga sarada e aumentar a energia são benefícios que podem ser conquistados com a escolha correta dos alimentos. Alguns itens colaboram para ter ossos fortes, queimar gordura,

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012 Alimentação saudável Nídia Braz Outubro, 2012 A alimentação tradicional portuguesa é variada, usa matérias primas diversas, preparadas de modos muito variado, quer pela indústria quer em casa. 2 Nídia

Leia mais

No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo?

No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo? No Verão não dispense a hidratação! Sabia que a falta de concentração pode dever-se a falta de água no organismo? Seja Inverno ou Verão, abrace esta refeição! Sabia que o Pequeno-almoço ajuda a controlar

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos Ano: 2010/2011 Disciplina: Educação Física Professora: Rita Marques Trabalho realizado por: Andreia Cipriano Catarina Silva Jéssica Pereira Mónica Algares Patrícia Martinho A roda dos alimentos Para se

Leia mais

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA!

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! Sumário Introdução Composição da sopa Benefícios da sopa Que quantidade de sopa devo comer por dia? Sopa no início ou depois do prato principal? Receitas de sopas

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

Índice. Roda dos Alimentos

Índice. Roda dos Alimentos Índice Índice... 2 O que é a roda dos alimentos?... 3 Como é constituída?... 4 Cereais, Leguminosas Secas e Tubérculos Ricos em Hidratos de Carbono... 5 Produtos Hortícolas e Frutos... 6 Conclusão... 7

Leia mais

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS:

GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1 GORDURAS E COLESTEROL NOS ALIMENTOS: 1) MODIFICAÇÃO NA INGESTÃO DE GORDURA: O consumo de menos gordura é um aspecto importante da orientação nutricional para comer de maneira mais saudável, para a protecção

Leia mais

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS O NOSSO CORPO É CONSTITUÍDO NA MAIOR PARTE POR ÁGUA A ÁGUA É O PRINCIPAL CONSTITUINTE DO ORGANISMO, É ESSENCIAL PARA A VIDA E TEM

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas

Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e. outros sintomas Uma Boa alimentação e sua relação com a dor, humor e outros sintomas Nutricionista Camila Costa Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício InCor/FMUSP Será que o que você come influencia

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO

ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO ALIMENTAÇÃO - O QUE DEVE SER EVITADO - O QUE DEVE SER CONSUMIDO Lucia B. Jaloretto Barreiro Qualidade de Vida=Saúde=Equilíbrio Qualidade de Vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. É estar

Leia mais

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada.

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada. DISCIPLINA: Ciências Naturais ANO: 9º ano de escolaridade UNIDADE DIDÁCTICA: Saúde individual e comunitária. O organismo humano em equilíbrio: alimentação. 1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde.

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. SABOR Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. Conteúdo produzido pela equipe de Comunicação e Marketing do Portal Unimed e aprovado pelo coordenador técnico-científico:

Leia mais

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE. Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE Silvia Regina Cantu Benedetti Nutricionista em Assistência Domiciliar Maio 2011 Definição e estimativa Envelhecer significa conviver com as alterações próprias prias da idade.

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES Os inquéritos foram realizados junto de alunos do 6º ano da Escola EB 2,3 de Matosinhos, durante o mês de Novembro de 24. Responderam ao inquérito 63

Leia mais

GUIA DE BOLSO. Está na hora de incluir a fruta e os hortícolas na alimentação! SAIBA PORQUÊ

GUIA DE BOLSO. Está na hora de incluir a fruta e os hortícolas na alimentação! SAIBA PORQUÊ GUIA DE BOLSO Está na hora de incluir a fruta e os hortícolas na alimentação! SAIBA PORQUÊ Sumário Introdução Benefícios do consumo de hortofrutícolas A importância dos hortofrutícolas segundo a Roda dos

Leia mais

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares HÁBITOS ALIMENTARES Hoje, em virtude da vida agitada, trabalho, estudo, família e outras inúmeras responsabilidades, todos ficam vulneráveis às doenças causadas

Leia mais

especial iate LIAMARA MENDES

especial iate LIAMARA MENDES 54 Maio / Junho de 2013 especial use os alimentos a seu favor iate por LIAMARA MENDES Uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos pode ser considerada a fórmula ideal para a conquista do corpo perfeito.

Leia mais

Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde!

Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde! Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde! Alimentação Saudável! Faça mais pela sua Saúde! Ficha Técnica Título: Direcção Editorial: Concepção: Corpo Redactorial: Produção Gráfica: Propriedade: Alimentação

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

Colégio Português Creche Semana de 22 a 26 de Junho de 2015 Almoço

Colégio Português Creche Semana de 22 a 26 de Junho de 2015 Almoço Semana de 22 a 26 de Junho de 2015 Sopa Creme de legumes com solha 4 199 47 0,6 0,1 7,4 0,7 2,9 0,2 Esparguete com salmão e legumes cozidos 1,3,4 958 229 12,8 2,4 17,2 1,2 10,6 0,5 Sobremesa Creme de maçã

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

Como nosso corpo está organizado

Como nosso corpo está organizado Como nosso corpo está organizado Iodo Faz parte dos hormônios da tireoide, que controlam a produção de energia e o crescimentodocorpo.aleiobrigaaadiçãodeiodoaosaldecozinha. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável?

Como podemos escolher os alimentos para crescer de forma saudável? 1. Introdução A vida começa com a alimentação, e esta desempenha uma influência determinante no desenvolvimento emocional, mental, físico e social de cada um. A alimentação consiste em obter do ambiente

Leia mais

A Dieta Atkins promete não somente redução de peso, mas também uma melhoria no seu sistema cardíaco e funções da memória, dentre outros benefícios.

A Dieta Atkins promete não somente redução de peso, mas também uma melhoria no seu sistema cardíaco e funções da memória, dentre outros benefícios. DIETA DE BA IXO ÍNDICE DE GL IC E M IA (LOW CARB DIET ) A dieta de baixo índice de glicemia ou baixa em hidratos de carbono é indicada para tal por ser mais equilibrada e até é indicada para diabéticos

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS Sumário Introdução... 3 1 - A importância da Água... 4 2 - Organizando a sua alimentação diária... 6 3 A eliminação... 7 4 Sugestões de óleos... 8

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE. Profª MSc Monyke Lucena

ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE. Profª MSc Monyke Lucena ALIMENTOS, NUTRIENTES E SAÚDE Profª MSc Monyke Lucena Para podermos praticar esportes, estudar ou realizar qualquer outra atividade, devemos ter energia no nosso organismo; Essa energia é fornecida pelos

Leia mais

Lição N o 5. Vitaminas. Objectivos de Aprendizagem. introdução. No final desta lição, você será capaz de:

Lição N o 5. Vitaminas. Objectivos de Aprendizagem. introdução. No final desta lição, você será capaz de: Lição N o 5 Vitaminas Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Mencionar algumas vitaminas, as suas propriedades, respectivas fontes e funções. Identificar algumas doenças causadas

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas Anexo A Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo B (Capitações máximas dos alimentos de refeições

Leia mais

Entendendo a lipodistrofia

Entendendo a lipodistrofia dicas POSITHIVAS Entendendo a lipodistrofia O que é a lipodistrofia? Lipodistrofia é quando o corpo passa a absorver e a distribuir as gorduras de maneira diferente. Diminui a gordura nas pernas, braços,

Leia mais

CONSELHOS para uma boa alimentação em viagens por estrada

CONSELHOS para uma boa alimentação em viagens por estrada CONSELHOS para uma boa alimentação em viagens por estrada 1 Água ALIMENTE-SE DE FORMA EQUILIBRADA E SAUDÁVEL. A alimentação influi na sua segurança ao volante. Uma alimentação incorreta pode gerar fadiga,

Leia mais

Gordura. Monoinsaturada

Gordura. Monoinsaturada No contexto de uma alimentação saudável, as gorduras provenientes de diferentes alimentos são essenciais ao bom funcionamento do nosso organismo e, quando consumidas nas proporções recomendadas (não excedendo

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Quando ocorre uma Onda de Calor emitem-se Alertas: Amarelo ou Vermelho, com menos e mais gravidade, respectivamente. Devem adoptar-se cuidados

Leia mais

Principais propriedades físicas da água.

Principais propriedades físicas da água. BIOQUÍMICA CELULAR Principais propriedades físicas da água. Muitas substâncias se dissolvem na água e ela é comumente chamada "solvente universal". Por isso, a água na natureza e em uso raramente é pura,

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Nutrientes. E suas funções no organismo humano

Nutrientes. E suas funções no organismo humano Nutrientes E suas funções no organismo humano O corpo humano necessita de uma série de substâncias básicas indispensáveis para a formação de tecidos, para obtenção de energia, para a realização de atividades

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO (segunda parte) A ESCOLHA Responda à seguinte pergunta: Você gosta de carro? Se você gosta, vamos em frente. Escolha o carro de seus sonhos: Mercedes,

Leia mais

Tipos de Diabetes e 10 Super Alimentos Para Controlar a Diabetes

Tipos de Diabetes e 10 Super Alimentos Para Controlar a Diabetes Esse Ebook Tem O Objetivo de Ajudar Diabéticos, a Levar Uma Vida Normal Lembrando Que A Diabetes E Uma doença Silenciosa, e Muito Perigosa se Você Ignora-la. Um Outro Ponto Importante e Que A forma de

Leia mais

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes DOSSIER INFORMATIVO Descodificar o conceito dos antioxidantes 1 QUADRO RESUMO aos antioxidantes ajudam o organismo a combater os efeitos nefastos dos radicais livres; aos radicais livres são elementos

Leia mais

Processo de envelhecimento

Processo de envelhecimento Fernando Santos Processo de envelhecimento O idoso não é uma versão mais velha do adulto jovem O idoso tem características metabólicas distintas que alteram as necessidades em relação a nutrientes específicos

Leia mais

Diabetes e doença cardiovascular

Diabetes e doença cardiovascular Diabetes e doença cardiovascular A diabetes implica um risco aumentado de doença cardiovascular? Sim! As pessoas com diabetes têm um risco aumentado de doenças cardiovasculares, tais como a doença coronária

Leia mais

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS

EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS EMEF TI MOACYR AVIDOS DISCIPLINA ELETIVA: COZINHANDO COM OS NÚMEROS (ALUNOS) Público Alvo: 6ºs E 7ºs ANOS (DISCIPLINA) Área de Conhecimento: MATEMÁTICA e LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSORES: JANAINA ROSEMBERG

Leia mais

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde.

Nutrição. O alimento como aliado da sua saúde. Nutrição O alimento como aliado da sua saúde. alimentação saúdavel Alimentação saúdavel e cuidados nutricionais são importantes em todas as fases da vida e devem ser tratados com distinção em cada período.

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para

saúde envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento saudável Comer bem para saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 3 - Setembro 2014 Comer bem para envelhecer melhor Uma dieta rica em nutrientes contribui positivamente para um envelhecimento

Leia mais

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Universidade de Évora Departamento de Química Vânia Pais Aluna do Curso de Mestrado em Química Aplicada SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Com o passar dos anos, o aumento da

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1 BALANÇA ALIMENTAR PORTUGUESA 14 de Dezembro de 26 - CONSUMO DE PROTEÍNAS E GORDURAS EM PORTUGAL É TRÊS VEZES SUPERIOR AO RECOMENDADO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS DIMINUI 16% EM 14 ANOS E É ULTRAPASSADO

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Infância -Promoção e consolidação dos hábitos alimentares - Incremento das necessidades nutricionais para

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

OS FRUTOS E OS VEGETAIS

OS FRUTOS E OS VEGETAIS OS FRUTOS E OS VEGETAIS Os frutos e os vegetais representam uma parte fundamental da alimentação saudável! De um modo geral, podemos dizer que estes alimentos são fornecedores indispensáveis de minerais

Leia mais

FICHA TÉCNICA. ISBN: 978-989-96506-7-1 Novembro de 2010 APN

FICHA TÉCNICA. ISBN: 978-989-96506-7-1 Novembro de 2010 APN FICHA TÉCNICA Título: A criança e a Diabetes: Aqui aprendes a comer! Direcção Editorial: Alexandra Bento Concepção: Delphine Dias Corpo Redactorial: Delphine Dias, Ana Martins Produção Gráfica: Delphine

Leia mais