VIAGENS AÉREAS EM PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR AVANÇADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIAGENS AÉREAS EM PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR AVANÇADA"

Transcrição

1 VIAGENS AÉREAS EM PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR AVANÇADA Valéria Maria Augusto Professora Adjunta - Doutora UFMG Contexto passageiros voaram em 006 Desde então: aumento do número e da idade Em registros nos EUA / ano Sintomas respiratórios: 3ª causa desvio rota Vida real VGM 8 anos -M Asma grave com remodelamento S O = 9% aa Viagem BH - Phoenix EST 54 anos -M PIU DVR moderado DLCO = 45% Viagem BH -SP (para tx) SO = 89% aa o (95% com O a l/min) o Reabilitado 1

2 Ciclos fundamentais do processo respiratório A energia solar é incorporada no primeiro ciclo, transportada nos dois seguintes e liberada no último. P = 0,1 ( ) RIGATO, M. Insuficiência respiratória não-pulmonar. P In: BENDIXEN, H. H. etal. Conceitos ambo atm atuais em respiração. São Paulo: Fundo Editorial, p Ciclos fundamentais do processo respiratório A energia solar é incorporada no primeiro ciclo, transportada nos dois seguintes e liberada no último. Pl = O 0,1(P - P ) RIGATO, M. Insuficiência PA O respiratória = 0,1(P não-pulmonar. atm In: BENDIXEN, - PH OVA H. H. etal. ) - Conceitos PA atm HOVA atuais em respiração. São Paulo: Fundo Editorial, p CO Ciclos fundamentais do processo respiratório A energia solar é incorporada no primeiro ciclo, transportada nos dois seguintes e liberada no último. PaO = PA O - G ( A-a) O RIGATO, M. Insuficiência respiratória não-pulmonar. In: BENDIXEN, H. H. etal. Conceitos atuais em respiração. São Paulo: Fundo Editorial, p

3 Ciclos fundamentais do processo respiratório A energia solar é incorporada no primeiro ciclo, transportada nos dois seguintes e liberada no último. RIGATO, M. Insuficiência respiratória não-pulmonar. In: BENDIXEN, H. H. etal. Conceitos atuais em respiração. São Paulo: Fundo Editorial, p Equações P = 0,1 ambo ( P atm ) Pl = O 0,1(Patm - P HOVA ) PA = 0,1(P - P ) - PA O atm HOVA CO Pa = PA - G ( A-a) O O O Relação entre pressão Troposfera= camada mais interna da atmosfera = nível do mar até a altitude de pés = 7.95 m nos polos, pés = m nas zonas temperadas, pés = m na linha do Equador. atmosférica e altitude Exponencial 3

4 Nível do mar: Cabine pressurizada X o 0,1 x 760 = 159,5 mmhg o PI O = 0,1 (760-47) = 149,7 mmhg o PA O = 0,1 (760-47) - /0,8 = 99,7 mmhg PA CO Pa O = 95 mmhg nível do mar Cabine pressurizada pés (.438 m): o 0,1 x 514 = 108 mmhg o PI O = 0,1 (514-47) = 98,1 mmhg o PA O = 0,1 (514-47) - PA CO /0,8 = 48,1 mmhg Pa O = 43 mmhg HIPERVENTILAÇÃO Curva de S O A variação da pressão atmosférica e, consequentemente, da pressão arterial de O, em indivíduos sadios afeta pouco a S O e o conteúdo periférico de O (Ca O ). Adaptações agudas à altitude Aumento da ventilação o Hipocapnia alcalose desvio da curva de SO para a E Aumento do débito cardíaco o HiperaLvidade simpálca aumento da FC o Redução da alvidade parassimpálca vasodilatação periférica Aumento da PAP o Vasoconstrição arteriolar pulmonar hipóxica aumento da resistência arteriolar pulmonar J. Appl. Physio 116:478485,

5 Consequências clínicas Eventos médicos graves parecem ser infrequentes: duração curta dos voos. Ao mais comuns são: 1 -Cardíacos -Neurológicos 3 -Pulmonares (10%) Há entretanto poucos dados epidemiológicos. SO ao nível do mar não parece prever a oxigenação em altitudes. Testes de simulação da hipóxia da altitude são os mais fidedignos. Medidas de PAP, função do VD e poderão ser úteis. J. Appl. Physio 116:478485, 014. Como avaliar o paciente DPA? Testes de caminhada ocompanhias aéreas: 50 m -não validado otc6 -um estudo Equações de predição otendem a superestimar a necessidade de O Teste de hipóxia(hast ou HCT) osimulam ambiente com O = 15,1% Indicação do teste de hipóxia Portadores de doenças pulmonares crônicas Não usuários de oxigênio SO < 95% em aa Independente de PaCO FINALIDADE: avaliar a necessidade de O PACIENTES EM ODP Pacientes com ODP 4 l/min -NÃO VOAR Pacientes com ODP < 4 l/min-dobrar o fluxo Thorax011;66(9)Supl. 5

6 Teste de hipóxia (HAST -HST -HCT) Simula uma atmosfera com O = 15,1% Métodos diferentes, não padronizados Consiste em colocar o paciente respirando uma mistura de nitrogênio através de uma máscara de Venturi. o Tempo: 0 minutos. Pacientes que dessaturampara 85% o O por CN o Tempo: 0 minutos para titulação. Chest 011;140(1): Interpretação do teste de hipóxia e grau de evidência Resultado do teste Recomendação Grau de evidência PaO > 50 mmhg SO > 85 Oxigênio não necessário durante o voo C PaO < 50 mmhg SO < 85% Oxigenioterapia via cateter nasal a l/min C Thorax 011; 66(9). Supl. The safety of air transportation of patients with advanced lung disease Experience with 1 patients requiring lung transportation or pulmonary thromboendarterectomy Diagnósticos Enfisema 4 Fibrose 6 FC 3 Eisenmenger 3 HAP I Cardiomiop/ amiodarona 1 TEP crônica Procedimentos indicados Txunilateral 9 Txbilateral 4 Tx cor/pulmão 6 Tromboendarterectomia PaO emsolo 40 a 59 mmhg PaCO em solo 8 a 43 mmhg Saída: Telaviv Voos comerciais Um instável com amina (óbito no transporte) 19 acompanhados Destinos Munique 6 Bruxelas 6 Paris 3 Londres 1 Marselha 1 SanDiego /LA 3 Stanford 1 Chest, 1995;108:

7 Estudo prospectivo de viagens aéreas em pacientes portadores de doenças pulmonares Nenhum óbito durante voo. Óbitos dentro de 30 dias (antes ou depois) do voo. EurRespirJ 007;30: Estudo prospectivo de viagens aéreas em pacientes portadores de doenças pulmonares Todos Hospitalizados Faleceram Eur Respir J 007;30: Estudo prospectivo de viagens aéreas em pacientes portadores de doenças pulmonares 500 questionários retornados ohct - hipoxiachallengetest em 75 8 (30%) -S O > 96% * o 19 (3%) -S O < 85% durante o teste * Recomendações da BTS 00 SO < 95% = HCT Eur Respir J 007;30: Thorax 00;57:

8 TC6 como preditorde hipoxemia em viagens aéreas FPI (n=15) DPOC (n=15) Idade (anos) Sexo (M/F) 10/5 1/3 VEF 1 (%) VEF 1 /CV(%) CPT (%) SO basal (%) Aviat Space Environ Med 007;78(8):789. Equações Cálculo da PaO em altitudes Relaciona a PaO na altitude (Alt) à PaO ao nível do mar (Solo) PaO Alt (mmhg) = 0,410 x PaO Solo (mmhg) + 17,65 Relaciona a PaO na altitude (Alt) à PaO ao nível do mar (Solo) e inclui o VEF1 (l) PaO Alt (mmhg) = 0,519 x PaO Solo (mmhg) + 11,855 x VEF 1(l) 1,760 Relaciona a PaO na altitude (Alt) à PaO ao nível do mar (Solo) e inclui o VEF1 (%) PaO Alt (mmhg) = 0,453 x PaO Solo (mmhg) + 0,386 x VEF 1(%) +,44 Relaciona a PaO na altitude (Alt) à PaO ao nível do mar (Solo) e inclui a altitude do voo ou do destino PaO Alt (mmhg) =,8 -(,74 X altitude (1000 pés)* + 0,68 x PaO Solo (mmhg) Dillard 1993; Chest 103():4-45. Algorithm for managing adult passengers with respiratory disease planning air travel Thorax 011;66:

9 COPD and Air Travel Oxygen Equipment and Preflight Titration of Supplemental Oxygen HAST* ~ Câmara hipobárica Concentradores de O fornecem não são aceitáveis para fornecimento de O em viagens aéreas *HAST - Hipoxia Altitude Simulating Test Chest, 011;140(1): Oxigênio a bordo -MEDIF DA 11 Opaciente necessita de OXIGÊNIO** durante o voo? Sim Não Caso positivo indiqueo fluxo necessário: Fluxo (Lmin) Contínuo? DA 1 O pacientenecessita alguma MEDICAÇÃO* que deva pessoa, e/ou utilizar algum ser administrada por outra equipamento especial, tal como respirador, incubadora, etc.**? (a) Em TERRA enquanto no(s) aeroporto(s) Sim Não Especificar: DA13 (b) A bordoda AERONAVE: Sim Não Especificar: DA 14 O pacientenecessita HOSPITALIZAÇÃO? (caso tomadas ou, tiverem sido positivo, indique as providências se não tomadas, indicar NENHUMA AÇÃO TOMADA ) (a) Durante longas esperas ou pernoite no(s) TRECHOS(S) da rota? Sim Não Ação: DA 15 (b) Após chegada ao DESTINO? Sim Não Ação: DA16 Outras informações ou sugestões que proporcionem ao seu paciente um Sim Não transporte suave e confortável? Especificar se houver: Oxigênio a bordo -TAM Se você seguiu as devidas instruções e está com o formulário MEDIF preenchido, assinado e carimbado pelo médico responsável, envie o documento para análise da equipe médica da TAM através do prazo de 10 dias até 48h de antecedência à data da sua viagem. A confirmação do transporte é sujeita à avaliação da equipe médica da TAM e, assim que a análise do MEDIF for concluída, um será enviado com a resposta. Por motivo de segurança operacional e de saúde, o transporte poderá ser negado. 9

10 Oxigênio a bordo -GOL Passageiros que precisem de oxigênio medicinal a bordo devem solicitar o serviço à GOL até 7horas úteis antes do horário de partida do voo. Os cilindros de oxigênio disponíveis no avião foram especialmente desenvolvidos e homologados pela Autoridade Aeronáutica para este uso durante voo. Este serviço é cobrado separadamente por trecho utilizado. Faz-se necessário envio de Laudo Médico com validade de trinta dias, a contar da data de emissão, constando a patologia, código CID e estado clínico do passageiro. Ressaltamos que o laudo deve ser emitido pelo mesmo médico que efetuou o preenchimento do formulário MEDIF. Oxigênio a bordo -AZUL A AZUL não atende as solicitações de transporte em maca, nem o uso de oxigênio medicinal a bordo de suas aeronaves. Conclusões Pacientes portadores de doenças pulmonares viajam cada dia mais. A avaliação do risco de hipóxia durante o voo é anedotal em nosso meio. A avaliação do risco de hipóxia ainda não é uniforme no mundo. É provável que muitas complicações de hipóxia durante voos sejam eventos neurológicos ou cardíacos. 10

11 Conclusões Pacientes usuários de oxigênio com fluxo menor do que 4l/min, podem viajar em voos comerciais, desde que dobrem o fluxo. Uso de concentradores portáteis não atendem às necessidades daqueles que precisam de O para voar. Pacientes em ODP com fluxos superiores a 4 l/min ambulância aérea. Pacientes com SO < 95% não em ODP, sem condições de teste de hipóxia. o Utilizar o TC6? o Utilizar equação de predição Obrigada 11

A ser preenchido pelo Passageiro ou Responsável Legal. Responder TODAS as questões Preencher com LETRA DE FORMA LEGÍVEL ou DIGITAÇÃO.

A ser preenchido pelo Passageiro ou Responsável Legal. Responder TODAS as questões Preencher com LETRA DE FORMA LEGÍVEL ou DIGITAÇÃO. FORMULÁRIO - Cuidados com Passageiros MEDIF- Formulário de Informações Médicas para viagens aéreas Folha de informações para passageiros que requeiram Assistência Especial Por favor, envie este formulário

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

O que fazer. Gesso e fraturas.

O que fazer. Gesso e fraturas. DOUTOR,POSSO VOAR? (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5625830708854803828, em 15/05/2012) Posso viajar de avião se estou com conjuntivite ou depois de me recuperar de um

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

TARIFA OPERADORA TAM. Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes TAM Tarifa Operadora. Julho/2013

TARIFA OPERADORA TAM. Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes TAM Tarifa Operadora. Julho/2013 Julho/2013 TARIFA OPERADORA TAM Procedimentos e orientações para consulta, reserva e emissão de bilhetes TAM Tarifa Operadora Clube Turismo Matriz Av. Pres. Epitácio Pessoa, 724, Torre CEP 58040-000 João

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Oxigenoterapia e sua relação com os atendimentos de fisioterapeutas cardiorrespiratórios Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Considerações Gerais O oxigênio é um velho conhecido

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES INTRODUÇÃO É com grande satisfação que informamos que a GOL linhas Aéreas Inteligentes, a partir de 05/12/2006, disponibilizará o seu conteúdo de vôos para reservas e vendas no sistema

Leia mais

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma Respiração + Circulação Basic Life Support Facilitadora Enf a. Ana Carolina Corgozinho E-mail anacorgozinho@uol.com.br Respiração Os seres vivos conseguem resistir a restrições alimentares, pois sobrevivem

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos Assistência Ventilatória no Domicílio Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Hospital Universitário São José Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia Epidemia de Poliomielite 1953

Leia mais

Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes

Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes A Câmara Técnica (CT) de Medicina Aeroespacial do Conselho Federal de Medicina (CFM) divulga recomendações aos médicos, aos passageiros

Leia mais

Acessibilidade. Dicas ANAC

Acessibilidade. Dicas ANAC Acessibilidade Dicas ANAC Acessibilidade Assistência especial Passageiros que podem solicitar assistência especial: Gestantes; Idosos a partir de 60 anos; Lactantes; Pessoas com criança de colo; Pessoas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU 1.- Entidade organizadora. - A entidade organizadora deste concurso é a empresa Vacaciones edreams, S.L. Sociedad Unipersonal (a partir desde momento designada como edreams),

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

PROMOÇÃO 2x1 AMERICAN EXPRESS

PROMOÇÃO 2x1 AMERICAN EXPRESS PROMOÇÃO 2x1 AMERICAN EXPRESS Os Titulares dos cartões The Platinum Card American Express Aeroméxico, The Platinum Card American Express, American Express Corporate Platinum Card e The Centurion Card American

Leia mais

Sistema para gestão de viagens corporativas

Sistema para gestão de viagens corporativas Sistema para gestão de viagens corporativas Introdução O WTS Corporate: É um sistema de gestão de viagens que permite aos viajantes e assistentes criarem suas próprias reservas de voo, de hotel, solicitações

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU 1.- Entidade organizadora. - A entidade organizadora deste concurso é a empresa Vacaciones edreams, S.L. Sociedad Unipersonal (a partir desde momento designada como edreams),

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

TMS - TRAVEL MANAGEMENT SYSTEM. Sistema de pesquisa, reservas e gerenciamento de viagens nacionais e internacionais.

TMS - TRAVEL MANAGEMENT SYSTEM. Sistema de pesquisa, reservas e gerenciamento de viagens nacionais e internacionais. TMS - TRAVEL MANAGEMENT SYSTEM Sistema de pesquisa, reservas e gerenciamento de viagens nacionais e internacionais. G u i a do u s u á r i o TMS TRISTAR MANAGEMENT SYSTEM Guia do Usuário TRISTAR VIAGENS

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

O mais rápido e completo Front-Office e Self-Booking para sua agência Corporativa

O mais rápido e completo Front-Office e Self-Booking para sua agência Corporativa O mais rápido e completo Front-Office e Self-Booking para sua agência Corporativa Sobre a WTS Atua há mais de 13 anos no segmento de Front Offices, exclusivamente no mercado de turismo. Produtos para Agências

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO: OLÁ BRASIL!

REGULAMENTO DO CONCURSO: OLÁ BRASIL! REGULAMENTO DO CONCURSO: OLÁ BRASIL! 1.- Entidade organizadora. - A entidade organizadora deste sorteio é a empresa Vacaciones edreams, S.L. Sociedad Unipersonal (a partir desde momento designada como

Leia mais

Referência do Vôo. Sobrenome. Inicial. Itens neste Pacote de Viagem. Declaração Médica. Cartões de embarque

Referência do Vôo. Sobrenome. Inicial. Itens neste Pacote de Viagem. Declaração Médica. Cartões de embarque E-Ticket 1 Referência do Vôo Referência da Acomodação ET7514800 R5639 Data de Emissão Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2004 Sobrenome Inicial A Itens neste Pacote de Viagem 2 1 1 0 4 5 Itinerários da Formulário

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

ANIMAL DE ESTIMAÇÃO COMO BAGAGEM DE MÃO

ANIMAL DE ESTIMAÇÃO COMO BAGAGEM DE MÃO Com nosso serviço Delta Pet First, os membros peludos de sua família viajam com segurança e conforto. Oferecemos várias opções para levar seu animal de estimação ao destino final e tratamos os amigos de

Leia mais

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210)

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210) Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM * Kenneth. Chest 2002;2:877 905. PIOPED (n=7) ICOPER (n=2.20) RIETE (n=3.39) Dispneia 73% 82% 83% Taquicardia 70% ND ND

Leia mais

COMO EFETUAR UMA RESERVA GOL NO SISTEMA GALILEO

COMO EFETUAR UMA RESERVA GOL NO SISTEMA GALILEO COMO EFETUAR UMA RESERVA GOL NO SISTEMA GALILEO INTRODUÇÃO É com grande satisfação que informamos que a GOL linhas Aéreas Inteligentes, a partir de 05/12/2006, disponibilizará o seu conteúdo de vôos para

Leia mais

ICANN COMUNIDADE AT-LARGE. Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números POLÍTICA SOBRE VIAGENS DA AT-LARGE

ICANN COMUNIDADE AT-LARGE. Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números POLÍTICA SOBRE VIAGENS DA AT-LARGE ICANN PT AL/2007/SD/4.Rev1 ORIGINAL: inglês DATA: 6 de junho de 2007 STATUS: FINAL Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números Série de documentos 2007 - Propostas para a equipe COMUNIDADE

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA EDEMA AGUDO DE PULMÃO Dra. CRISTINA MACHADO PIRES Enf. CYNTHIA DE AZEVEDO JORGE O GRAU DE URGÊNCIA O Edema Agudo de Pulmão é uma situação de emergência, classificada

Leia mais

ProReserve Serviços de Internet Ltda.

ProReserve Serviços de Internet Ltda. [Digite texto] ProReserve Serviços de Internet Ltda. Av. Evandro Lins e Silva, 840-1911, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - 21 2178-2180 São Paulo / Rio de Janeiro / Campinas / Curitiba / Brasília / Fortaleza

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

American Express Conta EBTA

American Express Conta EBTA 1 OS CUSTOS BENEFICIE OS FUNCIONÁRIOS GERENCIE GLOBALMENTE MAXIMIZE OS CONTROLES REDUZA OS CUSTOS BENEFICIE OS FUNCIONÁRIOS GERENCIE GLOBALMENTE SOLUÇÕES REAIS PARA SEU NEGÓCIO 2 - Enhanced Business Travel

Leia mais

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO

INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO INFORMATIVO : TRANSPORTE AÉREO DIREITO À INFORMAÇÃO: INFORMAÇÃO CLARA E PRECISA: CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Art. 6º São direitos básicos do consumidor: III - a informação adequada e clara sobre os

Leia mais

Diagnóstico Domiciliar da Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono

Diagnóstico Domiciliar da Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono Diagnóstico Domiciliar da Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono Dra. LucianeImpelliziereLuna de Mello Fujita Tufik e cols, 2010 1 Tufik e cols, 2010 Diagnóstico da SAOS > 75 % dos pacientes com SAOS não

Leia mais

REGRAS E CONDIÇÕES DOS BILHETES

REGRAS E CONDIÇÕES DOS BILHETES REGRAS E CONDIÇÕES DOS BILHETES A emissão de bilhetes aéreos, através do resgate de Pontos Multiplus, combinados com o pagamento de parcela em dinheiro, é denominado Pontos + Dinheiro ou Produto, e oferecido

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins HAP Definição Condição patológica caracterizada pela elevação da pressão arterial pulmonar média acima de 25mmHg com

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal.

TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal. TAP Portugal permite o transporte de animais na cabine ou no porão, dependendo do peso, do tamanho e espécie do animal. Leis de cada país que regem a importação e exportação de animais devem ser respeitadas,

Leia mais

Provas de Função Pulmonar

Provas de Função Pulmonar Aula Prática Provas de Função Pulmonar Nataniel Gonçalves Rosa 5 de Novembro de 2014 Engenharia Biomédica Ventilação pulmonar Renovação do ar contido nos pulmões de modo espontâneo e por acção dos músculos

Leia mais

OXIGENOTERAPIA domiciliar de longo prazo. Cristina G. Alvim Profa. Associada Dpto Pediatria UFMG

OXIGENOTERAPIA domiciliar de longo prazo. Cristina G. Alvim Profa. Associada Dpto Pediatria UFMG OXIGENOTERAPIA domiciliar de longo prazo Cristina G. Alvim Profa. Associada Dpto Pediatria UFMG JPED, 2013 THORAX, 2009 Benefícios Capacidadecognitiva Sono PrevineHP Reduz hematócrito Exercício Risco de

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Desafios Prática clínica:

Leia mais

AVISO DE SINISTRO MORTE NATURAL - CÔNJUGE INCLUSÃO FACULTATIVA

AVISO DE SINISTRO MORTE NATURAL - CÔNJUGE INCLUSÃO FACULTATIVA AVISO DE SINISTRO MORTE NATURAL - CÔNJUGE INCLUSÃO FACULTATIVA A liquidação do sinistro começa com o AVISO DO SINISTRO à Seguradora. No caso de Evento(s) que possa(m) acarretar responsabilidade à Sociedade

Leia mais

CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO

CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO CLÁUSULA PRIMEIRA 1.1. O objeto do presente contrato é a prestação de serviços de transporte aeromédico aos beneficiários do Contrato de Plano

Leia mais

Danusa Bittencourt (SP); Matheus Theotonio (SP); LOCAL DA COMPETIÇÃO: Salón Gran Mónaco, San Martin, nº 50, Ciudad de Villa Carlos Paz, Córdoba ARG.

Danusa Bittencourt (SP); Matheus Theotonio (SP); LOCAL DA COMPETIÇÃO: Salón Gran Mónaco, San Martin, nº 50, Ciudad de Villa Carlos Paz, Córdoba ARG. Rio de Janeiro, 1 de outubro de 2015. Ref.: Campeonatos Pan e Sul-Americano Sub 13 e Sub 15 Senhores Presidentes, Seguem, abaixo, informações referentes à participação dos campeões e vice-campeões do Campeonato

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP Passageiros: 1 2 3 4 5 6 Dados do Pacote Comprado: Destino com saída em / / e retorno em / /, através da Agência de Viagens, de acordo com a reserva previamente

Leia mais

Ms. Roberpaulo Anacleto

Ms. Roberpaulo Anacleto Ms. Roberpaulo Anacleto Objetivo Propiciar aos presentes uma visão global das alterações que ocorrem no organismo humano durante atividade aérea e como administrá-las Conceito É a especialidade médica

Leia mais

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação?

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? III Curso Nacional de Ventilação Mecânica SBPT, São Paulo, 2008 Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto, Medicina Intensiva/Pneumologia, Universidade Federal

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

ANIMAL DE ESTIMAÇÃO COMO BAGAGEM DE MÃO

ANIMAL DE ESTIMAÇÃO COMO BAGAGEM DE MÃO Com nosso serviço Delta Pet First, os membros peludos de sua família viajam com segurança e conforto. Oferecemos várias opções para levar seu animal de estimação ao destino final e tratamos os amigos de

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL A ANAC mais perto de você Registro Aeronáutico Brasileiro Atribuições e Serviços Dezembro 2012 Objetivo Descrever brevemente a função do Registro Aeronáutico Brasileiro -

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

- Hospedagem por 07 noites com café da manha no Hotel 787 Surf Camp em apartamento conforme escolhido abaixo;

- Hospedagem por 07 noites com café da manha no Hotel 787 Surf Camp em apartamento conforme escolhido abaixo; HOTEL 787 SURF CAMP O hotel oferece a você, quartos espaçosos com camas confortáveis, Ar-condicionado, ventilador de teto, agua quente no chuveiro, TV a cabo, DVD, e frigobar. Hotel 787 Surf Camp também

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

PUNTA CONEJO SURF RESORT

PUNTA CONEJO SURF RESORT PUNTA CONEJO SURF RESORT O Punta Conejo Surf Resort está localizado ao lado da onda de Punta Conejo, uma das melhores direitas de Salina Cruz, com vista para o mar, muita tranquilidade, seguro e conforto.

Leia mais

INFORMATIVO VISTOS OBRIGATÓRIOS PARA OS EMIRADOS ÁRABES TEMPORADA 2010/2011

INFORMATIVO VISTOS OBRIGATÓRIOS PARA OS EMIRADOS ÁRABES TEMPORADA 2010/2011 INFORMATIVO VISTOS OBRIGATÓRIOS PARA OS EMIRADOS ÁRABES TEMPORADA 2010/2011 Os Emirados Árabes exigem que um determinado número de nacionalidades devem estar de posse de um visto antes da chegada no país.

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Jose Roberto Fioretto

Jose Roberto Fioretto Jose Roberto Fioretto jrf@fmb.unesp.br Professor Adjunto-Livre Docente Disciplina de Medicina Intensiva Pediátrica Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP 1988 Para começar... Ventilação mecânica é ventilação

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Nome do cliente. Existe indicação para a realização de septostomia no tratamento da HAP?

Nome do cliente. Existe indicação para a realização de septostomia no tratamento da HAP? Frederico Thadeu A. F. Campos Hospital Madre Teresa Hospital Júlia Kubitschek Conflito de interesses: O serviço de pneumologia do Hospital Madre Teresa participa de ensaios clínicos com as seguintes empresas:.

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

QUALIDADE EM PFP INTERATIVA INTERATIVA. 14 de outubro: dia da espirometria

QUALIDADE EM PFP INTERATIVA INTERATIVA. 14 de outubro: dia da espirometria QUALIDADE EM PFP 14 de outubro: dia da espirometria INTERATIVA Você será náufrago em uma ilha remota. Qual equipamento de função pulmonar você levaria? a)espirômetro b)pletismógrafo c)analisador de Difusão

Leia mais

HOTEL LA MAISON DU LIERRE La Maison du Lierre está localizado em Biarritz, a 300 m da praia e a 5 minutos de centros de convenções (Bellevue, Casino

HOTEL LA MAISON DU LIERRE La Maison du Lierre está localizado em Biarritz, a 300 m da praia e a 5 minutos de centros de convenções (Bellevue, Casino HOTEL LA MAISON DU LIERRE La Maison du Lierre está localizado em Biarritz, a 300 m da praia e a 5 minutos de centros de convenções (Bellevue, Casino e Gare du Midi). O hotel Maison du Lierre oferece diversos

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade FL. 01 / 08 1 OBJETIVO Este documento tem como objetivo estabelecer critérios para a emissão de bilhete de passagem aérea, reserva de hotel e locação de veículos para Serviço e/ou Treinamento em âmbito

Leia mais

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg.

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg. Sumário 1. Tela de Acesso pg. 2 2. Cadastro pg. 3 3. Abas de navegação pg. 5 4. Abas dados cadastrais pg. 5 5. Aba grupo de usuários pg. 6 6. Aba cadastro de funcionários pg. 7 7. Pedidos pg. 12 8. Cartões

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO TERAPÊUTICA DE SUBSTÂNCIAS E MÉTODOS PROIBIDOS GUIA INFORMATIVO PARA MÉDICOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO TERAPÊUTICA DE SUBSTÂNCIAS E MÉTODOS PROIBIDOS GUIA INFORMATIVO PARA MÉDICOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO TERAPÊUTICA DE SUBSTÂNCIAS E MÉTODOS PROIBIDOS GUIA INFORMATIVO PARA MÉDICOS Versão 2015 1/7 A criação da Agência Mundial Antidopagem

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

FREMEC FORMULÁRIO SOLICITAÇÃO INICIAL

FREMEC FORMULÁRIO SOLICITAÇÃO INICIAL Caros passageiros, Para facilitar a viagem de passageiros regulares com condições médicas estáveis, após a análise de cada caso, nossa empresa passará a emitir o cartão FREMEC - Cartão Médico. O cartão

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE FLUXO ESPECIAL PARA DECLARAÇÕES DE ÓBITO COM INFORMAÇÃO DE ÓBITOS MATERNOS DECLARADOS, BEM COMO DE ÓBITOS DE MULHER EM IDADE FÉRTIL EM MUNICIPIOS NÃO CODIFICADORES COM ÓBITOS DE OCORRÊNCIA E RESIDÊNCIA

Leia mais

De entre vários direitos que o diploma contém destacamos os seguintes:

De entre vários direitos que o diploma contém destacamos os seguintes: NATAL. UMA ÉPOCA FESTIVA ONDE AS FRONTEIRAS NÃO TÊM LUGAR... Uma vez que se aproxima mais um Natal, é importante não descurar e conhecer os seus direitos. Esta quadra, ainda que nos acompanhe por poucos

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

DPOC - o impacto da oxigenioterapia domiciliar no tratamento.

DPOC - o impacto da oxigenioterapia domiciliar no tratamento. Artigo original DPOC - o impacto da oxigenioterapia domiciliar no tratamento. COPD the impact of home oxygen therapy on its treatment. Thiago Prudente Bartholo 1, Margareth Martins Gomes 2, Arnaldo José

Leia mais

PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais

PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais PMEE Planejamento Médico para Eventos Especiais 1. Objetivo Estabelecer critérios mínimos para os serviços de emergência médica préhospitalar no atendimento ao público presente em eventos especiais. 2.

Leia mais

Vendendo TAM (JJ) pelo Sistema Amadeus FAQ

Vendendo TAM (JJ) pelo Sistema Amadeus FAQ Vendendo TAM (JJ) pelo Sistema Amadeus FAQ 06 de Agosto de 2010 Treinamento e Documentação Amadeus Brasil 2 1) As tarifas da TAM exibidas no Sistema Amadeus serão as mesmas encontradas no portal E-TAM?

Leia mais

MANUAL DE REGULAMENTAÇÃO PARA TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO/ TFD NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS- PR.

MANUAL DE REGULAMENTAÇÃO PARA TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO/ TFD NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS- PR. MANUAL DE REGULAMENTAÇÃO PARA TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO/ TFD NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS- PR. 123 CURITIBA, ABRIL DE 2007 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CONCEITO... 3 2. SOLICITAÇÃO DE TFD... 4 1 Documentos

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, Nº 135, S/1, P. 23, DE 16 DE JULHO DE 2002.

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, Nº 135, S/1, P. 23, DE 16 DE JULHO DE 2002. 16 JUL 2002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N O 852/DGAC DE 12 DE JULHO DE 2002 Transportes de Cadáveres em Aeronaves Civis. O DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO

Leia mais

Manual do Usuário do ClaireExpress

Manual do Usuário do ClaireExpress Manual do Usuário do ClaireExpress Tudo o que você precisa saber para realizar uma teleconferência utilizando o ClaireExpress pode ser encontrado neste manual. Caso necessite de assistência adicional de

Leia mais

Nome do campo Descrição Obrigatório. Registro da operadora na ANS. Já consta na guia. Número da guia de solicitação.

Nome do campo Descrição Obrigatório. Registro da operadora na ANS. Já consta na guia. Número da guia de solicitação. Legenda da Guia de solicitação de internação Núm. do Campo Nome do campo Descrição 1 Registro ANS Registro da operadora na ANS. Já consta na guia. 2 Número da guia Número da guia de solicitação. Já consta

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais