PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA APLICADA À GESTÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA APLICADA À GESTÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO Câmpus Uberaba PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA APLICADA À GESTÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE APRENDIZAGEM Uberaba, MG Março de 2015

2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO Câmpus Uberaba MISSÃO Promover a construção, divulgação e aplicação de conhecimentos científicos, artísticos, culturais e tecnológicos sustentados em valores éticos formando cidadãos comprometidos com o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e solidária. VISÃO DE FUTURO O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro IFTM busca ser referência regional pela qualidade de seus cursos, relevância de sua produção científica e mérito de suas atividades na formação de profissionais competentes e comprometidos com a comunidade a que pertencem.

3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO Câmpus Uberaba PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO Renato Janine Ribeiro SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Marcelo Machado Feres REITOR Roberto Gil Rodrigues Almeida PRÓ-REITOR DE PESQUISA E INOVAÇÃO Carlos Antônio Alvarenga Gonçalves DIRETOR GERAL - CÂMPUS UBERABA Rodrigo Afonso Leitão DIRETORA DE ENSINO CÂMPUS UBERABA Danielle Freire Paoloni COORDENADOR GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO Américo Iorio Ciociola Júnior COORDENADORA DO CURSO Juliene Silva Vasconcelos

4 ÍNDICE 1 Identificação institucional 05 2 Identificação do curso 05 3 Aspectos legais Legislação Resolução Conselho Superior 06 4 Breve histórico do Câmpus 06 5 Justificativa (social e institucional) 07 6 Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos 08 7 Concepção do Programa 08 8 Perfil do egresso 09 9 Linhas de pesquisa Carga-horária Aulas Presenciais Formas de ingresso Matrícula e Periodicidade Letiva Período de Realização do Curso Matriz curricular Fluxograma das disciplinas em relação aos módulos Conteúdo Programático Concepção metodológica Multidisciplinaridade e Interdisciplinaridade Trabalho de Conclusão de Curso TCC (Artigo Científico) Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão Relação com a pesquisa Relação com a extensão Relação com os outros cursos da instituição ou área respectiva Avaliação Da aprendizagem Da instituição (pelos alunos) - CPA Auto-avaliação Indicadores de Desempenho Frequência e aprovação Aproveitamento de estudos Atendimento ao discente Acessibilidade às pessoas com necessidades educacionais especiais Corpo docente do curso Infraestrutura física Salas de aula/professor/auditório/reunião/ginásio/outros Biblioteca Laboratório de Informática Recursos didático-pedagógicos Certificação 34

5 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Câmpus: Uberaba MG CNPJ: Endereço: Rua João Batista Ribeiro, 4000 Cidade: Uberaba MG Telefones: (34) / Site: Endereço da Reitoria: Av. Doutor Randolfo Borges Júnior, n Univerdecidade CEP: Uberaba/MG Telefones da Reitoria: (34) (gabinete); (34) (Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação) Site da Reitoria: Fax da Reitoria: (34) Mantenedora: Ministério da Educação - MEC 2. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Pós-graduação Lato Sensu em Educação Profissional e Curso: Tecnológica Aplicada à Gestão de Programas e Projetos de Aprendizagem. O curso é destinado aos interessados em especializar-se em gestão e elaboração de programas e projetos educacionais e Público alvo: tecnológicos, direcionado aos profissionais: pedagogos, licenciados, professores da educação básica, profissional e tecnológica e do ensino superior. Especialista em Educação Profissional e Tecnológica com Titulação Conferida: ênfase em elaboração e gestão de programas e projetos de aprendizagem. Modalidade: Presencial Áreas do conhecimento: Grande área: Ciências Humanas Área: Educação Sub-área: Ensino Profissionalizante Turno de funcionamento: Noturno Integralização Mínima: 18 meses Máxima: 24 meses Nº de vagas ofertadas: 30 Periodicidade da oferta: anual Ano da 1ª oferta: 2 o Semestre de 2015 Danielle Freire Paoloni Juliene Silva Vasconcelos Comissão responsável pela Marcos Diniz Ribeiro elaboração do projeto: Maria das Graças Assunção do Carmo Maurício José de Souza Júnior 5

6 3. ASPECTOS LEGAIS 3.1. Legislação Lei n de 20 de dezembro de Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Resolução CNE/CES n. 1 de 8 de junho de Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pós-graduação lato sensu, em nível de especialização. Decreto n , de 23 de julho de Regulamenta o 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei n , de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e dá outras providências. Resolução n.49, de 26 de agosto de Regulamento dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Resolução Conselho Superior 4. BREVE HISTÓRICO DO CÂMPUS O Centro Federal de Educação Tecnológica de Uberaba (CEFET Uberaba) foi fundado em 1953, funcionando como Centro de Treinamento em Economia Doméstica Rural. Em 1954 este curso passou a denominar-se Curso de Extensão em Economia Doméstica Rural. Neste mesmo ano, com base na Lei Orgânica do Ensino Agrícola foi criado o Curso de Magistério de Economia Doméstica. Posteriormente, a Escola passou a oferecer o Curso Ginasial Agrícola e o Curso de Magistério foi transformado em Curso Colegial de Economia Doméstica. Por força do Decreto nº 83935, de 04 de setembro de 1979, a Instituição deixou de ser Colégio de Economia Doméstica Rural Dr. Licurgo Leite, passando a Escola Agrotécnica Federal de Uberaba- MG, com habilitação em Economia Doméstica, que em 1982 foi transformado em curso técnico. Neste mesmo ano foi implantado o curso técnico em Agropecuária, viabilizado por meio da doação, pelo Município de Uberaba, de uma área de 472ha, destinada à instalação e funcionamento da escola-fazenda. Transformada em Autarquia Federal e em 1994, a Escola criou seu primeiro curso pósmédio, o de Nutrição e Dietética. Já em 1997 implantou-se o Curso Técnico Especial em Processamento de Dados, na modalidade pós-médio, posteriormente denominado Técnico em Informática. No ano de 1998 foi criado e implantado o Curso Técnico em Desenvolvimento de Comunidades, de nível médio e as habilitações do Curso Técnico Agrícola em Agroindústria, Agricultura e Zootecnia, na área de Agropecuária. A partir de 2002, com a transformação da Instituição em Centro Federal de Educação Tecnológica, ocorreu a implantação dos primeiros cursos superiores na modalidade de tecnologia sendo, Irrigação e Drenagem, Desenvolvimento Social e Meio Ambiente, que em 2006 passou a ser denominado de Gestão Ambiental. Neste mesmo ano o CEFET Uberaba passou a oferecer o curso superior de tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e o curso Técnico de nível médio em Análise e Produção de Açúcar e Álcool, destinado aos trabalhadores de Usinas. Em fevereiro de 2007 o Centro passou a oferecer o curso superior de Tecnologia em Alimentos, o curso técnico em Açúcar e Álcool na modalidade subsequente aberto à sociedade e o curso técnico em Agroindústria na modalidade de 6

7 Educação de Jovens e Adultos, dentro do PROEJA. No segundo semestre de 2007 passou a oferecer ainda o curso de Zootecnia (Bacharelado). Em 10 de março de 2008, o CEFET Uberaba teve seu projeto referente à Chamada Pública MEC/SETEC nº. 002/2007, aprovado para a implantação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, propondo a implantação de novos cursos Técnicos, Superiores (bacharelado e licenciatura) e de Especialização Lato Sensu, inclusive com projeto na modalidade PROEJA. Em 29 de dezembro de 2008 é criado o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, pela Lei , com características de uma instituição de Educação Superior, Básica e Profissional, com ações pluricurriculares e multicampi, especializada na oferta da educação profissional e tecnológica tanto na modalidade presencial como a distância. Está estruturado por uma Reitoria localizada em Uberaba e nove câmpus, sendo o Campus Uberaba e Parque Tecnológico, Campus Uberlândia e Uberlândia Centro, Ituiutaba, Campina Verde, Patos de Minas, Patrocínio e Paracatu. O Instituto Federal do Triângulo foi constituído, portanto, com o objetivo de ofertar educação profissional e tecnológica em todos os níveis e modalidades de ensino, com base nas premissas de integração entre ciência, tecnologia, cultura e desenvolvimento sustentável, atuando nesse sentido no desenvolvimento local e regional. Com a estruturação da graduação, o IFTM câmpus Uberaba avança na oferta da pósgraduação considerando a sua missão e visão de futuro, e assim, ampliando sua oferta de cursos para a sociedade e desempenhando com qualidade a sua função social. Desta forma, respondendo às exigências do mundo do trabalho, aos anseios da comunidade e cumprindo o seu papel de relevância para o desenvolvimento regional e nacional. 5. JUSTIFICATIVA (social e institucional) Diante dos desafios do mundo contemporâneo, é fundamental que se tenha uma adequada compreensão da educação profissional e tecnológica. É inquestionável que tal compreensão apenas ocorrerá se levado em consideração, de forma sistêmica, os aspectos econômico, político e socias. Por isso, que a educação profissional deve possibilitar ao educando, como agente político e produtivo, os mecanismos de construção de conhecimentos fundamentados em bases científicas, tecnológicas, culturais e ético-políticas. Esta especialização visa formar profissionais capacitados a enfrentar os desafios colocados pelo contexto de globalização econômica, no qual novas formas de organização da produção e do trabalho exigem - ao lado dos crescentes processos de democratização da sociedade - ações realistas e concretas de inclusão social. Mesmo com o investimento expressivo do Governo Federal na educação brasileira, identifica-se alguns gargalos. Um destes se refere à especificidade do papel da educação no âmbito das instituições e centros tecnológicos. Nesse sentido, o IFTM visa propiciar uma adequada solução a tal demanda por meio do curso de pós-graduação Lato Sensu em Educação Profissional e Tecnológica focando a gestão de programas e projetos de aprendizagem. A referida instituição já possui atividades acadêmicas relevantes e bem sucedidas conglobando educação, a tecnologia e a sociedade. Tanto que, o IFTM conquistou relevante espaço no cenário local e regional, ao ofertar cursos de graduação e pós-graduação na área social que articulam o conhecimento de forma sistêmica numa perspectiva globalizada. 7

8 O referido curso oferecerá elementos conceituais e metodológicos organizado em bases científicas, tecnológicas, culturais, éticas e políticas, para que possam construir conhecimentos necessários a uma efetiva atuação profissional, na elaboração e gestão de programas e projetos em educação profissional. Tanto que estes permitirão que as intervenções e ações educacionais sejam planejadas, organizadas e avaliadas, contribuindo para a melhoria da qualidade dos serviços prestados à população. Para atender esta proposição, o curso será composto por um conjunto de temas de estudo numa perspectiva pedagógica multidisciplinar e interdisciplinar, contextualizada e flexível. 6. OBJETIVOS 6.1. Objetivo Geral O programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Profissional e Tecnológica Aplicada à Gestão de Programas e Projetos de Aprendizagem tem como objetivo formar especialistas como mediadores da aprendizagem na educação profissionalizante, de acordo com as atuais tendências do mercado profissional a partir da elaboração e gestão de projetos de aprendizagem Objetivos Específicos Desenvolver e aprimorar os elementos da autonomia intelectual, pensamento crítico, espírito investigativo e criativo para o exercício da cidadania por meio da pesquisa e ação social; Promover a reflexão sobre a educação profissional e tecnológica como política pública; Conhecer as novas tendências e pesquisas em educação profissional e tecnológica; Disseminar o conhecimento teórico e prático sobre a educação profissional e tecnológica das instituições públicas, privadas e do terceiro setor; Conhecer o ciclo de gerenciamento social a partir da identificação e priorização dos problemas, através de dados disponíveis em pesquisas educacionais e tecnológicas; Planejar, elaborar, monitorar e avaliar a gestão e os sistemas de informações aplicados à educação profissional e tecnológica. 7. CONCEPÇÃO DO PROGRAMA A finalidade do curso é qualificar os profissionais de nível superior para atuarem na área de Educação Profissional e Tecnológica. Portanto, o curso fundamenta-se nos seguintes pressupostos: integração entre educação, ciência e tecnologia; multidisciplinaridade, interdisciplinaridade, formação profissional continuada, gestão de práticas e saberes, metodologias participativas e ações de aprendizagem. A integração entre educação, ciência e tecnologia, constitui decisiva contribuição para o enriquecimento científico, cultural, político e profissional dos sujeitos que atuam na área educacional, seja no âmbito social ou escolar. O desenvolvimento de uma educação tecnológica exige dos profissionais, não só a aplicação de técnicas, mas a capacidade de compreender o contexto social, político e cultural no qual está inserido. Neste sentido, o curso sustenta-se nos princípios da ética, da solidariedade e da democracia e é no exercício da prática educativa que respeitar-se-ão estes princípios assegurando que os aspectos conceituais estejam presentes na transposição deste saber ao 8

9 contexto social aplicado, o que contribui para a elaboração e construção da educação profissional e tecnológica de qualidade e em conformidade com o contexto político-social que o país emerge. 8. PERFIL DO EGRESSO O curso tem por objetivo formar profissionais com competências e habilidades, voltadas para o desenvolvimento de soluções na área da Educação Profissional, Técnica e Tecnológica em diferentes espaços educacionais (sociais e escolares). Assim, pretende-se que o egresso deste curso tenha o seguinte perfil: Formação humanística para que o futuro profissional torne-se um sujeito consciente de seu papel na sociedade; Formação técnica e tecnológica para elaboração e gestão de projetos de aprendizagem em diferentes espaços sociais; Visão multidisciplinar e interdisciplinar proporcionada pelo desenvolvimento de seminários temáticos e trabalho de conclusão de curso. 9. LINHAS DE PESQUISA 1. Educação básica, técnica e tecnológica: concepção, práticas profissionais e cidadania. 2. Educação profissional e tecnológica: o profissional da educação, o planejamento e a gestão de projetos. 3. Educação profissional e tecnológica e o uso das Tecnologias e Informação e Comunicação/TIC s. 10. CARGA-HORÁRIA (Aulas Presenciais) A carga horária total do curso é quatrocentas (400) horas, distribuídas em atividades teóricas e práticas, individuais ou em grupos, incluindo as destinadas à elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso/TCC, que deverá ser desenvolvido durante o período de desenvolvimento dos módulos acadêmicos e defendido no prazo máximo de seis meses após o término do período dedicado às atividades acadêmicas ( 2º, Art. 52, Resolução 49/2014). As aulas presenciais visam o desenvolvimento de parte do conteúdo programático das disciplinas e oportunizar espaço de convivência e interação entre os próprios alunos, e entre alunos, professores e coordenadores privilegiando a atividade do sujeito na construção do conhecimento. Serão ministradas: aulas teóricas, práticas, seminários, palestras, debates e avaliações. A participação nas aulas presenciais é obrigatória para que os alunos possam receber o certificado de Pós-graduação Lato Sensu, sendo obrigatória frequência mínima em, 75% das mesmas. 11. FORMAS DE INGRESSO Conforme Regulamento dos cursos de Pós-graduação Lato sensu do IFTM (Resolução 49/2014), o ingresso será realizado mediante processo seletivo, de acordo com as normas estabelecidas em edital próprio da Instituição, aprovado pela Direção Geral do câmpus onde o curso será ofertado e referendado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação. Como documentos a serem entregues no ato da inscrição, serão solicitados um memorial descritivo e, um pré-projeto indicando intenção de pesquisa, conforme linhas destacadas neste. 9

10 12. MATRÍCULA E PERIODICIDADE LETIVA Conforme Regulamento dos cursos de Pós-graduação Lato sensu do IFTM (Resolução 49/2014, Art. 15), a matrícula será feita atendendo ao calendário acadêmico do IFTM. A renovação da matrícula deverá ser efetuada semestralmente, ao final de cada período letivo (Art. 16). O trancamento de matrícula deverá ser feito mediante requerimento dirigido à Coordenação Registro e Controle Acadêmico/CRCA, em data prevista no calendário acadêmico (Art. 18). 13. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO CURSO O curso terá início em agosto de As unidades curriculares serão ministradas durante as segundas e terças-feiras das 19h às 22h10, com carga horária total de 400 horas. O funcionamento do curso acontece na Unidade II do IFTM Câmpus Uberaba. O tempo de duração do curso será de 15 (quinze) meses para integralização das unidades curriculares (módulos e disciplinas), tendo prazo máximo de 6 (seis) meses para a entrega final do Trabalho de Conclusão de Curso/TCC. 14. MATRIZ CURRICULAR O curso está estruturado em três módulos, cada um com uma carga horária de 120h, cada disciplina com carga horária diferenciada, perfazendo um total de 20 semanas por módulo, ou equivalente a cinco meses de aula, aproximadamente, conforme apresentação abaixo (mapa de disciplinas em cada módulo e fluxograma): MÓDULO 1 - EPT e Mudanças para Educação Básica, Técnica e Tecnológica Código Unidade Curricular CH CH Teórica Prática 1.1 Políticas Públicas Para Educação Tecnológica e 21h 0 Profissional no Brasil 1.2 Educação Profissional e Tecnológica e epistemologia: inclusão social, gênero e cultura urbana. 42h Educação Profissional e Tecnológica e a Questão da Educação Ambiental 21h Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica I 21h Seminários Multidisciplinar de Integração I 9h 6h Carga horária total 120 h MÓDULO 2 - EPT e Gestão do Conhecimento Código Unidade Curricular CH CH Teórica Prática 2.1 Gestão e educação: tipos, concepções e estratégias 21h Gestão da Aprendizagem: formação, articulação social e empreendedorismo 21h Gestão de Programas e Projetos: organização, planejamento e articulação 42h Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica II 21h Seminários Multidisciplinar de Integração II 9h 6h Carga horária total 120 h 10

11 MÓDULO 3 - EPT e Tecnologias de Mediação da Aprendizagem Código Unidade Curricular CH CH Teórica Prática 3.1 Tecnologia e Desenvolvimento Social 21h TIC s e a educação: apontamentos de um paradigma educacional emergente 42h Sistemas de Informações e Gestão do Conhecimento aplicados à Educação Profissional e Tecnológica 21h Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica III 21h Seminários Multidisciplinar de Integração III 9h 6h Carga horária total Carga horária TCC Carga horária total do curso 120 h 40h 400 horas 11

12 Fluxograma das disciplinas em relação aos módulos 12

13 15. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Unidade curricular: Políticas Públicas Para Educação Tecnológica e Profissional no Brasil Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 1º Objetivos: Identificar as recentes ações legislativas e governamentais de institucionalização da Educação Profissional como proposta de política pública no Brasil; Compreender os pressupostos teóricos e políticos da Educação Profissional e a relação com o contexto sócio-econômico brasileiro; Analisar a Lei /08 como instrumento de destaque para a institucionalização da Rede Federal brasileira de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Promover a integração das políticas de educação profissional e tecnológica com outras políticas públicas; Relacionar a educação profissional e tecnológica com o mercado de trabalho. Conteúdos: Panorama legislativo da Educação Profissional e Tecnológico no Brasil: Articular a educação profissional e tecnológica com a educação básica; A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9.394/96); O Decreto 2.208/97 e a Reforma da Educação Profissional; O Decreto 5.154/04, a Lei /08 e a Educação Profissional Técnica de nível médio no âmbito da Educação Básica. A Lei /08, a institucionalização da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica e a criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia; Relação das políticas de educação profissional e tecnológica com outras políticas 13

14 públicas; Integração da educação profissional e tecnológica com o mercado de trabalho na sociedade emergente. Referências: Básicas BRASIL. Congresso Nacional. Lei 9.394, de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 12 fev FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (orgs.). A formação do cidadão produtivo. A cultura de mercado no ensino médio técnico. Brasília: INEP/MEC, p. PACHECO, Eliezer (org.). Perspectivas da Educação Profissional técnica de nível médio. Proposta de Diretrizes Curriculares. Brasília; São Paulo: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação Setec/MEC; Fundação Santillana; Editora Moderna, p. Complementares SAVIANI, Dermeval. Sistema de educação: subsídios para a Conferência Nacional de Educação. Texto organizado a pedido da Assessoria do MEC para servir de subsídio às discussões preparatórias da Conferência Nacional de Educação Disponível em: <http://conae.mec.gov.br/images/stories/pdf/conae_dermevalsaviani.pdf>. Acesso em: 20 nov GENTILI, Pablo; KRUG, Andrá; SIMON, Cátia. Utopia e Democracia na Educação Cidadã. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS; Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre, p. PACHECO, Eliezer. Os institutos federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília: SETEC/MEC, p. Mimeografado. Unidade curricular: Educação Profissional e Tecnológica e epistemologia: inclusão social, gênero e cultura urbana. Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 1º Objetivos: Apresentar o conceito de inclusão social e sua relação com a aprendizagem no âmbito escolar; Discutir as relações de gênero e a sexualidade a partir de uma perspectiva inclusiva no contexto escolar; Construir conceitualmente a concepção de cultura urbana: linguagem, território e práticas. Conteúdos: Inclusão social e aprendizagem escolar; Práticas educacionais como estratégia de inclusão social; Gênero e sexualidade como construções históricas, culturais e sociais interferindo no contexto educacional. A Cultura urbana enquanto norteadora de ações educacionais. 14

15 Referências: Básicas BRUSCHINI, Cristina; UNBEHAUM, Sandra (orgs.) Gênero, Democracia e Sociedade Brasileira. São Paulo, Editora 34/Fundação Carlos Chagas, p. CULTURA urbana e educação. Salto para o Futuro. Ano XIX, n. 5, maio/2009. Disponível em: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/ pdf>. Acesso em: 08 abr PAULON, Simone Mainieri; FREITAS, Lia Beatriz de Lucca; PINHO, Gerson Smiech. Documento subsidiário à política de inclusão. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, p. Complementar: ARAÚJO, Ulisses F. et al. (equipe de elaboração). Programa Ética e Cidadania: construindo valores na escola e na sociedade: protagonismo juvenil. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, p. LOURO, Guacira Lopes. Epistemologia feminista e teorização social: desafios, subversões e alianças. In: ADELMAN, Miriam; SILVESTRIN, Celsi Brönstrup (Org.). Coletânea Gênero Plural. Curitiba: UFPR, p. NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas. Universidade Federal de Santa Catarina, v. 8, n. 2, p. 9-41, Unidade curricular: Educação Profissional e Tecnológica e a Questão da Educação Ambiental Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 1º Objetivos: Conhecer a trajetória da Educação Ambiental no mundo e no Brasil; Compreender os fundamentos da Educação Ambiental Crítica e da alfabetização ecológica; Perceber a Educação Ambiental como importante ferramenta da Gestão Ambiental. Desenvolver projetos relacionados à área de Educação Ambiental. Conteúdos: Introdução ao estudo da educação ambiental. Histórico da Educação Ambiental no Brasil e no mundo. Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Alfabetização ecológica. Educação no processo de gestão ambiental. A Educação ambiental transformadora e emancipatória. Projetos em Educação Ambiental na Educação Profissional e Tecnológica. Referências: Básicas: CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da educação ambiental no Brasil. 3. ed. Porto Alegre: Editora da UFGRS, p. 15

16 DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, p. GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais. São Paulo: Papirus, p. Complementares: DIAS, Genebaldo Freire. 40 contribuições pessoais para a sustentabilidade. São Paulo: Ed. Gaia p. GIANSANTI, Roberto. O desenvolvimento sustentável. 5. ed. São Paulo: Atual p. STONE, Michael K.; BARLOW, Zenobia. (orgs.). Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo: Cultrix p. Unidade curricular: Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica 1 Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 1º Objetivos: Conhecer os fundamentos, os métodos e as técnicas de análise utilizados na produção científica voltada para Educação Profissional e Tecnológica. Conteúdos: Ciência e epistemologia; A pesquisa e a inovação tecnológica na sociedade atual; Métodos e Técnicas de análise científica. Referências: Básicas FUCHS, Angela Maria Silva; FRANÇA, Maira Nani; PINHEIRO, Maria Salete de Freitas. Guia para normalização de publicações técnico- científicas. Uberlândia: UDUFU, p. GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6.ed. São Paulo: Atlas, p. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23. ed. rev. ampl. 3. reimpressão. São Paulo: Cortez, p. Complementares LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica: ciência e conhecimento científico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis. São Paulo: Atlas, p. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7 ed. São Paulo: Atlas, p. PERROTTA, Cláudia. Um texto pra chamar de seu: preliminares sobre a produção do texto acadêmico. São Paulo: Martins Editora, p. 16

17 Unidade curricular: Seminários Multidisciplinar de Integração I Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 1º Objetivos: Construir propostas de intervenção pedagógica baseadas em temas geradores e intervenções teóricas advindas de conhecimentos re-conhecidos no módulo. Integrar as disciplinas vivenciadas no módulo facilitando a aprendizagem como um todo e complementando o saber. Elaborar projetos de ação prática fazendo uso de diferentes linguagens artístico-culturais e tecnologias. Conteúdos: Aprendizagem por projetos; Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias educacionais; Conhecimentos e habilidades pedagógicas para o desempenho adequado da função docente. A docência e as linguagens artísticas: a música, a dança, o teatro e o cinema na sala de aula Referências: Básicas ALMEIDA, Fernando José de; FONSECA JÚNIOR, Fernando Moraes. Aprendendo com projetos. Secretaria de Educação a Distância. Brasília: MEC, SEED, p. Disponível em: <http://www.miniwebcursos.com.br/artigos/livros/livro04.pdf>. Acesso em: 06 dez POLITO, Reinaldo. Gestos e Posturas para Falar Melhor. 23 ed. São Paulo: Saraiva, p. VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Técnicas de ensino: por que não? 21 ed. Campinas, SP: Papirus, p. Complementares CORTEZÃO, Luiza; LEITE, Carlinda, PACHECO, José A. Trabalhar por Projectos em Educação: uma inovação interessante? Porto: Porto Editora, p. MOLETTA, Alex. Fazendo cinema na escola: Arte audiovisual dentro e fora da escola. São Paulo: Summus, p. POLITO, Reinaldo. Um jeito bom de falar bem: como vencer na comunicação. 10. ed. São Paulo: Saraiva, p. 17

18 Módulo 2 Unidade curricular: Gestão e educação: tipos, concepções e estratégias Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 2º Objetivos: Oferecer, aos discentes, referenciais teóricos e práticos que os permitam reconhecer os princípios básicos, os elementos constitutivos, os desafios, os dilemas, as funções e os paradigmas da gestão e do gestor escolar; Apresentar e possibilitar a elaboração de planejamento, de instrumentos de acompanhamento, de avaliação e de ampliação organizacional, aplicáveis no contexto da gestão escolar, que visam o desenvolvimento das unidades educacionais. Conteúdos: Fundamentação e princípios da educação e da gestão escolar: base conceitual para orientação do trabalho educacional; elementos da educação (escola, professores, alunos, funcionários e gestores escolares) e princípios da gestão escolar. Planejamento e organização do trabalho escolar: importância e significado do planejamento no contexto escolar; planejamento como processo contínuo; e tipos de planejamento (Projeto Político Pedagógico - PPP, Plano de Desenvolvimento da Escola - PDE, Plano de Ensino, Plano de Aula, Planejamento Participativo). Monitoramento de processos educacionais e avaliação institucional: conceitos e desenvolvimento de processos de monitoramento e avaliação no contexto escolar. Gestão dos resultados educacionais: tipos e adoção de indicadores de desempenho na escola; o papel das avaliações externas nos resultados da escola. O papel da gestão democrática e participativa. A gestão de pessoas no ambiente escolar. Competências da gestão pedagógica. Gestão administrativa no âmbito escolar. A construção e desenvolvimento da cultura organizacional de caráter educativo. A importância da gestão do cotidiano escolar. Referências: Básicas LIBÂNEO, José Carlos. Organização e Gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. Goiânia: Alternativa, p. OLIVEIRA, Maria Auxiliadora Monteiro (org.). Gestão Educacional: novos olhares, novas abordagens. Petrópolis: Vozes, p. PARO, Vitor Henrique. Administração Escolar: introdução crítica. 17. ed. São Paulo: Cortez, p. Complementares FERREIRA, Naura Syria Carapetto; AGUIAR, Márcia Angela da S. (org.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, p. FERREIRA, Naura Syria Capareto (org.). Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios. São Paulo: Cortez, p. HENGEMÜHLE, Adelar. Gestão de ensino e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, p. 18

19 Unidade curricular: Gestão da Aprendizagem: formação, articulação social e empreendedorismo Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 2º Objetivos: Compreender o conceito de gestão aplicado à gestão da aprendizagem e suas correlações: gestão dos espaços, das relações, da informação, das tecnologias educacionais, da virtualidade etc.; Articular a gestão da aprendizagem como parte da gestão escolar integrada e esta com a gestão do sistema escolar com a sociedade e suas demandas de conhecimento; Entender a gestão da aprendizagem no marco novo paradigma escolar e os novos parâmetros curriculares desde a participação da sociedade na reconstrução da escola, para além de modelos fixos ; Trazer o problema da formação (inicial e continuada) de professores para o centro da discussão da gestão escolar em busca de identidade e autonomia; Trazer o problema da participação da sociedade (do entorno da escola) como sujeito coletivo, agente de mudanças e não apenas como problema relacionado ao como ensinar (de velhos receituários didáticos); Discutir o conceito de empreendedorismo educacional (na escola, na universidade...) como apelo às mudanças sociais significativas e não como cópias de modelos empresariais; Ampliar a visão do empreendedorismo em suas variáveis: inclusão, cidadania, sustentabilidade, parcerias etc. Conteúdos: Conceito de gestão e suas correlações. Gestão da aprendizagem. Gestão escolar integrada. Gestão educacional articulada ao sistema. Diferença entre estrutura e sistema. Gestão do sistema educacional e articulação com políticas educacionais. A CONAE/2014 (e seus eixos integradores) e o PNE/ (e suas metas e estratégias). Uma gestão da aprendizagem em que todos os sujeitos sociais aprendem (para além de um vale tudo flexível). Revisão conceitual: a questão da centralidade da noção de organização (versus instituição social). A Pedagogia de projetos e a gestão da aprendizagem. O empreendedorismo e a inovação como mantras de nosso tempo. Empreendedorismo e acumulação flexível do capital. Ensino inovador, empreendedorismo e políticas públicas compensatórias. Ensino inovador e visão empreendedora inclusiva e emancipadora. Referências: BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conferência Nacional de Educação - CONAE/2014. Documento Referência. Brasília: MEC, Disponível em: <http://conae2014.mec.gov.br/images/pdf/doc_referencia.pdf>. Acesso em: 28 mar

20 PERRENOUD, Phillippe. Dez Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: ARTMED, p. VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Planejamento: Projeto de ensino-aprendizagem e Projeto Político-Pedagógico. 16. ed. São Paulo: Libertad, p. Complementares BITENCOURT, Cláudia C. A gestão de competências gerenciais: a contribuição da aprendizagem organizacional. (Tese de doutorado, orientado por: Prof. Dr. Roberto Ruas). Porto Alegre: Banco de tese da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, p. BRASIL Ministério da Educação e Cultura. Plano Nacional de Educação: PNE Brasília: MEC, Disponível em: <www.ebc.com.br/educacao/2014/07/20-metas-dopne>. Acesso em: 28 mar PEREIRA, Otaviano José. Travessia: romancensaio da educação escolar. Jundiaí: Paco Editorial, p. Unidade curricular: Gestão de Programas e Projetos: organização, planejamento e articulação Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 2º Objetivos: Apresentar as definições de planos, programas e projetos da gestão pública desenvolvidos nos âmbitos governamental (esferas federal, estadual e/ou distrital e municipal) e privado (instituições sociais; empresas; ONGs; etc.); Caracterizar as etapas de concepção, fundamentação, legalização, normalização e elaboração de planos, programas e projetos da educação profissional e tecnológica; Demonstrar os tipos de planejamento da educação profissional e tecnológica (estratégico, tático e operacional) e sua relevância para a gestão, articulação e avaliação de programas e projetos. Conteúdos: Definições de planos, programas e projetos; Gestão pública governamental (esferas federal, estadual e/ou distrital e municipal) e privada (instituições sociais; empresas; ONGs; etc.); Concepção, fundamentação, legalização, normalização e elaboração de planos, programas e projetos da educação profissional e tecnológica; Planejamento da educação profissional e tecnológica (estratégico; tático e operacional); Gestão, articulação de avaliação de programas e projetos. Referências: Básicas ARAÚJO, Luis César G. de. Organização, sistemas e métodos e as tecnologias de gestão organizacional. 5. ed. São Paulo: Editora Atlas, p. OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia, práticas. 26. ed. São Paulo: Editora Atlas, p. TOSI, Maria Raineldes. Planejamento, programas e projetos: orientações mínimas para a organização de planos didáticos. 3. ed. Campinas, SP: Alínea, p. 20

21 Complementares COLOMBO, Sônia Simões; CARDIM, Paulo A. Gomes. Nos bastidores da educação brasileira: a gestão vista por dentro. Porto Alegre: Artmed, p. MOLL, Jaqueline et al. Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, p. SANT ANNA, Flávia. M.; ENRICONE, Délcia; ANDRÉ, Lenir Cancella; TURRA, Clódia Maria Godoy. Planejamento de Ensino e Avaliação. 11. ed. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzato. 304 p. Unidade curricular: Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica II Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 2º Objetivo: Compreender as diferentes fases de elaboração e planejamento de pesquisas voltadas para a Educação Profissional e Tecnológica. Conteúdo: O projeto de pesquisa e suas etapas. Referências: Básicas FUCHS, Angela Maria Silva; FRANÇA, Maira Nani; PINHEIRO, Maria Salete de Freitas. Guia para normalização de publicações técnico- científicas. Uberlândia: UDUFU, p. GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6.ed. São Paulo: Atlas, p. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23. ed. rev. ampl. 3. reimpressão. São Paulo: Cortez, p. Complementares LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica: ciência e conhecimento científico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis. São Paulo: Atlas, p. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7 ed. São Paulo: Atlas, p. PERROTTA, Cláudia. Um texto pra chamar de seu: preliminares sobre a produção do texto acadêmico. São Paulo: Martins Editora, p. 21

22 Unidade curricular: Seminários Multidisciplinar de Integração II Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 2º Objetivos: Construir propostas de intervenção pedagógica baseadas em temas geradores e intervenções teóricas advindas de conhecimentos re-conhecidos no módulo. Integrar as disciplinas vivenciadas no módulo facilitando a aprendizagem como um todo e complementando o saber. Elaborar projetos de ação prática fazendo uso de diferentes linguagens artístico-culturais e tecnologias. Conteúdos: Aprendizagem por projetos; Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias educacionais; Conhecimentos e habilidades pedagógicas para o desempenho adequado da função docente. A docência e as linguagens artísticas: a música, a dança, o teatro e o cinema na sala de aula Referências: Básicas ALMEIDA, Fernando José de; FONSECA JÚNIOR, Fernando Moraes. Aprendendo com projetos. Secretaria de Educação a Distância. Brasília: MEC, SEED, p. Disponível em: <http://www.miniwebcursos.com.br/artigos/livros/livro04.pdf>. Acesso em: 06 dez POLITO, Reinaldo. Gestos e Posturas para Falar Melhor. 23 ed. São Paulo: Saraiva, p. VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Técnicas de ensino: por que não? 21 ed. Campinas, SP: Papirus, p. Complementares CORTEZÃO, Luiza; LEITE, Carlinda, PACHECO, José A. Trabalhar por Projectos em Educação: uma inovação interessante? Porto: Porto Editora, p. MOLETTA, Alex. Fazendo cinema na escola: Arte audiovisual dentro e fora da escola. São Paulo: Summus, p. POLITO, Reinaldo. Um jeito bom de falar bem: como vencer na comunicação. 10. ed. São Paulo: Saraiva, p. 22

23 Módulo 3 Unidade curricular: Tecnologia e Desenvolvimento Social Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 3º Objetivos: Proporcionar discussões que levem a compreensão do papel da ciência e da tecnologia para o desenvolvimento e a transformação social. Conteúdos: Relação entre Ciência, Tecnologia e Sociedade; Construção Social e Tecnologia; Tecnologia Social; Desenvolvimento tecnológico e desenvolvimento social; Influência da ciência e da tecnologia na organização social. Referências: Básica BAZZO, Walter Antônio. Ciência, tecnologia e sociedade: e o contexto da educação tecnológica. 3. ed. Florianópolis: Edufsc p. LASSANCE JR., Antônio E. et al. Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. RJ. Fundação Banco do Brasil p. CHASSOT, Attico I. A Ciência através dos tempos. 7. ed. São Paulo: Moderna p. Complementar: SANTOS, Lucy Woellner dos et al. (Org.). Ciência, tecnologia e sociedade: o desafio da interação. Londrina: IAPAR, p. CARVALHO, Maria Gomes de. Tecnologia, desenvolvimento social e educação tecnológica. In: Revista educação & Tecnologia. Curitiba: Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná. Disponível em: <http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/revedutec-ct/article/view/1 011/603>. Acesso em: 12 mar LIANZA, Sidney; ADDOR, Felippe. Tecnologia e Desenvolvimento Social e Solidário. UFRGS: Editora da Universidade p. Unidade curricular: TIC s e a educação: apontamentos de um paradigma educacional emergente Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 3º Objetivos: Apresentar o conceito de TICs (ou NTICs), sua entrada para o vocabulário pedagógico atual, a distinção entre estas, enquanto suportes do ensino virtual, e outras tecnologias educacionais; Avaliar o impacto da revolução comunicacional de nosso tempo sobre o ensino virtual, a Web-educação e a Cybercultura como balizadores de novos espaços aprendentes para além da sala de aula marcada pela comunicação docente linear; 23

24 Propor alternativas de práticas pedagógicas marcadas pela mediação com as TICs como suporte a um novo paradigma de ensino; Apontar, no paradigma educacional emergente, o teor de cidadania, emancipação e inclusão, que os ambientes virtuais de aprendizagem (AVA s) possibilitam, pela otimização do uso das TICs. Conteúdos: A revolução comunicacional de nosso tempo como a terceira onda (Toffler) da Humanidade e seu caráter irreversível. Da crise do sujeito moderno, à era da inteligência e do sujeito coletivo. Os conceitos de revolução tecnológica e o convívio acelerado com as máquinas inteligentes. O conceito de TICs (ou NTICs) e outras tecnologias educacionais. As TICs e a educação escolar: nem uma postura laudatória (ingênua), nem uma postura de anátema (conservadora), mas a busca do equilíbrio na mediação, no ensino virtual. A Cybercultura invade todos os espaços e não perdoa a escola parada no tempo. Inovação: modismo ou possibilidade real de práticas pedagógicas inclusivas? O evento impactante de escolas sem salas de aulas que nos espera. Das pedagogias da (mera) adaptação às pedagogias afirmativas de inclusão. A EaD: mitos, (pré)conceitos, (in)compreensão. Referências: Básica CASTELS, Manuel. A sociedade em rede: economia, sociedade e cultura. 10. ed. São Paulo: Paz e terra, p. LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Ed. 34, p. LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora?: novas exigências profissionais e profissão docente. 2 ed. São Paulo: Cortez, p. Complementar PEREIRA, Otaviano José. Travessia: romancensaio da educação escolar. Jundiaí: Paco Editorial, p. SILVA, Marco. Internet na escola e inclusão. In: ALMEIDA, Maria Elizabeth B de & MORAN, José M. integração das tecnologias na educação o salto para o futuro. Brasília: MEC / Seed, 2005, p TOFFLER, Alvin. A terceira onda. 22 ed. Rio de Janeiro: Record, p. Unidade curricular: Sistemas de Informações e Gestão do Conhecimento aplicados à Educação Profissional e Tecnológica Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 3º Objetivos: Apresentar os sistemas de informação mais usuais na área de planejamento, gestão e avaliação educacional; Discutir a importância dos sistemas de informação à gestão educacional. 24

25 Analisar as políticas de pesquisa e desenvolvimento no que tange os sistemas de informação e gestão. Conteúdos: Introdução e análise de sistemas usuais para planejamento, gestão e avaliação educacional. Sistemas de informação e gestão educacional. A política de pesquisa e desenvolvimento e o sistema de informação. Uso de sistemas de informação e gestão do conhecimento na Educação Profissional e Tecnológica. Referências: Básicas LAUDON, Kenneth. C.; LAUDON, Jane Price. Gerenciamento de sistemas de informação. 3.ed. Rio de Janeiro: LTC, p. O'BRIEN, James A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet. São Paulo: Saraiva, p. SENGE, P. A quinta disciplina: teoria e prática da organização de aprendizagem. São Paulo: Best-Seller, p. Complementares BIO, Sérgio Rodrigues. Sistemas de informação: um enfoque gerencial. 2.ed. São Paulo: Atlas, p. LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas de Informação Gerenciais. 9.ed. Pearson, p. TURBAN, Efraim; VOLONINO, Linda. Tecnologia da Informação para Gestão: em busca de um melhor desempenho estratégico e operacional. 8.ed. Porto Alegre: Bookman, p. Unidade curricular: Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica III Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 3º Objetivos: Empreender conhecimentos e práticas voltadas para a efetivação de pesquisa na Educação Profissional e Tecnológica - o artigo científico em foco, conforme normas e técnicas de pesquisa. Conteúdos: Elaboração do artigo científico. Técnicas de formatação científica. Referências: Básicas FUCHS, Angela Maria Silva; FRANÇA, Maira Nani; PINHEIRO, Maria Salete de Freitas. Guia para normalização de publicações técnico- científicas. Uberlândia: UDUFU, p. GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6.ed. São Paulo: Atlas, p. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23. ed. rev. ampl. 3. reimpressão. São Paulo: Cortez, p. 25

26 Complementares LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica: ciência e conhecimento científico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis. São Paulo: Atlas, p. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7 ed. São Paulo: Atlas, p. PERROTTA, Cláudia. Um texto pra chamar de seu: preliminares sobre a produção do texto acadêmico. São Paulo: Martins Editora, p. Unidade curricular: Seminários Multidisciplinar de Integração III Período C.H. C.H. C.H. Total: Pré-requisito (quando houver): (módulo): teórica: prática: 3º Objetivos: Construir propostas de intervenção pedagógica baseadas em temas geradores e intervenções teóricas advindas de conhecimentos re-conhecidos no módulo. Integrar as disciplinas vivenciadas no módulo facilitando a aprendizagem como um todo e complementando o saber. Elaborar projetos de ação prática fazendo uso de diferentes linguagens artístico-culturais e tecnologias. Conteúdos: Aprendizagem por projetos; Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias educacionais; Conhecimentos e habilidades pedagógicas para o desempenho adequado da função docente. A docência e as linguagens artísticas: a música, a dança, o teatro e o cinema na sala de aula. Referências: Básicas ALMEIDA, Fernando José de; FONSECA JÚNIOR, Fernando Moraes. Aprendendo com projetos. Secretaria de Educação a Distância. Brasília: MEC, SEED, p. Disponível em: <http://www.miniwebcursos.com.br/artigos/livros/livro04.pdf>. Acesso em: 06 dez POLITO, Reinaldo. Gestos e Posturas para Falar Melhor. 23 ed. São Paulo: Saraiva, p. VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Técnicas de ensino: por que não? 21 ed. Campinas, SP: Papirus, p. Complementares CORTEZÃO, Luiza; LEITE, Carlinda, PACHECO, José A. Trabalhar por Projectos em Educação: uma inovação interessante? Porto: Porto Editora, p. MOLETTA, Alex. Fazendo cinema na escola: Arte audiovisual dentro e fora da escola. São Paulo: Summus, p. 26

27 POLITO, Reinaldo. Um jeito bom de falar bem: como vencer na comunicação. 10. ed. São Paulo: Saraiva, p. 16. CONCEPÇÃO METODOLÓGICA O Curso de Especialização, nível Lato Sensu, em Educação Profissional e Tecnológica Aplicada à Gestão de Programas e Projetos de Aprendizagem, integra as áreas científica, tecnológica e humana e tem como complemento da prática da pesquisa, a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso/TCC, totalizando uma carga horária de 400 (quatrocentas) horas. A preocupação com o processo ensino-aprendizagem é refletida no desenvolvimento das práticas e atividades de ensino, dentro e fora da sala de aula, em que o aluno é considerado sujeito desse processo sendo desafiado a buscar e a construir seu próprio conhecimento. Nesta perspectiva, as atividades de aprendizagem contribuem para a formação e autonomia intelectual do educando, pois ele é o centro de toda a ação educativa, atuando como construtor e participante. A metodologia de ensino, desenvolve-se de forma dinâmica, no diálogo constante, pois na medida em que o educador conhece as diferenças entre seus alunos, maiores são as possibilidades de variação e experimentação desta metodologia diversificada, traduzida em debates, reflexões, momentos de convivência, palestras, estudo de casos, quadros comparativos, argumentação estruturada, elaboração de artigos, resenhas críticas, situaçõesproblemas e seminários. Destaca-se nesse processo, o trabalho peculiar do educador que possui objetivos específicos voltados à formação de profissionais com autonomia intelectual e moral, tornando-os aptos para participação e criação social. Para atingir os objetivos propostos pelo programa deste curso detalhar-se-á abaixo as suas etapas: Apresentação e discussão dos objetivos a serem atingidos; Utilização de estratégias que vivenciem situações reais de trabalho; Prática de atividades pedagógicas centradas na construção do conhecimento; Transformação da sala de aula em ambiente de aprendizagem; Valorização dos saberes individuais e da construção coletiva da aprendizagem; Uso de recursos e dinâmicas que promovam o relacionamento, a interação dos participantes, contextualizando a aprendizagem; Proposição de situações-problemas visando à construção de conhecimentos e habilidades; Utilização de recursos tecnológicos que apoiem e facilitem a aprendizagem; Centralização da prática em ações que facilitem a construção de competências. O curso está dividido em três módulos, sendo que cada um contempla cinco disciplinas. Destas, duas irão repetir-se durante os mesmos, configurando sua ampliação, em cada módulo. Estas são as disciplinas de Seminários Multidisciplinar de Integração e Pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica. A disciplina de Seminários Multidisciplinar de Integração deverá orientar o aluno a construir uma visão multidisciplinar dentro de cada módulo, ou seja, o professor irá orientar o aluno no final do primeiro mês de curso a pensar em um projeto multidisciplinar a partir de um eixo reflexivo que será proposto de modo a construir um objeto técnico a ser apresentado 27

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação da Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

II Fórum dos Diretores de Ensino, Coordenadores de Ensino e de Cursos e Equipes Pedagógicas do Instituto Federal do Triângulo Mineiro IFTM

II Fórum dos Diretores de Ensino, Coordenadores de Ensino e de Cursos e Equipes Pedagógicas do Instituto Federal do Triângulo Mineiro IFTM II Fórum dos Diretores de Ensino, Coordenadores de Ensino e de Cursos e Equipes Pedagógicas do Instituto Federal do Triângulo Mineiro IFTM Reflexões sobre a Prática Pedagógica e a Construção da Identidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da criação do Centro de Referência

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas PROEJA FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Formação em Gestão Acadêmica

Formação em Gestão Acadêmica PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAL COORDENAÇÃO DE ENSINO E INTEGRAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE FORMAÇÃO PARA DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Formação em Gestão Acadêmica Cruz das Almas-BA

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar III Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Gestão escolar democrática. Gestão

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR Marcos Legais Resolução

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 149, /2 6 / 8 FACULDADES EDUCAÇÃO COM ÁREAS DE

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia do Ensino na Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negocios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo:

Leia mais

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014

Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 Salvador, Bahia Quarta-feira 16 de Abril de 2014 Ano XCVIII N o 21.405 EDITAL Nº 034/2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE tornar

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

CURSO DE SERVIÇO SOCIAL. EMENTARIO 2º Semestre /2012 8º PERÍODO

CURSO DE SERVIÇO SOCIAL. EMENTARIO 2º Semestre /2012 8º PERÍODO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL EMENTARIO 2º Semestre /2012 8º PERÍODO FUNDAMENTOS ÉTICOS E ÉTICA PROFISSIONAL II Ética e ética profissional como uma das mediações entre o saber teórico-metodológico e a prática

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS PORTO NACIONAL Av. Tocantins, Loteamento Mãe Dedé, Porto

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - PRÁTICAS PEDAGÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFERÊNCIA EM FORMAÇÃO E

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estrutura e Funcionamento da Educação Básica I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Estudo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL / À

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL / À EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA DIVERSIDADE E INCLUSÃO SOCIAL EJA E INCLUSÃO SOCIAL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / À distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e Adultos

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais