A estruturação de PPP no sector das águas em Angola. 15 de Setembro de 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A estruturação de PPP no sector das águas em Angola. 15 de Setembro de 2011"

Transcrição

1 A estruturação de PPP no sector das águas em Angola 15 de Setembro de 2011

2 M M M

3 Desafios % Urbanização % %

4 Desafios Angola e o Crescimento Energético Urbanização Energia KWH/HABITANTE/ANO MW MW PAÍSES DESENVOLVIDOS PAÍSES EMERGENTES ÁFRICA ANGOLA

5 Desafios Percentagem Percentagem de de pessoas pessoas com com mais mais de de anos anos Mundo Países desenvolvidos Urbanização Países em desenvolvimento Energia Envelhecimento da população

6 Desafios Urbanização Energia Envelhecimento da população Água

7 Sector das águas e saneamento Um mercado em franca expansão O investimento no sector das águas está a crescer a um ritmo superior ao do crescimento da economia mundial O principal driver para este investimento é o fenómeno da urbanização. As cidades estão a crescer a um ritmo que é o dobro do crescimento da população. A escassez de água e as preocupações ambientais e de sustentabilidade são outras razões para este forte crescimento As necessidades de investimento no sector até 2030 ultrapassam os 6 triliões de dólares Cada vez, mais governos de todo o mundo recorrem a parceiros privados para desenvolver infra-estruturas no sector

8 Formas de envolvimento do sector privado Contrato de gestão Leasings PPP Privatizações 2-3 anos 3-5 anos anos permanente Ownership no Sector Público Ownership no Sector Privado Existem diferentes formas de envolvimento privado que dependerão do nível de transferência de riscos e de propriedade para o sector privado

9 Formas de envolvimento do sector privado Contrato de gestão Leasings PPP / Concessões O operador ocupa lugares chave na gestão da empresa, recorrendo a pessoal qualificado O ente público mantém as suas responsabilidades na operação e manutenção de activos existentes e é responsável por novos investimentos que sejam considerados necessários O nível de transferência de risco para o sector privado está dependente da forma como for estruturado o bónus por boa performance Normalmente o nível de transferência de risco é reduzido Operador é responsável por operar e manter activos existentes, para além de manter as responsabilidades ao nível comercial e de gestão A entidade pública mantém a responsabilidade de realizar novos investimentos O operador assume total responsabilidade pela disponibilização do serviço e pela gestão da empresa, incluindo responsabilidade pela operação e manutenção de activos existentes bem como a realização de novos investimentos O nível de risco transferido é por norma substancial mas depende da forma contratual adoptada Se sob a forma de concessão, o sector privado está sujeito a um nível muito relevante de riscos

10 Formas de envolvimento do sector privado Aspectos a ter em consideração Os modelos atrás elencados poderão ser utilizados em Angola mas Não existe experiência significativa em matérias de PPP O nível de risco país ainda é considerado elevado Em resultado dos pontos anteriores, a liquidez para financiar projectos de longo prazo por parte do mercado financeiro local é reduzida e o pricing pouco atractivo O nível de desenvolvimento do país dificulta a transferência de alguns riscos para o sector privado, nomeadamente ao nível da receitas, dificultando a estruturação de modelos de concessão Contrato de gestão Leasings PPP / Concessões

11 Formas de envolvimento do sector privado A estruturação de um contrato de leasing Estrutura organizacional e papel do sector privado (um exemplo) Parceiro privado Estado / Município x % y % 100 % Contrato Leasing Operadora InfraCo Operação do serviço Manutenção da infra-estrutura Relação com o cliente (inclui facturação e cobrança) Gestão Partilhada Planeamento de novos investimentos e renovações Detém a propriedade da infra-estrutura Gestão partilhada

12 Formas de envolvimento do sector privado A estruturação de um contrato de gestão (o caso de Oman) Porquê um contrato de gestão? Contrato de gestão permite capturar as competências do sector privado na gestão do diaa-dia Riscos comerciais e de investimento permanecem com a entidade pública Esta alocação de riscos permite maior flexibilidade, contratos de duração mais reduzida e múltiplas opções para o envolvimento privado No final do contrato, é expectável haver mais informação disponível (KPIs) que permitam equacionar outras formas de contratação Na prática são contratos de gestão partilhada: A entidade pública mantém as suas responsabilidade na gestão mas: O parceiro privado é responsável por introduzir certas melhorias (medidas através de KPIs) O parceiro privado é responsável pela realização de determinados projectos e pela disponibilização de informação de gestão

13 Formas de envolvimento do sector privado A estruturação de um contrato de gestão (o caso de Oman) Envolvimento do sector privado : Em projectos Na execução de funções correntes Âmbito e viabilidade Planeamento, definição e especificações Concepção Contratação e supervisão Implementação Restruturação e re-organização Gestão partilhada Supervisão Prestação directa de serviços Especificação de contratos, gestão e contratação de serviços Apoiando o ente público num conjunto vasto de áreas Com particular focus em: Novas estratégias de negócio e planos de implementação Políticas, procedimentos e manuais Desenvolvimento de sistemas integrados de TI Implementação de eficências operacionais com vista a melhorar o serviço público Formação e transferência de know-how Recursos humanos Plano de investimentos e asset management Commissioning dos projectos Serviços ao consumidor Operação Qualidade e Segurança

14 Formas de envolvimento do sector privado A estruturação do mecanismo de pagamento (o caso de Oman) Entidade privada terá direito a receber: Mecanismo de pagamento Base Pela disponibilização de pessoal qualificado e pelas actividades de gestão partilhada Projecto Pelo cumprimento de determinados projectos Incentivo Pelo cumprimento de KPIs Reduções na componente base se o pessoal qualificado não estiver disponível como acordado Reduções na componente de projecto se os projectos não forem entregues nos prazos acordados (determinados relatórios, ou planos de actividade) Estão definidos determinados indicadores de performance ( KPIs ). Os primeiros dois anos do projecto permitirão recolher dados para definição de KPIs objectivos

15 Formas de envolvimento do sector privado A estruturação do mecanismo de pagamento (o caso de Oman) Mecanismo de Pagamento

16 Conclusões A necessidade de infra-estruturas no sector de Abastecimento de Água e Saneamento em Angola é muito significativa O sector privado terá um papel fundamental no desenvolvimento de infra-estruturas neste sector As Parcerias Público-Privado serão, se bem aplicadas, um método muito eficiente de reduzir este infrastructure gap Existem vários modelos de PPP disponíveis. Entendemos que Angola deverá começar por adoptar modelos mais simples, mais flexíveis e só depois testar modelos de concessão ou BOT, dadas as especificidades do sector e a experiência do país nestas matérias O modelo do contrato de gestão é uma das soluções disponíveis que poderão trazer valor ao Executivo e à população Angolana

17 Muito obrigado Fernando Faria Partner, Head of Infrastructure KPMG Angola

18 2011 KPMG Angola Audit, Tax, Advisory, S.A., a firma angolana membro da rede KPMG, composta por firmas independentes afiliadas da KPMG International Cooperative ( KPMG International ), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. O nome KPMG, o logótipo e cutting through complexity são marcas registadas da KPMG International Cooperative ( KPMG International ). This presentation is incomplete without reference to and should be viewed solely in conjunction with the oral briefing provided by KPMG Corporate Finance. Neither this presentation nor its content may be used for any other purpose without prior written consent of KPMG Corporate Finance. The information in this presentation is based upon publicly available information and reflects prevailing conditions and our views as of this date, all of which are accordingly subject to change. In preparing this presentation, we have relied upon and assumed, without independent verification, the accuracy and completeness of any information available from public sources. The information contained in this presentation is of general nature and is not intended to address the circumstances of any particular individual or entity. Although we endeavour to provide accurate and timely information, there can be no guarantee that such information is accurate as of the date it is received or that it will continue to be accurate in the future. No one should act upon such information without appropriate professional advice after a thorough examination of the particular situation. Whilst the information presented and views expressed in this presentation and the oral briefing have been prepared in good faith, KPMG Corporate Finance accepts no responsibility or liability to any party in connection with such information or views.

Telemar Norte Leste S.A.

Telemar Norte Leste S.A. Telemar Norte Leste S.A. Laudo de relação entre o preço da ação ordinária da Brasil Telecom Participações S.A. (BRTP3), acordado no Contrato de Compra e Venda do controle acionário indireto pela Telemar

Leia mais

Considerações sobre a CFEM no Projeto do Novo Código de Mineração e a competitividade das empresas de exploração mineral brasileiras.

Considerações sobre a CFEM no Projeto do Novo Código de Mineração e a competitividade das empresas de exploração mineral brasileiras. Considerações sobre a CFEM no Projeto do Novo Código de Mineração e a competitividade das empresas de exploração mineral brasileiras Ouro Preto - MG 13 de maio de 2014 ANY TAX ADVICE IN THIS COMMUNICATION

Leia mais

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo 3,9% Aumento da receita de IRC (previsão OE 2013 face à receita prevista para 2012) 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Limitação à

Leia mais

Programa de Inovação Braskem PIB JOINOVA 2014. Luciane Sereda 11 Dezembro de 2014

Programa de Inovação Braskem PIB JOINOVA 2014. Luciane Sereda 11 Dezembro de 2014 PIB JOINOVA 2014 Luciane Sereda 11 Dezembro de 2014 Inovação em números 333 8 PLANTAS 24 INTEGRANTES DEDICADOS A I&T* PIPELINE LABORATORIOS 274 PROJETOS 17 TRIUNFO/RS 1 CAMAÇARI/BA 2 CAMPINAS/SP 1 ABC/SP

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA UIR REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA Avenida Cónego Manuel das Neves n o 234 R/C * Luanda Angola DISCUSSÃO PÚBLICA SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes Programa LEADERS 1 O que é? O Programa LEADERS consiste numa abordagem inovadora ao Desenvolvimento de Competências de Liderança alinhada com a Estratégia das organizações. Este Programa assume uma óptica

Leia mais

www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração.

www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração. www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração. Agenda 1. TFRM 2. Transfer Pricing PECEX 3. CFEM 4. Conclusão PwC 2 www.pwc.com TFRM Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Jovens Profissionais: Conectando-se com IAAPA REDEMPTION MERCHANDISING STRATEGIES

Jovens Profissionais: Conectando-se com IAAPA REDEMPTION MERCHANDISING STRATEGIES Jovens Profissionais: Conectando-se com IAAPA INTERNATIONAL ASSOCIATION OF AMUSEMENT PARKS AND ATTRACTIONS WEBINAR DISCLAIMER IAAPA makes no representations or warranties about the accuracy or suitability

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

Lloyd s no brasil. 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO

Lloyd s no brasil. 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO Lloyd s no brasil 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO July 2010 Lloyd s no Brasil abril 2008: O Lloyd s foi o primeiro ressegurador a receber a licença da SUSEP,

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 Legislação Aplicável Esta Audiência Pública está sendo realizada nos termos do ART. 39 da Lei 8.666/1993. Lei nº 11.079, de 30 de Dezembro de 2004 Lei de Parcerias

Leia mais

Panorama do mercado internacional

Panorama do mercado internacional Life & Health Panorama do mercado internacional A Global Perspective de seguros de vida e saúde Escola Nacional de Seguros Rio de Janeiro, Maio 2014 Escola Nacional de Seguros Rio de Janeiro Hernán Fatone

Leia mais

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO

CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO DE TUNGSTENIO EM TABUAÇO COMUNICADO À IMPRENSA 18 de Junho de 2014 GTP (TSX-V) P01 (FRANKFURT) COLTF - (OTCQX) CONCLUSÃO DO PROGRAMA DE SONDAGENS EM MALHA APERTADA NO PROJECTO DE OURO EM BOA FÉ REINÍCIO DA PERFURAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE

A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE Marseilles, Março de 2012 Orador: Pedro Paulino Contexto Peri-urbano Água urbana em Moçambique População: Total: 23,700,715

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing Mário Trinca Quando existem uma multiplicidade de Produtos / Serviços, oferecidos a diferentes segmentos de clientes, através de diversos canais de distribuição, em várias geografias, nunca é fácil responder

Leia mais

26-10-2011. www.pwc.com/pt. Impostos Indirectos OE2012. Agenda. Impostos Indirectos I. IVA. PwC

26-10-2011. www.pwc.com/pt. Impostos Indirectos OE2012. Agenda. Impostos Indirectos I. IVA. PwC www.pwc.com/pt Impostos Indirectos OE2012 Agenda Impostos Indirectos I. II. IECs III. Conclusão PwC 2 1 Eliminação das isenções Transmissão do direito de autor e a autorização para utilização da obra intelectual

Leia mais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais ENIC, SALVADOR Setembro, 2015 kpmg.com.br 2014 KPMG Structured Finance S. A., uma sociedade anônima brasileira

Leia mais

14 HORAS BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS ANGOLA BANKING SERIES PREVENÇÃO, DETECÇÃO E COMBATE AO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO FORMAÇÃO À MEDIDA

14 HORAS BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS ANGOLA BANKING SERIES PREVENÇÃO, DETECÇÃO E COMBATE AO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO FORMAÇÃO À MEDIDA PREVENÇÃO, DETECÇÃO E COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES FOCUS Como enfrentar os pontos críticos da implementação de uma

Leia mais

Aplicação Prática do Balanced Scorecard

Aplicação Prática do Balanced Scorecard Aplicação Prática do Balanced Scorecard Fórum APCER 2004 24 Novembro 2004 Paula Melo pamelo@deloitte.pt What makes a Balanced Scorecard special? 1. Is a top-down reflection of the mission and strategy.

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética

Process Automation. Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética Process Automation Eficiência Energética Industrial Consultoria em eficiência energética A ABB é líder em tecnologias electrotécnicas e de automação que tornam possível às indústrias aumentarem a sua eficiência,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Oportunidades na Cooperação. A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP

Oportunidades na Cooperação. A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP Oportunidades na Cooperação A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP Primeira empresa de consultoria em assuntos europeus com escritório em Bruxelas. - Public Affairs (Intelligence,

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima A oportunidade A computação em nuvem e os recursos inovadores liberam o potencial para impulsionar o crescimento econômico significativo

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT20 62 2015 10 Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública (SAMA2020) DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS. As suas Poupanças são o nosso Negócio!

Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS. As suas Poupanças são o nosso Negócio! Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS As suas Poupanças são o nosso Negócio! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar POUPANÇAS SIGNIFICATIVAS, que

Leia mais

Financas Municipais em Mocambique. Dr. Jose Manuel Guamba

Financas Municipais em Mocambique. Dr. Jose Manuel Guamba Financas Municipais em Mocambique Dr. Jose Manuel Guamba A actividade municipal inscreve-se num contexto legal amplo de atribuições, cujo quadro de competências está estabelecido na Lei 2/97, preconizando

Leia mais

Troféu Transparência Comunicação Visual

Troféu Transparência Comunicação Visual Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual Sobre a ANEFAC Entidade sem fins lucrativos fundada há quase 50 anos Cerca de 1600 associados Executivos de finanças, administração e contabilidade Missão Promover

Leia mais

UNIDADE DE EMPREENDEDORISMO. Franchising em Portugal

UNIDADE DE EMPREENDEDORISMO. Franchising em Portugal UNIDADE DE EMPREENDEDORISMO Franchising em Portugal O contrato de Franchising tem na nossa ordem jurídica uma natureza atípica (porque não regulamentado), pelo que precisa de ser explícito e as cláusulas

Leia mais

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado Moçambique informação de negócios Oportunidades e Dificuldades do Mercado Outubro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Tecnologias de Informação e Comunicação 03 1.2 Formação Profissional 03 1.3 Produtos

Leia mais

Market Sentiment 3 a Edição

Market Sentiment 3 a Edição Market Sentiment 3 a Edição 1. Como perceciona a evolução do volume de transações de ativos imobiliários, para os próximos 3 meses? Variação da evolução global do volume de transações Análise dos principais

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL Prof. Joaquim Carlos Pinho 2º ciclo em Economia 1. INTRODUÇÃO Este relatório

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA

OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE WORKSHOP CONSULTA PÚBLICA SOBRE EIA DO PROJECTO SUMBE SUMBE, 22 DE MARÇO DE 2013 P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA 1 1. OBJECTIVOS DO

Leia mais

As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos. Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda

As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos. Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda Relevância geral das redes Conceito e tipologia de redes e parcerias

Leia mais

A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos

A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos A transferência de tecnologia entre universidades e empresas como abordagem à resolução de problemas ambientais específicos O SETOR Antes de 1993, a situação global dos serviços de abastecimento público

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise Macroeconómica 1. Introdução à Macroeconomia 2. Medição da Actividade Económica

Leia mais

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF?

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF? Sobre Nós Na Take Off somos especialistas em Consultoria nas vertentes de recursos humanos e desenvolvimento de negócio. Atuamos sob metodologias e procedimentos próprios, os quais assentam na melhoria

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas

SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS. Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS Susana Brito Direcção de Infra-estruturas Aeronáuticas I) INTRODUÇÃO Genericamente, a gestão de pavimentos tem como objectivo definir uma política de conservação

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

Criar capacidade básica em compras sustentáveis em Portugal o projeto Building SPP. Paula Trindade Investigadora LNEG Coordenadora Building SPP

Criar capacidade básica em compras sustentáveis em Portugal o projeto Building SPP. Paula Trindade Investigadora LNEG Coordenadora Building SPP Criar capacidade básica em compras sustentáveis em Portugal o projeto Building SPP Paula Trindade Investigadora LNEG Coordenadora Building SPP Coordenação internacional: LNEG/UEE Parceiros nacionais: CM

Leia mais

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II

Leia mais

A experiência subnacional com APPs

A experiência subnacional com APPs A experiência subnacional com APPs O caso do Município de São Paulo Marco Aurélio de Barcelos Silva Diretor SP Negócios Panorama geral das PPPs nos municípios brasileiros Municípios lideram iniciativas

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO

SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO Cristina Alberto KPMG Advisory Consultores de Gestão, SA Agenda 1. Riscos Globais do Século XXI 2. Proteção

Leia mais

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016

Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Síntese do Relatório Anual de Auditoria Interna 2015 Serviço de Auditoria Interna 25/03/2016 Agenda 1. Enquadramento 2. Abordagem Operacional 3. Execução do Plano 2015 4. Plano de Auditoria Interna 2016

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO.

O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. www.portodecaio.ao O NOSSO PORTO. O NOSSO FUTURO. INTRODUÇÃO Bem-vindo ao projecto Porto de Caio, a porta de entrada para o comércio na África. A instalação portuária de classe mundial, parte integral

Leia mais

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Banco Mundial Governo de Moçambique Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Revisão do Desempenho da Carteira de Projectos (CPPR) 18 de Setembro de 2009 Assuntos Críticos a Considerar Desafios e Recomendações

Leia mais

Formação em PGC e IFRS. Angola Junho/Julho de 2014

Formação em PGC e IFRS. Angola Junho/Julho de 2014 Formação em PGC e IFRS Angola Junho/Julho de 2014 Formação em PGC e IFRS As áreas financeiras e contabilísticas assumem uma complexidade e sofisticação cada vez maior, desempenhando um papel central nas

Leia mais

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO TÍTULO DO DOCUMENTO LUSÁGUA A LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. é a empresa do grupo AQUAPOR vocacionada para a prestação de serviços relacionados com a gestão integral do ciclo urbano da água, gestão

Leia mais

Visão para o ordenamento do território e das cidades

Visão para o ordenamento do território e das cidades Visão para o ordenamento do território e das cidades Ganhos e Desafios Jeiza Barbosa Tavares Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano 16 de Maio de 2014 WS 4.1 Visão para o

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão SOBRE A EQUIPE A equipe da I9Gestão é formada por consultores experientes, altamente qualificados e apaixonados pelo que fazem. SOBRE A I9Gestão A I9Gestão Consultoria & Treinamento é especializada na

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP

APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA P3LP PONTES E PARCERIAS NOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - PLATAFORMA DE PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E CONHECIMENTO NO SETOR DA ÁGUA APDA, ENEG, Porto, Dezembro de 2015 Jaime Melo

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT Investimentos Plano de Desenvolvimento em perspetiva e Investimento da Rede de Transporte Redes Energéticas Nacionais, SGPS de Electricidade 2012-2017 (2022)

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1 CEM01 Sistemas de Informação para Gestão CEM01 Sistemas de Informação para Gestão SI nas Organizações António nio Lencastre Godinho agodinho@mail.islagaia.pt Tel.: 939 381789 O conceito de Sistema no contexto

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE

01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES. do CLIENTE / UTENTE 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CARTA DOS DIREITOS E DEVERES do CLIENTE / UTENTE Preâmbulo Tendo como referência o Código de Ética, a Carta dos Direitos e Deveres do Cliente reforça o compromisso da APCC com

Leia mais

Jornadas FCCN ITIL nos revisitando processos de trabalho nos Serviços de Informática

Jornadas FCCN ITIL nos revisitando processos de trabalho nos Serviços de Informática Jornadas FCCN 2016 ITIL nos SI@UE revisitando processos de trabalho nos Serviços de Informática Antes... falta de respostas consistentes para problemas similares respostas não especializadas, incompletas

Leia mais

CONCESSÃO A PRIVADOS A SOLUÇÃO PARA O SERVIÇO PÚBLICO

CONCESSÃO A PRIVADOS A SOLUÇÃO PARA O SERVIÇO PÚBLICO CONCESSÃO A PRIVADOS A SOLUÇÃO PARA O SERVIÇO PÚBLICO PORTO, 15 MAIO 2014 ÍNDICE I. Principais modelos de contratualização do serviço nas AMT s II. A contratualização noutros Países da EU III. O modelo

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS. Yves Besse maio 2010

UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS. Yves Besse maio 2010 UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS VISÃO DO SETOR PRIVADO Yves Besse maio 2010 ABCON Fundação 1996 ABCON e 2001 SINTERCON Objetivo Promover a participação das empresas privadas no setor de

Leia mais

ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-16-2016-03 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE LÍNGUAS (TURMAS REGULARES E INTENSIVAS) 2015/2016

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE LÍNGUAS (TURMAS REGULARES E INTENSIVAS) 2015/2016 NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE LÍNGUAS (TURMAS REGULARES E INTENSIVAS) 2015/2016 1. Tipos de turma e duração: O CLECS oferece dois tipos de turma: regular e intensivo. Além destas turmas, o CLECS

Leia mais

Manual Instructions for SAP Note Version 1

Manual Instructions for SAP Note Version 1 Manual Instructions for SAP Note 1973349 Version 1 TABLE OF CONTENTS 1 CHANGES TO CONTENT OF TABLE VIEW V_T596G... 3 2 CHANGES TO CONTENT OF TABLE VIEW V_T596I... 4 2 To perform the following changes,

Leia mais

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte Jornada do CFO 2015 O papel do executivo financeiro na crise Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte A jornada do CFO O panorama econômico brasileiro mudou ao longo das décadas... 2016-2018:???????

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

Programa Operacional da Administração Pública (POAP),

Programa Operacional da Administração Pública (POAP), Programa Operacional da Administração Pública (POAP), 2004-2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública CONTEÚDO DO DOCUMENTO da Eixo 3 Qualificar para modernizar a do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation DevOps Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013 1 O desenvolvedor O mundo mágico de operações Como o desenvolvedor vê operações Como operações vê uma nova release

Leia mais

GPI Desafios e Oportunidades para a consultoria no setor. António Jorge Monteiro

GPI Desafios e Oportunidades para a consultoria no setor. António Jorge Monteiro GPI Desafios e Oportunidades para a consultoria no setor António Jorge Monteiro Desafios das Cidades Maduras e Estabilizadas Ponto de Partida v CIDADES MADURAS E ESTABILIZADAS: Reduções demográficas; Infra-

Leia mais

Contratação Pública Socialmente Responsável. Lisboa, 14 de Novembro de 2013 Jorge Manuel Duque

Contratação Pública Socialmente Responsável. Lisboa, 14 de Novembro de 2013 Jorge Manuel Duque Lisboa, 14 de Novembro de 2013 Jorge Manuel Duque http://www.landmark-project.eu/pt/inicio/ Parceria entre sete organizações europeias Projecto internacional co-financiado pela união europeia http://www.landmark-project.eu/pt/inicio/

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública O direito administrativo é o direito que regula a Administração pública Administração pública: é o objeto do direito administrativo Fernanda Paula Oliveira 1. Administração: gestão

Leia mais