Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013"

Transcrição

1 Reforma do IRC Uma oportunidade única Outubro de 2013

2 Agenda Os desafios da Reforma do IRC Enquadramento internacional Contributo EY para a Reforma do IRC Sugestões EY Q&A? Page 2

3 Os desafios da Reforma do IRC Page 3

4 Os desafios da Reforma do IRC Revisão e simplificação do IRC no sentido de promover a competitividade, o investimento e a internacionalização das empresas portuguesas; Revisão e simplificação do regime de obrigações declarativas através de soluções legislativas que reforcem a segurança e a confiança dos investidores e promovam a atracção e fixação de investimento, nacional e estrangeiro, reduzindo simultaneamente os custos de contexto; Reestruturação da política fiscal internacional do Estado português, de modo a contribuir eficazmente para a internacionalização das empresas portuguesas e para atracção do investimento estrangeiro. Page 4

5 Enquadramento internacional Page 5

6 Enquadramento internacional Tendências Globalização e livre circulação de agentes económicos e factores produtivos (bens e capital) Conjuntura económica internacional Competitividade fiscal (BEPS) Políticas fiscais globais e mais agressivas por parte das empresas/grupos empresariais DESAFIO Alcançar um equilíbrio entre a competitividade fiscal (essencial para atrair investimento) e a necessidade de financiamento público Page 6

7 Enquadramento internacional Tendências Mudança no paradigma da tributação O IRC como mecanismo de financiamento de despesa pública para instrumento de competitividade e atractividade business friendly. Tendência global de diminuição de taxas de imposto sobre as sociedades Incentivo ao investimento; Potenciar crescimento económico; Criação de emprego; Desincentivar fraude e evasão fiscais. Aposta na estabilidade fiscal como promotor do investimento Enquadramento fiscal inalterável, previamente acordado, por um determinado prazo (Colômbia/Peru); Comunicação das alterações a introduzir no regime fiscal com vários anos de antecedência (Reino Unido/Estados Unidos). Page 7

8 O contributo EY para a Reforma do IRC Page 8

9 O contributo EY para a Reforma do IRC Responsabilidade social KNOW-HOW EY Discussão EY A visão das principais empresas Benchmarking UE Identificação de melhorias e outras sugestões Responsabilidade Social A participação activa da EY na Reforma do IRC Veículo de informação com vertente solidária Livro EY O NOVO IRC Page 9

10 O contributo EY para a Reforma do IRC Compromisso para o futuro Compromisso para o futuro Através da sua rede internacional, a EY compromete-se a ser um parceiro estratégico no apoio à economia Portuguesa e às suas empresas na captação de investimento externo, promovendo, de forma prioritária, as relações entre Portugal e os países lusófonos (nomeadamente os PALOP s). Building a better working world Page 10

11 Sugestões EY Reestruturação da política fiscal internacional Page 11

12 Sugestões EY Reestruturação da política fiscal internacional Reformulação do RETGS Harmonização da base de incidência entre IRC, Derrama Municipal e Derrama Estadual, ou seja, que em todos os casos se considere o lucro tributável do Grupo; Inclusão de todo o tipo de sociedades comerciais; Fixar legalmente a forma de cálculo da tributação autónoma agravada, se em função da existência de prejuízos fiscais do Grupo, se das sociedades individualmente consideradas; Permitir que uma sucursal de uma sociedade residente num estadomembro da UE ou do EEE possa ser a entidade dominante. Revisões do regime de reporte de prejuízos fiscais Redução da limitação de dedução do lucro tributável (que se manteve, mesmo no texto do Anteprojecto, em 75%); Existência de período de carência para start-up s. Page 12

13 Sugestões EY Reestruturação da política fiscal internacional Introdução de um regime de dedução fiscal relativa à remuneração do capital próprio Instituição de um regime que permita a dedução fiscal de um juro presumido sobre o capital próprio ou algumas componentes do mesmo e/ou criar um incentivo ao reinvestimento de lucros, o que serviria como um incentivo à capitalização das empresas. Estabilidade Fiscal Introdução de uma regra de manutenção da estabilidade do regime tributário por um período até 10 anos, independentemente das alterações posteriores serem mais favoráveis ou desfavoráveis, nomeadamente para determinadas normas fiscais e no âmbito de negociações ao abrigo do Código Fiscal do Investimento. Page 13

14 Sugestões EY Reestruturação da política fiscal internacional Criação de um regime especial de tributação para Headquarters internacionais de grupos multinacionais Regime negociado caso a caso e com taxas de IRC mais benéficas entre 5% a 15%, semelhante ao que existe noutras jurisdições, com o objectivo de atrair as sedes e centros de decisão de grupos multinacionais, bem como a criação de emprego qualificado, designadamente no âmbito do Código Fiscal do Investimento. Redução das taxas de retenção no âmbito de ADT Revisão de todos os ADT celebrados com PALOP s (e celebração com os países que ainda não temos), consagrando as taxas mínimas possíveis de retenção na fonte (5%) em sede de juros, dividendos e royalties. Page 14

15 Sugestões EY Reestruturação da política fiscal internacional Crédito por dupla tributação internacional Consagração legal da possibilidade de dedução do crédito por dupla tributação internacional às derramas. Introduzir um valor nominal (p.e., ) relativo ao custo de aquisição da participação em alternativa ao nível de participação de 2%; Tributação de dividendos e mais-valias Aplicação do regime proposto aos estabelecimentos estáveis de sociedades residentes em países com ADT; Rever a questão da detenção indirecta talvez numa lógica de grupo; Adaptação do art. 27.º do EBF em conformidade com o novo regime de tributação de dividendos e mais-valias. Page 15

16 Q&A? Page 16

17 Contacto Sérgio Santos Pereira Senior Tax Manager Direct: Mobile: Page 17

18 EY Assurance Tax Transactions Advisory About EY EY is a global leader in assurance, tax, transaction and advisory services. The insights and quality services we deliver help build trust and confidence in the capital markets and in economies the world over. We develop outstanding leaders who team to deliver on our promises to all of our stakeholders. In so doing, we play a critical role in building a better working world for our people, for our clients and for our communities. EY refers to the global organization and may refer to one or more of the member firms of Ernst & Young Global Limited, each of which is a separate legal entity. Ernst & Young Global Limited, a UK company limited by guarantee, does not provide services to clients. For more information about our organization, please visit ey.com Ernst & Young Portugal All Rights Reserved This material has been prepared for general informational purposes only and is not intended to be relied upon as accounting, tax, or other professional advice. Please refer to your advisors for specific advice. ey.com

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento Incentives Alert 19 de Novembro de 2014 Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento A regulamentação do Portugal 2020 começou com a publicação do Decreto-Lei n.º 137/2014, de 12

Leia mais

Programa Portugal 2020: Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico

Programa Portugal 2020: Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Incentives Alert 6 de Março de 2015 Programa Portugal 2020: Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico A Portaria n.º 57-A/2015, de 27 de Fevereiro de 2015, vem estabelecer a regulamentação

Leia mais

SPTRANS. Verificador Independente. Apresentação de Resultados. Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão.

SPTRANS. Verificador Independente. Apresentação de Resultados. Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão. SPTRANS Verificador Independente Apresentação de Resultados Taxa Interna de Retorno (TIR) dos Contratos de Concessão e Permissão Dezembro de 2014 Resultados Apuração da TIR com base no FCFF e no FCFE Área

Leia mais

Projecto de Reforma da Fiscalidade Verde

Projecto de Reforma da Fiscalidade Verde 17 de Setembro de 2014 Tax Alert Projecto de Reforma da Fiscalidade Verde O Despacho 1962/2014, de 29 de Janeiro, constitui a Comissão para a Reforma da Fiscalidade Verde, tendo como objectivo a revisão

Leia mais

Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos

Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos 30 de Julho de 2013 Tax Alert Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC O Governo Português, representado pelo Exmo. Senhor Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, nomeou uma Comissão

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo

O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt O IRC e a TSU em 2013 Jorge Figueiredo 3,9% Aumento da receita de IRC (previsão OE 2013 face à receita prevista para 2012) 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Limitação à

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

Future Nearshore. Desafios na captação e manutenção de operações de serviços Workshop 12 Março. Março de 2015

Future Nearshore. Desafios na captação e manutenção de operações de serviços Workshop 12 Março. Março de 2015 Future Nearshore Desafios na captação e manutenção de operações de serviços Workshop Março de 2015 Confidencialidade A informação contida neste Documento é confidencial e propriedade da EY. A reprodução

Leia mais

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013 Participation Exemption: Novos Problemas António Rocha Mendes Outubro de 2013 Estrutura Comentários gerais à reforma do IRC Desenvolvimento de um regime de participation exemption Temas conexos com a participation

Leia mais

Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal

Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal Reforma do IRC Uma oportunidade única para Portugal Lisboa, 12 de Março de 2013 Agenda 1. A influência do IRC na atractividade da Economia Portuguesa 2. Medidas idealizadas para um sistema fiscal competitivo

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS)

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) Guia Fiscal 2012 Guia Fiscal 2012 Índice Informação Fiscal 7 Região Autónoma da Madeira 59 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 14 Desvalorizações excepcionais de elementos do activo

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing Mário Trinca Quando existem uma multiplicidade de Produtos / Serviços, oferecidos a diferentes segmentos de clientes, através de diversos canais de distribuição, em várias geografias, nunca é fácil responder

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise 3 de Outubro de 2013 Paulo Gaspar Tópicos Enquadramento O exemplo de outros Estados-membros Concretizar Um sistema fiscal competitivo

Leia mais

CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável

CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável CCCTB Administração e procedimentos para a repartição da base tributável FEUC Gonçalo Cid 24 Fevereiro 2012 Enquadramento CCCTB 2001: Estudo da UE sobre a tributação das empresas 2002-08: Formação de Grupos

Leia mais

Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos

Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos Tributação das Empresas Tributação do Lucro e dos Lucros Recebidos Mariana Gouveia de Oliveira Índice 1. Perspetiva Geral 2. Alterações ao Regime de Participation Exemption 3. Reporte de Prejuízos 4. Tributação

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade Internacional

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade Internacional INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Fiscalidade

Leia mais

Um novo paradigma no combate à elisão fiscal Notas de prospetiva. Luís M. S. Oliveira

Um novo paradigma no combate à elisão fiscal Notas de prospetiva. Luís M. S. Oliveira Um novo paradigma no combate à elisão fiscal Notas de prospetiva Luís M. S. Oliveira De que estamos a falar O contexto internacional Base Erosion and Profit Shifting (BEPS) Pacote Antielisão da União Europeia

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento

Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento Incentives Alert 12 de Janeiro de 2015 Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento Sumário do Incentives Alert Decreto-Lei 191/2014, de 31 de Dezembro Regime especial de contratação de apoios

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 www.pwc.pt/orcamentoestado Orçamento do Estado 2016 Proposta de Lei Resumo dos aspetos essenciais do Orçamento do Estado para 2016 OE 2016 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director 2 A importância do IRC Peso

Leia mais

PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS. Miguel Sousa e Silva

PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS. Miguel Sousa e Silva PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS Miguel Sousa e Silva Objetivos da reforma Proteção da família. Fomento da mobilidade social e geográfica. Simplificação do imposto. Proteção da família Quociente familiar:

Leia mais

Perspectivar os negócios de amanhã

Perspectivar os negócios de amanhã www.pwc.com/pt/tax/ma Perspectivar os negócios de amanhã O impacto das últimas medidas fiscais na actividade de M&A Management 2 PwC Clarificação dos conceitos de gratificação e de carácter regular para

Leia mais

Um novo paradigma no combate ao planeamento fiscal agressivo Notas de atualidade e de prospetiva

Um novo paradigma no combate ao planeamento fiscal agressivo Notas de atualidade e de prospetiva Um novo paradigma no combate ao planeamento fiscal agressivo Notas de atualidade e de prospetiva Luís M. S. Oliveira De que estamos a falar O contexto internacional Base Erosion and Profit Shifting (BEPS)

Leia mais

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A.

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A. Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais EDP Electricidade de Portugal S.A. 4 de Maio de 2001 O Movimento de Fusão dos Mercados da Bolsa e a Concentração do Sistema Financeiro O Que Vai Mudar Para

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E DE SEGURANÇA SOCIAL JULHO 2016 Até 10/07/2016 Envio da Declaração periódica acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos contribuintes do regime normal mensal,

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade Internacional

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Fiscalidade Internacional INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

26 de setembro de 2014

26 de setembro de 2014 - Rendimentos empresariais e profissionais / rendimentos de capitais e mais-valias João Pedro Santos (Centro de Estudos Fiscais e Aduaneiros - CEF) Conferência sobre A Reforma do IRS IDEFF / FDUL 26 de

Leia mais

BEPS Ação 3 Regras CFC. VI Congresso Brasileiro de Direito Tributário Internacional 2015 João Francisco Bianco

BEPS Ação 3 Regras CFC. VI Congresso Brasileiro de Direito Tributário Internacional 2015 João Francisco Bianco BEPS Ação 3 Regras CFC VI Congresso Brasileiro de Direito Tributário Internacional 2015 João Francisco Bianco Introdução Objetivo do BEPS coerência do IRPJ no nível internacional Action 3 uso da CFC para

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva

As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva www.pwc.com/pt As medidas anti abuso, os dividendos e o conceito de tributação efectiva Jaime Carvalho Esteves Jaime Carvalho Esteves OROC, Janeiro de 2011 Agenda Introdução O Abuso Cláusula Geral e Cláusulas

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS GRANDES CONTRIBUINTES PAULA ROSADO PEREIRA Doutora em Direito Professora da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Consultora da SRS Advogados TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS EM ANGOLA O IMPOSTO INDUSTRIAL E O ESTATUTO DOS

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

Repercussões do Direito Comunitário e das decisões do TJUE no Direito Interno e nas Decisões Judiciais

Repercussões do Direito Comunitário e das decisões do TJUE no Direito Interno e nas Decisões Judiciais Repercussões do Direito Comunitário e das decisões do TJUE no Direito Interno e nas Decisões Judiciais Miguel Teixeira de Abreu 19 de Maio de 2010 Ordem dos Advogados 21/01/2010 1 : Influência do Direito

Leia mais

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management

Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Financeiros e Fiscais Global Incentives Management Incentivos Índice 1. Apresentação i. Incentivos Financeiros ii. Incentivos Fiscais 2. Metodologia i. Apresentação ii. iii. iv. Analysis & Reporting

Leia mais

Regime Fiscal dos Residentes não Habituais

Regime Fiscal dos Residentes não Habituais Regime Fiscal dos Residentes não Habituais Atrair investimento estrangeiro para Portugal Vilamoura, 12 de Maio de 2014 Pedro Alves NEXIA, CPLA & Associados, SROC, Lda. 1. Enquadramento e objectivos Decreto-Lei

Leia mais

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal 1 SUMÁRIO 1. Tipos de Sociedades 2. Sociedades de Responsabilidade Limitada e Sociedades Anónimas 3. Constituição de sociedades 4. Regime

Leia mais

- Identificar as formas de tributação aplicáveis aos diferentes tipos de sujeitos passivos

- Identificar as formas de tributação aplicáveis aos diferentes tipos de sujeitos passivos IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO I [12100] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A presente unidade curricular combina o estudo sobre a aplicação e funcionamento do IRS com uma visão ampla da teoria do direito

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração.

www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração. www.pwc.com Aspectos Tributários atuais aplicáveis à Indústria da Mineração. Agenda 1. TFRM 2. Transfer Pricing PECEX 3. CFEM 4. Conclusão PwC 2 www.pwc.com TFRM Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS)

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) ALTERAÇÕES AO IRS, IRC, IMPOSTO DO SELO E LGT A Lei 55-A/2012, de 29 de Outubro introduziu alterações relevantes no Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), Imposto sobre o Rendimento das

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Investimento. Variações trimestrais homólogas Investimento Variações trimestrais homólogas Entre 2013 e o 3º trimestre de 2015, o Investimento em Portugal superou o existente na Zona Euro, devido não só às perspectivas de crescimento económico, mas

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS - SAIBA SE TERÁ OU NÃO DE PAGAR IMPOSTOS

TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS - SAIBA SE TERÁ OU NÃO DE PAGAR IMPOSTOS TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS - SAIBA SE TERÁ OU NÃO DE PAGAR IMPOSTOS Introdução A Lucros e Ganhos SA tem tido uma ótima performance nos últimos anos. Com sede em Portugal, esta empresa criada em 2009 tem

Leia mais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais Liza Helena Vaz AICEP/ AIP/AIDA/ANEMM/APIA Agenda Tributação em Cabo Verde Aspectos fiscais do investimento português em Cabo Verde

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência

Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência Enquadramento das novas obrigações declarativas em sede de preços de transferência A Acção 13 do plano de combate à erosão da base fiscal e alocação de proveitos ( Base Erosion and Profit Shifting BEPS

Leia mais

26-10-2011. www.pwc.com/pt. Impostos Indirectos OE2012. Agenda. Impostos Indirectos I. IVA. PwC

26-10-2011. www.pwc.com/pt. Impostos Indirectos OE2012. Agenda. Impostos Indirectos I. IVA. PwC www.pwc.com/pt Impostos Indirectos OE2012 Agenda Impostos Indirectos I. II. IECs III. Conclusão PwC 2 1 Eliminação das isenções Transmissão do direito de autor e a autorização para utilização da obra intelectual

Leia mais

d) 400. Justificação:

d) 400. Justificação: 1. Os juros de suprimentos recebidos (pessoas singulares e colectivas): a) São objecto de retenção na fonte à taxa de 15%; b) São objecto de retenção na fonte a uma taxa liberatória de 15%; c) São objecto

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Workshop 'Oportunidades de negócios na Polónia' Começar um negócio na Polónia - aspetos legais Porto, 10 de Maio de 2013

Workshop 'Oportunidades de negócios na Polónia' Começar um negócio na Polónia - aspetos legais Porto, 10 de Maio de 2013 Workshop 'Oportunidades de negócios na Polónia' Começar um negócio na Polónia - aspetos legais Porto, 10 de Maio de 2013 Introdução 2 Polónia tem sido vista como o oásis da Europa Maior mercado de investimento

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T O sistema fiscal português. Bibliografia. Conceitos a reter

Economia e Finanças Públicas Aula T O sistema fiscal português. Bibliografia. Conceitos a reter Economia e Finanças Públicas Aula T12 3.4. O sistema fiscal português 3.4.1. Breve caracterização 3.4.2. Impostos sobre o rendimento: IRS e IRC EFP - ISEG 1 Bibliografia Obrigatória: Livro de EFP, Cap.

Leia mais

FISCALIDADE INTERNACIONAL

FISCALIDADE INTERNACIONAL NOVO FISCALIDADE INTERNACIONAL JUN JUL 2015 PORTO Introdução [Jaime Carvalho Esteves] Questões Regulatórias [Luis Gameiro] Rendimento e Dupla Tributação Internacional / Planeamento Fiscal Internacional

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITOS BÁSICOS Negócios Internacionais TRANSACÇÕES QUE CRUZAM AS FRONTEIRAS NACIONAIS Empresa A País A Empresa B Empresa C

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

NEWSLETTER Março 2014 TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS

NEWSLETTER Março 2014 TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS NEWSLETTER Março 2014 TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS TRIBUTAÇÕES AUTÓNOMAS Índice 1. TA 2013 3 2. TA 2014 5 3 1. Ano 2013 O artigo 88.º do CIRC especifica as taxas de tributação autónomas aplicáveis ao fecho das

Leia mais

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016 FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX 13 de Maio de 2016 MERCADO DE CAPITAIS E INVESTIMENTOS Agenda Breves notas conceptuais Estruturas

Leia mais

Caro Paulo Lopes Lourenço, Consul Geral de Portugal em São Paulo. Estimado Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto

Caro Paulo Lopes Lourenço, Consul Geral de Portugal em São Paulo. Estimado Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto Caro Paulo Lopes Lourenço, Consul Geral de Portugal em São Paulo Estimado Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto Caros empresários e empreendedores aqui presentes, Minhas senhoras e meus

Leia mais

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE Braga 29 Novembro 16 José Carlos Caldeira jcaldeira@ani.pt 1 O CONTEXTO 4.0 Principais tendências HUMAN CENTERED Customização de Produtos Processos Inteligentes

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E GUERRA FISCAL FEBRAFITE

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E GUERRA FISCAL FEBRAFITE SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E GUERRA FISCAL FEBRAFITE OSVALDO SANTOS DE CARVALHO Secretaria da Fazenda de São Paulo 20 de junho de 2011 ICMS e Federação 1 Agenda RECEITAS E A AUTONOMIA DOS ENTES FEDERATIVOS

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Matriz de ameaças/oportunidades

Matriz de ameaças/oportunidades - Necessidades de formação ao longo da vida - Transferência de tecnologia - Relações com PALOPs e outros como BRICs - Utilização de e-learning - Questões demográficas (redução da população jovem) - Situação

Leia mais

Códigos Tributários ª Edição. Errata

Códigos Tributários ª Edição. Errata Códigos Tributários 2013 6ª Edição Errata 1 CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS UNIVERSITÁRIO Errata ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. Rua Fernandes Tomás nºs 76, 78, 80 3000-167 Coimbra

Leia mais

Market Sentiment 3 a Edição

Market Sentiment 3 a Edição Market Sentiment 3 a Edição 1. Como perceciona a evolução do volume de transações de ativos imobiliários, para os próximos 3 meses? Variação da evolução global do volume de transações Análise dos principais

Leia mais

Moçambique Fundação AIP 1 de Junho de Innovation Advisory Services

Moçambique Fundação AIP 1 de Junho de Innovation Advisory Services Moçambique Fundação AIP 1 de Junho de 2016 Innovation Advisory Services Grandes números Em População total (1) 27,2 M Depois de uma década com a economia a crescer a uma taxa média anual superior a 7%,

Leia mais

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2.

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 01 IRC 1 21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 5% ; 2.5% (ZFI 8 sob condições) 80% de isenção das derramas (imposto

Leia mais

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ORÇAMENTO DE ESTADO 2016 Ana Castro Gonçalves agoncalves@caiadoguerreiro.com Paula Madureira Rodrigues prodrigues@caiadoguerreiro.com André Goldschmidt agoldschimdt@caiadoguerreiro.com

Leia mais

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO 2014 - Identificação do Distribuidor O Banco de Investimento Global (de ora em diante o Distribuidor ),

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças MARÇO 2004 SUMÁRIO I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL Despacho nº4260/2004, de 3 de Março IRS - Tabelas de retenção Continente Aprova as tabelas de retenção na

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução

Índice PPU CD Controlador de Gestão Introdução Índice PPU CD 1. Introdução 1.1. Contabilidade 1.1.1. Importância da Contabilidade 1.1.2. Plano de Negócios e Orçamento 1.1.3. Contabilidade de Gestão ou Analítica 1.1.4. Os Preparadores da Informação

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

Manual Instructions for SAP Note Version 1

Manual Instructions for SAP Note Version 1 Manual Instructions for SAP Note 1973349 Version 1 TABLE OF CONTENTS 1 CHANGES TO CONTENT OF TABLE VIEW V_T596G... 3 2 CHANGES TO CONTENT OF TABLE VIEW V_T596I... 4 2 To perform the following changes,

Leia mais

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que:

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que: DESTAQUE Novembro de 2010 FISCAL Proposta de alterações aos mecanismos para evitar a dupla tributação económica de dividendos A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2011 ( Proposta de OE 2011 )

Leia mais

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros Perdas fiscais decorrentes da fraude carrossel Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros MSP - Janeiro 2008 26 Medidas de combate à fraude A dimensão

Leia mais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais 13 de Março de 2012 Miguel Garoupa Puim AERLIS Agenda Tributação em Moçambique Aspectos fiscais do investimento português em Moçambique

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português;

Artigo 12.º. b) Operações que envolvam entidades não residentes em território português; Regime Complementar do Procedimento de Inspeção Tributária Artigo 12.º 1 2 3 - O disposto nos números anteriores compreende, relativamente aos grandes contribuintes, a decisão antecipada, sobre a qualificação

Leia mais

Enquadramento jurídico-tributário dos contratos de comodato

Enquadramento jurídico-tributário dos contratos de comodato Enquadramento jurídico-tributário dos contratos de comodato Têm-nos sido colocadas diversas questões sobre o enquadramento fiscal dos contratos de comodato quer em sede de imposto do selo, quer quanto

Leia mais

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016 O Orçamento do Estado 2016 11 Fevereiro de 2016 Índice I. Imposto do Selo II. Imposto Municipal sobre Imóveis III. Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis 2 Orçamento de Estado 2016

Leia mais

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli Lei nº 12.973/14: a tributação dos juros sobre capital próprio Fernando Mombelli Conceito de JCP O art. 9º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 permite a dedutibilidade dos Juros sobre o Capital

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS TAREFAS E OBRIGAÇÕES PROFISSIONAIS DE JULHO 2014 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2014 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes

LEADERS O que é? Programa LEADERS Desenvolvimento de Competências de Liderança novos Líderes e reforço de competências em Líderes experientes Programa LEADERS 1 O que é? O Programa LEADERS consiste numa abordagem inovadora ao Desenvolvimento de Competências de Liderança alinhada com a Estratégia das organizações. Este Programa assume uma óptica

Leia mais

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado Moçambique informação de negócios Oportunidades e Dificuldades do Mercado Outubro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Tecnologias de Informação e Comunicação 03 1.2 Formação Profissional 03 1.3 Produtos

Leia mais

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 16.º 1 4 -... 6 Consideram-se residentes não habituais em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes

Leia mais

Consultoria Financeira e de Gestão Contabilidade Fiscalidade Auditoria Recursos Humanos Tecnologias de Informação Apoio à Internacionalização

Consultoria Financeira e de Gestão Contabilidade Fiscalidade Auditoria Recursos Humanos Tecnologias de Informação Apoio à Internacionalização Consultoria Financeira e de Gestão Contabilidade Fiscalidade Auditoria Recursos Humanos Tecnologias de Informação Apoio à Internacionalização . > Somos uma empresa independente de prestação de Serviços

Leia mais

Telemar Norte Leste S.A.

Telemar Norte Leste S.A. Telemar Norte Leste S.A. Laudo de relação entre o preço da ação ordinária da Brasil Telecom Participações S.A. (BRTP3), acordado no Contrato de Compra e Venda do controle acionário indireto pela Telemar

Leia mais

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso Uma resposta à crise no Distrito de Castelo Branco Promotor do Projecto: Execução do Projecto: 1. O retrato da crise no Distrito 2. A economia social no Distrito

Leia mais

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC

OE 2017 IRC. Catarina. Tax Director. Orçamento do Estado Proposta de Lei. Outubro 2016 PwC OE 2017 IRC Catarina Gonçalves, Tax Director - Proposta de Lei PwC 1 Reporte de prejuízos fiscais Regras de utilização Critério FIFO é eliminado: revoga-se a regra que obriga à dedução ao lucro tributável

Leia mais

Companies Tax Planning or Countries Tax Competitiveness? Fernando Carreira Araújo Madrid, 28 April 2012

Companies Tax Planning or Countries Tax Competitiveness? Fernando Carreira Araújo Madrid, 28 April 2012 Companies Tax Planning or Countries Tax Competitiveness? Fernando Carreira Araújo Madrid, 28 April 2012 Estrutura da apresentação Oferentes nas ofertas públicas de aquisição. Veículos utilizados por accionistas

Leia mais

Lucros do Exterior. Artigo 7 ou Artigo 10 da Convenção Modelo? Claudemir Rodrigues Malaquias

Lucros do Exterior. Artigo 7 ou Artigo 10 da Convenção Modelo? Claudemir Rodrigues Malaquias Lucros do Exterior Artigo 7 ou Artigo 10 da Convenção Modelo? Claudemir Rodrigues Malaquias TRIBUTAÇÃO DOS LUCROS DO EXTERIOR LUCROS DO EXTERIOR Tratamento Tributário Evolução legislativa Art. 25 da Lei

Leia mais

Residentes Não Habituais em Portugal ENQUADRAMENTO E CONDIÇÕES

Residentes Não Habituais em Portugal ENQUADRAMENTO E CONDIÇÕES Residentes Não Habituais em Portugal ENQUADRAMENTO E CONDIÇÕES 1 The lawyers provide an excellent level of attention to the client and demonstrate a superb knowledge of the market and the latest legislation.

Leia mais