CRM E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTAS DE PROSPECÇÃO DE CLIENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRM E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTAS DE PROSPECÇÃO DE CLIENTES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI GUILHERME SILVA CRM E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTAS DE PROSPECÇÃO DE CLIENTES São Paulo 2011

2 ii GUILHERME SILVA CRM E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTAS DE PROSPECÇÃO DE CLIENTES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: M Sc. Francisco Carlos Damante São Paulo 2011 ii

3 iii GUILHERME SILVA CRM E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTAS DE PROSPECÇÃO DE CLIENTES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho: em de de Orientador: M Sc. Francisco Carlos Damante Professor 1 banca : Professor 2 banca: Comentários: iii

4 iv Resumo Hoje, devido ao acesso à tecnologia nos processos de industrialização, os produtos fabricados e comercializados estão cada vez mais semelhantes, tanto em tecnologia quanto em custos, criando, assim, verdadeiras batalhas de preços o que afeta diretamente a rentabilidade das empresas. Considerando este cenário o que acaba diferenciando um produto ou serviço de outros é a abordagem e atendimento que a empresa pode oferecer ao cliente no momento da venda e no pós-venda. Este trabalho visa mostrar aos leitores e aos estudantes de engenharia como ferramentas Customer Relationship Management com o auxílio da tecnologia da informação pode ajudar uma empresa nos processos de atendimento aos cliente e principalmente na prospecção de novos clientes. Palavras Chaves: CRM, Prospecção de clientes, Tecnologia Informação iv

5 v Abstract Today due to access to technology in manufacturing processes and manufactured products traded are increasingly similar in both technology and cost in creating real battles price which directly affects the profitability of companies. Considering this scenario which ultimately differentiate a product or service from others is the approach and service company that can offer the customer at the time of sale and after sale. This work aims to show readers and students of engineering as CRM tools with the help of information technology can help a company in the customer service processes and especially in prospecting for new customers. Key Words: CRM, Customer Prospecting, Information Technology v

6 vi LISTA DE FIGURAS Figura 1 Necessidades Habitacionais de 2009 a Figura 2 Capacidade Industrial 31 Figura 3 Pretensão de Investimento Figura 4 Impermabilizante para Áreas Frias Figura 5 Foco da Empresa Figura 6 Informações para Estratégia Figura 7 Linha do Tempo vi

7 vii LISTA DE TABELAS Tabela 1 Relação Entre Nível Organizacional, Decisões e Tipos de Planejamento Tabela 2 Diferenças Entre Empresa Tradicional e a Baseada na Informação Tabela 3 Sem CRM X Com CRM vii

8 viii LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CRM ABRAMAT Customer Relationship Management Associação da Indústria de Material de Construção viii

9 ix SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 9 2. OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA REFERÊNCIAL TEÓRICO Mercado Clientes Capital do Cliente Clientes empresariais ou indivíduo Critérios de avaliação do cliente Distinção entre estratégia e tática Sistema de informação de marketing CRM Custos e benefícios Sistemas de Informação Módulos das funções empresariais Tecnologia da Informação Componentes da tecnologia da informação Data warehouse ESTUDO DE CASO Mercado construção civil Empresa Concorrência no Brasil Estratégia Inicial Identificação dos Aplicadores Usando a estratégia CRM Resultados 33 CONCLUSÕES 34 BIBLIOGRAFIA 35 ix

10 1. INTRODUÇÃO O melhor atendimento, o melhor produto faz parte do discurso de praticamente todas as empresas mas como as empresas podem saber qual é a melhor forma de atendimento ou qual é o melhor produto que pode ser oferecido ao cliente. A evolução da tecnologia e a globalização permitiu as empresas a possibilidade de vender seus produtos ou serviços a qualquer cliente em qualquer parte do mundo aumentando de forma expressiva a base de clientes destas empresas e aumentando também o fluxo de informações. Sem o adequado tratamento destas informações e sem a ajuda da tecnologia da informação seria imposssível transformar os dados históricos dos clientes em informações relevantes para modelagem de uma estratégia eficiente. Desta forma, a estratégia CRM com o auxílio da tecnologia informação se torna uma ferramente indispensável para o sucesso e continuidade de qualquer empresa fornecedora de produtos ou serviços.

11 11 2. OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Demonstrar que a estratégia CRM é uma ferramenta de extrema importância para o aumento da participação de mercado e prospecção de clientes sem a necessidade de altos investimentos. 2.2 Objetivos Específicos Discutir a utilização da estratégia CRM com o auxílio da tecnologia da informação utilizando como estudo de caso uma empresa que fornece produtos químicos para o mercado de construção civil em obras prediais, comerciais e de infra estrutura. A empresa já fornece produtos para obras de infra estrutura e está criando um novo segmento para iniciar prospecção no mercado de obras prediais residenciais e comerciais. 11

12 12 3. MÉTODO DE TRABALHO Estre trabalho é baseado na experiência profissional do autor com ajuda de literaturas sobre CRM, Marketing, Tecnologia da Informação, Fidelização de Clientes e Sistemas Integrados. 12

13 13 4. JUSTIFICATIVA Este trabalho apresenta, de uma forma objetiva e clara, como a utilização da tecnologia da informação pode ajudar na construção de uma estratégia de atendimento diferenciada ao cliente. Através da mineração de informações de um banco de dados de potenciais clientes podemos otimizar os processos de vendas e prospecção sem a necessidade de altos investimentos em softwares ou em hardwares. 13

14 14 5. REFERENCIAL TEÓRICO 5.1 Mercado A atual situação economica mundial não é a das melhores. Hoje temos duas grandes potências passando por momentos de dificuldade em relação à situação sócio-econômica. De um lado temos o Estados Unidos que, além de enfrentar dificuldades financeiras, também está com problemas de credibilidade com sua própria forma de governar. Por outro lado, temos a União Européia que, apesar de ter uma moeda forte, o euro, está com problemas com alguns de seus países membros, o que obriga com uma certa frequência a solicitar ajuda ao FMI (Fundo Monetário Inernacional). Como os problemas são estruturais em ambas economias, esta situação deve ser estender por alguns anos até retomarem o crescimento e recuperar a economia. Por outro lado no Brasil, temos uma situação favorável por causa do atual momento que o país vive em sua história econômica relativamente estável e as iniciativas privadas que injetam dinheiro na econômia brasileira. Muitas empresas multinacionais instalaram filiais no país nos últimos anos trazendo ao mercado novas metodologias de trabalho. O acessso à tecnologias de transformação proporcionaram ao Brasil empresas competitivas e atualizadas e aumento da renda média dos brasileiros. Para atender a este desenvolvimento sócio-econômico necessita-se de uma melhora na infraestrutura do país com obras de saneamento básico, rodoviárias, portuárias, aeroviárias e habitacionais. Sem contar que o Brasil vai receber dois grandes eventos nos próximos anos a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpiadas em Hoje o Brasil tem deficiência em todos os setores criando gargalos no desenvolvimento conforme declaração do presidente da empresa GE do Brasil, João Geraldo Ferreira, no Fórum Econômico Mundial na América Latina: 14

15 15 O gargalo aeroportuário é grande e se torna ainda maior e mais relevante na medida em que você tem dois grandes eventos (Copa e Olimpíadas) e um número maior de pessoas com crédito, dinheiro e interesse em voar pela primeira vez. A deficiência de infraestrutura está em todas as áreas de logística do Brasil, mas, analisando pela perspectiva social, a maior deficiência está no deficit habitacional, com muitas pessoas ainda morando nas ruas, favelas ou casas sem nenhum tipo de saneamento. O governo promove diversas ações sociais como por exemplo PAC (Programa de Acelaração do Desenvolvimento) e o programa Minha Casa, Minha Vida para incentivar este segmento. Além dos programas sociais, o aumento do poder aquisitivo da classe C promove também o mercado de obras prediais residenciais de médio e alto padrão. Segundo a Abramat (Associação da Indústria de Material de Construção) o Brasil terá de construir 2,1 bilhões de metros quadrados de edificações entre os anos de 2009 e 2020, o equivalente a mais de três vezes a área de Cingapura, como mostra a figura 1 Fig. 1 Necessidades Habitacionais do país de 2009 a 2020 (Fonte ABRAMAT, 2011) 15

16 16 O volume seria capaz de suprir uma necessidade habitacional de 20 milhões de novas moradias entre 2009 e 2020, de acordo com a entidade, que baseou seus cálculos em projetos de residências de 105 m² em média de área total. Segundo Malvyn Fox, presidente da Abramat: O governo tem ajudado a desenvolver a economia com programas de construção, como o PAC e o Minha Casa. Mas, para mantermos, é preciso ter competitividade e a carga tributária e a concorrência chinesa são fatores preocupantes. Os números fazem parte de um estudo da Abramat sobre competitividade do país no setor. Outro estudo realizado em Setembro/2011 pela Abramat indica que as empresas da indústria de materiais para construção civil estão utilizando em média 86% de sua capacidade industrial e que 77% delas tem pretensão de investimentos nos próximos 12 meses. Conforme figuras: Fig. 2 Capacidade Industrial (Fonte ABRAMAT, 2011) 16

17 17 Fig. 3 Pretensão de Investimento (Fonte: Abramat, 2011) Com o deficit habitacional, com a real necessidade de construção de novas casas residenciais em todo território nacional e a pretensão de investimentos nos próximos anos do setor das indústrias de materiais o segmento da construção civil apresenta-se um mercado muito próspero para os próximos anos em todas as suas esferas de construtores, fornecedores, engenheiros, mestres, operários, enfim, todas as empresas ou pessoas envolvidas no processo de construção. 17

18 Clientes O erro mais comum nas empresas é quando o foco são os produtos e serviços que a empresa pode oferecer e não as necessidades reais dos clientes e essa orientação pode gerar perda de vendas. Esse tipo de postura coloca a empresa no mesmo grupo de outras centenas de empresas onde não existe nenhuma diferenciação dos demais. O cliente de hoje, devido ao acesso a internet, livros, etc., tem mais informações que o cliente do passado e em muitas casos conhece mais do produto do que o próprio vendedor. O autor Sun Tzu no livro A Arte da Guerra explica em uma frase [...] Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas. Neste caso considere a figura do inimigo como sendo os fatores externos como por exemplo o cliente e também os concorrentes. Para ter sucesso a empresa precisar estar por dentro de todos os processos envolvidos com seus clientes e saber trabalhar com estas informações para elaborar um plano de ação. Infelizmente, na maioria das vezes, estas informações não estão disponíveis de uma forma fácil e simples e, por isso, é preciso fazer um trabalho árduo de pesquisa até conseguir levantar informações pertinentes que poderão dar base para uma estratégia eficiente. A empresa de sucesso do futuro será a empresa com melhor capacidade de análise das necessidades dos clientes e, desta forma, os recursos de CRM e tecnologia da informação poderão ajudar na análise destas necessidades. Esta nova economia também está estimulando uma nova maneira de medir o valor da empresa. Historicamente temos medido os negócios de acordo com o uso de capital de investimento, basicamente por meio de seu retorno sobre ativos de capital fixo. No entando, administrar é a arte de saber como usar melhor os recursos escassos. Com a atual oferta de crédito pelas instituições 18

19 19 financeiras, o capital de investimento deixou de ser nosso recurso mais escasso. Na economia do cliente, os clientes fiéis se tornaram a mercadoria comum mais preciosa. Hoje, o mais difícil para uma empresa adquirir não é capital de investimento, produtos, funcionários ou mesmo uma marca, mas a fidelidade do cliente. Os relacionamentos com os clientes são a fonte fundamental de valor na nova economia do cliente. O capital do cliente agora é, no mínimo, tão importante quanto o capital de investimento. E o valor de seus relacionamentos presentes e futuros vai determinar o valor das empresas. Os relacionamento com os clientes vão começar a importar para as empresas de uma maneira que nunca importaram antes. Os próprios acionistas vão começar a solicitar informações sobre os clientes das empresas que pretendem investir, como, por exemplo, número de clientes, porcentagem de penetração dos produtos, custo para adquirir um novo cliente e capacidade de retenção dos atuais clientes. As empresas focadas nos produtos vão começar a focar os clientes. Hoje, na empresa moderna, estabelecer relacionamentos com cada um dos clientes que desejam conhecer envolve um custo e, graças às modernas tecnologias que podem ser usadas para captar informações, é possível viabilizar esta abordagem monitorando a qualidade das experiências dos clientes no momento que estão interagindo com as empresas. A experiência do cliente é importante, portando, o que os clientes sentem quando interagem com a marca determina a fidelidade deles. A fidelidade do cliente está diretamente ligada às experiências que vive com seus fornecedores e isto inclui como este se sente quando está na presença da marca, esteja ele ao telefone com algum representante da marca, em frente a alguma loja, em websites, lendo um ou utilizando o produto. 19

20 Capital do Cliente Seybold (2009, p. 90) apresenta exemplos de alguns fatores que podemos considerar para mensurar o capital do cliente: O número de clientes ativos Os diferentes segmentos de clientes (com base na população e em como eles se comportam) e/ou grupos (com base em quando eles foram adquiridos) O atual lucro médio por cliente em cada segmento O custo para adquirir um cliente em cada segmento A taxa de retenção de clientes em cada segmento O crescimento antecipado ou o declínio de lucros por cliente em cada segmento (com base na recência, na frequência, na complexidade e no valor de suas transações) Ainda segundo a autora [...] Os profissionais de marketing há muito usam esses fatores para determinar a lucratividade de diferentes segmentos de clientes e a viabilidade de suas campanhas de marketing. Em geral calculam o valor vitalício do cliente por segmento. Para cada segmento de cliente, eles sabem quanto custa para adquiri-los, quanto lucro a empresa está ganhando por cliente, qual é a taxa de retenção atual e, (portanto) qual é o período ou tempo de vida típico que um cliente terá. E sabem com razoável certeza (com base no desempenho anterior), quanto os lucros por cliente provavelmente aumentarão com o tempo, á medida que os clientes compram mais e fazem vendas cruzadas e à medida que o custo para atender a esses clientes diminuir com o tempo. Saber o valor vitalício de seus clientes atuais não é mais um exercício esotérico de marketing, é uma ferramenta gerencial crucial. 20

21 Clientes Empresariais Contas ou Indivíduos Na abordagem a uma empresa é preciso reconhecer que existem dois universos a serem estudados que é a empresa e o indivíduo. Importante reconhcer dentro da estrututura da empresa quais serão as pessoas que estarão envolvidas com seus produtos ou serviços. Desde o gerente de suprimentos até o usurário final de produto ou serviço. Identificar as pessoas que influênciam nas descisões e manter relacionamentos com as mesmas. Porque no final das contas nos negócios são feitos por pessoas e não por empresas Critérios de avaliação do cliente Existem várias formas de mensurar a importância do cliente dentro de uma organização e isso dependerá dos critérios de avaliação que serão escolhidos para esta classificação. Usualmente as empresas classificam por valor de venda por clientes mas existem outros paramêtros: Volume de venda Rentabilidade Satisfação do cliente Fidelidade do cliente O critério que possui a maior transparência é o da rentabilidade porque apresenta, em forma de porcentagens, quanto a empresa está lucrando em cada negociação, diferente da classificação por valor de venda que apresenta somente o valores de nota fiscal mas não apresenta se a empresa está tendo lucro ou prejuízo Distinção entre estratégia e tática Estratégias são os caminhos mais adequados para serem seguidos, visando alcançar objetivos de médio e longo prazos, e táticas são ações ou métodos utilizados para implementar as estratégias e visam ao atingimento das metas a curto prazo. 21

22 22 Segundo Toledo e Minciotti (1989, p. 19) [...] A diferença entre estratégia e tática, no contexto empresarial, não é estabelecida a priori, uma vez que a diferença se encontra apenas no nível em que cada uma é tomada em uma situação específica. Dessa forma, o plano de marketing é tático se o referencial comparativo for o plano estratégico, e estratégico, se a comparação for estabelecida com o plano de treinamento de vendedores. Essa ambigüidade pode ser atenuada se se pensar em um sistema hierárquico de decisões, no qual uma decisão será estratégica e, relação às que dela decorrem e tática em relação às que procedem. Tabela 1 Relação entre Nível Organizacional, Decisões e Tipos de Planejamento Nível organizacional Níveis de decisões Tipos de planejamentos Alta Gerência Decisões estratégicas Planejamento estratégico Gerência média Decisões táticas/operacionais Planejamento tático/operacional Fonte: Adaptado de MATTAR Gerência de Produtos (p. 175) Ainda segundo o autor, o modelo de planejamento tático/operacional compreende as seguintes fases: Fase 1 Obtenção e reunião de informações Fase 2 Análise da situação Fase 3 Decisões: fins, meios e estratégias Fase 4 Definições dos controles de execução Fase 5 Elaboração/redação do plano de marketing 22

23 Sistema de informação de marketing A forma mais adequada de prover aos usuários de informações de marketing na empresa é pela estruturação de um Sistema de Informações de Marketing. A informação, obtida e processada pelo sistema de informação, proporciona os pré-requisitos necessários para a realização das atividades de planejamento e controle de marketing. O objetivo fundamental de um sistema de informações é ajudar que melhores decisões sejam tomadas em um menor tempo. O sistema de informação de marketing monitora os resultados da empresa, monitora o ambiente externo, busca e capta, avalia e seleciona, trata, condensa, indexa, analisa, interpreta, classifica, armazena, recupera, transmite e dissemina dados e informações externos e internos à empresa, pertinentes e relevantes para a tomada de decisões em marketing. Segundo definição de Cox e Good (1967, p 145) [...] É um complexo estruturado e interagente de pessoas, máquinas e procedimentos destinados a gerar um fluxo ordenado e contínuo de dados, coletados de fontes internas e externas à empresa, para uso como base para tomada de decisões em áreas de responsabilidade específicas de marketing. Vantagens da utilização de sistemas de informação segundo Conrad Benson, citado por Boyd e Massy (1978, p ): Pode proporcionar mais informação dentro das limitações de tempo exigidas pela empresa. Concomitantemente, a empresa toda poderá conseguir melhor desempenho Permite a grandes empresas descentralizadas usar informações que se achavam dispersas, reunindo-as e interagindo-as de forma mais adequada Permite maior exploração do conceito de marketing Proporciona a recuperação seletiva de informação os usuários recebem apenas o que querem e o que necessitam 23

24 24 Proporciona reconhecimento mais rápido das tendências em andamento Atividades da empresa, por exemplo: vendas por produto, por regiãoe por cliente Permite melhor controle dos planos de marketing Pode evitar que as informações importantes sejam ignoradas, como, por exemplo, indicar se um produto deva ser retirado de mercado Reduz o número de decisões tomadas intuitivamente, pois leva a informação de forma conveniente e precisa Depura o fluxo, às vezes esmagador, de informações de marketing, que chega aos executivos, transformando-o num volume razoável, adequado e enxuto 5.3 CRM CRM Customer Relationship Management ou Gerência de Relacionamento com Clientes segundo o autor SWIF (2000, p. 12) É uma abordagem empresarial destinada a entender e influenciar o comportamento dos clientes, por meio de comunicações significativas para melhorar as compras, a retenção, a lealdade e a lucratividade deles O CRM é um processo interativo que transforma informações sobre os clientes em relacionamentos positivos com os mesmos. É uma técnica avançada de transformação e apresentação gráfica de dados, acelera a utilidade e a velocidade da tomada de decisão adminsitrativa. O CRM, efetivamente, engloba a capacidade de uma organização para: Descobrir clientes Conhecer os mesmos 24

25 25 Manter comunicações com eles Assegurar que eles recebam o que desejam da organização não somente quanto ao aspecto do produto, mas em cada detalhe de como a organização lida com eles. Verificar se eles recebem o que lhes foi prometido certamente, desde que seja lucrativo Assegurar que o cliente seja mantido mesmo que o cliente não seja lucrativo no momento, o objetivo é a lucratividade a longo prazo (principalmente prospectos) Visar clientes lucrativos é um objetivo valioso. A eficiência é uma maneira de economizar recursos financeiros e humanos, mas também de fornecer à organização os clientes certos a serem atendidos pelos produtos ou serviços certos Custos e benefícios da gerência de relacionamento Normalmente, os benefícios da gerência de relacionamento com clientes podem ser encontrados em uma ou mais das seguintes áreas: Menores custos de recrutamento de clientes Não é necessário conseguir tantos clientes Custo reduzido das vendas Maior lucratividade por cliente Retenção e lealdade crescentes dos clientes Avaliação da lucratividade do cliente O CRM se equipara a fatores que os contadores e gerentes apreciam mais que um excelente serviço a clientes: retorno, lucro e é mensurável. 25

26 Sistemas de Informação Todo sistema, usando ou não recursos de tecnologia da informação, que manipula e gera informação pode ser genericamente considerado Sistema de Informação. Conforme Rezende (2009, p. 10) os sistemas de informação devem ser constituídos baseados nos seguintes aspectos: a) Objetivos do sistema os objetivos devem ser relatados, formalizados e caracterizados para não deixar dúvidas ou ocasionar distorções ou omissões do sistema. Devem expressar claramente os requisitos funcionais do sistema. b) Ambiente do sistema local onde o sistema executa suas funções, considerando tanto o meio ambiente interno como o externo, físico e lógico. c) Recursos do sistema meios necessários para que o sistema cumpra suas funções, infraestrutura logística e de tecnologia d) Componentes humanos do sistema pessoas responsáveis pelo acionamento e utilização das informações e) Função do sistema atividades que o sistema propõe fazer, atendendo à execução de seus requisitos e à geração dos produtos necessários. f) Procedimentos do sistema atividades que antecedem e sucedem, ou ainda, paralelas à função principal do sistema, porém necessárias à preparação para funcionamento e remessas dos produtos g) Gestão do sistema compreende a administração, análise dos produtos, retroalimentação, controles e avaliações de qualidade e atendimento aos requisitos funcionais 26

27 27 As idéias útopicas devem ser deixadas de lado, visando que a constituição dos sistemas e de suas funções sejam factíveis Módulos das funções empresariais Dependendo do ramo de atividade da empresa os sistemas de informação podem ofercer diversos módulos como por exemplo: Produção planejamento e controle de produção Comercial marketing, clientes, pedidos, faturamentos Financeiro contas a pagar, contas a receber, fluxo de caixa Materiais fornecedores, suprimentos, estoque Recursos humanos recrutamento e seleção, administração de pessoal, folha de pagamento Jurídico legal contabiliadade, impostos e recolhimentos, livros fiscais Esses módulos podem estar representados de diversas formas e em diversos tipos de organogramas. Estes sistemas podem ser abertos quando existe relações com o ambiente externo ou fechados quando não existe relações com o ambiente externo. 5.5 Tecnologia da Informação Tradicionalmente, a função das organizações de tecnologia da informação (TI) é fornecer estratégia, localização, Tecnologia, Informações e processos para facilitar o trabalho da empresa na coleta, no gerenciamento, na proteção e no provimento de acesso aos dados. A nova função da TI inclui a obtenção de conhecimentos de todas as 27

28 28 fontes apropriadas de informações transformando em estratégias e fornece dados históricos muito detalhados. Montar e manter uma memória histórica corporativa e uma biblioteca de conhecimento deve ser um objetivo importante das organizações de TI atuais. Tecnologia da informação pode ser todo e qualquer dispositivo que tenha capacidade para tratar dados e ou informações, tanto de ofrma sistêmica como esporádica, quer esteja aplicada ao produto, quer esteja aplicada no processo (CRUZ,1998) A Tabela 2 a seguir, apresenta as diferenças da empresa tradicional para a empresa baseada na informação. Tabela 2: Diferenças Entre Empresa Tradicional e Baseada na Informação Empresa Tradicional Empresa Baseada na Informação Burocracia Padronização dos produtos e serviços Padronização dos salários Estrutura hierárquica Autoridade Centralização Controle e centralização da informação Consenso Massificação personalizada e qualidade Salários baseados no conhecimento agragado aos negócios Descentralização e diluição da hierarquia Gerêcia participativa e diluição da autoridade Recursos descentralizados, sinergia, trabalho em equipe Compartilhamento das informações Processo decisório centralizado Decisões participativas, gerência por processos, gerenciamento por resultados Planejamento centralizado Controle centralizado Pensar globalmente e agir localmente Controle descentralizado Fonte: REZENDE, 2009, p

29 Componentes da tecnologia da informação Tecnologia da informação está fundamentada nos seguintes componentes (REZENDE, 2009, p. 54): Hardware e seus dispositivos e periféricos Software e seus recursos Sistemas de telecomunicações Gestão de dados e informações Todos esses componentes interagem e necessitam do componente fundamental que é o recurso humano. Embora conceitualmente esse componente não faça parte da Tecnologia da Informação, sem ela esta tecnologia não teria funcionalidade e utilidade Data Warehouse Data Warehouse ou armazém de dados é um sistema de computação utilizado para armazenar informações relativas às atividades de uma organização em banco de dados, de forma consolidada. A estrutura da base de dados favorece os relatórios, a análise de grande volumes de dados e a obtenção de informações estratégicas que podem facilitar a tomada de decisão. Quando se utiliza data warehouse para relatórios CRM, o enfoque recai sobre a definição das características e hábitos dos clientes. A metodologia de data warehouse consiste em três fases principais: 1. Planejamento identifica problemas de negócios e modela e desenvolve a arquitetura para os planos iniciais da solução data warehouse. 29

30 30 2. Projeto e implementação desenvolve planos de projeto e implementação em escala global para a construção do data ware house. 3. Utilização, suporte e melhorias focaliza a manutenção do data warehouse e o planejamento de expansão. Um dos maiores desafios na criação de uma estrutura data warehouse está no processo de transformação de dados operacionais em dados informacionais necessários para facilitar a análise e a tomada de decisões para a criação de valor do negócio. Apesar do desafio, o processo é crucial. Ele cria um formato consistente, que pavimenta o caminho para o tipo de tomada de decisões avançada, tornada possível por tecnologias como a mineração de dados. A mineração de dados tem as funções de converter dados e informações em conhecimento, de forma que se possam tomar as decisões corretas e fornecer os mercanismos para desenvolver conhecimento em sistemas operacionais, de forma que acorram as ações certas. Por exemplo, na retenção de clientes podem ser montados modelos que predigam o perfil dos clientes que provavelmente mudarão para o concorrente. Esses modelos podem então ser instalados em ambientes de centrais de atendimento para fornecer diretrizes para os operadores que estejam e, contato direto com clientes. Classes de mineração de dados: Orientada para verificação Orientada para descoberta A mineração de dados é o processo de extração e apresentação de novos conhecimentos, anteriormente não detectáveis, selecionados de bancos de dados para decisões que possam ser acionadas (SWIFT, 2003, p. 98). 30

31 31 6. Estudo de Caso Para aplicar os conceitos apresentados neste trabalho, foram utilizados informações de uma empresa de origem alemã com sede no estado de São Paulo que pretende entrar no mercado de produtos químicos para construção civil de prédios comerciais e residenciais. A empresa já fornece alguns materiais para obras de infra estrutura. O objetivo deste estudo é apresentar como o CRM e a tecnologia de informação otimizou o processo de entrada da empresa neste mercado. Com o objetivo de manter o sigilo das informações iremos considerar para efeito do estudo de caso as seguintes nomenclauras: Empresa referência do estudo de caso: Empresa Y Empresa que fornece o banco de dados de obras prediais e comerciais: Website X Produto: Linha de impermeabilizantes para áreas frias (cozinhas, banheiros, varandas, áreas de serviço). Aplicadores: Empresas responsáveis pela aplicação da impermeabilização nas obras prediais e comerciais. Fig.4 - Impermeabilizante para Áreas Frias (Fonte: Elaborado pelo autor, 2011) 31

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742 Data Warehouse - DW Data Warehouse (Armazém de Dados) é um depósito integrado de informações, disponíveis para análise e para a construção de filtros de busca; Centraliza informações localizadas em diferentes

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Para aa Fornecedores Rede de Obras Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Informações de acordo com a sua necessidade Com o objetivo de atender a sua empresa

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

SIG Capítulo 2 - Parte 2

SIG Capítulo 2 - Parte 2 Estudo de Caso: Flextronics SIG Capítulo 2 - Parte 2 Produtora de componentes para PC s, celulares e outros equipamentos Clientes como a Cisco, Dell e a Ericsson Pratica margens baixíssimas de 3% a 5%

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 1 Contexto Reclamações comuns dos executivos: Há muita informação

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk

Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk PERFIL DO CLIENTE Indústria: Consultoria Empresa: Grupo Seres Colaboradores:

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Diretivas do programa

Diretivas do programa Valued partner program América Latina Diretivas do programa www.datamax-oneil.com Valued Partner Program (VPP) da Datamax-O Neil Visão geral do programa O Valued Partner Program da Datamax-O Neil é um

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais