Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07"

Transcrição

1 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama

2 I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva; Christiane Guilherme Bretas; Lélia Maria de Almeida Carvalho; Mariza Cristina Torres Talim; Sandra Avelar Sapori de Oliveira; Silvana Márcia Bruschi Kelles. III Tema: Critérios para indicação de pesquisa de linfonodo sentinela no câncer de mama IV Especialidade envolvida: Mastologia V Questão Clínica / Mérito: Quais os critérios para indicar a pesquisa de linfonodo sentinela no estadiamento axilar do câncer de mama? VI Enfoque: Diagnóstico VII Introdução: A abordagem cirúrgica da axila no câncer de mama tem como objetivos principais o estadiamento e controle local da doença. A biópsia do linfonodo sentinela é o procedimento ideal para o estadiamento cirúrgico da axila no câncer de mama, sendo método de acurácia semelhante à do esvaziamento axilar e de menor morbidade (acurácia 97,1%, Sensibilidade= 90,2% e Especificidade= 96,1%) 2. Nesta síntese, estabeleceram-se os critérios para a realização da pesquisa do linfonodo sentinela, baseada em evidência da literatura atual.

3 VIII Metodologia 1. Bases de dados pesquisadas: Biblioteca Virtual em Saúde BVS (LILACS, MEDLINE e Biblioteca Cochrane ), PubMed. 2. Descritores (DeCS) e Palavras-chave utilizadas: Linfonodos- Lymph Nodes, Biópsia de linfonodo sentinela- Sentinel lymph node biopsy. 3. Desenhos dos estudos procurados: Ensaios clínicos randomizados, revisão sistemática. 4. Período da pesquisa: Resultados da seleção bibliográfica: [ x ] Estudos clínicos em humanos: [ x ] estudos randomizados: 2 [ x ] Revisão narrativa: 1 [ x ] Guidelines : 1

4 Nível de Evidência Científica por Tipo de Estudo - Oxford Centre for Evidence-based Medicine - última atualização maio de 2001 XX Grau de Recomendação Nível de Evidência Tratamento/ Prevenção Etiologia Diagnóstico A 1A de Ensaios Clínicos Controlados e Randomizados de Estudos Diagnósticos nível 1 Critério Diagnóstico de estudos nível 1B, em diferentes centros clínicos 1B Ensaio Clínico Controlado e Randomizado com Intervalo de Coorte validada, com bom padrão de referência Critério Diagnóstico testado em 1C Confiança Estreito Resultados Terapêuticos do tipo tudo ou nada um único centro clínico Sensibilidade e Especificidade próximas de 100% 2A de Estudos de Coorte de estudos diagnósticos de nível > 2 2B Estudo de Coorte (incluindo Ensaio Clínico Randomizado de Menor Qualidade) Coorte Exploratória com bom padrão de Referência Critério Diagnóstico derivado ou validado em amostras fragmentadas ou banco de dados B 2C 3A 3B C 4 D 5 Observação de Resultados Terapêuticos (outcomes research) Estudo Ecológico de Estudos Caso-Controle de estudos diagnósticos de nível > 3B Seleção não consecutiva de casos, ou Estudo Caso-Controle padrão de referência aplicado de forma pouco consistente Relato de Casos (incluindo Coorte ou Estudo caso-controle; ou padrão de Caso-Controle de menor qualidade) referência pobre ou não independente Opinião desprovida de avaliação crítica ou baseada em matérias básicas (estudo fisiológico ou estudo com animais) População incluída: mulheres com carcinoma mamário invasivo e carcinoma ductal in situ de mama, com axila clinicamente negativa.

5 IX Estudos analisados: Veronesi et al. 1 conduziram estudo randomizado, comparando o linfonodo sentinela com a dissecção axilar rotineira no câncer de mama (esvaziamento axilar) para determinação de estadiamento e controle local da doença. Foram alocadas 516 pacientes com câncer de mama primário, sendo 259 para o grupo de esvaziamento axilar e 257 pacientes para o grupo do linfonodo sentinela. Foram incluídas pacientes que apresentavam tumores 2cm de diâmetro. Pacientes com tumores multicêntrico foram excluídas, além daquelas que se submeteram à biópsia prévia e naquelas em que não houve revelação do linfonodo sentinela à cintilografia. Foram encontrados 83 espécimes (83/257= 32,3%) positivos para o grupo de esvaziamento axilar e 92 espécimes para o grupo com a pesquisa do linfonodo sentinela (92/259 = 35,5%). No grupo de esvaziamento axilar o linfonodo sentinela apresentou acurácia geral de 96,9%, sensibilidade de 91,2% e especificidade de 100%. Conclusão: a biópsia do linfonodo sentinela é um método seguro e acurado para rastreamento de linfonodos axilares com metástases em mulheres com tumores pequenos de câncer de mama 1. Comentário do GATS Estudo randomizado com grande número de pacientes e metodologia adequada. Nível de evidência: 1 Grau de recomendação: A Guideline Associação Americana de Oncologia Clínica(2005) 2 recomenda ou não a pesquisa do linfonodo sentinela (LS) em câncer de mama em estadio precoce com o objetivo de reduzir o número de linfadenectomias axilares desnecessárias e a morbidade. A biópsia de LS se mostra adequada para todos os nódulos clinicamente negativos de pacientes com câncer de mama invasivo T1-T2 (menores que 3 cm), tumor multicêntrico, carcinoma ductal in situ, quando a mastectomia ou a reconstrução imediata for planejada, para

6 idosas ou obesas, em homens com câncer de mama e biópsia excisional prévia. O método é aplicável, com limites e critérios, para as cirurgias mamárias de extensão mínima, inclusive após uma prévia cirurgia para linfonodo sentinela, radioterapia prévia ou quimioterapia neo-adjuvante. O uso do LS nestes casos dependerá de avaliação cirúrgica individualizada e requer um procedimento de mapeamento inequívoco. O guideline não recomenda a pesquisa de linfonodos sentinela para câncer de mama com tumores grandes ou doença invasiva, localmente avançada(t3 e T4), câncer de mama inflamatório, carcinoma ductal in situ, quando se realizar a cirurgia de mama conservadora, gravidez, cirurgia de mama ou axilar não oncológica e na presença de linfonodos palpáveis suspeitos. Quando a identificação do linfonodo sentinela é positiva, o esvaziamento axilar padrão está indicado. Nível de evidência: 4 Grau de recomendação: D Krag et al 3 avaliaram os resultados da biópsia de LS comparado com os resultados das linfadenectomias axilares pós biopsia de LS. Foram randomizadas, 5.611mulheres com câncer de mama invasivo, para biópsia de LS, seguida de linfadenectomia padrão (n=2807 mulheres), grupo 1 e para biópsia de LS somente (n=2804 mulheres), grupo 2. As mulheres do grupo 2, seriam também submetidas a linfadenectomia padrão, caso não fosse encontrado nenhum linfonodo ou os linfonodos fossem positivos no exame citológico intra-operatório ou no exame histológico subseqüente. Nos desfechos primários estariam incluídos: sobrevida, controle regional e morbidade, ainda não relatados nessa publicação. Os desfechos secundários foram acurácia e sucesso da técnica descritos nessa publicação.os resultados mostram que a técnica foi efetiva em 97,2% das pacientes (5.379 de 5.536). A identificação dos pontos captantes na pré-incisão contribuiu também para maior sucesso da técnica. Dos linfonodos retirados, 1,4%(189) tinha

7 localização fora do nível I e II, 65,1% (8.571) estavam marcados com corante azul e radioisótopo, 3,9% (515), foram identificados a palpação. A acurácia da biópsia do LS foi de 97,1% com uma taxa de falso negativo de 9,8%. A localização do tumor, o tipo de biópsia e o número de linfonodos retirados influenciam a taxa de falso positivos. Nível de evidência: 1 Grau de recomendação: A van Deurzen et al 4. fizeram revisão da literatura para avaliar o papel do linfonodo sentinela em pacientes com carcinoma ductal in situ (CDIS) da mama. O carcinoma ductal in situ da mama é definido como uma proliferação clonal de células epiteliais malignas das unidades ductais mamárias, sem evidência de invasão da membrana basal. De acordo com a literatura encontrada não está definido o papel para o linfonodo sentinela no carcinoma ductal in situ da mama, embora haja risco potencial de invasão linfonodal, podendo ocorrer em 1 a 2% dos casos. Os carcinomas de alto grau, presença de massa à mamografia ou com microinvasão predispõem ao carcinoma invasivo. A maioria dos casos de acometimento linfonodal (70%) é detectada por meio de técnica de imunohistoquímica. Baseados na literatura atual encontrada, concluíram que a indicação para a utilização do linfonodo sentinela no CDIS, deverá incluir os seguintes critérios: Presença de micro-invasão, classificação tumoral de alto grau, massas grandes (> 1,6 cm ou 2 cm), presença de massa palpável, microcalcificações detectadas à mamografia, pacientes submetidas à mastectomia pós-biópsia excisional diagnóstica 4. Comentário do GATS Revisão narrativa da literatura. Nível de evidência: 4 Grau de recomendação: D

8 X Parecer do GATS Diante das evidências detectadas na literatura avaliada, o GATS sugere os seguintes critérios para a realização do método de linfonodo sentinela, no câncer de mama, para estadiamento e controle de doença local: 1.Biópsia do linfonodo sentinela nos casos de carcinoma invasor estadiado como T1-T2 (tumores até 3 cm), com axila clinicamente negativa, incluindo doença multifocal e multicêntrica, para mulheres idosas ou obesas, em homens com câncer de mama e biópsia excisional prévia Biópsia de linfonodo sentinela em cirurgias mamárias de extensão mínima, especialmente após uma prévia cirurgia para linfonodo sentinela, radioterapia prévia ou quimioterapia neo-adjuvante. O uso do LS nestes casos dependerá de avaliação individualizada e requer um procedimento de mapeamento inequívoco. Se a identificação do linfonodo sentinela é duvidosa pelos critérios estabelecidos o esvaziamento axilar padrão é aconselhado. 3. A indicação para a utilização do linfonodo sentinela no CDIS, deverá incluir os seguintes critérios: quando o tratamento cirúrgico de escolha for a mastectomia total, presença de micro-invasão, classificação tumoral de alto grau, massas grandes (> 1,6 cm ou 2 cm), presença de massa palpável, microcalcificações detectadas à mamografia, pacientes submetidas à mastectomia pós-biópsia excisional diagnóstica. Nos casos de linfonodo sentinela para CDIS, a imunohistoquímica dos linfonodos retirados deve ser realizada 4. XII Referências Bibliográficas: 1. Veronesi U, Paganelli G, Viale G, Luini A, Zurrida S, Galimbert V et al. A randomizide comparison of sentinel-node biopsy with routine axillary dissection in breast cancer. N Engl J Med 2003;349(6): Lyman GH, Giuliano AE, Somerfield MR, Benson AB, Bodurka DC, Burstein HJ, et al. American Society of Clinical Oncology guideline recommendations

9 for sentinel lymph node biopsy in early-stage breast cancer. J Clin Oncol 2005;23(30): Krag DN, Anderson SJ, Julian TB, Brown AM, Harlow SP, Ashikaga T, et al. Technical outcomes of sentinel-lymph-node resection and conventional axilliary-lymph-node dissection in patients with clinically node-negative breast cancer: results from the NSABP B-32 randomised phase III trial. Lancet.Oncol 2007;8(10): van Deurzen CHM, Hobbelink MGG, van Hillegersberg R, van Diest PJ. Is there an indication for sentinel node biopsy in patients with ductal carcinoma in situ of the breast? A review. Eur J Cancer 2007;43(6):

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 47. Recomendação Final

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 47. Recomendação Final LINFADENECTOMIA SELETIVA GUIADA (LINFONODO SENTINELA) EM ONCOLOGIA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS APRESENTAÇÃO Algumas propostas de incorporação

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

I Data: 11/01/2007. IV Especialidade(s) envolvida(s): Medicina Nuclear, Mastologia

I Data: 11/01/2007. IV Especialidade(s) envolvida(s): Medicina Nuclear, Mastologia Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 01/07 Tema: Definição de procedimentos e códigos para utilização da localização radioguiada (ROLL) na lesão de mama, no linfonodo sentinela no câncer de mama

Leia mais

Palavras-chave Esvaziamento axilar, câncer de mama, estadiamento patológico

Palavras-chave Esvaziamento axilar, câncer de mama, estadiamento patológico ARTIGO / Article Estadiamento Patológico Linfonodal versus Níveis de Esvaziamento Axilar no Câncer de Mama Pathological Lymph Node Staging versus Axillary Dissection Levels in Breast Cancer Arthur Leopoldo

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Casos Clínicos: câncer de mama

Casos Clínicos: câncer de mama Casos Clínicos: câncer de mama Coordenador: Eder Babygton Alves Clinirad Curitiba PR Comentários: Dr. Alvaro Martinez Oakland University William Beaumont School of Medicine Dr. Robert Kuske MD Scottsdale

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 Belo Horizonte Maio 2008 Autoras: Dra. Christiane Guilherme Bretas Dra. Sandra

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 27 Dezembro 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 27 Dezembro 2013 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia CADERNO ESPECIAL Editorial Joaquim Abreu de Sousa Serviço de Oncologia Cirúrgica.

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP DEFINIÇÃO Mokbel et Cutulli, Lancet Oncol,, 2006; 7: 756-65 65 TIPOS DE CDIS Gaps > 2 cm Baixo grau

Leia mais

Cirurgias Radioguiadas em Mastologia

Cirurgias Radioguiadas em Mastologia ATUALIZAÇÃO Cirurgias Radioguiadas em Mastologia Radioguided Surgery in Mastology Henrique Moraes Salvador Silva Maria Letícia Leone Rocha Rita de Cássia Tassinari Barini Leonardo Lamego Resende João Henrique

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO CÂNCER DE MAMA EM ESTÁDIO PRECOCE

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO CÂNCER DE MAMA EM ESTÁDIO PRECOCE ABORDAGEM CIRÚRGICA DO CÂNCER DE MAMA EM ESTÁDIO PRECOCE IV JORNADA PAULISTA DE MASTOLOGIA Carlos Alberto Ruiz Assistente Doutor do Serviço de Mastologia - HCFMUSP Diretor Hospital e Maternidade de Vila

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Valor da pesquisa de linfonodo sentinela no câncer de mama: revisão sistemática da literatura

Valor da pesquisa de linfonodo sentinela no câncer de mama: revisão sistemática da literatura I UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia Valor da pesquisa de linfonodo sentinela no câncer de mama: revisão sistemática da literatura

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Local: Minas Centro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte

Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Como tratar o câncer de mama na paciente com mutação genética? Prof. Dr. Giuliano Duarte Quem é a paciente com mutação BRCA1/2? Ansiedade Penetrância dos genes BRCA1 e BRCA 2 até os 70 anos Meta-análise

Leia mais

Linfonodo sentinela intramamário comprometido e axila livre. Esvaziamento axilar ou conduta conservadora?

Linfonodo sentinela intramamário comprometido e axila livre. Esvaziamento axilar ou conduta conservadora? Re n é Aloisio d a Co s t a Vieira 1 Dionísio Ne p o m u c e n o Viviani 2 Suellen St r a d a Fe r r e ir a 2 An t ô n i o Ba i l ã o Jr 1 Ligia Ma r ia Ke r r 3 An g e l o Gu s t a v o Zu c c a Matthes

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM 30/2013 Belo Horizonte Junho/2013 Declaração de possíveis conflitos de interesse. Nenhum

Leia mais

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS III ENCONTRO DE RESIDENTES DA SBRT 2012 RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS VINICIUS T. MOSCHINI DA SILVA Residente de Radioterapia HSPE/IAMSPE -SP Introdução O câncer de mama:

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: CIÊNCIAS MÉDICAS. Maria Cecília Dambros Gabbi

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: CIÊNCIAS MÉDICAS. Maria Cecília Dambros Gabbi UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO: CIÊNCIAS MÉDICAS Maria Cecília Dambros Gabbi COMPARAÇÃO ENTRE INJEÇÃO PRÉ-OPERATÓRIA E INTRAOPERATÓRIA DE 99M

Leia mais

Câncer de mama na região oeste de Santa Catarina

Câncer de mama na região oeste de Santa Catarina artigo original Câncer de mama na região oeste de Santa Catarina Breast cancer in western region of Santa Catarina Marcelo Moreno 1, Camila Luiza Biazi 2, Camila Proner 2 Descritores Câncer de mama Epidemiologia

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

BIÓPSIA DE LINFONODO SENTINELA - EXPERIÊNCIA CLÍNICA

BIÓPSIA DE LINFONODO SENTINELA - EXPERIÊNCIA CLÍNICA ARTIGO / ARTICLE BIÓPSIA DE LINFONODO SENTINELA - EXPERIÊNCIA CLÍNICA Sentinel Lymph Node Biopsy - Clinical Experience Wagner Antonio Paz 1, Soraya de Paula Paim 2, Gustavo Lanza de Mello 2, Kerstin Kapp

Leia mais

Falso-negativo no exame de congelação do linfonodo sentinela em câncer de mama

Falso-negativo no exame de congelação do linfonodo sentinela em câncer de mama ARTIGO ORIGINAL Falso-negativo no exame de congelação do linfonodo sentinela em câncer de mama False negative in sentinel node frozen section on breast cancer Sabas Carlos Vieira 1, Juliana Teixeira Ribeiro

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008

UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008 Belo Horizonte

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Resumo O rastreamento mamográfico aumentou o número de pacientes em estádios

Resumo O rastreamento mamográfico aumentou o número de pacientes em estádios REVISÃO Indicações da cirurgia conservadora no câncer de mama Indications for conservative surgery in breast cancer Luiz Henrique Gebrim 1 Jorge Y. Shida 2 André Mattar 3 Marcelo Madeira 4 Palavras-chave

Leia mais

Câncer de Mama. Estadiamento. Tratamento

Câncer de Mama. Estadiamento. Tratamento Câncer de Mama. Estadiamento. Tratamento INTRODUÇÃO Nas últimas décadas têm ocorrido em todo o mundo, significativo aumento da incidência do câncer de mama e conseqüentemente da mortalidade associada à

Leia mais

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008)

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) De Bock GH, Beusmans GHMI, Hinloopen RJ, Corsten MC, Salden NMA, Scheele ME, Wiersma Tj traduzido do original em

Leia mais

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1

QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA OPINIÃO OU REPETIR IHQ? QUAL O MÍNIMO DE INFORMAÇÕES QUE O ONCOLOGISTA DEVE DEMANDAR? Dr. Carlos E. Bacchi Patologia 1 QUANDO PEDIR SEGUNDA Dr. Ira Bleiweiss of Mount Sinai OPINIÃO

Leia mais

residência mastologia

residência mastologia residência RESIDÊNCIA Médica em mastologia CADERNO DO CURSO Reprodução autorizada pelo autor somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino, não sendo autorizada sua reprodução para quaisquer

Leia mais

Mamografia para o rastreamento do câncer de mama em mulheres com idade abaixo dos 50 anos, entre 50 e 69 anos e com mais de 70 anos

Mamografia para o rastreamento do câncer de mama em mulheres com idade abaixo dos 50 anos, entre 50 e 69 anos e com mais de 70 anos Mamografia para o rastreamento do câncer de mama em mulheres com idade abaixo dos 50 anos, entre 50 e 69 anos e com mais de 70 anos N o xxx Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

Eduardo Henrique Laurindo de Souza Silva¹, João Ricardo Auller Paloschi 1, José Roberto de Fígaro Caldeira 1, Ailton Joioso 1

Eduardo Henrique Laurindo de Souza Silva¹, João Ricardo Auller Paloschi 1, José Roberto de Fígaro Caldeira 1, Ailton Joioso 1 ARTIGO ORIGINAL DOI: 0.527/Z2050002000RBM Estudo comparativo de resposta à quimioterapia neoadjuvante em dose total, entre câncer de mama e metástase axilar, conforme resultados de imunoistoquímica, no

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Biópsia do linfonodo sentinela para o câncer de mama com anestesia local

Biópsia do linfonodo sentinela para o câncer de mama com anestesia local Artigo Original Biópsia do linfonodo sentinela para o câncer de mama com anestesia local Sentinel node biopsy for breast cancer under local anesthesia Ângelo Gustavo Zucca Matthes 1, René Aloísio da Costa

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico EMENTA 1. PET/CT com FDG: Conceitos básicos 2. PET/CT-FDG no CA de Pulmão e NPS: a. Indicações aprovadas pela ANS b. Bases científicas

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA.

DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA. Genetic Risk Assessments in Individuals at High Risk for Inherited Breast Cancer in the Breast Oncology Care Setting DR.PRIMO PICCOLI CANCEROLOGIA CIRÚRGICA. CÂNCER DE MAMA HEREDITÁRIO CONHECER O RISCO

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A Neoadjuvância Julio Espinel R2 CIT Cristiano Feijó Andrade Outubro 2009 Importância Estadiamento linfonodal Unificar para discutir e poder propor modificações; Selecionar tratamento multimodais; Discordâncias

Leia mais

Estadiamento do Mediastino. PET-CT vs. Mediastinoscopia vs. EBUS

Estadiamento do Mediastino. PET-CT vs. Mediastinoscopia vs. EBUS II Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão Estadiamento do Mediastino PET-CT vs. Mediastinoscopia vs. EBUS Fabio José Haddad Cirurgia Torácica II Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão Estadiamento

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

SUBSTITUTO DE DURA-MÁTER PATCH BOVINO 11/2008

SUBSTITUTO DE DURA-MÁTER PATCH BOVINO 11/2008 UNIMED-BH - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS SUBSTITUTO DE DURA-MÁTER PATCH BOVINO 11/2008 Belo Horizonte Março 2008 Autoras: Dra. Christiane Guilherme

Leia mais

SERVIÇO DE GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA DO HOSPITAL DE SANTARÉM

SERVIÇO DE GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA DO HOSPITAL DE SANTARÉM curso ibérico de formação em SENOLOGIA PROGRAMA OFICIAL SANTARÉM 2014 24 E 25 DE OUTUBRO CENTRO NACIONAL DE EXPOSIÇÕES SERVIÇO DE GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA DO HOSPITAL DE SANTARÉM MENSAGEM/CONVITE MENSAGEM/CONVITE

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS: Abordagem inicial DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS Epidemiologia Distribuição geográfica EUA 0,2 / 100.000

Leia mais

Câncer de Testículo Não Seminomatoso

Câncer de Testículo Não Seminomatoso Câncer de Testículo Não Seminomatoso Estágio Clínico II Estado da Arte Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia / Hospital Nove de Julho Introdução Incidência maior que no começo do século passado Idade

Leia mais

Estudo da sobrevida de pacientes com câncer de mama atendidas no hospital da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Estudo da sobrevida de pacientes com câncer de mama atendidas no hospital da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil ARTIGO ARTICLE 2219 Estudo da sobrevida de pacientes com câncer de mama atendidas no hospital da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Survival study of breast cancer patients

Leia mais

CIRURGIA CONSERVADORA E RADIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE CARCINOMA DE MAMA ESTÁDIOS I E II

CIRURGIA CONSERVADORA E RADIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE CARCINOMA DE MAMA ESTÁDIOS I E II Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR CIRURGIA CONSERVADORA E RADIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE CARCINOMA DE MAMA ESTÁDIOS I E II Painel de Especialistas em Radioterapia Grupo de Trabalho

Leia mais

Modelos estatísticos de metástases axilares em câncer de mama em pacientes submetidos à biópsia de linfonodo sentinela. José Luiz B.

Modelos estatísticos de metástases axilares em câncer de mama em pacientes submetidos à biópsia de linfonodo sentinela. José Luiz B. Modelos estatísticos de metástases axilares em câncer de mama em pacientes submetidos à biópsia de linfonodo sentinela José Luiz B. Bevilacqua Drenagem Linfática da Mama Anatomia O que é linfonodo sentinela?

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Interferência da mamoplastia de aumento com inserção de prótese de silicone por via axilar na drenagem linfática para o linfonodo sentinela

Interferência da mamoplastia de aumento com inserção de prótese de silicone por via axilar na drenagem linfática para o linfonodo sentinela I Interferência da mamoplastia de aumento com inserção de prótese de silicone por via axilar na drenagem linfática para o linfonodo sentinela Aluno: Michel Pavelecini Orientador: Dr. Roberto Corrêa Chem

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Linfonodos axilares em pacientes com câncer de mama: avaliação ultrassonográfica *

Linfonodos axilares em pacientes com câncer de mama: avaliação ultrassonográfica * Artigo de Revisão Pinheiro DJPC et al. / Linfonodos axilares avaliação ultrassonográfica Linfonodos axilares em pacientes com câncer de mama: avaliação ultrassonográfica * Axillary lymph nodes in breast

Leia mais