A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais Paul J. DiMaggio; Walter W.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais Paul J. DiMaggio; Walter W."

Transcrição

1 A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais Paul J. DiMaggio; Walter W. Powell Apresentação por Gislaine Aparecida Gomes da Silva Mestranda Engenharia Produção linha pesquisa IOT Professores: Dr Mauro Rocha Côrtes; Dr Luís Fernando Paulillo

2 A Gaiola de Ferro Imagem da gaiola de ferro (rigidez organizacional) associada ao espírito racionalista e burocracia: Para Max Weber (1952), sob o capitalismo, a ordem racionalista torna-se uma gaiola de ferro em que a humanidade é aprisionada, sendo que a burocracia é a manifestação organizacional do espírito racional e é irreversível, porque é muito eficiente para controlar o trabalhador.

3 Dentre as causas à burocratização levantadas por Weber, a competição entre empresas capitalistas no mercado é a mais importante. A burocracia já é uma forma de homogeneização, pois Weber já havia constatado que as grandes empresas capitalistas da época seguiam modelos semelhantes de organizações burocráticas.

4 Questão do artigo: Por que há a homogeneização das formas e práticas organizacionais? O que torna as organizações tão similares? Enquanto alguns autores estudam a diversidade e diferenciação das organizações em termos de estrutura e comportamento, DiMAGGIO & POWELL (1991) estudam a homogeneização das formas e práticas organizacionais, focando a homogeneidade e não a variação.

5 Tese: Isomorfismo: para DiMAGGIO & POWELL (1991), as causas para a burocratização e outras formas de mudança organizacional mudaram: não é mais a competição, mas sim processos que tornam as organizações mais similares (o isomorfismo), sem necessariamente torná las mais eficientes. A mudança estrutural nas organizações parece cada vez menos orientada pela competição ou pela necessidade de eficiência. Estruturação/institucionalização dos campos organizacionais e aumento da influência do Estado e das categorias profissionais: As formas de homogeneização das organizações resultam da estruturação dos campos organizacionais dos quais pertencem (Giddens, 1979), em que o Estado e as categorias profissionais detêm um papel importante como racionalizadores. Então, para os autores, o mecanismo da racionalização e burocratização se deslocou do mercado competitivo para o Estado e as categorias profissionais. Organizações homogêneas: Assim, em síntese, campos organizacionais altamente estruturados/institucionalizados formam um contexto em que esforços individuais (de uma organização) para lidar racionalmente com incerteza e restrições, geralmente, levam, de maneira conjunta, à homogeneidade em termos de estrutura, cultura e resultados.

6 Campo Organizacional Estágios iniciais: Diversidade Campo bem estabelecido Homogeneização (Isomorfismo) Definição: organizações que em conjunto constituem uma área reconhecida da vida institucional: fornecedores-chave, consumidores, agências regulatórias e outras organizações que produzem produtos/serviços similares. Estruturação do campo é determinada a partir de pesquisa de campo e de um processo de definição institucional composto por 4 partes: 1) aumento da amplitude da interação entre as organizações do campo; 2) emergência de estruturas de dominação e padrões de alianças interorganizacionais (coalizões) bem definidos; 3) aumento da carga de informação com a qual as organizações dentro de um campo devem lidar; 4) desenvolvimento de uma conscientização mútua entre os participantes de que estão envolvidas em um negócio comum.

7 Isomorfismo: Competitivo Institucional coercitivo mimético normativo

8 Isomorfismo Institucional Processo de restrição que força uma unidade em uma população a se assemelhar a outras unidades que enfrentam o mesmo conjunto de condições ambientais. As respostas ineficientes (não-ótimas) são excluídas. Tomadores de decisão das organizações de um campo aprendem respostas adequadas e ajustam seus comportamentos de acordo com elas.

9 Isomorfismo Coercitivo Pressões formais ou informais exercidas sobre a organização por outras organizações das quais depende. Expectativas culturais da sociedade em que a organização atua. Ordens governamentais Ambiente legal comum

10 Isomorfismo Mimético Incerteza simbólica - Resposta Tomar outras organizações como modelo Modelos difundidos Involuntariamente transferência ou rotatividade de funcionários Explicitamente consultoria ou associações de comércio e indústria população de pessoas empregadas ou qtde de clientes. pressão sentida pela organização para oferecer programas e serviços oferecidos por outras.

11 Isomorfismo Normativo Deriva da profissionalização: Luta coletiva de membros de uma profissão para definir as condições e métodos de seu trabalho e estabelecer uma base cognitiva e de legitimação para a autonomia de sua profissão. Apoio da educação formal Crescimento e constituição de redes profissionais que perpassem as organizações e por meio das quais novos modelos são rapidamente difundidos Seleção de pessoal Comportamentos e atitudes dos indivíduos dentro da organização: Estilo de vestimenta, vocabulário, métodos padronizados de discursar, fazer piadas ou se dirigir aos outros.

12 Isomorfismo x Eficiência Processos de isomorfismo ocorrem sem nenhuma evidência de que, com eles, a eficácia organizacional será alcançada. Organizações semelhantes = mais legítimas, mais respeitadas, mais reconhecidas O que não assegura que serão mais eficazes.

13 Preditores de mudança isomórfica Nível organizacional dependência similaridade em estrutura, ambiente e foco comportamental Pressões coercitivas são construídas em relacionamentos de intercâmbio centralização do fornecimento de recursos dependência da organização Mesmas fontes de recursos, pessoas e legitimidade coerção incerteza de relacionamento entre meio e fins Isomorfismo mimético: importação de esquemas ambigüidade de metas Ambigüidade dependência de aparências para se legitimarem Mais fácil imitar outras organizações confiança em credenciais acadêmicas para seleção de pessoal Padrão de regras e modelos interiorizados participação de gestores em associações de comércio e profissionais redes de relacionamentos = organização coletiva do ambiente

14 Preditores de mudança isomórfica Nível do campo isomorfismo nível de variação e diversidade no campo dependência de recursos vitais de uma única fonte = centralização de recursos Coloca organizações sob pressões similares dos fornecedores, interage com Incerteza e ambigüidade das metas aumentando o seu impacto interação com agências governamentais Maior o grau de isomorfismo no campo como um todo alternativas de modelos organizacionais Para qualquer dimensão relevante de estratégias ou estruturas organizacionais em um campo haverá um Limiar / Ponto de inflexão incertezas a tecnologia ou ambigüidade de metas Após período de experimentação - isomorfismo profissionalização Padrão de referências estruturação do campo Estrutura de difusão de modelos e normas é mais rotineira

15 Implicações para a Teoria Social Paradoxo: Elites-chave inteligentes Organizações ignorantes Seleção Natural Elites-chave assumem poder em momentos cruciais Elites-chave = detém o poder (econômico, político ou social) e determinam modelos de estrutura e política organizacional que perduram por anos sem serem questionados.

16 Bibliografia DIMAGGIO, Paul J. e POWELL, Walter W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. RAE clássicos.

Implementação: a burocracia do nível da rua

Implementação: a burocracia do nível da rua Implementação: a burocracia do nível da rua Prof. Marcos Vinicius Pó Introdução às Políticas Públicas Por que as políticas públicas falham? Uma das explicações possíveis: porque implementação não acontece

Leia mais

Novas Abordagens Teóricas. Abordagem sociológicas (institucional e shistórica)

Novas Abordagens Teóricas. Abordagem sociológicas (institucional e shistórica) Novas Abordagens Teóricas Abordagem sociológicas (institucional e shistórica) Abordagem Institucional Objetivo Explicar os fenômenos contábeis, a partir dos padrões de comportamento, normas, crenças e

Leia mais

Da Burocracia a ISO 9.000

Da Burocracia a ISO 9.000 Da Burocracia a ISO 9.000 Aula 5 EAD-610 2017 1 BUROCRACIA Teoria Clássica Administração Científica Taylor e outros Processo Administrativo Fayol Burocracia Weber 2 SUMÁRIO Conceitos sobre autoridade O

Leia mais

Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA

Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA Aula 6 Abordagem Estruturalista da Administração EPA Os desdobramentos da Abordagem Estruturalista Teoria da Burocracia Ênfase na Estrutura Abordagem Estruturalista Teoria Estruturalista Ênfase na Estrutura,

Leia mais

A GAIOLA DE FERRO REVISITADA: ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E RACIONALIDADE COLETIVA NOS CAMPOS ORGANIZACIONAIS

A GAIOLA DE FERRO REVISITADA: ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E RACIONALIDADE COLETIVA NOS CAMPOS ORGANIZACIONAIS RAE-CLÁSSICOS A GAIOLA DE FERRO REVISITADA: ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E RACIONALIDADE COLETIVA NOS CAMPOS ORGANIZACIONAIS A GAIOLA DE FERRO REVISITADA: ISOMORFISMO INSTITUCIONAL E RACIONALIDADE COLETIVA

Leia mais

CAPITAL SOCIAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL

CAPITAL SOCIAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL CAPITAL SOCIAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL Sarita Albagli Maria Lucia Maciel Apresentação por Gislaine Aparecida Gomes da Silva Mestranda Engenharia Produção linha pesquisa IOT Professores: Dr Mauro Rocha

Leia mais

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 Teoria e Análise das Organizações Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Ressaltar a organização enquanto objeto de estudo científico; OBJETIVOS ESPECÍFICOS: o Comparar

Leia mais

Afundamentos da Administração

Afundamentos da Administração Afundamentos da Administração aula 3 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Fayol em uma de suas contribuições para o estudo da Administração define o chamado processo administrativo, com o desempenho de

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues

José Geraldo Loureiro Rodrigues Governança Aplicada Autodiagnóstico de Maturidade em Governança de TI José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Analisar-se se-á os três níveis: n Governança

Leia mais

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Três modelos gerenciais básicos e suas respectivas fontes de legitimação nas organizações. Fundamentos da Administração Origens históricas do Patrimonialismo

Leia mais

24/11/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Teoria da Burocracia

24/11/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Teoria da Burocracia Evolução do Pensamento Administrativo 1903 1909 1916 1932 1947 1951 1953 1954 1957 1962 1972 1990 Teoria Abordagem 1903 Administração Científica Clássica 1909 Estruturalista 1916 Teoria Clássica Clássica

Leia mais

Comparação entre as abordagens de classe marxiana e weberiana

Comparação entre as abordagens de classe marxiana e weberiana Comparação entre as abordagens de classe marxiana e weberiana 1. Semelhanças: 1a. classes são categorias historicamente determinadas (sociedades divididas em classe x sociedades de classe); 1b. propriedade

Leia mais

TEORIA da BUROCRACIA WEBER ( )

TEORIA da BUROCRACIA WEBER ( ) TEORIA da BUROCRACIA WEBER (1864 1920) LIVROS - A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO, Theory of social and Economic Organization e Três aspectos da autoridade legítima somente a partir de 1940

Leia mais

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Três modelos gerenciais básicos e suas respectivas fontes de legitimação nas organizações. Fundamentos da Administração Origens históricas do Patrimonialismo

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade IV Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - conceitos gerais da administração Parte 2 - evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Evolução do Pensamento Administrativo

Evolução do Pensamento Administrativo Evolução do Pensamento Administrativo Rosely Gaeta Abordagem Estruturalista (Weber) E Neoclássica (APO Peter Drucker) Slides de Aula Fonte: Chiavenatto e diversos autores 22/11/2014 Abordagem Estruturalista

Leia mais

PARTE I INOVAÇÕES GERENCIAIS NA PERSPECTIVA INSTITUCIONAL

PARTE I INOVAÇÕES GERENCIAIS NA PERSPECTIVA INSTITUCIONAL PARTE I INOVAÇÕES GERENCIAIS NA PERSPECTIVA INSTITUCIONAL 2. AMBIENTE E ORGANIZAÇÕES 2.1.O ambiente na Teoria das organizações A questão do ambiente vem sendo abordada de diferentes formas e em níveis

Leia mais

CRIAR SIGINFICADO PARA O TRABALHO DAS PESSOAS:

CRIAR SIGINFICADO PARA O TRABALHO DAS PESSOAS: CRIAR SIGINFICADO PARA O TRABALHO DAS PESSOAS: Importância das Soft Skills João Bilhim CAPP ISCSP/UTL 15-04-2010 CONSTRUIR CATEDRAIS 1 A Iron Cage de Weber A rigidez Burocrática O mecanicismo O império

Leia mais

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS.

Weber e a Burocracia 3/18/2014 UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. Weber e a Burocracia O MODELO DA BUROCRACIA UM CONJUNTO DE PRECEITOS QUE RESOLVESSE AS LIMITAÇÕES DAS TEORIAS CLÁSSICAS E DAS ESCOLAS DE RELAÇÕES HUMANAS. COM AS TRANSFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES EM FUNÇÃO

Leia mais

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo

As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo As relações inter-organizacional no sistema de governação Joaquim Filipe Ferraz Esteves de Araújo O modelo de organização dominante nas sociedades modernas resultou da aplicação da tecnologia nos processos

Leia mais

O mundo do trabalho ontem e hoje

O mundo do trabalho ontem e hoje O mundo do trabalho ontem e hoje 1 O Mundo do Trabalho Ontem Décadas de 1940-70 Hoje A partir de meados da década de 80 1 Relações empresa-empregado Ontem Antigo contrato de trabalho Hoje Novo contrato

Leia mais

Governança Corporativa e Governança Governamental no Contexto do Poder Judiciário

Governança Corporativa e Governança Governamental no Contexto do Poder Judiciário Governança Corporativa e Governança Governamental no Contexto do Poder Judiciário Prof. Dr. J. Souza Neto, CGEIT, CRISC Universidade Católica de Brasília Vice-Presidente do Capítulo Brasília da ISACA Agenda

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria burocrática. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria burocrática. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria burocrática Professor: Roberto César BUROCRACIA No início do século XX, MAX WEBER, um sociólogo alemão, publicou uma bibliografia a respeito das grandes organizações

Leia mais

Evolução da Teoria das Organizações

Evolução da Teoria das Organizações Organização, Sistemas e Métodos Evolução da Teoria das Organizações Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Grandes feitos da Humanidade As pirâmides do Egito A Grande Muralha da China A Acrópole

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento; A estrutura; A tecnologia;

Introdução. Gestão do Conhecimento; A estrutura; A tecnologia; Introdução Gestão do Conhecimento; A estrutura; A tecnologia; Estrutura A teoria; A dimensão do homem; Teoria A dimensão da empresa; A dimensão de novas tecnologias. Tecnologia A Dimensão Infra-Estrutura

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Grupos e Equipes de Trabalho Prof. Dra. Ana Carolina de Aguiar Rodrigues POR QUE AS PESSOAS FORMAM GRUPOS? Teoria da identidade social Conhecimento do indivíduo de que pertence

Leia mais

Teoria da Administração. RAD-1101 Prof.Dr.Jorge Henrique Caldeira de Oliveira

Teoria da Administração. RAD-1101 Prof.Dr.Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Teoria da Administração RAD-1101 Bibliografia Filipe Sobral, Alketa Peci. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro, cap.6 Organização Objetivos da aula Definir os conceitos de organização,

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar 21/9/2015 Rosely Gaeta Revisão Fundamentos da Administração Introdução àadministração e às organizações Fonte: Felipe Sobral Alketa Peci - Teoria e Prática no Contexto Brasileiro

Leia mais

TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA. Características Disfunções Níveis

TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA. Características Disfunções Níveis TGA PROFA. LUCIANA F. NOVO TEORIA DA BUROCRACIA Características Disfunções Níveis RACIONALIDADE DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL BUSCA NOVA TEORIA MAIS ADEQUADA À COMPLEXIDADE MAX WEBER: PREOCUPAÇÃO CENTRAL RACIONALIDADE

Leia mais

Capítulo 9 Fundamentos do comportamento em grupo

Capítulo 9 Fundamentos do comportamento em grupo Capítulo 9 Fundamentos do comportamento em grupo slide 1 Objetivos de aprendizagem Definir grupo e diferenciar seus vários tipos. Identificar os quatro estágios do desenvolvimento de grupos. Explicar como

Leia mais

Introdução à contribuição de Diane Vaughan: a normalização do acidente

Introdução à contribuição de Diane Vaughan: a normalização do acidente Introdução à contribuição de Diane Vaughan: a normalização do acidente A decisão de lançamento da Challenger Exemplo de cálculo amoral dos gerentes ou de decisão baseada em cálculo racional que respeitava

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação.

Administração de Sistemas de Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação. Conteúdo Programático desta aula Perceber o ambiente em transformação contínua e a necessidade de que a TI seja encarada na organização como um

Leia mais

Alguma considerações de Weber sobre a sociedade moderna

Alguma considerações de Weber sobre a sociedade moderna Alguma considerações de Weber sobre a sociedade moderna Tendência à racionalização e burocracia na sociedade moderna. O capitalismo organização racional (WEBER, 1967) O surgimento de um capitalismo voltado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Anotações LIDERANÇA - MÓDULO 2 ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS

Anotações LIDERANÇA - MÓDULO 2 ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS Em 1924, especialistas em eficiência da empresa Western Electric Company, em Hawthorne, Estados Unidos, iniciaram uma pesquisa que tinha por objetivo estudar os efeitos das

Leia mais

Capítulo 2. A evolução do pensamento em administração. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro 2008 Pearson Prentice Hall

Capítulo 2. A evolução do pensamento em administração. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro 2008 Pearson Prentice Hall Capítulo 2 A evolução do pensamento em administração Conteúdo do capítulo A evolução do pensamento em administração Teorias em administração Condições geradoras do pensamento administrativo Escola clássica

Leia mais

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER. Professora: Susana Rolim A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA DE MAX WEBER Professora: Susana Rolim MAX WEBER Sociólogo alemão, nascido em 21 de abril de 1864. Seu primeiro trabalho foi A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905).

Leia mais

Conceito: estratégia de produção. Gestão da Produção Aula 3. Conceito: estratégia de produção. Conceito: estratégia de produção 03/04/2014

Conceito: estratégia de produção. Gestão da Produção Aula 3. Conceito: estratégia de produção. Conceito: estratégia de produção 03/04/2014 Gestão da Produção Aula 3 Estratégia de Produção: Origens e Novas Orientações Uma estratégia de produção é formada a partir de um conjunto de metas, políticas e restrições auto impostas, que descrevem

Leia mais

Multis Nacionais. Prof. Felipe Borini Mestrado em Gestão Internacional ESPM/SP

Multis Nacionais. Prof. Felipe Borini Mestrado em Gestão Internacional ESPM/SP Multis Nacionais Prof. Felipe Borini Mestrado em Gestão Internacional ESPM/SP Agenda 1. A questão das multinacionais emergentes 2. Metodologia 3. A gestão das Subsidiárias (Relação Matriz e Subsidiárias)

Leia mais

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas 7 Conclusões Esta tese teve por objetivo propor e testar um modelo analítico que identificasse como os mecanismos de controle e as dimensões da confiança em relacionamentos interorganizacionais influenciam

Leia mais

III - Entendendo o Comportamento de Compra do Produtor Rural

III - Entendendo o Comportamento de Compra do Produtor Rural III - Entendendo o Comportamento de Compra do Produtor Rural Roberto Fava Scare Leonardo Silva Antolini A produção agropecuária, sendo uma atividade econômica que visa o processamento de insumos e não

Leia mais

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 02 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 02 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Gestão da Qualidade Aula 02 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves Qualidade AMBIENTE ORGANIZACIONAL AMBIENTE ORGANIZACIONAL Qualidade Mercados definido como o conjunto de agentes

Leia mais

Área: Administração Geral Regime: Dedicação Exclusiva

Área: Administração Geral Regime: Dedicação Exclusiva CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE CARGO DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Regime: Dedicação Exclusiva REQUISITOS ESPECÍFICOS Formação exigida: Doutorado em Administração, Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É O BANCO MUNDIAL? Milhões ainda estão se tornando infectados a cada ano e muitos são excluídos do tratamento por culpa de serviços

Leia mais

sistemas de informação

sistemas de informação sistemas de informação organização 2 introdução as organizações são o contexto imediato dos sistemas de informação os SI contribuem para a eficiência e efectividade dos sistemas de actividades humanas

Leia mais

CAPÍTULO 5. Max Weber e o estudo da Burocracia

CAPÍTULO 5. Max Weber e o estudo da Burocracia CAPÍTULO 5 Max Weber e o estudo da Burocracia Objetivos Pessoas Informação Conhecimento Espaço Tempo Dinheiro Instalações Organização MAXIMIANO /TGA Fig. 5.1 Uma organização é um sistema de recursos que

Leia mais

Lista de exercícios. Liderança. Prof. Carlos Xavier.

Lista de exercícios. Liderança. Prof. Carlos Xavier. INSTITUTO DE GESTÃO, ECONOMIA E POLÍTICAS PÚBLICAS Lista de exercícios Liderança 1. (CESPE/STJ/Técnico/2008) O gestor de recursos humanos que utiliza a liderança centrada nas pessoas se preocupa em passar

Leia mais

2.2 Elementos formais e informais

2.2 Elementos formais e informais 2.2 Elementos formais e informais A produtividade de um grupo e sua eficiência estão estreitamente relacionadas não somente com a competência de seus membros, mas, sobretudo com a solidariedade de suas

Leia mais

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL Andréia Therezinha Lima Reis * A gestão pública brasileira vive um momento de transição e ajustamento às exigências, tanto das leis de responsabilidade

Leia mais

Relatório de Estágio Supervisionado II Diagnóstico organizacional da Empresa Criativa Publicidade

Relatório de Estágio Supervisionado II Diagnóstico organizacional da Empresa Criativa Publicidade Faculdade Luciano Feijão Luís Gustavo de Andrade Frederico Relatório de Estágio Supervisionado II Diagnóstico organizacional da Empresa Criativa Publicidade Sobral/2015 Faculdade Luciano Feijão Luís Gustavo

Leia mais

Participação social e efetividade de organizações públicas: qual o verdadeiro papel dos stakeholders?

Participação social e efetividade de organizações públicas: qual o verdadeiro papel dos stakeholders? UFRN Participação social e efetividade de organizações públicas: qual o verdadeiro papel dos stakeholders? Universidade de Brasília www.ppga.unb.br Prof. Ricardo Corrêa Gomes rgomes@unb.br Motivação da

Leia mais

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas tem caráter multidisciplinar, integrando em suas disciplinas diversos

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Modelo de excelência Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa/Escola Superior do Vale do Ave European Foundation of Quality Management 2 MODELO EFQM DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO -Como

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA MODERNA ROBERTO PIMENTA

GESTÃO PÚBLICA MODERNA ROBERTO PIMENTA GESTÃO PÚBLICA MODERNA ROBERTO PIMENTA GESTÃO PÚBLICA CONTEMPORÂNEA Administração Pública no século XX 1887 Woodrow Wilson separação entre política e administração Predomínio do Modelo Burocrático Weberiano

Leia mais

Gestão de Negócios (7)

Gestão de Negócios (7) Gestão de Negócios (7) MODELO: CONFIGURAÇÕES DE MINTZBERG Prof. Dr. Hernan E. Contreras Alday A grande idéia Usando as configurações básicas de Henry Mintzberg, pode-se categorizar ou até tipificar organizações.

Leia mais

(esforço). Competência entendida segundo três eixos:

(esforço). Competência entendida segundo três eixos: em Gestão de Projetos Prof. Roberto Paixão Introdução Competência = com (conjunto) + petere (esforço). Competência entendida segundo três eixos: Características da pessoa; Formação educacional; Experiência

Leia mais

Fundamentos da Administração 1) Conceito de Administração de Empresas

Fundamentos da Administração 1) Conceito de Administração de Empresas Fundamentos da Administração 1) Conceito de Administração de Empresas Administração é uma das áreas do conhecimento mais impregnadas de complexidades e de desafios; Administrador eclético ou polivalente?

Leia mais

Teorias das Organizações. Prof. Doutora Maria José Sousa

Teorias das Organizações. Prof. Doutora Maria José Sousa Teorias das Organizações 1 Prof. Doutora Maria José Sousa 2 Abordagem Clássica Administração Científica Referência: Frederick Taylor (1903) Elemento Nuclear: A tarefa Termos mais utilizados Organização

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET a) Fixação do nº mínimo de objetivos por carreira: Dirigentes Intermédios (coordenadora Técnica) 4 Objetivos (um funcional, um de relacionamento e um de grau

Leia mais

Autoria: Sionara Ioco Okada

Autoria: Sionara Ioco Okada Isomorfismo Institucional, Teoria Crítica e Abordagens Pós-Modernas: Potenciais Emancipatórios ou Uma Nova Jaula de Ferro? Autoria: Sionara Ioco Okada Resumo Este ensaio propõe uma reflexão sobre três

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar LIVRO Administração, teoria e prática no contexto brasileiro: Filipe Sobral e Alketa Peci (capítulos 1 e 2) Original: Profª Me. Elizete F. Montalvão Adaptado por Prof. Me.

Leia mais

Capítulo 1. Introdução à administração e às organizações. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro 2008 Pearson Prentice Hall

Capítulo 1. Introdução à administração e às organizações. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro 2008 Pearson Prentice Hall Capítulo 1 Introdução à administração e às organizações Conteúdo do capítulo Introdução à administração e às organizações As organizações e a administração O processo de administração As áreas funcionais

Leia mais

Noções de Administração: Geral e Pública Agente da Polícia Federal

Noções de Administração: Geral e Pública Agente da Polícia Federal Noções de Administração: Geral e Pública Agente da Polícia Federal Conteúdo do edital 1 Noções de administração. 1.1 Abordagens clássica, burocrática e sistêmica da administração. 1.2 Evolução da administração

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ADMINISTRAÇÃO ACH1113. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. ACH113 Princípios de Administração

PRINCÍPIOS DE ADMINISTRAÇÃO ACH1113. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. ACH113 Princípios de Administração PRINCÍPIOS DE ADMINISTRAÇÃO ACH1113 Profa. Sylmara Gonçalves Dias Agenda de aula (1)A evolução da Administração O processo administrativo e as funções gerenciais segundo Fayol O processo administrativo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO 16/03/2010

ÉTICA E LEGISLAÇÃO 16/03/2010 ÉTICA E LEGISLAÇÃO EMPRESAS E SOCIEDADE Um dos desafios maiores de uma empresa é vencer a aparente contradição entre a sobrevivência e o crescimento, mantendo a humanização do trabalho e o resgate da dignidade

Leia mais

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7 Índice Prefáce de Jean-Louis Laville........................... xiii Prefácio........................................ xvii Nota.......................................... xxi Introdução Geral...................................

Leia mais

Professora: Daniela Moscon UFBA

Professora: Daniela Moscon UFBA Professora: Daniela Moscon UFBA danielamoscon@yahoo.com.br Agenda Visão panorâmica da gestão de pessoas; Evolução das relações entre indivíduo e organização; O papel estratégico da gestão de pessoas; Modelos

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM ENFERMAGEM INOVAÇÃO TECNOLOGICA

CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM ENFERMAGEM INOVAÇÃO TECNOLOGICA CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM ENFERMAGEM INOVAÇÃO TECNOLOGICA Professor Esp. André Luís Souza Stella Enfermagem 1º semestre https://www.profandreluis.net CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: Cada dia mais os avanços

Leia mais

Oficina de Sensibilização

Oficina de Sensibilização Oficina de Sensibilização Diversidade & Inclusão na Serasa Experian A Serasa Experian convive com a presença de pessoas com deficiência na empresa há mais de dez anos e, por isso, sabe como recebê-las

Leia mais

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Maria Raimunda Mendes da Veiga Pedagoga. Especialista em Gestão de Pessoas veiga@enfam.jus.br Secretária Executiva da Enfam 7 de maio de 2015 1 Objetivo:

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h)

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) Professor : Fernando Luiz Abrucio Aula 1 03, 04 e 06 de outubro de 2011 AS BASES DA BUROCRACIA PÚBLICA CONTEMPORÂNEA 1) Origens:

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Marcos Vinicius Pó

Introdução à Administração. Prof. Marcos Vinicius Pó Introdução à Administração Prof. Marcos Vinicius Pó marcos.po@ufabc.edu.br Resposta à natureza complexa das organizações e à incerteza dos ambientes Causalidade mecânica Causalidade probabilística Administração:

Leia mais

Desigualdades e identidades sociais. Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais

Desigualdades e identidades sociais. Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais Desigualdades e identidades sociais Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais As classes sociais e as desigualdades sociais Uma desigualdade social consiste na repartição não uniforme, na

Leia mais

LLM Marketing de serviços jurídicos

LLM Marketing de serviços jurídicos LLM Marketing de serviços jurídicos Planejamento estratégico + Posicionamento de Mercado Aula 02 Wolney Pereira Agenda 1) Projeto de marketing 2) Conceituação de estratégia 3) Processo de planejamento

Leia mais

TEORIAS MOTIVACIONAIS Preceitos para Liderança

TEORIAS MOTIVACIONAIS Preceitos para Liderança TEORIAS MOTIVACIONAIS Preceitos para Liderança Teoria das Relações Humanas Motivação, liderança, comunicação, organização informal, dinâmica de grupo. Influencia da motivação humana O pagamento ou recompensa

Leia mais

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES Marcio Turini, Marta Gomes, Ana Miragaya e Lamartine DaCosta YOUTH OLYMPIC GAMES JOGOS OLÍMPICOS DA

Leia mais

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 03 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 03 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Gestão da Qualidade Aula 03 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves No que devemos pensar antes de estabelecermos qualquer nível de desempenho para uma organização? Uma clara

Leia mais

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas

TEORIA BUROCRACIA. Profa. Dra. Rosângela F. Caldas TEORIA BUROCRACIA CONCEITO Trabalho baseado em papéis e documentos, movimentados em seqüência contínua entre as várias unidades componentes da estrutura organizacional DESENVOLVIMENTO Europa - Sec. XX

Leia mais

Formulação De Estratégias Para A Inovação Sustentável: Contribuindo À Competitividade Nas Organizações Prestadoras De Serviços

Formulação De Estratégias Para A Inovação Sustentável: Contribuindo À Competitividade Nas Organizações Prestadoras De Serviços Formulação De Estratégias Para A Inovação Sustentável: Contribuindo À Competitividade Nas Organizações Prestadoras De Serviços Taís Pentiado Godoy (taispentiado@yahoo.com.br) Clandia Maffini Gomes (clandia@smail.ufsm.br)

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: NOVOS DESAFIOS. Profa. Myrtes Alonso

GESTÃO ESCOLAR: NOVOS DESAFIOS. Profa. Myrtes Alonso GESTÃO ESCOLAR: NOVOS DESAFIOS Profa. Myrtes Alonso PUC/SP e UFSCAR Gestão escolar: novo paradigma tema recorrente mas desafiador e polêmico; bases dos novos paradigmas - na idéia de mudança e busca de

Leia mais

Aula 04. Estrutura Organizacional 22/08/2012. Impactos organizacionais

Aula 04. Estrutura Organizacional 22/08/2012. Impactos organizacionais Aula 04 Impactos organizacionais Sistemas de Informação TADS 4. Semestre Prof. André Luís 1 2 Estrutura Organizacional Refere-se às subunidades organizacionais e ao modo como elas se relacionam à organização

Leia mais

SILVA, Cátia Regina França de Sousa Gaião e 1 SILVA, Everaldo Gaião e 2

SILVA, Cátia Regina França de Sousa Gaião e 1 SILVA, Everaldo Gaião e 2 Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2011, v. 13, n. 13, p. 01 12 RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA PARA APOIAR A SOBREVIVÊNCIA DA ORGANIZAÇÃO: UMA PERPESCTIVA SOB A ÓTICA

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS O que é Qualidade Entender o ciclo PDCA Apresentar técnicas para garantir a qualidade de software Apresentar ferramentas para

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Rosely Gaeta 11/3/2015 Slides de Aula 01 Visão Geral Estruturas formais e informais Fontes: Antonio Cury Organizações e Métodos M Uma Visão Holística - Capítulo 4 Henry Mintzberg

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 3 OBJETIVOS OBJETIVOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA O que os administradores precisam saber sobre organizações

Leia mais

Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber

Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber Panorama histórico da ADM I Nascido na Filadélfia (EUA); Engenheiro Mecânico; Carreira na Midvale Steel Co. (de capataz a engenheiro)

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades O termo classe é empregado de muitas maneiras. Sociologicamente, ele é utilizado na explicação da estrutura da sociedade capitalista, que tem uma configuração histórico-estrutural

Leia mais

Comércio internacional. Reinaldo Gonçalves Prof. Titular IE-UFRJ

Comércio internacional. Reinaldo Gonçalves Prof. Titular IE-UFRJ Comércio internacional Reinaldo Gonçalves Prof. Titular IE-UFRJ 1 Sumário 1. Determinantes: tese geral 2. Vantagem comparativa 3. Enfoques 4. Novos modelos 5. Síntese 2 3 Bibliografia básica R. Baumann,

Leia mais

Assista ao nosso vídeo institucional: Site: Para o IDEBRASIL, o simples é o correto.

Assista ao nosso vídeo institucional:  Site:  Para o IDEBRASIL, o simples é o correto. Há 15 anos o IDEBRASIL Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Treinamentos - leva conhecimento prático e simplificado de gestão para o empresário brasileiro das micros e pequenas empresas que, assim

Leia mais

Evolução das Teorias Administrativas

Evolução das Teorias Administrativas Evolução das Teorias Administrativas Prof. Esp. Paulo Roberto Rosa Área: Administração N Inscrição: 1473381 Evolução das Teorias Administrativas 1903 1909 1916 1932 1947 1951 1953 1954 1957 1962 1972 1990

Leia mais

BRI 010 Regimes e OIs

BRI 010 Regimes e OIs BRI 010 Regimes e OIs Regimes Internacionais e Segurança e a OTAN Janina Onuki IRI/USP janonuki@usp.br 9 de maio de 2014 Segurança Internacional Estudos na área de segurança: Segurança internacional Defesa

Leia mais

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho Divisão Racional do Trabalho Organização Formal x Organização Informal Organização Formal - Heterogênea -Rígida - Hierarquizada -Estática - Limitada Princípios Básicos das Organizações - Divisão do Trabalho

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA DEFINIÇÕES / RESUMO Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. 1 NORMAS VISÃO GERAL Qualidade é estar em conformidade com os requisitos dos clientes; Qualidade é antecipar e satisfazer os desejos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/ PPGPI ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO ACADÊMICO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/ PPGPI ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO ACADÊMICO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015 - PPGPI Estabelece a Estrutura Curricular do Curso de Doutorado e Mestrado do PPGPI, conforme Resolução nº 62/2014/CONEPE. ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO ACADÊMICO I -

Leia mais

Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado

Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado Professor Luiz Antonio de Carvalho Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado - 1995 lac.consultoria@gmail.com Objetivos da Reforma a curto prazo, facilitar o ajuste fiscal, particularmente nos Estados

Leia mais

Gestão de conflitos: os desafios da Reitoria P R O F A. K E L L Y C R I S T I N A B E N E T T I T O N A N I T O S T A

Gestão de conflitos: os desafios da Reitoria P R O F A. K E L L Y C R I S T I N A B E N E T T I T O N A N I T O S T A Gestão de conflitos: os desafios da Reitoria P R O F A. K E L L Y C R I S T I N A B E N E T T I T O N A N I T O S T A Relacionamento Humano e Conflito Inevitável no ambiente de trabalho Diferenças (visão

Leia mais