Aula 8 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 8 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos"

Transcrição

1 Aula 8 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos Pablo Faria HL422A Linguagem e Pensamento: teoria e prática Módulo 1: Aquisição da Linguagem IEL/UNICAMP 26 de setembro de 2016

2 SUMÁRIO PRELIMINARES AQUISIÇÃO LEXICAL CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

3 RECAPITULANDO Há diferentes critérios que definem o que é uma palavra adquirida Aspectos envolvidos nos vários critérios: compreensão x produção, vocalização x pronúncia, forma adulta x não-adulta, linguístico x pré-linguístico O marco inicial da aquisição lexical depende desse critério

4 RECAPITULANDO Os primeiros estudos indicam antecedência da compreensão e taxa de aquisição mais rápida desta em relação à produção Há incidência maior de itens nominais (no vocabulário das crianças), embora algumas tendam a ser mais expressivas, utilizando um pouco mais outras classes de palavras

5 AINDA SOBRE FATOS GERAIS Dromi (1987) reporta um ponto em que sua criança começa a adquirir novo vocabulário a uma taxa de 45 palavras por semana. Cálculos reportados por Carey (1978): por volta dos seis anos, crianças aprenderam entre 9 e 14 mil palavras, o que dá uma média de nove novas palavras por dia a partir do 18 mês.

6 AINDA SOBRE FATOS GERAIS Uma explicação tradicional para o modo como as crianças formam categorias (conceituais) e adquirem termos para estas categorias era assumir algum tipo de mecanismo indutivo de domínio geral. Mas adquirir o sentido das palavras não é uma tarefa nada trivial...

7 WILLARD VAN ORMAN QUINE Filósofo e lógico norte-americano ( ) Em Word and Object (1960) discute o problema da indeterminação da tradução através de um experimento mental que ficou conhecido como o problema gavagai e exemplifica o que Quine chamou de inescrutabilidade da referência

8 O PROBLEMA GAVAGAI Hum, jantar!

9 O PROBLEMA GAVAGAI Quando adultos apontam para um objeto e o nomeiam, o termo pode se referir ao objeto, mas também a alguma parte dele ou sua substância, cor, peso etc. O problema fundamental de indução apontado por Quine (1960) é o de que há uma infinidade de possibilidades lógicas em termos dos sentidos hipotetizados pela criança.

10 RELAÇÕES SIMBÓLICAS Complexidades: cachorro cachorro, paga, focinho, pele, etc. cachorro cachorro, animal, bicho, labrador, etc.

11 SOLUÇÕES Uma resposta a isso seria assumir que seres humanos estão predispostos a considerar apenas alguns tipos de hipóteses ou que daria prioridade a umas sobre outras. Assim, crianças não precisariam de evidência negativa, pois poderia rejeitar hipóteses a priori simplesmente por estarem predispostas contra elas. Além disso, outros propriedades da aquisição diminuiriam a complexidade da tarefa

12 CONTEXTO OSTENSIVO Olha, um cachorro! Muitas vezes o contexto em que a criança é exposta à fala seja ostensivo, em relação à saliência dos objetos referidos.

13 PREDISPOSIÇÕES DA CRIANÇA Atenção compartilhada: Baldwin (1995, p. 132): o engajamento simultâneo de dois ou mais indivíduos em um foco mental sobre o mesmo objeto externo.

14 PREDISPOSIÇÕES DA CRIANÇA E. M. Markman (vários estudos): Assunção do objeto inteiro Assunção taxonômica Assunção de exclusividade mútua

15 PREDISPOSIÇÕES DA CRIANÇA Assunção do objeto inteiro: Novas palavras referem objetos inteiros e não suas partes, substâncias ou outras propriedades (Carey, 1988; Mervis, 1987).

16 PREDISPOSIÇÕES DA CRIANÇA Além de sua propriedades intrínsecas, objetos são percebidos em relação espacial, causal, temporal ou outra qualquer com outros objetos. O que impede a criança de pensar que uma palavra se refere a objetos em relação?

17 PREDISPOSIÇÕES DA CRIANÇA Assunção taxonômica (Markman & Hutchinson, 1984): Crianças mais jovens costumam ordenar e organizar objetos em grupos que representam relações temáticas (p.e., um boneco de um menino e um cachorro). Na aquisição de palavras, porém, estendem palavras a objetos do mesmo tipo ao invés de objetos relacionados tematicamente; mudam sua atenção de relações temáticas para categoriais (taxonômicas) (Bauer and Mandler, 1989). Uma série de estudos mostra que crianças a partir dos 18 meses honram a assunção taxonômica, mas não se sabe sobre o período anterior.

18 PREDISPOSIÇÕES DA CRIANÇA Mas como a criança aprende, então, palavras para partes, substância e outras propriedades? A resposta é a assunção de exclusividade mútua (Markman, 1987; 1989): Palavras são mutuamente exclusivas: cada objeto tem apenas um nome Ajuda a criança a sobrepor a assunção de objeto inteiro, permitindo-a adquirir outras palavras Não é infalível: sobreposições, inclusões Explica dificuldades das crianças inclusão de classe (p.e., cachorro em animais) e sua maior facilidade com a relação parte-todo (não viola a assunção) Diante de evidência clara, é dispensável

19 OLHA, UM CACHORRO! Em contextos menos ostensivos, as predisposições e o conhecimento prévio da criança vão guiar suas inferências.

20 CONCLUSÕES Os desafios da criança: (i) O problema gavagai : como estabelecer a referência correta ao ouvir uma palavra? (ii) Relações simbólicas: uma palavra pode designar vários objetos (da mesma categoria) e um objeto pode ter várias designações

21 CONCLUSÕES Algumas predisposições que auxiliam a criança: (a) Atenção compartilhada: capacidade de compartilhar o foco com o adulto (b) Assunções: objeto inteiro, taxonômica e exclusividade mútua. Predisposições não são absolutas: apenas indicam as tendências (naturais) da criança que as ajudam a superar o problema da indução.

22 CONCLUSÕES Mas isso não é suficiente: Como a criança faz com palavras abstratas, sejam nomes ou verbos? Há outros mecanismos úteis à criança?

23 PRÓXIMA AULA A aquisição de palavras abstratas e verbos: sentidos não diretamente observáveis O papel da sintaxe e da morfologia na aquisição lexical A aprendizagem transituacional

24 BIBLIOGRAFIA 1. Costa & Santos (2003), As coisas que os bebés ouvem e nos dizem [cap. 2] (pgs ) 2. SOUZA, Débora de Hollanda. As crianças e o mundo das palavras: considerações sobre a pesquisa em desenvolvimento lexical. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 2008, vol.21, n.2, pp ISSN FLETCHER, Paul; MACWHINNEY, Brian. Compêndio da linguagem da criança Sugestão de leitura da primeira parte do capítulo 13 (até a página 309). 4. GUASTI, M. T. (2002) Language acquisition: the growth of grammar. The MIT Press: Cambridge, Massachusetts. (capítulo 3)

Aula 9 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos (cont.)

Aula 9 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos (cont.) Aula 9 Desenvolvimento da linguagem: a aquisição de nomes e verbos (cont.) Pablo Faria HL422A Linguagem e Pensamento: teoria e prática Módulo 1: Aquisição da Linguagem IEL/UNICAMP 28 de setembro de 2016

Leia mais

Aula 11 Desenvolvimento da linguagem: emergência da sintaxe (parte 2)

Aula 11 Desenvolvimento da linguagem: emergência da sintaxe (parte 2) Aula 11 Desenvolvimento da linguagem: emergência da sintaxe (parte 2) Pablo Faria HL422A Linguagem e Pensamento: teoria e prática Módulo 1: Aquisição da Linguagem IEL/UNICAMP 5 de outubro de 2016 SUMÁRIO

Leia mais

Aula 6 Desenvolvimento da linguagem: percepção categorial

Aula 6 Desenvolvimento da linguagem: percepção categorial Aula 6 Desenvolvimento da linguagem: percepção categorial Pablo Faria HL422A Linguagem e Pensamento: teoria e prática Módulo 1: Aquisição da Linguagem IEL/UNICAMP 19 de setembro de 2016 SUMÁRIO PRELIMINARES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Linguagem, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês Aprender a ser / Aprender a viver com os outros Pilar de Aprendizagem Aprender a conhecer / Aprender a fazer CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de 2.º Ciclo ED. SETEMBRO DE 2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Perfil de aprendizagens específicas Português 7ºano Ano letivo: DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5

Perfil de aprendizagens específicas Português 7ºano Ano letivo: DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5 Oralidade DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5 Interpretar textos em identificar o com orais com identificar o tema, identificar o tema, explicitar o tema, explicitar o assunto,

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais

PRÁTICAS DE ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ENRIQUE, Eryka de Araujo 1 ; MARQUES,Maria Isabel Soares Lemos 2 ; ENRIQUE,Elyda de Araújo 3. 1,2 Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia

Leia mais

SURDOS NA UNIVERSIDADE: ENEM É UMA BARREIRA? Palavras Chaves: Educação Inclusiva, Educação e Surdez, Vestibular, ENEM, Imagens na Educação.

SURDOS NA UNIVERSIDADE: ENEM É UMA BARREIRA? Palavras Chaves: Educação Inclusiva, Educação e Surdez, Vestibular, ENEM, Imagens na Educação. SURDOS NA UNIVERSIDADE: ENEM É UMA BARREIRA? Naiara Tank Pereira UFSCar Sorocaba Eixo Temático: avaliação pedagógica Palavras Chaves: Educação Inclusiva, Educação e Surdez, Vestibular, ENEM, Imagens na

Leia mais

JOSÉ FRANCISCO SOARES

JOSÉ FRANCISCO SOARES JOSÉ FRANCISCO SOARES Produção e uso de evidências na educação básica JOSÉ FRANCISCO SOARES Sumário Educação Evidências: (pedagógicas) Modelo Conceitual Agenda de pesquisa Educação concretizada A educação

Leia mais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) A fenômenos B imagem de A (observações Estágio Curricular Supervisionado em Física II D causas? (nãoobserváveis) REALIDADE Leis, Teorias, Princípios

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013 09-10-2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013 CURSO DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE 11º ANO DISCIPLINA: FRANCÊS CONTINUAÇÃO N.º TOTAL DE MÓDULOS: 3 N.º ORDEM N.º DE HORAS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº38 aprovado pela portaria Cetec nº 6 de 06/01/2009 Etec: Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.1 Município: São Carlos-SP Eixo

Leia mais

BIOÉTICA: É POSSÍVEL GUIAR-SE POR REGRAS OU UM PARTICULARISMO MORAL É INEVITÁVEL?

BIOÉTICA: É POSSÍVEL GUIAR-SE POR REGRAS OU UM PARTICULARISMO MORAL É INEVITÁVEL? BIOÉTICA: É POSSÍVEL GUIAR-SE POR REGRAS OU UM PARTICULARISMO MORAL É INEVITÁVEL? BIOETHICS: IS IT POSSIBLE TO BE GUIDED BY RULES OR A MORAL PARTICULARISM IS INEVITABLE? DAIANE MARTINS ROCHA (UFSC - Brasil)

Leia mais

Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro

Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Itens de Estudo 1. O que significa aprender? 2. O tempo da aprendizagem 3. O Conhecimento formal 4. Aprender individual Questão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Departamento de Administração Escolar

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Departamento de Administração Escolar Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007 O Curso de Licenciatura em Letras/LIBRAS é uma iniciativa da Universidade Federal de Santa Catarina, com

Leia mais

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS SECRETÁRIO ADJUNTO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ANTÔNIO CARLOS RAMOS PEREIRA CHEFE DE GABINETE

Leia mais

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Sintaxe do Português I 1º semestre de 2015 sim, ele chegou! Finalmente! Prof. Dr. Paulo Roberto

Leia mais

A AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM/LIBRAS E O ALUNO SURDO: UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA ATUAÇÃO DO INTÉRPRETE EM SALA DE AULA

A AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM/LIBRAS E O ALUNO SURDO: UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA ATUAÇÃO DO INTÉRPRETE EM SALA DE AULA A AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM/LIBRAS E O ALUNO SURDO: UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA ATUAÇÃO DO INTÉRPRETE EM SALA DE AULA AURÉLIO DA SILVA ALENCAR 1 MARILDA MORAES GRACIA BRUNO 2 Universidade Federal da Grande

Leia mais

TEORIAS DA APRENDIZAGEM

TEORIAS DA APRENDIZAGEM TEORIAS DA APRENDIZAGEM Professora Mônica Caetano Vieira da Silva UNIDADE DE ESTUDO 08 HENRI WALLONS E A PSICOGÊNESE DA PESSOA Henri Wallon nasceu na França em 1879. Dedicou-se ao estudo da medicina, filosofia

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA Um padrão para a unificação de conceitos e procedimentos pode ser definido verticalmente e transversalmente para todos os anos de escolaridade A compreensão e as aptidões associadas à maioria dos esquemas

Leia mais

Leilões. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Leilões. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Leilões Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Leilões Serve para estudar comportamento econômicos entre indivíduos (no fundo é um jogo) Aplicação direta em publicidade nos mecanismos de busca:

Leia mais

Bárbara da Silva. Português. Aula 53 Predicado I

Bárbara da Silva. Português. Aula 53 Predicado I Bárbara da Silva Português Aula 53 Predicado I Predicado - Predicado é aquilo que se declara a respeito do sujeito. - Nele é obrigatória a presença de um verbo ou locução verbal. - Quando se identifica

Leia mais

Testes Sumativos Peso 3*

Testes Sumativos Peso 3* I. INTEGRAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONALIZANTE Participação no contexto escolar de forma responsável e cooperativa Assiduidade e pontualidade Material (portefólio, outro material necessário) Sentido de responsabilidade

Leia mais

Quine e Davidson. Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo

Quine e Davidson. Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo Quine e Davidson Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo Historiografia e Filosofia das Ciências e Matemática ENS003 Prof. Valter A. Bezerra PEHFCM UFABC

Leia mais

Método Científico O Positivismo II. Método Científico O Positivismo - I. Método Científico O Positivismo. Raciocínios Indutivo e Dedutivo.

Método Científico O Positivismo II. Método Científico O Positivismo - I. Método Científico O Positivismo. Raciocínios Indutivo e Dedutivo. Método Científico O Positivismo - I A EXPERIÊNCIA É A FONTE DE TODO O CONHECIMENTO NÃO É POSSÍVEL GERAR CONHECIMENTO SINTÉTICO A PRIORI INUTILIDADE DA METAFÍSICA Método Científico O Positivismo II Francis

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO Planificação Anual 2011/2012 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PORTUGUÊS 10º ANO Manual adotado: Página Seguinte - Texto Editora

Leia mais

Perguntas da Aula 2. Respostas da Pergunta 2. Respostas da Pergunta 1. Respostas da Pergunta 4. Respostas da Pergunta 3. Processos de Software

Perguntas da Aula 2. Respostas da Pergunta 2. Respostas da Pergunta 1. Respostas da Pergunta 4. Respostas da Pergunta 3. Processos de Software Engenharia de Software Aula 03 Perguntas da Aula 2 Processos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo dcc603@gmail.com 12 Março 2012 Inconsistente: perguntei laranjas, respondeu

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 240 aprovado pela portaria Cetec nº 133 de 26/09/2013 Etec Professora Maria Cristina Medeiros Código: 141 Município: Ribeirão Pires Eixo

Leia mais

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA

A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA A AUTORIDADE DE PRIMEIRA PESSOA, NO TEMPO PRESENTE: A ESCUTA E A INTERPRETAÇÃO DA ESCUTA Mariluze Ferreira de Andrade e Silva Laboratório de Lógica e Epistemologia DFIME - UFSJ Resumo: Propomos investigar

Leia mais

Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova :

Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova : Disciplina: Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova : 90 + 30 MINUTOS I Este grupo é constituído por dez questões de escolha múltipla. Na sua folha de respostas indique

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE SKILLS AND ABILITIES (COMPETÊNCIAS E HABILIDADES)

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE SKILLS AND ABILITIES (COMPETÊNCIAS E HABILIDADES) ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 6 PERÍODO: / / ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA INGLESA CARGA HORÁRIA: 2 AULAS SEMANA PLANO DA I UNIDADE SKILLS AND ABILITIES (COMPETÊNCIAS E HABILIDADES)

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

DESCRIÇÃO DE DISCIPLINA

DESCRIÇÃO DE DISCIPLINA DESCRIÇÃO DE DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA - PROFESSOR CÓDIGO Psicanálise e educação Cristiana Carneiro EDF 003 EMENTA Freud e o inconsciente, a constituição do psíquico e a relação desta com a constituição

Leia mais

Semântica e Gramática

Semântica e Gramática Cadernos de Letras da UFF- GLC, n. 27, p. 181-185, 2003 181 Semântica e Gramática Monika Benttenmuller Amorim Maira Primo de Medeiros Lacerda RESUMO Esta resenha tem por objetivo apresentar as propostas

Leia mais

60 mins Missão: Igualdade de Géneros. Assunto. Resultado de aprendizagem. Preparação

60 mins Missão: Igualdade de Géneros. Assunto. Resultado de aprendizagem. Preparação P1 Freida Pinto Atriz Missão: Igualdade de Géneros Assunto Geografia, Ciência, compreensão da linguagem Resultado de aprendizagem Conhecer a definição de igualdade de gênero Explorar algumas das causas

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

COORDENAÇÃO DE LETRAS PORTUGUÊS E INGLÊS PLANO DE CURSO

COORDENAÇÃO DE LETRAS PORTUGUÊS E INGLÊS PLANO DE CURSO COORDENAÇÃO DE LETRAS PORTUGUÊS E INGLÊS PLANO DE CURSO Disciplina: Estágio Supervisionado de Língua Inglesa II Área: Humanas CHS: 02 CHT: 55 Semestre/Ano: 1º/ 2016 Curso: Bacharel em Letras Português

Leia mais

CURSO: Medicina INFORMAÇÕES BÁSICAS. Língua Brasileira de Sinais LIBRAS EMENTA

CURSO: Medicina INFORMAÇÕES BÁSICAS. Língua Brasileira de Sinais LIBRAS EMENTA Turno: Integral Currículo 2009 CURSO: Medicina INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Língua Brasileira de Sinais LIBRAS Departamento CCO Período 2º, 3º e 5º Teórica 10 Carga Horária Prática 24 Total 34

Leia mais

SEMIOLOGIA. 1º Ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação ISCSP (UTL) Sónia Pedro Sebastião

SEMIOLOGIA. 1º Ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação ISCSP (UTL) Sónia Pedro Sebastião SEMIOLOGIA 1º Ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação ISCSP (UTL) - 2009-2010 Sónia Pedro Sebastião PROGRAMA I) Estudo introdutório de conceitos e terminologia de base nas áreas da Linguística e

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR 1 As características na aprendizagem

MATERIAL COMPLEMENTAR 1 As características na aprendizagem TICs NA PRÁTICA DOCENTE: Produção e uso de materiais didáticos MATERIAL COMPLEMENTAR 1 As características na aprendizagem! Cada pessoa tem uma forma muito particular de perceber a realidade, que reúne

Leia mais

PIAGET TEORIA PSICOGENÉTICA

PIAGET TEORIA PSICOGENÉTICA PIAGET TEORIA PSICOGENÉTICA As peculariedades do pensamento e da lógica das crianças despertaram o interesse de Jean Piaget. Ao agir sobre o meio o indivíduo incorpora a si mesmo elementos que pertencem

Leia mais

A educação acontece dentro e fora da sala de aula. Nós ajudamos as escolas para que o aprendizado aconteça em qualquer lugar e a qualquer momento.

A educação acontece dentro e fora da sala de aula. Nós ajudamos as escolas para que o aprendizado aconteça em qualquer lugar e a qualquer momento. A educação acontece dentro e fora da sala de aula Nós ajudamos as escolas para que o aprendizado aconteça em qualquer lugar e a qualquer momento. Tire o máximo proveito do QMágico...... e proporcione um

Leia mais

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX PERÍODO: 76.1 / 77.2 I Unidade Estrutura e formação dos vocábulos 1.1 Estruturas mórficas 1.2 - Formação do léxico português 1.3 - Processos de formação de palavras II Unidade Funções sintáticas dos termos

Leia mais

CURSO: Medicina INFORMAÇÕES BÁSICAS. Língua Brasileira de Sinais II LIBRAS II

CURSO: Medicina INFORMAÇÕES BÁSICAS. Língua Brasileira de Sinais II LIBRAS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ INSTITUÍDA PELA LEI N O 10.425, DE 19/04/2002 D.O.U. DE 22/04/2002 PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROEN Turno: Integral Currículo CURSO: Medicina INFORMAÇÕES

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

Comentários dos colegas e do professor

Comentários dos colegas e do professor Comentários dos colegas e do professor Fazendo comentários para os alunos Fazer comentários aprimora os resultados dos alunos ao enfatizar o progresso em vez da dificuldade. Com um comentário sobre o progresso,

Leia mais

Linguagem Oral e Escrita

Linguagem Oral e Escrita FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Linguagem Oral e Escrita Rosane Tesch rosanetesch@gmail.com Linguagem Oral e Linguagem Escrita - conceitos gerais Pensamento

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Código: Município: EE: Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional: Qualificação: Série: Componente Curricular:

Leia mais

Linguística O Gerativismo de Chomsky

Linguística O Gerativismo de Chomsky Linguística O Gerativismo de Chomsky Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático A Gramática Gerativa Inatismo versus Behaviorismo Competência e Desempenho Estrutura Profunda e Estrutura Superficial Objetivos

Leia mais

Programa de Português 4º Ano

Programa de Português 4º Ano Programa de Português 4º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Morfossintaxe: forma e função

Morfossintaxe: forma e função O Substantivo Substantivo são palavras que designam seres visíveis ou não -, ações, estados, sentimentos, desejos, idéias. Morfossintaxe: forma e função Falar é uma atividade tão habitual e natural, que

Leia mais

Competências globais a serem adquiridas na série

Competências globais a serem adquiridas na série PLANO DE ENSINO - 2016 Disciplina: Língua Portuguesa 9º ANO Professor: Ricardo Andrade Competências globais a serem adquiridas na série.fundamentar uma aprendizagem significativa, desenvolvendo múltiplas

Leia mais

Formador Residente, Maurício Ferreira

Formador Residente, Maurício Ferreira A Compreensão do Oral A compreensão do oral consiste na atribuição de significado a cadeias fónicas produzidas de acordo com a gramática da língua. Formador Residente, Maurício Ferreira Factores de compreensão

Leia mais

Raciocínio sobre conhecimento visual: Construtos para representação de conhecimento inferencial e métodos de resolução de problemas

Raciocínio sobre conhecimento visual: Construtos para representação de conhecimento inferencial e métodos de resolução de problemas Raciocínio sobre conhecimento visual: Construtos para representação de conhecimento inferencial e métodos de resolução de problemas Joel Luis Carbonera (grupo BDI Bancos de dados inteligentes PPGC - UFRGS)

Leia mais

Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal

Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal Pablo Faria HL220C Prática de análise gramatical IEL/UNICAMP SUMÁRIO AULA ANTERIOR Predicado NOMENCLATURA COMPARADA Funções sintáticas diversas Quanto

Leia mais

As crianças e a audiçao. Informações gerais sobre a audição e a perda auditiva das crianças, e a respectiva ajuda disponível.

As crianças e a audiçao. Informações gerais sobre a audição e a perda auditiva das crianças, e a respectiva ajuda disponível. As crianças e a audiçao 7 Informações gerais sobre a audição e a perda auditiva das crianças, e a respectiva ajuda disponível. 1 Esta brochura é o número 7 de uma série de publicações da Widex sobre a

Leia mais

Agenda da Aula. Arquitetura de Software e Padrões Arquiteturais. Elementos de um Padrão. Arquitetura de Software. Arquitetura de Software

Agenda da Aula. Arquitetura de Software e Padrões Arquiteturais. Elementos de um Padrão. Arquitetura de Software. Arquitetura de Software Reuso de Software Aula 04 Agenda da Aula Arquitetura de Software e Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 14 Março 2012 Arquitetura de Software Padrões arquiteturais

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

PARA QUEM A ESCOLA GAGUEJA?

PARA QUEM A ESCOLA GAGUEJA? Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai - IDEAU Vol. 5 Nº 12 - Julho - Dezembro 2010 Semestral Artigo: PARA QUEM A ESCOLA GAGUEJA? Autora: Daniela Medeiros 1 1 Licenciada em Educação Especial;

Leia mais

Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no

Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no 1 Porto, membro do grupo de investigação em Espiritualidade da UCP 2 Mas então quando comecei a ver o programa

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 Departamento de Expressões e Representação Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12º ano Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 1. Introdução à disciplina

Leia mais

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais.

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais. O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA AUTISMO? O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO (TEA)? Indivíduos com transtorno do espectro do autismo muitas vezes apresentam: Meninos em idade escolar

Leia mais

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autor: EDILSON JOSÉ DE CARVALHO E ANA ALICE Introdução Este trabalho é uma síntese das aulas da professora Ana Alice, que administrou a disciplina:

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: O fojo Autor: Fabiana Guimarães Ilustrações: Robson Araújo Formato: 24 cm x 22 cm Número de páginas: 16 Apresentação O livro

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA MPE-BA 2017 CONTEÚDOS VIP

LÍNGUA PORTUGUESA MPE-BA 2017 CONTEÚDOS VIP LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (narrativo, descritivo e argumentativo Aulas Cursos VIP 100% em Vídeo Aulas (Teoria & Questões) #02 - Língua Portuguesa

Leia mais

Implementação de Linguagens

Implementação de Linguagens Implementação de Linguagens Pedro Vasconcelos DCC/FCUP 11 de Abril de 2016 Objectivos Introdução à implementação de linguagens de programação funcionais. Enfoce sobre técnicas de interpretação/compilação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Disciplina: Introdução à Psicopatologia Núcleo Temático: Processos Clínicos em Psicologia Código da Disciplina: 0802405-7

Leia mais

Orçamento familiar é discutido sistematicamente por apenas 31% dos consumidores

Orçamento familiar é discutido sistematicamente por apenas 31% dos consumidores Orçamento familiar é discutido sistematicamente por apenas 31% dos consumidores A pesquisa do SPC Brasil e Meu Bolso Feliz sobre Educação Financeira revela que apenas um terço dos consumidores ouvidos

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

As descobertas da primeira infância

As descobertas da primeira infância As descobertas da primeira infância Uma característica natural dos seres humanos é o prazer pela descoberta. Ao nos depararmos com o novo, imediatamente sentimos o desejo de nos apropriarmos da novidade,

Leia mais

Aprendizagem em Física Aula 9-05 de maio de Movimentos em mais de uma dimensão. Referência: Arons cap. 4. Vetores

Aprendizagem em Física Aula 9-05 de maio de Movimentos em mais de uma dimensão. Referência: Arons cap. 4. Vetores Aprendizagem em Física Aula 9-05 de maio de 2009 Movimentos em mais de uma dimensão Referência: Arons cap. 4 Vetores - muitas (a maior parte?) das grandezas utilizadas em física, e em particular na física

Leia mais

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA. Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 1 ESTATÍSTICA Objectivo: recolha, compilação, análise e interpretação de dados. ESTATÍSTICA DESCRITIVA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Estatística descritiva : o objectivo é sintetizar e representar de uma forma

Leia mais

Facilitando a interação

Facilitando a interação Aprender linguagem > 0 a 18 meses > 1. INTERAÇÃO Interação e comunicação. Facilitando a interação 1 Aprender linguagem > 0 a 18 meses > 1. INTERAÇÃO > 1.1. Facilitando a interação Para facilitar a interação

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Curso Gestão para Educação de Qualidade 1 TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Sonia Balzano... a escola de qualidade é aquela que tem como valor fundamental a garantia dos direitos de aprendizagem

Leia mais

Tópicos Especiais em Educação

Tópicos Especiais em Educação Tópicos Especiais em Educação Física II Unidade I -Cognição - Prof. Esp. Jorge Duarte Cognição Um dos objetivos do sistema de ensino é promover o desenvolvimento cognitivo da criança. Esse desenvolvimento

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DO CONHECIMENTO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO GESTÃO DO CONHECIMENTO Prof. Dr. Daniel Caetano 2017-2 Objetivos Recordar as dimensões do conhecimento Compreender a importância de gerenciar o conhecimento Conhecer

Leia mais

CONTEÚDOS O PROGRAMA DE. Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação LINGUAGEM MAKATON 15/04/2015. Comunicação / Linguagem / Fala

CONTEÚDOS O PROGRAMA DE. Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação LINGUAGEM MAKATON 15/04/2015. Comunicação / Linguagem / Fala Terapia da Fala Andreia Gomes Clara Silva Diana Domingues Cristiana Couto O PROGRAMA DE LINGUAGEM MAKATON Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação Abril de 2015 CONTEÚDOS Comunicação / Linguagem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS 1º, 2º E 3º CICLOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS 1º, 2º E 3º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROF. PAULA NOGUEIRA - OLHÃO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS 1º, 2º E 3º CICLOS Introdução Os domínios de referência definidos, para cada ano,

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ortografia e Produção de Texto Nome:

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ortografia e Produção de Texto Nome: 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ortografia e Produção de Texto Nome: Leia este texto e resolva as questões 1 e 2. PÉS NO CHÃO Dos problemas que afligem o Brasil, a educação é o primeiro

Leia mais

Atividade prática Comparação de textos quotidianos e escolares

Atividade prática Comparação de textos quotidianos e escolares Atividade prática Comparação de textos quotidianos e escolares (para os professores) Os alunos de PLNM e a aprendizagem de conteúdos escolares Secção I - Desafios de alunos de PLNM na aprendizagem de conteúdos

Leia mais

A abordagem pôr-do-sol para a leitura 1

A abordagem pôr-do-sol para a leitura 1 Linguagem & Ensino, Vol. 8, No. 1, 2005 (209-214) A abordagem pôr-do-sol para a leitura 1 (The sunset approach to reading) Maiza FATURETO Cambridge University Press Quantas vezes nas suas aulas de inglês,

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FÍSICO, COGNITIVO E PSICOSSOCIAL NA SEGUNDA INFÂNCIA

DESENVOLVIMENTO FÍSICO, COGNITIVO E PSICOSSOCIAL NA SEGUNDA INFÂNCIA DESENVOLVIMENTO FÍSICO, COGNITIVO E PSICOSSOCIAL NA SEGUNDA INFÂNCIA SEGUNDA INFÂNCIA DOS TRÊS AOS SEIS ANOS; ANOS PRÉ-ESCOLARES; MUDANÇAS NA APARÊNCIA, HABILIDADES MOTORAS E MENTAIS FLORESCEM E PERSONALIDADE

Leia mais

Índice. 1. A Escola e a Linguagem Escrita Aprendizagem Significativa da Linguagem Escrita...3

Índice. 1. A Escola e a Linguagem Escrita Aprendizagem Significativa da Linguagem Escrita...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 7 Índice 1. A Escola e a Linguagem Escrita...3 2. Aprendizagem Significativa da Linguagem Escrita...3 2.1. Motivação: Escrever e Ler faz Sentido... 4 3. Metodologia de Matemática...5 4.

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso DCC / ICEx / UFMG Diagrama de Casos de Uso Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Diagrama de Casos de Uso Adota uma linguagem simples Acessível ao cliente Objetivo é a compreensão do comportamento

Leia mais

Base visual da Dislexia

Base visual da Dislexia Dislexia Internacional, Forum Open Online, 13 de novembro de 2008 Professor John Stein, Magdalen College, Oxford University, UK Base visual da Dislexia Meu ponto de vista sobre a dislexia originou-se a

Leia mais

A Cartola Mágica do Gato Falador

A Cartola Mágica do Gato Falador Estoril Vigotsky Conference A Cartola Mágica do Gato Falador Um Instrumento de Intervenção em Perturbações da Linguagem Prof.ª Doutora Maria do Rosário Dias Dra. Nádia Pereira Simões Joana Andrade Nânci

Leia mais