Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos."

Transcrição

1 Linguagem e Cultura

2 Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um indivíduo ou grupo.

3 Linguagem É simultaneamente um produto cultural e um elemento imprescindível para a própria transmissão da cultura.

4 É no aspecto cultural que se firma o distanciamento entre a comunicação animal e a linguagem humana.

5 Por meio do emprego da linguagem o ser humano pode transmitir ideias, conceitos e sentimentos de geração em geração. Esse conjunto de conhecimentos forma a cultura. Os animais empregam meios de comunicação limitados (servem apenas para algumas ações), instintivos (não são aprendidos) e são estáticos (não transmitem ideias abstratas, noções conceituais, temporais etc.).

6 Qual conceito cultural podemos perceber na imagem abaixo?

7 O conceito abaixo é igual ao anterior?

8 E nos casos abaixo?

9 Por meio da linguagem o ser humano elabora mentalmente o que apreende do mundo exterior e exterioriza seu mundo interior.

10 Linguagem e Língua

11 Linguagem É... um eficiente instrumento de interação social. simultaneamente um produto cultural e um elemento imprescindível para a própria transmissão da cultura. qualquer sistema organizado de sinais (códigos) que serve de meio de comunicação de idéias ou sentimentos. a capacidade de codificar as memórias não verbais numa forma verbal.

12 Língua Sistema de representação constituído por palavras e por regras que as combinam em frases que os indivíduos de uma comunidade linguística usam como principal meio de comunicação e de expressão, falado ou escrito.

13 Definição uma mais Regras (léxico) formado por palavras e linguística combinatória (gramática) Código para usado comunicação comunidade por uma.* * Para falar e entender uma língua não basta conhecer o léxico é preciso dominar as leis combinatórias, isto é, a gramática. Repare como a mesma explicação acima fica clara quando seguidas as leis combinatórias: Código formado por palavras (léxico) e regras combinatórias (gramática), usado por comunidade linguística para comunicação e expressão de ideias ou sentimentos.

14 Língua Código formado por palavras (léxico) e regras combinatórias (gramática), usado por uma comunidade linguística para comunicação e expressão de ideias ou sentimentos.

15 Língua O sistema abstrato de signos interrelacionados, de natureza social e psíquica, obrigatório para todos os membros de uma comunidade linguística (langue). Ferdinand de Saussure ( ).

16 Língua Natural Língua natural é um conceito desenvolvido pela linguística para se referir a línguas desenvolvidas naturalmente como meio de comunicação. Em oposição a elas encontra-se, por exemplo, as línguas desenvolvidas artificialmente como o esperanto.

17 As línguas de sinais ou línguas gestuais como, por exemplo, Libras são também línguas naturais, visto possuírem as mesmas propriedades. Em vez de fonemas, o suporte material da palavra são os gestos.

18 Conceituação de Gramática Gramática, em seu sentido amplo, é o estudo dos fatos da língua e das leis naturais que a regulam. Não devemos confundir com a noção de gramática normativa, que é aquela que prescreve o que é considerado adequado ou não, conforme certos parâmetros, na utilização de uma língua.

19 Aquisição de Língua Materna/L1 Fator inato. ( programado para adquirir a língua) Gramática Universal. (estrutura linguística genérica das línguas) Processo biológico e psíquico. (etapas dos estados mentais) Meio ambiente/comunidade linguística. (Cultura e sociedade)

20 Estados Mentais Para Noam Chomsky, a aquisição da linguagem verbal é um processo gradual e depende do crescimento biológico e psíquico.

21 Estados Mentais do Falante Inicial Intermediário Final estacionário Balbucios (da-da / ga-ga-ga) Fase nominativa (mamã / papa / au-au) Estrutura sintática binária (papai babo / tomá tetê / nenê naná) Posse (meu au-au / meu binquedo) Frases Telegráficas (Papai jogá bola?) Analogia (Mamãe fazeu )

22 Definições Língua: sistema organizado de representação abstrata de signos constituído por palavras e por regras que combinam as palavras em frases. Os indivíduos de uma comunidade linguística usam a língua como principal meio de comunicação e de expressão, falado ou escrito. Palavra: unidade mínima com som e significado que pode, sozinha, constituir enunciado; forma livre mínima. Sílaba: é o conjunto de um ou mais fonemas pronunciados numa única emissão de voz. Letra: sinal gráfico que representa fonema ou grupo de fonemas. Grafema: unidade mínima de um sistema de escrita que na escrita alfabética corresponde às letras. Fonema: menor unidade sonora de uma língua que estabelece contraste. Monema: unidade mínima de significação. Pode ser uma palavra simples, uma raíz (lexema), um afixo ou uma desinência (morfema).

23 O homem é incrível. Língua: portuguesa. Palavra: quatro palavras o (artigo definido); homem (substantivo); é (forma do verbo ser no presente do indicativo); incrível (adjetivo). Sílaba: nas palavras o e é temos apenas uma única sílaba que corresponde a um único fonema. Já na palavra ho-mem há duas sílabas enquanto na palavra in-crí-vel há três. Letra, fonema e monema: em o e é a forma mínima é constituída por apenas uma letra que por si representa um único fonema (som), uma única sílaba e um único monema. Já em h-o-m-e-m há cinco letras, duas sílabas, mas apenas quatro fonemas, pois o h não é pronunciado. E, em homem, há apenas um único monema. Em i-n-c-r-í-v-e-l há oito letras e oito fonemas, mas três monemas que coincidem com a divisão silábica. Grafema: Como usamos a escrita alfabética, há uma coincidência entre letra e grafema em todos os casos.

24 Fala Fala é a utilização individual da língua. É a maneira de cada indivíduo se expressar. Ao falar ou escrever empregamos a língua por meio da fala, que não deve ser confundida com o ato de falar, comunicar-se oralmente. Emprega-se o termo fala tanto à comunicação oral quanto à escrita.

25 Linguagem Universal Capacidade do ser humano se comunicar Língua Comunidade Linguística Social Fala Expressão Individual Individual

26 Língua Oral X Língua Escrita

27 A língua oral é mais abrangente usada por letrados, analfabetos, crianças, deficientes visuais. A língua oral não é planejada construída no momento da comunicação. A língua oral permite o uso de recursos da linguagem não verbal (gestos, fisionomia etc) A língua oral apresenta recursos de entonação e ritmo. Na comunicação oral pode ocorrer processo de redução. (está = tá / cê = você / cantá)

28 A língua oral permite interação imediata, ou seja, pode interromper o emissor para expressar opiniões ou tirar dúvidas e também se valer do contexto imediato de situação. (Ali.) No emprego da língua oral o emissor pode perceber a reação do receptor. Na comunicação oral, pode haver repetição de palavras, emprego de gírias e uso de expressões populares. A língua oral não possibilita o apagamento. Na comunicação oral emprega-se marcadores conversacionais. (Como? Sabe? Né? Ahn?)

29 Verba volant, scripta manent A língua escrita possui aspecto permanente e documental. A língua escrita aproxima-se ao máximo das regras da gramática normativa, evitando erros comumente aceitos na comunicação oral.

30 Plano de Ensino Cobrimos nesta primeira etapa do trabalho Conceituação de linguagem; Tipos de linguagem; Principais códigos empregados pelos seres humanos; Índices ou sinais naturais; Linguagem e cultura; Linguagem e sociedade, teoria sociolinguística; Conceituação de língua e língua natural e artificial; Aquisição de língua materna / L1; Estados mentais do falante; Diferenças entre língua oral e língua escrita; Conceituação de fala; Diferença entre a comunicação animal e a complexidade da linguagem humana e Noções de linguística e semiótica. Conceituação de Signo. Seu aspecto material e imaterial. Signo linguístico.

A escrita que faz a diferença

A escrita que faz a diferença A escrita que faz a diferença Inclua a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro em seu planejamento de ensino A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é uma iniciativa do Ministério

Leia mais

O programa da disciplina em causa preconiza atividades linguísticas, estratégias e tarefas reportadas a usos comunicativos da língua.

O programa da disciplina em causa preconiza atividades linguísticas, estratégias e tarefas reportadas a usos comunicativos da língua. INFORMAÇÃO Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS 2016 11º Ano de Escolaridade O presente documento divulga informação relativa à Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Inglês, a realizar

Leia mais

INGLÊS - Nível 2 2016. 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril)

INGLÊS - Nível 2 2016. 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS - Nível 2 2016 Prova 06 / 2016 1ª e 2ª Fase 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

Comunicação / Informação / Dados

Comunicação / Informação / Dados Comunicação / Informação / Dados Pensa-se que já os nossos antepassados Homo Sapiens já comunicavam através da linguagem. A linguagem é uma capacidade estritamente humana. Linguagem É a faculdade de um

Leia mais

Tipo de Prova: Escrita e Oral

Tipo de Prova: Escrita e Oral INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS (LE I) 2016 Prova 367 Tipo de Prova: Escrita e Oral Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) Introdução O presente documento visa

Leia mais

Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal

Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal Habilidades: Reconhecer a leitura de textos verbais e não verbais como possibilidade de acesso a diferentes informações Valorizar a

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 241 Letras Libras INSTRUÇÕES 1. Confira,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril 2016 2016 367 Prova 11º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha PRODUÇÃO TEXTUAL Nº3 ENTREGA: 17/ 03/ 2016 2º Ano do Ensino Médio Nome do aluno: Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Testes em Laboratório - Análise

Testes em Laboratório - Análise Introdução à Interação Humano-Computador Testes com Usuários Professora: Raquel Oliveira Prates http://www.dcc.ufmg.br/~rprates/ihc \ Aula 8: 09/10 Testes em Laboratório - Análise Análise dos dados coletados

Leia mais

Comunicação Organizacional. Interaja com Seu Professor. Pense Nisso. Conheça seu Professor. Aula 1. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Comunicação Organizacional. Interaja com Seu Professor. Pense Nisso. Conheça seu Professor. Aula 1. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Comunicação Organizacional Aula 1 @achilesjunior Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Interaja com Seu Professor Veja quais os caminhos além do e-mail da tutoria Fanpage do seu curso Instragram Pense

Leia mais

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL INIC. 11º Ano de Escolaridade Prova 375 2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 2015. Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 DISCIPLINA: Inglês CÓDIGO DA PROVA: 358 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS (LE I) COMPONENTES ESCRITA E ORAL

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS (LE I) COMPONENTES ESCRITA E ORAL INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS (LE I) COMPONENTES ESCRITA E ORAL PROVA 21 2016 2016 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

Prova 06 2º Ciclo do Ensino Básico

Prova 06 2º Ciclo do Ensino Básico INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova escrita e oral 2016 Prova 06 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Texto Narrativo Quadro Geral O que se entende

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS PROVA ORAL Prova 06 201 2.º Ciclo do Ensino Básico!. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova oral de equivalência à frequência

Leia mais

COMO ELABORAR UM CURRÍCULO

COMO ELABORAR UM CURRÍCULO COMO ELABORAR UM CURRÍCULO Sandra Salgadinho O CURRÍCULO É UMA DAS MELHORES FORMAS DE MARKETING PESSOAL. É POR MEIO DESTE QUE UMA EMPRESA AVALIA O PERFIL DE UM PROFISSIONAL. É a forma convencionada de

Leia mais

Plenário Adriano Jorge, em 22 de abril de 2014. PROFESSOR BIBIANO PT VEREADOR

Plenário Adriano Jorge, em 22 de abril de 2014. PROFESSOR BIBIANO PT VEREADOR PROJETO DE LEI Nº121/2014 Dispõe sobre o desenvolvimento da política de acompanhamento especial para alunos da Rede Municipal de Ensino de Manaus que são portadores de doenças neurológicas e dá outras

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO Planificação Anual 2011/2012 ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PORTUGUÊS 10º ANO Manual adotado: Página Seguinte - Texto Editora

Leia mais

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) SIGNO FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO SUBSTÂNCIA DE EXPRESSÃO (semioticamente formada) MATÉRIA DE EXPRESSÃO

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

PROFESSOR DE ARTES CONHECIMENTOS GERAIS

PROFESSOR DE ARTES CONHECIMENTOS GERAIS PROFESSOR DE ARTES CONHECIMENTOS GERAIS PORTUGUÊS Gestos que encantam O Coral Mãos que Cantam, formado por surdos e deficientes da fala que se expressam pela língua brasileira de sinais (libras), recebe

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. HERNÂNI CIDADE INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ESCRITA E ORAL)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. HERNÂNI CIDADE INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ESCRITA E ORAL) INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA (ESCRITA E ORAL) 1. INTRODUÇÃO INGLÊS - ENSINO BÁSICO - 3º CICLO - 2015/2016 CÓDIGO 21 O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Relatório sobre as interpretações de Libras nas Audiências Públicas da Prefeitura de Salvador para discussão do PPDU

Relatório sobre as interpretações de Libras nas Audiências Públicas da Prefeitura de Salvador para discussão do PPDU Relatório sobre as interpretações de Libras nas Audiências Públicas da Prefeitura de Salvador para discussão do PPDU O Tradutor e Intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras) em seu espaço de atuação

Leia mais

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves Tópicos Apresentação Entidade, Atributo e Relacionamento Cardinalidade Representação simbólica Generalizações / Especializações Agregações Apresentação O Modelo Entidade-Relacionamento tem o objetivo de

Leia mais

TEORIA DA COMUNICAÇÃO AULA 2

TEORIA DA COMUNICAÇÃO AULA 2 TEORIA DA COMUNICAÇÃO AULA 2 Atos de comunicação Grr 1 Atos de comunicação 2 Comunicar significa tornar comum. Tanto os companheiros de tribo dos homens das cavernas, quanto leitores da Internet podem

Leia mais

PROJETO E TECNOLOGIAS ESPECIALIZAÇÃO EM MULTIMÉDIA

PROJETO E TECNOLOGIAS ESPECIALIZAÇÃO EM MULTIMÉDIA Informação da Prova de Equivalência à Frequência Prova 266 2015 CURSO DE COMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL 10º, 11º e 12º Anos de Escolaridade PROJETO E TECNOLOGIAS ESPECIALIZAÇÃO EM MULTIMÉDIA 1. Introdução O presente

Leia mais

DISCIPLINA INGLÊS 2016

DISCIPLINA INGLÊS 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DISCIPLINA INGLÊS 206 Prova 06 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Preposição e Conjunção. Língua Portuguesa 2ª Série Profª Marianna Aguiar

Preposição e Conjunção. Língua Portuguesa 2ª Série Profª Marianna Aguiar Preposição e Conjunção Língua Portuguesa 2ª Série Profª Marianna Aguiar Preposição Conectam os termos dos sintagmas Locuções prepositivas são duas ou mais palavras que funcionam como preposição. Em uma

Leia mais

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo

Abril de 2008. Daniela Alexandra Diogo O Abril de 2008 Daniela Alexandra Diogo 16 1 Ambos os métodos podem criar severos danos ambientais, portanto, devem ser muito bem controlados. Conclusão Com este trabalho aprendemos que a água é muito

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo Setembro 2015 Este documento pretende dar a conhecer a todos os intervenientes no processo educativo os critérios de avaliação, e respetivas percentagens, a que

Leia mais

A escrita antes de aprender a escrever, isto é, como as crianças se vão apropriando do sistema de linguagem escrita

A escrita antes de aprender a escrever, isto é, como as crianças se vão apropriando do sistema de linguagem escrita A escrita antes de aprender a escrever, isto é, como as crianças se vão apropriando do sistema de linguagem escrita Escrita pré-silábica Ainda não é determinada por critérios linguísticos. Do ponto de

Leia mais

Pronomes e quantificadores universais e indefinidos

Pronomes e quantificadores universais e indefinidos Pronomes e quantificadores universais e indefinidos Pronomes e quantificadores indefinidos: referem uma pessoa, coisa ou fenómeno de uma forma imprecisa ou indeterminada, indicando quantidade ou diferença.

Leia mais

Por uma prática promotora de saúde em Orientação Vocacional (Ana Bock e Wanda Aguiar)

Por uma prática promotora de saúde em Orientação Vocacional (Ana Bock e Wanda Aguiar) Por uma prática promotora de saúde em Orientação Vocacional (Ana Bock e Wanda Aguiar) Segundo a OMS, saúde é o mais completo estado de bemestar físico, psicológico e social para um indivíduo. O que significa

Leia mais

Decreto-Lei nº139 /2012, de 5 de junho, alterado pelo Despacho Normativo n.º1-g/2016

Decreto-Lei nº139 /2012, de 5 de junho, alterado pelo Despacho Normativo n.º1-g/2016 Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Físico-Química 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei nº139 /2012, de 5 de junho, alterado pelo Despacho Normativo n.º1-g/2016 Prova 11 (2016) Duração

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 5 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade Total; 2. Planejamento; Gestão da Qualidade Total Gestão da Qualidade Total Como vimos na última aula a Gestão da Qualidade

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Fonte:intervox.nce.ufrj.br/~diniz/d/direito/ ouapostila_portugues_varlinguistica_2.pdf

Fonte:intervox.nce.ufrj.br/~diniz/d/direito/ ouapostila_portugues_varlinguistica_2.pdf Sobre Variação Linguística Você já conversou com uma pessoa simples, que vive na roça? Teve oportunidade de observar como essa pessoa fala? Leia o texto a seguir: Texto I Seu dotô me conhece? Patativa

Leia mais

Entrevista com o Prof. José Sérgio Fonseca de Carvalho

Entrevista com o Prof. José Sérgio Fonseca de Carvalho Entrevista com o Prof. José Sérgio Fonseca de Carvalho Projeto Revoluções - Como podemos explicar a relação entre educação e direitos humanos? Prof. José Sérgio - Trata-se aqui de uma relação dupla e complementar.

Leia mais

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 AUTOR: MAGOGA, Bernardo CURSO: Comunicação Social Publicidade e Propaganda/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: MARTINS, Jorge S. Redação publicitária Teoria

Leia mais

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem.

COMUNICAÇÃO. É a capacidade de transmitir uma informação com certeza de que o outro lado entenda a mensagem. NÚCLEO COMUM DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL (DPP) AULA 08 E 09: COMUNICAÇÃO, ELABORAÇÃO E ACEITAÇÃO DE CRÍTICAS Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Empowering People MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Empowering People MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO 1 Índice 1. Identidade do Voluntário... 3 2. Voluntariado... 3 3. Áreas de intervenção... 3 4. Valores Princípios do Voluntariado... 4 5. Direitos do Voluntário... 4 6. Deveres do

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

Levando em consideração o valor das cores nas obras de arte, explique:

Levando em consideração o valor das cores nas obras de arte, explique: Atividade extra Módulo 1 Fascículo 1 Artes Unidade 1 Artes: Princípios e Linguagens Questão 1 As cores são capazes de nos transmitir diversas sensações, criar espaços, dar volume a um objeto, aproximá-lo

Leia mais

Treinamento sobre Progress Report.

Treinamento sobre Progress Report. Treinamento sobre Progress Report. Objetivo O foco aqui é trabalhar o desenvolvimento pessoal de cada aluno. O instrutor irá analisar cada um e pensar em suas dificuldades e barreiras de aprendizado e,

Leia mais

Conceito: é a fusão de duas vogais da mesma natureza. No português assinalamos a crase com

Conceito: é a fusão de duas vogais da mesma natureza. No português assinalamos a crase com TUDO SOBRE CRASE Conceito: é a fusão de duas vogais da mesma natureza. No português assinalamos a crase com o acento grave (`). Observe: Obedecemos ao regulamento. ( a + o ) Não há crase, pois o encontro

Leia mais

Tópicos Especiais em Educação

Tópicos Especiais em Educação Tópicos Especiais em Educação Física II Unidade I -Cognição - Prof. Esp. Jorge Duarte Cognição Um dos objetivos do sistema de ensino é promover o desenvolvimento cognitivo da criança. Esse desenvolvimento

Leia mais

SEMINÁRIO SEGURANÇA MEDIÚNICA E ENERGIA DOS CHAKRAS

SEMINÁRIO SEGURANÇA MEDIÚNICA E ENERGIA DOS CHAKRAS SEMINÁRIO SEGURANÇA MEDIÚNICA E ENERGIA DOS CHAKRAS MÓDULO 7 O CHAKRA DO CONHECIMENTO O QUINTO CHAKRA CONCEITOS O QUINTO CHAKRA CONCEITOS O quinto chakra, da garganta, responsável pelo conhecimento. Localização:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Estabelece preceitos para o aperfeiçoamento da política educacional estadual dos sistemas públicos de ensino, para a permanência e o sucesso escolar de alunos com distúrbios,

Leia mais

IPERON - ABRIL VERDE/2016 5 PASSOS PARA UMA LIDERANÇA DE RESULTADOS

IPERON - ABRIL VERDE/2016 5 PASSOS PARA UMA LIDERANÇA DE RESULTADOS IPERON - ABRIL VERDE/2016 5 PASSOS PARA UMA LIDERANÇA DE RESULTADOS Adm. Ramiro Vieira, Msc Coach Abril/2016 O Líder Nasce ou se Torna Líder? Nem todos os que se esforçam para ser líderes têm condições

Leia mais

Caderno de Anotações

Caderno de Anotações Caderno de Anotações Principais apontamentos do Programa Negócios & Soluções de 24/07/2004 Tema: CRIATIVIDADE EM VENDAS E COMUNICAÇÃO COM O MERCADO - O que faz com que duas empresas concorrentes do mesmo

Leia mais

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado.

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado. Probabilidade Definição: Probabilidade é uma razão(divisão) entre a quantidade de eventos e a quantidade de amostras. Amostra ou espaço amostral é o conjunto formado por todos os elementos que estão incluídos

Leia mais

Entropia, Entropia Relativa

Entropia, Entropia Relativa Entropia, Entropia Relativa e Informação Mútua Miguel Barão (mjsb@di.uevora.pt) Departamento de Informática Universidade de Évora 13 de Março de 2003 1 Introdução Suponhamos que uma fonte gera símbolos

Leia mais

2º Bimestre Aula 94 Revisão e avaliação de Linguagens

2º Bimestre Aula 94 Revisão e avaliação de Linguagens 2 MATEMÁTICA E HABILIDADES REVISÃO 1 REVISÃO 2 2º Bimestre Aula 94 Revisão e avaliação de Linguagens 3 MATEMÁTICA E HABILIDADES INTERATIVIDADE PRONOME PESSOAL DO CASO RETO E DE TRATAMENTO Pronome Pessoal

Leia mais

Curso FIC Espanhol Básico I, II, III e IV

Curso FIC Espanhol Básico I, II, III e IV Curso FIC Espanhol Básico I, II, III e IV Descrição do Curso O Curso tem como objetivo o desenvolvimento de habilidades básicas de compreensão, conversação, leitura e escrita da língua espanhola, com o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ. Ana Paula S. Valera TRAJETÓRIAS DO ENVELHECIMENTO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ. Ana Paula S. Valera TRAJETÓRIAS DO ENVELHECIMENTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula S. Valera TRAJETÓRIAS DO ENVELHECIMENTO Santo André 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula S. Valera RA 2135001778 TRAJETÓRIAS

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos Fundamentos de Programação Diagrama de blocos Prof. M.Sc.: João Paulo Q. dos Santos E-mail: joao.queiroz@ifrn.edu.br Página: http://docente.ifrn.edu.br/joaoqueiroz/ O processo de desenvolvimento (programação),

Leia mais

Verdade e Justiça em suas três dimensões

Verdade e Justiça em suas três dimensões Verdade e Justiça em suas três dimensões Carloto Rocha Pereira Pinto* Cristiane Martins Vilar Alves* Fabrício Oliveira de Lima Santos* Mariana Ferreira Vitor* Meire Ellem Diniz Costa Galvão* Raísa Valério

Leia mais

INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES DE CIÊNCIA CIÊNCIA DEFINIÇÕES DE CIÊNCIA METODOLOGIA DA PESQUISA APLICADA À CONTABILIDADE

INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES DE CIÊNCIA CIÊNCIA DEFINIÇÕES DE CIÊNCIA METODOLOGIA DA PESQUISA APLICADA À CONTABILIDADE METODOLOGIA DA PESQUISA APLICADA À CONTABILIDADE Mabel Moreira Vasconcelos INTRODUÇÃO Metodologia Científica nada mais é do que a disciplina que estuda os caminhos do saber, se entendermos que método quer

Leia mais

MÓDULO 2 Topologias de Redes

MÓDULO 2 Topologias de Redes MÓDULO 2 Topologias de Redes As redes de computadores de modo geral estão presentes em nosso dia adia, estamos tão acostumados a utilizá las que não nos damos conta da sofisticação e complexidade da estrutura,

Leia mais

Durante a prova, em cima da mesa, o candidato apenas poderá ter o enunciado da prova, a caneta, a legislação e o BI/CC.

Durante a prova, em cima da mesa, o candidato apenas poderá ter o enunciado da prova, a caneta, a legislação e o BI/CC. PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONSTITUIÇÃO DE RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO PÚBLICO POR TEMPO INDETERMINADO, TENDO EM VISTA O PREENCHIMENTO DE UM POSTO DE TRABALHO NA CARREIRA/CATEGORIA DE TÉCNICO SUPERIOR,

Leia mais

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas Hudson Victoria Diniz Relembrando... Um algoritmo é formalmente uma seqüência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Podemos pensar

Leia mais

Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário de:

Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário de: Matriz da Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário de: Prova 358 2016

Leia mais

Base Curricular Nacional Comum e o Livro Escolar do Futuro. Prof. Dra. Elda Gomes Araújo 23 de agosto de 2014

Base Curricular Nacional Comum e o Livro Escolar do Futuro. Prof. Dra. Elda Gomes Araújo 23 de agosto de 2014 Base Curricular Nacional Comum e o Livro Escolar do Futuro Prof. Dra. Elda Gomes Araújo 23 de agosto de 2014 A uma criança daria asas, porém deixaria que ela sozinha aprendesse a voar" (García Márquez).

Leia mais

Conteúdos do Vestibulinho 2016

Conteúdos do Vestibulinho 2016 2º ANO ENSINO FUNDAMENTAL Vogais e Consoantes; O Alfabeto incluindo as letras (K,W,Y); Sons nasais (o uso do til); Separação de Sílabas; Alfabeto maiúsculo e minúsculo; Substantivo próprio e comum; Interpretação

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos Prova de Conhecimentos Específicos Leia o texto e responda às perguntas que se seguem: Texto 5 10 15 O ensino tradicional de língua portuguesa investiu, erroneamente, no conhecimento da descrição da língua

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA - 2016

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA - 2016 OBJETIVOS GERAIS: UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA - 2016 Disciplina: Linguagem Oral e Escrita Professoras: Anália, Carla, Fabiana e Roberta Período: 2º Segmento: Educação Infantil Adquirir habilidades para

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

IBGE / FGV Gramática

IBGE / FGV Gramática GRAN ONLINE IBGE / FGV Gramática Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Analista e Tecnologista LÍNGUA PORTUGUESA: Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 3 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Preparação Nesta etapa, a auditoria é organizada objetivando minimizar o tempo despendido pelos

Leia mais

Unidade temática. Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais. Áreas de Conteúdo Objectivos Aulas (de 45 )

Unidade temática. Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais. Áreas de Conteúdo Objectivos Aulas (de 45 ) PLANIFICAÇÃO ANUAL-ANO LECTIVO - 2014/2015 Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais DISCIPLINA: Oficina de Multimédia B 12.ºANO Unidade temática Áreas de Conteúdo Objectivos Aulas (de 45 ) Introdução

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA com DUDA NOGUEIRA Comentários da prova BANCO do BRASIL Aplicada 15/03/2015

LÍNGUA PORTUGUESA com DUDA NOGUEIRA Comentários da prova BANCO do BRASIL Aplicada 15/03/2015 1 PROVA Escriturário BANCO DO BRASIL - aplicada 15/03/2015 LÍNGUA PORTUGUESA Alunos nossos, como foi comentado no curso SÓ BB (http://www.sobb.com.br/), a prova foi muito tranquila e não há possibilidade

Leia mais

Acerte no discurso e dê o seu recado

Acerte no discurso e dê o seu recado Acerte no discurso e dê o seu recado Escolher as palavras certas e falar com clareza. Aprender a escutar e entender o que as outras pessoas dizem. Estar atento aos gestos, aos movimentos e às expressões

Leia mais

Pronomes Relativos. Gramatica Morfologia

Pronomes Relativos. Gramatica Morfologia Pronomes Relativos Gramatica Morfologia Definição São pronomes relativos aqueles que representam nomes já mencionados anteriormente e com os quais se relacionam. Introduzem as orações subordinadas adjetivas.

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas RISCO E RETORNO Aula 2 Retorno Total É a variação total da riqueza proporcionada por um ativo ao seu detentor. Fonte: Notas de Aula do Prof. Claudio Cunha Retorno Total Exemplo 1

Leia mais

M U L H E R E S D O B R A S I L. Setembro2015

M U L H E R E S D O B R A S I L. Setembro2015 M U L H E R E S D O B R A S I L Setembro2015 COMITÊ SOCIAL A Voz das Mulheres Palestra Andrea Chamma Cristina Schulman Maria Elisa Curcio Inegociáveis Não advogamos em causa própria; Todo o trabalho deve

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL

PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ESPANHOL SÉRIE: PROFESSORAS: Anna Cláudia

Leia mais

Comunicação de Dados. Módulo 1 Introdução Às Redes e Comunicação de Dados

Comunicação de Dados. Módulo 1 Introdução Às Redes e Comunicação de Dados Comunicação de Dados Módulo 1 ntrodução Às Redes e Comunicação de Dados ntender as Redes de Comunicação como peça fundamental de qualquer Sistema de nformação Noção de Redes de dados, sua importância e

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Auditoria e Análise de Segurança da Informação Forense Computacional Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Forense Computacional 2 Forense Computacional A forense computacional pode ser definida

Leia mais

Ondas EM no Espaço Livre (Vácuo)

Ondas EM no Espaço Livre (Vácuo) Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações ELM20704 Eletromagnetismo Professor: Bruno Fontana da Silva 2014-1 Ondas EM

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS GRAMÁTICA - Prof. CARLA CAMPOS De sonhos e conquistas Aluno (a): MORFOLOGIA CLASSE GRAMATICAL SUBSTANTIVO: é o que dá nome a todos os seres: vivos, inanimados, racionais,

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Da Sra. VANESSA GRAZZIOTIN) Cria o Selo Verde Preservação da Amazônia para produtos oriundos da Zona Franca de Manaus (ZFM), e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA 203 CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA INTRODUÇÃO ¹ Elias Barbosa de Lima filho ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ eliasbarbosalima141@gmail.com

Leia mais

OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA

OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br OBJETIVO GERAL DA

Leia mais

Inglês Prova 21 2016. 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº17/2016, de 4 de abril) 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação

Inglês Prova 21 2016. 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº17/2016, de 4 de abril) 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês Prova 21 2016 PROVA ESCRITA E ORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO. Professora Leatrice Ferraz leaferraz@gmail.com

LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO. Professora Leatrice Ferraz leaferraz@gmail.com LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO Professora Leatrice Ferraz leaferraz@gmail.com A COMUNICAÇÃO HUMANA A COMUNICAÇÃO HUMANA COMUNICAR vem do latim communicare, que significa participar, fazer, saber, tornar comum.

Leia mais

Ano Letivo 2014/2015. Introdução INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS. 1ª e 2ª Fase. Prova 21 2015

Ano Letivo 2014/2015. Introdução INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS. 1ª e 2ª Fase. Prova 21 2015 Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 1ª e 2ª Fase Prova 21 2015 9ºAno/3.º Ciclo do Ensino Básico Prova Escrita/Oral Introdução O presente documento visa divulgar as

Leia mais

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO INGLÊS Maio de 2016. 5.º Ano 2.º Ciclo do Ensino Básico

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO INGLÊS Maio de 2016. 5.º Ano 2.º Ciclo do Ensino Básico MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO INGLÊS Maio de 2016 Prova de 2016 5.º Ano 2.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as caraterísticas da prova extraordinária

Leia mais

A concepção do evento em verbos icônicos representativos na língua de sinais brasileira (Libras)

A concepção do evento em verbos icônicos representativos na língua de sinais brasileira (Libras) A concepção do evento em verbos icônicos representativos na língua de sinais brasileira (Libras) Bruno Gonçalves CARNEIRO; Christiane Cunha de OLIVEIRA PG / FL / UFG. Email: brunotoca@yahoo.com.br Palavras-chave:

Leia mais

E-Learning Uma estratégia para a qualidade do ensino/aprendizagem. Ensino a Distância

E-Learning Uma estratégia para a qualidade do ensino/aprendizagem. Ensino a Distância E-Learning Uma estratégia para a qualidade do ensino/aprendizagem (num contexto académico) Vou dividir a minha apresentação sobre... em 3 partes: Conceito de e-learning Apresentar a intranet dos alunos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br. Injúria racial. Gilbran Queiroz de Vasconcelos. 1. Considerações iniciais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br. Injúria racial. Gilbran Queiroz de Vasconcelos. 1. Considerações iniciais BuscaLegis.ccj.ufsc.br Injúria racial Gilbran Queiroz de Vasconcelos 1. Considerações iniciais O crime de Injúria Racial está alocado no artigo 140, 3º, no Título I, capítulo V, da Parte Especial do Código

Leia mais

Inglês. COTAÇÕES (Parte II) Atividade A... 50 pontos. Atividade B... 50 pontos. Teste Intermédio de Inglês. Parte II Produção e interação escritas

Inglês. COTAÇÕES (Parte II) Atividade A... 50 pontos. Atividade B... 50 pontos. Teste Intermédio de Inglês. Parte II Produção e interação escritas Teste Intermédio de Inglês Parte II Produção e interação escritas Teste Intermédio Inglês Duração do Teste: 40 minutos (Parte II) 22.02.2013 9.º Ano de Escolaridade COTAÇÕES (Parte II) Atividade A... 50

Leia mais