Formador Residente, Maurício Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formador Residente, Maurício Ferreira"

Transcrição

1 A Compreensão do Oral A compreensão do oral consiste na atribuição de significado a cadeias fónicas produzidas de acordo com a gramática da língua. Formador Residente, Maurício Ferreira

2 Factores de compreensão Envolve a recepção e decifração de mensagens com recurso aos registos da memória. Depende da extensão e diversidade do vocabulário passivo e da complexidade sintáctica que a criança detém.

3 Saber ouvir exige: Estar atento ao que se diz; Identificar o essencial da mensagem; Apreender o fio condutor da exposição; Identificar os argumentos utilizados; Identificar os pontos críticos dos argumentos; Ser capaz de intervir na discussão desses pontos; Expor a sua opinião sobre a mensagem escutada.

4 Expressão oral É a capacidade para produzir cadeias fónicas dotadas de significado e conformes à gramática da língua. Envolve: - O planeamento mental do que se pretende dizer (pensar no que se vai dizer). - A formatação linguística do enunciado (modelo de frases a utilizar: interrogativas, exclamativas..). - A execução articulatória do enunciado.

5 Fomentar o desenvolvimento da Algumas estratégias: expressão oral. - A organização do espaço; - Tomar a palavra; - Jogos de papéis discursivos; - Meios estilísticos.

6 A organização do espaço A realização de actividades de produção oral requer que os alunos estejam face a face, pois o olhar recíproco faz parte das estratégias interactivas. A proxémica, ou utilização do espaço, determina a facilidade e eficácia da comunicação em presença. Assim como uma postura corporal correcta facilita uma boa colocação da voz e uma boa pronúncia das palavras.

7 Tomar a Palavra Numa actividade de discussão de um tema, quanto mais subjectivo e complexo for o motivo em discussão, mais margem haverá para interpretações e opiniões diferentes. Os objectos artísticos pintura, música, poesia, escultura, videoclip são os mais facilitadores da divergência de opiniões, do desenvolvimento do vocabulário expressivo e da sensibilidade de cada um.

8 Tomar a Palavra Programar a tomada de palavra pelos alunos: Como exemplo aleatório de actividade, sugere-se: se: - Projectar um quadro de pintor reconhecido. O professor dá indicações gerais sobre o pintor, a sua época e os traços mais comuns atribuídos à obra projectada.

9 Tomar a palavra Para organizar a intervenção dos alunos, distribuir a cada aluno um cartão com directrizes concretas: - Interromper o professor, delicadamente, para colocar uma questão. Ex.: Poderia explicar-me melhor qual é o objectivo desta tarefa?

10 Tomar a Palavra - Pedir um esclarecimento sobre o que ouviu Ex.: Poderia explicar-me o sentido da palavra, por favor? - Pedir para repetir. Professor (a), gostaria que repetisse a última palavra/frase, se não se importa. - Dar sinais de escuta (verbais). Ex.: sim ; com certeza ; estou a ouvir

11 Tomar a Palavra Dar sinais de escuta (não verbais). Ex.: simples gestos de cabeça; olhos atentos a quem fala; movimentos de cabeça (concordância ou discordância); levantar o dedo para pedir a palavra. - Dar exemplo um exemplo pessoal. Ex.: Eu conheço alguém que ; O meu vizinho tem um - Fazer um comentário. Ex.: é justamente por isso que ; sim, mas + ; é certo, mas a verdade é que

12 Tomar a Palavra - Dar opinião pessoal Ex.: Eu penso que ; A minha opinião é diferente, porque - Dirigir a palavra a um colega. Exs.: Essa é a tua opinião, mas O que achas de? ; Como é possível gostares de? Como explicas aquele.

13 Jogo de papéis discursivos 2ª - Escolhido um tema para debate, são atribuídas, a vários alunos, funções discursivas que eles deverão assumir com convicção. Tema: A interrupção da barragem no rio Coa / Construção da barragem do Sabor / Instalação de um parque eólico

14 Jogo de papéis discursivos Pressupõe preparação do tema Funções discursivas: 1. Iniciar o debate : apresentação de dados objectivos. 2. apresentar uma tese : a favor, com argumentos. 3. contrapor argumentos : posição contra.

15 Jogo de papéis discursivos 4. resumir vantagens e desvantagens de cada uma das posições. 5. apresentar síntese de discussão.

16 Jogo de papéis discursivos As tarefas discursivas podem rodar, sucessivamente, com diferentes conjuntos de alunos. Os que ficam de fora do debate, comentam a intervenção dos colegas, no final.

17 Meios linguísticos - Iniciar o debate: o Sabemos que está em discussão o plano de construção de o O Governo decidiu o Na sequência da decisão tomada o Conforme sabemos, decidiu-se o Tomámos conhecimento de que o Governo

18 Meios linguísticos Tomada de posição A favor: - Eu penso que - Eu creio que - Estou convencido de que - Do meu ponto de vista - É preciso dizer que - Quanto a mim

19 Meios linguísticos Objecção / posição contra: - Sim, mas - Talvez tenhas razão - É absurdo dizer que - Isso depende - Gostaria de chamar a atenção para -Discordo desse argumento porque -Não concordo com o porque Nunca gostei de

20 Meios linguísticos Resumir vantagens e desvantagens - Se de um lado dizem que do outro - Se é verdade que também parece certo que - enquanto para uns parece ser para outros - os defensores dizem os críticos afirmam

21 Meios linguísticos Síntese do debate - Depois de ouvirmos todas as opiniões - Ouvidos os participantes neste debate, parece - Face às opiniões destes intervenientes - Cumprimos o nosso dever cívico de participar na discussão de e - Vamos ouvir outros alunos e perceber se há outras posições sobre

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor)

Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) 1 Grelha de Avaliação Oral (a preencher pelo professor) Compreende as instruções do professor Compreende enunciados orais simples Compreende enunciados orais complexos Escuta atentamente COMPREENSÃO O

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO

DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO 3º Ciclo TEMA Metodologia de trabalho projecto Trabalho em grupo e trabalho individual Nome: Nº Turma: Metodologia de Trabalho Projecto Trabalho de projecto é uma metodologia

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Didáctica da Expressões Expressão Dramática Plano de sessão Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Sessão n.º 25 Idade

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO Escutar para aprender e construir conhecimentos LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO COMPREENSÂO DO ORAL Prestar atenção ao que ouve de modo a tornar possível: -apropriar-se de padrões de entoação e ritmo; - memorizar

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS SUB-UNIDADE/ MÓDULO Textos narrativos / descritivos Literatura de viagens/aventuras CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS º ANO A Ano Letivo: 204 / 205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

ACTIVIDADES PARA ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

ACTIVIDADES PARA ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS ACTIVIDADES PARA ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS ACTIVIDADE 1 Tempo previsível 60 minutos Recursos Necessários: Livro Assim Começa a Vida ; ficha nº12 COMO FAZER: Leitura do livro Assim Começa

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 3º CICLO LÍNGUA PORTUGUESA CEF - INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 1º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es):

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A lectivo:2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Inglês,, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos cinco as dos dois Ciclos, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

DOMÍNIOS PARÂMETROS OBJETIVOS PERFIL DE SAÍDA

DOMÍNIOS PARÂMETROS OBJETIVOS PERFIL DE SAÍDA TRANSVERSALID ADE (5%) ATITUDES E VALORES (15%) CONHECIMENTOS (80%) DEPARTAMENTO CURRICULAR DE LÍNGUAS ANO LETIVO 2014/2015 DOMÍNIOS PARÂMETROS OBJETIVOS COMPREENSÃO/ INTERAÇÃO /PRODUÇÃO ORAL LEITURA ESCRITA

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios/Competências Fatores de ponderação (testes/cotações) Instrumentos de avaliação Avaliação Global (avaliação sumativa) Compreensão oral

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês - Prova Escrita e Prova Oral 2016 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho) O presente documento

Leia mais

Comunicação. Prof. Leonardo de Barros Pinto

Comunicação. Prof. Leonardo de Barros Pinto Prof. Leonardo de Barros Pinto Programa do curso CONTEÚDO Momento 1: Organizacional e Interpessoal Momento 2: Apresentações Apresentações 1. Seminário 2. Palestra 3. Painel 4. Fórum 5. Simpósio 6. Workshop

Leia mais

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º Domínios Objetivos Instrumentos de avaliação Peso Domínio Intercultural Compreensão / Listening Interação Leitura / Reading e Escrita / Writing - Conhecer-se a si e ao outro. - Conhecer o dia a dia na

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

CONTEÚDOS: Os conteúdos abordados serão os mesmos da prova escrita.

CONTEÚDOS: Os conteúdos abordados serão os mesmos da prova escrita. MATRIZ DA PROVA ESCRITA OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: O aluno. compreende globalmente um texto autêntico; selecciona informação relevante; aplica vocabulário pertinente e variado; usa correctamente estruturas

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

O método interrogativo. António Rosado

O método interrogativo. António Rosado O método interrogativo António Rosado O método Interrogativo Baseia-se na aprendizagem com base em perguntas feitas ao formando e posterior correcção do formador. Método demorado e muito exigente. Pode

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

Programa de Português 3º Ano

Programa de Português 3º Ano Programa de Português 3º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação. Atividades de planeamento de produções orais: grelhas

Leia mais

Testes de diagnóstico de Português. Fausto Caels

Testes de diagnóstico de Português. Fausto Caels Testes de diagnóstico de Português Língua Não Materna Fausto Caels Equipa Grupo Língua e Diversidade Linguística ILTEC Maria Helena Mira Mateus Fausto Caels Nuno Carvalho Dulce Pereira (FLUL ILTEC) Ana

Leia mais

SITUAÇÃO DE USO Escolha de atividades físicas e aconselhamento e discussão sobre elas.

SITUAÇÃO DE USO Escolha de atividades físicas e aconselhamento e discussão sobre elas. UNIDADE: Quero perder uns quilinhos / Brasil SITUAÇÃO DE USO Escolha de atividades físicas e aconselhamento e discussão sobre elas. EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM - Reconhecer o recurso argumentação em propagandas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA Língua Estrangeira I- Inglês 5ºANO Oral / Listening Compreender sons, entoações e ritmos da língua. Leitura / Reading Compreender palavras, conceitos simples e frases isoladas. Compreender palavras, frases

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Formadora: Maria Antónia Branca

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA. Formadora: Maria Antónia Branca CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO DE FORMAÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA Formadora: Maria Antónia Branca Luanda, Janeiro de 2017 Este curso, a realizar pelo Centro de Formação e

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Praticante Sonia Local: Núcleo de Arte Nise da Silveira Data: 5 de dezembro de 2013 Horário: 15:05 Duração da entrevista:

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO).

Analfabeto funcional é o sujeito incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e escrita em atividades cotidianas (UNESCO). Segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) Somente 26% dos brasileiros acima de 15 anos apresentam plenas habilidades de leitura e escrita; 74% dos brasileiros entre 15 e 64

Leia mais

Planificação Anual 2016/2017. PORTUGUÊS 11ºano Ensino Recorrente

Planificação Anual 2016/2017. PORTUGUÊS 11ºano Ensino Recorrente Planificação Anual 2016/2017 PRUGUÊS 11ºano nsino Recorrente Manual adotado: ntre Margens, Porto ditora 1º Período Módulo 4 SQUÊCIA SI-APRIZAGM º 1 Competência(s) visa(s) e comunicação: componentes linguística,

Leia mais

As normas devem seguir a seguinte sequência:

As normas devem seguir a seguinte sequência: Guia do trabalho de Recuperação Ensino Médio 2016 Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre. Paulo Freire Normas

Leia mais

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral REDAÇÃO Professor Moacir Cabral Redação (redigir/escrever): ação ou resultado de escrever com ordem e método. Tipos de texto: Narrativo Descritivo Dissertativo Qualidades fundamentais do texto Clareza:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÂO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 2º CICLO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA PONDERAÇÃO INSTRUMENTOS DE

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos GESTÃO de PROJECTOS para a maioria dos projectos Gestor de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia 1 atitude positiva dos clientes (empresa, alta direcção) inter-relações e empenho geral as fases de definição

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

como posso ser mais eficaz e persuasivo nas minhas comunicações?

como posso ser mais eficaz e persuasivo nas minhas comunicações? Programa 2016 como posso ser mais eficaz e persuasivo nas minhas comunicações? Porquê? Se já alguma vez teve que fazer uma apresentação, conhece bem a ansiedade inerente a falar em público, como o desconforto,

Leia mais

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança MBA LEADERSHIP Liderança DESCRIÇÃO Cada vez mais, a liderança assume um papel preponderante no dia-a-dia das nossas empresas. O sucesso de uma equipa está dependente da capacidade de liderança do seu líder.

Leia mais

Reuniões de equipa. Estas reuniões possibilitam que se partilhem pontos de vista, que em conjunto se procurem soluções e se definam prioridades.

Reuniões de equipa. Estas reuniões possibilitam que se partilhem pontos de vista, que em conjunto se procurem soluções e se definam prioridades. Reuniões de equipa Para que se possa caracterizar o perfil de funcionalidade de cada aluno nos seus contextos de vida é importante que se reúnam professores e pais, e sempre que necessário outras pessoas

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE INGLÊS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE INGLÊS - 9.º ANO DE INGLÊS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No final do 9.º ano, o aluno deve ser capaz de: compreender as questões principais, quando é usada uma linguagem clara e estandardizada e os assuntos

Leia mais

Objeto de avaliação. Caracterização da prova. Material. Duração. Critérios gerais de classificação. Objeto de avaliação

Objeto de avaliação. Caracterização da prova. Material. Duração. Critérios gerais de classificação. Objeto de avaliação Escola S/3 Arquitecto Oliveira Ferreira (Cód. 403337) INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Espanhol - Nível de Iniciação PROVA 15 2016 3º Ciclo do Ensino Básico (Despacho normativo 24-A /2012

Leia mais

Checklist (por referência à CIF)

Checklist (por referência à CIF) Checklist (por referência à CIF) I Perfil de Funcionalidade Funções do Corpo Nota: Assinale com uma cruz (X), à frente de cada categoria, o valor que considera mais adequado à situação de acordo com os

Leia mais

Capítulo 1 1ª Fase Objectivos e Conteúdos

Capítulo 1 1ª Fase Objectivos e Conteúdos Capítulo 1 1ª Fase Objectivos e Conteúdos 1.1 Objectivos Após a primeira fase do ICCLE (sigla inglesa para Curriculum Internacional para o Ensino da Língua Chinesa) os estudantes compreendem definições

Leia mais

Objectivos / Competências Conteúdos Descrição dos Domínios de referência: Unidades temáticas

Objectivos / Competências Conteúdos Descrição dos Domínios de referência: Unidades temáticas MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/07, DE 29 DE OUTUBRO ESPANHOL NÍVEL DE INICIAÇÃO 10º ANO (Cursos Científicos- Humanísticos Decreto Lei nº 74/04, de 26 de Março)

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril)

3º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Nível 5 2016 Prova 21 / 2016 1ª e 2ª Fase 3º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico, Metas Curriculares de Português do Ensino Básico

Leia mais

IMAGENS CONTRA A CORRUPÇÃO CONCURSO NACIONAL DE VÍDEOS 2015/16

IMAGENS CONTRA A CORRUPÇÃO CONCURSO NACIONAL DE VÍDEOS 2015/16 IMAGENS CONTRA A CORRUPÇÃO CONCURSO NACIONAL DE VÍDEOS 2015/16 Tema Imagens Contra a Corrupção Tipo Concurso de vídeos de Curta duração Público-alvo Alunos dos Escolas do 2º e 3º ciclo e do Ensino Secundário

Leia mais

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês Aprender a ser / Aprender a viver com os outros Pilar de Aprendizagem Aprender a conhecer / Aprender a fazer CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de 2.º Ciclo ED. SETEMBRO DE 2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ESPANHOL 1ª e 2ª fase de 2014

ESPANHOL 1ª e 2ª fase de 2014 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL 1ª e 2ª fase de 2014 Prova 15 2014 9ºano de Escolaridade - 3.º Ciclo do Ensino Básico PROVA ESCRITA 50% 1. Objeto de avaliação, características e

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano

DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 8º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Promover o pensamento de uma forma criativa e crítica, relacionando evidências e explicações, confrontando diferentes

Leia mais

SESSÃO 1 - CONTRATO CONTRATO

SESSÃO 1 - CONTRATO CONTRATO SESSÃO 1 - CONTRATO CONTRATO Porque acho importante aprender a dar-me melhor com os outros e aprender a resolver os meus problemas, vou participar neste programa. O/A professor/a, através da realização

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS

1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 1. INTRODUÇÃO As Mostras de Artes e Ofícios, são uma iniciativa da AARL Associação dos Artesãos da Região de Lisboa que se realizam com carácter pontual ou regular. As Mostras congregam várias actividades

Leia mais

Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no

Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no 1 Porto, membro do grupo de investigação em Espiritualidade da UCP 2 Mas então quando comecei a ver o programa

Leia mais

antropologia & cultura

antropologia & cultura antropologia & cultura carlos joão correia estudos africanos filosofia artes & humanidades 2011-2012/2ºsemestre Dopamina Serotonina Acetilcolina Glutamato Opiáceos (ex: endorfinas) Noradrelanina... a presença

Leia mais

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Conteúdos Metodologias e técnicas de identificação de necessidades de formação, em função dos diversos públicos-alvo; Metodologias e técnicas de concepção de programas de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1 /

Leia mais

Objectivos / Competências Conteúdos Descrição dos itens

Objectivos / Competências Conteúdos Descrição dos itens MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/07, DE 29 DE OUTUBRO ESPANHOL NÍVEL DE INICIAÇÃO 12.º ANO (Cursos Científicos- Humanísticos Decreto Lei nº 74/04, de 26 de Março)

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Critérios de Avaliação Português 1º ciclo

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Critérios de Avaliação Português 1º ciclo Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Critérios de Avaliação Português 1º ciclo Domínios Ponderação (80%) Operacionalização/Indicadores Instrumentos de avaliação Oralidade

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

Português Oralidade Escutar para aprender e construir conhecimentos.

Português Oralidade Escutar para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 3º Ano Português Oralidade Escutar para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir discursos com diferentes finalidades, tendo em conta a situação

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA

Plano Anual de Atividades 2014/2015 CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE SÃO PEDRO DE LOUSA Mês Temas/conteúdos Atividades Objetivos gerais Intervenientes Espaço -Início do Ano Escolar; -Recepção dos Alunos. - Atividades de grupo; -Acolhimento e receção

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Informação Prova de Equivalência à Frequência Disciplina Prova 06 2014 Inglês 2.º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova Duração Escrita e Oral 90 minutos + 15 minutos O presente documento divulga informação

Leia mais

PLANEJAMENTO Julho. Professor (a): Janete Neusa Perin NOME DO LIVRO: Objetivo geral:

PLANEJAMENTO Julho. Professor (a): Janete Neusa Perin NOME DO LIVRO: Objetivo geral: PLANEJAMENTO Julho NOME DO LIVRO: Estratégias de outras áreas do conhecimento A BRUXA SALOMÉ Leitura e escrita; Oralidade; Dias da Semana; Rimas. -Desenvolver o gosto pela leitura, valorizando a como fonte

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL COMPETÊNCIAS GERAIS Compreensão oral / Leitura o Antecipar significados o Distinguir diferentes tipos de texto o Apreender sentidos explícitos o Inferir sentidos implícitos o Distinguir factos de opiniões

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CIENTIFICO HUMANÍSTICO

ENSINO SECUNDÁRIO CIENTIFICO HUMANÍSTICO Escola Secundária Dr. Solano de Abreu Abrantes ENSINO SECUNDÁRIO CIENTIFICO HUMANÍSTICO DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 11ª ANO LETIVO 2012/2013 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações.

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO DE PORTUGUÊS 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 8.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes graus de formalidade, finalidade

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Cidadania e Mundo Atual ANO: 7º TURMA: A ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Empregabilidade: comunicação e relações pessoais AULAS PREVISTAS:

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas)

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas) CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Língua Portuguesa

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO

ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO ENSINO SECUNDÁRIO / PROFISSIONAL À DESCOBERTA DO MODELO DE NEGÓCIO Ensino Secundário / Profissional Breve descrição Esta atividade pretende aprofundar um pouco o tema Modelos de Negócio e ajudar os alunos

Leia mais

A importância da Comunicação na Negociação

A importância da Comunicação na Negociação Nem sempre o que se pretende falar é o que de fato é falado. E pior, nem sempre o que é falado é o que de fato é entendido. Anônimo. A importância da Comunicação na Negociação - A habilidade de entender

Leia mais

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Horácio Bento de Gouveia Ano Lectivo 20 /20 PLANO DE RECUPERAÇÃO Despacho Normativo nº50/2005 Aluno: Nº

Leia mais

F M H ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO. Ano Lectivo 2009/2010 OBJECTIVOS:

F M H ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO. Ano Lectivo 2009/2010 OBJECTIVOS: Ano Lectivo 2009/2010 F M Recursos Humanos H ANÁLISE DO FLUXO DE TRABALHO OBJECTIVOS: Analisar o fluxo de trabalho, identificando as entradas, as actividades e as saídas na produção de bens e serviços;

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS Nº HORAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. (30 x 45 ) Windows XP Office 2003 Internet Explorer

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS Nº HORAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. (30 x 45 ) Windows XP Office 2003 Internet Explorer PROFESSORES: Vasco Travassos /Alexandra Aragão *** GRUPO DISCIPLINAR: INFORMÁTICA [550] Módulo 1 - Introdução aos Sistemas Operativos Funções e características de um SO. Processos concorrentes. O Núcleo

Leia mais

Prémio Jovens Talentos Braga 16. Edição Braga 16 Capital Ibero-americana de Juventude. Regulamento

Prémio Jovens Talentos Braga 16. Edição Braga 16 Capital Ibero-americana de Juventude. Regulamento Prémio Jovens Talentos Braga 16 Edição Braga 16 Capital Ibero-americana de Juventude Regulamento 1. Introdução O presente concurso tem como objetivo estimular o aparecimento e divulgar os novos talentos

Leia mais

Desde a sua construção, há cinco anos. O lar funciona há 4 anos. 1. Sou Vice-Provedor. Conforme os projectos, a minha intervenção varia.

Desde a sua construção, há cinco anos. O lar funciona há 4 anos. 1. Sou Vice-Provedor. Conforme os projectos, a minha intervenção varia. Entrevista A19 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Desde a sua construção, há cinco anos. O lar funciona há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Sou Vice-Provedor. Conforme os projectos,

Leia mais

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos. 3/6/5AD836_1.jpg

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos.  3/6/5AD836_1.jpg Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos http://images.quebarato.com.br/photos/thumbs/ 3/6/5AD836_1.jpg Olá, Pessoal, Vamos acompanhar mais uma aula da prof. Alessandra. Hoje falaremos sobre alguns gêneros

Leia mais

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades. Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado

Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades. Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado 9. Apêndices 47 Apêndice 1 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pinhal de Frades Questionário sobre actividades a desenvolver no Estudo Acompanhado Colega, O Estudo Acompanhado é uma área destinada a apoiar

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

Disciplina: ECONOMIA 1/7 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO CONTEÚDOS. Módulo 1 - A Economia e o Problema Económico

Disciplina: ECONOMIA 1/7 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO CONTEÚDOS. Módulo 1 - A Economia e o Problema Económico Módulo 1 - A Economia e o Problema Económico 1. A Economia no contexto das ciências sociais 2. O objecto de estudo da Economia 2.1. O problema económico e a necessidade de efectuar escolhas 2.2. O custo

Leia mais

Portfolio MEEC 1. Portfolio MEEC. J. Miranda Lemos. Professor Catedrático do IST 2014/2015

Portfolio MEEC 1. Portfolio MEEC. J. Miranda Lemos. Professor Catedrático do IST 2014/2015 Portfolio MEEC 1 Portfolio MEEC J. Miranda Lemos Professor Catedrático do IST 2014/2015 Portfolio MEEC 2 Aula 1 Apresentação da unidade curricular Objectivos Apresentação dos objectivos, conteúdo, organização

Leia mais

PERFIL DE DESEMPENHO. PRÉ-ESCOLAR 4 anos

PERFIL DE DESEMPENHO. PRÉ-ESCOLAR 4 anos PRÉ-ESCOLAR 4 anos O aluno deverá ser capaz de: ÁREAS DE CONTEÚDO DOMÍNIO/COMPONENTES DESCRITOR Construção da identidade e autoestima - Saber dizer o seu nome próprio e a sua idade - Verbalizar as necessidades

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para obter mais informações ou serviços, envie para: ou visite:

INTRODUÇÃO. Para obter mais informações ou serviços, envie  para: ou visite: MUESTRA AMOSTRA INTRODUÇÃO Fazendo Chinês Fácil para Crianças, reconhecido como um dos melhores materiais de aprendizagem de chinês em todo o mundo, é publicado pelo Hong Kong s prestigious Joint Publishing

Leia mais

O Ensino da Leitura. A aprendizagem de estratégias de compreensão e de interpretações textuais. Formador Residente, Maurício Ferreira

O Ensino da Leitura. A aprendizagem de estratégias de compreensão e de interpretações textuais. Formador Residente, Maurício Ferreira O Ensino da Leitura A aprendizagem de estratégias de compreensão e de interpretações textuais. Formador Residente, Maurício Ferreira Compreensão da leitura Ler é compreender, obter informação, aceder ao

Leia mais

DISCIPLINA: INGLÊS CÓDIGO DA PROVA: 367. Ensino Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º

DISCIPLINA: INGLÊS CÓDIGO DA PROVA: 367. Ensino Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º DISCIPLINA: INGLÊS CÓDIGO DA PROVA: 367 Ensino Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do ensino secundário da disciplina

Leia mais

Como estudar a partir de textos?

Como estudar a partir de textos? Como estudar a partir de textos? Existem vários tipos de textos informativos: Estruturas-tipo dos textos informativos Conteúdos É um tipo de texto que fornece informações Descrição específicas sobre qualidades

Leia mais

NA GAVETA DA MEMÓRIA...

NA GAVETA DA MEMÓRIA... NA GAVETA DA MEMÓRIA... Adâni Corrêa Daniela Bortolon Uma vida sem memória, não é uma vida. Luis Buñel. 1) Leituras escolhidas e justificativa da escolha: # Gaveta dos guardados, Iberê Camargo; # Obras

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento Ciências Sociais e Humanas Grupos: 200; 400; 410; 420; 430; 530 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Português- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente

Leia mais