PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I"

Transcrição

1 PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I

2 INTRODUÇÃO - PATOLOGIA QUE SE DESENVOLVE À UM QUADRO DE ABDÔMEN AGUDO - DOR ABDOMINAL - GASTROINTESTINAL - OBSTRUTIVO OU NÃO - COM OU SEM ESTRANGULAMENTO VISCERAL - ALTA MORBIDADE E MORTALIDADE EM EQUINOS - MANEJO X ALIMENTAÇÃO - PARTICULARIDADES ANATÔMICAS E FISIOLÓGICAS ÊMESE X MESENTÉRIO X DIÂMETRO DO CÓLON MAIOR

3 PARTICULARIDADES ANATÔMICAS ANATOMIA

4 PREDISPOSIÇÃO CONDICIONAMENTO - ESTABULAÇÃO DO ANIMAL 60% PASTEJO 15% PASTEJO PRIVAÇÃO DA LIBERDADE = DESCONFORTO/SOFRIMENTO/DOR/ESTRESSE

5 PREDISPOSIÇÃO - FATORES DE RISCO: MUDANÇAS ALIMENTARES BRUSCAS TRANSPORTE ANIMAL LEILÕES E EXPOSIÇÕES DIMINUIÇÃO/VARIAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA ALIMENTAÇÃO RICA EM CONCENTRADO CONSUMO RÁPIDO DE ALIMENTAÇÃO PRIVAÇÃO DE ÁGUA MUDANÇAS SÚBITAS DE ESTABLUAÇÃO VOLUMOSO/RAÇÃO DE MÁ QUALIDADE

6 ETIOLOGIA - CAUSAS: 1. DISFUNÇÃO INTESTINAL MAL FUNCIONAMENTO DO INTESTINO: COMPACTAÇÃO, PARALISIA, ESPASMOS, DISTENSÃO GASOSA, SABLOSE, ENTERÓLITOS 2. ACIDENTES INTESTINAIS ANATOMIA E CONFORMAÇÃO: ESTRANGULAMENTO, TORÇÃO, ISQUEMIA, DESLOCAMENTO, HÉRNIAS (CIRURGIAS EMERGENCIAIS) 3. ENTERITES E ULCERAÇÕES INFLAMAÇÕES, INFECÇÕES E LESÕES NO TRATO INTESTINAL: STRESS, DOENÇAS, SALMONELOSE, PARASITISMOS

7 SINTOMATOLOGIA - SINAIS CLÍNICOS: PISOTEIOS REPETIDOS COM OS MEMBROS PÉLVICOS OLHAR PARA O FLANCO DISTENSÃO ABDOMINAL COICEAMENTO DO ABDÔMEN POSIÇÃO DE MICÇÃO POSIÇÃO DE CÃO SENTADO, MOVIMENTOS DE DEITAR-SE OU ROLAR-SE QUADRO DE CHOQUE E SEPTICEMIA DESIDRATAÇÃO, SUDORESE HALO ENDOTOXÊMICO, ALTERAÇÕES CARDÍACAS E RESPIRATÓRIAS, MUCOSAS CONGESTAS (COR DE TIJOLO), TPC AUMENTADO

8 SINTOMATOLOGIA

9 SINTOMATOLOGIA HALO ENDOTOXÊMICO

10 FISIOPATOLOGIA COMPACTAÇÃO DE CÓLON MAIOR: REPRESENTA 40% DA INCIDÊNCIA OCASIONADO POR MUDANÇAS ALIMENTARES (CONCENTRADO X VOLUMOSO) RESTRIÇÃO E QUALIDADE DA ÁGUA FENO DE MÁ QUALIDADE VERDE OU VOLUMOSO É PICADO EM PARTÍCULAS GRANDES APETITE DEPRAVADO (APÓS JEJUM DE CIRURGIAS) ODONTOPATIAS (FRATURAS, CÁRIES, PONTAS...) INGESTÃO DE CAMA PALATÁVEL (RESTRIÇÃO ALIMENTAR) INTOXICAÇÃO POR AMITRAZ (PARALISIA DO INTESTINO)

11 FISIOPATOLOGIA QUALIDADE DO ALIMENTO X DESIDRATAÇÃO AUMENTA A REABSORÇÃO DE ÁGUA NO INTESTINO RESSECAMENTO E ENGROSSAMENTO DO CONTEÚDO INTESTINAL PROGRESSÃO COMPACTAÇÃO DO ALIMENTO NO CÓLON MAIOR (ANATOMIA)

12 FISIOPATOLOGIA - PATOGENIA QUALIDADE DO ALIMENTO X PARALISIA INTESTINAL DIMINUI O TRÂNSITO DO ALIMENTO (DISTENSÃO) INSENSIBILIDADE INTESTINAL AO PERISTALTISMO DOR (CÓLICA)

13 FISIOPATOLOGIA ENTERÓLITOS - CÁLCULOS INTESTINAIS ENCONTRADO NO INTESTINO GROSSO - SE FORMAM EM MESES OU ATÉ MESMO ANOS -SÃO CONSTITUÍDOS POR MAGNÉSIA, AMÔNIO E CRISTAIS DE FOSFATO (ESTRUVITA) - AMÔNIO É PRODUZIDA EM GRANDES QUANTIDADES NO CÓLON MAIOR E FOSFATOS E MAGNÉSIO SÃO CONSITUINTES CONSTANTES NA ALIMENTAÇÃO DE EQUINOS -AFETA COMUMENTE O CÓLON TRASNVERSO E CÓLON MENOR (QUALQUER PARTE DO IG) - ESFÉRICOS E TETRAÉDRICOS (ÚNICOS OU MÚLTIPLOS) - AFETAM ANIMAIS ENTRE 4 E 10 ANOS - ACÚMULAM PELA INGESTA DE MATERIAIS NÃO DIGERÍVEIS (METAIS OU PEDRAS) - CAUSA DE OBSTRUÇÃO INTESTINAL (PARCIAL OU TOTAL) - LESÃO DA PAREDE INTESTINAL

14 FISIOPATOLOGIA FONTE: ARAÚJO, 2006 ENTERÓLITOS

15 FISIOPATOLOGIA SABLOSE - ACÚMULO DE AREIA NO TRATO INTESTINAL DE EQUINOS - INGESTÃO DE ÁGUA SALOBRA OU EM AREIA NO ALIMENTO - QUADROS DE CÓLICAS - CÓLON VENTRAL, FLEXURA PÉLVICA E CÓLON TRANSVERSO - EXAME DE FEZES (RESULTADO)

16 FISIOPATOLOGIA PARASITISMO - ALTAS INFESTAÇÕES POR HELMÍNTOS PODEM OCASIONAR OBSTRUÇÃO DO TRATO GASTROINTESTINAL - S. Vulgaris - CORPO RETILÍNEO E RÍGIDO, CINZA ESCURO COM COROA FRANJADA - INGESTÃO DE L3 EM ÁGUAS E PASTAGENS CONTAMINADAS - ELIMINAÇÃO DE OVOS NAS FEZES (CAMAS FAVORECEM) - A FASE ADULTA ENCONTRA-SE NO IG (CECO) - AS LARVAS SE ENCONTRAM DISSEMINADAS NA CIRCULAÇÃO E NOS LINFONODOS REGIONAIS (TROMBOEMBOLISMO, OBSTRUÇÃO VASCULAR ISQUEMIA)

17 FISIOPATOLOGIA ENCARCERAMENTO / ESTRANGULAMENTO - DECORRENTES DE HÉRNIAS - CAVIDADES CORPÓREAS (NEFROESPLÊNICO, EPIPLÓICO, LIGAMENTO GASTROESPLÊNICO OU LARGO DO ÚTERO) - O ESPAÇO NEFROESPLÊNICO É LIMITADO PELO RIM ESQUERDO, PELO LIG. ESPLENORENAL, BAÇO E TECIDO SUBLOMBAR. - OCORRE QUANDO HÁ DESLOCAMENTO VENTRAL DO ESTÔMAGO E DO BAÇO

18 FISIOPATOLOGIA VÓLVULO/TORÇÃO INTESTINAL - COMUM EM EQUINOS, 4.7% DAS CÓLICAS - JEJUNO E ÍLEO - PRIMÁRIO: HIPERMOTILIDADE DE UM SEGMENTO SOB OUTRO SEGMENTO PARALISADO - SECUNDÁRIO: ENCARCERAMENTO (HÉRNIAS CORPÓREAS) - ESPIRAL OU NODULOSO (NÓ) - EVOLUÇÃO PARA NECROSE COM A CRONICIDADE - PROXIMAIS AOS INTESTINOS PODEM PRODUZIR DISTENSÃO GÁSTRICA

19 FISIOPATOLOGIA

20 FISIOPATOLOGIA INTUSSUSCEPÇÃO - COMUM EM EQUINOS JOVENS - PORTE PEQUENO E FÊMEAS - HIPERMOTILIDADE INTESTINAL (ILEOILEAIS) - EPISÓDIOS DE CÓLICAS RECORRENTES - TAMANHO DO SEGMENTO PODE VARIAR

21 DIAGNÓSTICO - SINAIS CLÍNICOS X ANAMNESE X EXAME FÍSICO - PALPAÇÃO RETAL - EXAMES LABORATORIAIS - HEMOGRAMA / BIOQUÍMICOS - ULTRASSONOGRAFIA - EXAME CONTEÚDO GÁSTRICO - EXAME DE FEZES

22 TRATAMENTO - MÉDICO X CIRÚRGICO SONDAGEM NASOGÁSTRICA POR QUÊ? DICAS: FLEXÃO DA CABEÇA, NÃO USAR XILOCAINA, CACHIMBO, SOPRO, FLEXIBILIDADE E CALIBRE DA SONDA, REFLUXO E ODOR

23 TRATAMENTO TRATAMENTO MÉDICO X TRATAMENTO CIRÚRGICO - MÉDICO INDICADO EM QUADRO INICIAL DESDE QUE NÃO EMERGENCIAL - SITUAÇÕES QUE SÓ PODEM SER CORRIGIDAS CIRURGICAMENTE (ÉNTERÓLITOS, INTUSSUSCEPÇÃO, VÓLVULO/TORÇÃO, ENCARCERAMENTO, ESTRANGULAMENTO, SABLOSE??? COMPACTAÇÃO DE CÓLON???? - MEDICAMENTOS: - FLUIDOTERAPIA PARA COMBATER A DESIDRATAÇÃO - HIDRATAÇÃO ORAL (10 LITROS/30 MINUTOS) - ANALGESIA: FLUNIXIM MEGLUMINE 0.5 A 1.1MG/KG FENILBUTAZONA 4.4 MG/KG DIPIRONA SÓDICA 25MG/KG XILAZINA? 0.5 A 1MG/KG

24 TRATAMENTO - LAXANTES: ÓLEO MINERAL? 20MG/KG VO DIOCTIL SULFOSUCCINATO DE SÓDIO - CÁLCIO INTRAVENOSO - ANTIBIOTICOTERAPIA X ANTIBIOTICOPROFILAXIA - TROCARTERIZAÇÃO DO CECO E DO CÓLON???? - TRATAMENTO CIRÚRGICO - ENTEROTOMIA - ENTERECTOMIA E ENTEROANASTOMOSE - CORREÇÃO ANATÔMICA - HERNIOPLASTIA

25 TRATAMENTO

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados CONCEITOS E DEFINIÇÕES HÉRNIAS ABDOMINAIS INTERNAS Passagem de conteúdo abdominal por um orifício interno

Leia mais

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.br SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Celiotomia Celi; celio: do grego koilía =abdome.

Leia mais

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO:

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: EM PEQUENOS ANIMAIS PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: Saída de uma víscera de seu local de origem através de um anel herniário PARTES DE UMA HÉRNIA: Anel herniário Saco herniário:

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência Caso Clínico Paciente sexo feminino, 68 anos, comparece à unidade de emergência queixando-se de dor e distensão

Leia mais

Patologia Clínica e Cirúrgica

Patologia Clínica e Cirúrgica V e t e r i n a r i a n D o c s Patologia Clínica e Cirúrgica Prolapso Retal Definição É uma enfermidade caracterizada pela protrusão de uma ou mais camadas do reto através do ânus. Ele pode ser parcial

Leia mais

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES Prof. Valentim A. Gheller Escola de Veterinária da UFMG INTRODUÇÃO Abordar todas as afecções passíveis de resolução cirúrgica no sistema digestivo

Leia mais

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ABDOME - AP Estruturas ósseas visualizadas íntegras. Distribuição normal de gases e fezes pelas alças intestinais. Ausência de imagens radiológicas sugestivas de cálculos urinários

Leia mais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais - Princípios cirúrgicos básicos: assepsia/antissepsia; pré, trans e pós-operatório; instrumentação cirúrgica; fundamentos em esterilização

Leia mais

Discussão de Caso Clínico. Módulo de Sistema Digestório

Discussão de Caso Clínico. Módulo de Sistema Digestório Discussão de Caso Clínico Módulo de Sistema Digestório 2014.2 Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 64 anos, aposentado, casado e caucasiano. Procurou serviço de emergência com queixas de dor de barriga

Leia mais

Síndrome Cólica em Equinos.

Síndrome Cólica em Equinos. Data: Janeiro /2008 Síndrome Cólica em Equinos. Introdução Entre as espécies domésticas, os eqüinos são os que apresentam uma forma mais freqüente de quadros de síndrome cólica de origem digestiva. A razão

Leia mais

SÍNDROME CÓLICA EQUINA REVISÃO DE LITERATURA. MARIANO, Renata Sitta Gomes Acadêmico do curso de Medicina Veterinária da FAMED

SÍNDROME CÓLICA EQUINA REVISÃO DE LITERATURA. MARIANO, Renata Sitta Gomes Acadêmico do curso de Medicina Veterinária da FAMED SÍNDROME CÓLICA EQUINA REVISÃO DE LITERATURA MARIANO, Renata Sitta Gomes PACHECO, Alessandro Mendes HAMZÉ, Abdul Latif ABILIO, Alexandre Faria AVANZA, Marcel Ferreira Bastos Docente do curso de Medicina

Leia mais

ABDÔMEN AGUDO EQUINO

ABDÔMEN AGUDO EQUINO ABDÔMEN AGUDO EQUINO BERMEJO, Vanessa Justiniano ZEFERINO, Claudia Garcia GIMENES, Tiago Favaro Discentes do Curso de Medicina Veterinária FAMED SP vanessabriba@hotmail.com AVANZA, Marcel Ferreira Bastos

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares Doença Diverticular Fisiopatologia Estrutural - Parede cólica: mucosa, submucosa muscular - circular - longitudinal - Teniae coli serosa - Falsos divertículos - Hipertrofia da camada muscular: da elastina

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTIVO DOS BOVINOS. Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha EV-UFG

EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTIVO DOS BOVINOS. Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha EV-UFG EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTIVO DOS BOVINOS Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha EV-UFG Estruturas de proteção dos bezerros lactentes Goteira esofágica Impede redução indesejada dos componentes do leite

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA. Enfermagem na Atenção Básica Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA. Enfermagem na Atenção Básica Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA Enfermagem na Atenção Básica - 2015 Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo IRAS NA INFÂNCIA IRAs Principal motivo de consulta e de hospitalização (30

Leia mais

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino

Esplancnologia. Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino. Sentido lato Vascular endócrino Esplancnologia Estudo das vísceras: órgãos internos ( splanchnon) Sentido restrito Digestivo Respiratório Urinário Genital masculino Genital feminino + Sentido lato Vascular endócrino Arquitetura funcional

Leia mais

Alterações no Trato Urinário

Alterações no Trato Urinário Alterações no Trato Urinário PPCSA Profª Daniele C D Zimon Profª Adriana Cecel Guedes Aparelho Urinário Rim Infecções do Trato Urinário As infecções do trato urinário (ITUs) são causadas por micoorganismos

Leia mais

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 Médico Veterinário Renato G Santos Esp. Clínica, Cirurgia e Reprodução de Grandes Animais Esp. Bovinocultura Leiteira Esp. Nutrição de Ruminantes O exame físico geral

Leia mais

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho NÁUSEAS VÔMITOS DOR ABDOMINAL LEUCOCITOSE ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Raro 1/500 Diagnóstico Difícil: Sinais e Sintomas Fisíológicos Alterações Anatômicas e

Leia mais

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas Anatomia Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Sistema Nervoso Central (SNC) Cérebro Medula espinhal Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos Cranianos Nervos Espinhais Fisiologia

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Doença Diverticular do Cólon

Doença Diverticular do Cólon Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Doença Diverticular do Cólon Prof. Dr. João Gomes Netinho Disciplina de Coloproctologia Hospital de Base - FAMERP Doença Diverticular do Cólon Conceito Considerações

Leia mais

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados RISCO CIRÚRGICO = INFECÇÃO 1. ÁREAS CIRÚRGICAS 2. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

Objetivo. Exame contrastado do trato gastrointestinal Baixo. Indicações 01/04/2011. Anatomia do Jejuno

Objetivo. Exame contrastado do trato gastrointestinal Baixo. Indicações 01/04/2011. Anatomia do Jejuno Objetivo Exame contrastado do trato gastrointestinal Baixo O objetivo do exame de Trânsito Intestinal é estudar a forma e a função dos seus três componentes (Duodeno, jejuno e íleo), bem como detectar

Leia mais

Tetania da. Lactação e das. Pastagens

Tetania da. Lactação e das. Pastagens Tetania da Lactação e das Pastagens Tetania da Lactação e das Pastagens Hipomagnesemia Conjunto de fatores: Desequilíbrio da ingestão e excreção de Mg Estresse - esteróides endógenos Cátions com ação neuromuscular

Leia mais

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO ANAMNESE - 1º PASSO SABAA Caracterização da dor abdominal: Evolução (início e duração) Localização Irradiação Intensidade e tipo Agravo Alivio

Leia mais

BOTULISMO EM CÃES - RELATO DE CASO

BOTULISMO EM CÃES - RELATO DE CASO BOTULISMO EM CÃES - RELATO DE CASO SALVARANI, Renata de Sá ALVES, Maria Luiza SUZUKI, Érika Yuri Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - FAMED - Garça - São Paulo ZAPPA, Vanessa Docente

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO Dario A. Tiferes dario.tiferes@fleury.com.br ABDOME AGUDO Apendicite Colecistite Diverticulite Colites pancreatite Ileítes (DII) Apendagite Doença péptica Isquemia intestinal

Leia mais

APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O QUE É APENDICITE E PORQUE OCORRE

APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O QUE É APENDICITE E PORQUE OCORRE APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O apêndice vermiforme ou apêndice cecal é uma pequena extensão tubular, com alguns centímetros de extensão, terminada em fundo cego, localizado no ceco, primeira

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas:

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Molaxole pó para solução oral 2. COMPOSICÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: Macrogol

Leia mais

Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV

Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV 81 Curso de Laparoscopia Curso de Cirurgia Laparoscópica Urológica Parte IV Rui Lages*, Rui Santos** *Consultor de Urologia H. S. João de Deus Fão **Consultor de Urologia H. S.ta Isabel Marco de Canaveses

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS PARTE 2 Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

Leia mais

Anatomia e Fisiologia do apêndice cecal

Anatomia e Fisiologia do apêndice cecal APENDICITE AGUDA Histórico Descrita pela primeira vez por Lorenz Heister em 1755. Em 1827, Melin publicou artigo sobre inflamação aguda do apêndice, recomendado sua retirada cirúrgica. Anatomia e Fisiologia

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

Objetivo. Exame contrastado Urografia Excretora. Indicações 15/04/2011. Anatomia. Contra-indicação. Preparo do paciente

Objetivo. Exame contrastado Urografia Excretora. Indicações 15/04/2011. Anatomia. Contra-indicação. Preparo do paciente Objetivo Exame contrastado Urografia Excretora É o estudo radiológico contrastado dos rins, ureteres e bexiga e necessita de um ótimopreparo intestinal, na véspera do exame. Indicações Anatomia Cálculo

Leia mais

ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA

ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA Disciplina: Anatomia e Fisiologia ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA Rafael Carvalho Silva Mestrado Profissional em Física Médica Fígado Lobo direito Veia Cava inferior Veia Hepática

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA

INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA INTOXICAÇÃO POR POLPA CÍTRICA REVISÃO BIBLIOGRAFICA MARTINS, Angela Cristiane de Oliveira¹; SILVA, Vanusa Israel da 1 ; ZANATTA, Liliane 2 ; ROSSATO, Cristina Krauspenhar 3 Palavras-Chave: Polpa cítrica.

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 DISCIPLINA: ENFERMAGEM NA SAUDE DO ADULTO I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Estudar o estado de doença do indivíduo em sua fase adulta. Intervir adequadamente

Leia mais

COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006

COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006 COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006 COLECISTITE AGUDA OBJETIVOS 1- Introdução - incidência -definição 2- Etiopatogenia

Leia mais

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose

Zoonoses SALMONELOSE ETIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOLOGIA 17/06/2011. Salmonelose Leptospirose Tuberculose Zoonoses Salmonelose Leptospirose Tuberculose SALMONELOSE EDINAIDY SUIANNY ROCHA DE MOURA MENEZES É uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que pertencem à família

Leia mais

DESLOCAMENTO DE ABOMASO EM UMA NOVILHA LEITEIRA: RELATO DE CASO

DESLOCAMENTO DE ABOMASO EM UMA NOVILHA LEITEIRA: RELATO DE CASO DESLOCAMENTO DE ABOMASO EM UMA NOVILHA LEITEIRA: RELATO DE CASO Taís Paula Bazzo 1 ; Fabrício dos Santos Ventura 2 ; Sandro Charopen Machado 3. RESUMO O deslocamento de abomaso (DA) caracteriza a patologia

Leia mais

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO ATRESIA DE ESÔFAGO: Malformação em que a parte proximal do esôfago termina em fundo cego. Classificação Segundo tipo de atresia: Tipo I (A): atresia sem fistula (8%);

Leia mais

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA Introdução Pré-requisitos para um bom ultrassonografista Alto nível de destreza e coordenação olhos. de mãos e Conhecimento completo de anatomia, fisiologia

Leia mais

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem Exame Físico e Cuidados Patrícia Friedrich de Enfermagem EXAME FÍSICO INSPECIONAR AUSCULTAR PERCUTIR (delimitando vísceras); PALPAR - cada quadrante abdominal; INSPEÇÃO Visualização de cicatrizes, hematomas,

Leia mais

Classificação. Acidente Vascular Cerebral Isquêmico(AVCI) * Ataque Isquêmico Transitório(AIT)

Classificação. Acidente Vascular Cerebral Isquêmico(AVCI) * Ataque Isquêmico Transitório(AIT) Franciglecia Lopes Definição É um déficit neurológico, geralmente focal, de instalação súbita ou com rápida evolução, sem outra causa aparente que não vascular, com duração maior que 24 horas, ou menor,

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

Cólica por Compactação em Eqüinos

Cólica por Compactação em Eqüinos Cólica por Compactação em Eqüinos *Milena Cristina Leite Godoy milegodoy@yahoo.com.br 1 Introdução A palavra cólica significa dor abdominal. Com o tempo tornou-se um termo abrangente para varias afecções

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

CRISE HIPOXÊMICA. Maria Regina da Rocha Corrêa

CRISE HIPOXÊMICA. Maria Regina da Rocha Corrêa CRISE HIPOXÊMICA Maria Regina da Rocha Corrêa Crise Hipoxêmica Introdução Fisiopatologia Quadro clínico Fatores Precipitantes Tratamento Crise Hipoxêmica Cardiopatia Cianótica crise hipoxêmica Tratamento

Leia mais

Sistema Urinário. Patrícia Dupim

Sistema Urinário. Patrícia Dupim Sistema Urinário Patrícia Dupim Insuficiência Renal Ocorre quando os rins não conseguem remover os resíduos metabólicos do corpo. As substância normalmente eliminadas na urina acumulam-se nos líquidos

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

4º FILO - NEMATELMINTOS

4º FILO - NEMATELMINTOS 4º FILO - NEMATELMINTOS Nematelmintos (Asquelmintos) nematos = fio + helmintos = vermes Vermes cilíndricos e alongados Nematelmintos (Asquelmintos) Exemplos: Ascaris lumbricoides Necator americanus Ancilostomo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-Graduação em Ciência Animal FLUIDOTERAPIA ENTERAL EM EQUINOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-Graduação em Ciência Animal FLUIDOTERAPIA ENTERAL EM EQUINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de Pós-Graduação em Ciência Animal FLUIDOTERAPIA ENTERAL EM EQUINOS FILIPE MORAGHI MOREIRA Belo Horizonte Escola de Veterinária

Leia mais

Assistência de Enfermagem rio

Assistência de Enfermagem rio Assistência de Enfermagem Pós-operatóriorio Pós-operatório rio O período pós-operatp operatóriorio tem início logo após o término t da operação e vai até a alta do paciente, podendo ainda se estender a

Leia mais

Ascaris lumbricoides

Ascaris lumbricoides Boa noite! Ascaris lumbricoides ASCARIDÍASE ASCARIDÍASE É o parasitismo desenvolvido no homem pelo Ascaris lumbricoides. Nome popular Lombrigas ou bichas. Prevalência O Ascaris lumbricoides encontrado

Leia mais

Dores na coluna Lombalgia

Dores na coluna Lombalgia Lombalgia A dor lombar (ou lombalgia ou lumbago ou dor nas costas ) é a segunda queixa mais frequente em todo o mundo atrás apenas do resfriado comum e uma das maiores causas de absenteísmo ao trabalho

Leia mais

Giardia lamblia. Profª Me. Anny C. G. Granzoto

Giardia lamblia. Profª Me. Anny C. G. Granzoto Giardia lamblia Profª Me. Anny C. G. Granzoto 1 CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA Reino Protista Subreino Protozoa Filo Sarcomastigophora Subfilo Mastigophora Classe Zoomastigophora Ordem Diplomonadida Flagelos

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Doenças causadas por bactérias do gênero Clostridium spp. Clostridium botulinum Botulismo; Clostridium perfringens Enterite necrótica; Clostridium

Leia mais

Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais

Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG Departamento de Medicina Veterinária Maria Clorinda Soares Fioravanti (clorinda@vet.ufg.br) Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais Choque Definição O que

Leia mais

EMERGÊNCIAS EM CAPRINOS E OVINOS. Profa Dra. Sara Vilar Dantas Simões Hospital Veterinário Universidade Federal da Paraíba

EMERGÊNCIAS EM CAPRINOS E OVINOS. Profa Dra. Sara Vilar Dantas Simões Hospital Veterinário Universidade Federal da Paraíba EMERGÊNCIAS EM CAPRINOS E OVINOS Profa Dra. Sara Vilar Dantas Simões Hospital Veterinário Universidade Federal da Paraíba EMERGÊNCIAS CASOS QUE IMPLICAM EM RISCO DE VIDA OU LESÕES IRREPARÁVEIS. ANEMIA

Leia mais

27/09/2015. Cistites em ruminantes PROF. ME. DIOGO GAUBEUR DE CAMARGO

27/09/2015. Cistites em ruminantes PROF. ME. DIOGO GAUBEUR DE CAMARGO 1 2 3 4 Cistites em ruminantes PROF. ME. DIOGO GAUBEUR DE CAMARGO Infecção do trato urinário de ruminantes Cistites, ureterites e pielonefrites Infecção ascendente do trato urinário: Corynebacterium renale

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Vetalgin 500 mg/ml solução injetável para bovinos, suínos, equinos e cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas.

É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas. ESGOTO É um termo usado nas águas que, após utilização humana, apresentam as suas características naturais elevadas. Conforme o uso predominante: Comercial Industrial Doméstico No Brasil são produzidos

Leia mais

Sistema Gastrointestinal

Sistema Gastrointestinal Sistema Gastrointestinal PATRICIA FRIEDRICH ENF. ASSISTENCIAL DO CTI ADULTO DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PELA UNISINOS ANATOMIA E FISIOLOGIA Algumas doenças

Leia mais

- Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1: )

- Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1: ) Anestesia Geral INTRODUÇÃO - Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1:200.000) EQUI OS - Isso não mudoumuito nos últimos 30 anos,

Leia mais

11/23/2008. Dor leve, moderada - Fuga. Trauma agudo. A na lgesia sedação. C a racterísticas farmacológicas das substâncias usadas

11/23/2008. Dor leve, moderada - Fuga. Trauma agudo. A na lgesia sedação. C a racterísticas farmacológicas das substâncias usadas Introdução - EXPERIÊNCIA INDIVIDUAL AVALIAÇÃO DA DOR - COMPONENTES FISIOLÓGICO EMOCIONAL VERBAL COMPORTAMENTAL - IDENTIFICAÇÃO TRATAMENTO EVOLUÇÃO PONTOS CHAVE Pontos chave A na lgesia sedação C omportamento

Leia mais

ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO

ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Mestrado Integrado de Engenharia Biomédica Daniela Reis, interna do serviço de Gastrenterologia do CHLN 2 novembro 2016 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO APARELHO DIGESTIVO SEROSA SUBMUCOSA MUCOSA

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

5 Observe a figura abaixo e responda.

5 Observe a figura abaixo e responda. 5 Nome: Data: UniDaDE 7 1 As artérias e veias apresentam morfologias e funções distintas. As artérias transportam o sangue do coração para os tecidos. Já as veias transportam o sangue dos tecidos até o

Leia mais

[LINFOMA EPITELIOTRÓPICO]

[LINFOMA EPITELIOTRÓPICO] [LINFOMA EPITELIOTRÓPICO] 2 Linfoma Epiteliotrópico Anamnese: Canino, fêmea, Pit Bull, não castrada, branca e marrom, 4 anos Histórico: Cadela com histórico de dermatopatia desde 2005. Apresentava lesões

Leia mais

Anatomia do Sistema Digestório

Anatomia do Sistema Digestório Anatomia do Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta as seguintes regiões;

Leia mais

Autor(es): MARKUS, Daniela 1 ; LINS, Luciana Araujo 1 ;VIEIRA, Júlio 2 ; CASTRO Jr., Jarbas 3 ; NOGUEIRA, Carlos Eduardo Wayne 4 INTRODUÇÃO

Autor(es): MARKUS, Daniela 1 ; LINS, Luciana Araujo 1 ;VIEIRA, Júlio 2 ; CASTRO Jr., Jarbas 3 ; NOGUEIRA, Carlos Eduardo Wayne 4 INTRODUÇÃO CASOS DE CÓLICA EM EQÜINOS COM NECESSIDADE DE INTERVENÇÃO CIRÚRGICA, EM DOIS CENTROS CIRÚRGICOS NA CIDADE DE PORTO ALEGRE, DURANTE O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2006. Autor(es): MARKUS, Daniela; LINS, Luciana

Leia mais

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza Protocolo abdome Profº Cláudio Souza Abdome Quando falamos em abdome dentro da tomografia computadorizada por uma questão de radioproteção e também financeira o exame é dividido em, abdome superior e inferior

Leia mais

Apresentação de caso. Marco Daiha / Raquel Lameira

Apresentação de caso. Marco Daiha / Raquel Lameira Apresentação de caso Marco Daiha / Raquel Lameira História clinica inicial: Criança feminina, 4 anos, admitida no Hospital Alcides Carneiro/Petrópolis- Rj, transferida de outra unidade de saúde para investigação

Leia mais

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e:

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e: USP - 2001 89 - Paciente de 48 anos, assintomática, procurou seu ginecologista para realizar exame anual preventivo. Realizou ultra-som de abdome que revelou vesícula biliar de dimensão e morfologia normais

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Trato urinário superior Rins Ureteres Professora: Juliana Peloi Vides Trato urinário inferior Bexiga Uretra FREQUENTES!!! Parênquima renal Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra

Leia mais

CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA: REVISÃO DE LITERATURA

CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA: REVISÃO DE LITERATURA CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA: REVISÃO DE LITERATURA CURITIBA 2012 CARLOS HENRIQUE DO AMARAL ULTRASSOM TRANSABDOMINAL EM EQUINOS COM SÍNDROME CÓLICA:

Leia mais

Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral CÓLICA EQUINA. CAMPELO, Jairo

Ano VI Número 10 Janeiro de 2008 Periódicos Semestral CÓLICA EQUINA. CAMPELO, Jairo CÓLICA EQUINA CAMPELO, Jairo Acadêmico da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG PICCININ, Adriana Docente da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG

Leia mais

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010.

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010. AMEBÍASE e Entamoeba histolytica Satie Katagiri São Paulo, março de 2010. Amebas parasitas do homem Gênero Entamoeba Classificadas conforme número de núcleos da forma cística. Com 8 núcleos: Entamoeba

Leia mais

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 1 EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 A Direção Geral da Faculdade Evangélica do Paraná FEPAR, no uso de suas atribuições, comunica a seleção de docentes para o ano letivo de 2010,

Leia mais

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato.

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato. no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Manejo pré-parto; parto; Introdução Manejo parto; Manejo do Neonato. 1 Manejo pré-parto parto local de parto um mês antes do

Leia mais

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM! Mauricio Zapparoli DAPI - Diagnóstico Avançado por Imagem / Curitiba-PR Disciplinas de Radiologia Médica e Recursos Diagnósticos - Hospital de Clínicas UFPR Enterografia

Leia mais

TÓRAX: Percussão. Auscultação: Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação. Exames complementares.

TÓRAX: Percussão. Auscultação: Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação. Exames complementares. Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação Exames complementares Reflexo de tosse TÓRAX: Inspeção Padrão respiratório Palpação Fraturas, enfisema, aumento de volume Choque cardíaco

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório 4

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de abdome

Imagem da Semana: Radiografia de abdome Imagem da Semana: Radiografia de abdome Figura 1: Radiografia simples de abdome em incidência anteroposterior. Enunciado Paciente do sexo feminino, 33 anos, casada, nulípara, procurou serviço de pronto-atendimento

Leia mais

Serviço de Radiologia FMUP HSJ

Serviço de Radiologia FMUP HSJ Serviço de Radiologia FMUP HSJ Janeiro 2006 Espessamento parietal e diminuição do calibre do colon descendente e sigmóide, com dilatação a montante - inespecífico - neste casos associado a colite isquémica,

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica

Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica Introdução à Ortopedia Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica Profa. MSc. Analy Ramos Mendes Estruturas presentes: Epífise Metáfise Diáfise Fraturas FRATURAS Forças biomecânicas Forças fisiológicas Forças

Leia mais

Semiologia do Aparelho Digestivo Antônio Carlos Lopes Câmara Universidade de Brasília UnB Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária -FAV Programa de Pós-Graduação em Saúde Animal Orientador: Prof.

Leia mais

Doenças das vias biliares. César Portugal Prado Martins UFC

Doenças das vias biliares. César Portugal Prado Martins UFC Doenças das vias biliares César Portugal Prado Martins UFC Anatomia do Sistema Biliar Função da vesícula biliar Concentração da bile absorção de sal e água produção de muco Armazenamento da bile Excreção

Leia mais