EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTIVO DOS BOVINOS. Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha EV-UFG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTIVO DOS BOVINOS. Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha EV-UFG"

Transcrição

1 EXAME CLÍNICO DO SISTEMA DIGESTIVO DOS BOVINOS Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha EV-UFG

2 Estruturas de proteção dos bezerros lactentes Goteira esofágica Impede redução indesejada dos componentes do leite pelas bactérias no rúmen Acidez do conteúdo do abomaso Reduz quantidade de germes Fatores de proteção da mucosa do abomaso contra autodigestão Produção de muco; Regeneração do epitélio; Secreção de bicarbonato. Fatores de proteção da mucosa do abomaso contra autodigestão Produção de muco; Regeneração do epitélio; Secreção de bicarbonato

3 FISIOLOGIA MOTILIDADE RUMINORETICULAR Contração primária (ciclo de mistura) Contração secundária (ciclo da eructação) Ruminação

4 MOTILIDADE RUMINORETICULAR

5 CONTRAÇÃO PRIMÁRIA RIA Inibir o ciclo primário? Febre hipomotilidade (pirógenos endógenos acometem o centro gástrico no hipotálamo) Endotoxemia Mecanismo associado Ao processo inflamatório (citocinas, enzimas lisossomicas, etc.) Dor estímulo doloroso age no centro gástrico estimula os nervos esplâncnicos inibir a contração

6 CONTRAÇÃO PRIMÁRIA RIA Distensão do pré-estômago: receptores epiteliais respondem ao estímulo mecânico Ácidos graxos voláteis: [ ] inibem o impulso para o centro gástrico Doença do abomaso: receptores abomasais de tensão detectam o enchimento excessivo hipomotilidade ruminal Efeito das drogas depressoras: agem no SNC = inibem o centro gástrico = hipomotilidade

7 CONTRAÇÃO SECUNDÁRIA Inibir o ciclo secundário? Grave distensão do rúmen Lesões do nervo vago Animal em decúbito lateral (cárdia encoberta por líquido) Obstrução esofágica

8 RESENHA Idade Sexo Raça

9 ANAMNESE Estágio de prenhez-lacta lactação Período pós-partop parto Natureza da alimentação Velocidade de início e natureza da doença Evidencias de dor abdominal Natureza e o volume das fezes Tratamento anteriores

10 ANAMNESE Apetite Ingestão de alimentos Apreensão; Mastigação; Deglutição. Sede Bovino adulto: 50 a 80 L Diarréia, ia, Febre, Insuficiência renal...aumenta ingestão água;

11 ANAMNESE Ruminação Eructação Regurgitação e vômito Vômito: Consistência líquida l a pastosa, odor e cor de conteúdo ruminal Regurgitação: Defecação Saliva clara e bolos de ração mal mastigados, aparentemente frescos,

12 Rúmen CONDIÇÕES FAVORÁVEIS VEIS AOS MICROORGANISMOS Temperatura: C (atividade enzimática) Anaerobiose ph = Umidade = 7 a 14% Suprimento contínuo de substrato Osmolaridade: 260 a 340 mosm Predomínio de bactérias Gram negativas

13 EXAME CLÍNICO Inspeção do contorno abdominal Fonte: José R. Borges

14 Indigestão Simples Gases Sólido e líquido misturados sem que se possa definir o conteúdo Fonte: José R. Borges

15 Indigestão Gasosa Fonte: José R. Borges

16 Indigestão Espumosa Fonte: José R. Borges

17 Acidose Ruminal Predomínio de LíquidoL Fonte: José R. Borges

18 Compactação ruminal Fonte: José R. Borges

19 Indigestão Vagal Anterior Fonte: José R. Borges

20 Indigestão Vagal Posterior Fonte: José R. Borges

21 Colapso Ruminal Fonte: José R. Borges

22 Eventração Fonte: José R. Borges

23 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Palpação: Normal: camada superior: gases camada média: sólida camada inferior: líquido

24 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Palpação: Alterações Tensão elástica: timpanismo Consistência firme: impactação Predominância de líquido: acidose ruminal, indigestão vagal, obstrução intestinal

25 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Fonte: José R. Borges

26 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Percussão Normal: parte superior: som subtimpânico demais camadas: som maciço Timpanismo gasoso: parte superior do rúmen: som subtimpânico Timpanismo espumoso: todo o rúmen : som subtimpânico

27 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Auscultação simples: intensidade e freqüência Normal: 7 a 10 movimentos em 5 demais camadas: som maciço Hipermotilidade: Indigestão vagal Hipomotilidade: falta de fibra, fadiga, indigestões

28 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Auscultação dupla: intensidade e freqüência Normal: 9 e 13 costelas Som em cascata Alterações: Atonia: DAE

29 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Auscultação simples Auscultação dupla Fonte: José R. Borges

30 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Auscultação com balotamento Normal: sem presença de som Patológico: som de chapinhar metálico (líquido + gases): indigestão vagal, DAE, colapso ruminal som de chapinhar (líquido): acidose ruminal, indigestão vagal

31 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Auscultação com percussão Normal: som timpânico a maciço Patológico: som metálico (líquido + gases em órgãos cavitários): DAE, colapso ruminal

32 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Percussão Balotamento Fonte: José R. Borges

33 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo Fonte: José R. Borges

34 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo DAE X COLAPSO RUMINAL Área de projeção do som metálico: som do rúmen a área de projeção do som é maior Medição do ph: DAE: ph = 1-3 Colapso ruminal: ph = > 5

35 EXAME CLÍNICO: Flanco esquerdo DAE X COLAPSO RUMINAL Passagem de sonda: DAE: silêncio Colapso ruminal: borborignos Exploração retal: DAE: rúmen à direita, relativamente cheio e sem gases Colapso ruminal: rúmen geralmente vazio e com gases

36 Som Metálico no Deslocamento do Abomaso à Esquerda

37 Local da Auscultação Fonte: José R. Borges

38 EXAME CLÍNICO: Flanco direito Inspeção Normal: Pequena concavidade na fossa paralombar direita Abaulamento: DAD, Dilatação e torção do ceco, meteorismo intestinal

39 EXAME CLÍNICO: Flanco direito Palpação: observar tensão abdominal: tensão abdominal: dor abdominal Auscultação: sem importância clínica no bovino

40 EXAME CLÍNICO: Flanco direito Auscultação com balotamento Normal: sem presença de som Patológico: som de chapinhar metálico (líquido + gases): dilatação e torção do ceco, peritonite, DAD som de chapinhar (líquido): diarréia, ascite, peritonite

41 EXAME CLÍNICO: Flanco direito Auscultação com percussão Normal: som timpânico a maciço Patológico: som metálico (líquido + gases em órgãos cavitários): DAD,dilatação e torção do ceco, peritonite

42 EXAME CLÍNICO: Flanco direito DAD X TORÇÃO DO CECO Área de projeção do som metálico: DAD: do arco costal em direção cranio-ventral Ceco: na fossa paralombar Exploração retal: DAD: balão arredondado nem sempre palpável Ceco: balão ovalado, sempre palpável

43 EXPLORAÇÃO RETAL Obstrução intestinal (braço o +) Intussuscepção (caracol): nem sempre palpável Vólvulo e estrangulamento do ID: mesentério tenso como corda Torção do mesentério intestinal: alças tensas; acúmulo de muco e sangue no reto Dilatação e torção do ceco: palpa-se um balão ovalado e comprido

44 PROVAS DE DOR Punção pericárdica Punção abdominal Prova da cernelha Prova do bastão Prova da percussão dolorosa Prova da rampa

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES Prof. Valentim A. Gheller Escola de Veterinária da UFMG INTRODUÇÃO Abordar todas as afecções passíveis de resolução cirúrgica no sistema digestivo

Leia mais

Semiologia do Aparelho Digestivo Antônio Carlos Lopes Câmara Universidade de Brasília UnB Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária -FAV Programa de Pós-Graduação em Saúde Animal Orientador: Prof.

Leia mais

27/09/2015. INDIGESTÕES MOTORAS Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo RETICULOPERICARDITE TRAUMÁTICA

27/09/2015. INDIGESTÕES MOTORAS Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo RETICULOPERICARDITE TRAUMÁTICA 1 2 3 4 5 6 INDIGESTÕES MOTORAS Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Etiologia CE (*metálicos) perfurantes *gado leiteiro adulto bovino adulto 8-10cm entre retículo e pericárdio retículo região ventral,

Leia mais

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Dra. Camila da Silva Frade ? Para a manutenção da vida dos animais, pois obtêm nutrientes essenciais para os processos corpóreos a partir

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos que realizam a ingestão dos alimentos, sua digestão e a absorção dos produtos resultantes;

Leia mais

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ABDOME - AP Estruturas ósseas visualizadas íntegras. Distribuição normal de gases e fezes pelas alças intestinais. Ausência de imagens radiológicas sugestivas de cálculos urinários

Leia mais

DESLOCAMENTO DE ABOMASO EM UMA NOVILHA LEITEIRA: RELATO DE CASO

DESLOCAMENTO DE ABOMASO EM UMA NOVILHA LEITEIRA: RELATO DE CASO DESLOCAMENTO DE ABOMASO EM UMA NOVILHA LEITEIRA: RELATO DE CASO Taís Paula Bazzo 1 ; Fabrício dos Santos Ventura 2 ; Sandro Charopen Machado 3. RESUMO O deslocamento de abomaso (DA) caracteriza a patologia

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

Exercícios de Digestão Comparada

Exercícios de Digestão Comparada Exercícios de Digestão Comparada 1. (UEL) No esquema a seguir, estão representados 4 tubos de ensaio com os seus componentes. O material retirado de determinado órgão do rato foi adicionado aos tubos de

Leia mais

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE

Leia mais

ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO

ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Mestrado Integrado de Engenharia Biomédica Daniela Reis, interna do serviço de Gastrenterologia do CHLN 2 novembro 2016 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO APARELHO DIGESTIVO SEROSA SUBMUCOSA MUCOSA

Leia mais

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.br SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Celiotomia Celi; celio: do grego koilía =abdome.

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício Sistema Digestório Prof. MSc. Leandro Felício INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos

Leia mais

29/08/2016. Sistema Digestório de Ruminates INDIGESTÕES ALIMENTARES.

29/08/2016. Sistema Digestório de Ruminates INDIGESTÕES ALIMENTARES. 1 Sistema Digestório de Ruminates INDIGESTÕES ALIMENTARES. 2 3 4 5 6 Introdução Compartimentos Rumenorreticular Omasal Microbiota Saliva Contrações Eructação Introdução Contrações primárias (1/min) Ciclo

Leia mais

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS

FUNÇÕES HIPOTALÂMICAS Os mecanismos hipotalâmicos agem em conjunto, no sentido de preservar a homeostasia. ANATOMIA FUNCIONAL DO HIPOTÁLAMO O hipotálamo exerce sua influência sobre o meio interno através de três sistemas: Sistema

Leia mais

UNIP Profº Esp. Thomaz Marquez

UNIP Profº Esp. Thomaz Marquez UNIP - 2015 Profº Esp. Thomaz Marquez MASTIGAÇÃO INGESTÃO DEGLUTIÇÃO Digestão é o processo de transformar os alimentos em formas possíveis de serem absorvidas pelo organismo. O sistema digestório, que

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA FUNCIONAMENTO DOS SERES VIVOS INTERPRETAR E DESCREVER FENÔMENOS DESCOBRIR CAUSAS E MECANISMOS CORRELAÇÕES ENTRE OS ÓRGÃOS DEFINIR FUNÇÕES PROF. CLERSON

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

A Vaca. Marcelo Crisóstomo de Faria. Fisiologia do Úbere. GEA Farm Technologies. GEA Farm Technologies A escolha certa.

A Vaca. Marcelo Crisóstomo de Faria. Fisiologia do Úbere. GEA Farm Technologies. GEA Farm Technologies A escolha certa. A Vaca Fisiologia do Úbere GEA Farm Technologies Marcelo Crisóstomo de Faria. geacrisostomo@gmail.com A VACA A Vaca O Úbere A Secreção do Leite A Descida do Leite A Produção de Leite Anatomia do úbere

Leia mais

DISCIPLINA: RCG FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

DISCIPLINA: RCG FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: RCG 0216 - FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO Docentes Responsáveis Prof. Dr.

Leia mais

PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I

PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I INTRODUÇÃO - PATOLOGIA QUE SE DESENVOLVE À UM QUADRO DE ABDÔMEN AGUDO

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Fisiologia do Trato Respiratório

Fisiologia do Trato Respiratório Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Ciências Biológicas DECBI Fisiologia II (CBI-198) Fisiologia do Trato Respiratório Profª: Franciny Paiva

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE ANATOMIA PATOLÓGICA (Edital nº 42/2016- PROGRAD)

QUESTÕES DA PROVA DE ANATOMIA PATOLÓGICA (Edital nº 42/2016- PROGRAD) QUESTÕES DA PROVA DE ANATOMIA PATOLÓGICA (Edital nº 42/2016- PROGRAD) Questão 1- Paciente masculino, 35 anos, internado com quadro de hemorragia digestiva alta e melena. Apresentava queixas dispépticas

Leia mais

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico Regulação do volume hídrico Alteração do equilíbrio hídrico em que a perda de líquidos do organismo é maior que o líquido ingerido Diminuição do volume sanguíneo Alterações do equilíbrio Hídrico 1. Consumo

Leia mais

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas).

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos heterótrofos - obtém alimentos de forma

Leia mais

Anatomia do Sistema Digestório

Anatomia do Sistema Digestório Anatomia do Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta as seguintes regiões;

Leia mais

Patologia Clínica e Cirúrgica

Patologia Clínica e Cirúrgica V e t e r i n a r i a n D o c s Patologia Clínica e Cirúrgica Prolapso Retal Definição É uma enfermidade caracterizada pela protrusão de uma ou mais camadas do reto através do ânus. Ele pode ser parcial

Leia mais

O segredo é a conciliação de recrias intensivas, com abates precoces e de alta taxa de ganho.

O segredo é a conciliação de recrias intensivas, com abates precoces e de alta taxa de ganho. Atualmente o Brasil confina em torno de 2,5 milhões de bovinos, produzindo cerca de 600 mil toneladas de carne de melhor qualidade, tendo em vista não só o sistema de produção em si, mas também pela menor

Leia mais

DESLOCAMENTO DE ABOMASO À DIREITA EM UM BOVINO LEITEIRO RELATO DE CASO 1

DESLOCAMENTO DE ABOMASO À DIREITA EM UM BOVINO LEITEIRO RELATO DE CASO 1 DESLOCAMENTO DE ABOMASO À DIREITA EM UM BOVINO LEITEIRO RELATO DE CASO 1 Andressa Gottardo 2, Cristiane Elise Teichmann 3, Cristiane Beck 4, Denize Da Rosa Fraga 5, Paulo Luis Heinzmann 6. 1 Relato de

Leia mais

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos INTRODUÇÃO Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos Nos organismos heterótrofos os alimentos são obtidos de forma pronta. A digestão é um conjunto de processos que visa

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

17/11/2016. Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes; língua protrátil.

17/11/2016. Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes; língua protrátil. Peixes cartilaginosos Sistema digestório Sistema cardiovascular Peixes ósseos Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Aves: Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes;

Leia mais

COMPACTAÇÃO DE ABOMASO EM BOVINOS LEITEIROS: DESCRIÇÃO DE CINCO CASOS

COMPACTAÇÃO DE ABOMASO EM BOVINOS LEITEIROS: DESCRIÇÃO DE CINCO CASOS Compactação de abomaso em bovinos leiteiros: descrição de cinco casos 859 COMPACTAÇÃO DE ABOMASO EM BOVINOS LEITEIROS: DESCRIÇÃO DE CINCO CASOS José Renato Junqueira Borges, 1 Paulo Henrique Jorge da Cunha,

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório 4

Leia mais

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio.

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. INTRODUÇÃO A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. - conjunto de reações químicas do metabolismo energético (respiração celular). RESPIRAÇÃO CELULAR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Departamento / Setor Departamento de Ciências Fisiológicas Nome da Disciplina FISIOLOGIA HUMANA E

Leia mais

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo Nutrição, digestão e sistema digestório Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 2 3 4 Nutrição Nutrição: conjunto de processos que vão desde a ingestão do alimento até a sua assimilação pelas células. Animais: nutrição

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES GASOMETRIA GASOMETRIA ARTERIAL EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO

EXAMES COMPLEMENTARES GASOMETRIA GASOMETRIA ARTERIAL EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO EQUILÍBRIO ÁCIDO - BÁSICO GASOMETRIA ARTERIAL EXAMES COMPLEMENTARES GASOMETRIA A gasometria arterial é um exame invasivo que mede as concentrações de oxigênio, a ventilação e o estado ácido-básico. Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência Caso Clínico Paciente sexo feminino, 68 anos, comparece à unidade de emergência queixando-se de dor e distensão

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: M 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS Celulose Ruminante Bactérias Como pode cair no enem A digestão da celulose nos ruminantes ocorre graças às condições especiais existentes no trato digestivo

Leia mais

Estenose funcional pilórica em vaca leiteira: relato de caso

Estenose funcional pilórica em vaca leiteira: relato de caso [T] Estenose funcional pilórica em vaca leiteira: relato de caso [I] Functional pyloric stenosis in dairy cow: case report [A] Fernanda Tamara Neme Mobaid Agudo Romão [a], Danielle Jaqueta Barberini [b],

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

Aula 6: Sistema respiratório

Aula 6: Sistema respiratório Aula 6: Sistema respiratório Sistema respiratório Tem início no nariz e na boca e continua através das vias aéreas até os pulmões, onde ocorre a troca dos gases. Sistema respiratório - Funções Condução

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA HUMANA 1 SISTEMA DIGESTÓRIO 2 1 Funções Fornecer/repor água, eletrólitos/sais minerais, nutrientes/substratos energéticos, vitaminas, para o corpo. 3 Aspectos morfofuncionais Sistema digestório:

Leia mais

Aula: Digestão. Noções de feedback e Digestão

Aula: Digestão. Noções de feedback e Digestão Aula: Digestão Noções de feedback e Digestão PROFESSORA: Brenda Braga DATA: 24/04/2014 1. Feedback Causa Consequência Positivo Negativo Sede + + Beber água salgada Sede + - Beber água pura Desequilíbrio

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA

FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA GUIA INCOMPLETO DE FISIOLOGIA GASTRINTESTINAL GI1. Descreva as características morfológicas do sistema nervoso entérico. Descreva o tubo

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Ruminantes: Animais que mastigam e regurgitam o alimento ingerido Dividido em 2 subordens: 1-) Ruminantia: veado, alce, rena, antílope, girafa,

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Conhecendo deu corpo Fisiologia Digestão e Respiração Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br

Leia mais

I MÓDULO Aparelho Cardiorrespiratório 7 SEMANAS (162 h)

I MÓDULO Aparelho Cardiorrespiratório 7 SEMANAS (162 h) Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Módulo I: Aparelho

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Módulo I: Aparelho

Leia mais

CONTROLE HIDROELETROLÍTICO

CONTROLE HIDROELETROLÍTICO CONTROLE HIDROELETROLÍTICO Profa. Dra. Monica Akemi Sato CONCEITO DE MEIO INTERNO E SUA HOMEOSTASE MEIO INTERNO: MEIO INTERSTICIAL- VASCULAR CONCEITO DESENVOLVIDO POR CLAUDE BERNARD (1813-1878) HOMEOSTASE:

Leia mais

APARELHO DIGESTÓRIO ESÔFAGO ESÔFAGO ESÔFAGO

APARELHO DIGESTÓRIO ESÔFAGO ESÔFAGO ESÔFAGO APARELHO DIGESTÓRIO ESÔFAGO PARTE II ESÔFAGO ESÔFAGO -Função -Trajeto -cervical -torácica -abdominal 1 esôfago 2 traqueia 3 musculatura da faringe 4 M. esternocefálico 5 Lig. nucal Estrutura do esôfago

Leia mais

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA Principal função do ESÔFAGO : conduzir o alimento da faringe para o estômago, peristaltismo primário e secundário Peristaltismo Primário: continuação da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Pós-Graduação em Saúde Animal

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Pós-Graduação em Saúde Animal UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA Pós-Graduação em Saúde Animal Doenças Não-Transmissíveis do Trato Digestivo de Ruminantes Antônio Carlos Lopes Câmara Orientador:

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO ANAMNESE - 1º PASSO SABAA Caracterização da dor abdominal: Evolução (início e duração) Localização Irradiação Intensidade e tipo Agravo Alivio

Leia mais

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório de Ruminantes Definição Vegetais Fibrosos Volumosos Estômago Aglandular Estômago Glandular

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório / Inespecífico Sistema Imune Antígeno Específico: Antecipatório Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório /

Leia mais

UREIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

UREIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES UREIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES Períodos de estiagem : supre deficiência de PTN (> desempenho) ou não há deficiência de PTN : economia de farelos protéicos (custo elevado). N uréia substitui N dieta;

Leia mais

Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem.

Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem. FISIOLOGIA DIGESTIVA DOS RUMINANTES Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem. - Possibilidade de degradar os glúcidos estruturais da forragem como celulose, hemicelulose e pectina. - A degradação

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Curso de Medicina Veterinária FAD Patologia e Clínica Cirúrgica I

Prof. Diogo Mayer Fernandes Curso de Medicina Veterinária FAD Patologia e Clínica Cirúrgica I Prof. Diogo Mayer Fernandes Curso de Medicina Veterinária FAD Patologia e Clínica Cirúrgica I PRÉ-ESTÔMAGO RÚMEN Epitélio papilar Fermentação anaeróbia Funções: 1. Estocagem 2. Mistura 3. Fermentação microbiana

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

Soluções. Prof a. Jennifer

Soluções. Prof a. Jennifer Soluções Prof a. Jennifer Conceito Qualitativo Uma solução é formada por dois componentes, denominados dispersante (ou solvente) e o componente disperso (ou soluto). Sólidos em líquidos Líquidos em líquidos

Leia mais

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves

Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Anatomia Funcional do Sistema Digestório das Aves Cristina Fotin Especialização Anclivepa-SP esôfago inglúvio pró-ventrículo ventrículo intestino Ritchie, Harrisson and Harrison. Avian Medicine:principles

Leia mais

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Musculatura corporal Músculo Cardíaco Músculo atrial Contração = esquelética Músculo ventricular Maior duração

Leia mais

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 Médico Veterinário Renato G Santos Esp. Clínica, Cirurgia e Reprodução de Grandes Animais Esp. Bovinocultura Leiteira Esp. Nutrição de Ruminantes O exame físico geral

Leia mais

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012 Animais Monogástricos Digestão e Absorção de Carboidratos Animais monogástricos e ruminantes Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima Principais fontes de glicídeos: Polissacarídeos. Amido. Glicogênio. Dextrinas.

Leia mais

GADO LEITEIRO. NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Givaldo G. Fernandes Junior IRB Ind de Rações do Brasil - Purina

GADO LEITEIRO. NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Givaldo G. Fernandes Junior IRB Ind de Rações do Brasil - Purina GADO LEITEIRO NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Givaldo G. Fernandes Junior IRB Ind de Rações do Brasil - Purina NUTRIÇÃO DE RUMINANTES. Para aumentar a produção do rebanho, praticamente há duas saídas. Aumentar

Leia mais

Manual de Silagem. Guia para uma silagem bem sucedida

Manual de Silagem. Guia para uma silagem bem sucedida Manual de Silagem Guia para uma silagem bem sucedida Índice 1. Característica dos produtos para a silagem de milho Guia para uma silagem bem sucedida 1. Característica dos produtos para a silagem de milho

Leia mais

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL Profa. Dra. Maria Rosimar Teixeira Matos Docente do Curso de Nutrição da UECE TERAPIA NUTRICIONAL Suprir as necessidades

Leia mais

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Sumário SEÇÃO I Capítulo 1 A resposta integrada a uma refeição Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Objetivos / 1 Visão geral do sistema gastrintestinal e de suas

Leia mais

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato.

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato. no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Manejo pré-parto; parto; Introdução Manejo parto; Manejo do Neonato. 1 Manejo pré-parto parto local de parto um mês antes do

Leia mais

Fatores que afetam a quantidade e a composição do leite

Fatores que afetam a quantidade e a composição do leite 6PIV026 - Inspeção de Leite e Derivados Fatores que afetam a quantidade e a composição do leite Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL vbeloti@uel.br lipoa.uel@gmail.com 13 de Dezembro de 2016 Leite Produto

Leia mais

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem Exame Físico e Cuidados Patrícia Friedrich de Enfermagem EXAME FÍSICO INSPECIONAR AUSCULTAR PERCUTIR (delimitando vísceras); PALPAR - cada quadrante abdominal; INSPEÇÃO Visualização de cicatrizes, hematomas,

Leia mais

> dúvida se o paciente necessita de EXAME TRANSRETAL DO EQUINO COM CÓLICA. ' Prof. Associado MV. MMV, Doutsr - Inst. Vet. UtHRI, Seropédica - R1

> dúvida se o paciente necessita de EXAME TRANSRETAL DO EQUINO COM CÓLICA. ' Prof. Associado MV. MMV, Doutsr - Inst. Vet. UtHRI, Seropédica - R1 Cod. Téc. Vet.Zoot., v.58,~. 47de 106,2008 EXAME TRANSRETAL DO EQUINO COM CÓLICA Geraldo Eleno Silveira ~lvesl Paulo de Tarso Landgraf ~ otteon~ Humberto Pereira oliveira3 Fabiane cassou4 O exame transretal

Leia mais

Efeito da virginiamicina, via oral, sobre a produção de ácidos graxos voláteis, ph ruminal e ph de fezes em vacas leiteiras

Efeito da virginiamicina, via oral, sobre a produção de ácidos graxos voláteis, ph ruminal e ph de fezes em vacas leiteiras 53 Efeito da virginiamicina, via oral, sobre a produção de ácidos graxos voláteis, ph ruminal e ph de fezes em vacas leiteiras João Ari Gualberto Hill (Mestre) Paulo Guataçara da Costa Lima (Mestre) Secretaria

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA

Leia mais

AIDPI. Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância

AIDPI. Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância AIDPI (OPAS/OMS/UNICEF) Objetivos redução da mortalidade de crianças menores de 5 anos de idade diminuição da incidência e gravidade dos casos

Leia mais

INTUSSUSCEPÇÃO TIPO COLÍCO EM BOVINO PROVOCADA POR CORPO ESTRANHO: RELATO DE CASO

INTUSSUSCEPÇÃO TIPO COLÍCO EM BOVINO PROVOCADA POR CORPO ESTRANHO: RELATO DE CASO INTUSSUSCEPÇÃO TIPO COLÍCO EM BOVINO PROVOCADA POR CORPO ESTRANHO: RELATO DE CASO [Colonic intussusception due to foreign body in bovine: a case report] Isabella de Oliveira Barros 1,*, Leíse Gomes Fernandes

Leia mais

Sistema Digestivo. Prof a : Telma de Lima. Licenciatura em Biologia. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

Sistema Digestivo. Prof a : Telma de Lima. Licenciatura em Biologia. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." Sistema Digestivo Prof a : Telma de Lima Licenciatura em Biologia Função O Sistema Digestivo é um conjunto de vários órgãos que têm como

Leia mais

Ecografia abdomino-pélvica Distribuição anormal dos gases abdominais. Ileus paralítico e mecânico Diagnóstico radiológico

Ecografia abdomino-pélvica Distribuição anormal dos gases abdominais. Ileus paralítico e mecânico Diagnóstico radiológico Estudo Imagiológico gico do Abdómen Ecografia abdomino-pélvica Distribuição anormal dos gases abdominais Ileus paralítico e mecânico Diagnóstico radiológico Tipos de ecografia Ecografia Abdominal Visualização

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO

FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO 1 FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Classificação dos organismos quanto a forma de obtenção de substâncias nutritivas 2 Organismos Autotrofos Aproveitama energia solar e CO 2 do Ambiente para sintetizar

Leia mais

DOENÇAS PULMONARES PULMONARE OBSTRUTIVAS ASMA

DOENÇAS PULMONARES PULMONARE OBSTRUTIVAS ASMA DOENÇAS PULMONARES OBSTRUTIVAS ASMA DOENÇAS PULMONARES OBSTRUTIVAS Extremamente comuns. Caracterizadas por resistência aumentada ao fluxo de ar nas vias aéreas. DOENÇAS PULMONARES OBSTRUTIVAS ASMA ENFISEMA

Leia mais

Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana.

Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana. Sistema digestivo Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana http://isidrodafonseca.wordpress.com Porque nos alimentamos? Todos os seres vivos necessitam de obter matéria e energia permitem

Leia mais

ANÁLISE CLÍNICA E PATOLÓGICA EM 20 CASOS DE INTUSSUSCEPÇÃO EM BOVINOS RESUMO

ANÁLISE CLÍNICA E PATOLÓGICA EM 20 CASOS DE INTUSSUSCEPÇÃO EM BOVINOS RESUMO ISSN 00-76 4 ANÁLISE CLÍNICA E PATOLÓGICA EM 0 CASOS DE INTUSSUSCEPÇÃO EM BOVINOS RESUMO Alonso Pereira Silva Filho José Augusto Bastos Afonso José Cláudio de Almeida Souza 3 Nivaldo de Azevedo Costa Carla

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Funções SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA. Funções SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO Funções Fornecer/repor água, eletrólitos/sais minerais, nutrientes/substratos energéticos, vitaminas, para o corpo. 1 Aspectos morfofuncionais Sistema digestório: Trato

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde COREMU. Edital nº: 03/2015 ProPPG/UFERSA

Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde COREMU. Edital nº: 03/2015 ProPPG/UFERSA Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde COREMU Edital nº: 03/2015 ProPPG/UFERSA Programa: Residência em Área Profissional da Saúde em Clínica Médica e Cirúrgica de Grandes

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz

Leia mais

Nutrição & Dietética I

Nutrição & Dietética I Nutrição & Dietética I NUTRIÇÃO E DIETÉTICA PARA ENFERMAGEM O nosso organismo pode ser comparado a uma máquina, assim como esta requer para o seu funcionamento, óleos e graxos à nossa máquina humana exigem

Leia mais

ph do sangue arterial = 7.4

ph do sangue arterial = 7.4 Regulação do Equilíbrio Ácido Base ph do sangue arterial = 7.4 < 6.9 ou > 7.7 = MORTE 1 Importância do ph nos processos biológicos Protonação ou desprotonação de radicais proteicos Variação da carga total

Leia mais

Fatores de risco, achados clínicos, laboratoriais e avaliação terapêutica em 36 bovinos com deslocamento de abomaso 1

Fatores de risco, achados clínicos, laboratoriais e avaliação terapêutica em 36 bovinos com deslocamento de abomaso 1 Fatores de risco, achados clínicos, laboratoriais e avaliação terapêutica em 36 bovinos com deslocamento de abomaso 1 Antônio Carlos Lopes Câmara 2*, José Augusto Bastos Afonso 3, Nivaldo de Azevêdo Costa

Leia mais

Sistema Digestório - Estômago

Sistema Digestório - Estômago Sistema Digestório - Estômago Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional III juliana.pinheiro@kroton.com.br O Estômago é um alargamento do canal alimentar em forma de saco entre o esôfago e o duodeno

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais