PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA"

Transcrição

1 PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO

2 INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE UMA ABERTURA NATURAL DEFEITUOSA, PODENDO SER DE ORIGEM CONGÊNITA OU ADQUIRIDA.

3 INTRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PREVALÊNCIA VARIÁVEL UFSM: 3,09% ESPÉCIE RAÇA ZONA RURAL/URBANA

4 CLASSIFICAÇÃO LOCALIZAÇÃO (REGIÃO ANATÔMICA) HÉRNIA UMBILICAL HÉRNIA INGUINAL HÉRNIA INGUINO-ESCROTAL HÉRNIA PERINEAL HÉRNIA DIAFRAGMÁTICA FALSAS HÉRNIAS HÉRNIA INCISIONAL

5 CLASSIFICAÇÃO CONFORME A ESTRUTURA HÉRNIA VERDADEIRA ANEL HERNIÁRIO SACO HERNIÁRIO CONTEÚDO HERNIÁRIO HÉRNIA FALSA DEFEITO ESTRUTURAL COM CONTEÚDO, SEM ALGUM OU ALGUNS DOS ELEMENTOS QUE CARACTERIZAM UMA HÉRNIA

6 CLASSIFICAÇÃO ALTERAÇÃO FUNCIONAL REDUTÍVEL IRREDUTÍVEL ENCARCERADA INFLAMADA ESTRANGULADA ORIGEM CONGÊNITA ADQUIRIDA

7 CLASSIFICAÇÃO DE ACORDO COM O CONTEÚDO SIMPLES MÚLTIPLO NORMALMENTE SÃO ENCONTRADAS VÍSCERAS VIZINHAS AO ANEL HERNIÁRIO; PORÉM, ÓRGÃOS PEDICULADOS PODEM SE DESLOCAR PARA LOCAIS MAIS DISTANTES DE SUA ORIGEM

8 CLASSIFICAÇÃO NOMENCLATURA NATUREZA DO PROBLEMA FISIOPATOLOGIA PROGNÓSTICO TRATAMENTO HÉRNIA INGUINO-ESCROTAL CONGÊNITA COM ENCARCERAMENTO DE ALÇA INTESTINAL

9 ETIOLOGIA FATORES PREDISPONENTES ESPÉCIE RAÇA IDADE SEXO HEREDITARIEDADE (FECALOMAS E ASCITES) FATOR DETERMINANTE AUMENTO NA PRESSÃO INTRA-ABDOMINAL

10 COMPLICAÇÕES DAS HÉRNIAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS SISTÊMICAS DISPNÉIA (HÉRNIA DIAFRAGMÁTICA) UREMIA (HÉRNIA INGUINAL E PERINEAL) DISTOCIA (HISTEROCELE GRAVÍDICA) TOXEMIA (PIOMETRA,ESTRANGULAMENTOS) ALTERAÇÃO NO TRÂNSITO INTESTINAL VÔMITO (ACIDOSE/ALCALOSE) DESNUTRIÇÃO

11 COMPLICAÇÕES DAS HÉRNIAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS LOCAIS ENCARCERAMENTO OBSTRUÇÃO DO TRÂNSITO INTESTINAL ACÚMULO DE TECIDO ADIPOSO DILATAÇÃO DA PORÇÃO DESCENDENTE ALTERAÇÃO DA FUNÇÃO DE ÓRGÃOS OCOS HÉRNIA IRREDUTÍVEL VÔMITO DOR ABDOMINAL DEPRESSÃO

12 COMPLICAÇÕES DAS HÉRNIAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS LOCAIS INFLAMAÇÃO AÇÃO TRAUMÁTICA SOBRE O SACO HERNIÁRIO ÚLCERA PERFURAÇÃO ABSCESSO ADERÊNCIA IRREDUTIBILIDADE

13 COMPLICAÇÕES DAS HÉRNIAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS LOCAIS INFLAMAÇÃO ALTERAÇÃO CIRCULATÓRIA DO CONTEÚDO ALTERAÇÃO DE TEMPERATURA ALTERAÇÃO DA COLORAÇÃO SENSIBILIDADE À DOR AUMENTADA

14 COMPLICAÇÕES DAS HÉRNIAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS LOCAIS ESTRANGULAMENTO COMPRESSÃO DO CONTEÚDO PELO ANEL HERNIÁRIO TORÇÃO DO PEDÍCULO VASCULAR AUMENTO NA PRESSÃO INTRA-LUMINAL ALTERAÇÃO CIRCULATÓRIA GRAVE HÉRNIA IRREDUTÍVEL SINAIS EVIDENTES DE INFLAMAÇÃO

15 ESTRANGULAMENTO DAS HÉRNIAS FASES DE EVOLUÇÃO CONGESTÃO PEQUENA ALTERAÇÃO CIRCULATÓRIA COLORAÇÃO AVERMELHADA DAS VÍSCERAS AUMENTO DE TAMANHO POUCO EDEMA INÍCIO DE FORMAÇÃO DE TRANSUDATO CÓLICA INTERMITENTE DE INTENSIDADE VARIADA

16 ESTRANGULAMENTO DAS HÉRNIAS FASES DE EVOLUÇÃO INFLAMAÇÃO ALTERAÇÃO CIRCULATÓRIA GRAVE COLORAÇÃO VERMELHO-ESCURO (ISQUEMIA) EDEMA PRONUNCIADO MAIOR COLEÇÃO DE TRANSUDATO QUE EVOLUI DE AMARELO PARA HEMORRÁGICO DOR ABDOMINAL INTENSA E PERMANENTE

17 ESTRANGULAMENTO DAS HÉRNIAS FASES DE EVOLUÇÃO GANGRENA NECROSE DAS VÍSCERAS ESTRANGULADAS COLORAÇÃO ENEGRECIDA ESFACELAMENTO DA PAREDE DOS ÓRGÃOS DIMINUIÇÃO APARENTE DO QUADRO DE DOR PULSO FRACO MUCOSAS CONGESTAS (HEMORRAGIA, TOXEMIA, SEPTICEMIA)

18 SINAIS CLÍNICOS LOCAIS TUMEFAÇÃO (AUMENTO DE VOLUME) PRÓXIMO A ABERTURA ANATÔMICA (ORIFÍCIO NATURAL) VOLUME VARIÁVEL CONSISTÊNCIA MOLE ALTERADO EM CASOS DE COMPLICAÇÕES REDUTÍVEL/IRREDUTÍVEL PERMANENTE/TRANSITÓRIA ELEMENTOS DE FORMAÇÃO

19 SINAIS CLÍNICOS SISTÊMICOS ALTERAÇÕES COMPATÍVEIS COM O GRAU DAS COMPLICAÇÕES PRESENTES INESPECÍFICOS DOR ABDOMINAL (CÓLICA) ALTERAÇÃO RESPIRATÓRIA HIPERTERMIA DEPRESSÃO

20 DIAGNÓSTICO ANAMNESE ORIGEM CONGÊNITA, ADQUIRIDA, HEREDITÁRIA TEMPO DE EVOLUÇÃO RELATOS QUE INDIQUEM COMPLICAÇÕES EXAME CLÍNICO EXAMES ESPECIAIS INSPEÇÃO PALPAÇÃO AUSCULTAÇÃO RX/ULTRA-SOM SONDAGEM

21 PROGNÓSTICO PATOLOGIA BASTANTE SUSCEPTÍVEL A COMPLICAÇÕES HEREDITARIEDADE TEMPO DE EVOLUÇÃO GRAU DE COMPLICAÇÃO FAVORÁVEL RESERVADO DESFAVORÁVEL

22 TRATAMENTO REGRAS GERAIS REDUÇÃO DO CONTEÚDO HERNIÁRIO RECONSTITUIÇÃO DO DEFEITO NA PAREDE ABDOMINAL

23 TRATAMENTO PRÉ-OPERATÓRIO JEJUM ALIMENTAR E JEJUM HÍDRICO DEPILAÇÃO CORREÇÃO DOS DESVIOS METABÓLICOS ANTISSEPSIA ANESTESIA (VARIA DE ACORDO COM A ESPÉCIE E A REGIÃO)

24 TRATAMENTO TRANS-OPERATÓRIO INCISÃO CUTÂNEA DIVULSÃO DO SACO HERNIÁRIO ATÉ O ANEL REINTRODUÇÃO DO PERITÔNIO E VISCERAS PARA O INTERIOR DA CAVIDADE ABDOMINAL FECHADA/ABERTA FECHAMENTO DO ANEL EDUÇÃO DO ESPAÇO MORTO SUTURA DA PELE

25 TRATAMENTO PÓS-OPERATÓRIO BANDAGEM LOCAL CURATIVO DA FERIDA ANTIINFLAMATÓRIO ANTISSEPSIA ANTIBIOTICOTERAPIA PREVENTIVA/TERAPÊUTICA

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO:

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: EM PEQUENOS ANIMAIS PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: Saída de uma víscera de seu local de origem através de um anel herniário PARTES DE UMA HÉRNIA: Anel herniário Saco herniário:

Leia mais

20/4/2017 DEFINIÇÃO. Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido.

20/4/2017 DEFINIÇÃO. Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido. DEFINIÇÃO Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan VCI/FMVZ/USP Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido. EVENTRAÇÃO EVISCERAÇÃO DEFINIÇÃO Protrusão/projeção

Leia mais

HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL. Brienze 2009

HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL. Brienze 2009 HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL Brienze 2009 HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL 75% são inguinais 07% são incisionais 05% são umbilicais 03% são femurais 03% são ventrais 07% são de outros locais Hérnia Spiegel Hérnia

Leia mais

CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO

CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO CIRURGIAS DO TRATO URINÁRIO DEFINIÇÃO Abertura cirúrgica da bexiga. Kystis = bexiga + tomia = incisão INDICAÇÕES: Cálculos principal indicação PRÉ-OPERATÓRIO: Suspeita ou diagnóstico Anamnese Avaliações

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP Colégio Brasileiro de Cirurgiões Capítulo de São Paulo COLECISTITE AGUDA Tercio De Campos TCBC-SP São Paulo, 28 de julho de 2007 Importância 10-20% população c/ litíase vesicular 15% sintomáticos 500.000-700.000

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados CONCEITOS E DEFINIÇÕES HÉRNIAS ABDOMINAIS INTERNAS Passagem de conteúdo abdominal por um orifício interno

Leia mais

CELIOTOMIA 2/9/2016 CELIOTOMIA. CELIOTOMIA (laparotomia mediana) DEFINIÇÃO CLASSIFICAÇÃO:

CELIOTOMIA 2/9/2016 CELIOTOMIA. CELIOTOMIA (laparotomia mediana) DEFINIÇÃO CLASSIFICAÇÃO: Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan DEFINIÇÃO Abertura cirúrgica da cavidade abdominal, em qualquer região. Celio (koilia) = abdome + tomia (tome) = corte (laparotomia mediana) CLASSIFICAÇÃO: de acordo com a

Leia mais

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS URGÊNCIAS ABDOMINAIS

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS URGÊNCIAS ABDOMINAIS Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará Serviço de Cirurgia e Urologia Pediátrica Programa de Residência Médica de Cirurgia Pediátrica DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS URGÊNCIAS ABDOMINAIS Dr. Thiago Leal

Leia mais

APE P NDICITE T A GUDA MARCELO LINHARES

APE P NDICITE T A GUDA MARCELO LINHARES APENDICITE AGUDA MARCELO LINHARES APENDICITE AGUDA INTRODUÇÃO Primeira descrição de apendicite Heister, 1683 Reconhecida como entidade patológica em 1755 Patologia mais importante do apêndice cecal Principal

Leia mais

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO ATRESIA DE ESÔFAGO: Malformação em que a parte proximal do esôfago termina em fundo cego. Classificação Segundo tipo de atresia: Tipo I (A): atresia sem fistula (8%);

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O QUE É APENDICITE E PORQUE OCORRE

APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O QUE É APENDICITE E PORQUE OCORRE APENDICITE AGUDA O QUE É APÊNCIDE CECAL? O apêndice vermiforme ou apêndice cecal é uma pequena extensão tubular, com alguns centímetros de extensão, terminada em fundo cego, localizado no ceco, primeira

Leia mais

HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL

HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL Defeit na cntinuidade múscul-apneurótica que permite a passagem de rgãs u estruturas da cavidade abdminal, mantida a integridade da pele e d peritôni. Classificaçã Quant à etilgia:

Leia mais

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática.

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Abdome Agudo Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Demanda intervenção médica imadiata, cirúrgica ou não 2 Abdome Agudo obstrutivo Gastro-intestinal Vólvulo Hérnias Aderências Genito-urinário

Leia mais

Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais

Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES Cronograma da Disciplina DATA TEMÁTICA 01/08/16 Introdução à disciplina 21/09/16 1ª Prova Regimental 21/11/16 2ª Prova Regimental 23/11/16

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência

DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência DESAFIO DE IMAGEM Aluna: Bianca Cordeiro Nojosa de Freitas Liga de Gastroenterologia e Emergência Caso Clínico Paciente sexo feminino, 68 anos, comparece à unidade de emergência queixando-se de dor e distensão

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Hérnia da Região Inguinal no Adulto

Protocolo Clínico e de Regulação para Hérnia da Região Inguinal no Adulto 72 Protocolo Clínico e de Regulação para Hérnia da Região Inguinal no Adulto Wilson Salgado Jr. José Sebastião dos Santos INTRODUÇÃO Hérnia inguinal é a protrusão de uma alça intestinal, do epíploo ou,

Leia mais

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 Médico Veterinário Renato G Santos Esp. Clínica, Cirurgia e Reprodução de Grandes Animais Esp. Bovinocultura Leiteira Esp. Nutrição de Ruminantes O exame físico geral

Leia mais

Patologia Clínica e Cirúrgica

Patologia Clínica e Cirúrgica V e t e r i n a r i a n D o c s Patologia Clínica e Cirúrgica Prolapso Retal Definição É uma enfermidade caracterizada pela protrusão de uma ou mais camadas do reto através do ânus. Ele pode ser parcial

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização. Emergência e Primeiros Socorros Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais M.V. Guilherme Sposito Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia

Leia mais

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia Primeiros Socorros Objetivos: Conceito Acontecimentos não previstos e indesejáveis que, de forma mais ou menos violenta, atingem indivíduos neles envolvidos, produzindo-lhes alguma forma de lesão ou dano.

Leia mais

9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax

9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax 9º Imagem da Semana: Radiografia Tórax Enunciado Paciente do sexo masculino, 39 anos, atendido no Pronto Atendimento com quadro de dor abdominal difusa, intensa e de início súbito, com cerca de 3 horas

Leia mais

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA

SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.br SITIOS DE INCISÃO ABDOMINAL Celiotomia Celi; celio: do grego koilía =abdome.

Leia mais

PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I

PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I INTRODUÇÃO - PATOLOGIA QUE SE DESENVOLVE À UM QUADRO DE ABDÔMEN AGUDO

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Patologia e Clínica Cirúrgica I

Prof. Diogo Mayer Fernandes Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Patologia e Clínica Cirúrgica I Prof. Diogo Mayer Fernandes Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Patologia e Clínica Cirúrgica I TÉCNICAS DE ASSEPSIA CIRÚRGICA ÍNDICE DE INFECÇÕES 5.5% IMPLICA NO RESULTADO DO PROCEDIMENTO

Leia mais

A avaliação na ponta dos dedos

A avaliação na ponta dos dedos Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular Hospital Pulido Valente CHLN Guideline NKF K/DOQUI: Definição do termo, em relação ao acesso vascular Monitorização Exame

Leia mais

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira VARIZES DE MEMBROS INFERIORES Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira Definição Dilatação, alongamento, tortuosidade com perda funcional, com insuficiência valvular Incidência: 3/1 sexo feminino;75%

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 Cirurgia Geral SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal 1 Complicações na Doença Inflamatória Intestinal Esta é uma iniciativa do GEDIIB de favorecer o acesso dos Médicos especialistas em DII a uma forma lúdica de informar seus pacientes sobre aspectos decisivos

Leia mais

Edema OBJECTIVOS. Definir edema. Compreender os principais mecanismos de formação do edema. Compreender a abordagem clínica do edema

Edema OBJECTIVOS. Definir edema. Compreender os principais mecanismos de formação do edema. Compreender a abordagem clínica do edema OBJECTIVOS Definir edema Compreender os principais mecanismos de formação do edema Compreender a abordagem clínica do edema É um sinal que aparece em inúmeras doenças, e que se manifesta como um aumento

Leia mais

Anatomia e Fisiologia do apêndice cecal

Anatomia e Fisiologia do apêndice cecal APENDICITE AGUDA Histórico Descrita pela primeira vez por Lorenz Heister em 1755. Em 1827, Melin publicou artigo sobre inflamação aguda do apêndice, recomendado sua retirada cirúrgica. Anatomia e Fisiologia

Leia mais

26/08/2016. Questões UFG. Enfermagem para Concursos Públicos em exercícios

26/08/2016. Questões UFG. Enfermagem para Concursos Públicos em exercícios Enfermagem para Concursos Públicos em exercícios Questões UFG UFG - Universidade Federal de Goiás - UFG - Técnico de Enfermagem - 2015 - (781102) Na assistência ao paciente em período pós-operatório após

Leia mais

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO Dario A. Tiferes dario.tiferes@fleury.com.br ABDOME AGUDO Apendicite Colecistite Diverticulite Colites pancreatite Ileítes (DII) Apendagite Doença péptica Isquemia intestinal

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 18 Outubro Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 18 Outubro Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 18 Outubro 2011 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ARTIGO DE REVISÃO HÉRNIA DE AMYAND Caso Clínico e Revisão da Literatura Amyand

Leia mais

Patologias do 3o. e 4o. períodos do parto

Patologias do 3o. e 4o. períodos do parto Patologias do 3o. e 4o. períodos do parto JCP DEQUITAÇÃO + 4o. PERÍODO PARTO períodos ricos acidentes e complicações mortalidade materna Dequitação ou secundamento Três fases Descolamento Descida Expulsão

Leia mais

Cirurgias Digestivas e Intestinais

Cirurgias Digestivas e Intestinais Gastrostomia: Procedimento cirúrgico que mantém uma comunicação da luz gástrica com o plano cutâneo da parede abdominal através de uma sonda com as finalidades de drenagem (descompressão) da alimentação

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos. Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia Assepsia Microorganismos Contaminação Presença de microorganismos

Leia mais

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares Doença Diverticular Fisiopatologia Estrutural - Parede cólica: mucosa, submucosa muscular - circular - longitudinal - Teniae coli serosa - Falsos divertículos - Hipertrofia da camada muscular: da elastina

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

17/10/2016 ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR

17/10/2016 ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR ANATOMIA DO REPRODUTOR DE CANINO CIRURGIAS DO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol ANATOMIA DO REPRODUTOR DE FELINO ANATOMIA DO REPRODUTOR Os testículos são órgãos ovóides

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Emergência e urgência nos atendimentos EXAME DO PACIENTE

Emergência e urgência nos atendimentos EXAME DO PACIENTE Emergência e urgência nos atendimentos EXAME DO PACIENTE Respiratório. Cardiovascular. Tegumentar. Gastrointestinal. Endócrino. Urogenital. Nervoso e ocular. Músculo-esquelético. Sistemas Métodos de exploração

Leia mais

DRENAGEM DE TÓRAX. Prof. Gustavo Santos. Medicina 4º. Bloco

DRENAGEM DE TÓRAX. Prof. Gustavo Santos. Medicina 4º. Bloco DRENAGEM DE TÓRAX Prof. Gustavo Santos Medicina 4º. Bloco INTRODUÇÃO Espaço pleural: espaço virtual (3 a 15 ml) Pleura parietal espaço pleural pleura visceral Parietal: 1 camada célula: poros Visceral:

Leia mais

INFECÇÃO EM CIRURGIA. Prof. Gustavo Santos

INFECÇÃO EM CIRURGIA. Prof. Gustavo Santos INFECÇÃO EM CIRURGIA Prof. Gustavo Santos "i sing and play the guitar and i'm a walking, talking bacterial infection" - Kurt Cobain INTRODUÇÃO Incidência sempre temível Imaginologia fundamental para o

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

Profa Dra Lilia de Souza Nogueira Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica - EEUSP

Profa Dra Lilia de Souza Nogueira Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica - EEUSP ENC 240 Enfermagem na Saúde do Adulto e do Idoso em Cuidados Clínicos e Cirúrgicos Controle da Imobilidade: contusão, entorse, distensão, luxação e fratura Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica -

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU TRAQUEOTOMIA Profa Livre Docente Regina H. Garcia Martins DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU Unesp TRAQUEOTOMIA X TRAQUEOSTOMIA INDICAÇÕES DE TRAQUEOTOMIA DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

Leia mais

Úlceras Vasculogênitas

Úlceras Vasculogênitas UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Úlceras Vasculogênitas 1º Semestre de 2013

Leia mais

TÓRAX: Percussão. Auscultação: Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação. Exames complementares.

TÓRAX: Percussão. Auscultação: Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação. Exames complementares. Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação Exames complementares Reflexo de tosse TÓRAX: Inspeção Padrão respiratório Palpação Fraturas, enfisema, aumento de volume Choque cardíaco

Leia mais

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO THAÍS GUIMARÃES MORATO ABREU 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, PAULA BAÊTA DA SILVA RIOS 3, LÍVIA DE PAULA COELHO

Leia mais

Distúrbios hemodinâmicos

Distúrbios hemodinâmicos Distúrbios hemodinâmicos DISTÚRBIOS HEMODINÂMICOS Distúrbios que acometem a irrigação sanguínea e o equilíbrio hídrico Alterações hídricas intersticiais: - Edema Alterações no volume sanguíneo: - Hiperemia,

Leia mais

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES

ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES ABORDAGEM CIRÚRGICA DO SISTEMA DIGESTIVO EM RUMINANTES Prof. Valentim A. Gheller Escola de Veterinária da UFMG INTRODUÇÃO Abordar todas as afecções passíveis de resolução cirúrgica no sistema digestivo

Leia mais

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho NÁUSEAS VÔMITOS DOR ABDOMINAL LEUCOCITOSE ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Raro 1/500 Diagnóstico Difícil: Sinais e Sintomas Fisíológicos Alterações Anatômicas e

Leia mais

Doença Diverticular do Cólon

Doença Diverticular do Cólon Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Doença Diverticular do Cólon Prof. Dr. João Gomes Netinho Disciplina de Coloproctologia Hospital de Base - FAMERP Doença Diverticular do Cólon Conceito Considerações

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01 PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO DE CIRURGIA CARDÍACA OBJETIVO Padronizar a prática de medidas preventivas para minimizar a ocorrência de infecção de sítio cirúrgico, destinadas a equipe multiprofissional

Leia mais

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose Doenças Restritivas São aquelas nas quais a expansão do pulmão é restringida por causa de alterações no parênquima pulmonar ou por causa de doenças da pleura, da parede torácica ou do aparelho neuromuscular

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

ARTICULAÇÕES. Luxação Coxofemoral. Luxação Coxofemoral 12/09/2016. Saída da cabeça do fêmur do acetábulo. Sinais clínicos.

ARTICULAÇÕES. Luxação Coxofemoral. Luxação Coxofemoral 12/09/2016. Saída da cabeça do fêmur do acetábulo. Sinais clínicos. Luxação Coxofemoral ARTICULAÇÕES Saída da cabeça do fêmur do acetábulo Luxação Coxofemoral Sinais clínicos Membro menor e rotacionado p/ dentro Crepitação Dor súbita Diagnóstico: Radiográfico: VD (mostra

Leia mais

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta FIBRILAÇÃO ATRIAL NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA COM CIRCULAÇÃO EXTRA-CORPÓREA. Avaliação de fatores pré-operatórios predisponentes e evolução médio prazo. Marcos Sekine Enoch Meira João

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ÁREA DE CONHECIMENTO: CIRURGIA GERAL 4. Cuidados Pré, trans e pós operatório. 5. Resposta endócrina e metabólica ao trauma. 6. Infecção

Leia mais

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem

Exame Físico e Cuidados. Patrícia Friedrich. de Enfermagem Exame Físico e Cuidados Patrícia Friedrich de Enfermagem EXAME FÍSICO INSPECIONAR AUSCULTAR PERCUTIR (delimitando vísceras); PALPAR - cada quadrante abdominal; INSPEÇÃO Visualização de cicatrizes, hematomas,

Leia mais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais - Princípios cirúrgicos básicos: assepsia/antissepsia; pré, trans e pós-operatório; instrumentação cirúrgica; fundamentos em esterilização

Leia mais

27/09/2015. INDIGESTÕES MOTORAS Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo RETICULOPERICARDITE TRAUMÁTICA

27/09/2015. INDIGESTÕES MOTORAS Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo RETICULOPERICARDITE TRAUMÁTICA 1 2 3 4 5 6 INDIGESTÕES MOTORAS Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Etiologia CE (*metálicos) perfurantes *gado leiteiro adulto bovino adulto 8-10cm entre retículo e pericárdio retículo região ventral,

Leia mais

Doenças das vias biliares. César Portugal Prado Martins UFC

Doenças das vias biliares. César Portugal Prado Martins UFC Doenças das vias biliares César Portugal Prado Martins UFC Anatomia do Sistema Biliar Função da vesícula biliar Concentração da bile absorção de sal e água produção de muco Armazenamento da bile Excreção

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de abdome

Imagem da Semana: Radiografia de abdome Imagem da Semana: Radiografia de abdome Figura 1: Radiografia simples de abdome em incidência anteroposterior. Enunciado Paciente do sexo feminino, 33 anos, casada, nulípara, procurou serviço de pronto-atendimento

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE ANATOMIA PATOLÓGICA (Edital nº 42/2016- PROGRAD)

QUESTÕES DA PROVA DE ANATOMIA PATOLÓGICA (Edital nº 42/2016- PROGRAD) QUESTÕES DA PROVA DE ANATOMIA PATOLÓGICA (Edital nº 42/2016- PROGRAD) Questão 1- Paciente masculino, 35 anos, internado com quadro de hemorragia digestiva alta e melena. Apresentava queixas dispépticas

Leia mais

Cirurgia de Dentes Inclusos

Cirurgia de Dentes Inclusos Pós-Graduação Cirurgia de Dentes Inclusos 16ª Edição Coordenação 2017-00 Prof. Doutor Francisco Salvado Prof. Doutor Paulo Maia Pós-Graduação Cirurgia de Dentes Inclusos A frequência de retenções dentárias

Leia mais

Emergências Cirúrgicas em Pediatria. Marco Daiha Hospital Alcides Carneiro Hospital Federal Cardoso Fontes

Emergências Cirúrgicas em Pediatria. Marco Daiha Hospital Alcides Carneiro Hospital Federal Cardoso Fontes Emergências Cirúrgicas em Pediatria. Marco Daiha Hospital Alcides Carneiro Hospital Federal Cardoso Fontes Introdução: Emergências cirúrgicas em pediatria representam de 0,6 a 1 % dos atendimentos pediátricos

Leia mais

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO ANAMNESE - 1º PASSO SABAA Caracterização da dor abdominal: Evolução (início e duração) Localização Irradiação Intensidade e tipo Agravo Alivio

Leia mais

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O O aneurisma intracraniano (cerebral) representa a dilatação das paredes de uma artéria cerebral, que se desenvolve como resultado da

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, INDEFERIDOS

1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, INDEFERIDOS NÍVEL SUPERIOR Questões 1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, 100 - INDEFERIDOS QUESTÃO 1 Além de rara (1/35000

Leia mais

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Enunciado Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem queixas no momento, foi submetida à radiografia de tórax como avaliação pré-cirúrgica. Qual achado pode ser

Leia mais

Fístulas Digestivas. Aparece em 5-7 dias no estomago e duodeno, 8-12 no esôfago e reto, 3 no resto (colon, int delgado) 8-12 d. 5-7 d.

Fístulas Digestivas. Aparece em 5-7 dias no estomago e duodeno, 8-12 no esôfago e reto, 3 no resto (colon, int delgado) 8-12 d. 5-7 d. Fístulas Digestivas Definição Fístula gastrointestinal (FGI) é a comunicação anormal entre o tubo digestivo e qualquer víscera oca ou cavidade abdominal (fístula interna) ou, ainda, com a superfície cutânea

Leia mais

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL - Método simples, de rápida execução e baixo custo; -Validado para aplicação em pacientes cirúrgicos e clínicos.

Leia mais

OCLUSÃO INTESTINAL. a) OCLUSÃO MECÂNICA pode ter origem em 3 tipos de anomalias:

OCLUSÃO INTESTINAL. a) OCLUSÃO MECÂNICA pode ter origem em 3 tipos de anomalias: OCLUSÃO INTESTINAL 1. ETIOLOGIA Quando o conteúdo luminal GI é patologicamente impedido de se movimentar no sentido distal, por oclusão luminal ou paralisia da musculatura lisa (íleo paralítico) existe

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PAREDE ABDOMINAL E RETROPERITONEO

PAREDE ABDOMINAL E RETROPERITONEO PAREDE ABDOMINAL E RETROPERITONEO PAREDE ABDOMINAL Definição estrutura músculo aponeurotica fixada na coluna vertebral, ossos da pelve e costelas Funções: protege e restringe as vísceras abdominais flexão

Leia mais

Carlos Walter Sobrado Mestre e Doutor pela FMUSP TSBCP

Carlos Walter Sobrado Mestre e Doutor pela FMUSP TSBCP HEMORROÍDAS Carlos Walter Sobrado Mestre e Doutor pela FMUSP TSBCP CONCEITOS São dilatação venosas dos plexos hemorroidários rios localizados no segmento ano-retal São componentes normais anatomia humana

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIAS. Disciplina:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIAS. Disciplina: UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIAS Disciplina: Técnica Cirúrgica e Anestesiologia Veterinárias CCV-005 Prof. Álvaro Enéas Ribeiro

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Cirurgia Geral e Cirurgia Geral Programa Avançado. O Presidente da Comissão Nacional de Residência

Leia mais

21/07/14. Processos metabólicos. Conceitos Básicos. Respiração. Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos. Catabolismo de glicídios

21/07/14. Processos metabólicos. Conceitos Básicos. Respiração. Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos. Catabolismo de glicídios Prof. Dr. Adriano Bonfim Carregaro Medicina Veterinária FZEA USP www.anestesia.vet.br Processos metabólicos Respiração Catabolismo de proteínas e ácidos nucleicos Ácidos acético, sulfúrico, fosfórico e

Leia mais

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Associação Beneficente Pró-Matre INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Vitória 2013 Enfª Katiusi R. Christ Associação Beneficente Pró-Matre Instituição Filantrópica; Realiza em média 400 a 450

Leia mais

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL).

CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (CALCULOSE RENAL). Eu, abaixo assinado, autorizo o Dr....e/ou os seus assistentes a realizar uma PIELOLITOTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA (remoção

Leia mais

M. F. M., sexo feminino, caucasiana 68 anos Reformada da função pública Viúva, natural e residente no Porto. Recorreu ao SU Setembro de 2006

M. F. M., sexo feminino, caucasiana 68 anos Reformada da função pública Viúva, natural e residente no Porto. Recorreu ao SU Setembro de 2006 Identificação M. F. M., sexo feminino, caucasiana 68 anos Reformada da função pública Viúva, natural e residente no Porto Recorreu ao SU Setembro de 2006 Clínica Dor no quadrante inferior esquerdo do abdomén

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica

Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica Introdução à Ortopedia Ortopedia e Traumatologia Cirúrgica Profa. MSc. Analy Ramos Mendes Estruturas presentes: Epífise Metáfise Diáfise Fraturas FRATURAS Forças biomecânicas Forças fisiológicas Forças

Leia mais

Ascite. Sarah Pontes de Barros Leal

Ascite. Sarah Pontes de Barros Leal Ascite Sarah Pontes de Barros Leal Definição É o acúmulo de excesso de líquido dentro da cavidade peritonial. É mais freqüentemente encontrada nos pacientes com cirrose e outras formas de doença hepática

Leia mais

ANEURISMAS DA AORTA TORÁCICA

ANEURISMAS DA AORTA TORÁCICA ANEURISMAS DA AORTA TORÁCICA Fisioterapia - FMRPUSP Paulo Evora Aneurisma da Aorta Fatores de risco e Incidência Hipertensão arterial Valva aórtica bicúspide Síndrome de Marfan Aterosclerose Tabagismo

Leia mais

Apresentação de caso. Marco Daiha / Raquel Lameira

Apresentação de caso. Marco Daiha / Raquel Lameira Apresentação de caso Marco Daiha / Raquel Lameira História clinica inicial: Criança feminina, 4 anos, admitida no Hospital Alcides Carneiro/Petrópolis- Rj, transferida de outra unidade de saúde para investigação

Leia mais

2. HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL. Prof. Adjunto da Área de Clínica Cirúrgica da Faculdade de Medicina da Universidade de

2. HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL. Prof. Adjunto da Área de Clínica Cirúrgica da Faculdade de Medicina da Universidade de 2. HÉRNIAS DA PAREDE ABDOMINAL Luís Massaro Watanabe Prof. Adjunto da Área de Clínica Cirúrgica da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília. Prof Doutor da Escola Superior de Ciências da Saúde

Leia mais

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF. ÚLCERAS DE PERNA Úlceras de Perna Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 2 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 3 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA

Leia mais

CATARATA. O olho funciona como uma máquina fotográfica

CATARATA. O olho funciona como uma máquina fotográfica CATARATA O Olho O olho funciona como uma câmera fotográfica. A retina corresponde ao filme que, ao ser sensibilizado por raios luminosos, forma a imagem que é interpretada pelo cérebro. Para que a visão

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL MASCULINO. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL MASCULINO. Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba. CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL MASCULINO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas UFBA E-mail: jmcn@ufba.br Aspectos anatômicos Sistema genital masculino de bovino Aspectos

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais