APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra"

Transcrição

1 APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

2 Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada Alergia alimentar não mediada por IgE Doença Celíaca Não imunomediadas: Tóxicas Não tóxicas: intolerância (ex. Intolerância à Lactose)

3 Intolerância à Lactose Deficiência parcial ou total da enzima Lactase do intestino delgado. A lactose não digerida em glicose + galactose sobra na luz intestinal e fermenta com as bactérias presentes no intestino grosso. Sintomas dependem da quantidade de lactose ingerida, e são eles: cólica, diarréia, flatulência, distensão abdominal, vômitos. Caráter genético, piora com a idade (a quantidade de enzima ativa no intestino vai diminuindo com o tempo). Raro em bebês, principalmente em menores de 6 meses. Não causa sintomas respiratórios ou de pele.

4 Alergia Alimentar É a reação do sistema imune a uma proteína alimentar que resulta em inflamação, como se fosse combater um agente infeccioso. O fato de o sistema imune reconhecer a proteína como inofensiva se chama Tolerância Oral. Frequência ainda desconhecida na população brasileira. Dados internacionais são presentes principalmente em Alergia mediada por IgE. Presente em cerca de 1 em cada 20 bebês menores de 1 ano. Prevalência de 0,3% de APLV em adultos (habitualmente cura na infância). A prevalência real da AA comprovada por testes de provocação oral é significativamente menor do que a relatada pelo paciente ou família (chega a 20% da população em alguns estudos).

5 Aumento da Prevalência de Alergia Alimentar nas Últimas Décadas Imaturidade da barreira da mucosa intestinal e alteração da flora intestinal. Maior expressão de genes pró-alergia por fatores ambientais (Epigenética). Teoria da higiene.

6 Principais Alérgenos Alimentares Leite de vaca: 90% dos casos de alergia.alimentar Ovo Soja Trigo Peixe / Frutos do mar Amendoim / Outras castanhas Os principais alérgenos alimentares de cada região variam conforme o costume local.

7 Sintomas da Alergia Alimentar Mediada por IgE: Sintomas imediatos ou em até 1 hora da exposição Urticária, angioedema, vômitos, distensão abdominal, diarréia Hipotensão, letargia, edema de glote, síndrome da alergia oral Anafilaxia: a presença de sintomas de 2 ou mais órgãos/sistemas Mista: Dermatite atópica Doenças eosinofílicas do trato gastro-intestinal Não mediada por IgE: Sintomas aparecem em horas ou até dias da exposição Diarréia, constipação, refluxo, sangue nas fezes, sintomas respiratórios, dermatite

8 Esofagite Eosinofílica Doença do trato gastro-intestinal caracterizada pela infiltração de eosinófilos na parede do esôfago ( 15 eosinófilos/cga). É uma doença crônica, imuno-mediada, com sintomas relacionados a disfunção do esôfago. Os primeiros casos descritos são da década de A incidência parece estar aumentando ao longo das décadas, em adultos e crianças. Ocorre mais no sexo masculino e em caucasianos. Não há casos descritos na África, e nos EUA a incidência varia muito conforme a região, sendo mais frequente em estados de clima mais frio.

9 Esofagite Eosinofílica Crianças: sintomas de refluxo gastro-esofágico, dificuldade alimentar, vômitos e dor abdominal. Adultos: disfagia principalmente a alimentos sólidos, dor torácica ou epigástrica, queimação e impactação alimentar. Antecedente pessoal de alergia alimentar, asma, rinite e/ou dermatite atópica. O diagnóstico é feito com a Endoscopia Digestiva Alta, com biópsias. O esôfago pode exibir alterações características, como estrias longitudinais, anéis esofágicos, manchas esbranquiçadas, ou ser aparentemente normal e o diagnóstico ser feito apenas no exame anátomo-patológico. Importante descartar a eosinofilia esofágica responsiva a IBP (inibidor de bomba de prótons) antes de tratar como Esofagite Eosinofílica.

10 FPIES Síndrome da Enterocolite Induzida por Proteína Alimentar É um tipo de alergia alimentar não mediada por IgE. FPIES aguda: Cerca de 2 horas após a ingestão da proteína gatilho, há vômitos incoercíveis, geralmente seguidos de diarréia, letargia, desidratação e choque. FPIES crônica: diarréia e vômitos intermitentes com baixo ganho ponderal e desnutrição, geralmente associados a ingestão regular da proteína gatilho. O diagnóstico é clínico, retirando a proteína da dieta com melhora, e o teste de desencadeamento pode ser indicado. Na suspeita de FPIES, o teste de provocação deve ser feito em caráter hospitalar. Gatilhos mais frequentes: leite, soja, arroz, aveia, outros.

11 Diagnóstico da Alergia Alimentar Anamnese: Relação CAUSAL com a ingestão do alimento Pode ser difícil de estabelecer em sintomas tardios Importância do teste de desencadeamento na maioria dos casos A maioria dos lactentes portadores de APLV não mediada por IgE tem pelo menos 2 sintomas, de pelo menos 2 órgãos / sistemas: Exame físico 50 70% tem sintomas cutâneos 50 60% tem sintomas gastrointestinais 20 30% tem sintomas respiratórios (porém, sintomas respiratórios isoladamente são causados por alergia alimentar em apenas 2% dos casos).

12 Diagnóstico Exames Complementares Hemograma completo IgE total e específicas Pesquisa de sangue oculto nas fezes, leucócitos nas fezes Endoscopia digestiva alta sempre com biópsias Colonoscopia sempre com biópsias Prick test Patch test Os exames sempre devem ser indicados pelo profissional que acompanha a criança, e nem sempre definem o diagnóstico A clínica é soberana.

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

Amor sem medida CORREIO POPULAR

Amor sem medida CORREIO POPULAR _ESPAÇO GOURMET: rondelle com ricota e nozes é um convite e tanto a, com a inspiração das mammas, reunir a família e praticar os dotes culinários _MOTORPREMIUM: segundo modelo produzido na fábrica da Land

Leia mais

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares Artigo de Opinião N.º 5 10 de julho de 2017 Rubrica Nutricional A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares O que é uma alergia alimentar? A alergia alimentar é uma reação

Leia mais

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 %

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 % Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Alergia Doenças alérgicas representam um problema de saúde pública, atingindo mais de 20% da população.

Leia mais

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho:

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho: Carta Aberta Estimada professora do meu filho: Eu não sou paranóica! Juro que não sou Realmente, eu gostava, quando ele tem manchas na pele, tem tosse ou borbulhas, de pensar que é apenas e apenas isso.

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA

CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA Nilton C Machado. Professor Adjunto Mary A Carvalho. Professora Assistente Doutora Débora A Penatti. Médica Assistente Mestre Juliana T Dias.

Leia mais

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco.

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco. Seu pessoal ImuPro Screen documentos Amostra de ID: 110085 Com esta carta, você receberá seu resultado ImuPro para seu próprio teste de alergia alimentar IgG. Esse relatório laboratorial contém seus resultados

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE?

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? É importante estabelecer a diferença entre intolerância, alergia e sensibilidade, pois suas consequências podem ir de um mal-estar ao risco de vida.

Leia mais

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 Lactente vem evoluindo bem, com sinais e sintomas comuns dessa faixa etária Ganho de peso limítrofe. Cólicas e hábito intestinal compatível com aleitamento misto. Pediatra

Leia mais

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico VII Simpósio de Tecnologia e Engenharia de Alimentos e VI Encontro Paranaense de Engenharia de Alimentos UTFPR, Campo Mourão, PR, Brasil 13 a 16 de setembro de 2016 Alergia à proteína do leite de vaca:

Leia mais

[Título do documento]

[Título do documento] [Título do documento] [Escrever o subtítulo do documento] Franklim Fernandes [Escolher a data] ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS 2 Conteúdo ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS... 3 O que é

Leia mais

CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA

CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA GUILHERME PIOVEZANI RAMOS LARISSA KRUGER GOMES CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA SBAD Projeto Jovem Gastro LIAAD Liga Acadêmica do Aparelho Digestório UFPR/FEPAR CURITIBA 2010 1. CASO CLÍNICO Masculino,

Leia mais

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ATENÇÃO: Durante a fase de transição, você poderá encontrar rótulos ainda sem a frase de alergênicos

Leia mais

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV de Brasília Dra. Elisa de Carvalho Gastroenterologista Pediátrica Hospital de Base do Distrito Federal Hospital da Criança de Brasília Caso

Leia mais

Não existe uma única resposta!!

Não existe uma única resposta!! Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio 00478-03 PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dr. Jose Irineu Golbspan Medico Nutrólogo CREMESP 80591

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32.

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE : É uma resposta imunológica exagerada ou inapropriada a um estímulo produzido por um antígeno. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

UCF - Criança e Adolescente

UCF - Criança e Adolescente 1. Objetivo O presente documento de consenso tem como objetivo a descrição da abordagem diagnóstica e terapêutica e orientação da alergia alimentar em população pediátrica, que compreende idade até aos

Leia mais

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO ALERGIA X INTOLERÂNCIA ALIMENTAR Laíse Souza Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO COMO DIFERENCIAR A ALERGIA ALIMENTAR DA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR?! ALERGIA ALIMENTAR

Leia mais

Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser?

Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser? Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser? Se tratando de dor no estômago, é preciso ter seriedade, encontrar a causa é mais complicado do que se pensa. É preciso fazer uma avaliação com um especialista,

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Reações de hipersensibilidade são mediadas por mecanismos imunológicos que lesam os tecidos. Tipos de doenças mediadas por anticorpos Dano causado por

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

ZINCO. Papel no organismo

ZINCO. Papel no organismo ZINCO Ter uma alimentação rica em minerais é essencial para manter a saúde em dia. Mas, entre tantos nutrientes, um deles assume papel de destaque: o zinco. "Esse mineral é essencial para que nosso corpo

Leia mais

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Caso clinico- Alergia Alimentar Autora: Dra. Cristina Jacob EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Queixa e HPMA- Mãe refere que aos 5 meses de idade, apresentou edema de lábios e urticária após ter

Leia mais

simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg

simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL Juliana Aquino

NUTRIÇÃO ENTERAL Juliana Aquino NUTRIÇÃO ENTERAL Juliana Aquino INTRODUÇÃO Definição: Terapia de Nutrição Enteral (TNE): conjunto de procedimentos terapêuticos empregados para manutenção ou recuperação do estado nutricional por meio

Leia mais

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

Benestare (policarbofila cálcica)

Benestare (policarbofila cálcica) Benestare (policarbofila cálcica) Medley Farmacêutica Ltda. comprimido revestido 625 mg Benestare policarbofila cálcica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 625 mg: embalagens com 14 e 30. USO ORAL

Leia mais

ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES NOVAS PERSPETIVAS

ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES NOVAS PERSPETIVAS Artigo de Revisão Bibliográfica Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES NOVAS PERSPETIVAS Helena Maria Carvalho Monte Orientadora: Drª Marta Salgado Rodrigues

Leia mais

Trimeb. (maleato de trimebutina)

Trimeb. (maleato de trimebutina) Trimeb (maleato de trimebutina) Bula para paciente Cápsula mole 200 mg Página 1 Trimeb (maleato de trimebutina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Cápsula mole FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE

Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE DIABETES Diabetes É uma doença que causa o aumento de açúcar (glicose) no sangue. Quando não é tratada de maneira correta, causa graves problemas principalmente nos

Leia mais

Irritratil maleato de trimebutina I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA"

Irritratil maleato de trimebutina I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Irritratil maleato de trimebutina I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA" APRESENTAÇÕES: Cápsulas gelatinosas moles para uso oral de 200 mg, embalagem

Leia mais

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS:

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 INDICAÇÕES: 1. DISPEPSIA OU DOENÇA DO REFLUXO 2. DIARRÉIA CRÔNICA 3. PANCREATITE CRÔNICA 4. NÓDULOS SÓLIDOS OU CÍSTICOS NO PÂNCREAS 5. FALHA

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg

simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento Genérico, Lei nº 9.787 de 1999. APRESENTAÇÃO Comprimidos 40mg: embalagem contendo 20 ou 500 (Embalagem Hospitalar)

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg Nome do medicamento: LUFTAL MAX Forma farmacêutica: cápsulas Concentrações: 125 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas de 125 mg em embalagem com 10 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula

Leia mais

Doenças da modernidade

Doenças da modernidade Agosto/2016 DESMITIFICANDO AS DIETAS DA MODA Pág. 6 Doenças da modernidade Pág. 3 Alergia x Intolerância Pág. 4 EDITORIAL Chegamos ao nosso terceiro número, e esperamos colaborar mais uma vez com a disseminação

Leia mais

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES 1. Qual idade mínima para fazer o teste? 2 2. O teste me ajuda a emagrecer? 2 3. Qual o prazo de validade do produto? 2 4. Quanto tempo leva para realizar o teste? 2 5. O teste identifica Intolerância

Leia mais

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales GIARDÍASE Profª Drª Iana Rafaela F. Sales ianarafaela@gmail.com INTRODUÇÃO PRIMEIRO PROTOZOÁRIO INTESTINAL HUMANO A SER CONHECIDO Animalúnculos móveis em suas próprias fezes (1681) INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

Leia mais

Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vid

Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vid Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vida, emagrecimento e estética. Meu papel é fazer a diferença

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

Alergia às proteínas do leite de vaca

Alergia às proteínas do leite de vaca Alergia às proteínas do leite de vaca Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 Alguns lactentes, quando ingerem leite de vaca, podem reagir contra

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia

Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia 68 Funcional Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia Fernanda Fernandes Souza Andreza Corrêa Teixeira Ricardo Brandt de Oliveira Jose Sebastião dos Santos INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA A prevalência

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença O cancro do colón e reto é um dos cancros mais comuns a nível mundial. A maioria está associada à idade avançada e a fatores dietéticos/ambientais e só uma pequena percentagem está associada a fatores

Leia mais

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino Serviço de Gastrenterologia Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, EPE Diretora: Dra. Maria Antónia Duarte Vera Costa Santos 10 Outubro 2015 TUBO DIGESTIVO Digestão de alimentos Boca Esófago

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

simeticona Medley Farmacêutica Ltda. Emulsão oral 75 mg/ml

simeticona Medley Farmacêutica Ltda. Emulsão oral 75 mg/ml simeticona Medley Farmacêutica Ltda. Emulsão oral 75 mg/ml simeticona Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Emulsão oral (gotas) de 75 mg/ml: frasco com 15 ml. USO ORAL USO ADULTO E

Leia mais

REVISTA DOENÇA CELÍACA

REVISTA DOENÇA CELÍACA DOENÇA CELÍACA Kerolainy Santos Gonçalves Graduanda em Nutrição, Faculdade Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Natalia Cristina Barbosa de Abreu Graduanda em Nutrição, Faculdade Integradas de Três Lagoas

Leia mais

Giardíase Giardia lamblia

Giardíase Giardia lamblia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Itaqui Curso de Nutrição Parasitologia Giardíase Giardia lamblia Mestrando : Félix Munieweg felix_muniewe@hotmail.com Classificação taxonômica G. lamblia G. intestinalis

Leia mais

Eosinofilia esofágica em pacientes com anafilaxia à proteína do leite de vaca

Eosinofilia esofágica em pacientes com anafilaxia à proteína do leite de vaca Adriana Márcia da Silva Cunha Barbosa Eosinofilia esofágica em pacientes com anafilaxia à proteína do leite de vaca Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção

Leia mais

GAMEDII HISTÓRIA EQUIPE GAMEDII AGRADECIMENTOS:

GAMEDII HISTÓRIA EQUIPE GAMEDII AGRADECIMENTOS: GAMEDII HISTÓRIA A formação de uma equipe de profissionais interessados na assistência aos pacientes portadores de doença de Crohn e retocolite ulcerativa iniciou-se em outubro de 2005. Através da equipe

Leia mais

simeticona GERMED FARMACÊUTICA LTDA cápsula gelatinosa 125 mg

simeticona GERMED FARMACÊUTICA LTDA cápsula gelatinosa 125 mg simeticona GERMED FARMACÊUTICA LTDA cápsula gelatinosa 125 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona APRESENTAÇÕES gelatinosa de 125 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula gelatinosa contém:

Leia mais

simeticona Medley Farmacêutica Ltda. cápsula gelatinosa mole 125 mg

simeticona Medley Farmacêutica Ltda. cápsula gelatinosa mole 125 mg simeticona Medley Farmacêutica Ltda. cápsula gelatinosa mole 125 mg simeticona Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas moles de 125 mg: embalagens com 10 ou 90 cápsulas.

Leia mais

Sintaflat. (simeticona) Laboratório Globo Ltda. Comprimido 40 mg

Sintaflat. (simeticona) Laboratório Globo Ltda. Comprimido 40 mg Sintaflat (simeticona) Laboratório Globo Ltda. Comprimido 40 mg Sintaflat simeticona FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Comprimido de 40 mg. Embalagem contendo 20 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO:

Leia mais

simeticona Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. gotas 75 mg/ml

simeticona Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. gotas 75 mg/ml simeticona Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. gotas 75 mg/ml I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Simeticona emulsão oral 75 mg/ml. Embalagem

Leia mais

MUVINOR (policarbofila cálcica) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 500 mg

MUVINOR (policarbofila cálcica) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 500 mg MUVINOR (policarbofila cálcica) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 500 mg MUVINOR policarbofila cálcica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 500 mg de policarabofila base. Embalagens com

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Alergia alimentar, dermatite atópica e provável Síndrome hiper IgE em criança com 6 anos: relato de caso

Alergia alimentar, dermatite atópica e provável Síndrome hiper IgE em criança com 6 anos: relato de caso P130 Alergia alimentar, dermatite atópica e provável Síndrome hiper IgE em criança com 6 anos: relato de caso Caroline Schleiffer Buoniconti, Daniela Silva Galo, Ana Cristina Schleiffer* Apresentação do

Leia mais

ALERGIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA E INTOLERÂNCIA A LACTOSE: DIFERENÇAS, DIAGNÓSTICOS E TRATAMENTOS.

ALERGIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA E INTOLERÂNCIA A LACTOSE: DIFERENÇAS, DIAGNÓSTICOS E TRATAMENTOS. ALERGIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA E INTOLERÂNCIA A LACTOSE: DIFERENÇAS, DIAGNÓSTICOS E TRATAMENTOS. Anelise Pinheiro Cândido 1 ; Maria Emília da Silva Menezes 1. 1 Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA SARA GONÇALVES SOUSA DIAS A ALERGIA ALIMENTAR E O IMPACTO NA CRIANÇA E NA FAMÍLIA

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA SARA GONÇALVES SOUSA DIAS A ALERGIA ALIMENTAR E O IMPACTO NA CRIANÇA E NA FAMÍLIA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA TRABALHO FINAL DO 6º ANO MÉDICO COM VISTA À ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE NO ÂMBITO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA SARA GONÇALVES

Leia mais

Seminário Grandes Síndromes

Seminário Grandes Síndromes Seminário Grandes Síndromes TEMA: DISPEPSIA Residente: Paloma Porto Preceptor: Dr. Fortunato Cardoso DEFINIÇÃO De acordo com os critérios de Roma III, dispepsia é definida por 1 ou mais dos seguintes sintomas:

Leia mais

LuftaGastroPro. Reckitt Benckiser (Brasil) Ltda. Suspensão

LuftaGastroPro. Reckitt Benckiser (Brasil) Ltda. Suspensão LuftaGastroPro Reckitt Benckiser (Brasil) Ltda. Suspensão (Cada 10 ml da suspensão contém: alginato de sódio...1000 mg bicarbonato de potássio 200 mg) LUFTAGASTROPRO alginato de sódio + bicarbonato de

Leia mais

KAOSEC. Pharmascience Laboratórios Ltda COMPRIMIDO cloridrato de loperamida 2 mg

KAOSEC. Pharmascience Laboratórios Ltda COMPRIMIDO cloridrato de loperamida 2 mg KAOSEC Pharmascience Laboratórios Ltda COMPRIMIDO cloridrato de loperamida 2 mg Kaosec cloridrato de loperamida Apresentações Comprimidos de 2 mg de cloridrato de loperamida: embalagens com 12 e 200 comprimidos.

Leia mais

DIETOTERAPIA EM PACIENTES COM DOENÇA CELÍACA. RESUMO

DIETOTERAPIA EM PACIENTES COM DOENÇA CELÍACA.   RESUMO DIETOTERAPIA EM PACIENTES COM DOENÇA CELÍACA Bruno Nascimento da Silva 1 ; Karyne Barros Queiroz 1 ; Sabrina Kécia de Freitas Almeida 1 Edmir Geraldo de Siqueira Fraga 2 1 Discente do Curso de Biomedicina

Leia mais

FURP-CEFALEXINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Cápsula. 500 mg

FURP-CEFALEXINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Cápsula. 500 mg FURP-CEFALEXINA Fundação para o Remédio Popular FURP Cápsula 500 mg BULA PARA O PACIENTE FURP-CEFALEXINA 500 mg Cápsula cefalexina monoidratada MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

simeticona EMS SIGMA PHARMA LTDA cápsula mole 125 mg

simeticona EMS SIGMA PHARMA LTDA cápsula mole 125 mg simeticona EMS SIGMA PHARMA LTDA cápsula mole 125 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES de 125 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula

Leia mais

VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA IMUNOTERAPIA ANTIALÉRGICA

VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA IMUNOTERAPIA ANTIALÉRGICA VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA IMUNOTERAPIA ANTIALÉRGICA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros da poeira caseira,

Leia mais

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal 1 Complicações na Doença Inflamatória Intestinal Esta é uma iniciativa do GEDIIB de favorecer o acesso dos Médicos especialistas em DII a uma forma lúdica de informar seus pacientes sobre aspectos decisivos

Leia mais

Constipação: uma abordagem em perspectiva integral. Bruno Guimarães Tannus

Constipação: uma abordagem em perspectiva integral. Bruno Guimarães Tannus apresentam Constipação: uma abordagem em perspectiva integral Bruno Guimarães Tannus Quem está constipado? Quem está constipado?? Constipação primária (funcional, idiopática) X Constipação secundária Constipação

Leia mais

Dimezin. Comprimido 40mg

Dimezin. Comprimido 40mg Dimezin Comprimido 40mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Dimezin simeticona APRESENTAÇÕES Comprimido 40mg Embalagens contendo 20 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém:

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

Nutrição Brasil 2017;16(2):111-16

Nutrição Brasil 2017;16(2):111-16 111 Nutrição Brasil 2017;16(2):111-16 REVISÃO Intolerância a lactose vs. alergia a proteína do leite de vaca: a importância dos sinais e sintomas Lactose intolerance vs. cow milk protein allergy: the importance

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE. Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg

BULA PARA O PACIENTE. Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg BULA PARA O PACIENTE Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg BULA PARA O PACIENTE cloridrato de loperamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de

Leia mais

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO racecadotrila Medicamento genérico Lei

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas:

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Molaxole pó para solução oral 2. COMPOSICÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: Macrogol

Leia mais

FOR GAS (simeticona) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Emulsão oral

FOR GAS (simeticona) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Emulsão oral FOR GAS (simeticona) União Química Farmacêutica Nacional S.A Emulsão oral 75 mg/ml FOR GAS simeticona Emulsão oral IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Emulsão oral 75 mg/ml: embalagem

Leia mais

IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos. 2 mg

IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos. 2 mg IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos 2 mg IDENTIFICAÇÃO DO Imosec cloridrato de loperamida comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem com 12 e

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

Respostas. Utilize o verso se necessário

Respostas. Utilize o verso se necessário 01 Um lactente apresentou lesões eritemato-pápulo-vesico-crostosas na face, acometendo, principalmente, as regiões malares, no terceiro mês de vida. Após corticoterapia tópica, houve involução dessas lesões.

Leia mais

BISALAX (bisacodil) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Drágea 5 mg

BISALAX (bisacodil) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Drágea 5 mg BISALAX (bisacodil) União Química Farmacêutica Nacional S.A. Drágea 5 mg Bisalax bisacodil Drágea IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Drágeas de 5 mg: embalagens contendo 20 e 150

Leia mais

BULA DO PACIENTE. Luftal

BULA DO PACIENTE. Luftal BULA DO PACIENTE Luftal Gotas 75 mg/ml APRESENTAÇÕES Frasco conta-gotas (75 mg/ml) com 15 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada 25 gotas de LUFTAL (equivalente a 1 ml) contém 75 mg de simeticona.

Leia mais

O importante é ter saúde sempre!

O importante é ter saúde sempre! O importante é ter saúde sempre! MEDICAMENTOS GENÉRICOS Bromoprida está indicada para alívio dos distúrbios da motilidade gastrintestinal, situações de refluxo gastroesofágico, náuseas, vômitos e para

Leia mais

MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A.

MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. LIVGAS MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. comprimido 40 mg LIVGAS comprimido I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome Genérico: Forma Farmacêutica e Apresentação: Comprimidos de 40 mg em embalagem com

Leia mais

2017 ASBAI TL007 Alergia alimentar

2017 ASBAI TL007 Alergia alimentar TL007 Atualização do perfil clínico e laboratorial de pacientes com alergia à proteína do leite de vaca mediada por IgE Comparação entre as formas transitória e persistente Patrícia Coelho Duarte, Amannda

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011 PÂNCREAS ENDÓCRINO Felipe Santos Passos 2011 LOCALIZAÇÃO Região epigástrica e hipocondríaca esquerda Nível de L1 L3 Transversalmente na parede posterior do abdome LOCALIZAÇÃO Retroperitoneal Relações Anatômicas:

Leia mais

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL FLUISOLVAN Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL 3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO? Você não deve usar Fluisolvan se tiver alergia ao ambroxol (substância ativa)

Leia mais

Dieta. e Nutrição. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa

Dieta. e Nutrição. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa Dieta e Nutrição Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa A Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino (Colite Ulcerosa e Doença de Crohn) é uma organização voluntária, sem fins lucrativos,

Leia mais

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes.

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. Sub-Reino Metazoa - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. - Suspeita-se que 20% da população mundial esteja infectada com algum

Leia mais

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos

Nutrientes. Leonardo Pozza dos Santos Nutrientes Leonardo Pozza dos Santos Itaqui, 2017 O que define um nutriente? - Qualquer elemento ou composto químico necessário para o metabolismo de um organismo vivo. - Eles compõem os alimentos e são

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - FECALOMA: ABORDAGEM CLÍNICA, PRINCÍPIOS E INTERVENÇÕES

PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - FECALOMA: ABORDAGEM CLÍNICA, PRINCÍPIOS E INTERVENÇÕES PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - FECALOMA: ABORDAGEM CLÍNICA, PRINCÍPIOS E INTERVENÇÕES Apresentação da Unidade Nesta unidade são abordados conceito, causas e

Leia mais