Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06"

Transcrição

1 Psicologia Social II Atitudes (2) Formação das atitudes Funções das atitudes Copyright, 2006 José Farinha Formação das atitudes 2 linhas teóricas fundamentais na pesquisa sobre formação de atitudes LINHA TEÓRICA COGNITIVISTA: a atitude é definida pela informação que temos disponível sobre um determinado objecto (as crenças) Fishbein & Ajzen (1975): - considera a atitude como um trabalho cognitivo de avaliação de crenças. 2 1

2 informação obtida directamente - através da experiência pessoal) informação obtida indirectamente - (através da interacção social) Nível nterpessoal: - pais, amigos, grupos Nível institucional: - escola, igreja, exército... Nível mediático: - jornais, rádio, TV 3 LINHA TEÓRICA AFECTIVO/EMOCIONAL a formação de atitudes tem como fundamento uma componente afectivo/emocional. Processo básico: efeito da exposição directa (Zajonc, 1968) a exposição repetida a um mesmo estímulo tende a melhorar a atitude face a esse estímulo, isto é, a maior familiaridade com o objecto levaria ao aparecimento de sentimentos positivos face a um objecto inicialmente neutro. 4 2

3 Funções das atitudes Funções motivacionais Abordagem funcionalista (Katz, 1960)- a função da atitude é a de satisfazer necessidades psicológicas do indivíduo. TIPOS DE NECESSIDADES Adaptativas: - relacionadas com a gratificação: o sujeito desenvolve atitudes favoráveis face a objectos gratificantes e atitudes desfavoráveis face a objectos frustrantes 5 Defensivas: - relacionadas com mecanismos de defesa do eu, de impulsos interiores e ameaças exteriores redução da ansiedade - 2 tipos de mecanismos: a) negação e fuga, b) distorção (racionalização, projecção, deslocamento); Expressivas de valores: - as atitudes exprimem os valores e o sentido de identidade fundamentais do sujeito. 6 3

4 Funções Cognitivas as atitudes fornecem padrões e pontos de referência que permitem ao indivíduo dar sentido ao seu mundo conceptual interior; Referem-se à influência das atitudes na forma como o indivíduo processa a informação; Dois princípios gerais: 7 Princípio do Equilíbrio (Heider, 1970) - princípio organizador do ambiente subjectivo do indivíduo - a forma como ele percepciona o mundo em que vive: 3 Conceitos básicos: Indivíduo: - sujeito que constrói o mundo subjectivo (P); Entidade: - pessoa ou objecto físico ou social que existe no meio que envolve o sujeito (O - pessoa, X - objecto); Relação: - sentimento positivo (+) ou negativo (-) 8 4

5 9 Estado equilibrado: - estado harmonioso em que as entidades que estão na situação e os seus sentimentos se ajustam sem tensão" as situações equilibradas são preferidas relativamente e situações desequilibradas Consequências práticas: A.Conhecendo duas relações entre as entidades que constituem uma tríade podemos prever a terceira; B.As situações organizadas de forma equilibrada seriam mais estáveis, enquanto que as situações desequilibradas tenderiam a evoluir para o equilíbrio. 10 5

6 Princípio da redução da dissonância cognitiva (Festinguer, 1957) - explica a necessidade que existe em todos os indivíduos para encontrarem consonância entre as diversas cognições que têm a respeito de um mesmo objecto. 2 Conceitos básicos: Cognição: - pensamentos, atitudes e crenças conscientes; Dissonância: - existência simultânea de cognições que não se ajustam entre si; um estado de dissonância cognitiva é psicologicamente desagradável, constituindo uma motivação, uma activação do organismo no sentido da redução ou eliminação da dissonância. 11 Funções sociais Referem-se à influência da posição dos outros na formação das atitudes e sua função nos grupos sociais. Dois domínios: Identificação com o grupo; Diferenciação intergrupal. 12 6

7 A formação de atitudes tem um papel importante: na construção e preservação das identidades grupais, na integração dos indivíduos nos grupos sociais; na manutenção do status quo. 13 Funções comportamentais / pragmáticas (orientação para a acção) Teoria da Acção reflectida (Fishbein & Ajzen) estuda os processos psicológicos envolvidos na relação entre comportamento e atitude) Pressupostos: A. Todo o comportamento é uma escolha ponderada entre várias alternativas; B. O melhor preditor do comportamento será a intenção comportamental. 14 7

8 Modelo da Teoria da Acção Reflectida (Adaptado de Ajzen & Fishbein, 1980) 15 8

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

Aspectos introdutórios. rios

Aspectos introdutórios. rios Aspectos introdutórios rios Aspectos teóricos Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Os psicólogos sociais constroem e testam teorias acerca do comportamento social; Teoria psicossociológica o É

Leia mais

MOTIVAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA VIDA INDIVIDUAL MOTIVAÇÃO DE MANUTENÇÃO DA INTEGRIDADE FÍSICA MOTIVAÇÕES DE PRESERVAÇÃO ECOLÓGICA DA VIDA

MOTIVAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA VIDA INDIVIDUAL MOTIVAÇÃO DE MANUTENÇÃO DA INTEGRIDADE FÍSICA MOTIVAÇÕES DE PRESERVAÇÃO ECOLÓGICA DA VIDA MOTIVAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA VIDA INDIVIDUAL MOTIVAÇÃO DE MANUTENÇÃO DA INTEGRIDADE FÍSICA Necessidade Defesa activa da integridade física Impulso Agressivo MOTIVAÇÕES DE PRESERVAÇÃO ECOLÓGICA DA VIDA

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus Gerontologia Social 08/09

Escola Superior de Educação João de Deus Gerontologia Social 08/09 Escola Superior de Educação João de Deus Gerontologia Social 08/09 Unidade Curricular: Psicologia Social Docente: Dr. Horácio Saraiva Discentes: Maria Inês Santos Valériya Kalyuga Introdução Neste trabalho

Leia mais

Recursos. Corpo Docente. Lab. Psicofisiologia. J. Marques-Teixeira. CAEC Centro Apoio ao Estudo do Cérebro. Fernando Barbosa

Recursos. Corpo Docente. Lab. Psicofisiologia. J. Marques-Teixeira. CAEC Centro Apoio ao Estudo do Cérebro. Fernando Barbosa Corpo Docente J. Marques-Teixeira Fernando Barbosa Recursos Lab. Psicofisiologia CAEC Centro Apoio ao Estudo do Cérebro 1 ESTRUTURA GERAL DO PROGRAMA Enquadramento Geral da Psicofisiologia Síntese dos

Leia mais

Processos fundamentais de cognição social

Processos fundamentais de cognição social Processos fundamentais de cognição social Ao processo de interpretação e de simplificação da realidade social a partir das nossas crenças, valores e saberes prévios Chamamos cognição social Se organizamos

Leia mais

2.1. Formação de impressões 2.2. Julgamento social 2.3. Atribuição causal

2.1. Formação de impressões 2.2. Julgamento social 2.3. Atribuição causal 2. Percepção do outro 2.1. Formação de impressões 2.2. Julgamento social 2.3. Atribuição causal Licenciatura em Ciências da Comunicação 1 Para formar uma impressão : forma directa: em interacção, com observação

Leia mais

tipos tipos tipos Funções dos estereótipos

tipos tipos tipos Funções dos estereótipos Estereó Aspectos gerais Orientações teóricas no estudo dos estereó Controvérsia rsia sobre a veracidade dos estereó Mudança a dos estereó Funções dos estereó Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Motivação na Sala de Aula MOTIVAÇÃO E LEI DO EFEITO O MOTIVO E AS SUAS COMPONENTES TIPOS DE MOTIVOS MOTIVAÇÃO E CONFLITO MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO O PAPEL DO PROFESSOR Copyright,

Leia mais

A TEORIA DO CAMPO COGNITIVO DE KURT LEWIN AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL

A TEORIA DO CAMPO COGNITIVO DE KURT LEWIN AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre A TEORIA DO CAMPO COGNITIVO DE KURT LEWIN AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL Copyright, 2014 José

Leia mais

Teorias Motivacionais

Teorias Motivacionais Teorias Motivacionais A perspectiva biológica A perspectiva Biológica da Motivação pode subdividir-se em 3 categorias: As contribuições genéticas para o comportamento motivado A Motivação como estimulação

Leia mais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

Estruturas da Personalidade e Funcionamento do Aparelho Psíquico

Estruturas da Personalidade e Funcionamento do Aparelho Psíquico Estruturas da Personalidade e Funcionamento do Aparelho Psíquico Para Freud, a personalidade é centrada no crescimento interno. Dá importância a influência dos medos, dos desejos e das motivações inconscientes

Leia mais

Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova :

Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova : Disciplina: Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova : 90 + 30 MINUTOS I Este grupo é constituído por dez questões de escolha múltipla. Na sua folha de respostas indique

Leia mais

PSICOLOGIA B - 12º ano

PSICOLOGIA B - 12º ano PSICOLOGIA B - 12º ano Tema 2: EU Processos emocionais A professora: Antónia Couto Ano letivo: 2011-2012 Índice Introdução Distinção entre afeto, sentimento e emoção (D5) Definição de emoção (D6 e D7)

Leia mais

Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06

Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06 Psicologia Social II Atitudes (3) Medida das atitudes Escalas de atitudes Medidas fisiológicas Observação do comportamento Copyright, 2006 José Farinha Medida das atitudes 3 categorias de procedimentos

Leia mais

André Filipe dos Santos Coelho

André Filipe dos Santos Coelho 1 Em que consistem os processos conativos? A conação, os processos conativos, ligam-se, por sua vez, à dimensão do fazer, das maneiras como regulamos os nossos comportamentos e acções. Esta procura compreender

Leia mais

AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL

AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre Copyright, 2015 José Farinha, ESEC-UALG APRENDIZAGEM HUMANA

Leia mais

Psicologia da Actividade Física e do Desporto CURSO DE DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015

Psicologia da Actividade Física e do Desporto CURSO DE DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 Psicologia da Actividade Física e do Desporto CURSO DE DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 QUESTÕES DE REVISÃO NOTA PRÉVIA: POR FAVOR LEIA COM ATENÇÃO A listagem seguinte constitui uma primeira versão, necessariamente

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Ana Carolina Sperança-Criscuolo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SPERANÇA-CRISCUOLO, AC. Considerações finais. In: Funcionalismo e cognitismo na sintaxe do português: uma

Leia mais

III SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO

III SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO III SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EDUCAR PARA O FUTURO (RE)PENSAR O ENSINO WORKSHOP KIT EMOCIONAL DO DOCENTE Câmara de Lobos, 6 e 7 de Maio de 2016 Anabela Pereira e Jacinto Jardim KIT EMOCIONAL DOCENTE AS EMOÇÕES

Leia mais

Processos de inferência social

Processos de inferência social Processos de inferência social Aspectos gerais Tipos de inferência social O processo de inferência Heurísticas Rigor na inferência social Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Definição Cada indivíduo

Leia mais

Uma heurística para a modificação da cognição humana. João Lourenço de Araujo Fabiano

Uma heurística para a modificação da cognição humana. João Lourenço de Araujo Fabiano Uma heurística para a modificação da cognição humana João Lourenço de Araujo Fabiano joaolkf@gmail.com Movimento intelectual e cultural que prega o uso racional da tecnologia para melhorar a condição humana.

Leia mais

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal Processos de Grupo Aspectos básicos b do grupo coesão, socialização e normas grupais Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal Efeitos do grupo facilitação social Copyright, 2006

Leia mais

Processos de influência social

Processos de influência social Processos de influência social Defição de influência social Modalidades/processos de IS Alguns estudos clássicos Sherif (1935, 1936) Asch (1955, 1956) Copyright, 2006 José Farinha Definição de influência

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Profa. Fátima Soares Definições: A psicologia é a ciência que estuda o comportamento e os processos mentais do ser humano e todos os animais. Psicologia como ciência A psicologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA PROVA DE PSICOLOGIA MAIORES DE 23 ANOS

UNIVERSIDADE DA MADEIRA PROVA DE PSICOLOGIA MAIORES DE 23 ANOS Data: 26/06/2006 UNIVERSIDADE DA MADEIRA PROVA DE PSICOLOGIA MAIORES DE 23 ANOS Nome NºdoBI INSTRUÇÕES Duração 2h00 O exame é composto por 40 questões de escolha múltipla Cada questão de escolha múltipla

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

Caps O Consumidor individual, grupo social, organizacional

Caps O Consumidor individual, grupo social, organizacional Caps. 3 4 5 O Consumidor individual, grupo social, organizacional Cap. 3 Consumidor Individual Cap. 4 O Consumidor no Grupo Social Cap. 5 O Comprador Organizacional O consumidor Individual As pessoas compram

Leia mais

2. As percepções de competência dos parceiros numa relação podem influenciar a forma como cada um responde aos comportamentos outro;

2. As percepções de competência dos parceiros numa relação podem influenciar a forma como cada um responde aos comportamentos outro; PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação COMUNICAÇÃO EM ACÇÃO COMPETÊNCIA COMUNICATIVA Aspectos gerais Mitos sobre competência comunicativa Dimensões da competência comunicativa O comunicador

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa (2015/2016) TEORIA ORGANIZACIONAL Cultura Organizacional O QUE É COMO SURGIU PARA QUE SERVE CULTURA ORGANIZACIONAL COMO SE FORMA QUE COMPOSIÇÃO Como surgiu

Leia mais

Nota: Este enunciado tem 6 páginas. A cotação de cada pergunta encontra- se no início de cada grupo.

Nota: Este enunciado tem 6 páginas. A cotação de cada pergunta encontra- se no início de cada grupo. PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2014/2015 Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Licenciatura em Psicologia Componente Específica de Psicologia

Leia mais

PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2013/2014 Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Licenciatura em Psicologia Componente Específica de Psicologia

Leia mais

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO INDIVIDUAL

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO INDIVIDUAL UNIVESIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL ANTÔNIO AUGUSTO MIRANDA FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO INDIVIDUAL

Leia mais

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa 1 ª sessão Sessão com o treinador Treinador Motivação para o programa Discussão sobre a importância das competências psicológicas Descrição do programa Importância do reforço Importância da colaboração

Leia mais

A Agricultura e o Desenvolvimento Territorial Integrado Sistemas de Agricultura e Atractividade dos Territórios Rurais

A Agricultura e o Desenvolvimento Territorial Integrado Sistemas de Agricultura e Atractividade dos Territórios Rurais 11 Maio 2016, 1º Roteiro Visão 2020 Agricultura Portuguesa A Agricultura e o Desenvolvimento Territorial Integrado Sistemas de Agricultura e Atractividade dos Territórios Rurais Teresa Pinto Correia ICAAM,

Leia mais

Psicologia social. Interacções sociais

Psicologia social. Interacções sociais Psicologia social Interacções sociais Modelo de atracção e de amizade em função do tempo (Rusbult, 1983) Prazer Gratificações e custos Nível de comparação Investimento na relação Níveis de comparação alternativos

Leia mais

Pierre Tap et Ana Barbeiro de Maio Psicologia da saúde. Instituto Piaget - Viseu

Pierre Tap et Ana Barbeiro de Maio Psicologia da saúde. Instituto Piaget - Viseu Pierre Tap et Ana Barbeiro 15-16 de Maio 2001 Psicologia da saúde Instituto Piaget - Viseu - Educação para a saúde - Prevenção - Formação - Intervenções: - relação de ajuda - acompanhamento - terapia (individual

Leia mais

Co-Dependência: Conceituação, Sinais. Maria Roseli Rossi Avila

Co-Dependência: Conceituação, Sinais. Maria Roseli Rossi Avila Co-Dependência: Conceituação, Sinais e Sintomas Maria Roseli Rossi Avila mariaroselirossiavila@yahoo.com.br Kaplan, Sadock e Grebb dizem que: A coadição ocorreria quando mais de uma pessoa, (geralmente

Leia mais

O comportamento dos atletas perante as adversidades

O comportamento dos atletas perante as adversidades O comportamento dos atletas perante as adversidades Dr Rolando Andrade, Psicólogo da Selecção Nacional Liberty Seguros A adversidade desperta em nós capacidades, que noutras circunstâncias ficariam adormecidas.

Leia mais

Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes

Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes HU 2012 Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes 1 MOTIVAÇÃO Motivação é tudo aquilo que impulsiona a pessoa a agir de alguma forma; O impulso à ação pode ser: estímulo interno (pensar

Leia mais

Competência comunicativa e comunicação interpessoal

Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência Definição de competência comunicativa O comunicador competente A relação competente Melhorar a competência comunicativa COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada

psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Constância perceptiva Aspectos gerais Constância da forma Constância do tamanho Constância da cor Constância da luminosidade

Leia mais

do reconhecimento de expressões faciais. Outras abordagens teóricas

do reconhecimento de expressões faciais. Outras abordagens teóricas I. INTRODUÇÃO A face é a parte do corpo que mais se mostra durante a vida. Daí sua inequívoca importância no desenvolvimento psicossocial do indivíduo. A face é um sistema complexo e multidimensional que

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL I. Psicologia Geral e Psicologia Social. De que trata a Psicologia Social? 21/08/2016

PSICOLOGIA SOCIAL I. Psicologia Geral e Psicologia Social. De que trata a Psicologia Social? 21/08/2016 PSICOLOGIA SOCIAL I A psicologia social e seu objeto de estudo: QUESTÕES PRELIMINARES Profa. Dra. Rosana Carneiro Tavares A HISTÓRIA DA PSICOLOGIA SOCIAL ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO De que trata a Psicologia

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal

Liderança a e desempenho grupal Liderança a e desempenho grupal Definição de liderança Comportamento de liderança Teorias de liderança Copyright, 2006 José Farinha Definição de liderança O que é um líder? l A liderança é o exercício

Leia mais

FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE

FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE FACTORES INDIVIDUAIS ASSOCIADOS AO PRATICANTE FACTORES ANSIÓGENOS, DE STRESS E ACTIVAÇÃO NA AFD Aspectos introdutórios Quadro conceptual Avaliação da ansiedade e estresse Modelos explicativos da ansiedade

Leia mais

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA AULA 4 Prof.ª Suzane Maranduba Freire e mandella 1 A MINHA PRÁTICA PESSOAL REFLETE A MINHA PRÁTICA PROFISSIONAL Suzane Maranduba sumário SUMÁRIO 1. Anamnese 2. Desenvolvimento

Leia mais

Psicologia do Adulto e do Idoso 2

Psicologia do Adulto e do Idoso 2 Psicologia do Adulto e do Idoso EDUCAÇÃO SOCIAL 1º Ano, 2º Semestre 2014/2015 SUMÁRIO: Morte e Luto ASPECTOS GERAIS O DESENVOLVIMENTO PRÉ-MORTE; José Farinha, ESEC, 2015 MORTE E LUTO ASPECTOS GERAIS Psicologia

Leia mais

O Indivíduo e a Comunicação Interpessoal

O Indivíduo e a Comunicação Interpessoal O Indivíduo e a Comunicação Interpessoal Definição pessoal no processo de comunicação O Self O Outro COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Design de Comunicação, 3º Ano, 1º Semestre Copyright, 2010 José Farinha, ESEC

Leia mais

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1

Mente Sã Corpo São! Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Abanar o Esqueleto - Os factores que influenciam as doenças osteoarticulares. Workshop 1 Mente Sã Corpo São! Unidade de Cuidados na Comunidade Centro de Saúde de Alfândega da Fé Elaborado por: Rosa Correia

Leia mais

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALBERTO SAMPAIO Exame de Equivalência à Frequência

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALBERTO SAMPAIO Exame de Equivalência à Frequência Disciplina: PSICOLOGIA B - FASE 2ª Ano(s) de Escolaridade: 12º ANO 2009/2010 Código: 340 Duração da Prova : 90 minutos Grupo I Este grupo é constituído por dez questões de escolha múltipla. Na sua folha

Leia mais

Psicologia Percepção Visual

Psicologia Percepção Visual Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Processos sensoriais e perceptivos Conceitos básicos A sensação A percepção Sensação vs. percepção José Farinha, ESEC da

Leia mais

Indíce de Livros (V) Titulo O FIO INVISIVEL AA VAZ, JULIO MACHADO Ed. Relógio d Água Editores

Indíce de Livros (V) Titulo O FIO INVISIVEL AA VAZ, JULIO MACHADO Ed. Relógio d Água Editores Indíce de Livros (V) Titulo O FIO INVISIVEL AA VAZ, JULIO MACHADO Ed. Relógio d Água Editores Prefacio Katharina, Mahler e os outros Um homem que valia uma sociedade Era uma vez na América De Budapeste

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

REVISÃO DA LITERATURA

REVISÃO DA LITERATURA CAPITULO II REVISÃO DA LITERATURA Revisão da Literatura 6 2.1. Perspectivas sobre o conceito atitude Quando falamos de uma atitude face a algo, estamos a referir-nos a uma ideia carregada de sentimentos

Leia mais

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Neurose Obsessiva 1 Definição Ideias parasitas, as quais, permanecendo intacta a inteligência, e sem que exista um estado emotivo ou passional que o justifique, surgem conscientemente; impõem-se contra

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

INTENCIONALIDADE. Exº O sono

INTENCIONALIDADE. Exº O sono INTENCIONALIDADE A acção intencional é constituída por 2 partes: 1. Um projecto ou representação mental 2. A acção propriamente dita ou seja, a realização exterior do projecto. A 1ª seria a intenção ou

Leia mais

CONDICIONAMENTO CLÁSSICO (PAVLOV) CONDICIONAMENTO OPERANTE (SKINNER) APRENDIZAGEM POR OBSERVAÇÃO DE MODELOS (BANDURA)

CONDICIONAMENTO CLÁSSICO (PAVLOV) CONDICIONAMENTO OPERANTE (SKINNER) APRENDIZAGEM POR OBSERVAÇÃO DE MODELOS (BANDURA) PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre CONDICIONAMENTO CLÁSSICO (PAVLOV) CONDICIONAMENTO OPERANTE (SKINNER) APRENDIZAGEM POR OBSERVAÇÃO DE MODELOS (BANDURA) Copyright,

Leia mais

Clima e Cultura Organizacional

Clima e Cultura Organizacional Clima e Cultura Organizacional Psicossociologia do Trabalho Sumário Clima Organizacional Perspectiva organizacional Perspectiva Psicológica Perspectiva Psicossocial Perspectiva Cultural Cultura Organizacional

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL

CULTURA ORGANIZACIONAL CULTURA ORGANIZACIONAL CONCEITO DE CULTURA Aprendizado coletivo ou compartilhado, que uma unidade social ou qualquer grupo desenvolve enquanto sua capacidade para fazer face ao ambiente externo e lidar

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 Equipa: Doutor Carlos Silva Doutora Carla Chicau Doutor Luís Cid (coordenador) Psicólogo Luís Gonzaga

Leia mais

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada que irá tratar da CRENÇA E COMPORTAMENTO DE SAÚDE.

Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada que irá tratar da CRENÇA E COMPORTAMENTO DE SAÚDE. Agora vamos assistir a uma Apresentação Narrada que irá tratar da CRENÇA E COMPORTAMENTO DE SAÚDE. É esperado, que ao final, você compreenda os comportamentos de saúde, identifiqueos, bem como os modelos

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL Prof. João Gregório Neto PREVENÇÃO Ato ou efeito de prevenir-se Disposição ou preparo antecipado e preventivo Precaução, cautela Modo de ver antecipado, premeditado

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL NO IST

CULTURA ORGANIZACIONAL NO IST Jornadas sobre a Cultura Organizacional no Técnico IST, 21 de Abril de 2015 CULTURA ORGANIZACIONAL NO IST José Neves 1 Agenda De que falamos Como pode a ser complexidade no âmbito da da líderes? de organizacional

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Níveis de atuação na Empresa Indivíduo Grupo Organização AS ORGANIZA ÇÕES Pessoas Estrutura Organizacional Robbins, 1999 O comportamento

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS

INFLUÊNCIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS INFLUÊNCIA DAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA Def.: Grupo de pessoas unidas directamente por laços de parentesco, no qual os adultos assumem a responsabilidade de cuidar das crianças.

Leia mais

Prova escrita de Psicologia Acesso ao Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 20 de Maio 2016

Prova escrita de Psicologia Acesso ao Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 20 de Maio 2016 Prova escrita de Psicologia Acesso ao Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 20 de Maio 2016 Duração da Prova 120 minutos Nome: Classificação: Assinaturas dos Docentes: Notas Importantes: A prova de avaliação

Leia mais

V JOAD. Motivação e Liderança para vencer as barreiras da eficiência e atingir a EFICÁCIA. Jornada de Administração da UNIEVANGELICA

V JOAD. Motivação e Liderança para vencer as barreiras da eficiência e atingir a EFICÁCIA. Jornada de Administração da UNIEVANGELICA V JOAD Jornada de Administração da UNIEVANGELICA Motivação e Liderança para vencer as barreiras da eficiência e atingir a EFICÁCIA ANÁPOLIS Goiás 20 de Agosto 2009 Cecília Whitaker Bergamini CWB FGV/SP

Leia mais

GESTÃO CONFLITOS NAS EQUIPAS ACOLHIMENTO:

GESTÃO CONFLITOS NAS EQUIPAS ACOLHIMENTO: 1 GESTÃO CONFLITOS NAS EQUIPAS ACOLHIMENTO: UMA INEVITABILIDADE OU UMA OPORTUNIDADE? NUNO REIS VI JORNADAS TÉCNICAS REFLEXOS INFÂNCIA E JUVENTUDE (02 MARÇO 2016) SANTA CASA MISERICÓRDIA CALDAS RAINHA 2

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Módulo 1 Gestão de stresse

Módulo 1 Gestão de stresse Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.ardh-gi.com Módulo 1 Gestão de stresse 1 Esta apresentação não substitui a leitura dos manuais do

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe Sumário Introdução 2 PONTOS DE PARTIDA: Currículo Nacional do Ensino Básico publicado em 2001. O Programa

Leia mais

sistemas de informação

sistemas de informação sistemas de informação organização 2 introdução as organizações são o contexto imediato dos sistemas de informação os SI contribuem para a eficiência e efectividade dos sistemas de actividades humanas

Leia mais

PSICOLOGIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

PSICOLOGIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Significado da perspectiva sócio-histórica Compreensão do ser humano como historicamente construído, agente e construtor da história e cultura em que vive, e com as quais interage dialeticamente,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS DIFERENTES TEORIAS

CONTRIBUIÇÃO DAS DIFERENTES TEORIAS CONTRIBUIÇÃO DAS DIFERENTES TEORIAS PARA A COMPREENSÃO DO PROCESSO MOTIVACIONAL 1 Manuel Muacho 1 RESUMO Compreender os motivos do comportamento humano tem sido objeto de muitas teorias. O advento da psicologia

Leia mais

BION A CONTRIBUIÇÃO DA PSICANÁLISE A PSICOTERAPIA DE GRUPO

BION A CONTRIBUIÇÃO DA PSICANÁLISE A PSICOTERAPIA DE GRUPO BION A CONTRIBUIÇÃO DA PSICANÁLISE A PSICOTERAPIA DE GRUPO BIOGRAFIA Nasceu em 1897 na Índia, filho de ingleses Com 8 anos foi p\ Inglaterra Oficial na I e na II Guerra Mundial iniciou primeiras experiências

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 1º Teste Turmas A e B Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento,

Leia mais

CAPITULO II REVISÃO DA LITERATURA

CAPITULO II REVISÃO DA LITERATURA CAPITULO II REVISÃO DA LITERATURA Através do capítulo revisão da literatura, iremos efectuar um enquadramento teórico e conceptual do estudo. Com base na literatura nacional e internacional disponível,

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE

MESTRADO EM PSICOLOGIA ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE MESTRADO EM PSICOLOGIA ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE -MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-PROFISSIONAL- Saul Neves de Jesus Universidade do Algarve PLANIFICAÇÃO DAS AULAS 1ª aula (11 de Novembro):

Leia mais

O meio envolvente. Identificar partes interessadas ( stakeholders ) e sua influência Acções do gestor. Amílcar Ramos: ISCTE-Business School

O meio envolvente. Identificar partes interessadas ( stakeholders ) e sua influência Acções do gestor. Amílcar Ramos: ISCTE-Business School O meio envolvente O contexto externo da gestão Meio envolvente Competitivo (Imediato) análise das 5 forças de Michael Porter Meio envolvente Geral análise PESTAL Definir complexidade e mudança Identificar

Leia mais

A Realidade dos Serviços de Psicologia da Educação Públicos e Privados

A Realidade dos Serviços de Psicologia da Educação Públicos e Privados CATEGORIA AUTORIA AGOSTO 15 Comentários Técnicos Gabinete de Estudos e Contributos OPP Técnicos A Realidade dos Serviços de Psicologia da Educação Públicos e Privados Tomada de Posição OPP Sugestão de

Leia mais

(KOTLER, 2007) Fatores que influenciam o comportamento do consumidor

(KOTLER, 2007) Fatores que influenciam o comportamento do consumidor Comportamento do consumidor Parte 03 Marketing e outros estímulos Marketing Produto Preço Praça Promoção Outros Econômico Tecnológico Político Cultural Modelo do comportamento do comprador Caixa preta

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

Comportamento de Compra do Consumidor

Comportamento de Compra do Consumidor Comportamento de Compra do Consumidor Profa. Maria Eneida Porto Fernandes O Processo de Decisão de Compra do Consumidor Figura 2.1 O processo de decisão de compra do consumidor O Papel da Busca de Informação

Leia mais

ENCAMINHAMENTOS METODOLÓGICOS E RECURSOS DIDÁTICOS

ENCAMINHAMENTOS METODOLÓGICOS E RECURSOS DIDÁTICOS , PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2014 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 2ºB ano BIMESTRE: 1º PROFESSORA: SELMA MARIA DE MELLO DE SOUZA FREIRE CONTEÚDO ESTRUTURAN TE CONTEÚDOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA/ OBJETIVOS

Leia mais

(e)namorar. Para todos os apaixonados! Pela vida, pela cultura, por Lisboa, por Portugal!

(e)namorar. Para todos os apaixonados! Pela vida, pela cultura, por Lisboa, por Portugal! Para todos os apaixonados! Pela vida, pela cultura, por Lisboa, por Portugal! PROPOSTA PROGESTUR (e) namorar MAP 1. APRESENTAÇÃO PROGESTUR 2. APRESENTAÇÃO MAP 3. NOTA PRÉVIA 4. CONCEITO 5. ESPAÇO E CALENDARIZAÇÃO

Leia mais

Prova escrita de Psicologia Acesso ao Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 21 de Maio de Duração da Prova 120 minutos

Prova escrita de Psicologia Acesso ao Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 21 de Maio de Duração da Prova 120 minutos Prova escrita de Psicologia Acesso ao Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 21 de Maio de 2015 Duração da Prova 120 minutos Nome: Classificação: Assinaturas dos Docentes: Notas Importantes: A prova de

Leia mais

Psicologia Cognitiva I

Psicologia Cognitiva I 1 Psicologia Cognitiva I 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professores responsáveis Docentes 1.2. Síntese descritiva

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Decorrências da Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Decorrências da Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Decorrências da Teoria das Relações Humanas Professor: Roberto César Motivação Humana A motivação procura explicar por que as pessoas se comportam. Administração Cientifica

Leia mais

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário Elementos da narrativa Acção Tempo Espaço Personagens Narrador Modos de Expressão e representação Narratário O texto narrativo Conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas, o que implica

Leia mais

Teoria das Relações Humanas O comportamento humano é determinado por causas que, às vezes, escapam ao próprio entendimento e controle humano. Essas ca

Teoria das Relações Humanas O comportamento humano é determinado por causas que, às vezes, escapam ao próprio entendimento e controle humano. Essas ca Fatores Humanos na Organização do Trabalho: Satisfação, Motivação e Monotonia Ergonomia de Processo, V.2 Teoria das Relações Humanas O comportamento humano é determinado por causas que, às vezes, escapam

Leia mais

Será Culpa ou Vergonha?

Será Culpa ou Vergonha? Será Culpa ou Vergonha? Aprenda a distinguir e a lidar com estas emoções! O que são? A vergonha e culpa são emoções auto-conscientes que fazem parte do sistema moral e motivacional de cada indivíduo. Estas

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

Material para Avaliação

Material para Avaliação Material para Avaliação DPP Letras 1 Para Fixar. Projeto de vida é uma visualização antecipada da vida que desejamos ter ou levar. 2 O que é um projeto de vida? Um projeto de vida é mais do que uma ferramenta,

Leia mais