psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada"

Transcrição

1 psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Constância perceptiva Aspectos gerais Constância da forma Constância do tamanho Constância da cor Constância da luminosidade Natureza e função da constância perceptiva José Farinha, ESEC da UAlg Aspectos gerais Definição Constância perceptiva designa a tendência para vermos objectos familiares como tendo uma forma padrão, tamanho, cor ou localização, independentemente de mudanças no ângulo da perspectiva, da distância, ou da iluminação; A impressão tende a estar em conformidade com o objecto como ele é ou é considerado (estímulo distal), em vez do estímulo proximal. out

2 O nosso conhecimento do mundo é categorial, não elementar: Processo com 2 vertentes: A. Formação de categorias a partir das características permanentes, essenciais e específicas; B. Inclusão numa categoria. out-14 3 Problema da constância perceptiva: Categorias = características estáveis e simples; Visão depende de elementos fluidos e complexos; Não existe correspondência directa entre imagem física (estímulo proximal) e a imagem psicológica. out

3 Constância da forma O percepto da forma dos objectos: permanece constante apesar das alterações verificadas na imagem que é projectada na retina; segue as características do estímulo distal - não as do estímulo proximal. out-14 5 out

4 out-14 7 Teorias explicativas: Teoria da gestalt (topo-base): a constância da forma envolve uma relação entre a forma percebida e a orientação do objecto; os processos de categorização e conceptualização são processos topo-base. Teoria ecológica de Gibson (base-topo): a constância da forma baseia-se em dados puramente perceptivos (fluxos ópticos, gradientes de textura e invariantes projectivas); out

5 Constância do tamanho 2 Factos: O tamanho da imagem retiniana varia inversamente com a distância; O tamanho percebido de um objecto é o mesmo, esteja ele próximo ou afastado; Dois factores: 1. Distância percebida; 2. Familiaridade com o objecto. out-14 9 out

6 out out

7 out out

8 out out

9 Constância da cor A cor dos objectos tende a permanecer constante independentemente do nível de iluminação que incide sobre os objectos percepcionados. out out

10 out Constância da luminosidade O brilho de um objecto permanece constante apesar das variações do nível da quantidade de luz que incide sobre ele; Um objecto claro mal iluminado (menos luminosidade) parecerá sempre mais claro que um objecto escuro bem iluminado (mais luminosidade); out

11 out A constância da claridade é devida aos albedos de uma superfície no seu ambiente. Albedo é uma medida relativa da quantidade de luz refletida por uma superfície. A luz incidente divide-se em parte refletida (i.e., uma função do albedo) e parte absorvida. out

12 Albedo de uma superfície out Natureza e função da constância perceptiva A constância perceptiva: mantém-nos em contacto com as coisas reais de forma perfeitamente sólida e estável; não é um processo único problemas diversos que envolvem diferentes indícios ; A estabilidade e coerência percpetiva é obtida a partir de processos de categorização e de conceptualização. out

13 Funções - as constâncias perceptivas: simplificam a nossa percepção, tornando a complexidade manejável; aceleram o reconhecimento de formas, tamanhos e cores; reduzem o esforço de aprendizagem; permitem a optimização da experiência passada; permitem a realização de inferências acerca de atributos posteriores; out tornam os acontecimentos previsíveis; suportam a sistematização e a regularidade de processos; facilitam a ligação e coordenação de comportamentos sociais pois fornecem enquadramentos conceptuais partilháveis; adaptam o mundo às nossas necessidades e objectivos; fazem o mundo parecer mais significativo. out

psicologia da percepção visual

psicologia da percepção visual psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Formas e conteúdos perceptivos Percepção da forma Percepção da profundidade Indícios de profundidade Fisológicos Psicológicos

Leia mais

Psicologia Percepção Visual

Psicologia Percepção Visual Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Processos sensoriais e perceptivos Conceitos básicos A sensação A percepção Sensação vs. percepção José Farinha, ESEC da

Leia mais

1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada. Percepção do movimento. Percepção do movimento: - processo

1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada. Percepção do movimento. Percepção do movimento: - processo psicologia percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Formas e conteúdos perceptivos Percepção do movimento Sistema imagem/retina Sistema olhos/cabeça Movimento real e aparente

Leia mais

psicologia da percepção visual D E S I G N D E C O M U N I C A Ç Ã O, I M A G E M A N I M A D A

psicologia da percepção visual D E S I G N D E C O M U N I C A Ç Ã O, I M A G E M A N I M A D A psicologia da percepção visual D E S I G N D E C O M U N I C A Ç Ã O, I M A G E M A N I M A D A QUESTÕES DE REVISÃO ASPECTOS BÁSICOS: Defina sucintamente percepção visual. Indique e caracterize sucintamente

Leia mais

Psicofisiologia da visão

Psicofisiologia da visão Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicofisiologia da visão O olho A retina O nervo óptico O núcleo geniculado lateral O córtex visual Dos neurónios à percepção

Leia mais

Material protegido pelas leis de direito autoral Proibida qualquer tipo de divulgação sem à devida autorização ou citada a fonte de forma correta.

Material protegido pelas leis de direito autoral Proibida qualquer tipo de divulgação sem à devida autorização ou citada a fonte de forma correta. O que é cor? É a percepção visual provocada pela ação de um feixe de fótons sobre as células especializadas da retina, células essas que transmitem informação através do nervo óptico para o sistema nervoso,

Leia mais

psicologia da percepção visual

psicologia da percepção visual psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada As ilusões visuais Estudo das ilusões visuais (cont.) Ilusões de luminosidade e contraste; Ilusões de cor; Ilusões de

Leia mais

Teoria da Gestalt. Introdução

Teoria da Gestalt. Introdução Teoria da Gestalt Introdução A teoria foi criada pelos psicólogos alemães Max Wertheimer (1880-1943), Wolfgang Köhler (1887-1967) e Kurt Koffka (1886-1940), nos princípios do século XX. A teoria da Gestalt,

Leia mais

Características da cor

Características da cor Características da cor Qualquer cor particular pode ser obtida a partir da combinação de VERMELHO AZUL VERDE (Primárias aditivas) (no caso de transmissão) Isto é, uma fonte de luz vermelha, uma fonte de

Leia mais

Processos básicos envolvidos na aprendizagem. Psicologia da Aprendizagem Profa. Dra. Patricia Leila dos Santos

Processos básicos envolvidos na aprendizagem. Psicologia da Aprendizagem Profa. Dra. Patricia Leila dos Santos Processos básicos envolvidos na aprendizagem Psicologia da Aprendizagem Profa. Dra. Patricia Leila dos Santos ATENÇÃO Fenômeno pelo qual processamos ativamente uma quantidade limitada de informações do

Leia mais

Processos de atribuição

Processos de atribuição Processos de atribuição Aspectos gerais Teorias da Atribuição Funções da atribuição Atribuição, crenças e explicações sociais Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Natureza e definição Os processos

Leia mais

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos

A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos A Iluminação Natural e Artificial em Edifícios Desportivos António J.C. Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios - Núcleo de Acústica e Iluminação Workshop Eficiência Energética

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA Um padrão para a unificação de conceitos e procedimentos pode ser definido verticalmente e transversalmente para todos os anos de escolaridade A compreensão e as aptidões associadas à maioria dos esquemas

Leia mais

Sensibilidade Visual. Temperatura de Cor

Sensibilidade Visual. Temperatura de Cor Luminotécnica Fernando Augusto Lopes Corrêa Engº Eletricista CREA/PR 28.393-D Luz Radiação eletromagnética capaz de produzir uma sensação visual 1 Sensibilidade Visual Varia de acordo com o comprimento

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2013/2014 AIB_U4A 1 Bases sobre a teoria da cor aplicada aos sistemas digitais (red / Green / blue) Modelo CMYK (cyan / magenta / yellow + Black) Modelo

Leia mais

Prof.: Diego Santos. Disciplina: Projeto Gráfico I

Prof.: Diego Santos. Disciplina: Projeto Gráfico I Prof.: Diego Santos Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Disciplina: Projeto Gráfico I Ementa Estudos elementares dos fundamentos da composição em desenho. Fundamentos

Leia mais

I = log 2 N N = 16 I = log =16 I = 4. I = E p i log 2 1/p i

I = log 2 N N = 16 I = log =16 I = 4. I = E p i log 2 1/p i 28 84 821 51 417 528 118 10 325 37 327 81 31 200 48 17 10 821 84 118 37 31 327 48 51 325 528 17 81 200 417 28 2º 4º 3º 1º 1 Acontecimentos Equiprováveis I = log 2 N N = 16 I = log 2 16 2 4 =16 I = 4 N

Leia mais

AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL

AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre Copyright, 2015 José Farinha, ESEC-UALG APRENDIZAGEM HUMANA

Leia mais

Planificação a Médio Prazo Educação Visual - 7ºAno 2011/2012

Planificação a Médio Prazo Educação Visual - 7ºAno 2011/2012 Planificação a Médio Prazo Educação Visual - 7ºAno 2011/2012 Unidade Didática Apresentação Teste Diagnóstico PLANIFICAÇÃO - 1º PERÍODO :: Professor(a) Estagiária: Ana Sofia Gomes de Jesus Competências

Leia mais

psicologia da percepção visual

psicologia da percepção visual psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicologia da Gestalt Natureza e conceitos fundamentais Princípios da estruturação perceptiva Pregnância Fechamento Atitude

Leia mais

Aspectos introdutórios. rios

Aspectos introdutórios. rios Aspectos introdutórios rios Aspectos teóricos Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Os psicólogos sociais constroem e testam teorias acerca do comportamento social; Teoria psicossociológica o É

Leia mais

Planificação Anual do Ensino Aprendizagem Educação Visual - 7º Ano 2011/2012

Planificação Anual do Ensino Aprendizagem Educação Visual - 7º Ano 2011/2012 Planificação Anual do Ensino Aprendizagem Educação Visual - 7º Ano 2011/2012 Unidade Didáctica Apresentação Teste Diagnóstico PLANIFICAÇÃO - 1º PERÍODO :: Professor(a) Estagiária: Ana Sofia Gomes de Jesus

Leia mais

-Percepção: função cerebral que atribui significado a estímulos sensoriais;

-Percepção: função cerebral que atribui significado a estímulos sensoriais; Design e Percepção -Percepção: função cerebral que atribui significado a estímulos sensoriais; -É a aquisição, interpretação, seleção e organização das informações obtidas pelos sentidos; -O Design trabalha

Leia mais

GEOMETRIA II (Design de Equipamento) Assist. Ricardo Delgado

GEOMETRIA II (Design de Equipamento) Assist. Ricardo Delgado PROGRAMA CURRICULAR ANO LECTIVO 2015-2016 Unidade Curricular GEOMETRIA II (Design de Equipamento) Docente Responsável Assist. Ricardo Delgado Respectiva carga lectiva na UC 3 horas ECTS 3 ECTS 1.> Objectivos

Leia mais

A TEORIA DO CAMPO COGNITIVO DE KURT LEWIN AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL

A TEORIA DO CAMPO COGNITIVO DE KURT LEWIN AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre A TEORIA DO CAMPO COGNITIVO DE KURT LEWIN AS TEORIAS DA APRENDIZAGEM DE JEROME BRUNER E DAVID AUSUBEL Copyright, 2014 José

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Ciência da Computação e Informática Biomédica. Tópicos em Computação

Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Ciência da Computação e Informática Biomédica. Tópicos em Computação Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Ciência da Computação e Informática Biomédica Tópicos em Computação Robótica Competitiva e Visão Computacional Introdução Prof. Eduardo Todt todt@ieee.org

Leia mais

FACTORES DA PERCEPÇÃO VISUAL HUMANA NA VISUALIZAÇÃO DE DADOS

FACTORES DA PERCEPÇÃO VISUAL HUMANA NA VISUALIZAÇÃO DE DADOS 13 15 Junho de 2007. Porto, Portugal. FACTORES DA PERCEPÇÃO VISUAL HUMANA Dulclerci Sternadt Alexandre, João Manuel R. S. Tavares FEUP Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, PORTUGAL LOME Laboratório

Leia mais

S.I. nas Organizações

S.I. nas Organizações S.I. nas Organizações A inserção de SI nas organizações obriga a definir: as actividades da organização contempladas pelo sistema. o grupo de pessoas envolvidas. Deste modo e por ordem crescente de envolvimento

Leia mais

A ELIPSE, A PARÁBOLA E A HIPÉRBOLE - PROPRIEDADES E APLICAÇÕES -

A ELIPSE, A PARÁBOLA E A HIPÉRBOLE - PROPRIEDADES E APLICAÇÕES - A ELIPSE, A PARÁBOLA E A HIPÉRBOLE - PROPRIEDADES E APLICAÇÕES - João Filipe Queiró Universidade de Coimbra (responsável pelo módulo dos bilhares) A elipse, a parábola e a hipérbole são curvas que possuem

Leia mais

Processamento de Imagens: fundamentos. Julio C. S. Jacques Junior

Processamento de Imagens: fundamentos. Julio C. S. Jacques Junior Processamento de Imagens: fundamentos Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Fronteiras do Processamento de Imagens Processamento de dados Dados / Informação Visão Computacional Computação Gráfica

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL. Nielsen Castelo Damasceno

VISÃO COMPUTACIONAL. Nielsen Castelo Damasceno VISÃO COMPUTACIONAL Nielsen Castelo Damasceno Visão Computacional A visão computacional lida com o desenvolvimento de bases teóricas e algorítmicas para as quais informações úteis do mundo real 3D podem

Leia mais

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal

Processos de Grupo. Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal. do funcionamento grupal Processos de Grupo Aspectos básicos b do grupo coesão, socialização e normas grupais Estrutura do grupo papel, estatuto e redes de comunicação grupal Efeitos do grupo facilitação social Copyright, 2006

Leia mais

1º trabalho de Laboratório Óptica geométrica

1º trabalho de Laboratório Óptica geométrica 1º trabalho de Laboratório Óptica geométrica Experiência 1: Determinação do índice de refracção de um vidro acrílico A direcção de propagação da luz altera-se quando a luz atravessa uma superfície de separação

Leia mais

O que é? Gestalt é um termo intraduzível do alemão, utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

O que é? Gestalt é um termo intraduzível do alemão, utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. GESTALT O que é? Gestalt é um termo intraduzível do alemão, utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Precursor: VonEhrenfels, filósofo vienense (fins do séc.xix)

Leia mais

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Prof.: Diego Santos Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Ementa Estudos elementares dos fundamentos da composição em desenho. Fundamentos básicos da composição.

Leia mais

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica 1.0 Definições Raios de luz Linhas orientadas que representam, graficamente, a direção e o sentido de propagação da luz. Conjunto de raios de luz Feixe

Leia mais

Aplica-se à observação de microorganismos vivos, sem preparação prévia (coloração)

Aplica-se à observação de microorganismos vivos, sem preparação prévia (coloração) Campo Escuro Campo Escuro Constitui uma técnica especializada de iluminação que utiliza a luz oblíqua para reforçar o contraste em espécimes que não estão bem definidas sob condições normais de iluminação

Leia mais

Dominando o ato de desenhar

Dominando o ato de desenhar Capítulo 5 Dominando o ato de desenhar Sejam o lápis e o papel ou o teclado e o mouse, o aspirante à construção de desenhos em perspectiva precisa antes passar por um processo de aprendizagem, pois, apesar

Leia mais

Processamento de Imagens Coloridas. Prof. Adilson Gonzaga

Processamento de Imagens Coloridas. Prof. Adilson Gonzaga Processamento de Imagens Coloridas Prof. Adilson Gonzaga 1 Aparência de um Objeto A aparência de um objeto é o resultado de uma complexa interação da luz incidente sobre este objeto, suas características

Leia mais

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Reflexão da Luz e Espelhos. Objetivos. Unidade 1 Som e Luz

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Reflexão da Luz e Espelhos. Objetivos. Unidade 1 Som e Luz Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade Unidade 1 SOM E LUZ Reflexão da Luz e Espelhos Objetivos Interpretar e reconhecer a importância da reflexão e difusão da luz. Distinguir e reconhecer a

Leia mais

REFRACTOMETRTIA. Medição do índice de refracção de um sólido e de um líquido com o Refractómetro de Abbe

REFRACTOMETRTIA. Medição do índice de refracção de um sólido e de um líquido com o Refractómetro de Abbe REFRACTOMETRTIA Medição do índice de refracção de um sólido e de um líquido com o Refractómetro de Abbe 1. OBJECTIVO PRINCIPAL: Determinação do índice de refracção de uma amostra sólida (lâmina de vidro)

Leia mais

Raio luminoso e feixe de raios luminosos

Raio luminoso e feixe de raios luminosos Ótica FONTES PRIMÁRIA Fontes Secundárias Raio luminoso e feixe de raios luminosos A luz é composta por um feixe de partículas, os fotões. O raio luminoso corresponde ao caminho percorrido pelos fotões.

Leia mais

Processos de inferência social

Processos de inferência social Processos de inferência social Aspectos gerais Tipos de inferência social O processo de inferência Heurísticas Rigor na inferência social Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Definição Cada indivíduo

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 1 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Valor: 10 Nota: 1. (G1 - utfpr 2014) Sobre fenômenos ópticos, considere as afirmações abaixo. I. Se uma vela é

Leia mais

5 PERCEPÇÃO VISUAL E REQUISITOS TÉCNICOS PARA A SINALIZAÇÃO

5 PERCEPÇÃO VISUAL E REQUISITOS TÉCNICOS PARA A SINALIZAÇÃO Liana d Urso de Souza Mendes Cap. 5 Requisitos técnicos para a sinalização 5 PERCEPÇÃO VISUAL E REQUISITOS TÉCNICOS PARA A SINALIZAÇÃO 5.1 A percepção visual Arheim (1998) afirma que a experiência visual

Leia mais

GRANDEZAS USADAS EM LUMINOTECNIA Introdução

GRANDEZAS USADAS EM LUMINOTECNIA Introdução Introdução GL01 Em luminotecnia consideram-se basicamente 4 grandezas: - fluxo luminoso; - intensidade luminosa; - iluminação ou iluminância; - luminância; Em relação a esta última grandeza, as fontes

Leia mais

3º Trabalho de Laboratório Óptica geométrica

3º Trabalho de Laboratório Óptica geométrica 3º Trabalho de Laboratório Óptica geométrica NOTA: Os valores esperados devem ser calculados antes da realização experimental deste trabalho. Experiência 1: Determinação do índice de refracção de um vidro

Leia mais

Métodos de medição psicofísica

Métodos de medição psicofísica Métodos de medição psicofísica Percepção I Departamento de Física Universidade da Beira Interior 2013 / 14 Outline 1 Observador real X ideal 2 Técnicas de determinação do limiar Método dos limites ascendentes

Leia mais

A cor será estudada a diversos níveis: a sua sintaxe, natureza, aspectos técnicos e valores perceptivos, psicológicos, estéticos e culturais.

A cor será estudada a diversos níveis: a sua sintaxe, natureza, aspectos técnicos e valores perceptivos, psicológicos, estéticos e culturais. COR E PERCEÇÃO VISUAL [11512] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Que elementos da linguagem visual devo utilizar para comunicar com sucesso uma determinada mensagem? Que impacto emocional essa mensagem

Leia mais

Informação. Teoria da Informação. I = log 2 N. Estratégia Perceptiva

Informação. Teoria da Informação. I = log 2 N. Estratégia Perceptiva Processos Cognitivos e Aprendizagem Motora Aula 2/1 Processos Cognitivos e Aprendizagem Motora Aula 2/2 Teoria da Informação Shannon & Weaver (1949) Quantificar a informação que circula nos meios de comunicação

Leia mais

Teoria da Cor - Fundamentos Básicos

Teoria da Cor - Fundamentos Básicos Teoria da Cor - Fundamentos Básicos O objetivo desse material de apoio é trazer algumas informações básicas sobre teoria da cor, embora seu estudo seja muito mais amplo e envolve diversos aspectos de percepção,

Leia mais

LUZ. Forma de energia radiante que se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. A velocidade da luz no vácuo é de cerca de km/s.

LUZ. Forma de energia radiante que se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. A velocidade da luz no vácuo é de cerca de km/s. ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o comprimento de onda da luz.

Leia mais

UM GUIA PARA LENTES DE USO DIÁRIO LENTES SOLARES. Mais escolhas:

UM GUIA PARA LENTES DE USO DIÁRIO LENTES SOLARES. Mais escolhas: Mais escolhas: UM GUIA PARA LENTES DE USO DIÁRIO E LENTES SOLARES YOUNGER OPTICS DO BRASIL COMERCIAL DE LENTES LTDA Rua Alfredo Achcar, 970 Prédio 10 Bairro Nova Vinhedo Vinhedo SP CEP 13280-000 Fone:

Leia mais

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

Espelhos Planos. Reflexões. O objeto iluminado só poderá ser visto se a luz refletida por ele atingir nossos olhos. ESPELHOS PLANOS PROF.

Espelhos Planos. Reflexões. O objeto iluminado só poderá ser visto se a luz refletida por ele atingir nossos olhos. ESPELHOS PLANOS PROF. O objeto iluminado só poderá ser visto se a luz refletida por ele atingir nossos olhos. Espelhos Planos Reflexões ESPELHOS PLANOS PROF.: JEAN CARLO Espelhos Planos objeto A B Espelho d A B imagem d Essa

Leia mais

Estabilidade à Flutuação

Estabilidade à Flutuação Estabilidade à Flutuação Objectivos Princípios de estabilidade Teorema de Arquimedes Terminologia Estabilidade e momentos -> mantendo-se de pé. Metacentro, Centro de gravidade, Centro de impulsão, etc.

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2009 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program http://www.osram.com/osram_com/tools

Leia mais

Ecologia do desenvolvimento humano

Ecologia do desenvolvimento humano Ecologia do desenvolvimento humano U. Bronfenbrenner 1 A abordagem sistêmica de Bronfenbrenner: modelo bioecológico Ecologia do Desenvolvimento Humano Estudo científico da acomodação progressiva, mútua,

Leia mais

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso 1 Sumário O que é a fenomenologia? Fenomenologia Busca da verdade Os três tipos de fenómenos Etimologia do termo fenomenologia Mas como lá chegar? Jaspers: Compreender e Explicar Evolução da fenomenologia

Leia mais

Psicologia Cognitiva I

Psicologia Cognitiva I 1 Psicologia Cognitiva I 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professores responsáveis Docentes 1.2. Síntese descritiva

Leia mais

O sistema visual humano e noções de colorimetria

O sistema visual humano e noções de colorimetria STV 3 MAR 2010 1 O sistema visual humano e noções de colorimetria Considera se que a cor consista em um atributo dos objetos, assim como a textura e a forma, entre outros. Depende basicamente de: 1. Características

Leia mais

Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!!

Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!! Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. Construtiva: em fase Destrutiva: fora de fase A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!! Coerência: para que duas

Leia mais

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção

Affordance (cont.) Escala Corporal / Proporção Affordance A adaptação do homem ao seu envolvimento está normalmente associada a processos de apreciação e percepção das características dos diferentes objectos que o rodeiam: 1 se uma superfície/estrutura

Leia mais

Definição e elementos. Espelho Esférico É uma calota esférica na qual uma das superfícies é refletora.

Definição e elementos. Espelho Esférico É uma calota esférica na qual uma das superfícies é refletora. ESPELHOS ESFÉRICOS Definição e elementos Espelho Esférico É uma calota esférica na qual uma das superfícies é refletora. Definição e elementos - - - eixo secundário *Obs.: Qualquer eixo que passe pelo

Leia mais

Trabalho Prático nº 5

Trabalho Prático nº 5 ONDAS E ÓPTICA - 2008/2009 Trabalho Prático nº 5 LENTES ESPESSAS; ASSOCIAÇÃO DE LENTES 1 Objectivo Pretende-se verificar experimentalmente a formação da imagem dada por sistemas ópticos simples, constituídos

Leia mais

WORKSHOP LUZ E IMAGEM

WORKSHOP LUZ E IMAGEM WORKSHOP LUZ E IMAGEM Aula 8 Óptica Geométrica 0.9 0.8 Short-wave infrared 0.7 0.6 0.5 0.4-0.01 0.00 +0.01 Paulo Tribolet Abreu e Manuel Silveira Ramos Ar.Co, 2011 COMO FORMAR UMA IMAGEM? Cada ponto do

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/17 Design, Comunicação e Audiovisuais 1.º Ano (175 horas 234 aulas)

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/17 Design, Comunicação e Audiovisuais 1.º Ano (175 horas 234 aulas) Curso Profissional: Técnico Multimédia PLANIFICAÇÃO ANUAL 2016/17 Design, Comunicação e Audiovisuais 1.º Ano (175 horas 234 aulas) Elenco Modular Designação Duração Referência (horas) 1-Fotografia Digital

Leia mais

Desenvolvendo um desenho de luz

Desenvolvendo um desenho de luz Iluminação Desenvolvendo um desenho de luz Características de luz Recursos técnicos Documentação da luz Escolhendo tipo de luz e direção Luz geral e luz principal Normalmente criada por fontes fortes.

Leia mais

Interferência de duas fendas

Interferência de duas fendas Interferência de duas fendas Experiência de Young natureza ondulatória da luz. As duas fontes coerentes, resultantes da iluminação de duas fendas muito estreitas e paralelas, produz na tela um padrão de

Leia mais

Departamento de Arquitectura _ Faculdade de Ciências e Tecnologia _ Universidade de Coimbra. Cultura de cor

Departamento de Arquitectura _ Faculdade de Ciências e Tecnologia _ Universidade de Coimbra. Cultura de cor Departamento de Arquitectura _ Faculdade de Ciências e Tecnologia _ Universidade de Coimbra Cultura de cor Reflexões sobre a cor na arquitectura portuguesa. Dissertação de Mestrado Integrado em Arquitectura

Leia mais

Aula: Principais escolas da Psicologia: Gestalt

Aula: Principais escolas da Psicologia: Gestalt Aula: Principais escolas da Psicologia: Gestalt GESTALT O movimento gestáltico surgiu no período compreendido entre 1930 e 1940 tem como expoentes máximos: Max Wertheimer (1880-1943), Wolfgang Kôhler (1887-1967),

Leia mais

Capítulo II. Cor _ Homem

Capítulo II. Cor _ Homem Capítulo II Cor _ Homem Cultura de cor: reflexões sobre a cor na arquitectura portuguesa 28 Cor _ Homem Visão humana O olho humano pode ser comparado grosseiramente a uma máquina fotográfica e através

Leia mais

A Luz e o mundo que nos rodeia. A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta.

A Luz e o mundo que nos rodeia. A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta. LUZ A Luz e o mundo que nos rodeia A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta. A luz e os corpos Corpos luminosos corpos que produzem ou têm luz própria Corpos iluminados corpos que

Leia mais

CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS

CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS CONCEPÇÕES ALTERNATIVAS Se os alunos não são tabula rasa então já possuem um acervo de conhecimentos. Ideias próprias que devem ser levadas em conta no aprendizado de novos conceitos.

Leia mais

A capacidade do Homem para identificar estímulos é impressionante. A barreira entre a sensação e a percepção é ténue:

A capacidade do Homem para identificar estímulos é impressionante. A barreira entre a sensação e a percepção é ténue: PERCEPÇÃO Sensação e Percepção A capacidade do Homem para identificar estímulos é impressionante. A barreira entre a sensação e a percepção é ténue: SENSAÇÃO: estimulação dos órgãos dos sentidos; PERCEPÇÃO:

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

Iluminação e FotoRealismo: Fundamentos

Iluminação e FotoRealismo: Fundamentos Iluminação e FotoRealismo: Fundamentos Luís Paulo Peixoto dos Santos http://gec.di.uminho.pt/mcgav/ifr Síntese de Imagens de Alta Fidelidade Objectivo desenvolver modelos de iluminação fisicamente correctos

Leia mais

Iluminação e FotoRealismo: Fundamentos

Iluminação e FotoRealismo: Fundamentos Iluminação e FotoRealismo: Fundamentos Luís Paulo Peixoto dos Santos http://gec.di.uminho.pt/mcgav/ifr Síntese de Imagens de Alta Fidelidade Objectivo desenvolver modelos de iluminação fisicamente correctos

Leia mais

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO Conteúdo 4.1 POR QUE A ATMOSFERA E O OCEANO SE MOVEM CONTINUAMENTE?... 2 4.2 BALANÇO DE CALOR DO OCEANO E ATMOSFERA... 4 4.3 BALANÇO DE

Leia mais

Unidade de Aprendizagem 1. Física I C. O que é a Física? Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física

Unidade de Aprendizagem 1. Física I C. O que é a Física? Professor: Mário Forjaz Secca. Departamento t de Física Unidade de Aprendizagem 1 O que é a Física? Física I C Departamento t de Física Professor: Mário Forjaz Secca O Que é a Física? disciplina científica que estuda a energia e a matéria e as suas interacções

Leia mais

PORTUGISISKA Currículo para o ensino da língua sueca para imigrantes

PORTUGISISKA Currículo para o ensino da língua sueca para imigrantes PORTUGISISKA Currículo para o ensino da língua sueca para imigrantes Objetivos do ensino O programa de ensino da língua sueca para imigrantes é um programa de formação linguística qualificado que visa

Leia mais

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita

O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA. José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita O DESAFIO DOS SENSORES REMOTOS NO INVENTÁRIO DE BIOMASSA SÓLIDA José Rafael M. Silva; Adélia Sousa; e Paulo Mesquita 1 A Detecção Remota e uma técnica que nos permite obter informação sobre um objecto

Leia mais

Ciências da Linguagem e da Cognição

Ciências da Linguagem e da Cognição Ciências da Linguagem e da Cognição Reconhecimento visual Princípios Gestalt Modelos de Reconhecimento As apresentações power-point resultam de contribuições de:! António Branco! Helder Coelho! Luis Antunes!

Leia mais

Campânulas para espaços Industriais ou Comerciais

Campânulas para espaços Industriais ou Comerciais Solid-State Lighting Series Campânulas para espaços Industriais ou Comerciais Este tipo de campânulas é perfeito para aplicações industriais. Elas permitem uma melhor solução de iluminação em tectos baixos/altos,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

Descritores de Imagem (introdução)

Descritores de Imagem (introdução) Descritores de Imagem (introdução) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro da aula Definição de descritor de imagem Extração de Característica Tipos Geral x Específico Global (cor, textura,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO. Desenvolvimento Moral. MORAL Aspectos gerais o Definição de moralidade o Perspectiva psicológica da. moralidade.

DESENVOLVIMENTO. Desenvolvimento Moral. MORAL Aspectos gerais o Definição de moralidade o Perspectiva psicológica da. moralidade. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre DESENVOLVIMENTO MORAL Aspectos gerais o Definição de moralidade o Perspectiva psicológica da moralidade o Desenvolvimento

Leia mais

PARTE I 1. Capítulo 1 3

PARTE I 1. Capítulo 1 3 Agradecimentos... Prefácio... Maria José Morgado Sobre o Livro... XIII XV XVII PARTE I 1 Enquadramento e Fundamentação Teórica Capítulo 1 3 Introdução Profiling... 3 Abordagens metodológicas... 4 Recolha

Leia mais

Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06

Psicologia Social II. Psicologia Social I Mar-06 Psicologia Social II Atitudes (2) Formação das atitudes Funções das atitudes Copyright, 2006 José Farinha Formação das atitudes 2 linhas teóricas fundamentais na pesquisa sobre formação de atitudes LINHA

Leia mais

Modelo gráfico do VTK: Fonte de Luz e Câmara

Modelo gráfico do VTK: Fonte de Luz e Câmara Modelo gráfico do VTK: Fonte de Luz e Câmara J. Barbosa J. Tavares Visualização Científica Fonte de Luz e Câmara Para criar uma cena 3D (render) é necessário definir pelo menos uma Fonte de Luz e uma câmara.

Leia mais

Modelo gráfico do VTK: Fonte de Luz e Câmara

Modelo gráfico do VTK: Fonte de Luz e Câmara Modelo gráfico do VTK: Fonte de Luz e Câmara J. Barbosa J. Tavares Fonte de Luz e Câmara Para criar uma cena 3D (render) é necessário definir pelo menos uma Fonte de Luz e uma câmara. Se não forem criados

Leia mais

Geometria do Espaço-Tempo de um par de Buracos-Negros de Reissner-Nordstrom

Geometria do Espaço-Tempo de um par de Buracos-Negros de Reissner-Nordstrom Geometria do Espaço-Tempo de um par de Buracos-Negros de Reissner-Nordstrom Hanna Nencka Laurindo Sobrinho Universidade da Madeira Setembro de 1996 1-Introdução No presente trabalho procedemos ao estudo

Leia mais

Conceitos Básicos. Introdução:

Conceitos Básicos. Introdução: LUMINOTÉCNICA Conceitos Básicos Introdução: Comparando a época que a luz artificial começou a ser utilizada com os dias atuais, constata-se que foi grande o passo dado pela indústria da iluminação no século;

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Qual é a nossa principal fonte de energia? ( SOHO ) Solar and Heliospheric Observatory Image of the Sun Obtained on September

Leia mais

Determinação da constante de Planck: o efeito fotoeléctrico

Determinação da constante de Planck: o efeito fotoeléctrico Determinação da constante de Planck: o efeito fotoeléctrico Objectivos: - Verificação experimental do efeito fotoeléctrico - Determinação da energia cinética dos fotoelectrões em função da frequência da

Leia mais

Iluminação e Sombreamento

Iluminação e Sombreamento luminação e Sombreamento Computação Gráfica Carlos Guedes @ 2006 SEL/DEETC/SP Computação Gráfica 1 Computação Gráfica Carlos Guedes @ 2006 SEL/DEETC/SP Computação Gráfica http://www.oyonale.com/ldc/english/classroom.htm

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 9. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º ANO ANO LECTIVO 2009/2010 Domínio temático: Estatística e probabilidades

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 9. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 9.º ANO ANO LECTIVO 2010/2011 DOMÍNIO TEMÁTICO : ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES

Leia mais