Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fenomenologia. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso"

Transcrição

1 1

2 Sumário O que é a fenomenologia? Fenomenologia Busca da verdade Os três tipos de fenómenos Etimologia do termo fenomenologia Mas como lá chegar? Jaspers: Compreender e Explicar Evolução da fenomenologia de Jaspers 2

3 O que é a fenomenologia? É o estudo das essências e todos os problemas se reduzem a definir essências: essência da percepção, essência da consciência, por exemplo. Mas a fenomenologia é também uma filosofia que torna a colocar as essências na existência e considera que não se pode compreender o homem e o mundo senão a partir da sua «factualidade». (Merleau Ponty) 3

4 Busca da verdade Captar os fenómenos vividos e vivenciados corresponde a uma tentativa de fazer uma descrição directa da nossa experiência tal qual é, e sem nenhuma consideração da sua génese psicológica e das explicações causais que o especialista, o historiador ou o sociólogo podem dar. (Merleau Ponty) Trata-se duma aproximação, através do método fenomenológico, à essência do fenómeno. 4

5 Os três tipos de fenómenos: Fenómenos que conhecemos através da nossa própria experiência Fenómenos que são acentuações, diminuições ou contaminações de experiências pessoais Fenómenos que, pela sua estranheza, apenas podem ser abordados por analogia 5

6 Etimologia do termo fenomenologia Grego: phaenomenologia (estudo daquilo que é percebido pelos sentidos ou pela consciência) phaino (significa: brilhante) + logos Faísca 6

7 Ascendência Indo-europeia e grega do termo Fenómeno Três núcleos de significados Phaino (gr.) Fenêtre (Fr.); Fresta Faísca Fenótipo Abertura que permite ver o fenómeno Luz que ilumina Aquilo que se manifesta 7

8 Mas como lá chegar? Através do método das reduções. Ignorar as bases teóricas e metafísicas, concentrando-se unicamente nos conteúdos da consciência e na sua característica essencial intencionalidade. O truque é suspender tudo quanto se sabe de modo que apenas o imediatismo puro da experiência se mantenha como conteúdo (Edmund Husserl). 8

9 Jaspers: emprega o termo fenomenologia no sentido restrito de uma psicologia das manifestações da consciência, quer normais quer patológicas. A psicopatologia visa conhecer os fenómenos psíquicos patológicos oferecendo à clínica as bases para a compreensão da sua origem, intimidade funcional e evolução provável. A psicopatologia tenta conhecer os fenómenos que suportam a acção curativa e preventiva da clínica. 9

10 Minkowski: A psicologia do patológico exprime a expressão original da vida interior tal como o doente a constitui. Jaspers: as vias de acesso ao facto psicopatológico são a compreensão e a explicação. Compreensão método subjectivo Explicação - método objectivo 10

11 Evolução da fenomenologia de Jaspers: A vivência (fenómeno psíquico elementar) é substituída, como objecto de estudo, pela totalidade da história vital interna. Fenómeno psíquico fundamental acto fenomenológico. Extracção do mundo interior do enfermo, através da intuição e da reflexão por parte do psicopatologista, de significações essenciais e estruturas básicas daquilo que foi vivenciado. 11

12 Fenomenologia: Trata-se duma filosofia transcendental que põe em suspenso, para compreendê-las, as afirmações da atitude natural, mas é também uma filosofia para a qual o mundo permanece antes da reflexão, como uma presença inalienável. (Merleau Ponty) É um dar conta do espaço, do tempo e do mundo vividos; ou seja, um dar conta dos grandes eixos antropológicos da existência. 12

13 Os grandes fenómenos psicopatológicos Tempo e espaço Consciência Pensamento Vida afectiva 13

14 F I M 14

Apresentação O que é fenomenologia?

Apresentação O que é fenomenologia? Apresentação O que é fenomenologia? Antonio Balbino Marçal Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, ABM., org. Apresentação O que é fenomenologia? In: Ensaios sobre fenomenologia: Husserl,

Leia mais

O mundo esquizofrénico visto por Klaus Conrad Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

O mundo esquizofrénico visto por Klaus Conrad Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso O mundo esquizofrénico visto por Klaus Conrad 1 Na Esquizofrenia o cerne da perturbação ocupa sempre o núcleo do EU Diz Jarspers: só onde se pensa e se julga nasce o delírio rio Questões de conceito Reflexão

Leia mais

Os Grandes Eixos Antropológicos. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Os Grandes Eixos Antropológicos. Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Os Grandes Eixos Antropológicos 1 Tempo Espaço Corpo Mundo 2 Tempo e Espaço 3 Sumário Formas vivenciais Qualidades primordiais das vivências Filósofos: Newton, Kant, Husserl, Heidegger Minkowski: Tempo

Leia mais

Ensaios sobre. fenomenologia. Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty

Ensaios sobre. fenomenologia. Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty Ensaios sobre fenomenologia Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA JAQUES WAGNER - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO - SECRETÁRIO

Leia mais

Unidade: GESTALT. Unidade I:

Unidade: GESTALT. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: GESTALT A ESCOLA DA GESTALT A ORIGEM E A HISTÓRIA DA GESTALT Para Bock e cols (1994) é uma das tendências teóricas mais coerentes e coesas da história da Psicologia. Seus articuladores

Leia mais

Husserl, Heidegger e a

Husserl, Heidegger e a Husserl, Heidegger e a fenomenologia Mariângela Areal Guimarães, professora de Filosofia do Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ, Doutora em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

FENOMENOLOGIA DA PERCEPÇÃO SEGUNDO MAURICE MERLEAU-PONTY

FENOMENOLOGIA DA PERCEPÇÃO SEGUNDO MAURICE MERLEAU-PONTY FENOMENOLOGIA DA PERCEPÇÃO SEGUNDO MAURICE MERLEAU-PONTY FREITAS, Simone Aparecida* OLIVEIRA, Linda Marques de* SOUZA, Selma Lopes de Oliveira Andrade* SANCHES, Valter BERVIQUE, Janete de Aguirre RESUMO

Leia mais

A psicologia humanista surgiu na década de 50, ganhando força nos anos 60 e 70; Reação às ideias psicológicas pré-existentes: o behaviorismo e a

A psicologia humanista surgiu na década de 50, ganhando força nos anos 60 e 70; Reação às ideias psicológicas pré-existentes: o behaviorismo e a Humanismo A psicologia humanista surgiu na década de 50, ganhando força nos anos 60 e 70; Reação às ideias psicológicas pré-existentes: o behaviorismo e a psicanálise Os principais constituintes deste

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

CORPOREIDADE E SUBJETIVIDADE EM MERLEAU-PONTY

CORPOREIDADE E SUBJETIVIDADE EM MERLEAU-PONTY 1- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste CORPOREIDADE E SUBJETIVIDADE EM MERLEAU-PONTY Luana Lopes Xavier Universidade Federal de Goiás luanafilosofia@gmail.com 6. Fenomenologia e Corporeidade

Leia mais

Uma perspectiva histórica da psicopatologia fenomenológica

Uma perspectiva histórica da psicopatologia fenomenológica Uma perspectiva histórica da psicopatologia fenomenológica Virginia Moreira Universidade de Fortaleza INTRODUÇÃO A história da psicopatologia fenomenológica começa no início dos anos 1920, com os trabalhos

Leia mais

ANTROPOLOGIA MÉDICA Breve Contextualização

ANTROPOLOGIA MÉDICA Breve Contextualização ANTROPOLOGIA MÉDICA Breve Contextualização Reunião da Unidade de Epidemiologia 4 de Junho de 2008 Marta Godinho A génese desta apresentação Curso de Antropologia Médica, leccionado na Faculdade de Medicina

Leia mais

A FENOMENOLOGIA E A ENFERMAGEM: ALGUMAS REFLEXÕES

A FENOMENOLOGIA E A ENFERMAGEM: ALGUMAS REFLEXÕES A FENOMENOLOGIA E A ENFERMAGEM: ALGUMAS REFLEXÕES Thelma Spíndola* SPINDOLA,T. A fenomenologia e a enfermagem: algumas reflexões. Rev.Esc.Enf.USP., v.31, n.3, p.403-9, dez. 1997. O estudo apresenta a fenomenologia

Leia mais

[T] Everaldo dos Santos Mendes

[T] Everaldo dos Santos Mendes doi: 10.7213/revistapistispraxis.7685 ISSN 1984-3755 Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] ALES BELLO, A. Introdução à Fenomenologia. Trad. Ir. Jacina Turolo Garcia e Miguel Mahfoud. Bauru, São

Leia mais

O CONCEITO DE CORPO-PRÓPRIO EM EDITH STEIN E EM MERLEAU-PONTY

O CONCEITO DE CORPO-PRÓPRIO EM EDITH STEIN E EM MERLEAU-PONTY O CONCEITO DE CORPO-PRÓPRIO EM EDITH STEIN E EM MERLEAU-PONTY Dra. Ursula Rosa da Silva 1 Resumo: O presente artigo apresenta dois autores que foram influenciados pelo fenomenólogo Edmund Husserl: Edith

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE E FENOMENOLOGIA NO ESPAÇO MUSEOLÓGICO Luciana Pasqualucci Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP

INTERDISCIPLINARIDADE E FENOMENOLOGIA NO ESPAÇO MUSEOLÓGICO Luciana Pasqualucci Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP 02558 INTERDISCIPLINARIDADE E FENOMENOLOGIA NO ESPAÇO MUSEOLÓGICO Luciana Pasqualucci Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC-SP Resumo A intenção deste trabalho é ampliar a compreensão de como

Leia mais

#NOTAmanuscrita#. resenhas. Vitória-ES. 2012/01

#NOTAmanuscrita#. resenhas. Vitória-ES. 2012/01 A FENOMENOLOGIA ANOTAÇÕES [Lyotard, Jean-François. A Fenomenologia. Lisboa: Edições 70, 2008.] Caderno de Anotações, p. 099, 17.01.2012. O ceticismo Psicológico: inscreve-se a fenomenologia no combate

Leia mais

DIFERENTES PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS EM PESQUISA. Prof. Dto. Luiz Antonio de OLIVEIRA.

DIFERENTES PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS EM PESQUISA. Prof. Dto. Luiz Antonio de OLIVEIRA. DIFERENTES PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS EM PESQUISA Prof. Dto. Luiz Antonio de OLIVEIRA. PARADIGMAS DE INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO Pesquisar: Para quem? (sentido social) Por quê? (histórico) De qual lados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REINGRESSO E MUDANÇA DE CURSO 2016 FILOSOFIA CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Você deverá ter recebido o Caderno com a Proposta de Redação, a Folha de Redação,

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

Psicologia da Religião. Conceitos e Reflexões Profa. Dra. Patrícia Pazinato

Psicologia da Religião. Conceitos e Reflexões Profa. Dra. Patrícia Pazinato Psicologia da Religião Conceitos e Reflexões Profa. Dra. Patrícia Pazinato Experiência Religiosa Termo experiência do grego empeiria significando empírico ou empirismo que passa ao português como experiência.

Leia mais

Introdução O QUE É FILOSOFIA?

Introdução O QUE É FILOSOFIA? O QUE É FILOSOFIA? A filosofia não é uma ciência, nem mesmo um conhecimento; não é um saber a mais: é uma reflexão sobre os saberes disponíveis. É por isso que não se pode aprender filosofia, dizia kant:

Leia mais

Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR

Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA FLOR 151841 ESCOLA EB2,3/S DE VILA FLOR 346184 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR DE FILOSOFIA PLANIFICAÇÃO ANUAL

Leia mais

RESENHA. Bello, Angela Ales. (2015). Pessoa e Comunidade: comentários à psicologia e ciências do espírito de Edith Stein. Belo Horizonte: Artesã.

RESENHA. Bello, Angela Ales. (2015). Pessoa e Comunidade: comentários à psicologia e ciências do espírito de Edith Stein. Belo Horizonte: Artesã. 134 RESENHA Bello, Angela Ales. (2015). Pessoa e Comunidade: comentários à psicologia e ciências do espírito de Edith Stein. Belo Horizonte: Artesã. Bruna Alves Schievano Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO

A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO A VIA 1NVESTIGATIVA DA FILOSOFIA DO SER E O FENÔMENO JURÍDICO Jeannette Antonios Maman Professora Doutora do Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE

SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE SARTRE: FENOMENOLOGIA E EXISTENCIALISMO LIBERDADE E RESPONSABILDIADE Viver é isto: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências Jean Paul Sartre Jean-Paul Sartre - Paris, 1905 1980.

Leia mais

A FENOMENOLOGIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

A FENOMENOLOGIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA A FENOMENOLOGIA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Tiago Emanuel Klüber * Dionísio Burak ** Resumo Este artigo apresenta apontamentos sobre a Fenomenologia e sua possibilidade de utilização

Leia mais

SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise

SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise SARTRE E LIBERDADE: uma crítica à psicanálise Carolina Casarin Paes * Marco Antônio Marco Faccione Berbel.** Bruno Eduardo Procopiuk Walter *** JUSTIFICATIVA No início do século, a humanidade vivia um

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Espiritismo e fenomenologia. Trabalho apresentado no 9º. ENLIHPE 24 e 25 de agosto de 2013

Espiritismo e fenomenologia. Trabalho apresentado no 9º. ENLIHPE 24 e 25 de agosto de 2013 Espiritismo e fenomenologia Trabalho apresentado no 9º. ENLIHPE 24 e 25 de agosto de 2013 Classificação das Ciências (Jean Ladrière) O Ciências formais (matemática e lógica - signos) O Ciências empírico-formais

Leia mais

ANEXO 1. Metas para um Currículo de Pensamento Crítico. (Taxonomia de Ennis)

ANEXO 1. Metas para um Currículo de Pensamento Crítico. (Taxonomia de Ennis) ANEXO 1 Metas para um Currículo de Pensamento Crítico (Taxonomia de Ennis) 245 METAS PARA UM CURRÍCULO DE PENSAMENTO CRÍTICO I Definição operacional: O Pensamento Crítico é uma forma de pensar reflexiva

Leia mais

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOSÉ AFONSO Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova 340 2014 12º Ano de Escolaridade Objeto de avaliação A prova a que esta informação se refere incide nos conhecimentos e nas competências

Leia mais

O que é a Ciência? Fernando Casal. Metodologia nas Ciências Sociais Marketing, Publicidade e Relações Públicas ISPAB

O que é a Ciência? Fernando Casal. Metodologia nas Ciências Sociais Marketing, Publicidade e Relações Públicas ISPAB O que é a Ciência? Marketing, Publicidade e Relações Públicas Ciência Objecto Método Linguagem Objecto da Ciência Objecto é o assunto de que uma ciência se ocupa; É o campo da realidade abragida por cada

Leia mais

César Benjamin. Múltiplas formas de relativismo somavam-se, no fim do século

César Benjamin. Múltiplas formas de relativismo somavam-se, no fim do século husserl e a verdade César Benjamin Múltiplas formas de relativismo somavam-se, no fim do século XIX, para questionar as possibilidades de produzirmos conhecimento objetivo e verdadeiro. Não só as percepções

Leia mais

V Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 19 a 23 de outubro de 2009

V Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 19 a 23 de outubro de 2009 REFLEXÃO E TEMPO NA FENOMENOLOGIA HUSSERLIANA Para Husserl, a filosofia entendida em sentido rigoroso só é possível a partir de uma mudança de orientação (Einstellung) do pensamento. Uma mudança rumo a

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES PSÍQUICAS

AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES PSÍQUICAS UNIVERSIDADE DE SÃO PALUO ESCOLA DE ENFERMAGEM AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES PSÍQUICAS Disciplina: ENP 253 Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiátrica Texto de referência: Motta T de, Wang Y-P, Del Sant R. Funções

Leia mais

GEOGRAFIA FENOMENOLÓGICA: ESPAÇO E PERCEPÇÃO 1

GEOGRAFIA FENOMENOLÓGICA: ESPAÇO E PERCEPÇÃO 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.html ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia ufu Programa de Pós-graduação em Geografia GEOGRAFIA FENOMENOLÓGICA: ESPAÇO E PERCEPÇÃO

Leia mais

Núcleo Atendimento Clínico na Abordagem Fenomenológica-Existencial

Núcleo Atendimento Clínico na Abordagem Fenomenológica-Existencial Núcleo 2.2 - Atendimento Clínico na Abordagem Fenomenológica-Existencial DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Métodos e Técnicas em Psicologia, Psicodinâmica, Psicologia Social COORDENADOR: Ari Rehfeld PROFESSORES:

Leia mais

psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada

psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada psicologia da percepção visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Constância perceptiva Aspectos gerais Constância da forma Constância do tamanho Constância da cor Constância da luminosidade

Leia mais

Breve Tratado sobre Pessoa, Comunidade e Empatia em Edith Stein

Breve Tratado sobre Pessoa, Comunidade e Empatia em Edith Stein Breve Tratado sobre Pessoa, Comunidade e Empatia em Edith Stein Manuele Porto Cruz 1 Resumo Edith Stein procura em seus escritos fazer a integração entre a tradição metafísica clássica e a tradição fenomenológica

Leia mais

Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002

Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002 Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes PROVA GLOBAL DE INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 10º ANO ANO LECTIVO 2001/2002 Grupo I 1. Afirmar que a autonomia é uma das características da filosofia significa que A. A

Leia mais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

A invisibilidade social, uma perspectiva fenomenológica

A invisibilidade social, uma perspectiva fenomenológica ÁREA TEMÁTICA: Identidades, valores e modos de vida A invisibilidade social, uma perspectiva fenomenológica DE SÁ PINTO TOMÁS, Júlia Catarina Mestre em sociologia do imaginário Université Paul-Valéry sa.pinto.tomas@gmail.com

Leia mais

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT TEORIA DO CONHECIMENTO

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT TEORIA DO CONHECIMENTO TEORIA DO CONHECIMENTO - Embora os filósofos da Antiguidade e da Idade Média tratassem de questões referentes ao conhecimento, não se pode dizer que a teoria do conhecimento existisse enquanto disciplina

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

A disciplina estuda as noções fundamentais da psicopatologia, aprofundando o conhecimento sobre as funções mentais e suas alterações patológicas.

A disciplina estuda as noções fundamentais da psicopatologia, aprofundando o conhecimento sobre as funções mentais e suas alterações patológicas. Unidade Universitária CCBS - 040 Curso PSICOLOGIA Disciplina INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA Professor(es) Martha Serodio Dantas 113352-8 Terezinha A. de Carvalho Amaro 113774-3 Código da Disciplina 0802405-7

Leia mais

CORPO: OBJETO OU SUJEITO? Resenha submetido em Junho/2016 e aceito em Agosto/2016

CORPO: OBJETO OU SUJEITO? Resenha submetido em Junho/2016 e aceito em Agosto/2016 CORPO: OBJETO OU SUJEITO? MARCÍLIO DE SOUZA VIEIRA Pós-doutor em Artes pela UNESP. Doutor em Educação pela UFRN. Professor do curso de Licenciatura em Dança da UFRN. Membro dos grupos de pesquisa Estesia

Leia mais

Ao término desta unidade, você será capaz de:

Ao término desta unidade, você será capaz de: Aula 02 PRINCIPAIS ESCOLAS Objetivos de aprendizagem Ao término desta unidade, você será capaz de: Conhecer as principais escolas da Psicologia Compreender as principais Correntes teóricas da Psicologia.

Leia mais

Interfaces entre as inspirações da Fenomenologia e a Psicoterapia.

Interfaces entre as inspirações da Fenomenologia e a Psicoterapia. Interfaces entre as inspirações da Fenomenologia e a Psicoterapia. Nascimento, C. L. 1 Reconhecida como uma das mais notáveis manifestações filosóficas do século XIX, a Fenomenologia formulada por Edmund

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2013-2014 1ºSemestre O mundo é a minha representação. - Esta proposição é uma verdade para todo o ser vivo e cognoscente, embora só no homem chegue a transformar-se

Leia mais

SAÚDE conceitos. 30/1/06 (Liçãonº1) 6/2/06 (Liçãonº2) 1.2. OMS e a Saúde para Todos:

SAÚDE conceitos. 30/1/06 (Liçãonº1) 6/2/06 (Liçãonº2) 1.2. OMS e a Saúde para Todos: SAÚDE conceitos Planificação das aulas teóricas DATA 30/1/06 (Liçãonº1) 6/2/06 (Liçãonº2) Tipo T T Apresentação da disciplina: objectivos, conteúdos programáticos, metodologia, sistema de avaliação e referências

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Neurose Obsessiva. Neurose Obsessiva Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Neurose Obsessiva 1 Definição Ideias parasitas, as quais, permanecendo intacta a inteligência, e sem que exista um estado emotivo ou passional que o justifique, surgem conscientemente; impõem-se contra

Leia mais

Segunda 12 de agosto/ h30-10h - Teatro da Reitoria. Abertura & Conferência Internacional

Segunda 12 de agosto/ h30-10h - Teatro da Reitoria. Abertura & Conferência Internacional PROGRAMAÇÃO Segunda 12 de agosto/2013 8h30-10h - Teatro da Reitoria Abertura & Conferência Internacional Maria Lucrecia ROVALETTI (Universidad de Buenos Aires/Argentina) Obs.: Conferência em espanhol Alcance

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 4º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

MERLEAU-PONTY E A QUESTÃO DO CORPO NAS CIÊNCIAS HUMANAS

MERLEAU-PONTY E A QUESTÃO DO CORPO NAS CIÊNCIAS HUMANAS MERLEAU-PONTY E A QUESTÃO DO CORPO NAS CIÊNCIAS HUMANAS Recebido em: 14/12/2011 Aceito em: 06/02/2012 Publicado em: 15/08/2012 Republicado em: 07/04/2014 Resumo. O filósofo francês Maurice Merleau-Ponty

Leia mais

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se INTRODUÇÃO Cem anos após o nascimento da Psicologia Social, é a partir de agora possível fazer o balanço da evolução desta disciplina. Nessa perspectiva, Elementos de Psicologia Social responde a um duplo

Leia mais

Misericórdia, o que é?

Misericórdia, o que é? Misericórdia, o que é? Certas realidades, umas mais comuns do que outras, só se tornam intuíveis em situações de excepção, em que o modo habitual, desatento, da nossa estadia na vida e no ser se vê forçado

Leia mais

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 01. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 01 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Afirmar a importância do estudo da história para a compreensão da Psicologia contemporânea. Destacar a relevância das forças

Leia mais

PSICOLOGIA HUMANISTA. CARL ROGERS e a Abordagem Centrada na Pessoa

PSICOLOGIA HUMANISTA. CARL ROGERS e a Abordagem Centrada na Pessoa PSICOLOGIA HUMANISTA CARL ROGERS e a Abordagem Centrada na Pessoa -Nasceu em Oak Park, em 1902 -Família protestante altamente conservadora -Formação acadêmica: Universidade de Wisconsin; Seminário Teológico

Leia mais

A relação sujeito e mundo na fenomenologia de Merleau-Ponty

A relação sujeito e mundo na fenomenologia de Merleau-Ponty A relação sujeito e mundo na fenomenologia de Merleau-Ponty Antonio Balbino Marçal Lima SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, ABM., org. A relação sujeito e mundo na fenomenologia de Merleau-Ponty.

Leia mais

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano)

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano) ANO : 12º PSICOLOGIA B Curso Científico-Humanístico p.1/4 COMPETÊNCIAS A UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a humano) TEMA 1: ANTES DE MIM A genética, o cérebro e a cultura (12 aulas de 90`) ADN, genes e cromossomas.

Leia mais

RELAÇÃO DE HORÁRIOS POR TURMA. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta HISTÓRIA E EPISTEMOLOGIA DA PSICOLOGIA HISTÓRIA E EPISTEMOLOGIA DA PSICOLOGIA

RELAÇÃO DE HORÁRIOS POR TURMA. Segunda Terça Quarta Quinta Sexta HISTÓRIA E EPISTEMOLOGIA DA PSICOLOGIA HISTÓRIA E EPISTEMOLOGIA DA PSICOLOGIA Turma: PSD11-20162 NEURO-ANATOMO-FISIOLOGIA APLICADA À : CIÊNCIA E PROFISSÃO HISTÓRIA E EPISTEMOLOGIA DA BASES GENÉTICAS DO BASES GENÉTICAS DO NEURO-ANATOMO-FISIOLOGIA APLICADA À : CIÊNCIA E PROFISSÃO

Leia mais

Plano Estudos. 1. o Ano - 1. o Semestre Código Nome Área Cientifica ECTS Duração Horas BIO1860 Biologia Celular e Hereditária Ciências

Plano Estudos. 1. o Ano - 1. o Semestre Código Nome Área Cientifica ECTS Duração Horas BIO1860 Biologia Celular e Hereditária Ciências Plano Estudos Escola: Escola de Ciências Sociais Grau: Licenciatura Curso: Psicologia (cód. 210) 1. o Ano - 1. o Semestre BIO1860 Biologia Celular e Hereditária Ciências 6 Semestral 156 Biológicas MAT2558

Leia mais

A FENOMENOLOGIA DOS SENTIMENTOS NAS VIVÊNCIAS RELACIONAIS

A FENOMENOLOGIA DOS SENTIMENTOS NAS VIVÊNCIAS RELACIONAIS Título: A FENOMENOLOGIA DOS SENTIMENTOS NAS VIVÊNCIAS RELACIONAIS Área temática: Psicologia da Educação Autora: MIRIAN SIRLEY COMIOTTO Instituição: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

166- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

166- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste 166 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. RESUMO FENOMENOLOGIA, EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA E POSSÍVEIS LIMITES: TENTATIVAS DE CONSTRUÇÃO DE UM DIÁLOGO. José Bernardo De Broutelles

Leia mais

O corpo que dança: a linguagem artística como forma de expressão e tomada de. consciência, uma leitura da abordagem fenomenológica.

O corpo que dança: a linguagem artística como forma de expressão e tomada de. consciência, uma leitura da abordagem fenomenológica. O corpo que dança: a linguagem artística como forma de expressão e tomada de consciência, uma leitura da abordagem fenomenológica. The dancing body: the artistic language as a form of expression and awareness,

Leia mais

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales

Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Front Matter / Elementos Pré-textuais / Páginas Iniciales Antonio Balbino Marçal Lima (org.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LIMA, ABM., org. Ensaios sobre fenomenologia: Husserl, Heidegger

Leia mais

A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo

A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo Abram Eksterman A. Einstein Nem tudo que conta pode ser contado; e nem tudo que pode ser contado, conta. A. Einstein Educação é o que permanece depois

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE EXTENSÃO FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL

REGIMENTO DO CURSO DE EXTENSÃO FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL REGIMENTO DO CURSO DE EXTENSÃO FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL 2017-2 CURSO DE EXTENSÃO FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL DO INSTITUTO DE PSICOLOGIA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL

Leia mais

Este trabalho destina-se a apresentar o contexto, os. fundamentos e os métodos de uma nova proposta de

Este trabalho destina-se a apresentar o contexto, os. fundamentos e os métodos de uma nova proposta de Introdução 2 Por entre terras desconhecidas viajo e conheço, pesquisando. Na minha sala de aula tentei orientar uma pesquisa sobre um assunto como se os meus alunos estivessem no meio do mar... (Uma professora

Leia mais

HUSSERL, HERDEIRO DE DESCARTES: APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS. Palavras-chave: Husserl, Descartes, fenomenologia, metafísica.

HUSSERL, HERDEIRO DE DESCARTES: APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS. Palavras-chave: Husserl, Descartes, fenomenologia, metafísica. HUSSERL, HERDEIRO DE DESCARTES: APROXIMAÇÕES E DISTANCIAMENTOS José Reinaldo Felipe Martins Filho Graduado em Filosofia Faculdade Católica de Anápolis jreinaldomartins@gmail.com Eixo Temático 4 Fenomenologia

Leia mais

PERCEPÇÃO E LINGUAGEM EM MAURICE MERLEAU-PONTY. MELLO, Érica Vanessa* CASADEI, Gabriela Macedo* MINARDI, Marcela Zamboni* MIRANDA, Mayara F.

PERCEPÇÃO E LINGUAGEM EM MAURICE MERLEAU-PONTY. MELLO, Érica Vanessa* CASADEI, Gabriela Macedo* MINARDI, Marcela Zamboni* MIRANDA, Mayara F. PERCEPÇÃO E LINGUAGEM EM MAURICE MERLEAU-PONTY MELLO, Érica Vanessa* CASADEI, Gabriela Macedo* MINARDI, Marcela Zamboni* MIRANDA, Mayara F. Aguiar* RESUMO Este artigo tem como tema a fenomenologia da percepção

Leia mais

AS CATEGORIAS DA NARRATIVA

AS CATEGORIAS DA NARRATIVA AS CATEGORIAS DA NARRATIVA ACÇÃO ESPAÇO TEMPO PERSONAGENS NARRADOR MODALIDADES DE DISCURSO ACÇÃO É constituída por sequências narrativas provocadas pelas personagens e situa-se num espaço e num tempo mais

Leia mais

O que é Sociologia?

O que é Sociologia? O que é Sociologia? A Sociologia é um ramo da ciência que estuda o comportamento humano em função do meio e os processos que interligam o indivíduo em associações, grupos e instituições. O que faz Sociologia?

Leia mais

Fenomenologia da Percepção: Uma Abordagem para a Investigação de Experiências de Consumo

Fenomenologia da Percepção: Uma Abordagem para a Investigação de Experiências de Consumo Fenomenologia da Percepção: Uma Abordagem para a Investigação de Experiências de Consumo Autoria: Edvan Cruz Aguiar, Ohana Trajano Barbosa Resumo: O presente ensaio objetiva propor um método para investigar

Leia mais

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA Detalhamento da Matriz Curricular Eixo Temático Módulo Carga Horária Código subjetividade: o sujeito o seu meio e a cultura O Homem como ser Social 70 PSI01-01

Leia mais

SOBRE A FENOMENOLOGIA E A TENTATIVA DE FUNDAMENTAÇÃO ISSN ELETRÔNICO

SOBRE A FENOMENOLOGIA E A TENTATIVA DE FUNDAMENTAÇÃO ISSN ELETRÔNICO ISSN ELETRÔNICO 2316-8080 185 SOBRE A FENOMENOLOGIA E A TENTATIVA DE FUNDAMENTAÇÃO DE UMA CIÊNCIA RIGOROSA. Estanislau Fausto (Bolsista COPES UFS. Membro do NEPHEM.) RESUMO: Edmund Husserl tentou realizar

Leia mais

PSICOLOGIA B 12.º ANO

PSICOLOGIA B 12.º ANO ANO LETIVO DE 2011/2012 PLANIFICAÇÃO ANUAL de PSICOLOGIA B 12.º ANO I. A entrada na vida Tema 1 - Antes de mim A genética, o cérebro e a cultura Objetivo geral Compreender as capacidades genéticas do ser

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Teoria e Prática Científica Antônio Joaquim Severino Grupo de pesquisa: Educação e saúde /enfermagem: políticas, práticas, formação profissional e formação de professores

Leia mais

O FUNCIONALISMO DE ÉMILE DURKHEIM. Prof. Cesar Alberto Ranquetat Júnior

O FUNCIONALISMO DE ÉMILE DURKHEIM. Prof. Cesar Alberto Ranquetat Júnior O FUNCIONALISMO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO Émile Durkheim (1858-1917) Principais obras: Da divisão do trabalho (1893); Regras do Método Sociológico (1895); O Suicídio

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 140/C/5 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA ESCRITA DE PSICOLOGIA 1. CRITÉRIOS

Leia mais

As contribuições da fenomenologia na pesquisa em pedagogia social

As contribuições da fenomenologia na pesquisa em pedagogia social As contribuições da fenomenologia na pesquisa em pedagogia social Mara Lucia Teixeira Brum * Elizane Pegoraro Bertineti ** Lucimar Pereira de Souza *** RESUMO O texto teve como objetivo mostrar a importância

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO

HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO HERMENÊUTICA E INTERPRETAÇÃO Hermenêutica e Interpretação não são sinônimos: HERMENÊUTICA: teoria geral da interpretação (métodos, estratégias, instrumentos) INTERPRETAÇÃO: aplicação da teoria geral para

Leia mais

O diagnóstico na abordagem fenomenológica-existencial. Diagnostics on phenomenological-existential approach

O diagnóstico na abordagem fenomenológica-existencial. Diagnostics on phenomenological-existential approach ARTIGO O diagnóstico na abordagem fenomenológica-existencial Diagnostics on phenomenological-existential approach Ariana Maria Leite Araújo Revista IGT na Rede, V.7, Nº 13, 2010, Página 315 de 323. RESUMO

Leia mais

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce Primeiridade, Secundidadee Terceiridade Charles Peircee a Lógica Triádicado Signo. 1839-1914 Charles Sanders Peirce Ciências naturais: químico, matemático, físico, astrônomo, biologia, geologia Ciências

Leia mais

Movimento de Reconceituação Reatualização do Conservadorismo

Movimento de Reconceituação Reatualização do Conservadorismo Movimento de Reconceituação Reatualização do Conservadorismo Existia uma núcleo do Serviço Social interessado, pelas mais diversas razões: ideológicas, políticas, teóricas, profissionais, em restaurar

Leia mais

A ABERTURA DO SER-NO-MUNDO COMO DESDOBRAMENTO DA INTUIÇÃO CATEGORIAL

A ABERTURA DO SER-NO-MUNDO COMO DESDOBRAMENTO DA INTUIÇÃO CATEGORIAL 1- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste A ABERTURA DO SER-NO-MUNDO COMO DESDOBRAMENTO DA INTUIÇÃO CATEGORIAL João Evangelista Fernandes- Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E.S.A.B. ESCOLA SECUNDÁRIA DE AVELAR BROTERO Filosofia 11º Ano Duração: 135m Ano letivo: 2015/2016 Matriz da Prova de Avaliação Sumativa Interna na Modalidade de Frequência não Presencial

Leia mais

edelman 7/9/05 15:22 Página 19 CAPÍTULO 1 A Mente do Homem COMPLETANDO O PROGRAMA DE DARWIN

edelman 7/9/05 15:22 Página 19 CAPÍTULO 1 A Mente do Homem COMPLETANDO O PROGRAMA DE DARWIN edelman 7/9/05 15:22 Página 19 CAPÍTULO 1 A Mente do Homem COMPLETANDO O PROGRAMA DE DARWIN Em 1869, Charles Darwin exasperou-se com o seu amigo Alfred Wallace, co-fundador da teoria da evolução. Tinham

Leia mais

Tradução de Antônio Pinto de Carvalho in A filosofia contemporânea ocidental, Herder, 1968

Tradução de Antônio Pinto de Carvalho in A filosofia contemporânea ocidental, Herder, 1968 EDMUND HUSSERL por J. M. Bochenski Tradução de Antônio Pinto de Carvalho in A filosofia contemporânea ocidental, Herder, 1968 A. EVOLUÇÃO E IMPORTÂNCIA DE SEU PENSAMENTO. EDMUND HUSSERL (1859-1938) que,

Leia mais

Narrativa e informação

Narrativa e informação Narrativa e informação emissor = formulador da sintaxe da mensagem receptor = intérprete da semântica A recepção qualifica a comunicação. É por isso que o receptor tem papel fundamental no processo de

Leia mais

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura

O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura O caráter não-ontológico do eu na Crítica da Razão Pura Adriano Bueno Kurle 1 1.Introdução A questão a tratar aqui é a do conceito de eu na filosofia teórica de Kant, mais especificamente na Crítica da

Leia mais

A GEOGRAFIA FENOMENOLÓGICA:

A GEOGRAFIA FENOMENOLÓGICA: 1 do rio Formate a partir da sua história oral e dos seus mapas mentais Ernandes de Oliveira Pereira Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geogafia Universidade Federal do Espírito Santo ernandesop@yahoo.com.br

Leia mais

A GEOGRAFIA HUMANISTA E A FENOMENOLOGIA META

A GEOGRAFIA HUMANISTA E A FENOMENOLOGIA META Aula 9 A GEOGRAFIA HUMANISTA E A FENOMENOLOGIA META Apresentar a proposta da Geografi a Humanista no contexto da Fenomenologia. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: explicar a proposta da Fenomenologia

Leia mais

FENOMENOLOGIA DAS RELAÇÕES NOS AMBIENTES VIRTUAIS_ UMA CHAVE DE LEITURA DO POTENCIAL DE EMPATIA ENTRE TUTOR-ALUNO

FENOMENOLOGIA DAS RELAÇÕES NOS AMBIENTES VIRTUAIS_ UMA CHAVE DE LEITURA DO POTENCIAL DE EMPATIA ENTRE TUTOR-ALUNO FENOMENOLOGIA DAS RELAÇÕES NOS AMBIENTES VIRTUAIS_ UMA CHAVE DE LEITURA DO POTENCIAL DE EMPATIA ENTRE TUTOR-ALUNO Curitiba/PR Maio/2016 Vera Fatima Dullius - FAE Centro Universitário - vera.dullius@fae.edu

Leia mais