Processos de inferência social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos de inferência social"

Transcrição

1 Processos de inferência social Aspectos gerais Tipos de inferência social O processo de inferência Heurísticas Rigor na inferência social Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Definição Cada indivíduo identifica, organiza e interpreta certos dados da sua observação do outro e realiza uma inferência que habitualmente resulta numa impressão ou julgamento; Uma inferência pode ser realizada a partir do que é directamente observável, e de estados subjectivos ou processos psicológicos inacessíveis à percepção imediata. 2 1

2 Natureza: A inferência social representa o cerne da cognição social; Os processos de inferência podem seguir uma via mais formal e abstracta ou uma via mais intuitiva e concreta. 3 Inferência como processo processo que implica decidir que tipo de informação se recolhe face a outra pessoa, recolher essa informação e combiná-la de alguma forma; Inferência como produto o resultado a que chega um determinado raciocínio inferencial. 4 2

3 Tipos de inferência social Inferências categoriais Ocorrem em duas situações: quando temos informações acerca de um ou mais elementos de uma categoria concreta (por ex. os jovens, os políticos, os algarvios) e generalizamos essa informação a todos os elementos da categoria processo indutivo; Quando atribuímos as características de uma categoria social às pessoas que pertencem a essa categoria processo dedutivo. 5 Inferências causais Inferências causais Ocorrem quando procuramos compreender a razão ou a causa de um determinado comportamento que observamos em outra pessoa. 6 3

4 Inferências acerca de relações estruturais Ocorrem quando tentamos manter o equilíbrio numa dada estrutura de relacionamento social (Heider). 7 O processo de inferência Fases do processo de inferência: Recolha de informação Que quantidade e qual a informação mais relevante para a inferência? Tratamento da informação Qual a adequação da informação recolhida para o objectivo da inferência? Uso da informação Realização da inferência propriamente dita. 8 4

5 Erros no processo de recolha de informação Selecção dos dados segundo as expectativas prévias. Erros amostragem da informação Sobrevalorizar os casos extremos; Não ter em conta o carácter enviesado da amostra. 9 Erros no processo de uso e integração da informação Falhas nos cálculos das probabilidades conjuntas; Erros no manejo de informação diagnóstica (central) e não diagnóstica (periférica); Sobrestimação da relação entre dois factos. 10 5

6 Heurísticas Os processos cognitivamente ideais para a realização de inferências raramente são seguidas pelas pessoas nos processos de inferência que realizam quotidianamente; Apesar de serem cometidos muitos erros as pessoas parecem mesmo assim realizar inferências razoavelmente correctas; São utilizadas heurísticas espécie de atalhos cognitivos, para reduzir a complexidade dos processos de tomada de decisão e fazer julgamentos de forma mais simples e imediata. 11 Heurísticas de representatividade São usadas essencialmente quando se trata de fazer julgamentos de probabilidade; Trata-se de fazer uma simples estimativa acerca da medida em que uma característica de alguém é semelhante a uma característica típica ou representativa de uma categoria. 12 6

7 Heurísticas de disponibilidade Trata-se de inferir a probabilidade de ocorrência de um acontecimento baseada na rapidez com que acontecimentos semelhantes nos vêm à mente. Quando muitos acontecimentos estão imediatamente disponíveis normalmente tendemos a inflacionar a frequência de ocorrências. 13 Heurísticas de ancoragem e ajustamento São utilizadas quando tomamos como referência um ponto de partida, um standard inicial âncora e procuramos ajustar ou adaptar a inferência final ao ponto de partida inicial; Muitas vezes utilizamo-nos a nós próprios como ponto de partida lugar onde colocamos a âncora. 14 7

8 Rigor da Inferência social A inferência social é um processo sujeito a erros, enviesamentos,, e falsas interpretações; Falibilidade das inferências pode ser mais aparente que real; Os erros de inferência podem ter consequências sérias s p. ex. estereotipização negativa de grupos minoritários; rios; O rigor da inferência social aumentará na medida em que confiemos menos em estratégias inferenciais intuitivas e mais em formas de pensamento racional e científico, assim como em dados factuais, p. ex. de tipo estatístico. stico. 15 8

Manual de Instalação. Gestão Comercial Golfinho. Gestão Comercial Golfinho - Manual de Instalação

Manual de Instalação. Gestão Comercial Golfinho. Gestão Comercial Golfinho - Manual de Instalação Manual de Instalação Gestão Comercial Golfinho 1 Caro Utilizador, É com muito gosto que lhe damos as boas vindas agradecendo a sua preferência pelos nossos produtos. Este manual tenta auxilia-lo na instalação

Leia mais

Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH.

Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH. Análise e Descrição de Funções Muitos autores consideram a análise de funções como a espinha dorsal da GRH. A análise de funções tem relevância em várias v vertentes: - Recrutamento e Selecção, - Avaliação

Leia mais

Informática II Cap. 3

Informática II Cap. 3 Cap. 3 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens:

Leia mais

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados.

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL O QUE NECESSITA SABER PARA GARANTIR O SUCESSO 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. umário O principal

Leia mais

Leia os textos 1 e 2 com atenção para responder às questões de 1 a 11.

Leia os textos 1 e 2 com atenção para responder às questões de 1 a 11. Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA A 2 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2013 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Leia os textos 1 e 2 com atenção para responder às questões

Leia mais

Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica.

Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica. Azevedo, C. et al. (1996) Metodologia científica. Porto: s/ed. (pp.15-28) Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica. Aprender

Leia mais

MANUAL DE UTILIZADOR Aplicativo: Análise do Estudo da Lição da Escola Sabatina. 0. INTRODUÇÃO... 2 1. ARRANQUE DO APLICATIVO... 2 1.1. Início...

MANUAL DE UTILIZADOR Aplicativo: Análise do Estudo da Lição da Escola Sabatina. 0. INTRODUÇÃO... 2 1. ARRANQUE DO APLICATIVO... 2 1.1. Início... Índice 0. INTRODUÇÃO... 2 1. ARRANQUE DO APLICATIVO... 2 1.1. Início... 2 1.2. Perguntas de segurança... 2 2. FORMULÁRIO PRINCIPAL DO APLICATIVO... 4 2.1. Caixa de Texto: Nome da Igreja... 4 2.2. Botão:

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP MANUAL DE ACESSO AO GeADAP OBJETIVO DO MANUAL O objectivo deste manual é explicar como pode um utilizador aceder ao GeADAP. 1 ENDEREÇOS DE ACESSO AO GeADAP 1.1. Serviços da Administração Central Os utilizadores

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

REALIDADE CANADENSE. Luiza Kent-Smith, RD, PhD Professional Leader Nutrition & Dietetics Saskatoon Health Region

REALIDADE CANADENSE. Luiza Kent-Smith, RD, PhD Professional Leader Nutrition & Dietetics Saskatoon Health Region REALIDADE CANADENSE Luiza Kent-Smith, RD, PhD Professional Leader Nutrition & Dietetics Saskatoon Health Region Provincias (10) Nova Scotia New Brusnwick Prince Edward Island Newfoundland & Labrador Quebec

Leia mais

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS 1 Missão da Biblioteca Os princípios orientadores da Biblioteca Municipal Simões de Almeida (tio) têm como base o Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas, pelo que no cumprimento da sua missão

Leia mais

Manual de Utilizador

Manual de Utilizador Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia Engenharia Informática Industrial Sistemas Operativos 2006 Manual de Utilizador Docente: Professor António Corral Trabalho elaborado por:

Leia mais

Processos de influência social

Processos de influência social Processos de influência social Alguns estudos clássicos Milgram (1963, 1974) Moscovici Copyright, 2006 José Farinha Santley Milgram (1963, 1974): obediência à autoridade Objecto: Estudo das reacções individuais

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA FACILITADORES E INIBIDORES DA DECISÃO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE LAZER O CASO DO SOTAVENTO ALGARVIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA FACILITADORES E INIBIDORES DA DECISÃO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE LAZER O CASO DO SOTAVENTO ALGARVIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA FACILITADORES E INIBIDORES DA DECISÃO DE PARTICIPAÇÃO EM VIAGENS DE LAZER O CASO DO SOTAVENTO ALGARVIO Dissertação para a Obtenção do Grau de Mestre em Gestão

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP O objectivo central desta sincronização é a utilização por parte dos clientes das funcionalidades gerais dos seus ERP s, tal como: gestão documental,

Leia mais

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE?

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE? Rafael Mahave Tradução e adaptação de Amândio da Fonseca Ninguém duvida da utilidade dos incentivos para se atingirem objectivos, quer no âmbito profissional quer empresarial. E quando falamos de objectivos

Leia mais

Ergonomia Cognitiva. Ergonomia Cognitiva: conteúdo 4/7/2010. Ergonomia Cognitiva: metas do módulo

Ergonomia Cognitiva. Ergonomia Cognitiva: conteúdo 4/7/2010. Ergonomia Cognitiva: metas do módulo Parte 1 Pós-Graduação em Ergonomia Profª Rosimeire Sedrez Bitencourt, Drª Eng 10 e 11 de Abril de 2010 : conteúdo Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5 Histórico e conceitos básicos de. i. Percepção

Leia mais

TESTE DE TREINO PARA O TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

TESTE DE TREINO PARA O TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL TESTE DE TREINO PARA O TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste folheto pode ser reproduzida de

Leia mais

Guia de Utilização Configurações acesso à plataforma MAC - Safari Março 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL

Guia de Utilização Configurações acesso à plataforma MAC - Safari Março 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Guia de Utilização Configurações acesso à plataforma MAC - Safari Março 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Índice ÍNDICE... 2 1 PRÉ-REQUISITOS DE ACESSO À PLATAFORMA... 3 1.1 - Requisitos Software... 3

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

Impressão e servidores de impressão

Impressão e servidores de impressão Impressão e servidores de impressão Impressão e servidores de impressão Quando adiciona uma impressora ligada directamente à rede através de uma placa de rede, pode implementar a impressão de duas formas:

Leia mais

Auditorias. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2005

Auditorias. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2005 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2005 Termos e definições Auditoria Processo sistemático, independente e documentado para obter evidências de auditoria e respectiva avaliação objectiva

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

Implementação/Regras do Integrador AGROGESTÃO/ ArtSOFT

Implementação/Regras do Integrador AGROGESTÃO/ ArtSOFT Implementação/Regras do Integrador AGROGESTÃO/ ArtSOFT O objectivo central desta sincronização é a utilização por parte dos clientes das funcionalidades gerais de ERP do ArtSOFT, tal como: gestão documental,

Leia mais

Observação. Saber observar implica confrontar indícios com a experiência anterior para os poder interpretar.

Observação. Saber observar implica confrontar indícios com a experiência anterior para os poder interpretar. Observação A observação é um ato natural, é um modo de apreensão do que se passa. A criação de uma atitude de observação consciente passa por um treino da atenção, de forma a seleccionar a informação pertinente

Leia mais

Psicologia Cognitiva. Métodos de investigação em Psicologia Cognitiva. Aula teórica 02. A) Métodos comportamentais

Psicologia Cognitiva. Métodos de investigação em Psicologia Cognitiva. Aula teórica 02. A) Métodos comportamentais Psicologia Cognitiva Aula teórica 02 A) Métodos comportamentais a) Métodos de investigação b) Estímulos e respostas c) Paradigmas experimentais Métodos de investigação B) Métodos fisiológicos C) Métodos

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

QUAR. Quadro de Avaliação e Responsabilização SIADAP 1

QUAR. Quadro de Avaliação e Responsabilização SIADAP 1 QUAR Quadro de Avaliação e Responsabilização SIADAP 1 Hierarquia dos QUAR Avaliação Final do Serviço DIMENSÕES Agrupamentos de 1 a n objectivos OBJECTIVOS Agrupamentos de 1 a n indicadores INDICADORES

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Apresentação 1 1 Apresentação Manual de Utilização Revisão 2007.1 Bem vindo ao programa de Gestão de Bancos AstorBan da Astormatica. Onde encontrar a informação? Problemas & Soluções Como instalar e configurar

Leia mais

motivações e percepções dos consumidores: o caso do algarve

motivações e percepções dos consumidores: o caso do algarve motivações e percepções dos consumidores: o caso do algarve Antónia Correia - Faculdade de Economia Universidade do Algarve - Ana Rita Cruz - Faculdade de Economia Universidade do Algarve João Guerreiro

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Curso de Gestão Público Legislativa Disciplina: Gestão de Pessoas Profª. Drª. Meire Cachioni TEMA 3 Liderança e o comportamento organizacional Liderança: definições e afirmações teóricas Liderança: definições

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

SInOA - Sistema de Informação da Ordem dos Advogados INSCRIÇÃO NO SISTEMA DE ACESSO AO DIREITO. Manual de Utilizador

SInOA - Sistema de Informação da Ordem dos Advogados INSCRIÇÃO NO SISTEMA DE ACESSO AO DIREITO. Manual de Utilizador SInOA - Sistema de Informação da Ordem dos Advogados INSCRIÇÃO NO SISTEMA DE ACESSO AO DIREITO Manual de Utilizador INTRODUÇÃO O presente Manual tem por objectivo a descrição dos procedimentos a ter em

Leia mais

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Pág.: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO A fotogrametria é um método de levantamento baseado na observação do mesmo objecto de dois ou três ângulos diferentes, possibilitando a reconstituição de uma imagem espacial a

Leia mais

COMPORTAMENTAL, LIDERANÇA e RECURSOS HUMANOS. Comportamental, Liderança e Recursos Humanos

COMPORTAMENTAL, LIDERANÇA e RECURSOS HUMANOS. Comportamental, Liderança e Recursos Humanos Comportamental, Liderança e Recursos Humanos LIDERANÇA DURAÇÃO 21 horas ENQUADRAMENTO O grande desafio do século XXI consiste em conseguir desenvolver o potencial humano como forma de capacitar as organizações

Leia mais

2010 Edelman Trust Barometer Março 2010. Resultados para Portugal

2010 Edelman Trust Barometer Março 2010. Resultados para Portugal 2010 Edelman Trust Barometer Março 2010 Resultados para Portugal Edelmen Trust Barometer em Portugal A Ficha Técnica O Universo Indivíduos com telefone fixo e/ou telemóvel, residentes em Portugal, com

Leia mais

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO 4.1 - Estudo do posto de trabalho: abordagem tradicional e ergonômica Posto é uma palavra oriunda da linguagem militar; Indica um local onde alguém é colocado para realizar uma determinada tarefa ou função;

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Validação e Encriptação Manual de Operação Versão 1.1 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA

PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA 2013 SUMÁRIO 3 4 5 6 8 11 INTRODUÇÃO METODOLOGIA ÍNDICE DE CONFIANÇA DAS PMEs EM TI CARACTERÍSTICAS DAS PMEs TOP-TIER MELHORES

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

NORMALIZAÇÃO. desenho técnico

NORMALIZAÇÃO. desenho técnico NORMALIZAÇÃO desenho técnico 2004/2005 II Formatos do papel (NP 48) Normalização No mundo actual cada vez mais é necessário haver um conjunto de regras ou normas que permitam uma uniformização, quer nos

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE DOWNLOADS NA INTERNET

SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE DOWNLOADS NA INTERNET SÍNTESE DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE DOWNLOADS NA INTERNET MARÇO 2009 Sobre a Netsonda A Netsonda, em actividade desde Julho de 2000, é líder e pioneira em Portugal na recolha e análise de informação

Leia mais

Guia de autopercepção

Guia de autopercepção TRACOM Sneak Peek Excerpts from Guia de autopercepção Guia de autopercepção Índice Introdução...1 O SOCIAL STYLE MODEL TM...1 De onde vem seu estilo?....................................................

Leia mais

Domínio: Terra no Espaço

Domínio: Terra no Espaço Escola Secundária Vitorino Nemésio Disciplina de Ciências Físico-Químicas Metas de Aprendizagem - 7º Ano de Escolaridade Domínio: Terra no Espaço Subdomínio: Universo O aluno constrói uma interpretação

Leia mais

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015.

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015. São Paulo (SP), 20 de julho de 205. Discurso do Diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Tony Volpon, no Encontro com Investidores promovido pela CM Capital Markets. Gostaria

Leia mais

PROGEPE. Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas

PROGEPE. Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas PROGEPE Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Apresentação A Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas, através da Equipe de Segurança do Trabalho da UNIFAL-MG, elaborou este manual com o objetivo de esclarecer dúvidas

Leia mais

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO SGI Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO CONHECE OS CUSTOS DE IMPRESSÃO DA SUA ORGANIZAÇÃO? O actual contexto mundial torna central a necessidade de reequacionar gastos a todos

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Solução de Gestão de Contraordenações - STICO. Apresentação de Solução

Solução de Gestão de Contraordenações - STICO. Apresentação de Solução Solução de Gestão de Contraordenações - STICO Apresentação de Solução A Oferta dos CTT Expresso e encomendas Courrier Estafetagem Logística Serviços Financeiros Produtos Poupanças Seguros Soluções Pagamentos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO

ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO ELABORAÇÃO DE UM GUIÃO DE PESQUISA DE INFORMAÇÃO Este guia pretende ajudar os professores e os alunos na criação de guiões de pesquisa de informação. Os guiões de pesquisa podem ser mais ou menos detalhados,

Leia mais

Ano letivo: 2011/2012 TERRA EM TRANSFORMAÇÃO

Ano letivo: 2011/2012 TERRA EM TRANSFORMAÇÃO Agrupamento de Escolas de Aveiro ESCLA BÁSICA 2º E 3º CICLS JÃ AFNS DE AVEIR CIÊNCIAS FÍSIC-QUÍMICAS - 7º AN PLANIFICAÇÃ Ano letivo: 2011/2012 1º P E R Í D 2º P E R Í D 3º P E R Í D TEMAS TERRA EM TRANSFRMAÇÃ

Leia mais

Responsabilidade Civil Profissional para Profissões Específicas

Responsabilidade Civil Profissional para Profissões Específicas O propósito desta proposta de seguro é conhecê-lo a si e à sua actividade. O seu preenchimento não vincula nenhuma das partes à contratação deste seguro. Um seguro é um contrato de confiança entre duas

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II O seguinte exercício contempla um processo com três estágios. Baseia-se no Inquérito de Satisfação Fase II, sendo, por isso, essencial compreender primeiro o problema antes de começar o tutorial. 1 1.

Leia mais

A AGÊNCIA: - Não utilizará a página web para outra finalidade que não seja a venda do PRODUTO BEDSONLINE

A AGÊNCIA: - Não utilizará a página web para outra finalidade que não seja a venda do PRODUTO BEDSONLINE CLÁUSUL AS DE LEG ALIDADE E PRIVACIDADE ORGANIZAÇÃO TÉCNICA A presente página web pertence a BEDS ON LINE, S.L.U. (doravante referida como BEDSONLINE ), com sede em Complejo Mirall Balear. Camí de Son

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

Como fazer uma boa apresentação em slides

Como fazer uma boa apresentação em slides Como fazer uma boa apresentação em slides Sobre o conteúdo Faça um planejamento antecipado de sua apresentação. Faça o texto que vai ser colocado em slides no word antes e avalie. Primeiro decida quais

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 TÍTULO I PARTE GERAL Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta, a seguir designado

Leia mais

Introdução - A COMUNICAÇÃO NO CERNE DA VIDA ORGANIZACIONAL

Introdução - A COMUNICAÇÃO NO CERNE DA VIDA ORGANIZACIONAL , Indice Notas prévias à 2ª edição 17 Síntese de objectivos e conteúdos 19 Introdução - A COMUNICAÇÃO NO CERNE DA VIDA ORGANIZACIONAL 1. Animais sociais e organizacionais 1.1. Sem comunicação, não há organização

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Governança TI. ITIL v3 Amostra. Lançamento: 04/05/2008. Mapas Mentais por: Terezinha Rêgo

Governança TI. ITIL v3 Amostra. Lançamento: 04/05/2008. Mapas Mentais por: Terezinha Rêgo Governança TI ITIL v3 Amostra Lançamento: 04/05/2008 Mapas Mentais por: Terezinha Rêgo Conteúdo - amostra Introdução... 3 Processos no Ciclo de Vida Visão Geral... 4 Estratégia de Serviço... 5 Desenho

Leia mais

Código de Conduta. (versão 01)

Código de Conduta. (versão 01) Código de Conduta (versão 01) Índice 1. Introdução 3 1.1 Objecto 3 1.2 Âmbito de aplicação 3 1.3 Aprovação e entrada em vigor 3 2. Os Nossos Valores 4 3. Código de Conduta 5 3.1 Relações Com e entre os

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico.

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. Índice Temático A empresa C3im Soluções para a área da

Leia mais

UNWERSIDADE DE ÉVORA

UNWERSIDADE DE ÉVORA UNWERSIDADE DE ÉVORA IV CURSO MESTRADO EM INTERVENÇÃO SÓCIO-ORGANIZACIONAL NA SAÚDE Curso ministrado em parceria com a Escola Superior de Tecnologias da Saúde de_3 ~ Lisboa (DR - II Série, n. 250 de 29

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

Noções elementares sobre conjuntos

Noções elementares sobre conjuntos Noções elementares sobre conjuntos Conjunto, elemento de um conjunto Factos Um conjunto pode ser visto, intuitivamente, como uma colecção de objectos. Cada um destes objectos é um elemento do conjunto.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Guia de Utilização Configurações acesso à plataforma Linux - Firefox Março 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL

Guia de Utilização Configurações acesso à plataforma Linux - Firefox Março 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Guia de Utilização Configurações acesso à plataforma Linux - Firefox Março 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Índice ÍNDICE... 2 1 PRÉ-REQUISITOS DE ACESSO À PLATAFORMA... 3 1.1 - Requisitos Software...

Leia mais

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE Sistemas de categorias 16 Sistemas de categorias 17 ÍNDICE 1. Introdução 2.Dimensão estratégica do conceito imagem interna de marca corporativa 2.1. Significados

Leia mais

PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS

PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS PACDE Projecto de Apoio à Competitividade e Desenvolvimento do Sector Privado MESE MECANISMO DE SUBSÍDIOS EMPRESARIAIS I. ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 1. O que é o Programa 2. Entidades Beneficiárias

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Munir os alunos de conhecimentos sobre: estudo dos fenômenos psicológicos da relação homemtrabalho; Abordar temas como as influências da estrutura e da cultura organizacional sobre o comportamento,

Leia mais

Gestores Colaboradores com participação activa na Gestão da Farmácia Gestores e/ou Contabilistas - Conhecer ferramentas fundamentais para melhorar a Gestão da Farmácia; - Conhecer o peso Contabilístico/Fiscal

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

CA File Master Plus for IMS r8.5

CA File Master Plus for IMS r8.5 FOLHA DE PRODUTOS CA File Master Plus for IMS CA File Master Plus for IMS r8.5 O CA File Master Plus for IMS é um produto de gerenciamento de dados do z/os que oferece recursos avançados para o IMS Database

Leia mais

A inteligência humana disse o Tio Porco...

A inteligência humana disse o Tio Porco... Fernando Pessoa A inteligência humana disse o Tio Porco... A inteligência humana disse o Tio Porco, pertence a uma de três categorias. A primeira categoria é a inteligência científica. É a sua, Sr. Chefe

Leia mais

Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria

Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria o o - - - - - Vamos todos Colaborar!! Um dos Objectivos Ambientais e

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada

Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Princípios ABC do Grupo Wolfsberg Perguntas Frequentes Relativas a Intermediários e Procuradores/Autorizados no Contexto da Banca Privada Por vezes surgem perguntas relativas a Intermediários Promotores

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste)

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste) Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software (Tipos de Teste) Av. Conde de Valbom, nº 30 8º 1050-068 Lisboa Telf: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Controlo do Documento Elaborado

Leia mais

Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali

Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali Capítulo 4 Introdução à Estatística Inferencial Luiz Pasquali Os temas deste capítulo são: Teste Estatístico Hipótese estatística Pressuposições no teste de hipótese Regras de decisão Erros tipo I e tipo

Leia mais

EN/PT COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION. Brussels, 13 October 2010. 14938/10 Interinstitutional File: 2010/0207 (COD)

EN/PT COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION. Brussels, 13 October 2010. 14938/10 Interinstitutional File: 2010/0207 (COD) COUNCIL OF THE EUROPEAN UNION Brussels, 13 October 2010 14938/10 Interinstitutional File: 2010/0207 (COD) EF 136 ECOFIN 624 CODEC 1037 INST 398 PARLNAT 93 COVER NOTE from: The President of the Portuguese

Leia mais

Gestão do património cultural móvel e imóvel

Gestão do património cultural móvel e imóvel Gestão do património cultural móvel e imóvel Bem-vindo Na ajuda do In patrimonium irá encontrar diversas pistas e sugestões que o irão ajudar na utilização deste Programa. Como acontece com todas as outras

Leia mais

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos)

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Entrevistas Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Observações: - identificar as tarefas efectuadas; - identificar as ferramenta utilizadas; - identificar as interacções entre as pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

preta. Não telemóveis

preta. Não telemóveis Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2012 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

Bem-vindo. Sistemas do Futuro, Lda. 1996-2001 1

Bem-vindo. Sistemas do Futuro, Lda. 1996-2001 1 Bem-vindo Na ajuda do In arte Plus irá encontrar diversas pistas e sugestões que o irão ajudar na utilização deste Programa. Como acontece com todas as outras Tarefas do In arte Plus, esta tarefa encontra-se

Leia mais

Interface Pessoa Máquina

Interface Pessoa Máquina Interface Pessoa Máquina Relatório Consolidado do Protótipo PrintShirt Grupo 95 Sumário Executivo Os testes que puderam ser realizados à interface do PrintShirt foram bastante superficiais dado que o programa

Leia mais

Suporte Técnico de Software HP

Suporte Técnico de Software HP Suporte Técnico de Software HP Serviços Tecnológicos HP - Serviços Contratuais Dados técnicos O Suporte Técnico de Software HP fornece serviços completos de suporte de software remoto para produtos de

Leia mais