A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES A LUZ NATURAL"

Transcrição

1 A LUZ NATURAL A. INTRODUÇÃO B. RADIAÇÃO VISÍVEL C. LUZ NATURAL E VISÃO 1. LUZ VISÍVEL 2. VISÃO E CONFORTO VISUAL D. DISPONIBILIDADE DA LUZ NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES Product training program Services/Training Knowledge/Webbased_Training/ptp_com/PTP_Popup.jsp Coordenador: Heitor da Costa Silva, Arq. Ph.D. - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Laboratório de Conforto Ambiental - LabCon Rua Sarmento Leite 320/215 Centro Porto Alegre RS CEP Fone: (51) Ref.: C:\Documents and Settings\Heitor\Meus documentos\heitor\habitabilidade\2006 1\Aula22_Iluminação Natural

2 Energia Como definir energia? A palavra vem do grego ερψου trabalho, obra, momento) Trabalho? Movimento? O Sol é fonte primária de energia. A energia solar é responsável por praticamente todos os processos naturais observáveis no planeta Terra. Energia radiante ou energia de radiações eletromagnéticas, como a luz e o calor do sol, as ondas de rádio e televisão, os raios X e as microondas.

3 Iluminação Natural A fonte primária para iluminação natural é o Sol, mas do ponto de vista da iluminação natural, a fonte de luz diurna considerada para o projeto é a da abóbada celeste, pois a luz solar direta é considerada excessiva.

4 A abóboda celeste como fonte de luz Comparada com o sol que é uma fonte de luz pontual, a abóbada celeste tem uma grande área visível e relativamente pouca iluminância. A abóboda celeste pode ser clara, parcialmente encoberta ou encoberta.

5 Luz Solar A luz solar pode ser vista pelo observador de forma direta ou refletida. Assim pode-se fazer uma primeira diferenciação: Luz Natural luz do Sol direta refletida luz do céu direta refletida

6 Iluminação Natural Os Edifícios e a luz natural Os edifícios através da história têm a função de constituir abrigo (tempos primitivos)j, segurança, privacidade e conforto. A luz natural é um importante aspecto da edificação, pois produz iluminação para as atividades, conexão visual com o exterior e luminosidade para o interior.

7 Iluminação Natural Estratégias de Projeto No projeto de iluminação natural pode-se considerar os seguintes pontos chave: υas visuais do exterior υ efeitos da luz natural na aparência do interior (estímulos) Museu Chikatsu Asuka

8 Estratégias de Projeto υ luz do sol e luz do céu. υ o tratamento da luz do sol υ combinação de luz natural e luz artificial.

9 ILUMINAÇÃO NATURAL /v Vantagens a economia de energia pela utilização da luz natural

10 ILUMINAÇÃO NATURAL - ASPECTOS SUBJETIVOS Conexão com exterior

11 ILUMINAÇÃO NATURAL Qualidade da luz - qualidade do ambiente

12 ILUMINAÇÃO NATURAL Movimento da luz natural

13 Disponibilidade de luz natural Coordenador: Heitor da Costa Silva, Arq. Ph.D. - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Laboratório de Conforto Ambiental - LabCon Rua Sarmento Leite 320/215 Centro Porto Alegre RS CEP Fone: (51)

14 O que é luz? Luz Princípios Gerais Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Fonte de luz radiação eletromagnética diferentes comprimentos de onda sensibilidade do olho espectro visível (380 a 780 nm)

15 Espectro eletromagnético Fonte: Holbert, K.E., Arizona State University, 2003.

16 Luz Visível

17 Temperatura de cor Temperatura de Cor é a grandeza que expressa a aparência de cor da luz, sendo sua unidade o Kelvin (K). Quanto mais alta a temperatura de cor, mais branca é a cor da luz. A luz quente é que tem aparência de cor amarelada e a temperatura de cor baixa: (menor que 3000 K). A luz fria, ao contrário, tem aparência azul - violeta, com temperatura de cor elevada: (6000 K ou mais). A luz branca natural é aquela emitida pelo sol em céu aberto ao meio dia, cuja temperatura de cor é 5800 K.

18 Sensibilidade Visual Luz Princípios Gerais depende: do comprimento de onda da luminosidade Menor comprimento de onda (violeta e azul) Maior intensidade de sensação luminosa com pouca luz Maior comprimento de onda (laranja e vermelho) Menor intensidade de sensação luminosa com pouca luz curva internacional de luminosidade espectral relativa ou curva de sensibilidade do olho a radiações monocromáticas A curva de sensibilidade indica como varia a sensibilidade do olho humano aos diferentes comprimentos de onda. visão escotópica (noturna): bastonetes baixos níveis de luminância (0,001 cd / m 2 ) visão fotópica (diurna):cones altos níveis de luminância (> 3 cd / m 2 )

19 Percepção e conforto visual Parâmetros de Conforto Visual quantidade de luz índice de ofuscamento cor da fonte de luz

20 Percepção visual Newton e seus precursores- Descrição da natureza da luz O Olho humano e a formação de imagens Goethe - o homem como participante do processo perceptivo Olho se forma na luz e para a luz, a fim de que a luz externa venha ao encontro da luz interna Juhanni Pallasma - Os olhos da pele

21 ILUMINAÇÃO NATURAL Olho humano e visão O sol é a principal fonte de luz natural. A visão humana está relacionada com a luz natural. O olho humano alcança sua maior capacidade visual com a luz natural.

22 ILUMINAÇÃO NATURAL Campo O visual binocular

23 ILUMINAÇÃO NATURAL Olho humano e visão

24 Luz e cores Luz Princípios Gerais A aparência de um objeto é resultado da luz que incide sobre ele. LUZ BRANCA MAÇÃ VERMELHA REFLEXÃO porção vermelha do espectro ABSORÇÃO outros comprimentos de onda Composição das cores LUZ BRANCA 3 cores primárias VERMELHO VERDE AZUL

25 Atributos das cores Brilho (value) Saturação (intensidade ou croma) Matiz (hue)

26 ILUMINAÇÃO NATURAL E. DEFINIÇÕES E UNIDADES 1. FLUXO LUMINOSO 2. EFICIÊNCIA LUMINOSA DA LUZ DO DIA 3. ILUMINÂNCIA 4. LUMINÂNCIA Coordenador: Heitor da Costa Silva, Arq. Ph.D. - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Laboratório de Conforto Ambiental - LabCon Rua Sarmento Leite 320/215 Centro Porto Alegre RS CEP Fone: (51)

27 Fluxo Luminoso (lm). O fluxo luminoso é a quantidade de luz emitida por uma fonte de luz medida em lúmens, na unidade de tempo.

28 Intensidade Luminosa é a intensidade do fluxo luminoso de uma fonte de luz projetada em uma determinada direção. Uma candela é a intensidade luminosa de uma fonte pontual que emite o fluxo luminoso de um lúmen em um ângulo sólido de um esferoradiano.

29 Iluminância Expressa em lux (lx), indica o fluxo luminoso de uma fonte de luz que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância desta fonte. É a relação entre intensidade luminosa e o quadrado da distância (l/d2 ). Na prática, é a quantidade de luz dentro de um ambiente, que pode ser medida com o auxílio de um luxímetro. Para obter conforto visual, considerando a atividade que se realiza, são necessários certos níveis de iluminância médios. Os mesmos são recomendados por normas técnicas (ABNT - NBR 5523).

30 Luminância Medida em cd/m2, é a intensidade luminosa produzida ou refletida por uma superfície existente.1

31 Principais parâmetros do ambiente luminoso a) Fluxo Luminoso - é a emissão luminosa de uma fonte. b) Intensidade Luminosa - a luz que se propaga em uma dada direção. Fórmula I = φ ω Unidades lúmen (lm) candela (cd) c) Iluminância - a quantidade de φ E = ou Refere-se à correspondência entre a cor real de um objeto ou superfície luz recebida por uma superfície lux (lx) e sua aparência diante de uma fonte de luz. I A luz artificial, como regra, deve permitir ao E = olho humano perceber as cores corretamente ou o mais próximo possível d 2 cosθ da luz natural. Lâmpadas com IRC igual a 100 apresentam as I supcores erfici e com total d) Luminância - luz recebidad L = candela/m 2 (cd/m 2 ) fidelidade e precisão. Quanto mais baixo o índice, A' pelo olho de uma superfície mais deficiente é a reprodução (refletida). das cores. Os índices variam conforme a Tabela natureza 5.1: Grandezas da luz e do são Ambiente indicados lumínico de acordo com o uso de cada ambiente. A A

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS

GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS E UNIDADES FOTOMÉTRICAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS I 1 É A QUANTIDADE DE ENERGIA RADIANTE CAPAZ DE SENSIBILIZAR O OLHO HUMANO A UNIDADE DESTA GRANDEZA

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS 03 GRANDEZAS LUMINOSAS GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INTENSIDADE LUMINOSA ILUMINÂNCIA LUMINÂNCIA GRANDEZAS LUMINOSAS FUNDAMENTAIS FLUXO LUMINOSO

Leia mais

Projeto de Iluminação

Projeto de Iluminação Projeto de Iluminação Luz e o tempo A luz como energia, arquitetura como algo ligado a energia. A luz artificial como herdeira do fogo, em torno do qual nossos ancestrais se reuniam. Luzes e sombras mutantes

Leia mais

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20

GRANDEZAS FOTOMÉTRICAS E MÉTODO DE LUMÉNS AULA 20 O que é luz? Luz Princípios Gerais Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Fonte de luz radiação eletromagnética diferentes comprimentos de onda sensibilidade do olho espectro

Leia mais

Sérgio Ferreira de Paula Silva

Sérgio Ferreira de Paula Silva Instalações Elétricas 1 Projeto de Instalações Elétricas Projetar uma instalação elétrica para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira

Leia mais

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica

Eletrotécnica. Introdução a luminotécnica Eletrotécnica Introdução a luminotécnica Grandezas Fundamentais em Luminotécnica Luz: É o aspecto da energia radiante que um observador humano constata pela sensação visual, determinado pelo estímulo da

Leia mais

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio i l u m i n a ç ã o p ú b l i c a Hoje, a iluminação nas cidades tem sido direcionada no sentido da valorização de seu patrimônio histórico e da criação de ambientes urbanos voltados ao bem estar do cidadão.

Leia mais

Exercício cálculo de irradiância

Exercício cálculo de irradiância Exercício cálculo de irradiância Uma fonte plana Lambertiana de diâmetro d = r s e radiância L é colocada no foco objecto de uma lente convergente de distância focal f e diâmetro D. Assume-se r s

Leia mais

Capítulo I. Introdução. Sistemas de iluminação. O que é fotometria? O olho humano. Novo!

Capítulo I. Introdução. Sistemas de iluminação. O que é fotometria? O olho humano. Novo! 52 Capítulo I Introdução Por Rinaldo Caldeira Pinto* Inauguramos nesta edição uma série de artigos sobre iluminação, cujo intuito é colaborar com o processo de informação e aprendizagem, a partir da abordagem

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE

Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro 1ª PARTE ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Simulação do Espectro Contínuo emitido por um Corpo Negro Zoom escala do eixo das ordenadas 1ª PARTE Cor do corpo Definir temperatura do corpo

Leia mais

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores As imagens formadas na retina são planas, entretanto, conseguimos enxergar o volume dos objetos, uma das razões disto ocorrer é devido à iluminação nas diferentes

Leia mais

2 Radiometria e fotometria

2 Radiometria e fotometria 2 Radiometria e fotometria Imagens HDR se preocupam em armazenar valores referentes as condições de iluminação do ambiente onde a imagem foi tirada. Dessa forma, a medição das quantidades de energia e

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Fundamentos da cor A visão da cor É a capacidade de um organismo ou máquina de distinguir objetos baseando-se nos comprimentos de onda (ou freqüências) da luz sendo refletida,

Leia mais

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta

Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resulta Resposta fisiológica do usuário Um determinado ambiente provido de luz natural e/ou artificial, produz estímulos ambientais, ou seja, um certo resultado em termos de quantidade, qualidade da luz e sua

Leia mais

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO

ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO ILUMINÂNCIA E CÁLCULO LUMINOTÉCNICO De acordo com as normas da ABNT, cada ambiente requer um determinado nível de iluminância (E) ideal, estabelecido de acordo com as atividades a serem ali desenvolvidas,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI)

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS (IEI) Aula 3 Revisão de luminotécnica Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Prof. Bruno G. Martins Aula 2 Revisão luminotécnica RECAPITULANDO Revisão

Leia mais

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial

Introdução. A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial. 44% no setor comercial. 1% no setor industrial Iluminação 1 Introdução A iluminação é responsável por: 23% do consumo de energia elétrica no setor residencial 44% no setor comercial 1% no setor industrial Iluminação pública é responsável por cerca

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Linha de produtos Portal Lux 2017

APRESENTAÇÃO. Linha de produtos Portal Lux 2017 APRESENTAÇÃO Linha de produtos Portal Lux 2017 Todas as imagens contidas neste catálogo são meramente ilustrativas. Para mais informações de nossos produtos acesse: www.portallux.com.br A Portal Lux se

Leia mais

Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica

Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica. Introdução à luminotécnica Lâmpadas e Comandos Iluminação - Grandezas de Luminotécnica; - Iluminação Incandecente; - Iluminação fluorescente; - Lâmpadas de descarga de alta pressão; - Interruptores. Conceitos básicos de luminotécnica

Leia mais

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO O que é a cor? ? O que é a cor? O que é a cor? A cor é uma perceção visual provocada pela ação de um feixe de ondas eletromagnéticas sobre células especializadas da retina,

Leia mais

O sistema visual humano e noções de colorimetria

O sistema visual humano e noções de colorimetria STV 3 MAR 2010 1 O sistema visual humano e noções de colorimetria Considera se que a cor consista em um atributo dos objetos, assim como a textura e a forma, entre outros. Depende basicamente de: 1. Características

Leia mais

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015

Projetos e Soluções. Iluminação Pública Novembro 2015 Projetos e Soluções Iluminação Pública Novembro 2015 O que é um LED? Basicamente, os LEDs (diodos emissores de luz) são componentes semicondutores, mesma tecnologia utilizada nos chips dos computadores,

Leia mais

Processamento Digital de Imagens. Cor

Processamento Digital de Imagens. Cor Processamento Digital de Imagens Cor Em uma descrição física a cor está associada ao seu comprimento de onda. Ao se analisar o espectro eletromagnético na região do visível, os menores comprimentos de

Leia mais

Características da cor

Características da cor Características da cor Qualquer cor particular pode ser obtida a partir da combinação de VERMELHO AZUL VERDE (Primárias aditivas) (no caso de transmissão) Isto é, uma fonte de luz vermelha, uma fonte de

Leia mais

CATÁLOGO SLIM. lux.com.br

CATÁLOGO SLIM. lux.com.br LUZ É UMA RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA CAPAZ DE PRODUZIR SENSAÇÃO VISUAL. QUANDO A LUZ ATINGE UMA SUPERFÍCIE, PODE SER ABSORVIDA, REFLETIDA OU TRANSMITIDA. LUMENS X WATTS Lumen é a unidade de medida que mensura

Leia mais

Informações. Técnicas

Informações. Técnicas Informações Técnicas LUMINOTÉCNICA - CONCEITOS BÁSICOS Iluminância Luminância Símbolo E Símbolo L Unidade lux (lx) Unidade cd/m² É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância

Leia mais

A LUZ PRECIOSO BEM PARA OS ASTRÔNOMOS

A LUZ PRECIOSO BEM PARA OS ASTRÔNOMOS A LUZ PRECIOSO BEM PARA OS ASTRÔNOMOS A Astronomia vive quase que exclusivamente da luz captada dos objetos celestes. É através da luz por eles emitida, refletida ou absorvida que tiramos informações sobre

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA REVISÃO DE CONCEITOS LÂMPADAS Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de 2014 ALGUNS

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

Francisco José d Almeida Diogo

Francisco José d Almeida Diogo ARQUITETURA Francisco José d Almeida Diogo Professor da Seção de Engenharia de Fortificação e Construção Instituto Militar de Engenharia IME Praça General Tibúrcio, 80 - Praia Vermelha CEP. 22290-270 Tel:

Leia mais

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases

Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA. LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO HÍBRIDA LUMINÁRIAS PROJETO LUMINOTÉCNICO bases Docente: Claudete Gebara J. Callegaro 2º semestre de

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I

ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto. António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I ILUMINAÇÃO NATURAL DE EDIFÍCIOS Conforto visual e introdução ao projecto António Moret Rodrigues IST EXIGÊNCIAS I As exigências de conforto visual podem ser encaradas em 2 planos: - No estritamente fisiológico,

Leia mais

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica Conceitos Básicos de Óptica Geométrica FRENTE 2 MÓDULOS 1, 2 E 3 Introdução Óptica é a parte da Física que estuda a luz e os fenômenos luminosos. Seu desenvolvimento se deu com a publicação da Teoria Corpuscular

Leia mais

Os seres humanos percebem as cores em alguns comprimentos de onda específicos.

Os seres humanos percebem as cores em alguns comprimentos de onda específicos. Os seres humanos percebem as cores em alguns comprimentos de onda específicos. Comprimento de Onda Transmissão Ondas curtas FM Televisão Radar Infravermelho Luz Visível Ultravioleta Raios-X Raios-γ Vermelho

Leia mais

1º Lista de exercícios óptica geométrica Prof: Ricardo

1º Lista de exercícios óptica geométrica Prof: Ricardo 1º Lista de exercícios óptica geométrica Prof: Ricardo Questão 1: (PUC-SP) A um aluno foi dada a tarefa de medir a altura do prédio da escola que frequentava. O aluno, então, pensou em utilizar seus conhecimentos

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RADIAÇÃO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RADIAÇÃO TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RADIAÇÃO 1 Tema 3: Energia Térmica Tópicos / Habilidades 7 Transferência de calor por radiação 7.1 Aplicar o conceito de energia e suas propriedades para compreender situações

Leia mais

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso

Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso Aspectos Qualitativos do Ambiente Luminoso O projeto de sistema de iluminação de um ambiente baseia-se no conceito de iluminação natural e artificial integradas. Assim deve-se definir os parâmetros de

Leia mais

Luz e Cor. Luz. Onda eletro-magnética. Computação Gráfica Interativa - Gattass 10/26/2004. Luz e Cor. λ (m) f (Hertz)

Luz e Cor. Luz. Onda eletro-magnética. Computação Gráfica Interativa - Gattass 10/26/2004. Luz e Cor. λ (m) f (Hertz) Marcelo Gattass, PUC-Rio Luz Onda eletro-magnética 10 2 10 4 10 6 10 8 10 10 10 12 10 14 10 16 10 18 10 20 (m) rádioam FM,TV Micro-Ondas Ultra-Violeta Infra-Vermelho RaiosX f (Hertz) 10 6 10 4 10 2 10

Leia mais

L E D C A T Á L O G O

L E D C A T Á L O G O L E D 20 16 C A T Á L O G O 2 C A T Á L O G O 2016 4 Com mais de 10 anos no mercado de importação, o Grupo Rio Cd traz ao mercado brasileiro a marca L&D. Com uma fábrica na China, oferecemos mais de 100

Leia mais

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12 Representação de cores Computação Gráfica Cores Renato Ferreira Tratados de maneira geral como triplas RGB Um parâmetro alpha opcional Quase todas operações separadas por componente Mas usualmente tratadas

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB

ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB ANÁLISE DO DESEMPENHO LUMÍNICO DE HABITAÇÕES POPULARES: CASO SANTA CRUZ - PB Prof. Jean Carlo Fechine Tavares Universidade Federal da Paraíba, Campus I, Centro de Tecnologia Departamento de Arquitetura

Leia mais

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Sensoriamento remoto 1 Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Súmula princípios e leis da radiação eletromagnética radiação solar conceito de corpo negro REM e sensoriamento

Leia mais

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página

ILUMINAÇÃO CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO. Prof. Eng. Antonio Gebara José. Ir p/ primeira página CONCEITOS EQUIPAMENTOS COMPONENTES ESTUDO DE CASO Prof. Eng. Antonio Gebara José CONCEITO DE CONFORTO (reposta fisiológica a estímulos ambientais) Luz = LUX Ruído = db(a) Temperatura = o C Umidade Relativa

Leia mais

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante CONCEITOS GERAIS 01. LUZ Onda eletromagnética Energia radiante c = 300.000 km/s c = velocidade da luz no vácuo (01) Um raio laser e um raio de luz possuem, no vácuo, a mesma velocidade OBSERVAÇÕES Todas

Leia mais

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTUDO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM UMA SALA DE AULA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Rubya Vieira de Mello Campos 1, Hélyda Radke Prado Mitsui 2, Paulo

Leia mais

Teoria das Cores MODULO III DESIGNER GRÁFICO. Suélen Dayane Martins. Professora

Teoria das Cores MODULO III DESIGNER GRÁFICO. Suélen Dayane Martins. Professora Teoria das Cores MODULO III DESIGNER GRÁFICO Suélen Dayane Martins Professora Aspectos Históricos Aristóteles entendia a cor como propriedade dos corpos, defendido em sua obra De sensu et sensibili. Para

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Exemplos de iluminância: Luz solar em dia claro (exterior)... 100.000lux Sala com janelas amplas, à luz do dia... 1.000lux Sala bem

Leia mais

Fundamentos sobre. Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE. Antonio G. Thomé Sala AEP/1033. Processamento de Imagens

Fundamentos sobre. Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE. Antonio G. Thomé Sala AEP/1033. Processamento de Imagens Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Fundamentos sobre Processamento de Imagens Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/1033 Sumário do Curso Introdução Ambientação com o MatLab Aquisição

Leia mais

II fórum pró-sustentabilidade

II fórum pró-sustentabilidade II fórum pró-sustentabilidade Feevale - Arquitetura e Urbanismo Novo Hamburgo, RS 6 a 8 de novembro de 2008 Arquitetura Bioclimática Módulo 1b: Iluminação Natural em Edificações Prof. Dr. Maurício Roriz

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Aplicações Informáticas B 12º Ano

Aplicações Informáticas B 12º Ano Aplicações Informáticas B 12º Ano Prof. Adelina Maia 2013/2014 AIB_U4A 1 Bases sobre a teoria da cor aplicada aos sistemas digitais (red / Green / blue) Modelo CMYK (cyan / magenta / yellow + Black) Modelo

Leia mais

Iluminação. !Natureza da Luz

Iluminação. !Natureza da Luz !Natureza da Luz A luz é uma radiação ondulatória, de natureza eletromagnética, assim como as ondas do rádio, da televisão, telefone celular, as microondas, ou o calor radiante, diferindo destes apenas

Leia mais

Processamento de Imagens Coloridas. Prof. Adilson Gonzaga

Processamento de Imagens Coloridas. Prof. Adilson Gonzaga Processamento de Imagens Coloridas Prof. Adilson Gonzaga 1 Aparência de um Objeto A aparência de um objeto é o resultado de uma complexa interação da luz incidente sobre este objeto, suas características

Leia mais

Prof. Fernando Lang da Silveira

Prof. Fernando Lang da Silveira As sombras são coloridas com as três cores originais das lâmpadas (vermelho, verde e azul) e mais outras três cores (magenta, ciano e amarelo), além do branco e do preto. Prof. Fernando Lang da Silveira

Leia mais

Teste Sumativo 2 C - 11/12/2012

Teste Sumativo 2 C - 11/12/2012 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste Sumativo 2 C - 11/12/2012 Nome Nº Turma 1. O som produzido pelo sino de uma igreja

Leia mais

Cor. Márcio Bueno Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti

Cor. Márcio Bueno Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti Cor Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com) Fonte: Material do Prof. Claudio Esperança e do Prof. Paulo Roma Cavalcanti Cor O que é cor? Cor é uma sensação produzida no nosso cérebro pela luz que

Leia mais

ENERGIA SOLAR: CONCEITOS BASICOS

ENERGIA SOLAR: CONCEITOS BASICOS ENERGIA SOLAR: CONCEITOS BASICOS Uma introdução objetiva dedicada a estudantes interessados em tecnologias de aproveitamento de fontes renováveis de energia. 1. INTRODUÇÃO: 1.1. Um rápido olhar na relação

Leia mais

ELEMENTOS DE FOTOMETRIA

ELEMENTOS DE FOTOMETRIA 1 ELEMENTOS DE FOTOMETRIA Guido Stolfi 04/008 Televisão Digital 1. Fontes de Luz A luz é o suporte da imagem. Do ponto de vista físico, consiste de radiação eletromagnética; em particular, as células receptoras

Leia mais

Luminárias para Interiores

Luminárias para Interiores a u l a r á p i d a Fotos: Divulgação Siteco Luminárias para Interiores Por Rinaldo Caldeira Pinto E suas fotometrias Quando pensamos em fotometrias de luminárias, logo nos vem à cabeça a idéia de uma

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

LANTERNAS PARA MERGULHO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Fernando Reiszel Pereira ESDI - Escola Superior de Desenho Industrial - UERJ

LANTERNAS PARA MERGULHO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Fernando Reiszel Pereira ESDI - Escola Superior de Desenho Industrial - UERJ LANTERNAS PARA MERGULHO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Fernando Reiszel Pereira ESDI - Escola Superior de Desenho Industrial - UERJ INTRODUÇÃO: Lanternas são equipamentos fundamentais para um bom mergulho noturno.

Leia mais

Cores em Imagens e Vídeo

Cores em Imagens e Vídeo Aula 05 Cores em Imagens e Vídeo Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Ciência das Cores A cor é fundamentada

Leia mais

Sumário. Espectros, Radiação e Energia

Sumário. Espectros, Radiação e Energia Sumário Das Estrelas ao átomo Unidade temática 1 Emissão da radiação pelas estrelas. Temperatura das estrelas. Tipos de espectros. Os espectros emitidos pelas estrelas. dos átomos dos elementos. APSA 4.

Leia mais

Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores. Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES. Professora Arq.

Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores. Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES. Professora Arq. Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES Professora Arq. SIMONE CAMILLO Você já tentou perceber o mundo em preto e branco? Você já pensou

Leia mais

8.2. Na extremidade de uma corda suficientemente longa é imposta uma perturbação com frequência f = 5 Hz que provoca uma onda de amplitude

8.2. Na extremidade de uma corda suficientemente longa é imposta uma perturbação com frequência f = 5 Hz que provoca uma onda de amplitude Constantes Velocidade do som no ar: v som = 344 m /s Velocidade da luz no vácuo c = 3 10 8 m/s 8.1. Considere uma corda de comprimento L e densidade linear µ = m/l, onde m é a massa da corda. Partindo

Leia mais

Para perceber porque é que os corpos quentes radiam energia é necessário perceber o que é o calor.

Para perceber porque é que os corpos quentes radiam energia é necessário perceber o que é o calor. A informação do BI dos Corpos Celestes Para perceber porque é que os corpos quentes radiam energia é necessário perceber o que é o calor. Para perceber o espectro estelar (que é mais complicado que o do

Leia mais

1-A figura 1 a seguir mostra um feixe de luz incidindo sobre uma parede de vidro que separa o ar da água.

1-A figura 1 a seguir mostra um feixe de luz incidindo sobre uma parede de vidro que separa o ar da água. REFRAÇÃO- LEI DE SNELL DESCARTES -A figura a seguir mostra um feixe de luz incidindo sobre uma parede de vidro que separa o ar da água. Os índices de refração são,00 para o ar,,50 para vidro e,33 para

Leia mais

Caracterização de uma radiação electromagnética

Caracterização de uma radiação electromagnética Caracterização de uma radiação electromagnética Todas as radiações electromagnéticas são caracterizadas pela sua frequência e comprimento de onda. A frequência é o número de vezes que uma onda se repete

Leia mais

A fonte Solar de Energia da Terra

A fonte Solar de Energia da Terra A fonte Solar de Energia da Terra A energia solar é criada no núcleo do Sol quando os átomos de hidrogênio sofrem fusão nuclear para hélio. Em cada segundo deste processo nuclear, 700 milhões de toneladas

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013

ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR /2013 ILUMINAÇÃO DE AMBIENTES DE TRABALHO NBR 8995-1/2013 Prof. Marcos Fergütz fev/2016 CONCEITOS - ÁREA DA TAREFA - ENTORNO IMEDIATO Uma faixa ao redor da Área de Tarefa com pelo menos 0,5m de largura (L).

Leia mais

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária

2001 2xT26 32W / Folha de dados de luminária 2001 2xT26 32W - 2001.232.100 / Folha de dados de luminária Emissão luminosa 1: É favor escolher uma imagem de luminária em nosso catálogo de luminárias. 105 90 105 90 75 75 60 60 160 45 45 320 30 15 0

Leia mais

Luminotécnica. Iluminação: Conceitos e Projetos. Prof. Msc. Getúlio. Teruo Tateoki

Luminotécnica. Iluminação: Conceitos e Projetos. Prof. Msc. Getúlio. Teruo Tateoki Luminotécnica Iluminação: Conceitos e Projetos Conforto luminoso -O que todos nós queremos - arquitetos, engenheiros, decoradores de interiores, empresas fornecedoras de tecnologia, produtos e serviços

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Cor. Prof. Thales Vieira

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Cor. Prof. Thales Vieira Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática Cor Prof. Thales Vieira 2014 O que é cor? Cor no universo físico Cor no universo matemático Representação de cor Especificação de cor Colorimetria

Leia mais

A radiação do corpo negro

A radiação do corpo negro A radiação do corpo negro Um corpo em qualquer temperatura emite radiações eletromagnéticas. Por estarem relacionadas com a temperatura em que o corpo se encontra, freqüentemente são chamadas radiações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Prof. Dr. Richarde Marques Satélite Radiação solar refletida Atmosfera

Leia mais

onde: onde: Circulo de Tonalidades Munsell

onde: onde: Circulo de Tonalidades Munsell Espaço de Cor L*C*h* O espaço de cor L*C*h* utiliza o mesmo diagrama que o espaço de cor L*a*b*, com coordenadas cilíndricas. A luminosidade L* é a mesma que L* no espaço de cor L*a*b*, o Croma C* e o

Leia mais

Aulas 1 a 3. Introdução à Ótica Geométrica

Aulas 1 a 3. Introdução à Ótica Geométrica Aulas 1 a 3 Introdução à Ótica Geométrica Ótica Geométrica Análise de um fenômeno óptico: Fonte de Luz emite Luz Que se propaga em um Meio óptico E atinge um Sistema óptico Que é responsável Formação da

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS PROJETOS PERSONALIZADOS PARA QUALQUER AMBIENTE ÍNDICE SEED Arandelas Nest IP20 Moon IP54 2 Onix IP54 Dionysus IP54 3 Cube IP54 Coliseum IP54 Tower IP54 4 Plate IP20 Stratus IP54 5

Leia mais

Luz e Visão. Prof. César Bastos

Luz e Visão. Prof. César Bastos Luz e Visão Prof. César Bastos Introdução ao estudo de Luz e Visão Como você explicaria o que é luz? Você seria capaz de explicar a Luz para uma pessoa que não enxerga? Durante muitos anos, desde a Grécia

Leia mais

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação

EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação EMISSÃO e ABSORÇÃO de radiação a EMISSÃO ocorre quando um elétron de um átomo salta de uma órbita superior para uma inferior (fundamentalização): um fóton é emitido (produzido). e - e - + n 2, E 2 n, E

Leia mais

Linha de produtos GalaxyLED 2016

Linha de produtos GalaxyLED 2016 Linha de produtos Galaxy 2016 Todas as imagens contidas neste catálogo são meramente ilustrativas. Para mais informações de nossos produtos acesse: www.galaxyled.com.br A Galaxy se reserva o direito de

Leia mais

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica 1.0 Definições Raios de luz Linhas orientadas que representam, graficamente, a direção e o sentido de propagação da luz. Conjunto de raios de luz Feixe

Leia mais

LISTA 13 Ondas Eletromagnéticas

LISTA 13 Ondas Eletromagnéticas LISTA 13 Ondas Eletromagnéticas 1. Não é radiação eletromagnética: a) infravermelho. b) ultravioleta. c) luz visível. d) ondas de rádio. e) ultra-som. 2. (UFRS) Das afirmações que se seguem: I. A velocidade

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

Fenómenos ondulatórios

Fenómenos ondulatórios Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 2- Comunicação de informação a longas distâncias. 2.2- Propriedades das ondas. - Reflexão e refração de ondas. - Leis da reflexão e da refração. - Índice de refração de um meio.

Leia mais

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:3 CAPÍTULO 33 HALLIDAY, RESNICK. 8ª EDIÇÃO. Revisão: Campos se criam mutuamente. Prof. André L. C.

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:3 CAPÍTULO 33 HALLIDAY, RESNICK. 8ª EDIÇÃO. Revisão: Campos se criam mutuamente. Prof. André L. C. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:3 Prof. André L. C. Conceição DAFIS CAPÍTULO 33 HALLIDAY, RESNICK. 8ª EDIÇÃO Ondas eletromagnéticas Revisão: Campos se criam mutuamente Lei de indução de Faraday: Lei de indução

Leia mais

APÊNDICE G GRANDEZAS RADIOMÉTRICAS

APÊNDICE G GRANDEZAS RADIOMÉTRICAS APÊNDICE G GRANDEZAS RADIOMÉTRICAS Neste Apêndice são apresentadas as definições e conceitos de algumas grandezas radiométricas, julgadas importantes no estudo da radiação e que lhe proporcionam um tratamento

Leia mais

Radiação: Considerações gerais

Radiação: Considerações gerais Estuda-se radiação térmica, cujas origens estão ligadas à emissão da matéria a uma temperatura absoluta T>0 A emissão é devida oscilações e transições electrónicas dos muitos electrões que constituem a

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL: ASPECTOS TÉCNICOS, ECONÔMICOS, CONFORTO VISUAL E SEGURANÇA

ALTERNATIVAS PARA ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL: ASPECTOS TÉCNICOS, ECONÔMICOS, CONFORTO VISUAL E SEGURANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ALTERNATIVAS PARA ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL: ASPECTOS TÉCNICOS, ECONÔMICOS, CONFORTO VISUAL E SEGURANÇA LÉNINE

Leia mais

Cor e Luz na Arquitetura

Cor e Luz na Arquitetura a u l a r á p i d a Foto: Casa Cor 2002 Bar Esther Giobbi Cor e Luz na Arquitetura Por Ingrid Fonseca e Maria Maia Porto E suas possíveis influências sobre os usuários ESTE ARTIGO APRESENTA RELAÇÕES NO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS

AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS AVALIAÇÃO DE CONFORTO LUMÍNICO EM SALAS DE AULA: ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL FREI PACÍFICO, VIAMÃO, RS Alessandro Morello (1); Christiane Krum (2); Miguel A. Sattler (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 2ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Atividade Avaliativa: entregar a resolução de todas as questões. 1. (Fuvest 2013) A tabela traz

Leia mais

Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação.

Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação. Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 Aula 3.1 Conteúdo: Luz e sombra. 3 Habilidade: Reconhecer, diferenciar e saber utilizar diversas técnicas de arte, com procedimentos

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Aplicação de luzes. monocromáticas. em avicultura

ARTIGO TÉCNICO. Aplicação de luzes. monocromáticas. em avicultura ARTIGO TÉCNICO 2013 Aplicação de luzes monocromáticas em avicultura A luz é um elemento ambiental que afecta o desenvolvimento dos organismos. No caso específico da avicultura, afecta o comportamento das

Leia mais

Decore com luz e cor. Affinium LED String Kit Philips, solução flexível para iluminação decorativa

Decore com luz e cor. Affinium LED String Kit Philips, solução flexível para iluminação decorativa Decore com luz e cor Affinium LED String Kit Philips, solução flexível para iluminação decorativa Crie com luz Quando você escolhe Philips Affinium LED String Kit como solução em iluminação você tem mais

Leia mais

1 / 10 Tel: +55 (19) LED Planet Importadora LED Tubes ou Tubular T8

1 / 10 Tel: +55 (19) LED Planet Importadora LED Tubes ou Tubular T8 http://www.ledplanet.com.br/ 1 / 10 LED Planet Importadora LED Tubes ou Tubular T8 Especificação LED Tube T8 600mm 10W - Mod. LP-T8010 Equivalente a fluorescente convencional 600mm 16W ou 20W Parâmetro

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS Lista de Exercícios de Física / 1º ano De sonhos e Professor(a): Renan Oliveira Data: / / 2016. Aluno(a): 1. (FUVEST SP/2014) Um prisma triangular desvia um feixe

Leia mais