Liderança a e desempenho grupal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liderança a e desempenho grupal"

Transcrição

1 Liderança a e desempenho grupal Definição de liderança Comportamento de liderança Teorias de liderança Copyright, 2006 José Farinha Definição de liderança O que é um líder? l A liderança é o exercício da autoridade e a tomada de decisões. (Dublin, 1951) A liderança é a implementação de acções que produzem um padrão consistente na interacção dos grupos, dirigida no sentido da resolução de problemas mútuos (Hemphill, 1954) 2 1

2 O líder é a pessoa que consegue levar a cabo as normas que o grupo valoriza mais: esta conformidade atribui-lhe um status elevado que atrai as pessoas e implica o direito de assumir o controle do grupo. (Homans, 1950) O líder é a pessoa que consegue a mudança mais eficaz nas actuações do grupo (Cattell, 1951) 3 É um líder quem consegue que os outros o sigam (Cowley, 1928) A liderança é um processo de influência nas actividades do grupo no sentido da fixação e obtenção de uma meta (Stodgdill, 1948) 4 2

3 Distinguir: Gestores / directores / supervisores: alguém que ocupa uma posição de direcção a um determinado nível hierárquico numa organização; Líderes: alguém que tem um papel fundamental no desempenho de actos de liderança essencialmente processos de influência. 5 Comportamento de liderança Duas dimensões básicas: (Leader Behavior Description Questionaire LBDQ, Hemphill e colabs) Consideração: Refere-se à medida em que o líder se interessa pelo bem-estar e satisfação dos membros do grupo; Mede-se por comportamentos de apoio, amizade, acessibilidade, comunicação e representação dos interesses dos membros do grupo 6 3

4 Iniciação da estrutura: Refere-se à medida em que o líder define o seu próprio papel e o que espera dos membros do grupo; Mede-se através de comportamentos de definição de objectivos e formas de execução, planificação, coordenação, solução de problemas e manutenção do controle. 7 O comportamento concreto de um líder resulta de uma combinação de comportamentos relativos a cada uma destas duas dimensões. 8 4

5 Teorias de liderança Teorias personalistas: O potencial de liderança, depende de uma constelação de características ou traços de personalidade, inatas ou adquiridas, que dotam um indivíduo de carisma - uma predisposição para a liderança. Muita da investigação nesta linha tem-se orientado no sentido da identificação dessas características. 9 Na generalidade a busca de traços de personalidade significativamente correlacionados com liderança eficaz, foi relativamente mal sucedida. 10 5

6 Teoria X e Y de McGregor A teoria X e Y de McGregor define duas filosofias alternativas sobre a natureza humana; Estas concepções estão relacionadas com concepções e atitudes de liderança; As concepções características da teoria X supõem uma liderança de cariz mais tradicional e autoritário; 11 As concepções características da teoria Y supõem uma liderança de cariz mais democrática e participativa; 12 6

7 Teoria X parte da suposição que: as pessoas trabalham essencialmente para assegurar as suas necessidades básicas e buscam uma compensação essencialmente de cariz financeiro. É necessário controlar as pessoas através da coacção para garantir um desempenho eficaz; A motivação das pessoas depende de factores externos, como por exemplo o evitar da punição, não se levando em conta a motivação interior com vista a uma realização pessoal. Teoria Y parte da suposição que: as pessoas trabalham tendo em vista objectivos a que se comprometeram pelo que exercem espontaneamente a sua auto-correcção e autocontrolo; todas as pessoas possuem um potencial de desenvolvimento que implica que sejam capazes de assumir responsabilidades; podem ser motivadas por necessidades de reconhecimento e autorealização 13 Teorias situacionistas: A liderança efectiva está fundamentalmente relacionada com os requisitos funcionais da situação. 14 7

8 Teorias interaccionistas: Teoria da Contingência de Fiedler A liderança é uma relação baseada no poder e na influência; A liderança mais eficaz depende da interacção entre as características pessoais do líder, como por exemplo o estilo de liderança, (Factores pessoais) e as características da situação (Factores situacionais). 15 Factores pessoais (características do líder): l A. Líderes orientados para a relação Privilegiam a manutenção de um clima emocional positivo no grupo; São líderes mais sociais; São menos directivos; Obtêm mais satisfação a partir da existência relações interpessoais harmoniosas e satisfatórias no grupo. 16 8

9 B. Líderes orientados para a tarefa Privilegiam o sucesso do grupo; Tendem a ser mais autoritários: Obtêm mais satisfação na realização da tarefa do que em serem apreciados pelo grupo. Estas dimensões estão inversamente relacionadas - os líderes tendem a adoptar preferencialmente um ou outro estilo 17 Categorização das características do líder - Escala Colega Menos Preferido (CMP) Os respondentes teriam que pensar em todas as pessoas com quem já trabalharam e seguidamente descrever numa escala de 8 pontos com 18 items bipolares aquela pessoa com quem eles tiveram mais dificuldade em trabalhar 18 9

10 Os resultados são somados: Assim: - Resultados CMP altos indicam uma atitude favorável relativamente ao colega menos preferido; - Resultados CMP baixos, indicam uma atitude mais desfavorável relativamente ao colega menos preferido. Logo: - Líderes com alto CMP são líderes orientados para a relação; - Líderes com baixo CMP são líderes orientados para a tarefa. 19 Factores situacionais (características do grupo): Relações líder-membros Grau de confiança e respeito que os seguidores têm pelo líder; Estrutura da tarefa Clareza dos objectivos do grupo; Multiplicidade de vias para alcançar o mesmo objectivo; Verificabilidade da decisão; Especificidade da decisão; Poder do cargo Poder inerente à posição do líder, decorrente da sua legitimidade

11 Categorização das situações de controle situacional

12 Conclusões: Os líderes orientados para a tarefa têm melhor desempenho que os líderes orientados para a relação nas situações muito favoráveis (I, II e III); Os líderes orientados para a relação tendem a ter melhor desempenho nas situações intermédias (IV, V e VI) 23 12

Fundamentos da Direção

Fundamentos da Direção Aula 7 Direção Fundamentos da Direção Inerente a qualquer organização está a necessidade de gerir esforços individuais em função de objetivos organizacionais. A direção é a função da administração responsável

Leia mais

Teorias Motivacionais

Teorias Motivacionais Teorias Motivacionais 1) A Hierarquia das Necessidades de Maslow 2) Teoria dos Fatores Higiênicos e Motivadores de Herzberg Fatores Higiênicos Salários e benefícios Condições de trabalho e conforto Política

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.3 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed)

LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO. Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) LIDERANÇA E COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Caps. 11 e 12 (11ª ed.) Cap. 12 (14ª ed) Profa. Dra. Adriana Cristina Ferreira Caldana Thiago Ferreira Quilice Liderança O que faz um líder? Quais são os atributos

Leia mais

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994.

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. Liderança Cap. 10 - Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. pag 143 a 156 Um dos fatos mais impressionantes e universais sobre

Leia mais

Facebook.com/concursovirtual Gestão de pessoas Trabalho em equipe O que é um grupo? Grupo primário x Grupo Secundário Os grupos podem ser formais ou informais. Formais - designados pela organização. Criados

Leia mais

03/11/2015. Aula 7. Liderança. Agenda. Seminário. Liderança. Teorias sobre liderança

03/11/2015. Aula 7. Liderança. Agenda. Seminário. Liderança. Teorias sobre liderança Aula 7 Liderança Agenda Seminário Liderança Teorias sobre liderança 2 1 Liderança O que é liderança? Capacidade de influenciar um grupo para o alcance de objetivos. 2 Importância do tema Liderança é um

Leia mais

Liderança e Confiança. Alan Alexandre Anneliese Manuella Mariana Beatriz

Liderança e Confiança. Alan Alexandre Anneliese Manuella Mariana Beatriz Liderança e Confiança Alan Alexandre Anneliese Manuella Mariana Beatriz O que é liderança? Liderança x administração; Enfrentamento da complexibilidade; Enfrentamento da mudança; Autoridade natural do

Leia mais

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS

ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS FILIPE S. MARTINS ROTEIRO ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS LIDERANÇA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO LIDERANÇA É UM DOS PAPÉIS DOS ADMINISTRADORES. O LÍDER INFLUENCIA O COMPORTAMENTO DE UM OU MAIS LIDERADOS OU SEGUIDORES.

Leia mais

1/28/2017 PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL. A Relação Treinador Atleta. a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo

1/28/2017 PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL. A Relação Treinador Atleta. a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL CURSO TREINADORES DE FUTEBOL NÍVEL I UEFA C Componente Específica Joana Cerqueira joanacerqueira.cifi2d@gmail.com a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo

Leia mais

Gestão de Pessoas. Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra.

Gestão de Pessoas. Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra. Gestão de Pessoas Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra. Aula 8 Liderança Os objetivos desta aula são: Definir liderança e comparar liderança e administração. Resumir as principais

Leia mais

Desafio: Administração Geral - Parte I

Desafio: Administração Geral - Parte I Desafio: Administração Geral - Parte I 1. Em uma organização, os líderes podem possuir diferentes perfis ou estilos. Qual o estilo em que a liderança ocorre quando o colaborador necessita aprender a tarefa

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Decorrências da Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Decorrências da Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Decorrências da Teoria das Relações Humanas Professor: Roberto César Motivação Humana A motivação procura explicar por que as pessoas se comportam. Administração Cientifica

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias utilizadas para as iniciativas

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Cidadania e Mundo Atual ANO: 7º TURMA: A ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Empregabilidade: comunicação e relações pessoais AULAS PREVISTAS:

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Liderança Prof. Dra. Ana Carolina de Aguiar Rodrigues REFLEXÕES APÓS DEBATE Relembrar nosso contrato psicológico Avaliação geral da atividade O que aprenderam? Que insights

Leia mais

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

O que leva as pessoas a agirem em prol do alcance dos objetivos pessoais e organizacionais. Motivo que sustenta e dirige a conduta.

O que leva as pessoas a agirem em prol do alcance dos objetivos pessoais e organizacionais. Motivo que sustenta e dirige a conduta. MOTIVAÇÃO HUMANA O que leva as pessoas a agirem em prol do alcance dos objetivos pessoais e organizacionais. Motivo que sustenta e dirige a conduta. Conjunto dos meus motivos - tudo aquilo que a partir

Leia mais

Liderança em Contextos Instáveis: Stresse e Stressores dos Gestores Prisionais e Agentes Penitenciários das Unidades Prisionais do Estado da Bahia

Liderança em Contextos Instáveis: Stresse e Stressores dos Gestores Prisionais e Agentes Penitenciários das Unidades Prisionais do Estado da Bahia Liderança em Contextos Instáveis: Stresse e Stressores dos Gestores Prisionais e Agentes Penitenciários das Unidades Prisionais do Estado da Bahia SANDRO JOSÉ GOMES (CIP/UAL), JOSÉ MAGALHÃES (CIP/UAL),

Leia mais

Liderança e Relacionamento

Liderança e Relacionamento Liderança e Relacionamento Interpessoal Professor Douglas Pereira da Silva 1 Reflexão sobre as relações humanas e sua dinâmica Desenvolver relações humanas com base em dinâmica de grupo significa criar

Leia mais

Motivação Conceito e Aplicações

Motivação Conceito e Aplicações Motivação Conceito e Aplicações Cap. 6 e 7 (11º edição) Cap. 7 e 8 (14º edição) Profª. Drª. Adriana Cristina Ferreira Caldana Motivação Origem Etimológica: (Latim: Movere), noção de dinâmica ou de ação

Leia mais

Instituto Superior Técnico

Instituto Superior Técnico Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Unidade Curricular Comportamentos Transversais - I A liderança como arte e ciência Modelos Teorias

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. Gestão de Pessoas. Gestão de Pessoas

GESTÃO DE PESSOAS. Gestão de Pessoas. Gestão de Pessoas GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Prof. Dr. Roberto Coda 1 Gestão de Pessoas O B J E T I V O S FORNECER COMPREENSÃO AMPLA DOS TEMAS MOTIVAÇÃO E LIDERANÇA COMO CONDICIONANTES DO PAPEL GERENCIAL APRESENTAR

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Motivação na Sala de Aula MOTIVAÇÃO E LEI DO EFEITO O MOTIVO E AS SUAS COMPONENTES TIPOS DE MOTIVOS MOTIVAÇÃO E CONFLITO MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO O PAPEL DO PROFESSOR Copyright,

Leia mais

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

LIDERANÇA. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira LIDERANÇA Os objetivo deste estudo é conhecer os estilos de liderança. Reconhecer estes estilos nas pessoas dentro da organização de maneira que possamos orientar, treinar e desenvolver adequadamente os

Leia mais

GESTÃO. 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1

GESTÃO. 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1 GESTÃO 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1 Liderança Capacidade para influenciar pessoas de forma a conseguir atingir os objectivos e metas da organização. Implica o

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

Marketing de Negociação. Empreendedorismo II. Empreendedorismo II. Unidade II: LIDERANÇA.

Marketing de Negociação. Empreendedorismo II. Empreendedorismo II. Unidade II: LIDERANÇA. Marketing de Negociação Centro Universitário de Jaraguá do Sul - UNERJ Administração Habilitação em Marketing 7a. fase - semestre 2009/2 Prof. Adm. Marco Antonio Murara,Esp. Unidade II: LIDERANÇA. A fonte

Leia mais

Avaliação de Desempenho Organizacional

Avaliação de Desempenho Organizacional Avaliação de Desempenho Organizacional O que é avaliar? Avaliar significa julgar alguma atitude ou atividade de forma qualitativa, podendo-se transcrever essa percepção com o auxílio de informações quantitativas

Leia mais

Grupos e Equipes de Trabalho

Grupos e Equipes de Trabalho Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 2 1 Fundamentos do comportamento de grupos Definição Um grupo é definido como dois ou mais

Leia mais

17/04/2017 ANDREA RIBAS GESTÃO DE PESSOAS TÉCNICO JUDICIÁRIO AREA ADMINISTRATIVA

17/04/2017 ANDREA RIBAS GESTÃO DE PESSOAS TÉCNICO JUDICIÁRIO AREA ADMINISTRATIVA ANDREA RIBAS GESTÃO DE PESSOAS TÉCNICO JUDICIÁRIO AREA ADMINISTRATIVA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Livro: Gestão de Pessoas para Concursos Ed. Alumnus. 4ª edição. Autores Andréia Ribas e Cassiano Salim Noções

Leia mais

Política Antifraude POLÍTICA ANTIFRAUDE

Política Antifraude POLÍTICA ANTIFRAUDE Política Antifraude Página 1 de 14 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ÂMBITO E OBJECTIVO... 5 3. IMPLEMENTAÇÃO... 5 4. DEFINIÇÕES... 5 4.1. Fraude... 5 4.2. Política Anti-Fraude... 6 4.3. Fraude Externa... 6

Leia mais

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009)

Liderança 04/11/2011. Fonte: Maximiano (2009) Fonte: Maximiano (2009) Autoridade Formal Fundamenta-se em leis aceitas de comum acordo, que criam figuras de autoridade dotadas do poder de comando. O seguidor obedece à lei incorporada na figura de autoridade,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS. O responsável (gestor) do projecto. A estrutura organizacional

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS. O responsável (gestor) do projecto. A estrutura organizacional ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS O responsável (gestor) do projecto A estrutura organizacional Pontos prévios ao desenvolvimento de um projecto Cabe aos responsáveis da organização (Administração) Escolha

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

OS/AS PSICÓLOGOS/AS VALORIZAM A EXCELÊNCIA E O BEM-ESTAR

OS/AS PSICÓLOGOS/AS VALORIZAM A EXCELÊNCIA E O BEM-ESTAR OS/AS PSICÓLOGOS/AS VALORIZAM A EXCELÊNCIA E O BEM-ESTAR 2017 PERFIL DOS/AS PSICÓLOGOS/AS DO DESPORTO, EXERCÍCIO E PERFORMANCE ÍNDICE P. 04 1. Intervenção e Importância dos/as Psicólogos/as do Desporto,

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Modular Noções de Administração Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Modular Noções de Administração Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Modular Noções de Administração Questões Giovanna Carranza 11. A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada como

Leia mais

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho CATEGORIA AUTORIA JULHO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil dos Psicólogos do Trabalho Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil dos Psicólogos do Trabalho.

Leia mais

Lista de exercícios. Liderança. Prof. Carlos Xavier.

Lista de exercícios. Liderança. Prof. Carlos Xavier. INSTITUTO DE GESTÃO, ECONOMIA E POLÍTICAS PÚBLICAS Lista de exercícios Liderança 1. (CESPE/STJ/Técnico/2008) O gestor de recursos humanos que utiliza a liderança centrada nas pessoas se preocupa em passar

Leia mais

Liderança, Atributos & Atribuições

Liderança, Atributos & Atribuições Liderança, Atributos & Atribuições Rosely Gaeta Liderança a Situacional Modelo de Hersey & Blanchard, 1986 Fonte: Apostila e Capítulo 7 Sobral & Peci 11/11/2015 A liderança situacional, ou líder que adapta

Leia mais

Curso Expedito CHEFIA E LIDERANÇA NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA MANUAL DO PARTICIPANTE. Nome:

Curso Expedito CHEFIA E LIDERANÇA NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA MANUAL DO PARTICIPANTE. Nome: 29 Curso Expedito CHEFIA E LIDERANÇA NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA MANUAL DO PARTICIPANTE Nome: 30 CURSO EXPEDITO Chefia e Liderança no Serviço de Assistência Humanitária Autor: Ten Cel BM Marcello

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem

Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem Referência bibliográfica Marquis BL; Huston CJ. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Leia mais

Influência (liderança) e poder. Gestão e liderança Perspectivas sobre capacidades interpessoais

Influência (liderança) e poder. Gestão e liderança Perspectivas sobre capacidades interpessoais Influência (liderança) e poder Gestão e liderança Perspectivas sobre capacidades interpessoais - Traços, comportamentos, contingência Uma perspectiva do poder Partilhar aumenta o poder Tácticas para influenciar

Leia mais

Direção da Ação Empresarial

Direção da Ação Empresarial Direção da Ação Empresarial Ação Empresarial Direção Estilos de Direção Teoria X Homem é preguiçoso, indolente Falta-lhe ambição Egocêntrico Resiste às mudanças Dependência: precisa ser dirigido Ação Empresarial

Leia mais

Anotações LIDERANÇA - MÓDULO 3 MATURIDADE DOS LIDERADOS

Anotações LIDERANÇA - MÓDULO 3 MATURIDADE DOS LIDERADOS MATURIDADE DOS LIDERADOS Maturidade é a capacidade e a disposição das pessoas de assumir a responsabilidade de dirigir seu próprio comportamento. A capacidade está relacionada com o conhecimento e a habilidade

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal (2)

Liderança a e desempenho grupal (2) Liderança a e desempenho grupal (2) Tomada de decisão grupal Factores de eficácia cia do desempenho grupal Copyright, 2006 José Farinha Tomada de decisão grupal A tomada de decisão é uma das tarefas realizadas

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade IV Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - conceitos gerais da administração Parte 2 - evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

ANDRÉIA RIBAS GESTÃO DE PESSOAS

ANDRÉIA RIBAS GESTÃO DE PESSOAS ANDRÉIA RIBAS GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Gestão de Competências Ano: 2017 Banca: FCC Órgão: TRE-SP Prova: Analista Judiciário - Área Administrativa 1.Uma determinada entidade integrante da Administração

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

Teorias das Organizações. Prof. Doutora Maria José Sousa

Teorias das Organizações. Prof. Doutora Maria José Sousa Teorias das Organizações 1 Prof. Doutora Maria José Sousa 2 Abordagem Clássica Administração Científica Referência: Frederick Taylor (1903) Elemento Nuclear: A tarefa Termos mais utilizados Organização

Leia mais

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar... Guimarães Rosa Clima organizacional Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa Conceitos básicos Clima Organizacional é o potencial de energia disponível para alavancar resultados. Perfil

Leia mais

6 Conclusões e Recomendações

6 Conclusões e Recomendações 93 6 Conclusões e Recomendações Este capítulo pretende relacionar as informações do referencial teórico com os resultados da pesquisa realizada com as duas pequenas empresas familiares no ramo do comércio.

Leia mais

Lidere sua equipe para ter melhores resultados

Lidere sua equipe para ter melhores resultados Lidere sua equipe para ter melhores resultados Lidere sua equipe para ter melhores resultados Objetivo: Sensibilizar os empresários das micro e pequenas empresas sobre a importância da liderança eficaz

Leia mais

Liderança e Gestão de Competências

Liderança e Gestão de Competências Liderança e Gestão de Competências Teoria e prática na gestão de pessoas Prof. Ms. André Ricardo Nahas Agenda Contextualizando... Teorias de liderança Papel do líder Exemplos práticos Contextualizando...

Leia mais

Qualidade Aprendizagem Construção Dinâmica Capacidade(s) Criatividade Inovação. Ambiente Instável RUMO. Mudança SUCESSO.

Qualidade Aprendizagem Construção Dinâmica Capacidade(s) Criatividade Inovação. Ambiente Instável RUMO. Mudança SUCESSO. Revisão da Literatura Liderança Escolar Qualidade Aprendizagem Construção Dinâmica Capacidade(s) Criatividade Inovação RUMO SUCESSO Ambiente Instável Mudança Estratégia Liderança Uma qualidade d que se

Leia mais

2. As percepções de competência dos parceiros numa relação podem influenciar a forma como cada um responde aos comportamentos outro;

2. As percepções de competência dos parceiros numa relação podem influenciar a forma como cada um responde aos comportamentos outro; PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação COMUNICAÇÃO EM ACÇÃO COMPETÊNCIA COMUNICATIVA Aspectos gerais Mitos sobre competência comunicativa Dimensões da competência comunicativa O comunicador

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos GESTÃO de PROJECTOS para a maioria dos projectos Gestor de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia 1 atitude positiva dos clientes (empresa, alta direcção) inter-relações e empenho geral as fases de definição

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Formação Interempresas 2017

Formação Interempresas 2017 Formação Interempresas 2017 1 1 Calendário das acções 1º Semestre Lisboa 1 Lean Management 1d Ferramentas Básicas da Qualidade 2 1d 21 5S & Gestão Visual 3 1d 22 Gestão de Equipas 4 1d 5 6 TPM Total Productive

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Processo responsável pela intensidade, direção e persistência dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta.

Processo responsável pela intensidade, direção e persistência dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta. Processo responsável pela intensidade, direção e persistência dos esforços de uma pessoa para o alcance de uma determinada meta. Intensidade se refere a quanto esforço a pessoa despende. A intensidade

Leia mais

LISTA DE QUADROS. Quadro Nº. 1 Períodos da Idade Adulta (Síntese) Quadro Nº. 2 Principais alterações físicas e psicológicas do adulto...

LISTA DE QUADROS. Quadro Nº. 1 Períodos da Idade Adulta (Síntese) Quadro Nº. 2 Principais alterações físicas e psicológicas do adulto... LISTA DE QUADROS Quadro Nº. 1 Períodos da Idade Adulta (Síntese)... 13 Quadro Nº. 2 Principais alterações físicas e psicológicas do adulto... 15 Quadro Nº. 3 Implicações educativas dos estilos cognitivos...

Leia mais

LIDERANÇA E PROJECTO EDUCATIVO DE ESCOLA: RELAÇÕES, DISCURSOS E PRÁTICAS

LIDERANÇA E PROJECTO EDUCATIVO DE ESCOLA: RELAÇÕES, DISCURSOS E PRÁTICAS Sociedade Portuguesa De Ciências Da Educação XI Congresso Investigar, Inovar e Desenvolver: Desafios das Ciências da Educação LIDERANÇA E PROJECTO EDUCATIVO DE ESCOLA: RELAÇÕES, DISCURSOS E PRÁTICAS Maria

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS)

PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) PROGRAMA NACIONAL de ACREDITAÇÃO em SAÚDE (PNAS) Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Despacho n.º 69/2009 de 31 Agosto -Ministra da Saúde Aprova o Modelo de

Leia mais

Motivação Página 1. Motivação

Motivação Página 1. Motivação Motivação Página 1 Objetivo: Entender o processo de motivação; descrever as teorias da motivação mais antigas e explicar como as teorias contemporâneas sobre motivação se completam mutuamente. Referências:

Leia mais

Dinâmica interpessoal e de grupo

Dinâmica interpessoal e de grupo Dinâmica interpessoal e de grupo CTC75 Grau 2 28, 29, 30 Set. 2007 Paula Biscaia Licenciada em Educação Física Licenciada em Educação Física Licenciada em Psicologia (Área da Psicologia Desportiva) Mestre

Leia mais

Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola

Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola Imagens organizacionais ac o a da escola Baseado no livro do Professor Jorge Adelino Costa Imagens Organizacionais da Escola Evolução das ideias sobre Educação (António Nóvoa) Até aos anos 50: investigação

Leia mais

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo. Administração Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX COMPETÊNCIA INTERPESSOAL Qualquer organização que queira obter êxito não admite mais profissionais individualistas.

Leia mais

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança MBA LEADERSHIP Liderança DESCRIÇÃO Cada vez mais, a liderança assume um papel preponderante no dia-a-dia das nossas empresas. O sucesso de uma equipa está dependente da capacidade de liderança do seu líder.

Leia mais

Assinale a alternativa que contém a seqüência CORRETA. a) V, F, V, V, V. b) V, V, F, V, V. c) V, V, V, F, F. d) F, V, V, F, F.

Assinale a alternativa que contém a seqüência CORRETA. a) V, F, V, V, V. b) V, V, F, V, V. c) V, V, V, F, F. d) F, V, V, F, F. 1. Acerca do comportamento organizacional, julgue os itens a seguir. O projeto organizacional define uma configuração estrutural para a organização com base na autoridade legal e ordem para qualquer tipo

Leia mais

Processos e estruturas de. Organização. Capítulo 5. relações entre as pessoas e os recursos disponíveis

Processos e estruturas de. Organização. Capítulo 5. relações entre as pessoas e os recursos disponíveis Capítulo 5 Processos e estruturas de Organização Organização: processo de definir e estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis da empresa, tendo em vista os objectivos que esta se

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL (TQM)

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL (TQM) GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL (TQM) TOTAL QUALITY MANAGEMENT (TQM) Evolução da Qualidade 2 1 1ª Etapa -Inspecção Surge com a Revolução Industrial, com a passagem de uma economia predominante agrícola para

Leia mais

Clientes fidelizados e satisfeitos

Clientes fidelizados e satisfeitos GESTÃO DE PESSOAS NAS EMPRESAS CONTÁBEIS Uma abordagem prática O QUE TODO EMPRESÁRIO SONHA... Pessoas qualificadas, motivadas e produtivas Baixa rotatividade Clientes fidelizados e satisfeitos PLANEJAMENTO

Leia mais

O PAPEL DO CLIMA ORGANIZACIONAL NO DESEMPENHO EMPRESARIAL

O PAPEL DO CLIMA ORGANIZACIONAL NO DESEMPENHO EMPRESARIAL O PAPEL DO CLIMA ORGANIZACIONAL NO DESEMPENHO EMPRESARIAL Clariana de Lima RODRIGUES 1 Ritiely Mariano PRETEL 2 RESUMO O desempenho de cada pessoa está diretamente relacionado com a sua satisfação em relação

Leia mais

Índice. 1. Introdução Envelhecimento bem sucedido. 10. Bem-estar subjectivo Coping Estilos de vida.. 42

Índice. 1. Introdução Envelhecimento bem sucedido. 10. Bem-estar subjectivo Coping Estilos de vida.. 42 Índice 1. Introdução... 8 2. Enquadramento teórico Envelhecimento bem sucedido. 10 Bem-estar subjectivo.. 20 Coping... 33 Estilos de vida.. 42 3. Objectivos gerais e questões de investigação. 52 4. Método

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 140/C/5 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA ESCRITA DE PSICOLOGIA 1. CRITÉRIOS

Leia mais

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento O líder como administrador de conflitos A dinâmica dos grupos organizacionais é marcada por diferentes conflitos, principalmente do tipo interpessoal,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@fatecourinhos.edu.br Introdução ARH (Administração de Recursos Humanos) é a função na organização que está relacionada

Leia mais

TEORIAS MOTIVACIONAIS Preceitos para Liderança

TEORIAS MOTIVACIONAIS Preceitos para Liderança TEORIAS MOTIVACIONAIS Preceitos para Liderança Teoria das Relações Humanas Motivação, liderança, comunicação, organização informal, dinâmica de grupo. Influencia da motivação humana O pagamento ou recompensa

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Pessoal. Professor Joerllys Sérgio

Engenharia de Software. Gerenciamento de Pessoal. Professor Joerllys Sérgio Engenharia de Software Gerenciamento de Pessoal Professor Joerllys Sérgio Pessoas no Processo Pessoas constituem o bem mais valioso de uma organização. Atividades de um gerente são fortemente orientadas

Leia mais

EMPRESA X RELATÓRIO PESQUISA DE SATISFAÇÃO RECURSOS HUMANOS & INSIGHT GESTÃO. 1 de 59 INICIAR

EMPRESA X RELATÓRIO PESQUISA DE SATISFAÇÃO RECURSOS HUMANOS & INSIGHT GESTÃO. 1 de 59 INICIAR 1 de 59 EMPRESA X RELATÓRIO PESQUISA DE SATISFAÇÃO RECURSOS HUMANOS & INSIGHT GESTÃO INICIAR Objetivos e Metodologia PERÍODO DE APLICAÇÃO 18 AGO 25 SET RELAÇÃO COLAB. vs RESPONDENTES 4522 3617 80% Objetivos

Leia mais

Gestão nas organizações

Gestão nas organizações Gestão nas organizações Gestão e organização Significados da gestão Níveis e áreas da gestão Funções (Tarefas) do processo de gestão O contexto da gestão Perspectivas Críticas 1 Gestão da organização e

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

Regulamento Interno CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14

Regulamento Interno CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14 CONFRARIA DE S. VICENTE DE PAULO EXTERNATO Nº.4 DA EDUCAÇÃO POPULAR JARDIM-DE-INFÂNCIA 1 / 14 REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE I 2 / 14 Objectivos Gerais 5 II Órgãos de Gestão 3 / 14 5 III Corpo Docente 6 4

Leia mais

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT Cursos Recomendados TOPICS: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT TOPIC: COMMUNICATION SKILLS Módulo: Competências relacionais do gestor M144 Duração 30 min. Adquirir as competências-base

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Soft-skills / Comportamental

Soft-skills / Comportamental Soft-skills / Comportamental Liderança e trabalho em equipa Comunicação, gestão de conflitos e negociação Técnicas de apresentação Gestão do tempo e Reuniões eficazes 1 Hire on attitude, Train the skills

Leia mais

Afundamentos da Administração

Afundamentos da Administração Afundamentos da Administração aula 3 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Fayol em uma de suas contribuições para o estudo da Administração define o chamado processo administrativo, com o desempenho de

Leia mais

Modelos configuracionistas. Maria José Chambel

Modelos configuracionistas. Maria José Chambel Modelos configuracionistas Maria José Chambel Configuracão estrutural Introduz o conceito de configuração como um conjunto de variáveis que se interrelacionam; isto é constelações de variáveis que se conjugam

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO 22/02/ HISTÓRICO NOVOS MODELOS GERENCIAIS ADMINISTRAÇÃO JAPONESA

ADMINISTRAÇÃO 22/02/ HISTÓRICO NOVOS MODELOS GERENCIAIS ADMINISTRAÇÃO JAPONESA ADMINISTRAÇÃO 1.HISTÓRICO A Administração Participativa é uma das idéias mais antigas da administração. Ela nasceu na Grécia com a invenção da democracia. Continua a ser uma idéia moderna, que integra

Leia mais

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades,

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades, Agradecimentos Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho e nas minhas capacidades, pelo apoio incansável nos momentos mais aflitivos, pelas

Leia mais

Ref.: SADC/2/3/3 2.º Anúncio de Vagas COMUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL ANÚNCIO DE VAGAS

Ref.: SADC/2/3/3 2.º Anúncio de Vagas COMUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL ANÚNCIO DE VAGAS COMUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL ANÚNCIO DE VAGAS O Secretariado da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) pretende recrutar técnicos com bastante motivação e experiência,

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Gestão da qualidade Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa/Escola Superior do Vale do Ave Alguns mitos da qualidade (Pires, 2007) A qualidade não se controla, fabrica-se a qualidade

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS SOCIAIS PARA IDOSOS

CURSO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS SOCIAIS PARA IDOSOS CURSO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS SOCIAIS PARA IDOSOS Nas sociedades contemporâneas, o envelhecimento, a velhice e os idosos são o tema em causa, pois assiste-se a um aumento crescente deste tipo de população.

Leia mais

ESTRATEGIA DE ADVOCACIA:

ESTRATEGIA DE ADVOCACIA: ESTRATEGIA DE ADVOCACIA: COMPETÊNCIAS CHAVE PARA A SUA EXECUÇÃO MOVIMENTO SUN POR: DERCIO MATALE PROJECTO RAC HELEN KELLER INTERNATIONAL O QUE E DE ADVOCACIA? Uma combinação de abordagens, técnicas e mensagens

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro Âmbito de aplicação (art.º 2.º) SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SIADAP Âmbito genérico de aplicação: - Administração directa do Estado; - Administração

Leia mais