CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS"

Transcrição

1 CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS LUCIANA DO NASCIMENTO LANCHOTE 1 Iniciação Científica, Bolsista CNPq, UFLA RUBEN DELLY VEIGA 2 ; VANÊSSA BRITO FERNANDES 3 RESUMO Em trabalho anterior de Damasceno et al (2004), procedimentos de análise de dados do Excel 2000, do SAS 8.12 e do Matlab 6.1 foram testados e comparados utilizando os recursos de simulação de dados. Na avaliação destes, na categoria: Gerações de amostras aleatórias a partir de distribuições estatísticas conhecidas, problemas foram detectados no Excel 2000 em relação às propriedades das estatísticas descritivas, pois violou uma das propriedades da variância no que diz respeito à soma de constantes aos elementos de uma amostra, retornando valores totalmente discrepantes dos reais valores. Nenhum outro problema foi encontrado. Baseado neste resultado pretende-se como continuidade do trabalho, verificar se estes erros acontecem em outras versões do Excel, assim como em equipamentos com configurações diferentes (processadores e memórias). Os resultados confirmaram trabalhos anteriores, além de acrescentar que os erros começam a ocorrer quando a constante trabalhada é de tamanho superior a 10 4 ; independente do tipo de processador ou capacidade de memória. Quando a constante acrescentada é superior a 10 7, as distorções dos resultados são facilmente notadas vista tamanha aleatorização destes, que deveriam obedecer, conforme a propriedade citada, uniformidade na variância. Tal fato confirma a imprecisão dos resultados obtidos no Excel. Palavras-chave: Simulação de Dados, Comparação de Softwares, Erros de Processamento 2 Professor Titular de Estatística Departamento de Ciências Exatas Universidade Federal de Lavras 3 Mestranda em Estatística Bolsista CNPq, UFLA Estatística e Experimentação Agropecuária

2 1. INTRODUÇÃO É grande a utilização das ferramentas do Excel, nas diversas áreas de pesquisas, envolvendo cálculos estatísticos, por usuários que utilizam tal ciência como complemento de informações, não para aprimoramento da mesma. Muitos outros softwares são utilizados como: Matlab e SAS, que apresentam confiabilidade dos dados, conforme testado por Damasceno et al (2004). Esta confiabilidade pode não ser encontrada no Excel, em casos de dados com maior magnitude. Assim, ressalta-se a importância da escolha do software de máxima precisão, visto que os resultados precisos envolvem além de dados importantes que devem ser confiáveis, toda uma equipe de pesquisadores, que dependem da confiabilidade e utilização de suas pesquisas. McCullough e Wilson (1999), avaliaram a confiança dos procedimentos estatísticos do Excel 97 em três áreas: estimação (linear e não-linear), na geração de números aleatórios e distribuições estatísticas e concluiu: A performance do Excel é inadequada. Pessoas desejando conduzir análise estatística de dados são advertidas a não usar o Excel. Esta performance foi avaliada via Statistical Reference Data Sets (StRD), o qual recentemente foi liberado pela American National Institute of Standards and Technology (NIST). McCullough e Wilson (2002), encontraram as mesmas deficiências observadas no Excel 97 nas versões do Excel 2000 e do Excel 2002 (também chamado de Excel XP). Segundo os autores, o problema na geração de amostras da distribuição normal padrão e da normal inversa tem piorado. O presente trabalho teve por objetivo avaliar e comparar resultados fornecidos pelo Excel de diferentes equipamentos quanto à memória RAM e a geração de processadores, no que se refere à verificação de propriedades da média e da variância, empregando a simulação de dados. 2. MATERIAL E METODOS A metodologia apresentada neste trabalho foi aplicada por meio de um estudo de simulação de dados com distribuição normal, conforme suas propriedades. O objetivo foi avaliar e comparar os resultados obtidos em diferentes equipamentos computacionais, verificando a precisão de resultados do Excel. Para conduzir este Estatística e Experimentação Agropecuária 45

3 trabalho foram utilizados Ferramenta de Análise de Dados do Excel em diversas linhas de Processadores Pentium. Para a realização deste estudo, foi considerado um único procedimento, descritos a seguir: geração de dados segundo distribuições normais padronizadas, com comparação dos geradores de números aleatórios, simulando dados referentes a 50 experimentos, para amostra de tamanho 30, com 5 repetições em cada máquina. Enfatizou-se testar a precisão dos dados, no que diz respeito às propriedades de estatísticas descritivas, para a média e variância, referindo-se a soma de uma mesma constante k, em que a média obviamente ficará somada à constante k e a variância permanecerá constante. Pensando nisso, foram geradas amostras aleatórias {x1, x2,..., xn}, n igual a 30, em cada um dos 50 experimentos, a partir da distribuição normal padronizada (µ,σ²), adotando-se N (10,2), e k = {10, 10², 10³,..., 10¹¹}. Como mencionado por Damasceno et al (2004) o Excel apresenta problemas quanto ao cumprimento da propriedade mencionada quando envolvidos valores grandes, o que foi constatado por meio do viés em relação aos valores reais (erro absoluto). McCullough e Wilson (2002) afirmam a imprecisão contínua em diversas gerações do Excel. Assim o objetivo deste trabalho foi o de dar continuidade ao estudo, procurandose detalhar os erros encontrados quanto a diferentes máquinas. Para isto utilizaram-se alguns equipamentos disponíveis por alguns usuários, sem contudo analisar os detalhes numéricos de armazenamento. Para a apresentação dos dados foi retirada a média das médias amostrais e das variâncias amostrais, após cada acréscimo de constante, a fim de facilitar a apresentação dos resultados. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Ao se tratar de propriedades da média e da variância, em relação a operações elementares, tais como, multiplicação e soma de constantes, problemas foram confirmados em todas as máquinas na utilização do Excel. Especificamente quanto à violação da propriedade da variância no que se refere à soma de constantes aos pontos amostrais, as ferramentas para obtenção de médias e variâncias retornaram valores irregulares em função da magnitude da constante somada; as imprecisões observadas Estatística e Experimentação Agropecuária 46

4 variaram pouco, frente à modificação das gerações de processadores, conforme descrito na tabela a seguir: Tabela 1. Médias e Variâncias obtidas segundo a propriedade de adição em diferentes tipos de equipamentos Pentium I, Windows 98, Pentium II, Windows 00, Pentium III, Windows 98, Pentium IV, Windows 00, 120mb RAM 120Mb RAM 120Mb RAM 156Mb RAM K MEDIA DAS MÉDIA DAS MEDIA DAS MÉDIA DAS MEDIA DAS MÉDIA DAS MEDIA DAS MÉDIA DAS MÉDIAS VARIÂNCIAS MÉDIAS VARIÂNCIAS MÉDIAS VARIÂNCIAS MÉDIAS VARIÂNCIAS , , , , , , , , ¹ 19, , , , , , , , ² 109,9975 3, ,0746 4, ,0547 4, ,999 3, ³ 1009,998 3, ,075 4, ,055 4, ,999 3, , ,07 4, ,05 4, , , ,1 4, ,1 4, , , , , , , , , , E+08 4, E+08 4, E+08 4, E+08 4, E ,7713 1E ,9131 1E ,0662 1E , E ,03 1E ,65 1E ,23 1E , E E E E+11 6,78154 É possível observar que dados acrescidos de constantes de magnitude até 10 5 são confiáveis, no que diz respeito ao cumprimento da teoria estatística testada, no entanto é desaconselhável utilizar a ferramenta do Excel para valores maiores, visto que não é possível o cálculo preciso dos resultados. Desta forma, confirmam-se as preocupações de trabalhos anteriores e ressalta a importância e necessidade de escolha de equipamento adequado para utilização da ferramenta. Esta preocupação não deveria estar presente no trabalho do pesquisador ou usuário em geral, a qual está relacionada com o software utilizado, ou seja, o Microsoft Excel. Conforme os trabalhos anteriores já mencionados, isto não acontece com outros softwares estatísticos comparados. 4. CONCLUSÃO O trabalho comparou as distorções observadas anteriormente no uso das ferramentas para Estatística Descritiva do Microsoft Excel. Além disto mostrou que a magnitude dos erros não está relacionada com a configuração do equipamento utilizado, uma vez que ocorre em todos. Estatística e Experimentação Agropecuária 47

5 Vale salientar que não fez parte do estudo detalhar o arredondamento e armazenamento de dados, mas analisar os resultados de relatórios sob o ponto de vista do usuário de Estatística. 5. BIBLIOGRAFIA DAMASCENO, J. E. A; VEIGA, R.D.; LANCHOTE, L.N. Comparação de procedimentos estatísticos de alguns softwares usando simulação de dados. In: 49ª REUNIÃO DA RBRAS, 2004, Uberlândia. Anais... Uberlândia: 49 RBRAS, p MCCULLOGH, B. D. & WILSON, B. On the accuracy of statistical procedures in Microsoft Excel 2000 and Excel XP. Computational Statistics & Data Analysis 40: , MCCULLOGH, B. D. & WILSON, B. On the accuracy of statistical procedures in Microsoft Excel 97. Computational Statistics & Data Analysis 31: 27-37, Estatística e Experimentação Agropecuária 48

Avaliação do coeficiente de variação na experimentação com cana-de-açúcar. Introdução

Avaliação do coeficiente de variação na experimentação com cana-de-açúcar. Introdução Avaliação do coeficiente de variação na experimentação com cana-de-açúcar Introdução Rubens L. do Canto Braga Jr. 12 Jaime dos Santos Filho 3 Joel Augusto Muniz 3 Na experimentação agronômica, em geral,

Leia mais

Comparação de métodos para tratamento de parcelas perdidas em delineamento em blocos casualizados via simulação Monte Carlo

Comparação de métodos para tratamento de parcelas perdidas em delineamento em blocos casualizados via simulação Monte Carlo Comparação de métodos para tratamento de parcelas perdidas em delineamento em blocos casualizados via simulação Monte Carlo Marcela Costa Rocha 1 Maria de Lourdes Lima Bragion 1 1 Introdução A perda de

Leia mais

4 Testes e experimentos realizados 4.1. Implementação e banco de dados

4 Testes e experimentos realizados 4.1. Implementação e banco de dados 32 4 Testes e experimentos realizados 4.1. Implementação e banco de dados Devido à própria natureza dos sites de redes sociais, é normal que a maior parte deles possua uma grande quantidade de usuários

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS TESTES MULTIVARIADOS DA RAZÃO DE VEROSSIMILHANÇAS E T² DE HOTELLING: Um estudo por simulação de dados

AVALIAÇÃO DOS TESTES MULTIVARIADOS DA RAZÃO DE VEROSSIMILHANÇAS E T² DE HOTELLING: Um estudo por simulação de dados AVALIAÇÃO DOS TESTES MULTIVARIADOS DA RAZÃO DE VEROSSIMILHANÇAS E T² DE HOTELLING: Um estudo por simulação de dados Eduardo Campana Barbosa 12 Rômulo César Manuli² Patrícia Sousa² Ana Carolina Campana

Leia mais

Estatística: Objetivos e fundamentos

Estatística: Objetivos e fundamentos AULA/TEMA Estatística Básica Estatística: Objetivos e fundamentos Profa. Vanessa Ziotti Conteúdo Programático Estatística. O que é? Inferência estatística Estatística descritiva e experimental Termos estatísticos

Leia mais

UM EQUIPAMENTO PARA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ENERGIA EM INSTRUMENTOS ELÉTRICOS

UM EQUIPAMENTO PARA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ENERGIA EM INSTRUMENTOS ELÉTRICOS UM EQUIPAMENTO PARA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ENERGIA EM INSTRUMENTOS ELÉTRICOS Paulo Sérgio Pereira 1 Maruedson Pires Martins 1 Wesley de Almeida Souto 1 Marcos Antônio Choqueta 2 1 Universidade

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

6 Estudo de Casos: Valor da Opção de Investimento em Informação por Aproximação com Números Fuzzy 6.1. Introdução

6 Estudo de Casos: Valor da Opção de Investimento em Informação por Aproximação com Números Fuzzy 6.1. Introdução 6 Estudo de Casos: Valor da Opção de Investimento em Informação por Aproximação com Números Fuzzy 6.1. Introdução Este capítulo apresenta o segundo estudo de casos, no qual também são empregados números

Leia mais

Estatística. Guia de Estudos P2

Estatística. Guia de Estudos P2 Estatística Guia de Estudos P2 1. Intervalo de Confiança Conceito extremamente importante que consiste em utilizar os valores amostrais obtidos através das fórmulas de Estatística Descritiva para encontrar

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Sistemas

Avaliação Quantitativa de Sistemas Avaliação Quantitativa de Sistemas Contexto A Avaliação Quantitativa de Sistemas permite a avaliação de sistemas antes mesmo da sua implementação física. Dessa forma, é possível avaliar um sistema projetado

Leia mais

2ª Klaudemir Santiago

2ª Klaudemir Santiago Matemática I 2ª Klaudemir Santiago 2ª Série E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 5: Compreender o caráter aleatório e não determinístico dos fenômenos naturais e sociais e utilizar

Leia mais

DCBD. Avaliação de modelos. Métricas para avaliação de desempenho. Avaliação de modelos. Métricas para avaliação de desempenho...

DCBD. Avaliação de modelos. Métricas para avaliação de desempenho. Avaliação de modelos. Métricas para avaliação de desempenho... DCBD Métricas para avaliação de desempenho Como avaliar o desempenho de um modelo? Métodos para avaliação de desempenho Como obter estimativas confiáveis? Métodos para comparação de modelos Como comparar

Leia mais

INCERTEZAS DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO AJUSTADAS SEGUNDO OS MODELOS LINEAR E QUADRÁTICO

INCERTEZAS DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO AJUSTADAS SEGUNDO OS MODELOS LINEAR E QUADRÁTICO ENQUALAB 8 - Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a de junho de 8, São Paulo, Brasil INCERTEZAS DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO AJUSTADAS SEGUNDO OS MODELOS LINEAR

Leia mais

Modificação do teste de Tukey para uso sob heterocedasticidade e desbalanceamento

Modificação do teste de Tukey para uso sob heterocedasticidade e desbalanceamento Modificação do teste de Tukey para uso sob heterocedasticidade e desbalanceamento Paulo César de Resende Andrade 1 Lucas Luciano Barbosa 1 Regiane Teixeira Farias 1 Ana Luisa de Castro Pereira Martins

Leia mais

Benchmarks. 1. Introdução

Benchmarks. 1. Introdução Benchmarks 1. Introdução Um Benchmark é um programa de teste de desempenho que analisa as características de processamento e de movimentação de dados de um sistema de computação com o objetivo de medir

Leia mais

Modelos: Verificação, Validação e Experimentação

Modelos: Verificação, Validação e Experimentação UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Modelos: Verificação, Validação e Experimentação Prof. Luís César da Silva (UFES/CCA) ESA 01 Engenharia de Sistemas Modelos Validados e Confiáveis Fundamentos: (Naylor

Leia mais

Como medimos nosso SPL!

Como medimos nosso SPL! Como medimos nosso SPL! Descrevemos aqui a nossa técnica utilizada para medir o nível máximo de pressão sonora linear de uma caixa acústica autoamplificada, considerando informações precisas, repetíveis

Leia mais

Análise empírica de algoritmos de ordenação

Análise empírica de algoritmos de ordenação Análise empírica de algoritmos de ordenação Mario E. Matiusso Jr. (11028407) Bacharelado em Ciências da Computação Universidade Federal do ABC (UFABC) Santo André, SP Brasil mario3001[a]ig.com.br Resumo:

Leia mais

Teste modificado de Tukey: avaliação do poder e eficiência

Teste modificado de Tukey: avaliação do poder e eficiência Teste modificado de Tukey: avaliação do poder e eficiência Paulo César de Resende Andrade 1 Alailson França Antunis 1 Douglas Mendes Cruz 1 Jéssica Rodrigues Andrade 1 Valdeane Figueiredo Martins 1 1 Introdução

Leia mais

Sistema Operacionais II. Aula: Virtualização

Sistema Operacionais II. Aula: Virtualização Sistema Operacionais II Aula: Virtualização Objetivos Entender o que é uma máquina virtual. Instalar várias máquinas virtuais em um mesmo computador usando o VirtualBox. Aprender os modos de rede suportados

Leia mais

7 RESULTADOS EXPERIMENTAIS

7 RESULTADOS EXPERIMENTAIS 7 RESULTADOS EXPERIMENTAIS No presente capítulo, é apresentada a aplicação efetiva da metodologia desenvolvida para medição de campos de deformações. Imagens coletadas durante ensaios de tração são analisadas,

Leia mais

Análise de Significância Estatística na Comparação entre Sistemas de Sumarização Automática

Análise de Significância Estatística na Comparação entre Sistemas de Sumarização Automática Universidade de São Paulo - USP Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Universidade Estadual Paulista - UNESP Análise de Significância Estatística na Comparação entre Sistemas de Sumarização Automática

Leia mais

6 Resultados Estratégias Consideradas

6 Resultados Estratégias Consideradas Resultados 38 6 Resultados Este capítulo mostra algumas estratégias consideradas antes de chegarmos ao sistema proposto, mostra também os resultados obtidos ilustrados por diversos experimentos computacionais,

Leia mais

ANOVA - parte I Conceitos Básicos

ANOVA - parte I Conceitos Básicos ANOVA - parte I Conceitos Básicos Erica Castilho Rodrigues 9 de Agosto de 2011 Referências: Noções de Probabilidade e Estatística - Pedroso e Lima (Capítulo 11). Textos avulsos. Introdução 3 Introdução

Leia mais

Estatística. Professor Jair Vieira Silva Júnior.

Estatística. Professor Jair Vieira Silva Júnior. Estatística Professor Jair Vieira Silva Júnior Ementa da Disciplina Estatística descritiva; Interpretação de gráficos e tabelas; Amostras, representação de dados amostrais e medidas descritivas de uma

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SOFTWARE

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SOFTWARE 1 WSAuto MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SOFTWARE CFC-B 2 INTRODUÇÃO O WSauto é o mais novo sistema de gerenciamento de CFC-B, foi criado pela empresa S MARQUES INFORMÁTICA LTDA ME, e lançado o seu primeiro modulo

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 6-10/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Professor: Marcos Vinicius Pó

Métodos Quantitativos para Ciências Sociais Professor: Marcos Vinicius Pó Lista 2 - Amostragem - Testes de aderência, homogeneidade, independência - Testes ANOVA Parte 1: AMOSTRAS E AMOSTRAGEM 1.1. A empresa Highwaytohell deseja conhecer o tempo médio de vida de seus pneus.

Leia mais

Gestão de Riscos e Investimentos

Gestão de Riscos e Investimentos Existem duas abordagens gerais para calcular o VAR 1. Avaliação Local (local valuation) Métodos que vimos até agora São procedimentos em geral analíticos Baseiam-se no valor inicial do instrumento ou carteira

Leia mais

3 Similaridade e tamanho da seqüência de consulta no BLAST

3 Similaridade e tamanho da seqüência de consulta no BLAST 3 Similaridade e tamanho da seqüência de consulta no BLAST Quando se planeja construir aplicativos que utilizam um agrupamento de computadores no intuito de paralelizar ou distribuir processamento, se

Leia mais

ISO/IEC 12207: Manutenção

ISO/IEC 12207: Manutenção ISO/IEC 12207: Manutenção O desenvolvimento de um sistema termina quando o produto é liberado para o cliente e o software é instalado para uso operacional Daí em diante, deve-se garantir que esse sistema

Leia mais

Cálculo Numérico Noções básicas sobre erros

Cálculo Numérico Noções básicas sobre erros Cálculo Numérico Noções básicas sobre erros Profa. Vanessa Rolnik 1º semestre 2015 Fases da resolução de problemas através de métodos numéricos Problema real Levantamento de Dados Construção do modelo

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DUAS APROXIMAÇÕES DO TESTE t COM VARIÂNCIAS HETEROGÊNEAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO

COMPARAÇÃO DE DUAS APROXIMAÇÕES DO TESTE t COM VARIÂNCIAS HETEROGÊNEAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPARAÇÃO DE DUAS APROXIMAÇÕES DO TESTE t COM VARIÂNCIAS HETEROGÊNEAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO RESUMO - Neste trabalho, buscou-se avaliar o aumento de riscos de se tomar decisões erradas (erro tipo I e tipo

Leia mais

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis.

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis. Analisador de marcapassos cardíacos "Com as condições ilustradas foi possível perceber que o programa desenvolvido em plataforma LabVIEW, com auxílio da interface para entrada e saída de sinais analógicos

Leia mais

Estatística Inferencial

Estatística Inferencial statística Inferencial A ou inferencial compreende a stimação e o Teste de hipótese. Na verdade, a estatística inferencial forma a base das atividades de controle da qualidade e também pode auxiliar na

Leia mais

Estatística. Professor Jair Vieira Silva Júnior.

Estatística. Professor Jair Vieira Silva Júnior. Estatística Professor Jair Vieira Silva Júnior Ementa da Disciplina Estatística descritiva; Interpretação de gráficos e tabelas; Amostras, representação de dados amostrais e medidas descritivas de uma

Leia mais

Resultados Obtidos 49

Resultados Obtidos 49 4 Resultados Obtidos Foram realizados testes para avaliar o desempenho do NCBI BLAST usando o BioProvider. Os testes foram feitos em um computador Pentium 4 com processador de 3 GHz de velocidade e 512

Leia mais

Roteiro de Certificação Participante de Liquidação(PL)

Roteiro de Certificação Participante de Liquidação(PL) 7/4/2010 SINCAD SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA Roteiro de Certificação Participante de Liquidação(PL) Versão: 1.0.1 Última modificação: 20/06/2013 Contato CTC Centro de Testes e Certificação

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Qualidade de Software Qualidade do produto e do processo Padrões de software Revisões Medições e métricas de software Kele Teixeira Belloze kelebelloze@gmail.com CONCEITO DE QUALIDADE

Leia mais

Bioestatística Básica RCA 5804 COMPARANDO GRUPOS INDEPENDENTES. Prof. Dr. Alfredo J Rodrigues

Bioestatística Básica RCA 5804 COMPARANDO GRUPOS INDEPENDENTES. Prof. Dr. Alfredo J Rodrigues Bioestatística Básica RCA 5804 COMPARANDO GRUPOS INDEPENDENTES Prof. Dr. Alfredo J Rodrigues Departamento de Cirurgia e Anatomia Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo alfredo@fmrp.usp.br

Leia mais

Experimentos Fatoriais 2 k

Experimentos Fatoriais 2 k Experimentos Fatoriais 2 k Carla A. Vivacqua Departamento de Estatística UFRN vivacqua@ccet.ufrn.br Encontro de Engenharia de Software Experimental UFRN 1 Agenda Planos Experimentais Abordados Formas de

Leia mais

ERROS E TRATAMENTO DE DADOS Prof. Marcelo R. Alexandre

ERROS E TRATAMENTO DE DADOS Prof. Marcelo R. Alexandre ERROS E TRATAMENTO DE DADOS Prof. Marcelo R. Alexandre ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS! Algarismos exatos Constituem os algarismos de uma leitura que estão isentos de qualquer dúvida ou estimativa.! Algarismos

Leia mais

DISCIPLINA. Magno Antonio Patto Ramalho

DISCIPLINA. Magno Antonio Patto Ramalho U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E L A V R A S P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DISCIPLINA Código PGM522 / II Denominação ANAL.

Leia mais

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48)

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48) Estimação parâmetros e teste de hipóteses Prof. Dr. Alberto Franke (48) 91471041 Intervalo de confiança para média É um intervalo em que haja probabilidade do verdadeiro valor desconhecido do parâmetro

Leia mais

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco.

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco. CONCEITOS DE REDE Uma rede é formada por um conjunto de nós, um conjunto de arcos e de parâmetros associados aos arcos. Nós Arcos Fluxo Interseções Rodovias Veículos Rodoviários Aeroportos Aerovia Aviões

Leia mais

Avaliação Monte Carlo do teste para comparação de duas matrizes de covariâncias normais na presença de correlação

Avaliação Monte Carlo do teste para comparação de duas matrizes de covariâncias normais na presença de correlação Avaliação Monte Carlo do teste para comparação de duas matrizes de covariâncias normais na presença de correlação Vanessa Siqueira Peres da Silva 1 2 Daniel Furtado Ferreira 1 1 Introdução É comum em determinadas

Leia mais

SPED EFD DAS CONTRIBUIÇÕES. Geração e transmissão do SPED fiscal- EFD PIS/COFINS no pva. Walison de Paula Silva

SPED EFD DAS CONTRIBUIÇÕES. Geração e transmissão do SPED fiscal- EFD PIS/COFINS no pva. Walison de Paula Silva Geração e transmissão do SPED fiscal- EFD PIS/COFINS no pva Walison de Paula Silva Agenda Instalação do Programa Navegação Exemplo Prático Requisitos mínimos para instalação (Hardware) Microcomputador

Leia mais

O USO DE SOFTWARE LIVRE PELOS TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DO IFSULDEMINAS CAMPUS MACHADO

O USO DE SOFTWARE LIVRE PELOS TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DO IFSULDEMINAS CAMPUS MACHADO O USO DE SOFTWARE LIVRE PELOS TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS DO IFSULDEMINAS CAMPUS MACHADO Ana Paula L. S. DIAS 1 ; Débora Cristina F. C. NEVES¹; Caroline F. C. SANTOS 2 ; Katia A. CAMPOS 2 ; Luciano P. CARVALHO²

Leia mais

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS Professor: Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Programa do curso: Semana Conteúdo 1 Apresentação da disciplina. Princípios de modelos lineares

Leia mais

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade

Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Medidas Descritivas de Posição, Tendência Central e Variabilidade Prof. Gilberto Rodrigues Liska UNIPAMPA 27 de Março de 2017 Material de Apoio e-mail: gilbertoliska@unipampa.edu.br Sumário 1 Introdução

Leia mais

Estimação e Testes de Hipóteses

Estimação e Testes de Hipóteses Estimação e Testes de Hipóteses 1 Estatísticas sticas e parâmetros Valores calculados por expressões matemáticas que resumem dados relativos a uma característica mensurável: Parâmetros: medidas numéricas

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS PARA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO EXPERIMENTAL

MÉTODOS QUANTITATIVOS PARA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO EXPERIMENTAL MÉTODOS QUANTITATIVOS PARA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO EXPERIMENTAL Pedro Henrique Bragioni Las Casas Pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Apresentação baseada nos slides originais de Jussara Almeida e Virgílio Almeida

Leia mais

Teste de % de defeituosos para 1 amostra

Teste de % de defeituosos para 1 amostra DOCUMENTO OFICIAL DO ASSISTENTE DO MINITAB Este documento é de uma série de papéis que explicam a pesquisa conduzida por estatísticos da Minitab para desenvolver os métodos e as verificações de dados usadas

Leia mais

Metodologia de simulação

Metodologia de simulação Metodologia de simulação OBJETIVOS E DEFINIÇÃO DO SISTEMA FORMULAÇÃO DO MODELO ANÁLISE E REDEFINIÇÃO MODELO ABSTRATO RESULTADOS EXPERIMENTAIS (Capítulo 6) MODELO CONCEITUAL (Capítulo 3) REPRESENTAÇÃO DO

Leia mais

Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos

Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos Utilização de testes de comparações múltiplas na análise de experimentos unifatoriais com tratamentos quantitativos Josiane Rodrigues 1 Sônia Maria De Stefano Piedade 1 1 Introdução O objetivo de experimentos

Leia mais

Simulação de Sistemas. Adaptado de material de Júlio Pereira Machado (AULA 17)

Simulação de Sistemas. Adaptado de material de Júlio Pereira Machado (AULA 17) Simulação de Sistemas Adaptado de material de Júlio Pereira Machado (AULA 17) Análise dos Dados de Saída Além das tarefas de modelagem e validação, devemos nos preocupar com a análise apropriada dos resultados

Leia mais

Fazendo máquinas enxergarem com OpenCV. TCHÊLINUX 2017 Felipe Aguiar Corrêa

Fazendo máquinas enxergarem com OpenCV. TCHÊLINUX 2017 Felipe Aguiar Corrêa Fazendo máquinas enxergarem com OpenCV TCHÊLINUX 2017 Felipe Aguiar Corrêa Quem é esse cara aí? UFPEL Ciência da Computação Visão Computacional Rastreamento de Pedestres Visão Computacional Sub-área da

Leia mais

IT LOG 80 Datalogger. Manual do Usuário. Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP:

IT LOG 80 Datalogger. Manual do Usuário. Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP: IT LOG 80 Datalogger Manual do Usuário Rua Fernandes Vieira, 156 Belenzinho - São Paulo/S.P CEP: 03059-023 Tel: (55 11) 3488-0200 Fax:(55 11) 3488-0208 vendas@instrutemp.com.br www.instrutemp.com.br Registrador

Leia mais

HydroExpert. Manual de criação de tendências em planilhas. HydroByte Software

HydroExpert. Manual de criação de tendências em planilhas. HydroByte Software HydroExpert Manual de criação de tendências em planilhas HydroByte Software Agosto 2015 HydroByte Software www.hydrobyte.com.br Manual da representação matemática e computacional do recurso de criação

Leia mais

MÉTODOS NUMÉRICOS APLICADOS À ENGENHARIA

MÉTODOS NUMÉRICOS APLICADOS À ENGENHARIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA MÉTODOS NUMÉRICOS APLICADOS À ENGENHARIA INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS DE DIFERENÇAS FINITAS E DE VOLUMES

Leia mais

Especialização em Engenharia de Processos e de Sistemas de Produção

Especialização em Engenharia de Processos e de Sistemas de Produção Especialização em Engenharia de Processos e de Sistemas de Produção Projetos de Experimento e Confiabilidade de Sistemas da Produção Prof. Claudio Luis C. Frankenberg 2ª parte Experimentos inteiramente

Leia mais

INFORMÁTICA. 03. O Internet Relay Chat permite que diversas pessoas realizem comunicação on-line por meio da Internet.

INFORMÁTICA. 03. O Internet Relay Chat permite que diversas pessoas realizem comunicação on-line por meio da Internet. INFORMÁTICA Acerca de serviços e ferramentas da Internet, julgue os itens a seguir: 01. Atualmente, para que softwares de correios eletrônicos possam funcionar adequadamente, uma versão de um software

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br INTRODUÇÃO Muitas vezes, embora se tenha cuidado no planejamento e Ao planejar um experimento, o pesquisador

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Prof. Raquel Silveira O que são testes? Teste é um processo de avaliar um sistema ou um componente de um sistema para verificar se ele satisfaz os requisitos especificados ou identificar

Leia mais

O Que Veremos. Introdução. Introdução. Definindo Desempenho. Definindo Desempenho. Avaliando e Compreendendo o Desempenho

O Que Veremos. Introdução. Introdução. Definindo Desempenho. Definindo Desempenho. Avaliando e Compreendendo o Desempenho Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Avaliando e Compreendendo o Desempenho O Que Veremos Avaliando e compreendendo o desempenho: Introdução Definindo desempenho Medindo o desempenho e seus

Leia mais

Cesva Insulation Studio

Cesva Insulation Studio Cesva Insulation Studio Software para o cálculo e emissão de relatórios de isolamento Versão DEMO em www.cesva.com D_CIS_v0023_20091015_POR Aplicações Cálculo e emissão de relatórios de isolamento a: Isolamento

Leia mais

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Experimentos (testes) são realizados por pesquisadores em todos os campos de investigação, usualmente para descobrir

Leia mais

Para ajudar a interpretar os resultados, o Cartão de Relatórios do Assistente do teste de % de defeituosos para 1 amostra exibe os seguintes

Para ajudar a interpretar os resultados, o Cartão de Relatórios do Assistente do teste de % de defeituosos para 1 amostra exibe os seguintes Este documento é de uma série de papéis que explicam a pesquisa conduzida por estatísticos da Minitab para desenvolver os métodos e as verificações de dados usadas no assistente no software estatístico

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES Professor Marlon Marcon Introdução Alguns pesquisadores consideram STONEHENGE o 1º computador feito pelo homem. Trata-se de um monumento paleolítico construído de pedras de 3

Leia mais

PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais

PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais Graduação em Engenharia de Computação

Leia mais

Desempenho. Sistemas de Computação

Desempenho. Sistemas de Computação Desempenho Definição Medidas de desempenho utilizadas Tempo de resposta ou tempo de execução: tempo decorrido entre o início da execução de um programa e o seu final Quantidade de trabalho realizada em

Leia mais

Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão

Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão Comparação dos modelos de Gompertz e Verhulst no ajuste de dados de uma variedade de feijão 1 Introdução Laís Mesquita Silva 1 Allan Alves Fernandes 2 Filipe Rizzo 3 Augusto Ramalho de Morais 4 O feijoeiro-comum

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE EXPERIMENTAÇÃO. Profª. Sheila Regina Oro

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE EXPERIMENTAÇÃO. Profª. Sheila Regina Oro PRINCÍPIOS BÁSICOS DE EXPERIMENTAÇÃO Livro: Curso de estatística experimental Autor: Frederico PIMENTEL-GOMES Capítulo: 2 Livro: Estatística experimental Autor: Sonia VIEIRA Capítulo: 1 Profª. Sheila Regina

Leia mais

GE-814: Introdução à Avaliação Operacional

GE-814: Introdução à Avaliação Operacional GE-814: Introdução à Avaliação Operacional Mentiras, mentiras deslavadas e estatísticas O título acima é uma referência a uma. frase comumente atribuída a um ex primeiro-ministro britânico chamado Benjamin

Leia mais

Estatística

Estatística Estatística 1 2016.2 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos... 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO... 3 MEDIDAS DE DISPERSÃO... 5 EXERCÍCIOS CAPÍTULO 1... 8 Capítulo 2 Outliers e Padronização... 12 VALOR PADRONIZADO (Z)...

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

Planejamento de instalação de experimentos no campo

Planejamento de instalação de experimentos no campo Planejamento de instalação de experimentos no campo Antonio Williams Moita Embrapa Hortaliças Goiânia, 28 de novembro de 2012 Experimentação Agrícola Histórico John Bennet Lawes - após prolongadas experimentações

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SOFTWARE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SOFTWARE Universidade TESTE Estadual DE SOFTWARE Vale do Acaraú O que são testes? INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SOFTWARE Teste é um processo de avaliar um sistema ou um componente de um sistema para verificar se ele

Leia mais

Cap 3 Introdução à Experimentação

Cap 3 Introdução à Experimentação 3.5. Exercícios 3.1. Um experimento deve conter no mínimo o(s) seguinte(s) princípio(s) básico(s) da experimentação: a) repetição b) casualização c) controle local d) repetição e controle local e) repetição

Leia mais

Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual

Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual Precisão experimental, na avaliação da produtividade de colmos, em ensaios de genótipos de cana-de-açúcar com colheita manual Letícia Barão Medeiros 1 Alberto Cargnelutti Filho 2 Fernanda Martins Simões

Leia mais

Os efeitos do paralelismo e relações de thesaurus em uma ferramenta de busca em bases textuais

Os efeitos do paralelismo e relações de thesaurus em uma ferramenta de busca em bases textuais 72 Resumos Expandidos: XII Mostra de Estagiários e Bolsistas... Os efeitos do paralelismo e relações de thesaurus em uma ferramenta de busca em bases textuais Renan Gomes Pereira¹ Maria Fernanda Moura²

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARÁ UEPA LISTA DE EXERCÍCIOS DE INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO. 2. O que diferencia os computadores de 1ª geração dos da 2ª.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARÁ UEPA LISTA DE EXERCÍCIOS DE INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO. 2. O que diferencia os computadores de 1ª geração dos da 2ª. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARÁ UEPA LISTA DE EXERCÍCIOS DE INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores de 1ª geração. 2. O que diferencia os computadores

Leia mais

REQUISITOS DE INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA

REQUISITOS DE INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA REQUISITOS DE INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA Para que nossos sistemas funcionem corretamente, sugerimos algumas configurações mínimas de hardware e sistemas operacionais, visando a estabilidade e performance

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho Planejamento de Experimentos Aula 2 Marcos José Santana Regina

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Profa. Dra. Paula Silva de Carvalho Chagas Faculdade de Fisioterapia UFJF Doutora em Ciências da Reabilitação

Leia mais

Projeto realizado junto ao Grupo de Automação Industrial e Controle (GAIC) da UNIJUÍ. 2

Projeto realizado junto ao Grupo de Automação Industrial e Controle (GAIC) da UNIJUÍ. 2 COLETA DE DADOS EXPERIMENTAIS DO TEMPO DE VIDA DE BATERIAS DE LÍTIO-ÍON POLÍMERO ATRAVÉS DE UMA PLATAFORMA DE TESTES E MODELAGEM DOS DADOS UTILIZANDO A TEORIA DE IDENTIFICAÇÃO DE SISTEMAS 1 Eduardo Cardoso

Leia mais

Modelagem da Rede Neural. Modelagem da Rede Neural. Back Propagation. Modelagem da Rede Neural. Modelagem da Rede Neural. Seleção de Variáveis:

Modelagem da Rede Neural. Modelagem da Rede Neural. Back Propagation. Modelagem da Rede Neural. Modelagem da Rede Neural. Seleção de Variáveis: Back Propagation Fatores importantes para a modelagem da Rede Neural: Seleção de variáveis; veis; Limpeza dos dados; Representação das variáveis veis de entrada e saída; Normalização; Buscando melhor Generalização

Leia mais

SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas

SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Parte 1 -Aula 2 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Aula 2. ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos

Aula 2. ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos Aula 2 ESTATÍSTICA E TEORIA DAS PROBABILIDADES Conceitos Básicos 1. DEFINIÇÕES FENÔMENO Toda modificação que se processa nos corpos pela ação de agentes físicos ou químicos. 2. Tudo o que pode ser percebido

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática Exercício 1: Correspondência Relacione os termos da tabela 1 abaixo com as definições da tabela 2. Para facilitar, os termos da tabela 1 estão colocados

Leia mais

Policultivos de coentro x beterraba x rúcula: Avaliação uni e multivariada da eficiência agronômica/biológica

Policultivos de coentro x beterraba x rúcula: Avaliação uni e multivariada da eficiência agronômica/biológica Policultivos de coentro x beterraba x rúcula: Avaliação uni e multivariada da eficiência agronômica/biológica Francisco Cicupira Andrade Filho 1 Francisco Bezerra Neto 2 Jailma Suerda Silva de Lima 2 Joserlan

Leia mais

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Descrição do Requisito

Descrição do Requisito ANEXO III 1 REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste Anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE IMPLEMENTAÇÕES DO ALGORITMO JOGO DA VIDA COM PTHREAD E OPEMMP 1

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE IMPLEMENTAÇÕES DO ALGORITMO JOGO DA VIDA COM PTHREAD E OPEMMP 1 COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE IMPLEMENTAÇÕES DO ALGORITMO JOGO DA VIDA COM PTHREAD E OPEMMP 1 Márcia Da Silva 2, Igor Gamste Haugg 3, Eliézer Silveira Prigol 4, Édson L. Padoin 5, Rogério S. M. Martins

Leia mais

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados.

Análise descritiva de Dados. A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Análise descritiva de Dados A todo instante do nosso dia-a-dia nos deparamos com dados. Por exemplo, para decidir pela compra de um eletrodoméstico, um aparelho eletrônico ou até mesmo na compra de uma

Leia mais

Guia de recursos: produtividade de workstations

Guia de recursos: produtividade de workstations Guia de recursos: produtividade de workstations Conteúdo Além do desktop: produtividade de workstations 2 Descubra como obter a maior produtividade possível de aplicativos de alto desempenho que requerem

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVO Compreender uma série de técnicas de testes, que são utilizadas para descobrir defeitos em programas Conhecer as diretrizes que

Leia mais

Mineração de Dados em Biologia Molecular

Mineração de Dados em Biologia Molecular Mineração de Dados em Biologia Molecular WEKA Tópicos Introdução Simuladores de MD Principais módulos André C. P. L. F. de Carvalho Monitor: Váléria Carvalho André Ponce de Leon de Carvalho 2 Usando MD

Leia mais

Sistemas Digitais INE 5406

Sistemas Digitais INE 5406 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Sistemas Digitais INE 5406 Aula 10-P Refinamento das especificações

Leia mais