Benchmarks. 1. Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Benchmarks. 1. Introdução"

Transcrição

1 Benchmarks 1. Introdução Um Benchmark é um programa de teste de desempenho que analisa as características de processamento e de movimentação de dados de um sistema de computação com o objetivo de medir ou prever seu desempenho e relevar os pontos fortes e fracos de sua arquitetura. Benchmarks podem ser classificados de acordo com a classe de aplicação para a qual são voltados como, por exemplo, computação científica, serviços de rede, aplicações multimídia, processamento de sinais entre outros. Neste trabalho utilizaremos os seguintes benchmarks Whetstone, Dhrystone e o Linpack o cluster analisado foi o h3p do núcleo de pesquisa do G3PD UCPeL no qual possui 8 núcleos sendo os nodos h3,h4,h5,h6,h7 e h9 Athlon XP 2400 com o clock interno de 2,0 GHz clock externo 266 MHz com 256MB de RAM, os nodos h3p e h8 Semprom 2400 clock interno de 1,67 GHz clock externo 333 MHz com 256MB de RAM. 2. Whetstone O Whetstone foi o primeiro benchmark sintético na literatura, com fins específicos de medida de desempenho. Sua primeira versão foi publicada na linguagem ALGOL 60 ( apesar de ter sido mais utilizado em FORTRAN), em 1976, por H.J. Curnow e B. A. Wichmann, do Laboratório Nacional de Física na Inglaterra. O Whetstone é um programa com poucas linhas de código, composto de vários módulos. Cada módulo tem um tipo diferente, explora diferentes características da linguagem de programação e é executado várias vezes através de loops FOR. As vantagens deste benchmark são o seu tamanho reduzido e simplicidade no código, além de explorar bastante as operações em ponto-flutuante. Portanto, serve como comparativo para pequenos aplicações científicas em computadores de pequeno e médio porte. Algumas vezes, para fins comerciais, o programa sofre pequenas alterações como retirada dos comandos de impressão, o que pode eliminar partes importantes do código. Para tentar resolver estes tipos de problemas, em 1988, uma nova versão em Pascal foi publicada. O problema com o Whetstone é que só há uma versão oficial, em Pascal. Além disso, a performance medida por este programa depende principalmente da velocidade das funções matemáticas (seno, cosseno, raiz quadrada, etc.). Os resultados obtidos com a aplicação do benchmark Whetstone em alguns nodos do Cluster pode ser visto na Figura 1, onde as variáveis utilizadas são: loop, que indica o número de repetições do laço, Iterations que representa o número de execuções do programa, Time, apresenta o tempo de duração do teste, e por final é apresentado o resultado em MIPS (milhões de instruções por segundo).

2 Após a execução dos testes nos diferentes nodos pode-se notar que os nodos com processador Athlon obtiveram resultados superiores aos com processadores Semprom. 3. Drystone Figura 1 Resultados Whetstone Este é um benchmark simples para medir o desempenho do processador em inteiros, desenvolvido em O programa simula chamadas de sistema e operações de leitura e escrita de dados. Vários programas de benchmark atuais entre eles o Sisoft Sandra trazem este benchmark como um dos testes. O resultado indica o número de vezes por segundo que o processador é capaz de executar o conjunto de instruções. Como os processadores atuais são capazes de executar várias instruções por ciclo e dependem muito da velocidade e quantidade de cache, o desempenho varia muito de acordo com o aplicativo. Por isso, o resultado obtido pelo processador no Dhrystone

3 serve apenas como uma referência de desempenho bruto, que não indica necessariamente o desempenho do processador em aplicativos reais. Entretanto, algumas das vantagens aparentes do Dhrystone também são fraquezas significativas do mesmo. Os números do Dhrystone refletem na verdade o desempenho do compilador da linguagem C e suas bibliotecas, provavelmente mais do que o desempenho do próprio processador. Além disso, seu projeto foi baseado na análise de vários outros programas, escritos em diferentes linguagens e por diferentes autores, porém, voltados à programação de sistemas (sistemas operacionais, compiladores, etc.). Esta é uma característica bastante relevante, pois, diferentes classes de aplicações enfatizam diferentes tipos de operações, como por exemplo, aplicações numéricas utilizam bastante vetores e aritmética de ponto-flutuante; aplicações comerciais utilizam predominantemente atividades de entrada/saída; e programação de sistemas utiliza bastante ponteiros, sentenças "IF ", chamadas de procedimentos, além de conter menos laços e expressões numéricas mais simples. Os resultados obtidos são apresentados na Figura 2 e Figura 3, onde o benchmark foi executado nos nodos h7 e h8 respectivamente. Os testes envolvidos neste benchmark são: testes aritméticos, testes de overhead, leitura/escrita de arquivos, entre outros. Ao final destes testes é apresentado um resumo dos resultados obtidos, onde temos uma variável Baseline, que possui um valor fixo pré-definido afim de atribuir um peso diferente para cada um dos testes executados e uma variável Result no qual apresenta o número de repetições executados durante os testes, na última coluna, está a variável Index a qual é a variável utilizada para apresentar os resultados gerais mais simplificadamente, tornando possível a comparação entre diferentes máquinas com maior facilidade.

4 Figura 2 Dhrystone nodo h7 Figura 3 Dhrystone nodo H8

5 4. Linpack O Linpack é um dos mais famosos benchmarks atualmente, utilizado nos testes das 500 máquinas mais rápidas (Top500). O Linpack foi desenvolvido por Jack Dongarra e é para a solução de um sistema de equações lineares denso. O Limpack é utilizado para o Top500 pois é amplamente difundido e apresenta versões para os mais relevantes sistemas. Para o Top500 é utilizado uma versão que permite ao usuário alterar a escala do problema é otimizar o software a fim de conseguir um melhor desempenho total em um determinado sistema. O desempenho não reflete, perfeitamente o desempenho total do sistema, entretanto, como este problema é muito regular, o desempenho obtido é elevado e números obtidos dão uma boa aproximação do desempenho de pico do sistema. As duas características do Limpack são a referenciação de duas rotinas : DGEFA e DGESL (estas são rotina que trabalha com ponto flutuante de 64 bits; já as SGEFA e SGESL trabalham normalmente com expressões de ponto flutuante de 32 bits). DGEFA realiza a decodificação parcial do vetor, e DGESL usa esse tipo de decodificação para resolver um determinado sistema de equações lineares. A maior parte das execuções de ponto flutuante gira em torno de O(n³), este é o tempo gasto em DGEFA. Uma vez que a matriz foi decomposta usando o DGESL, que trabalha com tempo de O(n²) operações de ponto flutuante. Por sua vez DGEFA e DGESL chamam três rotinas que são: DAXPY, IDAMAX, DSCAL. Usando uma proporção de tempo a rotina DAXPY consome 90% do tempo de execução, sua função esta voltada na multiplicação de um escalar α * vetor X, e adicionar os resultados em outro vetor Y. Esta rotina é chamada aproximadamente n²/2 vezes por DGEFA e 2n vezes por DGESL utilizando vetores de comprimento variável. A declaração yi yi+α.xi, que constitui um elemento da DAXPY é executado aproximadamente n³/3+n² vezes o que dá origem a cerca de 2/3n³ operações de ponto flutuante. Assim a referência n=100 requer cerca de 2/3 milhões de operações de ponto flutuante. A declaração yi yi+α.xi, além do ponto flutuante de adição e multiplicação, envolve algumas operações de armazenamento e referências. Enquanto o linpack envolve as rotinas DGEFA e DGESL que referenciam vetores bidimensionais. Uma vez que se diga que o Fortran possui vetores bidimensionais seria armazenado por colunas na memória, o acesso a elementos consecutivos de uma coluna conduz a cálculos de índice simples. As referências a elementos consecutivos são diferenciados por uma palavra, em vez de pela primeira indexação do vetor bidimensional. Os testes de benchmark foram realizados nos nodos h7 e h8 separadamente conforme pode ser visto nas figuras 4 e 5. Para realizar o teste deve-se entrar com o tamanho do array que pode ser no máximo 200. Nos teste apresentados usou-se matrizes de 200x200 e 100x100. As variáveis apresentadas no teste são Reps indica o número de repetições, Time s indica o tempo de execução, DGEFA indica a porcentagem de tempo gasto

6 com essa rotina, DGESL indica a porcentagem de tempo gasto com essa rotina, OVERHEAD indica a porcentagem de tempo gasto com overhead, KFLOPS indica o numero de operações por segundo realizadas. Figura 4 Linpack nodo H7

7 Figura 5 Linpack nodo H8

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Clock do Sistema Cristal de Quartzo envia onda de sinais constantes que são convertidas em sinais digitais 1GHz = 1 bilhão de pulsos Taxa de pulsos = taxa de clock Incremento de

Leia mais

Desempenho. Sistemas de Computação

Desempenho. Sistemas de Computação Desempenho Definição Medidas de desempenho utilizadas Tempo de resposta ou tempo de execução: tempo decorrido entre o início da execução de um programa e o seu final Quantidade de trabalho realizada em

Leia mais

1. Conceitos Básicos de Computação

1. Conceitos Básicos de Computação Introdução à Computação I IBM1006 1. Conceitos Básicos de Computação Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Computação e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 1.Conceitos Básicos de Computação 1.1.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 Índice 1. A Organização do Computador...3 1.1 Processadores... 3 2 1. A ORGANIZAÇÃO DO COMPUTADOR Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES II AULA 02: PROCESSAMENTO PARALELO: PROCESSADORES VETORIAIS

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES II AULA 02: PROCESSAMENTO PARALELO: PROCESSADORES VETORIAIS ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES II AULA 02: PROCESSAMENTO PARALELO: PROCESSADORES VETORIAIS Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação

Leia mais

PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais

PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais Graduação em Engenharia de Computação

Leia mais

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU Universidade Paulista UNIP Curso: Ciências da Computação Turma: CCP30 Turno: Noturno Disciplina: Arquitetura de Computadores Professor: Ricardo Loiola Alunos: Thiago Gomes dos Santos Matrícula: C63873-0

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I. Introdução

PROGRAMAÇÃO I. Introdução PROGRAMAÇÃO I Introdução Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação

Leia mais

Material baseado nos slides de: Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana

Material baseado nos slides de: Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Aula 4 Sarita Mazzini Bruschi

Leia mais

Conceitos sobre Computadores

Conceitos sobre Computadores Conceitos sobre Computadores Prof. UNESP - São José do Rio Preto Linguagem Computacional Neste tópico veremos: Os Componentes físicos dos computadores O hardware: principais partes dos computadores atuais.

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

Aspectos quantitativos elementares

Aspectos quantitativos elementares Aspectos quantitativos elementares João Canas Ferreira Setembro de 2010 João Canas Ferreira (FEUP) Aspectos quantitativos elementares Setembro de 2010 1 / 16 Assuntos 1 Benchmarks O que medir? Tipos de

Leia mais

2º Estudo Dirigido CAP 3

2º Estudo Dirigido CAP 3 2º Estudo Dirigido CAP 3 1. Cite três exemplos de aspecto na definição e implementação de uma arquitetura que são influenciados pelas características do conjunto de instruções? R.: Operações lógicas e

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Agenda Conceitos Componentes Funcionamento ou tarefas Otimização e desempenho Conceitos Componente de Hardware que

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Introdução ao Python. Programa Computacional

Introdução ao Python. Programa Computacional Programa Computacional É um algoritmo escrito em uma linguagem computacional (C, Fortran, Pascal, MATLAB, Python, etc.). É a tradução do algoritmo para uma linguagem que será interpretada pelo computador.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES TECNOLOGIAS EM REDES DE COMPUTADORES Semestre 2015.2 Prof. Dsc. Jean Galdino As principais arquiteturas de processadores são: Von Neumann; Harvard. ARQUITETURAS AULA 06 28/10/2015

Leia mais

GFM015 Introdução à Computação. Plano de Curso e Introdução. Ilmério Reis da Silva UFU/FACOM

GFM015 Introdução à Computação. Plano de Curso e Introdução. Ilmério Reis da Silva  UFU/FACOM GFM015 Introdução à Computação Plano de Curso e Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/ic UFU/FACOM Plano de Curso Ementa Noções básicas sobre os componentes de

Leia mais

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação O QUE É UM COMPUTADOR?

Leia mais

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register PROCESSADORES Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores, memória e dispositivos de entrada e saída. A CPU é o cérebro do computador. Sua função é executar programas armazenados

Leia mais

Testes de Carga em Sistemas de Computação e Benchmark

Testes de Carga em Sistemas de Computação e Benchmark Testes de Carga em Sistemas de Computação e Benchmark Testes de carga em sistemas reais são feitos através de programas que geram carga no sistema exercitando um conjunto adequado de instruções. Submeter

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Edilson Hipolito da Silva edilson.hipolito@ifsc.edu.br - http://www.hipolito.info Aula 03 - Conceitos: Hardware, Software, Sistema Operacional

Leia mais

O Que Veremos. Introdução. Introdução. Definindo Desempenho. Definindo Desempenho. Avaliando e Compreendendo o Desempenho

O Que Veremos. Introdução. Introdução. Definindo Desempenho. Definindo Desempenho. Avaliando e Compreendendo o Desempenho Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Avaliando e Compreendendo o Desempenho O Que Veremos Avaliando e compreendendo o desempenho: Introdução Definindo desempenho Medindo o desempenho e seus

Leia mais

Conceitos Básicos de Programação

Conceitos Básicos de Programação BCC 201 - Introdução à Programação Conceitos Básicos de Programação Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/53 Conceitos básicos I Variável 2/53 Conceitos básicos II Posição de memoria, identificada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais CAP 2: Conceitos de Hardware e Software Prof. MSc. Diego R. Moraes diegorm@anhanguera.com Download de todo conteúdo da disciplina https://sites.google.com/site/diegorafaelmoraes/downloads

Leia mais

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE THREADS NO DESEMPENHO DE APLICAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DE THREADS NO DESEMPENHO DE APLICAÇÕES A IMPORTÂNCIA DE THREADS NO DESEMPENHO DE APLICAÇÕES Euzébio da Costa Silva 1, Victor Pereira Ribeiro 2, Susana Brunoro Costa de Oliveira 3 1 29520-000, euzebioprogramacao@gmail.com 2 29520-000, victor3ifes@gmail.com

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Avaliação de Desempenho Prof. Luiz Antonio do Nascimento 1 Unidades de medida de memória MEDIDA: Bit (b) Byte (B) Kilobyte (KB) Megabyte (MB) Gigabyte (GB) Terabyte

Leia mais

Programação de Computadores I - PRG1 Engenharia Elétrica

Programação de Computadores I - PRG1 Engenharia Elétrica Programação de Computadores I - PRG1 Engenharia Elétrica Edilson Hipolito da Silva edilson.hipolito@ifsc.edu.br - http://www.hipolito.info Aula 03 - Conceitos: Hardware, Software, Sistema Operacional Roteiro

Leia mais

Arquiteturas de Sistemas de Processamento Paralelo. Arquiteturas SIMD

Arquiteturas de Sistemas de Processamento Paralelo. Arquiteturas SIMD Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática DCC/IM - NCE/UFRJ Arquiteturas de Sistemas de Processamento Paralelo Arquiteturas SIMD Arquiteturas SIMD Processadores Vetoriais Arquiteturas

Leia mais

Índice. Escolha de um Computador

Índice. Escolha de um Computador Sumário Introdução ao desempenho. Métricas utilizadas para medir o desempenho. Relações entre métricas. 1 Índice 2. O Papel do Desempenho 2.1 Medição do Desempenho 2.2 Relacionando as Métricas 2.3 Escolha

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação O que é um computador? Um computador é uma coleção de componentes que realizam operações lógicas e aritméticas sobre um grande volume de dados. (F. K. Miyazawa) Um computador é composto por: Introdução

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral

Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral MAC 344 - Arquitetura de Computadores Prof. Siang Wun Song Baseado em W. Stallings - Computer Organization and Architecture Objetivo do disciplina

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014-1 1 CONCEITOS ASSUNTOS DESTA AULA: Funcionalidades de um computador; Hardware e Software; Componentes de um computador: o CPU

Leia mais

Como programar um computador com processadores? ou: Oportunidades e Desafios da Computação Paralela

Como programar um computador com processadores? ou: Oportunidades e Desafios da Computação Paralela Palestra para alunos de graduação da USP 1 de abril de 2005 1/26 Como programar um computador com 32.768 processadores? ou: Oportunidades e Desafios da Computação Paralela Siang Wun Song Universidade de

Leia mais

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador;

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador; 1 Microprocessador Um microprocessador é um circuito eletrônico capaz de realizar diversas tarefas conforme os comandos específicos. Para isso ele deve ler esses comandos da memória de programa (ROM) e

Leia mais

Máquinas mais rápidas do mundo

Máquinas mais rápidas do mundo Máquinas mais rápidas do mundo Jorge Melegati Instituto de Matemática e Estatística Introdução à Computação Paralela e Distribuída melegati@ime.usp.br Junho de 2015 Jorge Melegati (IME) Máquinas mais rápidas

Leia mais

Unidade Central de Processamento UCP (CPU)

Unidade Central de Processamento UCP (CPU) Unidade Central de Processamento UCP (CPU)! Arquitetura Convencional (Von Neumann) UCP BARRAMENTO MEMÓRIA PRINCIPAL ENTRADA E SAÍDA ! Visão geral da CPU UC - UNIDADE DE CONTROLE REGISTRADORES A B C D ALU

Leia mais

Introdução ao Fortran 90

Introdução ao Fortran 90 Introdução ao Fortran 90 Departamento de Física UFPel Pré-História 1943-1953: Computador com Programa Fixo ENIAC (Electronic Numerical Integrator and Computer) Início do Projeto: 1943 Projeto Completo:

Leia mais

Sistemas Operacionais. Visão Geral

Sistemas Operacionais. Visão Geral Sistemas Operacionais P R O F. B R U N O A L B U Q U E R Q U E S C R I G N O L I Visão Geral Organização da Apresentação Introdução Componentes de um Sistema de Computação Conceito de SO Objetivos de um

Leia mais

Informática I. Aula 14. Aula 14-10/10/2007 1

Informática I. Aula 14.  Aula 14-10/10/2007 1 Informática I Aula 14 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 14-10/10/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript

Leia mais

sumário 1 bases numéricas 1 2 sistemas de numeração em computação introdução representação de números... 3

sumário 1 bases numéricas 1 2 sistemas de numeração em computação introdução representação de números... 3 sumário 1 bases numéricas 1 1.1 introdução... 2 1.2 representação de números... 3 1.3 transformação entre bases... 4 1.3.1 método polinomial...4 1.3.2 método de subtrações...5 1.3.3 método das divisões...6

Leia mais

Hardware Conceitos Básicos. Introdução*à*Informática 14

Hardware Conceitos Básicos. Introdução*à*Informática 14 Hardware Conceitos Básicos Introdução*à*Informática 14 Hardware Conceitos Básicos Componentes principais de um computador Introdução*à*Informática 15 Hardware Conceitos Básicos CPU (Unidade Central de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS Aluno: GABARITO Escore: 1 a Questão (30) Assinale a(s) resposta(s)

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

Compiladores. Introdução à Compiladores

Compiladores. Introdução à Compiladores Compiladores Introdução à Compiladores Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/2) O meio mais eficaz de comunicação entre pessoas é a linguagem (língua ou idioma). Na programação de computadores, uma linguagem

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Introdução ao FORTRAN Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Introdução ao FORTRAN Cinco aspectos

Leia mais

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é

1. A pastilha do processador Intel possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é 1. A pastilha do processador Intel 80486 possui uma memória cache única para dados e instruções. Esse processador tem capacidade de 8 Kbytes e é organizado com mapeamento associativo por conjuntos de quatro

Leia mais

2. Conceitos Básicos. Introdução à Ciência da Computação.

2. Conceitos Básicos. Introdução à Ciência da Computação. 2. Conceitos Básicos Introdução à Ciência da Computação http://www.inf.unioeste.br/~claudia/icc2017.html Sumário Computador Processamento de dados Hardware Software Sistemas Arquivos Modalidades de Computadores

Leia mais

Informática Aplicada. Introdução

Informática Aplicada. Introdução Informática Aplicada Introdução Breve histórico da computação moderna Principais eventos 1000ac - Ábaco 1614 - Logaritmos (John Napier) 1623 - Sistema Binário (Francis Bacon) 1642 - Máquina de Turing 1946

Leia mais

Fundamentos da Informática Aula 03 - Sistemas operacionais: Software em segundo plano Exercícios Professor: Danilo Giacobo

Fundamentos da Informática Aula 03 - Sistemas operacionais: Software em segundo plano Exercícios Professor: Danilo Giacobo Fundamentos da Informática Aula 03 - Sistemas operacionais: Software em segundo plano Exercícios Professor: Danilo Giacobo Múltipla escolha 1. Em que consiste um sistema operacional: a. Um conjunto de

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Introdução a Linguagens de Programação Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Seis Camadas Problema

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Hierarquia de Memória: Introdução Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Computação Organização interna de CPU Parte operativa: Lógica combinacional

Leia mais

Professores: Bruno Fontana da Silva e Maria Cláudia de Almeida Castro Data: 22/08/2014

Professores: Bruno Fontana da Silva e Maria Cláudia de Almeida Castro Data: 22/08/2014 Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações ICO60801 Introdução à Computação Avaliação Teórica Hardware, bits e bytes

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1 CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Montagem e Manutenção de Computadores Prof.: Denis Willian de Moura Diniz PROCESSADORES PARTE II 2 ULA UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA A ULA - Arithmetic Logic Unit - que em

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Aula 10

MICROPROCESSADORES. Aula 10 MICROPROCESSADORES Aula 10 Conteúdo 1. O QUE É UM PROCESSADOR? 2. HISTÓRICO 3. COMPONENTES 4. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 5. LINHA DE PROCESSADORES DA INTEL 6. LINHA DE PROCESSADORES DA AMD 7. REFERÊNCIAS

Leia mais

Iteração e Pontos Fixos

Iteração e Pontos Fixos Iteração e Pontos Fixos Iteração é um dos pontos chave da programação numérica. Iterar consiste em repetir uma mesma operação diversas vezes levando a uma aproximação cada vez melhor da solução exata.

Leia mais

Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas

Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas Elementos Físicos do SC e a Classificação de Arquiteturas IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 9 e 10/40 Prof.

Leia mais

Ambiente Scilab Variáveis, expressões, comando de atribuição Entrada e Saída básica

Ambiente Scilab Variáveis, expressões, comando de atribuição Entrada e Saída básica Universidade Federal de Ouro Preto -UFOP Departamento de Computação - DECOM Programação de Computadores I BCC701 www.decom.ufop.br/moodle Ambiente Scilab Variáveis, expressões, comando de atribuição Entrada

Leia mais

Aula 05. Fundamentos de Hardware e Software. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 05. Fundamentos de Hardware e Software. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 05 Aula 05 Fundamentos de Hardware e Software Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Fundamentos de Hardware Sistemas de Computação Sistemas de Computação Computador

Leia mais

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação AULA 2 Prof.: Jadiel Mestre. Componentes de um Sistema de Informação Os componentes de um sistema de informação são divididos em três partes 2 1 Componentes físicos do computador Dispositivos de Entrada/Saída

Leia mais

PIPELINE. Introdução ao Pipeline. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE - Exemplo. PIPELINE Considerações

PIPELINE. Introdução ao Pipeline. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE Ciclo de Instruções. PIPELINE - Exemplo. PIPELINE Considerações Arquitetura de Computadores Introdução ao Pipeline PIPELINE Linha de Montagem A produção é dividida em várias etapas Produtos em etapas distintas podem ser desenvolvidos separadamente Pode ser Aplicado

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BIT / CARACTERE / BYTE/ PALAVRA

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BIT / CARACTERE / BYTE/ PALAVRA FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BIT / CARACTERE / BYTE/ PALAVRA 1 REPRESENTANDO AS INFORMAÇÕES Organização de Computadores Toda informação introduzida em um computador precisa ser entendida

Leia mais

INFORMÁTICA: Informação automática

INFORMÁTICA: Informação automática INTRODUÇÃO INFORMÁTICA: Informação automática Definição: é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação (encarregada pelo estudo e desenvolvimento de máquinas e métodos para processar

Leia mais

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

28 de fevereiro de 2016

28 de fevereiro de 2016 Ítalo Mendes da Silva Ribeiro UESPI 28 de fevereiro de 2016 1 / 72 Súmario Breve 2 / 72 Súmario Breve 3 / 72 Por que estudar Arquitetura e Organização de Computadores? Conhecimento do funcionamento interno

Leia mais

EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I

EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I CURSO: ENG CIVIL PROFESSOR: ANDRÉ LUÍS DUARTE PERÍODO 1º BIMESTRE 1 1) Identifique as afirmações como verdadeira (V) ou falsa (F): a) Existem três tipos

Leia mais

Faculdade de Computação 3 a Prova de Arquitetura e Organização de Computadores 2 Parte I Prof. Cláudio C. Rodrigues

Faculdade de Computação 3 a Prova de Arquitetura e Organização de Computadores 2 Parte I Prof. Cláudio C. Rodrigues Faculdade de Computação 3 a Prova de Parte I Prof. Cláudio C. Rodrigues Nome: Matrícula: Valor: 15 Nome: Matrícula: Valor: 15 Nome: Matrícula: Valor: 15 Nome: Matrícula: Valor: 15 Problemas: P1. Qual o

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Um modelo de Computador

ALP Algoritmos e Programação. . Um modelo de Computador ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Breve Histórico da Computação. Conceito de Informática. 1 . Computador é uma máquina composta de elementos físicos do tipo eletrônico, que executa

Leia mais

CES-10 Introdução à Computação. Prof. Paulo André IEC - ITA

CES-10 Introdução à Computação. Prof. Paulo André IEC - ITA CES-10 Prof. Paulo André Estrutura do Curso Conceitos Básicos de Programação Algoritmos Estruturas de Controle Comandos de Entrada e Saída e Manipulação de Arquivos Rotinas, Variáveis Estruturadas e Ponteiros

Leia mais

Inteligência Computacional Aula 2 - Introdução ao MatLab Graduação /2

Inteligência Computacional Aula 2 - Introdução ao MatLab Graduação /2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática / DCC Inteligência Computacional Aula 2 - Introdução ao MatLab Graduação - 2003/2 Prof. A. C. G. Thomé, PhD thome@nce.ufrj.br Airam C. P.

Leia mais

Profa. Leda G. F. Bueno

Profa. Leda G. F. Bueno Profa. Leda G. F. Bueno O computador pode ser descrito como um sistema. Sendo um sistema, este pode ser esquematizado como a entrada de insumos, processamento e saída do produto final No caso do computador

Leia mais

Computadores Vetoriais

Computadores Vetoriais Computadores Vetoriais Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Arquiteturas e Fluxos de Instrução e Dados (SISD) Single Instruction

Leia mais

SSC0611 Arquitetura de Computadores

SSC0611 Arquitetura de Computadores SSC0611 Arquitetura de Computadores 7ª Aula Pipeline Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Arquitetura CISC CISC Complex Instruction Set Computer Computadores complexos devido a: Instruções

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Meio pelo qual se pode indicar os passos que devem ser realizados pelo computador para resolver problemas; Através da linguagem,

Leia mais

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI

Introdução à Programação em C. Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Introdução à Programação em C Prof. Ricardo Teixeira Tecnologia em Mecatrônica Industrial SENAI Linguagem C Criada em 1972 para uso no LINUX; Sintaxe base para diversas outras (Java, JavaScript, PHP, C++,

Leia mais

Aula 1: Apresentação do Curso

Aula 1: Apresentação do Curso Aula 1: Apresentação do Curso Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Apresentação do Curso FAC 1 / 30 Estrutura da Disciplina Diego

Leia mais

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador Kelly Rosa Braghetto DCC IME USP 14 de março de 2017 MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador DCC IME USP 1

Leia mais

Conjunto de Instruções. Alisson Brito

Conjunto de Instruções. Alisson Brito Conjunto de Instruções Alisson Brito 1 1 O que é o Conjunto de Instruções? Instruction Set Architecture (ISA) Interface entre Programas e CPU A coleção completa de instruções reconhecidas pela CPU Programas

Leia mais

SSC0611 Arquitetura de Computadores

SSC0611 Arquitetura de Computadores SSC0611 Arquitetura de Computadores 17ª Aula Paralelismos nível de tarefas Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Paralelismo no nível de tarefas Paralelismo a nível de thread (TLP Thread-Level

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 1. Descreva as funções desempenhadas pelos escalonadores de curto, médio e longo prazo em um SO. 2. Cite três motivos pelos quais o controle do processador

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Conceitos de Hardware e Software Referências: Arquitetura de Sistemas Operacionais. F. B. Machado, L. P. Maia. Editora

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES PARALELISMO: SMP E PROCESSAMENTO VETORIAL. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES PARALELISMO: SMP E PROCESSAMENTO VETORIAL. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES PARALELISMO: SMP E PROCESSAMENTO VETORIAL Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Compreender a Arquitetura SMP Conhecer a Organização SMP Apresentar o Conceito

Leia mais

PlayStation 2. Marcelo Schiavon Porto CMP237 - Arquitetura e Organização de Processadores

PlayStation 2. Marcelo Schiavon Porto CMP237 - Arquitetura e Organização de Processadores PlayStation 2 Marcelo Schiavon Porto msporto@inf.ufrgs.br Introdução Exemplo de sistema embarcado; Mantém compatibilidade com PS1; Suporta jogos on-line; Revolucionou a industria de jogos em 2001; Possui

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra PROCESSAMENTO 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Cristina Boeres Sistema de Computação! Conjunto de componentes integrados com o objetivo de manipular dados e gerar informações úteis.

Leia mais

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) UCP: Conceitos Básicos e Componentes FAC 1 / 34

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Computação e Automação Linguagens de Programação Professor Responsável: Luiz Affonso Henderson Guedes de Oliveira Prof.

Leia mais

AULA 01: APRESENTAÇÃO

AULA 01: APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 01: APRESENTAÇÃO Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAIS OS OBJETIVOS DESSA DISCIPLINA?

Leia mais

Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 1 Computador Digital (Hardware) 2 Computador Digital Constituído por um conjunto de componentes interligados (hardware): processadores, memórias, registradores,

Leia mais

Complexidade de algoritmos Notação Big-O

Complexidade de algoritmos Notação Big-O Complexidade de algoritmos Notação Big-O Prof. Byron Leite Prof. Tiago Massoni Engenharia da Computação Poli - UPE Motivação O projeto de algoritmos é influenciado pelo estudo de seus comportamentos Problema

Leia mais

Métodos Computacionais

Métodos Computacionais Métodos Computacionais Objetivos da Disciplina e Introdução a Linguagem C Construções Básicas Objetivos da Disciplina Objetivo Geral Discutir técnicas de programação e estruturação de dados para o desenvolvimento

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Processamento Paralelo

Arquitetura de Computadores. Processamento Paralelo Arquitetura de Computadores Processamento Paralelo 1 Multiprogramação e Multiprocessamento Múltiplas organizações de computadores Single instruction, single data stream - SISD Single instruction, multiple

Leia mais