PROGRAMAÇÃO I. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO I. Introdução"

Transcrição

1 PROGRAMAÇÃO I Introdução

2 Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação (ou codificação) do Algoritmo em alguma Ling. de Programação

3 Introdução 3 Princípios da Solução de Problemas Entendimento do problema Criação de uma sequência de operações (ou ações) que, quando executadas, produzem a solução do problema Descrição desse conjunto de ações Codificação (uso de uma linguagem de programação) Resolução de Problema Programação

4 Processamento de Dados 4 Entrada Processamento Saída Qualquer atividade ou conjunto de atividades ordenadamente realizadas que, utilizando informações (ou dados) básicos, efetua transformações para obter novas informações (ou dados) como resultado

5 Programa 5 Dispositivo de Entrada Processamento Dispositivo de Saída Teclado, Mouse, etc Linguagem de Programação Programa Instruções (comandos) a serem executadas pelo computador Impressora, Video, Disco, etc

6 Algoritmo X Programa 6 Algoritmo É uma sequência de passos que visa atingir um objetivo Codificação Programa Instruções (comandos) passo a passo para ser executado pelo computador Converter as declarações de um algoritmo em um conjunto de instruções numa linguagem de programação específica Código

7 Linguagem de Programação Linguagem de Alto Nível Linguagem de Montagem Linguagem de Máquina 7

8 Linguagem de Máquina Código na forma binária (ou hexadecimal) Necessidade de conhecer as instruções da máquina e seus respectivos códigos de operação Necessidade de conhecer os componentes (registradores) do processador (UCP) e os endereços de memória Ex: Programa para calcular

9 Linguagem de Montagem Assembly Language Instruções escritas através de símbolos Cada instrução corresponde a uma única instrução em linguagem de máquina Necessidade de converter o programa para a linguagem de máquina Processo chamado de Montagem realizado por um programa chamado Montador (ou Assembler) Ex: programa para calcular LD HL,23 LD BC, 100 ADD HL, BC

10 Processo de Montagem 10 Código Fonte Programa original em linguagem de montagem Montagem Montador Código Objeto Programa resultante em linguagem binária

11 Linguagem de Alto Nível 11 Estruturadas de acordo com a compreensão do programador Cada instrução pode corresponder a dezenas de instruções de máquina orientada ao problema Necessidade de converter o programa para linguagem de máquina Processo chamado de Compilação realizado por um programa chamado Compilador Ex. Linguagens: Fortran, Pascal, C, Java Ex: Programa para calcular A=23 B=100 TOTAL=A+B

12 Processo de Compilação 12 Código Fonte Programa original em linguagem de alto nivel Compilação Compilador Código Objeto Programa em linguagem binária

13 Funções do Compilador Compilação é semelhante a montagem porém é é um processo mais complexo e demorado (diferente da relação 1:1 das linguagens de montagem) Também chamada de tradução Realiza várias tarefas: Análise léxica Análise sintática Análise semântica Criação do código binário 13

14 Funções do Compilador Análise léxica Verificar se todos os símbolos (comandos ou não) utilizados são permitidos pela linguagem (Ex: atribuição em Pascal é :=, em C é = ) Análise sintática Verifica a estrutura de cada comando Análise semântica Análise semântica estática (regras de compilação) dos comandos Ex: Desvio para uma linha que não existe 14

15 Ligação ou Linkedição Facilidade criada para evitar que o programador precise codificar todas as operações Algumas operações já são disponibilizadas (no sistema) em código binário pelas linguagens 15 O código é buscado e integrado ao programa que está sendo desenvolvido Processo chamado de linkedição (ou ligação) realizado por um linkeditor (ou ligador)

16 Ligação ou Linkedição Exemplo de códigos (funções) existentes: Impressão, raiz quadrada, comparação de dois nomes, etc. 16 Esses códigos objetos (rotinas) são organizados em Bibliotecas Identificados pelo nome da rotina Incorporados no programa a partir de uma chamada de biblioteca

17 Processo de Linkedição 17 Código Fonte Programa original em linguagem de alto nível Compilação Compilador Código Objeto Programa em linguagem binária (arquivos.obj ) Ligação Ligador/ Linkeditor Biblioteca 1 Biblioteca 2 Biblioteca... Código Executável Programa resultante em linguagem binária (arquivos.exe ou.com )

18 Funções do Linkeditor 18 Quando o compilador encontra uma chamada à rotina de biblioteca, cria uma referência externa não resolvida Linkeditor analisa todo o código objeto procurando por referência externa não resolvida Para cada referência externa não resolvida Procura na biblioteca a rotina correspondente Quando encontra, substitui a linha de comando pelo código objeto encontrado na biblioteca

19 Execução 19 Execução propriamente dita do código executável Existem bibliotecas dinâmicas que são carregadas somente na execução Processo realizado por um programa chamado carregador (ou loader) Existem carregadores (loaders) que fazem toda a linkedição e execução ao mesmo tempo (sem armazenar código executável, ou seja, o código é gerado mas não armazenado)

20 Processo de Execução Completa 20 Código Fonte Programa original em linguagem de alto nível Compilação Compilador Código Objeto Programa em linguagem binária Ligação Ligador/ Linkeditor Biblioteca 1 Biblioteca 2 Biblioteca... Código Executável Programa resultante em linguagem binária Ligação Carregador

21 Interpretação 21 Usado por linguagens de alto nível Execução das três fases (compilação, linkedição e execução) de uma só vez Processo chamado de interpretação realizado por um programa chamado interpretador Lê comando converte em código executável executa (antes que o comando seguinte seja lido) Ex. linguagens: PHP, Python, Perl

22 Compilação X Interpretação Compilação Menor consumo de memória Utilização de partes comuns (rotinas de repetição) uma única vez 22 Interpretação Maior consumo de memória Necessidade de partes comuns (rotinas de interpretação) várias vezes Necessidade de carregar o código fonte na memória durante a execução Execução mais lenta (necessidade de tradução, linkedição e execução)

23 Etapas de desenvolvimento e execução de um programa Desenvolver o algoritmo Elaborar como solucionar passo a passo o problema Envolve o que chamamos de lógica de programação Codificar o algoritmo Escrever o algoritmo em uma linguagem de programação Interpretar ou Compilar Linkeditar Executar o programa 23

24 Linguagem C 24 É uma linguagem de alto nível com uma sintaxe bastante estruturada e flexível tornando sua programação bastante simplificada. Programas em C são compilados, gerando programas executáveis. O C compartilha recursos tanto de alto quanto de baixo nível, pois permite acesso e programação direta do microprocessador (rotinas podem ser facilmente implementadas usando instruções em Assembly).

25 Compiladores de C 25 Os mais famosos são os softwares da Borland e da Microsoft, que são bons e oferecem muitos recursos. O problema é que estes compiladores são caros e voltados principalmente para programadores experientes, que podem fazer uso dos recursos avançados destes programas.

26 Compiladores de C 26 Existem muitos compiladores de C/C++ no mercado. Para quem está ainda aprendendo existem várias opções de compiladores freeware (software livre, de graça ), por exemplo: Dev-C++, CodeBlocks, Borland C++ Compiler, etc GNU C/C++ - gcc Para nos ajudar a aprender a programar em C utilizaremos um dos mais populares compiladores freeware, o DevC++.

Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Programação e Sistemas de Informação. Módulo 1. 1ª Parte Prof. Sandra Pais Soares

Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Programação e Sistemas de Informação. Módulo 1. 1ª Parte Prof. Sandra Pais Soares Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Programação e Sistemas de Informação Módulo 1 1ª Parte Prof. Sandra Pais Soares Linguagens de Programação Linguagens de Programação Uma

Leia mais

Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES

Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES Prof. Adriano Maranhão COMPILADORES LINGUAGENS: INTERPRETADAS X COMPILADAS Resumo: Linguagem compilada: Se o método utilizado traduz todo o texto do programa, para só depois executar o programa, então

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 2 Princípios de Programação Prof. Belarmino Linguagem de Computadores Internamente os computadores usam instruções e armazenam os dados no formato numérico binário

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web Prof. Marcelo Roberto Zorzan História do Java Origem Linguagem desenvolvida pela Sun Microsystems Sintaxe similar ao C++ Inicialmente chamada

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

Projeto de Compiladores

Projeto de Compiladores Projeto de Compiladores FIR Faculdade Integrada do Recife João Ferreira 26 e 27 de fevereiro de 2007 Agenda da Aula Revisão Linguagem de Programação Tradutores Compilador As Fases de Um Compilador Linguagem

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Apresentação Teóricas Prof. Helder Daniel Gab: 2.66 hdaniel@ualg.pt Práticas Prof. Amine Berquia Gab: 2.?? hdaniel@ualg.pt AA2011/2012 ArqC - DEEI - UAlg 2 / Programa Práticas

Leia mais

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos

Fundamentos de Programação. Diagrama de blocos Fundamentos de Programação Diagrama de blocos Prof. M.Sc.: João Paulo Q. dos Santos E-mail: joao.queiroz@ifrn.edu.br Página: http://docente.ifrn.edu.br/joaoqueiroz/ O processo de desenvolvimento (programação),

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos de informática, de software e de hardware. Introduzir os conceitos relativos à representação

Leia mais

Conteúdo programático

Conteúdo programático Introdução à Linguagem C Conteúdo programático Introdução à Linguagem C Estrutura de Programas Variáveis, Constantes Operadores, Entrada e Saída de Dados Estruturas de Desvio Estrutura de Múltipla Escolha

Leia mais

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN

Fundamentos de Programação. Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN Fundamentos de Programação Linguagem C++ Introdução, identificadores, tipos de dados Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Linguagem de Programação Constituída por símbolos e por regras para combinar esses símbolos

Leia mais

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Processamento de Dados aplicado à Geociências AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Definição. Motivação para criação. Utilização de subrotinas. Características das subrotinas. Utilização de subrotinas ALGORITMOS

Definição. Motivação para criação. Utilização de subrotinas. Características das subrotinas. Utilização de subrotinas ALGORITMOS ALGORITMOS Definição Um conceito simples seria: Subrotinas (Procedimentos e Funções) Subrotina é um parcela de código computacional que executa uma tarefa bem definida, sendo que essa tarefa pode ser executada

Leia mais

EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I

EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I EXERC EXAME DISCIPLINA: ALG ESTRUTURA DE DADOS I CURSO: ENG CIVIL PROFESSOR: ANDRÉ LUÍS DUARTE PERÍODO 1º BIMESTRE 1 1) Identifique as afirmações como verdadeira (V) ou falsa (F): a) Existem três tipos

Leia mais

Introdução. Nível da Linguagem de Montagem. Linguagem de Montagem (2) Linguagem de Montagem (1) Linguagem de Montagem

Introdução. Nível da Linguagem de Montagem. Linguagem de Montagem (2) Linguagem de Montagem (1) Linguagem de Montagem Nível da Linguagem de Montagem (Aula 15) Linguagem de Montagem Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Introdução Tradutores Programas que convertem um programa

Leia mais

Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno.

Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno. Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2 Apostila de acompanhamento para o aluno. 1 Conteúdo Conteúdo... 2 1. Introdução... 3 2. Informações Gerais... 3 3. Sketches...

Leia mais

Linguagem de Programação I

Linguagem de Programação I Linguagem de ção I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifmaedubr DESU / DAI 2016 O que é um programa de computador? 2 1 de computador E_1 E_n Resultado Entrada(s) Processamento Saída(s)

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Aula 2 Introdução Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Informática Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno O que

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores Parte I

Introdução à Programação de Computadores Parte I Introdução à Programação de Computadores Parte I Prof. Dr. Edson Pimentel Centro de Matemática, Computação e Cognição Objetivos Compreender os componentes básicos de um programa... Objetivos Bacharelado

Leia mais

Portos de Entrada/Saída

Portos de Entrada/Saída MICROPROCESSADORES Eng.ª Electrotécnica 2º Trabalho de Laboratório Portos de Entrada/Saída Ano lectivo 2005/2006 Ana Antunes 1- Objectivo Utilizar os portos de E/S (entrada/saída) de um microcontrolador

Leia mais

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto Lógica de Programação Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto O curso Técnico em Informática É o profissional que desenvolve e opera sistemas, aplicações, interfaces gráficas; monta estruturas

Leia mais

SEMÂNTICA. Rogério Rocha. rode = program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end.

SEMÂNTICA. Rogério Rocha. rode = program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end. SEMÂNTICA program simples = var x : int := 3 in x := x + 5 end. rode =? Rogério Rocha Roteiro Introdução Sintaxe Semântica Dinâmica (Métodos formais) Operacional Axiomática Denotacional Estática Conclusão

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Técnicas de verificação de algoritmos Um tipo de teste de algoritmo, denominado Teste de Mesa (ou Teste Exaustivo) pode ser feito

Leia mais

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução Unidade 4 Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução 4.1) Converta os seguintes números decimais para hexadecimal: 145, 226, 1043, 3456 91h, E2h, 413h, D80h 4.2) Sem converter as bases, faça as

Leia mais

Existem dois tipos básicos de subrotinas: a) Procedimentos; b) Funções.

Existem dois tipos básicos de subrotinas: a) Procedimentos; b) Funções. ESTRUTURAÇÃO DOS MÓDULOS DE UM ALGORITMO Uma subrotina é um algoritmo hierarquicamente subordinado a um outro algoritmo geralmente chamado de módulo principal. Da mesma forma, uma subrotina pode conter

Leia mais

Intercalação de vários arquivos. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Intercalação de vários arquivos. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Intercalação de vários arquivos Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Arquivos Um conjunto de registros que caracteriza uma classe de entidades pode ser mantido em memória principal, quando

Leia mais

Centro Universitário do Triângulo

Centro Universitário do Triângulo Centro Universitário do Triângulo Cálculo Lambda 1. Introdução A elaboração de modelos de computação (resolução de problemas por uma máquina) baseia-se em trabalhos de dois pesquisadores com enfoques bastante

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Nivel de Linguagem de Montagem (Assembly)

Nivel de Linguagem de Montagem (Assembly) Nivel de Linguagem de Montagem (Assembly) Orlando Loques setembro 2006 Referências: Structured Computer Organization (capítulo 7), A.S. Tanenbaum, (c) 2006 Pearson Education Inc Computer Organization and

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Roteiro... Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Infra-estrutura de um SD Considerações de projeto Sistemas Distribuídos Aula 4 Karine de Pinho Peralta Modelos de Comunicação - comunicação entre processos

Leia mais

UFCD 0793 Scripts CGI e Folhas de Estilo Formadora: Sónia Rodrigues

UFCD 0793 Scripts CGI e Folhas de Estilo Formadora: Sónia Rodrigues UFCD 0793 Scripts CGI e Folhas de Estilo Formadora: Sónia Rodrigues 0793 Scripts CGI e folhas de estilo Objectivos da UFCD: Desenvolver páginas para a Web, através de scripts CGI e folhas de estilo. UFCD

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Linguagens de Programação Material

Leia mais

UML. Rodrigo Leite Durães.

UML. Rodrigo Leite Durães. UML Rodrigo Leite Durães. rodrigo_l_d@yahoo.com.br O que é Análise de Software? UML: É o estágio de um sistema que captura os requisitos e o domínio do problema, focalizando no que deve ser feito, não

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura Introdução Organização e Arquitetura INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Eduardo Max Amaro Amaral Arquitetura são os atributos visíveis ao programador. Conjunto de instruções, número

Leia mais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais Curso: Conceitos Iniciais Discussão inicial O que são Bancos de Dados? Quais os programas de Bancos de Dados mais conhecidos no mercado? Quais as vantagens do uso de Bancos de Dados nas empresas? Como

Leia mais

Introdução a Programação Aula 01

Introdução a Programação Aula 01 Introdução a Programação Aula 01 Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Sistemas de Informação ELC1064 Lógica e Algoritmo 1 O que é um computador? Máquina programável genérica Constituído por: Processador

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA 1 Antonio Carlos Catani Neto 2, Guilherme Fabrin Franco 3, Paulo Sérgio Sausen 4. 1 Projeto de Iniciação Científica, realizado

Leia mais

Informática Instrumental. Prof. Ana Paula Domingos

Informática Instrumental. Prof. Ana Paula Domingos Informática Instrumental Prof. Ana Paula Domingos 2 3 Hardware Parte Física do computador. Exemplos: Monitor, teclado, mouse, caixas de som, gabinete. 4 Software São os programas do computador, parte lógica.

Leia mais

Informática Instrumental

Informática Instrumental 2 Informática Instrumental Prof. Ana Paula Domingos 3 Hardware 4 Software Parte Física do computador. Exemplos: Monitor, teclado, mouse, caixas de som, gabinete. São os programas do computador, parte lógica.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Histórico. Gerações

Arquitetura e Organização de Computadores. Histórico. Gerações Histórico Gerações 00001 As gerações dos computadores Os computadores são máquinas capazes de realizar vários cálculos automaticamente, além de possuir dispositivos de armazenamento e de entrada e saída.

Leia mais

Aula 05. Fundamentos de Hardware e Software. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 05. Fundamentos de Hardware e Software. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 05 Aula 05 Fundamentos de Hardware e Software Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Fundamentos de Hardware Sistemas de Computação Sistemas de Computação Computador

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: CONTROLE DE PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

Administração de Sistemas GNU/Linux

Administração de Sistemas GNU/Linux Administração de Sistemas GNU/Linux GRACO - Gestores da Rede Acadêmica de Computação Instrutor: Ibirisol Fontes Ferreira Monitor: Jundai Halim Abdon DCC: Departamento

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Microcontroladores e Microprocessadores Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Conversão de Qualquer base para Decimal Decimal para Binário Hexadecimal para binário Componentes básicos de

Leia mais

Árvore Binária de Busca Ótima

Árvore Binária de Busca Ótima MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvore binária de busca ótima do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE IMPLEMENTAÇÕES DO ALGORITMO JOGO DA VIDA COM PTHREAD E OPEMMP 1

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE IMPLEMENTAÇÕES DO ALGORITMO JOGO DA VIDA COM PTHREAD E OPEMMP 1 COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO ENTRE IMPLEMENTAÇÕES DO ALGORITMO JOGO DA VIDA COM PTHREAD E OPEMMP 1 Márcia Da Silva 2, Igor Gamste Haugg 3, Eliézer Silveira Prigol 4, Édson L. Padoin 5, Rogério S. M. Martins

Leia mais

Desenvolvimento de Bibliotecas

Desenvolvimento de Bibliotecas 5 Desenvolvimento de Bibliotecas Sumário: Tipos de bibliotecas: arquivo (.a) e partilhada (.so)bibliotecas do sistema (libc, libm,...) Criação duma biblioteca estática Visualização do conteúdo duma biblioteca

Leia mais

15/10/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Redes de Computadores

15/10/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Redes de Computadores Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Imagem: BARBIERI, Carlos. 2

Leia mais

Arquitetura da Aplicação Web

Arquitetura da Aplicação Web Linguagem de Programação para Web Arquitetura da Aplicação Web Prof. Mauro Lopes 1-31 24 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 Rogério Spindula Rosa 2 EXECUÇÃO DE PROGRAMAS PROGRAMA 3 4 INTRODUÇÃO Hoje é raro escrever um programa diretamente em linguagem de computador em virtude da enorme dificuldade

Leia mais

Documento de Arquitetura de Software- SGE

Documento de Arquitetura de Software- SGE Documento de Arquitetura de Software- SGE IFG Autor: Marcelo Roldrin Barros Silva 1. Introdução 1.1 Finalidade Este documento oferece uma visão geral arquitetural abrangente do sistema SGE (Sistema de

Leia mais

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas Hudson Victoria Diniz Relembrando... Um algoritmo é formalmente uma seqüência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Podemos pensar

Leia mais

Introdução. à UML. Histórico (cont.) Histórico Definição Benefícios Notação Diagrama de Classes Diagramas de Interação Conclusões Revisão

Introdução. à UML. Histórico (cont.) Histórico Definição Benefícios Notação Diagrama de Classes Diagramas de Interação Conclusões Revisão Sumário Introdução à UML BSI Bacharelado em Sistemas de Informação LOO Linguagens Orientadas a Objetos Humberto Mossri de Almeida hmossri_cursos@yahoo.com.br Marcelo Nassau Malta nassau_cursos@yahoo.com.br

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 02: Organização e Arquitetura de Computadores / Lógica Digital (Parte I) O conteúdo deste documento tem por objetivo

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS E VISÃO GERAL DO SQL CONCEITUANDO BANCO DE DADOS MODELO RELACIONAL

AULA 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS E VISÃO GERAL DO SQL CONCEITUANDO BANCO DE DADOS MODELO RELACIONAL BANCO DE DADOS GERENCIAL 1 AULA 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS E VISÃO GERAL DO SQL CONCEITUANDO BANCO DE DADOS Um banco de dados é uma coleção de dados (ou informações) organizadas de forma lógica, e que

Leia mais

PESQUISA INTEGRADA SISTEMA DE PESQUISA INTEGRADA EBSCO DISCOVERY SERVICE MANUAL DO UTILIZADOR

PESQUISA INTEGRADA SISTEMA DE PESQUISA INTEGRADA EBSCO DISCOVERY SERVICE MANUAL DO UTILIZADOR PESQUISA INTEGRADA SISTEMA DE PESQUISA INTEGRADA EBSCO DISCOVERY SERVICE MANUAL DO UTILIZADOR Área de Recursos Eletrónicos e Apoio ao Utilizador SBIDM Outubro sbidm- difusao@ua.pt 1 Sumário Num único ponto

Leia mais

Árvores B. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Árvores B. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Árvores B Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Introdução 2. Busca 3. Inserção 4. Remoção 5. B* 6. B+ Capítulo: 8 (APOSTILA). Introdução Em muitas aplicações, a tabela considerada é muito grande

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES COMANDOS E FORMATOS DE ENTRADA E SAÍDA 1 COMANDOS E FORMATOS DE ENTRADA E SAÍDA Os comandos de entrada e saída, na sua forma mais simplificada, possuem a seguinte estrutura:

Leia mais

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Pág 10 Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 2.3 CONTINUANDO A ABORDAGEM A ALGUNS CÓDIGOS ESCRITOS EM JAVA Faremos mais alguns programas apenas para nos certificarmos

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Conceitos envolvidos: a) Memória de Dados (interna e externa) b) Memória de Programa (interna e externa) c) Operações aritméticas e lógicas d) Portas e) Endereçamento a Bit f) Contadores e Temporizadores

Leia mais

Introdução ao HTML André Luiz Silva de Moraes Instituto Federal de Santa Catarina

Introdução ao HTML André Luiz Silva de Moraes Instituto Federal de Santa Catarina Introdução ao HTML André Luiz Silva de Moraes Hypertext Markup Language Linguagem de Marcação de Hipertexto Padroniza a Escrita do texto Permite que um navegador reconheça elementos para inserir em uma

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009 SOFTWARE DE CONTROLE DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DO IFMG CAMPUS BAMBUÍ Alex Daniel CASTANHA ¹; Bruno FERREIRA ² ¹ Estudante do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero

Linguagem C. Prof.ª Márcia Jani Cícero Linguagem C Prof.ª Márcia Jani Cícero A estrutura Básica de um Programa em C Consiste em uma ou várias funções ou programas. main( ) // primeira função a ser executada // inicia a função // termina a função

Leia mais

Estruturas de Controle de Fluxo

Estruturas de Controle de Fluxo Estruturas de Controle de Fluxo Exercício 11 Elabore um algoritmo, representando-o com um pseudocódigo e com um fluxograma, que com base no nome, em três notas e no número de faltas de um aluno qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 03 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 03 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 03 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 13 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processo de software Um modelo de processo de software consiste

Leia mais

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C#

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Alô Mundo AULA 01 Conhecendo o ambiente O objetivo principal desse programa não é mostrar a mensagem Alo Mundo. O objetivo é apresentar o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

O remédio certo na dose certa!

O remédio certo na dose certa! O remédio certo na dose certa! Programa DC-DinsmoreCompass de Avaliação e Desenvolvimento de Competências em Gestão de Projetos A DC-DinsmoreCompass, com base em padrões de referência publicados pelo PMI

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Banco de Dados O que é um banco de dados? Um conjunto de informações

Leia mais

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010 Flávia Rodrigues STC5 _ Redes de Informação e Comunicação Silves, 26 de Abril de 2010 Vantagens e Desvantagens da Tecnologia Acessibilidade, quer a nível pessoal quer a nível profissional; Pode-se processar

Leia mais

Ciclo de vida do software

Ciclo de vida do software Ciclo de vida do software Ciclo de vida = plano de projeto = metodologia de desenvolvimento de sistema ou O modo como fazemos as coisas por aqui ou Seqüência de fases e atividades a serem desenvolvidas

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis

Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: Algoritmos e Estruturas de Dados I Professor: Mário Luiz Rodrigues Oliveira Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis Teoria da complexidade Intratáveis:

Leia mais

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

GIM- Gerenciador de Indicadores e Metas. GIM Gerenciador de Indicadores e Metas Documento de Arquitetura de Software. Versão 1.0

GIM- Gerenciador de Indicadores e Metas. GIM Gerenciador de Indicadores e Metas Documento de Arquitetura de Software. Versão 1.0 GIM- Gerenciador de Indicadores e Metas GIM Gerenciador de Indicadores e Metas Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 GIM - Gerenciador de Indicadores e Metas Versão: 1.0 Documento de Arquitetura

Leia mais

Banco de Dados Distribuído

Banco de Dados Distribuído Bancos de Dados III Bancos de Dados Distribuídos Introdução Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Banco de Dados Distribuído Vários bancos de dados fisicamente separados, mas logicamente relacionados

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Após vermos uma breve contextualização sobre esquemas para bases dados e aprendermos

Leia mais

Como Elaborar uma Proposta de Projeto

Como Elaborar uma Proposta de Projeto Como Elaborar uma Proposta de Projeto Prof. Tiago Garcia de Senna Carneiro tiago@iceb.ufoop.br TerraLAB Laboratório INPE/UFOP para Modelagem e Simulação dos Sistemas Terrestres Departamento de Computação

Leia mais

Aula 11: Desvios e Laços

Aula 11: Desvios e Laços Aula 11: Desvios e Laços Nesta aula explicaremos alguns comandos que podem alterar o fluxo dos seus programas em JavaScript. Você aprenderá a estrutura dos comandos de desvios e laços. Entenderá como funcionam

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE. Aula 08 - Técnicas para avaliação de interfaces

ENGENHARIA DE USABILIDADE. Aula 08 - Técnicas para avaliação de interfaces Aula 08 - Técnicas para avaliação de interfaces Na aula anterior... Técnicas para modelagem de requisitos The Bridge 1: Expressar os requisitos dos usuários como fluxos de tarefas. 2: Mapear os fluxos

Leia mais

Produção do código executável

Produção do código executável Produção do código executável Ivan Ricarte 2008 Sumário Interação do compilador com outros aplicativos Montadores Estrutura de programas em linguagem simbólica O processo de montagem Um montador em dois

Leia mais

Arquitectura interna de um computador

Arquitectura interna de um computador Arquitectura interna de um computador Trabalho elaborado por: Carla Ventura e Sandra Jacinto 1 Descrição de uma tarefa Fases de execução de uma tarefa Unidades de execução de uma tarefa Computador como

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

Estruturas de Seleção Parte II Seleção Encadeada

Estruturas de Seleção Parte II Seleção Encadeada Estruturas de Seleção Parte II Seleção Encadeada Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de PI Objetivos Reconhecer a necessidade do uso de estruturas de seleção encadeadas

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Aula passada Arquitetura de SDs Estilo Arquitetônico Arquitetura de Sistemas Sistemas Autogerenciáveis Aula de hoje Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Paradigmas de Computação Paralela (UCE Computação Paralela Distribuída)

Paradigmas de Computação Paralela (UCE Computação Paralela Distribuída) Paradigmas de Computação Paralela (UCE Computação Paralela Distribuída) Modelos de consistência de memória João Luís Ferreira Sobral jls@... 29 Março 2011 Resumo Revisão: modelos de threads Qual a necessidade

Leia mais