MANUAL DA VEC Versão junho/2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA VEC Versão junho/2010"

Transcrição

1 MANUAL DA VEC Versão junho/2010

2 APRESENTAÇÃO Este manual trata do módulo VEC e contém orientações básicas para o correto recebimento das guias de execuções, bem como a correta inclusão de todos os dados necessários à emissão do levantamento de penas. Os procedimentos correspondentes, divididos em quatro etapas, estão detalhados, passo a passo, de modo a facilitar a execução da tarefa. 1

3 CORREGEDORIA DE JUSTIÇA GESCOM/2007 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PRIMEIRA ETAPA CONFERÊNCIA PRELIMINAR GUIA DE EXECUÇÃO ANTERIOR À IMPLANTAÇÃO DO MÓDULO VEC GUIA DE EXECUÇÃO POSTERIOR À IMPLANTAÇÃO DO MÓDULO VEC SEGUNDA ETAPA DEFINIÇÃO DE PARÂMETROS PROGRESSÃO DE REGIME CRIMES HEDIONDOS ESTÁGIO LIVRAMENTO CONDICIONAL CRIMES COMUNS TERCEIRA ETAPA RECEBIMENTO DA GUIA E INCLUSÃO DE DADOS DA EXECUÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > EXECUÇÃO > RECEBIMENTO DE GUIA EXECUÇÃO CRIMINAL > EXECUÇÃO > ALTERA RECEBIMENTO DE GUIA EXECUÇÃO CRIMINAL > EXECUÇÃO > CANCELAMENTO DE GUIA EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > DOCUMENTOS EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > ETIQUETAS > AUTUAÇÃO > MANUAL EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > ETIQUETAS > IDENTIFICAÇÃO > MANUAL EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > RELATÓRIOS APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > TODAS AS PESSOAS EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > RELATÓRIOS > GERENCIAIS EXECUÇÃO CRIMINAL > PESQUISAS EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > INCLUSÃO

4 3.11. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > NÃO APRESENTAÇÃO -REGISTRO > INDIVIDUAL EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > EXCLUSÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > COMUTAÇÃO DE PENA > INCLUSÃO E EXCLUSÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > INDULTO ESPECIAL EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENTENCIADO > BENEFÍCIOS > LIVRAMENTO CONDICIONAL > MANUTENÇÃO E EXCLUSÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > REMIÇÃO DE PENA > INCLUSÃO E EXCLUSÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > SAÍDA TEMPORÁRIA > INCLUSÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > SURSIS > ALTERAÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > UNIFICAÇÃO DE PENA > INCLUSÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > DETRAÇÃO DE PENA EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > FALTA DISCIPLINAR GRAVE - MANUTENÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > MEDIDA DE SEGURANÇA ATUALIZAÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > PRISÃO ENTRADA/SAÍDA - ASSOCIAÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > PRISÃO - ENTRADA/SAÍDA - MANUTENÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > REGIME - ATUALIZAÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > REINCIDÊNCIA - ATUALIZAÇÃO

5 3.27. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > RESTRIÇÃO DE DIREITO > ATUALIZAÇÃO PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > RESTRIÇÃO DE DIREITO > ATUALIZAÇÃO PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > RESTRIÇÃO DE DIREITO > CONVERSÃO EM PPL EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > RESTRIÇÃO DE DIREITO > INCLUSÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > TABELAS > ENTIDADES EXECUÇÃO CRIMINAL > TABELAS > PARÂMETRO DE CÁLCULO DE PENA EXECUÇÃO CRIMINAL > TRANSFERÊNCIA EXECUÇÃO EXECUÇÃO CRIMINAL > CONSULTAS PRODEMGE EXECUÇÃO CRIMINAL > DOCUMENTAÇÃO DOS CÁLCULOS PARA ESTÁGIO EXECUÇÃO CRIMINAL > CALCULADORA DE PENA > CALCULADORA COMUM EXECUÇÃO CRIMINAL > CALCULADORA DE PENA > LIVRAMENTO CONDICIONAL EXECUÇÃO CRIMINAL > CALCULADORA DE PENA > PROGRESSÃO DE REGIME QUARTA ETAPA SISCOM CARACTER EXECUÇÃO PENAL > EXECUÇÃO > BAIXA PROCESSO ORIGEM - (SISCOM CARACTER) EXECUÇÃO PENAL > EXECUÇÃO > EXCLUSÃO EXECUÇÃO/GUIA CADASTRO INDEVIDO EXECUÇÃO PENAL > SENTENCIADO > ALTERAÇÃO DE DADOS

6 1. PRIMEIRA ETAPA CONFERÊNCIA PRELIMINAR GUIA DE EXECUÇÃO ANTERIOR À IMPLANTAÇÃO DO MÓDULO VEC Conferir os dados de sentença lançados no SISCOM com os dados do processo de origem correspondente. Caso tenha algum dado incorreto devolver à Secretaria para corrigir OBS1.: A data do inquérito, o número do inquérito, a data do crime e o recebimento da denúncia pelo juiz podem ser conferidos na opção: PESQUISA > FEITOS > DADOS COMPLETOS. Após, selecionar EXECUÇÃO PENAL > SENTENCIADO > ALTERAÇÃO DE DADOS e fazer a conferência dos dados referentes às opções 04, 08, 10 (se houver), 05 e 09. Quanto à opção 09, o sistema não permite incluir prisão quando o réu está preso em outro processo, neste caso, certificar nos autos. 5

7 Impressão > Documentos > Guia de Execução (Definitiva/Provisória). OBS2.: Emitir FAC e CAC para conferência e alteração, se necessário, da qualificação, unificação do nome, bem como 6

8 de quais processos estariam em fase de execução e se já não existe execução para aquele sentenciado. PEÇAS QUE DEVERÃO ACOMPANHAR A GUIA DE EXECUÇÃO: Denúncia/Recebimento da denúncia. Capa de autuação do inquérito. APF ou Portaria/Relatório. Sentença e/ou Sentença de Pronúncia. Publicação da sentença. Acórdão (quando houver). Certidão de trânsito em julgado do MP e da Defesa. Planilha do contador (somente quando o MP for executar a multa). Cópia do mandado de prisão cumprido (quando houver). Alvará de soltura (quando houver). Toda documentação dando notícia das fugas, recapturas e transferência do sentenciado GUIA DE EXECUÇÃO POSTERIOR À IMPLANTAÇÃO DO MÓDULO VEC Proceder à conferência acima e, em seguida, verificar se a guia está acompanhada da documentação obrigatória. Constatando-se erro nos dados da guia, em relação aos da sentença, e/ou falta de qualquer dos documentos exigidos em lei, devolvê-la à vara de origem para acerto. 7

9 2. SEGUNDA ETAPA DEFINIÇÃO DE PARÂMETROS Antes do recebimento da guia na VEC, deverão ser definidos, junto ao Juiz da Vara de Execuções, os parâmetros de cálculo de pena. OBS.: Hoje os parâmetros sugeridos pela GESCOM são NÃO considera progressão diferida e NÃO considera bons antecedentes. 2.1 PROGRESSÃO DE REGIME CRIMES HEDIONDOS O primeiro parâmetro a ser definido refere-se à fração do estágio de PROGRESSÃO DE REGIME para os crimes hediondos. Àqueles cometidos em data anterior à vigência da Lei até 28/03/2007, a fração será de 1/6. Para os crimes cometidos a partir de 29/03/07, se o sentenciado for primário a fração será de 2/5 e sendo reincidente a fração será de 3/5. OBS1.: Em caso de duas condenações por crimes hediondos, sendo um deles anterior a Lei /07 e outro posterior: o sistema computa a fração de 1/6 para aquele cometido antes da vigência da lei e 2/5 (para primários) ou 3/5 (para reincidentes), para aquele cometido após a publicação da mencionada lei. OBS2.: Sempre que tiver crime hediondo, cujo regime for FECHADO, mesmo quando tratar-se de Regressão ou Alteração no regime deve sinalizar na parte inferior da tela INICIALMENTE. 8

10 2.2 ESTÁGIO LIVRAMENTO CONDICIONAL CRIMES COMUNS O segundo parâmetro a ser definido refere-se aos crimes comuns, no tocante ao ESTÁGIO DE LIVRAMENTO CONDICIONAL, levando-se em conta duas hipóteses: a) CONSIDERA BONS ANTECEDENTES - Definido o parâmetro, o sentenciado tecnicamente primário (possuindo maus antecedentes) alcançará o estágio do LIVRAMENTO CONDICIONAL após cumprir a fração de ½ (metade) da pena (a mesma para os reincidentes). b) NÃO CONSIDERA BONS ANTECEDENTES - Definido o parâmetro, o estágio do livramento condicional será alcançado com a fração de 1/3 (um terço) da pena cumprida, mesmo possuindo maus antecedentes. OBS1. Se o sentenciado for REINCIDENTE, o estágio será sempre alcançado após cumprir a fração de ½ (metade) da pena imposta. OBS2. Crimes hediondos ou assemelhados, o estágio será alcançado após cumprir a fração de 2/3 da pena imposta. 3.TERCEIRA ETAPA RECEBIMENTO DA GUIA E INCLUSÃO DE DADOS DA EXECUÇÃO Acessar SISCOM-WINDOWS, selecionar Secretaria de EXECUÇÕES CRIMINAIS e menu EXECUÇÃO CRIMINAL. 9

11 3.1. EXECUÇÃO CRIMINAL > EXECUÇÃO > RECEBIMENTO DE GUIA a) Digitar o número do processo de ORIGEM. b) Selecionar o réu a que se refere a guia de execução a ser recebida. c) Clicar em guia anterior ao SISCOM, nos casos de guias enviadas para execução em data anterior à instalação do módulo-vec na Comarca. d) Clicar em inclusão de guia, nos casos de guias enviadas para execução a partir da instalação do módulo-vec na Comarca. e) Teclar em CONFIRMA. (Feita a confirmação, o sistema transportará todos os dados da sentença para a vara de execução) No caso de guia anterior ao siscom, preencher os seguintes campos: 10

12 a) DATA DO INÍCIO DA PENA, considerando-se três situações:. Mais de uma prisão registrada no processo de origem - incluir A DATA DA PRIMEIRA PRISÃO. OBS: Incluída a data da primeira prisão no sistema (opção parte/alteração - item 09), a mesma aparecerá como início da pena quando do recebimento da guia correspondente.. Nenhuma prisão registrada no processo de origem - considerar A DATA DA AUDIÊNCIA ADMONITÓRIA, se essa for anterior à da emissão e do recebimento da guia de execução.. Nenhum registro de prisão e de audiência admonitória nos autos principais considerar a DATA DA PUBLICAÇÃO DA SENTENÇA (data em que a sentença tornou-se pública, ou seja, quando recebida pelo escrivão na secretaria). b) DATA DO RECEBIMENTO DA EXECUÇÃO. Se a Comarca controlou as datas de recebimento das guias de execuções anteriores ao SISCOM através de carimbo ou livro de carga, basta digitar a data do recebimento correspondente. Caso contrário, REPETIR A DATA DO ENVIO DA EXECUÇÃO, que se encontra na parte superior da tela em questão. c) NÚMERO ANTERIOR - Informar o número anterior da execução em tela (número usado pela secretaria para acompanhar a execução). Caso não haja número anterior, deixar o campo em branco. (Neste caso, só aparecerá se for informada guia anterior ao SISCOM). 11

13 Após o preenchimento de todos os campos acima, proceder ao recebimento da guia: a) Clicar em RECEBER GUIA. b) O sistema pedirá o número do processo de EXECUÇÃO. Digitá-lo e teclar enter. OBS1: Em seguida aparecerá a mensagem GUIA RECEBIDA COM SUCESSO. Passa-se então a acionar as telas abaixo relacionadas, para inclusão dos dados da execução. OBS2: Em caso de já existir execução em nome do sentenciado e assim mesmo o sistema pedir outro número, é porque os nomes não estão unificados, o que deverá ser feito antes de receber a nova guia. OBS3: Não é recomendável proceder à unificação de nomes através do campo por diferentes, uma vez que todos os documentos do SISCOM podem conter nome errado, o que levará a questionamentos da autoridade que estiver recebendo o documento. Por exemplo, nos casos de Alvará 12

14 de Soltura constando Luis e o certo for Luiz, o SETARIN ou a Delegacia poderão não formalizar a soltura, bem como nos casos de nome falso José da Silva e o verdadeiro nome for Joaquim Silva Santos. ALERTA: Quando se tratar de guia provisória, após inclusão do trânsito em julgado nos dados de sentença na opção 08, a mesma deve ser recebida novamente na VEC para tornarse definitiva EXECUÇÃO CRIMINAL > EXECUÇÃO > ALTERA RECEBIMENTO DE GUIA Usar o campo acima para alterar a data de início da pena, o número anterior do processo e o parâmetro de cálculo da pena. O parâmetro de cálculo da pena será modificado somente na hipótese de mudança de entendimento do Juízo sobre a questão, e por determinação deste. Nesse caso, alterar os cálculos de todas as guias recebidas anteriormente. OBS.: Vide observação (segundo parágrafo) da página 8. 13

15 3.3. EXECUÇÃO CRIMINAL > EXECUÇÃO > CANCELAMENTO DE GUIA Usar essa tela para cancelar uma das guias dentro de um mesmo processo de execução. a) Digitar o número do processo de origem. b) Teclar CONFIRMAR. OBS: Esse procedimento só é permitido em processo de execução que contenha mais de uma guia de execução, pois, ao cancelar uma guia, o número do processo continua ativo, deixando de constar do levantamento de pena do sentenciado apenas aquela condenação cuja guia foi cancelada. Situação muito freqüente é a de uma guia provisória, quando o Tribunal de Justiça profere acórdão que anula a sentença de primeiro grau ou absolve o réu. 14

16 3.4. EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > DOCUMENTOS Usar a tela para a expedição dos diversos documentos específicos da Vara de Execuções Criminais, quais sejam: a) ALVARÁ DE SOLTURA - Permite a expedição de alvarás de soltura referentes a processos de execução, possibilitando selecionar e informar à autoridade policial todos os processos de origem alcançados com a soltura. Deve ser encaminhado ao SETARIN e nas comarcas do interior à delegacia local. b) CARTA DE LIVRAMENTO CONDICIONAL - Tem dupla finalidade. Além de cientificar o sentenciado das condições impostas no benefício, essa carta tem a mesma força do alvará de soltura, determinando, ao final, que o acusado seja colocado em liberdade, depois de cientificado, se por outro motivo não estiver preso. Deve ser encaminhada ao SETARIN e nas comarcas do interior à delegacia local. 15

17 c) GUIA DE RECOLHIMENTO - 1º - Procedimento usado para solicitar à SAIV (Superintendência de Articulação Institucional e Gestão de Vagas) vaga em estabelecimento adequado para o cumprimento da pena. Deverá ser acompanhada sempre de cópias da Denúncia, Sentença e Acórdão (se houver). 2º - Usada também para comunicar eventuais modificações da situação de um preso na Comarca à autoridade policial competente. Nessa hipótese, será expedida a guia de recolhimento acompanhada de xerox da decisão. 16

18 d) LEVANTAMENTO DE PENAS Trata-se da atual situação do sentenciado na Vara de Execuções Criminais. Sendo assim, sempre que acontecer qualquer mudança na situação do sentenciado, far-se-á a correspondente atualização no sistema com o registro da mudança, emitindo-se, em seguida, novo levantamento de pena. 17

19 e) MANDADO DE PRISÃO - Permite a expedição de mandados de prisão referentes ao processo de execução, possibilitando selecionar e informar à autoridade policial todos os processos de origem alcançados com o mandado expedido. f) ORDEM Procedimento para emissão de Carta ao Órgão competente, com ordem de internação / desinternação / liberação / tratamento ambulatorial. 18

20 OBS.: A Ordem de desinternação dever ser encaminhada ao SETARIN e nas comarcas do interior à delegacia local. g) LEVANTAMENTO DE PENA - EXECUÇÃO BAIXADA - Permite a emissão de levantamento de pena de execução penal já baixada no SISCOM/TJ, trazendo dados necessários à análise do Juiz. OBS1: Autorização permitida somente ao escrivão, com a finalidade de juntada aos autos para averiguação de possíveis irregularidades na execução em andamento. OBS2: A emissão de outros documentos na execução, tais como cartas precatórias, ofícios, bem como alguns mandados será pelo Siscom Windows EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > ETIQUETAS > AUTUAÇÃO > MANUAL Após o recebimento da guia de execução, imprimir a etiqueta de autuação, na qual constarão o número do processo de execução, o nome do sentenciado e os números de todos os processos de origem referentes àquela execução. 19

21 OBS: Emitir nova etiqueta sempre que receber nova guia de execução EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > ETIQUETAS > IDENTIFICAÇÃO > MANUAL 20

22 Imprime apenas o número que a execução recebeu num tamanho maior, podendo ser utilizada para identificação na parte inferior ou lateral dos autos. 3.7.EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > RELATÓRIOS APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > TODAS AS PESSOAS Utilizar a tela para emissão do relatório mensal, com os nomes dos sentenciados que estão usufruindo os benefícios de SURSIS, LIVRAMENTO CONDICIONAL ou PRISÃO DOMICILIAR. OBS: A próxima versão disponibilizará a emissão de relatório de apresentação em juízo, por processo. 21

23 3.8. EXECUÇÃO CRIMINAL > IMPRESSÃO > RELATÓRIOS > GERENCIAIS Utilizar a tela para emissão de relatório, contendo os nomes de todos os sentenciados que alcançaram os estágios de progressão de regime, de livramento condicional, ou que já cumpriram a pena EXECUÇÃO CRIMINAL > PESQUISAS 22

24 Acessar o menu para realização das pesquisas abaixo relacionadas: a) APRESENTAÇÃO EM JUÍZO - Permite a pesquisa das apresentações do sentenciado, por nº de processo. Informa o tipo de benefício alcançado (livramento condicional/sursis ou domiciliar), o período (início e término) das apresentações e os meses em que o sentenciado se apresentou ou deixou de apresentar-se ao Juiz. b) DADOS COMPLETOS - Permite a consulta dos dados completos de todas as guias referentes a determinado processo de execução. c) HISTÓRICO DE REGIME - Permite consultar as datas de todas as progressões, regressões e alterações de regime determinadas durante a execução de pena. d) SENTENÇAS HISTÓRICAS - Permite pesquisar todos os dados de sentença recebidos em determinada execução. e) ESTATÍSTICA DE EXECUÇÃO - Permite consultar o total de guias e execuções ativas na VEC. f) MENSAIS SEFIPS Informa a estatística de penas restritivas de direito dos sentenciados separando por sexo. 23

25 3.10. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > INCLUSÃO Após a inclusão dos benefícios de sursis, livramento condicional e prisão domiciliar, entrar no menu acima e incluir a apresentação. a) Selecionar o tipo de apresentação. b) Lançar a data em que o sentenciado iniciará a apresentação (com base nesta data o sistema automaticamente calculará a data fim). c) Lançar a periodicidade. Por exemplo: se a apresentação for mensal, lançar 30 dias. Se bimestral, lançar 60 dias. 24

26 3.11. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > NÃO APRESENTAÇÃO -REGISTRO > INDIVIDUAL No início do mês subseqüente à inclusão de apresentação em juízo, o sistema registrará automaticamente o S (sim) na relação de apresentação dos sentenciados ao Juiz. Contudo, em relação aos sentenciados que deixarem de comparecer, acessar a opção acima e incluir N (não), para registrar o não comparecimento do sentenciado. No período de comparecimento, registre-se somente o mês e o ano. 25

27 3.12. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > APRESENTAÇÃO EM JUÍZO > EXCLUSÃO Utilizar a tela para exclusão das apresentações revogadas ou incluídas indevidamente. OBS.: Quando já houver registro de apresentação com a confirmação do SIM pelo sistema, ou seja, decorrido o primeiro período de apresentação, não será possível a exclusão da apresentação, mesmo que ela esteja indevida. 26

28 3.13. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > COMUTAÇÃO DE PENA > INCLUSÃO E EXCLUSÃO Significa diminuição de determinada fração na pena privativa de liberdade do sentenciado que não preenche todos os requisitos para obtenção do indulto. Previsão art. 84,XII,CF e art. 192 da LEP. Requisitos no art. 2º do Decreto Presidencial anual. Acessar o menu acima para os casos de concessão do benefício de comutação da pena. Feito isso: a)digitar o número do processo de execução. b) Com a tecla CTRL pressionada, selecionar todos os processos que foram alcançados pelo benefício e teclar em INCLUIR COMUTAÇÃO. 27

29 c) No campo liberado pelo sistema, digitar o período a ser comutado, preenchendo também a data da sentença de comutação. d) Em seguida GRAVAR. Quanto ao procedimento de EXCLUSÃO, entrar no menu acima, selecionar a opção exclusão, digitar o número do processo e clicar em excluir. OBS: Existindo mais de uma comutação a serem excluídas, o sistema excluirá uma de cada vez, em ordem decrescente. 28

30 3.14. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > INDULTO ESPECIAL Utilizar a tela para registro da concessão de indulto condicional. a) Digitar o número do processo de execução, a data do início e do fim do benefício. b) Clicar em GRAVAR. OBS.: Há dois anos, os Decretos de Indulto não mais contemplam a figura do Indulto condicional. O Indulto, tal como previsto nos dois Decretos mais recentes (nº 6.706/2008 e 6.294/2007), representa hipótese de extinção da punibilidade, sem condições e conseqüente baixa dos autos pelo motivo 062 Anistia/Indulto Art. 107 II INDULTO significa Clemência/Perdão total do restante da pena. Previsão art. 84, XII, CF e arts. 187/193 da LEP. Condições no art. 1º do Decreto Presidencial anual. 29

31 3.15.EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENTENCIADO > BENEFÍCIOS > LIVRAMENTO CONDICIONAL > MANUTENÇÃO E EXCLUSÃO É a liberdade antecipada do sentenciado. Previsão arts. 131/146 da LEP e arts. 83/90 do CPB. Utilizar a tela para registro da concessão de livramento condicional. a) Digitar o número do processo de execução. b) Incluir:. a data do início do benefício (data da audiência admonitória ou da sentença que concedeu o benefício). Salvo se o sentenciado foi colocado em liberdade em data posterior, sendo esta a data a ser incluída como início do benefício.. a data do término do benefício (data final da pena constante do levantamento de pena). 30

32 ATENÇÃO: Após a inclusão deste benefício, o sentenciado deve ser solto pelo motivo Livramento Condicional concedido. OBS.: Todas as vezes que houver a inclusão de nova condenação mantendo o livramento condicional, ou comutação/remição de pena, deverá ser modificada a data do término do benefício. Para registrar a suspensão ou a revogação do benefício, basta clicar em uma dessas opções, conforme for o caso, e, liberado o campo selecionado, incluir a data da sentença de suspensão ou revogação. ATENÇÃO: São duas as hipóteses/efeitos para o Livramento Condicional: 1) Na hipótese de ter o sentenciado cometido novo delito antes da concessão do livramento condicional e de ter o Juiz, na revogação do benefício, determinado o cômputo do período de sua vigência: INCLUIR AS DATAS DA PRISÃO (um dia após a concessão do livramento) E DA SOLTURA (um dia antes da data da revogação do livramento) PELO MOTIVO N/INFORMADO (art. 88 CPB) DA LISTA DE VALORES DO SISCOM, para que o sistema compute o período de prisão referente ao livramento condicional. Art Revogado o livramento, não poderá ser novamente concedido, e, salvo quando a revogação resulta de condenação por outro crime anterior àquele benefício, não se desconta na pena o tempo em que esteve solto o condenado. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de ). 2) No caso do novo crime ser cometido no curso do benefício: registrada a suspensão ou a revogação do 31

33 livramento condicional, o sistema desconsiderará automaticamente o tempo em que o sentenciado gozou do benefício, como de pena cumprida. Ex.: Sentenciado preso desde 01/01/2005. Em 01/06/2006 foi beneficiado com o livramento condicional. Em 01/12/2006 teve seu benefício revogado por motivo de novo delito no curso do benefício. Lançados os registros correspondentes, o sistema computará como pena cumprida o período de 01/01/05 a 01/06/06, desconsiderando o período 02/06/06 a 30/11/06. Quanto ao procedimento de EXCLUSÃO, acessar o menu acima, selecionar a opção exclusão, digitar o número do processo de execução e clicar em EXCLUIR. 32

34 3.16. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > REMIÇÃO DE PENA > INCLUSÃO E EXCLUSÃO Diminuição na pena privativa de liberdade do sentenciado pelo trabalho. A cada 03 dias de trabalho o sentenciado que cumpre pena no regime Fechado ou Semi-aberto faz jus a 01 dia de pena cumprida. Previsão arts. 126/130 da LEP. Proferida a sentença de dias remidos, acessar o menu acima e: a) Digitar o número da execução. b) Preencher a data da sentença de remição. c) Teclar F9 e selecionar o tipo (trabalho ou estudo). d) Incluir o total de dias trabalhados de acordo com a certidão de trabalho apresentada pelo sentenciado. O sistema apresentará o total de dias remidos em proporção aos dias trabalhados. Se o total de dias remidos apresentado pelo sistema for diferente do proferido em sentença, digitar o total de dias homologado pelo juiz e teclar em GRAVAR. 33

35 OBS: A condição para que a remição de pena seja incluída no SISCOM é o sentenciado estar preso no período trabalhado. Lembrando que o sistema não permite usar o mesmo período para remir dias trabalhados e estudados. Quanto ao procedimento de EXCLUSÃO, acessar o menu acima, digitar o número do processo de execução, selecionar a opção exclusão e gravar. Nesse mesmo menu, podem ser computadas a perda e a recuperação de dias trabalhados. 34

36 3.17. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > SAÍDA TEMPORÁRIA > INCLUSÃO Autorização para saída temporária por prazo não superior a 07 dias aos condenados que cumprem pena no regime Semiaberto. A autorização pode ser renovada por 04 vezes durante o ano. Previsão arts. 122/125 da LEP. Utilizar essa tela para registro da concessão do benefício de saída temporária ao sentenciado que se encontra em regime semi-aberto. a) Digitar o número do processo de execução. b) Teclar F9 e selecionar o motivo da saída. c) Digitar a data do início e do fim da saída, o total de dias concedido e a data da sentença que deferiu o benefício. d) Clicar em GRAVAR. 35

37 Nesse menu há a opção de REVOGAÇÃO, que pode ser usada tanto para excluir como para revogar as saídas temporárias já deferidas. 36

38 3.18. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > SURSIS > ALTERAÇÃO Suspensão condicional da pena privativa de liberdade não superior a 02 anos. Previsão arts. 77/82 do CPB e arts. 156/163 da LEP. Utilizar essa tela para atualização do início da pena de sentenciado beneficiado com SURSIS. a) Digitar o número do processo de execução. b) Incluir a data do início da pena (data da audiência admonitória) e a data do fim do sursis. c) Clicar em GRAVAR. OBS: Esse menu pode ser usado também para incluir a data de revogação do SURSIS, mesmo que não se tenha iniciado a fruição do benefício. Usado também nos casos de exclusão e, para prorrogação basta alterar a data fim do benefício. 37

39 3.19. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > BENEFÍCIOS > UNIFICAÇÃO DE PENA > INCLUSÃO Acessar o menu somente para as seguintes unificações de penas:. UNIFICAÇÃO COM BASE NO ART. 71- Utilizar quando o Juiz da VEC, ao receber mais de uma guia de execução referente a crimes cometidos de forma CONTINUADA, proferir sentença de unificação de penas com base no artigo 71 do CPB e 66 inc. III alínea a da Lei 7.210/94 (LEP). a) Mantendo pressionada a tecla CTRL, selecionar com o mouse todos os processos referidos na sentença. (deve haver no mínimo dois processos). b) Clicar em incluir unificação. c) O sistema mostrará um campo para incluir o artigo da unificação, devendo-se digitar o art.71 e, em seguida, lançar o total da pena unificada. 38

40 UNIFICAÇÃO COM BASE NO ART. 75 Utilizar quando a soma das penas ultrapassarem 30 anos de reclusão e o Juiz da VEC proferir sentença de unificação das mesmas com base no artigo 75 do CPB, reduzindo o total para 30 anos de reclusão. a)mantendo pressionada a tecla CTRL, selecionar com o mouse todos os processos referidos na sentença. b) Teclar em incluir unificação e lançar o artigo da unificação (art. 75). O sistema automaticamente computará o total das penas do sentenciado em 30 anos de reclusão. OBS: Na unificação de penas com base no artigo 75 do CPB, qualquer fração para cálculo de benefícios será calculada em relação ao total das penas impostas, e não sobre a pena unificada (30 anos), nos termos da Súmula 715 do STF. SÚMULA 715 DO STF: A pena unificada para atender ao limite de trinta anos de cumprimento, determinado pelo art. 75 do Código Penal, não é considerada para a concessão de outros benefícios, como o livramento condicional ou regime mais favorável de execução. OBS.: Quando tratar-se de unificação pelo art. 111 da LEP, o próprio sistema já processa a soma, ficando a cargo do servidor alterar apenas o regime se houve esta determinação. 39

41 3.20. EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > DETRAÇÃO DE PENA O sistema de execuções criminais não processa concomitantemente o cumprimento de uma pena privativa de liberdade e uma restritiva de direito. Portanto, quando um sentenciado estiver cumprindo uma pena restritiva de direito (prestação de serviços à comunidade, por exemplo) e lhe sobrevier nova condenação, vindo ele a ser preso antes do cumprimento integral da pena restritiva de direito, ocorrerá uma impropriedade com o registro do recebimento da nova guia de execução. Com efeito, o sistema unificará as duas penas em soma simples e passará a computar como início do cumprimento da mesma, a data da prisão lançada no sistema, ignorando o tempo PSC já cumprido, em flagrante prejuízo do sentenciado. Para corrigir essa impropriedade: a) Acessar o menu acima. b) Digitar o número do processo de execução. 40

42 c) Clicar com o botão direito do mouse no campo da pena restritiva de direito (PSC) ou no período de prisão por duas vezes, até que a letra S (sim) apareça abaixo da palavra detração. Feito isso, os períodos referentes à PSC e prisões serão computados como pena cumprida no levantamento de pena. OBS.: Quando houver prisão provisória em outro processo, detração determinada pela lei (art. 42 e 60, único da LEP), havendo despacho do Meritíssimo Juiz, o caminho a ser seguido para inclusão é o constante do item EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > FALTA DISCIPLINAR GRAVE - MANUTENÇÃO Acessar o menu quando o Juiz, tomando conhecimento do cometimento de uma falta disciplinar, reconhecê-la como falta em sentença. OBS: Para cálculo da concessão de benefícios, o sistema considerará a data mais recente entre a data da falta 41

43 disciplinar, a última prisão e a data da última atualização de regime EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > MEDIDA DE SEGURANÇA ATUALIZAÇÃO Acessar o menu acima para incluir ou excluir a medida de segurança aplicada. a) Digitar o número do processo de execução. b) Digitar o tipo de medida aplicada (internação ou tratamento ambulatorial). c) Digitar a data do início da medida (data da internação ou da primeira apresentação ao consultório). d) Digitar a data do término da medida, na hipótese de medida com tempo determinado. Caso contrário, deixar o campo em branco. 42

44 e) Teclar em GRAVAR. Na hipótese de juntada de novo laudo pericial e manutenção da medida pelo juiz, basta trocar a data do término da mesma, se houver. No caso de revogação, digitar a data da sentença revogatória no campo próprio. Esse menu será acessado também para exclusão da medida, bastando digitar o número do processo de execução e teclar EXCLUIR EXECUÇÃO CRIMINAL > SENTENCIADO > PRISÃO ENTRADA/SAÍDA - ASSOCIAÇÃO Ao ser recebida uma guia de execução de determinado réu, todas as prisões do respectivo processo são automaticamente transferidas para o processo de execução. Todavia, na hipótese de o juiz determinar o cômputo de prisões referentes ao mesmo sentenciado, mas lançadas em outros processos na Comarca, acionar o menu acima para associar as prisões apresentadas na tela. 43

A Lei nº. 7.210, de 11 de julho de 1984, instituiu a Lei de Execução Penal -

A Lei nº. 7.210, de 11 de julho de 1984, instituiu a Lei de Execução Penal - 2 Introdução O processo de execução criminal raramente é iniciado e encerrado no mesmo ofício judicial, pois a competência para o processamento é fixada conforme a movimentação do réu. Essa situação promove

Leia mais

INDICE. Sistema VEC Vara das Execuções Criminais /Implementação da Resolução 46 CNJ

INDICE. Sistema VEC Vara das Execuções Criminais /Implementação da Resolução 46 CNJ Versão 1.0.4 INDICE 1 OBJETIVO... 2 2 CADASTRO DE ROTEIRO DE PENAS... 3 3 CADASTRO DE HABEAS CORPUS... 8 4 CADASTRO DE MANDADO DE SEGURANÇA... 16 5 SOBRE A MOVIMENTAÇÃO DO PROCESSO... 22 6 CADASTRO DE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DEPARTAMENTO DE SUPORTE E INFORMAÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DEPARTAMENTO DE SUPORTE E INFORMAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DEPARTAMENTO DE SUPORTE E INFORMAÇÃO SUMARIO: 1. Histórico do Sistema... 3 2. Perfis dos Usuários... 4 3. Solicitação de Acesso... 5 4. Acessando o Sistema...

Leia mais

PRODESP - CIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Sistema SIVEC Módulo de Calculo de Benefícios. Versão 16.0.2

PRODESP - CIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Sistema SIVEC Módulo de Calculo de Benefícios. Versão 16.0.2 PRODESP - CIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO Sistema SIVEC Versão 16.0.2 Julho / 2013 SUMÁRIO 1) SOBRE O MÓDULO DE CALCULO DE BENEFÍCIOS... 3 2) LEGISLAÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO.

Leia mais

VALTER KENJI ISHIDA ... PRATICA ]URIDICA DE EXECUÇAO PENAL INCLUINDO (RERMISSÃO

VALTER KENJI ISHIDA ... PRATICA ]URIDICA DE EXECUÇAO PENAL INCLUINDO (RERMISSÃO VALTER KENJI ISHIDA ~...... PRATICA ]URIDICA DE - EXECUÇAO PENAL INCLUINDO (RERMISSÃO Sumário Abreviaturas, xiii Abreviaturas típicas da execução penal, xv Prefácio, xvii Nota do autor à 1 ~ edição, xix

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL

MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL Autores: Henrique Baltazar Vilar dos Santos Fábio José Guedes de Sousa Sumário: 1. Início do processo:... 2 a. Recebimento de Processo

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Vendas e Caixa)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Vendas e Caixa) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Vendas e Caixa) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 Vendas... 3 1.1

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Habeas Corpus impetrado por Anderson José Manta Cavalcanti, com pedido liminar, em favor de José Bispo dos Santos Neto, objetivando a declaração

Leia mais

1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO. 1.1 Resolução nº 65 do CNJ. 1.2 Conversão do Número do Processo. 1.3 Novos ícones

1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO. 1.1 Resolução nº 65 do CNJ. 1.2 Conversão do Número do Processo. 1.3 Novos ícones 1. NOVIDADES DO NÚMERO ÚNICO DE PROCESSO 1.1 Resolução nº 65 do CNJ 1.2 Conversão do Número do Processo 1.3 Novos ícones 1 Tela Antiga Tela Nova 2 2. NOVIDADES DA VISUALIZAÇÃO DAS FILAS DE TRABALHO 2.1

Leia mais

EXECPEN. Manual de Cálculos de. Liquidação de Penas

EXECPEN. Manual de Cálculos de. Liquidação de Penas EXECPEN Manual de Cálculos de Liquidação de Penas CIP Brasil Catalogação na Fonte BIBLIOTECA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS. MOURA, Nair Pinheiro de Manual de cálculos de liquidação de penas:

Leia mais

SIDAP - Sistema Integrado de Distribuição e Acompanhamento Processual

SIDAP - Sistema Integrado de Distribuição e Acompanhamento Processual SUMÁRIO 1. SOBRE A RESOLUÇÃO 46 MOVIMENTO DO CNJ 2. CONSULTA E CADASTRO DE MOVIMENTOS DO PROCESSO 2.1 CONSULTAR MOVIMENTOS CADASTRADOS 2.2 CADASTRAR MOVIMENTOS MANUAIS 3. GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE MOVIMENTOS

Leia mais

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE 1 ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Elaborado por: Gerência de Sistemas Judiciais Informatizados (GEJUD). Atualizada em: 23/03/2015.

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

CPM - Controle de Prisões e Mandados

CPM - Controle de Prisões e Mandados Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba CPM - Controle de Prisões e Mandados BNMP Banco Nacional de Mandado de Prisão BNMP Banco Nacional de Mandado de Prisão Página 1 Versão 1.0 Controle de Versões do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto 1. Introdução O projeto do Mutirão Carcerário, iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2008 a partir da vigência da Resolução Conjunta nº 01/2009 do CNJ/CNMP e Resolução nº 89/2009 do CNJ,

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

MANUAL DO MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE PENA

MANUAL DO MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE PENA MANUAL DO MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE PENA Cuiabá-MT Novembro/2013 MÓDULO DE GERENCIMENTO DE PENA Des. Sebastião de Moraes Filho Corregedor Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso Reginaldo C.A.S. Cardozo

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE RESOLUÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Introdução

INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE RESOLUÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Introdução INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE RESOLUÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Introdução A presente nota tem por objetivo apresentar as instruções básicas para preenchimento e remessa dos

Leia mais

CONTROLE E EXPEDIÇÃO ELETRÔNICA DE MANDADOS DE PRISÃO E ALVARÁS DE SOLTURA VERSÃO 2014.1

CONTROLE E EXPEDIÇÃO ELETRÔNICA DE MANDADOS DE PRISÃO E ALVARÁS DE SOLTURA VERSÃO 2014.1 CONTROLE E EXPEDIÇÃO ELETRÔNICA DE MANDADOS DE PRISÃO E ALVARÁS DE SOLTURA VERSÃO 2014.1 Diretoria de Modernização Judiciária - DIMOJ Página 1 ÍNDICE 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 3 2. NOÇÕES BÁSICAS... 6 2.1.

Leia mais

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br.

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. Apresentação a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. c) nome do trabalho/projeto: Sistema para

Leia mais

Manual do Mutirão Carcerário 2014

Manual do Mutirão Carcerário 2014 Manual do Mutirão Carcerário 2014 Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário Página 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... 03 II. VARAS CRIMINAIS 1. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES... 05 2. DO SISTEMA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

APOSTILA CURSO DE CARTOSOFT E INFORMÁTICA

APOSTILA CURSO DE CARTOSOFT E INFORMÁTICA APOSTILA CURSO DE CARTOSOFT E INFORMÁTICA Registro Civil Primeiros Passos: Digite o código da serventia (CNJ) são os seis primeiros números que compõem a matrícula. Parâmetros Globais: São telas de configuração

Leia mais

NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA. Controle Judicial. Manual de Instruções. Versão 8.32

NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA. Controle Judicial. Manual de Instruções. Versão 8.32 NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA Controle Judicial Manual de Instruções Versão 8.32 1 Sumário 1 CONTROLE DE COBRANÇA JUDICIAL... 4 1.1 ARQUIVO... 4 1.1.1 Processos...4 1.1.1.1 Réus Principais do Processo...13

Leia mais

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade.

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. Programa de DIREITO PENAL II 3º período: 80h/a Aula: Teórica EMENTA As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. OBJETIVOS Habilitar o futuro

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Manual Pergamum Manual PER-MAN-001 Empréstimo Sumário 1 APRESENTAÇÃO...2 2 UTILIZANDO O MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DE MATERIAIS...4 1.1 1.2 1.3 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR...4 ACESSANDO O SISTEMA...6

Leia mais

DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL

DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL Súmula 711: A Lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a sua vigência é anterior à cessação da continuidade ou da permanência.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU RESOLUÇÃO N 126/2012 GS/SEJU Dispõe sobre a criação da Central de Alvarás de Soltura e disciplina os procedimentos administrativos para o encaminhamento, cumprimento e execução dos alvarás de soltura eletrônicos.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Circulação de Materiais Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-3 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-0 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DE MATERIAIS... 3-1 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO

Leia mais

OBJETIVO 1 ACESSANDO O SISTEMA 2 - TELA PRINCIPAL 3 MÓDULO ETIQUETAS 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS 5 ANEXAR DOCUMENTOS 6 MENU TRÂMITE 6.

OBJETIVO 1 ACESSANDO O SISTEMA 2 - TELA PRINCIPAL 3 MÓDULO ETIQUETAS 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS 5 ANEXAR DOCUMENTOS 6 MENU TRÂMITE 6. Sumário OBJETIVO... 2 1 ACESSANDO O SISTEMA... 3 2 - TELA PRINCIPAL (Painel de Controle)... 4 3 MÓDULO ETIQUETAS... 4 4 - CADASTRAR DOCUMENTOS... 7 5 ANEXAR DOCUMENTOS... 15 6 MENU TRÂMITE... 18 6.1 RECEBER

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACERTO DE ESTOQUE...

Leia mais

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04

CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 CURSO DE MONITOR DA SOCIAL CARCERÁRIA FASE 01/04 PROGREESSÃO DE REGIME PRISIONAL www.socialcarceraria.org.br lealdade profissionalismo justiça e liberdade ORIENTAÇÃO PEDIDO DE A TESTADO DE PERMANÊNCIA

Leia mais

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0 Sistema Nacional de Bens Apreendidos Manual do Usuário Versão 1.0 Brasília, 2009 ÍNDICE I. SOBRE O SISTEMA NACIONAL DE BENS APREENDIDOS... 3 1.1- SNBA Versão 1.0... 3 1.2- Habilitação e Perfis de Acesso...

Leia mais

PRÁTICA DA ADVOCACIA EM DISTRITO POLICIAL (04/05/2013-1. O

PRÁTICA DA ADVOCACIA EM DISTRITO POLICIAL (04/05/2013-1. O PRÁTICA DA ADVOCACIA EM DISTRITO POLICIAL (04/05/2013 - Dr. Reynaldo Fransozo Cardoso) 8h30m às 13h30m 1. O Inquérito Policial. (arts. 4º ao 23º do Código de Processo Penal) 1.1. Formalidades para instauração

Leia mais

MANUAL DE ATUAÇÃO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA NA EXECUÇÃO PENAL

MANUAL DE ATUAÇÃO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA NA EXECUÇÃO PENAL 8º Centro de Apoio às Promotorias de Execução Penal C r i s t i a n o d o s S a n t o s L a j o i a G a r c i a MANUAL DE ATUAÇÃO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA NA EXECUÇÃO PENAL Apresentação O surgimento de

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI MANUAL DE JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.1 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 OBJETIVOS...4 OBSERVAÇÕES...5 USUÁRIOS...5 1. ACESSO AO SISTEMA...6 2. SISTEMA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC 01) APRESENTAÇÃO 02) BOLSA DE ESTUDO - O QUE É? 03) ADMINISTRAÇÃO DO BENEFÍCIO 04) REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO 05) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

Prescrição da pretensão punitiva

Prescrição da pretensão punitiva PRESCRIÇÃO PENAL 1 CONCEITO É o instituto jurídico mediante o qual o Estado, por não fazer valer o seu direito de punir em determinado tempo, perde o mesmo, ocasionando a extinção da punibilidade. É um

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Circulação de Materiais Manual APC Manual PER-MAN-001 Circulação de Materiais Sumário 1. EMPRÉSTIMO/DEVOLUÇÃO/DÉBITOS/RENOVAÇÃO... 1-1 1.1 1.2 EMPRÉSTIMO... 1-3 DEVOLUÇÃO... 1-7 1.3 DÉBITOS... 1-10 1.4

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ DEPARTAMENTO DE ATIVIDDES JUDICIAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ DEPARTAMENTO DE ATIVIDDES JUDICIAIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ DEPARTAMENTO DE ATIVIDDES JUDICIAIS I Introdução: requisitos, acesso e área de trabalho 1 O que é o SIMP?... 3 2 Requisitos Mínimos... 3 2.1 Browser... 3 2.2 Impressora...

Leia mais

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação A Defensoria Pública do Estado, por meio de sua Assessoria de Convênios, comunica que desenvolveu sistema denominado Sistema de Solicitação

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais

I Art. 285, 1º, 2º e 3º - Diretrizes Gerais Judiciais.

I Art. 285, 1º, 2º e 3º - Diretrizes Gerais Judiciais. MA UAL DE ORIE TAÇÃO CUSTAS JUDICIAIS Versão: 1.1 - data 25/02/11 I Art. 285, 1º, 2º e 3º - Diretrizes Gerais Judiciais. a) Cálculo da atualização monetária Esgotado o prazo legal estabelecido para o recolhimento

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Manual do Sistema TBZ OnLine - Entidade

Manual do Sistema TBZ OnLine - Entidade Manual do Sistema TBZ OnLine - Entidade DM003.0 Página 1 / 42 Índice 1 APRESENTAÇÃO... 4 DETALHAMENTO DOS LINKS DO TECBIZ ONLINE... 5 2 INICIAL... 5 3 ASSOCIADO... 5 3.1 SELECIONA ASSOCIADO... 5 3.2 ALTERAR

Leia mais

Índice 1.Auditoria Financeira...2 2.Parametrizações do Sistema...3 2.1.Cadastro da Empresa...3 2.1.1.Forma de controle das notas na Auditoria

Índice 1.Auditoria Financeira...2 2.Parametrizações do Sistema...3 2.1.Cadastro da Empresa...3 2.1.1.Forma de controle das notas na Auditoria Índice 1.Auditoria Financeira...2 2.Parametrizações do Sistema...3 2.1.Cadastro da Empresa...3 2.1.1.Forma de controle das notas na Auditoria Financeira...4 2.1.2.Formas de Registro do Pagamento e Recebimento

Leia mais

AUDITORIA FINANCEIRA. No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria Financeira.

AUDITORIA FINANCEIRA. No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria Financeira. AUDITORIA FINANCEIRA Processo de uso da Auditoria Financeira CADASTRO DE EMPRESA PARÂMETROS No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Cuida-se de agravo em execução penal interposto contra sentença que declarou extinta a punibilidade de Cosme Alexandre da Silva, por entender

Leia mais

PROGRAMA DE DEMANDA SOCIAL

PROGRAMA DE DEMANDA SOCIAL PROGRAMA DE DEMANDA SOCIAL Manual de Acompanhamento de Bolsas de Estudo Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Diretoria de Programas e Bolsas no País (DPB) Coordenação-Geral

Leia mais

1ª VARA FEDERAL CRIMINAL DE CURITIBA Av. Anita Garibaldi,, nº 888, 2º andar, Bairro Ahú, CEP 80.540-180 ROTEIRO DO CONVÊNIO E ACESSO AO SISCOPEN

1ª VARA FEDERAL CRIMINAL DE CURITIBA Av. Anita Garibaldi,, nº 888, 2º andar, Bairro Ahú, CEP 80.540-180 ROTEIRO DO CONVÊNIO E ACESSO AO SISCOPEN 1ª VARA FEDERAL CRIMINAL DE CURITIBA Av. Anita Garibaldi,, nº 888, 2º andar, Bairro Ahú, CEP 80.540-180 ROTEIRO DO CONVÊNIO E ACESSO AO SISCOPEN Curitiba/Paraná 2011 INDÍCE I. Informações Gerais...3 II.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 6 2. CONHECENDO O SAIPRO... 6 3. ACESSANDO O SAIPRO... 6 4. ATRIBUIÇÕES DA VARA... 7 4.1 CADASTRO... 7

1. INTRODUÇÃO... 6 2. CONHECENDO O SAIPRO... 6 3. ACESSANDO O SAIPRO... 6 4. ATRIBUIÇÕES DA VARA... 7 4.1 CADASTRO... 7 Tribunal de Justiça do Estado da Bahia GID Gerência de Informática e Desenvolvimento Tecnológico SUDET Supervisão de Desenvolvimento Tecnológico MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO INTEGRADO DE

Leia mais

MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau

MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau Equipe de elaboração: DESEMBARGADOR RICARDO ANTONIO MOHALLEM TRT 3ª REGIÃO JUÍZA GISELA AVILA LUTZ TRT 1º REGIÃO ANTONIO CARLOS DOS SANTOS TRT 7ª REGIÃO NADJA MARIA PRATES

Leia mais

NOVO PROCEDIMENTO DE EXPEDIÇÃO DO SISTEMA APOLO

NOVO PROCEDIMENTO DE EXPEDIÇÃO DO SISTEMA APOLO NOVO PROCEDIMENTO DE EXPEDIÇÃO DO SISTEMA APOLO Cuiabá-MT Agosto/2014 Versão 2.0 ii SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1 FERRAMENTA DE EXPEDIÇÃO... 5 1.1 Escolha das decisões... 12 1.2 Escolha de partes... 14 1.3

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) Identificação Disciplina Direito Penal II - NOTURNO Carga horária

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO DE PESSOAS FÍSICAS NOS CONSELHOS REGIONAIS DE NUTRICIONISTAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Conselho Federal de Nutricionistas, no uso de suas atribuições

Leia mais

MANUAL DO SINASC_LOCAL

MANUAL DO SINASC_LOCAL MANUAL DO SINASC_LOCAL Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC - 2006 1 Módulo - Usuário Manual do Sinasc Módulo Usuário Capítulo 01 - Introdução O SINASC é um instrumento fundamental para informações

Leia mais

Utilizando o SISPC para efetuar Registros

Utilizando o SISPC para efetuar Registros Utilizando o SISPC para efetuar Registros 1. Registros O b j e t i v o Através do módulo de registros do sistema serão executadas as operações de inclusão de pessoas inadimplentes na base de dados do SPC.

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CONTESTAÇÃO DA ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA

CONTESTAÇÃO DA ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA atualizado em 19/10/2015 acrescentados os itens 6.3 e 6.4 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...4 2. MODALIDADES DA CONTESTAÇÃO...5 3. PRAZOS PARA A CONTESTAÇÃO...5 4. REQUISITOS GERAIS PARA ACESSO AO SISTEMA e-fisco/cmt...7

Leia mais

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 1 2 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 2- Notas de Compra (Incluindo Quantidades no Almoxarifado) 07 2.1 - Notas complementares 12 2.2 - Desmembramento de bens 13 3- Requisições

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL FLORIANÓPOLIS 2011 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 Visão Geral do Sistema... 3 1.1. Acesso ao

Leia mais

Conhecimento de Transporte

Conhecimento de Transporte Página1 Conhecimento de Transporte No menu de navegação, este item é a opção para emissão e administração dos Conhecimentos de Transporte do sistema. Para acessar, posicione o mouse no local correspondente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03.

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. Disciplina, no âmbito do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, os procedimentos relativos à

Leia mais

Liberação de Versão. Versão 8. Pergamum

Liberação de Versão. Versão 8. Pergamum Liberação de Versão Versão 8 Pergamum Sumário! " # $%# & '( & ) * ) +, +, %% -*%.-*). * %%! " / 0 #$!! 12%)& % 3* 1 45(' * 6! &' 3 $% 7 $ $ Confidencial Pergamum, 2012 $( 89& $ $!!!! +7! " #! & $ Confidencial

Leia mais

SAJPG5. Novidades das Versões 1.3.0-0 a 1.3.1-11. Expedientes. Primeiro Grau

SAJPG5. Novidades das Versões 1.3.0-0 a 1.3.1-11. Expedientes. Primeiro Grau SAJPG5 Primeiro Grau Novidades das Versões 1.3.0-0 a 1.3.1-11 Expedientes Novidades da versão 1.3.0-0 a 1.4.1-1 Este documento contém um resumo das alterações e novidades liberadas nas versões 1.3.0-0

Leia mais

Manual do Usuário Novembro/2012

Manual do Usuário Novembro/2012 Manual do Usuário Novembro/2012 Sumário 1. Objetivos...3 2. Informações Operacionais...4 3. Configurações Recomendadas...7 4. Preparação do Sistema...8 4.1 Solicitando acesso ao Sisu...8 4.2 Autorização

Leia mais

GUIA DE EXECUÇÃO DE SENTENÇA PENAL

GUIA DE EXECUÇÃO DE SENTENÇA PENAL GUIA DE EXECUÇÃO DE SENTENÇA PENAL ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. NOÇÕES BÁSICAS... 4 2.1. SENTENÇA PENAL CONDENATÓRIA... 4 2.2. SANÇÃO PENAL... 5 2.2.1. Pena... 5 2.2.1.1. REGIMES DE CUMPRIMENTO DA PENA

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE INSPEÇÃO PRISIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO - SIP-MP. Introdução

INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE INSPEÇÃO PRISIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO - SIP-MP. Introdução INSTRUÇÕES GERAIS E DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE O SISTEMA DE INSPEÇÃO PRISIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO - SIP-MP Introdução A presente nota tem por objetivo apresentar as instruções básicas para preenchimento

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RECURSOS NO PROCESSO PENAL

RECURSOS NO PROCESSO PENAL ESTUDO RECURSOS NO PROCESSO PENAL RECURSOSRE Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

GENIALIS VERSÃO 8.2.7/8.2.8/8.2.9/8.3.0 O QUE MUDOU

GENIALIS VERSÃO 8.2.7/8.2.8/8.2.9/8.3.0 O QUE MUDOU GENIALIS VERSÃO 8.2.7/8.2.8/8.2.9/8.3.0 O QUE MUDOU PROCESSOS Número do Processo: Ao cadastrar o Número do Processo, poderá ser marcado, ao lado direito, o checkbox Numeração Única (CNJ). A partir desta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS

Lembre-se: I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS I - CADASTRAMENTO DE PROCESSOS E DOCUMENTOS 1.1 AUTUAÇÃO DE PROCESSOS O que é preciso para autuar um processo? Para atuar processo é necessário que o documento seja original ou cópia, desde que autenticada

Leia mais

Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec"

RtgukfípekcfcTgrûdnkec Página 1 de 8 Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec" Ecuc"Ekxkn" Uudejghkc"rctc"Cuuupvqu"Lutîfkequ NGK"P "340625."FG"6"FG"OCKQ"FG"42330 Vigência Altera dispositivos do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 PGMEI Pág. 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 3 1.2 OBJETIVO DO PROGRAMA... 3 1.3 A QUEM SE DESTINA... 3 1.4 TRIBUTOS ABRANGIDOS PELO SIMEI...

Leia mais

Max Fatura Sistema de Gestão

Max Fatura Sistema de Gestão Sumário 1 Tela Inicial... 2 2 Tela de Pesquisa... 3 3 Tela de Vendas... 4 5 Aproveitamento de Icms... 5 6 Salvar... 5 9 Para emissão da nota fiscal... 7 10 Impressão de relatórios... 7 11 Contas a Pagar

Leia mais

SCP - Sistema de Controle de Pagamentos de Precatórios

SCP - Sistema de Controle de Pagamentos de Precatórios SCP - Sistema de Controle de Pagamentos de Precatórios Módulo de Captação de dados das Entidades Devedoras Manual do Usuário Versão 1.6 Fevereiro/2011 0 Manual do Usuário Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso

Leia mais

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS Partindo de levantamentos realizados no questionário da

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência

ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência ELIMINAÇÃO DA AUTUAÇÃO DE BARRAMENTOS Manual de Utilização e Referência Dezembro/2012 Sumário 1. Introdução... 4 2. Conteúdo... 4 3. Premissas... 4 4. Alterações de impacto global... 5 i. Comportamento

Leia mais

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO Página 1 de 1 RESOLUÇÃO CFN Nº 466/2010 Dispõe sobre a inscrição de Nutricionistas nos Conselhos Regionais de Nutricionistas, e dá outras providências O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), no uso

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO CONTROLE INTERNO

GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO CONTROLE INTERNO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO CONTROLE INTERNO Análise Administrativa MÓDULO SIGEF Florianópolis, Julho 2015. 1 SUMÁRIO 1 ACESSO AO SIGEF... 3 2 LISTAR E IMPRIMIR OS GRUPOS DE RESTRIÇÃO... 4 3 LISTAR

Leia mais

PONTO a): PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE PONTO b): PRESCRIÇÃO EXECUTÓRIA

PONTO a): PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE PONTO b): PRESCRIÇÃO EXECUTÓRIA DIREITO PENAL PONTO 1: PRESCRIÇÃO PENAL PONTO a): PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE PONTO b): PRESCRIÇÃO EXECUTÓRIA PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE OU SUBSEQUENTE ART. 110, 1º 1, CP (pena justa). Lei 12234/06. A expressão

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 DJe de 17/06/2010 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 Dispõe quanto ao procedimento de habilitação de pretendentes

Leia mais

Curso de Capacitação ao Sistema CDV. - GID Desmanches -

Curso de Capacitação ao Sistema CDV. - GID Desmanches - Curso de Capacitação ao Sistema CDV - GID Desmanches - Coordenadoria de Gestão de Desmanches Divisão de Desmanches Conteúdo Módulo 1 Como utilizar o Moodle... 4 Módulo 2 - Acessando o GID CDV... 4 Aula

Leia mais