MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL"

Transcrição

1 MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL Autores: Henrique Baltazar Vilar dos Santos Fábio José Guedes de Sousa Sumário: 1. Início do processo:... 2 a. Recebimento de Processo de Execução Penal ou de Medida de Segurança;... 2 b. Recebimento de peças esparsas; Análise de peças processuais:... 2 a. Pena privativa de liberdade b. Pena restritiva de direitos c. Medida de Segurança Recebimento do Distribuidor Criminal: proceder à autuação a. Pena privativa de liberdade;... 2 b. Pena restritiva de direitos;... 3 c. Medida de Segurança; Unificação/soma de penas Expedir Guia de Execução Penal ou de Internação Extinção da punibilidade a. Morte do apenado b. Prescrição c. Cumprimento da pena... 4 d. Indulto Benefícios executórios a. Prisão domiciliar b. Progressão de regime c. Remição d. Comutação de penas e. Desinternação condicional f. Saída temporária g. Livramento condicional Perda de benefícios a. Regressão de regime b. Revogação de livramento condicional c. Revogação de Prisão domiciliar d. Saída temporária e. Indulto f. Revogação de Desinternação condicional Procedimento recursal Anexos - Fluxogramas... 8

2 1. Início do processo: receber peças processuais ou Processos de Execução Penal/Medidas de Segurança de outros Juízos Criminais. a. Recebimento de Processo de Execução Penal ou de Medida de Segurança; Verificar se o juízo é competente Caso o juízo não seja competente, devolver o processo ao juízo remetente; Remeter o processo ao Distribuidor Criminal para ser registrado e para atribuição de numeração (se existir na Comarca); Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); b. Recebimento de peças esparsas; Verificar se as peças recebidas referem-se à Execução Penal em andamento, a fim de evitar a duplicidade processual e a execução simultânea de penas diversas. Em caso positivo, proceder sua juntada (as peças processuais repetidas devem ser arquivadas, evitando o acréscimo de folhas inúteis ao processo). Em caso negativo, proceder a análise de peças processuais (item 2); 2. Análise de peças processuais: a. Pena privativa de liberdade. Verificar se o apenado está preso em estabelecimento prisional da Comarca; Se o apenado não estiver preso ou estiver preso em estabelecimento de outra comarca, devolver peças processuais ao juízo de origem (remetente); Estando preso em estabelecimento prisional da Comarca, verificar se recebidas as peças necessárias ao início da Execução Penal, conforme art. 106 da LEP e atos regulamentares do CNJ e da Corregedoria de Justiça do Tribunal de Justiça; Faltando peças necessárias, oficiar ao juízo de origem solicitando as peças faltantes e aguardar cinco dias para o recebimento. Em caso de não recebê-las, devolver as peças processuais ao juízo remetente. Se não faltarem peças, remeter ao Distribuidor Criminal; Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); b. Pena restritiva de direitos. Remeter ao Distribuidor Criminal; Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); c. Medida de Segurança. Verificar se o agente encontra-se internado em unidade de custódia do juízo; Se não o estiver internado ou se estiver internado em unidade de custódia de outro juízo, devolver peças processuais ao juízo de origem (remetente); Estando internado em unidade de custódia da Comarca, verificar se as peças necessárias ao início da Execução de Medida de Segurança, estão de acordo com as regras do art. 106 da LEP e atos regulamentares do CNJ e da Corregedoria de Justiça do Tribunal de Justiça; Faltando peças necessárias, oficiar ao juízo de origem solicitando as peças faltantes e aguardar cinco dias para o recebimento. Em caso de não recebê-las, devolver as peças processuais ao juízo remetente. Se não faltarem peças, remeter ao Distribuidor Criminal; Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); 3. Recebimento do Distribuidor Criminal: proceder à autuação. a. Pena privativa de liberdade; 2

3 Verificar se o apenado possui outras Execuções Penais em andamento; Caso exista(m) outra(s) EP, verificar se há duplicidade processual; Se houver duplicidade, juntar as peças no processo anterior e arquivar o novo; Se não houver, realizar procedimento para unificação de penas (item 4); Não existindo outra EP, expedir Guia de Execução Penal ou de Internação (item 5); b. Pena restritiva de direitos; Remeter para a CEPA; c. Medida de Segurança; Verificar se existem outras Medidas de Segurança em andamento; Caso exista(m) outra(s) MS, verificar se há duplicidade processual; Se houver duplicidade, juntar as peças no processo anterior e arquivar o novo; Se não houver, realizar procedimento para unificação de penas (item 4); Não existindo outra EP, expedir Guia de Execução Penal ou de Internação (item 5); 4. Unificação/soma de penas. Verificar os casos em que não se permite apensar processos para fins de unificação, quais sejam: quando a nova condenação se restringe apenas à aplicação de pena de multa ou restritiva de direitos (sendo exemplo a condenação pelo crime do art. 28 da Lei nº /07). Nestes casos, as execuções devem tramitar separadamente. Não sendo tais casos, apensar os processos; Abrir vista dos autos para o MP e Defesa sucessivamente pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão para o juiz decidir sobre unificação de penas; Se for o caso de cumprimento simultâneo das penas; Desapensar o processo referente à execução de pena restritiva de direitos; Remetê-lo à CEPA; Não sendo possível o cumprimento simultâneo; Converter/unificar ou somar as penas; Dar baixa no processo apensado; Expedir Guia de Execução Penal ou de Internação (item 5). 5. Expedir Guia de Execução Penal ou de Internação. Proceder conforme o caso: a. Tratando-se de pena privativa de liberdade, expedir Guia de Execução Penal. Encaminhar cópia ao apenado e à direção do estabelecimento prisional. b. Tratando-se de medida de segurança, expedir Guia de Internação. Remeter à UPCT a guia de internação, cópias da denúncia, sentença absolutória imprópria e acórdãos (se houver), certidão de trânsito em julgado, datas das prisões e solturas, bem como do último laudo pericial do ITEP, a fim de permitir o acompanhamento da execução de medida de segurança; Juntar documentos pertinentes aos autos; Verificar se o juízo ainda é competente para a execução da pena; Caso o juízo não seja mais competente, expedir ofício à SEJUC/CoAPe solicitando transferência; Transferido o apenado, remeter os autos ao juízo competente; Sendo o juízo competente, dar vistas ao MP e à Defesa pelo prazo sucessivo de cinco dias; Fazer conclusão para juiz analisar eventuais requerimentos; Cumprir conforme decisão judicial Aguardar o cumprimento da pena. 6. Extinção da punibilidade. a. Morte do apenado. Juntar aos autos a informação do óbito; 3

4 Oficiar aos Oficialatos de Registro de Pessoas Naturais, solicitando atestado de óbito; Aguardar o recebimento do atestado de óbito; Recebida certidão, dar vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Com a devolução, fazer conclusão; Juiz profere a sentença de extinção da punibilidade; Buscar devolução dos mandados de prisão, se houver; Dar ciência às partes e aguardar trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo; b. Prescrição. Elaborar relatório prescricional; Abrir vista do processo para o MP (exceto se este fez o pedido de declaração da prescrição); Devolvido o processo, fazer conclusão para o juiz decidir sobre a prescrição; Se prescrito, proferir sentença de extinção da punibilidade; Expedir Alvará de Soltura ou contra-mandado de prisão; Dar ciência às partes e trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo. Não ocorrida prescrição, proferir decisão interlocutória; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Aguardar cumprimento da pena; c. Cumprimento da pena Certificar o cumprimento da pena ou juntar requerimento; Expedir Alvará de Soltura ou contramandado de prisão, conforme o caso e se necessário; Abrir vista dos autos ao MP e à defesa pelo prazo sucessivo de cinco dias; Fazer conclusão para juiz decidir sobre a extinção da punibilidade; Se cumprida a pena, proferir sentença de extinção da punibilidade; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo; Não cumprida a pena, proferir decisão interlocutória; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Aguardar cumprimento da pena; d. Indulto. Receber pedido ou determinação de ofício; Encaminhar o processo ao Conselho Penitenciário; Devolvidos os autos, abrir vista às partes pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão para juiz decidir a extinção de punibilidade; Concedido o indulto, proferir sentença de extinção da punibilidade; Expedir Alvará de Soltura ou contramandado de prisão, conforme o caso; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo; Não cumprida a pena, proferir decisão interlocutória; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Aguardar cumprimento da pena; 4

5 7. Benefícios executórios. a. Prisão domiciliar. Receber pedido ou determinação de ofício; Abrir vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Sendo o parecer favorável, fazer conclusão para o juiz; Sendo desfavorável, dar vista para Defesa por cinco dias e então fazer conclusão; Se a decisão for concessiva do benefício, fazer as comunicações necessárias; Caso não haja concessão do benefício, proceder conforme determinado pelo magistrado. Intimar as partes da decisão; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. b. Progressão de regime. Receber pedido ou determinação de ofício; Expedir GEP atualizada, se for necessário para apreciar o pedido/determinação; Solicitar e aguardar recebimento de atestado de conduta carcerária, se não houver nos autos; Abrir vista dos autos ao MP, pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão dos autos para juiz analisar o pedido; Se o juiz requisitar exame criminológico, providenciar os ofícios necessários. Quando recebido os resultados do exame, fazer nova conclusão. Cumprir novas diligências se forem determinadas; Concedido o benefício, comunicar ao estabelecimento prisional e expedir nova GEP; se não concedido o benefício, proceder conforme determinado pelo magistrado. Intimar as partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. c. Remição. Receber pedido e/ou planilhas referentes ao tempo de trabalho/estudo; Autuar o incidente de remição; Realizar cálculos da remição; Abrir vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão ao juiz; Se os cálculos estiverem equivocados, determinar novos cálculos e vista dos autos MP; Decidida a remição, atualizar a GEP; Dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. d. Comutação de penas. Receber pedido ou determinação de ofício; Encaminhar o processo ao Conselho Penitenciário; Devolvidos os autos, abrir vista às partes pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão; Se concedido o benefício, atualizar GEP; caso negativo, proceder conforme determinado pelo magistrado. Dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. e. Desinternação condicional. Receber pedido ou determinação de ofício; Requisitar ao ITEP marcação do Exame de cessação de periculosidade; Oficiar a UPCT e intimar os parentes do inimputável para informar o dia e hora do exame; Com a juntada do laudo do exame, dar vista dos autos às partes pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão; Concedido o benefício, comunicar à UPCT, intimar o inimputável e seus parentes/responsáveis e expedir nova Guia de Internação atualizada; caso negativo, proceder conforme determinado pelo magistrado. Intimar às partes; 5

6 Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. f. Saída temporária. Receber pedido ou determinação de ofício; Requisitar ao estabelecimento listagem dos apenados que poderão ser beneficiados; Abrir vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão para o juiz decidir; Concedido o benefício, comunicar ao estabelecimento prisional; Em todo caso, dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. g. Livramento condicional. Receber pedido ou determinação de ofício; Expedir GEP atualizada, se for necessário para apreciar o pedido/determinação; Solicitar e aguardar recebimento de atestado de conduta carcerária, se não houver nos autos; Remeter processo ao Conselho Penitenciário se for necessário seu parecer; Abrir vista dos autos às partes, pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão; Concedido o benefício, realizar as seguintes diligências: Intimar o apenado acerca do benefício ou expedir alvará de soltura (no caso de preso); Expedir termo e carta de livramento condicional; Comunicar o Conselho Penitenciário para marcar cerimônia; Juntar cópia do termo de cerimônia Acompanhar o período de prova. Não concedido o benefício, dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. 8. Perda de benefícios. a. Regressão de regime. Juntar ofício comunicando a falta grave, ofício comunicando prática de nova conduta prevista como crime ou certidão; ou juntar sindicância realizada pelo estabelecimento prisional acerca da falta grave; Fazer conclusão para juiz decidir acerca da regressão provisória; Havendo regressão provisória: Comunicar ao estabelecimento prisional; Expedir mandado de prisão; Aguardar captura do apenado; Apenas com a captura do apenado, marcar audiência de justificação; Não ocorrendo regressão provisória, agendar audiência de justificação; No caso de fuga, juntar sindicância realizada pelo estabelecimento prisional após a recaptura; Realizada a audiência de justificação Conclusão para juiz decidir regressão definitiva; Intimar as partes da decisão; Havendo regressão definitiva, comunicar o estabelecimento prisional; Expedir mandado de prisão, se necessário; Atualizar GEP. Caso o Juízo Criminal entenda que não há motivos para a regressão definitiva, proceder conforme determinado. b. Revogação de livramento condicional. Fazer conclusão para juiz decidir acerca da suspensão do benefício; Havendo suspensão: Expedir mandado de prisão; Aguardar captura do apenado; Após a captura, marcar audiência de justificação; Não ocorrendo suspensão do benefício, agendar audiência de justificação; Juntar procedimento administrativo acerca da falta grave; Realizada a audiência de justificação, 6

7 Fazer conclusão; Intimar as partes da decisão; Havendo revogação do benefício: Expedir mandado de prisão, se necessário; Atualizar GEP; No caso de prorrogação do período de prova ou revisão das condições do benefício: Advertir o apenado; c. Revogação de Prisão domiciliar. Juntar informação recebida e fazer conclusão; Fazer conclusão para juiz decidir acerca da revogação liminar do benefício; Havendo revogação liminar: Expedir mandado de prisão ou intimar para cumprir a decisão; Aguardar captura do apenado; Com a captura, oficiar comunicando o regime prisional; Marcar audiência de justificação; Se não houver revogação liminar, marcar audiência de justificação; Realizada audiência, fazer conclusão; Intimar as partes; Revogado o benefício, expedir mandado de prisão, se necessário; Atualizar GEP; Caso não haja revogação do benefício, proceder conforme determinado pelo magistrado. d. Saída temporária. Juntar informação recebida e fazer conclusão; Decidir sobre revogação do benefício; Comunicar a parte, MP e estabelecimento prisional. e. Indulto. Fazer conclusão; Ouvir MP e defesa; Decidir conforme Decreto Presidencial; f. Revogação de Desinternação condicional. Juntar informação recebida e fazer conclusão para juiz decidir sobre internação cautelar; Decidida internação: Encaminhar inimputável à UPCT; Oficiar ao ITEP requisitando a realização do Exame de Cessação de Periculosidade; Comunicar partes e UPCT do dia de realização do Exame; Realizado o exame, fazer conclusão para juiz decidir; Intimar partes; Não havendo internação cautelar: Abrir vista às partes e ao MP; Fazer conclusão para juiz decidir; Determinada internação: Encaminhar inimputável à UPCT; Oficiar ao ITEP requisitando a realização do Exame de Cessação de Periculosidade; Comunicar partes e UPCT do dia de realização do Exame; 9. Procedimento recursal. Receber petição recursal; Certificar a tempestividade do recurso; Fazer conclusão para juiz decidir acerca dos pressupostos processuais do recurso; Não recebido o recurso, intimar recorrente e aguardar cumprimento da pena; Dado seguimento ao recurso, intimar recorrente para oferecer razões recursais, se for o caso; Intimar a outra parte para oferecer contra-razões do recurso; Aguardar prazo legal para oferecimento de contra-razões, conforme o caso; Fazer conclusão; 7

8 Se não houver juízo de retratação, formar instrumento e remetê-lo ao TJ/RN, mantendo os autos originais em trâmite na VEP para a execução da pena; Se houve juízo de retratação, intimar o agravado; Aguardar prazo de cinco dias; Se o agravado pedir para o agravo subir, formar instrumento e remetê-lo ao TJ/RN, mantendo os autos originais em trâmite na VEP para a execução da pena. 8

9 ANEXOS FLUXOGRAMAS 9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A UNIFORMIZAÇÃO DAS - NORMAS QUE DISCIPLINAM O INGRESSO E TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DIGITAIS NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

2. TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO PODER JUDICIÁRIO

2. TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO PODER JUDICIÁRIO 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Nacional de Justiça CNJ, a fim de melhorar os serviços prestados pela Justiça aos cidadãos, visando aprimorar a coleta de informações estatísticas essenciais ao planejamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

4.1 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CÍVEL 4.2 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CRIMINAL

4.1 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CÍVEL 4.2 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CRIMINAL 1 SUMÁRIO: 1. APRESENTAÇÃO 2. TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO PODER JUDICIÁRIO 3. TABELA DE CLASSES PROCESSUAIS 4. TABELA DE ASSUNTOS PROCESSUAIS 4.1 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CÍVEL

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNÇÃO CORRECIONAL

CAPÍTULO I DA FUNÇÃO CORRECIONAL CAP. I - 1 CAPÍTULO I DA FUNÇÃO CORRECIONAL 1. A função correcional consiste na fiscalização das serventias judiciais e extrajudiciais e seus serviços auxiliares, da polícia judiciária e dos presídios,

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ 1 MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ INTRODUÇÃO Destina-se o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) a organizar, coordenar e supervisionar o estágio obrigatório para os quatro últimos semestres do curso,

Leia mais

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre o acesso às peças digitais da consulta processual e o recebimento de Petição, por meio eletrônico, no âmbito da Primeira Região. O PRESIDENTE

Leia mais

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013.

Esta Rotina Administrativa (RAD) se aplica aos Juizados Especiais Cíveis, passando a vigorar a partir de 18/10/2013. Proposto por: Equipe do Juizado Especial Cível Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS Coordenador) Aprovado por: Juiz Direito Coordenador do SIGA/JEC 1 OBJETIVO Estabelecer critérios

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL Este questionário objetiva diagnosticar a realidade dos tribunais em relação às aprovadas no II Encontro Nacional do Judiciário, bem como subsidiar medidas concretas a serem adotadas

Leia mais

III FONACRIM ENUNCIADOS APROVADOS

III FONACRIM ENUNCIADOS APROVADOS III FONACRIM ENUNCIADOS APROVADOS 1. No curso da instrução criminal, caso o MPF, intimado para tanto, não demonstre a existência de circunstâncias que possam importar na fixação da eventual pena eventual

Leia mais

MANUAL DE ATUAÇÃO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA NA EXECUÇÃO PENAL

MANUAL DE ATUAÇÃO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA NA EXECUÇÃO PENAL 8º Centro de Apoio às Promotorias de Execução Penal C r i s t i a n o d o s S a n t o s L a j o i a G a r c i a MANUAL DE ATUAÇÃO DO PROMOTOR DE JUSTIÇA NA EXECUÇÃO PENAL Apresentação O surgimento de

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROVIMENTO

LEGISLAÇÃO PROVIMENTO PROVIMENTO 05/2005 dispõe sobre a uniformização dos procedimentos relativos à inscrição, habilitação, cadastramento e atualização de dados dos pretendentes à adoção residentes no Estado de São Paulo O

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e

Leia mais

CIRCULAR CGJ N. 57, DE 30 DE ABRIL DE 2015.

CIRCULAR CGJ N. 57, DE 30 DE ABRIL DE 2015. CIRCULAR CGJ N. 57, DE 30 DE ABRIL DE 2015. ANÁLISE DA REGULARIDADE DOS RECOLHIMENTOS DE CUSTAS JUDICIAIS EM PROCESSOS QUE TENHAM COMO REPRESENTANTE O ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA JCS JUNIOR. SPA - PROCESSO

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos.

Estabelecer critérios e procedimentos para digitação de documentos. Proposto por: Equipe da Central de Assessoramento Criminal DIGITAR DOCUMENTOS Analisado por: Escrivão/RE da Central de Assessoramento Criminal Aprovado por: ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet

Leia mais

Tribunal de Justiça de Pernambuco Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação. Manual Interno Release 2.2.2.0 JudWin 1 o grau V1.

Tribunal de Justiça de Pernambuco Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação. Manual Interno Release 2.2.2.0 JudWin 1 o grau V1. Tribunal de Justiça de Pernambuco Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Manual Interno Release 2.2.2.0 JudWin 1 o grau V1.0 Recife 2010 Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA Diretoria de Modernização Judiciária Aracaju, 29 de agosto de 2008 1 1 APRESENTAÇÃO Este Manual tem por escopo apresentar

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 23/05/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 24/04/2012 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 106.942 GOIÁS RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. JOAQUIM BARBOSA :SUPERIOR

Leia mais

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto 1. Introdução O projeto do Mutirão Carcerário, iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2008 a partir da vigência da Resolução Conjunta nº 01/2009 do CNJ/CNMP e Resolução nº 89/2009 do CNJ,

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO PSQM-DO-005 05 USO DE CERTIFICADOS E LOGOMARCA 1 de 6 HISTÓRICO DAS REVISÕES Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica Aprovação Data 01 Emissão Inicial Diretoria de Operações - Presidência 27/07/06

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 06/2015. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso das atribuições legais e regimentais,

RECOMENDAÇÃO Nº 06/2015. A Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Regina Ferrari, no uso das atribuições legais e regimentais, RECOMENDAÇÃO Nº 06/2015 Estabelece fluxo de procedimento para a utilização de monitoramento eletrônico para a fiscalização do cumprimento de condições fixadas em decisão judicial. A Corregedora-Geral da

Leia mais

ANO V EDIÇÃO nº 1209 SEÇÃO II

ANO V EDIÇÃO nº 1209 SEÇÃO II ANO V - EDIÇÃO Nº 1209 - SEÇÃO II DISPONIBILIZAÇÃO: quarta-feira, 19/12/2012 PUBLICAÇÃO: quinta-feira, 20/12/2012 ANO V EDIÇÃO nº 1209 SEÇÃO II DISPONIBILIZAÇÃO: quarta-feira, 19 de dezembro de 2012 PUBLICAÇÃO:

Leia mais

Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências.

Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências. Publicada no DJE, N. 190/2010, em 15/10/2010, pág. 1 3. RESOLUÇÃO N. 044/2010-PR Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

LC 114/05. 1. Só fazer qualquer procedimento mediante Ordem de Serviço (OS) investigar, intimar, cumprir mandado de prisão etc.

LC 114/05. 1. Só fazer qualquer procedimento mediante Ordem de Serviço (OS) investigar, intimar, cumprir mandado de prisão etc. 1. Só fazer qualquer procedimento mediante Ordem de Serviço (OS) investigar, intimar, cumprir mandado de prisão etc. INCUMBE: II - no exercício da atividade policial judiciária: a) planejar, coordenar,

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 38/2012 Dispõe sobre o envio, por meio eletrônico, através do Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e em andamento de processos físicos que tramitam na primeira instância

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO Dá nova redação ao artigo 86 e revoga o 1º do artigo 247 e o inciso XII do artigo 187, todos do Regimento Interno do TCE/RO, relativos à vista, carga e devolução de processos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) EMENTA: Orienta os juízes sobre a competência do Juizado de Violência Doméstica

Leia mais

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5.

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5. Art. 323. Não será concedida fiança: I nos crimes punidos com pena de reclusão, salvo ao réu maior de setenta anos ou menor de vinte e um, no caso de não ser superior a dois anos o máximo da pena cominada;

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais.

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais. Proposto por: Equipe da 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS) Aprovado por: Juiz de Direito 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital 1 OBJETIVO

Leia mais

2.950/2003 RAD-DGADM-037

2.950/2003 RAD-DGADM-037 CREDENCIAR, RENOVAR CREDENCIAMENTO E DESCREDENCIAR COLABORADORES E ORIENTADORES VOLUNTÁRIOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DO IDOSO Proposto por: Serviço de Apoio aos Comissários de Varas da Infância, da Juventude

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) EMENTA: Implanta o Sistema Processo Judicial Eletrônico-PJe nas Varas Cíveis da Capital e dá outras providências. O Presidente do Tribunal de Justiça

Leia mais

Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS

Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS CÓDIGO DE NORMAS 1 Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS N.º de ordem N.º distribuição Data Nome Filiação Artigo Apreensão Fiança recebimento da denúncia suspensão

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros 2.2.1 - Quando da lavratura dos atos das serventias, serão utilizados papéis com fundo inteiramente branco, salvo disposição expressa em contrário. A escrituração

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM PROVIMENTO N. 23/2015-CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda Instância

Leia mais

CONTROLE DE AUDIÊNCIA

CONTROLE DE AUDIÊNCIA CONTROLE DE AUDIÊNCIA Natal/RN - Setembro de 2015 Bem vindo ao Pje O Processo Judicial Eletrônico (PJe) projeto do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) é um sistema de informação que permite a prática de

Leia mais

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (...), na Rua (...), nº.

Leia mais

PROCESSAR E ENCAMINHAR CARTA ROGATÓRIA A OU PEDIDO DE EXTRADIÇÃO 1 OBJETIVO

PROCESSAR E ENCAMINHAR CARTA ROGATÓRIA A OU PEDIDO DE EXTRADIÇÃO 1 OBJETIVO PROCESSAR E ENCAMINHAR CARTA ROGATÓRIA A OU PEDIDO DE Proposto por: Equipe do Serviço de Rogatórias, Extradições e Interpretação Analisado por: Diretor do Departamento de Instrução Processual (DEINP) Aprovado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo JUSTIÇA FEDERAL. Atualizado em 08/05/2012 RECOLHIMENTO DE CUSTAS PROCESSUAIS

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo JUSTIÇA FEDERAL. Atualizado em 08/05/2012 RECOLHIMENTO DE CUSTAS PROCESSUAIS JUSTIÇA FEDERAL Atualizado em 08/05/2012 RECOLHIMENTO DE CUSTAS PROCESSUAIS (EXCLUSIVAMENTE NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL) TABELA DE CÓDIGOS E UNIDADES GESTORAS (Resolução nº 426/11-CA-TRF3 que altera Resolução

Leia mais

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: AUTUAÇÃO, MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 109/2013, de 01/07/2013 VIGÊNCIA: 01/07/2013 NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 Regulamenta o meio eletrônico de tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais no Supremo Tribunal Federal (e-stf) e dá

Leia mais

PROVIMENTO Nº 29/2005

PROVIMENTO Nº 29/2005 PROVIMENTO Nº 29/2005 Atualiza a disciplina da Seção IV, do Capítulo IX, do Tomo I, das Normas de Serviço da Corregedoria: subdividindo-a em Subseção I (itens 29 a 45-A) e Subseção II (itens 45-B a 45-O);

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE RECOLHIMENTO (Provimento n.º 33/2008-CGJ)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE RECOLHIMENTO (Provimento n.º 33/2008-CGJ) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE RECOLHIMENTO (Provimento n.º 33/2008-CGJ) Acessar o site do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso (www.tjmt.jus.br/servicos/guias) Atos da Primeira

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM PROVIMENTO N. 11/2016-CM Institui o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário GMF de que trata a Resolução n. 96, de 27-10-2009 e a Resolução n. 214, de 15-12-2015, ambas do Conselho

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORREGEDORIA-GERAL

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORREGEDORIA-GERAL PORTARIA CGDP Nº 001, de 26 de janeiro de 2015. Altera o modelo do relatório mensal de atividade RMA para fins estatísticos no âmbito da Defensoria Pública. O CORREGEDOR GERAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

MANUAL ANTICORRUPÇÃO Revisão: 00

MANUAL ANTICORRUPÇÃO Revisão: 00 MANUAL ANTICORRUPÇÃO Revisão: 00 Data: 03//2016 Palavras chave: Anticorrupção 1. INTRODUÇÃO O presente Manual Anticorrupção tem por objetivo disseminar entre os seus colaboradores, fornecedores, parceiros,

Leia mais

PARECER. Em suma, as providências postuladas pelo parquet federal referemse aos seguintes fatores:

PARECER. Em suma, as providências postuladas pelo parquet federal referemse aos seguintes fatores: PARECER Proposta de especialização de varas com competência para processar ações relacionadas aos interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos, e de outras providências relacionadas ao bom andamento

Leia mais

.Tribunal de Justiça do Estado de Roraima.Corregedoria-Geral de Justiça Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros

.Tribunal de Justiça do Estado de Roraima.Corregedoria-Geral de Justiça Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros PROVIMENTO CGJ Nº. 002/2014.Tribunal de Justiça do Estado de Roraima Institui o Código de Normas da Corregedoria-Geral de Justiça e dá outras providências O Desembargador Ricardo Oliveira, Corregedor-Geral

Leia mais

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e RESOLUÇÃO Nº 20/2004 - CPJ Cria a CENTRAL DE ACOMPANHAMENTO DE INQUÉRITOS POLICIAIS E CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL, no âmbito do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA 1 CONCEITO Ao servidor efetivo que, por motivo de doença do cônjuge, parente (pais, irmãos, avós, filhos

Leia mais

Memorando nº 08/2015 Em 07 de Maio de 2015

Memorando nº 08/2015 Em 07 de Maio de 2015 DESTINATÁRIO (S): ASSUNTO: Aos Senhores Magistrados e Servidores das Varas com competência Criminal, Juizado Especial Criminal e de Execução de Penas e Medidas Alternativas Instrução Normativa Conjunta

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 660.284 - SP (2004/0071142-4) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : PANAMERICANO ARRENDAMENTO MERCANTIL S/A : MANUEL MAGNO ALVES E OUTROS : ALEXANDRE ALMADA DANTAS

Leia mais

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão Ação Institucional Atividades associadas a criança/adolescente Fluxo Fatos concretos Referência legal Decisão Ações junto as famílias e comunidade Observações Indicação externa Alerta para guia (Curto-circuito)

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

SINOREG-SP GESTOR DO FUNDO DE CUSTEIO DO REGISTRO CIVIL

SINOREG-SP GESTOR DO FUNDO DE CUSTEIO DO REGISTRO CIVIL SINOREG-SP GESTOR DO FUNDO DE CUSTEIO DO REGISTRO CIVIL MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DOS ATOS GRATUITOS E DA COMPLEMENTAÇÃO DA RECEITA MÍNIMA DOS CARTÓRIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 13/2009.

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 13/2009. CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO Nº 13/2009. DISPÕE SOBRE ATOS DO JUIZ E ATOS ORDINATÓRIOS QUE DEVEM SER PRATICADOS PELO ESCRIVÃO, CHEFE DE SECRETARIA OU SERVIDOR DEVIDAMENTE AUTORIZADO, INDEPENDENTE

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL 1ª Vara Federal de Guarulhos 19ª Subseção Judiciária de São Paulo

JUSTIÇA FEDERAL 1ª Vara Federal de Guarulhos 19ª Subseção Judiciária de São Paulo 1 PORTARIA Nº 26/2006 A DOUTORA CLAUDIA MANTOVANI ARRUGA, JUÍZA FEDERAL DA PRIMEIRA VARA FEDERAL DE GUARULHOS - 19ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais e regulamentares,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS O Doutor ANDRÉ GUASTI MOTTA, MM Juiz de Direito Titular da Comarca de Boca da

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 182 DE 09 DE SETEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N.º 182 DE 09 DE SETEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N.º 182 DE 09 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre uniformização do procedimento administrativo para imposição das penalidades de suspensão do direito de dirigir e de cassação da Carteira Nacional

Leia mais

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA 2/2015 O Prof. Ms. Márcio Franklin Nogueira, Coordenador do Curso de Direito, tendo em conta mudança na sistemática de agendamento e cômputo de horas das atividades de prática jurídica, agora

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO Poder Judiciário RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Trata-se de Petição em Habeas Corpus, impetrado em favor de José Dias Monteiro Neto, pugnando pela suspensão da imposição

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016. DISPÕE SOBRE A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE VIDEOCONFERÊNCIA PARA REALIZAÇÃO DE AUDIÊNCIAS NO ÂMBITO DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

Código: MAP-COGER-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-COGER-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-COGER-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Serviços Auxiliares Aprovado por: Corregedoria Geral da Justiça 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios e procedimentos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3 3 PROCEDIMENTO

Leia mais

Processo n.º 1024/2015 Data do acórdão: 2016-1-7

Processo n.º 1024/2015 Data do acórdão: 2016-1-7 Processo n.º 1024/2015 Data do acórdão: 2016-1-7 (Autos em recurso penal) Assuntos: suspensão do prazo da prescrição da multa art. o 117. o, n. o 1, alínea a), do Código Penal processo de cobrança coerciva

Leia mais

Artigo 1 - A Assessoria Jurídica ASJUR, órgão auxiliar e assistencial, vinculado à Diretoria Jurídica do SindMédico-DF, destina-se:

Artigo 1 - A Assessoria Jurídica ASJUR, órgão auxiliar e assistencial, vinculado à Diretoria Jurídica do SindMédico-DF, destina-se: RESOLUÇÃO Nº 3/2007 Aprova o Regulamento da Assessoria Jurídica ASJUR, que dispõe sobre a assistência jurídica e judicial aos médicos sindicalizados e dá outras providências. A Diretoria do Sindicato dos

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte III. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte III. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte III Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 Processo Administrativo Fiscal Decreto nº 70.235, de 1972. (Leis nº 8.748, de 1993; nº 9.532, de 1997 e MP nº 2.158-35, de

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Estado de São Paulo DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Seção de Licitações e Contratos

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Estado de São Paulo DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Seção de Licitações e Contratos INSTRUÇÕES GERAIS PARA OBTENÇÃO DO C.R.C. (CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL), CONFORME DISPOSTO NA LEI Nº 8.666/93 1. CADASTRAMENTO 1.1 PROCEDIMENTO 1.1.1 A empresa interessada em obter o Certificado

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários.

Estabelecer critérios e procedimentos para atendimento à solicitação de informações formulada por usuários. Proposto por: Juiz de Direito Analisado por: Integrante da Comissão de Gestão Estratégica (COGES) Aprovado por: Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ) ATENÇÃO: A cópia impressa a

Leia mais

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN 48 Vara Federal - 198 Subseção Judiciária - Guarulhos/SP PORTARIA n 004/2006 o Dr. ALESSANDRO DIAFERIA, MM. Juiz Federal da 48 Vara de Guarulhos - 198 Subseção Judiciária do Estado de São Paulo, no uso

Leia mais

Livro: Incidentes e Proced. Criminais Diversos. Tipo de Ação: Auto de Prisão em Flagrante >Procedimentos Investigatórios >PROCESSO CRIMINAL

Livro: Incidentes e Proced. Criminais Diversos. Tipo de Ação: Auto de Prisão em Flagrante >Procedimentos Investigatórios >PROCESSO CRIMINAL Gerado em: 22/06/2015 15:11 Código: 233442 Processo Nº: 0 / 2015 Tipo: Crime Lotação: Segunda Vara Criminal Assunto: Livro: Incidentes e Proced. Criminais Diversos Juiz(a) atual:: Débora Roberta Pain Caldas

Leia mais

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGADM-032 02 1 de 20

Ato Executivo nº 2.950/2003 RAD-DGADM-032 02 1 de 20 RESTRITOS E DE SENHAS DE SISTEMAS DE ÓRGÃOS Proposto por: Serviço de Informações e Apoio a Convênios com Intercâmbio de Dados (SEIAC) Analisado por: Departamento de Suporte Operacional (DESOP) Aprovado

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 8.407 DE 18/12/2014 REGULAMENTA O CADASTRAMENTO DE PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS NA DIVISÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES E PRESTADORES DE SERVIÇOS DICAD, SETOR INTEGRANTE DA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências.

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências. Código: MAP-ASMIL-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e

Leia mais