MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL"

Transcrição

1 MANUAL PRÁTICO DE ROTINAS DAS VARAS CRIMINAIS PROCESSO DE EXECUÇÃO PENAL Autores: Henrique Baltazar Vilar dos Santos Fábio José Guedes de Sousa Sumário: 1. Início do processo:... 2 a. Recebimento de Processo de Execução Penal ou de Medida de Segurança;... 2 b. Recebimento de peças esparsas; Análise de peças processuais:... 2 a. Pena privativa de liberdade b. Pena restritiva de direitos c. Medida de Segurança Recebimento do Distribuidor Criminal: proceder à autuação a. Pena privativa de liberdade;... 2 b. Pena restritiva de direitos;... 3 c. Medida de Segurança; Unificação/soma de penas Expedir Guia de Execução Penal ou de Internação Extinção da punibilidade a. Morte do apenado b. Prescrição c. Cumprimento da pena... 4 d. Indulto Benefícios executórios a. Prisão domiciliar b. Progressão de regime c. Remição d. Comutação de penas e. Desinternação condicional f. Saída temporária g. Livramento condicional Perda de benefícios a. Regressão de regime b. Revogação de livramento condicional c. Revogação de Prisão domiciliar d. Saída temporária e. Indulto f. Revogação de Desinternação condicional Procedimento recursal Anexos - Fluxogramas... 8

2 1. Início do processo: receber peças processuais ou Processos de Execução Penal/Medidas de Segurança de outros Juízos Criminais. a. Recebimento de Processo de Execução Penal ou de Medida de Segurança; Verificar se o juízo é competente Caso o juízo não seja competente, devolver o processo ao juízo remetente; Remeter o processo ao Distribuidor Criminal para ser registrado e para atribuição de numeração (se existir na Comarca); Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); b. Recebimento de peças esparsas; Verificar se as peças recebidas referem-se à Execução Penal em andamento, a fim de evitar a duplicidade processual e a execução simultânea de penas diversas. Em caso positivo, proceder sua juntada (as peças processuais repetidas devem ser arquivadas, evitando o acréscimo de folhas inúteis ao processo). Em caso negativo, proceder a análise de peças processuais (item 2); 2. Análise de peças processuais: a. Pena privativa de liberdade. Verificar se o apenado está preso em estabelecimento prisional da Comarca; Se o apenado não estiver preso ou estiver preso em estabelecimento de outra comarca, devolver peças processuais ao juízo de origem (remetente); Estando preso em estabelecimento prisional da Comarca, verificar se recebidas as peças necessárias ao início da Execução Penal, conforme art. 106 da LEP e atos regulamentares do CNJ e da Corregedoria de Justiça do Tribunal de Justiça; Faltando peças necessárias, oficiar ao juízo de origem solicitando as peças faltantes e aguardar cinco dias para o recebimento. Em caso de não recebê-las, devolver as peças processuais ao juízo remetente. Se não faltarem peças, remeter ao Distribuidor Criminal; Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); b. Pena restritiva de direitos. Remeter ao Distribuidor Criminal; Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); c. Medida de Segurança. Verificar se o agente encontra-se internado em unidade de custódia do juízo; Se não o estiver internado ou se estiver internado em unidade de custódia de outro juízo, devolver peças processuais ao juízo de origem (remetente); Estando internado em unidade de custódia da Comarca, verificar se as peças necessárias ao início da Execução de Medida de Segurança, estão de acordo com as regras do art. 106 da LEP e atos regulamentares do CNJ e da Corregedoria de Justiça do Tribunal de Justiça; Faltando peças necessárias, oficiar ao juízo de origem solicitando as peças faltantes e aguardar cinco dias para o recebimento. Em caso de não recebê-las, devolver as peças processuais ao juízo remetente. Se não faltarem peças, remeter ao Distribuidor Criminal; Com a devolução do Distribuidor, proceder a autuação (item 3); 3. Recebimento do Distribuidor Criminal: proceder à autuação. a. Pena privativa de liberdade; 2

3 Verificar se o apenado possui outras Execuções Penais em andamento; Caso exista(m) outra(s) EP, verificar se há duplicidade processual; Se houver duplicidade, juntar as peças no processo anterior e arquivar o novo; Se não houver, realizar procedimento para unificação de penas (item 4); Não existindo outra EP, expedir Guia de Execução Penal ou de Internação (item 5); b. Pena restritiva de direitos; Remeter para a CEPA; c. Medida de Segurança; Verificar se existem outras Medidas de Segurança em andamento; Caso exista(m) outra(s) MS, verificar se há duplicidade processual; Se houver duplicidade, juntar as peças no processo anterior e arquivar o novo; Se não houver, realizar procedimento para unificação de penas (item 4); Não existindo outra EP, expedir Guia de Execução Penal ou de Internação (item 5); 4. Unificação/soma de penas. Verificar os casos em que não se permite apensar processos para fins de unificação, quais sejam: quando a nova condenação se restringe apenas à aplicação de pena de multa ou restritiva de direitos (sendo exemplo a condenação pelo crime do art. 28 da Lei nº /07). Nestes casos, as execuções devem tramitar separadamente. Não sendo tais casos, apensar os processos; Abrir vista dos autos para o MP e Defesa sucessivamente pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão para o juiz decidir sobre unificação de penas; Se for o caso de cumprimento simultâneo das penas; Desapensar o processo referente à execução de pena restritiva de direitos; Remetê-lo à CEPA; Não sendo possível o cumprimento simultâneo; Converter/unificar ou somar as penas; Dar baixa no processo apensado; Expedir Guia de Execução Penal ou de Internação (item 5). 5. Expedir Guia de Execução Penal ou de Internação. Proceder conforme o caso: a. Tratando-se de pena privativa de liberdade, expedir Guia de Execução Penal. Encaminhar cópia ao apenado e à direção do estabelecimento prisional. b. Tratando-se de medida de segurança, expedir Guia de Internação. Remeter à UPCT a guia de internação, cópias da denúncia, sentença absolutória imprópria e acórdãos (se houver), certidão de trânsito em julgado, datas das prisões e solturas, bem como do último laudo pericial do ITEP, a fim de permitir o acompanhamento da execução de medida de segurança; Juntar documentos pertinentes aos autos; Verificar se o juízo ainda é competente para a execução da pena; Caso o juízo não seja mais competente, expedir ofício à SEJUC/CoAPe solicitando transferência; Transferido o apenado, remeter os autos ao juízo competente; Sendo o juízo competente, dar vistas ao MP e à Defesa pelo prazo sucessivo de cinco dias; Fazer conclusão para juiz analisar eventuais requerimentos; Cumprir conforme decisão judicial Aguardar o cumprimento da pena. 6. Extinção da punibilidade. a. Morte do apenado. Juntar aos autos a informação do óbito; 3

4 Oficiar aos Oficialatos de Registro de Pessoas Naturais, solicitando atestado de óbito; Aguardar o recebimento do atestado de óbito; Recebida certidão, dar vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Com a devolução, fazer conclusão; Juiz profere a sentença de extinção da punibilidade; Buscar devolução dos mandados de prisão, se houver; Dar ciência às partes e aguardar trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo; b. Prescrição. Elaborar relatório prescricional; Abrir vista do processo para o MP (exceto se este fez o pedido de declaração da prescrição); Devolvido o processo, fazer conclusão para o juiz decidir sobre a prescrição; Se prescrito, proferir sentença de extinção da punibilidade; Expedir Alvará de Soltura ou contra-mandado de prisão; Dar ciência às partes e trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo. Não ocorrida prescrição, proferir decisão interlocutória; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Aguardar cumprimento da pena; c. Cumprimento da pena Certificar o cumprimento da pena ou juntar requerimento; Expedir Alvará de Soltura ou contramandado de prisão, conforme o caso e se necessário; Abrir vista dos autos ao MP e à defesa pelo prazo sucessivo de cinco dias; Fazer conclusão para juiz decidir sobre a extinção da punibilidade; Se cumprida a pena, proferir sentença de extinção da punibilidade; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo; Não cumprida a pena, proferir decisão interlocutória; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Aguardar cumprimento da pena; d. Indulto. Receber pedido ou determinação de ofício; Encaminhar o processo ao Conselho Penitenciário; Devolvidos os autos, abrir vista às partes pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão para juiz decidir a extinção de punibilidade; Concedido o indulto, proferir sentença de extinção da punibilidade; Expedir Alvará de Soltura ou contramandado de prisão, conforme o caso; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Transitada em julgado a sentença, expedir ofícios de baixa para o ITEP e TRE; Dar baixa do processo no SAJ/PG; Arquivar processo; Não cumprida a pena, proferir decisão interlocutória; Dar ciência às partes e aguardar o trânsito em julgado; Se houver recurso, seguir para procedimento recursal (item 9); Aguardar cumprimento da pena; 4

5 7. Benefícios executórios. a. Prisão domiciliar. Receber pedido ou determinação de ofício; Abrir vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Sendo o parecer favorável, fazer conclusão para o juiz; Sendo desfavorável, dar vista para Defesa por cinco dias e então fazer conclusão; Se a decisão for concessiva do benefício, fazer as comunicações necessárias; Caso não haja concessão do benefício, proceder conforme determinado pelo magistrado. Intimar as partes da decisão; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. b. Progressão de regime. Receber pedido ou determinação de ofício; Expedir GEP atualizada, se for necessário para apreciar o pedido/determinação; Solicitar e aguardar recebimento de atestado de conduta carcerária, se não houver nos autos; Abrir vista dos autos ao MP, pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão dos autos para juiz analisar o pedido; Se o juiz requisitar exame criminológico, providenciar os ofícios necessários. Quando recebido os resultados do exame, fazer nova conclusão. Cumprir novas diligências se forem determinadas; Concedido o benefício, comunicar ao estabelecimento prisional e expedir nova GEP; se não concedido o benefício, proceder conforme determinado pelo magistrado. Intimar as partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. c. Remição. Receber pedido e/ou planilhas referentes ao tempo de trabalho/estudo; Autuar o incidente de remição; Realizar cálculos da remição; Abrir vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão ao juiz; Se os cálculos estiverem equivocados, determinar novos cálculos e vista dos autos MP; Decidida a remição, atualizar a GEP; Dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. d. Comutação de penas. Receber pedido ou determinação de ofício; Encaminhar o processo ao Conselho Penitenciário; Devolvidos os autos, abrir vista às partes pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão; Se concedido o benefício, atualizar GEP; caso negativo, proceder conforme determinado pelo magistrado. Dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. e. Desinternação condicional. Receber pedido ou determinação de ofício; Requisitar ao ITEP marcação do Exame de cessação de periculosidade; Oficiar a UPCT e intimar os parentes do inimputável para informar o dia e hora do exame; Com a juntada do laudo do exame, dar vista dos autos às partes pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão; Concedido o benefício, comunicar à UPCT, intimar o inimputável e seus parentes/responsáveis e expedir nova Guia de Internação atualizada; caso negativo, proceder conforme determinado pelo magistrado. Intimar às partes; 5

6 Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. f. Saída temporária. Receber pedido ou determinação de ofício; Requisitar ao estabelecimento listagem dos apenados que poderão ser beneficiados; Abrir vista dos autos ao MP pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão para o juiz decidir; Concedido o benefício, comunicar ao estabelecimento prisional; Em todo caso, dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. g. Livramento condicional. Receber pedido ou determinação de ofício; Expedir GEP atualizada, se for necessário para apreciar o pedido/determinação; Solicitar e aguardar recebimento de atestado de conduta carcerária, se não houver nos autos; Remeter processo ao Conselho Penitenciário se for necessário seu parecer; Abrir vista dos autos às partes, pelo prazo de cinco dias; Fazer conclusão; Concedido o benefício, realizar as seguintes diligências: Intimar o apenado acerca do benefício ou expedir alvará de soltura (no caso de preso); Expedir termo e carta de livramento condicional; Comunicar o Conselho Penitenciário para marcar cerimônia; Juntar cópia do termo de cerimônia Acompanhar o período de prova. Não concedido o benefício, dar ciência da decisão às partes; Havendo recurso, seguir para procedimento recursal. 8. Perda de benefícios. a. Regressão de regime. Juntar ofício comunicando a falta grave, ofício comunicando prática de nova conduta prevista como crime ou certidão; ou juntar sindicância realizada pelo estabelecimento prisional acerca da falta grave; Fazer conclusão para juiz decidir acerca da regressão provisória; Havendo regressão provisória: Comunicar ao estabelecimento prisional; Expedir mandado de prisão; Aguardar captura do apenado; Apenas com a captura do apenado, marcar audiência de justificação; Não ocorrendo regressão provisória, agendar audiência de justificação; No caso de fuga, juntar sindicância realizada pelo estabelecimento prisional após a recaptura; Realizada a audiência de justificação Conclusão para juiz decidir regressão definitiva; Intimar as partes da decisão; Havendo regressão definitiva, comunicar o estabelecimento prisional; Expedir mandado de prisão, se necessário; Atualizar GEP. Caso o Juízo Criminal entenda que não há motivos para a regressão definitiva, proceder conforme determinado. b. Revogação de livramento condicional. Fazer conclusão para juiz decidir acerca da suspensão do benefício; Havendo suspensão: Expedir mandado de prisão; Aguardar captura do apenado; Após a captura, marcar audiência de justificação; Não ocorrendo suspensão do benefício, agendar audiência de justificação; Juntar procedimento administrativo acerca da falta grave; Realizada a audiência de justificação, 6

7 Fazer conclusão; Intimar as partes da decisão; Havendo revogação do benefício: Expedir mandado de prisão, se necessário; Atualizar GEP; No caso de prorrogação do período de prova ou revisão das condições do benefício: Advertir o apenado; c. Revogação de Prisão domiciliar. Juntar informação recebida e fazer conclusão; Fazer conclusão para juiz decidir acerca da revogação liminar do benefício; Havendo revogação liminar: Expedir mandado de prisão ou intimar para cumprir a decisão; Aguardar captura do apenado; Com a captura, oficiar comunicando o regime prisional; Marcar audiência de justificação; Se não houver revogação liminar, marcar audiência de justificação; Realizada audiência, fazer conclusão; Intimar as partes; Revogado o benefício, expedir mandado de prisão, se necessário; Atualizar GEP; Caso não haja revogação do benefício, proceder conforme determinado pelo magistrado. d. Saída temporária. Juntar informação recebida e fazer conclusão; Decidir sobre revogação do benefício; Comunicar a parte, MP e estabelecimento prisional. e. Indulto. Fazer conclusão; Ouvir MP e defesa; Decidir conforme Decreto Presidencial; f. Revogação de Desinternação condicional. Juntar informação recebida e fazer conclusão para juiz decidir sobre internação cautelar; Decidida internação: Encaminhar inimputável à UPCT; Oficiar ao ITEP requisitando a realização do Exame de Cessação de Periculosidade; Comunicar partes e UPCT do dia de realização do Exame; Realizado o exame, fazer conclusão para juiz decidir; Intimar partes; Não havendo internação cautelar: Abrir vista às partes e ao MP; Fazer conclusão para juiz decidir; Determinada internação: Encaminhar inimputável à UPCT; Oficiar ao ITEP requisitando a realização do Exame de Cessação de Periculosidade; Comunicar partes e UPCT do dia de realização do Exame; 9. Procedimento recursal. Receber petição recursal; Certificar a tempestividade do recurso; Fazer conclusão para juiz decidir acerca dos pressupostos processuais do recurso; Não recebido o recurso, intimar recorrente e aguardar cumprimento da pena; Dado seguimento ao recurso, intimar recorrente para oferecer razões recursais, se for o caso; Intimar a outra parte para oferecer contra-razões do recurso; Aguardar prazo legal para oferecimento de contra-razões, conforme o caso; Fazer conclusão; 7

8 Se não houver juízo de retratação, formar instrumento e remetê-lo ao TJ/RN, mantendo os autos originais em trâmite na VEP para a execução da pena; Se houve juízo de retratação, intimar o agravado; Aguardar prazo de cinco dias; Se o agravado pedir para o agravo subir, formar instrumento e remetê-lo ao TJ/RN, mantendo os autos originais em trâmite na VEP para a execução da pena. 8

9 ANEXOS FLUXOGRAMAS 9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

OAB 2ª Fase de Direito Penal Penal Agravo em Execução Emerson Castelo Branco

OAB 2ª Fase de Direito Penal Penal Agravo em Execução Emerson Castelo Branco OAB 2ª Fase de Direito Penal Penal Agravo em Execução Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 3. AGRAVO EM EXECUÇÃO 3. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO

Leia mais

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha

OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha OAB 2ª Fase Processo Penal Assunto: Marcação do CPP Estefânia Rocha 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MARCAÇÃO DO CÓDIGO de PROCESSO PENAL conforme o EDITAL

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL

SUMÁRIO. Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL Parte I Código de PROCESSO PENAL Comentado DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 LIVRO I DO PROCESSO EM GERAL Título I Disposições preliminares (Arts. 1º a 3º)... 3 Título II Do inquérito policial

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000071982 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus nº 0243217-95.2012.8.26.0000, da Comarca de São José dos Campos, em que

Leia mais

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações.

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. CUSTAS JUDICIAIS A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. I Regime Geral - Aplica-se aos processos iniciados entre 1 de Janeiro de 1997 e 19 de Abril de 2009;

Leia mais

1. OBJETO E APLICAÇÃO DA LEI DE EXECUÇÃO PENAL 1.1 Direito de Execução Penal

1. OBJETO E APLICAÇÃO DA LEI DE EXECUÇÃO PENAL 1.1 Direito de Execução Penal 1. OBJETO E APLICAÇÃO DA LEI DE EXECUÇÃO PENAL 1.1 Direito de Execução Penal 1.2 Pena 1.1.1 Direito de Execução Penal e Direito Penitenciário 1.1.2 Autonomia do Direito de Execução Penal 1.1.3 Antecedentes

Leia mais

1.1.4 Execução penal: conceito, pressuposto fundamental e natureza jurídica

1.1.4 Execução penal: conceito, pressuposto fundamental e natureza jurídica SUMÁRIO 1. OBJETO E APLICAÇÃO DA LEI DE EXECUÇÃO PENAL 1.1 Direito de execução penal 1.1.1 Direito de Execução Penal e Direito Penitenciário 1.1.2 Autonomia do Direito de Execução Penal 1.1.3 Antecedentes

Leia mais

SUMÁRIO. Administração Pública

SUMÁRIO. Administração Pública Administração Pública Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização...3 Organização administrativa:

Leia mais

26/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

26/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 5ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 RASCUNHAO DO PROFESSOR RUBENS 2 Lei 9.099 de setembro de 1995; Todas as contravenções penais; Os crimes

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 117.180 RIO DE JANEIRO RELATORA PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :WAGNER VITOR DE SOUZA :MARCELO DA SILVA TROVÃO :SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR DECISÃO HABEAS CORPUS. CONSTITUCIONAL.

Leia mais

LIVRAMENTO CONDICIONAL

LIVRAMENTO CONDICIONAL LIVRAMENTO CONDICIONAL Arts. 83 a 90 do CP e 131 e s. da LEP. Consagrado no CP de 1890, mas com efetiva aplicação pelo Decreto 16.665 de 1924. É mais uma tentativa de diminuir os efeitos negativos da prisão.

Leia mais

LEI Nº , DE 24 DE JULHO DE 2012.

LEI Nº , DE 24 DE JULHO DE 2012. LEI Nº 12.694, DE 24 DE JULHO DE 2012. Mensagem de veto Vigência Dispõe sobre o processo e o julgamento colegiado em primeiro grau de jurisdição de crimes praticados por organizações criminosas; altera

Leia mais

É o recurso cabível das decisões proferidas pelo Juiz no processo de execução que prejudique direito das partes envolvidas no processo.

É o recurso cabível das decisões proferidas pelo Juiz no processo de execução que prejudique direito das partes envolvidas no processo. AGRAVO EM EXECUÇÃO É o recurso cabível das decisões proferidas pelo Juiz no processo de execução que prejudique direito das partes envolvidas no processo. Uma vez que a Lei de Execução Penal não faz nenhuma

Leia mais

PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS

PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS PRINCIPAIS PEÇAS PENAIS QUEIXA CRIME CABIMENTO FUNDAMENTO LEGAL ENDEREÇAMENTO PRAZO PEDIDOS AÇÃO PENAL PRIVADA AÇÃO PENAL PRIVADA SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA ART. 30 E 41, CPP SÓ PODE SER OFERECIDA A UM JUIZ

Leia mais

Dispõe sobre o procedimento relativo à execução de pena privativa de liberdade e de medida de segurança, e dá outras providências.

Dispõe sobre o procedimento relativo à execução de pena privativa de liberdade e de medida de segurança, e dá outras providências. Dispõe sobre o procedimento relativo à execução de pena privativa de liberdade e de medida de segurança, e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 73, em 26/04/2010, p. 03-07). Download do documento

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal INDULTO OU COMUTAÇÃO NA EXECUÇÃO PENAL 3 DISTRITO FEDERAL RELATOR POLO PAS ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :DELÚBIO SOARES DE CASTRO : CELSO SANCHEZ VILARDI E OUTRO(A/S) DECISÃO: EMENTA: EXECUÇÃO PENAL.

Leia mais

Cronograma das Ações de Formação Contínua

Cronograma das Ações de Formação Contínua dezembro novembro outubro Cronograma das Ações de Formação Contínua Ano de 2014 9 e 10 B1 Direito do Desporto Áreas Civil, Criminal, Laboral,, CEJ 10, 17, 24 e 31 C2 O Ministério Público na Justiça Laboral

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação PLANO DE CURSO 2009/02 DISCIPLINA: DIREITO PENAL II PROFESSOR: NARA BORGO TURMA: 4ºFM UNIDADES CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal

Índice Geral. Índice Sistemático do Código de Processo Penal Índice Geral Código de Processo Penal Decreto-lei 3.689, de 3 de outubro de 1941... 13 Súmulas Criminais do STF e do STJ Comentadas... 1645 Índice Alfabético-Remissivo... 1905 Bibliografia... 1923 Índice

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA: DIREITO

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA: DIREITO PROVA: DIREITO Prova: DIREITO TRIBUTÁRIO Nome do Concurso: TRF 5ª - 2014 Questão contestada: 18 Resposta Publicada: E Número de inscrição: 27100, 28428, 31730, 27305 Na pergunta em comento, observe o enfoque

Leia mais

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP)

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP) Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 14 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 14 EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : MINISTRO RIBEIRO DANTAS : EMERSON SILVA RODRIGUES (PRESO) : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA PROCESSUAL

Leia mais

TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO

TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO TJ - SP Processo Penal NILMAR DE AQUINO 1)Cabe recurso de apelação das decisões em que a) julgarem procedentes as exceções, salvo a de suspeição b) decretar a prescrição ou julgar, por outro modo, extinta

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Acre TJAC EM NÚMEROS

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Acre TJAC EM NÚMEROS Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Acre TJAC EM NÚMEROS Referência: Novembro/2016 Pessoal Orçamento e Finanças Magistrados Dotação 2016 Desembargadores 12 Receitas 288.554.658,07 Juízes

Leia mais

NO PROCESSO PENAL. Nota: A juntada de documentos pode ocorrer em qualquer fase do processo (CPP, art. 231).

NO PROCESSO PENAL. Nota: A juntada de documentos pode ocorrer em qualquer fase do processo (CPP, art. 231). NO PROCESSO PENAL No processo penal todos os prazos correrão em cartório e serão contínuos e peremptórios, não se interrompendo por férias, domingo ou feriado (CPP, art. 798). Não se computará, no prazo,

Leia mais

Gestão de Projetos e Processos

Gestão de Projetos e Processos Gestão de Projetos e Processos Metas do CNJ Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Gestão de Projetos e Processos METAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA As Metas Nacionais do Poder Judiciário

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 18/05 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV 2.3 PROCEDIMENTO DA LEI DE DROGAS (Lei 11.343/06) - Procedimento Previsto nos artigos 54 a 59 da

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO DE APELAÇÃO nº 2006.0003066-4/0, DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA COMARCA DE FAXINAL Recorrente...: VILSON RODRIGUES Recorrido...: MINISTÉRIO PÚBLICO Relator...: J. S. FAGUNDES CUNHA RECURSO DE

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SEGUNDO SEMESTRE 2014

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SEGUNDO SEMESTRE 2014 ESTÁGIO SUPERVISIONADO ATIVIDADES COMPLEMENTARES SEGUNDO SEMESTRE 2014 Informações importantes ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estágio tem início às 8.30hs. O estágio é avaliativo. O aluno deve ter aproveitamento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO Vara Regional Leste 1 de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do Foro Regional VI Penha de França Autos nº 0010470-72.2016.8.26.0635 Controle nº 2496/16 Meritíssimo Juiz, O Ministério Público

Leia mais

CONCEITO. (Rocha Azevedo)

CONCEITO. (Rocha Azevedo) FALÊNCIA CONCEITO "é o processo de execução específico, contra empresário ou sociedade empresária insolvente, instaurador de comunhão incidental organizada entre todos os credores, por direitos e obrigações

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000243412 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Em Sentido Estrito nº 0952363-56.2012.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é recorrente/querelante JOSE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE Corregedoria Geral da Justiça. OF/COGER/Nº 148/2014 Rio Branco-AC, 31 de março de 2014.

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE Corregedoria Geral da Justiça. OF/COGER/Nº 148/2014 Rio Branco-AC, 31 de março de 2014. OF/COGER/Nº 148/2014 Rio Branco-AC, 31 de março de 2014. A Sua Excelência a Senhora Joelma Ribeiro Nogueira Juíza de Direito Titular da Vara Única - Criminal da Comarca de Epitaciolândia Assunto: Correição

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ:

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Curso: Bacharelado em Direito Disciplina: Direito Processual Penal III Professor: Marco Antônio de Jesus Bacelar Código: DIR4 Carga Horária: 80 H Créditos: 04

Leia mais

Profª. Ms Simone Schroeder

Profª. Ms Simone Schroeder Profª. Ms Simone Schroeder Base legal: Artigos 109 ao 119 do Código Penal Conceito: É a perda do poder de punir ou de executar a sanção imposta pelo Estado, causada pelo decurso de tempo fixado em Lei

Leia mais

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA

REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA REDE METODISTA DE EDUCAÇÃO DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IPA NORMATIVA SOBRE ACOMPANHAMENTO DISCENTE DE AUDIÊNCIAS E SESSÕES NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PORTO ALEGRE 2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

SUMÁRIO SUMÁRIO. 1. A evolução do MS no sistema constitucional Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27

SUMÁRIO SUMÁRIO. 1. A evolução do MS no sistema constitucional Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27 SUMÁRIO SUMÁRIO..................... 1. A evolução do MS no sistema constitucional... 25 2. Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27... 1. MS como tutela jurisdicional diferenciada com cognição

Leia mais

A C Ó R D Ã O

<CABBCBBCCADACABAADBCAADCBAACDBBAACDAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O EMENTA: AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL CONDENAÇÃO SUPERVENIENTE HOMOLOGAÇÃO DO ATESTADO DE PENA REGIME ABERTO INCONFORMISMO MINISTERIAL IMPOSIÇÃO DO REGIME SEMIABERTO

Leia mais

Acórdão n.º 10 / ª Secção-PL. P. n.º 5 ROM-SRM/2013. P. de Multa n.º 6/2012-SRM

Acórdão n.º 10 / ª Secção-PL. P. n.º 5 ROM-SRM/2013. P. de Multa n.º 6/2012-SRM Não transitado em julgado Recurso para o Tribunal Constitucional Acórdão n.º 10 /2013-3.ª Secção-PL. P. n.º 5 ROM-SRM/2013 P. de Multa n.º 6/2012-SRM 1. RELATÓRIO. 1.1. O Ministério Público junto da Secção

Leia mais

O protesto de CDAs como instrumento de eficácia arrecadatória e economia processual

O protesto de CDAs como instrumento de eficácia arrecadatória e economia processual GRUPO DE TRABALHO AÇÕES DE PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESTRATÉGICA DAS EXECUÇÕES FISCAIS - TJES Coordª. Desª. Janete Vargas Simões O protesto de CDAs como instrumento de eficácia arrecadatória e

Leia mais

Direitos do Advogado. Não existe hierarquia entre membros: OAB Ministério Público Magistratura

Direitos do Advogado. Não existe hierarquia entre membros: OAB Ministério Público Magistratura Direitos do Advogado Não existe hierarquia entre membros: OAB Ministério Público Magistratura Direitos a) inviolabilidade do escritório Direitos a) inviolabilidade do escritório b) Comunicar-se com cliente

Leia mais

PROGRAMA DIDÁTICO. CARGA HORÁRIA: 80 horas

PROGRAMA DIDÁTICO. CARGA HORÁRIA: 80 horas PROGRAMA DIDÁTICO CURSO: GRADUAÇÃO EM DIREITO COMPONENTE CURRICULAR: Direito Processual Penal III (Quinta-feira - 18:50 às 22:20) CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 80 horas PROFESSOR (ES): Vera Lúcia de Oliveira

Leia mais

CPJ-3C. Gerador de Relatórios

CPJ-3C. Gerador de Relatórios CPJ-3C Gerador de Relatórios CPJ-3C Gerador de Relatórios Conteúdo Fabio Schiavon Tiago Oliveira Revisão de conteúdo Luiza Portela Rosa Projeto Gráfico e diagramação Kely Cristine Copruchinski Bressan

Leia mais

PRINCIPAIS PRAZOS NO CÓDIGO PENAL (Decreto-Lei nº 2.848, de )

PRINCIPAIS PRAZOS NO CÓDIGO PENAL (Decreto-Lei nº 2.848, de ) PRINCIPAIS PRAZOS NO CÓDIGO PENAL (Decreto-Lei nº 2.848, de 7-12-1940) Contagem Art. 10. O dia do começo inclui-se no cômputo do prazo. Contam-se os dias, os meses e os anos pelo calendário comum. Imposição

Leia mais

Direito Penal Militar

Direito Penal Militar Fabiano Caetano Prestes Ricardo Henrique Alves Giuliani Mariana Lucena Nascimento 36 Direito Penal Militar Parte Geral e Especial 3ª edição revista e atualizada 2017 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 13 PARTE GERAL...

Leia mais

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS

PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS DIREITO PENAL MILITAR Prof. Rogério PENAS PRINCIPAIS E ACESSÓRIAS PENAS PRINCIPAIS (art. 55) QUADRO ESQUEMÁTICO PENAS ACESSÓRIAS (art. 98) Morte Perda do posto e da patente Multa PENAS PREVISTAS CPM NÃO

Leia mais

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE...

SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... SUMÁRIO PARTE 1 PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS E TEORIA ASSOCIADA CAPÍTULO 1. PEÇAS DE LIBERDADE... 19 1. Primeiro passo: identificar qual a peça ou instituto o caso concreto apresenta ou requer... 19 1.1.

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Semana. Tipo de aula UNIDADE I

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Semana. Tipo de aula UNIDADE I PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LABORATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA IV - PENAL (CÓD. ORES 60160) ETAPA: 10ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades

Leia mais

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões

4. AÇÃO CIVIL EX DELICTO 4.1 Questões SUMÁRIO 1. APLICAÇÃO DO DIREITO PROCESSUAL PENAL 1.1 A lei processual no espaço 1.2 A lei processual no tempo (irretroatividade) 1.3 A lei processual em relação às pessoas 1.3.1 Imunidades 1.3.2 Imunidade

Leia mais

ANEXO II APÊNDICE A FICHA DE REGISTRO DE ARMA DE FOGO ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESCALÃO INTERMEDIÁRIO UNIDADE INFORMAÇÕES DA ARMA.

ANEXO II APÊNDICE A FICHA DE REGISTRO DE ARMA DE FOGO ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESCALÃO INTERMEDIÁRIO UNIDADE INFORMAÇÕES DA ARMA. ANEXO II APÊNDICE A FICHA DE REGISTRO DE ARMA DE FOGO INFORMAÇÕES DA ARMA Nome NÚMERO DE SÉRIE DA ARMA MARCA DA ARMA ESPÉCIE DE ARMA NOME DO MODELO CALIBRE CAPACIDADE DE CARTUCHOS TIPO DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Administração de bens sequestrados: Experiência do Ministério Público Federal do Brasil

Administração de bens sequestrados: Experiência do Ministério Público Federal do Brasil MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria-Geral da República Administração de bens sequestrados: Experiência do Ministério Público Federal do Brasil Brasília, 20 de outubro de 2015 WELLINGTON CABRAL SARAIVA

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA. Profa. Luanna Tomaz

SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA. Profa. Luanna Tomaz SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA Profa. Luanna Tomaz INTRODUÇÃO Origem: Surge na França em 1884. Medida judicial que determina o sobrestamento da pena, preenchidos determinados requisitos. Natureza Jurídica:

Leia mais

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da

Leia mais

CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos a(o) MM (a). Juiz(a) da 7ª Vara Federal Criminal/RJ. Rio de Janeiro/RJ, 20 de outubro de 2016

CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos a(o) MM (a). Juiz(a) da 7ª Vara Federal Criminal/RJ. Rio de Janeiro/RJ, 20 de outubro de 2016 Processo nº 0510926-86.2015.4.02.5101 (2015.51.01.510926-5) Autor: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL E OUTRO Réu: CLÓVIS RENATO NUMA PEIXOTO PRIMO E OUTROS Fls 12835 CONCLUSÃO Nesta data, faço estes autos conclusos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça HABEAS CORPUS Nº 152.806 - RS (2009/0218681-9) RELATORA IMPETRANTE IMPETRADO PACIENTE : MINISTRA LAURITA VAZ : ADRIANA HERVÉ CHAVES BARCELLOS - DEFENSORA PÚBLICA : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROCESSO SELETIVO PARA AS FUNÇÕES DE CONCILIADOR CRIMINAL NO ÂMBITO DOS JUIZADOS ESPECIAIS DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO

Leia mais

Agravo de Execução Penal n , de Curitibanos Relator: Desembargador Ernani Guetten de Almeida

Agravo de Execução Penal n , de Curitibanos Relator: Desembargador Ernani Guetten de Almeida Agravo de Execução Penal n. 0002861-88.2016.8.24.0022, de Curitibanos Relator: Desembargador Ernani Guetten de Almeida AGRAVO EM EXECUÇÃO PENAL. DECISÃO QUE HOMOLOGOU SOMA DE PENAS E FIXOU A DATA-BASE

Leia mais

PROVIMENTO Nº 22, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015.

PROVIMENTO Nº 22, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015. PROVIMENTO Nº 22, DE 28 DE SETEMBRO DE 2015. Reformula a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

Norma de Procedimento

Norma de Procedimento PREFEITURA DE VITÓRIA Controladoria Geral do Município Assessoria de Planejamento Organizacional Norma de Procedimento Código SCO-NP 03 Assunto: FOLHA DE PAGAMENTO Versão: Data de elaboração: Data da Aprovação:

Leia mais

Reforma da Justiça Criminal Programa de Serviços antes do Julgamento

Reforma da Justiça Criminal Programa de Serviços antes do Julgamento Poder Judiciário de Nova Jersey Reforma da Justiça Criminal Programa de Serviços antes do Julgamento Criminal Justice Reform Pretrial Services Program - Portuguese Para obter mais informações sobre a reforma

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2006.0002638-6/0, DO 2 O JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE IMPETRANTE...: LEGAL JOGOS DIVERSÕES E RECREAÇÕES LTDA. AUT. COATORA...: JUIZ DE D. SUPERVISOR DO 2º JUIZADO ESPECIAL

Leia mais

CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP)

CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP) CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP) 1 PEDIDO DE EXPLICAÇÕES - não está disciplinado no CPP - art. 144, CP Se, de referências, alusões ou frases, se infere calúnia, difamação

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Posição legal Momento processual Necessidade, finalidade, objeto e limites Natureza jurídica Liquidação na pendência de recurso Liquidação concomitante com execução Modalidades Liquidação de sentença Sumário

Leia mais

I - DA NECESSIDADE DE RETIFICAÇÃO DO TÓPICO DA PETIÇÃO DE FLS QUE VERSA SOBRE A JUNTADA DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL.

I - DA NECESSIDADE DE RETIFICAÇÃO DO TÓPICO DA PETIÇÃO DE FLS QUE VERSA SOBRE A JUNTADA DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL. fls. 79042 VALÉRIA PREVITERA DA SILVA - Administradora Judicial - OAB/CE N O 11.379 EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA 2 a VARA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIAS DA COMARCA DE FORTALEZA/CE (URGENTE)

Leia mais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

PLANO DE CURSO TEORIA GERAL DA PENA (CÓD.: ENEX 60117) ETAPA: 3ª TOTAL DE ENCONTROS:

PLANO DE CURSO TEORIA GERAL DA PENA (CÓD.: ENEX 60117) ETAPA: 3ª TOTAL DE ENCONTROS: PLANO DE CURSO DISCIPLINA: TEORIA GERAL DA PENA (CÓD.: ENEX 60117) ETAPA: 3ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

Apelação Criminal nº , oriundo do Juizado Especial Criminal da Comarca de Curitiba.

Apelação Criminal nº , oriundo do Juizado Especial Criminal da Comarca de Curitiba. Apelação Criminal nº 0027371-37.2012.8.16.0182, oriundo do Juizado Especial Criminal da Comarca de Curitiba. Apelante: Ivan Lelis Bonilha Apelado: Esmael Alves de Moraes Interessado: Ministério Público

Leia mais

Comarca do Porto Porto - Inst. Central - 1ª Secção de Execução - J3 CONCLUSÃO Questão prévia: Valor da causa:

Comarca do Porto Porto - Inst. Central - 1ª Secção de Execução - J3 CONCLUSÃO Questão prévia: Valor da causa: 372407808 CONCLUSÃO - 09-09-2016 (Termo eletrónico elaborado por Escrivão de Direito Filomena Jesus Vieira Pacheco) =CLS= Questão prévia: Atenta a data da propositura dos presentes embargos de executado,

Leia mais

PROCESSO PENAL 1. EXECUÇÃO E APLICAÇÃO DA PENA

PROCESSO PENAL 1. EXECUÇÃO E APLICAÇÃO DA PENA 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Pena Privativa de Liberdade PONTO 2: Princípio da Individualização da Pena PONTO 3: Individualização Judicial 1. EXECUÇÃO E APLICAÇÃO DA PENA 4ª ETAPA: Juiz substitui a PPL por

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL Joana Augusta laborou, durante vinte e seis anos, como enfermeira do quadro do hospital universitário ligado a determinada universidade federal, mantendo, no desempenho

Leia mais

AULA 06. O artigo 7º da lei de 51 é compatível com a constituição?

AULA 06. O artigo 7º da lei de 51 é compatível com a constituição? Turma e Ano: regular/2015 Matéria / Aula: Processo Penal Professora: Elisa Pitarro AULA 06 Continuação de Inquérito Policial Se o juiz discordar do pedido de arquivamento ele deverá aplicar o artigo 28

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Reorganiza as atribuições gerais e as classes dos cargos da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Direito Penal II Código da Disciplina: JUR 213 Curso: Direito Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de: Número de créditos: 04 Carga Horária total:

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Processo Penal Capítulo 3 Ação Penal... 5

Sumário. Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Processo Penal Capítulo 3 Ação Penal... 5 Sumário Capítulo 1 Introdução... 1 Capítulo 2 Processo Penal... 3 Capítulo 3 Ação Penal... 5 3.1. Considerações Gerais...5 3.1.1. Ação penal pública incondicionada...5 3.1.2. Ação penal pública condicionada

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** QUINTA TURMA ***

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** QUINTA TURMA *** TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** QUINTA TURMA *** 2005.03.99.009508-0 18548 ACR-SP APRES. EM MESA JULGADO: 29/01/2007 RELATOR: JUIZ CONV. HIGINO CINACCHI PRESIDENTE DO ÓRGÃO JULGADOR:

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DO EXAME CRIMINOLÓGICO NA PROGRESSÃO DE REGIME Carina Machado OCCHIENA 1 Luís Henrique de Moraes AFONSO 2

A OBRIGATORIEDADE DO EXAME CRIMINOLÓGICO NA PROGRESSÃO DE REGIME Carina Machado OCCHIENA 1 Luís Henrique de Moraes AFONSO 2 A OBRIGATORIEDADE DO EXAME CRIMINOLÓGICO NA PROGRESSÃO DE REGIME Carina Machado OCCHIENA 1 Luís Henrique de Moraes AFONSO 2 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo demonstrar a discussão acerca da

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 153/11.2YRGMR I - RELATÓRIO Visam os presentes autos a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes dos 1º e 2º Juízos Cíveis da comarca de Barcelos que, por despachos transitados

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS Comarca de Santa Maria 3ª Vara Criminal Processo Crime n.º 027/2.15.0012854-3 Denunciado: Paulo Tadeu Nunes de Carvalho. Delitos: artigos 138, caput, c/c artigo 141, inciso II [1º fato], e 139, caput,

Leia mais

A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos.

A C Ó R D Ã O. Vistos, relatados e discutidos os autos. AGRAVO EM EXECUÇÃO. CRIMES SEXUAIS. CONCESSÃO DO LIVRAMENTO CONDICIONAL QUE É INVIÁVEL NO MOMENTO. UTILIZAÇÃO DO PARECER PSICOSSOCIAL COMO ELEMENTO INDICATIVO DA PERSONALIDADE DO APENADO. É posição assente

Leia mais

fls. 1 Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/esaj, informe o processo e código F2C4EF.

fls. 1 Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/esaj, informe o processo e código F2C4EF. fls. 1 fls. 2 fls. 3 fls. 4 fls. 5 fls. 168 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE CAMPINAS FORO DE CAMPINAS 3ª VARA CÍVEL Avenida Francisco Xavier de Arruda Camargo, 300, sala 38/39, Jardim

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SJU-01.A/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SJU-01.A/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SJU-01.A/2015 Data: 20/09/2015 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SJU - SISTEMA JURÍDICO 02 ASSUNTO SJU 01.A PROCESSOS JUDICIAIS CÍVEIS (JUSTIÇA COMUM CÍVEL E JUIZADO ESPECIAL

Leia mais

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ESPECIALIZADA DE FALÊNCIAS, RECUPERAÇÕES E INSOLVÊNCIAS DA COMARCA DE CAMPO GRANDE MS.

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ESPECIALIZADA DE FALÊNCIAS, RECUPERAÇÕES E INSOLVÊNCIAS DA COMARCA DE CAMPO GRANDE MS. fls. 6925 EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ESPECIALIZADA DE FALÊNCIAS, RECUPERAÇÕES E INSOLVÊNCIAS DA COMARCA DE CAMPO GRANDE MS. AUTOS DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL N. 0800427-29.2015.8.12.0001

Leia mais

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Altera o Código de Processo Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 44129, de 28 de Dezembro de 1961, designadamente procedendo à introdução da regra de competência territorial

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: ESTÁGIO SUPERVISIONADO V Código da Disciplina: JUR 279 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA DE ACORDO COM O EDITAL N 1, DE 24 DE NOVEMBRO DE 201, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO, TRE-SP CONHECIMENTOS BÁSICOS

Leia mais

S U R S I S SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA

S U R S I S SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA S U R S I S SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA arts. 77 a 82 do CP e 156 e s. da LEP. Deriva do verbo surseoir (suspender). Quer dizer suspensão. Expressão já utilizada pelo CP/1940. Conceitos: É o ato pelo

Leia mais

Defensoria Pública Processo Penal Exercício Lei Processual no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

Defensoria Pública Processo Penal Exercício Lei Processual no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco Defensoria Pública Processo Penal Exercício Lei Processual no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Defensoria - Exercício

Leia mais

a) Simulação e montagem da Carta-Convite nº 26/2008.

a) Simulação e montagem da Carta-Convite nº 26/2008. AUTOS N.º: 3260-62.2015.4.01.3309 CLASSE: 15601 INQUÉRITO POLICIAL DECISÃO O Ministério Público Federal ofereceu denúncia em face de MANOEL RUBENS VICENTE DA CRUZ, MARCOS TÚLIO LARANJEIRA ROCHA, HERMÓGENES

Leia mais

Extinção de Punibilidade - Aula IV - 13/03/2017

Extinção de Punibilidade - Aula IV - 13/03/2017 Extinção de Punibilidade - Aula IV - 13/03/2017 Continuação Sursis Revogação *obrigatória: * nova CTJ por crime doloso * não reparação de dano, salvo... *descumprimento da condição do artigo 78, 1º *facultativo:

Leia mais

Código de Processo Civil

Código de Processo Civil Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código de Processo Civil 2011 22ª Edição Actualização nº 2 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Actualização nº 2 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Prisão Preventiva Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal PRISÃO PREVENTIVA CÓDIGO DE PROCESSO PENAL TÍTULO IX CAPÍTULO III Da Prisão

Leia mais

Convenção Americana sobre Direitos Humanos. GRUPO II Direito Penal Militar TEMA:

Convenção Americana sobre Direitos Humanos. GRUPO II Direito Penal Militar TEMA: PODER JUDICIÁRIO SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NO CARGO DE JUIZ-AUDITOR SUBSTITUTO DA JUSTIÇA MILITAR DA UNIÃO EDITAL Nº 42 STM,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Alameda Min. Rocha Azevedo, 25, Cerqueira César - CEP 01410-001 - São Paulo - SP, Recebo o recurso interposto pela defesa do acusado à fl. 840. Conforme requerido pela nobre defesa, a apresentação de s

Leia mais

Polícia Civil Legislação Penal Especial Liana Ximenes

Polícia Civil Legislação Penal Especial Liana Ximenes Polícia Civil Legislação Penal Especial Liana Ximenes Crimes de Trânsito- Lei 9503/97 Arts. 291-301 do CTB - Parte Geral Arts.302-312 do CTB Crimes em espécie Parte Geral Art. 291. Aos crimes cometidos

Leia mais

SUMÁRIO A ȃ.!... A ȃ.x.! A...

SUMÁRIO A ȃ.!... A ȃ.x.! A... SUMÁRIO... 23 1. ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA FUNÇÃO DE ADVOGADO... 23 2. O ADVOGADO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL... 24 3. LEI DE REGÊNCIA DA CARREIRA DE ADVOGADO E A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL... 24 3.1.

Leia mais

QUESTIONÁRIO BIOGRÁFICO SIMPLIFICADO (QBS) Nome Completo

QUESTIONÁRIO BIOGRÁFICO SIMPLIFICADO (QBS) Nome Completo Nº Inscrição QUESTIONÁRIO BIOGRÁFICO SIMPLIFICADO (QBS) INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO 1- Escreva com letra legível. Nome Completo 2- Faça um traço nos espaços relativos às questões prejudicadas, decorrentes

Leia mais

PAPEL DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NA ORIENTA- ÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA: PROCEDIMENTOS DE UNIFOR- MIZAÇÃO BREVES NOTAS

PAPEL DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NA ORIENTA- ÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA: PROCEDIMENTOS DE UNIFOR- MIZAÇÃO BREVES NOTAS PAPEL DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA NA ORIENTA- ÇÃO DA JURISPRUDÊNCIA: PROCEDIMENTOS DE UNIFOR- MIZAÇÃO BREVES NOTAS 1. Estrutura judiciária - Tribunais Judiciais (1) Supremo Tribunal de Justiça (com

Leia mais

Retirar a letra A na palavra SOBA, ficando somente SOB. Modificar, na primeira linha, o ano de 1955, para 1755

Retirar a letra A na palavra SOBA, ficando somente SOB. Modificar, na primeira linha, o ano de 1955, para 1755 2015-2016 Obra: Curso de Direito Penal Parte Geral 18 a edição Autor: Rogério Greco Página 20 Primeira citação. 14 a linha. Modificar a palavra SURFE, por SURGE Página 21 Na citação ao final da página.

Leia mais

Petições Penais Anotadas

Petições Penais Anotadas Paulo Alves Franco Petições Penais Anotadas Questões e Testes para Concurso Sumário Prefácio... 13 Apresentação... 15 Abreviaturas... 17 DOUTRINA Definição... 23 O Direito Processual Penal como ramo do

Leia mais

Texto Informativo CONFLITOS DE COMPETÊNCIA Fase de Inquérito

Texto Informativo CONFLITOS DE COMPETÊNCIA Fase de Inquérito CONFLITOS DE COMPETÊNCIA Autor: Alexandre Silva 1 CONFLITOS DE COMPETÊNCIA ÍNDICE Nota Introdutória 3 Competência Material e Funcional 4 Competência Territoral 5 Competência por Conexão 5 Conflitos de

Leia mais