Panorama dos Agrominerais no Brasil: Atualidade e Perspectivas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama dos Agrominerais no Brasil: Atualidade e Perspectivas"

Transcrição

1 Panorama dos Agrominerais no Brasil: Atualidade e Perspectivas Yara KULAIF Instituto de Geociências - UNICAMP Francisco R. C. FERNANDES Centro de Tecnologia Mineral - CETEM

2 Objetivo Panorama produção e consumo dos Agrominerais no Brasil Caracterização e histórico da indústria brasileira de fertilizantes Visão da cadeia produtiva hoje Recentes mudanças e Perspectivas Agrominerais no Brasil: uma indústria nanica ou de desenvolvimento tardio? 2

3 3

4 Características da Indústria de Fertilizantes Comércio Internacional É um mercado de commodities de alta competitividade. Em todo o mundo, a % da Produção Mundial (PM) que passa pelo Comércio Internacional (CI) e os principais países exportadores são: COMMODITIES % PM/ CI PRINCIPAIS EXPORTA-DORES MUNDIAIS Rocha fosfática 20% Marrocos, Israel; EUA Enxofre 30% Canadá, Polônia Ácido fosfórico 16% Marrocos, Tunísia; EUA Amônia 11% Ex-URSS, Trinidad Superfosfato triplo (TSP) 40% EUA, Tunísia Fosfato monoamônico (MAP) 30% Ex-URSS, EUA Fosfato diamônico (DAP) 55% EUA 4

5 Características da Indústria de Fertilizantes Oferta Mundial Importância estratégica das matérias-primas minerais Características específicas da Indústria Extrativa Mineral: regulação e barreiras à entrada de novos competidores Indústria de Transformação Química: investimentos vultuosos, economias de escala, longos períodos de maturação Sazonalidade no consumo levando à existência de capacidade ociosa, o que acarreta altos custos operacionais e conseqüente diminuição da rentabilidade Misturadores: sem barreiras de investimentos e tecnologia A estrutura empresarial típica é a dos EUA: Grandes investimentos na globalização de suas operações concentração em poucos produtores (através de fusões e aquisições) verticalização formando grandes conglomerados diversificação para outros ramos produtivos, bem como para outros insumos e produtos agrícolas 5

6 Características da Indústria de Fertilizantes Consumo Mundial Consumo mundial de fertilizantes contido de nutrientes NPK em Fonte: ANDA (2009). 6

7 A Indústria Brasileira de Fertilizantes O desenvolvimento desta indústria é moldado pelas mudanças nas políticas econômicas brasileiras ANOS 60 1ª fase do governo militar -"o Milagre" Política agrícola como instrumento para diminuição do déficit da balança comercial ANOS 70/80 2ª fase do governo militar - "desenvolvimento com planejamento" Substituição de importações através de grandes investimentos para a criação de setores internos produtivos de insumos básicos ANOS 80/90 Governos civis -"a democracia" Liberalização comercial Privatizações /97 FHC -"Plano Real / estabilidade monetária" Novas formas de regulação do mercado pelo governo Política agrícola como instrumento para diminuição do déficit da balança comercial

8 MUDANÇA DE PARADIGMAS NA POLÍTICA ECONÔMICA auto-suficiência x economia de livre mercado liberalização econômica processo de privatização 1987/88 LIBERALIZAÇÃO ECONÔMICA fim do contingenciamento fim do controle de preços - CIP fim das barreiras alfandegárias queda das tarifas EVOLUÇÃO DAS ALÍQUOTAS DE IMPORTAÇÃO (% - CIF) DOS PRODUTOS FERTILIZANTES E DE SUAS MATÉRIAS-PRIMAS. Notas: (1) A tarifa era zero para o enxofre importado dos países signatários do GATT. (*) Itens incluídos nas listas de exceções à TEC do MERCOSUL. Fonte: CARMO, 1994; TARIFA aduaneira do Brasil, 1994; TARIFA externa comum,

9 EVOLUÇÃO DAS ALÍQUOTAS DE IMPORTAÇÃO (% - CIF) DOS PRODUTOS FERTILIZANTES E DE SUAS MATÉRIAS- PRIMAS Matérias-primas e fertilizantes simples até jun jul set ago set jan out out dez Rocha fosfática Enxofre 0 5(1) Ácido sulfúrico (*) Ácido fosfórico (*) Amônia anidra (*) Superfosfato simples (SSP) Superfosfato triplo (TSP) Fosfato monoamônico (MAP) Fosfato diamônico (DAP) Termofosfato Fertilizantes mistos NPK Notas: (1) A tarifa era zero para o enxofre importado dos países signatários do GATT. (*) Itens incluídos nas listas de exceções à TEC do MERCOSUL. Fonte: CARMO, 1994; TARIFA aduaneira do Brasil, 1994; TARIFA externa comum,

10 Produção, consumo aparente e comércio exterior de fertilizantes fosfatados no Brasil /95 Fonte: KULAIF, 1997; 1999a 10

11 PROCESSO DE PRIVATIZAÇÃO: COMPOSIÇÃO ACIONÁRIA DAS EMPRESAS DO GRUPO PETROFÉRTIL, antes das privatizações 11

12 COMPOSIÇÃO ACIONÁRIA DAS EMPRESAS DO GRUPO PETROFÉRTILap ós a privatização 12

13 Capacidade Instalada de Produção por Empresa no Brasil (%) em 1995 Fonte: Anuário ANDA 1996, dados de 1995; AMA- BRASIL 13

14 14

15 15

16 Modificações no Capital das Empresas pós- Privatizações GRUPO BUNGE A Bunge, à época ainda com a denominação de Serrana, tradicional empresa produtora de rocha fosfática matérias-primas intermediárias, adquire a Manah, Fertisul, Arafértil, Ipiranga Serrana, IAP, a divisão de fertilizantes da Eleikeiroz e parte do capital da Takenaka. Sendo assim, passou a deter participação importante na Fertifos, holding que controla a Fosfértil e a Ultrafértil, as maiores fornecedoras nacionais de matérias-primas fosfatadas e nitrogenadas. CARGILL A Cargill adquiriu as empresas Solorrico e Fertiza, repassando estes ativos para a Mosaic em 2004 quando esta foi constituída através da união com a IMC Global, importante produtora de rocha fosfática dos Estados Unidos. No Brasil, onde a IMC não tinha ativos, a Mosaic assumiu a estrutura da Cargill Fertilizantes, isto é, uma fábrica de fertilizantes líquidos em Monte Alto (SP), uma unidade industrial em Candeias (BA) e as duas empresas recentemente adquiridas. 16

17 Modificações no Capital das Empresas pós- Privatizações NORSK HYDRO O grupo Norsk Hydro, de capital norueguês, líder mundial no fornecimento de fertilizantes minerais e hoje denominado Yara International ASA adquiriu em 2000 a empresa Adubos Trevo que, até 1994, era a maior produtora de fertilizantes mistos NPK. Esta empresa chegou a deter naquele ano 14% do mercado brasileiro, com unidades produtivas em todas as regiões do País e que, ao longo do ano de 1995, a Trevo teve sua situação financeira comprometida por uma série de fatores, ligados tanto a problemas financeiros quanto a de mercado da empresa.. Em 2006, a Yara compra a Fertibrás. Destas empresas adquiridas, somente a Trevo não estava na Fertifós. Com as aquisições, tanto a Mosaic quanto a Yara obtiveram acesso às ações da Fosfertil. Os grupos que adquiriram as empresas de fertilizantes passaram a controlar a exportação de alimentos e também as importações de fertilizantes de suas matrizes estrangeiras. 17

18 Composição acionária Fosfértil e Fertifos até ,2% Obs.: Mercado = Cerca de acionistas (fundos de investimento, pessoas físicas e jurídicas). 18

19 Capacidade Instalada de Produção por Empresa no Brasil (%) Fonte: Anuário ANDA 2009, dados de % 90% 80% 70% 60% 50% Petrobras Proguigel Petrobras Galvani Copebras Copebras Bunge Bunge Heringer Timac Galvani Yara Mosaic Fospar CopebrasCibrafertil Timac Heringer Bunge Galvani Copebras Yara Copebras Timac Copebras Bunge Vale 40% 30% 20% Braskem Bunge 10% Bunge 0% 19

20 Consumo, Importação, Produção e Exportação Fertilizantes Fosfatados Concentr. de Rocha Fosfática Fonte: Anuários ANDA, 1988 a 2009 Fonte: SMB; MME/DNPM (2009) 20

21 Consumo, Importação, Produção e Exportação Fertilizantes Potássicos Cloreto de Potássio 21

22 Consumo, Importação, Produção e Exportação de Enxofre Produção de Enxofre Fonte: SMB e, para 2008, MME/DNPM (2009); MINERALdata (2009). Nota: a produção a partir de outras formas é a obtida nas plantas industriais de Cu, Zn, Ni e Au. Fonte: MINERALdata (2009) / dados primários do SMB. 22

23 Consumo, Importação, Produção e Exportação de Fertilizantes Nitrogenados Fonte: Anuários ANDA, 1988 a

24 Consumo, Importação, Produção e Exportação de Fertilizantes NPK Fonte: Anuários ANDA, 1988 a

25 Consumo de Fertilizantes por Cultura no Brasil Fonte: Anuário ANDA 2009, dados de 2008 Tomate Sorgo Banana Laranja Batata Fumo Outras Soja Feijão Milho Reflorestamento Arroz Trigo Algodão Herbáceo Café Cana-de-açúcar 25

26 SOJA 26

27 MILHO / / / / / MT MS GO DF MG ES RJ SP PR SC RS 27

28 CANA DE AÇÚCAR / / / / / / / / /

29 Capacidade Instalada por Região no Brasil Fonte: Anuário ANDA 2009, dados de 2008 N P K Região Nordeste Região Sul Região Centro

30 Capacidade Instalada por Empresa no Brasil Fonte: Anuário ANDA 2009, dados de Cloreto de Potássio Fosfato Diamônio Fosfato Monoamônio Superfosfato Triplo Superfosfato Simples Ácido Sulfúrico Ácido Fosfórico Rocha Fosfática Nitrato de Amônio Uréia Sulfato de Amônio Amônia Anidra 0 30

31 Capacidade Instalada e Importações por Produto e Empresa no Brasil Fonte: Anuário ANDA 2009, dados de Importação Galvani Copebras Importação Heringer Timac Galvani Copebras Importação Yara Mosaic Fospar Cibrafertil Timac Heringer Galvani Bunge Copebras Importação Importação Bunge Importação Petrobras Petrobras Importação Importação Fosfertil Proguigel Fosfertil Braskem Fosfertil Bunge Fosfertil Importação Copebras Bunge Fosfertil Fosfertil Bunge Fosfertil Importação Copebras Timac Yara Bunge Fosfertil Importação Copebras Fosfertil Importação Fosfertil Vale 31 Panorama dos Agrominerais no Brasil - Kulaif

32 toneladas/ano Capacidade Instalada por Produto e Empresa no Brasil Fonte: Anuário ANDA 2009, dados de N P K Galvani Copebras Bunge Heringer Timac Galvani Copebras Yara Mosaic Fospar Cibrafertil Timac Heringer Galvani Copebras Bunge Petrobras Bunge Braskem Petrobras Proguigel Copebras Bunge Bunge Timac Bunge Yara Copebras Copebras Vale 0 32

33 toneladas/ano Capacidade Instalada por Produto e Empresa no Brasil Fonte: Anuário ANDA 2009, dados de 2008 e comunicados empresas N P K Galvani Copebras Bunge Heringer Timac Galvani Copebras Yara Mosaic Fospar Cibrafertil Timac Heringer Galvani Copebras Bunge Petrobras Bunge Braskem Proguigel Petrobras Copebras Bunge Bunge Timac Bunge Yara Copebras Copebras Vale 0 33

34 US$/t Preços Correntes Mercado Internacional (FOB, a granel) Fosfato Natural (72 BPL) mín., EUA Golfo Fosfato Natural (72 BPL) máx., EUA Golfo Ácido Fosfórico (100% P2O5) mín., EUA golfo Ácido Fosfórico (100% P2O5) máx., EUA golfo Enxofre mín., Canadá Vancouver Enxofre máx., Canadá Vancouver Superfosfato Triplo (46% P2O5) mín., EUA golfo Superfosfato Triplo (46% P2O5) máx., EUA golfo DAP (18% N; 46% P2O5) mín., EUA Golfo DAP (18% N; 46% P2O5) máx., EUA Golfo MAP (11% N; 54% P2O5) mín., CEI MAP (11% N; 54% P2O5) máx., CEI

35 US$/t Preços Correntes Brasil Fosfato Ultrafértil CIF Catalão GO Ácido Sulfúrico Copebrás Cubatão SP Ácido Sulfúrico Ultrafértil FOB Cubatão SP Ácido Fosfórico (100%) Fosfértil FOB Uberaba MG MAP Granulado Fosfértil FOB Uberaba MG MAP Granulado Ultrafértil FOB Cubatão SP DAP Granulado Ultrafértil FOB Cubatão SP TSP Granulado Fosfértil FOB Uberaba MG SSP Granulado Copebrás FOB Cubatão SP

36 Preços de concentrados de Rocha Fosfática para vendas industriais /95 36

37 Preços de Ácido Sulfúrico para vendas industriais /95 37

38 Preços de Ácido Fosfórico (100% de P 2 O 5 ) para vendas industriais /95 38

39 Preços de Superfosfato Triplo (TSP) granulado para vendas industriais /95 39

40 Preços de Fosfato Monoamônio (MAP) granulado para vendas industriais /95 40

41 Preços de Fosfato Diamônio (DAP) granulado para vendas industriais /95 41

42 Preços médios, à vista, de formulações NPK ensacadas, praticados na Região Centro-Sul /95 42

43 US$/t Preços médios de Formulações NPK e Fertilizantes Simples Brasil - Vendas ao Consumidor Final NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: NPK: Fertilizante Simples: Sulfato de Amônio Fertilizante Simples: Uréia

44 Relações de Troca entre Fertilizantes e Produtos Agrícolas Notas: (1) quantidade de produto agrícola necessária para adquirir 1 tonelada de fertilizante; (2) Medidas dos produtos: algodão c/ caroço (15 kg); arroz em casca, batata inglesa, café arábica, feijão, milho, soja e trigo (saca de 60 kg);cana-de-açúcar (t); laranja (cx de 40,8 kg). Fonte: ANDA (2009). 44

45 Dependência externa de Agrominerais, perda de divisas com importações 45 Fonte: Rodrigues (2009)

46 1000 t 7000 Importação Rocha Fosfática Total de jan a fev por País

47 1000 t Importação Cloreto de Potássio Total de jan a fev por País

48 Recentes Mudanças e Perspectivas 48 Depois da processo de privatização nos anos 90 e da crescente concentração do setor nas mãos de produtores internacionais e empresas comercializadoras de grãos Durante 2009, houve enfáticas declarações do Ministro da Agricultura de que não toleraria mais essa situação, além uma condenação da atual configuração do mercado pelos órgãos de comunicação, que seriam necessárias imediatas ações e políticas concretas de governo Em 2010, resultado concreto das pressões, ocorre a forte expansão da Vale no setor, comprando toda a participação dos grupos Bunge, Yara e Mosaic na Fosfertil, além das participações menores da Heringer e da Fertipar na empresa, com a Vale passando a deter 78,9% do capital da empresa (99,81% das ações ordinárias e 68,24% das preferenciais), com gastos de cerca de US$ 6,0 bilhões. Paralelamente, a Vale também adquiriu outros ativos de produção de matériasprimas e fertilizantes simples da Bunge e Mosaic no Brasil, tendo as mesmas praticamente se retirado da produção de insumos dos fertilizantes NPK, embora continuem atuando com sua estrutura tentacular na rede de vendas de fertilizantes finais ao agricultor brasileiro.

49 Recentes Mudanças e Perspectivas A Vale passa a ser a maior produtora nacional de matérias-primas de fertilizantes fosfatados, junto com a Petrobras, que continua na produção de nitrogenados. O outro produtor importante na área de fosfatados, a Copebrás, do grupo sul-africano Anglo American, está à venda desde o ano passado. O que muda? O complexo produtor de matérias-primas e produtos intermediários do Brasil respondem apenas por 1/3 das necessidades do País. O resto é importado e assim permanecerá até que Vale e Petrobras completem seus planos de expansão. Quais as vantagens que o controle sobre a produção da indústria de base de fertilizantes nas mãos da Vale apresenta? Capacidade de investimento? Conhecimento do setor pois está no ramo de potássio e já foi a proprietária da Fosfértil nos anos 70/80? Tem a logística? Parece inquestionável que o potencial da agricultura brasileira é enorme. A demanda mundial de alimentos também indica preços ascendentes para as commodities Se houver o aumento da oferta no mercado das matérias-primas fertilizantes a tendência é que haja um fortalecimento do elo da cadeia final, o dos misturadores e distribuidores do NPK O que o poder público deve buscar de qualquer maneira é garantir que haja um progressivo aumento na concorrência nos vários elos da cadeia, que é o que irá garantir a melhor alocação dos recursos da economia. 49

50 Obrigada pela atenção.

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011 Março 2012 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Resultados do 4T11 e 2011 CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5

Leia mais

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA

MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA MAIO 2012 VISÃO GERAL DA COMPANHIA CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5 99 101 103 107 109 60% 29% 24% K2O 34 36 40 41 42 24 23 27 29 30 2008

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES AGOSTO DE 2015 PRODUTOS FERTILIZANTES SÃO MISTURAS DE NUTRIENTES CONHECIDAS COMO NPK QUE VISAM SUPRIR DEFICIÊNCIAS DO SOLO. OS MACRONUTRIENTES

Leia mais

Manejo de Fertilizantes - Panorama da Produção e Consumo de Fertilizantes no Brasil e no Mundo Álvaro V. Resende Embrapa Milho e Sorgo

Manejo de Fertilizantes - Panorama da Produção e Consumo de Fertilizantes no Brasil e no Mundo Álvaro V. Resende Embrapa Milho e Sorgo 20 de maio de 2010 Manejo de Fertilizantes - Panorama da Produção e Consumo de Fertilizantes no Brasil e no Mundo Álvaro V. Resende Embrapa Milho e Sorgo AGRADECIMENTOS Dr. Alfredo Scheid Lopes - UFLA

Leia mais

K Fertilizantes Potássios

K Fertilizantes Potássios Fertilizantes - Informações Brasil N Fertilizantes Nitrogenados P Fertilizantes Fosfatados K Fertilizantes Potássios Fertilidade do Solo Brasileiro e a importância dos fertilizantes para a produtividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06030/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 2007. Referência: Ofício n 3897/2006/SDE/GAB de 07 de agosto de 2007.

Leia mais

Investimentos no Brasil

Investimentos no Brasil Investimentos no Brasil Julho 2011 1 Agenda 1. Mercado de Fertilizantes 2. Principais Investimentos no país 3. Desafios do mercado brasileiro 2 Dinâmica do Mercado de Fertilizantes Os mercados de energia,

Leia mais

2. Características dos fertilizantes

2. Características dos fertilizantes INFORME SETORIAL Área Industrial Janeiro/2010 nº 16 Panorama atual e perspectivas de desenvolvimento do setor de fertilizantes no Brasil 1. Introdução O consumo de fertilizantes no Brasil tem apresentado

Leia mais

Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho. Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores. 12 de Março de 2009

Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho. Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores. 12 de Março de 2009 Visão Geral Da Companhia Dlt Dalton Carlos Heringer CEO e Membro do Conselho Wilson Rio Mardonado d Diretor de Controladoria e de Relações com Investidores 12 de Março de 2009 Mercado Mundial de Fertilizantes

Leia mais

Encarte Especial. Curitiba, semana de 4 a 10 de agosto de 2008. Fertilizantes

Encarte Especial. Curitiba, semana de 4 a 10 de agosto de 2008. Fertilizantes 1 A - 07/29/2008 15:56:09-200x280mm FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA DO ESTADO DO PARANÁ Encarte Especial N o 1016 - ANO XXIII Os ganhos passíveis de serem apropriados pelos produtores rurais brasileiros, neste

Leia mais

COMPLEMENTO DO RELATÓRIO SOBRE O SETOR DE FERTILIZANTES CONTIDO NA PÁGINA 154 DO RELATÓRIO FINAL ENVIADO EM NOVEMBRO DE 2000

COMPLEMENTO DO RELATÓRIO SOBRE O SETOR DE FERTILIZANTES CONTIDO NA PÁGINA 154 DO RELATÓRIO FINAL ENVIADO EM NOVEMBRO DE 2000 CONVÊNIO 02/99 APOIO À INSTALAÇÃO DOS FÓRUNS DE COMPETITIVIDADE NAS CADEIAS PRODUTIVAS COURO/CALÇADOS, TÊXTIL, MADEIRA/MÓVEIS E FERTILIZANTES COMPLEMENTO DO RELATÓRIO SOBRE O SETOR DE FERTILIZANTES CONTIDO

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Agosto 2009 1 Mercado Mundial de Fertilizantes 2 ( Em milhões de toneladas de nutrientes) Mercado Mundial de Fertilizantes por Nutrientes

Leia mais

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio

FERTILIZANTES. Fertilizantes/Fosfato/Potássio Informações e Análises da Economia Mineral Brasileira 7ª Edição FERTILIZANTES Os produtores de Fertilizantes vêm pleiteando há anos uma reforma fiscal que possa trazer a isonomia tributária entre o produto

Leia mais

Atuação do BNDES no setor de fertilizantes no Brasil e perspectivas de investimentos

Atuação do BNDES no setor de fertilizantes no Brasil e perspectivas de investimentos Atuação do BNDES no setor de fertilizantes no Brasil e perspectivas de investimentos Agenda 1. O BNDES e o apoio ao setor de fertilizantes 2. Projetos atuais e em perspectiva 3. Fatores de competitividade

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL

PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL PERFIL CORPORATIVO E OPERACIONAL A Empresa A atua como fornecedora de matériaprima para indústria de fertilizantes e de insumos para empresas químicas, além de prestar serviços de logística através de

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita Segundo estimativas da ONU, A população mundial atingirá 9,3 bilhões de habitantes em 2050; O maior crescimento populacional ocorrerá nos países em desenvolvimento, onde é esperado incremento do consumo

Leia mais

Destaques do Período. Resultados Financeiros

Destaques do Período. Resultados Financeiros Resultados 2T09 14 de Agosto de 2009 1 Agenda Foto: Unidade de Paulínia -SP Destaques do Período 2T09 1S09 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Vendas e Distribuição por Cultura da Heringer LUCRO LÍQUIDO

Leia mais

O mercado de fertilizantes no Brasil Diagnósticos e propostas de políticas 1

O mercado de fertilizantes no Brasil Diagnósticos e propostas de políticas 1 O mercado de fertilizantes no Brasil Diagnósticos e propostas de políticas 1 Ali Aldersi Saab 2 Ricardo de Almeida Paula 3 Resumo: O presente trabalho tem como objetivo central a elaboração de um diagnóstico

Leia mais

Visão Geral da Companhia

Visão Geral da Companhia Visão Geral da Companhia Novembro de 2011 1 (milhões de tons por Nutrientes - NPK) Consumo Mundial de Fertilizantes por Nutrientes N P₂O₅ K₂O 168 157 161 170 175 179 183 187 190 100 99 101 103 105 107

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Assunto: Panorama do mercado de fertilizantes 1 - SUMÁRIO 2 PRODUTOS E INSUMOS Insumos, matérias primas e processos produtivos Tecnologia

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira. Novembro de 2007

Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira. Novembro de 2007 Oferta e demanda de fertilizantes no Brasil: uma avaliação da dependência externa da agricultura brasileira Novembro de 2007 Índice O potencial da agricultura brasileira A dependência externa de fertilizantes

Leia mais

Fertilizantes Heringer S.A.

Fertilizantes Heringer S.A. Fertilizantes Heringer S.A. Visão Geral da Empresa e Mercado aonde esta inserida Resultados do 4º trimestre e do ano de 2007 Dalton Carlos Heringer Jaime Rebelo - CEO e Membro do Conselho - CFO e Diretor

Leia mais

O Mercado e o Desafio da Industria de Fertilizantes no Brasil

O Mercado e o Desafio da Industria de Fertilizantes no Brasil Vicente Lobo Diretor de Mineração e Projetos Bunge Fertilizantes O Mercado e o Desafio da Industria de Fertilizantes no Brasil Setembro 2008 A Importância dos Principais Nutrientes O Nitrogênio (N) é essencial

Leia mais

1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e

1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e 1. Quem Somos 2. Os acionistas 3. Estrutura da empresa 4. Estratégia, Conceito de negócios e serviços 5. Área de atuação: portfólio, regiões e culturas agrícolas 6. Diferenciais de valor 7. Nosso presente

Leia mais

Fosnor Logística Atual e Futura. Abril/2014

Fosnor Logística Atual e Futura. Abril/2014 Fosnor Logística Atual e Futura Abril/2014 A Galvani no Brasil Mais de 75 anos de uma história de conquistas Grupo familiar, brasileiro, fundado na década de 30 em São João da Boa Vista (SP). No início,

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO - BIRD

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME BANCO MUNDIAL BANCO INTERNACIONAL PARA A RECONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO - BIRD CONTRATO Nº 48000.003155/2007-17: DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DUODECENAL (2010-2030) DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME SECRETARIA

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME BANCO MUNDIAL

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME BANCO MUNDIAL CONTRATO Nº 48.3155/7-17: DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DUODECENAL (1-3) DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME SECRETARIA DE GEOLOGIA,

Leia mais

AMA BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL

AMA BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL PROJETOS DE LEI DO SENADO Nº 237/2008 E 114/2009 SENADO FEDERAL ISENÇÃO DO ADICIONAL DE FRETE PARA RENOVAÇÃO DA MARINHA MERCANTE SOBRE FERTILIZANTES CARLOS

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

PRINCIPAIS EMPRESAS E GRUPOS BRASILEIROS DO SETOR DE FERTILIZANTES

PRINCIPAIS EMPRESAS E GRUPOS BRASILEIROS DO SETOR DE FERTILIZANTES PRINCIPAIS EMPRESAS E GRUPOS BRASILEIROS DO SETOR DE FERTILIZANTES Eduardo Fernandes Bruna de Almeida Guimarães Romulo Ramalho Matheus * * Respectivamente, gerente e estagiária do Departamento de Indústria

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 26/2008 CPI dos Insumos Agrícolas

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 26/2008 CPI dos Insumos Agrícolas DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Porto Alegre, terça-feira, 4 de novembro de 2008. 1 PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 26/2008 CPI dos Insumos Agrícolas Aprova o Relatório Final da Comissão Parlamentar de

Leia mais

FERTILIZANTES FERTILIZANTES: UMA VISÃO GLOBAL SINTÉTICA. Victor Pina Dias Eduardo Fernandes*

FERTILIZANTES FERTILIZANTES: UMA VISÃO GLOBAL SINTÉTICA. Victor Pina Dias Eduardo Fernandes* FERTILIZANTES: UMA VISÃO GLOBAL SINTÉTICA Victor Pina Dias Eduardo Fernandes* * Respectivamente, estagiário de Economia e gerente do Departamento de Indústrias Químicas do BNDES. FERTILIZANTES Resumo Os

Leia mais

Publicação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Publicação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Revista de ISSN 1413-4969 Publicação Trimestral Ano XVII - Nº 2 Abr./Maio/Jun. 2008 Publicação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento O mercado de fertilizantes

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS FERNANDO FERRI A ESTRUTURA E A ESTRATÉGIA CONCORRENCIAL DA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES NO BRASIL

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante. Fabio Silveira André Melo

Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante. Fabio Silveira André Melo Relação de Troca até Jan17 Produto Agrícola x Fertilizante Fabio Silveira André Melo Março 2017 Relação de Troca Produto Agrícola x Fertilizante Relação de troca em { Jan / 17 } Soja Milho Arroz Café Algodão

Leia mais

AGOSTO Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia

AGOSTO Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia AGOSTO 2013 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES Em milhões de toneladas TOTAL 157 160 170 177 178 179 N 99 101 103 108

Leia mais

Empresas Globais, Estratégia de Financiamento e Investimento Estratégico no Brasil: Indústria de Fertilizantes Agrícolas

Empresas Globais, Estratégia de Financiamento e Investimento Estratégico no Brasil: Indústria de Fertilizantes Agrícolas Empresas Globais, Estratégia de Financiamento e Investimento Estratégico no Brasil: Indústria de Fertilizantes Agrícolas Luiz Carlos de Oliveira Lima, Ph.D Coordenador do Centro de Pesquisa e Pós-graduação

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

HERINGER DAY. 30 de Outubro de 2008

HERINGER DAY. 30 de Outubro de 2008 HERINGER DAY 30 de Outubro de 2008 Aviso Legal e IFRS Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

INDÚSTRIA NACIONAL DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA FERTILIZANTES. Investimentos : 2012-2017 2012-2017

INDÚSTRIA NACIONAL DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA FERTILIZANTES. Investimentos : 2012-2017 2012-2017 INDÚSTRIA NACIONAL DE MATÉRIAS-PRIMAS PARA FERTILIZANTES Investimentos : 2012-2017 2012-2017 27/agosto/2012 Apresentação Luiz Antonio Veiga Mesquita José Emilio Nico Paulo Virgínio Teixeira de Lucena Nelson

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 316. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. 2. A propósito, cumpre esclarecer que:

CARTA-CIRCULAR Nº 316. Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. 2. A propósito, cumpre esclarecer que: CARTA-CIRCULAR Nº 316 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural AQUISIÇÃO DE FERTILIZANTES QUÍMICOS E MINERAIS Preços Máximos Estamos anexando cópia da Resolução CIP nº 87, de 30.01.79,

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS

O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS www.espm.br/centraldecases O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E AS INFLUÊNCIAS MUNDIAIS Preparado por Profa. Dra. Maria Flávia de Figueiredo

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 43 novembro/2012 Ano 5 no 41 maio/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Fertilizantes Nitrogenados

Fertilizantes Nitrogenados Fertilizantes Nitrogenados Abril de 2009 Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal Segmento de Atuação da Petrobras - Nitrogenados Petrobras Mercado Brasileiro Agregação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FERTILIZANTES PROPOSTAS PARA DISCUSSÃO

PLANO NACIONAL DE FERTILIZANTES PROPOSTAS PARA DISCUSSÃO PLANO NACIONAL DE FERTILIZANTES PROPOSTAS PARA DISCUSSÃO 1 Cenário de produção e demanda de fertilizantes 2 Participação da produção e importação de fertilizantes no Brasil TOTAL NPK (%, mil t) NITROGÊNIO

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

Alimento: como produzir para atender as necesidades

Alimento: como produzir para atender as necesidades Alimento: como produzir para atender as necesidades Sílvio Isopo Porto Brasília (DF), junho de 2011 Fatores Críticos para Agricultura 1. Crescente demanda dos países emergentes 2. Utilização de produtos

Leia mais

Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013

Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013 Commodity Insight Balanço de Oferta e Demanda de Macronutrientes 2013 A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo serviços de execução e consultoria em

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06068/2004/DF COGPA/SEAE/MF Em 22 de abril de 2004. Referência: Ofício nº 6276/2003/SDE/GAB, de 19 de novembro de 2003. Assunto:

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia. Março de 2010

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Visão Geral da Companhia. Março de 2010 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Março de 2010 1 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes 2 mm tons CAGR (1990-2008) Mercados Mundiais e CAGR dos maiores mercados

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

FERTILIZANTES FOSFATADOS S.A. FOSFERTIL (COMPANHIA ABERTA) Relatório da Administração 2009

FERTILIZANTES FOSFATADOS S.A. FOSFERTIL (COMPANHIA ABERTA) Relatório da Administração 2009 FERTILIZANTES FOSFATADOS S.A. FOSFERTIL (COMPANHIA ABERTA) Índice: Relatório da Administração 2009 Demonstrações Financeiras Consolidadas Referentes aos Exercícios Findos em 31 de dezembro de 2009 e de

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PETROBRAS BIOCOMBUSTÍVEL S/A COMISSÃO ESPECIAL DE ENERGIAS RENOVÁVEIS ABRIL DE 2009 1 Agenda Planejamento Estratégico da Petrobras Biocombustível

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Consórcio de Cooperativas:

Consórcio de Cooperativas: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural Consórcio de Cooperativas: uma estratégia

Leia mais

ROULLIER. Alcançando a diferenciação em commodities. www.espm.br/centraldecases

ROULLIER. Alcançando a diferenciação em commodities. www.espm.br/centraldecases ROULLIER Alcançando a diferenciação em commodities www.espm.br/centraldecases ROULLIER Alcançando a diferenciação em commodities Preparado pelo Prof. Artur Vasconcellos, da ESPM-RS. Este caso foi escrito

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FERTILIZANTES NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Departamento de Cooperativismo e Associativismo - DENACOOP INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE CONSÓRCIO Raul de Oliveira Fontoura

Leia mais

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional

Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Estruturação e Integração do Planejamento Tático e Operacional Outubro de 2012 1 Conteúdo Bunge Diagnóstico de Gestão da Cadeia de Valor Evolução do planejamento tático e operacional Resultados do projeto

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

AS POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO E NEGÓCIOS COM O LIXO. Prof. Ms. Luciano Rodrigues Legaspe

AS POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO E NEGÓCIOS COM O LIXO. Prof. Ms. Luciano Rodrigues Legaspe AS POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO E NEGÓCIOS COM O LIXO Prof. Ms. Luciano Rodrigues Legaspe EQUIPE TÉCNICA CETESB CETESB DIONE ZANGELMI ABRAHÃO PRADELLA JOÃO WAGNER DA SILVA ALVES LADY VIRGINIA TRALDI MENESES

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Agenda. Investimentos na área de Gás e Energia - 2011-2015. Ações de Conteúdo Local no Gás e Energia. Ações projetadas em articulação com a indústria

Agenda. Investimentos na área de Gás e Energia - 2011-2015. Ações de Conteúdo Local no Gás e Energia. Ações projetadas em articulação com a indústria Agenda Investimentos na área de Gás e Energia - 2011-2015 Ações de Conteúdo Local no Gás e Energia Projetos Típicos do Gás e Energia Ações projetadas em articulação com a indústria Agenda Investimentos

Leia mais

Capítulo 31. Adubos ou fertilizantes

Capítulo 31. Adubos ou fertilizantes Capítulo 31 Adubos ou fertilizantes Notas. 1. O presente Capítulo não compreende: a) o sangue animal da posição 05.11; b) os produtos de constituição química definida apresentados isoladamente, exceto

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes

Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes Produtividade Agrícola e Consumo de Fertilizantes A produtividade agrícola no Brasil tem crescido mais rapidamente do que o aumento das áreas plantadas MERCADO MUNDIAL US$ 70.000.000.000,00 KCL Us$ 45,00

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Fertilizantes no Brasil Para um Mundo mais bem nutrido Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Alimentando os 10Bi O crescimento da população irá aumentar a demanda mundial por alimentos. Até 2050

Leia mais

PANORAMA ECONÔMICO E TRABALHISTA DA VALE FERTILIZANTES

PANORAMA ECONÔMICO E TRABALHISTA DA VALE FERTILIZANTES SEDE NACIONAL Rua Dona Brígida 299 Vila Marina São Paulo/ SP Fone: (+ 55 11) 3105-0884 / Fax: (+ 55 11) 3107-0538 observatorio@os.org.br www.os.org.br PANORAMA ECONÔMICO E TRABALHISTA DA VALE FERTILIZANTES

Leia mais

22 de novembro de 2007. Apresentação dos Resultados 4T07

22 de novembro de 2007. Apresentação dos Resultados 4T07 22 de novembro de 2007 Apresentação dos Resultados 4T07 Aviso Importante Declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas dos negócios da Companhia, projeções de resultados operacionais

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais